UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CAMPUS II - AREIA CURSO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CAMPUS II - AREIA CURSO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CAMPUS II - AREIA CURSO DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE FITOTECNIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS NÍVEL DE INFESTAÇÃO E CONTROLE DE CUPINS DE PASTAGENS NO MUNICÍPIO DE AREIA-PB FLAVIANO DE SOUTO LEITE AREIA-PB SETEMBRO/2013 i

2 NÍVEL DE INFESTAÇÃO E CONTROLE DE CUPINS DE PASTAGENS NO MUNICÍPIO DE AREIA-PB AREIA-PB SETEMBRO/2013 ii

3 FLAVIANO DE SOUTO LEITE NÍVEL DE INFESTAÇÃO E CONTROLE DE CUPINS DE PASTAGENS NO MUNICÍPIO DE AREIA-PB Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito para obtenção do título de Engenheiro Agrônomo pelo curso de Agronomia da Universidade Federal da Paraíba. Orientador: Prof. Dr. Jacinto de Luna Batista AREIA-PB SETEMBRO/2013 iii

4 Ficha Catalográfica Elaborada na Seção de Processos Técnicos da Biblioteca Setorial do CCA, UFPB, Campus II, Areia PB. L533n Leite, Flaviano de Souto. Nível de infestação e controle de cupins de pastagens no município de Areia- PB. / Flaviano de Souto Leite. - Areia: UFPB/CCA, f. : il. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Agronomia) - Centro de Ciências Agrárias. Universidade Federal da Paraíba, Areia, Bibliografia. Orientador(a): Jacinto de Luna Batista. 1. Cupim de montículo Controle de praga 2. Infestação de Cupim Areia-PB 3. Syntermes Gênero de cupim I. Batista, Jacinto de Luna (Orientador) II. Título. UFPB/CCA CDU: (813.3) iv

5 v

6 DEDICATÓRIA DEDICO A Deus pela força, auxilio e orientação na minha vida. A toda minha família, especialmente meu avô Joaquim Miguel de Souto (Joaquim Chico) in memorian, minha mãe Maria Pereira de Souto Leite e a meus sobrinhos Fabrynna Ferreira Marques Leite, Pedro Henrique Ferreira Marques Leite e Isabela Ferreira Marques Leite, pelo apoio e dedicação prestados a mim em toda minha vida até hoje. vi

7 AGRADECIMENTOS A Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) e Universidade Federal da Paraíba (CCA/UFPB) pela minha formação de Engenheiro Agrônomo e enorme contribuição, ensinamentos e lições na minha vida. A todos os funcionários do CCA/UFPB especialmente aos senhores Ronaldo Santos, Solongenilson Gomes de Oliveira, Inaldo Gomes de Oliveira Primo por toda a disposição a ajuda quando necessário no desempenho das atividades acadêmicas, também toda a equipe do restaurante universitário pelo empenho nos preparos das alimentações ali fornecidas.a Evilásio Andrade da cantina do SINTESP pelas conversas, distrações e confiança em mim depositada. A todos os professores que passaram pela minha formação, especialmente Juliano Fabricante, Francisco de Assis Pereira Ramos, Jacinto de Luna Batista, Lourival Ferreira Cavalcante, Joaquim Malheiros, Kelly Gomes, Lilian Margarete, Márcia Eugênia, Rejane Maria, Leonaldo Alves de Andrade, Fernando Guilherme e Ivandro de França pela maneira como ministram suas disciplinas passando, a meu ver um bom conhecimento ao alunado. Ao meu orientador Dr. Jacinto de Luna Batista pela orientação no desempenho deste e de outros trabalhos durante a minha vida acadêmica, sempre com paciência, confiança e dedicação. A todos os meus amigos e colegas do período do curso de agronomia da Universidade Federal Rural do Semiárido, especialmente a Vandemberg Nascimento, Grazziane Tardelli, Cillas Policarto, Ravier Valcacer, Mayki Lima, Afonso Duarte, Ronaldo Benevides, Daiana Campelo, Fernando Henrique, Francisco Ronny Maia, Tiago, Ildefonso Guerreiro, Roseano Medeiros pelas conversas, trocas de conhecimento, distrações e companheirismo. A todos os meus amigos e colegas do período do curso de Zootecnia do CCA/UFPB, especialmente a Jurandir Júnior, Severino Guilherme, Jhonatan Silva, Luan Nunes, Fláris Barbosa, Getúlio Araújo, Gabriel Soares, Afonso Guedes, Alessandra Elieser, Renata Quirino, Elisabete Costa, Keith Ranny pelas conversas, trocas de conhecimento, distrações e companheirismo. vii

8 A todos os meus amigos e colegas do período do curso de Agronomia do CCA/UFPB, especialmente a Rafael Gouveia de Andrade, Lucas Paes, Rodrigo Coutinho, Marcos Aurélio, José Ponciano pelas conversas, trocas de conhecimento, distrações e companheirismo. A todos os meus amigos e colegas do período do curso de Agronomia do CCA/UFPB, especialmente Lucas Cavalcante, Isnaldo Rodrigues, Begna Janine, Antônio Dantas, Thales Pereira, Rodolfo César, Ronaldo Gomes, Aylson Jackson, Suany Maria, Alberto Marreiro, Tarciso Botelho, Alex Pacheco pelas conversas, trocas de conhecimento, distrações e companheirismo. A meus grandes e eternos amigos, companheiros de residência universitária José Ronaldo Calado Costa, Renato Francisco da Silva Souza e Willian Manoel de Oliveira por toda a ajuda, companheirismo. A toda equipe do Laboratório de Entomologia do CCA/UFPB, especialmente Wênnia Rafaely, Mileny Souza, Robério Oliveira, Severino João Numeriano por toda a ajuda nas atividades do laboratório sempre dispostos a ajudar. A todos do PET Agrobio: Agroecologia, Agricultura Familiar e uso Sustentável dos Recursos Naturais, Wênnia Rafaely, Patrícia Abraão, Julieny Gomes, Antônio Fernando, Adelaido Araújo, Arliston Leite, Francisco Araújo, João Batista, Begna Janine, Luana Vitória, Islânia Nunes, Antônia Maiara, Joel Cabral, Izabela Thaís, Ana Claúdia, Adriana Carneiro, Gilmar Nunes. Aos amigos Afonso Guedes, Jair Batista, James Luís, Wilde Vieira, Francisco Cabral, João Batista, Gabriel Soares, Isnaldo Rodrigues, Rafael Gouveia pela confiança e pelo empréstimo dos seus bens para meu uso. Aos senhores Leonardo Jardelino, Ádrio Silva, José Romeiro e Eduardo Silva pela permissão para entrada nas suas propriedades para a realização do trabalho. A Mariana Nóbrega, pela valiosa ajuda na realização deste trabalho. A pró-reitoria de graduação da UFPB e a CAPES pelas bolsas de monitoria de Introdução à Ciência do Solo e bolsa PET/CAPES/UFPB, que foram essenciais para a minha permanência no curso de Engenharia Agronômica. viii

9 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS E TABELAS... x RESUMO.... xi ABSTRACT.... xii 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Características dos cupins de montículo Ocorrência dos cupins de montículo Formação dos ninhos Hábitos alimentares dos cupins Critérios para identificação de cupins Gênero Syntermes Cupins de montículo como praga agrícola Técnicas de manejo MATERIAL E MÉTODOS Avaliação da infestação de cupins no município de Areia-PB Avaliação da mortalidade de operários de cupins Análise estatística Identificação do gênero RESULTADOS E DISCUSSÃO Avaliação da infestação de cupins no município de Areia-PB Avaliação da mortalidade de operários de cupins CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ix

10 LISTA DE FIGURAS E TABELAS Figura 1. Ninho da espécie Syntermes sp. Areia-PB Figura 2. Distribuição das propriedades no município de Areia-PB...25 Figura 3. Captura de insetos (soldados e operários de cupins) Areia-PB...26 Figura 4. Experimento teste de controles para operários...26 Figura 5. Micropulverizadores manuais...27 Figura 6. Número de cupinzeiros/ha nas propriedades estudadas (A) e área total em m 2 nas propriedades estudadas (B)...28 Figura 7. Percentual de mortalidade de operários de cupins de montículo da espécie Syntermes sp...31 Tabela 1. Percentual de mortalidade de cupins de montículo (Syntermes sp.) 24, 48, e 72 horas após aplicação de óleos vegetais e inseticida convencional...30 x

11 LEITE, F. S. Nível de infestação e controle de cupins de pastagens no município de Areia-PB p. Monografia (Graduação em Agronomia). UFPB/CCA. Orientador: Jacinto de Luna Batista Resumo: As pastagens apresentam grande importância territorial no Brasil, quando se observa que 70% das terras do setor agropecuário, o qual constitui 30% do território nacional, são ocupadas por pastagens, estas constituem-se em fonte de alimento para diversos tipos de herbívoros. Os cupins de montículo são considerados pragas importantes nas pastagens, pois, além de estarem distribuídos em extensas áreas, seus ninhos dificultam os tratos culturais e agravam o processo de degradação. O objetivo do trabalho foi verificar o nível de infestação, identificar o gênero incidente e avaliar o controle de cupins de montículo em áreas de pastagens no município de Areia-PB. A avaliação do nível de infestação dos cupins foi realizada nos meses de Maio a Setembro de O levantamento foi realizado tomando como base os pontos cardeais (norte, sul, leste, oeste) onde foram selecionadas aleatoriamente 7 propriedades assim discriminadas: norte (Sítio Tauá de Mata Limpa); sul (Sítio Pau Ferro, área sentido Alagoa Grande); leste (área sentido Pilões); oeste (Fazenda experimental Chã de Jardim, Sítio Cachoeira, Engenho Bujari). Nas coletas em área amostral de 1 ha adotou-se o método de contagem individual, dimensionamento da área do montículo com uma trena, captura de soldados e operários e o georreferenciamento com GPS. Posteriormente determinou-se a área em m 2 dos montículos e as médias por propriedade. Os soldados capturados nos cupinzeiros amostrados foram levados ao Laboratório de Entomologia do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (LEN/CCA/UFPB), onde através de observações visuais sob microscópico estereoscópico foram identificados a nível de gênero por comparação morfológica e chave taxonômica para tal fim. Para a avaliação da mortalidade dos operários utilizou-se seis tratamentos: 1 testemunha; 2 óleo de Citronela (2%); 3 óleo de Algodão (2%); 4 óleo de Citronela (1%) + inseticida convencional (neonicotenoide); 5 óleo de Algodão (1%) + inseticida convencional (neonicotenoide); 6 inseticida convencional (neonicotenoide), com cinco repetições, totalizando trinta unidades experimentais. O gênero de cupim de montículo encontrado nas áreas amostrais do trabalho no município de Areia-PB é Syntermes, apresentando uma infestação média de cupins de montículo superior a 13 cupinzeiros/ha com área total média superior a 86 m 2 /ha. O óleo de Citronela aplicado com ou sem inseticida atingiu 100% de mortalidade em operários de cupins Syntermes sp. Palavras chave: Brachiaria, cupins de montículo, Syntermes sp, óleos vegetais xi

12 LEITE, F. S. Level of infestation and termite control pastures in the municipality of Areia Paraíba p. Monograph (Undergraduate Agronomy). UFPB/CCA. Advisor: Jacinto de Luna Batista Abstract: Pastures have great territorial importance in Brazil, where it is observed that 70 % of land in the agricultural sector, which constitutes 30% of the national territory is occupied by pastures, these constitute a source of food for many types of herbivores. The termite mound are considered major pests in pastures, because in addition to being distributed in large areas, nests hinder the cultural and aggravate the degradation process. The aim of the study was to determine the level of infestation, identify the genre incident and evaluate control termite mound in pasture areas in the municipality of Areia Paraíba. The assessment of the level of infestation of termites was held in the months of May to September The survey was carried out based on the cardinal points (north, south, east, west) which were randomly selected 7 properties thus discriminated: north (Sítio Tauá de Mata Limpa); south (Sítio Pau Ferro, area towards Alagoa Grande); east (area towards Pilões); west ( experimental Farm Chã de Jardim, Sítio Cachoeira, Engenho Bujari). In the collections in the sample area of 1 ha adopted the method of counting individual sizing mound area with a tape measure, capturing soldiers and workers and georeferencing with GPS. Later it was determined the area in m 2 of the mounds and the average per property. The captured soldiers in termite nests sampled were taken to the Laboratório de Entomologia do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (LEN/CCA/UFPB), where through visual observations under stereoscopic microscope were identified to genus level by comparing morphological and taxonomic key to this end. To assess the mortality of the workers was used six treatments: 1 - control, 2 - Citronella oil (2%) 3 - Cotton oil (2%) 4 - Citronella oil (1%) + conventional insecticide (neonicotenoide); 5 - Cotton oil (1%) + conventional insecticide (neonicotenoide) 6 - conventional insecticide (neonicotenoide) with five replications, totaling thirty experimental units. The genus of termite mound found in sample areas of work in the municipality of Areia Paraíba is Syntermes, presenting an average infestation termite mound than 13 mounds/ha with average total area exceeding 86 m 2 /ha. Citronella oil applied with or without insecticide reached 100% mortality in workers termite Syntermes sp. Keywords: Brachiaria, termite mound, Syntermes sp, vegetable oils. xii

13 1. INTRODUÇÃO A denominação "cupim" é mais antiga que o Brasil, tendo sua origem na língua Tupi e significando "montículo", em referência ao formato do ninho de uma determinada espécie de cupim encontrado no interior do Brasil. Podem-se encontrar ainda os seguintes sinônimos da palavra cupim, em português: térmita, térmite e itapicuim, este último utilizado na região Amazônica do Brasil. A denominação térmita, por sua vez, é originada do latim "Termes" e era utilizada pelos romanos ao se referirem ao "verme da madeira", seu significado em latim, dada a aparência que os mesmos apresentam quando infestando uma estrutura de madeira (POTENZA, 2002; ZANETTI, 2002). Pertencentes à ordem Isoptera (iso=igual; ptera=asa), os cupins ou térmitas formam o grupo mais antigo entre os insetos sociais, vivem em colônias permanentes chamadas termiteiros ou cupinzeiros que serve de abrigo a colônia, armazenamento de alimento e proporciona condições ideais para o desenvolvimento dos indivíduos. Os cupins de montículo constituem pragas importantes nas pastagens, pois, além de estarem distribuídos em extensas áreas, seus ninhos dificultam os tratos culturais e agravam o processo de degradação das pastagens (GALLO et al., 2002). As pastagens apresentam grande importância territorial no Brasil, quando se observa que 70% das terras do setor agropecuário, o qual constitui 30% do território nacional, são ocupadas por pastagens e que cerca de 90% dos bovinos abatidos são criados exclusivamente em pastos ou apenas com pequena suplementação após a desmama. As pastagens constituemse em fonte de alimento para diversos tipos de herbívoros, devendo ser conduzida de uma forma técnica à semelhança de outras culturas. Cabe ressaltar ser esta, a fonte de alimentação mais econômica para os rebanhos. A maior parte das áreas com pastagens na microrregião do Brejo Paraibano especificamente no município de Areia encontra-se degradadas ou com algum grau de degradação em consequência de uma serie de fatores, dentre os quais, a acidez elevada dos solos e o manejo inadequado da fertilidade sem a devida reposição de nutrientes e a crescente infestação por cupins de montículo, estes apresentam grande importância nesse processo de degradação, assim como, também o histórico de exploração dessas áreas que apresentam um desgaste da fertilidade advindo da cultura da cana-de-açúcar, a qual foi de grande importância para a região, por algumas décadas. O solo devido a sua complexidade pode ser um fator limitante para o crescimento da pastagem, através da não disponibilidade de nutrientes, água e oxigênio e perda de área útil por cupins de montículo (OLIVEIRA, 2006). 13

14 A ação prejudicial às pastagens pode ser atribuída a dois tipos de cupins, os construtores de ninhos epígeos, em condições de densidade elevada, e os consumidores de folhas vivas como alimento. As plantas são, direta ou indiretamente, as fontes de recurso alimentar para os cupins, sendo, portanto, importantes na abundância e na distribuição das espécies (CZEPAK et al., 2003). Caso não haja a preocupação de controlar os cupins, pastagens mais velhas tenderão a apresentar níveis de infestação mais elevados (VALÉRIO et al., 2004). Além dos consideráveis danos econômicos provocados em áreas rurais, os cupins também são importantes componentes da fauna do solo de regiões tropicais, exercendo papel essencial nos processos de decomposição e de ciclagem de nutrientes. Diante do que representa os cupins de montículo para as pastagens, o objetivo do trabalho foi verificar o nível de infestação, identificar o gênero incidente e avaliar o controle de cupins de montículo em áreas de pastagens no município de Areia-PB. 14

15 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Características dos cupins de montículo Dados relativos à origem dos isópteros ainda são bastante discutidos entre pesquisadores, pois alguns mostram que eles só podem ter descendido de baratas com hábitos idênticos aos de Cryptocercus e não de Problattodea, como acreditam certos autores. Há também suposições de que toda a ordem Isoptera, incluindo o gênero Mastodermes, provavelmente deve ter evoluído de uma forma semelhante a Pycnoblattina. Durante a evolução dos isopteros observou-se importantes linhas de transformação, tais como, redução do pronoto, alongamento das asas, redução da área anal da asa anterior, estreitamento das partes basais da asa e desenvolvimento da sutura humeral ou basal, ao longo da qual as asas se destacam após a revoada, restando adjacente ao corpo do inseto, uma escama com importância taxonômica (ZANETTI et al., 2006). São insetos com aparelho bucal do tipo mastigador, possuem metamorfose incompleta (ovo-ninfa-adulto), entre os quais as ninfas vivem no mesmo hábitat dos adultos. Todas as espécies de cupins são sociais, vivendo em sociedades ou colônias mais ou menos populosas, com divisões de tarefas (reprodução, segurança, limpeza e cuidados com a rainha) realizadas por determinados grupos de indivíduos, denominados castas, representadas por cupins ápteros ou alados, seus ninhos são denominados de cupinzeiros ou termiteiros (ZANETTI et al., 2006). O casal real são os fundadores da colônia, sendo indivíduos sexuados, com função apenas reprodutiva. Copulam, proporcionando o crescimento da colônia em número de indivíduos. Os soldados são estéreis e apresentam cabeças e mandíbulas bastante desenvolvidas, têm como função principal à defesa da colônia por meio de toxinas ou substâncias pegajosas. As funções de manutenção da colônia são desenvolvidas pelos operários que também são estéreis (COOPLANTIO, 2003). No crescimento e desenvolvimento dos ninhos, no inicio são frágeis e totalmente subterrâneos, na superfície são resistentes e duros. O montículo é constituído por uma espessa camada de terra dura, permeado por canais, no seu interior está localizado o endoécio ou núcleo que é frágil e de coloração escura devido a elevada matéria orgânica, principalmente de celulose e material fecal. Nesse endoécio se concentra e vive a maioria dos indivíduos da colônia. Na base do cupinzeiro ocorre a ligação por meio de túneis com o solo propiciando a exploração em busca de alimento (VALÉRIO et al., 2004). 15

16 Nos cupinzeiros também são encontrados outros seres como formigas, abelhas, vespas, aranhas e escorpiões que estão em busca de moradia e alimentação, tudo isso graças ao seu sistema de ventilação que mantém 20º C de temperatura e umidade em torno de 96%. Os maiores registros dessa convivência foram encontrados em áreas de pastagens (HERZOG et al, 2006). Assim os cupinzeiros tornam-se abrigo para animais nocivos e peçonhentos, sendo prejudiciais aos animais e ao próprio homem Ocorrência dos cupins de montículo Com cerca de 2750 espécies conhecidas no mundo (CONSTANTINO, 2005), estão espalhados desde as florestas úmidas até as savanas, além de encontrados até mesmo em regiões áridas. Isso é possível devido a simbiose com microorganismos, como bactérias, fungos e protozoários que auxiliam na sua alimentação, além de uma organização social bastante desenvolvida (COSTA-LEONARDO, 2002). No Brasil ocorrem aproximadamente 300 espécies, que se distribuem entre as famílias Kalotermitidae, Rhinotermitidae, Termitidae e Serritermitidae. Os principais gêneros representantes da primeira família são Cryptotermes, Neotermes e Rugitermes, já na família Rhinotermitidae se destacam os gêneros Coptotermes e Heterotermes. No caso da família Termitidae, os gêneros Cornitermes, Nasutitermes, Syntermes e Anoplotermes são os mais relevantes. Cornitermes é um gênero de cupins neotropicais presente em todo o país, sendo encontrado em formações florestais, cerrado, campos e pastagens (FERREIRA et al., 2011). A família Serritermitidae até recentemente continha uma única espécie, Serritermes serrifer, que ocorre apenas no Brasil, mas novas evidências indicam que Glossotermes oculatus, espécie da Amazônia, também pertence à Serritermitidae (ZANETTI et al., 2010) Formação dos ninhos Em todos os térmitas os ninhos são isolados do meio externo e a comunicação deste com o meio interno nunca é direta, a não ser em momentos especiais como ocorre em épocas de revoada, para a saída dos alados. Este enclausuramento se deve a necessidade de proteção contra os movimentos do ar e de manutenção de condições de umidade, temperatura e atmosfera interna necessárias para o desenvolvimento normal da colônia. Os térmitas, de maneira geral, são considerados excelentes arquitetos tanto pela grande variedade de tipos como pela complexidade das suas construções (ELEOTÉRIO, 2000). 16

17 As proporções entre areia, silte e argila e sua distribuição no perfil do solo é um fator limitante para a construção dos ninhos de cupins subterrâneos. Solos com boa quantidade de argila são mais facilmente trabalhados pelos cupins e os solos arenosos dificultam a sustentação dos ninhos e dos túneis. Ao longo do tempo as construções dos térmitas têm evoluído passando por modificações contínuas. Devido a estas modificações, existem diversas formas intermediárias de ninhos. Os ninhos dividem-se em cinco categorias principais: ninhos dentro da madeira, ninhos subterrâneos, ninhos epígeos, ninhos arbóreos e inquilinismo (ELEOTÉRIO, 2000). A construção de ninhos para abrigar a colônia representa uma das características dos insetos sociais. Os ninhos de cupins, chamados de termiteiros, são classificados de acordo com sua posição em relação ao solo: ninhos arborícolas, construídos sobre ou dentro de árvores; ninhos hipógeos, construídos sob o solo; e ninhos epígeos, que possuem uma pequena parte subterrânea e a maior parte acima da superfície do solo. A maioria das espécies de Cornitermes constrói ninhos epígeos, sendo estes divididos em duas partes: uma camada externa resistente, construída principalmente de solo e uma câmara central celulósica (núcleo) onde vive a colônia. A camada externa auxilia na manutenção do microclima interno do ninho e funciona como defesa contra predadores (FERREIRA et al., 2011). Os ninhos de Cornitermes cumulans, uma espécie construtora de ninhos epígeos comum no Cerrado, são utilizados como hábitat por vários animais, principalmente por outras espécies de cupins, demonstrando sua importância ecológica (FERREIRA et al., 2011). O microclima do termiteiro é relativamente estável e é mantido, em grande parte, pela ação dos cupins, pela arquitetura do ninho, pelo material utilizado para construção e principalmente pela interação e dinâmica destes fatores. Dentro dos ninhos, os térmitas são capazes de controlar a temperatura, umidade e atmosfera interna, e a localização e arquitetura destes ninhos determinam a regulação térmica; por exemplo, se eles estão expostos ao sol ou abaixo de dossel de floresta (NOIROT e DARLINGTON, 2000). A manutenção da umidade dentro do ninho é uma característica importante, considerando que os térmitas são extremamente sensíveis a trocas de umidade. A atmosfera interna baseia-se na estrutura de galerias e poros do ninho que permitem as trocas gasosas, sendo a sua ventilação essencial à manutenção da concentração adequada de oxigênio e carbono (NOIROT e DARLINGTON, 2000). 17

18 2.4. Hábitos alimentares dos cupins Existem diferentes tipos de alimentação entre os cupins. Os jovens, os soldados e todos os reprodutores são incapazes de se alimentar sozinhos e recebem dos operários alimentação estomodeal ou proctodeal. A alimentação estomodeal pode ser saliva, que é o único nutriente dos reprodutores funcionais (rei e rainha), ou alimento regurgitado. Os soldados são, em grande parte, nutridos com alimento regurgitado, mas em certos Termitidae eles têm uma dieta exclusivamente líquida (saliva). A alimentação proctodeal foi descrita para os cupins inferiores, os quais apresentam uma fauna intestinal composta por protozoários flagelados. O alimento proctodeal consiste de excreções líquidas, ricas em simbiontes, provenientes do intestino posterior e que são eliminadas em resposta a estímulos táteis de outros cupins. Na família Kalotermitidae este alimento é totalmente distinto das fezes sólidas e secas do reto (LIMA e PAIVA, 2010). A coleta de alimento pelos operários, tanto para uso próprio quanto para prover as castas dependentes, é o recurso energético básico da colônia. Ela consiste de materiais celulósicos provenientes de plantas vivas ou mortas, parcialmente ou quase que inteiramente decompostas. O recurso alimentar e sua subsequente decomposição têm muitas implicações de longo alcance nas relações entre cupins e solos, tanto por suas atividades alimentares quanto pela transformação do alimento por meio da digestão. Portanto, os cupins afetam o ciclo da matéria orgânica e dos nutrientes (LIMA e COSTA-LEONARDO, 2007). Adicionalmente, a concentração de alimento e a perda de produtos a partir da digestão influenciam a disposição de matéria orgânica e de nutrientes no ecossistema. Os térmitas exploram alimentos com baixo valor nutricional se comparados àqueles consumidos por outros animais. A capacidade de sobreviver a partir da ingestão de alimentos pobres em nutrientes se deve aos mecanismos digestivos usados para extrair a maior parte dos nutrientes disponíveis a partir de uma alimentação de baixa qualidade, à conservação altamente controlada desses recursos e à ciclagem de nutrientes (LIMA e COSTA-LEONARDO, 2007). Pastagens, plantas herbáceas e serapilheira podem ser usadas diretamente como alimento pelos cupins ou como substratos para favos de fungos de térmitas da subfamília Macrotermitinae (cupins que cultivam fungos). Esses recursos requerem forrageamento por grandes áreas. Além de se mostrarem potencialmente competitivos em relação aos outros herbívoros, os cupins coletores harvesters devem dominar os aleloquímicos presentes na pastagem fresca. Esses problemas podem ser superados pela vantagem do alto conteúdo de nitrogênio na pastagem em relação à madeira e também pelo acesso ao esterco produzido pelos mamíferos herbívoros. 18

19 Os cupins coletores harvesters incluem espécies que forrageiam na superfície e cortam pastagem, plantas herbáceas, folhas, galhos, sementes e outras partes de plantas depositadas na superfície do solo. De acordo com os mesmos autores, serapilheira, na forma de galhos, ramos e folhas, é consumida pelos cupins das subfamílias Macrotermitinae, Apicotermitinae, Termitinae e Nasutitermitinae (família Termitidae). Os verdadeiros cupins coletores harvesters são os Hodotermitinae, família Hodotermitidae (Hodotermes da África, Microhodotermes do Norte da África e Anacanthotermes do Norte da África e da faixa árida da Ásia); alguns Amitermitinae, família Termitidae (tais como Drepanotermes na Austrália); e alguns Nasutitermitinae, família Termitidae (tais como certos Nasutitermes e Tumulitermes na Austrália, Trinervitermes na África e Indo-Malásia e Syntermes na América do Sul). Essas espécies invariavelmente acumulam o material coletado em seus ninhos, algumas vezes em grandes quantidades. Os gêneros neotropicais Velocitermes, Rhynchotermes e Cornitermes (família Termitidae, subfamília Nasutitermitinae) também se enquadram nesse grupo consumidor de serapilheira (COSTA-LEONARDO, 2005). No Brasil, Cornitermes cumulans, uma espécie de cupim de montículo bastante conhecida pela alta incidência em pastagens, se alimenta principalmente de folhas e raízes mortas de gramíneas. No ninho os alimentos são mastigados e posteriormente armazenados nas paredes das câmaras do cupinzeiro. Os operários do gênero neotropical Ruptitermes (família Termitidae, subfamília Apicotermitinae) coletam fragmentos de folhas e sementes na superfície do solo e não consomem imediatamente esse alimento, que é armazenado em galerias subterrâneas esparsas, formando o seu ninho difuso (CONSTANTINO, 2005). Eles também podem ocupar ninhos epígeos construídos por outras espécies e estocar alimento nas galerias do referido montículo abandonado. A partir do exposto, pode-se constatar que existe uma ampla variedade de recursos alimentares que são explorados pelos Isópteros, isso permitiu aos cupins ocuparem quase todas as regiões quentes e temperadas da Terra, ocorrendo em praticamente todos os ambientes terrestres, naturais ou modificados pela espécie humana (COSTA-LEONARDO, 2006) Critérios para identificação de cupins A manifestação de cupins de montículo é caracterizada pela presença de cupinzeiros, formados por montes de terra endurecida que variam em cor, altura e formato, de acordo com o ambiente, o solo e a idade da colônia. 19

20 Geralmente, cada espécie apresenta um formato padrão de ninho, entretanto cupinzeiros inativos podem ser recolonizados por outras espécies, o que causa certa confusão na identificação dos cupins. Para identificação dos térmitas até gênero, se utiliza principalmente a casta dos soldados, com exceção dos Apicotermitinae. Para a realização da identificação, recomenda-se que os cupins, no momento da coleta, sejam manuseados com cuidado e colocados imediatamente em recipiente com álcool a 75%. Se possível devem ser coletados o rei e a rainha ou 5-10 reprodutores alados ou ninfas em último estádio de diferenciação (com asas desenvolvidas), 5-10 operários, 5-10 soldados e amostras do material danificado. Deve-se fotografar o material danificado e os indícios deixados pelos cupins. Atualmente a sistemática dos cupins não se resume a utilização de características morfológicas externas, têm-se utilizado também para a identificação até gênero, características morfológicas do tubo digestivo da casta de operários. O padrão de arquitetura dos ninhos também tem auxiliado a sistemática visto que algumas espécies possuem padrões de construção bastante peculiares, que em conjunto com outras características, permitem a sua identificação com maior segurança. Também têm-se utilizado, embora não façam parte da rotina de identificação, particularidades de comportamento associadas a morfologia e peculiaridades da química das secreções de defesa do soldado (ELEOTÉRIO, 2000) Gênero Syntermes O gênero Syntermes ocorre desde o norte da América do Sul até o norte e nordeste da Argentina a leste dos Andes. Apresenta estrutura social plena, com todas as castas (Rainha, rei, soldados, operários e reprodutores alados) bem definidas e atuantes. São cupins de porte avantajado, muito maior que os cupins de outros gêneros de ocorrência comum em nosso território. Seus cupinzeiros podem abranger alguns metros quadrados de área. Se alimentam de matéria orgânica em decomposição. A estes cupins atribui-se a perdas em áreas de pastagem. Esse gênero é exclusivamente neotropical e destaca-se como um dos poucos consumidores de folhas da serapilheira. Esses cupins contribuem para a decomposição de várias maneiras: por meio do consumo direto e posterior digestão, pela fragmentação das folhas da serapilheira, aumentando assim a disponibilidade desse material para outros consumidores, e pela adição do material cortado e abandonado na superfície ou no perfil do solo (MEDEIROS, 2001). 20

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia.

Ordem Isoptera. Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Ordem Isoptera Alunos: Carlos Felippe Nicoleit; Celso Junior; Charles Magnus da Rosa; Daniella Delavechia. Classificação: Reino: Animal Filo: Artropoda Classe: Insecta Ordem: Isoptera Definição Ordem de

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins são insetos sociais que apresentam castas reprodutoras e não reprodutoras, vivendo em colônias permanentes chamadas de termiteiros ou cupinzeiros. São mastigadores

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos

Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Associação entre Cornitermes spp. (Isoptera: Termitidae) e cupins inquilinos em uma área de floresta de terra firme na Amazônia Central Thiago Santos Introdução Os cupins (Insecta: Isoptera) são organismos

Leia mais

A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins-

A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS Faculdade de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Florestais A madeira como substrato para organismos xilófagos -Cupins- Francisco Tarcísio Moraes Mady Introdução

Leia mais

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS

RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS RIQUEZA DE CUPINS (ISOPTERA) EM VEREDAS DE UMA ÁREA DE MIRACEMA DO TOCANTINS Julyana Flavia dos Santos Lima¹; Hélida Ferreira da Cunha² ¹Graduanda do curso de Ciências Biológicas -Licenciatura,UnuCET-UEG

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNDA CO-HABITANTE EM NINHOS DE CUPINS EPÍGEOS DE CAMPINAS E REGIÃO Nina Maria Ornelas Cavalcanti Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências da Vida nina.moc@puccamp.edu.br

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto

Manuella Rezende Vital Orientado: Prof. Dr. Fábio Prezoto UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FOR A Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais Manuella Rezende Vital Orientado: Prof.

Leia mais

RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL RIQUEZA E ABUNDÂNCIA DE CUPINS (INSECTA: ISOPTERA) EM CULTIVOS COMERCIAIS DE CANA-DE-AÇÚCAR NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Lucas Manuel Cabral Teixeira Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ciências

Leia mais

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM

Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM Capítulo 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA GERAL E DIVERSIDADE NA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DO PICO DA NEBLINA, SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, AM 257 CAPÍTULO 14 CUPINS (ISOPTERA): BIOLOGIA, ECOLOGIA

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae)

FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae) FENTIOM E CLORPIRIFÓS NO COMBATE AO CUPIM DE MONTE Cornitevmes cumulans (KOLLAR, 1832) (Isoptera, Termitidae) F.A.M. Mariconi* F.I. Geraldi** C.J. Biondo** J.L. Donatoni** A.I. Clari** F.Y. Arashiro**

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim.

Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. Avaliação de Redução de Estande em Milho por Cupim. WINDER, A. R. S. da. 1, COUTO, L. P. P. 1, SILVA A. R. da. 2, BELLIZZI, N. C. 1 BARBOSA. E. S 1. 1 Docente e acadêmicos do Curso de Agronomia da Universidade

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS

FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS FLÁVIO URBANO BARBOSA MÉTODOS DE CONTROLE DE CUPINS SUBTERRÂNEOS EM ÁREAS URBANAS Monografia apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO

IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA CO-HABITANTE EM NINHOS DE TÉRMITAS DO GÊNERO CORNITERMES EM CAMPINAS, SÃO PAULO Anais do XVIII Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 Anais do III Encontro de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação ISSN 2237-0420 24 e 25 de setembro de 2013 IDENTIFICAÇÃO DA ENTOMOFAUNA

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto

Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto unesp Biologia, danos e controle de cupins em eucalipto Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu. 1. Introdução Os cupins são considerados pragas em plantações florestais em toda a região tropical, sendo

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil.

Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Benefícios da Madeira Tratada na Construção Civil. Humberto Tufolo Netto Obs: Alguns slides foram produzidos pelo colega: Dr.Ennio Lepage e outros foram cedidos pelo FPInnovations-Forintek-Ca O que é a

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM.

LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. LEVANTAMENTO DE CUPINS EM ESTRUTURAS DE MADEIRAS DE BLOCOS DO MINI-CAMPUS (SETOR-SUL) DA UFAM. Manoel Braga de BRITO 1 ; Raimunda Liége Souza de Abreu ; Basílio Frasco VIANEZ 3 1 Bolsista PIBIC/INPA/Fapeam;

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS

MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Notas de Aula de ENT 115 Manejo Integrado de Pragas Florestais 1 MANEJO INTEGRADO DE CUPINS Os cupins ou térmitas são insetos da ordem Isoptera, que contêm cerca de 2.750 espécies descritas no mundo. Mais

Leia mais

ENSAIO DE COMBATE A NINHOS DO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832)*

ENSAIO DE COMBATE A NINHOS DO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832)* ENSAIO DE COMBATE A NINHOS DO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832)* MOTTA, R.** RAIZER, A. J. * * SILVA, J.M.** SUGAHARA, C.A.** ARASHIRO, F.Y.** MARICONI, F.A.M.*** RESUMO O presente trabalho foi

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS

FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS FUNGOS FILAMENTOSOS ASSOCIADOS ÀS FORMIGAS CORTADEIRAS DO GÊNERO ATTA FABRICIUS E ESTUDO DA AÇÃO DE FUNGOS ENTOMOPATOGÊNICOS Samuel Eustáquio Morato Barbosa 1 ; Danival José de Sousa 2 ; 1 Aluno do Curso

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

COMBATE EXPERIMENTAL AO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832) EM PASTAGEM*

COMBATE EXPERIMENTAL AO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832) EM PASTAGEM* COMBATE EXPERIMENTAL AO CUPIM Cornitermes cumulans (KOLLAR, 1832) EM PASTAGEM* SUGAHARA, C.A.** RAIZER, A. J. * * MOTTA, R.** ARASHIRO, F.Y.** SILVA, J.M.** MARICONI, F. A. M.*** RESUMO Com o objetivo

Leia mais

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos

ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues BATISTA 1,2, Jacinto de Luna SOUZA 1,3, Mileny dos Santos DIFUSÃO DA TECNOLOGIA DE CONTROLE BIOLÓGICO DE INSETOS - PRAGAS COMO INSTRUMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ENSINO FUNDAMENTAL II NO MUNICÍPIO DE AREIA - PB ALVES 1,1, Paulo Roberto Rodrigues

Leia mais

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma:

FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: FCHA DE TRABALHO /TRABALHO DE CAMPO / TRABALHO EXPERIMENTAL Aluno: Ano: Turma: O quê Objetivos Onde Analisa o solo da tua região Como se formam e são constituídos os solos Compreender como se formam os

Leia mais

EFEITO DE FERTILIZANTES FOSFATADOS SOBRE O CONSUMO DE ÁGUA E PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA MAMONEIRA (Ricinus communis L.)

EFEITO DE FERTILIZANTES FOSFATADOS SOBRE O CONSUMO DE ÁGUA E PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA MAMONEIRA (Ricinus communis L.) Página 658 EFEITO DE FERTILIZANTES FOSFATADOS SOBRE O CONSUMO DE ÁGUA E PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DA MAMONEIRA (Ricinus communis L.) Francisco Assis de Oliveira 1 ; Nivaldo Timóteo de Arruda Filho 2 ; Kleber

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

Laboratório de Controle Biológico, Centro Experimental do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. RESUMO

Laboratório de Controle Biológico, Centro Experimental do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. RESUMO CONTROLE DE HETEROTERMES TENUIS (HAGEN) (ISOPTERA: RHINOTERMITIDAE) E CORNITERMES CUMULANS (KOLLAR) (ISOPTERA: TERMITIDAE) COM INSETICIDA FIPRONIL ASSOCIADO AO FUNGO ENTOMOPATOGÊNICO BEAUVERIA BASSIANA

Leia mais

Capítulo 19. Padrões de. diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado

Capítulo 19. Padrões de. diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado Solos e paisagem Capítulo 19 Padrões de FOTO: REGINALDO CONSTANTINO diversidade e endemismo de térmitas no bioma Cerrado Reginaldo Constantino Departamento de Zoologia Universidade de Brasília Brasília,

Leia mais

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS No Brasil uma das principais causas da mortalidade em ruminantes acontece devido a ingestão de plantas tóxicas. Define-se planta tóxica como qualquer vegetal que quando ingerido

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS)

PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS) PRINCIPAIS PRAGAS EM GRAMADOS: BIOLOGIA E CONTROLE (CUPINS, FORMIGAS CORTADEIRAS E FORMIGAS LAVA-PÉS) Francisco José Zorzenon Pesquisador Científico Ana Eugênia Carvalho Campos-Farinha Pesquisador Científico

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão

Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão Eficiência da Terra de Diatomácea no Controle do Caruncho do Feijão Acanthoscelides obtectus e o Efeito na Germinação do Feijão The Efficiency of Diatomaceous Earth in Control of Bean Weevil Acanthoscelides

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO DE CERCA CONVENCIONAL

Leia mais

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1

TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA APLICADA AO MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS TÉCNICAS DE RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS 1 Sílvia Maria Pereira Soares

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE

Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 3 - Número 2-2º Semestre 2003 Biodiversidade e monitoramento da ordem Isoptera em Olinda, PE [1] Welber Eustáquio de Vasconcelos; [2] Érika

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas.

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas. BIOMAS TROPICAIS Os ecossistemas tropicais se encontram entre as latitudes 22 graus Norte e 22 graus Sul. Os ecossistemas predominantes na maioria das áreas tropicais são as florestas tropicais e as savanas.

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DOZE PRINCÍPIOS PARA MAXIMIZAR O ESTOQUE DE CARBONO E A PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS FLORESTAS DA AMAZÔNIA Baseados nos estudos do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 2139 Página 2139 QUIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) ARMAZENADAS 1 Givanildo Zildo da Silva¹; Joel Martins Braga Júnior¹; Riselane de Alcântara Bruno¹; Cibele dos Santos Ferrari¹;

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes

Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes Manutenção de temperatura e umidade e seletividade de partículas do solo em ninhos de Cornitermes (Isoptera: Termitidae) de uma floresta de terra firme da Amazônia Central Juliana Schietti de Almeida Introdução

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 54 Julho de 2013 Universidade Federal de São

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 1 Biomas brasileiros H18 2 Problemas ambientais H19 3 Cadeia alimentar H24 4 Evolução

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais