CASO RELATIVO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS (REPUBLICA ISLÂMICA DO IRÃ v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1992-)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASO RELATIVO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS (REPUBLICA ISLÂMICA DO IRÃ v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1992-)"

Transcrição

1 CASO RELATIVO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS (REPUBLICA ISLÂMICA DO IRÃ v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1992-) (EXCEÇÕES PRELIMINARES) Julgamento de 12 de dezembro de 1996 Em sua decisão no Caso Reativo às Plataformas Petrolíferas (República Islâmica do Irã v. Estados Unidos da América), a Corte proferiu uma decisão mediante a qual rejeitou a exceção preliminar relativa à sua competência suscitada pelos Estados Unidos. A Corte decidiu que tinha competência para tratar do caso com base no artigo XXI, parágrafo 2º, do Tratado de Amizade, Relações Econômicas e Direitos Consulares entre os Estados Unidos e o Irã, assinado em Teerã, em 15 de agosto de 1995, o qual entrou em vigor em 16 de junho de Os Estados Unidos argumentaram que a Corte não teria competência, de um lado, porque o Tratado de 1955, que continha disposições comerciais e consulares, não era aplicável na ocorrência de uso da força. A Corte decidiu que o Tratado, que não exclui expressamente quaisquer questões da competência da Corte, impunha, a cada uma das partes, várias obrigações em uma variedade de assuntos. Qualquer ação incompatível com aquelas obrigações era ilícita, não importando os meios pelos quais ela foi realizada, incluindo o uso da força. Questões relativas ao uso da força não seriam, portanto, por si mesmas, excluídas do alcance do Tratado. Outros argumentos dos Estados Unidos tiveram relação com o alcance de vários artigos do Tratado de A Corte decidiu a este respeito que, considerando o objeto e o propósito do Tratado, o artigo I deveria ser visto como fixador de um objetivo (de paz e amizade), à luz do qual as outras disposições do Tratado deveriam ser interpretadas e aplicadas, mas ele não poderia ser tomado isoladamente como o fundamento para a competência da Corte. O artigo IV, parágrafo 1º do Tratado, cujos dispositivos detalhados tinham por objeto o tratamento dado por cada parte aos nacionais e companhias da outra parte, bem como às suas propriedades e empresas, mas que não abrangia as ações praticadas neste caso pelos Estados Unidos contra o Irã, não poderia fornecer tal fundamento. Com referência ao artigo X, parágrafo 1º do Tratado, entretanto, a Corte decidiu que a destruição da plataforma de petróleo iraniana pelos Estados Unidos era suscetível de ter efeito sobre a exportação de petróleo iraniano e, conseqüentemente, sobre a liberdade de comércio assegurada naquele parágrafo. A legalidade daquela destruição poderia, portanto, ser avaliada em relação àquele parágrafo. Como conseqüência, houve entre as partes uma disputa quanto à interpretação e aplicação do artigo X, parágrafo 1º do Tratado de Esta disputa recaía sobre as previsões da cláusula compromissória do artigo XXI, parágrafo 2º do Tratado. A Corte, portanto, tinha competência para acolher a disputa. O texto integral do parágrafo dispositivo lê-se como segue: Por estes motivos, A Corte 1) Rejeita, por 14 votos a 2, a exceção preliminar dos Estados Unidos da América de acordo com a qual o Tratado de 1955 não fornece nenhum fundamento para a competência da Corte; A FAVOR: Presidente Bedjaoui; juízes Guillaume, Shahabuddeen, Weeramantry, Ranjeva, Herczegh, Shi, Fleischhauer, Koroma, Vereshchetin, Ferrari Bravo, Higgins, Parra-Aranguren; juiz ad hoc Rigaux; CONTRA: Vice-Presidente Schwebel; juiz Oda

2 2) Declara, por 14 votos a 2, que tem competência, com base no artigo XXI, parágrafo 2º, do Tratado de 1955, para acolher as reclamações feitas pela República Islâmica do Irã com fundamento no artigo X, parágrafo 1º daquele Tratado. A FAVOR: Presidente Bedjaoui; juízes Guillaume, Shahabuddeen, Weeramantry, Ranjeva, Herczegh, Shi, Fleischhauer, Koroma, Vereshchetin, Ferrari Bravo, Higgins, Parra-Aranguren; juiz ad hoc Rigaux; CONTRA: Vice-Presidente Schwebel; juiz Oda. A Corte estava composta como se segue: Presidente Bedjaoui; Vice-Presidente Schwebel; juízes Oda, Guillaume, Shahabuddeen, Weeramantry, Ranjeva, Herczegh, Shi, Fleischhauer, Koroma, Vereshchetin, Ferrari Bravo, Higgins, Parra-Aranguren; juiz ad hoc Rigaux, e secretário Valencia-Ospina. Os juízes Shahabuddeen, Ranjeva, Higgins e Parra-Aranguren e o juiz ad hoc Rigaux apensaram opiniões individuais ao julgamento da Corte. O Vice-Presidente Schwebel e o juiz Oda apensaram opiniões dissidentes ao julgamento da Corte. Instituição dos procedimentos e história do caso (parágrafo 1º ao 11) A Corte iniciou lembrando que, em 2 de novembro de 1992, a República Islâmica do Irã instituiu procedimentos contra os Estados Unidos da América a respeito de uma disputa: originada com o ataque e destruição de três complexos de produção de petróleo, pertencentes e operados para fins comerciais pela Companhia Nacional de Petróleo Iraniana, por vários navios de guerra da marinha norte-americana em 19 de outubro de 1987 e 18 de abril de 1988, respectivamente. Em sua demanda, o Irã sustentou que estes atos constituíram uma violação fundamental, tanto a várias disposições do Tratado de Amizade, Relações Econômicas e Direitos Consulares entre os Estados Unidos e o Irã assinado em Teerã, em 15 de agosto de 1995, e com vigência partir de 16 de junho de 1957 (daqui por diante chamado Tratado de 1955 ), como de direito internacional. A demanda invocou, como fundamento para a competência da Corte, o artigo XXI, parágrafo 2º do Tratado de Dentro do prazo prorrogado para o depósito do contramemorial, os Estados Unidos suscitaram a exceção preliminar de incompetência da Corte conforme o artigo 79, parágrafo 1º do Regulamento da Corte. Conseqüentemente, o procedimento sobre o mérito foi suspenso. Depois que o Irã apresentou uma exposição escrita contendo suas observações e conclusões sobre a exceção preliminar levantada pelos Estados Unidos dentro do prazo, audiências públicas foram realizadas entre 16 e 24 de setembro de As seguintes conclusões finais foram apresentadas pelas partes: A favor dos Estados Unidos, Os Estados Unidos da América requerem que a Corte acolha sua exceção de incompetência no caso concernente às Plataformas Petrolíferas (República Islâmica do Irã v. Estados Unidos da América). A favor do Irã, À luz dos fatos e argumentos expostos acima, o governo da República Islâmica do Irã requer que a Corte julgue e declare: 1. Que a exceção preliminar dos Estados Unidos é integralmente rejeitada;

3 2. Que, conseqüentemente, a Corte tem competência, com base no artigo XXI parágrafo 2º do Tratado de Amizade, para acolher reclamações feitas pela República Islâmica do Irã em sua demanda e memorial uma vez que eles relatam a disputa entre as partes sobre a interpretação ou aplicação do Tratado; 3. Que, subsidiariamente, no caso da exceção preliminar não ser rejeitada imediatamente, ela não possui, na circunstância do caso, o caráter exclusivamente preliminar nos termos do artigo 79 parágrafo 7º do Regulamento da Corte; e 4. Qualquer outro remédio que a Corte considere apropriado. O artigo XXI, parágrafo 2º do Tratado de 1955 e a natureza da disputa (parágrafo 12 ao 16) Depois de fazer o relatório dos argumentos sustentados pelo Irã em sua demanda e no curso dos procedimentos seguintes, a Corte concluiu que este país somente pretendia que o artigo I, o artigo IV, parágrafo 1º, e artigo X, parágrafo 1º do Tratado de 1955 haviam sido infringidos pelos Estados Unidos e que a disputa assim surgida seria de competência da Corte segundo o artigo XXI, parágrafo 2º do mesmo Tratado. Os Estados Unidos, por sua vez, sustentaram que a demanda do Irã não tinha nenhuma relação com o Tratado de 1955 e salientaram que, em conseqüência, a disputa que teria surgido com o Irã não recairia sobre as disposições do artigo XXI, parágrafo 2º do Tratado, deduzindo que a Corte deveria decidir pela sua incompetência para lidar com o caso. A Corte argumentou, inicialmente, que as partes não contestaram que o Tratado de 1955 estava em vigor na data de apresentação da demanda do Irã e que ainda continua em vigor. A Corte lembrou que decidiu, em 1980, que o Tratado de 1955 era aplicável àquele tempo (caso do Corpo Diplomático e Consular dos Estados em Teerã, C.I.J. Rec 1980, p. 28, parágrafo 54); nenhuma das circunstâncias trazidas ao seu conhecimento no caso poderia fazê-la divergir daquele ponto de vista. Nos termos do artigo XXI, parágrafo 2º daquele Tratado: Qualquer disputa entre as Altas Partes contratantes quanto à interpretação ou aplicação do presente Tratado, não resolvida satisfatoriamente pela via diplomática, deve ser submetida à Corte Internacional de Justiça, a menos que as Altas Partes contratantes concordem em decidi-la por algum outro meio pacífico de solução de controvérsias. Não foi contestado que muitas das condições estipuladas por este texto se encontraram no caso: uma disputa surgiu entre o Irã e os Estados Unidos; não foi possível resolver a disputa pela via diplomática; e os dois Estados não concordaram em "decidi-la por algum outro meio pacífico como contemplado pelo artigo XXI. Por outro lado, as partes divergiam quanto à questão de saber se a disputa entre os dois Estados com relação à legalidade das ações praticadas pelos Estados Unidos contra as plataformas de petróleo iranianas seria uma disputa quanto à interpretação ou aplicação do Tratado de Com o objetivo de responder a esta questão, a Corte não pode limitar-se a constatar que uma das partes sustentava que tal disputa existia, e que outra negava sua existência. Ela deveria apurar se as violações ao Tratado de 1955 alegadas pelo Irã recaíam ou não sobre os dispositivos do Tratado e se, como conseqüência, a Corte teria competência ratione materiae para acolher a disputa, conforme o artigo XXI, parágrafo 2º. Aplicabilidade do Tratado de 1955 no caso de uso da força (parágrafo 17 ao 21) A Corte primeiro analisou os argumentos do Estado demandado de que o Tratado de 1955 não se aplicava a questões relativas ao uso da força. Nesta perspectiva, os Estados Unidos sustentaram que, essencialmente, a disputa referia-se à legalidade das ações praticadas pelas forças navais dos Estados Unidos que envolveram operações de combate e que simplesmente não havia nenhuma relação entre a integralidade das disposições comerciais e consulares do Tratado e a demanda e memorial do Irã, os quais focalizaram exclusivamente alegações sobre o recurso ilícito do uso da força armada.

4 O Irã sustentou que a disputa que surgiu entre as partes referia-se à interpretação ou aplicação do Tratado de Em conseqüência, requeria que a exceção preliminar fosse rejeitada, ou, subsidiariamente, caso não fosse integralmente rejeitada, que fosse considerada como não tendo um caráter exclusivamente preliminar nos termos do artigo 79, parágrafo 7º, do Regulamento da Corte. A Corte notou, em primeiro lugar, que o Tratado de 1955 não continha disposições excluindo expressamente certas questões de sua competência. Ela adotou o entendimento de que o Tratado de 1955 impunha a cada uma das partes várias obrigações numa variedade de questões. Qualquer ação de uma das partes que fosse incompatível com aquelas obrigações era ilícita, não importando os meios utilizados para este fim. A violação dos direitos de uma parte assegurados pelo Tratado através do uso da força era tão ilícita quanto seria a violação por uma decisão administrativa ou por quaisquer outros meios. As questões relacionadas com o emprego do uso da força não eram, portanto, excluídas do alcance do Tratado de Os argumentos colocados neste ponto pelos Estados Unidos deveriam ser rejeitados. Artigo I do Tratado (parágrafo 22 ao 31) Em segundo lugar, as partes divergiam quanto à interpretação a ser dada ao artigo I, artigo IV, parágrafo 1º, e artigo X, parágrafo 1º, do Tratado de De acordo com o Irã, as ações que ele alegara contra os Estados Unidos constituíam uma ofensa àquelas disposições e a Corte, conseqüentemente, tinha competência ratione materiae para conhecer da demanda. De acordo com os Estados Unidos, este não seria o caso. O artigo I do Tratado de 1955 dispõe que: Deve haver paz duradoura e sincera amizade entre os Estados Unidos e... o Irã. De acordo com o Irã, esta disposição não formula meramente uma recomendação ou desejo..., mas impõe efetivas obrigações entre as partes contratantes, obrigando-as a manter, permanentemente, relações pacíficas e amigáveis ; impõe às partes a exigência mínima... de se conduzirem com relação ao outro de acordo com os princípios e regras gerais do direito internacional no domínio das relações pacíficas e amigáveis. Os Estados Unidos consideraram, pelo contrário, que o Irã atribuiu ao artigo I um alcance excessivo. Esta disposição, de acordo com o Estado demandado não conteria normas, mas apenas constituía uma expressão de vontade. Aquela interpretação foi requerida apenas no contexto e por causa do caráter puramente comercial e consular do Tratado. A Corte considerou que a formulação geral do artigo I não pode ser interpretada isoladamente do objeto e propósito do Tratado no qual está inserida. Há alguns tratados de amizade que contêm não apenas uma disposição na mesma linha do disposto no artigo I mas, em adição, cláusulas visando ao esclarecimento das suas condições de aplicação. Entretanto, isto não se aplicava ao caso. O artigo I não estava de fato inserido em um tratado daquele tipo, mas em um tratado de Amizade, Relações Econômicas e Direitos Consulares cujo objeto é, de acordo com os termos do preâmbulo, o encorajamento de mútuo benefício comercial e investimentos e estreitas relações econômicas, tanto quanto regular as relações consulares entre os dois Estados. O Tratado regulava as condições de residência dos nacionais de uma das partes no território da outra (artigo II), a condição das companhias e o acesso aos tribunais e à arbitragem (artigo III), a proteção para os nacionais e companhias de cada uma das partes contratantes bem como às suas propriedades e empresas (art IV), as condições para a compra de imóveis e a proteção da propriedade intelectual (artigo V), o sistema de tributação (artigo VI), o sistema de transferências (artigo VII), as tarifas alfandegárias e outras restrições à importação (artigos VIII e IX), a liberdade de comércio e navegação (artigos X e XI), e os direitos e deveres dos cônsules (artigos XII-XIX). Desta forma, o objeto e propósito do Tratado de 1955 não era regular as relações pacíficas e amigáveis entre os dois Estados de maneira geral. Conseqüentemente, o artigo I não pode ser interpretado como tendo incorporado ao Tratado todas as disposições de direito internacional referentes a tais relações. Na verdade, incorporando ao corpo do Tratado a forma das palavras empregadas no artigo I, os dois Estados pretenderam ressaltar que a paz e a amizade constituíam a condição para o desenvolvimento harmonioso de

5 suas relações comerciais, financeiras e consulares e que tal desenvolvimento deveria, por sua vez, reforçar aquela paz e amizade. Por conseguinte, deduziu-se que o artigo I deveria ser considerado como fixador de um objetivo à luz do qual as outras disposições do Tratado deveriam ser interpretadas e aplicadas. A Corte observou, mais adiante, que, antes disso, não havia nenhum documento iraniano que desse suporte à posição do Irã. Quanto aos documentos dos Estados Unidos apresentados pelas duas partes, eles mostram que em nenhum momento os Estados Unidos consideraram o artigo I como tendo o significado a ele dado agora pelo Estado demandante. A prática seguida pelas partes com relação à aplicação do Tratado não conduziria a conclusões diferentes. À luz do exposto, a Corte considerou que o objetivo de paz e amizade proclamado no artigo I do Tratado de 1955 era tal que elucidava a interpretação das outras disposições do Tratado e, em particular, dos artigos IV e X. O artigo I não é, neste caso, desprovido de significado jurídico para tal interpretação, mas não poderia ser isoladamente tomado como fundamento para a competência da Corte. Artigo IV, parágrafo 1º do Tratado (parágrafo 32 ao 36) O artigo IV, parágrafo 1, do Tratado de 1955 dispõe que: Cada uma das Altas Partes contratantes deve, a todo tempo, dar justo e eqüitativo tratamento aos nacionais e companhias da outra Alta Parte contratante, bem como aos seus bens e empresas; deve abster-se da aplicação de medidas injustas ou discriminatórias que possam prejudicar os seus direitos e interesses legalmente adquiridos; e, em conformidade com as leis aplicáveis na matéria, deve-se assegurar vias de execução eficazes aos direitos contratuais legitimamente criados. A Corte, considerando os argumentos apresentados pelas partes, observou que o artigo IV, parágrafo 1º, ao contrário dos outros parágrafos do mesmo artigo, não incluiu nenhuma limitação territorial. Ela apontou, mais adiante, que as disposições detalhadas daquele parágrafo referiam-se ao tratamento de cada parte aos nacionais e companhias da outra parte, bem como seus bens e empresas. Tais disposições não cobriam as ações praticadas neste caso pelos Estados Unidos contra o Irã. O artigo IV, parágrafo 1º, deste modo, não continha quaisquer normas aplicáveis a este caso particular. Este artigo não poderia, conseqüentemente, constituir-se no fundamento para a competência da Corte. Artigo X, parágrafo 1º, do Tratado (parágrafo 37 ao 52) O artigo X, parágrafo 1º, do Tratado de 1955 lê-se como segue: Entre os territórios das duas Altas Partes contratantes deve haver liberdade de comércio e navegação. Não foi alegado pelo demandante que alguma ação militar afetara sua liberdade de navegação. Assim sendo, a questão que a Corte tinha que resolver, para determinar a sua competência, era se as ações dos Estados Unidos reclamadas pelo Irã eram suscetíveis de afetar a liberdade de comércio garantida pela disposição acima citada. O Irã argüiu que o artigo X, parágrafo 1º, não contemplou apenas o comércio marítimo, mas o comércio em geral, enquanto que, de acordo com os Estados Unidos, a palavra comércio deveria ser entendida como sendo restrita ao comércio marítimo; como restrita ao comércio entre os Estados Unidos e o Irã; e como referindo-se unicamente às atividades de venda ou troca efetiva de mercadorias. Tendo considerado outras indicações no Tratado de uma intenção das partes de regulamentar questões comerciais de maneira geral, e levando em conta toda a gama de atividades abrangidas no Tratado, a visão de que a palavra comércio no artigo X, parágrafo 1º, é restrita ao comércio marítimo não foi aprovada pela Corte. Na visão da Corte, não havia nada que indicasse que as partes do Tratado pretendiam usar a palavra comércio em algum sentido diferente daquele geralmente admitido. A palavra comércio, seja tomada no seu sentido comum ou no seu significado jurídico, no plano doméstico ou internacional, tem um significado mais amplo que a mera referência à compra e venda. A Corte notou nesta conexão que o Tratado de 1955

6 lidava, nos seus artigos gerais, com uma larga variedade de assuntos subordinados ao intercâmbio e comércio; e referiu-se ao caso Oscar Chinn, no qual a expressão liberdade de comércio era vista pela Corte Permanente como contemplando não apenas a compra e venda de mercadorias, como também a indústria, e em particular a indústria de transporte. A Corte ressaltou, mais adiante, que não deveria em caso algum ignorar que o artigo X, parágrafo 1º, do Tratado de 1955 não protegia propriamente o comércio mas a liberdade de comércio. Qualquer ato como a destruição de mercadorias destinadas à exportação, ou que seja capaz de afetar o transporte ou seus depósitos com vistas à exportação, o qual impeça aquela liberdade é, desse modo, proibido. A Corte ressaltou a este respeito que o petróleo bombeado das plataformas atacadas em outubro de 1987 é transportado de lá por meio de um oleoduto submarino para o terminal de petróleo na ilha de Lavan, e que o complexo de Salman, objeto de ataque em abril de 1988, também era conectado ao terminal de petróleo de Lavan por um oleoduto submarino. A Corte decidiu que não era capaz, de fato, de determinar se e até que ponto a destruição das plataformas de petróleo iranianas afetou a exportação de petróleo no Irã; ela apenas notou que, no mínimo, a sua destruição foi capaz de afetar tal exportação e, conseqüentemente, tinha um efeito adverso sobre a liberdade de comércio garantida pelo artigo X, parágrafo 1º, do Tratado de Dessa forma, sua legalidade pode ser apreciada em relação a este parágrafo. Em consideração ao exposto, a Corte concluiu que existe entre as partes uma disputa quanto à interpretação e aplicação do artigo X, parágrafo 1º, do Tratado de 1955; que esta disputa entraria nas previsões da cláusula compromissória do artigo XXI, parágrafo 2º, do Tratado; e que a Corte era, em conseqüência, competente para conhecer da disputa. Tendo assim rejeitado a exceção preliminar levantada pelos Estados Unidos, a Corte constatou que as conclusões demandadas pelo Irã, a título subsidiário, de declarar que esta exceção não teria, nas circunstâncias do caso, um caráter exclusivamente preliminar, tornaram-se sem objeto.

CASO DA COMPANHIA BARCELONA TRACTION LIGHT AND POWER LTDA (BÉLGICA v. ESPANHA) (1962-1970)

CASO DA COMPANHIA BARCELONA TRACTION LIGHT AND POWER LTDA (BÉLGICA v. ESPANHA) (1962-1970) CASO DA COMPANHIA BARCELONA TRACTION LIGHT AND POWER LTDA (BÉLGICA v. ESPANHA) (1962-1970) (EXCEÇÕES PRELIMINARES) Sentença de 24 de julho de 1964 O Caso da Companhia Barcelona Traction Light and Power

Leia mais

APLICABILIDADE DA SEÇÃO 22 DO artigo VI DA CONVENÇÃO SOBRE OS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DAS NAÇÕES UNIDAS (1989)

APLICABILIDADE DA SEÇÃO 22 DO artigo VI DA CONVENÇÃO SOBRE OS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DAS NAÇÕES UNIDAS (1989) 1989 APLICABILIDADE DA SEÇÃO 22 DO artigo VI DA CONVENÇÃO SOBRE OS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DAS NAÇÕES UNIDAS (1989) 21. Parecer Consultivo de 15 de dezembro de 1989 A Corte proferiu unanimemente um parecer

Leia mais

CASO RELATIVO À CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE AS RELAÇÕES CONSULARES (Paraguai v. Estados Unidos da América)

CASO RELATIVO À CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE AS RELAÇÕES CONSULARES (Paraguai v. Estados Unidos da América) CASO RELATIVO À CONVENÇÃO DE VIENA SOBRE AS RELAÇÕES CONSULARES (Paraguai v. Estados Unidos da América) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 9 de abril de 1998 Histórico do caso e exposição das demandas (parágrafo

Leia mais

CASO SOBRE LEGALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA FORÇA (Sérvia e Montenegro contra Alemanha)

CASO SOBRE LEGALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA FORÇA (Sérvia e Montenegro contra Alemanha) CASO SOBRE LEGALIDADE DA UTILIZAÇÃO DA FORÇA (Sérvia e Montenegro contra Alemanha) (EXCEÇÕES PRELIMINARES) Sumário do julgamento de 15 de dezembro de 2004 História dos procedimentos e conclusões das Partes

Leia mais

CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976

CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976 CASO DA PLATAFORMA CONTINENTAL DO MAR EGEU (GRÉCIA v. TURQUIA) (1976-1978) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 11 de setembro de 1976 Em sua decisão no Caso da Plataforma Continental do Mar Egeu a Corte concluiu,

Leia mais

LICITUDE DA AMEAÇA OU USO DE ARMAS NUCLEARES (1994-1996)

LICITUDE DA AMEAÇA OU USO DE ARMAS NUCLEARES (1994-1996) 1994 LICITUDE DA AMEAÇA OU USO DE ARMAS NUCLEARES (1994-1996) 23. Parecer Consultivo de 8 de julho de 1996 A Corte emitiu seu parecer consultivo sobre a demanda apresentada pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA FASES DO PROCESSO PENAL DIANTE DOS TRIBUNAIS INTERNACIONAIS VISITA AOS TRIBUNAIS INTERNACIONAIS DA HAIA CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES RECURSO Nº - 31.744 (23.816) ACORDÃO Nº 8.463 RECORRENTE COMPANHIA BRASILEIRA DE OFFSHORE

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES RECURSO Nº - 31.744 (23.816) ACORDÃO Nº 8.463 RECORRENTE COMPANHIA BRASILEIRA DE OFFSHORE PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 24/06/2010 Fls. 06 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 25 de maio de 2010 TERCEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 31.744 (23.816) ACORDÃO

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004 -1- EMENTA: ANULATÓRIA ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO NÃO INTEGRAÇÃO AO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ENCARGOS LIMITAÇÃO CLÁUSULA MANDATO VALIDADE APORTE FINANCEIRO OBTIDO NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO.

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Sexta Secção) 14 de Dezembro de 2000 *

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Sexta Secção) 14 de Dezembro de 2000 * COMISSÃO / FRANÇA ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Sexta Secção) 14 de Dezembro de 2000 * No processo C-55/99, Comissão das Comunidades Europeias, representada por R. B. Wainwright, consultor jurídico principal,

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA)

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) Pedido de indicação de medida provisória Resumo do Despacho de 17 junho de 2003 Aplicação e pedido de medida provisória

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Art. 1º. Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 37/94 Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Resolução da Assembleia da República n.º 37/94 Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Resolução da Assembleia da República n.º 37/94 Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Aprova, para ratificação, a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 538, DE 2005 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto da proposta de Emendas à Convenção sobre Prevenção da Poluição Marinha por

Leia mais

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DA ABRANGÊNCIA Art. 1º- O objetivo do presente Código de Auto-Regulação é estabelecer princípios e

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS R E L A T Ó R I O

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS R E L A T Ó R I O RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO N.º : 0031/2003 CRF PAT Nº : 0190/2001-1ª. U.R.T RECORRENTE : Queiroz Oliveira Comércio e Indústria Ltda. RECORRIDO :

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO RJ-2015-6282. Reg. Col. 9818/2015

PROCESSO ADMINISTRATIVO RJ-2015-6282. Reg. Col. 9818/2015 PROCESSO ADMINISTRATIVO RJ-2015-6282 Reg. Col. 9818/2015 Interessado: Oi S.A. Assunto: Pedido de Autorização da Oi S.A. para negociação privada de opções e de ações de sua própria emissão, conforme aditivo

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá

Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá INSTITUTO DE PESQUISAS CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS DO ESTADO DO AMAPÁ IEPA REGIMENTO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ÓRGÃO ESPECIAL Direta de Inconstitucionalidade nº 51/2009 Representante: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO INFANTIL-ASBREI Representada: ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Legislação: Lei

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012).

RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. (Publicado no DODF, Nº 78 de 19 de abril de 2012). RESOLUÇÃO Nº 003, de 13 de Abril de 2012. Disciplina os procedimentos a serem observados nos processos administrativos instaurados pelo prestador de serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969

DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 DECRETO-LEI Nº 972, DE 17 DE OUTUBRO DE 1969 Dispõe sobre exercício da profissão de jornalista. OS MINISTROS DA MARINHA DE GUERRA, DO EXÉRCITO E DA AERONÁUTICA MILITAR, usando das atribuições que lhes

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

[pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Regeringsrätten (Suécia)]

[pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Regeringsrätten (Suécia)] Downloaded via the EU tax law app / web Arrêt de la Cour Processo C?320/02 Förvaltnings AB Stenholmen contra Riksskatteverket [pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Regeringsrätten (Suécia)] «Sexta

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES

COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES Por que os protocolos foram criados? O comitê de publicação de ética (COPE) foi fundado em 1997 para tratar da questão

Leia mais

CÓPIA. Coordenação-Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 16 - Cosit Data 30 de julho de 2014 Origem.

CÓPIA. Coordenação-Geral de Tributação. Relatório. Solução de Consulta Interna nº 16 - Cosit Data 30 de julho de 2014 Origem. Fl. 27 Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 16 - Data 30 de julho de 2014 Origem DRF/Goiânia ASSUNTO: Processo Administrativo Fiscal EMENTA: IMPUGNAÇÃO INTEMPESTIVA. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF

CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF O conteúdo do presente contrato (adiante o Contrato ) constitui os termos e condições

Leia mais

Arbitrabilidade no Direito Administrativo. (Contrato de Compra e Venda Internacional de Mercadorias)

Arbitrabilidade no Direito Administrativo. (Contrato de Compra e Venda Internacional de Mercadorias) Arbitrabilidade no Direito Administrativo (Contrato de Compra e Venda Internacional de Mercadorias) Artigo escrito em Agosto de 2015, que serviu de base a uma palestra efetuada pelo Autor, em São Paulo,

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.690/15/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000244282-97 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.690/15/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000244282-97 Impugnação: 40. Acórdão: 20.690/15/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000244282-97 Impugnação: 40.010137179-95 Impugnante: Origem: EMENTA Percival Firmato de Almeida IE: 327095499.00-62 DFT/Teófilo Otoni MERCADORIA ENTRADA DESACOBERTADA

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI)

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI) CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI) FUNDAMENTO: O Trabalho de Conclusão de Curso é componente obrigatório da grade

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

POR UNANIMIDADE 06 (seis) meses

POR UNANIMIDADE 06 (seis) meses ACLARAÇÃO DO LAUDO ARBITRAL DO TRIBUNAL ARBITRAL AD HOC DO MERCOSUL CONSTITUÍDO PARA DECIDIR A CONTROVÉRSIA ENTRE A REPÚBLICA DO PARAGUAI E A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI SOBRE A APLICAÇÃO DO IMESI (IMPOSTO

Leia mais

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 852.937-1, DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE TOLEDO AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVADA: RELATORA: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ DES.ª VILMA

Leia mais

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO AULA 07.1 - INTRODUÇÃO TERMINOLOGIAS NO No processo do trabalho há um dialeto próprio, que define: -O AUTOR como sendo o RECLAMANTE; -O RÉU como sendo do RECLAMADO. 1 2 DO O direito

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO 1 AUDITORIA ETERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA AVIER, Débora LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA,

Leia mais

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008

Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 Jornal oficial no. L 024 de 30/01/1998 P. 0001-0008 DIRECTIVA 97/66/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 relativa ao tratamento de dados pessoais e à protecção da privacidade

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE RESOLUÇÃO N o 124, DE 2012 Altera a redação do 4º do art. 7º e de incisos do 4º do art. 14 da Resolução nº 25, de 10 de outubro de 2001, com

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.964, DE 2001.

PROJETO DE LEI Nº 4.964, DE 2001. PROJETO DE LEI Nº 4.964, DE 2001. Altera a lei nº 9.311, de 24 de outubro de 1996, que institui a Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL

PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL MERCOSUL\CMC\DEC Nº 11/94 PROTOCOLO SOBRE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO DE INVESTIMENTOS PROVENIENTES DE ESTADOS NÃO PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Art.10 do Tratado de Assunção, a Resolução Nº 39/94 do Grupo

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 612/2014. Sentença

Processo de arbitragem n.º 612/2014. Sentença Processo de arbitragem n.º 612/2014 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO

COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO COMUNIDADE ECONOMICA DOS ESTADOS DE AFRICA OCIDENTAL ESTATUTO DO PESSOAL DA CEDEAO SECRETARIADO EXECUTIVO, ABUJA, OUTUBRO 1999 1 CAPITULO 1º DISPOSIÇÕES GERAIS ARTGIGO 1º : OBJETO E ALCANCE O presente

Leia mais

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional?

2 - Quem autoriza o acesso é o CGEN ou o povo detentor do conhecimento tradicional? Dúvidas e pontos polêmicos levantados na discussão sobre o Anteprojeto de Lei de Acesso ao Material Genético e seus Produtos, de Proteção aos Conhecimentos Tradicionais Associados e de Repartição de Benefícios

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Vigésima Primeira Câmara Cível

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Vigésima Primeira Câmara Cível M Poder Judiciário Apelação Cível nº. 0312090-42.2012.8.19.0001 Apelante: COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS CEDAE Advogado: Dr. Luiz Carlos Zveiter Apelado: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS

Leia mais

Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990

Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990 Página 1 DECRETO Nº 2.870, de 10 de dezembro de 1998 Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de 1990

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 446/95 - Plenário - Ata 40/95 Processo nº TC 020.528/94-9 Interessado: Representante da empresa Lynch Representações e Participações Ltda. Entidade:

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Proc. Nº 3341/2014 I - RELATÓRIO O REQUERIMENTO INICIAL I ANTÓNIO, identificado nos autos, intentou a presente acção contra S.A., igualmente identificada nos autos, nos termos constantes da petição inicial,

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 18/96 e 2/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões Nº 18/96 e 2/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 15/06 ENTENDIMENTO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE AS AUTORIDADES DE DEFESA DE CONCORRÊNCIA DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL PARA O CONTROLE DE CONCENTRAÇÕES ECONÔMICAS DE ÂMBITO REGIONAL TENDO

Leia mais

Quanto ao órgão controlador

Quanto ao órgão controlador Prof. Ms. Cristian Wittmann Aborda os instrumentos jurídicos de fiscalização sobre a atuação dos Agentes públicos; Órgãos públicos; Entidades integradas na Administração Pública; Tem como objetivos fundamentais

Leia mais

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. TÍTULO I DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR... CAPÍTULO III DOS DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR Art. 6º São

Leia mais

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA

Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Região Autónoma dos Açores ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALMAGREIRA MODELO DE REGIMENTO DE ASSEMBLEIA DE FREGUESIA CAPITULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros

Leia mais

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Promulga o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL

TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL TRATADO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA DO PANAMÁ SOBRE AUXÍLIO JURÍDICO MÚTUO EM MATÉRIA PENAL A República Federativa do Brasil e A República do Panamá (doravante denominados "Partes"),

Leia mais

Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES DE SÃO PAULO E REGIÃO,

Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES DE SÃO PAULO E REGIÃO, ATENÇÃO - Texto meramente informativo, sem caráter intimatório, citatório ou notificatório para fins legais. PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2ª Região Número Único: 01497003320065020075

Leia mais

2ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA - DF TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo nº 0000307-61.2011.5.10.0002

2ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA - DF TERMO DE AUDIÊNCIA. Processo nº 0000307-61.2011.5.10.0002 2ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA - DF TERMO DE AUDIÊNCIA Processo nº 0000307-61.2011.5.10.0002 Aos seis dias do mês de maio do ano de 2.011, às 17h10min, na sala de audiências desta Vara, por ordem da MMª.

Leia mais

***I PROJECTO DE RELATÓRIO

***I PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 23 de Maio de 2001 PRELIMINAR 2000/0189(COD) ***I PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 12505/2011 (1 vol.) 2. Classe/Assunto: 3. Consulta / 5. Consulta acerca da legalidade do pagamento de despesas com internação de urgência do senhor João

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. Ao Senhor, CARLOS ALBERTO BEZERRA DE MIRANDA Diretor de Relações com Investidores da BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A Avenida Madre

Leia mais

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV

&RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV &RPpUFLR,QWHUQDFLRQDO±&RQIOLWRV 3RU 'HQLV &RUWL] GD 6LOYD $QGHUVRQ 1RYDHV 9LHLUD 5RGROIR )DUDK 9DOHQWH )LOKR 'DQLHO5XGUD)HUQDQGHV,QWURGXomR A criação da OMC (Organização Mundial do Comércio) foi um grandioso

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC.

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC. Reclamante: Thiago Ivo Pereira Reclamado: 1) Probank S.A (Em recuperação judicial). 2) Caixa Econômica Federal Aos 19 dias do mês setembro de 2011, na sala de audiências da 1.ª Vara do Trabalho de Joinville,

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Capítulo I - Princípios gerais. Seção I - Conceitos

CÓDIGO DE ÉTICA. Capítulo I - Princípios gerais. Seção I - Conceitos CÓDIGO DE ÉTICA Capítulo I - Princípios gerais Seção I - Conceitos Art. 1º - Este Código compreende normas de conduta e normas técnicas de caráter obrigatório para as empresas de alimentação, associadas

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

Tratados internacionais para evitar a bitributação no Direito Brasileiro

Tratados internacionais para evitar a bitributação no Direito Brasileiro Page 1 of 7 DireitoNet - Artigo www.direitonet.com.br Link deste Artigo: http://www.direitonet.com.br/artigos/x/45/37/4537/ Impresso em 19/09/2008 Tratados internacionais para evitar a bitributação no

Leia mais

CASO DAS ATIVIDADES MILITARES E PARAMILITARES NA E CONTRA A NICARÁGUA (NICARÁGUA v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1984-1991)

CASO DAS ATIVIDADES MILITARES E PARAMILITARES NA E CONTRA A NICARÁGUA (NICARÁGUA v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1984-1991) CASO DAS ATIVIDADES MILITARES E PARAMILITARES NA E CONTRA A NICARÁGUA (NICARÁGUA v. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA) (1984-1991) (MEDIDAS CAUTELARES) Decisão de 10 de maio de 1984 Em decisão tomada no Caso sobre

Leia mais

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES Caçapava do Sul RS Capital Farroupilha

PODER LEGISLATIVO CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES Caçapava do Sul RS Capital Farroupilha RESOLUÇÃO N 026/2015 Institui o Código de Ética e Decoro Parlamentar do Poder Legislativo de Caçapava do Sul/RS e dá outras providências. PEDRO DA SILVA GASPAR, Presidente da Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

Processo Administrativo nº 05/08

Processo Administrativo nº 05/08 Processo Administrativo nº 05/08 Envolvida: Alpes Corretora de Câmbio, Títulos e Valores Mobiliários S.A. Assunto: Cadastramento e Identificação de Investidores Não-Residentes Conselheiro-Relator: Eduardo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 3.198 - US (2008/0069036-9) RELATÓRIO MINISTRO HUMBERTO GOMES DE BARROS: Agravo interno contra exequatur concedido pelo eminente Ministro Marco Aurélio do STF. Em suma, a decisão

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador EXPEDITO JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador EXPEDITO JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado nº 203, de 2001 (PL. nº 06302, de 2002, na Câmara), que regulamenta

Leia mais

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário Nº CNJ : 0100686-34.2014.4.02.5006 (2014.50.06.100686-0) RELATOR : LUIZ ANTONIO SOARES APELANTE : PARANÁ GRANITOS LTDA ADVOGADO : EDGAR LENZI E OUTROS APELADO

Leia mais

Parágrafo único. Só se iniciam e vencem os prazos referidos neste artigo em dia de expediente no órgão ou na entidade.

Parágrafo único. Só se iniciam e vencem os prazos referidos neste artigo em dia de expediente no órgão ou na entidade. CONTAGEM DOS PRAZOS EM PROCEDIMENTOS LICITATÓRIOS Por PAULO SÉRGIO DE MONTEIRO REIS A Lei nº 8.666/93, com todas as suas já inúmeras alterações (ou seriam remendos?...) trata, em seu art. 110, da contagem

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DA ARBITRAGEM

ASPECTOS GERAIS DA ARBITRAGEM ASPECTOS GERAIS DA ARBITRAGEM Flávia Bittar Neves 1 A arbitragem é uma instituição que tem servido à humanidade, encontrando antecedentes em Roma e na Grécia antigas, constando do ordenamento jurídico

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VICE-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UPF EDITORA

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VICE-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UPF EDITORA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO VICE-REITORIA DE GRADUAÇÃO VICE-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UPF EDITORA EDITAL DE APOIO À PUBLICAÇÃO DIDÁTICA 01/2015 A Universidade de Passo Fundo (UPF), por intermédio

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda.

SENTENÇA. XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: XXXXXX-XX.2012.8.26.0100 Procedimento Ordinário - Perdas e Danos D. (Omitido) Jonica Investimentos Imobiliários Ltda. (Tecnisa) Juiz(a)

Leia mais

PARECER REEXAMINADO (*) (*) Reexaminado pelo Parecer CNE/CES nº 204/2008 (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 19/11/2008

PARECER REEXAMINADO (*) (*) Reexaminado pelo Parecer CNE/CES nº 204/2008 (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 19/11/2008 PARECER REEXAMINADO (*) (*) Reexaminado pelo Parecer CNE/CES nº 204/2008 (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 19/11/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Parecer nº: 1103/2004 REQUERENTE: SATT CREIDY EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Rua Quintino Bocaiúva, 59 Processo n. 2.221321.00.4

Parecer nº: 1103/2004 REQUERENTE: SATT CREIDY EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Rua Quintino Bocaiúva, 59 Processo n. 2.221321.00.4 1 Parecer nº: 1103/2004 REQUERENTE: SATT CREIDY EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Rua Quintino Bocaiúva, 59 Processo n. 2.221321.00.4 EMENTA: Princípio da irretroatividade. Preceito de política legislativa

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE QUEIROZ GALVÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE QUEIROZ GALVÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE QUEIROZ GALVÃO EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO S.A. I. PROPÓSITO, ABRAGÊNCIA E ESCOPO A presente Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da QGEP tem como propósito

Leia mais

Decreto Legislativo No. 67, de 25.08.1999

Decreto Legislativo No. 67, de 25.08.1999 Decreto Legislativo No. 67, de 25.08.1999 Aprova o texto do Acordo de Cooperação sobre os Usos Pacíficos da Energia Nuclear, celebrado entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos

Leia mais

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação )

Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Política de Divulgação de Atos ou Fatos Relevantes da Quality Software S.A. ( Política de Divulgação ) Versão: 1.0, 08/03/2013 Fatos Relevantes v 1.docx 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO... 3 2. PESSOAS SUJEITAS

Leia mais

MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA)

MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA) MODELO DE MINUTA CONTRATO SOCIAL DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS (RAZÃO SOCIAL ADOTADA) Pelo presente instrumento particular de constituição de sociedade de advogados comparecem as partes a seguir denominadas:

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

Flexibilidades do Acordo Trips e o Instituto da Anuência Prévia.

Flexibilidades do Acordo Trips e o Instituto da Anuência Prévia. Flexibilidades do Acordo Trips e o Instituto da Anuência Prévia. Luis Carlos Wanderley Lima Coordenação de Propriedade Intelectual-COOPI Agência Nacional de Vigilância Sanitária-Anvisa Ministério da Saúde-MS

Leia mais

Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi

Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi Sem cortes, programa de submarinos já consumiu R$ 10,3 bi Cinco novos submarinos, que estão sendo construídos na costa fluminense, deverão ser entregues até 2023, segundo a Marinha brasileira Proteger

Leia mais