UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CELACOM DOIS DISCURSOS EM UMA LEITURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CELACOM DOIS DISCURSOS EM UMA LEITURA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CELACOM DOIS DISCURSOS EM UMA LEITURA Análise comparativa do discurso da tese e da livre docência de Carlos Eduardo Lins da Silva Autor: Prof. Ms. William Araújo Trabalho elaborado para o Celacom a partir da disciplina Processos Comunicacionais, sob responsabilidade do Prof. Dr. José Marques de Melo SBC Maio, 2003

2 1 DOIS DISCURSOS EM UMA LEITURA: Análise comparativa do discurso da tese e da livre docência de Carlos Eduardo Lins da Silva Autor: William Pereira de Araújo, Mestre em Comunicação pela Umesp RESUMO Ao escrever Muito Além do Jardim Botânico para obtenção do doutorado, o jornalista e professor acadêmico Carlos Eduardo Lins da Silva propôs uma nova abordagem para o estudo da recepção, adotando pesquisa-ação em uma estrutura bastante formal. Três anos após, o mesmo autor, para obter a livre-docência, estuda em Mil dias, o que denominou ser a revolução frente as mudanças pretendidas pela direção do jornal. Desta vez, usou o estudo de caso mesclado com a pesquisa participativa, descartando aparentemente o rigor normalmente exigido pela academia. O presente estudo compara ambos e procura entender neste perfil algum tipo de ruptura e até que ponto isso pode ser entendido como pragmática aceitável. Palavras-chave: Estudo comparativo; Análise do discurso; Discurso jornalístico APRESENTAÇÃO Esta análise pretende ser um estudo comparativo entre os discursos d adotados pelo pesquisador jornalista Carlos Eduardo Lins da Silva, nas obras "Muito Além do Jardim Botânico", e "Mil Dias: os bastidores da revolução de um grande jornal", que abordam, respectivamente, produtos da Rede Globo de Televisão e do jornal Folha de S. Paulo. Por se tratarem de obras relativas à pesquisa científica, especificamente para obtenção de titulação doutorado e livre-docência, há que se entender que as mesmas possuem caráter ritualizado típico das academias e que, por isso, presumem aprovação feita mediante avaliação de especialistas. Com isso, é possível entender que os trabalhos, neste contexto, são elaborados mediante os recursos argumentativos possíveis, com objetivos de convencimento articulados dentro de parâmetros científicamente aceitáveis. A produção, dentro deste contexto, parece ser sempre elaborada visando atender certas expectativas do público final, por mais intermediário que ele seja. Ora, por mais que o relato

3 dissertativo, expositivo, narrativo ou híbrido necessite respeitar os critérios estabelecidos, ou justamente por estar embasado em regras (linguísticas, semânticas, pragmáticas, entre outras); por se tratar de leitura comparativa de duas obras do mesmo autor, e justamente por serem as mesmas de cunho científico, há que se observar, em primeiro lugar, os objetivos que nortearão esta análise: 1. Averiguar a estrutura e a intenção dos relatos; 2. Averiguar o teor de penetração no que diz respeito às questões da área de comunicação; 3. O nível de contribuição reconhecível em cada um deles; 2 Com estes objetivos deseja-se averiguar o nível de contribuição do autor, que é significativamente reconhecido tanto no meio profissional quanto no acadêmico, motivo pelo qual torna-se imprescindível observar algumas variáveis que precisam ser consideradas ou equalizadas. Em primeiro lugar, o fato de os estudos do autor terem ocorrido em tempos diferentes, mediante intenções diversas. Esta variável é significativa, mas não impeditiva, uma vez que o que se pretende é analisar o nível dos discursos adotados e seus devidos encaminhamentos. Associado a esta está a expressividade de Carlos Eduardo Lins da Silva, que, justamente por ser qualificado como um dos integrantes do Grupo de São Bernardo 1, traz importância a esta análise, uma vez que a mesma pode minimamente evidenciar algumas pistas adotadas pelo pesquisador. Em segundo lugar, o fato de os objetos terem merecido metodologias diferentes, o que de certa forma tende a alterar o tipo de discurso adotado. Este item, teoricamente falando, impediria tal análise, na medida em que são objetos diferentes, em momentos diferentes e com abordagens também diversas. Ocorre que o que se pretende averiguar é a flexibilidade do autor no uso do discurso, procurando notar elementos que sejam predominantes e que sirvam como pistas para outros pesquisadores. Com relação ao suporte teórico que servirá de apoio, há que se destacar a recorrência ao campo dos gêneros de discurso 2 e seus aspectos ideológicos implícitos 3, traçados por Mikail Baktin e, como decorrência, há que se recorrer às proposições teóricas oferecidas por Ingedora G. 1 José Marques de Melo & Samantha Castelo Branco (orgs), Pensamento Comunicacional Brasileiro: o grupo de São Bernardo, SBC-São Paulo: Umesp, 1999, pp Baktin, M, Estética da criação verbal, 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, Baktin, M, (Volochinov), Marxismo e filosofia da linguagem, 3ª ed., São Paulo: Hucitec, 1986.

4 Villaça Koch, referentes à intencionalidade dos discuros 4, bem como quanto à construção dos sentidos nos textos escritos 5. No que diz respeito ao aparato metodológico, há que se observar as contribuições de Irving Copi 6 que, em Introdução à lógica mostra a relação entre o discurso e determinados aspectos da linguagem, bem como quanto ao modus sciendi proposto por Othon Garcia 7. Já no âmbito da área jornalística, vale a pena considerar as abordagens adotadas pelo autor estudado Lins da Silva, que em "Muito além do Jardim Botânico", adota o estudo de recepção 8, aplicada por meio da pesquisa-ação. Já em "Mil dias: os bastidores da revolução de um jornal", há o predomínio de uma abordagem ligada ao newsmaking 9. Para o entendimento adequado do estudo pretendido, há que se conhecer primeiramente o autor estudado e as obras em questão. O AUTOR Carlos Eduardo Lins da Silva, hoje atuando como editor no jornal Valor Econômico, é jornalista desde os 18 anos. "No início suas preocupações ligavam-se mais à ecologia. Depois, à própria técnica filosófica e ética da comunicação". 10 Além da carreira profissional, o mesmo também privilegiou a atuação acadêmica no Brasil e no exterior, tendo concluído o mestrado na Michigan State, doutorando-se pela universidade de São Paulo, bem como pós-doutorando-se no Woodrow Wilson Internacional Center for Scholars (Washington). A decisão pelo jornalismo veio após ter freqüentado o curso de Ciências Sociais da USP e depois o de Jornalismo, tendo optado por este. No Jornalismo atuou em projetos alternativos como os Cadernos de Comunicação Proal, o Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos da Comunicação, a revista Crítica da Informação, o Jornal Salário Mínimo, bem como na Folha de S. Paulo, alcançando o posto de secretário de Redação. No cenário acadêmico, além do já exposto, atuou na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, no Instituto Metodista de Ensino Superior (SBC), na Faculdade de Comunicação de Santos, e no Departamento de Jornalismo e Editoração da USP. AS OBRAS 3 4 I.G.V. Koch, Argumentação e linguagem, 4ª ed. São Paulo: Cortez, I.G.V. Koch, O texto e a construção dos sentidos, 2ª ed. São Paulo: Contexto, Eni P. Orlandi, Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos, São Paulo: Campinas, Humberto Eco, leitor in fabula, São Paulo: Perspectiva, Irving Copi, Introdução à lógica, São Paulo: Mestre Jou, Othon Garcia, Comunicacão em prosa moderna, 17ª ed., Rio de Janeiro: FGV, Maria Immacolata Vassalo de Lopes, Estratégis metodológicas da pesquisa de recepção, in: Revista Brasileira das Ciências da Comunicação, vol. XVI, nº 2, Julho/Dezembro, 1993, pp Ver também da mesma autora, Recepção dos meios, classes, poder e estrutura, in: Comunicação e Sociedade, ano XIII, nº 23, junho, 1995, pp Mauro Wolf, Teorias da Comunicação, 3ª ed., Lisboa: Presença Editorial, Ver orelha da obra Mil Dias, ob. cit.

5 Uma das obras analisadas, "Muito Além do Jardim Jardim Botânico", refere-se à pesquisa para a obtenção do doutorado e foi desenvolvida junto à Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, tendo sido apresentada em março de Esta, segundo o próprio autor, consubstancia "uma parte de pesquisa mais ampla que foi desenvolvida por mim "[na instituição Woodrow Wilson Internacional Center for Scholars, sobre a influência do jornalismo americano sobre o brasileiro], "já que boa parte dos pressupostos que embasaram o projeto tem seu fundamento nos princípios que norteiam a prática do jornalismo nos Estados Unidos" 11 A mesma, destinada a estudar o Jornal Nacional, segundo o autor "partiu de um pressuposto simples: se o Jornal Nacional é um fenômeno cultural tão importante a ponto de ganhar a atenção da absoluta maioria dos brasileiros todas as noitres, ele merece ser estudado a sério" 12 Diz isso pois discorda já na apresentação daqueles que à época procuravam estigmatizar o JN como porta-voz oficioso do governo", taxando-o como "um dócil instrumento de manipulação, bem como pôr terem atribuído à audiência a pecha de alienação, ou seja: "Quem assistia o Jornal Nacional era 'alienado'; quem fazia o Jornal Nacional era manipulador". 13 Fugindo destes preconceitos o autor empregou cinco anos para estudar o objeto, recorrendo ao contato direto com os produtores e espectadores, procurando compreender tais contradições. Apesar de o autor qualificar de um estudo de caso, seu encaminhamento adquire muito mais as características de um estudo de recepção, motivo pelo qual, sem abandonar a proposição do autor, na análise destas obras e no tocante especificamente a esta, recorrer-se-á também aos estudos de audiência A outra obra, "Mil Dias: os bastidores da revolução de um grande jornal" é a tese de livredocência, apresentada ao Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, em junho de Trata-se de um estudo referente à aplicação do projeto editorial do jornal Folha de S. Paulo, ocasião em que o autor ocupou a Secretaria de Redação da Folha, na área de Produção. Segundo o autor, neste trabalho "seu objetivo não é dos mais ambiciosos: descrever como aconteceu um processo de reformulação profunda das relações de produção em um importante jornal brasileiro e tentar inferir da experiência algumas conclusões sobre como uma redação deve se organizar para enfrentar um mercado cultural com as características de uma metrópole como São Paulo". 14 No dizer de José Marques de Melo, "metodologicamente, seu caminho foi o da pesquisa-ação, buscando um 4 11 Mil Dias, ob. cit. p Muito além do Jardim Botânico, ob. cit. p Muito Além do Jardim Botânico, ob. cit. p Mil dias, ob.cit. p. 17.

6 referencial próximo da observação participante dos velhos antropólogos, mas que supera os pruridos cientificistas de neutralidade do pesquisador, enfrentando a evidência de que quem pesquisa possui sentimentos, emoções, ideologias, que não podem ser abstratamente desprendidos do objeto pesquisado". 15 Com relação à duração, diferentemente do trabalho anterior, o prazo empregado para esta pesquisa a julgar pela defesa da anterior foi de três anos. PROCEDIMENTOS Considerando o que diz Leônidas Hegenberg 16 sobre comparabilidade sendo este um dos conceitos classificadores (o outro é o quantitativo), é possível adotar este parâmetro levando em conta suas possibilidades relativas de gradação (maior ou menor), constituindo isso a hierarquização da qualidade, que pode também ser do universo quantitativo. A classificação necessária à aplicação da comparabilidade, por sua vez é oferecida por Othon Garcia enquanto sistematização do saber, sendo possível isso por meio da análise, da classificação, da definição e da síntese. Respectivamente entende-se por análise "a decomposição de um todo em suas partes (...), do todo para suas partes". 17 A análise, segundo o autor, caracteriza-se pelo detalhe, exatidão, detendo-se mais nas diferenças do que nas semelhanças. Por síntese se entende o oposto do que seja análise, motivo pelo qual este método é complementar, permitindo assim a rescontituição do que foi decomposto permitindo com isso o enriquecimento do caráter científico do que foi analisado. Neste estudo comparativo pretendese adotar o modelo de análise formal, procurando averiguar a estrutura científica adotada em ambas as obras, fazendo jus aso objetivos, cujo cerne reside: 1) na estrutura adotada; 2) na ênfase relacionada às questões do Jornalismo; 3) no estilo adotado. Por classificação se entende a distribuição dos "seres, as coisas, os objetos, os fatos ou fenômenos de acordo com suas semelhanças ou diferenças" 18. Definição, por sua vez, "é um recurso de expressão de que nos servimos para dizer o que é que queremos dar a entender quando empregamos uma palavra ou nos referimos a um objeto ou ser" 19. Mesmo considerando os parâmetros de análise dentro dos critérios lógicos e científicos oferecidos por Garcia, um procedimento necessário é a compreensão da dimensão adotada pelo autor para desenvolver um e outro trabalho. Em outras palavras, o tamanho e a articulação das 5 15 Mil dias, ob. cit. p Leonidas Hegenberg, Etapas da investigação científica: observação, medida, indução, São Paulo: EPU, 1976, vol. 1. pp Othon Garcia, ob.cit. p Othon Garcia, ob.cit. pp Othon Garcia, ob.cit. p. 322.

7 partes das obras, traduzidas na fundamentação e nos capítulos que notadamente varia em função dos mecanismos adotados e do tipo de estudo. Esta análise, apesar de seguir a estrutura formal ou justamente por isso procurará localizar estes elementos tanto em uma quanto em outra obra averiguando suas semelhanças e diferenças de dimensão e de conteúdo. Neste sentido, o texto do autor ganha expressão, pois foi elaborado a partir de propostas específicas. A definição de texto e suas implicações, segundo Koch, provém da trajetória histórica e pragmática, bem como as relacionadas às teorias acionais, cognitivas, de atividade verbal entre outras. Assim sendo, sugere que o texto seja abordado no seu próprio processo de planejamento, verbalização e construção com esta e outras perspectivas, concluindo deste modo que "textos são resultados da atividade verbal de indivíduos socialmente atuantes, na qual estes coordenam suas ações no intuito de alcançar um fim social, de conformidade com as condições sob as quais a atividade verbal se realiza". 20 OBRAS (RE)LIDAS O plano de uma obra Muito Além do Jardim Botânico, por mais sucinto que seja, serve para visualizar a organização e a classificação feita para enxergar um dado objeto. Considerando que este procedimento está no âmbito da classificação e que sua logicidade compreende dois elementos de relação a coordenação e a subordinação é possível dizer que na primeira obra o desenvolvimento da estrutura evidencia uma variedade maior de coordenadas, sendo isso não só pela extensão, mas sobretudo pelos desdobramentos, qualificando-a fortemente como formal. A segunda obra Mil dias, por sua vez, demonstra uma estrutura extremamente simplificada, porém bastante objetiva, obrigando, com isso, que a observação detenha-se mais no enunciado adotado e que, pressupõe-se, tende a articular quantidades e qualidades informacionais que equilibrem a referida estrutura. Vale a pena esclarecer que tanto o prefácio quanto a apresentação apesar de significativos não serão analisados, pois ao que tudo indica foram produzidos visando única e exclusivamente a publicação. Esta análise não tem a intenção de dissecar os referidos textos, motivo pelo qual recorre à sugestão de Koch (1998:23), quando a mesma evidencia que normalmente "a informação contida no texto distribui-se, como se sabe, em (pelo menos) dois grandes blocos: o dado e o novo, cuja disposiçào e dosagem interferem na construção do sentido. A Introdução da obra Muito Além do Jardim Botânico procura consolidar toda a base da dissertação que será desenvolvida posteriormente. Nela, uma aparente defesa do objeto aos poucos vais sendo substituída por uma reflexão acionada por dados históricos, bibliográficos e 6 20 O texto e a construção dos sentidos, ob, cit. pp

8 documentais não apenas expositivos, mas sequencialmente discutidos, numa espécie de diálogo que o autor tece com os dados, a novidade implícita nos mesmos, bem como as implicações. Para tanto, a estratégia adotado foi o afunilamento lógico do contexto da indústria cultural, suas relações com o Estado e o poder deste e de seus atores, bem como o surgimento da Rede Globo, como uma condição construída hegemonicamente. Com isso, sente-se seguro para expor melhor seu objeto de estudo, o contexto restrito ao qual faz parte, sinalizando assim o modo como passará a enxergá-lo, ou seja, sob a ótica teórica do estudo de recepção. A prova da densidade desta abertura pode ser comprovado não só pelo número de páginas destinadas (29) mas sobretudo pelo número de citações exigidas, consumindo 50 das 70 relacionadas na obra. Na obra Mil Dias, a Introdução é feita tipicamente na forma expositiva, semelhante ao que ocorre com as notícias que no entender de Nilson Lage, é "o relato de uma série de fatos a partir do fato mais importante ou interessante; e de cada fato a partir do aspecto mais importante ou interessante" 21. Deste modo, com extremada ligeireza, oferece o contexto, a determinação da Folha de S. Paulo quanto à opção pelo mercado e, recorrendo a vários autores, coloca claramente a intenção da Folha, quem é contra a proposta, bem como relacionando o mesmo com o implantado nos EUA, destacando que aqui tal modelo vem com atraso. Além disso, mostra a contradição existente no jornalismo, deixando transparecer o viés ideológico paradoxal da categoria associada muito mais aos hábitos antigos e ao poder pressuposto por seus praticantes e mesmo pela corporação, remetendo ao texto "Vampiros de papel", de Frias Filho, para quem as mudanças estavam ancoradas em um outro tipo de ideologia, no caso "a da notícia (qualquer notícia) e na relação de solidariedade objetiva entre imprensa e público" 22. Comparativamente falando, notase não só a mudança não só no tipo de estrutura (formal e informal respectivamente), mas também na maneira como o enunciado é construído, sendo o da primeira obra mais complexa e reflexiva, ao passo que a da segunda obra muito mais diretiva, sendo esta característica baseada no volume de informação apresentada ou articulada, exposição esta que não admite rompimento do fluxo informacional para qualquer reflexão ou questionamento, bastante observado em Muito Além do Jardim Botânico. Prova disso é que em Mil Dias, ainda no trecho em questão, além da ligeireza, as falas adotadas parecem mais voltadas a comprovar a decisão da Folha do que o contrário. Portanto, se na primeira obra o aspecto ideológico fica no campo da persuasão, feita 7 21 Estrutura da notícia, São Paulo: Ática, 2000, p Mil Dias, ob. cit. pag. 30.

9 por meio da articulação do diálogo com os dados obtidos nos documentos e no campo, no segundo caso, a reflexão cede espaço para a exposição e posterior convencimento. OBJETIVOS (IM)PLÍCITOS Seguindo a estrutura formal, Muito Além do Jardim Botânico expõe seus objetivos e hipóteses em capítulo destacado. Estas, por sua vez, nascem de densa exposição teóricacontextual, recorrendo a argumentação relativa à ideologização que certamente perpassa o fazer televisivo, cujas matrizes contemporaneidade, realismo, fragmentação das imagens e timming adotado certamente perpassavam o objeto de estudo e, por isso, não poderiam ser desprezados no levantamento das referidas hipóteses. Já na obra datada de 1987, este critério científico além de não ser priorizado, é diluído ainda na Introdução, evidenciando a intenção implícita muito mais de explorar o objeto do que de colocá-lo em xeque com respostas antecipadas. Este procedimento é típico do modelo adotado estudo de caso, uma vez que o objeto precisa mostrar a que veio, no que é possível transformar-se, devendo o observador apenas relatar as ocorrências. Desta forma, a idéia de pesquisa participativa cai por terra, uma vez que ao fazer isso, o caso passa a ter o viés intencional de quem o estuda. Por outro lado curiosamente observando, o fato de o autor ser um funcionário do nível executivo, além de oferecer condições privilegiadas para a observação, impede que o mesmo assuma outros papéis, deixando de sondar o outro lado. Este (pre)suposto inibidor talvez represente um paradoxo, que é exposto pelo autor, como a dizer para si mesmo o risco que corria: "Se essa condição me confere a condição de expectador privilegiado dos acontecimentos e me permite uma descrição que outro analista seguramente não conseguiria realizar com acurácia, ela também me coloca em situação difícil para a realização de um trabalho de caráter científico" 23. Ora, sendo o estudo de caso um trabalho de cunho científico, o viés de aprofundamento é uma das condições imprescindíveis nestes casos, sob pena de comprometer sua leitura como algo modelar. Mais que isso, a aceitação da definição do texto de grande reportagem não isenta a pragmática de agir em profundidade, pois este item também compõe este gênero. Notadamente, o outro lado aparece no trabalho, mas em parcelas reduzidas, evidenciando que o objeto não era o jornalista e sua pragmática, mas sim o projeto e o que o mesmo tinha a oferecer. Em termos comparativos, o rigor na segunda obra é abrandada justamente pelo fato de o autor disponibilizar sua percepção para o registro da dita revolução na redação do jornal REFAZENDO O FAZER 8 23 Mil Dias, ob. cit. p. 36.

10 A metodologia adotada nestes trabalhos poder-se-ia dizer tem o aspecto explícito e implícito. Na obra Muito Além do Jardim Botânico, antes de aderir às regras, o autor tece crítica quanto à pretensa neutralidade científica, citando vários exemplo do enviesamento de boas propostas para usos visando interesses específicos. Por conta disso, opta pela pesquisa ação na leitura que fará da audiência televisiva, sempre procurando justificar a decisão, convencendo e convencendo-se de que assim poderia contribuir de modo diferente do que até então se fazia em termos de pesquisa de audiência. No caso da obra Mil Dias, a metodologia está exposta ainda no final da apresentação, na medida em que se propõe a analisar o conflito relativo à implantação do Projeto Folha, deixando claro que isso "não será um documento de defesa do 'Projeto Folha', apesar do meu envolvimento pessoal no processo de sua aplicação". Apesar de mostrar esta preocupação, o autor, que em Muito Além do Jardim Botânico exercita um posicionamento ideológico mais explícito, em Mil Dias, procura preservar isso dosadamente, como por exemplo quando, acaba esboçando sua adesão até certo ponto velada ou contraditória na medida em que diz ser "favorável à idéia de que a adoção de técnicas e métodos de organização é importante para a obtenção de um bom produto jornalístico nas sociedades de mercado" 24. Apesar disso, promete não cair no proselitismo ou na tentação de interferir na realidade para comprovar suas convicções. De modo muito mais objetivo que o trabalho anterior, aponta em poucas linhas que adotará documentação "disponível nos arquivos da direção do jornal (e metodicamente coletado e arquivado ao longo dos meses como conseqüência natural técnica do projeto)" 25, bem como entrevistas possíveis no campo. Sua justificativa para a escolha da Folha é a de que, por ser um estudo de caso, "a Folha é um estudo (...) representativo do universo dos jornais diários brasileiros". 26 Diferentemente do que trata a obra de 1984, a de 1987, Mil Dias traz no capítulo 2 e 3 o que poderia ser chamado de contexto para os procedimentos da análise do objeto. Tais procedimentos são nitidamente informativos e de baixa reflexão, enunciado típico dos estudos de caso, tendo como fio condutor as intenções da mudança, as iniciativas de metodologização implícitas no projeto Folha e, finalmente, as primeiras inovações. Nestes dois capítulos, diferentemente do que fez na obra de 1984, não polemiza nem critica, apenas retrata tomando como suporte documentos oficiais e artigos escritos à época para tratar da inovação na direção do 9 24 Mil Dias, ob. cit. pp Mil Dias, ob. cit. pp. 37.

11 jornal.. Lins da Silva, sempre que possível, compara este processo ao ocorrido no New York Times, recorrendo a Gay Talese, especificamente na obra The Kingdom and Power. Na relação que oferece no final do segundo capítulo, período que compreende de maio de 1984 a fevereiro de 1987, são expostos 33 itens considerados pelo autor como o roteiro dos principais acontecimentos do período, podendo ser classificados como administrativos, de mercado, de investimento, reivindicatório, de produção jornalística pautada ou relacionada ideologicamente às mudanças; de produção jornalística ligada ao contexto externo, cuja relação era ligada à credibilidade ou à nova imagem;. Esta classificação feita para efeito de estudo mostra que 57,6% são genuinamente administrativas, 9,1% são ligadas à produção, mas perpassadas pelo aspecto administrativo organizacional, 91% são de ordem reivindicatória, da categoria, 6% são relacionadas à produção jornalística pautada ou relacionada ideologicamente às mudanças, 3% dizem respeito ao investimento, e outros 3% são relacionados ao mercado, neste caso a obtenção de 150 mil assinantes. Ao relacionar estes itens, o autor aponta para um afunilamento das idéias e do discurso, na medida em que afirma serem estes fatos "muita vez citados no trabalho (...) e este roteiro poderá ajudar o leitor a se localizar no texto". Em outras palavras, modulando seu discurso de modo sugestivo-imperativo, recomenda uma espécie de trilha que certamente será perseguida dalí para a frente. CORPUS EXPLORADO A análise feita por Lins da Silva no corpus delimitado para Muito Além do Jardim Botânico e para Mil Dias expõe, por um lado, extrema acuidade no esforço de captar elementos que respondessem suas hipóteses. O enunciado articula dissertativamente as congruências e divergências encontradas, demonstrando um discurso fortemente flexionado não somente pelo nível das informações depreendidas observadas e captadas dos entrevistados, bem como por várias conjunções (aditivas, adversativas, conclusivas, entre outras), visando enfeixar o complexo pensamento em torno das mensagens emitidas no telejornal Jornal Nacional e, posteriormente, das novelas que parametrizavam antes e depois o dito telejornal no que passou a ser denominado de horário nobre. A esta altura, são pouco acionados os elementos teóricos, demonstrando, por parte do autor, segurança no olhar que fazia no objeto. A estratégia adotada por Lins da Silva é exemplar, uma vez que identifica estritamente o necessário quanto ao que é absorvido pela comunidade frente à televisão e, a continuidade da análise, desdobra-se justamente em outros itens, sendo estes destinados a averiguar os efeitos promovidos pôr outras fontes em relação a uma dada Id.ib.p.37.

12 notícia, variáveis denominadas por ele como "Senso crítico oriundo de outras fontes", "Senso crítico proveniente do conhecimento pessoal", e "Senso crítico através do conhecimento dos meios" que passam a ser controladas, uma vez que são consideradas como componentes de um fenômeno que, para muitos, estava restrito apenas na tela da televisão. Neste sentido, a contribuição do autor aparece e reforça o modelo adotado como plenamente seguro para se chegar aos objetivos propostos, mesmo que os mesmos mostrem certa dose de obviedade. Já na obra Mil Dias, nota-se que estruturalmente talvez pelo aspecto linear ou histórico dos acontecimentos ela avança indo ao encontro de um desfecho. A estrutura foi disposta da seguinte forma: Introdução, que destaca o objeto e o problema pelo qual passa; A história, mostrando a trajetória fragmentária da Folha; Os Terminais, que nitidamente é uma continuidade da história, a julgar pela abertura: "Muitas pessoas confundem o 'Projeto Folha' com a introdução dos terminais de vídeo na redação do jornal" 27 ; O Projeto, que mostra a proposta, a documentação que deu origem à idéia e sua continuidade, o contexto que possibilitou tal mudança, os embates entre direção e jornalistas, entre outros elementos. Talvez por isso esta seja a parte mais densa da obra, rico em informação, mas também com várias justificativas: umas explícitas, outras nem tanto; O Manual, que praticamente consolida os procedimentos e, paralelamente a adesão ao projeto. Articulando o discurso de modo informativo e depois de uma forma arejada, na qual muitos expõem o que pensam pró e contra o documento, no final, recorrendo a alguns autores, certifica-se, tal como diz, que "pode-se afirmar, sem medo, que apesar de tecnicamente o manual ainda estar longe de poder ser considerado um sucesso pelos motivos já expostos acima, politicamente ele é um êxito"; outro capítulo da estrutura é o denominado As Metas, que embora em uma linha linear de desenvolvimento é mais questionador no tocante aos resultados obtidos. Isso talvez por ter acompanhado de perto o que serve para provar a dificuldade de se manter a isenção em pesquisas participativas, tal como diz Lins da Silva 28 : "Eu posso dar um testemunho pessoal, pois durante dois anos e meio essa foi uma das minhas tarefas e acho que meu desempenho foi fraco". O mesmo pode ser estendido para os capítulos seguintes Os Controles, O Profissional, e O Leitor com ligeira variação no teor do discurso, sempre bem balizado com informações e vários níveis de justificativas recorrendo nem tanto à forma dos parágrafos, mas acima de tudo pela função 29 a eles atribuídas, às vezes Mil Dias, ob. cit. p Mil Dias, ob.cit. p Tal como diz Copi, ob. cit. p.53., às vezes em um discurso "podemos ser tentados a identificar a forma com a função e a pensar que as orações declarativas e o discurso informativo coincidem, ou que as orações exclamativas só

13 despertando a reflexão quanto a alguns aspectos do projeto, em outros momentos, informando e comparando com outros exemplos daqui e de fora, ou mesmo expondo dados estatísticos. Perscrutar a(s) estratégia(s) adotada(s) por Lins da Silva em minúcias se é que o autor as adotou estrategicamente 30 levaria tempo extremado, o que não é a proposta desta análise. Talvez valesse a pena, nestas palavras finais, um olhar mais pontual nas conclusões enxergadas pelo autor. CONCLUSÕES COMPARATIVAS Em Muito Além do jardim Botânico, as conclusões expostas pelo autor demonstram uma espécie de confirmação que já esboçar no ínicio da obra, ou seja, de que a teia de relações entre as pessoas e o que recebem de informações, dificilmente as deixam apáticas ou totalmente à mercê dos meio de comunicação, sobretudo a televisão. Mostra que aprendeu com o processo e aproveitando-se disso, distribui ainda suas últimas críticas aos teóricos exacerbados. O discurso é predominantemente expositivo, entremeado de referenciados bibliográficos pontuais, visando assim certificar os que o lêem do que efetivamente encontro. Na verdade, o autor comprova para si e para a academia, que o método escolhido pesquisa-ação, serviu não só para viabilizar a mescla metodológica, como para explicar que o poder pressuposto da mídia é extremamente tênue, se forem consideradas as variáveis que compõem o dia-a-dia das pesssoas, estejam onde estiver. Em Mil Dias, as conclusões acerca do Projeto Folha são, em um primeiro momento comparadas com os ideais americanos, tornando significativo o referido trabalho, mas também demonstrando uma relação teórica com uma provável influência americana no jornalismo brasileiro na medida em que o projeto adotou mecanismos e autores de fora. Esta associação não permeou o trabalho e parece ser já uma reflexão do autor frente a uma pesquisa maior sobre a influência americana, da qual o estudo da Folha fazia parte. De outro modo, expõe com extrema objetividade e desdobramento reflexivo, classificando metodicamente a estrutura adotada para a implantação do projeto Folha, oriunda, segundo diz, de "pessoas que passaram a exercer o poder na redação do jornal (...) formulando ao longo dos meses um sistema de valores para legitimar o seu exercício de poder e, ao mesmo tempo, traçar 12 são adequadas ao discurso expressivo", demonstrando assim a necessidade de averiguação de estratégias mais amplas. 30 É importante chamar a atenção para o fato de que, aquele que escreve, apesar de estar intencionado para certas coisas, pode estar construindo outras na forma de desdobramento. Ao colocar os textos de Lins da Silva sob análise, longe está a pretensão de entender que o mesmo efetivamente tenha sido construído com estes propósitos apresentados. Isso reforça dizer o seguinte: cada leitura pode ser feita de uma forma ou de outra, dentro das intenções pré-estabelecidas. Esta, portanto, configura uma análise bastante superficial e sem pretensão de colocar em xeque os esforços do pesquisador em questão.

14 roteiros de ação para seu mandato" 31. Apesar de oferecer informações suficientes para demonstrar os mecanismos que conferiram o sucesso ao projeto e mesmo de concordar com certos aspectos disso, o autor deixa em aberto alguns parâmetros de associação deste sucesso em relação ao modelo adotado. CONCLUSÃO (PRO)VISÓRIA Neste sentido, dentro do que foi observado e quanto aos objetivos, notou-se que a obra Muito Além do Jardim Botânico visando atender o objetivo nº 1 recorrendo a uma estrutura mais formal e pelo ineditismo sugerido no tipo de abordagem ligada ao estudo de recepção, priorizou uma densa fundamentação, procurando assim amenizar contradições ou argüições demolidoras. Por este motivo, o autor deu-se o direito de tecer críticas aos modelos adotados e o viés ideológico distorcido a qual servem. Após tal argumentação comprovada com exemplos, sente-se confortável para traçar seu caminho metodológico. Na obra Mil Dias, o mesmo não ocorre, sendo isso substituído pelo relato do contexto, deixando o foco mais no impacto do objeto que seria observado e da celeuma criada do que propriamente para uma exposição contextual mais isenta. Notadamente, ambas as pesquisas exprimem posicionamento ideológico do autor, mas na primeira isso fica mais explícito, ao passo que na segunda isso é utilizado mais estrategicamente na medida em que o discurso vai sendo montado. Por isso, o contexto da primeira obra remete a teorias, ao passo que na segunda remete mais a exemplos e estudos feitos sobre o próprio fenômeno. Com relação ao que trata o segundo objetivo proposto penetração às questões da área jornalística para esta análise, há que se expor o seguinte: em Além do Jardim Botânico, o aprofundamento prioriza mais a comunicação de modo mais abrangente, deixando claro que o Jornalismo é apenas uma parcela das informações que chegam às comunidades, sendo, como mostra o estudo, colocada em xeque por vários motivos ou variáveis do cotidiano. A contribuição disso é significativa, pois coloca o Jornalismo em seu devido lugar. Em primeiro lugar porque para a indústria cultural, o objeto estudado o mais famoso e visto à época vinha formatado entre dois produtos culturais (novelas) economicamente mais atrativos. Em segundo lugar, porque o próprio autor observou ser ilusão pensar que as estratégias teóricas da comunicação penetram despercebidamente pelos telespectadores, sendo isso verificado em níveis que vão do interesse regional, para os que dizem respeito às necessidades diárias, entre outros. Neste sentido, valeria a pena inverter o que foi dito, ou seja, o telespectador também coloca o telejornalismo em seu devido lugar, na medida em que o valida no dia-a-dia Mil Dias, ob. cit. p. 180.

15 No tocante à obra Mil Dias, este objetivo parece ser plenamente atendido, não pela polêmica implícita no objeto, mas pela discussão que a mesma provoca. O autor parece ter feito o que em Teoria da Comunicação pode ser ambientado no fenômeno metalinguagem, uma vez que apropriando-se de um objeto em ebulição portanto não conclusivo, valoriza os jornalistas não pelo que eles eram, mas pelo que podem vir a ser. O projeto passa a ser um mote, e a resistência a ele a comprovação do nível do poder que esta área ainda tinha. A questão mercantilista, apesar de justificada pelo autor e pelos idealizadores em vários momentos como algo associado à sobrevivência da empresa, é um mero detalhe uma vez que por traz disso estava na verdade a liberdade de pensar, que na sociedade moderna da época, requeria o pensar em tamanho apropriado. Mais que isso, evidencia o embate disso no campo exclusivamente ideológico, uma vez que as ideologias sejam quais forem, só se justificam quando conquistam a supremacia. Deixa claro em meio a dados bem sucedidos do projeto que, a liberdade aliás pouco mencionada não cabe no jornalismo, que precisa atender outro interesse que não os dos jornalistas, mas o da sociedade, por mais que entre estes esteja uma empresa assumindo tal papel. A metalinguagem não à toa percebida por um integrante da banca de avaliação como um ensaio jornalístico, idéia que é reforçada por Lins da Silva no prefácio do livro 32, como uma grande reportagem da segunda obra dá-se justamente pelo fato de estar sendo coberta exclusivamente pelo "repórter" Lins da Silva, no momento em que tudo estava ocorrendo. A adoção do modelo estudo de caso, na verdade, acaba por comprometer o relato, na medida em que abranda ou oficializa o discurso vivo quer deve ter sido sido captado no cotidiano e ajustado academicamente na forma relatorial. De outro modo, a forma ligeira e expositiva, mesmo que extremamente de ideologia velada, procura driblar isso, deixando o rigor de lado em nome do aprisionamento do dado histórico. Curiosamente, apesar de ser taxada de grande reportagem, depõe contra ela não o conteúdo ideológico que tende para a aprovação incondicional do projeto Folha, mas sobretudo pelo fato de o repórter estar na condição partidária de um dos lados. A isenção neste casos, mesmo que alardeada, perde o efeito, uma vez que o olhar e os ouvidos podem estar aguçados para ver e ouvir tudo, mas certamente um dos lados deixará lacunas, comprometendo assim a profundidade implícita nas grandes reportagens. Com relação à proposta de averiguar o estilo e os possíveis avanços que isso possa significar para as Ciências Humanas, a Comunicação e para o Jornalismo, há que se acentuar que, Mil Dias, ob. cit. p.15.

16 tal como dizem os literatos, um estilo é determinado pelo domínio dos códigos, que é dado pela experiência amealhada. Neste sentido, tal como dizia Décio Pignatari 33, torna-se impossível desassociar forma e conteúdo, bem como a função advinda na articulação de um texto destinado à avaliação de uma banca acadêmica e, posteriormente, por um público mais amplo. Em outras palavras, nota-se que apesar de a estrutura científica da primeira obra impor rigores que repercutem no texto denunciando seu estilo e exigindo uma logicidade argumentativa cunhada na comprobabilidade, tal rigor permite uma certa liberdade, na medida em que, tendo atendido às regras, pôr meio delas ou embasados nelas é possível questioná-las ou contrapô-las. Por outro lado, no segundo caso, a fluência do texto, baseada muito mais no volume de informação e nas expectativas que as mesmas geram no contexto social, político e ideológico, permite uma estratégia mais arriscada, na medida em que a tecitura do texto está fundamentada no nível de informação e das fontes envolvidas, motivo pelo qual deduz-se o modelo estudo de caso tenha colaborado. Há que se observar, no entanto, que o autor, procura fugir do aspecto relatoarial, optando pôr imprimir o aspecto mais jornalístico, ganhando expressão, na tecitura do texto a articulação dos elementos informacionais e argumentativos Como todo estudo, passível muito mais de erros que serão observados por outros, este aqui realizado torna-se válido para a concepção provisória de algumas certezas, bem como para algumas questões que podem servir de norteamento para aqueles que desejam da área de pesquisa não somente respostas, mas também questionamentos que chequem melhor determinadas pragmáticas. Neste caso, algumas certezas são: 1. De que o uso de modelos metodológicos tanto podem oferecer bons caminhos, como podem servir de estratégias para a articulação de variados elementos teóricos e pragmáticos. Em outras palavras, os próprios modelos são ideológicos pelo que restringem e pela liberdade que permitem, sendo esta muitas vezes um drible às regras; 2. De que independentemente de modelos científicos, o discurso, quando bem fundamentado e exposto com persuasão, pode transportar seus leitores para campos de decisão provisórios desejáveis. Neste sentido, usando recursos aparentemente simples do modelo jornalístico e não exclusivamente relatorial implícito nos estudos de caso, o autor Lins da Silva parece ter conseguido selecionar e indicar o caminho histórico-viável-imprescindível que o contexto exigia durante a implantação do Projeto Folha de S. Paulo; Décio Pignatari, Informação, Linguagem, Comunicação, São Paulo: Cultrix, 1984, p.11.

17 3. De que nem sempre o modelo está na mesma relação da experiência pessoal e das possibilidades do pesquisador mote que atualmente justifica o uso de várias metodologias, bem como não contempla o nível de extrapolação criativa e de inovação pretendida; 4. De que passa a ser um desafio mais denso o uso ou a articulação da criatividade e da mobilidade de estratégias inovadoras, não sendo isso impeditivo. Neste sentido, o autor estudado parece conseguido isso com o trabalho Muito Além do Jardim Botânico. 5. De que valeria a pena a academia principalmente os programas de pósgraduação pensar em mecanismos, não para driblar a si mesma no tocante às estratégias possíveis, mas seria interessante se isso fosse inserido como possibilidade nos moldes da destruição criadora apregoada por Joseph Shumpeter, ou seja: que fosse inserida uma disciplina, oficina ou algo parecido, visando laboratoriar o nível de respeito e do rompimento às regras notadamente sem preconceitos, visando assim o entendimento e mesmo o estímulo rumo a pretensões mais visionárias e vanguardistas. 16 Já as incertezas são as seguintes: 1. Até que ponto pode haver confortabilidade em uma pesquisa, sabendo que, de um lado, a metodologia oferece caminhos seguros para um trabalho cujas expectativas normalmente são previsíveis, ao passo que dependendo da titulação almejada, o nível de criatividade é exuberantemente esperado? 2. Até que ponto as duas pesquisas ajudam a entender a lógica científica, na medida em que o primeiro estudo indica ter sido extremamente rigoroso, ao passo que o segundo sem nenhuma depreciação praticamente fundamentou-se nas estratégias discursivas notadamente incluindo informações, direcionamento, justificativas, convencimentos de vários teores? 3. Até que ponto a academia está disposta a entender a criatividade sem abrir mão do rigor metodológico, e quais as garantias que os pesquisadores podem ao menos almejar frente a isso? 4. Até que ponto o discurso pode driblar os rigores e estabelecer patamares de convencibilidade em pessoas tão preparadas quanto a dos avaliadores

18 disponíveis nas bancas ou sessões de avaliação da produção científica da área de Humanas? BIBLIOGRAFIA BAKTIN, M, Estética da criação verbal, 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997 BAKTIN, M, (Volochinov), Marxismo e filosofia da linguagem, 3ª ed., São Paulo: Hucitec, COPI, Irving, Introdução à lógica, São Paulo: Mestre Jou, ECO, Humberto, leitor in fabula, São Paulo: Perspectiva, GARCIA, Othon, Comunicacão em prosa moderna, 17ª ed., Rio de Janeiro: FGV, HEGENBERG, Leonidas, Etapas da investigação científica: observação, medida, indução, São Paulo: EPU, KOCH, I.G.V., Argumentação e linguagem, 4ª ed. São Paulo: Cortez, KOCH, I.G.V., O texto e a construção dos sentidos, 2ª ed. São Paulo: Contexto, PIGNATARI, Décio, Informação, Linguagem, Comunicação, São Paulo: Cultrix, LAGE, Nilson, Estrutura da notícia, São Paulo: Ática, LOPES, Maria Immacolata Vassalo de, Estratégis metodológicas da pesquisa de recepção, in: Revista Brasileira das Ciências da Comunicação, vol. XVI, nº 2, Julho/Dezembro, 1993, pp Ver também da mesma autora, Recepção dos meios, classes, poder e estrutura, in: Comunicação e Sociedade, ano XIII, nº 23, junho, MELO, José Marques de & CASTELO BRANCO, Samantha, (orgs), Pensamento Comunicacional Brasileiro: o grupo de São Bernardo, SBC-São Paulo: Umesp, 1999, pp ORLANDI, Eni P., Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos, São Paulo: Campinas, WOLF, Mauro, Teorias da Comunicação, 3ª ed., Lisboa: Presença Editorial,

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO

MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO MUITO ALÉM DO JARDIM BOTÂNICO Carlos Eduardo Lins da Silva Por Tyciane Cronemberger Viana Vaz Carlos Eduardo Lins da Silva Entre a academia e o mercado Graduação em Jornalismo pela Cásper Líbero Mestrado

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE

PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE Gerson Luiz Martins PROJETO DE PESQUISA INICIAÇÃO CIENTÍFICA FONTES DO JORNALISMO IMPRESSO EM CAMPO GRANDE A contribuição da Reportagem, Assessorias e Agências para a formação do jornal diário. Equipe

Leia mais

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1.

ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. ENADE Publicidade e propaganda: uma análise da tipologia de questões dos ciclos 2006, 2009 e 2012 1. Profa Dra Nanci Maziero Trevisan 2 Professora e pesquisadora da Universidade Anhanguera de Santo André

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion S. Cardoso

Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion S. Cardoso Universidade Federal Fluminense - Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Área de História Programa de Pós-Graduação em História Como elaborar um projeto de pesquisa Ciro Flamarion

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE

PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE 1 PRINCÍPIOS PARA A REDAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO OU TESE Prof. Dr. Flávio Villaça Professor Titular de Planejamento Urbano da FAU-USP Versão de 20/12/04 Flavila@uol.com.br INTRODUÇÀO Este texto foi elaborando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Apresentação/Presentation

Apresentação/Presentation Apresentação/Presentation Desde a publicação da tese de doutorado de Lorenza Mondada, em 1994, intitulada Verbalisation de l espace et fabrication du savoir: Approche linguistique de la construction des

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO)

3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 3 c m FACULDADE DE COLIDER-FACIDER ( NOME) 3 cm (TÍTULO DO PROJETO) 2 cm (arial / times roman 12 ) TIRAR NUMERAÇÃO PARA IMPRESSAO CAPA CIDADE/ESTADO 2 c m ANO (NOME) TÍTULO DO PROJETO) (arial / times roman

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero 4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero Neste capítulo, apresentamos a análise dos dados oriundos do contato estabelecido com leitores, editores e críticos, a fim de conhecermos sua visão

Leia mais

12 Guia prático de história oral

12 Guia prático de história oral parte i Fundamentos 12 Guia prático de história oral 1. TEMA Ao longo dos últimos anos, muitas abordagens se somam à chamada história oral, termo, contudo pouco explicado e confundido com gravações de

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios

Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios Disponível em http:// RAC, Curitiba, v. 15, n. 4, pp. 761-765, Jul./Ago. 2011 Documentos e Debates: Réplica 2 - Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração:

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013

TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 TRABALHO INTERDISCIPLINAR 9º ANO 2013 1. Tema As relações interpessoais na atualidade. 2. Delimitação do tema As relações humanas e a socialização. 3. Problema Qual a importância das relações interpessoais

Leia mais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Este texto visa a registrar as principais diretrizes dos Sumários Executivos do Programa de Avaliação

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1

ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 ESTUDO DE CASO - PLANEJAMENTO E MÉTODOS 1 Alberto Albuquerque Gomes 2 O estudo de caso tem sido escolhido, de forma recorrente, como alternativa para pesquisas sobre o fenômeno educativo. Porém, nem sempre

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA Resumo LEITE, Álvaro Emílio UFPR aelfis@yahoo.com.br GARCIA, Nilson Marcos Dias* UTFPR/UFPR nilson@utfpr.edu.br ROCHA, Marcos UFPR

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU DISCIPLINA DE MONOGRAFIA JURÍDICA

FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU DISCIPLINA DE MONOGRAFIA JURÍDICA FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU DISCIPLINA DE MONOGRAFIA JURÍDICA Texto de Apoio Instrucional Nº. 1 PROJETO DE PESQUISA NA ÁREA JURÍDICA: UM ROTEIRO BÁSICO Bauru 2009 FIB MJ O Projeto de Pesquisa: Orientações

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO

A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO A IMPORTÂNCIA DO DOMÍNIO DA COMUNICAÇÃO ORAL PARA O SECRETÁRIO EXECUTIVO Neusa Kreuz 1 RESUMO: É indiscutível a grande importância da linguagem oral no processo interacional humano. Trata-se da primeira

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Institui a Lei da Meritocracia, através do Planejamento Estratégico da Administração Pública Brasileira e do Sistema Nacional de Gestão de

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PRODUÇÃO DA METODOLOGIA DO PROJETO DE PESQUISA OS TRÊS ENFOQUES DE PESQUISA:

MATERIAL DE APOIO PRODUÇÃO DA METODOLOGIA DO PROJETO DE PESQUISA OS TRÊS ENFOQUES DE PESQUISA: CURSO DE DIREITO - 1º SEMESTRE/2013 1 Prof a.: Helisia Góes Disciplina: MONOGRAFIA I Turmas: 9º DIN-2 MATERIAL DE APOIO PRODUÇÃO DA METODOLOGIA DO PROJETO DE PESQUISA OS TRÊS ENFOQUES DE PESQUISA: 1) SE...

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL NA MÍDIA CONTEMPORÂNEA: CRISE E TRANSFORMAÇÃO

JORNALISMO CULTURAL NA MÍDIA CONTEMPORÂNEA: CRISE E TRANSFORMAÇÃO Paulo Augusto Emery Sachse Pellegrini: PROJETO RUMOS JORNALISMO CULTURAL 2009-2010 JORNALISMO CULTURAL NA MÍDIA CONTEMPORÂNEA: CRISE E TRANSFORMAÇÃO Abordar o tema Jornalismo Cultural pode significar,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Paulo Rogério Meira Menandro A iniciativa da Revista de Administração Contemporânea (RAC) de acolher uma discussão sobre

Leia mais

(Re) Construíndo as Coisas do Sertão : um semiárido em foco 1

(Re) Construíndo as Coisas do Sertão : um semiárido em foco 1 (Re) Construíndo as Coisas do Sertão : um semiárido em foco 1 Amanda Pinto FRANCO 2 Fabíola Moura Reis SANTOS 3 Universidade do Estado da Bahia, Bahia, BA RESUMO Este artigo tem por objetivo mostrar as

Leia mais

CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO SUJEITO: UMA PROPOSTA DE LEITURA DE GÊNEROS DO COTIDIANO

CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO SUJEITO: UMA PROPOSTA DE LEITURA DE GÊNEROS DO COTIDIANO CONSTRUÇÃO DISCURSIVA DO SUJEITO: UMA PROPOSTA DE LEITURA DE GÊNEROS DO COTIDIANO Taiza Mara Rauen Moraes, UNIVILLE Universidade da Região de Joinville SC. Gabriela Cristina Carvalho, UNIVILLE Universidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO

O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO Alice Ferry de Moraes Chefe da Divisão de Microrreprodução Fundação Biblioteca Nacional Av. Rio Branco 219/39 - Rio de Janeiro, RJ O jornal é um discurso que tem grande

Leia mais

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações

CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES. 1. Conclusões e Recomendações 153 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES, RECOMENDAÇÕES E LIMITAÇÕES 1. Conclusões e Recomendações Um Estudo de Caso, como foi salientado no capítulo Metodologia deste estudo, traz à baila muitas informações sobre uma

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais