SÃO PAULO E A SUA GUERRA DE SECCESSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÃO PAULO E A SUA GUERRA DE SECCESSÃO"

Transcrição

1 SÃO PAULO E A SUA GUERRA DE SECCESSÃO PEDBO LESSA. Outro grande mal brasileiro é a politiquice ou politicagem. Desde que a maioria dos políticos se compõe de exploradores da carreira politica, sem preparo, sem predicados pessoaes, e sem disposições para o trabalho esforçado, que lhes garantam em qualquer profissão honesta os meios de subsistência ou (o que é muito frequente) a posição social que a politica lhes dft, nada mais natural do que a sua exclusiva preoccupação com os assumptos e negócios politicos de interesse meramente individual. A CAUSA IMMEDIATA As proporções que, logo de começo, apresentou o movimento armado pelos politicos de São Paulo contra o Governo Provisório, indicam uma obra longamente premeditada, visando fins mais definitivos do que uma simples reclamação contra o retardamento da constitucionalisação do Paiz. O profissionalismo dos politicos paulistas, agindo reaccionariamente contra o governo qu pôz um termo definitivo á sua preponderância na vida nacional, trabalhou, calculadamente, aos poucos, obstan do o desenvolvimento da progressista acção revoluciona-

2 128 Almachio Diniz SÃO PAULO E ria, coroada de um primeiro êxito, não só na administração geral do Estado, como também nas diversas administrações das vinte unidades, que compõem a Republica Federativa. As pequenas phrases attribuidas aos seus intellectuaes, as opposições systematicas aos actos governamentaes, a repulsa intransigente aos representantes do governo da União, vinham demonstrando a granau conspiração contra a obra revolucionaria, explodida em 9 de Julho de O reaceionarismo das depostas loiças politicas, com o prestigio malíasejo de um veneno corrosivo, veiu aos poucos ganhando impetuosidade. Começou com a fácil allegação de que São Paulo ficava amesquinhado, entregando-se, aliás como todos os Estados da federação, a governos estranhos aos (extremados partidarismos locaes. Mas, quase todos os Estados, tinham interventores alheios ás velhas competições do lugar. Não valia a regra geral, porque os reaccionários paulistas não se conformavam com a perda do poder, e, vigilantes, abusando da tolerância com que foram tratados, vieram aos poucos alastrando o seu ódio, pela contaminação de um preconceito bairrista, que, não sendo de agora, a vingar, seria a annullação da integridade nacional do Brasil, indispondo elementos resabiados contra o Governo da Republica. Ardilosamente, a reacção da velha politica mascarou-se com a rejeição dos mandatários do poder, quando, no intimo, era a explosão do ódio contra a Revolução de Davam-se todos os recursos, para que, conservando as suas tradições de hegemonia na vida republicana, São Paulo entrasse com os seus irmãos do Norte e do Sul, na prosperidade social,

3 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 129 que a Revolução lhes outorgou, pela egualdade das atten coes e equivalência dos favores. Os antigos dominadores viam nessa eguai repartição, o seu afastamento peremptório das posições, com que individualmente se engrandeceram, e socialmente destacaram o seu Estado, deixando os demais em humilhante inferioridade do apoio geral da União. O que se tramava não era em lavor do grande Estado, mas era contra a Revolução, a que, victima dos seus despeitos de depostos, atacavam sorrateiramente, como enxames ferroadores, assanhados pela fome d» mando perdido. A todos os nomes apresentados para a interventoria no Estado, criavam-se obstáculos. E quando um delles medrava, porque a obra da insânia politica, nào tinha razões de primeira mão para recusai-, as lufadas do ódio percuciente começavam de soprar, instigando astuciosamente indisposições sem bases, até que se fortaleciam as manhas da politicagem com os fermentos do velho ódio, e o meio artificiosamente repellia os elementos de ordem e de progresso, com que se mimoseavam São Paulo. O reaceionarismo foi trazendo, assim, a conjuração contra a Revolução de 1930, num pleito de duas «indignidades nacionaes ou a reconquista de domínio de todo o Brasil, como no passado, pelos mesmos elementos de arrumação, ou a separação do Estado, que passaria a mandar-se a si mesmo. A obra do movimento armado com que os politicos de São Paulo provocaram os sentimentos de solidariedade nacional de todo o Brasil, foi longamente premeditada pelo reaceionarismo dos seus politicos decahidos. E, a esta hora, já está desmoronada dentro de seu próprio impoderio.

4 130 Almachio Diniz SÃO PAULO E Teve esse movimento uma alavanca prestigiosa no verbo enganoso de JOÃO NEVES DA FONTOURA, que, ainda nas vésperas de declarar-se a guerra, penetrava, á meianoit e embora não no palácio do Governo, no Guanabara, mas, no rescesso do lar do presidente GETULIO VARGAS na intimidade do chefe da Dictadura, quando já tinha firmado o seu pacto com os paulistas para a declaração da guerra civil. O velho politico, como outros muitos, deputado e vice-presidente de seu Estado que foi, profissional da Republica deposta em 1930, extremara a campanha constitucionalista. Envenenara, porém, a sua acção, que seria proba com outras ligações, intromettendo-se com os elementos contrariados da Republica inaugurada com a Revolução, como também com os próprios elementos depostos. Os reaccionários de todos os Estados, exactamente os mais temerosos de que se procedessem a devassas no passado politico do Brasil e se perquirissem as origens de suas fortunas particulares, certos de que a Republica teria de confiscal-as, compuzeram a caravana de JOÃO NEVES. Engrossaram a caudal do constitucionalismo desfraldado ha perto de um anno, não com o fito de reconduzir o Paiz a um regimen de lei constitucional, mas com a objectiva de retiral-o das mãos dos que venceram na Revolução de Era que o reaceionarismo de BORGES DE MEDEIROS, no Rio Grande do Sul, de ARTHUR BERNARDES, em Minas Geraes, de EURICO DE Í SOUZA LEÃO, em Pernambuco, de MARCELLINO MACHADO, no Maranhão, bem como o interesseirismo de WENCESLAU BRAZ e THEODOMIRO SANTIAGO, em Minas Geraes, de BA PTISTA LUZARDO e de LINDOLPHO COLLOR, no Rio Grande

5 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 131 do Sul, de ADOLVHO BERGAMINI, no Districto Federal, e de outros que tiveram os seus falsos valores repellidos pela Republica de 1930, não tinham idéas, mas gasturas, não tinham cérebro, para pensar, mas mucosas, para apprehenderem... Não teve, por esta razão, idealistas a revolução de São Paulo, proclamada com proporções de guerra civil. Só teve ideólogos e aproveitadores. Dahi o seu primeiro fracasso, logo de entrada, no terreno das ideas, todos comprehendendo, logo, que, embora conglomerados figurantes de todos os Estados, predominava a finalidade seccessionista do grande Estado de São Paulo sobre toda e qualquer ideologia de politicos de outro Estado. Sem sinceridade de ideal, o que, na pratica, equivale a uma falta de programma, o movimento teve 1<>^<> a feição criminosa de uma sedição, e, assim, moralmente fracassou, pelo seu caracter de franco reaceionarismo. Mas, a agitação revolucionaria revestiu-se de um caracter victorioso, com a primeira investida das forças minadas por São 1'aulo. Km horas, essas forças adredemente preparadas, ultrapassaram os limites de São Paulo, invadindo os Estados, adormecidos tia confiança do êxito da Revolução de 1930, de Minas Geraes e d" Bio de Janeiro. O ímpeto foi tal que seria d: 1 crer-se em unia victoria completa, dentro de dias. Entretanto, por falta de cominando para a offensiva, (pie é a força dos triumphos nas guerras, também fracassou logo militarmente a guerra civil. Tudo ficou reduzido, ou simplificado, a operações de investida, por parte das forças do Governo e de recuo, por parte das de São Paulo, que só contou com o apoio immediato de parte de Matto

6 132 Almachio Diniz SÃO PAULO E Grosso, conservando-se fieis á Dictadura as autorid estaduaes, chefiadas pelo interventor federal. Das forças paulistas estavam alheiados os elementos que provinham da Revolução de Noticiava-se a prisão do general MIGUEL COSTA, verdadeiro amigo de São Paulo, a cuja causa politica dedicou todas as suas liberdades e a sua vida. Houve companheiros seus que tiveram de, com riscos e disfarces, abandonar o seu Estado (1), e dentro des te, as prisões encheram-se de revolucionários de 1930 (2). E os reaccionários eram generaes da contrarevolução, perdida já a funcção separatista do movimento. O reaceionarismo esteve em plena acção de commando, conhecendo-se desenvolvimentos feitos pelos seus vultos de maior destaque. Assim, com a noticia divulgada da chegada do Batalhão d'oeste á capital paulista (3), a I o de Agosto, revelando a tendência separatista do movimento belicoso a que levaram o grande Estado, contra a União, os politicos reaccionários, pela exhibição da bandeira de São Paulo, á testa da tropa, com exclusão absoluta da bandeira nacional, veiu uma outra revelação não menos importante: foi a de que ALTINO ARANTES, velho politico reaccionário, foi quem, como improvisado general, sem botas e sem esporas, passou revista ao garboso batalhão da mocidade paulistaua. Argumentar-se que a revolução de São Paulo não estava sendo dirigida pelos politicos reaccionários, com o fito de deixar-se sobresahir um falso caracter constitucionalista, que se lhe queria emprestar, e apresentar-se como um general, para a revista de (1) Entre estes MAURÍCIO GOULART. (2> Depoimento de WALTER PQMFÍTO a imprensa do Rio. (3) Diário de São Paulo, de 3 de Agosto de 1932.

7 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 133 tropas novas, um politico decahido, daquelles de quem São Paulo menos saudades terá, foi incidir em verdadeira contradição. O politico ALTINO ARANTES foi elemento sempre de grande evidencia no Partido Republicano Paulista, virus politico que levou o paiz intoxicado ao desabafo revolucionário de Outubro de Como presidente do Estado não desmentiu as credenciaes de reaceionarismo de seu partido. Transmittiu, por herança, ao substituto, que aquelle partido escolheu, a presidência da Republica. Não é, pois, persona grata para uma libertação de São Paulo. Ao contrario, aos bons paulistas, aos paulistas patrióticos, seu generalato, para a revista de tropas frescas, deve ter irritado como uma nefasta sobrevivência do perrepismo. Outra significação que o facto da presença do ex-presidente de São Paulo indicou, á comprehensão de todo o mundo, foi o consorcio estabelecido, si não o detestável conubio, para grandes males, entre o separatismo e o perrepismo, que é a exponencia real do reaceionarismo paulista. Não ha como se poderem distinguir os três flagellos de São Paulo: o perrepismo, que foi o profissionalismo politico em sua quintessência ; o reaceionarismo, que é a contrarevolução, para derrocar a obra patriótica de Outubro de 1930; e o separatismo, que é a única possibilidade de, entregando-se São Paulo a sua própria sorte, recuperar o P.R.P. seu terroristico domínio. O comparecimento de ALTINO ARANTES, para receber, como general, o Batalhão d'oe8te, iudica a collaboração predominante do perrepisnio no separatismo. Os homens mascaram-se, aparentam patriotismos novos. Mas a soberba da ambição não os deixa

8 134 Almachio Diniz SÃO PAULO E bem escondidos. O acaso é o grande avisador dos fact sociaes, que não são susceptíveis de previsão. Assim foi que o acaso da chegada de um jornal paulista, com a noticia da entrada ali do Batalhão ã'oestc, composto com a fina flor das cidades de Batataes, Cajurtí, Ituve rava, Ribeirão Preto e Bebedouro, desvendou, claramente, a interferência generalesca de ALTINO ARANTES no estado maior das forças reaccionárias de São Paulo. O acaso é um curso de força. Suas revelações destemperam os homens em suas manobras occultas. Quando pensou o politico ALTINO ARANTES, que, antes de encerrada a revolução em que se tem tornado, como reaccionário, uma magna pars, viesse a ser conhecida, fora da capital paulista, além dos limites de seu Estado, sua acção de general revolucionário? Todos os impulsos do acaso são lições sociológicas: não os contemplemos, pois, desprevenidamente, Ao lado do separatismo, que exconjurou a bandeira nacional, desvendou-se o reaceionarismo, que graduou AL TINO ARANTES no posto de general, para passar revista ás tropas contrarevolucionarias. A este tempo, emquanto os politicos forçavam a violência armada do movimento eminentemente revolucionário, os seus dois generaes maiores BERTHOLDO KLINGER e IsinoRo DIAS LOPES assumiam desconcertantes attitudes. A I o de Agosto já elles sentiam o fragoroso desastre da guerra civil, pelos recuos constantes das suas forças, sem nenhuma reconquista ou conquista nova. E, relembrando a conspiração da paz (1) em que se envolveram, (1) Lê-se em A Batalha, de Rio, 24 de Outubro de 1932, sob o titulo de * Uma restricção a victoria dos verdadeiros ideaes re

9 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 135 com o então coronel BERTHOLDO KLINOEK os generaes que, assim, em 1930, trahiram o presidente WASHINGTON Lrnz, e afamaram a farça de 24 de Outubro, nas ruas desta capital, resolvendo-se em uma junta governativa, composta cos generaes TASSO FRAGOSO e MENNA BARRETTO, e almirante ISAÍAS OE NORONHA, O governo de transição para a Dictadura ainda victoriosa em 1932, recorreram a uma reprise da enscenação burlesca, com os seguintes telegrammas, que se têm divulgado já agora, para instru eçâo do historiador futuro: "Sr. GETULIO VAEOAS Kio Os milhões de habitante* de Suo Paulo e Matto Grosso, sublevados em armas e em espirito, e os milhões de habitantes de todas as outras regiões de todo o Brasil, não menos sublevados em espíritos contra a dictadura, qne nominalmente presidis, dão» VOBS8 iinpatriotica e immoral permanência apparente á testa do governo do paiz o cunho duma Impa trio tica e Immoral usurpação, duma absoluta usurpação ao suffragio nacional. Mn bilisae as ultimas reservas de vosso patriotismo de brasileiro, de vosso pundonor de creatura humana e cumpri o único dever que nesta hora a Pátria espera de vos: rompei o dominós Como se manifesta numa palestra vigorosa o (ir. Almachio Diniz:" "O professor Almachio Diniz, combatente resoluto, foi um dos revolucionários impenitentes e ardorosos com a sua fé de officio cheia de serviços & causa triumphante em 24 de Outubro. Jurista de renome ido em todo o paiz; polemista brilhantíssimo, foi um dos elemento! mus destacados entre quantos, pela palavra e pela RCÇfi.0, collaboraram no movimento revolucionário. natural que ao Ulustre professor abordássemos, como o fizemos hontem, pedindo-lhe impressões sobre os factos da actualidade e sobre a data que se commemora bojo. O dr. Almachio Diniz, falando com franqueza, resumiu assim, em vigorosa palestra, a sua opinião: A data de boje n&o tem nenhuma significação histórica, ao meu sentir de antigo revolucionário, Tive na tarde daquelle dia 24 de Outubro de 193o, a sensação de desanimo, experimentada, em 1922, em 1924, e em 1926, quando os presidentes Epltacio Pessoa e Artluir Bernardes BUffocaram as primeiras sortidas do espirito revolucionário. que, na data, cujo primeiro anniversario hoje se commemora a

10 136 Almachio Diniz SAO PAULO E cerco em que vos prendem falsos amigos, meros aproveitadores pessoaes do prolongamento do flagello nacional que representa o vosso perdurar no poder, restitui esse poder aos chefes militares terra e mar de quem o recebestes, generaes TASSO FBAGOSO, MENNA BARRETO e ISAÍAS DE NORONHA, que o entregarão á suprema direcção do movimento constitucionalista, o qual responde aos universaes anseios do Brasil pe'a sua prompta volta ao regimen da Ordem e da Justiça (Assignados) General ISIDORO DIAS LOPES e general BEB- THOLDO KLINQEB." Nos termos desse despacho, foi também transmittido aos três membros da junta governativa de 24 de Outubro, este outro: "Generaes TASSO FRAGOSO, MENNA BARRETO e ISAÍAS NO RONHA Rio Urgente Em nome suprema direcção movimento constitucionalista, solicitamos vossencias recebam do Dr. GETULIO VARGAS o governo, conforme appello ao mesmo dirigido e do qual recebereis copia. São Paulo, General ISIDORO DIAS LOPES General BERTHOLDO KLINGER." Foram as primeiras manifestações do desespero da Revolução, patrioticamente inaugurada, a 3 de Outubro, pelos três Estados Parahyba, ao Norte, Minas, ao Centro e Rio Grande, ao Sul se desvirtuou de seus fins, abafada que foi, sem ser victoriosa, pela conspiração da Paz, empreendida pelos que não quizeram enfrentar a acção guerreira dos revolucionários. O facto de fazer-se acabar pela bandeira branca de uma pacificação, sem se definirem vencidos e vencedores, foi de grande importância para o rumo que a reorganização politica do nosso paiz teve de seguir. Si os revolucionários aqui tivessem tomado pelas armas com o tirocínio sangrento que vinham trazendo gloriosamente, as posições da victoria, outro êxito teria tido o movimento. Mas aos que vinham lutando do Rio Grande, de Minas e da Parahyba, foi imposta de longe dos campos da luta uma paz, que não foi assim conquistada pela derrota do adversário, mas, apenas, pela intervenção, para evitar o sangue neceessario, de militares que teriam de sacrificar-se contra a Revolução. E esta fracassou portanto, porque não havendo nem vencedores neem

11 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 137 causa. As:dm reconheciam os dois generaes o fracasso militar da guerra civil, appellando, em conjuncto, para uma nova intervenção traiçoeira da "conspiração da paz", de que BERTHOLDO KLINGER foi um dos protagonistas. Mas, já faltavam os outros generaes da proclamação de 24 de Outubro: FIRMINO BORBA, preso, quando seduzia os seus camaradas, em Juiz de Fora, contra o governo, que, nas vésperas lhe entregara um commando de confiança, e, por isto, também, reformado administrativamente; PANTALEÃO TELLES, preso e reformado administrativamente, deante de provas esmagadoras de seu entendimento com KLINGER para a guerra civil de São Paulo, e LEITE DE CASTRO, impossibilitado, por seu caracter digno, de envolver-se contra o governo, ao qual servira intelligentemente como seu primeiro ministro da guerra. E, assim, ficou o appello dos generaes KLINGER e ISIDORO voando eternamente nas ondas hertzeanas... Por sobre os escombros dos campos da lueta, proseguia, porém, z. obra reaccionária. E' que o reaceionarismo do P.it.P. foi um dos symptomas positivos do vencidos desde que um terceiro elemento, aproveitando-s,e do desarrolo dos factos favorável ao êxito das armas revolucionarias, Impôz a pacificação, serri que se tivesse dado uma decisão guerreira definitiva, ;> obra que se pretendeu teve de ceder aos embates das conveniências pacificadoras. 13. assim, em 24 de Outubro do anno passado, ao cair da tarde, jã eu tinha a impressão desoladora de annos anteriores: a Revolução, mais uma vez, estava abafada, sem que os seus Ideaes tivessem trlumphndo pelo embate das armas. Effectlvamente foi o que se verificou. Os generaes revolucionários tiveram de ceder a muitos compromissos forçados pela conspiração da Paz. De sorte que por força dessa conclusão inesperada, extingulndo-so a luta, não pela fumaça dos canhões e pelo silvo das balas mas polo ensarilhamento das armas e congraçamento dos antagonistas, figuras, para as quaes estiveram, muito.1tistr\mente, afiados ns cutelos revolucionários se conservaram em postos avançados, si não conquistaram novos, na verdade, como premio as suas acções de deslealdade para com o governo a que, contra os combatentes pelos ideaes revolucionários juraram em começo de Outubro, fideli-

12 138 Almachio Diniz SÃO PAULO E movimento armado de 9 de Julho de O celebre partido que dominou o Brasil, pondo á testa de seu governo, si não sempre paulistas, no maior numero de casos pessoas que serviam a São Paulo, com desinteresse por todo o resto da Nação, não quiz admittir sua deposição das eminências politicas de nossa pátria. E muito menos admittiu a reprovação categórica que lhe decretou a Revolução de Descobrindo seus intentos reaccionários, elle confessou, audaciosamente, as saudades que ficou tendo inextinguíveis do governo, quando, em janeiro de 1932, assanhando-se com a tolerância governamental, deitou manifesto, em preparo da agitação armada em que o Estado de São Paulo esteve debatendo-se. Suas palavras iniciaes caracterizam perfeitamente bem as convicções de que, no regimen de saneamento moral instituído pela victoria da Revolução, a degradada potencia partidária, que toldou a existência constitucional da Repu blica até á dictadura deposta em 24 de Outubro de 1930, poderia sobreviver. Era uma falsa suspeita de que não valeria a excommunhâo nacional a que foi votado. Assim, dade e para com os revolucionários, a que vieram suffragar quando tiveram certeza da victoria forçando a paz. Não me envolvo, pois, nas commemorações do dia de hoje. Muito justas foram as de 3 de Outubro celebrando-se o começo de uma grande revolução, que, se infelizmente, teve, a 24 de Outubro, os seus ideaes envoltos na mortalha branca da paz, envés de sobrepujados ás bandeiras rubras da guerra. E a peor consequência de tudo isto, ahi está: o governo revolucionário controlado pelos inimigos da Revolução, os quaes á ultima hora, estorvando a victoria das armas revolucionarias, criaram-se direitos para substituírem a sua voz de fogo que deram contra as forças libertadoras, pela de commando, que usurparam aos verrt arteiros generaes da Revolução. A esta hora, de jubilo fingido eu lhe transmuto, meu caro amigo, correspondendo á sua fidalga attenção de ouvir-me a respeito, a minha impressão de revolucionário radical: o dia de hoje deve ser de concentrações tristes, para os que vinham querendo. trabalhados por grandes Ideaes, um paiz renovado por uma Revolução victoriosa pelaa armas e não rendida pela conspiração da Paz.

13 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 139 turbilhando audácias e restnigindo empaphias, foi nest lermos, que começou o Manifesto do Partido Republicano de São Paulo, datado de 19 de Janeiro de l!jo_': "O movimento revolucionário de Outubro, destruindo, no paiz, o regimen constituído, interrompeu a actividade politica de todos os partidos, que se conservaram extranhos com o ensejo a seu pronunciamento. Mas não os dissolveu. Não poderia fazel-o. Pode a força julgar-se, ás vezes, omnipotente; pôde ainda, em suas demasias, arrebatar aos homens todos os direitos e até a vida. Mas não consegue desunir as consciências, que a mesma fé patriótica irmanou, nem logra dispersar aquelles que, iullainmados por ideaes de pura abnegação e lidimo civismo, nobre mente se aggregaram para o trabalho coninium em beneficio da Pátria". Foi com essas palavras iniciaes, que, de sua excommunhâo nacional, o P.R.P. ousou falar, pela primeira vez, em manifesto dirigido ao indignado povo de sua terra. E' de salientar o arrojo com que os politicos excommuugados investiam para retomar sua presa, retirada de suas garras aduncas no momento de eatertoração geral. Elles mencionaram ali que o movimento revolucionário de Outubro destruiu, no paiz, o regimen constituído. E' uma propositada obliteração da verdade. O regimen constituído foi aquelle que levou o paiz á revolução armada, obtendo rapidamente uma estrondosa victoria, contra a qual se revolucionam agora os desprestigiados profissionaes da politica paulistana..mas esse regimen, que, audaciosamente, foi reputado constituído pelo P.R.P., incontinente na sua vesgueira, ficou estigmatizado pelas palavras de fogo dos chefes re-

14 140 Almachio Diniz SÃO PAULO E volucionarios de Foram do general TASSO FRAGOSO, passando o governo da Revolução ao presidente OETULIO VARGAS, as seguintes affirmativas: "Durante o governo do L>r. WASHINGTON LUIZ, a violação dos princípios íundamentaes do regimen republicano e os attentados contra a liberdade, subiram ao auge. Vimos com magua sua intervenção desabusada em todos os assumptos, a imposição de sua vontade exclusiva como suprema iei do paiz, a lei a que todos deviam submetter-se incondicionalmente, e, o que é mais contristador, mnumeros políticos que se prestavam obedientes a essa escravidão moral, de que resultava a ruiua da JNaçáo e seu progressivo descrédito". -Não fez o chefe da junta governativa de 1930 uma descripçáo somente do regimen anarchicó em que se debatia o paiz sob o guante do P.R.P. Mas uma photographia rigorosa do momento decadente da Republica de 1«69. Pois é a esse regimen de anarchia, de despotismo, de absolutismo, que o P.R.P., em seu manifesto de 19 de Janeiro, já em preparo da irrupção bellica posterior, chamava de regimen constituído. Pois é a essa acção fora da lei e da liberdade que elle attribuiu uma origem em inflammados ideaes de pura abnegação e lídimo civismo, nobremente se aggregando para o trabalho commuin em beneficio da pátria. A revivescência que o P.R.P. se attribuiu foi puramente reaccionária emprehendendo uma contrarevolução para separar São Paulo da collectividade nacional. De impatriotica, como reaccionária, a obra de resurreição do P.R.P. se tornou em sanguinária, como contrarevolução. A ella, pois, a re-

15 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 141 provação pelas armas, que todo o Brasil lhe foi ministrando victoriosamente. Como sempre aconteceu em suas grandes empreitadas politicas do regimen passado, os reaccionários paulistas não pesaram suas responsabilidades, lançando o operoso e progressista Estado de São Paulo nesta dolorosa aventura de seccessionismo e de contrarevolução. A vida humana jamais foi objecto de cogitação para os desmontados dominadores de São Paulo. Em qualquer pleito eleitoral, as arruaças eram de praxe, chegando, não raro, ás eliminações de vidas, nos collegios em que o partidarinmo do governo do Estado só poderia vencer pelo abuso da força e pelo império da fraude. Os representantes do Partido Democrático foram, não poucas vezes, chegando a uma exclusão completa no pleito de 1 de Março de 1930, prejudicados pelos processos fraudulentos e faceio sos do Partido Republicano Paulista. Entretanto, esquecidos aquelles das indignas preterições soffridas, não ha muito colligaram-se com seus adversários do passado, e formaram uma frente única, a cujo inexpressivo estandarte de união heterogénea, si não de frueto hybrido, pudessem conduzir o grandioso São Paulo, de formosa cultura iutellectual e de grandioso desenvolvimento económico, a essa aventura ingratíssima e ímpatriotica de restaurar o reaceionarismo decahido, embora com a separação do Estado, em desprestigio da união perpetua e indissolúvel formada desde os tempos monarchicos, pelas unidades federativas do Brasil de hoje, e pelas províncias unidas de hontem. Pouco interessou aos paulistas o sangue brasileiro que teria de correr com o desenvol-

16 142 Almachio Diniz SÃO PAULO E vimento da campanha guerreira em que se empenharam. Houve uma única determinante para o sangrento empre hendimento: a ambição de mando. jtfunca os reaccionários olharam os interesses económicos e sociaes de São Paulo, por outro prisma que não o de sua convergência para o êxito de um profissionalismo incondicional nas representações do Estado. Tornou-se invencível a insatisfação trazida pela ausência do poder. O iucontentamento solapou o animo inexperto das ciasses conservadoras. E vaiendo-se do mal, que elles próprios semearam durante quatro décadas de annos, si não se levarem em conta tempos outros da monarchia, intoxicaram a alma paulista para o desatino em que a nata de sua juventude, o escol de suas forças sociaes, e o melhor de suas energias se foram exgotando em morticínios, que deshonram a civilização brasileira pelo apagamento de suas causas... Os reaccionários paulistas, propelindo seus conterrâneos liara essa lueta sem glorias, não pesaram suas Responsabilidades. Lançaram mais uma cartada, com a mesma displicência com que, em outros tempos, mandavam typos arruaceiros e motineiros contumazes arrebatar urnas, em que vacilava ou não havia o prestigio de seus cabos eleitoraes. Pelas continuas noticias recebidas, a lição que a União Brasileira foi inflingindo á unidade, desgarrada pela orientação impatriotica de seus contrarevolucionarios, foi sempre coroando-se do mais completo êxito. De todo o paiz, de norte a sul, os olhos lacrimosos de pães, de filhos, de esposos, de irmãos, de noivas, estiveram voltados para os campos sangrentos de São Paulo, onde explodiam carniceiramente as granadas da ambição

17 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 143 reaccionária, onde caiam as bombas do seccessionismo cobiçoso de São Paulo, desencaminhado de sua gloriosa senda de progresso, e onde trabalharam as metralhas do profissionalismo politico, cioso da reconquista de posições, que o sanaemento moral do Brasil lhes retirou da occupação improfícua e prejudicial. De todo o paiz, de norte a sul, vozes unisonas não cessaram de clamar a maldição para a politicagem que nos seus últimos escabujos, ainda infelicitou São Paulo e ensanguentou o Brasil. Foi preciso que São Paulo recorresse a outros meios para continuar em sua funcção de illudir ao seu povo, sobre as suas condições de Iriuinpho. Da correspondência de JOÃO NEVKS OA FONTOURA, surprehendida, segundo informações officiaes, em Minas Geraes, deprehendeu-se que, conhecido o desastre da campanha militar, estava sendo preciso distrahir as attenções do Governo Provisório, para outros focos revolucionários que se criassem. Na immiuencia das quedas de Cruzeiro, de Tunnel e de Campinas, por um lado, e de Itapetininga, pelo sul, seria asphyxiante o momento guerreiro dos paulistas. Paia evitar as aperturas do estrangulamento, vieram os casos da Bahia, do Amazonas, do Pará o de Minas Geraes, referidos como os mais importantes entre outros de menor vulto. Considerável, ainda mais, era a escassez das munições, não obstante a providencia geral do Departamento Central de Munições (1), prohibindo, terminante- (1) Na Integra, como foi publicado, o edital foi este: "EDITAL Departamento Central de JfuniçSe» (Creado pelo decreto n. 5.G18, de > de Agosto de 1932). faço srlente a todos a rjucm possa interessar 'inr ficirn terminantemente piohibidas as vendas, transferenciai ou quaebquer outras transações de metaes, como sejam cobre, estanho, zinco, latão, nlckel,

18 144 Almachio Diniz SÃO PAULO E mente, as vendas, transferencias, ou quaesquer outras transacções, de metaes, como fossem, cobre, estanho, zinco, latão, nickel, mailchort, ou outra liga qualquer, sem a previa autorisação. A alimentação ia soffrendo desfalques sensíveis, com a diminuição de stock da farinha de trigo, pelo que se viram as autoridades do Estado na contingência de decretar o pão de guerra (1). Mas, as falsidades corriam em affirmativas de victorias e de acontecimentos de grande tomo, prejudiciaes á causa nacional, e isto dos primeiros aos últimos dias, durante os quaes a vida de São Paulo, por sequestrada da verdade da vida do Brasil, artificialisou-ae na convicção de mailchort ou outra liga qualquer, sem a previa autorização deste Departamento. Todas as pessoas ou firmas commerciaes ou industriaes que possuam taes artigos deverão enviar dentro de 24 horas, a partir da data de publicação deste edital, uma relação minuciosa e completa indicando a espécie, a quantidade assim como o local onde se encontram, ficando os infractores sujeitos ás penalidades militares previstas. Os interessados que, porventura, já tenham feito tal communicação á Federação das Industrias, deverão ractificar junto a este Departamento as informações já prestadas, indicando rigorosamente a situação actual dos referidos artigos. Todas as communicações deverão ser feitas para a rua Barão de Paranaplacaba, numero 1, 4.o andar. São Paulo, 4 de Agosto de Major Carlos Abreu, chefe do Material Bélico da 2.a Região Militar." (1) Houve providencias egualmente sobre o consumo da gazolina como so vê do edital abaixo: PREFEITURA DO MTJNCIPIO DE SAO PAULO INTEN DÊNCIA GERAL DOS MERCADOS AOS PROPRIETÁRIOS DE AUTOMÓVEIS. A Intendência Geral dos Mercados solicita dos proprietários de automóveis da Capital e do Interior do Estado, a máxima economia no consumo de gazolina, com o que se poderão evitar providencias de limitação nos fornecimentos. O estoque existente é sufficiente para o consumo normal de longo tempo; entretanto, tratando-se de combustível essencial para as organizações dos serviços militares, é dever patriótico a cooperação de cada um para afastar a hypothese de vir a faltar São Paulo, 14 de Julho de O intendente,' (a) José Vergueiro Stetdel, '

19 A SUA GUERRA DE SECCESSÃO 145 victorias fictícias. Era, entretanto, JOÃO NEVES quem se apavorava com o "prussianismo" do general BERTHOLOO KLINOKR e denunciava o seccessionismo paulista, motivado pelo seu descabido bairrismo. Como remediação, appellava para movimentos solidários de Minas Geraes e do Rio Grande do Sul contra os voos largos do bairrismo incontentado do paulistano em geral. Sob essa influencia do leadei- verboso da guerra civil, o furúnculo contaminou certas zouas do organismo e manifestou-se a furunculose: a loucura epidemica de São Paulo foi contagiosa e conseguiu pequenas repetições logo dominadas, conforme logo se foi sabendo. Em Santa Cathariua, a paz foi restabelecida de prompto, segundo um commnnicado official, de incontestada veracidade: "De Florianópolis,!i No dia fí. nn florescente villa Cruzeiro, onde ultimava a sua organização, afiiu de seguir para a frente de operações, o 3 o B.R., com o effecttvo de 330 homens, foi sublevado, pelo capitfio-commandante da 8" companhia, num golpe audacioso e traidor, combinado com reaccionários, entre os quaes Wonceslau Breves, Manoel Maia, José Rupp e Ivo Aquino. Presos: o prefeito João Fontoura, o commandante do batalhão, major António de Lara Ribas, e vários de seus officiaes. Manoel Maia, (ex-prefeito, condemuado pela Junta de Saneções a restituir aos cofres do Estado mais de cem contos por desvios, durante a sua gestão), assumiu a direcoiío do movimento. No mesmo diaíl noite, Ivo Aquino, ex-secretario do governo deposto, oceupa, a villa de Campos Novos, vizinha de Cruzeiro. O major Lara Ribas. contando com alguns officiaes fieis, entre os rebeldes, ejíi com a confiança de todas as praças, embora recrutas, poude, mesmo da prisfío, na parte superior do prédio que servia de Quartel General dos rebeldes, planejar um eontra-golpe. para 0 dia seguinte. Este, vibrado impetuosamente, libertou o com-

20 146 Almachio Diniz SÃO PAULO E mandante Lara, após tiroteio cerrado, assirn como os seus companheiros, reassumindo elle o commando do batalhão e prendendo Manoel Maia, Custodio Campos, capitão Aldo Fernandes e outros. Weneeslau Breves, com 10 homens, foi preso em Perdizes, pelas forças do commandante Eliziario Paim. Conseguiram fugir Ivo Aquino e José Rupp, que estão sendo perseguidos. Está, portanto, restabelecida a paz no Estado. As tropas governistas, em elevado numero já se haviam deslocado e hoje esmagariam os rebeldes. Cordiaes saudações. (a) P. Assis, interventor federal." Do que houve no Pará, o conhecimento foi tomado atravéz da seguinte nota, feita publicar pelo interventor MAGALHÃES BARATA: "AO POVO PARAENSE Todos vós, paraeuses ou não. que viveis comnosco, aqui, no Pará, sois testemunhas de que, tanto quanto pôde o esforço humano, venho fazendo sempre como indica a sincera vontade de acertar, para o engrandecimento desta querida terra. Sois também testemunhas de que meus rancorosos inimigos puzeram em pratica a maior das vilanias de que já se usou no Brasil, no terreno das luctas politico-sociaes-: armaram e sacudiram contra mim, contra o meu governo e meus auxiliares, a classe estudantina, desde a juventude do Gymnasio â mocidade académica, afim de que, na dolorosa, mas indeclinável contingência de manter a ordem, chamássemos para nós a odiosidade publica. Esses jovens, esses moços bravos mas inexperientes, constituiram a vanguarda dos amotinados da noite de 6 para 1 do corrente. Que fazer? Cruzar os braços diante do ataque? Que respondam os homens de bem, com toda a autoridade zelosa do seu brio! Os responsáveis pela morte de Paulo Cicero de Azevedo Teixeira e pelos ferimentos em outros estudantes, são aquelles que atiraram esses jovens á lueta que um único objectivo teve: malquistar o governo com o povo e com as dignas e respeitáveis familías paraenses.

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca O Estado Novo e as armadas forças

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca l. A REVOLUÇÃO DE 31 DE MARÇO E AS

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Na Casa Rosada (DISCURSO PRONUNCIADO

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca RIO DE JANEIRO, 25 DE NOVEMBRO DE

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Regulamento do Stud-Book Nacional do Cavallo de Puro Sangue, a que se refere o decreto n. 13.038, desta data CAPITULO I

Regulamento do Stud-Book Nacional do Cavallo de Puro Sangue, a que se refere o decreto n. 13.038, desta data CAPITULO I Regulamento do Stud-Book Nacional do Cavallo de Puro Sangue, a que se refere o decreto n. 13.038, desta data CAPITULO I DO STUD-BOOK NACIONAL DO CAVALLO DE PURO SANGUE Art. 1º O Stud-Book Nacional do Cavallo

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca BRASÍLIA, 2 DE FEVEREIRO DE 1960.

Leia mais

CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932.

CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932. CASTRO, ISMAELINO DE *militar; rev. 1930; junta gov. PA 1930; rev. 1932. Otávio Ismaelino Sarmento de Castro nasceu no Pará no dia 21 de maio de 1905, filho de Manuel Ismael de Castro e de Otávia Sarmento

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento da Campanha Contra a Poliomielite

Leia mais

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013.

Maringá-PR, Brasil, Primavera de 2013. UNIDADE, LUTA E PROGRESSO Dr. Ronelson Furtado Balde Advogado - Membro da Ordem dos Advogados do Brasil Pós-graduado em Direito do Trabalho e Previdenciário INTRODUCÃO A população da Guiné-Bissau passa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca fervor, repeli-o com vigor. Lembrai-vos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Lançamento do Programa «Pólos Florestais»

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida.

É uma enorme honra para mim assumir, hoje, o comando da Brigada de Reacção Rápida. Discurso tomada de posse do Major-General Fernando Serafino como Comandante da Brigada de Reacção Rápida, em Tancos a 30 de Maio de 2011. Oficiais, Sargentos, Praças e Funcionários Civis da Brigada de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Goiânia, 24 de outubro de 1962. Na

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 26 DE OUTUBRO PALANQUE-PRAÇA SÃO

Leia mais

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL

CAPÍTULO IGUALDADE NATURAL O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 9 LEI DE IGUALDADE Igualdade natural Desigualdade das aptidões Desigualdades sociais Desigualdade das riquezas Provas de riqueza e de miséria Igualdade dos direitos do homem

Leia mais

ADORADOR X GUERREIRO

ADORADOR X GUERREIRO ADORADOR X GUERREIRO Texto Chave ISamuel 16:17-18 17 E Saul respondeu aos que o serviam: Encontrem alguém que toque bem e tragam- no até aqui. 18 Um dos oficiais respondeu: Conheço um filho de Jessé, de

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca São Paulo, 10 de dezembro de 1961.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA A MINAS GERAIS Palácio da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros.

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros. INSTRUCÇÕES, A QUE SE REFERE O DECRETO DESTA DATA, SOBRE A ADMISSÃO, E ENSINO DOS RECRUTAS, PARA OS CORPOS DE IMPERIAES MARINHEIROS, E FUZILEIROS NAVAES Art. 1º Todos os recrutas, destinados a servir nos

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca lição. Construindo estradas, ferrovias,

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais

O tenentismo foi o movimento político militar que, pela luta armada, pretendia conquistar o poder e fazer reformas na República Velha.

O tenentismo foi o movimento político militar que, pela luta armada, pretendia conquistar o poder e fazer reformas na República Velha. O tenentismo foi o movimento político militar que, pela luta armada, pretendia conquistar o poder e fazer reformas na República Velha. Era liderado por jovens oficiais das Força Armadas, principalmente

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Quais seriam, então, essas condições? Vejamos:

Quais seriam, então, essas condições? Vejamos: Discurso do Presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, na inauguração do Instituto de Renascimento Africano (Pretória, 11 de outubro de 1999) P residente, Ilustres Dignatários da África, Secretário Geral

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca estendendo a todos os que sofrem

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice

All rights reserved by Self-Realization Fellowship. Índice Índice Faça da Vida uma Aventura Divina... 3 Pensamentos para a Alma Destemida... 11 Antídotos Práticos para o Medo e a Ansiedade... 14 Elimine da Mente a Estática do Medo... 19 A Mente Destemida e o Corpo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 53 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

CAPITULO I DA INCIDENCIA

CAPITULO I DA INCIDENCIA Regulamento a que se refere o decreto n. 13.051, de 5 de junho de 1918, para execução do art. 1º, n. 35, e art. 60 da lei n. 3.446, de 31 de dezembro de 1917. CAPITULO I DA INCIDENCIA Art. 1º O imposto

Leia mais

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS por Mário Soares 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a revolucionar, pacificamente, a América e o Mundo. Isto é, está a mudar radicalmente as políticas norte-americanas,

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org TERRA EM TRANSE POVO EM DESESPERO Relatos e reflexões a partir de uma viagem a Jerusalém e territórios

Leia mais

Violência homicida. Diferenças regionais

Violência homicida. Diferenças regionais 1 de 6 31/01/2014 23:35 Aumentar a fonte Diminuir a fonte VIOLÊNCIA CORPO NO CHÃO Morto em outubro de 2012, em Itaquera, Zona Leste paulistana: mais uma entre as mais de 40 mil pessoas assassinadas no

Leia mais

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.

Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório. Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11. Um crente bêbado é melhor que o sóbrio desviado Pr. Harry Tenório Pelo teu nome por sua vida eu não farei uma coisas dessas! 2 Sm 11.11 Introdução Negar princípios parece ser uma coisa comum em nossos

Leia mais

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e

7 E o Espírito é o que dá testemunho, porque o Espírito é a verdade. 8 Porque três são os que dão testemunho: o Espírito, e a água, e o sangue; e I João 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida 2 (pois a vida foi manifestada, e nós

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade

Gustavo Noronha Silva. Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES maio / 2003 Gustavo Noronha Silva Fichamento: Rousseau: da servidão à liberdade Trabalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

LEI DO SORTEIO MILITAR

LEI DO SORTEIO MILITAR LEI DO SORTEIO MILITAR Em 1874 uma lei modificou o sistema de recrutamento militar no Brasil, até então constituído pelo voluntariado ou pelo recrutamento forçado, instituindo o sorteio para o serviço

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA

A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA 180 Memória e Documentos A EDUCAÇÃO NA CONSTITUIÇÃO DE 1934: 80 ANOS DE UM CAPÍTULO ESPECÍFICO NA CARTA MAGNA Francisco José da Silveira Lobo Neto Introdução A Constituição outorgada pelo primeiro Imperador,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

O Presidente da República visitou o Hospital das Forças Armadas

O Presidente da República visitou o Hospital das Forças Armadas Crónicas Militares Nacionais Coronel Nuno Miguel Pascoal Dias Pereira da Silva A Força Aérea no apoio à população Em 2015, a Força Aérea realizou 406 missões de transporte aeromédico (488 doentes e mais

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11

TEMPOS DE SOLIDÃO. Jó 23:8-11 TEMPOS DE SOLIDÃO Jó 23:8-11 Na semana passada, eu falei muito sobre maldições, punições e castigos que Deus envia aos desobedientes e rebeldes. Falei sobre a disciplina Divina, cuja finalidade é o verdadeiro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 9. INTEGRAÇÃO DA AMAZÔNIA RIO BRANCO,

Leia mais

PAIM FILHO, FIRMINO *dep. fed. RS 1924-1928; sen. RS 1930; dep. fed. RS 1935-1937.

PAIM FILHO, FIRMINO *dep. fed. RS 1924-1928; sen. RS 1930; dep. fed. RS 1935-1937. PAIM FILHO, FIRMINO *dep. fed. RS 1924-1928; sen. RS 1930; dep. fed. RS 1935-1937. Firmino Paim Filho nasceu em São Sebastião do Caí (RS) no dia 15 de dezembro de 1884, filho do coronel Firmino Paim e

Leia mais

TIRO DE GUERRA 451 Resende RJ Patriotismo e Civismo em um só lugar

TIRO DE GUERRA 451 Resende RJ Patriotismo e Civismo em um só lugar TIRO DE GUERRA 451 Resende RJ Patriotismo e Civismo em um só lugar JULIO CESAR FIDELIS SOARES, Mestre em História Social, membro da Academia Resendense de História, IEV (Instituto de Estudos Valeparaibanos)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania MISÉRIA frente da Catedral: pastoral tenta tirar moradores do isolamento AO RELENTO Encontro de oração das terças à noite na A Curitiba do sereno Curitiba tem cerca de 2,7

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais