Wi-Fi Mais Inteligente para Celulares Infraestrutura da Operadora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Wi-Fi Mais Inteligente para Celulares Infraestrutura da Operadora"

Transcrição

1 Wi-Fi Mais Iteligete para Celulares Ifraestrutura da Operadora White Paper da Ruckus Wireless Resumo Executivo Com o bem auciado tsuami o tráfego de dados que atigiu as ifraestruturas móveis em todo o mudo, as operadoras estão procurado avidamete qualquer ferrameta que dimiua a tesão para as redes móveis. As operadoras estão sedo pressioadas a oferecer velocidades de dados mais altas para ateder a demada isaciável dos clietes por aplicações com uso itesivo de largura de bada. Mas as implicações são terríveis: o custo de se trasportar dados está subido mais rápido do que a receita e a experiêcia ruim viveciada pelos usuários em redes cogestioadas estão elevado a rotatividade, um dos maiores custos com que as operadoras têm de efretar. Cosequetemete, as operadoras estão plaejado usar cada opção dispoível para elas, icluido: LTE acelerado, backhaul com mais capacidade, gereciameto de tráfego, plaos de preço por camada, femtocells e tecologia Wi-Fi avaçada. Dada a eorme base istalada de silício do , embutida em virtualmete todo dispositivo que se possa coceber, o Wi- Fi é uma das formas mais eficietes e ecoômicas de aumetar a capacidade e a cobertura com foco direcioado aos locais em que há tráfego mais pesado. Otimização para cobertura e capacidade, ao mesmo tempo em que promove o descarregameto de dados das redes 3G/4G com a tecologia mais iteligete No etato, é ecessário ter uma abordagem mais iteligete e robusta do Wi-Fi, que empregue técicas avaçadas de rejeição de iterferêcias e cotroles de siais adaptáveis, para proporcioar o alcace e o desempeho previsível esperado pelas operadoras móveis. Além disso, uma experiêcia perfeita assiate em roamig, a itegração limpa à rede 3GPP e uma variedade completa de fatores de forma Wi-Fi ( desde equipametos das istalações do cliete até ós de acesso mesh, backhaul poto-a-poto até o amplo gereciameto de rede) são todos elemetos esseciais de uma solução Wi-Fi de última geração para as operadoras móveis. A Ruckus Wireless desevolveu uma arquitetura que é referêcia para os provedores que se preocupam com a ite ração do Wi-Fi à ifraestrutura da operadora de telefoia móvel. Essa arquitetura de última geração trata de questões como: aumeto da cofiabilidade de espectros sem liceça por meio do uso de tecologia de rádio avaçada e técicas de rejeição de iterferêcias, gereciameto abragete e completo, mais velocidade, liks de backhaul de logo alcace e a mais baixo custo e muito mais. Recetes avaços a tecologia de RF com o uso da tecologia de atea adaptável, como aqueles pateteados pela Ruckus Wireless, quado combiados com os padrões , comprovaram o aumeto do alcace e da cofiabilidade da coectividade Wi-Fi. Isso resulta, pela primeira vez, em uma ifraestrutura de Wi-Fi complemetar para a operadora de celular capaz de oferecer desempeho cosistete, rejeição

2 Págia 2 de iterferêcia adaptável e serviços Wi-Fi mais cofiáveis para aplicações multimídia sesíveis à latêcia. Essas redes Wi-Fi mais iteligetes ão apeas aliviam a ifraestrutura de telefoia cada vez mais cogestioada, como também permitem às operadoras oferecer acesso sem fio mais cofiável e com mais capacidade a um custo por bit mais baixo. Em última aálise, direcioar o tráfego da rede de dispositivos móveis em uma rede Wi- Fi de operadora que seja totalmete itegrada com a ifraestrutura móvel existete permite que as operadoras maximizem a receita, atedam as expectativas dos assiates e garatam um crescimeto sustetável os dados móveis os próximos aos. O crescimeto da bada larga em celular cotiua firme e forte As operadoras de telefoia móvel de todo o mudo foram pegas de surpresa pela popularidade dos serviços de dados via celular e estão efretado um aumeto sem precedetes o tráfego de dados em suas redes 3G. Isso se deve à combiação da precificação previsível de dados via celular a uma taxa fixa, smartphoes e outros dispositivos para uso de dados, bem como ovas iterfaces de usuário que oferecem acesso amplo às mesmas estruturas que os usuários de Iteret já cohecem e gostam em sua experiêcia de bada larga com fio. A itrodução do iphoe pela Apple em 2007, com laçameto exclusivo pela AT&T Mobility, deu o potapé iicial essa revolução de dados. Os proprietários de iphoe usam cosistetemete mais dados -mais de 500 MB por mês e represetam uma receita média por usuário (ARPU) mais alta do que os usuários de outros smartphoes. As operadoras esperam que os dispositivos baseados em Adroid passem pelas mesmas mudaças fudametais em termos de comportameto de assiates, à medida que sua popularidade cresce. Os smartphoes agora chegam a 20% das vedas globais de dispositivos de mão, de acordo com a Iforma Telecoms & Media, e as vedas de smartphoes os Estados Uidos agora represetam mais de 30%. No fial de 2011, a RBC estima que as vedas de smartphoes o mudo iteiro irão ultrapassar as vedas de PC, chegado a 400 milhões de remessas por ao de cada um. 1 Os usuários de laptop, coforme esperado, também cotiuam a cosumir uma quatidade sigificativa de dados em média 13 GB por mês. 2 Adicioe à mistura ites ão tradicioa- 1 As vedas de smartphoes deverão superar as vedas de PCs até 2011, 21 de agosto de 2009, Silico Alley Isider 2 Bada larga móvel: Quado é retável?, 27 de jaeiro de 2010, FierceWireless FIGURA 1: A pressão sobre as operadoras de telefoia móvel leva a mudaças a ifraestrutura básica

3 Págia 3 FIGURA 2: Aumeto expoecial da demada, combiado a um aumeto liear a capacidade, desafia as operadoras is como o Apple ipad, com suas iúmeras imitações chegado ao mercado agora, e o uso de dados cotiuará a crescer com itesidade. Uma parte do tráfego de dados com crescimeto cada vez mais rápido é o de vídeos com uso itesivo de dados. Os relatórios do setor estimam que o coteúdo em vídeo em redes de telefoia móvel comporá a maioria 66% dos dados o tráfego em redes móveis até A AT&T, por exemplo, auciou recetemete que dispoibilizará o coteúdo de IPTV em celulares para seus assiates de U-Verse, uma mudaça que as grades operadoras da Europa e da Ásia também estão fazedo. Estima-se que o tráfego global de dados móveis esteja agora crescedo 2,4 vezes mais rápido do que o tráfego de dados de bada larga global fixa. A coexão de bada larga via celular hoje cosome cerca de 1,3 GB de capacidade por mês. Até 2014, espera-se que a média de coexões seja de 7 GB por mês. 3 As cosequêcias do crescimeto de dados via celular Ao mesmo tempo em que o crescimeto da bada larga em celular tem sido um boom para as operadoras de todo o mudo à medida que elas efretam um mercado mais maduro, caracterizado por quedas as receitas por voz, esse crescimeto rápido e maciço tem suas cosequêcias. O uso da rede ameaça ultrapassar a capacidade da rede - e assim já acoteceu em mercados urbaos com deso povoa- meto. Isso resulta a rotatividade de assiates e cria uma ova situação em que os custos associados aos dados móveis sedo trasmitidos excedem a receita que etra. Quado um celular 3G atige sua carga de dados, o tamaho da célula dimiui. Isso dimiui a velocidade da rede e aumeta as sessões em que há queda. A AT&T Mobility é talvez a operadora mais cohecida que luta com o problema de capacidade de dados em celulares, graças à itrodução do iphoe. Os executivos da empresa admitiram abertamete que a rede da AT&T ão tem operado em sua ormalidade em cidades muito povoadas, tais como Nova York e São Fracisco. A AT&T idicou que cerca de 3% de seus usuários de smartphoe estão gerado aproximadamete 40% do tráfego de dados da operadora e a empresa está procurado formas de estimular esses clietes a modificar seu uso. 4 Equato isso, a operadora britâica O2, etão provedora exclusiva do iphoe, recetemete desculpou -se com seus clietes após a reclamação deles a respeito de quedas de chamadas o iphoe e outros problemas de recepção. 5 Aalistas e outros executivos do setor de telefoia móvel estão começado a dar o alarme. A empresa de pesquisas Iforma prevê um aumeto de 50% o tráfego de dados via celular em 2010, mas um aumeto de apeas 13% a receita dos dados. 4 Executivo da AT&T aborda problemas de rede em NYC, São Fracisco, 9 de dezembro de 2009, FierceWireless 5 A O2 d Reio Uido se desculpa com os clietes de iphoe com relação a problemas de qualidade, 30 de dezembro de 2009, FierceBroadbadWireless 3 Cisco

4 Págia 4 A ecessidade é evidete. As operadoras devem ecotrar formas de compatibilizar o crescimeto dos custos de redes associados com o forecimeto de serviços de bada larga, em alihameto com e até meor que o crescimeto a receita dos dados móveis. O descarregameto do tráfego de dados em redes Wi-Fi dimiui os custos com dados móveis À medida que o custo do trasporte de dados aumeta e os provedores passam a viveciar desafios de capacidade da rede, as operadoras de todo mudo procuram várias opções para aliviar esses custos e o cogestioameto, tais como: Adicioar mais portadoras aos locais com tráfego mais iteso; Implemetar ferrametas de gereciameto de tráfego a base; Acelerar os plaos de implatação de LTE (Log Term Evolutio); Aumetar a largura de bada dos liks de backhaul; Adquirir espectros ovos ou reprogramados; Adicioar femtocells em fucioameto e Adotado as redes Wi-Fi O crescimeto sem paralelo do tráfego de dados sigifica que ehuma ferrameta soziha em mesmo as redes LTE resolverá o problema, pois cada solução tem suas limitações, icluido custos e o tempo de colocação do produto o mercado. Na ova era de dados, equato as operadoras aida precisam plaejar suas redes para os horários de pico para dar cota de assiates que querem vem sua partida de futebol preferida pelo iphoe, elas precisam eteder que as arquiteturas móveis devem oferecer suporte cosistete a capacidade mais alta e às mudaças de comportameto dos usuários. Em uma mudaça acetuada em relação a modelos atigos com base o cosumo passivo de coteúdo de Iteret, os cosumidores estão agora usado sua coectividade sempre dispoível de maeira mais simétrica, à medida que explodem os coteúdos gerados por usuários (em particular os de vídeo). Resolver esse problema de capacidade ão é tão simples como muitos pesam. A icliação mais atural é adicioar mais estações base. Mas essa abordagem ão é prática, é cara e demorada. Em muitas cidades, há limitações jurídicas ou problemas com clietes quato à istalação de ovas macroestações base. As abordages microcelulares com rádios com estrutura meor podem ajudar, mas, além de efretar as mesmas restrições, as questões de autoiterferêcia essas redes limitam também sua desidade. As portadoras estão agora cosiderado as ovas tecologias e arquiteturas complemetares para a implatação de redes móveis, como ateas de feixes múltiplos e direcioameto de feixes. As operadoras estão também tetado ativamete descarregar o tráfego para outras redes, por exemplo, usado o Wi-Fi e femtocells em cofigurações de clietes e de empresas. Descarregar o tráfego de dados do 3G/4G para redes Wi-Fi meores em áreas com uso expressivo de dados faz setido como uma solução básica para esse problema de crescimeto FIGURA 3: Pricipais métricas sem fio desde o laçameto do iphoe $15 $14 Receita de dados por assiate até 56% 1.35% 1.30% Fote: Relatórios da empresa. A rotatividade se refere aos assiates de pós-pago $13 $12 O chur assiates que deixam a T&T a cada mês caiu 17% 1.25% 1.20% $11 $10 Laçameto do iphoe 1.15% 1.10% $9 $8 Laçameto do iphoe 3G Laçameto do iphoe 3GS TRIM3 07 TRIM4 07 TRIM1 08 TRIM2 08 TRIM3 08 TRIM4 08 TRIM1 09 TRIM % 1.00% Fote: Relatórios da empresa. A rotatividade se refere aos assiates de pós-pago.

5 Págia 5 FIGURA 4: Avaços a tecologia Capacidade da rede carregada Mbps por AP m Faixa implatada Fote: Testes da Ruckus. Codições: 1 WEIRP, 14 db fadig + margem de iterferêcia, clietes smartphoe BeamFlex carga do lik (~6 db) reuso e SM ,4 + 5 GHz MIMO SM bada dupla g 2,4 GHz terceirizados, que criam hotspots padrão Wi -Fi ou que adquirem hotspots de outro provedor, oferece os beefícios de custos mais baixos com trasporte de dados ao mudar o tráfego para as redes Wi-Fi. As operadoras da camada 1 podem se beeficiar hoje e a logo prazo por meio de redes Wi-Fi de portadoras costruídas por operadoras. Isso permite que as portadoras cuidem de duas prioridades esseciais para a operação da rede e sua expasão: cotrole e custos. No etato, isso requer uma abordagem arquitetôica ampla e bem pesada que trate de questões de rede de acesso a rádio, backhaul e ifraestrutura básica lidado com problemas como: de dados, dadas suas vatages em custo e velocidade de alcace de mercado. Retirar os dados de uma rede móvel cogestioada para o Wi-Fi altera a ecoomia do trasporte desses bits. O CEO da Telekom Austria, Haes Amestsreiter, declarou recetemete que a empresa estava procurado usar o Wi-Fi como uma ferrameta para descarregar a rede HSPA (High Speed Packet Access) a luta com a carga de dados. Ele idicou que o descarregameto do tráfego de dados as redes Wi-Fi pode reduzir o tráfego a ifraestrutura de celular em cerca de 30%. 6 A AT&T é um outro bom exemplo. Com hotspots os EUA, a AT&T viu o uso do Wi -Fi em 2009 chegar a 85,5 milhões de coexões à Iteret quatro vezes o úmero de coexões feitas em Com o laçameto do software do iphoe versão 3.0, as coexões de usuários podem agora ser direcioadas de forma trasparete para os hotspots Wi-Fi da AT&T. O caso das redes Wi-Fi de portadoras As vatages do uso do Wi-Fi podem ser obtidas em modelos próprios ou em parceria. Para operadoras de camadas 2 e 3, a parceria com atacadistas 6 Deve-se usar o descarregameto de Wi-Fi, declarou o CEO da Telekom Austria, 19 de fevereiro de 2010, FierceWirelessEuropa 7 O W-Fi da AT&T admiistra mais de 85 milhões de coexões o total em 2009, mais de quatro vezes o valor de 2008, Comuicado de impresa da AT&T de 25 de jaeiro de 2010 provisioameto, fluxo de tráfego, auteticação direta, iterceptação legal, mobilidade de IP e gereciameto e cotrole de políticas. Qualquer solução de descarregameto de dados Wi-Fi de portadora tem de oferecer a capacidade de mover os assiates, de forma direta e trasparete, etre as redes 3G e os hotspots Wi-Fi sem a ecessidade de que o cliete ou assiates façam o trabalho pesado e de oferecer aos assiates os mesmos serviços e recursos que eles recebem a rede 3G da operadora. Com uma ifraestrutura Wi-Fi/celular cotrolada e cooperativa, as operadoras podem proporcioar a capacidade de serviços em modo Wi-Fi e capitalizar as aplicações habilitadas pelas coexões com mais bada larga. Isso permite reduzir os custos associados ao descarregameto de dados e à sialização de tráfego para o Wi-Fi, ao mesmo tempo em que gera receitas. A Ruckus Wireless fez muitos avaços sigificativos a área de desempeho de rádio Wi-Fi, malha iteligete, qualidade de serviços e recursos de back-iter-redes, que habilitam essas abordages em uma solução de Wi Fi completa e de pota a pota, que iclui elemetos de backhaul e rede de acesso à bada larga

6 Págia 6 verdadeiro tudo isso podedo ser implatado a uma fração do custo das tecologias macrocelulares 3G/4G clássicas. Segurar custos e oferecer uma ifraestrutura de Wi-Fi cofiável As operadoras estão tetado reduzir as despeas de capital e as despesas operacioais em meio ao tremedo crescimeto o tráfego de dados, ao mesmo tempo em que retêm clietes e lutam pela participação de mercado em meio à cocorrêcia acirrada. O descarregameto de dados 3G em redes Wi-Fi impede efetivamete que as operadoras teham de fazer atualizações de rede mais caras ao mesmo tempo em que proporcioa uma experiêcia de usuário perfeita As redes Wi-Fi de última geração, cohecidas como redes , levaram a uma melhor cobertura, capacidade e tratameto de iterferêcias do Wi-Fi, oferecedo às operadoras o tamaho ecessário para fazer o descarregameto eficaz do tráfego de dados 3G para a ifraestrutura Wi-Fi. O impulsioou bastate o desempeho teórico do Wi-Fi em cerca de 10 vezes e aumetou o alcace em cerca de três vezes em comparação com o padrão g. A uma distâcia de cerca de 500 metros, um dispositivo Wi-Fi cosegue trasmitir dados a 15,5 Mbps ou mais. Equato o aumeta sigificativamete o limite superior da largura de bada, ele permaece tão suscetível a iterferêcias quato o b/g e, em algus casos, até mais. O resultado é que as taxas de trasferêcia reais das implemetações típicas do são bem mais baixas do que as taxas de dados que são auciadas pelos órgãos ligados aos padrões e por algus forecedores iescrupulosos. O usa multiplexação espacial para combiar dois feixes de dados o lado da recepção, teoricamete duplicado a taxa de trasferêcia mas também dobrado as chaces de iterferêcia e a sesibilidade a elas. Isso faz as operadoras procurarem soluções de ifraestrutura de Wi-Fi mais cofiáveis e feitas para portadoras, que abordem essas deficiêcias. Wi-Fi mais iteligete com as portadoras em mete Com tradição em tecologias e produtos Wi-Fi iovadores para as empresas de telecomuicações e operadoras de telefoia celular, a Ruckus Wireless é a úica empresa de Wi-Fi que desevolveu uma solução de Wi-Fi completa e pota a pota para ajudar os provedores de serviços a abordar as preocupações com cobertura e capacidade esseciais, ao mesmo tempo em que dimiui os custos com ifraestrutura e o tempo de implatação. Esta solução oferece com exclusividade: Uma carteira completa de produtos Wi-Fi, desde equipametos do cliete até APs em malha e sistemas de backhaul de logo alcace; Gereciameto amplo de todos os dispositivos como uma rede uiforme; Tecologias avaçadas, como rejeição às iterferêcias, que miimizam os esforços para oferecer uma previsibi lidade como se fosse uma rede com fio e duas a quatro vezes mais propagação de sial sem fio. Suporte itegrado para aplicações multimídia, como IPTV e VoFi. FIGURA 5: O gereciameto de iterferêcias a prática: resultados do cliete de iphoe 3G O teste com a cocorrêcia revela que a taxa de trasferêcia e o alcace são muito afetados pela iterferêcia de RF. A capacidade dos sistemas Wi-Fi de evitar ativamete e ameizar as iterferêcias é o poto chave para forecer um desempeho previsível aos assiates.

7 Págia 7 Movedo a iteligêcia para o extremo da rede de acesso, ode ela pode ser dimesioada, limitado os requisitos icremetais os dispositivos cliete para a cofiguração ze-ro touch e aproveitado as iterfaces de cotrole do padrão 3GPP, a Ruckus desevolveu um projeto flexível, leve e escalável iter-rede. Essa ova arquitetura de referêcia dá às operadoras o poder de implatar rapidamete uma ifraestrutura de Wi-Fi de portadora, que se itegra perfeitamete à ifraestrutura móvel existete estabelecida a curto prazo, prevedo aida o futuro padrão 3GPP a logo prazo. de trasferêcia ideal. Quado habilitada pelo BeamFlex da Ruckus, um AP Wi -Fi pode, de forma cofiável, oferecer suporte a seis ou mais streams de vídeo de 10Mbps, tipo MPEG4 de alta defiição, simultâeos, sem iterrupções. E seus cotroles QoS ieretes permitem oferecer capacidade para avegador Web, e telefoes VoIP Wi-Fi, criado assim uma verdadeira solução de descarregameto de dados de rede Wi-Fi de portadora, ideal em áreas urbaas, ode a iterferêcia é algo mais problemático e ode as operadoras mais precisam cotrolar o tráfego de dados. A rejeição de iterferêcias possibilita cofiabilidade de portadora Dado o crescimeto do Wi-Fi e dos dispositivos habilitados para Wi-Fi, os ambietes urbaos ode o tráfego é mais pesado são em geral mais bem populados com siais de Wi-Fi. A tecologia BeamFlex da Ruckus foi feita especificamete para as portadoras que tetam obter a previsibilidade viveciada a bada liceciada detro da bada ão liceciada. Esta tecologia pateteada utiliza um avaçado sistema de ateas iteligetes em arrajo com fases multielemeto, cotrolado por software para formar e direcioar trasmissões sem fio pelos camihos de melhor desempeho e loge de fotes de iterferêcia - miimizado dessa forma a perda de pacotes, ampliado o alcace e aumetado a taxa de trasferêcia geral. Essa tecologia comprovada em campo igora de forma eficaz a maioria das iterferêcias co-caais, mesmo em ambietes extremamete movimetados proporcioado cofiabilidade sem precedetes em relação às opções de ateas omidirecioais covecioais usadas com sistemas mais ovos baseados em MIMO. Isso dá às operadoras a projeção de ivestimeto de que elas ecessitam para alavacar com cofiaça a estrutura de custos atraete do Wi-Fi como peça chave de sua estratégia de capacidade. A tecologia de ateas iteligetes BeamFlex da Ruckus dimiui as iterferêcias, eviado a eergia do Wi-Fi apeas a direção pretedida, o que aumeta bastate o alcace da multiplexação espacial bem-sucedida. Além disso, a Ruckus aprimorou as técicas de jução de caais do , que combiam dois caais de 20 Mhz em um úico caal de 40 Mhz, para uma taxa de trasferêcia maior. Com o BeamFlex, a eficácia da jução de caais aumetou quatro vezes. A tecologia da Ruckus ajuda a garatir que os parâmetros do para a tecologia de atea adaptável e a seleção de caais sejam ajustados diamicamete para uma taxa Coclusão O grade crescimeto do tráfego de dados está criado tesão para as ifraestruturas de redes de telefoia móvel. A implicação é que o crescimeto o custo do trasporte de dados logo ultrapassará a receita gerada e resultará em uma experiêcia ruim para o usuário devido ao cogestioameto da rede. O descarregameto do tráfego de dados 3G as redes Wi-Fi está se torado uma das opções mais atraetes para as operadoras. Para cumprir pleamete a promessa do Wi-Fi, as operadoras precisam de uma abordagem arquitetôica para portadoras bem cocebida que esteda a rede de acesso a rádio, backhaul e a ifraestrutura celular básica abordado problemas como provisioameto, auteticação direta e mobilidade de IP. Essa abordagem permite às operadoras oferecer serviços de alta qualidade aos assiates e capitalizar os serviços que fucioam pelo Wi-Fi. O Ruckus Wireless desevolveu com exclusividade uma arquitetura de referêcia 3G/Wi-Fi, costruída com base em produtos e tecologias comprovadas em campo, que proporcioam provisioameto e auteticação de cliete perfeitos, gereciameto amplo e completo da rede, itegração sem esforço à base 3GPP existete e desempeho e cofiabilidade de redes sem fio como se fossem redes com fio. Essa abordagem prática, testada em campo, oferece alívio imediato do cogestioameto de dados, ao mesmo tempo em que traz uma solução boa para o futuro, que oferece uma experiêcia perfeita para os usuários e elimia quaisquer requisitos icremetais de software os telefoes um requisito crítico para a adoção de assiates e implatação rápida ao mesmo tempo em que coecta com eficiêcia à base 3GPP/ LTE estabelecida. Ruckus Wireless, Ic. 880 West Maude Aveue, Suite 101, Suyvale, CA USA (650) Tel. \ (408) Fax Copyright 2010, Ruckus Wireless, Ic. Todos os direitos reservados. Ruckus Wireless e o desig da Ruckus Wireless estão registrados juto ao Departameto de Marcas e Patetes dos EUA (U.S. Patet ad Trademark Office). Ruckus Wireless, o logotipo da Ruckus Wireless, BeamFlex, ZoeFlex, MediaFlex, FlexMaster, ZoeDirector, SpeedFlex, SmartCast e Dyamic PSK são marcas comerciais da Ruckus Wireless, Ic. os Estados Uidos e em outros países. Todas as outras marcas comerciais citadas este documeto ou site pertecem a seus respectivos proprietários rev 01

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema de câmeras baseados em computador

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL

CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? EXISTEM 2 TIPOS DE CFTV DIGITAL O Lie com a ecessidade de sua empresa CFTV GRAVAÇÃO DE VIDEO DIGITAL E GESTÃO O QUE É CFTV DIGITAL? O CFTV que a verdade sigifica "circuito fechado de televisão", ou "circuito itero de televisão" é um sistema

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores A Iteret Parte II Prof. Thiago Dutra Ageda Visão Geral O que é a Iteret? Orgaização da Iteret Estrutura da Iteret Bordas da Rede Núcleo da Rede Redes de

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais

Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Parte I - Projecto de Sistemas Digitais Na disciplia de sistemas digitais foram estudadas técicas de desevolvimeto de circuitos digitais ao ível da porta lógica, ou seja, os circuito digitais projectados,

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

MAE 116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 o semestre de 2014 Lista de exercício 8 - Aula 8 - Estimação para p - CASA

MAE 116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 o semestre de 2014 Lista de exercício 8 - Aula 8 - Estimação para p - CASA MAE 116 - Noções de Estatística Grupo A - 1 o semestre de 2014 Lista de exercício 8 - Aula 8 - Estimação para p - CASA 1. (2,5) Um provedor de acesso à iteret está moitorado a duração do tempo das coexões

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

Instrumento de medição de vídeo

Instrumento de medição de vídeo Istrumeto de medição de vídeo para medições precisas com 3 eixos 50 aos de experiêcia óptica comprovada reuidos em um efetivo istrumeto de medição de vídeo sem cotato e com 3 eixos Eficiete e ituitivo

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção Iclui NOVA opção de captura de imagem Sistemas de Visualização Estéreo Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de ispeção. Tecologia ótica pateteada para visualização livre de

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

- 6,5% de consumo de combustível

- 6,5% de consumo de combustível - 6,5% de cosumo de combustível MAN EfficietLie 2. Meos combustível e mais gahos. Campeões da eficiêcia: MAN EfficietLie 2 Ídice O EfficietLie 2 com Euro 6 é melhor para o ambiete e utiliza meos combustível

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis Ispeção e medição em Full HD Excelete sistema de ispeção de vídeo digital, projetado para captura de images, documetação e medição fáceis Realize ispeções, ampliações e medições em Full HD com o Makrolite

Leia mais

Probabilidades. José Viegas

Probabilidades. José Viegas Probabilidades José Viegas Lisboa 001 1 Teoria das probabilidades Coceito geral de probabilidade Supoha-se que o eveto A pode ocorrer x vezes em, igualmete possíveis. Etão a probabilidade de ocorrêcia

Leia mais

TELEVISÃO NA INTERNET. Filipe Martins nº 53 655, Gonçalo Carmo nº 55 108 e Tiago Vaz nº 55 118

TELEVISÃO NA INTERNET. Filipe Martins nº 53 655, Gonçalo Carmo nº 55 108 e Tiago Vaz nº 55 118 TELEVISÃO NA INTERNET Filipe Martis º 53 655, Goçalo Carmo º 55 108 e Tiago Vaz º 55 118 Istituto Superior Técico Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal E-mails: {filipesmartis@sapo.pt, gocalo.do.carmo@ist.utl.pt,

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Teste de 60 clientes 802.11ac RESUMO EXECUTIVO. Meraki MR34 Cisco 3700 HP 560. Cisco 2700. Cisco 1700 HP 525

Teste de 60 clientes 802.11ac RESUMO EXECUTIVO. Meraki MR34 Cisco 3700 HP 560. Cisco 2700. Cisco 1700 HP 525 Maio de 205 REUMO EXECUTIVO A Croatian Academic and Research Network (CARNet) realizou recentemente um teste de desempenho de Wi-Fi independente, demonstrando os melhores pontos de acesso (AP) 802.ac e

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Soluções em Engenharia Civil

Soluções em Engenharia Civil ENGECRAM K Soluções em Egeharia Civil 35 aos A ENGECRAM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA foi costituída em 13 de dezembro de 1977, resultado de um ideal de prestar serviços a área de egeharia civil.

Leia mais

Uma abordagem histórico-matemática do número pi (π )

Uma abordagem histórico-matemática do número pi (π ) Uma abordagem histórico-matemática do úmero pi (π ) Brua Gabriela Wedpap, Ferada De Bastiai, Sadro Marcos Guzzo Cetro de Ciêcias Exatas e Tecológicas UNIOESTE Cascavel - Pr. E-mail: bruagwedpap@hotmail.com

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode

J. A. M. Felippe de Souza 9 Diagramas de Bode 9 Diagramas de Bode 9. Itrodução aos diagramas de Bode 3 9. A Fução de rasferêcia 4 9.3 Pólos e zeros da Fução de rasferêcia 8 Equação característica 8 Pólos da Fução de rasferêcia 8 Zeros da Fução de

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes

Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo nas Redes de Distribuição Atendidas por Subestações de Diferentes Fontes a 5 de Agosto de 006 Belo Horizote - MG Modelagem e Aplicação do Programa ATP para Estudos de Paralelismo as Redes de Distribuição Atedidas por Subestações de Diferetes Fotes M.Sc. Daiel P. Berardo AES

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem:

5) Verifique a existência de novos pincéis no painel Brushes. Para os usar, basta seleccionar um deles e aplicar sobre a sua imagem: 76 Ph o t o s h o p cs4 - Cu r s o Co m p l e t o 5.1.1 Predefiições de picéis e ferrametas É possível gravar um cojuto de opções de picel como uma predefiição para aceder rapidamete às características

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departameto de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt stituto Superior de Egeharia do Porto- Departameto de Física Rua Dr. Atóio Berardio de Almeida, 431 4200-072 Porto. T 228 340 500.

Leia mais

A durabilidade e a confiabilidade da Rubbermaid são incomparáveis. Feitos Para Durar

A durabilidade e a confiabilidade da Rubbermaid são incomparáveis. Feitos Para Durar A durabilidade e a cofiabilidade da Rubbermaid são icomparáveis. Feitos Para Durar Duráveis. Cofiáveis. Apresetado um ovo padrão de excelêcia em gereciameto de resíduos e trasporte de materiais. Desde

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante

1.5 Aritmética de Ponto Flutuante .5 Aritmética de Poto Flutuate A represetação em aritmética de poto flutuate é muito utilizada a computação digital. Um exemplo é a caso das calculadoras cietíficas. Exemplo:,597 03. 3 Este úmero represeta:,597.

Leia mais

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES C O P O S I T I O N No-break S é r i e P r e m i u m No-Break para Rack C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 30 aos de atuação,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

Avaliação da logística de distribuição de produtos em uma empresa de e-commerce

Avaliação da logística de distribuição de produtos em uma empresa de e-commerce XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de oembro de 26 Aaliação da logística de distribuição de produtos em uma empresa de e-commerce Gisele Castro Fotaella Pileggi (UPM) giselepileggi@mackezie.com.br Reata

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

Tipos abstratos de dados (TADs)

Tipos abstratos de dados (TADs) Tipos abstratos de dados (TADs) Um TAD é uma abstração de uma estrutura de dados Um TAD especifica: Dados armazeados Operações sobre os dados Codições de erros associadas à opers Exemplo: TAD que modela

Leia mais

ZoneFlex 7731 SMART 802.11N 5GHZ EXTERNA BRIDGE SEM FIO PONTO-A-PONTO, PONTO-MULTIPONTO

ZoneFlex 7731 SMART 802.11N 5GHZ EXTERNA BRIDGE SEM FIO PONTO-A-PONTO, PONTO-MULTIPONTO folha de dados BENEFÍCIOS Taxa de transferência sem fio igual à redes com fio Com base no padrão 802.11n, o ZoneFlex 7731 suporta taxas de dados de até 300 Mbps. Com a antena direcional feita para esse

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física

Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Física Uiversidade Federal do Marahão Cetro de Ciêcias Exatas e Tecologia Coordeação do Programa de Pós-Graduação em Física Exame de Seleção para Igresso o 1º. Semestre de 2011 Disciplia: Mecâica Clássica 1.

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação

Unidade V - Desempenho de Sistemas de Controle com Retroação Uidade V - Desempeho de Sistemas de Cotrole com Retroação Itrodução; Siais de etrada para Teste; Desempeho de um Sistemas de Seguda Ordem; Efeitos de um Terceiro Pólo e de um Zero a Resposta Sistemas de

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado Suporte e Cosultoria A KuboIT é uma empresa de serviços que atua o mercado acioal e iteracioal de seguraça da iformação. A KuboIT foi formada com base as ecessidades das pequeas, médias e grades empresas

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Banco de Dados. Linguagem SQL

Banco de Dados. Linguagem SQL Baco de Dados Liguagem SQL 1 A liguagem SQL: história Em juho de 1970, o matemático Edgar Frak Codd, publicou o artigo "A Relatioal Model of Data for Large Shared Data Baks" a revista "Commuicatios of

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais