[Digite texto] MEMORIAL. Silvia Maria do Espírito Santo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[Digite texto] MEMORIAL. Silvia Maria do Espírito Santo"

Transcrição

1 MEMORIAL Silvia Maria do Espírito Santo Apresentado para avaliação da carreira docente Professor Doutor Área de conhecimento: Mediação e Informação, no Curso de Ciências da Informação e da Documentação, do Departamento de Educação, Documentação e Informação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo 2011

2 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Ingresso na vida universitária, a graduação e sobrevivência na capital 2.1. A importância das Oficinas Culturais da década de Ciências da Informação do mestrado ao doutorado: âmbito informacional 3. Arquivos, oficinas, museus e bibliotecas 4. Museu Histórico e Museu do Café de Ribeirão Preto 4. Ciências da Informação: instituições e acervos 5. A experiência de docência no quinquênio na USP 2004/ no Curso Ciência da Informação e da Documentação. Reflexões e práticas 6. Disciplinas de graduação ministradas e a relação como projeto de pesquisa e pedagógico 7. Referências

3 Apresentação O presente memorial foi elaborado com o objetivo de atender às exigências da organização da carreira acadêmica, no período do processo de avaliação e condições legais do plano de carreira. Candidata, professora doutora, Silvia Maria do Espírito Santo, filha de Sebastião José do Espírito Santo, comerciante de tecidos, sapatos e chapéus, e de Cecília Rigobello do Espírito Santo, costureira. Nasci em 28 de agosto de 1958, na cidade de Mococa São Paulo. Atualmente resido em Ribeirão Preto, Av. do Café, n 131 apt. 44 C Vila Tibério, CEP , Ribeirão Preto, Estado de São Paulo. Um breve percurso esclarecerá as particularidades das experiências da docência e permitirá conjugar os itens da formação superior com as opções profissionais e atuações de pesquisa, ensino e extensão. Nesta narrativa, em 2011, destinada à apresentação de um documento, reúno informações dos anos que se seguiram na trajetória acadêmica pós-doutorado, e aqui descrita, circunstanciada e são retratadas as atividades em sala de aula, a partir da formação de doutoramento, da Extensão comunitária e, principalmente, na Pesquisa desenvolvida com foco a partir da contratação em 2009, com o projeto intitulado A mediação da informação estruturada em instituições culturais, apresentado para concurso de carreia docente, professor doutor, ainda no Departamento de Física e Matemática da FFCLRP. Em breves linhas, adoto o recurso dos tópicos, na intenção de objetivar os fatos sociais, institucionais significativos para compor as experiências atuais. Entre os anos de 1977 a 2009, que tiveram incidência e influenciaram a maneira de atuar no ensino. Essa distinção contratual e documental terá efeito de registro neste memorial. Em 2004, para o recém-fundado curso de Ciências da Informação e Documentação, em Processo Seletivo para a disciplina Linguagens Documentárias, fui selecionada para vaga de docência entre nove candidatos. A Banca do Processo Seletivo foi composta pela Profa. Dra Marílda G. Lara (USP-SP) Giullia Grippa (USP-RP) e pelo Prof. Dr. José Augusto Guimarães (UNESP-Marília). Portanto permaneci durante seis anos na condição que caracterizada pelo termo precário, com contrato específico, em regime equivalente ao professor doutor, embora sujeito à condição temporária. Os relatórios apresentados à CERT tiveram a função de descrever e comprovar as atividades de docência, extensão, pesquisa e as publicações em três relatórios sistemáticos bienais ( ), uma vez aprovados permitiram a renovação do contrato com a Universidade de São Paulo. O ingresso na universidade como docente exigiu uma condição equipada ao cumprir a carga horária destinada no Regime RDIDP, de equivalente aos demais contratos dos professores contratados. A titulação obrigatória do Doutorado foi cumprida na Universidade de Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Marília, no curso de pós-graduação

4 da Ciência da Informação, na linha de pesquisa Organização da Informação, iniciado em 2006 e finalizado em 2009, com a apresentação de a tese a seguir: O colecionador público documentalista: museu histórico e de ordem geral "Plínio Travassos dos Santos" de Ribeirão Preto, com orientação de Marañon Murguia, Eduardo Ismael; sob julgamento da Banca Avaliadora os professores: Oswaldo Francisco de Almeida (UNESP-Marília), Suely Ceravalo (UBA-Salvador), Marília Cury Xavier (MAE-USP) e Maria Lúcia Lamounier (FEA-USPRP) 2. Ingresso na vida universitária, a graduação e sobrevivência na capital Em 1977, o país ainda procurava, substituir, sucessivamente, os presidentes da República, em representações colegiadas do voto indireto, excluindo a participação popular e objetivava com isso recompor a integração nacional. O regime político ditatorial-militar foi caracterizado pela sequência dos governos Castello Branco e Costa e Silva, a partir do Golpe Militar, de março de 1964 a dezembro de 1968, seguidos dos anos de sua consolidação no governo Médici( ), nos anos de transformação do regime ditatorial-militar do governo Geisel ( ) e da sua desintegração durante o governo Figueiredo ( ). A chamada fase de transição do regime ditatorial para o regime liberal-democrático efetivou-se no governo de José Sarney ( ), o primeiro presidente civil numa sequência apenas equiparada ao governo ditatoriais do Chile, Argentina ou Espanha. A Ditadura Militar, que nunca conseguiu manter os governos sem que houvesse a desaprovação popular, ou que valorizasse a economia na perspectiva do pertencimento da qualidade de vida dos indivíduos com a sociedade, perseguiu, reprimiu, censurou e não mediu o uso da violência das forças armadas - policiais e exército, sua sustentação. Adicionavam-se a essas forças os temores do avanço da ideologia comunista para o oeste mundial. A sociedade vivia sob o medo, o silêncio que, uma vez rompido deram início a uma série de manifestações sociais, nas ruas, praças, em passeatas, greves e ações organizadas. A concentração de jovens em passeatas organizadas engrossou o movimento nacional pelo fim da Ditadura Militar a partir dos anos da década de A maioria dos jovens do interior, que almejava cursar o nível superior, deslocava-se para os grandes centros como Campinas, Ribeirão Preto ou São Paulo. Naquela procurei estabelecer-me na capital, cujo cenário foi primeira manifestação em que participei foi uma Missa campal para um operário assassinado no ABC, no Largo da Sé. A receptividade ao novo - e ainda estava presente a inquietação por parte da sociedade organizada em sindicatos, associações e partidos políticos na clandestinidade - a crítica, a oposição clara à Ditadura, o que direcionava os jovens aos anseios a procura de uma formação na área das Humanidades e, desde aquele momento, procurava cursar uma área baseada no pensamento crítico. Com bolsa parcial de estudos, generosamente oferecida pelo Colégio e Cursinho Equipe, pude fazer um dos melhores cursos preparatórios para a universidade, em O Equipe possuía um grupo dirigente opositor à situação e além do ensino, desenvolvia atividades culturais de referência na cidade de São Paulo, entre apresentações musicais, teatrais e, associavam-se ao diferencial na educação com a oferta de atividades extra sala, como disciplinas de música, oficinas, jornalismo, desenho arquitetônico, a qual cursei,

5 com o objetivo de prestar o curso de Arquitetura na FAU- USP. Não consegui ser aprovada no vestibular, já unificado, na Universidade de São Paulo, no entanto, uma segunda opção estava clara Sociologia e Política. O roteiro para cursar humanas estabelecia essa segunda opção. A matrícula na Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo, escola, fundada em 1933, ainda guarda a memória da ação de professores da Escola de Chicago nos estudos das comunidades, liderados por Donald Pierson e, na vertente etnográfica, pelo alemão Emilio Willems; dos franceses cientistas, pesquisadores da democracia racial da ONU, como Roger Bastide e Paul Bastide; de Florestan Fernandes e Oracy Nogueira, entre outros. O quadro dos professores pesquisadores da Fundação Escola de Sociologia e Política - FESP, complementar da Universidade de São Paulo, nos anos de 1970, já não desenvolvia tais pesquisas etnográficas, estatísticas ou projetos sociológicos. A renomada Escola Livre já não existia, mas atingida pela crise, e ainda agregava pensadores contemporâneos das áreas como: antropologia, economia, história e sociologia. Todavia, a inserção de professores, como Gildo Marcel Brandão (vinculado à FFLCH/USP), Amando Boito (atualmente Professor Titular de Ciência Política da Unicamp), Guido Mantega (hoje Ministro da Fazenda) um jovem economista na época, Horacio Luis González (hoje Diretor da Biblioteca Nacional da República Argentina), entre outros, fortalecia o ensino na vertente teórica marxista e na visão da economia furtadiana, até mesmo combinadas às visões mais conservadoras de professores defensores do regime que também estavam vinculados ao seu corpo docente. Portanto, no auge do movimento estudantil, havia o Debate. Os auditórios sempre lotados do final da década dos anos 1970 e nos anos que se seguiram marcados pelo Movimento Estudantil, Luta pela Anistia, Contra a Carestia, Pelas Diretas Já, quando compartilhei tais experiências de forma participativa. No ambiente acadêmico estavam renascendo as possibilidades de acesso amplo à informação para o conhecimento. A FESP testemunhou as crises sociais e, na trajetória das instituições de ensino, pautou pela resistência em continuar funcionando frente às suas crises internas. O fechamento da escola durante um ano não intimidou os alunos a continuar as aulas e manter o curso, o que provocou nas autoridades e gestores uma atitude de retomada àquelas práticas remodeladas pelas forças da democracia. Finalizada a graduação, em 1982, iniciei uma nova direção da profissionalização na escolha da pesquisa em acervos documentais. 3. Arquivos, oficinas, museus e bibliotecas Em 1982, retornei à família, por um período de dois anos. Por convite, ministrei aulas na Escola Nova (ensino fundamental por um ano) e na Faculdade de Pedagogia e Biblioteconomia de Mococa. Com a perspectiva e da experiência didática no interior paulista bastante limitada, com crises permanentes administrativas naquela instituição, resolvi voltar para a capital. Desta vez, direcionada a retomar os estudos e a trabalhar com documentos históricos. Determinada, consegui uma vaga de auxiliar administrativo proporcionado por um convênio entre Secretaria de Estado da Cultura, Arquivo do Estado e Imprensa Oficial do Estado.

6 A sede do Arquivo, ainda estabelecido na Rua Dona Antônia de Queiroz, agregava jovens formandos na área de História da Universidade de São Paulo e Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Além de ser um ambiente instigante para o pesquisador, por constituir fundos documentais com milhares de metros lineares de documentos sobre a história do estado, ao ocupar uma antiga fábrica de tapetes, as condições físicas do prédio pouco protegia o seu acervo. A partir de um convênio entre Secretaria de Estado da Cultura e Imprensa Oficial do Estado, fui contratada como Auxiliar Administrativo e as atividades estavam vinculadas ao setor de Pesquisa e Documentação no Arquivo Histórico. Por ali circulavam pesquisadores da História, Arquivologia, Ciências Sociais e Biblioteconomia como a Profa. Dra. Ana Maria de Almeida Camargo (USP/SP), Prof. Dr. Sebastião Witter, Profa. Dea Fenelon (PUC/SP), Profa. Dra. Heloisa Bellotto (USP e Unesp), entre outros que desenvolviam, junto com os funcionários públicos e estagiários, o projeto de valorização da pesquisa histórica no Arquivo. Destacaram-se como pesquisadores: Carlos de Almeida Prado Bacellar (atual Diretor do Arquivo do Estado), Viviane Tessitore (historiadora do Cogea/PUC/SP) e Vânia Carneiro da Cunha (historiadora do Museu Paulista). O objetivo da equipe, além da organização do Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo (Saesp), era realizar publicações do acervo junto à Imprensa Oficial do Estado; entre alguns fac-similes, desenvolver pesquisas para os Boletins do Arquivo; montar exposições temáticas como: escravidão, imigração, fontes de pesquisas; e, principalmente, estabelecer uma política de acervo na conquista de uma nova sede para o Arquivo do Estado, hoje instalado na Av. Voluntários da Pátria, também ocupando uma edificação de antiga fábrica têxtil. Outra oportunidade abriu-se nesse novo momento em que se estruturava a pesquisa da Arquivologia para a valorização do documento histórico, com a orientação de profissionais da informação no cotidiano de uma instituição pública de guarda. As historiadoras, bibliotecárias e funcionários construíram cursos internos nessas instituições, com caráter de treinamento, muito em razão da ausência de disciplinas universitárias que, naquele tempo, abrangessem a contento a necessidade da formação de posturas conscientes da preservação histórica. A participação proporcionou-me uma visão quanto ao envolvimento e à necessidade de organização de sistemas, cujos primeiros contatos com essa estrutura, auxiliou-me na definição de uma série de atitudes de pesquisa ao longo de minha vida profissional, principalmente em valorizar as séries documentais dos fundos arquivísticos do acervo. A documentação gerada por aquela entidade, ainda eram resguardados, mais pelos esforços individuais do que propriamente por uma política de preservação efetiva de governos. O Arquivo do Estado, que antes era apenas um órgão de Departamento da Secretaria de Cultura Estado, hoje pertence à Casa Civil, do Governo do Estado. A partir daquele momento, sempre esteve presente a busca da informação em acervos documentais, fontes primárias e o desejo de expor as informações dos corações das instituições: os acervos A importância das Oficinas Culturais da década de 1980

7 Paralelamente, na cidade de São Paulo, como programa de governo estadual mas alinhado ao processo de sedimentação da democracia, as animadas oficinas culturais ofereciam pequenos cursos no âmbito das artes, da cultura e da ciência. As Oficinas Culturais Três Rios, um órgão da Secretaria de Estado da Cultura, realizaram, em 1988, a oficina Noções básicas de preservação de fotografia. Tais oficinas, baseadas no modelo de Ação Cultural Cubana, eram organizadas por Pedro José Braz, agente cultural, agregador dos profissionais das instituições como Fundação Nacional de Artes (Funart), Universidade de São Paulo (USP), Cinemateca Brasileira etc. Alguns meses depois, conheci Julio Abe Wakahara que, na procura de alguns bicos, ofereceu-me a coordenação de pesquisa e textos do Projeto Museu de Rua do Embu, em Tomei esse trabalho de pesquisa no acervo da Secretaria da Cultura do Embu, no identificação de imagens das famílias locais, combinadas aos depoimentos colhidos com a comunidade como um desafio, envolvendo-me num procedimento adotado por Julio Abe. O eixo das discussões do papel do museu nos países subdesenvolvidos era apresentado pelo museólogo francês Hugues de Varine e Waldisia Russio, museóloga brasileira, que adicionava à pesquisa documental a produção de imagens, e à pesquisa direta com a comunidade. Além de utilizar como recurso as imagens fotográficas dos acervos familiares e da história oral, que ainda conhecida como entrevistas. Ao expô-las, editadas com legendas e pequenos textos em papel fotográfico nos espaços públicos, em formato de exposição, realizava-se a crítica aos museus, instituições fechadas em si mesmas, até então restringiam-se ao gosto da elite e não desenvolviam uma política cultural voltada para a população. Aos grupos de pesquisadores e gestores de instituições documentais, o que importava era que a informação poderia modificar a consciência do sujeito ao realizar atividades comunitárias com caráter da pesquisa histórica. Nesse mesmo ano, em maio, o historiador italiano Angelo Trento ministrou o Curso Un Secolo di Emigrazione Italiana in Brasile, através do Instituto Italiano de Cultura. O livro Do outro lado do Atlântico: um século de imigração italiana no Brasil proporcionou-me potencializar a pesquisa documental, apesar da timidez. Para melhor compreensão do contexto histórico e cultural, em função da grande influência italiana no Estado, aproveitava a condição de auxiliar administrativo, vínculo empregatício, para pesquisar os documentos acondicionados, ainda em latas (armazenados, do período imperial ao período republicano), nas horas vagas das atividades no setor de publicação do Arquivo do Estado. Incentivada com tantas possibilidades, organizamos várias exposições no espaço interno do prédio do Arquivo. Entre elas, a exposição do acervo: Fontes para a História da Escravidão em São Paulo, em conjunto com os históriadores Viviane Tessitore e Carlos Bacellar. Desta maneira, tentei aprimorar a experiência no Arquivo, de forma muito agradável, com as orientações, no horário do almoço ou após o expediente, do arquiteto e museólogo Julio Abe Wakahara, que foi selado no Curso de Treinamento Projeto Museu de Rua, também organizado pelas Oficinas Culturais Três Rios, no Bairro do Bom Retiro. Em 1985, a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, em parceria com a Fundação para Pesquisa Ambiental (FUPAM), sob coordenação do Prof. Dr. Nestor Goulart, desenvolveu o curso de Especialização em Patrimônio Cultural (360 h), com

8 professores com expressão literária e militância na área de preservação patrimonial, apresentando e ministrando temas inovadores para o momento, como: Patrimônio Cultural e Desenvolvimento, História e Patrimônio Cultural, Patrimônio e Acervo Fotográfico. Os professores convidados Ernani da Silva Bruno, Ulpiano Bezerra de Meneses, Regina Meyer, Cândido Malta, Julio Katinsky, entre outros, ministraram o curso e discutiram a memória e práticas de preservação patrimonial exemplificadas em visitas técnicas a acervos, ao centro da cidade de São Paulo e viagens curtas para a Usina de Itu, Paranapiacaba, o Engenho de Açúcar São Jorge dos Erasmos, objetivadas no estudo do Patrimônio Arquitetônico e Ambiental do Estado. Desse aprendizado, desenvolvi a monografia sobre os aspectos arquitetônicos e socioculturais da Santa Casa de Misericórdia de Mococa, fundada em Com esse exercício da pesquisa documental da República, da imigração italiana e da influência arquitetônica urbana no desenvolvimento social orientei-me para um olhar da preservação patrimonial com o viés da formação do acervo institucional. Esse foi, talvez, o ponto inicial da minha formação acadêmica que objetiva a pesquisa da mediação e interação do social em seu tempo. Em 1987, pude participar da III Semana Paulista de Fotografia, ao participar do curso sobre Montagem de Exposições, nas Oficinas Culturais Três Rios, e do IV Seminário Nacional de Arquivos Estaduais, da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, organizado por Celina do Amaral Peixoto Moreira Franco, diretora do Arquivo Nacional. Definitivamente, o encontro com profissionais da área de arquivística auxiliou-me para compreender a construção de uma maneira de pensar e construir o trabalho profissional nessa área, ampliada por várias vertentes da descrição e da interpretação documental. A Profa. Dra. Ana Maria de Almeida Camargo, da Universidade de São Paulo, consultora do Arquivo do Estado, sempre presente nas orientações dos trabalhos dos pesquisadores, profissionais das instituições e empresas curadoras de seus acervos e estagiários, ministrou, com outros profissionais, o Curso de Arquivos e Princípios Arquivísticos, organizado pelo Departamento do Arquivo do Estado, cuja diretora era a historiadora Inês Etienne Romeu. Será relevante observar a carência de escola formal na formação do arquivista e do desenvolvimento de uma teoria sedimentada e que fosse suficiente para romper com a inércia das curadorias documentais e dos velhos paradigmas da conservação isentas da ação. Através das professoras citadas, além da Profa. Heloisa Bellotto, Profa. Daise Aparecida de Oliveira que, pioneiras da área da arquivologia, não abandonaram o aluno ingresso na universidade ou aqueles interessados na pesquisa documental. Naquele momento foi constituída da Associação dos Arquistas de São Paulo, ARQ-SP, a qual sou filiada. Uma outra visão de documento visão despontava no horizonte de novas mídias como da fotografia além do registro e do audiovisual. A IV Semana Paulista de Fotografia com a Oficina A fotografia e a pequena história de Walter Benjamin, coordenada por Maurício Lissovsky, na Oficina Cultural Oswald de Andrade identificava outro suporte para que pudéssemos trabalhar: a fotografia na discussão da arte-registro-documento. O vídeo foi por trinta anos a ferramenta ideal para o transito da arte e do documento videográfico.

9 Provocada por tantas possibilidades, após cinco anos de permanência no Arquivo do Estado, pedi transferência para o Museu da Imagem e do Som, também órgão da Secretaria de Estado da Cultura, onde desempenhei as funções de pesquisadora do acervo, criei produtos (instrumentos de pesquisa e exposições); de Chefe do Setor de Documentação e da função de atendimento ao público. Com isso, iniciei um processo de conhecimento do acervo de multimeios do MIS, compreendendo, ao mesmo tempo, que o atendente deveria saber contextualizar as solicitações do consulente. A partir do acervo (fotográfico e de objetos), iniciei pesquisas em temáticas culturais objetivando exposições, confeccionando catálogos, como instrumentos de pesquisa, documentação de trabalhos realizados nas coleções do Museu da Imagem e do Som de São Paulo, entre os quais: registros documentais fotográficos da TV e Rádio Bandeirantes e da coleção Miécio Café; exposição As cantoras do Rádio ( ); recuperação de conto/carta de Anita Malfatti O anjo fardado e exposição de objetos pessoais da artista. Em 1990, realizamos um pequeno diagnóstico do acervo e exposições temáticas como: Índios da Amazônia, do fotógrafo Harald Schultz ( ) e Estrada de Ferro Madeira Mamoré, do fotógrafo Dana Merril (1920). Nesta última, conseguimos a recuperação dos originais, fazendo a doação para o acervo do Museu Paulista, da Universidade de São Paulo, em Naquele momento, a parceria com o fotógrafo, arquiteto e antropólogo Pedro Ribeiro estimulava a sair do lugar comum, para dirigir o olhar para o processo de construção fotográfica e, numa tarefa museológica, para as necessidades da conservação e preservação do acervo. Assim, convidei João Sócrates, fotógrafo e especialista em preservação de fotografia hoje é referência mundial e possui uma empresa em Londres de preservação de filmes, para oferecer uma oficina aberta, capacitando os funcionários do Museu da Imagem e do Som. O lugar da fotografia, em amplas discussões museológicas e no âmbito acadêmico, migra de ilustração para fonte, surgindo daí profundas modificações na maneira de ver, construir, destruir e recriar a realidade a partir da imagem e suas inúmeras maneiras de reprodutividade. No ano seguinte, por estar trabalhando com o acervo do MIS/SP, o artista norueguês Bard Breivik, indicado para representar a Noruega e expor na 21ª Bienal Internacional no Brasil, convidou-me para realizar uma pesquisa de campo. Desta forma, o jornalista Jan Fjeld e eu elaboramos uma viagem baseada no percurso da Expedição Roncador-Xingu, realizada pelos irmãos Villas-Boas na década de Após um ano de pesquisa em acervos e arquivos etnográficos, partimos para o Parque Parabubure (Xavante) e Parque Nacional do Xingu (Kuikuro), pesquisa autorizada pela Funai, que derivou no escopo da pesquisa em que se baseou para desenvolver o seu trabalho para a Bienal Internacional. Jan Fjeld, jornalista norueguês, e eu elaboramos o projeto de pesquisa de campo, para se realizar a mediação, baseado no roteiro da Expedição Roncador-Xingu. Foi definido um trajeto de viagem para o Centro-Oeste, após consultarmos algumas lideranças: Orlando Villas-Boas, indigenista e responsável pela Expedição Roncador-Xingu; Ailton Krenak, criador da então União Nacional Indígena (UNI), do Centro de Cultura Indígena e que atualmente trabalha para a preservação da aldeia Krenak, na Serra do Cipó em Minas Gerais; Megaron Txucarramãe, na época diretor do Parque Nacional do Xingu (1992); os caciques xavantes Paulo Nonda Tsemova e José Luis, que atuavam na luta dos direitos sobre a terra e cultura xavantes.

10 Diante da tarefa de entender e mediar para o artista o que o índio percebe e constrói, optamos por estabelecer critérios nos moldes etnográficos, como os realizados por Harald Schultz em sua coleção de pesquisa etnográfica, cedida pelo etnólogo aos museus já mencionados. Por meio da fotografia materialidade dos sentidos culturais foi possível acompanhar o processo de criação do artefato indígena, na seleção e uso dos elementos vegetais e orgânicos, ainda amplamente aplicados para a confecção da tecnologia tradicional. A mediação da pesquisa e a mediação apropriativa das fontes cumpriram suas etapas a partir da elaboração do projeto, que exigiu critérios, procedimentos do mediar conteúdos temáticos da realidade indígena para conseguirmos o acesso aos parques nacionais, à documentação de acervos e aos depoimentos orais que permitissem o entendimento da cultura indígena pelo artista estrangeiro. Esse escopo teórico está presente no próprio conceito da pesquisa antropológica, nas relações interculturais de contato com o outro, mesmo que a ideia de contato nos remeta aos ideais das premissas e observação positivistas; forçosamente, o exercício de um distanciamento em relação à cultura do outro e ao próprio outro. É o que é denominado de distanciamento do objeto, apregoado pelas Ciências Sociais no período de formação das suas bases da teoria moderna. Reside na contradição do contato contemporâneo, da cultura do outro, a necessidade de interação ou de mergulho na cultura desconhecida No nosso caso, a cultura indígena formou-se como fonte mediadora para uma realização profissional artística conceitual. A responsabilidade das posturas criativas e a ética profissional são discutidas em trabalhos acadêmicos e profissionais, principalmente no que se refere à utilização da imagem do índio e do negro, seja fotográfica ou textual, cinematográfica ou iconográfica. O projeto exigiu um breve contato com os índios, cerca de dois meses, o que consideramos suficiente para os nossos objetivos. No entanto, restou-nos daí uma dívida temporal e conceitual, que não é possível transpor em transcrição textual. Ao menos os recursos informacionais podem sustentar a disseminação e apropriação do conhecimento, redimensionado a partir das mediações culturais em que as experiências superam as observações superficiais. Esta vertente indica que o meu trabalho profissional auxiliou na organização, na reflexão sobre a ideia de fazer um autorretrato e esclareceu sobre a necessidade de hierarquização de objetivos para identificar e caracterizar a mediação cultural. No ano de 1992, fiz uma viagem à Itália, especialmente visitei acervos (Arquivo da Igreja Católica sobre a América Latina em Verona), à Suíça (Biblioteca da Universidade e Faculdade de Direito de Berna) e à Inglaterra (Biblioteca da Royal College), onde o reconhecimento de bibliotecas, museus e arquivos favoreceu eliminar o sentimento, muitas vezes inevitável, do brasileiro, de se achar atrasado em relação à tecnologia europeia. Por longo período, defendi a ideia de que o pesquisador precisa imprimir a valorização do universo documental da cultura brasileira. Foi quando passei a ter uma empresa (microempresa encerrada), prestando serviços de organização de documentação e acervo para

11 museus, arquivos, coleções particulares, atuando em momentos políticos difíceis, como no período do governo Collor e do governo Fernando Henrique Cardoso, na presidência do Brasil. Em 1994, desenvolvi a pesquisa para o filme curta-metragem Criaturas que nasciam em segredo (21 min), de Chico Teixeira, prêmio de Melhor Documentário de Cinema no Festival de Gramado de Para esse trabalho, procurei pesquisar (bibliografia, entrevistas com autoridades médicas e da área da psicanálise) e analisar os documentos produzidos, além de frequentar a disciplina do antropólogo Prof. Dr. Edgar Assis Carvalho, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Dessa vertente do universo cultural antropológico, realizei também a pesquisa, a partir de história oral, para o filme longa-metragem Carrego Comigo, de Chico Teixeira, cujo recorte foi a vida de gêmeos: confundidos pela polícia, um deles, gêmeo idêntico, acusado, cumpria pena na Casa de Detenção de São Paulo - Carandiru no lugar do irmão. Em 1996, trabalhei na pesquisa e roteiro do vídeo (SVHS, 5 min) Areia e Argila no Vale do Paraíba, para o Museu de Antropologia do Vale do Paraíba, em Jacareí, para a Fundação Cultural de Jacarehy, Estado de São Paulo. Além da assessoria, o projeto previa o tratamento e divulgação do acervo. Desta forma, realizamos exposições, catálogos e a organização de Ciclo de Palestras sobre Arte Sacra e Museologia, com professores titulares da Unicamp e da USP. A catalogação da Coleção de Arte Contemporânea/20 anos Galeria Luisa rina Bairro Cerqueira Cesar, São Paulo, com a elaboração de subsídios para a organização de Banco de Dados do acervo de arte contemporânea e a produção de catálogo da galeria, em parceria com a curadora Luciana Brito, permitiu recontextualizar a informação do artista com vínculo com essa galeria precursora da arte contemporânea no país. Ao mesmo tempo, senti a necessidade de conhecer melhor os públicos de cultura, denominados usuários de equipamentos culturais, e participei do grupo de monitoria para a 22ª Bienal Internacional de Artes de São Paulo, compreendendo que os conteúdos informacionais da Arte devem estar associados aos processos percorridos pelos participantes (artistas) e ao conhecimento apropriado pelo grupo monitorado (atores da mediação). No período da presidência da República de Fernando Henrique Cardoso, em 1998, a convite da professora e artista plástica Regina Silveira, participei do projeto Universidade Solidária do Conselho da Comunidade Solidária, na Unidade Móvel de Cultura no Nordeste, com a obra itinerante Quebra-Cabeça da América Latina (continua...), da própria artista plástica Regina Silveira, como consultora, a partir de contratação da Unesco, em parceria com o Conselho da Comunidade Solidária. No ano seguinte, atuei no Projeto Capacitação e Renda, junto a entidades civis/ongs na Paraíba, acompanhando o trabalho desenvolvido pelos museus de Pernambuco, Sergipe, Bahia e, posteriormente, documentando a construção de cisternas para captação e armazenamento da água da chuva. Dessa maneira, pude compreender a situação do meio ambiente prejudicado pelas condições sociais na seca, a luta pela sobrevivência do sertanejo no local e a inevitável migração para o Sudeste brasileiro. Ainda em relação ao Nordeste, fui convidada para documentar, com uma câmera VHS, as atividades de orientação musical da ONG Fundação Quinteto Violado (Pernambuco), o trabalho com o couro e as atividades de participação no mercado do terceiro setor. A pesquisa realizada para a artista plástica Rosângela Rennó, deu a esse trabalho não só um questionamento a possibilidade de

12 recriação das imagens do acervo ( ), produzido pelo psiquiatra Dr. Moraes Melo, material de negativos de vidro abandonado e isento de técnicas da organização documental, mas também da aprovação da pesquisa do mesmo acervo, liberado a partir de autorização da Secretaria de Administração Penitenciária, transformou-se em uma obra de arte Cicatrizes, de autoria de Rennó. A atuação no interior foi como consultora para a organização de acervo do Museu de Artes Plásticas Quirino da Silva, fundado na década de 50, Mococa, SP (por meio da Lei de Incentivo Estadual à Cultura), infelizmente sem continuidade. Em 1998, durante a pesquisa no Projeto de Exposição sobre Florestan Fernandes para uma homenagem no Arquivo do Estado de São Paulo, cuidei para não omitir os conceitos de relevância e relacionar os conceitos fundadores da Sociologia com o papel social e político de Florestan Fernandes. Entrevistas com familiares, com contemporâneos na Universidade de São Paulo e na formação do Partido dos Trabalhadores agregaram fontes extraordinárias para uma exposição itinerante. Em 2000, fui indicada para participar da elaboração do Dossiê Fotografia é Arte para o Projeto Êxodos do fotógrafo Sebastião Salgado (BEI-Comunicação), com o objetivo de esclarecer a categoria de Arte para a fotografia de Sebastião Salgado, inserida na discussão Fotografia-Arte. O meu trabalho foi documentar e reunir pareceres, artigos de especialistas, críticos, curadores e jornalistas, publicados em revistas e jornais (Veja, Humboldt, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Gazeta do Povo, O Globo, Le Monde), e textos publicados por pesquisadores, bem como informações retiradas dos catálogos de leilões da Sotheby s e indicações de suas cotações no mercado da arte fotográfica. Tal documentação também demonstrou a programação de exposições fotográficas dos museus de arte internacionais; o relatório publicado na enciclopédia QUID; o conceito de Patrimônio Cultural e a fotografia como patrimônio cultural na França e documentos do Curso de Artes Visuais e de Fotografia em Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Muito perto dessa elaboração, realizei o Projeto de Recuperação da Documentação Fotográfica Rondônia/1956, do Historiador Manoel Rodrigues Ferreira (com apoio na Lei Rouanet) e o Projeto de Documentação Fotográfica do Artesanato Nordestino Pernambucano junto à Cooperativa de Artesãos em Couro de Serrita, PE. O Projeto de Recuperação da Coleção Fotográfica do americano Dana Merrill (1912), fotógrafo da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, foi submetido à Lei Rouanet e, depois de um longo processo, pertence ao acervo disponibilizado em banco de dados do Museu Paulista da Universidade de São Paulo, desde A documentação proveniente de acervos públicos, históricos ou artísticos, foi o universo por mim pesquisado em diversas regiões do país, especificamente no Centro-Oeste, Nordeste e Sudeste brasileiros. Dentro das extremidades sociais e contradições das políticas de acervo, encontramos os sistemas de acesso digitalizados ou ainda disponibilizados de forma precária em simples listagens. Esses aspectos de acessibilidade não foram limitantes para as minhas pesquisas. A partir do ponto de vista institucional das regiões brasileiras, isto é, dos seus locais de armazenamento e estados de conservação, se assim poderão ser avaliados, tais conjuntos documentais são irregulares e não contavam com disponibilidade informacional. Ao contrário,

13 em todos esses anos de pesquisa em acervos, sempre contei mais com a disponibilidade humana nos serviços de referências do que com equipamentos informacionais. Na maioria das vezes, as pessoas são os melhores veículos para o acesso à informação, quando ainda não há recursos informacionais de uso público na inserção da tecnologia e inclusão social. A execução de projetos para apropriação pesquisa, recuperação, tratamento e disponibilização de informações, a partir de acervos, coleções e registros documentais de diversos suportes, necessitaram de pesquisa documental em dezenas de acervos privados, públicos e as experiências e atividades realizadas. Entre eles: Arquivo do Estado de São Paulo, Museu da Imagem e do Som, Fundação Bienal Internacional de São Paulo, Museu de Antropologia do Vale do Paraíba, Galeria Luisa Strina, Escritório Luciana Brito, Secretaria de Estado da Cultura, a experiência com o Museu Paulista da Universidade de São Paulo e as atividades no Conselho da Universidade Solidária, Unesco. 3. Ciências da Informação do mestrado ao doutorado: âmbito informacional Ao memorar o percurso acadêmico na área das Ciências da Informação e Documentação, identifico os argumentos pautados no sentido da busca em definir uma linha de atuação profissional diferenciada. Dos esforços na luta pela sobrevivência procurei associar a atuação na área documental, com conceitos teóricos através de disciplinas que procurei realizar sem um vínculo formal com a Universidade de São Paulo e Pontifícia Universidade Católica. Ainda, tais atuações criaram produtos que, entre eles, destaco os produtos construídos a partir das linhas de pesquisa da Ação Cultural (ME), da Organização da Informação (DO) e da Mediação e Informação (Projeto de Pesquisa). Nos campos de trabalho, museus, arquivos, bibliotecas foi possível elaborar instrumentos da pesquisa documental, de gêneros documentais diversos (imagem e texto), e utilizar processos tecnológicos utilizados na recuperação como aluguns catálogos do acervo do Museu da Imagem e do Som. As relações práticas e teóricas com História e Arte Contemporânea foram sinalizadas durante o período de mestrado. Assim como realizar a disciplina A vertigem do olhar: fotografia e Arte no século XX, ministrada pela profa. Annatereza Fabris, das Artes Plásticas da ECA/USP, e associar os focos de análise da criação fotográfica com outras ministradas pelas professoras Johanna Smit, Nair Kobashi e Fátima Tálamo, da disciplina Análise Documentária, no Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação e Documentação, em que se observavam os documentos além do seu suporte, a partir dos seus sentidos e significações nos contextos sociais, para processamento e disseminação. A preocupação com mediação veio quando iniciei o projeto de pesquisa para ingresso no mestrado. Naquele momento, o país atravessava um período mais animador do que se encontrava em anos anteriores. Afinal, foi eleito um presidente da República sociólogo Fernando Henrique Cardoso e professor da Universidade de São Paulo. As esperanças foram depositadas e ampliadas para a transformação da sociedade brasileira.

14 O país seguiu o rumo do projeto neoliberal, com suas incertezas e continuidade dos problemas, comuns à grande maioria dos brasileiros. Como trabalhar com cultura em uma sociedade não possuidora de uma Política Cultural eficiente? Como trabalhar em projetos que possam ter prosseguimentos sem ser interpelados ou ameaçados por uma ruptura política brusca e demolidora do que foi iniciado? A formação do mestrado, portanto, foi definitiva para esclarecer as possibilidades de Ação Cultural. Assim, apresentei e conheci projetos que foram discutidos com colegas, em sala de aula, durante as disciplinas das áreas específicas da medição, organização, tratamento, recuperação e disseminação da informação. A primeira vertente dessa relação com as Ciências da Informação diz respeito à articulação profissional, considerada pela orientação de disciplinas cumpridas ao longo de 20 anos, nas áreas das ciências humanas, antropologia, arte contemporânea e história, na Universidade de São Paulo e na Pontifícia Universidade Católica. O mestrado na Ação Cultural do Curso Ciências da Informação, com o tema Ação Cultural: relato de três experiências de mediação em arte contemporânea, orientado pelo Prof. Dr. Martin Grossmann (ECA/USP), revelou processos de pesquisa nos acervos institucionais, relatou procedimentos adotados, associando as informações arquivadas, indicou como foi construída a figura do mediador. A análise determinou territórios de atuação, enquanto campos de referência, para que as premissas institucionais pudessem iluminar e diferenciar a atuação do mediador frente aos acervos e seus suportes da informação. Cada um dos três capítulos da dissertação enfocou o projeto de autoria dos artistas, apresentando três momentos de procedimentos de mediação, relacionando questões históricas e sociais. Para dar suporte ao artista norueguês Bard Breivik, expositor da 21ª Bienal Internacional de São Paulo, cujo trabalho derivou na construção de instalações e esculturas, valorizando as técnicas construtivas dos povos indígenas, a mediação por mim realizada se definiu pela investigação em acervos culturais, associada à pesquisa de campo no Parque Xavante e Aldeia Kuikuro (Parque Nacional do Xingu). A segunda pesquisa, descrita na dissertação, foi realizada para a artista plástica Rosângela Rennó. Esse trabalho não só questionou a possibilidade de recriação da imagem do acervo produzido pelo psiquiatra Dr. Moraes Melo, na década de O Projeto Cicatriz recuperou e transformou um acervo de negativos de vidro, das coleções fotográficas produzidas para documentação e investigação policial e psiquiátrica, em obra de arte. A partir de seu convite para processar o tratamento documental, construí uma experiência profissional em que pude acompanhar o trabalho da artista que dialogou com a lógica de transformar a informação apropriada em acervo anônimo do universo social e, a partir da recriação e dos signos artísticos das tatuagens de corpos de presos (excluídos da vida social), o inseriu no contexto dos acervos da linguagem contemporânea das artes plásticas. A terceira pesquisa foi desenvolvida no Nordeste, em cidades de quatro estados Alagoas, Sergipe, Bahia e Pernambuco montando a obra O Quebra-Cabeças da América Latina...continua, da artista Regina Silveira, em pequenos grupos, permitindo apropriações e

15 recriações resultantes das provocações multiculturais proporcionadas pela manipulação de imagens da história latino-americana da obra da artista brasileira. Ao olhar um panorama profissional, de longo período, no cenário institucional paulistano, os problemas se ampliaram e uma das formas de se aproximar das soluções é buscar entender o crescimento dos profissionais nestas próprias soluções que, de forma definitiva, deixaram de improvisar. A decisão, ou talvez o encontro com os professores da área das Ciências da Informação da Escola de Comunicações e Artes da USP, com as opções das linhas de pesquisa e, principalmente, o caminho percorrido a partir do conceito de ação, mediação e informação, proporcionou-me, inicialmente, a opção de entendimento das ações que já estavam plantadas na atuação profissional desde 1985, no Arquivo do Estado de São Paulo. Devo esta confiança ao orientador de mestrado Prof. Dr. Martin Grossmann. Contribuições, identificações e realizações, todavia, as dúvidas surgem na fronteira social no emergir dos problemas que também podem responder a uma pergunta sobre a intervenção nos acervos e a observação dos contextos culturais e históricos. Os valores patrimoniais culturais: pertencimento do sujeito, cultura material e cultura imaterial, disponibilidade e acessibilidade dos bens sempre nortearam o ensino dos professores aos quais busquei orientação. Ao contrário de como é visto comumente o processo de pesquisa na Ciência da Informação, nos anos da década de 1980 estavam restritos aos procedimentos técnicos ou ao desprezo à sua aplicação do papel do mediador, do então denominado agente cultural (na atualidade, mediador). O que se construiu foi edificante para a linha de pesquisa mediação - um campo ainda mais vasto de atuação, porque se consideram as experiências empíricas, aplicações metodológicas, como segmentos práticos para a elaboração da teoria da Ciência da Informação. Contudo, as transformações de minha pesquisa e a análise acadêmica devem-se ao meu vínculo profissional com a Secretaria de Cultura do Município de Ribeirão Preto, na direção dos dois museus em Ribeirão Preto (Museu Histórico e Museu do Café), tomados como pesquisa de campo, por dois anos no desenvolvimento do doutorado, e à minha admissão no processo seletivo da Universidade de São Paulo, no Departamento de Física e Matemática, em 2004, no Curso de Ciência da Informação, nessa mesma cidade. Contudo, para melhor esclarecer os eixos de pesquisa, irei relatar o período de instalação na cidade de Ribeirão Preto. 4. Museu Histórico e Museu do Café de Ribeirão Preto Após a finalização do mestrado na ECA-US P, com a dissertação em Ação Cultural, com o término da Bolsa Capes, no valor de R$ 800,00 (oitocentos reais) não poderia sobreviver na cidade de São Paulo. Enviei o curriculo vitae para algumas instituições, prestei concursos públicos (Agência Nacional de Saúde e Fundação Oswaldo Cruz, ambas no Rio de Janeiro)

16 apesar de aprovada em duas fases, não fui selecionada para os cargos correspondentes, durante a entrevista. Em outubro de 2001 um trabalho temporário, durante a 2ª Feira do Livro de Ribeirão Preto, trouxe-me a Ribeirão Preto e, a convite do Secretário da Cultura, Galeno Amorim, passei a coordenar os trabalhos de preservação do arquivo público e de dois museus no cargo de coordenação da área patrimonial da Secretaria Municipal de Cultura. Assim, do projeto de Planejamento do Museu Histórico e do Café, Plano Diretor para os Museus, formação de comissões entre USP e Prefeitura Municipal (vale lembrar que os museus municipais ocupam a área do Campus USP e são tombados pelo patrimônio estadual) é possível identificar a magnitude dos problemas encontrados na edificação, entorno, cuidados do tratamento do acervo, reserva técnica, monitorias. Assim, no projeto apresentado ao secretário municipal relatei: [...] De outubro de 2001 a março de 2003, medidas de urgência e o projeto de reforma estrutural provocaram a identificação de problemas museológicos e a necessidade da elaboração de um Plano Diretor para estes museus [...]. (ESPÍRITO SANTO, 2003). Com planejamento conjunto com o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat), órgão da Secretaria de Estado da Cultura, que tem por objetivo proteger, valorizar e divulgar o patrimônio cultural no estado, providenciamos a retirada das telhas e a sua lavagem, o que para mim representou uma atitude além do sentido da preservação. Ao recolocá-las, comprova-se o desafio da conservação no modo de fazer, de quem o fez, no sentido da beleza e na ação mediadora do patrimônio edificado (intervenção e criar acessibilidade) inicialmente numa fazenda produtora de café e, posteriormente, no Campus da Universidade de São Paulo, no Museu Histórico e de ordem geral Plínio Travassos dos Santos e no Museu do Café Cel. Francisco Schmidt. A realização de uma exposição: Novos Tempos para os Museus Histórico e do Café de Ribeirão Preto, deu início à reabertura dos museus após quatro meses de reforma estrutural e de recuperação dos prédios do século XIX e de 1948, e suporte à monitoria universitária na recepção e no agendamento de escolas do ensino fundamental, médio, superior e do público espontâneo. A exposição, composta de oito painéis, construídos a partir de sobras de madeira peroba rosa, solução econômica da maneira do reciclar, foi elaborada mediante a experiência, execução dos projetos e medidas urgentes. Conta com a exibição de documentos textuais, registros fotográficos do cotidiano da reforma dos prédios dos museus, fragmentos de composição das antigas construções, peças classificadas, objetos históricos encontrados nos porões, do uso da área verde pela comunidade, dos princípios e objetivos de um Plano Diretor para os museus. (ESPÍRITO SANTO, 2003).

17 Em 2003, com a apresentação do Projeto de Restauro dos museus Histórico e do Café ao Ministério Público, à Prefeitura Municipal e ao Condephaat e a participação no Curso Formação de Público em Ação Cultural, da Profa. Dra. Maria Helena Pires, da ECA/USP, no programa de doutorado, definiram-se as próximas fases desafiadoras na atividade de Coordenação da Memória Histórica de Ribeirão. Desta forma, nova questão surgiu compondo as ideias de intervenção: como associar a experiência com pesquisa cultural, mediação e a necessidade de tratar esses mesmos acervos e disseminação social? A atuação profissional nos museus da cidade de Ribeirão Preto, estado de São Paulo, contribuiu para uma discussão da importância da pesquisa em torno da identidade cultural desses museus, do distanciamento da academia apesar de ocupar um espaço interno na Universidade de São Paulo, da ausência de uma comunicação entre a produção de conhecimento e o atendimento público. Por isso, estratégias relacionadas a uma determinada política cultural do município foram tomadas. No exercício no cargo de Chefe de Preservação do Patrimônio Histórico da Secretaria de Cultura de Ribeirão Preto, com diretrizes estabelecidas pelo governo aos Museus e Arquivo Público Municipais, no período de outubro de 2001 a janeiro de 2004, pude contribuir para localizar os problemas comuns às administrações públicas, enfrentados no campo da Cultura, na ausência de um projeto de preservação. Mesmo assim, reorganizamos o Conselho de Patrimônio Arquitetônico, Artístico e Cultural de Ribeirão Preto (Conpaac), no qual atuei como primeira secretária, buscando compreender as necessidades da comunidade e, nesse campo de atuação (ESPÍRITO SANTO; REGISTRO, 2005), conseguindo várias vitórias práticas, como o uso público de verba compensatória para restauro dos museus em questão. Passaram-se os anos e boa parte desse tempo permaneci em instituições de guarda, preservação de acervos mediados pelas técnicas aplicadas à biblioteconomia, arquivologia e museologia. Todavia, agregam-se a participação e organização de seminários, de oficinas, encontros e, principalmente, ações sociais nos programas como Conselho da Comunidade Solidária e Projeto Rondon, em sua fase na democracia, a partir do Governo Lula. 5. A experiência de docência no quinquênio na USP 2004/ no Curso Ciência da Informação e da Documentação. Reflexões e práticas A narrativa deste memorial, a partir deste ponto, inclui a informação do vínculo como professora Assistente, admitida por processo seletivo na categoria MS-2, para ministrar disciplinas no Curso de Ciências da Informação e da Documentação, no Departamento de Física e Matemática, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, no campus da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto. E após o quinquênio na condição precária, a aprovação no concurso para a vaga de Mediação e Informação, inaugurou uma nova fase em minha vida profissional e na acadêmia.

18 Nele estão demonstradas as atividades relativas à construção do Ensino, Pesquisa e Extensão, com dedicação exclusiva do vínculo empregatício, do funcionalismo público, com a Universidade de São Paulo, desde maio de Tais atividades procuraram e objetivaram consolidar o processo de formação profissional no contexto de competências da Ciência da Informação, cujas linhas de organização da informação e de mediação da informação orientam, até o presente momento, o exercício profissional. O desenvolvimento do projeto de doutorado, levando como tema a formação dos acervos dos museus Histórico e do Café, foi desenvolvido a partir do conceito de colecionismo, com foco na personagem empreendedora dos museus, em sua forte noção e ideário de uma instituição pública voltada para a educação, especialidade da liderança do educador, jornalista, advogado e museólogo Plínio Travassos dos Santos, de 1948 a A tese foi defendida no ano de 2009, na Universidade Estadual Júlio Mesquita (Unesp), campus de Marília. Procuro demonstrar, neste breve cenário, a experiência de docência no quinquênio ( ), a relação da pesquisa acadêmica com a orientação dos alunos sem bolsa e dos contemplados com as bolsas Ensinar com Pesquisa e Aprender com Cultura e Extensão, a criação e desenvolvimento dos projetos de extensão dirigidos à comunidade ribeirãopretana, além de discutir os processos da investigação da mediação da informação e da memória institucional, no município e região de Ribeirão Preto. No período de 2007 a 2009 as pesquisas orientadas de Trabalho de Conclusão de Curso focaram as materialidades de seus acervos, tonificadas pelas ênfases e fundamentos teóricos da Ciência da Informação, descrita abaixo: 1. Elaine Marcussi. Vila Tibério: um patrimônio da cidade em transformação. Documentação fotográfica e a Organização da Informação a partir do acervo do Jornal da Vila de Ribeirão Preto Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e Documentação) Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Ingresso no Mestrado na Escola de Enfermagem da USP/RP. 2.Marcel Santos. A Análise da Metodologia de Indexação: Documentos Iconográficos em Bibliotecas Escolares Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e da Documentação) Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Priscila Sato. O Museu de Arte de Ribeirão Preto: estudo do usuário Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e da Documentação) Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Talita Carvalho. Patrimônio Cultural em Descalvado: contexto e sistematização Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e da Documentação) Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Najara Gomes. Resgate de memória institucional: um estudo de caso da Companhia açucareira Vale do Rosário Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e da Documentação) Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007.

19 6. Gisele Machado da Silva. A linguagem dos documentos administrativos da Rede Estadual de Ensino: um estudo sobre o acesso e uso dos professores Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e Documentação) Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Nair Silva de Oliveira. Proposta de Guia de Fontes Bibliográficas para profissionais do Programa de Saúde da Família Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e Documentação) Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Paulo César Silveira de Alcântara. Subsídios para a implantação do C.E.M.M. - Centro Municipal de Memória de Sertãozinho Trabalho de Conclusão de Curso (Ciências da Informação e Documentação) Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Juliana Sales. A Biblioteca de José Olympio (provisório) Curso (Ciência da Informação e da Documentação) Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Paula Emboaba. Organização do acervo da Floresta da USP de Ribeirão Preto Orientação de outra natureza (Ciências da Informação e Documentação) Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, Assim, tomei as próprias orientações aos alunos como ponto de referência e para contextualizar os argumentos da pesquisa nos acervos documentais e investigar a formação/mediação dos acervos das instituições curadoras da documentação pública. Na base da teoria documental, isto é, aquela que fortalece os laços com as materialidades do documento - foram retomados os itens do projeto anterior, intitulado: No corredor do café: as mediações das linguagens documentárias para as transformações das instituições-memória. No projeto inicial, no ingresso na docência, estão apresentados os conceitos norteadores de que a história se faz com as relações sócias, na análise documentária e discute os estudos de autores da Ciência da Informação, como Kobashi, Smit, Tálamo focando a representação a linguagens documentárias do projeto acadêmico ( ). Este norteou, redimensionou as discussões e formulou outros problemas ( ), representados no projeto ( ) intitulado Mediação da informação estruturada nas instituições culturais, baseado nas linhas da organização e mediação da informação. 6. Disciplinas de graduação ministradas e a relação como projeto de pesquisa e pedagógico As disciplinas ministradas nesse períodos são elencadas abaixo: Linguagens Documentárias

20 Legislação, Ética e Informação Representação Temática Políticas da Informação Documentação Audiovisual Mediação Cultural: Organização de Acervos e Produtos Ética e Informação Políticas da Informação Documentação Audiovisual Ética e Informação Mediação e recepção da informação Políticas da Informação Documentação Audiovisual Estágio Ética e Informação Mediação e recepção da informação Estágio Políticas da Informação Documentação Audiovisual Estágio Ética e Informação Mediação e recepção da informação Políticas da Informação Documentação Audiovisual Estágio Ética e Informação Mediação e recepção da informação 2010.

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil

Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil Estruturas curriculares dos Cursos de Cinema e Audiovisual no Brasil Encontro Estruturas Curriculares do Curso de Rádio, TV e Internet no Brasil SOCICOM São Paulo, fevereiro 2014 Luciana Rodrigues Presidente

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro

Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE CINEMA E AUDIOVISUAL Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Palavras-Chave Educação Patrimonial, Museu/Universidade/Escola, Arqueologia, Índios Guarani, Índios Kaingang

Palavras-Chave Educação Patrimonial, Museu/Universidade/Escola, Arqueologia, Índios Guarani, Índios Kaingang EDUCAÇÃO PATRIMONIAL SE FAZ NO MUSEU, NA ESCOLA E JUNTO Á COMUNIDADE. Faccio, Neide Barrocá; Carrê, Gabriela Machado; Souza, Hellen Cristiane. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Planejamento,

Leia mais

CULTURA. Museu da Imagem e do Som, uma bela viagem pela história de Goiás MEMÓRIA PRESERVADA

CULTURA. Museu da Imagem e do Som, uma bela viagem pela história de Goiás MEMÓRIA PRESERVADA CULTURA MEMÓRIA PRESERVADA Museu da Imagem e do Som, uma bela viagem pela história de Goiás Uma viagem rumo ao passado de Goiás. Assim pode ser definido o acervo do Museu da Imagem e do Som (MIS) da Agência

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRESERVAÇÃO E GESTÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DAS CIÊNCIAS E DA SAÚDE CHAMADA PÙBLICA ÁREAS: PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO

Leia mais

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA ANPUH-BRASIL O PERFIL PROFISSIONAL DOS HISTORIADORES ATUANTES EM ARQUIVOS DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO São Paulo, dezembro de 2012. APRESENTAÇÃO Este documento, produzido

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Extensão

MANUAL DO CANDIDATO. Extensão MANUAL DO CANDIDATO Extensão Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das disciplinas,

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia + Universidade Federal da Bahia Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos UFBA NOVA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES 2010 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM XXXXXXXX + IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo

Dossiê Cinema e Audiovisual: entre o sensível e o reflexivo Apresentação Milene de Cássia Silveira Gusmão* ** *** *Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Bacharelado em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA DA FACULDADE PAULISTA DE ARTES

O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA DA FACULDADE PAULISTA DE ARTES Anais do I Seminário PIBID/FPA 2014. FPA. Vol I, nº 1. São Paulo, 2014. 1 O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA DA FACULDADE PAULISTA DE ARTES INICIAÇÃO A DOCÊNCIA E PESQUISA NAS LICENCIATURAS

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE.

ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. ESPAÇO DE INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA REGULAMENTO GERAL DO ATELIÊ ABERTO #7 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS E PESQUISADORES EM ARTE. A Casa Tomada abre inscrições para a seleção de projetos da residência

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

PRONAC nº- 1410893 art. 18 da Lei Rouanet. Programa de Desenvolvimento da Escola - PDE Instituto Brasil Solidário - IBS

PRONAC nº- 1410893 art. 18 da Lei Rouanet. Programa de Desenvolvimento da Escola - PDE Instituto Brasil Solidário - IBS PRONAC nº- 1410893 art. 18 da Lei Rouanet Programa de Desenvolvimento da Escola - PDE Instituto Brasil Solidário - IBS SÍNTESE O projeto tem por objeto a realização de diversas atividades gratuitas nas

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2010 1. Perfil: Iphan Central 15 3. Qualificação educacional: - Graduação concluída em Arquitetura e Urbanismo, desejável Pósgraduação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

Referencial para Preenchimento PLATAFORMA LATTES. Augusto Takerissa Nishimura - USP Emerson Antonio Maccari - UNINOVE

Referencial para Preenchimento PLATAFORMA LATTES. Augusto Takerissa Nishimura - USP Emerson Antonio Maccari - UNINOVE Referencial para Preenchimento PLATAFORMA LATTES Augusto Takerissa Nishimura - USP Emerson Antonio Maccari - UNINOVE São Paulo, Setembro de 2009 ÍNDICE 1. DADOS GERAIS... 4 1.1. Identificação... 5 1.2.

Leia mais

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PESQUISA

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PESQUISA EDITAL 59-1/2012 ABRE PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO PROFISSIONAL ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI DA UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Departamento de Arquitetura e Urbanismo Departamento de Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PÚBLICO DE TÍTULOS E PROVAS PARA PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERENAMBUCO, ÁREA: TEORIA E HISTÓRIA DA ARQUITETURA,

Leia mais

PROJETO CINEMEMÓRIA 2. OBJETIVOS GERAIS

PROJETO CINEMEMÓRIA 2. OBJETIVOS GERAIS PROJETO CINEMEMÓRIA 1. JUSTIFICATIVA A História e a Memória da Educação no Estado do Paraná estãocontidos nos documentos impressos, nos objetos, mobiliários, equipamentos, recursos da aprendizagem, na

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre.

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre. 35. MESTRADO EM HISTÓRIA (CÓDIGO 1049) 35.1. Área de Concentração e vagas: História, Poder e Cultura: 15 (quinze) vagas 35.1.1 Linha de Pesquisa e vagas: Integração, Política e Fronteira: oito vagas PROFESSOR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO

PROJETOS ÁREA COMUNICAÇÃO Comunicação Christina Ferraz Musse estratégica Comunicação Social para grupos de economia popular solidária de Juiz de Fora e região (Núcleo de Comunicação Social da INTECOOP/ UFJF) Website da Liga Acadêmica

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO CONTRIBUIÇÕES DO GT CAPOEIRA E EDUCAÇÃO Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira e Educação, do 1º Encontro Regional do Programa Nacional de Salvaguarda

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS

1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS TÍTULO: PROJETO SALA DE LEITURA DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO AUTORES: Abinadá de Caldas da Silva e Ângela Cardoso Ferreira Silva e-mail: ângelacardoso@ligbr.com.br INSTITUIÇÃO: Universidade Federal da

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO

CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO CENTROS DE INFORMAÇÃO POPULAR E O BIBLIOTECÁRIO Eliany Alvarenga de Araújo' 1 1 - INTRODUÇÃO Inicialmente eu gostaria de agradecer a Comissão Organizadora do 15 Painel Biblioteconomia em Santa Catarina,

Leia mais

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade

Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade 1 Projeto Música e Cidadania no CAp: Extensão, Universidade, Comunidade Maria Helena de Lima helenal@terra.com.br/helena.lima@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo. Este artigo constitui

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 1 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 O Pibid: ações de formação de professores que impactam a escola e a universidade Maurivan Güntzel Ramos mgramos@pucrs.br O presente texto

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

Profissionais que atuarão como formadores para desenvolver atividades de formação de professores no âmbito do Programa Nas Ondas do Rádio II

Profissionais que atuarão como formadores para desenvolver atividades de formação de professores no âmbito do Programa Nas Ondas do Rádio II Profissionais que atuarão como formadores para desenvolver atividades de formação de professores no âmbito do Programa Nas Ondas do Rádio II Anderson Zotesso Rodrigues: Anderson Zotesso é mestre em Comunicação

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

Fundação Romi. Centro de Documentação

Fundação Romi. Centro de Documentação Fundação Romi Centro de Documentação Neste espaço os mais importantes períodos da história barbarense são pontuados, partindo dos povos primitivos, passando pela fundadora, a cana-de-açúcar, os impactos

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

1º Encontro Paulista de Documentação e Informação Jurídica

1º Encontro Paulista de Documentação e Informação Jurídica Título 1º Encontro Paulista de Documentação e Informação Jurídica 1º Encontro Paulista de Documentação e Informação Jurídicas - EPDIJ 1º Encontro Paulista de Documentação de Informação Jurídicas - EPIDJ

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima nona edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE

CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE CURSINHO POPULAR OPORTUNIDADES E DESAFIOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOCENTE INTRODUÇÃO Lucas de Sousa Costa 1 Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará lucascostamba@gmail.com Rigler da Costa Aragão 2

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 0 N o 9 Seade realiza Pesquisa Municipal sobre drenagem urbana Consulte Levantamento junto às prefeituras paulistas visa captar informações para construção do Índice de Drenagem Urbana. PIB paulista

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Curso de Especialização Arte na Educação: Teoria e Prática. Realização: Departamento de Música Escola de Comunicações e Artes da USP

Curso de Especialização Arte na Educação: Teoria e Prática. Realização: Departamento de Música Escola de Comunicações e Artes da USP Curso de Especialização Arte na Educação: Teoria e Prática Realização: Departamento de Música Escola de Comunicações e Artes da USP Coordenação: Prof. Dr. Pedro Paulo Salles (ECA-USP) Vice-coordenação:

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Arqueologia. Disciplina Museologia Arqueológica. Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA. Departamento de Arqueologia. Disciplina Museologia Arqueológica. Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Departamento de Arqueologia Disciplina Museologia Arqueológica Professora: Ms. Marcelle Pereira Museóloga EMENTA Esta disciplina pretende apresentar, discutir e problematizar

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ PRÁTICA-CHAVE 2.2 AVALIAÇÃO ANEXO I Edital de Incubação EDITAL Nº 03/2014 DA CRIATEC - INCUBADORA DE EMPRESAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIJUI CAMPUS IJUÍ, PANAMBI E SANTA ROSA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

Profissionais Qualificados

Profissionais Qualificados Profissionais Qualificados Em 1910 foram criadas as primeiras escolas profissionais públicas na cidade de São Paulo, como parte de um projeto de constituir um mercado de mão de obra qualificada. Essas

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro. Reunião da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência Memórias Reveladas

Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro. Reunião da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência Memórias Reveladas Arquivo Nacional, Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro Dia 12/05 - segunda-feira 10h 13h Salão Nobre Reunião da Comissão de Altos Estudos do Centro de Referência Memórias Reveladas 15h 17h Salão

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Muzambinho, 2010 REITOR DO IFSULDEMINAS Sérgio Pedini DIRETOR DO CAMPUS MUZAMBINHO - IFSULDEMINAS Luiz Carlos Machado

Leia mais

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327

Cristiana Saddy Martins Coordenadora da Pós-Graduação cristi@ipe.org.br - 11 4597-1327 PROPOSTA DE UMA TURMA DE MESTRADO PROFISSIONAL, PARA UMA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DOS SERVIDORES DO INSTITUTO BRASÍLIA AMBIENTAL IBRAM (FORMATO MODULAR PRESENCIAL) Cristiana Saddy Martins Coordenadora da

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h

GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h GT CINEMA UFBA 15 de junho de 2007 15h às 18h Umbelino Brasil (Facom/UFBa) Apresentação da Comissão Cinema UFBa: RICARDO BORDINI, Escola de Música LUIZ MARFUZ, Escola de Teatro ADRIANA BITTENCOURT, Escola

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais