EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG Goiânia, 10 de março de Jhéssica Ribeiro Cardoso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG 2014-2015 Goiânia, 10 de março de 2014. Jhéssica Ribeiro Cardoso"

Transcrição

1 EVENTO DE DIVULGAÇÃO DO PLS-UFG Goiânia, 10 de março de 2014 Jhéssica Ribeiro Cardoso

2 Agenda: MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contratações Públicas Sustentáveis Instrução Normativa nº 1/2010; Instrução Normativa nº 10/2012: ;

3 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS: Trata-se de política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade, ou seja, critérios fundamentados no desenvolvimento econômico e social e na conservação do meio ambiente.

4 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP CONTRATAÇÃO PRODUÇÃO DISTRIBUIÇÃO FÍSICA TRANSPORTE SUPRIMENTO FÍSICO Soluções para integrar considerações ambientais e sociais nos estágios do processo de compras e contratações do governo reduzindo impactos à saúde humana, meio ambiente aos direitos humanos.

5 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS Instrumento de proteção ambiental. Ex: compras orgânicas gera redução de eutrofização equivalente ao produzido por 2 milhões de pessoas. Devem considerar impactos e pressão ambiental no âmbito da: Responsabilidade do consumidor pensar impactos Necessidade da compra minimizar o consumo Provocação da inovação buscar novos produtos Perspectiva no ciclo de vida pensar os produtos

6 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP Marco regulatório para CPS no governo federal Início de mudança dos padrões de consumo APF Dispõe sobre critérios de sustentabilidade nas Contratações Públicas (art. 1º) O gestor público responsável pelas CP deverá atentar-se ao ciclo de vida dos produtos ou serviços, incluindo sempre que possível critérios que minimizem os impactos ambientais.

7 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP O art. 1º não deve ser interpretado como a obrigação de realização da ACV, mas como orientação para nova visão em especificação técnica sobre o objeto a ser contratado. A princípio entende-se que é uma obrigação do gestor incluir os critérios de sustentabilidade que informem os impactos deve. Art. 2º - Exigências de natureza ambiental não podem frustrar a competitividade.

8 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP Exemplos de critérios de sustentabilidade: Obras Públicas Sustentáveis & Bens e Serviços. Art. 4º - Incorpora o previsto na LGL (art 12): projeto básico de obras públicas: Economia da manutenção e operacionalização (execução não); Redução de Impacto; Emprego de mão-de-obra, materiais, tecnologias e matérias-primas locais; Economia de água e energia, materiais e equipamentos.

9 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP O art. 5º - Critérios de Sustentabilidade que podem ser exigidos na aquisição de bens e serviços. Constituição dos bens (reciclado, atóxico, biodegradável); Requisitos certificação INMETRO menor impactos; Acondicionamento; Não contenham substâncias perigosas Metais pesados. Orientações em contratações SERVIÇOS LIMPEZA, VIGILÂNCIA, FROTA Remete-se à redução de impactos ACV e cuidado com saúde dos usuários. Comprovação de especificações: IN sugere exigência de certificações ou outros meios, atestando os critérios.

10 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP O art. 6º - Critérios nos editais de contratação de serviços: Tipo de produtos; Medidas que evitem desperdícios de água (Decreto nº /2003) Estadual Revisão; Ruído de equipamentos e EPIs aos funcionários; Treinamento interno dos colaboradores; Realize a separação dos resíduos recicláveis dos órgãos - IN/MARE nº 6/95 PNRS/2010: Revisão; Respeite as NBRs sobre resíduos sólidos; Destine pilhas e baterias conforme Res. CONAMA nº 257/99 Revogada pela 401/2008 Revisão. Bens ociosos Decreto Desfazimento: alienação ou doação. Divulgações no portal eletrônico Comprasnet.

11 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP IN é fruto do trabalho da CISAP; Estabelece regras para os PLS, obrigatórios para APF; IN 01/10, Decreto 7746/12 Vs IN 10/12: Define os critérios de sustentabilidade explicitando os impactos (Art. 2º); parâmetros utilizados para avaliação e comparação de bens, materiais ou serviços em função do seu impacto ambiental, social ou econômico.

12 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP Definição de Logística ; Fluxo de materiais, serviços e informações proteção ambiental, justiça social e desenvolvimento econômico; PLS: obriga as instituições a pensarem na sustentabilidade em LS: Definirem ações, metas, prazos e os mecanismos de monitoramento e avaliação Cobrar e monitorar o cumprimento da IN MP: apoiado pelo Sistema Integrado de Informações das ações de sustentabilidade, via CISAP. Conteúdo mínimo para os PLS e as prioridades de inclusão de práticas sustentáveis (art. 8º) Anexos, e Indicadores. Incentivo às Compras Compartilhadas (Anexo II) e Ações para redução de gastos.

13 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP Conteúdo Mínimo: Inventário de bens e materiais do órgão ou entidade e identificação de similares de menor impacto; Práticas de sustentabilidade e de racionalização do uso de materiais e serviços; Responsabilidades, metodologia e avaliação; Ações de divulgação, conscientização e capacitação. Práticas de Sustentabilidade (MACRO): Gestão de resíduos; Uso racional de recursos naturais; Licitações Sustentáveis; Qualidade de Vida no trabalho.

14 CPS Decreto Nº 7.746/12 IN Nº 10/2012 MP

15 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP Passo a passo para elaboração do PLS

16 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP

17 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP

18 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP

19 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP O QUE PODE SER FEITO?

20 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP O QUE PODE SER FEITO? PEG PROCEL A3P PES CPS

21 PEG PROCEL A3P PES CPS CPS Decreto Nº 7.746/12 IN Nº 10/2012 MP

22 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP COMO FAZER?

23 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP COMO FAZER?

24 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP

25 CPS IN 1/2010 IN Nº 10/2012 MP

26 Diagnóstico preliminar dos PLS

27

28 Principais Ações Contratações Sustentáveis Acordo de Cooperação - ICLEI Acordo de Cooperação - CNI Acordo de Cooperação - ECT Acordo de Cooperação - MMA Acordo de Cooperação - PNUMA Acordo de Cooperação - ABNT Acordo de Cooperação - SEBRAE Acordo de Cooperação - DEST Cadernos Frota, Vigilância e Limpeza Manual de Obras Públicas Eficiência Energética Desfazimento Contratações - IN 1/2010 Contratações - IN 10/2012 CISAP - Reunião Ordinária CISAP - GAT ISAP Guia Técnico Compras compartilhadas Guia Técnico TI Verde Guia Técnico Obras sustentáveis Guia Técnico eventos sustentáveis Carreira de Logística

29 Ação Estratégica 1 Carreira de Logística UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: RAFAEL ARANTES & EQUIPE CONTEXTO: VALORIZAÇÃO DA CARREIRA DIMENSÃO REFENCIAL: USO DO PODER DE COMPRA OBJETIVO ESTRATÉGICO: INSTITUIR CARREIRA VOLTADA PARA A ÁREA DE LOGÍSTICA PÚBLICA, BUSCANDO A EFICIÊNCIA NOS RESPECTIVOS SETORES ÓRGÃOS E ENTIDADES META GERAL: CRIAR CONDIÇÕES PARA VALORIZAR E QUALIFICAR OS ENVOLVIDOS NOS SETORES DE LOGÍSTICA DOS ÓRGÃOS BUSCANDO A EFICIÊNCIA DOS PROCESSOS PROBLEMA: FALTA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Levantamento das condições e critérios para Identificação dos aspectos qualificação Caracterizar o modelo relevantes 2014 SLTI E atual dos setores Questionário para diagnosticar os órgãos Elaborar e sistematizar E

30 Ação Estratégica 2 Cooperação MMA UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: JHESSICA/ MARINA CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO E DIVULGAÇÃO DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: ORIENTAR OS ÓRGÃOS E ENTIDADES NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS META GERAL: SOMAR ESFORÇOS PARA QUALIFICAR OS ATORES ENVOLVIDOS COM CPS E CRIAR CONDIÇÕES DE MONITORAMENTO PARA AÇÕES SUSTENTÁVEIS IMPLEMENTADAS NOS ÓRGÃOS E ENTIDADES PROBLEMA: NÍVEL DE QUALIFICAÇÃO EM COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM Desenvolvimento de proposta de Capacitação Criar módulos e conteúdos progrmático STATUS (E)m andamento (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Diagnosticar PLS Estudar PLS catalogados fev E Aperfeiçoar sistemas Desenvolver template PLS MP - MMA para qualificação Buscar ferramentas mar R Propor sistema informatizado de Monitoramento Criar ferramenta e sistema abr R Buscar apoio técnico e formar multiplicadores Dialogo e capacitações jun R jan C

31 Ação Estratégica 3 Cooperação PNUMA PNUD UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: JHESSICA/ MARINA CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: DESENVOLVER AÇÕES JUNTO A INICIATIVA SPPEL MDIC, MMA, MP & PNUMA PARA ROTUAGEM AMBIENTAL META GERAL: DESENVOLVER ESTRATÉGIAS PARA APERFEIÇOAR CARACTERÍSTICAS DE PRODUTOS SUSTENTÁVEIS MEDIANTE ESTUDO TÉCNICO SOBRE ROTULAGEM AMBIENTAL PROBLEMA: AUSENCIA DE SUBSIDIOS TÉCNICOS PARA IMPLEMENTAR POLITICA DE ROTULAGEM AMBIENTAL DE PRODUTOS STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Mapeamento de rotulagem Estudo preparatório E Institucionalizar rotulagem e aperfeiçoar CATMAT Desenvolver política Estudos técnicos via CISAP 2014 Equipe R Qualificação de compradores, fornecedores, mercado de rotulagem Capacitação e treinamento R

32 Ação Estratégica 4 Cooperação Técnica ICLEI UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: JHÉSSICA/ MARINA CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL & IMPLEMENTAÇÃO DE FERRAMENTAS DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: AUMENTAR A CAPACIDADE INSTITUCIONAL PARA IMPLEMENTAR A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS META GERAL: PROMOVER A INOVAÇÃO E FOMENTAR A ECONOMIA VERDE INCLUSIVE NO PROCESSO DE COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS PROBLEMA: DIFICULDADE EM PROMOVER E DIVULGAR AÇÕES RELATIVAS ÀS COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Promover o Intercâmbio de Informações Articular e integrar atores em CPS R Desenvolver plataforma online referencia em CPS Inovar e fomentar Atualizar cpsustentaveis 2014 R SLTI - ICLEI CPS Promover divulgação dos resultados Divulgar e sensibilizar R

33 Ação Estratégica 5 Cooperação Técnica CNI UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: ANDERSON/ KADU CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO & ESPECIFICAÇÃO TÉCNIA DIMENSÃO REFENCIAL: USO DO PODER DE COMPRA OBJETIVO ESTRATÉGICO: INSTITUCIONALIZAÇÃO E FORTALECIMENTO DAS POLÍTICAS DE USO DO PODER DE COMPRA NO GOVERNO FEDERAL META GERAL: CRIAR CANAL DE COMUNICAÇÃO COM OS REPRESENTANTES DA INDÚSTRIA, OS ÓRGÃOS E ENTIDADES DO SISTEMA NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL, E OS ÓRGÃOS E ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS E PELAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS PROBLEMA: FALTA DE APROXIMAÇÃO E ARTICULAÇÃO PARA FOMENTAR O USO DO PODER DE COMPRA AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM Articulação, Coordenação e Mobilização Produção Técnica e Prática. Construção de Projeto participativo Canal de Comunicação, Comissão Permanente Estudos técnicos de avaliação da sustentabilidade de produtos, serviços, práticas e processos da indústria nacional 2014 SLTI - CNI STATUS (E)m andamento (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Qualificação e Capacitação Capacitações técnicas R Divulgação e Sensibilização Ações estratégicas R R R

34 Ação Estratégica 6 Cooperação Técnica ABNT UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: KADU ABREU/ ANDERSON CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO & ESPECIFICAÇÃO TÉCNIA DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: DESENVOLVER AÇÕES CONJUNTAS, PARA CAPACITAÇÃO DE PESSOAL E IDENTIFICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE SUSTENTABILIDADE EM NORMAS TÉCNICAS NACIONAIS META GERAL: CRIAR CRITÉRIOS E ESPECIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS EM NORMAS TÉCNICAS PARA PRODUTOS E SERVIÇOS NO CATALOGO DO GOVERNO FEDERAL PROBLEMA: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA PRODUTOS DESCRITOS NO CATMAT E CATSERV STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM Mapear Produtos e Serviços Realizar ranking (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada R Criar especificações Padronizar e Normalizar R comprovar tecnicamenente 2014 SLTI-ABNT Qualificação técnica Realizar treinamentos F

35 Ação Estratégica 7 Cooperação Técnica ECT UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: JHÉSSICA/ MARINA BÉ CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: CONSTRUÇÃO PARTICIPATIVA DE PROJETO DE LOGÍSTICA PÚBLICA META GERAL: IMPLEMENTAR PROJETO DE LOGÍSTICA PÚBLICA COM ÊNFASE EM SUSENTABILIDADE NAS AÇÕES E PROGRAMAS DESENVOLVIDOS PARA MELHORIA DOS PROCESSOS PROBLEMA: QUALIFICAÇÃO INSUFICIENTE PARA DESENVOLVER UM PROJETO DE LOGÍSTICA PÚBLICA SUSTENTÁVEL STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Articulação, Coordenação e Mobilização Mapeamentos, Diálogos R Produção Técnica e Prática. Construção de Projeto Cartilhas, Guias, Ensaios R Qualificação e Capacitação participativo Cursos e Treinamentos 2014 SLTI - ECT R Divulgação e Sensibilização Portal, Fóruns, Seminários R

36 Ação Estratégica 8 Cooperação Técnica DEST UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: MARINA BÉ/ JHÉSSICA CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: DESENVOLVER ESTRATÉGIAS PARA DIÁLOGOS COM EMPRESAS ESTATAIS NO CONTEXTO SUSTENTÁVEL DO GOVERNO FEDERAL META GERAL: PARTILHAR EXPERIÊNCIAS NACIONAIS PARA A ELABORAÇÃO DE LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA A PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS ESTATAIS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SUSTENTABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROBLEMA: FALTA DE APROXIMAÇÃO E ARTICULAÇÃO COM AS EMPRESAS ESTATAIS STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada Atuação do DELOG e DEST para o tratamento da sustentabilidade Apresentação de experiências sustentáveis Estatais Grupos de Trabalho para definir estratégias (R)eprogramada Aproximação e diálogo Workshop 2º/2014 SLTI/DEST R

37 Ação Estratégica 9 Cooperação Técnica SEBRAE UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: MARINA BÉ/ KADU ABREU CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO DIMENSÃO REFENCIAL: USO DO PODER DE COMPRAS OBJETIVO ESTRATÉGICO: INSTITUCIONALIZAR O USO DO PODER DE COMPRA NO GOVERNO FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL META GERAL: MOBILIZAR E SENSIBILIZAR OS ESTADOS E MUNICIPÍOS PARA A REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123/2006 EM 2014 PROBLEMA: FALTA FOMENTO EM QUALIFICAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PARA COMPRAS GOVERNAMENTAIS STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído Institucionalização do Uso do Poder de compra (CA)ncelada (R)eprogramada Criar Comitê Gestor 1º/2014 SLTI-Sebrae E Mobilização dos estados e Implementação da LC nº 123/2006 Fomento ao Uso do 2014 SLTI-Sebrae E municípios Poder de Compra Apoiar mercado de compras governamentais Qualificar pequenos negócios 2014 SLTI-Sebrae E Envolver atores de compras Coordenar e mobilizar atores 2014 SLTI-Sebrae E

38 Ação Estratégica 10 Implementação de Normas UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: EQUIPE TÉCNICA CONTEXTO: NORMATIVOS SUSTENTÁVEIS DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: CRIAR, REVISÃO E IMPLEMENTAR NORMAS COM CRITÉRIOS, DIRETRIZES E ASPECTOS RELATIVOS À SUSTENTABILIDADE META GERAL: INSERIR A SUSTENTABILIDADE NO CONTEXTO NORMATIVO DA LOGÍSTICA PÚBLICA PROBLEMA: O ARCABOUÇO NORMATIVO PODE SER APERFEIÇOADO E CRIAR NOVOS MODELOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CPS STATUS (E)m andamento AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Instituição de Eficiência Energética IN Compulsoriedade EE 1º/2014 Anderson E Desfazimento de materiais Revisão do Decreto nº /90 1º/2014 Marina E Otimização Revisão Instrução Normativa nº 1/2010 Contribuições de parceiros 2º/2014 Jhéssica R Revisão Instrução Normativa nº 10/2012 Contribuições CISAP 2º/2014 CISAP R

39 Ação Estratégica 11 Contratação Manual de Obras Públicas UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: ANDERSON/JHÉSSICA CONTEXTO: OBRAS/ENGENHARIA DIMENSÃO REFENCIAL: APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO OBJETIVO ESTRATÉGICO: CONTRATAR SERVIÇO PARA ATUALIZAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO DO MANUAL DE OBRAS PÚBLICAS PARA O GOVERNO FEDERAL META GERAL: ACOMPANHAR TODAS AS FASES E FISCALIZAR O CUMPRIMENTO DO CONTRATO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ATÉ SUA CONCLUSÃO EM 2015 PROBLEMA: O MANUAL ENCONTRA-SE DESAUTALIZADO E SEM CONSIDERAÇÕES RELATIVAS À SUSTENTABILIDADE, PRETENDENDO-SE INSERIR AS EDIFICAÇÕES NESTE CONTEXTO AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM STATUS (E)m andamento (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Elaboração do Termo de Referência 2013 CGEST C Consultas e avaliações do TR 2013 Parceiros C Contratação do serviço Aperfeiçoar Acompanhamento, monitoramento, 2014 MP E Implementar Cronograma previsto fiscalização e avaliação 2014 Contratada R Fiscalizar serviços 2015 SLTI R

40 Ação Estratégica 12 Orientação Técnica UNIDADE: CGEST RESPONSÁVEL PELA AÇÃO: EQUIPE TÉCNICA CONTEXTO: QUALIFICAÇÃO & ORIENTAÇÃO DIMENSÃO REFENCIAL: SUSTENTABILIDADE OBJETIVO ESTRATÉGICO: ORIENTAR TECNICAMENTE OS ÓRGÃOS E ENTIDADES PARA AS COMPRAS SUSTENTÁVEIS META GERAL: DESENVOLVER E PUBLICAR GUIAS TÉCNICOS PARA ORIENTAÇÃO DOS GESTORES E ENVOLVIDOS COM AS COMPRAS PÚBLICAS EM 2014 PROBLEMA: FALTA DE CONHECIMENTO DOS ENVOLVIDOS COM COMPRAS PARA BOAS PRÁTICAS OU INICIATIVAS EM COMPRAS PÚBLICAS PARA OS TERMOS DE REFERÊNCIA, EDITAS E CONTRATOS AÇÕES POR QUÊ FAZER COMO FAZER QUANDO QUEM STATUS (E)m andamento (A)trasado (C)oncluído (CA)ncelada (R)eprogramada Guia Técnico TI Verde mar Kadu E Guia Técnico Compras Compartilhadas Guia de orientação técnica com modelos, experiências, boas práticas mar Marina E Guia Técnico Obras Sustentáveis Orientação Técnica e sugestões mar Anderson E Guia Técnico Eventos Sustentáveis fev Jhéssica E Cadernos Serviços Limpeza, Frota e Vigilância fev Jhéssica E

41 Obrigada! Jhessica Ribeiro Cardoso Departamento de Logística Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (61)

Sustentabilidade na Administração Pública

Sustentabilidade na Administração Pública Sustentabilidade na Administração Pública B823s Biblioteca/CODIN/CGPLA/DIPLA/MP Bibliotecária Cristine C. Marcial Pinheiro CRB1-1159 Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis 1º Diálogo Finanças e Meio Ambiente: Seminário Internacional Gastos Sustentáveis e Eficiência Energética Compras Públicas Sustentáveis Jhéssica Ribeiro Cardoso Brasília, Outubro/2013 Conteúdo Programático

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL: FERRAMENTA PARA BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA

PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL: FERRAMENTA PARA BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 25, 26 e 27 de março de 2014 PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL: FERRAMENTA PARA BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA RAFAEL SETÚBAL ARANTES ANA MARIA

Leia mais

Contratações Públicas Sustentáveis

Contratações Públicas Sustentáveis Contratações Públicas Sustentáveis Caderno de Estudo e Pesquisa 3: Instrumentos de viabilização da Política: Planos de Gestão de Logística Sustentável Biblioteca/CODIN/CGPLA/DIPLA/MP B823p Bibliotecária

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA DELOG/SLTI/MP

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA DELOG/SLTI/MP DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA DELOG/SLTI/MP ( HOUVER NOME DO EVENTO (QUANDO Normas Nome da Secretaria CADERNOS DE LOGÍSTICA Caderno de Logística - Conta Vinculada Caderno de Logística - Limpeza Caderno de

Leia mais

As compras compartilhadas no Governo Federal

As compras compartilhadas no Governo Federal As compras compartilhadas no Governo Federal Delfino Natal de Souza Secretário de Logística e Tecnologia da Informação MAIS RÁPIDO DESENV. SUSTENTÁVEL MELHOR SEGMENTOS ESTRATÉGICOS CUSTO USO DO PODER DE

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Agenda Ambiental na Administração Pública Brasília/DF agosto/2014 Agenda Ambiental Administração Pública Agenda para promoção da Responsabilidade Socioambiental - RSA; Ferramenta de gestão institucional

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

Os Cuidados na Comprovação dos Requisitos de Sustentabilidade

Os Cuidados na Comprovação dos Requisitos de Sustentabilidade Os Cuidados na Comprovação dos Requisitos de Sustentabilidade Rafael Setúbal Arantes EPPGG/Diretor-Adjunto DELOG/SLTI/MP Decreto nº 7.746, de 2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Fundamentação Legal Art. 2o

Leia mais

1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO 1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO

1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO 1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PRÉDIOS PÚBLICOS 1.1. OBJETIVO A presentar uma visão sobre a necessidade de aplicação de conceitos de eficiência energética nos prédios públicos brasileiros bem como apresentar

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA

INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA INSTRUMENTOS E INCENTIVOS PARA A PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS ESTRUTURANDO UMA POLÍTICA PÚBLICA Brasília, 15 de junho de 2012 Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais

O Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida PBACV

O Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida PBACV O Programa Brasileiro de Avaliação de Ciclo de Vida PBACV Cristiane S. Sampaio, Pesquisadora D.Sc. Diape/Dconf/ Inmetro Fiesp/SP, 10/09/2015 PBACV : Criação do programa O CBAC formulou ao Conmetro a proposta

Leia mais

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis http://www.peixeurbano.com.br/convite/fscpeixeurbano br/convite/fsc V Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Secretaria de Articulação Institucional

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

Diretoria de Gestão Interna

Diretoria de Gestão Interna Diretoria de Gestão Interna Objetivo 13: Garantir que os processos de trabalho e seus produtos sejam oportunos e primem pela qualidade, com uso intensivo de tecnologia Iniciativas Ações Produtos ou resultados

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Demandas Crescentes. Limitação de Recursos

CONTEXTUALIZAÇÃO. Demandas Crescentes. Limitação de Recursos CONTEXTUALIZAÇÃO Demandas Crescentes Limitação de Recursos X CONTEXTUALIZAÇÃO Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas.

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (tarde)

Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Planos de Logística Sustentáveis (tarde) Brasília, 17 de junho de 2015 MINISTÉRIO DO Estrutura PLANEJAMENTO de um PLS 1.1.Informações Básicas 1.2.Apresentação 1.4.1.1.1.Geral 1.Identificação 1.4.1.1.Objetivos

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Painel: A CADEIA PRODUTIVA - desenvolvimento da indústria do petróleo e gás no Brasil e o desenvolvimento da indústria de equipamentos e ferramentas

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DE MEIO AMBIENTE

CONSELHO TEMÁTICO DE MEIO AMBIENTE CONSELHO TEMÁTICO DE MEIO AMBIENTE Confederação Nacional da Indústria - CNI Mapa Estratégico da Indústria - O mapa define objetivos, metas, programas capazes de consolidar o Brasil como uma economia competitiva,

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Nina Gonçalves e Rosângela Neri Nereu Brasília, 20 de novembro de 2012 Fórum Governamental de Responsabilidade Social AGENDA Sustentabilidade Comissão Interministerial de

Leia mais

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Artes, Ciências e Humanidades O USO DO PODER DE COMPRA DO GOVERNO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Deloise de Fátma B. Jesus Luiza Yorioka Rodrigues Taiara Vitória Nelly

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Cartilha de Compras UFES 2016 VITÓRIA - ES 2016 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. ANTES DA SOLICITAÇÃO DE MATERIAL

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Logística Reversa e os Acordos Setoriais PALESTRANTE: ZILDA VELOSO PALESTRA: PAINEL: DATA : A Logística Reversa e os Acordos Setoriais 19 de maio de 2015, às 16h15

Leia mais

Segundo dados da ONU, se todos adotarmos os atuais padrões ocidentais de produção e consumo, serão necessários: **Fonte: SMA/SP

Segundo dados da ONU, se todos adotarmos os atuais padrões ocidentais de produção e consumo, serão necessários: **Fonte: SMA/SP 1 Segundo dados da ONU, se todos adotarmos os atuais padrões ocidentais de produção e consumo, serão necessários: 1900 2002 2050 2100 **Fonte: SMA/SP 2 O Plano - Princípios Do Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS)

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente APRESENTAÇÃO Processo de Marrakech planos nacionais produção

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo e de gás natural para a indústria

Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo e de gás natural para a indústria Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Seminário: CONTEÚDO LOCAL NO SETOR PETRÓLEO Painel: Os resultados da política de conteúdo local nas atividades de exploração e produção de petróleo

Leia mais

4º CONGRESSO SIMEPETRO

4º CONGRESSO SIMEPETRO 4º CONGRESSO SIMEPETRO POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LOGÍSTICA REVERSA Walter Françolin SINDIRREFINO - Agosto 2011 LEI nº 12.305 de 02 de Agosto de 2.010. institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina.

Verificação da sustentabilidade das ações do Programa LIXO NOSSO DE CADA DIA, realizado pelo Ministério Público do Estado de Santa Catarina. PROPOSTA DE PROJETO DE COOPERAÇÃO TECNICO-CIENTIFÍCA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL SEÇÃO SANTA CATARINA Verificação da sustentabilidade

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública. Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público. Brasília, 01º de dezembro de 2009

IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública. Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público. Brasília, 01º de dezembro de 2009 IV Fórum Governamental de Gestão Ambiental na Administração Pública Painel 4 Sustentabilidade no Setor Público Brasília, 01º de dezembro de 2009 Márcio Luiz de Albuquerque Oliveira Coordenador-Geral de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PLANO DE AÇÃO PARA PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental (SAIC) Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis (DPCS)

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Planos de Logística Sustentáveis (manhã)

Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Planos de Logística Sustentáveis (manhã) Brasília, 17 de junho de 2015 Conteúdo Programático: Planos de Logística Sustentável: conceitos Conteúdo Mínimo Temas e Planos de Ação para PLS Etapas de elaboração

Leia mais

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico

Estudos para Reorganização do Setor Elétrico Programa 0276 Gestão da Política de Energia Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área de energia. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es) Órgão(s) 32 - Ministério

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA

Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA Anexos Anexo I - Formulários Padronizados para envio dos Relatórios dos Setores Institucionais a CPA SISTEMATIZAÇÃO DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO COM VISTAS À AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS

Leia mais

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Linha estratégica 1: Fortalecimento da Rede BVS Brasil Prioridade 1.1 Ampliação das alianças e das redes que atuam na informação científica e técnica

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS)

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS) Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente Segundo dados da ONU, se todos mantivermos os atuais

Leia mais

Relatório da Oficina

Relatório da Oficina M I N I S T É R I O D O M E I O A M B I E N T E Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Gerência de Resíduos Perigosos Relatório da Oficina

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Departamento t de Desenvolvimento Sustentável tá na Mineração Ministério das Minas e Energia LEI Nº 12.305/2010 Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

MEMÓRIA DA 1º REUNIÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO INEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ

MEMÓRIA DA 1º REUNIÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO INEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ MEMÓRIA DA 1º REUNIÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO INEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CHAPECÓ Data: 28 de março de 2014 Local: Prefeitura Municipal de Chapecó Horário: Das 08:30 às 10:00 horas Pauta: 1 - Boas

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação

Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Edital para Seleção de Trabalhos para o II Seminário de Boas Práticas na Gestão de Unidades de Conservação 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Tubarão 27 e 28 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta de

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11 Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás Projeto IV.11 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES S PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES Iniciativa conjunta Ministério do Planejamento Meio Ambiente Minas e Energia

Leia mais

Programa de prevenção aos efeitos causados pelas mudanças e variabilidade climáticas.

Programa de prevenção aos efeitos causados pelas mudanças e variabilidade climáticas. Programa de prevenção aos efeitos causados pelas mudanças e variabilidade climáticas. 1 Introdução O aumento na ocorrência dos eventos críticos - secas intensas, fortes tempestades, enchentes frequentes

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Gestão estratégica: pessoas, desenvolvimento e capacitação

Gestão estratégica: pessoas, desenvolvimento e capacitação Encontro Nacional de Desenvolvimento de Pessoas Gestão estratégica: pessoas, desenvolvimento e capacitação Desafios para a política de capacitação dos servidores na Administração Pública Federal Paulo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT.

REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT. REGIMENTO INTERNO GABINETE DE GESTÃO INTEGRADA EM SEGURANÇA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE LUCAS DO RIO VERDE-MT. TÍTULO I DA DEFINIÇÃO, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1º O Gabinete de Gestão Integrada em Segurança

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Seminário Produção e Consumo Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Elenis Bazácas Corrêa Auditora Pública Externa Parte I - Atuação do Tribunal de Contas - gestão socioambiental. Parte II - Compras

Leia mais

Composição Orçamentária ISAGS 2015(*) Natureza Valor Anual (US$) Porcentagem (%) Projetos 709.278,97 35,48% Pessoal 822.

Composição Orçamentária ISAGS 2015(*) Natureza Valor Anual (US$) Porcentagem (%) Projetos 709.278,97 35,48% Pessoal 822. Composição Orçamentária ISAGS 2015(*) Natureza Valor Anual (US$) Porcentagem (%) Projetos 709.278,97 35,48% Pessoal 822.543,34 41,14% Gastos Operacionais 467.445,69 23,38% TOTAL 1.999.268,00 100% 100%

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE)

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) PROIMPE Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) OBJETIVOS PRINCIPAIS Estimular a inclusão digital das MPE (Inclusão Empresarial); Promover o aumento da

Leia mais

COMITÊ TEMÁTICO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

COMITÊ TEMÁTICO COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMITÊ TEMÁTICO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SUMÁRIO EXECUTIVO FEVEREIRO e MARÇO/2013 Macro-Ação 1 Qualificação para implementação da LC 123 Atividade 1: Capacitação via curso de Compras Governamentais do Sebrae

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

Compras e Inovação: Perspectivas e Resultados

Compras e Inovação: Perspectivas e Resultados Compras e Inovação: Perspectivas e Resultados Jussara de Lima Carvalho Secretária Executiva - CEO Brasília 27 de agosto de 2014 ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade Secretariado para América do

Leia mais

Zilda M F Veloso. Diretora de Ambiente Urbano

Zilda M F Veloso. Diretora de Ambiente Urbano Zilda M F Veloso Diretora de Ambiente Urbano Porto Alegre, 21 de Agosto de 2015 Objetivos (art. 9º Lei 12.305/10) POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Frentes de Implementação da Política Planos de Resíduos

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009

RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009 1 RELATÓRIO SIMPLIFICADO PROGRAMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CBIC REUNIÃO DO CONSELHO ESTRATÉGICO 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Participantes: Antônio Othon Rolim (Sinaenco); Augusto Jucá (CNI); Carlos Alberto

Leia mais

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 003, de 9 de abril de 2008. Aprova o Regulamento do Sistema Brasileiro de Tecnologia. O Presidente do Comitê

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil

GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna. COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil GOVERNANÇA DE TI: Um desafio para a Auditoria Interna COSME LEANDRO DO PATROCÍNIO Banco Central do Brasil Programação da Apresentação Evolução da Auditoria Interna de TI no Banco Central; Governança de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

Sustentabilidade nas Contratações Públicas. O PPCS em marcha

Sustentabilidade nas Contratações Públicas. O PPCS em marcha Sustentabilidade nas Contratações Públicas O PPCS em marcha Conteúdo 1. Dilemas do consumo 2. Plano de Produção e Consumo Sustentáveis 3. Estratégia para sustentabilidade nas contratações 1 DILEMAS DO

Leia mais

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver MANUAL DO INCUBADO PPV Programa Pronto para Viver SUMÁRIO 1. CONTEXTUAIS... 2 2. EQUIPE TÉCNICA DA AGENDE... 2 3. PLANEJAMENTO ESTRETÉGICO... 3 3.1 Planejamento Estratégico - Gestão... 3 3.2 Planejamento

Leia mais

1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV

1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV 1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV Maria Aparecida Martinelli / Inmetro FIESP SP, 24/02/2014 ACV : Projeto SICV Brasil Projeto

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação Brasília, 12 de março de 2013 da Educação Contexto do Ministério Ministério da Educação 7 Secretarias

Leia mais

ANVISA PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO: A INSTITUIÇÃO DA AGENDA REGULATÓRIA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANVISA PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO: A INSTITUIÇÃO DA AGENDA REGULATÓRIA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO: A INSTITUIÇÃO DA AGENDA REGULATÓRIA Fórum das Agências Reguladoras Brasília, 2 de abril de 2009 ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Foco

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 009/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: DESENV. TECNOLÓGICO O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente - GAEMA PCJ-Piracicaba MP/SP DESAFIOS

Leia mais