Conexão e Mobilidade - o currículo na cultura digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conexão e Mobilidade - o currículo na cultura digital"

Transcrição

1 Conexão e Mobilidade - o currículo na cultura digital Maria da Graça Moreira Resumo Este artigo busca refletir sobre a integração das tecnologias ao currículo tomando como argumento central a importância da apropriação social desses dispositivos e a leitura crítica e a interpretação da cultura digital pelos professores, alunos e pela comunidade escolar. Versa sobre o papel da autoria a conscientização de tornar públicas as produções de professores e alunos para além dos espaços da sala de aula. A ação dos de leitores e navegadores para autores. Portanto, a inserção das tecnologias digitais da informação e comunicação é entendida em conjunto com novas oportunidades para repensar-se em novos currículos e, ao mesmo tempo, reconstruí-los. Palavras-chave: aprendizagem com mobilidade; tecnologias e educação; tecnologias digitais de informação e comunicação na educação Apresentação As mudanças nas organizações sociais foram aceleradas nos últimos anos, principalmente pelos avanços científicos e tecnológicos que, juntamente com as transformações sociais e econômicas, revolucionaram as formas como nos comunicamos, nos relacionamos com as pessoas, com os objetos e com o mundo. Encurtam-se as distâncias, expandem-se fronteiras, o mundo fica globalizado. Na esteira da economia o mundo torna-se plano para as comunicações. (FRIEDMANN, 2005) Na sociedade contemporânea vivemos sob conexão e em conexão com outros, vivemos num mundo já, em parte, imerso na cultura digital e esse mundo, repleto de mídias e de dispositivos em formatos diversos, acrescenta novas funções e componentes à comunicação e novos conceitos às práticas sociais. Vivemos na era da conexão. Muitos manifestam a necessidade de estar conectados o dia inteiro, com o celular ligado, com o aberto, pronto para 1

2 receber, enviar ou comentar qualquer notícia. Estar e ser conectado pode ser considerado como uma condição à inclusão à contemporaneidade e, nesta perspectiva, Weinberger (2003) conceitua esta era como a era das conexões pontuando que a conexão se configura como um dos princípios constitucionais da democracia e da economia nas sociedades. Desta forma, o não acesso e a não conexão impele os indivíduos à exclusão digital e social. Green (2009) cunha o jargão surfo logo sou como um desafio à democratização da internet e a participação em redes colaborativas e sociais como elemento de humanização, vislumbrando o que já está acontecendo em países e comunidades mais afastadas e ciente que a cultura digital não abrange as enormes populações que não têm acesso à eletricidade e muito menos ao universo informatizado. Em nosso cotidiano deparamo-nos com recursos possíveis à comunicação, que valemo-nos para a realização de diversos tipos de transações e na produção e no acesso e compartilhamento de informações. A evolução tecnológica é responsável por inaugurar essa nova forma de acessar e de produzir informações, marcada notadamente pela disseminação e uso de microcomputadores (computadores pessoais) em diferentes segmentos da sociedade nos anos 70 do século passado e pela popularização do uso das internet e Web de meados dos anos 90 até os dias atuais. O advento da microinformática e da internet favoreceu, dessa forma, o desenvolvimento de uma cultura de uso das mídias e, por conseguinte, de uma configuração social pautada num modelo digital de pensar, criar, produzir, comunicar, aprender, o qual já nos permite afirmar que os dias atuais são pautados pela comunicação e pelo gerenciamento da informação. Para Lemos (2004), cultura digital é fruto de uma confluência entre uma sociabilidade que emergia na década de 1960 e uma posição contrária a alguns discursos hegemônicos da era moderna, como a razão, a ciência e a técnica. Para o autor a microinformática surge ao mesmo tempo que a contracultura, é fruto da contracultura. e, desta forma, situa os primórdios da cultura digital a partir da popularização da microinformática, que possibilitou, a um cidadão, ter na sua mão um instrumento de produção de informação sem a dependência de grandes grupos de mídia ou do Estado. Esse instrumento o 2

3 microcomputador - foi se transformando e se recontextualizando e, com a disseminação do acesso e uso da internet, se converteu em um instrumento de produção e de consumo de informação, com a possibilidade de produção coletiva, colaborativa e distributiva da informação. Lemos, identifica três fases no desenvolvimento da microinformática. A primeira fase é o Personal Computer ou computador pessoal, o PC, cuja característica era o uso de programas para produtividade no trabalho, entretenimento, software educacionais dentre outros, mas para uso individual, sem conexão. A segunda fase, intitulada como a fase do Computador Coletivo ou o computador conectado, surge a partir da década de 1990, quando esses dispositivos passam a ter a possibilidade de conexão à rede mundial. A terceira fase, denominada por CCM, ou Computação Coletiva Móvel, é caracterizada pelo uso de computadores portáteis conectados e móveis, mas que apenas possuem sentido quando usados coletivamente, à exemplo do estabelecimento de redes sociais por meio do uso das ferramentas das mídias sociais. Portanto, a apropriação social e coletiva dos instrumentos tecnológicos é uma característica da cultura digital. A era da conexão é a era da mobilidade (LEMOS, 2006). São considerados móveis os dispositivos portáteis com comunicação via tecnologia móvel sem fio, como: telefone celular, tocadores de áudio (ipod, mp3 etc.), console de games; computadores portáteis como notebook, netbook, tablet além de dispositivos como e-book etc. Usualmente os dispositivos móveis possuem dimensões reduzidas, são leves e multifuncionais permitindo a comunicação via textos, áudio, vídeo e com serviços como geolocalização. Para conexão, os dispositivos móveis devem contar com infraestrutura tecnológica de redes que possibilitam a conexão. A tecnologia provê a infraestrutura e dispositivos, o suporte à cultura digital, e para a comunicação, mas é seu uso que faz a diferença. A cultura digital, por sua vez, não é conceituada pelo determinismo tecnológico, mas emerge como consequência do intenso uso e apropriação social dessas tecnologias de informação e comunicação no dia a dia. 3

4 Santaella (2003), por sua vez, coloca não devemos cair no equívoco de julgar que as transformações culturais são devidas apenas ao advento de novas tecnologias e novos meios de comunicação e cultura, pois os meios de comunicação, não passam de meros canais para a transmissão de informação, mas, prossegue a autora...estariam esvaziadas de sentido não fossem as mensagens que nelas se configuram (grifo nosso, p.25) São, isto sim, os tipos de signos que circulam nesses meios, os tipos de mensagens e processos de comunicação que neles se engendram os verdadeiros responsáveis não só por moldar o pensamento e a sensibilidade dos seres humanos, mas também por propiciar o surgimento de novos ambientes socioculturais. (p.24) Para a autora é a evolução da cultura oral, das mídias para a cultura digital que reconfigura a forma de pensar, interagir e viver de muitas pessoas e grupos sociais. Mobilidade O indivíduo móvel é um nômade, que se move de um lugar para outro sem perder contato com o coletivo da aldeia eletrônica. Desde que estejam em sua rede de recepção, eles ainda estão (presumivelmente) disponíveis. (LICHTY, 2006). Os dispositivos móveis, nomeadamente, são responsáveis por grande parte do estabelecimento da nova configuração social da cultura digital. O telefone celular é o dispositivo que nos vem à mente quando falamos de tecnologias móveis. É fato, nós utilizamos esse dispositivo e dele nos apropriamos, não apenas para a função de telefonia, mas para envio de mensagens, geolocalização, burca de informações, participação em redes sociais etc. De acordo com Keegan (2002) a telefonia móvel representa o conceito de mobilidade e de conexão. A ele já agregamos muitos serviços e, na educação, também não é diferente. Há um caráter novo na mobilidade: o lugar, o tempo e a audiência para a comunicação. Comunicamo-nos em tempo real, de qualquer lugar onde 4

5 estejamos, desde que conectados, para uma pequena ou grande audiência. A conexão nos dá a possibilidade da mobilidade. A mobilidade tem diversas características: a tecnológica, que permite a utilização de um dispositivo em diferentes localidades e a do conteúdo, que diz respeito ao acesso à informação, ao lugar onde ela pode ser produzida, onde se encontra, não importando o fato em si, mas a capacidade de ser distribuída, compartilhada e acessada por um ou muitos. Trata-se também da utilização dos dispositivos em deslocamento, como o uso dos aparelhos celulares e igualmente com os computadores portáteis. Podemos nos referir ao modo pleno da mobilidade: comunicar, a qualquer hora, de qualquer lugar em diferentes contextos a partir de um dispositivo móvel com uma ou muitas pessoas. A mobilidade e a apropriação social e coletiva dos dispositivos móveis é, também, uma característica da cultura digital. Lemos (2004), traz o seguinte caráter à mobilidade: espaços sociais conectados, definidos pelo uso de interfaces portáteis como os nós da rede... a transformação das interfaces estáticas em interfaces móveis, o que define nossa percepção de espaços digitais (p. 1). Nosso cotidiano é repleto de situações práticas na qual nos valemos da mobilidade tecnológica. Capturamos uma imagem na câmera do celular e temos a função envio. Em instantes, uma rede social, um endereço na internet, um celular ou recebe a imagem. Os tocadores de mp3, por exemplo, armazenam as preferências musicais que podem ser acessadas a qualquer momento. Com os computadores portáteis, basta estarmos conectados para navegar pela web, enviar mensagens instantâneas, postar notícias em redes sociais, abrir a correspondência eletrônica, entre outras possibilidades. O armazenamento de informações pode ficar na nuvem da internet e pode ser acessado a cada conexão e por meio de qualquer dispositivo. E se utilizarmos as redes sem fio, nos conectamos à internet em qualquer lugar onde esteja disponível um ponto de acesso. A conexão sem fio é um avanço na mobilidade. É a mobilidade conectada. A conexão pode se dar utilizando-se um serviço de 5

6 telecomunicação móvel com acesso direto do dispositivo à internet. A outra via é a dos computadores móveis, que acessam a internet por meio de redes sem fio, as quais distribuem o sinal vindo de um aparelho ligado a um provedor de serviços dessa natureza. Usuários de dispositivos móveis costumam acessar a web nos mais diversos locais, como ônibus, metrô, escolas, praças, cafés, shoppings, aeroportos etc. Podemos pensar numa possível privatização do espaço público, na rua, praça ou em qualquer lugar da cidade é nos comunicamos através de nossos dispositivos digitais móveis. Nas cidades contemporâneas, novos fluxos estão existindo permitindo assim uma redefinição do uso do espaço criando possíveis lugares digitais. Com o advento da internet, após ser considerada como espaço digital desconectado da realidade física, muitos autores se permitiram estudar as comunidades virtuais como lugares de libertação de seus corpos materiais e de criação de novas realidades. Anos depois, com a popularização e desenvolvimento de dispositivos móveis, que atualmente possibilitam conexão constante com a internet, não faz mais sentido dissertar sobre a desconexão entre espaço físico e digital, um novo conceito emerge, denominado espaço híbrido. Espaços híbridos são espaços móveis, criados pela constante movimentação de usuários que carregam dispositivos portáteis de comunicação continuamente conectados à internet e a outros usuários (Sousa e Silva, 2006). Os espaços híbridos conectam o físico com o digital, desta forma, a constante conexão e a possibilidade de mobilidade define o espaço híbrido. O espaço híbrido toma forma quando não se precisa mais sair do mundo físico e entrar no mundo digital, os limites entre espaço digital e físico são mais claramente definidos com a utilização da internet fixa e o mesmo não acontece com o uso das tecnologias móveis: Fica claro que essas tecnologias estão redesenhando rapidamente a cultura contemporânea, e consolidando uma cultura de rede que se espalha pela cidade ao mesmo tempo em que adensa o tráfego de informações pelas vias invisíveis que nos 6

7 conectam a tudo e todos, mesmo quando isto não é percebido.(artemov, 2006, p.1). De fato, são inúmeras as redes virtuais que possibilitam uma presencialidade via acesso remoto. Essas redes, criadas em universidades, escolas, entre outros, tornam-se cada vez mais viáveis devido à mobilidade tecnológica. O grau de convergência de mídias também é muito acentuado. Uma mesma informação pode ser disponibilizada por meio de áudio (podcast), de vídeo e de texto e, ainda, permite ao usuário comentar e interagir. Portanto, a convergência também possibilita maior grau de interatividade. E, mesmo inseridos nessa cultura digital móvel e conectada, de que forma reconhecemos essas potencialidades quando se trata de pensar na integração entre mobilidade e educação? A disseminação e o uso das tecnologias móveis provocam a reflexão sobre os conceitos de proximidade, distância e mobilidade, bem como a construção de novos conceitos, pois com seu uso emergem novas práticas sociais. De fato, as possibilidades tecnológicas da cultura digital no qual se consegue, por meio de dispositivos sem fio, comunicar e informar a qualquer tempo e de qualquer lugar estão viabilizando mais que informação e entretenimento. Em outras palavras, isso significa que há espaço para que o processo educacional também se desenvolva a partir de um conceito que podemos denominar educação móvel e conectada. Mas, tratando-se da educação, como aplicar esse conceito e como recontextualizar a prática pedagógica para que ela também incorpore esse novo, outra forma de dar acesso à informação e a produção e troca coletiva? Esse cenário traz novas implicações à educação, objeto de nosso estudo. A partir dessas reflexões, analisaremos a articulação entre mobilidade e educação. Mobilidade e educação A mobilidade tem sido alvo de investigações e já são identificados conceitos que emergem da integração da mobilidade e educação e alguns deles serão retomados neste artigo. Cabe alertar que não é possível fazer a leitura da 7

8 integração entre educação e mobilidade com o mesmo olhar da educação (não móvel) convencional, pois, conforme pontua Almeida (2009), A leitura deste mundo não pode ser feita com os mesmos instrumentos de mundos passados (p.30) e, portanto, a educação na perspectiva da cultura digital móvel e conectada sugere novos olhares e novos instrumentos de leitura. A integração entre educação e mobilidade, neste artigo, não é entendida segundo o componente de deslocamento do humano ou do computador, mas a partir da leitura crítica da cultura digital móvel conectada e suas possibilidades na educação. Portanto, ao distribuir um computador por aluno em uma escola, por exemplo, a mobilidade não se limita ao deslocamento dos alunos para o estudo em diferentes espaços ou no deslocamento dos computadores para um ou outro espaço. Para adensar essa reflexão, retomaremos alguns conceitos cunhados por pesquisadores e educadores sobre o tema. Keegan (2002), um dos precursores no estudo da mobilidade e educação, identificou e analisou, no ano de 2001, trinta exemplos de uso de dispositivos móveis na educação e termo empregado pelo autor e seus colaboradores para este uso foi mobile-learning ou m-learning. O autor pontua em seus estudos a evolução do e-learning (eletronic learning, ou aprendizagem por meios eletrônicos) para o m-learning, tendo ambos se originado na educação a distância. Keegan, em seu estudo, identifica o telefone celular como um dispositivo possível para aprendizagem devido ao acesso à internet e uma ampla gama de possibilidades para manter o estudante mesmo que a distância em contato a instituição de ensino, com os serviços de suporte, em contato com materiais e com seus colegas de aprendizagem, tanto no ambiente de aprendizagem propriamente dito como no trabalho ou em viagens. De acordo com Rheingold (2003): a mobilidade estabelece uma nova revolução social nesse estágio de comunicação pessoal, que se traduz por uma sociedade móvel e conectada. Alunos e professores podem estar em casa, na escola, em museus, em diferentes espaços sociais ou mesmo em deslocamento: 8

9 conectados e interagindo. É importante destacar que a convergência das mídias e dos dispositivos móveis contribui para o crescimento da aprendizagem com mobilidade. Marçal, Andrade e Rios (2005) destacam o uso de dispositivos móveis no processo educacional, citando seus principais objetivos: Melhorar os recursos para o aprendizado, que poderá contar com um dispositivo para execução de tarefas, anotação de idéias, consulta de informações via internet, registros digitais e outras funcionalidades; Prover acesso aos conteúdos em qualquer lugar e a qualquer momento; Aumentar as possibilidades de acesso a conteúdos, incrementando e incentivando a utilização dos serviços providos pela instituição; Expandir as estratégias de aprendizado disponíveis, através de novas tecnologias que dão suporte tanto à aprendizagem formal como à informal; Fornecer meios para o desenvolvimento de métodos inovadores de ensino, utilizando os recursos de computação e de mobilidade. (p. 3). M-learning não se refere unicamente ao acesso à conteúdos a qualquer hora e em qualquer local e em deslocamento por alunos e professores, como materiais digitais educacionais, informações, notícias, mas envolvem também a interação, colaboração, socialização, aulas online, pesquisas, publicações etc., distribuídos nas redes, nos ambientes educacionais em formatos e mídias diversas. A educação com mobilidade deve considerar, inclusive, o contexto do aluno e professor e suas implicações. Cada dispositivo possui peculiaridades e isso também diferencia a forma de acessar os recursos, os conteúdos e de disponibilizar e organizar as informações. Assim, ao analisarmos as questões que envolvem educação e mobilidade, também é necessário compreender que as tecnologias móveis não podem ser unificadas e sim diferenciadas na metodologia, conteúdo e contexto da educação. 9

10 Schlemer, Saccol, Barbosa e Reinhard (2007) em um estudo sobre o uso de m-learning no Brasil e incorporam o conceito de aprendizagem com mobilidade que, para os autores, a se aproxima com o conceito de aprendizagem pervasiva, citando Thomas ( 2005, p. 01): [...] Na sua essência, a aprendizagem pervasiva diz respeito a utilizar a tecnologia que um aprendiz tem em mãos para criar situações de aprendizagem significativa e relevante, de autoria do próprio aprendiz, no contexto que o aprendiz entender como significativo e relevante (ibidem). É importante destacar neste conceito que o foco não dado à tecnologia. A UNESCO (2010) identifica e aponta algumas mudanças na prática pedagógica decorrente da aprendizagem com mobilidade, como a eliminação de laboratórios ou salas especiais com computadores, a possibilidade de alunos e professores acessarem aplicações sempre que necessário ou, ainda a realização de uma atividade e a comunicação ao mesmo tempo. Porém, destaca as possíveis mudanças, dentre as quais: Dinâmica da sala de aula provendo novas formas de comunicação e colaboração e a forma de conexão da aprendizagem dos alunos com outras aprendizagens e a jornada casa/escola entre as aulas. Conexão com alunos remotos oportunizando aos alunos a troca de informações, expressão de dúvidas e o desenvolvimento habilidades no local onde se encontram. Alunos como produtores de informações permitindo a atuação mais colaborativa e mediadora do professor por meio de atividades que envolvam comentários, discussão, construção e compartilhamento de recursos digitais pelos alunos. Aprendizagem ao longo da vida - assumindo, com o tempo, a responsabilidade e os hábitos de aprendizagem, facilitado pelo acesso móvel à redes sociais que podem apoiar os objetivos de aprendizagem e progressão na carreira ao longo da vida. A breve leitura da educação móvel conectada nos possibilita vislumbrar que algumas características dessa cultura devem ser investigadas com maior 10

11 profundidade. Evidencia-se, portanto, que a mobilidade na educação diminui e torna fluidas as fronteiras de comunicação entre escola, residência e trabalho, uma interferindo e influenciando e se imbricando na outra. Uma das principais características dos dispositivos móveis, além da possibilidade de acesso a informações, de suas características de mobilidade e imersão é a possibilidade de interação entre os alunos e entre alunos e professores, a qualquer momento e em qualquer lugar. O outro fica muito mais acessível, próximo. No âmbito pedagógico, a introdução de computadores nas mãos dos alunos descortina inúmeras possibilidades para o processo de ensino e aprendizagem, porém, essa utilização deverá ser precedida pela formação dos professores e gestores escolares. O processo de formação não pode estar centrado na aprendizagem do uso dos laptops, dos programas e da internet. Deve ir mais além, englobando a formação dos educadores para sua apropriação e inserção na era digital móvel, que implica na escola se enxergar como partícipe deste mundo digital, móvel e conectado e, desta forma, atuar como leitora crítica e autora deste mundo. A apropriação do uso das TDIC pela escola se dá por meio de processos de capacitação no contexto que se mesclam com a reflexão sobre os paradigmas e os temas emergentes da educação. A leitura crítica e interpretação do mundo digital são fundamentais nesse contexto. No entender deste estudo, a apropriação do uso de computadores portáteis (um por aluno) e seu uso inovador, pode se iniciar, mas não se limita ao uso desses dispositivos na escola e não se encerra com a descoberta de novos contextos de sua utilização, e envolve, nesse processo, a consciência do papel da escola como integrante da cultura digital móvel e as possíveis mudanças em sua ecologia. As tecnologias móveis conectadas podem reestruturar a escola para novas formas de comunicar, de informar, de gerenciar, de ensinar e de aprender. Os computadores portáteis, nesse cenário, mostram-se como o dispositivo de comunicação propício à conexão. O uso de um computador por aluno, além da 11

12 conexão, se caracteriza pela possibilidade imersiva, isto é, os estudantes podem fazer uso intenso dos computadores conectados à internet, não apenas em laboratórios de informática com acesso uma ou duas vezes por semana, mas no uso em sala de aula, no desenvolvimento de projetos em grupos, em estudos extraclasses, fora da escola e em casa. A idéia é que o aluno possa levar esses dispositivos para sua casa e amplie a rede de conexão para sua família e comunidade. A chegada de computadores portáteis na escola provoca, de imediato, alterações no cotidiano escolar: São necessárias instalações de infraestrutura para conexão sem fio; acesso à internet em banda larga, locais para armazenamento; método e locais para carregamento dos laptops; segurança dos equipamentos; suporte técnico e estrutura para manutenção dos equipamentos dentre outras providências de ordem organizacional e estrutural. A tecnologia toma a cena e ao ultrapassar esses obstáculos, a escola aprofunda seu uso pedagógico. Tratamos aqui do papel da autoria como um dos principais fatores potencializadores para apropriação e incorporação do uso inovador das TDIC da escola ao currículo no mundo digital. Interpretar o mundo e colocar suas palavras nele, no caso do mundo digital, alcança um significado mais ampliado, pois os espaços públicos do mundo digital podem alcançar o mundo todo. Considerações A educação está diante dos desafios contemporâneos provocados pela era da conexão e avanços tecnológicos que caminham em aliança com mudanças, que se manifestam na cultura e também na economia e na política. O uso das tecnologias da informação e comunicação pode imprimir na educação tanto a modernização como a mudança (Almeida, 2003). A mudança pedagógica está relacionada com raízes mais profundas na educação e de novos paradigmas educacionais. Deve-se juntar a tal conceito de mudança o seu compromisso com alterações profundas nas plataformas políticas da sociedade como a democracia e a justiça social. As mudanças sociais que vem se operando no mundo não se realizam pelas tecnologias 12

13 como muitos crêem, mas não se operam sem elas. São condições e não suas causas. A integração das tecnologias digitais da informação e comunicação (TDIC) ao currículo demanda que os agentes da educação (professor, aluno, comunidade e gestor), além do domínio operacional das ferramentas tecnológicas e de suas possibilidades para a educação, façam a leitura do mundo de forma crítica, o interprete e lance sobre ele suas palavras, buscando trazer o contexto de Paulo Freire para os dias atuais. No cenário da cultura digital, lançar sobre o mundo suas palavras pode, no contexto da internet, ampliar as possibilidades de conferir voz ao professor e aluno e, por meio da expressão de suas vozes, possibilitar a autoria e empoderá-los. Trata-se de democratizar o acesso e a expressão da voz dos professores e alunos por meio das TDIC e, a um só tempo, integrá-la ao currículo e oportunizar o processo de apropriação social da tecnologia e seu uso inovador pelos professores. Como poderia a mobilidade característica da cultura digital ser inserida na escola e provocar mudanças no currículo? Na educação emergem novas práticas a partir das potencialidades das TDIC. São portais de conhecimento, redes sociais, ambientes virtuais de aprendizagem e as demais ferramentas e recursos da Web 2.0, entre outros, os atuais suportes à inovação educacional. De fato, essa inovação, movida pela capacidade de comunicação característica do mundo digital, volta-se para uma utilização cada vez mais intensa das tecnologias digitais, requerendo práticas pedagógicas harmônicas com a forma de comunicar, informar e aprender nesse mundo globalmente conectado. Trata-se de uma mudança na maneira de pensar, de agir e de interagir por meio da internet decorrente, retomando a fala de Santaella (2003), da circulação nesses meios de diversos tipos de signos, mensagens e processos de comunicação que vem a propiciar o surgimento de novos ambientes socioculturais, como os ambientes de aprendizagem. Dessa forma, a apropriação e uso inovador das TDIC e sua integração ao currículo demanda o reconhecimento da capacidade de autoria e co-autoria do 13

14 professor e aluno. Se num passado muito recente eram apenas usuários ou navegadores do mundo digital e conectado, atualmente professores e alunos vivem cercados de tecnologias e mídias que convergem para permitir, além da comunicação, que aprendam e sejam produtores, difusores e compartilhadores da informação: passam a redatores de suas autorias e de suas práticas.... na sociedade digital, o currículo não se modifica para agregar a tecnologia como mero recurso. Ele resignifica-se no modo de pensar que emerge com a sociedade digital em sua interação com os dispositivos digitais pois as tecnologias exercem a função estruturante das representações da informação, de nosso modo de ler e de viver no mundo digital. (JOSÉ, 2010, p.26) A autoria, porém, é precedida pela leitura do mundo, mas A leitura deste mundo não pode ser feita com os mesmos instrumentos de mundos passados (Almeida, 2009, p.30), quais instrumentos, então, serão necessários para esta nova leitura crítica no mundo digital? Quais os temas que emergem deste mundo e que nos permitem escrevê-lo? Como problematizá-lo? Quais são seus códigos? Como dominá-los para a comunicação? Quais os problemas que trazem dentro de si? Como usá-los para intervir na realidade desumanizante? Faz parte da autoria dos educadores e professores equacionarem as respostas a tais questões. Referências ALMEIDA, F. J. (2003) Notas de aula. Disciplina do curso de pósgraduação em Educação: Currículo da PUC SP. Publifolha.. (2009) Paulo Freire. Folha explica 81. São Paulo: ARTEMOV. (2007). Notas sobre a linguagem audiovisual em mídias portáteis e ubíquas: Ou, porque as redes não são mais as mesmas. In: Artemov. Edição FRIEDMAN, Thomas L. (2005): O Mundo é Plano: Uma História Breve do Século XXI. Rio de Janeiro: Objetiva. 14

15 GREEN, Duncan. (2009).Da Pobreza ao Poder. São Paulo: Cortez; Oxford: Oxfan International. JOSÉ, M. A. (2010) Educação a distância na prática numa abordagem dialógica de currículo. In: atas do ENDIPE. Belo Horizonte. KEEGAN, D. (2002). The future of learning: From elearning to mlearning. Acedido em Julho,19, 2011 de LEMOS, A. (2004). Cibercultura e mobilidade: a era da conexão. Em Derivas: cartografias do ciberespaço, Lucia Leão (org.). São Paulo: Annablume, LICHTY, P. (2006). Pensando a Cultura Nomádica: Artes Móveis e Sociedade. In: Artemov, Edição 04. Acedido em Julho,19, 2011 de MARÇAL, E.; ANDRADE, R.; Rios, R. (2005). Aprendizagem utilizando Dispositivos Móveis com Sistemas de Realidade Virtual. In RENOTE: revista novas tecnologias na educação: V.3 Nº 1, Maio, Porto Alegre: UFRGS, Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação. RHEINGOLD, H. (2003) Smart Mobs. The next social revolution. New York. Perseus Publishing, SANTAELLA, L. (dezembro, 2003) Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós-humano. Revista FAMECOS, 22, Porto Alegre. SCHLEMMER, E.; Zanela, S. A.; Barbosa, J.; Reinhard, N. (2007) M- Learning ou Aprendizagem com Mobilidade: Casos no contexto Brasileiro. IN: anais do 13º Congresso Internacional de Educação à Distância. Curitiba. SOUSA E SILVA, A. (2006) Do ciber ao híbrido: tecnologias móveis como interfaces de espaços híbridos. IN: Araújo, D. C. (org.). Imagem (ir) realidade: comunicação e cibermídia. Porto Alegre: Sulina. UNESCO. Mobile learning for quality education and social education. In: Policy brief. Dezembro/2010. Moscou: Institute for Information Technologies in Education. Acedido em Julho,19,2011 de 15

16 WEINBERGER, D. (2003). Why Open Spectrum Matters. The end of the broadcast nation. Acedido em Julho,19, 2011 de 16

Um computador por aluno: a gestão da escola

Um computador por aluno: a gestão da escola Um computador por aluno: a gestão da escola Maria da Graça Moreira da Silva Pontifícia Universidade Católica de São Paulo graca-moreira@uol.com.br Resumo: Este artigo busca refletir sobre relevância da

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Ciência Tecnologia - Inovação

Ciência Tecnologia - Inovação Ciência Tecnologia - Inovação Tecnologias da informação A Tecnologia da Informação assumiu nos últimos anos um papel imprescindível no contexto das Instituições de Ensino Superior. agilidade flexibilidade

Leia mais

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis.

M-Learning. Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. M-Learning Tendências da educação com o uso de dispositivos móveis. Mauro Faccioni Filho, Dr.Eng. Fazion Sistemas mauro@fazion.com.br Unisul Virtual mauro.faccioni@unisul.br Novembro/2008 www.fazion.com.br

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Fórum de Informática Educativa- CEPIC NTM Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Profª Drª Cíntia Inês Boll / Faced/UFRGS Rafaela

Leia mais

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 www.cisco.com.br/educação 2011 Cisco and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Educação 1.0 Educação 2.0 Educação 3.0 Tecnológica Rural Tradicional 2011 Cisco and/or its affiliates.

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres

Ensino de Enfermagem. Aprendizagem (AVA) Claudia Prado claupra@usp.br. Maria Madalena Januário Leite. Heloisa Helena Ciqueto Peres Escola de Enfermagem Ensino de Enfermagem em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Heloisa Helena Ciqueto Peres Maria Madalena Januário Leite Claudia Prado hhcperes@usp.br marimada@usp.br claupra@usp.br

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance

Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance SEVERO¹, Ana Beatrice Santana SILVA², Danielle Rousy Dias da ANJOS 3, Eudisley Gomes dos PRESTES 4, Mateus Augusto Santos FERNANDES 5, Raul Felipe de

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INTERNET COMO RECURSO PEDAGÓGICO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Jacqueline Liedja Araujo Silva Carvalho Universidade Federal de Campina Grande (UFCG CCTA Pombal) jliedja@hotmail.com

Leia mais

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB)

O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) O PROCESSO INICIAL DE IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU (FURB) 076-A3 05/2005 Sônia Regina de Andrade Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS

ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS ENSINO DIGITAL E INOVAÇÃO: PANORAMA EAD FURG POSSIBILIDADES E DESAFIOS Profa. Dra. Ivete Martins Pinto Secretária Geral de Educação a Distância Coordenadora UAB/FURG Presidente da Associação Universidade

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS

AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS AMCO APRENDIZAGEM MÓVEL NO CANTEIRO DE OBRAS LIMA, Luciana 1 DIAS, Daniele 2 IRELAND, Timothy 3 Centro de Educação /Departamento de Metodologia da Educação/ PROBEX RESUMO Este trabalho tem a finalidade

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Educação a Distância: Limites e Possibilidades

Educação a Distância: Limites e Possibilidades Educação a Distância: Limites e Possibilidades Bernardo de Azevedo Ramos Brillian Aquino Fernandes Lucas Fernandes Barbosa Rafael Castro e Abrantes RESUMO: O trabalho tem como meta avaliar a Educação a

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP 1 A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP Campinas, S.P. - Maio 2014 Gilberto Oliani - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) gilberto.oliani@gmail.com Investigação Científica

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

PESQUISA, TROCA DE INFORMAÇÕES E REGISTRO: COMO E ONDE OS ALUNOS DE PEDAGOGIA UTILIZAM SEUS SMARTPHONES?

PESQUISA, TROCA DE INFORMAÇÕES E REGISTRO: COMO E ONDE OS ALUNOS DE PEDAGOGIA UTILIZAM SEUS SMARTPHONES? http://www.hipertextus.net revista@hipertextus.net PESQUISA, TROCA DE INFORMAÇÕES E REGISTRO: COMO E ONDE OS ALUNOS DE PEDAGOGIA UTILIZAM SEUS SMARTPHONES? Deise France M. Araújo Ferreira (UFPE) deise.france@gmail.com

Leia mais

APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE

APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE INTRODUÇÃO Gabriel Coutinho Gonçalves Faculdade Nordeste FANOR DeVry Brasil gabrielcoutinhoo@hotmail.com Thalita Rachel Dantas

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade.

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade. O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BASEADO EM JOGOS * Cristiano da Silveira Colombo Instituto Federal do Espírito Santo RESUMO: As dificuldades encontradas por alunos no processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

Rosa Maria Vicari Projeto Cyted Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rosa Maria Vicari Projeto Cyted Universidade Federal do Rio Grande do Sul Rosa Maria Vicari Projeto Cyted Universidade Federal do Rio Grande do Sul Ensino Colaborativo Relato do estudo piloto realizado pala secretaria de Educação Especial do MEC/Brasil Aprenstaremos o ponto

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

SALA DE AULA INTERATIVA. Profa.Barbara Coelho

SALA DE AULA INTERATIVA. Profa.Barbara Coelho SALA DE AULA INTERATIVA Profa.Barbara Coelho INTERATIVIDADE O termo surgiu na França em déc. 1980. Trata-se da relação homem-máquina e homem-homem. Tem a ver com: Diálogo, comunicação, troca (entre) H-H

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

1ª Oficina - 2013 Curso 4

1ª Oficina - 2013 Curso 4 1ª Oficina - 2013 Curso 4 1ª Oficina - 2013 Curso 4 Bem-vindo ao curso de formação de Professores do Programa Um Computador por Aluno PROUCA Iniciamos o nosso curso de formação desenvolvendo a 1ª Oficina

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo

Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Jogos e Mobile Learning em contexto educativo Razões justificativas da acção e a sua inserção no plano de actividades da entidade proponente A sociedade atual exige que os seus cidadãos desenvolvam novas

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A Revolução do Ensino a Distância Enir da Silva Fonseca Coordenador de Pólo EAD Campus Guarujá UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

Educação, Tecnologias e Formação de Professores

Educação, Tecnologias e Formação de Professores Educação, Tecnologias e Formação de Professores Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Coordenadoria Institucional de Educação a Distância Universidade Aberta do Brasil Aula Inaugural

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Sociallearning. como utilizar as rede sociais a favor da educação corporativa e continuada. Profa. Ms. Karen Reis Novembro 2012

Sociallearning. como utilizar as rede sociais a favor da educação corporativa e continuada. Profa. Ms. Karen Reis Novembro 2012 Sociallearning como utilizar as rede sociais a favor da educação corporativa e continuada Profa. Ms. Karen Reis Novembro 2012 Karen Reis é empreendedora digital, professora universitária e sócia-fundadora

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio

Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio Desenho didático para cursos dinamizados em ambientes online: o caso do curso de formação para professores em serviço do ensino médio MARISTELA MIDLEJ SILVA DE ARAÚJO Santos SP Set/2008 Objetivo Geral

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento

Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Tecnologia na escola: criação de redes de conhecimento Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida O uso da tecnologia de informação e comunicação TIC - na escola carrega em si mesmo as contradições da sociedade

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios

Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Educação à Distância: Possibilidades e Desafios Resumo André Alves Freitas Andressa Guimarães Melo Maxwell Sarmento de Carvalho Pollyanna de Sousa Silva Regiane Souza de Carvalho Samira Oliveira Os cursos

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

Ensino na Administração: A Qualidade Necessária Prof. Stavros Xanthopoylos

Ensino na Administração: A Qualidade Necessária Prof. Stavros Xanthopoylos Ensino na Administração: A Qualidade Necessária Prof. Stavros Xanthopoylos Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 Tópicos FGV Cenário na Era Digital Impacto na Aprendizagem Impacto na Qualidade da Educação

Leia mais