CÁLCULO DE ENSAIOS LABORATORIAIS DE MECÂNICA DOS SOLOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULO DE ENSAIOS LABORATORIAIS DE MECÂNICA DOS SOLOS"

Transcrição

1 IUNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA DE MECÂNICA DOS SOLOS COM FUNDAMENTOS DE GEOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO DE ENSAIOS LABORATORIAIS DE MECÂNICA DOS SOLOS Cláudio Villegas Valejos Hyllttonn Wyktor D. Bazan Jocely Maria Thomazoni Loyola Tiago Augusto Ceccon CURITIBA 2005

2 APRESENTAÇÃO Esta compilação surgiu da necessidade de melhor compreensão dos alunos da disciplina de Mecânica dos Solos com Fundamentos em Geologia no que se refere a parte prática laboratorial de ensaios geotécnicos ministrada no segundo semestre. Cabe aqui um agradecimento especial aos Monitores Hyllttonn Wyktor D. Bazan, Cláudio Villegas Valejos e Tiago Augusto Ceccon, que a partir de um trabalho anterior realizado pelo Profº Alessander Kormann, das normas técnicas e do manual de utilização dos equipamentos tornaram possível esta primeira aproximação. UFPR / TC422 i

3 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... VIII LISTA DE TABELAS...X LISTA DE PLANILHAS...XI LISTA DE SIGLAS...XIV LISTA DE UNIDADES E CONVERSÕES...XV PREFÁCIO AMOSTRAS INDEFORMADAS INTRODUÇÃO OBTENÇÃO DE AMOSTRAS FERRAMENTAS E MATERIAIS AMOSTRA OBTIDA EM POÇOS OU TALUDES AMOSTRA DE SUPERFÍCIE PLANA AMOSTRA DE SUPERFÍCIE VERTICAL IMPERMEABILIZAÇÃO DA AMOSTRA DE SOLO AMOSTRA EM FORMA CILÍNDRICA AMOSTRAS EM CAIXAS ÍNDICE DE SUPORTE CALIFORNIA (CBR) INTRODUÇÃO HISTÓRICO ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO PROCEDIMENTO EQUIPAMENTOS UTILIZADOS PREPARAÇÃO DA AMOSTRA DESCRIÇÃO DA EXECUÇÃO CÁLCULOS UMIDADE...21 UFPR / TC422 ii

4 DENSIDADE ÚMIDA (γ H ) DENSIDADE SECA (γ S ) EXPANSÃO PRESSÃO DETERMINAÇÃO DO ISC EXERCÍCIO RESOLVIDO RESOLU,ÇÃO PESO DO SOLO ÚMIDO A USAR VOLUME DA ÁGUA A ADICIONAR UMIDADE (VERIFICAÇÃO) DENSIDADE ÚMIDA (γ H ) DENSIDADE SECA (γ S ) EXPANSÃO PRESSÃO DETERMINAÇÃO DO ISC EXERCÍCIO PROPOSTO GABARITO DO EXERCÍCIO PROPOSTO ADENSAMENTO DE SOLOS NORMA PROCEDIMENTO APARELHAGEM PREPARAÇÃO DA AMOSTRA DESCRIÇÃO DA EXECUÇÃO CÁLCULOS PESO ESPECÍFICO APARENTE INICIAL PESO ESPECÍFICO APARENTE SECO INICIAL ÍNDICE DE VAZIOS INICIAL GRAU DE SATURAÇÃO INICIAL ALTURA DOS SÓLIDOS ÍNDICE DE VAZIOS GRAU DE SATURAÇÃO FINAL...59 UFPR / TC422 iii

5 COEFICIENTE DE ADENSAMENTO PROCESSO DE CASAGRANDE PROCESSO DE TAYLOR ÍNDICE DE COMPRESSÃO PRESSÃO DE PRÉ ADENSAMENTO EXERCÍCIO RESOLVIDO RESOLUÇÃO VOLUME DO ANEL UMIDADE INICIAL DENSIDADE INICIAL DENSIDADE SECO INICIAL ÍNDICE DE VAZIOS INICIAL GRAU DE SATURAÇÃO INICIAL ALTURA DOS SÓLIDOS ÍNDICE DE VAZIOS GRAU DE SATURAÇÃO FINAL COEFICIENTE DE ADENSAMENTO ÍNDICE DE COMPRESSÃO PRESSÃO DE PRÉ ADENSAMENTO EXERCÍCIO PROPOSTO GABARITO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CISALHAMENTO DIRETO NORMA PROCEDIMENTO APARELHAGEM PREPARAÇÃO DA AMOSTRA DESCRIÇÃO DO APARELHO MONTAGEM DA CÉLULA PREPARAÇÃO DO APARELHO ENSAIO CÁLCULO CARGA VERTICAL A SER APLICADA (N)...98 UFPR / TC422 iv

6 CURVA τ X δ HORIZONTAL ENVOLTÓRIA DE MOHR EXERCÍCIO RESOLVIDO RESOLUÇÃO CARGA VERTICAL A SER APLICADA (N) TENSÃO TANGENCIAL TENSÃO NORMAL CORRIGIDA EXERCÍCIO PROPOSTO GABARITO DO EXERCÍCIO PROPOSTO COMPRESSÃO SIMPLES NORMAS PROCEDIMENTOS APARELHAGEM PREPARAÇÃO DE AMOSTRA EXECUÇÃO DO ENSAIO CALCULOS DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DETERMINAÇÃO DA DEFORMAÇÕ ESPECÍFICA: DETERMINAÇÃO DA ÁREA CORRIGIDA PRESSÃO EXERCIDA SOBRE O CORPO DE PROVA RESULTADOS EXERCÍCIO RESOLVIDO RESOLUÇÃO CÁLCULO DA UMIDADE CÁLCULO DA DEFORMAÇÃO ESPECÍFICA CÁLCULO DA ÁREA CORRIGIDA PRESSÃO SOBRE O CORPO DE PROVA: RESULTADOS EXERCÍCIO PROPOSTO GABARITO DO EXERCÍCIO PROPOSTO COMPRESSÃO TRIAXIAL UFPR / TC422 v

7 6.1. ENSAIO DE COMPRESSÃO TRIAXIAL MEDIDAS REALIZADAS ELEMENTOS DO CÁLCULO DOS ENSAIOS OBTENÇÃO DA ENVOLTÓRIA ADENSAMENTO ANISOTRÓPICO TRAJETÓRIAS DE CARREGAMENTO EXERCÍCIO RESOLVIDO RESOLUÇÃO ÁREA INICIAL VOLUME INICIAL VARIAÇÃO DE VOLUME VOLUME FINAL VARIAÇÃO DE ALTURA ALTURA FINAL DIÂMETRO FINAL PESO ESPECÍFICO INICIAL PESO ESPECÍFICO SECO PESO DO SOLO SECO PESO DA ÁGUA VOLUME DE SÓLIDOS VOLUME DE VAZIOS VOLUME DE ÁGUA VOLUME DE AR GRAU DE SATURAÇÃO ÍNDICE DE VAZIOS POROSIDADE PESO ESPECÍFICO SATURADO PESO ESPECÍFICO SUBMERSO TENSÃO EFETIVA NO ENSAIO PRESSÃO EFETIVA DE CÂMARA PRESSÃO EFETIVA AXIAL CÍRCULOS DE MOHR E ENVOLTÓRIA UFPR / TC422 vi

8 BIBLIOGRAFIA L UFPR / TC422 vii

9 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 ESCAVAÇÃO DE VALA AO REDOR DA AMOSTRA...4 FIGURA 2 APROFUNDAMENTO DA VALA AO REDOR DA AMOSTRA4 FIGURA 3 CORTE DA AMOSTRA...5 FIGURA 4 DETERMINAÇÃO DO CONTORNO DA AMOSTRA...5 FIGURA 5 ESCAVAÇÃO EM TORNO DA AMOSTRA...5 FIGURA 6 CORTE DA AMOSTRA DE SUPERFÍCIE VERTICAL...6 FIGURA 7 IMPERMEABILIZAÇÃO DA AMOSTRA...6 FIGURA 8 - IMPERMEABILIZAÇÃO DA AMOSTRA...7 FIGURA 9 AMOSTRA CILÍNDRICA...8 FIGURA 10 - AMOSTRA CILÍNDRICA...8 FIGURA 11 - AMOSTRA CILÍNDRICA...8 FIGURA 12 - AMOSTRA CILÍNDRICA...8 FIGURA 13 AMOSTRAS EM CAIXAS...9 FIGURA 14 AMOSTRAS EM CAIXAS...9 FIGURA 15 CILINDRO METÁLICO...14 FIGURA 16 PRATO PERFURADO COM HASTES...15 FIGURA 17 SOQUETES...16 FIGURA 18 PORTA EXTENSÔMETRO...17 FIGURA 19 PRENSA PARA A DETERMINAÇÃO DO ISC...18 FIGURA 20 PISTÃO DE PENETRAÇÃO...18 FIGURA 21 - CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO...24 FIGURA 22 - CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO...44 FIGURA 23 ANEL FIXO...54 FIGURA 24 ANEL FLUTUANTE...54 FIGURA 25 ALTURA X TEMPO...60 FIGURA 26 ALTURA DO CORPO DE PROVA X TEMPO FIGURA 27 OBTENÇÃO DA PRESSÃO DE PRÉ ADENSAMENTO...64 UFPR / TC422 viii

10 FIGURA 28 τ X δ hor...99 FIGURA 29 ENVOLTÓRIA DE MOHR FIGURA 30 - ENVOLTÓRIA DE MOHR FIGURA 31 CÍRCULO DE MOHR FIGURA 32 CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO FIGURA 33 - CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO FIGURA 34 ENVOLTÓRIA DE RESISTÊNCIA FIGURA 35 - CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO FIGURA 36 - CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO FIGURA 37 ESQUEMA DA CÃMARA FIGURA 38 FORÇAS ATUANTES NP CORPO DE PROVA FIGURA 39 CURVAS DE TENSÃO DEFORMAÇÃO FIGURA 40 - OPÇÕES FIGURA 41 ENVOLTÓRIA COM CIRCULOS DE MOHR FIGURA 42 PLANOS DE RUPTURA UFPR / TC422 ix

11 LISTA DE TABELAS TABELA 1 FERRAMENTAS E MATERIAIS...3 TABELA 2 ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...11 TABELA 3 COEFICIENTES DE ADENSAMENTO...70 TABELA 4 DADOS PARA O ÍNDICE DE COMPRESSÃO...70 TABELA 5 CÁLCULO DO ÍNDICE DE COMPRESSÃO...71 UFPR / TC422 x

12 LISTA DE PLANILHAS PLANILHA 1 DADOS DA COMPACTAÇÃO...25 PLANILHA 2 DADOS DA EXPANSÃO...26 PLANILHA 3 DADOS DO PRIMEIRO PONTO...27 PLANILHA 4 DADOS DO SEGUNDO PONTO...28 PLANILHA 5 DADOS DO TERCEIRO PONTO...29 PLANILHA 6 DADOS DO QUARTO PONTO...30 PLANILHA 7 DADOS DO QUINTO PONTO...31 PLANILHA 8 COMPACTAÇÃO...35 PLANILHA 9 - EXPANSÃO...36 PLANILHA 10 PRIMEIRO PONTO...37 PLANILHA 11 SEGUNDO PONTO...38 PLANILHA 12 TERCEIRO PONTO...39 PLANILHA 13 QUARTO PONTO...40 PLANILHA 14 QUINTO PONTO...41 PLANILHA 15 RESUMO DO ENSAIO DE CBR...42 PLANILHA 16 RESUMO DO ENSAIO DE CBR...43 PLANILHA 17 - COMPACTAÇÃO...45 PLANILHA 18 - EXPANSÃO...46 PLANILHA 19 TERCEIRO PONTO...47 PLANILHA 20 RESUMO DO ENSAIO DE CBR...48 PLANILHA 21 GABARITO DO RESUMO DO ENSAIO DE CBR...49 PLANILHA 22 GABARITO DA COMPACTAÇÃO...50 PLANILHA 23 GABARITO DA EXPANSÃO...51 PLANILHA 24 GABARITO DO TERCEIRO PONTO...52 PLANILHA 25 DADOS PARA O ENSAIO DE ADENSAMENTO...66 PLANILHA 26 DADOS DO ENSAIO DE ADENSAMENTO...72 PLANILHA 27 CURVA log( P) e...73 UFPR / TC422 xi

13 PLANILHA 28 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 5 KPa...74 PLANILHA 29 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 20 KPa...75 PLANILHA 30 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 40 KPa...76 PLANILHA 31 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 80 KPa...77 PLANILHA 32 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 160 KPa...78 PLANILHA 33 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 320 KPa...79 PLANILHA 34 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 640 KPa...80 PLANILHA 35 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 1200 KPa...81 PLANILHA 36 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 2560 KPa...82 PLANILHA 37 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 5120 KPa...83 PLANILHA 38 DADOS PARA O ENSAIO DE ADENSAMENTO...85 PLANILHA 39 CURVA log( P) e...86 PLANILHA 40 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 25 KPa...87 PLANILHA 41 ADENSAMENTO PARA PRESSÃO DE 1600 KPa...88 PLANILHA 42 GABARITO DO ENSAIO DE ADENSAMENTO...89 PLANILHA 43 GABARITO: CURVA log( P) e...90 PLANILHA 44 GABARITO: ADENSAMENTO PARA 25 KPa...91 PLANILHA 45 GABARITO: ADENSAMENTO PARA 1600 KPa...92 PLANILHA 46 DADOS DO CARREGAMENTO DE 50 KPa PLANILHA 47 DADOS DO CARREGAMENTO DE 100 KPa PLANILHA 48 DADOS DO CARREGAMENTO DE 150 KPa PLANILHA 49 RESOLUÇÃO DO CARREGAMENTO DE 50 KPa PLANILHA 50 RESOLUÇÃO DO CARREGAMENTO DE 100 KPa PLANILHA 51 RESOLUÇÃO DO CARREGAMENTO DE 150 KPa PLANILHA 52 ENVOLTÓRIA DE RESISTÊNCIA PLANILHA 53 - DADOS DO CARREGAMENTO DE 50 KPa PLANILHA 54 - DADOS DO CARREGAMENTO DE 100 KPa PLANILHA 55 - DADOS DO CARREGAMENTO DE 150 KPa PLANILHA 56 - ENVOLTÓRIA DE RESISTÊNCIA PLANILHA 57 GABARITO PARA CARREGAMENTO DE 50 KPa UFPR / TC422 xii

14 PLANILHA 58 - GABARITO PARA CARREGAMENTO DE 100 KPa PLANILHA 59 - GABARITO PARA CARREGAMENTO DE 150 KPa PLANILHA 60 GABARITO DA ENVOLTÓRIA DE RESISTÊNCIA PLANILHA 61 DADOS PARA O CÁLCULO DO ENSAIO PLANILHA 62 DADOS DA COMPRESSÃO SIMPLES PLANILHA 63 GRÁFICO TENSÃO DEFORMAÇÃO DO SOLO PLANILHA 64 DADOS DA COMPRESSÃO SIMPLES PLANILHA 65 GRÁFICO TENSÃO DEFORMAÇÃO DO SOLO PLANILHA 66 GABARITO: COMPRESSÃO SIMPLES PLANILHA 67 GABARITO: TENSÃO DEFORMAÇÃO DO SOLO PLANILHA 68 ESTÁGIOS DE SATURAÇÃO E ADENSAMENTO PLANILHA 69 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 70 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 71 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 72 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 73 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 74 UMIDADE DOS ENSAIOS PLANILHA 75 - RESUMO DO ENSAIO E DADOS DA RUPTURA PLANILHA 76 ENVOLTÓRIA DE RESISTÊNCIA PLANILHA 77 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 78 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 79 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 80 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 81 DADOS INICIAIS DO ENSAIO PLANILHA 82 UMIDADE DOS ENSAIOS PLANILHA 83 RESUMO E PRESSÕES NA RUPTURA PLANILHA 84 RESULTADOS DO ENSAIO PLANILHA 85 RESULTADOS DO ENSAIO UFPR / TC422 xiii

15 LISTA DE SIGLAS ABMS Associação Brasileira de Mecânica dos Solos. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. CBR California Bearing Ratio (sinônimo de ISC). DNER Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. ISC Índice de Suporte Califórnia (sinônimo de CBR). LACTEC Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento. LAME Laboratório de Materiais e Estruturas. NBR Norma Brasileira. USACE United States Army Corps of Engineers. UFPR / TC422 xiv

16 LISTA DE UNIDADES E CONVERSÕES Comprimento: Polegada (inch) 1" 2,54 cm 25,4 mm Micrometro 1000 µm 1 mm Volume: Centímetro cúbico 1000 cm³ 1 dm³ 1 litro Força: Grama-força 1000 gf 1 Kgf 10 N Pressão: Kilograma-força por cm² 1 Kgf/cm² 100 KPa 0,1 MPa Libras por polegada quadrada 1 psi 6,985 KPa (Pounds per square inch psi) UFPR / TC422 xv

17 PREFÁCIO A Mecânica dos Solos desempenha um importante papel em vários ramos da Engenharia e hoje figura no elenco de vários cursos de graduação, até porque muitos processos mecânicos que ocorrem nos solos, e que são objetos de estudo da Mecânica dos Solos, fazem parte de assuntos científicos e de problemas relacionados com a segurança e qualidade de vida do homem. Processos específicos de grande interesse e importância incluem a estabilidade de fundações, de encostas, de aterros sanitários, contaminação de solos, entre outros. Em vista dessas considerações, esta compilação teve por objetivo dispor ao aluno da disciplina de Mecânica dos Solos com Fundamentos em Geologia elementos básicos importantes, que possam auxiliá-lo na condução de ensaios laboratoriais para fins geotécnicos. Embora se trate de uma compilação das normas técnicas da ABNT e de manuais de procedimentos das prensas utilizadas nos ensaios, o seu nível é elementar diante da complexidade exigida. Esta compilação está estruturada em 6 capítulos: o primeiro trata da retirada de amostras indeformadas; o segundo enfoca o ensaio CBR; já o terceiro trata do ensaio de adensamento; o quarto do ensaio de cisalhamento direto; o quinto capítulo aborda o ensaio de compressão simples e finalmente o último capítulo se refere ao ensaio triaxial. Ademais o aluno encontrará ao final de cada capítulo exercícios resolvidos e propostos, cujos dados foram obtidos de solos ensaiados pelo Laboratório de Solos do LACTEC, que gentilmente nos cedeu para fins didáticos. UFPR / TC422 1

18 Estes capítulos fazem parte do conteúdo programático da disciplina TC422 Mecânica dos Solos com Fundamentos em Geologia do curso de Engenharia Civil da UFPR. Trata-se, no entanto,de uma primeira aproximação e por certo muitas alterações deverão ser introduzidas para melhor se aproximar dos objetivos propostos. Por isso, os autores agradecem qualquer manifestação crítica ou sugestiva que possa contribuir ao melhoramento dos conteúdos aqui abordados. Julho de 2005 Profª Jocely Maria Thomazoni Loyola UFPR / TC422 2

19 1 AMOSTRAS INDEFORMADAS 1. AMOSTRAS INDEFORMADAS 1.1. INTRODUÇÃO Amostras indeformadas são aquelas em que a estrutura natural do solo deve ser preservada. Estas amostras são necessárias para determinar parâmetros de dimensionamento de fundações. Estes parâmetros são obtidos através da realização de ensaios mecânicos laboratoriais OBTENÇÃO DE AMOSTRAS FERRAMENTAS E MATERIAIS Para a obtenção de amostras indeformadas faz-se necessário utilizar as ferramentas cortantes e materiais mais adequados para cada solo. Estes materiais e ferramentas estão descritos na Tabela 1. TABELA 1 FERRAMENTAS E MATERIAIS FERRAMENTA NORMAL FERRAMENTA COMPLEMENTAR FERRAMENTA PROVISÓRIA Colher Ferramentas de escavar Serra de arame Barbante Canivete Trincha Pá ou enxada Fogareiro Fita isolante Parafina Papel Chave de fenda Recipientes adequados Colher de pedreiro Luvas Faca Vaselina Régua Folhas de serra AMOSTRA OBTIDA EM POÇOS OU TALUDES A amostra indeformada mais simples é obtida cortando-se parte do solo no tamanho desejado e impermeabilizando-se para evitar perda de umidade e rupturas durante seu transporte e manuseio. UFPR / TC422 3

20 Este método só deve ser utilizado em solos que não se deformem, desagreguem ou quebrem quando são removidas AMOSTRA DE SUPERFÍCIE PLANA Alisa-se a superfície do terreno e marca-se o contorno da amostra (por exemplo, 25 x 25 x 25 cm) a extrair; Escava-se uma vala ao redor dela (Figura 1); FIGURA 1 ESCAVAÇÃO DE VALA AO REDOR DA AMOSTRA Aprofunda-se a escavação (Figura 2) e cortam-se os lados com o auxílio de uma faca (Figura 3). FIGURA 2 APROFUNDAMENTO DA VALA AO REDOR DA AMOSTRA UFPR / TC422 4

21 FIGURA 3 CORTE DA AMOSTRA AMOSTRA DE SUPERFÍCIE VERTICAL Alisa-se cuidadosamente a superfície e marca-se o contorno da amostra (Figura 4); FIGURA 4 DETERMINAÇÃO DO CONTORNO DA AMOSTRA Escava-se ao redor e por trás da amostra, mantendo-se a forma grosseira com a faca (Figura 5); FIGURA 5 ESCAVAÇÃO EM TORNO DA AMOSTRA Corta-se a amostra do local cuidadosamente (Figura 6). UFPR / TC422 5

22 FIGURA 6 CORTE DA AMOSTRA DE SUPERFÍCIE VERTICAL IMPERMEABILIZAÇÃO DA AMOSTRA DE SOLO Corta-se a amostra formando arestas toscas; Aplicam-se três camadas de parafina derretida com uma trincha, nos sentidos vertical, horizontal e transversal, deixando as camadas anteriores secarem antes da aplicação de uma nova camada; A amostra deverá ser envolta em algodão ou tecido de nylon, devidamente amarrado com fita isolante ou barbante; Finalmente, deverão ser aplicadas mais três camadas de parafina (Figura 7). FIGURA 7 IMPERMEABILIZAÇÃO DA AMOSTRA Para obter segurança no manuseio e transporte da amostra, coloca-se a amostra numa caixa de madeira e empacota-se para total proteção (Figura 8). UFPR / TC422 6

23 FIGURA 8 - IMPERMEABILIZAÇÃO DA AMOSTRA AMOSTRA EM FORMA CILÍNDRICA Para coleta de amostra em solos arenosos é necessário todo cuidado para manter as características do solo. Para isto, faz-se uso do cilindro do ensaio de CBR como uma lata previamente preparada, possuindo diâmetro de 20cm e altura de 25cm, sendo esta quantidade suficiente para execução do ensaio. Deve-se untar a superfície interna da lata com vaselina, e abrir furos no fundo da lata (Figura 9); Em seguida horizontaliza-se a superfície do terreno e pressiona-se a lata contra o solo; a pressão deve ser moderada; Escava-se uma vala ao redor da lata; Pressiona-se novamente a lata para baixo, sem incliná-la, e escava-se ao seu redor, evitando-se atingir a amostra (Figura 10); Escava-se ainda mais a vala e repete-se o processo até que todo o solo ao redor da lata tenha sido retirado. Corta-se a amostra e derrama-se parafina nos furos e na parte inferior, regularizando a superfície e enchendo-a com parafina (Figura 12); Veda-se completamente e protege-se para transporte. UFPR / TC422 7

24 FIGURA 9 AMOSTRA CILÍNDRICA FIGURA 11 - AMOSTRA CILÍNDRICA FIGURA 10 - AMOSTRA CILÍNDRICA FIGURA 12 - AMOSTRA CILÍNDRICA AMOSTRAS EM CAIXAS É utilizada quando se faz necessário manter as condições naturais durante o transporte ou armazenamento. Escava-se como para obter um bloco de amostra, e em seguida coloca-se a caixa no sobre o solo, reduzindo-o se necessário (Figura 13); UFPR / TC422 8

25 FIGURA 13 AMOSTRAS EM CAIXAS Derrama-se parafina sobre a amostra de tal modo que preencha os lados e a face superior. Em seguida, tampa-se a caixa (Figura 14); FIGURA 14 AMOSTRAS EM CAIXAS Corta-se a amostra e retira-se a caixa, virando-a ao contrário; Corta-se a superfície exposta, impermeabiliza-se com parafina e fecha-se a caixa. UFPR / TC422 9

26 2 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFORNIA (CBR) 2. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFORNIA (CBR) 2.1. INTRODUÇÃO HISTÓRICO O método de Índice de Suporte Califórnia (California Bearing Ratio) teve sua origem no estado da Califórnia, quando foi introduzido pelo engenheiro O. J. Porter em Foi depois desenvolvido e modificado pelo United States Corps of Engineeers (USACE), sendo hoje um dos mais conhecidos métodos de dimensionamento de pavimentos flexíveis. Por isso, é adotado por uma grande parcela dos órgãos rodoviários no Brasil e no mundo. O método original de Porter procurou uma prova de realidade prática, como a do cisalhamento, que executou em condições pré fixadas de densidade e umidade. Os resultados obtidos com os materiais ensaiados serviram para classificá-los, tendo em conta como os mesmo haviam se comportado em serviço, em sua densidade e umidade de obra. Embora as condições do ensaio CBR não sejam exatamente as das obras, não se pode esquecer que a resistência à penetração considerada no ensaio é uma medida de resistência de cisalhamento do material, fundamental para calcular sua estabilidade. O ensaio de penetração deve ser feito após 4 (quatro) dias de imersão do corpo de prova, para simular a pior condição possível do subleito. Assim, o valor 100% que corresponde a 70,31 Kgf/cm² (1000 psi) em corpo de prova embebido a 0,1" (2,54 mm) de penetração UFPR / TC422 10

27 corresponde a um material essencialmente friccional, mistura granular estabilizada, tamanho máximo de 1" (25,4 mm) de excelente comportamento em estradas, segundo estatísticas. Na época de efetuar-se a correlação, as densidades de obras, segundo as exigências das especificações californianas, possuíam valores semelhantes aos de Proctor e com pressão e altura de queda igualmente Standard de 2,5 Kgf e 8 Kgf/cm². O valor 100% poderá também corresponder à penetração de 0,2" (5,08 mm), sendo a pressão do material padrão 105,46 Kgf/cm² (1500 psi) ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO TABELA 2 ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO CILINDRO CARACTERÍSTICAS INERENTES A CADA ENERGIA DE COMPACTAÇÃO ENERGIA NORMAL INTERMEDIÁRIA MODIFICADA Grande Soquete Grande Grande Grande Número de camadas Número de golpes por camada Altura do disco espaçador PROCEDIMENTO O procedimento aqui descrito é o recomendado pela NBR EQUIPAMENTOS UTILIZADOS A aparelhagem necessária para a execução do ensaio está apresentada a seguir: o Balanças com sensibilidade e que permitam pesar nominalmente 20 Kgf, 1500 gf e 200 gf com resolução de 1 gf, 0,1 gf e 0,01 gf respectivamente; o Peneiras 4,8 mm e 19 mm; o Estufa capaz de manter a temperatura entre 105 e 110 ºC; UFPR / TC422 11

28 o Cápsulas metálicas para determinação da umidade; o Bandejas metálicas de 75 x 50 x 5 cm; o Régua biselada com comprimento de 30 cm; o Espátulas de lâmina flexível com aproximadamente 10 x 12 cm e 2 x 10 cm (largura x comprimento); o Cilindro que compreende o molde cilíndrico de bronze, latão ou ferro galvanizado, base perfurada, cilindro complementar de mesmo diâmetro (colarinho) e disco espaçador metálico, com as dimensões indicadas na Figura 15; o Soquete podendo ser de bronze, latão ou ferro galvanizado, com peso de 4536 ± 10 gf e dotado de dispositivo de controle de altura de queda (guia) de 457 ± 2 mm, com as dimensões indicadas na Figura 16; o Prato perfurado de bronze, latão ou ferro galvanizado, com 149 mm de diâmetro e 5 mm de espessura, haste central ajustável constituída de uma parte fixa rosqueada e de uma camisa rosqueada internamente, com a face superior plana para contato com o extensômetro, com as dimensões indicadas na Figura 17; o Porta-extensômetro, com as dimensões indicadas na Figura 18; o Disco anelar de aço para sobrecarga, dividido diametralmente em duas partes, possuindo 2270 ± 10 gf de peso total, diâmetro externo de 149 mm e diâmetro interno de 54 mm; o Extensômetro com curso mínimo de 10 mm, graduado em 0,01 mm; o Prensa, conforme indicado na Figura 19; UFPR / TC422 12

29 o Pistão de penetração (Figura 20), de aço, com 49,6 mm de diâmetro e altura em torno de 190 mm, variável conforme as condições de operação e fixo à parte inferior do anel; o Extrator de corpo de prova; o Tanque ou recipiente com capacidade tal que permita a imersão total do corpo de prova; o Papel filtro circular com cerca de 150 mm de diâmetro; o Provetas de vidro com capacidade de 1000 cm³, 200 cm³ e 100 cm³ provido de graduações de 10 cm³, 2 cm³ e 1 cm³, respectivamente; o Desempenadeira de madeira com 13 x 25 cm; o Conchas metálicas com capacidade de 1000 cm³ e 500 cm³; o Base rígida, preferencialmente de concreto, peso superior a 100 Kgf; o Frigideira para determinação da umidade higroscópica; o Fogareiro. UFPR / TC422 13

30 FIGURA 15 CILINDRO METÁLICO Fonte: ABNT UFPR / TC422 14

31 FIGURA 16 PRATO PERFURADO COM HASTES Fonte: ABNT UFPR / TC422 15

32 FIGURA 17 SOQUETES Fonte: ABNT UFPR / TC422 16

33 FIGURA 18 PORTA EXTENSÔMETRO Fonte: ABNT UFPR / TC422 17

34 FIGURA 19 PRENSA PARA A DETERMINAÇÃO DO ISC FIGURA 20 PISTÃO DE PENETRAÇÃO Fonte: ABNT Fonte: ABNT PREPARAÇÃO DA AMOSTRA A amostra recebida é seca ao ar, destorroada no almofariz pela mão de gral, homogeneizada e reduzida, com o auxílio do repartidor de amostras ou por quarteamento, até obter-se uma amostra representativa de 6000 gf, para solos siltosos ou argilosos e 7000 gf, no caso de solos arenosos ou pedregulhosos. Passa-se esta amostra representativa na peneira de 19mm. Havendo material retido nessa peneira, procede-se à substituição do mesmo por igual quantidade em peso do material passando na peneira de 19 mm e retido na de 4,8 mm, obtido de outra amostra representativa. UFPR / TC422 18

35 A moldagem do corpo de prova para o ensaio de Índice de Suporte Califórnia (CBR) é feita na umidade ótima, obtida do ensaio de compactação, conforme a energia a ser adotada. Inicialmente, determina-se a umidade higroscópica do material pelo método da frigideira. Uma amostra do solo é colocada em uma cápsula, obtendo-se os seguintes valores: peso da cápsula e peso da cápsula + solo úmido. Na seqüência, transfere-se o solo da cápsula para a frigideira, a qual é levada ao fogareiro. A frigideira deve ser mantida no fogo até que se verifique constância de peso do conjunto frigideira + solo. Alcançada essa condição, o solo é colocado novamente na cápsula, obtendo-se: peso da cápsula + solo seco. Uma vez calculada a umidade higroscópica h1, o próximo passo consiste em calcular o peso de solo seco PS do material da bandeja. Determinando-se o peso do solo úmido PH da bandeja, PS é calculado por: P S P H 1 h Com base na umidade ótima (hot) do ensaio de compactação, o volume de água a adicionar será dado por: V A PS ( hot h ) γ A DESCRIÇÃO DA EXECUÇÃO Adiciona-se o volume de água calculado à amostra representativa do solo, procedendo-se a uma homogeneização adequada. A seguir pesa-se o molde, fixando-o então a sua base metálica. Ajusta-se o cilindro complementar (colarinho), coloca-se o disco espaçador e a folha de papel filtro, e apoia-se o conjunto em uma base plana e firme. UFPR / TC422 19

36 Lança-se a amostra representativa no interior do molde, em cinco camadas iguais. Cada uma das camadas será compactada, recebendo um número de golpes correspondente à energia de compactação adotada. A compactação de cada camada deve ser precedida de uma ligeira escarificação da parte superior da camada subjacente. Determina-se a umidade de uma porção da amostra remanescente na bandeja, retirada imediatamente após a compactação da segunda camada. Esta umidade poderá se desviar até 0,5% da hot. Remove-se o cilindro complementar, tendo-se antes o cuidado de destacar, com auxílio da espátula, o material a ele aderente. Com a régua biselada, rasa-se o material na altura exata do molde e retira-se cilindro do prato para remover o disco espaçador e o papel filtro. Determina-se o peso do conjunto molde cilíndrico + material úmido compactado. Fixa-se o mesmo ao prato de forma invertida, com o vazio deixado pelo disco espaçador para cima. No espaço deixado pelo disco espaçador será colocado o prato perfurado com haste ajustável e os discos anelares de sobrecarga, que equivalem ao peso do pavimento. Esta sobrecarga não poderá ser inferior a 4536 gf. Apoia-se, no bordo superior do molde cilíndrico, um tripé porta extensômetro, e a este tripé ajusta-se um extensômetro que, em contato com a haste ajustável do prato perfurado, permitirá medir as expansões ocorridas. Anotar a leitura inicial e imergir o corpo de prova no tanque para saturação. Efetuar leituras no extensômetro de 24 em 24 horas, no período de 96 horas. Terminado o período de embebição, o molde com o corpo de prova será retirado da imersão e deixado drenar durante 15 minutos. Pesa-se o conjunto, para determinação do peso de água absorvida da nova densidade do solo. O peso de água absorvida após a UFPR / TC422 20

37 drenagem corresponderá à diferença entre as pesagens do conjunto molde + amostra úmida compactada, antes e depois da embebição. Coloca-se no topo do corpo de prova, dentro do molde cilíndrico, a sobrecarga utilizada no ensaio de expansão. Leva-se então o conjunto ao prato da prensa e faz-se o assentamento do pistão de penetração do solo, através da aplicação de uma carga de aproximadamente 4,5 Kgf, controlada pelo anel dinamométrico. Procede-se então à zeragem dos extensômetros do anel dinamométrico e de medida de penetração do pistão no solo, cujo pino se apóia no bordo superior do molde. Aciona-se a manivela da prensa correspondente ao avanço micrométrico, de modo a se observar uma velocidade de 1,27 mm/min. Anota-se nos tempos e valores de penetração indicados na tabela as leituras do extensômetro do anel CÁLCULOS UMIDADE P A h P P P A S H P S 100% Onde: h é a umidade do solo (%) PH é o peso do solo úmido (gf) PS é o peso do solo seco (gf) PA é o peso da água (gf) DENSIDADE ÚMIDA (γ H ) γ H P H V Onde: γh é a densidade úmida do solo (gf/cm³) UFPR / TC422 21

38 PH é o peso úmido do material compactado (gf) V é o volume interno do cilindro 2085 cm³ DENSIDADE SECA (γ S ) γ S γ H 1 h Onde: γs é a densidade seca do solo (gf/cm³) EXPANSÃO Com os valores de altura registrados durante a embebição do corpo de prova, o valor de expansão será calculado por: Dif Expansão Altura 100% Onde: Dif é a diferença entre leituras de altura do corpo de prova Altura é a altura do corpo de prova padrão (Altura MOLDE Altura DISCO) OBS.: Para disco espaçador de 63,5 mm, a altura inicial do corpo de prova será: 177,8 63,5 114,3 mm PRESSÃO F P A Onde: P pressão exercida pelo pistão de penetração no solo (N/cm²) A é a área do pistão 19,32 cm² F é a força total exercida pelo pistão no solo (N) UFPR / TC422 22

39 OBS.: F é obtido através da curva de calibração do anel dinamométrico, aplicando o valor lido e obtendo a força correspondente DETERMINAÇÃO DO ISC A obtenção do ISC se faz traçando a curva pressão x penetração do pistão. Se a citada curva apresentar um ponto de inflexão, traça-se nesse ponto uma tangente até que se intercepte o eixo correspondente às penetrações do pistão. A curva corrigida será então composta por tal tangente mais a porção convexa da curva original, e a nova origem será o ponto aonde a tangente traçada intercepta o eixo das penetrações. Sendo c a distância entre a origem antiga e a origem corrigida, soma-se este valor às penetrações de 2,54 mm e 5,08 mm (0,1" e 0,2" respectivamente), encontrando-se os valores de pressão para essas penetrações corrigidas. O valor do Índice de Suporte Califórnia é obtido pela fórmula: ISC% Pressão calculada ou Pressão corrigida Pressão padrão 2.4. EXERCÍCIO RESOLVIDO Calcule a partir dos dados do solo. a. A fase de Compactação b. A fase de Expansão c. A curva ISC(%) X Umidade(%) Considere a pressão do material padrão como: o Para 0,1" (2,54 mm): 100% 69 kgf/cm² 6,9 MPa o Para 0,2" (5,08 mm): 103,5 kgf/cm² 10,35 MPa cinza. Os campos que deverão ser calculados estão hachurados em UFPR / TC422 23

40 Figura 21. A curva de calibração do anel dinamométrico é apresentada na FIGURA 21 - CALIBRAÇÃO DO ANEL DINAMOMÉTRICO Carga Aplicada (N) y 22,661x Leitura do Anel Dinamométrico (µm) UFPR / TC422 24

41 PLANILHA 1 DADOS DA COMPACTAÇÃO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA COMPACTAÇÃO SEM REUSO NBR-9897/87 DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: 11/3/2004 UMIDADE ÓTIMA DA AMOSTRA (%) UMIDADE HIGROSCÓPICA DA AMOSTRA (%) MASSA DE SOLO SECO A USAR (g) MASSA DE SOLO ÚMIDO A PESAR (g) Diferença da umidade ótima (%) Umidade a compactar (%) Volume de água a adicionar (ml) Volume acrescentado (ml) Diferença de volume (ml) Cilindro Número Massa do molde (g) Volume do molde (cm³) Massa do Massa do solo molde + solo (g) (g) Massa específica aparente (g/cm 3 ) Massa específica aparente seca γs (g/cm 3 ) Número da cápsula Massa da cápsula vazia (g) Massa da cáp. mais solo umido (g) Massa da cáp. mais solo seco (g) Umidade (%) Massa da cápsula vazia (g) VERIFICAÇÃO DA UMIDADE ANTES DE COMPACTAR Massa da cápsula mais solo úmido (g) Massa da cápsula mais solo seco (g) Umidade (%) UFPR / TC422 25

42 PLANILHA 2 DADOS DA EXPANSÃO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: 11/3/2004 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA EXPANSÃO NBR-9897/87 RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Clindro número Data Hora Leitura do relógio celso/valdevan Altura inicial do corpo de prova Clindro número Data Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova 11-mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: Hora Clindro número Data Hora Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova Massa da sobrecarga : Massa da sobrecarga : g Massa da sobrecarga : g Clindro número Data Hora Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova Clindro número 11-mar 11: mar 11: mar 11:00 19,,5 12-mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: mar 11: Massa da sobrecarga : g Massa da sobrecarga : g Data Hora Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova Clindro número Leitura inicial Leitura final Altura inicial do corpo de prova Expansão (%) UFPR / TC422 26

43 PLANILHA 3 DADOS DO PRIMEIRO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: 15/3/2004 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO PRIMEIRO PONTO 10.0 Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : Penetração Pressão (MPa) ISC (%) Valor corrigido (%) Adotado ISC(%) Penetração Tempo (min) Leitura no anel (µm) Carga (N) Pressão aplicada (MPa) PRESSÃO (MPa) PENETRAÇÃO UFPR / TC422 27

44 PLANILHA 4 DADOS DO SEGUNDO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 15/3/ ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO SEGUNDO PONTO Penetração Pressão (MPa) ISC (%) Valor corrigido (%) Adotado ISC(%) Penetração Tempo (min) Leitura no anel (µm) Carga (N) Pressão aplicada (MPa) PRESSÃO (MPa) PENETRAÇÃO UFPR / TC422 28

45 PLANILHA 5 DADOS DO TERCEIRO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 15/3/ ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA GRÁFICO DO TERCEIRO PONTO Penetração ISC(%) Penetração Pressão (MPa) Tempo (min) ISC (%) Leitura no anel (µm) Valor corrigido (%) Carga (N) Adotado Pressão aplicada (MPa) PRESSÃO (MPa) PENETRAÇÃO UFPR / TC422 29

46 PLANILHA 6 DADOS DO QUARTO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: 15/3/2004 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO QUARTO PONTO 15.0 Penetração Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : ISC (%) ISC(%) Penetração Pressão (MPa) Tempo (min) Leitura no anel (µm) Valor corrigido (%) Carga (N) Adotado Pressão aplicada (MPa) µ PRESSÃO (MPa) PENETRAÇÃO UFPR / TC422 30

47 PLANILHA 7 DADOS DO QUINTO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 15/3/ ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO QUINTO PONTO Penetração ISC(%) Penetração Pressão (MPa) Tempo (min) ISC (%) Leitura no anel (µm) Valor corrigido (%) Carga (N) Adotado Pressão aplicada (MPa) PRESSÃO (MPa) PENETRAÇÃO UFPR / TC422 31

48 2.4.1.RESOLU,ÇÃO PESO DO SOLO ÚMIDO A USAR h1 1,2 Ph PS g VOLUME DA ÁGUA A ADICIONAR Para o ponto de umidade ótima h 13,5 % V A ( 13,5 1,2 ) PS (hot h1 ) γ A 738 g Este cálculo deve ser efetuado para todas as umidades (umidade ótima, duas umidades acima da ótima e duas umidades abaixo da ótima) conforme a Planilha UMIDADE (VERIFICAÇÃO) Para o ponto de umidade ótima h P P A S 100% 492,62 442,85 442,85 74,21 13,5% Planilha 8. A verificação deve ser feita para todas as umidades conforme a DENSIDADE ÚMIDA (γh) Para o ponto de umidade ótima γ H PH V ,45 2, 16 g / cm 3 Planilha 8. Este cálculo deve ser feito para todas as umidades conforme a DENSIDADE SECA (γs) γ S γ H 1 h , , ,90 g / cm 3 UFPR / TC422 32

49 Planilha 8. Este cálculo deve ser feito para todas as umidades conforme a EXPANSÃO Para o cálculo deverão ser usados os dados da Planilha 9. Diferença entre leituras Expansão 100% Altura Para o cilindro 11: 20,04 20,00 Expansão 100% 0,35% 11,42 Para o cilindro 12: 1,04 1,00 Expansão 100% 0,35% 11,42 Para o cilindro 13: 20,03 20,00 Expansão 100% 0,26% 11,41 Para o cilindro 15: 19,50 20,00 Expansão 100% 11,43 4,37% Para o cilindro 19: 1,02 2,00 Expansão 100% 11,43 8,60% PRESSÃO Para exemplificação serão calculados os valores de duas pressões para o primeiro ponto do Ensaio (Planilha 10). Para os demais pontos (Planilha 11 à Planilha 14) o procedimento será o mesmo. Pressão correspondente à penetração de 2,54 mm: P F A 22, , ,62 N/cm 2 2, 166 MPa Obs: 2 1N 2 1N 100 cm 4 N cm cm 1 m m MPa UFPR / TC422 33

50 Pressão correspondente à penetração de 5,08 mm: P F A 22, , ,25 N/cm 2 3,442 MPa Este cálculo deve ser feito para todas as penetrações e todos os pontos (Planilha 10 á Planilha 14) DETERMINAÇÃO DO ISC Para exemplificação serão calculados os valores para o primeiro ponto do Ensaio (Planilha 10). Para os demais pontos (Planilha 11 à Planilha 14) o procedimento será o mesmo. ISC correspondente à penetração de 2,54 mm: ISC% Pressão calculada ou Pressão corrigida Pressão padrão 2,1662 ISC% 100% 31,39% 6,9 ISC correspondente à penetração de 2,54 mm: ISC% Pressão calculada ou Pressão corrigida Pressão padrão 3,4425 ISC% 100% 33,26% 10,35 100% 100% Na Planilha 11 à Planilha 14 os valores de ISC adotados foram os corrigidos. Para a correção do ISC procede-se de acordo com o item Lembra-se que o valor de ISC adotado também pode ser o valor calculado. UFPR / TC422 34

51 PLANILHA 8 COMPACTAÇÃO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA COMPACTAÇÃO SEM REUSO NBR-9897/87 DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: 11/3/2004 UMIDADE ÓTIMA DA AMOSTRA (%) UMIDADE HIGROSCÓPICA DA AMOSTRA (%) 13,5 1,2 MASSA DE SOLO SECO A USAR (g) MASSA DE SOLO ÚMIDO A PESAR (g) Diferença da umidade ótima (%) Umidade a compactar (%) Volume de água a adicionar (ml) Volume acrescentado (ml) Diferença de volume (ml) Cilindro Número Massa do molde (g) Volume do molde (cm³) Massa do Massa do solo molde + solo (g) (g) Massa específica aparente (g/cm 3 ) Massa específica aparente seca γs (g/cm 3 ) 9,5 9, , ,97 1,80 11,5 11, , ,05 1,84 13,5 13, , ,16 1,90 15,5 15, , ,14 1,85 17,5 17, , ,10 1,79 Número da cápsula Massa da cápsula vazia (g) Massa da cáp. mais solo umido (g) Massa da cáp. mais solo seco (g) Umidade (%) Massa da cápsula vazia (g) VERIFICAÇÃO DA UMIDADE ANTES DE COMPACTAR Massa da cápsula mais solo úmido (g) Massa da cápsula mais solo seco (g) Umidade (%) 2 74,79 671,88 619,58 9,6 4 73,97 483,75 440,83 11, ,21 492,62 442,85 13, ,49 410,94 365,29 15, ,51 595,75 518,35 17,4 UFPR / TC422 35

52 PLANILHA 9 - EXPANSÃO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: 11/3/ ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA EXPANSÃO NBR-9897/87 RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Clindro número Data Hora Leitura do relógio celso/valdevan Altura inicial do corpo de prova Clindro número Data Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova 11-mar 11:00 20,00 11-mar 11:00 1,00 11-mar 11:00 20,00 12-mar 11:00 20,04 12-mar 11:00 1,04 12-mar 11:00 20, mar 11:00 20,04 13-mar 11:00 1,04 13-mar 11:00 20,03 11, , mar 11:00 20,04 14-mar 11:00 1,04 14-mar 11:00 20,03 15-mar 11:00 20,04 15-mar 11:00 1,04 15-mar 11:00 20,03 Hora Clindro número Data Hora Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova 11,41 Massa da sobrecarga : 5544,00 11,42 Massa da sobrecarga : 5415,00 g Massa da sobrecarga : 5422,00 g Clindro número Data Hora Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova Clindro número 11-mar 11:00 20,00 11-mar 11:00 2, ,00 20,04 11,42 0,35 12-mar 11:00 19,,5 12-mar 11:00 1, ,00 1,04 11,42 0, mar 11:00 19,50 13-mar 11:00 1, ,00 20,03 11,41 0,26 11, ,43 14-mar 11:00 19,50 14-mar 11:00 1, ,00 19,50 11,43 4,37 15-mar 11:00 19,50 15-mar 11:00 1, ,00 1,02 11,43 8,60 Massa da sobrecarga : 5402,00 g Massa da sobrecarga : 5398,00 g Data Hora Leitura do relógio Altura inicial do corpo de prova Clindro número Leitura inicial Leitura final Altura inicial do corpo de prova Expansão (%) UFPR / TC422 36

53 PLANILHA 10 PRIMEIRO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: 15/3/2004 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO PRIMEIRO PONTO 10,0 Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 49,640 19,353 9,0 8,0 Penetração Pressão (MPa) ISC (%) Valor corrigido (%) Adotado 7,0 2,54 2, ,39 33,33 33,33 5,08 3, ,26 34,30 34,30 ISC(%) 34,30 Penetração Tempo (min) Leitura no anel (µm) Carga (N) Pressão aplicada (MPa) 0,00 0,0 0 0,00 0,000 0,63 0, ,86 0,281 1,27 1, ,56 0,913 1,90 1, ,95 1,487 2,54 2, ,29 2,166 3,17 2, ,15 2,447 3,81 3, ,32 2,787 4,44 3, ,84 3,080 5,08 4, ,33 3,442 6,35 5, ,10 3,934 7,62 6, ,16 4,485 8,89 7, ,64 4,883 10,16 8, ,37 5,445 11,43 9, ,81 5, ,70 10, ,23 6,4166 PRESSÃO (MPa) 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, PENETRAÇÃO UFPR / TC422 37

54 PLANILHA 11 SEGUNDO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 15/3/ ,640 19,353 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO SEGUNDO PONTO 10,0 9,0 8,0 Penetração Pressão (MPa) ISC (%) Valor corrigido (%) Adotado 7,0 2,54 2, ,73 46,38 46,38 5,08 4, ,93 47,83 47,83 ISC(%) 47,83 Penetração Tempo (min) Leitura no anel (µm) Carga (N) Pressão aplicada (MPa) 0,00 0,0 0 0,00 0,000 0, ,81 0,386 1, ,73 1,253 1, ,62 2,154 2, ,64 2,810 3, ,05 3,349 3, ,18 3,759 4, ,89 4,356 5, ,37 4,754 6, ,65 5,538 7, ,92 6,358 8, ,58 7,061 10, ,51 7,892 11,43 12, , ,22 8,431 9,180 PRESSÃO (MPa) 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, PENETRAÇÃO UFPR / TC422 38

55 PLANILHA 12 TERCEIRO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 15/3/ ,640 19,353 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA GRÁFICO DO TERCEIRO PONTO 15,0 14,0 13,0 Penetração ISC (%) 2,54 2, ,24 46,38 46,38 5,08 5, ,51 55,56 55,56 ISC(%) 55,56 Penetração Pressão (MPa) Tempo (min) Leitura no anel (µm) Valor corrigido (%) Carga (N) Adotado Pressão aplicada (MPa) 0,00 0,0 0 0,00 0,000 0, ,47 0,398 1, ,78 1,147 1, ,71 1,979 2, ,62 2,845 3, ,91 3,630 3, ,89 4,356 4, ,26 4,965 5, ,65 5,538 6, ,06 6,768 7, ,53 7,857 8, ,36 8,899 10,16 11, , ,17 10,187 11,358 12, ,02 12,365 PRESSÃO (MPa) 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, PENETRAÇÃO UFPR / TC422 39

56 PLANILHA 13 QUARTO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: 15/3/2004 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO QUARTO PONTO 15,0 Penetração Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 49,640 19,353 2,54 2, ,50 37,50 37,50 5,08 5, ,10 49,10 49,10 ISC(%) 49,10 Penetração Pressão (MPa) Tempo (min) ISC (%) Leitura no anel (µm) Valor corrigido (%) Carga (N) Adotado Pressão aplicada (MPa) 0,00 0,0 0 0,00 0,000 0, ,14 0,410 1, ,39 1,265 1, ,44 1,850 2, ,08 2,588 3, ,45 3,197 3, ,47 3,852 4, ,60 4,262 5, ,87 5,082 6, ,21 6,452 7, ,31 7,623 8, ,61 9,063 10,16 µ ,07 10,187 11,43 12, , ,66 11,674 12,412 PRESSÃO (MPa) 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0, PENETRAÇÃO UFPR / TC422 40

57 PLANILHA 14 QUINTO PONTO LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS DATA DO ENSAIO : REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: Diâmetro do pistão : Área do pistão (cm²) : 15/3/ ,640 19,353 ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA NBR-9897/87 GRÁFICO DO QUINTO PONTO 2,0 1,8 Penetração ISC (%) 2,54 0,3279 4,75 8,40 8,40 5,08 0,9953 9,62 11,40 11,40 ISC(%) 11,40 Penetração Pressão (MPa) Tempo (min) Leitura no anel (µm) Valor corrigido (%) Carga (N) Adotado Pressão aplicada (MPa) 0,00 0,0 0 0,00 0,000 0, ,98 0,035 1, ,27 0,129 1, ,24 0,199 2, ,51 0,328 3, ,44 0,468 3, ,03 0,621 4, ,27 0,820 5, ,19 0,995 6, ,08 1,206 7, ,37 1,300 8, ,32 1,405 10, ,27 1,510 11,43 12, , ,17 1,592 1,721 PRESSÃO (MPa) 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2 0, PENETRAÇÃO UFPR / TC422 41

58 PLANILHA 15 RESUMO DO ENSAIO DE CBR LAME LABORATÓRIO DE MATERIAIS E ESTRUTURAS ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA RESUMO NBR-9897/87 DATA DO ENSAIO : 11/3/2004 REGISTRO DA AMOSTRA: RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO: PONTO Umidade (%) Massa específica Expansão aparente seca (g/cm³) (%) ISC (%) 1 9,6 1,797 0,35 34, ,7 1,835 0,35 47, ,5 1,903 0,26 55, ,7 1,850-4,37 49, ,4 1,789-8,60 11,40 6 CURVAS DE EXPANSÃO, ISC E COMPACTAÇÃO 65,00 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0, ,00-10,00 UMIDADE (%) MASSA ESPECÍFICA APARENTE SECA (g/cm³) EXPANSÃO (%) ISC (%) UFPR / TC422 42

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

Compactação dos Solos

Compactação dos Solos Compactação dos Solos Compactação dos Solos A compactação de um solo consiste basicamente em se reduzir seus vazios com o auxílio de processos mecânicos. Adensamento - expulsão da água Compactação - expulsão

Leia mais

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4

DNIT. Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio. Resumo. 8 Resultados... 4 DNIT Janeiro/2013 NORMA DNIT 164/2013-ME Solos Compactação utilizando amostras não trabalhadas Método de Ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE ME-3

PREFEITURA DO RECIFE ME-3 ME-3 MÉTODOS DE ENSAIO GRÃOS DE PEDREGULHO RETIDOS NA PENEIRA DE 4,8 MM DETERMINAÇÃO DA MASSA ESPECÍFICA, DA MASSA ESPECÍFICA APARENTE DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG.

Leia mais

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos

3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.0 Resistência ao Cisalhamento dos Solos 3.1 INTRODUÇÃO Vários materiais sólidos empregados em construção normalmente resistem bem as tensões de compressão, porém têm uma capacidade bastante limitada

Leia mais

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR

COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR COMPACTAÇÃO MINI-PROCTOR Entre nós o procedimento de compactação em escala reduzida em relação ao Proctor tradicional foi divulgado pelo Engº Carlos de Souza Pinto (1965), para obtenção de CP s na aplicação

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA

DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA DOSAGEM DE CONCRETO ASFÁLTICO USINADO A QUENTE UTILIZANDO LIGANTE ASFÁLTICO MODIFICADO COM BORRACHA Jean Pier Vacheleski 1, Mauro Leandro Menegotto 2, RESUMO: Com o grande número de pneus descartados surge

Leia mais

Figura 3.1 Curva de compactação

Figura 3.1 Curva de compactação 3. Compactação O estudo da técnica e controle da compactação é relativamente recente e tem sido desenvolvido principalmente para a construção de aterros. A compactação é um processo no qual se visa melhorar

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos

siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos COMPORTAMENTO DE SOLOS siltosos quando melhorados com aditivos químicos e orgânicos ALESSANDER C. MORALES KORMANN* BERNARDO P.J.C.N. PERNA** O presente trabalho traz um estudo do comportamento de um solo

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II CBUQ Ana Elza Dalla Roza e Lucas Ribeiro anaelza00@hotmail.com - luccasrsantos@gmail.com Dosagem Marshall O primeiro procedimento de dosagem

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica;

a) DNER-ME 051/94 - Solo-análise granulométrica; MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 1)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 1) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 1) Hélio Marcos Fernandes Viana Tema: Visita ao laboratório de Mecânica dos Solos (ou Geotecnia) - Apresentação das normas e equipamentos utilizados

Leia mais

ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL

ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL ME-42 MÉTODOS DE ENSAIO MÉTODO DA DETERMINAÇÃO DA ESTABILIDADE E DE FLUÊNCIA MARSHALL 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES... 3

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O cimento é um dos materiais de construção mais utilizados em obras civis. Com relação a esse aglomerante, julgue os itens a seguir. 61 No recebimento em uma obra, os sacos devem

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido.

Tubulão TIPOS/MODELOS. De acordo com o método de escavação os tubulões se classificam em: a céu aberto e ar comprimido. Tubulão CONCEITO São fundações de forma cilíndrica com base alargada ou não, que resistem por compressão a cargas elevadas. São compostos por três partes: cabeça, fuste e base. A cabeça é executada em

Leia mais

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY )

ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA UMIDADE PELO MÉTODO EXPEDITO ( SPEEDY ) ME-10 MÉTODOS DE ENSAIO EXPEDITO ( SPEEDY ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4 5. APARELHAGEM E MATERIAL...4

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais

5 Equipamentos e Técnicas Experimentais 5 Equipamentos e Técnicas Experimentais De acordo com Castro (2007), quando as propriedades reológicas são determinadas em laboratório, diz-se que se está realizando ensaios de reometria. Para isso, existem

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (PRINCIPAL) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (CONTINUAÇÃO) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA PAULO AMITH PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM

Leia mais

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos -

Título: Autores: INSTITUIÇÃO: UFCG OBJETIVOS Gerais Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Materiais Solos - Título:UTILIZAÇÃO DE SOLO-CIMENTO NA FABRICAÇÃO DE TIJOL Autores: C.R.S. Morais, R.L. Rodrigues, D.S.G. Lima, M.R. Patrício, G.A. Neves crislene@dema.ufpb.br, ricalirodrigues@yahoo.com.br, danengematl@bol.com.br,

Leia mais

Granulometria. Marcio Varela

Granulometria. Marcio Varela Granulometria Marcio Varela Granulometria Definição: É a distribuição, em porcentagem, dos diversos tamanhos de grãos. É a determinação das dimensões das partículas do agregado e de suas respectivas porcentagens

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios A investigação do subsolo constitui requisito essencial para

Leia mais

Tipos de Poços. escavação..

Tipos de Poços. escavação.. O que é um poço Tubular Chamamos de poço toda perfuração através da qual obtemos água de um aqüífero e há muitas formas de classificá-los. Usaremos aqui uma classificação baseada em sua profundidade e

Leia mais

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO Thaís Do Rosário 1 Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Diante do contexto atual de preservação do meio ambiente e de reaproveitamento

Leia mais

Aluna: Daniela Aubry Cadete Amprino Orientadora: Michéle Dal Toé Casagrande

Aluna: Daniela Aubry Cadete Amprino Orientadora: Michéle Dal Toé Casagrande ESTUDO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE REFORÇOS E SUAS APLICAÇÕES NA ENGENHARIA GEOTÉCNICA (Estudo de Misturas de Solo com a Adição de Borracha Moída de Pneus) Aluna: Daniela Aubry Cadete Amprino Orientadora:

Leia mais

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO

ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO ME-38 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE COMPRESSÃO DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS DE CONCRETO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS

7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS 7.0 PERMEABILIDADE DOS SOLOS 7.1 Introdução A permeabilidade é a propriedade que o solo apresenta de permitir o escoamento da água através s dele. O movimento de água através s de um solo é influenciado

Leia mais

Objetivo/Resumo: Como proceder para coletar amostras deformadas e indeformadas.

Objetivo/Resumo: Como proceder para coletar amostras deformadas e indeformadas. Objetivo/Resumo: Como proceder para coletar amostras deformadas e indeformadas. 1. Objetivo: Procedimento para coleta de amostras deformadas e indeformadas Segue observações gerais a serem observadas:

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P10 BASE DE SOLO CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...4 2. DESCRIÇÃO...4 3. MATERIAIS...5 3.1 CIMENTO...5 3.2 SOLO...5 3.3 ÁGUA...6

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone

Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO DO INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra, km 163 - Centro

Leia mais

ME-4 MÉTODOS DE ENSAIO SOLO DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ

ME-4 MÉTODOS DE ENSAIO SOLO DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ ME-4 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. APARELHAGEM... 3 5. EXECUÇÃO DO ENSAIO... 5 6. RESULTADOS...

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

Agregados - determinação da perda ao choque no aparelho Treton

Agregados - determinação da perda ao choque no aparelho Treton MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST )

ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST ) ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO...3 3. S E

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA)

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA) ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

ENSAIOS BÁSICOS DE CIMENTO PORTLAND Prof. Dario de Araújo Dafico, Dr.

ENSAIOS BÁSICOS DE CIMENTO PORTLAND Prof. Dario de Araújo Dafico, Dr. ENSAIOS BÁSICOS DE CIMENTO PORTLAND Prof. Dario de Araújo Dafico, Dr. Versão: Abr./2012 NBR NBR 5741 (1993) Extração e preparação de amostras de cimento Esta norma estabelece os procedimentos pelos quais

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE

TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE TALUDES DE MONTANTE E JUSANTE Karl Terzaghi em seu discurso de abertura, referindo-se aos solos residuais brasileiros, disse que os nossos técnicos estavam em condições de pesquisar e experimentar nas

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície Linha P05 Cime Endurecedor mineral de superfície 1 Descrição. Composto granulométrico à base de cimento e agregados selecionados de origem mineral e/ou mineral metálica, para aplicações em sistema de aspersão

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P12 IMPRIMAÇÃO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 4 2. DESCRIÇÃO... 4 3. MATERIAIS... 4 3.1 MATERIAIS PARA IMPRIMAÇÃO IMPERMEABILIZANTE...

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANÁLISE EXPERIMENTAL DA INFLUÊNCIA DOS DIFERENTES PROCEDIMENTOS DE CURA NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE VIGAS DE RESUMO CONCRETO ARMADO Douglas Trevelin Rabaiolli (1), Alexandre Vargas (2) UNESC Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS SUMÁRIO 1 Objetivo e campo de aplicação...2 2 Referências...2 3 Definições...2 4 Condições para início dos serviços...2 5 Materiais e equipamentos necessários...3 6 Métodos e procedimentos de execução...3

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis - Solos - Determinação do módulo de resiliência Método de ensaio /2009 NORMA DNIT - ME. Anexo (Normativo) Figura 1...

DNIT. Pavimentos flexíveis - Solos - Determinação do módulo de resiliência Método de ensaio /2009 NORMA DNIT - ME. Anexo (Normativo) Figura 1... DNIT /2009 NORMA DNIT - ME Pavimentos flexíveis - Solos - Determinação do módulo de resiliência Método de ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA-GERAL

Leia mais

Régua graduada. metro e trena

Régua graduada. metro e trena A U A UL LA Régua graduada, metro e trena Um problema Silva verificou, contrariado, que os instrumentos de medição, há pouco adquiridos pela empresa, não estavam sendo bem cuidados pelos funcionários.

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS

RELATORIO DE SONDAGEM ROTATIVA MISTA RELATORIO DE POÇO DE INSPEÇÃO RELATORIO FINAL DE ENSAIOS GEOTÉCNICOS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SMURBE SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS URBANAS A/C GERENTE DO CONTRATO SMURBE 097/2009 ENG.º LUIZ CARLOS MACHADO ROSA CONTRATO SMURBE 097/09 ORDEM DE SERVIÇO 21/09

Leia mais

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de

Leia mais

Agregados para Construção Civil

Agregados para Construção Civil Agregados para Construção Civil Agregados são fragmentos de rochas, popularmente denominados pedras e areias. É um material granular, sem forma nem volume definidos, geralmente inerte, com dimensões e

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS

ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS ENSAIO DE COMPACTAÇÃO DE SOLOS 1.Introdução A compactação é um método de estabilização de solos que se dá por aplicação de alguma forma de energia (impacto, vibração, compressão estática ou dinâmica).

Leia mais

DNIT. Pavimentação rodoviária - Base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço

DNIT. Pavimentação rodoviária - Base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço DNIT Out/2009 NORMA DNIT 115/2009 - ES Pavimentação rodoviária - Base estabilizada granulometricamente com escória de aciaria - ACERITA - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS PROPOSIÇÃO DE MÉTODO DE DOSAGEM MARSHALL PARA MISTURA BETUMINOSA TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta a seqüência operacional de procedimentos para a execução de uma Dosagem Marshall, visto exclusivamente como uma tarefa de laboratório de asfalto. Aborda-se a análise

Leia mais

Laboratório de Geotecnia. Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA

Laboratório de Geotecnia. Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Laboratório de Geotecnia Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Relatório LABGEO - 22 Ensaios Laboratoriais de Caracterização do Agregado Leve LECA Relatório LABGEO - Out/22 Ensaios

Leia mais

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO

FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO MERCOSUL/XLII SGT Nº 11/P.RES. Nº /14 FARMACOPEIA MERCOSUL: MÉTODO GERAL PARA A DETERMINAÇÃO DA FAIXA OU TEMPERATURA DE FUSÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia)

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Ciência e Tecnologia dos Materiais (Setor de Geotecnia) MECÂNICA DOS SOLOS I e II Exercícios Autores: Sandro Lemos Machado e Miriam de Fátima

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO

PRODUTOS E SISTEMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E DE COMUNICAÇÃO PRODUTOS E SISTEMS PR INSTÇÕES EÉTRICS E DE COMUNICÇÃO Perfilados, Eletrocalhas e eitos pág. 310 Perfilados e acessórios Perfilados, Eletrocalhas e eitos Perfilados e acessórios (pág. 310) 306 pág. 316

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OBRA: Pavimentação em Paralelepípedo na Travessa Ten. Joaquim dos Santos. Março / 2010 1 SUMÁRIO 1. PLACA DA OBRA:... 3 2. PREPARO DO SUBLEITO:... 3 3. MEIO-FIO:... 4 4. COLCHÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P19 CAMADA DE ROLAMENTO COM BLOCOS DE PARALELEPÍPEDO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. DESCRIÇÃO...3 3. MATERIAIS...3 4. EQUIPAMENTOS...4

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS

DIMENSIONAMENTO DE FILTROS DIMENSIONAMENTO DE FILTROS Até o meio da barragem faço tudo para a água não chegar. A partir daí faço tudo para a água sair da maneira que quero Arthur Casagrande IV.8- DIMENSIONAMENTO DE FILTROS IV.8.1-

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

Drenagem - meios-fios e guias

Drenagem - meios-fios e guias MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE AUTORES Engenheiro Alberto Casati Zirlis, diretor da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda.

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Ábacos e Tabelas Introdução Teve sua origem em no Estado da Califórnia, onde substituiu o método C.B.R., de Porter. Francis Hveem, depois

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis - Misturas betuminosas Determinação da resistência à tração por compressão diametral Método de ensaio /2009 NORMA DNIT - ME

DNIT. Pavimentos flexíveis - Misturas betuminosas Determinação da resistência à tração por compressão diametral Método de ensaio /2009 NORMA DNIT - ME DNIT /2009 NORMA DNIT - ME Pavimentos flexíveis - Misturas betuminosas Determinação da resistência à tração por compressão diametral Método de ensaio MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE

Leia mais

ME-23 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE ABRASÃO LOS ANGELES DE AGREGADOS

ME-23 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE ABRASÃO LOS ANGELES DE AGREGADOS ME-23 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DE ABRASÃO LOS ANGELES DE AGREGADOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. DEFINIÇÕES...4

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal

ENGENHARIA CIVIL. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: a) Solução ideal Questão nº 1 a) Solução ideal Aceita-se que a armadura longitudinal seja colocada pelo lado de fora das armaduras. Caso o graduando apresente o detalhe das armaduras, a resposta será: Solução para as hipóteses

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Materiais de Construção. Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 Materiais de Construção de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 AGREGADOS AGREGADOS DEFINIÇÃO É o material particulado, incoesivo, de atividade química praticamente nula, constituído de misturas de partículas

Leia mais

CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA

CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA *Imagens meramente ilustrativas CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS CHAVE DE IMPACTO PARAFUSADEIRA PNEUMÁTICA Modelo V8 Chave de impacto

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais