FIM DO FUTURO? O TEMPO NO MANIFESTO ECOLÓGICO BRASILEIRO DE JOSÉ LUTZENBERGER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FIM DO FUTURO? O TEMPO NO MANIFESTO ECOLÓGICO BRASILEIRO DE JOSÉ LUTZENBERGER"

Transcrição

1 990 FIM DO FUTURO? O TEMPO NO MANIFESTO ECOLÓGICO BRASILEIRO DE JOSÉ LUTZENBERGER Elenita Malta Pereira Doutoranda em História na UFRGS Bolsista Capes. Introdução Na noite de 05/11/1976, o engenheiro agrônomo porto-alegrense José Lutzenberger ( ) desembarcou no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, para o lançamento nacional de Fim do Futuro? Manifesto Ecológico Brasileiro, a realizar-se no dia seguinte, em Cotia, a cerca de 35 km da Capital. Esse seria o primeiro dos três principais lançamentos porque a obra passou, nos formatos de livro e tablóide. No Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, houve mais duas sessões de autógrafos, uma na sede da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural - AGAPAN (08/11/1976) e outra na Feira do Livro da Capital (13/11/1976). Fim do Futuro? foi o primeiro manifesto de cunho ecológico publicado no Brasil, em que o autor, subscrito por nove entidades ecológicas brasileiras, listava os problemas ambientais brasileiros e, ao mesmo tempo, pretendia indicar novos rumos onde procurar soluções para os mesmos. Essas soluções decorreriam de um novo paradigma, de um novo esquema mental que o grupo pretendia transmitir: a visão ecológica das coisas (LUTZENBERGER, 1983:10). O autor do Manifesto, José Lutzenberger, em meados dos anos 1970, começava a firmar-se como um dos principais ecologistas do país. Após trezes anos trabalhando na multinacional da agroquímica BASF 1 (quando morou na Alemanha, Venezuela e Marrocos, orientando e vendendo adubos a agricultores), e após uma crise de consciência, já que a empresa resolvera fabricar agrotóxicos, Lutzenberger pediu demissão e voltou a residir em Porto Alegre. Afinando-se com um grupo de pessoas que resolvera lutar contra 1 A BASF é uma empresa que fabrica produtos químicos, de origem alemã, com sede em Ludwigshafen, fundada em 1865.

2 991 a devastação das paisagens naturais gaúchas, fundou a AGAPAN em A exemplo de outros importantes manifestos ecológicos publicados em diversos países nos anos 1970, como Limites do Crescimento (MEADOWS et al, 1972) e A Blueprint for Survival (GOLDSMITH et al, 1972), Fim do Futuro? está inserido num contexto de emergência das preocupações ecológicas em todo o mundo. Desde os anos 1960, com a publicação de Silent Spring 2 (primeira edição em 1962), denunciando o uso de DDT e, em 1972, com a Conferência das Nações Unidas (ONU), em Estocolmo, o tema se tornou amplamente difundido. Já no título do Manifesto Lutzenberger faz alusão ao tempo, numa interrogação: Fim do Futuro? Esse título e o anteriormente pensado por ele, O consumo do Futuro refletia sua preocupação com possibilidade de não existência do futuro, tamanha a crise ecológica que estaria atingindo o planeta. Além disso, numa leitura atenta do texto, podemos perceber que Lutzenberger utiliza diferentes visões de tempo na articulação de seus argumentos. Dessa forma, nesta comunicação, proponho-me a analisar os diferentes regimes de historicidade (HARTOG, 1997, 2006, 2007) que convivem no manifesto escrito por Lutzenberger. Escrito num contexto de patrimonialização do meio ambiente, a obra contém passagens que poderíamos chamar de passadistas, outras presentistas, e algumas futuristas. Articulando diferentes percepções do tempo, o autor apresenta o passado como tempo de enlace harmônico entre Civilização e Natureza (LUTZENBERGER, 1983:20), para onde parece querer voltar. O presente é muito ruim, tempo de destruição do ambiente causada pelo homem, no entanto, para o futuro, a perspectiva é terrível. Tal como um profeta, Lutzenberger (1983:59) prevê: a calamidade será global e irreversível. Nossos filhos, as crianças e os jovens de hoje, sentirão em carne e osso o preço de nossa imprevidência atual. Portanto, é interessante, além das ideias que inspiraram Lutzenberger na construção do documento, compreender a forma como ele percebe o tempo, a partir do conceito de regimes de historicidade. Este trabalho faz parte da pesquisa que desenvolvo em meu doutorado no Programa de Pós-Graduação em História da UFRGS, uma biografia histórica de José Lutzenberger. Os regimes de historicidade François Hartog (2007:16) entende regime de historicidade como algo mais ativo do que época (que se refere à periodização), ou seja, como os diferentes modos 2 Primavera Silenciosa, de Rachel Carson (1964). Segundo Mc Neill (2000, p. 338), Carson, através de seu livro, ajudou a mobilizar a opinião pública americana sobre o uso de pesticidas e a conservação ambiental. Se o moderno ambientalismo nos Estado Unidos teve um progenitor, foi Rachel Carson.

3 992 de articulação das categorias de presente, passado e do futuro. Conforme a ênfase seja colocada sobre o passado, o futuro ou o presente, a ordem do tempo, com efeito, não é a mesma. O regime de historicidade não é uma realidade acabada, mas um instrumento heurístico. O regime de historicidade não é uma entidade metafísica, que desce dos céus, mas antes um arcabouço durável, que é desafiado tão logo se torna predominante ou simplesmente funcional; Um regime jamais existe em estado puro (HARTOG, 1997:10). O autor identifica, primeiramente, dois regimes de historicidade principais, o regime antigo (antiguidade clássica), ou passadista, pois a escrita da história se orientava para o passado - a historia magistra vitae - e, com seu questionamento, a partir do final do século 16, surge o regime moderno, otimista, orientado para o futuro. Já em meados do século 20, ascende um novo regime, o presentismo. Para Hartog, o slogan esqueça-se o passado constitui a contribuição dos anos sessenta para este retiro no presente. Houve então uma estranha combinação entre utopia ou aspirações revolucionárias (de orientação para o futuro) com um horizonte estritamente limitado ao presente. Apareceu a formulação Sem Futuro, a partir da percepção de uma realidade insatisfatória. Vieram desilusões, o fim das esperanças revolucionárias, a crise econômica de 1974, e com elas várias respostas, mais ou menos desesperadas ou por vezes cínicas: o presente, e nada além. Transpondo essas reflexões para o nosso caso de estudo, a realidade insatisfatória é a devastação do patrimônio natural, no tempo presente. A patrimonialização do meio ambiente significa a sua inserção na história, movimento que teve início nos anos 1970, mais precisamente em dezembro de 1972, na Conferência Geral da UNESCO, quando foi adotada a Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, poucos anos antes da escrita do Manifesto por Lutzenberger. Como o meio ambiente é alçado à Patrimônio da Humanidade, devemos colocá-lo numa ordem do tempo (MARTINEZ, 2011). Hartog (2006, p. 271) se pergunta pelo porquê de uma convenção internacional. O que estava ocorrendo, naquele contexto, era a constatação de que o patrimônio universal era cada vez mais ameaçado de destruição pela evolução da vida social e econômica que causava fenômenos de alteração ou de destruição ainda mais temíveis. O imperativo da preservação passou a ser a tônica da maioria dos discursos em relação à natureza. Para o historiador, trata-se de proteger e preservar o presente e também o futuro, o que era, certamente, um dos objetivos do Manifesto de Lutzenberger. Essa proliferação patrimonial em diversos setores, não apenas a natureza é sinal de ruptura entre um presente e um passado, o sentimento vivido da aceleração sendo uma forma de fazer a experiência: a mudança brusca de um regime de memória

4 993 para outro (...) o patrimônio é um recurso para o tempo de crise (HARTOG, 2006, p. 272). Depois dos regimes de historicidade antigo e moderno, no século XX, firmouse um novo regime, o Presentismo, em que o presente é, para si mesmo, seu próprio horizonte, um presente inquieto, preocupado com a preservação e ansioso pela defesa do meio ambiente: a ecologia, a partir dos anos 1970, tornou-se um dos temas mobilizadores e mensageiros, e seu sucesso pressupõe um reconhecimento partilhado da preservação em si mesma, como valor (HARTOG, 1997). Para Hartog (2006, p ), a patrimonialização do meio ambiente é considerada a extensão mais massiva e mais nova da noção de patrimônio, que abre indubitavelmente sobre o futuro ou sobre novas interações entre presente e futuro. A preocupação com o futuro existe, no entanto, é diferente daquela do regime moderno de historicidade. O futuro, no Presentismo, não é mais promessa ou princípio de esperança, mas ameaça (...). Esse futuro não é mais um horizonte luminoso para o qual marchamos, mas uma linha de sombra que colocamos em movimento em direção a nós, enquanto parecemos marcar passo no presente e ruminar um passado que não passa. O tempo no manifesto Em vários trechos de Fim do Futuro?, perpassa um saudosismo do passado, quando as populações tradicionais, os indígenas, viviam em harmonia com a natureza, e o desejo que a humanidade voltasse a esse estado de equilíbrio, como podemos perceber no trecho abaixo: Durante talvez dois milhões de anos, durante mais de 99% de sua história, a Espécie Humana praticou um estilo de vida semelhante ao que podemos hoje observar no coração do Continente Sulamericano, entre os últimos remanescentes de culturas indígenas que ainda não sucumbiram às agressões do homem que se diz civilizado. Neste modo de vida, vivendo da caça e da coleta, o homem se encontra perfeitamente integrado em seu ambiente natural, não tem os meios e, o que é mais importante, não tem a ambição de destruir o mundo natural do qual se considera apenas parte (...). Este estilo de vida é permanentemente sustentável, o que comprova sua longevidade. Não há explosão demográfica e não há degradação ambiental. A visão do mundo, as convenções sociais e os tabus são tais que levam, automaticamente, à situação de equilíbrio estável (LUTZENBERGER, 1983, p. 53). Além dos indígenas sul-americanos, sociedades primitivas como budistas e hinduístas sobreviveram milhares de anos sem alterar significativamente seu ambiente ou estabelecendo belíssimas paisagens culturais, ecologicamente sustentáveis (1983, p. 18). Também os camponeses da Europa Central ou do Norte, na Ásia ou Indonésia e em outras partes do mundo, os Incas nos Andes, souberam criar magníficas paisagens

5 994 agrícolas de enlace harmônico entre Civilização e Natureza, no passado (p. 20). Essas sociedades, com persistência e amor à terra, conseguiram melhorar o solo, atingindo uma produtividade elevada e sustentável. O agricultor contemporâneo, ao contrário, só sabe espalhar a desolação na paisagem, só conhece a exploração imediatista (p. 20). Enquanto o indígena há milhares de anos realizava pequenas derrubadas e posterior coivara - que constituíam até vantagem ecológica, pois acrescentavam diversidade ao sistema - o colonizador europeu, que possuía uma tecnologia mais violenta e uma ambição sem limites, acabou com a caça, alterou e destruiu ecossistemas inteiros pela queimada para a introdução do gado ou nas derrubadas para exploração da madeira (p. 21). Para o autor, o pior era que essas técnicas, aplicadas no século 16, ainda eram utilizadas em pleno século 20 na exploração da Amazônia. Com o discurso da integração ao resto do Brasil, partia-se das mesmas atitudes predatórias do colono de 1500, porém utilizando tecnologias que exponenciam as ordens de magnitude dos estragos (p. 22). Também a ciência deveria voltar a ser o que fora no passado, especialmente na Grécia Antiga. Para os gregos, era percepção de harmonias, gozo estético, deleite espiritual, exercício intelectual (p. 75). O problema é que, no presente, Ciência e Tecnologia produzem mecanismos que permitem a exploração massiva dos elementos naturais. No entanto, Lutzenberger não é contra todo tipo de ciência e tecnologia. Ele não propõe seu abandono, mas sim que se aplique ciência com ética. Da junção entre ciência e ética surgiriam novas formas de tecnologia, menos agressivas e mais sustentáveis. Enquanto a percepção do passado é bastante positiva, como tempo de equilíbrio e interações sustentáveis, o presente é bastante obscuro em Fim do Futuro?. Lutzenberger cita o exemplo das obras rodoviárias no Brasil: É de tal maneira tubular a visão dos construtores de nossas rodovias, que até estradas ideadas para fins turísticos são construídas com métodos tão simplistas e brutais que acabam destruindo aquilo que deveriam valorizar. A BR 101 constitui um dos maiores descalabros que já se cometeram no mundo nesse sentido. Ali destruiu-se irremediavelmente uma paisagem que rivalizava com as mais belas jóias do Pacífico (...). Talvez o caso mais gritante, ridículo mesmo, não fosse tão triste, seja o da Via dos Imigrantes, a autopista São Paulo-Santos. Os estragos são estupendos. Não há esquema conceitual que possa justificar o que ali foi feito. Para coroar toda a insensatez pretende-se ainda iluminar a autopista de ponta a ponta para deixá-la mais clara que uma rua de centro de cidade. Assim, além dos estragos da terraplanagem orgiástica, se garante também sejam sugados da floresta contígua os insetos noturnos, para estender um pouco mais o deserto biológico. Estes são apenas dois exemplos entre milhares que se espalham e multiplicam pelo Brasil. A Transamazônica está bem dentro dessa tradição (LUTZENBERGER, 1983, p. 32). Além dos absurdos na construção de estradas, as cidades, devido ao crescimento urbano não planejado, estão cada dia mais feias, a vida em seu seio se torna sempre

6 995 mais irritante, insalubre e insuportável. As paisagens circundantes perdem seu potencial criativo, pois inexiste o cuidado e a preocupação pela sua preservação. Entre os principais problemas urbanos, Lutzenberger cita a substituição de velhas praças com árvores por concreto armado, a terraplanagem, os depósitos de lixos e escombros, a poluição do ar e da água, a deposição de entulhos e detritos de forma incorreta, causando contaminação, a destruição de monumentos arquitetônicos de caráter histórico pela especulação imobiliária e, algumas vezes, pelas próprias prefeituras, e o baixo índice de tratamento de esgotos na maioria das cidades (1983, p. 34). Até mesmo as guerras do passado causavam menos impacto do que as do presente. Enquanto os grupos que lutavam no passado eram pequenos e as armas primitivas, causando apenas estragos localizados e limitados, nos tempos modernos, com o surgimento dos estados nacionais e de potências sempre maiores, concomitantemente com o estouro da tecnologia, os estragos foram se tornando cada vez graves e envolventes, como demonstra sua progressão nas guerras de , e, mais recentemente, no Vietnã (LUTZENBERGER, 1983, p. 55). Ele não se esquece de mencionar a guerra fria (não esqueçamos que escreve entre ), em que dois grupos gigantes mantêm e ampliam arsenais com capacidade destruidora suficiente para acabar muitas vezes com a vida na Terra (1983, p. 55). Nesse cenário sombrio, em que a humanidade parecia caminhar para um futuro apocalíptico, extinta pelo caos nuclear, nunca haverá bomba que chegue. Lutzenberger denuncia que, à custa desse medo subjacente, o que realmente interessa é o meganegócio que a fabricação dessas armas representa, tanto para o fabricante como para os inúmeros interessados no dinheiro que flui (p. 57). Nesse cinismo perfeito, havia quem estivesse disposto a sacrificar os próprios filhos, e até mesmo a própria velhice, pelo lucro imediato. Como estamos percebendo, para o autor do Manifesto, o passado é bom, especialmente o passado longínquo, e para onde parece querer voltar; o presente é muito ruim, já que a humanidade está presa ao imediatismo e cega quanto aos problemas causados pela exploração intensiva da natureza. E o futuro, será que pode ser melhor? Diante da utilização massiva dos elementos naturais para produzir mercadorias voltadas a satisfazer os desejos de consumo insuflados pela propaganda, a sociedade industrial, ou sociedade de consumo, não oferece muita perspectiva de futuro, segundo Lutzenberger. Ele chama esse processo de bacanal do esbanjamento, de orgia, em que estamos agindo como se fôssemos a última geração e a única espécie que tem direito à vida. Nossa ética que não abarca os demais seres, não inclui sequer os nossos filhos (1983, p. 37). Esse formato da sociedade industrial só funciona eficientemente num esquema de crescimento exponencial constante. Para manter esse crescimento econômico, utiliza a

7 996 publicidade e a tecnologia de comunicações em massa, apelando à frivolidade, à vaidade e ânsia de aparentar status social, criando necessidades fúteis e artificiais que não contribuem para a felicidade; do contrário, são a causa de muitas frustrações. Além disso, os produtos gerados nesse processo seguem a filosofia da obsolescência planejada, ou seja, são fabricados para durar pouco tempo, propositalmente. Com isso, os fabricantes garantem que vão vender sempre mais. Esse desperdício de matéria-prima é visto por Lutzenberger como uma espoliação das gerações futuras (p. 38). Outro agravante para o futuro é a energia nuclear. Lutzenberger se preocupava com os efeitos da radiação ionizante, inventada pelo homem como se fosse um aprendiz de feiticeiro ; em sua opinião, é o maior perigo que o homem e a natureza já enfrentaram, pois pode alterar o código genético e causar mutações nos seres. Mas o problema maior é que os elementos radioativos, tais como plutônio 3 - subproduto do uso do urânio pelas usinas nucleares -, levam muito tempo para desintegrar-se. Dependendo do tipo de elemento, podem levar milhares e até milhões de anos. A exploração nuclear, dessa forma, constitui nota promissória contra nossos filhos e descendentes remotos! Para satisfazer e manter por mais algum tempo nossos atuais desmandos, condenamos seres humanos e civilizações num futuro longínquo (...), se é que com nossas loucuras permitiremos ainda que haja gerações futuras (p. 46). O aumento populacional também era uma ameaça ao futuro, para Lutzenberger. Utilizando a metáfora da Terra como nave espacial, ele acreditava ser evidente que uma nave finita não pode acomodar número indefinidamente crescente de passageiros. Esse aumento súbito da população a partir do século 19 é descrito por ele como uma avalanche humana, um desequilíbrio, uma corrida desenfreada que só pode levar ao desastre. Nesse assunto, o autor propõe a escolha entre duas alternativas inexoráveis: controles deliberados ou controles naturais, entre comportamento consciente e sábio ou submissão a forças cegas (p. 46). O problema seria a interferência humana, através da tecnologia agrícola e da medicina, nas taxas de mortalidade, deslocando assim o equilíbrio demográfico natural que existiu durante milhões de anos (p. 47). Atingir um ponto de equilíbrio era imperativo para o futuro: se quisermos bem a nossos filhos, já deveríamos estar mudando de atitude (p. 49). Para conter tanto a explosão demográfica quanto o aumento do consumo, na visão de Lutzenberger, só havia uma saída, a estabilidade: o futuro não pode pertencer à mudança contínua, porque somente a estabilidade tem futuro (...), somente situações 3 Existem vários tipos de plutônio - de acordo com seus isótopos - que possuem diferentes períodos de meia-vida (tempo que o elemento químico radioativo leva para ter sua atividade reduzida pela metade). Exemplos são o plutônio- 239, que tem meia vida de 24 mil anos e o plutônio-244, cuja meia-vida é de cerca de 80 milhões de anos. Segundo Marques (2012:310), o plutônio 239 é uma das substâncias mais radiotóxicas e perigosas das quais se têm notícia. Para isso, basta dizer que sua inalação ou ingestão é simplesmente fatal.

8 997 equilibradas podem garantir a sobrevivência e o verdadeiro progresso, o progresso espiritual e moral, o progresso da qualidade de vida, que nada tem a ver com a quantidade de materiais que movimentamos (p. 53). Catastrofista, o autor vaticina, se a humanidade não modificar suas atitudes, que a calamidade será global e irreversível. Nossos filhos, as crianças e os jovens de hoje, sentirão em carne e osso o preço de nossa imprevidência atual (59). Por isso, precisamos reconquistar o futuro, partindo para a ação: devolver às gerações futuras aquilo que hoje lhes arrebatamos, através da recomposição do patrimônio avariado [grifo meu] (idem). A natureza, como patrimônio, precisa ser recomposta, para que o futuro se torne possível, diante do cenário sombrio que se avizinha. Para Lutzenberger, a primeira mudança necessária nesse sentido era o reexame dos valores, a redefinição de progresso e desenvolvimento. A solução passa também por uma reorientação na ciência e na tecnologia: numa ciência com ética e na produção de tecnologias brandas, menos agressiva ao ambiente, mais sustentável. Deveria ter início um freio já e já, e com todos os meios, a tremenda, absurda e irreversível devastação de nosso patrimônio natural. Devemos compreender que esse patrimônio é nosso mais precioso capital, o único que temos [grifos meus] (60). Outras medidas são a guerra total contra o fogo nas florestas, o incentivo fiscal para florestamento, a criação de reservas naturais particulares (já que o poder público se demonstrava incapaz de implantar, manter e proteger as reservas existentes), moratória para todas as formas de caça, a reorientação da agricultura (transição para uma agricultura ecológica, sem utilização de agrotóxicos), o incentivo à desconcentração do poder econômico e à produção de tecnologias brandas. Essas medidas, fruto de uma decisão voluntária de mudança de nossa ética em relação à natureza poderia levar à inversão do processo de devastação em curso, afinal, o futuro não está na megatecnologia, está na tecnologia intermediária; não está no consumo desenfreado, está no uso frugal, com sentido, dos escassos recursos do planeta; está na descentralização das decisões e da produção, na auto-suficiência sempre que possível, na diversidade de estilos de vida e de culturas (LUTZENBERGER, 1983: 74). Mas antes de tudo, o dogma da necessidade do crescimento constante deveria ser abandonado, já que Lutzenberger o identifica como a mola mestra do presente desequilíbrio da humanidade (como os outros manifestos ecológicos acima citados). Para que esse estado de desequilíbrio mude, ele propõe que o dogma do crescimento seja substituído por outra doutrina a doutrina da homeostase 4. Podemos chamá-la como 4 Lutzenberger transpõe um conceito da ecologia para a economia. Homeostase possui uma série de definições, mas em geral, concorda-se que é uma tendência dos seres vivos à estabilidade, ao equilíbrio; fenômeno que envolve toda uma série de dinâmicas para manter estável o estado físico das células e dos organismos, sem o qual a vida não seria possível (SOARES, 1997, p. 9).

9 998 quisermos equilíbrio, estabilidade, sustentabilidade, desde que o alvo seja o abandono da exponencial pelo comportamento disciplinado, em integração com as leis da Vida (p. 79). Por isso, segundo Lutzenberger, o PNB 5 deixará de ser o índice de progresso de um país, e, quando ocorrerem as mudanças por ele sugeridas, o termo desenvolvimento terá outro sentido, bem diferente do atual (idem). Essas propostas estão alicerçadas na nova ética defendida por Lutzenberger: O PRINCÍPIO DA REVERÊNCIA PELA VIDA, formulado pelo médico e filósofo alemão Albert Schweitzer. De acordo com a ética defendida por Schweitzer, o homem é insignificante na imensidão do universo: nós gostamos de imaginar que o homem é o objetivo da natureza, mas os fatos não sustentam essa crença (SCHWEITZER. Online). O homem é apenas mais uma espécie, não a mais importante, por isso, ele deve reverenciar todas as diferentes formas de vida a seu redor. Partindo da vontade que o homem tem de viver, ele deve reconhecer o direito das demais espécies à vida, procurando tanto quanto possível, abster-se de destruí-las, independentemente do seu tipo específico. Segundo Schweitzer, essa ética culminaria numa união spiritual e harmônica com a vontade criadora que existe em e através de todos (idem). Trata-se de uma ética biocêntrica, ou seja, centrada na vida, na Terra, e não no homem. Para Lutzenberger, só essa ética holística poderia garantir o futuro da humanidade e do planeta. Esse deveria ser o novo paradigma a ser seguido: nosso futuro está na Cultura Ecológica, no Patriotismo Ecosférico [grifos do autor] (LUTZENBERGER, 1983: 81). A visão de futuro expressa no Manifesto é pessimista. Porém, nem tudo está perdido, pois o autor aponta para mudanças que poderiam torná-lo positivo, desejável. O futuro seria terrível, tempo de colapso e catástrofe, se a humanidade não modificasse seu esquema mental. Do contrário, se as pessoas seguissem as orientações do livro, tomando um caminho brando, ou caminho suave, o equilíbrio voltaria a reinar, e seria possível chegar a uma sociedade sustentável, desejo maior de Lutzenberger, que pode ser pensada como uma espécie de utopia. Segundo Schmidt (1999, p. 117), as utopias são a mais pura manifestação do desejo, surgindo como forma de evasão de uma realidade considerada insatisfatória. Nesse sentido, a utopia pressupõe uma representação totalizante da alteridade em relação ao mundo vivenciado. Para Bronislaw Baczko (1978, p. 30), não há utopia sem representação global, idéia-imagem de uma sociedade outra, oposta à realidade social existente, às suas instituições, ritos, símbolos dominantes, aos seus sistemas de valor, de normas, de interdições, às suas hierarquias, às suas relações de dominação e de propriedade, ao seu domínio reservado ao sagrado, etc. 5 Produto Nacional Bruto.

10 999 Na utopia de Lutzenberger, há possibilidade de redenção para o homem. Apesar de demonstrar tanto apreço pelo passado, seria impossível voltar a ele. E Lutzenberger não queria isso. Em seu livro Garimpo ou Gestão, publicado postumamente em 2009, defendendo-se das acusações de preconizar um retorno ao passado, ele afirmou que, na verdade, acreditava que a humanidade poderia inspirar-se nos métodos do passado para gerar uma tecnologia nova e branda (LUTZENBERGER, 2009:34). Deixou claro para seus críticos que não se trata de voltar, mas de avançar. Avançar para uma visão holística, com atitudes sábias, que levem a práticas realmente sofisticadas, de integração, em contraste total com as práticas grosseiras e vandálicas que hoje predominam (p. 179). Para Lutzenberger, se a humanidade se inspirasse em alguns métodos do passado para construir práticas sustentáveis no presente, o futuro seria possível. Práticas que demonstraram serem eficazes em outros tempos, capazes de gerar tecnologias brandas e, principalmente, uma nova orientação ética, poderiam barrar a crise ambiental. O futuro de Lutzenberger, portanto, é fruto das decisões humanas. Não é algo dado, mas sim possível de se construir. Cabe a cada pessoa a postura ética de decidir pelo caminho melhor. Mas esse é um caminho em aberto. Um prefácio dez anos depois Em julho de 1986, dez anos depois do lançamento, Lutzenberger escreveu um prefácio para Fim do Futuro?, onde fala sobre a escrita, o impacto do livro e realiza um balaço de sua luta ambiental nesse intervalo de tempo. No texto de duas páginas, deixa claro também a influência de Torres, um dos locais que ele mais apreciava no Rio Grande do Sul, na concepção das ideias do Manifesto. Lutzenberger relata que a primeira versão do livro foi escrita na hora da caipirinha, à tarde, num barzinho de Torres, na época em que trabalhou como empreiteiro para o Governo do Estado no Parque Estadual da Guarita. Segundo Lutzenberger (1999, p. 7), a intenção do Parque era integrar turismo com ecologia e beleza natural, servindo de moldura às magníficas torres de Torres, especialmente para a Guarita, uma pedra espetacular de uns vinte metros de altura (...). Para quem sabe ler o Grande Livro da Natureza, essas rochas contam uma história fantástica (...), um processo dramático que na época não teve observadores. Ele falava da separação dos continentes americano e africano, que teriam formado, anteriormente, a Gondwana, há milhões de anos. Lutzenberger acreditava que na Guarita - em sua opinião a mais bela pedra das falésias de Torres -, estavam registradas as mudanças geológicas provocada pela deriva dos

11 1000 continentes. As ideias do Manifesto amadureceram neste grandioso cenário. O trabalho no Parque o enchia de esperança, poderia ser o testemunho do início de uma nova mentalidade, no entanto, tinha medo de que não o entendessem, o que acabou ocorrendo, pois os trabalhos nunca foram terminados. Apesar do descaso dos sucessivos governantes, dez anos depois, o parque estava lindo, cheio de vida, e, ao mesmo tempo, ameaçado pela incompreensão burrice, safadeza de uns, negligência de outros. O que ocorria em Torres era, para Lutzenberger (1999, p. 8), representativo do quadro geral, local, nacional e mundial (...). Por enquanto, pouca esperança de inversão de tendências. Avaliando o livro, decorrido dez anos, constatava que a situação não era muito diferente, só mais aguda - mais desespero e também mais esperança. Em 1986, havia uma consciência ecológica incipiente, muito além do que naquela época se podia esperar para tão cedo, mas ela é ainda insuficiente para a gravidade da situação que confrontamos. Por esse motivo, o autor decidiu não realizar nenhuma alteração no livro para as edições seguintes: prefiro deixar o livro como está. Ele documenta um momento importante na história do movimento ambiental brasileiro e mundial (LUTZNEBERGER, 1999:8). No intervalo entre a primeira edição e o prefácio, ocorreram avanços e novos desafios, na opinião de Lutzenberger. De um lado, crescia a consciência entre agrônomos, veterinários, biólogos e consumidores, e, o que é mais importante, entre os próprios agricultores. Este processo, administrações comprometidas já não mais conseguirão inverter. Por outro lado, temos uma luta desesperada, de âmbito mundial, pela preservação das florestas tropicais úmidas, especialmente da Amazônia ; outro bioma, tão importante quanto a Amazônia, o Cerrado, também requeria atenção dos ambientalistas, pois estava sendo demolido a um ritmo ainda mais vertiginoso. No final do prefácio, ele conclui que muitos novos livros terão que ser escritos, porém, mais importante do que isso, era a luta de cada dia contra sempre novas máfias demolidoras. Terminando com uma pergunta, queixa-se da falta de tempo: a luta mal nos deixa tempo para sobreviver, como escrever novos livros? Como conseguir a conscientização geral sem a qual não haverá mudanças de rumos?. A avaliação do livro pelo autor, dez anos depois de sua primeira publicação, é interessante. Ele constatava aspectos positivos e negativos durante esse ínterim. Se, por um lado, a conscientização ecológica no Brasil havia aumentado mais do que esperava - em parte por influência da leitura do Manifesto -, por outro, a devastação também crescera em grande medida. As perguntas finais revelam que ele percebia a teoria e a prática em interconexão. O problema era que a prática, em virtude dos inúmeros problemas ambientais, tomava todo o tempo disponível, tornando difícil a escrita de livros que levariam a uma conscientização maior ainda.

12 1001 Considerações finais Para Lutzenberger, os problemas ecológicos enfrentados pela humanidade eram causados pelo aumento populacional - e consequente maior pressão sobre os elementos naturais; pelo esbanjamento causado pela sociedade de consumo; pela crença no progresso e no desenvolvimentismo; pelo dogma do crescimento econômico infinito. Todas essas causas, no entanto, estão fundamentadas num ponto essencial: o esquema mental, a visão de mundo antropocêntrica, egoísta, centrada no humano, que desconsidera a interligação entre todos os seres. É essa ética antropocêntrica a raiz de todos os demais problemas da humanidade e do planeta. A solução para a crise ambiental seria, portanto, o abandono dessa ética, trocando-a por outra, biocêntrica, holística, que considera o ser humano como mais um elemento da biosfera, não como o mais importante. O homem, nessa cosmovisão, não é detentor de nenhum direito especial de exploração do planeta; do contrário, deve ser quem promove sua preservação, porque, afinal de contas, depende do bom funcionamento da Terra para viver. A ética antropocêntrica nem sempre predominou. Em outros tempos, outras sociedades que atualmente são chamadas de primitivas, atrasadas como as indígenas, utilizaram outro esquema mental, centrado na vida, e colocaram em prática métodos sustentáveis, causando pouco impacto ambiental. Por isso, Lutzenberger adota uma perspectiva de admiração do passado, como tempo idílico, em que o homem vivia em harmonia com a natureza. Inserido num contexto de patrimonialização da natureza, porque, num cenário de previsões catastrofistas, ela estava prestes a acabar, o Manifesto retrata um presente muito ruim, tempo em que o homem, cego pela ganância e pelo egoísmo, devasta o ambiente e, com isso, ameaça a vida de todas as espécies, inclusive a sua. Para Lutzenberger, o futuro se houvesse seria terrível. Por isso a interrogação do título: Fim do Futuro? Porque o futuro corria o risco de não existir. A humanidade, com seu comportamento insano, poderia causar o colapso da vida como um todo. É esse futuro sombrio que Lutzenberger vislumbra, diagnostica e contra o qual apresenta soluções em seu Manifesto. Fim do Futuro? é mais um discurso que circulou dentro do campo de possibilidades dos anos 1970, em que foram publicadas diversas obras catastrofistas, expressando o medo de que o homem acabasse com a natureza e consigo mesmo. Esses autores, utilizando a ecologia como mensageira para mobilizar a população, pretendiam alertar seus leitores de que, com suas atitudes antiéticas, desequilibradas, o homem podia acabar com a sobrevivência de sua espécie e da nave espacial Terra. A vida, a natureza, passa a status de patrimônio e, portanto, deve ser preservada. No prefácio escrito dez anos depois, Lutzenberger abordou seu livro como fruto do contexto da escrita. Além disso, a linguagem utilizada foi deliberadamente escolhida

13 1002 para chocar, mobilizar. Com o Manifesto, ele queria despertar a consciência ecológica no maior numero de leitores possível. Em sua visão, as pessoas deveriam perceber seus erros, por isso a importância de demonstrar que já existiram modelos diferentes do atual. No passado, houve sociedades sustentáveis, que priorizaram tanto a diversidade cultural quanto ambiental. Relatando exemplos, seus argumentos seriam mais bem aceitos e poderiam provocar alguma transformação no presente. Do contrário, se nada mudasse, o futuro poderia ser terrível. No entanto, havia uma chance de a situação melhorar, e ela dependia da adoção de uma nova ética ecológica. Portanto, o regime de historicidade predominante no Manifesto tem seu foco no passado. É esse tempo, avaliado positivamente pelo autor, que deve inspirar e orientar o futuro. Só assim a resposta a pergunta-título do livro - Fim do Futuro? - poderia ser respondida com um expressivo Não. Bibliografia BACZKO, Bronislaw. Lumières de l utopie. Paris: Payot, CARSON, Rachel. Primavera Silenciosa. São Paulo: Melhoramentos, GOLDSMITH, Edward et al. A blueprint for survival. The Ecologist. Vol. 2, N. 1, Disponível em: <http://www.theecologist.info/key27.html>. Acesso em 01/09/2011. HARTOG, François. O tempo desorientado. Tempo e História. Como escrever a história da França. Anos 90. Porto Alegre, n 7, p. 7-28, julho de HARTOG, François. Tempo e Patrimônio. Varia História. Belo Horizonte, vol. 22, n 36, p , Jul/Dez HARTOG, François. Tempos do Mundo, História, Escrita da História. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. (Org.) Estudos sobre a Escrita da História. Rio de Janeiro: 7 Letras, LUTZENBERGER, José. Fim do Futuro? Manifesto Ecológico Brasileiro (3ª edição). Porto Alegre: Movimento, Editora da UFRGS, LUTZENBERGER, José. Fim do Futuro? Manifesto Ecológico Brasileiro (5ª edição). Porto Alegre: Editora Movimento, LUTZENBERGER, José. Garimpo ou gestão: crítica ao pensamento econômico. Porto Alegre: Mais Que Nada Administração Cultural, 2009.

14 1003 MARQUES, Paulo. Os deletérios impactos da crise nuclear no Japão. Estudos Avançados. São Paulo, vol. 26, n 74, MARTINEZ, Paulo. História Ambiental. Mini Curso ministrado durante o XXV Simpósio da Anpuh Nacional. São Paulo, USP, julho de McNEILL, J. R. Something new under the Sun: An environmental history of the Twentieth- Century World. New York, London: W. W. Norton & Company, Inc., MEADOWS, Donella H. Et Al. Limites do crescimento. São Paulo: Editora Perspectiva, SCHMIDT, Benito Bisso. Na sociedade futura : uma visão utópica da cidade/sociedade socialista (Rio Grande, ). História Social. Campinas-SP, n 6, p , SCHWEITZER, Albert. The Ethics of Reverence for Life. Disponível em: <http://www1. chapman.edu/schweitzer/sch.reading4.html>. Acesso em: 18/09/2011. SOARES, José Luís. Biologia: Volume único. São Paulo: Scipione, 1997.

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Biologia da Conservação. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Biologia da Conservação Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO Ciência multidisciplinar que foi desenvolvida como resposta à crise

Leia mais

José Lutzenberger. Manual de ecologia. Do jardim ao poder. Volume 2. www.lpm.com.br L&PM POCKET

José Lutzenberger. Manual de ecologia. Do jardim ao poder. Volume 2. www.lpm.com.br L&PM POCKET José Lutzenberger Manual de ecologia Do jardim ao poder Volume 2 www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 JOSÉ LUTZENBERGER (1926-2002) J osé Lutzenberger é o mais destacado ambientalis ta que o Brasil já conheceu.

Leia mais

O advento das tecnologias da era pósindustrial

O advento das tecnologias da era pósindustrial 3.2 AS CRISES DO CENÁRIO O advento das tecnologias da era pósindustrial As tecnologias que ordenaram a era industrial foram ultrapassadas pelas novas tecnologias surgidas a partir do século XX, especialmente

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade

ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade ECONOMIA SOLIDÁRIA Embrião de uma nova sociedade Economia Lenita Gripa - ICF O termo ECONOMIA vem do grego OIKOS = CASA e NOMOS = NORMAS ou LEI. Economia é a arte de cuidar da casa; normas, jeito, maneira

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007. Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG ABORDAGEM AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA APROVADOS PELO PNLEM/2007 Karla Ferreira DIAS 1 ; Dr. Agustina Rosa ECHEVERRÍA 2 1,2 Programa de mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PARA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL CASOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BAHIA

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

Gabarito das Questões do Módulo 5

Gabarito das Questões do Módulo 5 Gabarito das Questões do Módulo 5 2. De que maneira as inovações tecnológicas contribuem para o aumento do consumo? Quais as consequências ambientais deste aumento? Resposta O lançamento de produtos cada

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

Sustentabilidade x Desperdício

Sustentabilidade x Desperdício Sustentabilidade x Desperdício Alunos: Antônio Fernandes Margarida Késsia Daniele de Brito Nilmara Oliveira Introdução O tema consciência ambiental tem estado em alta no Brasil. A falta d água em vários

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais

1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente. 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos. 3. Economia dos Recursos Naturais 1. Fundamentos da Economia do Meio Ambiente 2. Política Ambiental e Instrumentos Econômicos 3. Economia dos Recursos Naturais 4. Métodos de Valoração Econômica Ambiental 5. Indicadores e Contabilidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: EDUCANDO E APRENDENDO COM A NATUREZA Soraya Carvalho Pereira Rocha (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal/Universidade Aberta do Brasil Universidade de Brasília) Kátia

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE

RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE RESUMO: REPRESENTAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FORMAL: A NECESSIDADE DE SENTIR-SE PARTE Diante da necessidade de proporcionar uma reflexão sobre o tema Meio Ambiente no ensino formal, esse trabalho tem por

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

MARILENE BOLZAN ESQUECIMENTO GLOBAL: A TERRA AQUECIDA

MARILENE BOLZAN ESQUECIMENTO GLOBAL: A TERRA AQUECIDA MARILENE BOLZAN ESQUECIMENTO GLOBAL: A TERRA AQUECIDA. Orientadora: _Selma Helgenstiler Arendt Cidade São Marcos junho de 2008. 2 ESQUECIMENTO GLOBAL A TERRA AQUECIDA Projeto de pesquisa junto à Escola.

Leia mais

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL Kleber Santos Engenheiro Agrônomo M.Sc. Goiânia, 6 de maio de 2011 Política Ambiental Brasileira Início das discussão de políticas públicas ambientais,

Leia mais

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR?

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? Como Encontrar a Verdadeira Felicidade Rosanne Martins Introdução Este livro foi escrito com o intuito de inspirar o leitor a seguir o sonho que traz em seu coração.

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES

A D N E G A 2007 as 4 SÉRIES A G E N D A 2007 as 4 SÉRIES ÍNDICE Proposta da ONU... 04 Compromisso do Brasil... 05 Cada cidade responsável por sua agenda 21... 07 Dia internacional da Água... 09 Dia do Meio Ambiente... 12 Dia da Árvore...

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE I

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE I Arquitetura e Sustentabilidade Antonio Castelnou PARTE I CASTELNOU Introdução Atualmente, as questões ambientais vêm sendo cada vez mais salientadas, não somente pela ação de organismos nãogovernamentais

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIDADE MÉIER

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIDADE MÉIER UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES UNIDADE MÉIER ÉTICA AMBIENTAL DISCIPLINA: PODER, LIDERANÇA E ÉTICA. PROF ª: MICHELI GARGALHONE ALUNOS: FERNANDA KNOPP LEAL JULIANA CARVALHO SANTOS LUANA ROCHA DE BIASE MARCELINE

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA ROCHA, Elza dos Santos S. da (UNEMAT) elzassr@yahoo.com.br SANTOS, Leandra Ines Seganfredo (UNEMAT) leandraines@hotmail.com Sabemos que a água é indispensável

Leia mais

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS E CORRENTES Talita Cristina de Oliveira Educação ato de educar; ensino; processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício (Ruth

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

ECOLOGIA GERAL A NATUREZA SEMPRE ESTEVE EM PERFEITO EQUILÍBRIO, TUDO O QUE VEM ACONTECENDO EM NOSSO PLANETA É FRUTO DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA.

ECOLOGIA GERAL A NATUREZA SEMPRE ESTEVE EM PERFEITO EQUILÍBRIO, TUDO O QUE VEM ACONTECENDO EM NOSSO PLANETA É FRUTO DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA. ECOLOGIA GERAL Aula 01 Primeiro manifesto (tenham sempre isso em mente) A NATUREZA SEMPRE ESTEVE EM PERFEITO EQUILÍBRIO, TUDO O QUE VEM ACONTECENDO EM NOSSO PLANETA É FRUTO DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com

Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Profa. Margarita Ma. Dueñas O. margarita.unir@gmail.com Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Luciano Marçal da Silveira

Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Luciano Marçal da Silveira Encontro temático: Água, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional Luciano Marçal da Silveira Antonio Nobre - INPE A influência da floresta amazônica no clima e os riscos associados ao desmatamento.

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

O TERROR DO ACIDENTE NUCLEAR OCORRIDO EM CHERNOBYL, CIDADE DA NORTE DE UCRÂNIA, EM 26 DE ABRIL DE 1986

O TERROR DO ACIDENTE NUCLEAR OCORRIDO EM CHERNOBYL, CIDADE DA NORTE DE UCRÂNIA, EM 26 DE ABRIL DE 1986 O TERROR DO ACIDENTE NUCLEAR OCORRIDO EM CHERNOBYL, CIDADE DA NORTE DE UCRÂNIA, EM 26 DE ABRIL DE 1986 Fotos: Sites Phoronix e Der Spiegel http://www.achetudoeregiao.com.br/rj/usina_nuclear2.htm No inicio

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Representações Sociais de Meio Ambiente

Representações Sociais de Meio Ambiente Representações Sociais de Meio Ambiente Naturalista Reigota, 1995: Antropocêntrica Globalizante Moraes et al, 2000: Antropocêntrica = Naturalista Meio Ambiente Olivier Godard, 1984: O conceito de meio

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica Desenvolvimento Sustentável Capítulo II O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica A Dimensão Social do Desenvolvimento Sustentável: O caso da Energia Eólica Segundo Sachs (1993),

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO

Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Dinâmicas do mundo moderno Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros ESTUDO DIRIGIDO Para responder, siga as opiniões expressas do texto: Canto, O. do; J. Almeida. Meio ambiente: determinismos, metamorfoses

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA

A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA A BIODIVERSIDADE NO DIREITO AMBIENTAL INTERNACIONAL E A DIGNIDADE HUMANA Almeida S. S. (1) ; Pereira, M. C. B. (1) savio_eco@hotmail.com (1) Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife PE, Brasil.

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira Aluno: Camila Aparecida Pinto Serie: 7º ano A política brasileira Na política brasileira, existe uma grande chaga aberta e crescente já se tornou grande praga. Doença maldita, domina e contamina a toda

Leia mais

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2 Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1 Boa tarde a todos e a todas! Marina Silva 2 Quero dizer que é motivo de muita satisfação participar de eventos como esse porque estamos aqui para

Leia mais

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson

CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL. Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson CONFERENCIA NACIONAL SOBRE EMPREGOS VERDES: CAMINHOS PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL Mindelo, 24 de Julho de 2015 Discurso da Coordenadora Residente, Senhora Ulrika Richardson Senhora Ministra da Juventude,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre Página 1 de 5 ' nmlkji nmlkj ok Edição 1979. 25 de outubro de 2006 Entrevista: James Lovelock A vingança de Gaia < O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais