Organização da Aula. Métodos Quantitativos. Aula 3. a) Séries de Números Índices. Contextualização. Prof. Douglas Agostinho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização da Aula. Métodos Quantitativos. Aula 3. a) Séries de Números Índices. Contextualização. Prof. Douglas Agostinho"

Transcrição

1 Métodos Quantitativos Aula 3 Prof. Douglas Agostinho Organização da Aula a) Séries de números índices b) Base móvel c) Mudança de base d) União de duas séries e) Deflacionamento f) Poder aquisitivo a) Séries de Números Índices Contextualização São usadas quando tem-se a necessidade de comparar três ou mais variáveis ao longo do tempo Para a construção de séries de números índices, devemos considerar alguns parâmetros a seguir: a seleção da data base: deve-se escolher uma data referente ao período de análise. Essa data deve ser escolhida em uma época onde a empresa esteja estável, ou seja, sem influências externas a periodicidade dos dados: é importante observar que quanto maior o intervalo de tempo entre a data base e a data de comparação, maior é o risco de se perder a importância relativa dos dados observados 1

2 o método de construção das séries: método da base fixa e método da base móvel, sendo que, no caso de séries de números índices, pode-se usar uma base móvel encadeada b) Base Móvel Encadeada A base móvel encadeada somente pode ser usada se o critério de cálculo satisfazer a propriedade cíclica (ou circular) c) Mudança de Base A mudança de base é necessária quando dispomos de dados que devam ser atualizados para que se tornem mais significativos Essa mudança é feita dividindo cada índice da série original (índice antigo) pelo número índice correspondente à nova data base d) União de Duas Séries Usa-se a união de séries quando um número índice sofre alterações, ou pela mudança da data base, ou pela introdução/exclusão de itens em determinada cesta de produtos e) Deflacionamento Significa eliminar dos valores nominais o efeito da inflação, assim, entendido o aumento de preços decorrente da desvalorização do padrão monetário f) Poder Aquisitivo O poder aquisitivo de uma unidade monetária, em relação a duas datas diferentes, é igual a seu valor deflacionado 2

3 Base Móvel Encadeada Ano Instrumentalização e Exemplos de Aplicação Vendas A tabela acima mostra as vendas de uma empresa entre os anos de 2003 e Determine os relativos em cadeia Mudança de Base Rc = X X X X Rc = = 2, A tabela a seguir indica o Índice de Produção Industrial (IPIn) de 2000 a 2004 (data base db 2000) Ano IPIn (db 2000) Considerando a nova data base sendo 2002, divide-se cada índice por 123, que é o índice (...) (...) na data base 2002, e multiplica por... Ano IPIn (db 2002) / / / / /123...ou seja, os novos índices são: Ano União de Duas Séries Temos as séries 1 e 2, onde a série 1 tem a db 1992 e a série 2 db 1997 IPIn (bd 2002) 81,30 103,25,00 105,69 113,82 3

4 Para unirmos as séries, a primeira ação é dividir o índice da nova data base (1997) pelo índice da série 1 na mesma data, ou seja, dividimos,00/106,38 e achamos um fator de 0,94 A segunda ação é multiplicar o fator de 0,94 pelos índices anteriores da série 1, e devemos manter os índices da série 2 uma nova tabela com os índices unidos: Com isso, teremos: Deflacionamento Veja na tabela a seguir os dados fictícios do faturamento de uma empresa entre os anos de 2002 e 2006 Ano Faturam IP Com base nesses dados vamos calcular: 1. o faturamento real da empresa Observação: para deflacionarmos ou inflacionarmos os dados, devemos tomar o inverso dos índices com relação ao ano base e multiplicar pelos valores que queremos atualizar 4

5 Vejamos como fica a tabela corrigida O inverso do índice no ano de 2002 é: (1/) (taxa de desvalorização da moeda td) vezes valor corrente vc, ou seja, 1 * = Ano Inverso dos índices Taxa desvalorização X valor corrente Valores deflacionados 2002 (1/) 1,000 * (1/124) 0,8065 * , (1/190) 0,5263 * , (1/245) 0,4082 * , (1/280) 0,3571 * ,20 Verificamos que os valores deflacionados nos dá a correta interpretação do faturamento real 2. O faturamento real da empresa em termos de 2004 Lembram-se como fazemos a mudança de base? Veja na tabela a seguir: Ano IP IP ,63 65,26 128,94 147,36 Como chegamos a 52, 63...? Dividimos o IP 2004 () pelo IP 2004 da base anterior (190): /190 = 0,5263 (fator) que multiplicado pelos IPs da base anterior formam a nova tabela de IP para ano base 2004 Sobre essa nova tabela, vamos calcular o faturamento real com o ano base 2004: usando o mesmo cálculo do item 1 Ano 2002 Inverso dos índices (1/52,63) * Taxa desvalorização X valor corrente Valores deflacionados 1,9001 * , (1/65,26) * 1,5323 * , (1/) 1,0000 * , (1/128,94) * (1/147,36) * 0,7756 * ,20 0,6786 * ,20 3. A variação porcentual do faturamento ano base 2002 Ano Comparação móvel Variação móvel ,50/22.000,00 135,64% = + 35,64% ,30/29.840,50 89,95% = - 10,05% ,40/26.841,30 94,29 % = - 5,71% ,20/25.308,40 115,70% = + 15,70 Com isso, obtivemos faturamento positivo nos anos 2003 e 2006; e negativos nos anos 2004 e

6 Poder Aquisitivo Cálculo do poder aquisitivo: o mesmo deve ser comparado entre datas distintas, exemplo: o Sr. José vendeu seu restaurante em outubro de 1985 por Cr$ ,00 e, ao invés de investir, guardou todo o dinheiro em casa. Em outubro de 1988, quis (...) (...) saber qual seu poder aquisitivo e fez a seguinte conta: em outubro de 1985, as OTNs (Obrigações do Tesouro Nacional) valiam Cr$ ,20, ou seja, o Sr. José tinha o equivalente a 771,8670 OTNs em outubro de 1988, o valor das OTNs após o plano cruzado passou a valer: Cz$ 2.966,39 Lembrando que o plano cruzado em fevereiro de 1986 cortou três zeros de nosso dinheiro, o Sr. José passou a ter em casa ao invés de Cr$ ,00, a quantia de Cz$ ,00 que, dividida pelas OTNs de outubro de 88, lhe conferia o valor de 15,17 OTNs. Ou seja, perdeu seu poder aquisitivo em 98,03% Síntese Aprendemos como calcular índices de base móvel encadeada Mudança de base, ou seja, atribuindo nova data base, como calcular novos índices União de séries distintas Deflacionamento para se obter valores reais, sem inflação Poder aquisitivo Referências de Apoio CASTANHEIRA, Nelson P. Métodos quantitativos. Curitiba: Ibpex, Capítulo 3. 6

ESTATÍSTICA I CONCEITUAÇÃO GERAL 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA I CONCEITUAÇÃO GERAL 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA I CONCEITUAÇÃO GERAL 1. INTRODUÇÃO Os numeros-índices são medidas estatísticas freqüentemente usadas por administradores, economistas e engenheiros, para comparar grupos de variáveis relacionadas

Leia mais

http://apostilas.netsaber.com.br/ver_apostila.php?c=614

http://apostilas.netsaber.com.br/ver_apostila.php?c=614 http://apostilas.netsaber.com.br/ver_apostila.php?c=614 4 ESTATÍSTICA I CONCEITUAÇÃO GERAL 1. INTRODUÇÃO Os numeros-índices são medidas estatísticas freqüentemente usadas por administradores, economistas

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Números índices. Luiz Carlos Terra

Números índices. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá as principais aplicações de números índices, como subsídios para análises e pesquisas de dados mercadológicos. (Luiz Carlos Terra) 1 Objetivos Nesta aula, você

Leia mais

COMO TRATAR A INFLAÇÃO NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO

COMO TRATAR A INFLAÇÃO NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO COMO TRATAR A INFLAÇÃO NA ANÁLISE DE UM NOVO Qual o impacto no cálculo da TIR? Qual o impacto no cálculo do VPL? Projetar o fluxo de caixa em moeda constante ou moeda nominal? Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Capítulo 10 Fluxos de Caixa e Inflação

Capítulo 10 Fluxos de Caixa e Inflação Capítulo 10 Fluxos de Caixa e Inflação MODELO PREFIXADO Fluxo de Caixa e Inflação Princípios básicos Os cálculos no fluxo de caixa são realizados utilizando-se os conceitos da matemática financeira desenvolvidos

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo INPC-IBGE. março de 2014 EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data base Deflatores: ICV-DIEESE INPC-IBGE março de 2014 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2013

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito

Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil escambo 2.1- Outras formas de dinheiro cheque cartão de crédito Material de Estudo para Recuperação 6 ano Historia do dinheiro no Brasil Já imaginou como seria a vida sem usar o dinheiro? Estranho, não? Pois há muitos e muitos séculos atrás ele não existia, mas, como

Leia mais

A moeda é algo que é aceito pela coletividade para desempenhar as funções: a) meio de troca; b) unidade de conta; e c) reserva de valor.

A moeda é algo que é aceito pela coletividade para desempenhar as funções: a) meio de troca; b) unidade de conta; e c) reserva de valor. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 - parte 2 CONTEÚDO

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas...

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas... 1 MÓDULO VI Como podemos observar, já estamos no MÓDULO VI que traz temas sobre matemática financeira (porcentagem, juros simples e montante), bem como, alguma noção sobre juros compostos e inflação. Mas

Leia mais

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples

Conceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples UFS FM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTIA MTM 5151 MATEMÁTIA FINAEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 1 JUROS SIMPLES onceitos de: juro, capital, taxa de juros, montante e capitalização simples Juro j É uma compensação

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros

COMENTÁRIOS. A Taxa Real Efetiva de Juros COMENTÁRIOS A Taxa Real Efetiva de Juros 1. Taxa Nominal e Taxa Real de Juros. 2. A Taxa Real" de Juros: Fórmula Alternativa. 3. Taxa Declarada de Juros Antecipados e Taxa Real Efetiva de Juros. 4. Exemplos

Leia mais

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro.

Juro é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Juros simples Juros simples Juro é a remuneração do capital emprestado podendo ser entendido de forma simplificada como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Quem possui recursos pode utilizá-lo na

Leia mais

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Roberto Luis Troster* São Paulo, novembro de 2008 *Roberto Luis Troster é economista e doutor em economia pela USP Universidade de São Paulo e pósgraduado

Leia mais

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO

Microsoft Excel. Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO Microsoft Excel Funções Financeiras PARTE 7 SUMÁRIO 1-) Funções financeiras no Excel... 2 1.1-) Função = VF( )... 2 1.2-) Função =VP( )... 3 1.3-) Função = PGTO ( )... 3 1.4-) Valor Presente Utilizando

Leia mais

Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 3. Contextualização. Análise de Investimentos

Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 3. Contextualização. Análise de Investimentos Análise de Investimentos e Financiamentos Aula 3 Prof. Cleverson Luiz Pereira Técnicas de análise de investimentos e análise de investimentos em condições de risco e incerteza Contextualização As técnicas

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 17

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 17 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 17 Consumo Final das Famílias (versão para informação e comentários)

Leia mais

Traduzindo o Fluxo de Caixa em Moeda Estrangeira

Traduzindo o Fluxo de Caixa em Moeda Estrangeira Traduzindo o Fluxo de Caixa em Moeda Estrangeira por Carlos Alexandre Sá Muitas empresas necessitam traduzir os relatórios do fluxo de caixa em moeda estrangeira. Este imperativo decorre, quase sempre,

Leia mais

VOCÊ SABE O SIGINIFICADO DO TERMO SOBREVALORIZAÇÃO CAMBIAL?

VOCÊ SABE O SIGINIFICADO DO TERMO SOBREVALORIZAÇÃO CAMBIAL? VOCÊ SABE O SIGINIFICADO DO TERMO SOBREVALORIZAÇÃO CAMBIAL? Pedro Jorge Ramos Vianna Para sabermos o significado de valorização cambial, temos primeiro que entender o que é TAXA DE CÂMBIO. DEFINIÇÃO DE

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Calculo Financeiro Professor: Roberto César CÁLCULO FINANCEIRO Dinheiro no Tempo Capitalização (Juros) (Montante) Valor Futuro R$ 100,00 R$ 110,00 0 1 (Capital) Valor Presente

Leia mais

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de

GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de GLOSSÁRIO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Com conceitos dispostos aproximadamente na ordem em que são apresentados na disciplina TT 007 Economia de Engenharia I. Observação: Os conceitos acompanhados de asterisco

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Tesouro Direto. Como fazer doações para a Entidade Filantrópica de sua preferência usando o Tesouro Direto

Tesouro Direto. Como fazer doações para a Entidade Filantrópica de sua preferência usando o Tesouro Direto Tesouro Direto Como fazer doações para a Entidade Filantrópica de sua preferência usando o Tesouro Direto Dezembro de 2004 Neste final de ano, o Tesouro Nacional traz mais uma novidade no âmbito da dívida

Leia mais

De acordo com o artigo 3 deveriam também ser trazidos a valor presente, na data de sua aquisição ou formação:

De acordo com o artigo 3 deveriam também ser trazidos a valor presente, na data de sua aquisição ou formação: 1 AJUSTE A VALOR PRESENTE-CÁLCULOS E CONTABILIZAÇÃO Eliseu Martins Professor Titular do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP Ariovaldo dos Santos Professor Titular do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo 2015/2016

Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo 2015/2016 PROVA DE INGRESSO PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo 2015/2016 Componente Específica de Economia para

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

O bloco administração

O bloco administração O bloco administração Neste capítulo são discutidas as ferramentas do bloco Administração, na página de abertura de um curso. Veja Figura 7.1. Figura 1: O bloco Administração Ativar edição Esta ferramenta

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

Dimensionamento dos Estoques

Dimensionamento dos Estoques Administração Dimensionamento, Planejamento e Controle de Profª. Patricia Brecht Dimensionamento dos s Cada área possui interesse em aumentar os níveis de estoque para garantir a segurança e reduzir o

Leia mais

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo

Capítulo 4. Moeda e mercado cambial. Objectivos do capítulo Capítulo 4 Moeda e mercado cambial Objectivos do capítulo Perceber o papel das taxas de câmbio no comércio internacional. Como são determinadas as taxas de câmbio de equilíbrio no mercado internacional

Leia mais

www.verriveritatis.com.br

www.verriveritatis.com.br ESTRUTURA ANALÍTICA DO PROJETO EAP Uma abordagem objetiva 1. Introdução Temos visto que os profissionais da área, que elaboram as EAPs, também conhecidas pela sigla em inglês WBS (Work Breakdown Structure),

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL

FLUXOS DE CAIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL FLUXOS DE AIXA A PREÇO NOMINAL E A PREÇO REAL 1. Introdução Dois conceitos devem ser perfeitamente entendidos pelos alunos quando estiverem elaborando análises a partir de variáveis econômicas-financeiras,

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais

I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA TAXAS DE JUROS. Taxas Proporcionais 1º BLOCO...2 I. Matemática Financeira - André Arruda...2 2º BLOCO...6 I. Matemática - Daniel Lustosa...6 3º BLOCO... 10 I. Tabela de Acumulação de Capital... 10 I. MATEMÁTICA FINANCEIRA - ANDRÉ ARRUDA

Leia mais

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP

Construção do. Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP Construção do Modelo IS-LM-BP Incidência da abertura externa sobre IS-LM Construção, interpretação e deslocamento da curva BP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo IS-LM MODELO IS-LM: mostra

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PREÇOS DOS PRODUTOS DA OVINOCULTURA GAÚCHA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS 1

COMPORTAMENTO DE PREÇOS DOS PRODUTOS DA OVINOCULTURA GAÚCHA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS 1 COMPORTAMENTO DE PREÇOS DOS PRODUTOS DA OVINOCULTURA GAÚCHA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS 1 João Garibaldi Almeida Viana 2 Renato Santos de Souza 3 RESUMO O conjunto de mudanças estruturais e conjunturais por que

Leia mais

Banco do Brasil + BaCen

Banco do Brasil + BaCen 1. TAXA Taxa [ i ] é um valor numérico de referência, informado por uma das notações: Forma percentual, p.ex. 1%. Forma unitária, p.ex. 0,01 Forma fracionária centesimal, p.ex. 1/100. Ambos representam

Leia mais

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO BRESSER (06/1987)

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO BRESSER (06/1987) POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO BRESSER (06/1987) A Justiça Federal Seção Judiciária do Rio Grande do Sul, por meio dos Núcleos

Leia mais

Principais Conceitos CAPÍTULO 1

Principais Conceitos CAPÍTULO 1 Principais onceitos APÍTULO 1 Principais onceitos O estudo da Matemática Financeira pode ser resumido como sendo a análise do valor do dinheiro ao longo do tempo. Diariamente nos deparamos com situações

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

O endereço de sua estação de trabalho é 201.252.203.107, e você esta usando a máscara de subrede: 255.255.255.248.

O endereço de sua estação de trabalho é 201.252.203.107, e você esta usando a máscara de subrede: 255.255.255.248. Cálculo de endereços de rede Quais os hosts da rede 10.12.148.0 IP: 00001010.00001100.100101xx.xxxxxxxx Mask:11111111.11111111.11111100.00000000 Rede:00001010.00001100.10010100.00000000 Assim, podemos

Leia mais

PROBABILIDADE PROFESSOR: ANDRÉ LUIS

PROBABILIDADE PROFESSOR: ANDRÉ LUIS PROBABILIDADE PROFESSOR: ANDRÉ LUIS 1. Experimentos Experimento determinístico: são aqueles em que o resultados são os mesmos, qualquer que seja o número de ocorrência dos mesmos. Exemplo: Um determinado

Leia mais

Notas & comentários. de poupança e a introdução. OINs, cadernetas. do Plano Cruzado 1. INTRODUÇÃO

Notas & comentários. de poupança e a introdução. OINs, cadernetas. do Plano Cruzado 1. INTRODUÇÃO Notas & comentários 1. Introdução; 2. Por que correção monetária defasada; 3. A introdução do Plano Cruzado; 4. Cadernetas de poupança; 5. Obrigações do Tesouro (ORTNs ou OTNs); 6. Conclusão. OINs, cadernetas

Leia mais

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO COLLOR I (04/1990)

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO COLLOR I (04/1990) POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO COLLOR I (04/1990) O cálculo referente ao Plano Collor I (04/1990) apura o valor da diferença

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão de Custos Aula 2 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Além de compreender os mecanismos e a evolução da contabilidade, existe a necessidade de compreender como a contabilidade pode contribuir

Leia mais

Capítulo 2. Representação de dados em sistemas computacionais

Capítulo 2. Representação de dados em sistemas computacionais Capítulo 2 Representação de dados em sistemas computacionais Adaptado dos transparentes das autoras do livro The Essentials of Computer Organization and Architecture Objectivos [1] Compreender o conceito

Leia mais

Modelo para Projeto Interdisciplinar

Modelo para Projeto Interdisciplinar Modelo para Projeto Interdisciplinar Identificação da Unidade Escolar : (fictício) Nome do professor: (nome do aluno) Ano: 6º ao 9º ano para Ensino Fundamental ou 1º ao 3º ano para Ensino Médio (explicite

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR JANEIRO 75 0 75 2 73 1440 0 1440 104 1336 7 0 7 5 2 119 0 119 1 118 293 0 293 11 282 225 0 225 5 220 2 0 2 0 2 116 0 116 4 112 Página 1 de 12 FEVEREIRO 73 0 73 2 71 1336 0 1336 385 951 2 0 2 2 0 118 0

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR. Planilha Controle de Estoque - Materiais de Limpeza - 2013 ESTOQUE ANTERIOR

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR. Planilha Controle de Estoque - Materiais de Limpeza - 2013 ESTOQUE ANTERIOR JANEIRO 20 0 20 1 19 13 0 13 0 13 0 5 5 0 5 16 0 16 1 15 17 0 17 0 17 5 0 5 2 3 20 0 20 2 18 107 0 107 5 102 59 0 59 1 58 23 0 23 1 22 215 0 215 7 208 60 0 60 1 59 5 0 5 0 5 5 0 5 1 4 Página 1 de 12 FEVEREIRO

Leia mais

Nova versão: Para School Control 2010.01.21 e acima, combinado com uso do Windows 7.

Nova versão: Para School Control 2010.01.21 e acima, combinado com uso do Windows 7. Veja aqui como configurar o School Control para ser usado em rede, de modo a distribuir as tarefas de forma organizada e garantir que todos poderão usar os mesmos dados, ao mesmo tempo. publicado em 24/02/2011

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A Matemática Financeira como elemento de contextualização crítica no Ensino Fundamental - Prof. Ilydio Sá 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

3 Metodologia para auditoria da lucratividade econômica de projetos

3 Metodologia para auditoria da lucratividade econômica de projetos 3 Metodologia para auditoria da lucratividade econômica de projetos Dado que o VPL é um indicador de lucratividade econômica que fornece diretamente o valor agregado a uma empresa devido à implantação

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

EXACTUS SOFTWARE LTDA

EXACTUS SOFTWARE LTDA Instruções para Geração do 13º Salário EXACTUS SOFTWARE LTDA SISTEMA - WINNER Edição 2009 Página 1 de 24 Londrina Paraná Edição 10/2009 COPYRIGHT Todos os direitos são reservados à Exactus Software Ltda.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da

FUNÇÃO COMO CONJUNTO R 1. (*)= ou, seja, * possui duas imagens. b) não é uma função de A em B, pois não satisfaz a segunda condição da FUNÇÃO COMO CONJUNTO Definição 4.4 Seja f uma relação de A em B, dizemos que f é uma função de A em B se as duas condições a seguir forem satisfeitas: i) D(f) = A, ou seja, o domínio de f é o conjunto

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

Intensificação Das Relações Comerciais Entre Os BRICS A Partir Da Implementação Das Moedas Correntes Desses Países

Intensificação Das Relações Comerciais Entre Os BRICS A Partir Da Implementação Das Moedas Correntes Desses Países 2 Seminário de Relações Internacionais: Graduação e Pós-Graduação: Os BRICS e as transformações na Ordem Global 28 e 29 de Agosto de 2014. João Pessoa- Paraíba- Brasil Painel individual Área temática:

Leia mais

Organização da Aula. Análise de Crédito e Risco. Aula 2. Contextualização. Instituições Financeiras

Organização da Aula. Análise de Crédito e Risco. Aula 2. Contextualização. Instituições Financeiras Análise de Crédito e Risco Aula 2 Prof. Cleverson Luiz Pereira Organização da Aula Instituições financeiras X estrutura do departamento de crédito Modalidades de crédito Contextualização As instituições

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

CAPITULO 4. Comércio e Moedas

CAPITULO 4. Comércio e Moedas CAPITULO 4 Comércio e Moedas Comércio noção e tipos A evolução da moeda formas e funções A moeda portuguesa O Euro O preço de um bem noção e componentes A inflação noção e medida A inflação em Portugal

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Endereçamento IP 09/05/2014. Endereçamento IP CLASSE B CLASSE A CLASSE A CLASSE C

Endereçamento IP 09/05/2014. Endereçamento IP CLASSE B CLASSE A CLASSE A CLASSE C Endereçamento IP Endereçamento IP Prof. Marcel Santos Silva marcel@magres.com.br É uma sequência de números composta de 32 bits. Esse valor consiste num conjunto de quatro grupos de 8 bits. Cada conjunto

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito.

DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 41 DETERMINAÇÃO DE LIMITES DE CRÉDITO! Uma nova abordagem para um velho problema.! Apresentação de planilha para determinação de limites de crédito. Carlos Alexandre Sá (calex@marlin.com.br)

Leia mais

Os PRINCíPIOS FUNDAMENTAIS DE

Os PRINCíPIOS FUNDAMENTAIS DE 7 Os PRINCíPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA, A COMPETÊNCIA E A ESSÊNCIA 7.1 CUSTO ORIGINAL COMO BASE DE VALOR o MAIS DISCUTIDO o mais antigo e mais discutido Princípio propriamente

Leia mais

Evolução dos Gastos com Seguro Desemprego

Evolução dos Gastos com Seguro Desemprego 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 084/2007 Data: 04.10.07 Versão: 1 Tema: Título: Previdência Social

Leia mais

HENRIQUE MARINHO. CONOMin MON TRRIfl. Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA

HENRIQUE MARINHO. CONOMin MON TRRIfl. Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA HENRIQUE MARINHO CONOMin MON TRRIfl Teorias e a xperiência Brasileira B 358422 CM EDITORA CIÊNCIA MODERNA Sumário Capítulo 1 - O Sistema Monetário e o Modelo de Expansão Monetária 1 1. Considerações Preliminares,

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano

Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Associação Brasileira de Supermercados Nº51 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Abril de 2015 Vendas recuam, mas acumulam alta de 1,46% no ano Crescimento moderado

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015

SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 SIMULADO MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 Simulado Comentado Matemática e Raciocínio Lógico EBSERH 2015 Página 1 SIMULADO 01 MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO PARA EBSERH 2015 Cargo: Todos

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais

Administração Financeira. Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Administração Financeira Mercado Cambial Parte 01 Taxas e regimes cambiais Taxa de Câmbio - Conceito É o preço de uma unidade de moeda estrangeira denominado em moeda nacional Exemplos: A) Para comprar

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE ll

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE ll DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE ll! Qual a origem do conceito de duração?! Como calcular a duração?! Quais as limitações do cálculo da duração?! Como estimar a variação

Leia mais

P R O V I M E N T O nº 019 / 97

P R O V I M E N T O nº 019 / 97 P R O V I M E N T O nº 019 / 97 Tabela de Fatores de Atualização Monetária (ADOÇÃO). A CORREGEDORA-GERAL DA JUSTIÇA, usando das atribuições que lhes são conferidas pelo Inc. VIII, do art. 54, do Regimento

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo

A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo A UTILlZAÇlo DA COTAÇlo DO DÓLAR PARA ELIMINAR EFEITOS DA INFLAÇlo Roberto Carvalho Cardoso* 1. Objetivo do trabalho. 2. Dados c01!-sidfrados. 3. Variações de 1952/53/54. 4. Vanaçoes de 1955/56/57. 5.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase Critérios de Classificação 1 Páginas 2015 Prova

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Cadeia de Produção. Cadeia de Distribuição. O Papel da Logística. Objetivos. Ações da Empresa. Instrumentalização. Principais atores:

Cadeia de Produção. Cadeia de Distribuição. O Papel da Logística. Objetivos. Ações da Empresa. Instrumentalização. Principais atores: Tópicos em Logística Aula 2 Organização da Aula 2 1. Sistemas logísticos O papel dos sistemas Atuação 2. Integração entre os elos Profa. Rosinda Angela da Silva Fluxo Indicadores O que é um Sistema Logístico?

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços 2 A inflação mais elevada no trimestre finalizado em fevereiro evidenciou, essencialmente, o realinhamento dos preços monitorados e livres, pressões pontuais advindas da desvalorização cambial,

Leia mais

Prática 1 - Microsoft Excel

Prática 1 - Microsoft Excel Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba, Campus Sousa Disciplina: Informática Básica Prática 1 - Microsoft Excel Assunto: Tópicos abordados: Prática Utilização dos recursos

Leia mais

A Matemática e o dinheiro

A Matemática e o dinheiro A Matemática e o dinheiro A UUL AL A Muita gente pensa que a Matemática, em relação ao dinheiro, só serve para fazer troco e para calcular o total a pagar no caixa. Não é bem assim. Sem a Matemática, não

Leia mais

Instruções Folha de Pagamento Rotina 19 13º Salário

Instruções Folha de Pagamento Rotina 19 13º Salário Instruções Folha de Pagamento Rotina 19 13º Salário Instruções Iniciais Antes de iniciar a geração do 13º salário é necessário verificar com atenção as dicas iniciais. Efetue a parametrização da Tabela

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais