A primeira vez que vi Teresa Achei que ela tinha pernas estúpidas Achei também que a cara parecia uma perna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A primeira vez que vi Teresa Achei que ela tinha pernas estúpidas Achei também que a cara parecia uma perna"

Transcrição

1 EXERCÍCIO COMPLEMENTARES - LÍNGUA PORTUGUESA - 2ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO - 3ª ETAPA ============================================================================================== Texto 1 (...) O verdadeiro amigo de um pintor não é aquele que o entontece de louvores; sim, o que lhe dá uma opinião sincera, embora dura, e lhe traduz chãmente, sem reservas, o que todos pensam dele por detrás. Os homens têm o vezo de não tomar a sério as mulheres artistas. Essa é a razão de as cumularem de amabilidades sempre que elas pedem opinião. Tal cavalheirismo é falso; e sobre falso nocivo. Quantos talentos de primeira água não transviou, não arrastou por maus caminhos, o elogio incondicional e mentiroso? Se víssemos na sra.malfatti apenas a «moça prendada que pinta», como as há por aí às centenas, calar-nos-íamos, ou talvez lhe déssemos meia-dúzia desses adjetivos bombons que a crítica açucarada tem sempre à mão em se tratando de moças. (Monteiro Lobato, A propósito da Exposição Malfatti, Estado de São Paulo, 19/12/1917.) 01- Assunto: Pré-Modernismo O trecho acima é da famosa crítica de Monteiro Lobato à exposição de Anita Malfatti. No trecho em análise percebe-se uma característica particular do momento pré-modernista, em relação às artes plásticas e seus artistas. Explique essa característica. 02- Assunto: Simbolismo O poeta simbolista tem outra visão da natureza e do mundo. Para ele, o que importa é: (A) a impassibilidade, o rigor formal, a busca da perfeição. (B) a valorização do gosto burguês, o nacionalismo, a tradição. (C) a realidade social, o combate do idealismo, o racionalismo. (D) o elemento pitoresco, o final inesperado, a caricatura. (E) a analogia profunda entre a realidade aparente e a realidade oculta das coisas, a sugestão, a musicalidade. Texto 2 O Modernismo no Brasil foi uma ruptura, foi um abandono de princípios e de técnicas conseqüentes, foi uma revolta contra o que era a inteligência nacional. [...] Foi essencialmente um (movimento) preparador; o criador de um estado de espírito revolucionário e de um sentimento de arrebentação. (Mário de Andrade) 03- Assunto: Modernismo Leia o texto 2 e com suas palavras responda: Que espírito norteou os primeiros anos do Modernismo brasileiro? Texto 3 TERESA Manuel Bandeira A primeira vez que vi Teresa Achei que ela tinha pernas estúpidas Achei também que a cara parecia uma perna Quanto vi Teresa de novo Achei que os olhos eram muito mais velhos que o resto do corpo (Os olhos nasceram e ficaram dez anos esperando que o resto do corpo nascesse) Da terceira vez não vi mais nada Os céus se misturaram com a terra E o espírito de Deus voltou a se mover sobre a face das águas. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, Texto 4 Gosto de estar a teu lado, Sem brilho. tua presença é uma carne de peixe. De resistência mansa e um branco Escoando azuis profundos. Eu tenho liberdade em ti. Anoiteço feito um burro, Sem brilho algum. Estamos no interior duma asa Que fechou. Mário de Andrade Página 1 de 19 23/11/09 15:21

2 04- Assunto: Modernismo Quanto à estrutura formal e à linguagem, quais são as características modernistas dos dois textos? 05- Assunto: Modernismo Os dois textos apresentam imagens que rompem com as convenções literárias tradicionais normalmente utilizadas para descrever a mulher. Cite-as. Texto 5 MACUNAÍMA Mário Andrade No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite. Houve um momento em que o silêncio foi tão grande escutando o murmurejo do Uraricoera, que a índia, tapanhumas pariu uma criança feia. Essa criança é que chamaram de Macunaíma. Já na meninice fez coisas de sarapantar. De primeiro passou mais de seis anos não falando. Sio incitavam a falar exclamava: Ai! que preguiça!... e não dizia mais nada. Ficava no canto da maloca, trepado no jirau de paxiúba, espiando o trabalho de outros e principalmente os dois manos que tinha, Maanape já velhinho e Jiguê na força de homem. O divertimento dele era decepar cabeça de saúva. Vivia deitado mas si punha os olhos em dinheiro, Macunaíma dandava pra ganhar vintém. E também espertava quando a família ia tomar banho no rio, todos juntos e nus. Passava o tempo do banho dando mergulho, e as mulheres soltavam gritos gozados por causa dos guaimuns diz-que habitando a água-doce por lá. No mucambo si alguma cunhatã se aproximava dele pra fazer festinha, Macunaíma punha a mão nas graças dela, cunhatã se afastava. Nos machos cuspia na cara. Porém respeitava os velhos e freqüentava com aplicação a murua a poracê o torê o bacorocô a cucuicogue, todas essas danças religiosas da tribo. VOCABULÁRIO Jirau de Paxiúba: Dandava pra ganhar vintém: Guaimum: Cunhatã: estrado feito com varas e fibras de um tipo de palmeira encontrado na Amazônia; expressão extraída de cantiga de ninar urbana - referência à esperteza da personagem; caranguejo; mulher adolescente. Texto 6 Leia este fragmento da página de abertura de Iracema, de José de Alencar, e compare a caracterização romântica do índio com sua caracterização modernista, por Mário de Andrade. Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema. Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso, nem a baunilha recendia no bosque como seu hálito perfumado. Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu, onde campeava sua guerreira tribo da grande nação tabajara. O pé grácil e nu, mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra com as primeiras águas. José de Alencar. Iracema. São Paulo, Ática, Assunto: Modernismo Que diferenças existem entre as duas caracterizações do índio como símbolo da nacionalidade? 07- Assunto: Modernismo O anti-herói não é o vilão, mas o herói que contradiz a concepção tradicional de heroísmo, ao reunir em si virtudes e defeitos. Pensando nessa afirmação, encontre no texto duas características de Macunaíma que seriam vistas como qualidades pelo senso comum. 08- Assunto: Modernismo A designação arte pela arte aplica-se a que tipo de tendência? Introdução SIMBOLISMO Como longos ecos que de longe se confundem numa tenebrosa e profunda unidade, vasta como a noite e como a claridade, os perfumes, as cores, os sons se correspondem. Verlaine Página 2 de 19 23/11/09 15:21

3 Texto 7 REGIÃO AZUL... As águias e os astros abrem aqui, nesta doce, meiga e miraculosa claridade azul, um raro rumor de asas e uma rara resplandecência solenemente imortais. As águias e os astros amam esta região azul, vivem nesta região azul, palpitam nesta região sul. E o azul, o azul virginal onde as águias e os astros gozam, tornou-se o azul espiritualizado, a quinta essência do azul que os estrelajamentos do Sonho coroam... Músicas passam, perpassam, finas, diluídas, finas, diluídas, e delas, como se a cor ganhasse ritmos preciosos, parece se desprender, se difundir uma harmonia azul, azul, de tal inalterável azul, que é ao mesmo tempo colorida e sonora, ao mesmo tempo cor e ao mesmo tempo som...[...] E dessa música e dessa cor, dessa harmonia e desse virginal azul vem então alvorando, através da penetrante, da sutil influência dos rubros Cânticos altos do sol e das soluçadas lágrimas noturnas da lua, a grande Flor original, maravilhosa e sensibilizada da Alma [...] (Cruz e Sousa. In Obras completas. Rio de Janeiro. Aguilar, 1961.) 09- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo Estão presentes, neste texto, muitos dos traços que definem o perfil da poesia simbolista. Baseando-se na leitura, procure exemplos de aliteração e sinestesia. Texto 8 CARNAL E MÍSTICO Página 3 de 19 23/11/09 15:21 Pelas regiões tenuíssimas da bruma vagam as virgens e as Estrelas raras... Como que o leve aroma das searas todo o horizonte em derredor perfuma. Numa evaporação de branca espuma vão diluindo as perspectivas claras... Com brilhos crus e fúlgidos de tiaras as Estrelas apagam-se uma a uma. E então, na treva, em místicas dormências, desfila, com sidéreas latescências, das Virgens o sonâmbulo cortejo... Ó Formas vagas, nebulosidades! Essência das eternas virgindades! Ó intensas quimeras do Desejo... Cruz e Souza VOCABULÁRIO Tênue - leve, suave, fina Seara - campo cultivado Fúlgido - que tem brilho Tiara - espécie de diadema com que as mulheres prendem ou enfeitam os cabelos Quimeras - ilusões, sonhos Sidérea - própria do céu, celeste Latescência - relativo a cor branca Místico - relativo a vida espiritual 10- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo Observa-se que, a partir do título, o poema apresenta dois sentimentos: carnalidade e misticismo. No corpo do soneto, o que simboliza a carnalidade? E o misticismo? 11- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo Os autores simbolistas procuravam criar uma correspondência entre o mundo metafísico (sentimentos) e o mundo físico, representado este, principalmente, pelos sons e pelas cores. Pode-se observar essa correspondência no soneto de Cruz e Sousa? Explique e exemplifique com versos do texto. 12- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo Obedecendo à teoria das correspondências, o simbolista se vale freqüentemente das cores para expressar seus sentimentos. a) Cruz e Sousa faz uso da cor nesse soneto?

4 b) Qual das cores é mais explorada pelo poeta? 13- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo A exploração da musicalidade das palavras pode ser comprovada no texto em estudo? Comprove-a. Texto 9 Ah! Toda a alma num cárcere ainda presa, Soluçando nas trevas, entre as grades Do calabouço olhando imensidades, Mares, estrelas, tardes, naturezas. (...) Ó almas presas, mudas e fechadas Nas prisões colossais e abandonadas, Da Dor no calabouço, atroz, funéreo! Nesses silêncios solitários, graves, Que chaveiro do Céu possui as chaves Para abrir-vos as portas do Mistério?! 14- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo O poema de Cruz e Sousa valoriza a realidade σ e a σ, através de uma linguagem impregnada por σ. Texto 10 objetiva espiritualidade sugestões inconsciente musicalidade oposições subjetiva espiritualidade símbolos inconsciente racionalidade sugestões subjetiva espiritualidade símbolos E a tudo atendendo considero-me eleito mas numa nova situação de academicismo: o acadêmico de fora, sentadinho na porta do Petit Trianon com os olhos reverentes pousados no busto do fundador da casa e o nome dos dez signatários gravados indelevelmente em meu imo. Fico-me na soleira do vestíbulo. Mal comportado que sou, reconheço o meu lugar. O bom comportamento acadêmico lá de dentro me dá aflição... (Fragmento da carta em que Monteiro Lobato recusa-se a entrar para a Academia Brasileira de Letras.) Texto 11 Eu cheguei a entender perfeitamente a língua da Bruzundanga, isto é, a língua falada pela gente instruída e a escrita por muitos escritores que julguei excelentes; mas aquela em que escreviam os literatos importantes, solenes, respeitados, nunca consegui entender, porque redigem eles as suas obras, ou antes, os seus livros, em outra muito diferente da usual. (Fragmento de Os bruzundangas, de Lima Barreto, obra de crítica sutil à terra dos bruzundangas, uma república muito curiosa, em tudo semelhante ao Brasil.) 15- Assunto: Simbolismo e Pré-Modernismo Aponte, nos textos 4 e 5, características do Pré-Modernismo. Introdução Eu maior que o mundo Eu menor que o mundo Eu igual ao mundo Eu X Mundo Carlos Drummond de Andrade MODERNISMO Texto 12 PROFUNDAMENTE 5 Quando ontem adormeci na noite de São João Havia alegria e rumor Estrondos de bombas luzes de Bengala Vozes cantigas e risos Ao pé das fogueiras acesas No meio da noite despertei Não ouvi mais vozes nem risos Página 4 de 19 23/11/09 15:21

5 Apenas balões Passavam errantes Silenciosamente Apenas de vez em quando O ruído de um bonde Cortava o silêncio Como um túnel. Onde estavam os que há pouco Dançavam Cantavam E riam Ao pé das fogueiras acesas? Estavam todos deitados Dormindo Profundamente Quando eu tinha seis anos Não pude ver o fim da festa de São João Porque adormeci Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo Minha avó Meu avô Totônio Rodrigues Tomásia Rosa Onde estão todos eles? Estão todos dormindo Estão todos deitados Dormindo Profundamente. (BANDEIRA, Manuel. De Cinqüenta Poemas escolhidos pelo autor.) 16- Assunto: Modernismo Pode-se dizer que o poema "Profundamente" é evocativo? Justifique e exemplifique com versos do poema. 17- Assunto: Modernismo No texto, "fogueiras acesas" soa como um pleonasmo, já que dificilmente se encontrariam fogueiras apagadas, numa festa de São João. A que se pode atribuir o uso do pleonasmo? 18- Assunto: Modernismo Explique, com suas palavras, as duas últimas estrofes. Texto 13 MOTIVO Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta. Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento, Atravesso noites e dias no vento. Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço, - não sei, não sei. Não sei se fico ou passo. Sei que canto. E a canção é tudo. Tem sangue eterno a asa ritmada. E um dia sei que estarei mudo: - mais nada. (Cecília Meireles) Página 5 de 19 23/11/09 15:21

6 19- Assunto: Modernismo No poema acima, Cecília Meireles aborda uma temática comum à segunda fase do Modernismo. Que temática é essa? 20- Assunto: Modernismo Transcreva um verso onde aparece uma antítese. Texto 14 VASO GREGO Esta, de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. 5 Era o poeta de Teos que a suspendia Então e, ora repleta ora esvaziada, A taça amiga aos dedos seus tinia Toda de roxas pétalas colmada. Depois... Mas o lavor da taça admira, Toca-a, e, do ouvido aproximando-a, às bordas 10 Finas hás de lhe ouvir, canora e doce, Ignota voz, qual se de antiga lira Fosse a encontrada música das cordas, Qual se essa a voz de Anacreonte fosse. (OLIVEIRA, Alberto. Poesia. Rio, Agir, 1969, pág. 22) 21- Assunto: Parnasianismo, Realismo Sabemos que o Parnasianismo é o Realismo na poesia. Na poesia parnasiana, assim como na prosa realista, o espírito constante de observação da realidade, a constante preocupação com o racionalismo, acaba por levar o artista ao descritivismo. Além destes fatores, o Parnasianismo procurou no Classicismo o equilíbrio necessário ao seu ideal racionalista. a) Aponte no texto a presença do descritivismo. Exemplifique. b) Que aspectos no texto revelam a presença do Classicismo grego? 22- Assunto: Parnasianismo, Realismo Adotando o princípio da "Arte pela Arte", o autor parnasiano preocupa-se, antes de tudo, com a perfeição formal do poema, no que se evidencia o vocabulário escolhido, a métrica perfeita e o uso de rimas ricas. No texto: a) Como podemos classificar os versos quanto ao número de sílabas? b) Como podemos classificar a estrutura formal do poema pela disposição das estrofes? c) Como podemos classificar as rimas? d) Como se classifica o vocabulário quanto ao registro da linguagem: formal, informal ou erudito? 23- Assunto: Parnasianismo, Realismo O poeta, no soneto acima, quis transmitir ao leitor uma mensagem ou apenas escrever um poema que primasse pela beleza da forma? Considerando-se a proposta do movimento Parnasiano, justifique sua resposta. Introdução: "Outrora uma novela romântica, em lugar de estudar o homem, inventava-o. Hoje o romance estuda-o na sua realidade social." (Eça de Queirós ) Texto 15 A FRANQUEZA Talvez espante ao leitor a franqueza com que lhe exponho e realço a minha mediocridade; advirta que a franqueza é a primeira virtude de um defunto. Na vida, o olhar da opinião, o contraste dos interesses, a luta das cobiças obrigam a gente a calar os trapos velhos, a disfarçar os rasgões e os remendos, a não estender ao mundo as revelações que faz à Página 6 de 19 23/11/09 15:21

7 consciência; e o melhor da obrigação é quando, à força de embaçar os outros, embaça-se um homem a si mesmo, porque em tal caso poupa-se o vexame, que é uma sensação penosa, e a hipocrisia, que é um vício hediondo. Mas, na morte, que diferença! que desabafo! que liberdade! Como a gente pode sacudir fora a capa, deitar ao fosso as lantejoulas, despregarse, despintar-se, desafeitar-se, confessar lisamente o que foi e o que deixou de ser! Porque, em suma, já não há vizinhos, nem amigos, nem inimigos, nem conhecidos, nem estranhos; não há platéia. O olhar da opinião, esse olhar agudo e judicial perde a virtude, logo que pisamos o território da morte; não digo que ele se não estenda para cá, e nos não examine e julgue; mas a nós é que não se nos dá do exame nem do julgamento. Senhores vivos, não há nada tão incomensurável como o desdém dos finados. ASSIS, Machado de. Memórias Póstumas de Brás Cubas. São Paulo, Abril Cultural, p. 54. Questões Sobre o Texto Assunto: Interpretação do Texto No texto, várias atitudes são mostradas através de metáforas. Transcreva duas. 25- Assunto: Interpretação do Texto Explique, com base no texto, o que significam "trapos velhos", "rasgões", "remendos", "capa" e "lantejoulas". 26- Assunto: Interpretação do Texto A oposição básica do texto é vida versus morte. Qual dos termos é valorizado positivamente e qual é apresentado de maneira negativa? Justifique sua resposta. Texto 16 FRAGMENTO DO "ATENEU" Um tropel de rapazes atravessou-nos a frente, provocando-me com surriadas. Viu aquele da frente, que gritou calouro? Se eu dissesse o que se conta dele... aqueles olhinhos úmidos de Senhora das Dores... Olhe; um conselho: faça-se forte aqui, faça-se homem. Os fracos perdem-se. Isto é uma multidão; é preciso força de cotovelos para romper. Não sou criança, nem idiota; vivo só e vejo de longe; mas vejo. Não pode imaginar. Os gênios fazem aqui dois sexos, como se fosse uma escola mista. Os rapazes tímidos, ingênuos, sem sangue, são brandamente impelidos para o sexo da fraqueza; são dominados, festejados, pervertidos como meninas ao desamparo. Surriada: zombaria; vaia Raul Pompéia 27- Assunto: Interpretação do Texto O internato foi escolhido pelo autor como espelho da sociedade. Naquele, assim como nesta, prevalece a lei do mais forte. Transcreva uma frase que justifica essa afirmativa. 28- Assunto: Interpretação do Texto No trecho acima, que aspecto negativo da pedagogia do Ateneu se evidencia? Questões Gerais 29- Assunto: Naturalismo e Parnasianismo A educação não faz as almas: exercita-as. E o exercício moral não vem das belas palavras de virtude, mas do atrito com as circunstâncias. A energia para afrontá-las é a herança de sangue dos capazes de moralidade, felizes na loteria do destino. Os deserdados abatem-se. Raul Pompéia Que característica naturalista fica evidente nesse trecho? 30- Assunto: Naturalismo e Parnasianismo A poesia parnasiana supõe o controle da emoção pela razão. Nesse aspecto, o parnasiano opõe-se ao romântico. Explique. 31- Assunto: Naturalismo e Parnasianismo O nome de alguns poemas já revela a temática preferida por poetas parnasianos. Identifique a temática tipicamente parnasiana que transparece nos seguintes grupos de poemas. a) "A festa de Nero"; "O incêndio de Roma"; "Messalina"; "A tentação de Xenócrates" b) "Marinha"; "Rios e Pântanos"; "Noturno"; "Manhã de Verão" "O vale" Página 7 de 19 23/11/09 15:21

8 MODERNISMO Introdução "Antes dos portugueses descobrirem o Brasil, o Brasil tinha descoberto a felicidade." Oswald de Andrade Texto 17 POEMA DE SETE FACES Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche* na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntaram nada. O homem atrás do bigode é sério, simples e forte. Quase não conversa. Tem poucos, raros amigos o homem atrás dos óculos e do bigode. Meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era Deus se sabias que eu era fraco. Mundo mundo vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução. Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração. Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo. ANDRADE, Carlos Drummond de. Poema de sete faces. In:. Poesia e prosa. 5. ed. Rio de Janeiro, Nova Aguilar, p. 70. VOCABULÁRIO *gauche: termo francês que significa, entre outras coisas, "desajeitado". 32- Assunto: Interpretação do Texto Em "Vai Carlos! ser gauche na vida", o tipo gauche, segundo a observação de Affonso Romano de Sant'Anna, tem aí aquelas características de "persona" (de onde, personagem), "ou seja, funciona como uma máscara, um disfarce através do qual ressoa a voz do poeta". Em que outro verso, a idéia de "disfarce' também aparece? Transcreva-o. 33- Assunto: Interpretação do Texto Que relação se pode estabelecer entre o título do poema e o número de estrofes? 34- Assunto: Interpretação do Texto Transcreva o verso em que o poeta utiliza uma passagem bíblica. 35- Assunto: Interpretação do Texto Alguns psicanalistas assinalam que a ironia é antes uma defesa de quem se sente acuado ou impotente diante da realidade. Em que estrofe o poeta utiliza-se da ironia e do humor como forma de suprir sua impotência? 36- Assunto: Interpretação do Texto Ao sentir-se "flagrado" em sua intimidade e em seu momento de emoção, com que elementos o poeta procura justificar seu extravasamento emotivo? Página 8 de 19 23/11/09 15:21

9 Texto 18 PURIFICAÇÃO "Senhor, logo que eu vi a natureza As lágrimas secaram. Os meus olhos pousados na contemplação Viveram o milagre de luz que explodia no céu. (...)" Texto 19 A LAÇADA "O Bento caiu como um touro No terreiro E o médico veio de Chevrolé Trazendo um prognóstico E toda a minha infância nos olhos" Questões sobre os textos 18 e Assunto: Modernismo Qual dos dois textos pertence à primeira fase do Modernismo brasileiro? Por quê? 38- Assunto: Modernismo Que semelhanças há entre os dois textos quanto à forma? 39- Assunto: Parnasianismo e Modernismo "Senhor Deus dos desgraçados! Dizei-me vós, Senhor Deus! Se é loucura... se é verdade Tanto horror perante os céus... Ó mar! Por que não apagas C'o a esponja de tuas vagas De teu manto este borrão? (...)" O assunto grandiloqüente e o estilo altissonante dizem que o majestoso poema é: (A) barroco (B) candoreiro (C) indianista (D) arcádico (E) parnasiano 40- Assunto: Parnasianismo e Modernismo A designação "arte pela arte" aplica-se a que tipo de tendência? 41- Assunto: Parnasianismo e Modernismo "Estou farto do lirismo comedido Do lirismo comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor." Complete: Os versos de Manuel Bandeira revelam uma atitude de protesto contra e se enquadra no movimento da literatura brasileira. Texto 20 UMA FESTA Inesperadamente, recebi um convite aquela tarde. A festa seria à tarde e eu não estava decidida se compareceria ou não. A festa, pelo que continha o convite, era de pessoas que vagamente conhecia, ou mesmo, desconhecia. Um amigo, porém, é que me convidava. As relações entre amigos deve ser mantida com o tempo, o máximo 5 possível assim pensei. Resolvi, então ir. Muitas surpresas ao encarar pessoas diversas e desconhecidas. Chegando, só e temerosa, procurei me acomodar e relaxar, pois estava tensa. Muitos encontros e surpresas. Pensamentos corriam na minha mente, e às vezes, me perguntava o que Página 9 de 19 23/11/09 15:21

10 10 15 fazia naquele instante ali, sentada. Apenas algumas trocas de palavras com pessoas que me rodeavam. Meu amigo, ah! esse não foi. Desculpou-se num tempo posterior. Tudo isso resultou e trouxe muitas análises e impressões. Pensava o que significava estar eu, naquela hora, presente na festa, sem poder trocar idéias com as pessoas. Tentei, então me aproximar delas. Foi inútil. Esperava, pelo menos, poder rever meu amigo, essa talvez, a única razão de minha presença na festa. Contudo, isso mostrou-me o quão é importante as relações amigas que devemos manter com pessoas ou poder, ao menos, conhecê-las. "Esse texto, extraído da tese de livre docência da Professora Diana Luz Pessoa de Barros, é uma redação elaborada num dos vestibulares da Fuvest. Apresenta vários tipos de defeitos estruturais e gramaticais que podemos utilizar para refletirmos sobre os fundamentais aspectos normativos que vimos no decorrer do ano letivo." 42- Assunto: Concordância e Regência A redação apresenta erros gramaticais comprometedores. Cite alguns exemplos que lhe pareçam graves e corrija-os. 43- Assunto: Colocação Pronominal "Ao menos, como conhecê-las" (linha 17). Encontra-se correta a colocação pronominal? Justifique. Texto 21 Texto 22 Há mulheres que dizem; Meu marido, se quiser pescar, pesque, mas que limpe os peixes. Eu não. A qualquer hora da noite me levanto, ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar. É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha, de vez em quando os cotovelos se esbarram, ele fala coisas como "este foi difícil' Querida, ao pé do leito derradeiro Em que descansas dessa longa vida, Aqui venho e virei, pobre querida, Trazer-te o coração do companheiro. Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro Que, a despeito de toda a humana lida, Fez a nossa existência apetecida E num recanto pôs um mundo inteiro. CASAMENTO 'prateou no ar dando rabanadas' e faz o gesto com a mão. O silêncio de quando nos vimos a primeira vez atravessa a cozinha como um rio profundo. Por fim, os peixes na travessa, vamos dormir. Coisas prateadas espocam: somos noivo e noiva. Adélia Prado A CAROLINA Trago-te flores, restos arrancados Da terra que nos viu passar unidos E ora mortos nos deixa e separados. Que eu, se tenho nos olhos malferidos Pensamentos de vida formulados, São pensamentos idos e vividos. Machado de Assis 44- Assunto: Escolhas Literárias Leia com atenção os textos acima e responda. A que estilo de época corresponde cada um desses textos? Justifique sua resposta, incluindo, na argumentação, dois exemplos retirados de cada um deles. 45- Assunto: Escolhas Literárias Leia atentamente o soneto abaixo para resolver as proposições. EUGENIA 1 Nascemos um para o outro, dessa argila De que são feitas as criaturas raras; Tens legendas pagas nas carnes claras E eu tenho a alma dos faunos na pupila... 5 Às belezas heróicas te comparas E em mim a luz olímpica cintila, Gritam em nós todas as nobres taras Daquela Grécia esplêndida e tranqüila... É tanta a glória que nos encaminha. 10 Em nosso amor de seleção, profundo, Que (ouço ao longe o oráculo de Elêusis) Se um dia eu fosse teu e fosses minha, O nosso amor conceberia um mundo E do teu ventre nasceriam deuses... Raul de Leoni a) Destaque do poema um exemplo de verso(s) que identifica(m) cada uma das seguintes características: 1- aspectos da mitologia greco-latina. 2- a idéia da perfeição clássica. 3- elementos descritivos. 4- rimas ricas. b) Identifique o estilo de época a que pertence esse soneto. Página 10 de 19 23/11/09 15:21

11 46- Assunto: Escolhas Literárias Numere a segunda coluna de acordo com a primeira, estabelecendo correspondência entre o movimento literário e sua característica. ( 1 ) Romantismo ( ) Predomínio do sentimento e do sonho sobre a lógica e a razão. ( 2 ) Parnasianismo ( ) Desmitificação do ideais passados, linguagem coloquial, liberação da forma. ( 3 ) Simbolismo ( 4 ) Modernismo ( ) Ideal de arte pura, com emprego de recursos plásticos da linguagem em versos perfeitos. ( ) Busca do divino e do transcendental; escolha das palavras pela musicalidade e pela inter-relação com os sentidos. ( ) Exposição crua e objetiva das misérias sociais e individuais. 47- Assunto: Escolhas Literárias Leia com atenção o poema de Oswald de Andrade que se transcreve abaixo para, em seguida, resolver as proposições. a) Cite o estilo de época a que se liga o poema. APERITIVO A felicidade anda a pé Na praça Antônio Prado São 10 horas azuis O café vai alto como a manhã de arranha-céus Cigarros Tietê Automóveis A cidade sem mitos. b) Justifique a resposta anterior, nomeando 03 (três) características que serão comprovadas em versos a serem destacados do poema. Texto 23 POEMA RETIRADO DE UMA NOTÍCIA DE JORNAL João Gostoso era carregador de feira-livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na Lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. 48- Assunto: Modernismo Por ser um poema modernista, observa-se que Manuel Bandeira, por vezes, despreza as normas de regência e opta por uma linguagem popular. Retire do poema um exemplo em que tal fato ocorre. 49- Assunto: Colocação Pronominal Justifique o uso da próclise no último verso do poema. Texto 24 CRISTAIS Mais claro e fino do que as finas pratas O som da tua voz deliciava... Na dolência velada das sonatas Como um perfume a tudo perfumava. Era um som feito luz, eram volatas Em lânguida espiral que iluminava, Brancas sonoridades de cascatas... Tanta harmonia melancolizava. Filtros sutis de melodias, de ondas De cantos volutuosos como rondas De silfos leves, sensuais, lascivos... Como que anseios invisíveis, mudos, Da brancura das sedas e veludos, Das virgindades, dos pudores vivos. Cruz e Sousa Página 11 de 19 23/11/09 15:21

12 50- Assunto: Simbolismo Esse poema pertence a qual escola literária? Justifique com suas palavras. 51- Assunto: Simbolismo Retire do poema um exemplo de sinestesia. Texto 25 A UM POETA Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino, escreve! No aconchego Do claustro, na paciência e no sossego, Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua! Mas que na forma se disfarce o emprego Do esforço; e a trama viva se construa De tal modo que a imagem fique nua, Rica mas sóbria, como um templo grego. Não se mostre na fábrica o suplício Do mestre. E, natural, o efeito agrade, Sem lembrar os andaimes do edifício: Por que a Beleza, gêmea da Verdade, Arte pura, inimiga do artifício, É a força e a graça na simplicidade Olavo Bilac 52- Assunto: Parnasianismo O texto acima é um poema que trata do próprio ofício de fazer poesia. Como se chama esse tipo de poesia? 53- Assunto: Parnasianismo Esse poema pertence a qual escola literária? 54- Assunto: Parnasianismo Justifique a resposta da questão anterior com suas palavras. 55- Assunto: Parnasianismo Sobre o fazer poético, o eu lírico demonstra uma opinião adversa à escola literária anterior. a) Que escola literária era essa? b) Justifique a resposta anterior com suas palavras. 56- Assunto: Parnasianismo Retire do texto 2 versos que demonstrem o fazer poético defendido pelo eu-lírico. Texto 26 VOU-ME EMBORA PRA PASÁRGADA Manuel Bandeira Vou-me embora pra Pasárgada Lá sou amigo do rei Lá tenho a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada Vou-me embora pra Pasárgada Aqui não sou feliz Lá a existência é uma aventura De tal modo inconseqüente Que Joana a Louca de Espanha Rainha e falsa demente Vem a ser contraparente Da nora que nunca tive E como farei ginástica Andarei de bicicleta Página 12 de 19 23/11/09 15:21

13 Montarei em burro bravo Subirei no pau-de-sebo Tomarei banhos de mar! E quando estiver cansado Deito a beira do rio Mando chamar a mãe-d'água Pra me contar histórias Que no tempo de eu menino Rosa vinha me contar Vou-me embora pra Pasárgada Em Pasárgada tem tudo É outra civilização Tem um processo seguro De impedir a concepção Tem telefone automático Tem alcalóides à vontade Tem prostitutas bonitas Para gente namorar 57- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários No poema ocorre uma antítese referente ao espaço. Qual é ela? E quando eu estiver mais triste Mas triste de não ter jeito Quando de noite me der Vontade de me matar Lá sou amigo do rei Terei a mulher que eu quero Na cama que escolherei Vou-me embora pra Pasárgada 58- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Identifique o espaço a que se refere cada uma das palavras destacadas na questão anterior. 59- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Pode-se deduzir que a realidade de Pasárgada não obedece à lógica. Cite dois exemplos que justifiquem essa afirmativa. Texto 27 SUPREMO DESEJO Eternas, imortais origens vivas da luz, do Aroma, segredantes vozes do mar e luares de complativas vagas visões volúpicas, velozes... Aladas alegrias sugestivas de asa radiante e branda de albornozes, tribos gloriosas, fúlgidas, altivas, de condores e de águias e albatrozes... Espiritualizai nos Astros louros, do sol entre os clarões imorredouros toda essa dor que na minh alma clama... Quero vê-la subir, ficar cantando nas chamas das Estrelas, dardejando nas luminosas sensações da chama. 60- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Marque a alternativa correta: (A) O texto é romântico, pois estão presentes a emotividade, o subjetivismo e a idealização, características marcantes desse estilo de época. (B) O texto é barroco pela presença da dualidade: pecado X perdão e pela angústia fortemente caracterizada. (C) O texto é modernista pela criativa experimentação e evidente surrealismo. (D) O texto apresenta o equilíbrio e o platonismo típicos do Parnasianismo. (E) O texto apresentado é simbolista, pois nele estão presentes a musicalidade, a busca da transcendência e a sinestesia, características marcantes desse estilo de época. Página 13 de 19 23/11/09 15:21

14 61- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários A preocupação com o nacionalismo marcou dois movimentos na literatura brasileira: em um, acentua-se um nacionalismo ufanista; em outro, tem-se o nacionalismo crítico, contestatório. Esses movimentos, são, respectivamente: (A) Arcadismo, Romantismo. (C) Arcadismo, Modernismo. (E) Modernismo, Romantismo. Texto 28 Poema Retirado de uma notícia de jornal (B) Romantismo, Modernismo. (D) Romantismo, Arcadismo. João gostoso era carregador de feira livre e morava no morro [da Babilônia num barracão sem número. Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. Manuel Bandeira 62- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Temos acima um poema no qual se destacam os seguintes aspectos,,. Marque a alternativa que preenche corretamente as lacunas: (A) romântico; morte como solução, tristeza, amor não correspondido. (B) Parnasiano; discussão da realidade, crítica social, arte pela arte. (C) Modernista; versos livres, incorporação do cotidiano, aproximação com a linguagem em prosa. (D) Simbolista; busca da transcendência, do místico, do Além-Matéria. (E) Pré-modernista; mescla de simbolismo, parnasianismo e modernismo. Texto 29 " és filho de uma pisadela e de um beliscão; mereces que um pontapé te acabe a casta. (...) O menino suportou tudo com coragem de mártir, apenas abriu ligeiramente a boca quando foi levantado pelas orelhas: mal caiu, ergueu-se, embarafustou pela porta fora, e em três pulos estava dentro da loja do padrinho, e atracando-se-lhe às pernas." (Manuel A. de Almeida: "Memórias de um Sargento de Milícias") Texto 30 " Algum tempo hesitei se deveria abrir estas memórias pelo princípio ou pelo fim, isto é, se poria em primeiro lugar o meu nascimento ou a minha morte. Eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor, para quem a campa foi outro berço; (...) Moisés, que também contou a sua morte, não a pôs no intróito, mas no cabo; diferença radical entre este livro e o Pentateuco." (Machado de Assis: "Memórias Póstumas de Brás Cubas"). 63- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Após a leitura atenta dos textos 4 e 5, assinale a alternativa correta. (A) Apesar de ambos os romances intitularem-se 'memórias', o primeiro não é contado em 1ª pessoa e relata a vida do protagonista depois que se torna sargento de milícias; já o texto de Machado traz um " defunto autor". (B) Manuel de Almeida aproxima-se da linguagem coloquial falada no Brasil de seu tempo, enquanto Machado de Assis, não. (C) O texto de Manuel de Almeida, considerado precursor do Realismo em nossas letras, e o de Machado traduzem o cientificismo dominante na época. (D) No texto 4, o autor descreve a forma de tratar as crianças na nobreza no Rio de Janeiro de D. João VI. (E) É característica notória da obra de Machado a ironia, traço que não é apresentado no texto 5. Página 14 de 19 23/11/09 15:21

15 Texto 31 I. ''Entre brumas, ao longe, surge a aurora. O hialino orvalho aos poucos se evapora, Agoniza o arrebol. A catedral ebúrnea do meu sonho Aparece, na paz do céu risonho, Toda branca de sol" II. "Quando em meu peito rebentar-se a fibra, Que o espírito enlaça a dor vivente, Não derramem por mim nem uma lágrima Em pálpebra demente." III. "Por um lado te vejo como um seio murcho pelo outro como um ventre de cujo umbigo pende [ainda o cordão placentário. És vermelha como o amor divino Dentro de ti em pequenas pevides Palpita a vida prodigiosa Infinitamente." IV. "Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito imaginar; Não tenho logo mais que desejar, Pois em mim tenho a parte desejada." 64- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Na ordem em que estão transcritos, os fragmentos se enquadram respectivamente nos seguintes movimentos literários: (A) I. Simbolismo, II. Romantismo, III. Modernismo, IV. Classicismo; (B) I. Modernismo, II. Simbolismo, III Classicismo, IV. Romantismo; (C) I. Romantismo, II. Modernismo, III. Simbolismo, IV. Classicismo; (D) I. Classicismo, II. Romantismo, III. Modernismo, IV. Simbolismo; (E) I. Simbolismo, II. Classicismo, III. Romantismo, IV. Modernismo. 1- Da aurora da minha vida. Da minha infância querida Que os anos não trazem mais." (Casimiro de Abreu) 2. " Voei ao Recife, no cais Pousei, da rua da Aurora Aurora da minha vida, Que os anos não trazem mais! Que os anos, não, nem os dias Que isso cabe às cotovias." (Manuel Bandeira) 65- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Em qual das alternativas encontram-se características dos movimentos literários aos quais pertenceram, respectivamente, os dois poetas anteriores? (A) 1. Culto à forma (B) 1. Volta aos modelos greco-latinos 2. Descrição da realidade. 2. Idealização da mulher. (C) 1. Objetivismo (D) 1. Forma poética tradicional 2. Retorno ao passado. 2. Apego à rima e à métrica. (E) 1. Subjetivismo e culto ao eu 2. Paródia e fuga ao rigor formal. Página 15 de 19 23/11/09 15:21

16 66- Assunto: Revisão dos Movimentos, Escolas e Literários Leia, atentamente, o texto de Antônio Cândido e assinale a alternativa que julgar INCORRETA: "Na literatura brasileira, há dois momentos decisivos que mudam os rumos e vitalizam toda a inteligência: o Romantismo, no século XIX ( ) e o ainda chamado Modernismo, no presente século ( ). Ambos representam fases culminantes de particularismo literário na dialética do local e do cosmopolita; ambos se inspiram, não obstante, no exemplo europeu. Mas, enquanto o primeiro procura superar a influência portuguesa e afirmar contra ela a peculiaridade literária do Brasil, o segundo já desconhece Portugal, pura e simplesmente: o diálogo perdera o mordente e não ia além da conversa de salão. Um fato capital se torna deste modo claro na história da nossa cultura; a velha mãe pátria deixara de existir para nós como termo a ser enfrentado e superado. O particularismo se afirma agora contra todo academismo, inclusive o de casa, que se consolidara no primeiro quartel do século XX, quando chegaram ao máximo o amaciamento do diálogo e a conseqüente atenuação da rebeldia." (CÂNDIDO, A. LITERATURA E SOCIEDADE. São Paulo, Ed. Nacional, 1975, p. 112.) (A) Na dialética do local e do cosmopolita, o Romantismo e o Modernismo são os movimentos da história literária brasileira que mais enfatizaram a expressão dos dados locais. (B) Embora decisivos, tanto o Romantismo quanto o Modernismo inspiraram-se no exemplo europeu. (C) Uma diferença marcante entre o Romantismo e o Modernismo brasileiro é que, ao procurar afirmar a peculiaridade literária do Brasil o Romantismo desconhece Portugal, enquanto o Modernismo retoma o velho diálogo. (D) O Modernismo marca uma ruptura fundamental na história da nossa cultura: a velha mãe pátria deixa de existir para nós como termo a ser enfrentado e superado. (E) O particularismo romântico diferencia-se do Modernismo porque esse movimento se volta principalmente contra o academicismo que se manifestava em nossa literatura. Durante a 3ª etapa tivemos a oportunidade de ler "Vidas Secas", obra-prima de Graciliano Ramos para muitos críticos. Procure lembrar-se da história lida para responder corretamente às questões a seguir. 67- Assunto: Projeto Literário "Vidas Secas" Em Vidas Secas, Graciliano Ramos não se contenta com o estudo do homem, mas o relaciona intimamente ao estudo da paisagem e estabelece entre ambos um vínculo poderoso. Justifique a afirmativa, revelando, através de passagens da própria história, de que forma esse vínculo se estabelece em Fabiano. 68- Assunto: Projeto Literário "Vidas Secas" A caracterização de Sinha Vitória está contemplada nos versos transcritos em: (A) "Maria, Maria é o som, é a cor, é o suor, é a dose mais forte e lenta de uma gente que ri, quando deve chorar e não vive: apenas agüenta." (Milton Nascimento e Fernando Brant) (B) (C) (D) (E) "Mas vejo, por bela e por galharda, Posto que os anjos nunca dão pesares, Sois anjo que me tenta e não me guarda." (Gregório de Matos) "Fito os olhos na janela Aonde, Marília bela, Tu chegas ao fim do dia; Se alguém passa e te saúda, Bem que seja cortesia, Se acende na face a cor." (Tomás Antônio Gonzaga) "Se uma nunca tem sorriso É pra mulher se reservar E diz que espera o paraíso E a hora de desabafar." (Chico Buarque de Holanda) Ri, desdenha, pisa Meu canto, no entanto, mais te diviniza, Mulher diferente Tão indiferente, Desumana, Elisa! (Manuel Bandeira) Página 16 de 19 23/11/09 15:21

17 69- Assunto: Projeto Literário "Vidas Secas" Assinale a passagem em que Sinha Vitória surge para o menino mais velho como um poderoso ser de linguagem: (A) "Se fosse feliz, poderia comprar a cama de couro cru, o sonho de sinha Vitória. Foi beber cachaça numa tolda, voltou, pôs-se a rondar indeciso, pedindo com os olhos a opinião da mulher." (B) "A família estava reunida em torno do fogo, Fabiano sentado no pilão caído, sinha Vitória de pernas cruzadas, as coxas servindo de travesseiros aos filhos." (C) "Deu-se aquilo porque sinha Vitória não conversou um instante com o menino mais velho. Ele nunca tinha ouvido falar em inferno. Estranhando a linguagem de sinha Terta, pediu informações. Sinha Vitória, distraída, aludiu vagamente a certo lugar ruim demais, e como o filho exigisse uma descrição, encolheu os ombros. (D) "Fabiano soprava arreliado. Tinha vencido a obstinação de uma daquelas amaldiçoadas botinas; a outra emperrava, e ele, com os dedos nas alças, fazia esforços inúteis, Sinha Vitória dava palpites que irritavam o marido." (E) "Sinha Vitória tinha amanhecido nos seus azeites. Fora de propósito, dissera ao marido umas inconveniências a respeito da cama de varas." 70- Assunto: Projeto Literário "Vidas Secas" Graciliano Ramos conferiu à cachorra Baleia mais humanidade que aos dois filhos de Fabiano. Comente a afirmativa, tendo por base passagens da história. 71- Assunto: Projeto Literário "Vidas Secas" Leia atentamente os trechos que, respectivamente, iniciam e concluem "Vidas Secas": "Na planície avermelhada os juazeiros alargavam duas manchas verdes. Os infelizes tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos. Ordinariamente andavam pouco, mas como haviam repousado bastante na areia do rio seco, a viagem progredia bem três léguas." "Chegariam a uma terra desconhecida e civilizada, ficariam presos nela. E o sertão mandaria para a cidade homens fortes, brutos, como Fabiano, sinha Vitória e os dois meninos." O desfecho encaixa-se perfeitamente ao início e revela uma história de caráter cíclico. Explique em que aspecto a história termina como começou e em que aspecto surge uma nova perspectiva para as personagens. Texto 32 Ondas da praia onde vos vi, Olhos verdes sem dó de mim, Ai Avatlântica! Olhos verdes sem dó de mim, Olhos verdes, de ondas sem fim, Ai Avatlântica! Manuel Bandeira 72- Assunto: Modernismo Assinale a alternativa CORRETA: (A) O texto prova que, apesar de criticarem a tradição literária, os poetas do século XX foram por ela subjugados. (B) Os modernistas souberam incorporar criticamente a tradição literária a um novo contexto histórico. (C) Os modernistas recusaram-se a dialogar com a tradição, impondo padrão estético revolucionário. (D) O texto confirma o repúdio do autor à linguagem musical e emotiva. (E) O texto nega as relações entre a produção poética deste século e a do passado literário. 73- Assunto: Modernismo Dividimos, para fins didáticos, o Modernismo em duas fases. Diga como se caracteriza cada uma delas. a) 1ª fase: b) 2ª fase: Texto 33 MANIFESTO DA POESIA PAU-BRASIL (fragmento) Lançado por Oswald de Andrade, no Correio da Manhã, em 18 de março de Houve um fenômeno de democratização estética nas cinco partes sábias do mundo. Instituíra-se o naturalismo. Copiar. Quadro de carneiros que não fosse lã mesmo não prestava. A interpretação do dicionário oral das Escolas de Belas- Artes queria dizer reproduzir igualzinho... Veio a pirogravura. As meninas de todos os lares ficaram artistas. Apareceu a Página 17 de 19 23/11/09 15:21

18 máquina fotográfica. E com todas as prerrogativas do cabelo grande, da caspa e da misteriosa genialidade de olho virado o artista fotógrafo. Na música, o piano invadiu as saletas nuas, de folhinha na parede. Todas as meninas ficaram pianistas. Surgiu o piano de manivela, o piano de patas. A Playela. E a ironia eslava compôs para a Playela. Stravinski. A estatuária andou atrás. As procissões saíram novinhas das fábricas. Só não se inventou uma máquina de fazer versos já havia o poeta parnasiano. (...) Nossa época anuncia a volta ao sentido puro. Um quadro são linhas e cores. A estatuária são volumes sob a luz. A poesia Pau-Brasil é uma sala de jantar domingueira, com passarinhos cantando na mata resumida das gaiolas, um sujeito magro compondo uma valsa para flauta e a Maricota lendo o jornal. No jornal anda todo o presente. (apud TELES, Gilberto M. Vanguarda Européia e Modernismo Brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1977.) 74- Assunto: Modernismo O texto de Oswald de Andrade critica a estética naturalista porque: (A) as pessoas que desejassem sair nas procissões poderiam fazer poesia e ingressar nas escolas de Belas-Artes. (B) os novos meios técnicos tornaram acessível a todos a possibilidade de representação da realidade. (C) o fenômeno de democratização estética acarretou prerrogativas como a da misteriosa genialidade de olho virado. (D) as meninas de todos os lares tiveram acesso às idéias naturalistas de representação da realidade e viraram escritoras. 75- Assunto: Modernismo O modo de produção textual dos parnasianos, citado no Manifesto da Poesia Pau-Brasil, está explicitado no seguinte fragmento de outro autor: (A) Sim: letra e nuvem lutam com os sonhos Pela posse do poema. (B) Quero que a estrofe cristalina, Dobrada ao jeito Do ourives, saia da oficina Sem um defeito. (C) É mineral o papel onde escrever o verso; o verso que é possível não fazer. (D) A graça nobre e grave do quarteto Recebe a original intolerância, Toda a sutil, secreta extravagância Que transborda terceto por terceto. 76- Assunto: Modernismo A respeito do Modernismo brasileiro é correto afirmar que: (A) Apesar de inovador, não revela uma profunda adesão da literatura aos problemas da nossa terra e nem se compromete com a história contemporânea (B) Do ponto de vista estilístico, rompeu com os padrões gramaticais portugueses sem, contudo, criar uma linguagem nova que se aproximasse do falar brasileiro. (C) Contrariamente ao que se pensa, desprezou tudo que indicasse a presença da civilização industrial, voltando ao passado para revisar a história brasileira. (D) No primeiro momento, rompeu as barreiras entre a poesia e a prosa, valorizando o prosaico e o humor, através de uma atitude demolidora e de uma crítica corrosiva contra o academicismo. (E) Mesmo impregnado pela xenofobia, foi uma cópia do futurismo italiano, pela abordagem dos temas cotidianos. 77- Assunto: Modernismo A Semana de Arte Moderna representou, no panorama cultural da época: (A) A ruptura total com o passado artístico mais recente, no qual nada permitia prevê-la; daí a comoção que causou. (B) O resultado da condensação das aspirações vagas, ainda informes até então, mas perceptíveis na preferência do público em geral. (C) A congregação de tendências que, sob formas várias e nas várias artes, se vinham delineando desde a década anterior. (D) A reação aos ataques que os últimos parnasianos dirigiam contra a obra incipiente dos primeiros modernistas. (E) A decorrência de reelaboração de recursos estilísticos presentes tanto na poesia parnasiana quanto na simbolista. 78- Assunto: Modernismo Leia, atentamente, o texto de Antônio Cândido e assinale a alternativa que julgar INCORRETA. "Na literatura brasileira, há dois momentos decisivos que mudam os rumos e vitalizam toda a inteligência: o Romantismo, no século XIX ( ) e o ainda chamado Modernismo, no presente século ( ). Ambos representam fases culminantes de particularismo literário na dialética do local e do cosmopolita; ambos se inspiram, não obstante, no exemplo europeu. Mas, enquanto o primeiro procura superar a influência portuguesa e afirmar contra ela a peculiaridade literária do Brasil, o segundo já desconhece Portugal, pura e simplesmente: o diálogo perdera o mordente e não ia além da conversa de salão. Um fato capital se torna deste modo claro na história da nossa cultura; a velha mãe pátria deixara de existir para nós como termo a ser enfrentado e superado. O particularismo se afirma agora contra todo academismo, inclusive o de casa, que se consolidara no primeiro quartel do século XX, quando chegaram ao máximo o amaciamento do diálogo e a conseqüente atenuação da rebeldia." (CÂNDIDO, A. LITERATURA E SOCIEDADE. São Paulo, Ed. Nacional, 1975, p. 112) Página 18 de 19 23/11/09 15:21

19 (A) Na dialética do local e do cosmopolita, o Romantismo e o Modernismo são os movimentos da história literária brasileira que mais enfatizaram a expressão dos dados locais. (B) Embora decisivos, tanto o Romantismo quanto o Modernismo inspiraram-se no exemplo europeu. (C) Uma diferença marcante entre o Romantismo e o Modernismo brasileiro é que, ao procurar afirmar a peculiaridade literária do Brasil o Romantismo desconhece Portugal, enquanto o Modernismo retoma o velho diálogo. (D) O Modernismo marca uma ruptura fundamental na história da nossa cultura: a velha mãe pátria deixa de existir para nós como termo a ser enfrentado e superado. (E) O particularismo romântico diferencia-se do Modernismo porque esse movimento se volta principalmente contra o academicismo que se manifestava em nossa literatura. 79- Assunto: Modernismo Por que a Semana de Arte Moderna em 1922 aconteceu em São Paulo e não no Rio de Janeiro? 80- Assunto: Modernismo Sobre o movimento conhecido como Cubismo é correto afirmar: (A) Tinha como líder Marinetti e difundiu-se por meio de manifestos e conferências. (B) Pretendia ser uma resposta à nítida decadência da civilização durante a Primeira Guerra Mundial. Possui até a agressividade e deboche em seus textos e manifestos. (C) Diversos pintores aderiram ao movimento, interessados nas propostas de Breton que procurava unir arte e psicanálise. (D) Teve início na França em 1907 com o pintor espanhol Pablo Picasso. Os pintores cubistas opõem-se à objetividade e linearidade da arte renascentista e da realista. (Questão elaborada por Izabel Barbosa e Ricardo Maia, turma 02M2/2004) Texto 34 POEMA TIRADO DE UMA NOTÍCIA DE JORNAL João gostoso era carregador de feira livre e morava no morro [da Babilônia num barracão sem número. Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro Bebeu Cantou Dançou Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado. Manuel Bandeira 81- Assunto: Modernismo Sobre o texto 3, responda: a) Cite a função de linguagem predominante no poema. b) Cite e explique uma característica do Modernismo. FM/0811/DOCUMENTOS/EXERCICIOS COMPLEMENTARES/ EXERCICIOS COMPLEMENTARES - PORTUGUÊS - 1a SERIE - ENSINO MEDIO - 3a ETAPA DOC Página 19 de 19 23/11/09 15:21

GOIÂNIA, / / 2015. PROFESSOR: Daniel. ALUNO(a): Data da prova: 08/05/15.

GOIÂNIA, / / 2015. PROFESSOR: Daniel. ALUNO(a): Data da prova: 08/05/15. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): Data da prova: 08/05/15. No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE Análise de textos de autores da

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

A um poeta Olavo Bilac

A um poeta Olavo Bilac A um poeta Olavo Bilac Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino, escreve! No aconchego Do claustro, na paciência e no sossego, Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua! Mas que na forma se disfarce

Leia mais

Centenário do Nascimento de Raul de Leôni

Centenário do Nascimento de Raul de Leôni Centenário do Nascimento de Raul de Leôni José Costa Matos Este centenário do nascimento de Raul de Leôni Ramos acende, na minha devoção, essa luz mediterrânea que se desprende da sua poesia e necessariamente

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges

Jussara Braga. Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva. Ilustrações de Rogério Borges Jussara Braga Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Ilustrações de Rogério Borges 1 O desejo das águas é um livro poético escrito em prosa, mas cheio de poesia e lirismo. Por isso,

Leia mais

Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa

Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa Arte da Capa: Arte Digital: Luiz Alberto Costa Esclarecimento Este trabalho nasceu após os estudos que fiz com Dr Moacyr Castellani sobre Psicologia Integral. Na bibliografia recomendada, dentre outros

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Modernismo Momento Demolidor (1922-30) Principais autores

Modernismo Momento Demolidor (1922-30) Principais autores Modernismo Momento Demolidor (1922-30) Principais autores Oswald de Andrade Obras Principais: Poesia: Pau-Brasil (1925) Romance: Memórias Sentimentais de João Miramar (1924); Serafim Ponte Grande (1933).

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 1º ano FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Análise de Libertinagem.

Análise de Libertinagem. Análise de Libertinagem. Análise da obra Publicado em 1930, Libertinagem constitui o primeiro livro inteiramente modernista de Manuel Bandeira, e é seu quarto livro de poemas. É uma sucessão de poemas

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

MODERNISMO Primeiro Momento. Motivos Autores - Obras

MODERNISMO Primeiro Momento. Motivos Autores - Obras MODERNISMO Primeiro Momento Motivos Autores - Obras Características do Modernismo Liberdade de Expressão 1. Poética Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Correção Atividades. Língua Portuguesa DIREITO CONSTITUCIONAL

Correção Atividades. Língua Portuguesa DIREITO CONSTITUCIONAL Língua Portuguesa DIREITO CONSTITUCIONAL Prof. Pablo Alex L. Gomes Pablito Correção Atividades As Meninas Velazquez 01) Qual comportamento humano é representa, em forma de brincadeira, pela figura acima:

Leia mais

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br

Iniciação à PNL. www.cursosbrasil.com.br. Produção. Parte 2. Jimmy L. Mello. www.brasilpnl.com.br. www.brasilpnl.com.br Serie: Cursos Profissionalizantes Brasil PNL Formação em "Programação neurolingüística" (PNL) Curso Gratuito Produção www.cursosbrasil.com.br Iniciação à PNL Parte 2 Jimmy L. Mello Distribuição gratuita

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MÚSICAS PARA A MISSA DO DIA DOS PAIS 07 DE AGOSTO DE 2008

COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MÚSICAS PARA A MISSA DO DIA DOS PAIS 07 DE AGOSTO DE 2008 COLÉGIO AGOSTINIANO SÃO JOSÉ PASTORAL EDUCATIVA São José do Rio Preto MÚSICAS PARA A MISSA DO DIA DOS PAIS 07 DE AGOSTO DE 2008 1. ENTRADA (Deixa a luz do céu entrar) Tu anseias, eu bem sei, por salvação,

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Aluno (a): n o Professora: Turma: Sala: 2 o ano do Ensino Fundamental Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 2015 1 Para você, o que é o poema? VERSOS E ESTROFES Poema é um texto organizado em versos e estrofes.

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida

Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira. Texto Naraiany Almeida Capa e Diagramação Jordane Mendes Nicole Ferreira Texto Naraiany Almeida Nicole Ferreira Ilustrações Davi Vinícius dos Santos Gomes Ítalo Gabriel Pimenta Italon Antunes Barreto Jéssica Pâmela de Souza

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Figuras de Linguagem

Figuras de Linguagem Figuras de Linguagem Aspectos semânticos Metáfora: transposição de significado com base em semelhanças. Você é um bicho, Fabiano. (Graciliano Ramos) Itabira é apenas um retrato na parede (...) (Drummond)

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II. Profª Drª NERY REINER

SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II. Profª Drª NERY REINER SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II Profª Drª NERY REINER CONTEXTO HISTÓRICO EXPANSIONISMO EUROPEU EM DIREÇÃO À ÁFRICA E ÁSIA. INDUSTRIALIZAÇÃO GUIADA PELO LUCRO DESIGUALDADES SOCIAIS REALIDADE CRUEL ORIGEM

Leia mais

Introdução ao Realismo

Introdução ao Realismo Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2 Disciplina: Literatura Data da prova: 15/02/2014. Introdução ao Realismo P1-1 BIMESTRE Os textos seguintes

Leia mais

ALENCASTRO E PATRICIA CD: NOSSO ENCONTRO. 1 - Nosso encontro - Sérgio Lopes. 2- Família - Twila Paris Versão: Aline Barros e Ronaldo Barros

ALENCASTRO E PATRICIA CD: NOSSO ENCONTRO. 1 - Nosso encontro - Sérgio Lopes. 2- Família - Twila Paris Versão: Aline Barros e Ronaldo Barros ALENCASTRO E PATRICIA CD: NOSSO ENCONTRO 1 - Nosso encontro - Sérgio Lopes Me traz em tuas mãos o teu amor Eu trago em minhas mãos o meu amor E faz do teu abraço o meu abrigo Meu coração te ama e chama

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 9º Ano Profº: Clécio Oliveira Língua 65 Portuguesa Aluno (a):. No. Trabalho Avaliativo Valor: 30 % Nota: Minhas Férias Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro

Leia mais

Alívio. Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores.

Alívio. Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores. Alívio Aquieta tuas tristezas, medos, angústias de desecrenças, no vasto ombro que ofereço. Hospeda no meu peito suas dores mais íntimas que te alivio com cafuné. As carícias de seu couro cabeludo nas

Leia mais

Turma: 3º ano FG e ADM

Turma: 3º ano FG e ADM COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2013 Disciplina: Literatura Ano: 2013 Professor (a): Felipe Amaral Turma: 3º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO

Série. MAT Disciplina: Arte Professor: FERNANDA CARDOSO ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO - Todas essas atividades, tanto as perguntas como respostas deverão ser COPIADAS E RESPONDIDAS

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Música: Francisco Manuel da Silva (1795/1865) Letra: Joaquim Osório Duque Estrada (1870/1927) Ouviram

Leia mais

Vanguardas. Prof. Adriano Portela

Vanguardas. Prof. Adriano Portela Vanguardas Prof. Adriano Portela O que significa Vanguarda? Do francês avant-garde Termo militar que designa aquele que, durante uma campanha, vai à frente da unidade. No campo das artes e ideias, aqueles

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio Unidade São Judas Tadeu Professor (a): Anna Izabel Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Questão 01.O texto abaixo apresenta, basicamente, três partes: a realidade, o sonho

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!... SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...) A cada manhã 71 (A cada manhã as misericórdias se renovam...)

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Gabarito - LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G. Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo:

Gabarito - LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G. Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo: Leia o conceito de pontuação e os fragmentos de texto abaixo: Pontuar é sinalizar gramatical e expressivamente um texto. Celso Cunha, Gramática do Português Contemporâneo, p.618. Texto I Que bom vento

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES

LITERATURA BRASILEIRA - ALGUNS ELEMENTOS INFLUENCIADORES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES DLA LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA I Professor: Manoel Anchieta Nery JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com)

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

PORTUGUÊS e SOCIOLOGIA

PORTUGUÊS e SOCIOLOGIA PORTUGUÊS e SOCIOLOGIA Terceiro ano integrado EDI 3-2009 Instruções: Leia atentamente cada questão para resolvê-la com segurança. A marcação do gabarito deverá ser feita com caneta de tinta azul ou preta

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

Memórias de um Vendaval

Memórias de um Vendaval 3 4 Memórias de um Vendaval 5 6 Carlos Laet Gonçalves de Oliveira MEMÓRIAS DE UM VENDAVAL 1ª Edição PerSe São Paulo - SP 2012 7 Copyright 2011, Carlos Laet Gonçalves de Oliveira Capa: O Autor 1ª Edição

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Elegia para uma morta. Uma borboleta tropeça nas frias colunas do sono. que veste a brevidade inútil do homem e sua solidão.

Elegia para uma morta. Uma borboleta tropeça nas frias colunas do sono. que veste a brevidade inútil do homem e sua solidão. Elegia para uma morta Uma borboleta tropeça nas frias colunas do sono que veste a brevida inútil do homem e sua solidão. E um morcego vem feito anjo velar sobre a fotografia da morta moça triste que traz

Leia mais

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986

O Vermelho do Capim. Poemas da Guerra Colonial. José Rosa Sampaio. Portimão 1986 José Rosa Sampaio * O Vermelho do Capim Poemas da Guerra Colonial ** Ficha Técnica: Título: O Vermelho do Capim: poemas da Guerra Colonial Autor: José Rosa Sampaio, 1949- Tiragem: 30 exemplares fora do

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

AULA 23 LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL PRIMEIRA FASE

AULA 23 LITERATURA MODERNISMO NO BRASIL PRIMEIRA FASE AULA 23 LITERATURA PROFª Edna Prado MODERNISMO NO BRASIL PRIMEIRA FASE I AUTORES A primeira fase, conhecida como heróica, compreende o período de 1922 a 1930 e apresenta o desejo de liberdade, de ruptura

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 4

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 4 Sem título Nely Teodoro Essa sua boca, que me deixa alucinada. Que me faz perder o tino em seus braços. E que neles desfaleço de prazer. Sinto-me viva, Sinto o meu coração pulsar Descompaçadamente e de

Leia mais

Prova Literatura ENEM

Prova Literatura ENEM Prova ENEM 1. TEXTO I Andaram na praia, quando saímos, oito ou dez deles; e daí a pouco começaram a vir mais. E parece-me que viriam, este dia, à praia, quatrocentos ou quatrocentos e cinquenta. Alguns

Leia mais

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas.

Passa Passarinho. Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas. Passa Passarinho Passarinho! Não passe voando... Abraça-me! Em cores Sua graça Que a vida passa Como rumores De breves asas Rumores de asas Não passa Passarinho Pelo meu mundo sozinho Deixa tuas asas Formarem

Leia mais

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás.

Bloco Mauricio Diogo. Agora não há como voltar atrás. Bloco Mauricio Diogo Vejo um bloco de mármore branco. A rocha dura. A rocha é dura. O mármore tem textura. É duro. Resistente. Sincero. Tem caráter. Há mármore rosa, bege, azul, branco. O escultor doma

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br betty milan CARTA AO FILHO I A estação das cerejeiras começou no dia em que você nasceu. Nem tudo foi cereja, claro. Mas, desde que vi o seu rostinho inchado de quem já não cabia na barriga da mãe, eu

Leia mais