TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO: DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO PARA COMIN COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO: DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO PARA COMIN COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CECIESA- GESTÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO: DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO PARA COMIN COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA ACADÊMICO: MAURICIO BERTOLINI COMIN ORIENTADOR: RÉGIS HEITOR FERROLI ITAJAÍ 2014

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CECIESA- GESTÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO: DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO PARA COMIN COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA Trabalho de conclusão de estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. Orientador: Regis Heitor Ferroli ITAJAÍ 2014

3 Agradeço primeiramente a Deus por mais uma etapa concluída em minha vida e à minha família que sempre me apoiou no decorrer desta jornada acadêmica. Aos meus amigos que estiveram sempre presentes: muito obrigado. Estendo agradecimentos aos professores que por meio dos ensinamentos auxiliaram e abriram as portas para conclusão deste trabalho, em especial ao meu orientador e professor Régis Heitor Ferroli que me auxiliou e orientou desde o princípio deste trabalho.

4 Tudo posso naquele que me fortalece (Filipenses 4:13).

5 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Maurício Bertolini Comin b) Área de estágio Administração Geral c) Orientador de conteúdo Prof. Régis Heitor Ferroli d) Supervisor de campo Antonio Luis Comin e) Responsável pelo Estágio Prof. Eduardo Krieger da Silva

6 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO a) Razão Social Comin Comércio de Móveis LTDA. b) Endereço Rua: Samuel Heusi, nº73, Bairro: Centro. Itajaí, SC c) Setor de Desenvolvimento do Estágio Administração Geral d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Antonio Luis Comin Proprietário f) Carimbo e visto da organização

7 RESUMO Com o avanço das organizações frente ao crescimento do mercado fica cada dia mais claro a necessidade de serem realizados junto aos gestores pesquisas de análise e diagnóstico. Essas ferramentas têm por objetivo o auxílio e posicionamento da empresa frente às variáveis internas e externas. Dessa forma o objetivo geral desse trabalho foi a elaboração de um diagnóstico estratégico para empresa Comin Comércio de Móveis tendo como objetivos específicos: identificar forças e fraquezas da empresa, descrever oportunidades e ameaças no mercado onde a empresa esta inserida e propor estratégias em função do diagnóstico realizado. A tipologia da pesquisa teve abordagem qualitativa e foi desenvolvida por meio de um estudo de caso. Para levantamento de dados foram utilizados: entrevista semi estruturada com o gestor sendo os dados tratados por análise de conteúdo. Dessa forma com a apresentação dos resultados alcançados das aplicações das ferramentas para diagnóstico estratégico: análise funcional, matriz BCG (Boston Consulting Group), análise da competitividade (5 forças de Porter), análise das variáveis ambientais e análise SWOT; foi possível classificar a empresa em uma postura de crescimento. Por meio dos resultados apresentados foram propostas estratégias para que o gestor tenha uma visão completa da empresa frente aos ambientes interno e externo e para que possa ter um melhor direcionamento em suas tomadas de decisões. Palavras-chave: Administração, Diagnóstico Estratégico, Ferramentas Estratégicas.

8 7 LISTA DE FIGURA: FIGURA 1 O planejamento nos três níveis organizacionais...14 FIGURA 2 Fases do planejamento estratégico...15 FIGURA 3 A análise estrutural de indústrias...22 FIGURA 4 Tipos básicos de estratégia...27 FIGURA 5 Catálogo de produtos...32 FIGURA 6 Cinco Forças de Porter...43

9 8 LISTA DE QUADRO: QUADRO 1 Lista de verificação para análise de forças/fraquezas...19 QUADRO 2 Matriz BCG...20 QUADRO 3 Análise BCG...21 QUADRO 4 Fatores ou variáveis ambientais e alguns de seus componentes...25 QUADRO 5 Informações gerais da empresa...30 QUADRO 6 Fornecedores da empresa...34 QUADRO 7 Principais Concorrentes...35 QUADRO 8 Resultado da lista de verificação para análise de forças/fraquezas...37 QUADRO 9 Lista de produtos comercializados pela empresa...38 QUADRO 10 Análise SWOT...46

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa da realização do estudo Aspectos metodológicos Técnicas de coleta Análise dos dados FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Planejamento Planejamento e suas tipoligias Planejamento Estratégico Diagnóstico Estratégicos Análise Funcional Análise BCG Análise de Competitividade Análise das Variáveis Ambientais Análise de SWOT A Empresa Breve Histórico A Marca Informações Gerais Missão Visão e Valores Resultados da Pesquisa Análise Funcional Análise BCG Análise de Competitividade Variáveis Ambientais Análise SWOT CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS... 53

11 4 1 INTRODUÇÃO No contexto atual de mercado e com o desejo de muitos indivíduos serem empreendedores, pode ser vista cada vez mais empresas de pequeno porte. A natureza fundamental de competição nas organizações está mudando significativamente, sendo o ritmo desta mudança implacável e os gestores necessitam ter habilidades, estarem preparados e direcionados para esse novo ambiente arriscado, competitivo e lucrativo de negócios, em que oportunidades podem ser desafios, e sucesso e fracasso caminham lado a lado. Normalmente o início das atividades de uma empresa de pequeno porte, acontece pela habilidade e visão dos gestores em aproveitar uma oportunidade de negócio ou pelo desejo de abrir sua própria empresa (TAVARES 1999). Neste sentido, há um número bastante expressivo de empresas familiares que estão tentando se firmar no mercado. Com base nesta panorâmica, tem-se a necessidade de procurar meios formais de estabelecer procedimentos eficientes, uma vez que tais empresas não têm visão de longo prazo nem controles eficazes dos processos administrativos. A ferramenta de diagnóstico estratégico apresenta-se como uma alternativa para atender tais necessidades e possibilita uma visão mais clara quanto às possibilidades do negócio no futuro. Dessa forma, o foco deste estudo enfatiza uma empresa de pequeno porte que está situada no ramo de comércio e prestação de serviços, ou seja, Comin Comércio de Móveis LTDA. A empresa foi fundada em junho de 2001 na cidade de Itajaí e atua no mercado fornecendo para pessoas físicas e jurídicas móveis para escritório, cadeiras e decorações. Diante do ramo de móveis para escritório, convém evidenciar que este segmento participa com 25% do faturamento total do setor moveleiro no Brasil, de tal forma que vem crescendo paralelamente à ascensão das empresas (ROSA et all, 2007). Todavia, para atender um mercado corporativo muito exigente, a propensão atual é que as empresas que estão neste ramo forneçam aos clientes mais opções e linhas completas. Cabe ressaltar que com essa aceleração as empresas procuram preocupar-se mais com a qualidade dos produtos e ações de pós venda, uma vez que atuam em um mercado abrangente.

12 5 Diante disto, acredita-se que a partir do momento que for colocado em prática um diagnóstico estratégico visando à melhoria da organização, fará com que a empresa Comin Comércio de Móveis LTDA tenha um diferencial perante os concorrentes, tornando-se mais competitiva para que as ameaças sejam minimizadas. 1.1 Objetivo geral Roesch (2005, p. 96), cita que o objetivo geral é aquele que define o propósito do trabalho. Desta forma entende-se que objetivo geral é o ponto de partida do trabalho e irá ajudar a definir os objetivos específicos. O objetivo geral do trabalho é elaborar um diagnóstico estratégico para a empresa Comin Comércio de Móveis LTDA, localizada na cidade de Itajaí. 1.2 Objetivos específicos Richardson (1999) define objetivos específicos como as etapas que devem ser cumpridas para alcançar o objetivo geral. Portanto os objetivos específicos fazem o detalhamento e indicam os pontos que precisam ser cumpridos para se chegar ao objetivo geral do projeto. Os objetivos específicos são: Identificar forças e fraquezas da empresa Comin Comércio de Móveis LTDA; Descrever oportunidades e ameaças no mercado onde a empresa está inserida; e Propor estratégias em função do diagnóstico realizado.

13 6 1.3 Justificativa da realização do estudo É muito importante justificar um trabalho para que a parceria entre a empresa, o acadêmico e a universidade seja viável. De acordo com Roesch (2005, p. 99) é possível justificar um projeto através de sua importância, oportunidade e viabilidades. A importância deste estudo está na busca do conhecimento para o acadêmico nesta área da administração, bem como no interesse de desenvolver procedimentos que auxiliarão a organização em que o próprio acadêmico é um integrante da empresa. Como a empresa é familiar, existem dificuldades de programar algumas políticas, uma vez que as decisões são totalmente centralizadas. Para a empresa será uma oportunidade para aperfeiçoar e melhorar o processo de planejamento que até então era informal. Este trabalho torna-se viável e oportuno pelo fato de os custos serem reduzidos, o acadêmico ter facilidade no acesso às informações e documentos da organização uma vez que a empresa autoriza a liberação dos mesmos. Cabe ressaltar que o acadêmico terá tempo suficiente para a realização do trabalho e como não foi realizado nenhum estudo assim na empresa, ele terá sua originalidade confirmada. Para a Universidade é uma ideia de um trabalho inovador, criado para uma pequena empresa, podendo deixar para a academia um estudo realizado em uma empresa da cidade de Itajaí e que pode servir como fonte de pesquisa para interessados neste assunto. 1.4 Aspectos metodológicos Aspectos metodológicos podem ser entendidos como regras que auxiliam a forma como alguns objetivos foram buscados, tendo como base procedimentos elaborados por estudiosos da metodologia científica (ROESH, 2007).

14 7 Para o presente trabalho de conclusão de estágio foi utilizado as tipologias de pesquisa diagnóstico e estudo de caso que tem como objetivo auxiliar o administrador em sua gestão. Com relação à pesquisa diagnóstico, são pesquisas que visam ao diagnóstico de uma situação organizacional, que normalmente não possuem um custo muito levado, porém, muito difícil de se ter acesso às informações da empresa, uma vez que muitos documentos são confidenciais ou geram desconfiança do empresário para abrir tais informações ao estagiário (ROESH, 1997). Foi incluído o estudo de caso na pesquisa, visando explorar e descrever situações na organização, que de acordo com Yin (2005 apud GIL, 2011) o estudo de caso é um estudo empírico que investiga um fenômeno atual dentro do seu contexto de realidade, quando as fronteiras entre o fenômeno e o contexto não são claramente definidas e no qual são utilizadas várias fontes de evidência. Para realizar este estudo foram utilizados predominantemente procedimentos do método qualitativo. Richardson (1999) afirma que os estudos que empregam uma metodologia qualitativa podem descrever a complexidade de determinado problema, analisar a interação de certas variáveis, contribuir e compreender no processo de mudança de certo grupo e possibilitar, em maior nível de profundidade, o entendimento das particularidades do comportamento dos indivíduos. A escolha deste método está relacionada com as necessidades da empresa em estruturar um diagnóstico estratégico bem como auxiliar a organização na tomada de decisões. 1.5 Técnicas de coleta Neste trabalho foram utilizados dados primários e secundários na pesquisa qualitativa, sendo realizada uma entrevista com o administrador da empresa. Com relação à fonte primária, Richardson (2007, p. 253) destaca-se que uma fonte primária é aquela que teve uma relação física direta com os fatos analisados, existindo um relato ou registro da experiência vivenciada.

15 8 Já a fonte secundária, conforme Richardson (2007, p. 253) é aquela que não tem uma relação direta com o acontecimento registrado, se não através de algum elemento intermediário. Com relação à pesquisa qualitativa, na entrevista semi-estruturada foram utilizadas questões abertas que permitiram ao pesquisador entender e captar a percepção do participante da pesquisa (NETTO, 2005). A pesquisa com o gestor foi realizada na própria empresa, fora do horário do expediente e foi gravada. Cabe ressaltar que a pesquisa foi feita também por meio de pesquisas bibliográficas em livros, sobre o tema abordado, pesquisa documental em arquivos da empresa tendo em vista que o acesso a estes dados foram deixados a disposição do acadêmico, pois o mesmo trabalha na empresa estudada. 1.6 Análise dos dados Após encerrar a coleta dos dados, tem-se a necessidade de organizar e analisar os dados relatados. Os dados qualitativos foram analisados mediante o uso da técnica de análise de conteúdo, onde Berelson (1952, apud GIL, 2011) afirma que análise de conteúdo é uma técnica de investigação que, através de uma descrição objetiva, sistemática e quantitativa do conteúdo manifesto das comunicações, tem por finalidade a interpretação destas mesmas comunicações. Vale destacar que para favorecer a análise de dados foram utilizados gráfico, quadros, figuras e textos explicativos, aplicadas como suporte à metodologia utilizada para a realização deste estudo.

16 9 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo será abordado o conteúdo teórico para compreender os objetivos propostos, desenvolvimento e resultados esperados. Para tanto, será referenciado temas como conceitos de administração, papéis e perfil do administrador, planejamento estratégico, entre outros. 2.1 Administração Com as mudanças na economia e o avanço frequente da tecnologia, da informação e de um mercado de trabalho cada vez mais exigente, os alcances de certos objetivos dentro das organizações são de grande importância para o sucesso e garantia de bom desempenho de maneira global ou regional. Com base nisto, a administração recebeu muitas influências com o passar dos anos, que há muito tempo mantinha intenções de tornar o trabalho individual cada vez melhor, mais fácil e bem sucedido. Logo adiante, passou a envolver a atividade grupal, a atividade organizacional em conjunto e posteriormente ampliouse com a atividade interorganizacional (CHIAVENATO, 2010). Desta forma, podem-se frisar algumas das mais importantes influências: Igreja Católica, Revolução Industrial, Filosóficas e Militares, o surgimento dos primeiros embasamentos teóricos administrativos deram-se pelos conhecimentos de grandes personalidades na administração como Taylor, Fayol e Ford (MAXIMIANO, 2008). Para constituir o conceito da Administração atual, foram necessárias várias transformações nas teorias adquiridas ao longo dos séculos, no qual seu propósito era desenvolver uma solução dos problemas do mundo organizacional moderno. Dessa forma, Chiavenato (2001, p.14) afirma que a administração é um fenômeno universal no mundo moderno.

17 10 Neste sentido, os conceitos mais atuais da administração remetem ao processo de tomar decisões sobre a utilização de recursos, a fim de possibilitar a realização de objetivos (MAXIMIANO, 2008). De tal maneira, é possível compreender que administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar a aplicação dos recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos de tal maneira eficiente e eficaz (CHIAVENATO 2010, p.5). Pode-se compreender, dessa forma, que o processo administrativo é uma sequência de ações e atividades que intercorrem com o intuito de chegar a certo ponto de maneira regrada. Sendo assim, os processos administrativos nada mais são que um conjunto e sequência das funções administrativas (CHIAVENATO, 2010). PLANEJAR: Planejar é a primeira função administrativa e tem como base produzir e traçar metas a serem buscadas em todos os âmbitos da organização (DAFT, 2002). Desta forma, planejamento consiste em solucionar problemas e a tomada de decisões referente às alternativas futuras (CHIAVENATO, 2010). ORGANIZAR: A segunda função administrativa é organizar e tem como parâmetro estabelecer meios e recursos necessários para propiciar a execução do planejamento e refletir como a empresa ou organização tenta cumprir os planos (ARAUJO, 2006). Organizar nada mais é do que uma função administrativa interligada com a atribuição e agrupamento de tarefas e a distribuição de recursos necessários para indivíduos, equipes ou departamentos da organização de uma maneira estruturada a fim de alcançar objetivos em comum (CHIAVENATO. 2010). DIRIGIR: Tendo-se um planejamento e organização já elaborados é necessário fazer com que os processos se iniciem conforme planejado. Sendo assim dirigir é a terceira função administrativa e inclui todos os níveis hierárquicos, é onde envolve o uso de influência do gestor ou administrador para ativar e motivar indivíduos a alcançarem objetivos organizacionais, tornando-se necessária para que o planejamento e a organização sejam eficazes (CHIAVENATO, 2010). Pode-se afirmar ainda que este processo de direção segundo alguns autores pode ser compreendido pelo ato de liderar

18 11 sendo assim liderança é a função administrativa que envolve o uso da influência para motivar os funcionários a alcançarem as metas da organização (DAFT, 2002, p.6). CONTROLAR: O controle faz parte da quarta função administrativa que está relacionada com a monitoração das atividades com o propósito de manter a organização no caminho certo para alcançar os objetivos, permitindo as correções necessárias para futuros obstáculo (CHIVANEATO, 2010). Sendo assim, o controle consiste em comparar as atividades realizadas com as atividades planejadas, para possibilitar a realização dos objetivos (MAXIMIANO, 2008, p.13). As quatro funções administrativas apresentadas (planejar, organizar, dirigir e controlar) formam o processo administrativo. Isso significa que o administrador planeja, organiza, dirige e controla todas as atividades ocorridas nas organizações com o propósito de alcançar objetivos devidamente estabelecidos (CHIVANEATO, 2010). No entanto evidencia-se neste trabalho principalmente a 1ª função, visto ser o ponto de partida para um gerenciamento eficiente e eficaz. 2.2 Planejamento De acordo com Oliveira (2007) o planejamento pode ser conceituado como um processo de dimensões desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de um modo efetivo, com a melhor concentração de esforços e recursos pela empresa. Complementando tais ideias, Chiavenato (2010) conclui que planejamento é o processo que determina como o sistema administrativo alcançará os seus objetivos e como a organização deverá ir para onde ela deseja chegar. O processo de planejamento inicia-se efetivamente a partir do momento que for definido o negócio e a missão da organização, de tal maneira que esta atividade siga a missão da empresa em busca de objetivos em comum (TAVARES, 1999). O planejamento pode ser dividido em 5 dimensões, sendo que a primeira corresponde ao assunto abordado, a segunda dimensão corresponde aos elementos

19 12 do planejamento, uma terceira dimensão refere-se ao tempo de planejamento. A quarta dimensão corresponde às unidades organizacionais no qual o julgamento é elaborado e uma quinta dimensão que seria as características do planejamento. As cinco dimensões apresentadas permitem compreender a amplitude do assunto planejamento (OLIVEIRA, 2007). Com base nisto, Oliveira (2007, apud STEINER 1969) afirma que esses aspectos das dimensões não são mutuamente exclusivos e nem apresentam linhas demarcatórias com clareza. Sendo assim, as cinco dimensões apresentadas permitem visualizar o tamanho do assunto planejamento, em que o processo de planejar é complexo em decorrência de sua própria natureza, envolve modo de pensar e de agir, ou seja, será de extrema importância nos objetivos e na tomada de decisões na organização. Em virtude do que foi apresentado, Oliveira (2007) indica que o propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas, que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações futuras de decisões presentes em função dos objetivos empresariais que facilitarão a tomada de decisão no futuro. 2.3 Planejamento e suas tipologias Na consideração dos grandes níveis hierárquicos, podem-se distinguir três tipos de planejamento (CHIAVENATO, 2010). Planejamento estratégico; Planejamento tático; e Planejamento operacional. A respeito do planejamento estratégico, Tavares (1999, p.68) afirma que é o processo de formulação de estratégias para aproveitar as oportunidades e neutralizar as ameaças ambientais utilizando os pontos fortes e eliminando os pontos fracos da organização para a consecução de sua missão. Desta maneira, o

20 13 planejamento estratégico se relaciona com os objetivos da organização em longo prazo onde a sua trajetória afeta a empresa como um todo (OLIVEIRA, 2007). Já o planejamento tático é desenvolvido em níveis organizacionais inferiores, tem-se o objetivo a utilização eficiente dos recursos disponíveis para a consecução de objetivos previamente fixados e aperfeiçoar apenas uma área da empresa. Desta forma, trabalha com decomposições dos objetivos, estratégias e políticas estabelecidos no planejamento estratégico (OLIVEIRA, 2007). Finalmente, o planejamento operacional é focalizado para o curto prazo e abrange individualmente cada uma de suas tarefas ou operações realizadas no nível operacional, de forma que visa a otimização e maximização de resultados (CHIAVENATO, 2010). Desta maneira, podem-se relacionar os tipos de planejamento aos níveis de decisão em uma pirâmide organizacional, conforme mostrado na figura 1. Figura 1: O planejamento nos três níveis organizacionais Fonte: Chiavenato (2010) Desta maneira, o planejamento estratégico precisa atingir toda a pirâmide organizacional, que exige que todos os níveis hierárquicos da organização sejam evolvidos para que os objetivos traçados pelo gestor sejam alcançados; todos precisam participar.

21 Planejamento Estratégico O planejamento estratégico geralmente é de responsabilidade dos níveis mais elevados de dentro da organização, que diz respeito à formulação dos objetivos em geral. Maximiano (2008, p.128) define planejamento estratégico como o processo de definir a missão e os objetivos da organização, considerando as ameaças e oportunidades do ambiente e outros fatores. Oliveira (2007, p. 18) ressalta que planejamento estratégico é o processo administrativo que proporciona sustentação metodológica para se estabelecer a melhor direção a ser seguida pela empresa, visando ao otimizado grau de interação com os fatores externos não controláveis e atuando de forma inovadora e diferenciada. Complementando o planejamento estratégico, Chivavenato (2010, p. 202) conclui que: é um processo organizacional compreensivo de adaptação através da aprovação, tomada de decisão e avaliação. O planejamento estratégico conta com 4 fases básicas para sua elaboração e implementação conforme OLIVEIRA (2007) representa na figura 2: Figura 2: Fases do Planejamento Estratégico Fonte: Oliveira (2007)

22 15 Cabe ressaltar que o planejamento estratégico é um sistema, um processo contínuo, pois tem um conjunto de partes interagentes e interdependentes no qual envolve vários fatores controláveis e não controláveis pela empresa, mas sempre buscando o mesmo objetivo (OLIVEIRA, 2007). Além disso, não é um ato isolado, refere-se as implicações futuras de decisões recentes e é mais importante que o seu resultado final. Sendo assim, esta metodologia deverá ser adaptada às condições e realidades internas e externas da empresa Comin Comércio de Móveis LTDA. Conforme Lorange e Vancil (1976, apud OLIVEIRA, 2007, p.75), compreende-se que para os quais não existe uma metodologia universal de planejamento estratégico, porque as empresas diferem em tamanho, em tipos de operações, em forma de organização, em filosofia e estilo administrativo. 2.5 Diagnóstico Estratégico O diagnóstico estratégico corresponde a primeira fase do processo de planejamento estratégico, procurando responder qual a situação que a empresa se encontra perante os aspectos internos e externos, procurando o que a empresa tem de benéfico, regular ou de ruim no seu processo administrativo (OLIVEIRA, 2007). Cabe ressaltar que essa fase do diagnóstico estratégico é uma fase mais complexa, que necessita mais cautela e um prazo estendido, pois o trabalho vai abordar exclusivamente esta fase. A fase do diagnóstico estratégico, que também é chamada de auditoria de posição, tem-se como função determinar como se está e é realizada através de pessoas representativas de várias informações, que analisam e verificam aspectos peculiares à sua realidade externa e interna (OLIVEIRA, 2007). Desta forma, pode-se dizer que os principais fatores que condicionam a construção do sucesso da organização escontram-se mais fora do que dentro dela. Esses fatores externos alicerçam e embasam o ambiente da organização (COSTA, 2005).

23 16 Esta fase pode-se afirmar que as projeções completam o diagnóstico, sendo que combinando os dois, obtém-se a projeção base, que significa estimativa futura com relação ao estado atual. Além disso, pode ser dividida com os seguintes componentes: a identificação da visão, análise externa, analise interna (OLIVEIRA,2007). Conforme Oliveira (2007), o diagnóstico estratégico apresenta determinados componentes, tais como: Pontos fortes: são variáveis internas, podendo ser controladas que propiciam uma condição favorável para empresa perante o seu ambiente. Pontos fracos: são variáveis internas, controláveis, que não deixam a empresa em uma situação benéfica com relação ao seu ambiente. Oportunidades: são as variáveis externas, que não podem ser controladas pela empresa, mas podem ser criadas em situações favoráveis para a empresa, desde que a mesma tenha condições e interesse em utilizá-las. Ameaças: são variáveis externas e também não podem ser controladas pela empresa, que podem acabar criando condições desfavoráveis para a mesma. Com base nisto, compreende-se que os pontos fortes e fracos integram a análise interna da empresa, enquanto as oportunidades e ameaças compõem a análise externa. Os pontos fortes e fracos são definidos como as variáveis que podem ser controladas, já as oportunidades e ameaças representam as variáveis que não podem ser controladas pela empresa. Normalmente os pontos fracos podem ser controlados, mas caso o executivo não saiba como resolver um determinado problema, deverá unir todos os esforços para identificar a solução para que este ponto fraco não crie problemas para a empresa (OLIVEIRA, 2007). Com relação às ameaças, sob um determinado momento, elas podem acabar apresentando uma forma de ação crítica, como por exemplo, concorrentes e a inflação, na qual os gestores e a empresa não podem controlar, mas devem buscar mecanismos para se proteger (OLIVEIRA, 2007). Desta forma Las Casas (2010, p. 90) acrescenta que as oportunidades e as ameaças significam os fatos positivos ou negativos que existem para determinado setor de atuação e a capacidade para tirar proveito da situação ou sair mais prejudicado depende dos pontos fortes e fracos que as empresas possuam.

24 17 Para executar o diagnóstico estratégico é preciso ter acesso a algumas informações, estar preparado para fazê-lo, saber quais informações são desejadas e pertinentes e como fazer para obtê-las. Essas fontes de informações podem ser internas e externas à empresa. Existem diversas técnicas para a realização de um diagnóstico estratégico, sendo algumas específicas para o ambiente interno, e outras adequadas para o ambiente externo (OLIVEIRA, 2007). Nesse sentido Hartmann (1998) sugere, para evidenciar forças e fraquezas, as ferramentas de análise funcional e BCG, enquanto para o levantamento de oportunidades e ameaças as técnicas de análise de competitividade (5 forças de Michael Porter), análise das variáveis ambientais e análise SWOT são as mais usuais Análise Funcional Tendo em vista que dentro da análise interna das organizações são destacados os pontos fortes (qualidades), pontos fracos (defeitos) e pontos neutros (difíceis de serem mensurados), quando definidos esse conjunto de fatores é possível prever o nível de influência que será depositado sobre os resultados e objetivos da empresa (HARTMANN, 1998). Para facilitar a análise interna existem algumas ferramentas ou funções dentro da administração que podem ser utilizadas. Podemos então citar as funções: marketing, finanças, produção e recursos humanos. Essas funções devem ser avaliadas conforme a análise interna descreve a respeito dos pontos fortes, fracos e neutros. Kotler (2000) sugere a seguir uma lista de verificação para a análise de forças e fraquezas:

25 18 Marketing Quadro 1: Lista de verificação para análise de forças/fraquezas Fonte: Kotler (2000) De acordo com a lista de verificação, podem ser feitas algumas análises quanto às funções. A função marketing tem por objetivo a lucratividade da organização baseada na satisfação das necessidades dos consumidores (KOTLER, 2000). A função das finanças facilita o processo decisório do gestor uma vez que esses dados são retirados dos balancetes e balanços do patrimônio dentro da própria empresa (OLIVEIRA, 2007). Já a função produção está diretamente relacionada às instalações da empresa bem como aos equipamentos e força de trabalho que englobam o todo, ou seja, todos os meios dentro da questão produção que vão ter relação com o produto final que é oferecido (KOTLER, 2000; OLIVEIRA, 2007). A última função pode ser descrita como função da organização ou de recursos humanos, que segundo Kotler (2000) está relacionada à questão da liderança, fatores humanos, aspectos organizacionais, níveis de controles dentro da organização. Grande Força Força Caract. Neutra Fraqueza Grande Fraqueza Grande Média Pequena 1. Reputação da empresa 2. Participação de mercado 3. Satisfação do cliente 4. Retenção do cliente 5. Qualidade do produto 6. Qualidade do serviço 7. Efetividade na determinação de preços 8. Efetividade de distribuição 9. Efetividade de promoções 10. Efetividades da força da vendas 11. Efetividade das Inovações 12. Cobertura geográfica FINANÇAS 13. Custo ou disponibilidades de capital 14. Fluxo de caixa 15. Estabilidade financeira PRODUÇÃO 16. Instalações 17. Economias de escala 18. Capacidade 19. Força de trabalho capaz e dedicada 20. Capacidade de produzir no prazo 21. Habilidades técnicas de fabricação ORGANIZAÇÃO DESEMPENHO IMPORTÂNCIA 22. Liderança visionária e capaz 23. Funcionários dedicados 24. Orientação empreendedora 25. Flexibilidade ou boa capacidade de resposta

26 Análise BCG Abordagem do Boston Consulting Group (BCG) a matriz de crescimento foi criada pelo Boston Consulting Group no ano de 1967, uma empresa especializada em planejamento estratégico (WRIGHT, 2007). O conceito inicial dessa matriz é classificar e relacionar os negócios da empresa conforme a matriz de crescimento e participação no mercado (KOTLER, 2000). De acordo com a figura 3, Kotler (2000, p.91) afirma que a matriz BCG é dividida em 4 células cada uma indicando um tipo diferente de negócio. Mercado de alto Crescimento Mercado de baixo Crescimento Baixa participação no mercado Interrogação/Oportunidad e Animal de estimação Alta participação no mercado Estrela Vaca leiteira Quadro 2: Matriz BCG Fonte: Adaptado de Kotler (2000). As quatro células divididas nos quadrantes apresentados na matriz BCG, indicam uma unidade de negócio de tal forma que a taxa de crescimento é indicada pelo eixo vertical e a participação de mercado da empresa é apontada pelo eixo horizontal (WRIGHT, 2007). Desta forma é possível estabelecer quatro tipologias de produtos, conforme é apresentado no quadro 3:

27 20 ESTRELAS PONTO DE INTERROGAÇÃO VACAS LEITEIRAS ANIMAIS DE ESTIMAÇÃO Quadro 3: Análise BCG Fonte: Adaptado de Kotler (2000) São negócios ou produtos onde tem grande participação no mercado e alto crescimento. Pelo fato de serem bem sucedidos, necessitam frequentemente de altos investimentos para manter seu alto crescimento. Os pontos de interrogação determinam unidades de negócio com baixa participação em mercados que estão em constante crescimento. Geralmente são empresas que estão tentando entrar em um mercado ou que acabaram de entrar em um mercado onde já existe um líder. As vacas leiteiras são negócios ou produtos de baixo crescimento e grande participação de mercado. Desta forma, pode-se dizer que essas empresas geralmente são lucrativas, pois na maior parte elas dominam um mercado onde não atrai muitos novos entrantes. São produtos ou negócios de pequeno crescimento e pequena participação, podendo gerar suficientemente para manter-se, mas não possuem grandes fontes e recursos. Com base nisto, a Matriz BCG enfatiza muito a importância da liderança na participação do mercado. As estrelas e as vacas leiteiras são líderes de participação no mercado, assim como alguns pontos de interrogação são mantidos para também serem lideres de mercado, mas geralmente pontos de interrogação menos promissores e abacaxis são geralmente indicados para o desinvestimento ou para colheita (WRIGHT, 2007). De acordo com o quadro apresentado, a correlação entre os quadrantes é muito importante, pois para uma boa gestão é preciso de equilíbrio e uma analise integral dos quadrantes. Sendo assim o gestor deve tomar as decisões baseadas no crescimento do mercado no determinado setor levando em consideração a participação da empresa naquele determinado mercado. Essa correlação pode ser compreendida como uma sequência de sucesso (MITZEMBERB, 2007).

28 Análise de Competitividade Pode-se dizer que a ferramenta do modelo das cinco forças de Porter desenvolvida por Michael Porter foi criada no ano de 1979, que descreve as forças básicas que determinam a competitividade dentro das indústrias e ilustra como estas forças estão relacionadas (CERTO, 2003). A figura 3 apresenta o modelo proposto por Michael Porter: Figura 3: A análise Estrutural de Indústrias Fonte: Michael Porter (2004) A análise da figura 4 possibilita destacar determinadas situações que, segundo Porter (2004), ilustra as seguintes características: Com relação ao poder de negociação dos compradores, estes competem com a indústria, influenciando os preços que as empresas podem cobrar e também podem influenciar o custo e o investimento, negociando por melhor qualidade e/ou mais serviços e colocando concorrentes uns contra os outros.

29 22 Já o poder de negociação dos fornecedores indica os custos das matériasprimas e outros insumos. Os fornecedores podem ter o poder de negociação sobre os integrantes de uma indústria, com o intuito de elevar preços ou reduzir a qualidade dos bens e serviços fornecidos. A ameaça de entrada relacionada aos entrantes potenciais determina supostamente a entrada de novas empresas para uma indústria e conquistar uma fatia de mercado. Desta forma pode ocorrer de os preços caírem ou os custos dos participantes serem inflacionados, consequentemente reduzindo a rentabilidade. Tal incidência depende das barreiras de entrada que está relacionada a economia de escala, diferenciação do produto, necessidade de capital, custos de mudança, acesso aos canais de distribuição, desvantagens de custo independentes de escala e política governamental. A Ameaça de substitutos ou produtos substitutos diminuem os retornos potenciais da indústria e impõe um teto aos preços indicando até que ponto algum outro produto pode atender as mesmas necessidades do cliente, de tal forma que as empresas possam fixar-se com lucro. Por fim a rivalidade entre empresas existentes determina o posicionamento das empresas que estão em uma indústria, a utilização de estratégias de competição no preço, introdução de novos produtos e aumento de serviços. Essas cinco forças em um conjunto, determinam a intensidade da concorrência na indústria e sua rentabilidade, sendo que as forças mais salientes são predominadas tornando-se indispensáveis para a criação de estratégia. Pode-se dizer que o nível de risco estará diretamente relacionado a atuação de tais forças, sendo mais significativa quando um maior número de forças pressionar a empresa (LAS CASAS, 2010). Ainda segundo o autor, este risco pode ser classificado como baixo, médio ou alto e consequentemente permite ao gestor uma visão mais clara do ramo. Sendo assim, Mintzberg (2007, p.83) afirma que as peculiaridades de cada uma dessas forças podem explicar porque as empresas adotam uma determinada estratégia.

30 Análise das Variáveis Ambientais No nível externo da organização estão situadas as variáveis macroambientais, e o ambiente operacional (TAVARES, 1999). Outro aspecto a ser considerado na análise externa é a divisão do ambiente da empresa em ambiente direto, que significa um conjunto de fatores que a empresa tem condições de identificar, avaliar e medir de uma forma mais complexa o grau de influência recebido e/ou proporcionado e ambiente indireto, que é o conjunto de fatores que a empresa já identificou, mas não tem condições, naquele momento, de ser avaliado ou medido o grau de influência entre as partes por motivos casuais como variáveis culturais, demográficas ou sociais (OLIVEIRA, 2007). No quadro 4 de acordo com OLIVEIRA (2007) é apresentado exemplos de fatores ou variáveis ambientais e alguns de seus componentes:

31 24 ECONO MICAS Taxa de inflação FATORES OU VARIÁVEIS AMBIENTAIS SOCIAIS POLITICAS DEMOGRAFICAS CULTURAIS LEGAIS TECNOLOGICAS ECOLOGICA Situação socioeconômica de cada segmento da população Monetárias Densidade Nível de alfabetização Área tributária Aquisição tecnológica Nível de desenvolvim ento ecológico Taxa de juros Mercado de capitais Nível do produto Nacional Bruto (PNB) Balanço de pagamen tos Nivel de reservas cambiais Situação sindical (organização, participação e ideologias) Situação político partidária (organização, participação e ideologias) Responsabilidade social das pessoas e das empresas Tributaria Mobilidade Nível de escolaridade De distribuição de renda De relações internacionais Legislativa (federal, estadual e municipal) De estatização ou de privatização Taxa de crescimento Composição e distribuição da população Processo migratório Estrutura educacional Veículos de comunicação de massa (estrutura, níveis de audiência e de concentração) Área trabalhista Área criminalista Área comercial Desenvolvimento tecnológico no país Transferência de tecnologia pelo país Proteção de marcas e patentes Velocidade das mudanças e tecnológicas Velocidade das mudanças tecnológicas Índices de poluição Legislações existentes Nível de distribuição de rendas De estrutura do poder Níveis de incentivos governamentais Quadro 4: Fatores ou variáveis ambientais e alguns de seus componentes. Fonte: Oliveira (2007).

32 25 De acordo com Oliveira (2007, p.46) para cada um dos fatores ambientais o executivo deve efetuar uma análise para seus diversos itens de influência. Desta forma, a análise do ambiente organizacional é a etapa que as entidades são levadas a alcançar a eficácia pela descoberta de ameaças e oportunidades. O ambiente de uma organização é a totalidade de entidades e forças que não são controladas pela empresa, mas relevantes para o seu desempenho (KOHTLER, 2000) Análise de SWOT Tendo em vista que para o sucesso de uma oportunidade de negócio somente ter competência não garante uma vantagem competitiva, a análise SWOT é uma ferramenta que pode auxiliar de maneira muito eficiente uma empresa a alcançar seus objetivos com sucesso. Sendo assim a empresa de melhor desempenho perante o mercado é aquela que consegue gerar valor agregado ao cliente por mais tempo (WRIGHT, 2007). Segundo Kotler (2000, p.98), a avaliação global das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças é denominada de análise SWOT (dos termos em inglês strangths, weakenesses, opportunities, threats). Para complementar as ideias do autor pode-se afirmar que a análise SWOT baseia-se no pressuposto de que se os gerentes revisam cuidadosamente essas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, uma estratégia útil para garantir o sucesso organizacional (CERTO, 2003, p.158). Sendo assim para compreender melhor o objetivo e a funcionalidade da análise SWOT, a figura 4 conforme OLIVEIRA (2007) destaca as posturas e estratégias possíveis:

33 26 E X T E R N O DIAGNÓSTICO PREDOMINÂNCIA DE AMEAÇAS PREDOMINÂNCIA DE OPORTUNIDADES INTERNO PREDOMINÂNCIA DE PONTOS FRACOS PREDOMINÂNCIA DE PONTOS FORTES Postura estratégica de Postura estratégica de sobrevivência manutenção Redução de custos Estabilidade Desinvestimento Nicho Liquidação do negócio Especialização Postura estratégica de crescimento Inovação Internacionalização Joint Venture Expansão Postura estratégica de desenvolvimento De mercado De produtos Financeiro De capacidades De estabilidade Diversificação -horizontal -vertical -concêntrica -conglomerada -interna -mista Figura 4: Tipos Básicos de Estratégia Fonte: Oliveira (2007) Após identificar os pontos fortes e fracos e as ameaças e oportunidades é preciso analisar cada um dos quadrantes com seus tipos de estratégias. Desta forma as estratégias podem ser relacionadas de acordo com a postura estratégica e a situação em que a empresa se encontra, e Oliveira (2007) explica as várias possibilidades da seguinte maneira: Quando há uma predominância de pontos fracos e ameaças na empresa a postura estratégica deve estar voltada para a sobrevivência que deve ser adotada quando não existe outra alternativa, dando início a ações imediatas tais como redução nos custos, desinvestimento e/ou liquidação total do negócio. Já em uma predominância de pontos fortes e ameaças, a postura estratégica adotada é a de manutenção do negócio, e um passo importante seria de a empresa buscar o equilíbrio e a estabilidade no mercado perante a concorrência. Onde for identificada uma predominância de oportunidades com

34 27 pontos fracos, a postura estratégica a ser inserida é de crescimento. Nesta situação é necessário o gestor buscar inovação na empresa, expansão ou até mesmo uma internacionalização do negócio. Quando houver predominância de oportunidades com pontos fortes, a postura estratégica recomendada é a de desenvolvimento, fazendo com que o executivo deva procurar desenvolver e aprimorar sua empresa, seu produto, diversificando os investimentos e buscando novos horizontes. Desta forma destaca-se que a interpretação da análise SWOT finaliza o processo de diagnóstico, permitindo ao gestor definir a postura mais adequada e as estratégias mais coerentes a sua situação atual. Cabe ressaltar que a análise SWOT deve ser repetida com frequência, visto que atualmente o ambiente é muito dinâmico e oportunidades ou ameaças podem surgir de forma inesperada, assim como os fatores internos também podem mudar com rapidez.

35 28 3 A Empresa A empresa Comin Comércio de Móveis LTDA é familiar, administrada pelo seu proprietário e filhos e que presta serviços exclusivamente na área de vendas e manutenção de mobiliário para escritórios, componentes e artigos de decoração para o ambiente de trabalho. 3.1 Breve Histórico A constituição da empresa Comin Comércio de Móveis LTDA veio a partir de uma oportunidade de negócio tendo em vista o administrador e representante com mais de 30 anos de experiência de vendas de móveis em geral. Mesmo sem a realização de pesquisa de mercado, em 2001, a empresa foi constituída com o nome de Caderode Móveis que vendia produtos exclusivos da marca. A ideia inicial era de apenas um showroom sem comercialização direta; mas a necessidade mudou os rumos e a definição da empresa. Na época com iniciais 200 m 2 showroom, trabalhava com apenas uma linha de móveis e cadeiras que atendia perfeitamente para o momento. Com o passar dos anos, com a necessidade de atender o mercado de forma mais ampla, as mudanças foram acontecendo, primeiramente com a troca do nome da loja, passando de Caderode Móveis para Armazém do Escritório. Hoje a empresa conta com aproximadamente 1000m 2, sendo 650m² de Showroom com uma ampla linha de móveis para escritório que engloba desde a recepção até os detalhes mais delicados da decoração e um depósito de 350m² com espaço suficiente para colocar pedidos e produtos a serem distribuídos ao consumidor.

36 A Marca O nome surgiu da ideia de que em um armazém é possível encontrar uma variedade muito grande de produtos e no Armazém do escritório, de igual forma, é possível encontrar uma linha bem variada de móveis corporativos desde linhas convencionais até as linhas mais diferenciadas. Pode-se montar uma bela recepção com cadeiras decorativas e decorações variadas, salas de reuniões equipadas e ambientes de trabalhos que sigam as normas de ergonomia sem perder a beleza. 3.3 Informações Gerais Razão Social Comin Comércio de Móveis LTDA Nome Fantasia Armazém do Escritório Localização Rua Samuel Heusi, 73 Centro Itajai-SC Abertura da Empresa Junho de 2001 Ramo de Atividade Venda de móveis para escritório em geral e decoração Horário de Funcionamento Segunda à sexta-feira das 8:30 às 12:00 e das 14:00 às 18:30, aos sábados das 8:30 às 12:00 Número de 7 (sete) Funcionários Quadro 5: Informações gerais da empresa Fonte: Acervo interno da Comin Comércio de Móveis LTDA.

37 Missão Visão e Valores A Missão da empresa Comin Comércio de Móveis LTDA consiste em atuar de maneira correta no mercado, de forma justa, visando a satisfação dos clientes em relação aos produtos e serviços de qualidade oferecidos. A Visão é ser uma empresa reconhecida no ramo de escritório e decoração para escritório em todo o estado de SC. Com relação aos princípios gerais, destaca-se pelos Valores Éticos e Morais mantendo o companheirismo, o espírito de equipe, respeito, honestidade e clareza nas atitudes.

38 31 Portfólio de Produtos As linhas que constituem a ampla variedade de produtos são oferecidas estabelecendo uma relação de conforto e bem estar com quem usufrui do mobiliário, por meio da ergonomia aplicada aos produtos. A figura 5 destaca algumas linhas de produtos trabalhados pela empresa: Figura 5: Catálogo de Produtos Fonte: Acervo interno da Comin Comércio de Móveis LTDA Os acabamentos, a qualidade e o diferencial estético expressam a elegância e a sofisticação que a marca oferece. Produtos com diferenciados sendo com madeiras em MDP (Medium Density Particleboard) ou MDF (Medium Density Fiberboard), poltronas e cadeiras em tecidos até o couro natural. Estruturas de aço inox, alumínio e cromados de alta qualidade.

39 32 Principais Fornecedores: Pode-se dizer que a empresa trabalha em média com aproximadamente 90% de fornecedores situados no Rio Grande do Sul e 10% distribuídos pelo estado do Paraná, São Paulo e outras regiões. Além de contar com fornecedores que possuem produtos importados vindos diretamente do exterior (China). A empresa trabalha com poucos fornecedores, uma vez que o objetivo é firmar parcerias e obter produtos de qualidade com acabamentos diferenciados perante o mercado e a concorrência, sendo de móveis, cadeiras até poltronas e decorações. O quadro 6 apresenta os fornecedores da empresa:

40 33 FORNCEDOR TIPOS DE PRODUTOS Móveis para escritório em geral, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, banquetas, etc. Móveis para escritório em geral, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, banquetas, etc. Móveis para escritório em geral, móveis residenciais, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, banquetas, etc. Poltronas, cadeiras, sofás. Móveis para escritório em geral, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, banquetas, etc. Poltronas, cadeiras, sofás. Móveis para escritório em geral, móveis residenciais, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, banquetas, etc. Poltronas, cadeiras, banquetas, sofás, mesas de vidro, bases de mesa em inox. Móveis para escritório em geral, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, banquetas, etc. Móveis para escritório em geral, armários, mesas, balcões, estantes, divisórias, painéis, gaveteiros, suportes para CPU, arquivos, cadeiras, poltronas, sofás, etc. Quadro 6: Fornecedores da empresa Fonte: Acervo interno da Comin Comércio de Móveis LTDA

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO

Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Módulo 4.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Proporciona ao executivo informações básicas b para começar a usufruir das vantagens do planejamento estratégico, através s do tratamento adequado

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT Análise SWOT A Análise SWOT (FOFA) Prof. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move.

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move. VALORES Qualificação / Valorização Disponibilização / Visibilidade. Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos Missão As principais forças Visão O sonho que nos move Princípios

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos

Marketing em Design. 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing. Profª Ms. Angela Maria Ramos Marketing em Design 3. Planejamento Estratégico e Processos de Marketing Profª Ms. Angela Maria Ramos 4. Planejamento de novos negócios, redução de negócios superados Os planos da empresa para seus negócios

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho

Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho Traçando Cenários: Microambiente e Macroambiente. Prof. Marcopolo Marinho A ORGANIZAÇÃO DA ESTRUTURA ESTRATÉGICA MISSÃO Impacto: 1. Organizacional 2. Ação de Mudança Nenhum Positivo Negativo OBJETIVOS

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CORPORATIVO E O PROCESSO DE MARKETING Planejamento estratégico é o processo de desenvolver e manter um ajuste estratégico entre os objetivos, habilidades e recursos de uma organização

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos Módulo 10. Planejamento de novos produtos Uma economia sofrendo as conseqüências de um mercado globalizado, onde a concorrência não dorme nem perdoa atrasos ou percalços. Esta é o macro ambiente onde estão

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais