RESENHA VOLUME 5 - NÚMERO 9 - INVERNO 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESENHA VOLUME 5 - NÚMERO 9 - INVERNO 2008"

Transcrição

1 RESENHA VOUME 5 - NÚMERO 9 - INVERNO 2008 REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD JOÃO EMIIANO FORTAEZA DE AQUINO * Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO 2008 FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA * * * Doutor em FIOSOFIA pela PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓICA DE SÃO PAUO - PUC-SP. Professor de FIOSOFIA da UNIVERSIDADE ESTADUA DO CEARÁ - UECE. * * Professor de ECONOMIA POÍTICA da UNIVERSIDADE ESTADUA DO CEARÁ UECE e da UNIVERSIDADE DE FORTAEZA - UNIFOR. 207 M

2

3 CONTRADIÇÕES E TENSÕES NA SOCIEDADE DO ESPETÁCUO: UMA EITURA DO TEXTO DE EMIIANO AQUINO, REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD Guy Debord é um autor muito conhecido no concerto da academia brasileira. Infelizmente, muito pouco lido e comentado. Recentemente, a EDITORA DA UNIVERSIDADE ESTADUA DO CEARÁ (EDUECE) publicou, de Emiliano Aquino, Reificação e inguagem em Guy Debord, edição parcial de sua tese de doutoramento, Reificação e inguagem em André Breton e Guy Debord, apresentada em abril de 2005 ao Programa de Estudos de Pós- Graduados em Filosofia da PUC-SP. Na banca examinadora estavam Paulo Eduardo Arantes, Celso Fernando Favoretto, Eliane Robert Morais, Antônio José Romera Valverde e Jeanne-Marie Gagnebin. Para quem julga a teoria do fetichismo da mercadoria superada, a exemplo do que faz Habermas e outros teóricos do fim da sociedade do trabalho, o texto de Emiliano Aquino não poderia ser mais oportuno. Sua leitura de Debord oferece novos elementos para o enfrentamento desta questão. Eis a razão por que este artigo faz do seu livro o centro de sua exposição. Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO 2008 A ESPETACUARIZAÇÃO DO FETICHISMO DA MERCADORIA [...] o fundamental à teoria crítica do espetáculo é que, nela, a análise marxiana vai integrada no sentido de que o capitalismo [...] não era voltado só à expropriação da atividade produtiva, mas também e sobretudo à alienação da própria natureza lingüística ou comunicativa do homem [...] sob a categoria de 209 M

4 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P espetáculo, o que está em questão é um modo de produção, no qual a comunicação humana tornou-se mercadoria [...] 1 Esta citação não poderia ser mais clara: a categoria de espetáculo traduz uma nova forma de manifestação do fetichismo da mercadoria, que Marx, talvez por conta das limitações históricas do seu tempo, não pôde investigar. Nem poderia. A exposição das determinações de um objeto historicamente determinado só é possível quando a história já conclui seu trabalho; isto é, já tornou esse objeto maduro para ser pensado na sua racionalidade imanente. Conseqüentemente, a pretensão da teoria do espetáculo seria atualizar a análise de O Capital. Parece ser esse o sentido do texto que abre esta seção. Com efeito, uma leitura mais atenta de uma de suas passagens não deixa dúvida: [...] o capitalismo [...] não era voltado só à expropriação da atividade produtiva, mas também e sobretudo à alienação da própria natureza lingüística ou comunicativa do homem. De modo asseverativo, a citação encerra afirmando que a categoria de espetáculo expressa um modo de produção, no qual a comunicação humana tornou-se mercadoria. Se realmente essa é a pretensão de Debord, cabe perguntar a Emiliano Aquino se a teoria do autor de A Sociedade do Espetáculo é, de fato, uma atualização ou uma revisão de O Capital. Essa questão não é um mero 1 Este trecho reproduz duas citações, de autores diferentes, G. Agamben e P. Virno, que Emiliano Aquino faz referência na nota 25, p. 75, do seu livro Reificação e inguagem em Guy Debord (Fortaleza: EdUECE, 2006). 210 M

5 exercício epistemológico, de pedantismo intelectual. Ela se impõe porque Marx é um pensador cuja teoria não cabe revisão, no sentido em que procede o marxismo analítico. Como se sabe, os marxistas analíticos, a exemplo de Jon Elster, tentam atualizar Marx excluindo do seu sistema aquelas teorias que julgam irremediavelmente datadas e mortas, para guardar as que permanecem vivas e que podem ser utilizadas como fontes de novas idéias e hipóteses. Ora, O Capital não é um amontoado de categorias que podem ser tombadas à maneira de como se demole um prédio, para usar as sobras do material aproveitável em nova construção. A tessitura da sua arquitetura categorial é construída de tal forma a não permitir remendos. Tampouco a simples substituição de categorias envelhecidas por outras. Ou se nega a obra em sua totalidade, ou se empreende um trabalho de atualização, no sentido de retirar do conjunto de sua apresentação novas categorias, para analisar os novos fenômenos do capitalismo contemporâneo. A categoria de espetáculo, ao que parece, cumpre essa exigência, na medida em que ela amplia o conceito marxiano do fetichismo da mercadoria para dar conta do processo de reificação das relações culturais. Não é esse o sentido da passagem anteriormente citada: o capitalismo [...] não era voltado só à expropriação da atividade produtiva, mas também e sobretudo à alienação da própria natureza lingüística ou comunicativa do homem? Isso, porém, ainda não encerra de todo a questão. É preciso examinar se a categoria de espetáculo está de acordo com a lógica do fetichismo que rege o mundo das mercadorias, tal como Marx expõe n O Capital. Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO M

6 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P Para atender a essa exigência, é necessário, antes, expor as determinações centrais da categoria marxiana do fetichismo da mercadoria. De forma ligeira, essa categoria expressa uma forma de sociabilidade marcada por uma profunda inversão: a transformação da vida humana em objeto da vontade do capital. Como diria Marx, para que as coisas se refiram umas às outras como mercadorias, é necessário que seus guardiões, seus donos, relacionem-se entre si como pessoas cuja vontade reside nessas coisas mesmas. Conseqüentemente, são as coisas que parecem adquirir a capacidade, a virtude, de estabelecer as relações entre os homens. Com efeito, quando se observa o processo de produção como um todo, sob a perspectiva da valorização do valor, salta à vista que não é mais o trabalhador quem emprega os meios de produção, mas, sim, são os meios de produção que empregam o trabalhador. Conclui-se daí que o fetichismo da mercadoria é um fenômeno social, na medida em que os homens, para se relacionarem entre si como pessoas, só podem fazêlo na condição de proprietários de mercadorias; na condição de personificação de relações econômicas, ou seja: ou na pele de industrial, ou na de comerciante, banqueiro, assalariado, proprietário de terra, ou na de outras tantas representações mercantis. O fetichismo, no entanto, não é somente um fenômeno da existência social, é, também, um fenômeno da consciência. De fato, como todas as necessidades humanas, sejam estas provenientes do estômago ou da fantasia, no capitalismo, só podem ser satisfeitas por meio da compra e venda de mercadorias, quem possuir 212 M

7 dinheiro pode comprar qualquer coisa. Decerto que sim. Quem se julga feio, por exemplo, pode sentir-se bonito; o dinheiro compra-lhe a beleza. Se é preto e se sente objeto de preconceitos, o dinheiro dar-lhe uma pele branca. Se é velho e deseja a mais jovem e bela mulher, o dinheiro pode comprar a juventude que lhe falta. Conseqüentemente, o que o homem é, não o é por seus poderes naturais, mas, sim, pelo que lhe conferem as coisas. É precisamente nesse sentido que Debord emprega o conceito de espetáculo. Não basta, contudo, só afirmar, é necessário dar prova do que se afirma. E a melhor maneira de atestar tal afirmativa é deixar que o autor do texto fale. Concedendo-lhe, pois, a palavra, numa primeira aproximação do conceito de espetáculo, Aquino assevera que [...] sob esse conceito, momento da economia capitalista em que a mercadoria teria atingido a ocupação total da vida cotidiana, Debord diz buscar unificar e explicar uma diversidade de fenômenos aparentes, que são, eles mesmos, as aparências dessa aparência organizada socialmente. 2 Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO 2008 Essa aparência socialmente organizada é fundamental para o conceito de espetáculo. Antes de apresentá-lo definitivamente, seria interessante perguntar em que sentido Debord emprega a expressão aparência socialmente organizada. Emiliano Aquino não deixa seu leitor sem explicação. Esclarece que se trata da 2 Ibidem, p. 67/ M

8 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P [...] aparência objetiva do intercâmbio mercantil que se constitui numa objetividade fantasmagórica, pois se apresenta aos homens como uma relação natural, constitutiva das próprias coisas, quando é somente uma determinação histórica da forma de suas próprias relações sociais. 3 A explicação prolonga-se um pouco mais para precisar que essa aparência é, na verdade, uma aparência necessária, pois constitutiva da lei do valor que de per se se apresenta na objetiva e necessidade de uma lei natural. 4 Essas três citações resumem quase todas as mediações necessárias para a apresentação definitiva do conceito de espetáculo. Falta apenas elucidar o que de novo essa aparência socialmente organizada acrescenta à forma como a emprega Marx n O Capital. Emiliano Aquino tem a resposta: [...] a aparência objetiva do intercâmbio mercantil, da qual Marx afirma categoricamente a autonomia e independência em face da natureza física e das relações materiais da produção de valores de uso, torna-se agora, ela mesma, fisicamente aparente, sensivelmente visível; torna-se uma aparência socialmente organizada que se manifesta, no capitalismo espetacular, em fenômenos aparentes, visíveis. Graças à extensão das relações mercantis à totalidade da vida cotidiana, a autonomia da aparência das trocas fetichistas de valores passa a 3 Ibidem, p Ibidem. 214 M

9 constituir soberanamente, submetido à lógica abstrata, um conjunto de fenômenos aparentes que, desse modo, se tornam, eles mesmos, também autônomos frente aos indivíduos. 5 Aí está, pois, o aspecto histórico novo que Debord acrescenta ao conceito de fetichismo da mercadoria: sua visibilidade sensível, a espetacularização sensivelmente visível do fetichismo. Com isso, o conceito de espetáculo pode ser agora apresentado de forma definitiva. Que o faça Emiliano Aquino, para quem [...] se ele (Debord) pode falar do espetáculo como constituído na produção, como modo de produção, é precisamente porque julga que, com a separação generalizada do trabalhador e de seu produto, perdemse todo ponto de vista unitário da atividade realizada, toda comunicação direta entre os produtores [...] a atividade e a comunicação se tornam o atributo exclusivo da direção do sistema. Em outras palavras, o conceito de espetáculo não diz respeito ao simples olhar, mas, sim, é o que escapa à atividade dos homens, à reconsideração e à correção de sua obra. É o contrário do diálogo. 6 Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO 2008 É o capital tornado imagem, como, assim, mais adiante, Emiliano Aquino conclui o seu raciocínio: [...] o espetáculo, diz Debord, é o capital em tal grau de acumulação que se torna imagem [...]. Mas, cabe 5 Ibidem, p Ibidem, p M

10 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P indagar imagem de quê? A resposta não poderia ser outra senão esta: de si mesmo, de sua natureza fetichista e de seu poder material, que é o poder material da sociedade que dela se encontra alienado sob a formacapital. Não se trata, pois, da imagem falsificadora de alguma existência verdadeira transcendente ou de uma natureza humana a-histórica. Sob a forma de espetáculo, é o capital acumulado e sua natureza fetichista que se mostram, de modo distorcido, certamente, mas também em sua verdadeira natureza: como espetáculo, o capital se mostra, se apresenta como uma forma autônoma, força cujo fundamento não é outro que a própria força material social, o próprio resultado do trabalho social tornado autônomo em face da sociedade. De outro modo, é a própria contradição fundamental de toda uma época histórica contradição entre seus poderes materiais, possibilitadores de uma outra vida, e a forma social que aprisiona a realização destas mesmas possibilidades que se apresenta numa necessária aparência invertida, inversão esta que, sendo essencial à forma-valor, se mostra como potência humana sobre-humana. 7 Essas duas últimas citações não deixam dúvidas: o conceito de espetáculo, de acordo com a leitura de Emiliano Aquino, rigorosamente faz justiça ao conceito marxiano de fetichismo da mercadoria. Nele, estão presentes todas as determinações próprias deste último. Com a diferença de que o autor de A Sociedade do Espetáculo acrescenta à concepção matriz do fetichismo novas determinações, criadas pela própria lógica da mercadoria. Destaque-se: a expropriação, tornada visível, da linguagem comunicativa, pelo poder do capital. 7 Ibidem, p M

11 Noutras palavras, a lógica contemplativa e passiva do mundo das mercadorias estendeu-se à totalidade da vida cotidiana, de tal sorte que a comunicação humana tornou-se mercadoria. Mas, assim como a crítica da economia política em O Capital insere-se no materialismo histórico como uma teoria parcial, o conceito de espetáculo tem estatuto epistemológico semelhante: é parte da teoria da linguagem geral da comunicação histórica. É justamente essa visão de totalidade da práxis comunicativa que permite Debord ir além dos limites históricos deste conceito. Isso não significa que ele encontre no passado um modelo de sociedade a partir da qual critica o mundo dominado pelo espetáculo. Não se trata de uma crítica alimentada por supostas determinações valorativas da comunidade pré-moderna. A relação entre a crítica do presente e a teoria da linguagem geral da comunicação é uma relação dialética entre universalidade e particularidade, tal como Marx pensa o trabalho como atividade geral, universal, e particular, histórica. Quanto a isso, Emiliano Aquino não deixa dúvida, ao afirmar, em sua crítica contra Anselm Jappe e Michel öwy, que o espetáculo é a consumação do processo histórico de expropriação da potencialidade comunicativa da linguagem. Conseqüentemente, o passado não lhe serve de modelo para pensar o futuro, o mundo pós-espetáculo. É a partir dessa relação dialética que Emiliano analisa a relação entre reificação e linguagem em Debord. Central nessa discussão são as categorias de tempo e linguagem, determinações constitutivas de toda e qualquer práxis comunicativa; elas são pressupostos Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO M

12 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P da teoria debordiana da linguagem comunicativa. Como assim? Uma linguagem comunicativa pressupõe tempo livre, tempo da conversação que é, simultaneamente, tempo da ação. No mundo grego, essa relação entre tempo livre e linguagem punha-se de forma obliterada, estreita, pois nesse mundo só os que não trabalham vivem, dispõem de tempo livre. A comunidade grega é, então, marcada pela separação, que é imanente a toda forma de Estado, como um poder separado, autonomizado da sociedade. Daí a natureza alienante de toda separação. No capitalismo essa separação é plenamente consumada e de forma generalizada, pois nessa forma de vida o tempo vivido é apropriado pelo capital. Essa expropriação esvazia o tempo de sentido e o transforma em coágulos fixos, isolados e intercambiáveis ; numa igualdade quantitativa que tem nos movimentos de rotação do capital a sua medida. Ao mesmo tempo, porém, em que o capitalismo consuma e radicaliza a natureza alienante da separação, o desenvolvimento das forças produtivas do capital cria imensas possibilidades para a construção de uma vida verdadeiramente plena de sentido. Essa contradição prenhe de tensões é, assim, apresentada por Emiliano Aquino: Se, nas atuais relações espetaculares, a história universal é efetiva, consciente e oficialmente admitida em sua linearidade e irreversibilidade [...], no entanto, em virtude do domínio dessa mesma economia e dados os imperativos práticos que esse domínio implica, ela é negada aos indivíduos na forma da livre efetivação 218 M

13 e livre comunicação de suas experiências imediatas. O isolamento mútuo dos indivíduos enquanto portadores de mercadorias, isolamento já identificado por Marx como uma relação entre egoístas e como alienação com relação ao gênero, é aqui retomada por Debor, com base na centralidade da atividade práxica e da linguagem, como isolamento e solidão até mesmo daquele que se furta à experiência social do tempo reificado. Isolamento e solidão, nesse caso, na forma de uma incomunicabilidade dos usos clandestinos do tempo irreversível no interior de uma linguagem social que desconhece qualquer semelhante uso prático e ativo do tempo vivido e como contraface de uma forma de sociabilidade cuja única possibilidade de relações genéricas reside nas relações de compra e venda, relações que, nucleadas na objetividade reificada do valor, são elas mesmas resistentes a toda comunicação 8. Uma leitura mais atenta dessa passagem, à luz do que se discutiu até então, deixa claro que, para Debord, a expropriação da atividade autônoma no trabalho e a expropriação da linguagem comunicativa são duas determinações reflexivas, isto é: que se implicam reciprocamente. Ao mesmo tempo em que expressam a contradição básica da sociedade espetacular, carregam em seu seio um potencial tensivo, que se manifesta na forma de desejos conscientemente elaborados, que, no entanto, permanecem obliterados pela forma-mercadoria. É então que Debord lança mão da psicanálise como momento fundamenta na formulação de sua crítica da sociedade Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO Ibidem, p. 64/ M

14 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P do espetáculo. Mas, atenção, Debord apropria-se do conceito de desejos primitivos, numa perspectiva diferente daquela utilizada por Freud. Não são os desejos primitivos, arcaicos, como os considerados pela psicanálise, que interessam ao autor de A Sociedade do Espetáculo. Muito pelo contrário, o que lhe importa são os desejos possíveis, conscientemente elaborados no presente, que a forma mercadoria substitui por necessidades criadas pelo capital e para o capital. Nesse sentido, não são os desejos inconscientes, arcaicos, que são substituídos pela lógica da mercadoria, mas, sim, os desejos possíveis, cuja possibilidade se encontra submetida à valorização do valor, que arranca das pessoas o poder de realizarem os seus desejos de forma autêntica e consciente. Para avançar com o texto, cabe um pequeno desfecho para construir uma ponte com a discussão que vem em seguida. Os elementos estão dados: a imbricação dialética entre a expropriação da atividade autônoma no trabalho e a expropriação da linguagem comunicativa. Como esta última categoria é central para a crítica debordiana da sociedade do espetáculo, é chegado o momento de investigá-la mais a fundo. Para Debord, central nessa crítica é a categoria de expressão, tal como pensada e experimentada esteticamente pelo surrealismo e pela arte moderna. A CRÍTICA SURREAISTA E SUA NEGAÇÃO DA VIDA A demora aqui será extremamente breve; uma exposição quase monossilábica. A razão é simples. A 220 M

15 nervura central das idéias desenvolvidas por Emiliano Aquino já foi apresentada: o conceito debordiano de espetáculo e sua relação dialética com a teoria da linguagem geral da comunicação histórica. Por isso, julga-se poder apressar o que ainda falta por apresentar. Como se trata de uma apresentação breve, a melhor maneira de fazê-la é indicar as principais passagens do texto, com o devido cuidado, obviamente, de respeitar a sua unidade. Para cumprir essa exigência, em primeiro lugar, cabe destacar o que é central na crítica que Debord faz à categoria de expressão, tal como ela é experimentada esteticamente pelo surrealismo e pela arte moderna. O cerne dessa crítica se dirige à construção de uma concepção da linguagem centrada na interioridade subjetiva, da qual partilham Adorno, Breton e toda geração surrealista. Ora, uma crítica centrada numa linguagem fundada nas profundezas do espírito, diria Debord, é, na verdade, uma não-crítica, porque assentada numa concepção da expressão lingüística não-comunicativa. Trata-se, na verdade de uma crítica ilusória, até mesmo conservadora, na medida em que se refugia na interioridade do espírito. É uma crítica que nega a necessidade de agir. Que o diga Emiliano Aquino, para quem, Debord Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO 2008 [...] se mantém extremamente crítico do horizonte da interioridade, afirmando numa polêmica contra Michel eiris que o que importa não é a estrutura individual do nosso espírito, nem a explicação de sua formação. A realização real do indivíduo, diz ele ainda, passa necessariamente pela dominação coletiva do 221 M

16 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P mundo; antes dela, não há indivíduos, mas sombras girando em torno das coisas que lhes são anarquicamente dadas por outros. Numa outra passagem, Debordse opõe duramente à concepção por Henri efèbvre do romantismo revolucionário, fundado também no desacordo especificamente moderno entre o indivíduo progressista e o mundo. Uma atividade revolucionária na cultura e na sociedade não se poderia basear, segundo diz Debor, na simples expressão do desacordo 9. Daí que, para Debord, uma crítica fundada na simples expressão do desacordo implica numa ruptura com a vida, numa recusa do real. Debord não poupa Adorno de sua crítica. Razão: para este último a expressão é também solilóquio, pura interioridade subjetiva. E não poderia ser diferente. Para o autor da Dialética Negativa, a obra de arte, para não ser manchada pela pobreza de espírito da sociedade da cultura de massa, fecha-se em si mesma e fala para o mundo na forma de enigmas. É o que deixa transparecer Emiliano Aquino, quando afirma que Adorno, [...] para quem a expressão também é solilóquio, assume, em termos estético-filosóficos, o mesmo ponto de vista estético-expressivo e, portanto, radicalmente não-comunicativo de Breton, com recusa da comunicação reificada própria das relações sociais de mercado, ele testemunha, da mesma forma que o fundador do surrealismo, a determinação mais geral que a categoria de expressão 9 Ibidem, p M

17 porta com relação à experiência poética moderna. Na concepção da expressão por Breton, que a formula tendo em vista também a experiência estética que ocorre no exterior do surrealismo, trata-se precisamente afirmar com radicalidade uma experiência expressiva que, presente na escrita e na figuração pictórica de diversos autores, é a única que se lhe apresenta como conforme às potencialidades criadoras da linguagem e, nisso mesmo, sua potencial negação da banalidade de seu uso social. Desde sempre, é essa recusa dos imperativos práticos e comunicativos o que constitui sua concepção lírica, logo, expressiva em face à sociedade moderna. A concepção da subjetividade solitária, essencial ao seu lirismo, em razão da crise da tradição e do presente domínio da reificação, é o que constitui sua concepção da expressão não-comunicativa e, por isso mesmo, aversa aos imperativos práticos e ao chamado reificado da ação. 10 Com esta citação, espera-se que se tenha apresentado, ainda que de forma apressada, o centro da crítica debordiana à concepção da linguagem e da arte em geral, cujas formas de expressão não vão além do desacordo entre interioridade e mundo exterior ; permanecem prisioneiras da interioridade subjetiva, da consciência solitária. Mas atenção: Debord não é um pensador niilista, no sentido de negar de forma absoluta os elementos críticos da poesia e da arte moderna, os quais foram radicalizados pelos surrealistas. Quanto a isso, Emiliano Aquino não deixa dúvidas. Segundo ele, o Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO Ibidem, p M

18 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P autor de A Sociedade do Espetáculo busca articular e mobilizar a reflexão crítica surrealista numa outra prospectiva [...] acerca da linguagem, precisamente a perspectiva comunicativa. Para que não subsistam dúvidas, Aquino esclarece que [...] os elementos críticos da poesia e da arte moderna, os quais o surrealismo radicaliza, são reconhecidos e mobilizados por Debordpara uma reflexão crítica social que, abandonando o horizonte da profundeza e da expressão, buscar articular um sentido prospectivo para essas experiências artísticas (...). Em outras palavras, a superação que ele busca do surrealismo é também a superação do horizonte de toda arte moderna, num mesmo gesto de reivindicação de sua natureza crítica, presente tanto na destruição da linguagem quanto em seus temas; e o faz com base no horizonte específico das vanguardas históricas, no qual aquele conteúdo socialmente crítico e o programa de superação da arte se identificam. 11 INGUAGEM E PRÁXIS REVOUCIONÁRIA A forma como Debord rearticula as potencialidades críticas do programa surrealista e de toda arte moderna lembra a postura de Marx diante da Economia Política. Como se sabe, o autor de O Capital não contrapõe a essa ciência uma teoria simplesmente diferente para explicar a origem da propriedade capitalista e suas leis inerentes de apropriação e distribuição da riqueza. Pelo contrário, Marx apropria-se das conquistas teóricas da Economia 11 Ibidem, p M

19 Política, desmonta o seu sistema categorial e o reconstrói numa perspectiva nova, para superar suas limitações e obrigá-la a responder as exigências de seu projeto de saber, qual seja: demonstrar teoricamente o caráter imanente da exploração capitalista. Debord procede de forma semelhante. Não é preciso ir muito longe para dar prova dessa semelhança. A exposição de sua crítica, apresentada na seção anterior, não deixa dúvidas. Ele não nega, de forma absoluta, as potencialidades críticas da concepção expressiva da arte moderna e do surrealismo. Ao invés de simplesmente negar a concepção expressiva da interioridade subjetiva, como aparece em Adorno e nos surrealistas, Debord, segundo Emiliano Aquino, é contra uma perspectiva comunicativa acrítica, como parece ser o caso de Habermas, pois incorpora a negatividade existente na oposição entre expressão e a comunicação reificada, tal como esta oposição foi constituída pela arte moderna e tematizada por Adorno. 12 Como se pode notar, a perspectiva de Debord é de superação, no sentido dialético da palavra, e não de simples negação. E o faz na perspectiva de uma linguagem comunicativa como lugar da ação comum, que ele compreende como diálogo prático, crítica prática, negação do mundo existente. Mas, atenção, não se trata para Debord, como assim esclarece oportunamente Emiliano Aquino, Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO 2008 [...] de tomar a comunicação cotidiana, como existente na presente sociedade alienada, como base de uma 12 Ibidem, p M

20 AQUINO, JOÃO EMIIANO F. DE. REIFICAÇÃO E INGUAGEM EM GUY DEBORD. RESENHA DE FRANCISCO JOSÉ SOARES TEIXEIRA. P perspectiva social comunicativa, tal como pretende Habermas, que se refere a uma racionalização da comunicação cotidiana, ligada às estruturas subjetivas do mundo da vida, para a qual a linguagem representa o meio genuíno e insubstituível de entendimento. Para Debord, a presente comunicação cotidiana, em todos os seus níveis possíveis de racionalização, é constituída pela mediação autônoma das relações mercantis, sendo, portanto, uma pseudocomunicação. 13 Mas, se todas as esferas da vida estão colonizadas pelo domínio do capital, a ponto de transformar a comunicação humana numa mercadoria, como é possível uma ação comunicativa transparente? Segundo Emiliano Aquino, para Debord, ação comunicativa é sinônimo de uma política da comunicação. Como política da comunicação, uma linguagem comunicativa transparente só pode nascer da ação revolucionária do proletariado. De acordo com o autor de Reificação e inguagem em Guy Debord, o programa debordiano da [...] superação da arte, buscada pelas vanguardas no início do século, significa nas condições do capitalismo espetacular o programa de passagem da estética expressiva à práxis revolucionária comunicativa. Em outras palavras, a revolução proletária far-se-á herdeira da arte moderna, ao realizar positivamente o programa comunicativo que, em negativo, é imanente a esta última; em contrapartida, a arte moderna realizar-se-á, superando-se a si mesma enquanto arte separada, 13 Ibidem, p M

21 com a transformação da inteira vida cotidiana criativa, desalienada, histórica, isto é, fundada na potência construtiva do diálogo prático. Nessa mesma perspectiva interpretativa, V. Kaufmann considera que a inflexão comunicativa operada por Debor, inflexão elaborada com base numa interpretação da experiência artística, se constitui numa política da comunicação que coincide imediatamente com uma poética da revolução 14. Retomando o que se disse antes, quando por ocasião da apresentação do conceito de espetáculo de Debord, agora tudo se esclarece: um mundo fundado numa comunicação transparente só pode nascer da ação política revolucionária. Por isso, como apropriadamente esclarece Emiliano Aquino, [...] não podendo recorrer ao passado, tampouco à interioridade subjetiva, Debord ampara sua perspectiva comunista de uma nova comunidade apenas e exclusivamente nas contradições da própria existência presente e na práxis negativa em face delas. Como para o jovem Marx, a negatividade significa, para ele, a única possibilidade de uma reflexão puramente histórica, não metafísica (...) da experiência social dos homens, pois constituída da própria existência social fabricada, produzida pela atividade humana, ainda que (ou: precisamente porque) sob a forma da autonegação. Negando o mundo que os nega, os sujeitos da crítica prática se negam a si mesmos, isto é, negam as formas alienadas em e sob as quais estão constituídos e reinventam a Kalagatos - REVISTA DE FIOSOFIA. FORTAEZA, CE, V. 5 N.9, INVERNO Ibidem, p. 144/ M

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria

Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Trabalho Alienado e Fetichismo da Mercadoria Juversino Júnior Lisandro Braga "Em lugar da mercadoria aparecer como resultado de relações sociais enquanto relações de produção, ela aparece como um bem que

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

6. Karl Marx. 6.2. Dimensões do pensamento marxiano... 6.2.5. Crítica da economia política

6. Karl Marx. 6.2. Dimensões do pensamento marxiano... 6.2.5. Crítica da economia política 6. Karl Marx 6.2. Dimensões do pensamento marxiano... 6.2.5. Crítica da economia política... 6.4. Mercadoria, valor e fetichismo 6.4.1. A mercadoria: valor de uso e valor 6.4.2. O trabalho produtor de

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global

Curso de Extensão Universitária A Precariedade do Trabalho no Capitalismo Global Individualidade pessoal de classe e genericidade humana Notas teórico criticas Nosso objetivo é esclarecer (e desenvolver) alguns elementos categoriais utilizados na aula 5 a análise crítica do filme Morte

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

O capital enquanto relação social

O capital enquanto relação social 1 O capital enquanto relação social Pablo Bielschowsky (UCB, UFF) Resumo O artigo busca recuperar o debate sobre o capital enquanto relação social. A primeira parte do texto argumenta que a teoria do fetichismo

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS FILOSOFIA DO DIREITO 1. Da justiça particular e do que é justo no sentido correspondente, uma espécie é a que se manifesta nas distribuições de honras, de

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO FILOSOFIA P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Assinalar a alternativa correta: A) Com seu giro linguístico hermenêutico, Gadamer mostra que o processo hermenêutico é unitário,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho).

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho). REVISTA ELETRÔNICA ARMA DA CRÍTICA NÚMERO 4/ DEZEMBRO 2012 ISSN 1984-4735 RESENHA: A EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAPITAL MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

ALIENAÇÃO DO TRABALHO

ALIENAÇÃO DO TRABALHO ALIENAÇÃO DO TRABALHO Enquanto ser ativo, o homem se humaniza pelo trabalho e se desumaniza no trabalho. Por que o trabalho, atividade pela qual o homem se produz, também o aliena de si e dos outros? Desde

Leia mais

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO 1 AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO Blandina Mara de Lima Freitas* marafreitas@msn.com ÁREA SOBRE A QUAL VERSA O ARTIGO: Teoria Geral do Direito; Introdução ao Estudo do Direito; Ciência Política; Sociologia

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

RESENHA DA OBRA LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE

RESENHA DA OBRA LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE 12 : 645 RESENHA DA OBRA LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE, DE BERNARD EDELMAN 1 Gabriel Gualano de Godoy Review of the book LE DROIT SAISI PAR LA PHOTOGRAPHIE, by bernard edelman RESENHA EDELMAN, BERNARD.

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo

Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Uma coisa com qualidades transcendentais: O dinheiro como relação social no capitalismo Michael Heinrich * Resumo Neste pequeno artigo 1, o autor introduz didaticamente o conceito de dinheiro que se encontra

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Pressupostos e diferenciações em relação ao senso comum

Pressupostos e diferenciações em relação ao senso comum Pressupostos e diferenciações em relação ao senso comum 1- O que distingue a atitude científica da atitude costumeira ou do senso comum? Antes de qualquer coisa, a ciência desconfia da veracidade de nossas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO A PRESENÇA DA ARTE NO PROJETO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO Sandra Maria Zanello de Aguiar, e-mail:szaguiar@gmail.com. Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor de Ciências Sociais Aplicadas.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 Funções Básicas 1. Medida de valores 2. Meio de circulação a) Metamorfose das mercadorias; b) O curso do

Leia mais

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é:

Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: Atividade extra Fascículo 3 Sociologia Unidade 5 Questão 1 Um forte elemento utilizado para evitar as tendências desagregadoras das sociedades modernas é: a. Isolamento virtual b. Isolamento físico c.

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

3. KARL MARX (e a critica à consciência moderna)

3. KARL MARX (e a critica à consciência moderna) 3. KARL MARX (e a critica à consciência moderna) Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas, ao contrário, é o seu ser social que determina a sua consciência a) O Materialismo Histórico

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DA DISCIPLINA DE PÓS-GRADUAÇÃO GRUPOS EXCLUÍDOS, MOVIMENTOS SOCIAIS E DIREITOS HUMANOS PROFESSOR: MARCUS ORIONE GONÇALVES CORREIA

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo

ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo ENSINO DE FILOSOFIA E INTERDISCIPLINARIDADE: caminhos para pensar o problema da formação de professores em nosso tempo Andréia Ferreira dos SANTOS; Camilla Machado de SOUZA; Carmelita Brito de Freitas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais Trabalho Sindical Elementos categoriais O papel da Direção Executiva Trabalho sindical como trabalho ideológico Ação sobre o outro-de-classe visando mobilizar para a luta sindical) GIOVANNI ALVES - UNESP

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL

DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL . DIFERENÇAS ENTRE OS SETORES PÚBLICO E PRIVADO QUE FUNDAMENTAM A ATUAÇÃO DO PES PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL Comparação entre os âmbitos para suporte à decisão sobre que conhecimentos são necessários

Leia mais