UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Tecnologias móveis na educação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Tecnologias móveis na educação"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Adriane Aparecida da Silva Higuchi Tecnologias móveis na educação São Paulo 2011

2 ADRIANE APARECIDA DA SILVA HIGUCHI Tecnologias móveis na educação Dissertação apresentada à banca examinadora como exigência parcial da obtenção do título de MESTRE em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, sob orientação da professora Dra. Jane de Almeida. São Paulo 2011

3 H683t Higuchi, Adriane Aparecida da Silva Tecnologias móveis na educação. / Adriane Aparecida da Silva Higuchi f. ; 30 cm Dissertação (Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Bibliografia: f Mobile learning. 2. Aprendizagem móvel. 3. Tecnologia móvel. 4. Dispositivos móveis. 5. Aparelho celular. I. Título. CDD

4 ADRIANE APARECIDA DA SILVA HIGUCHI Tecnologias móveis na educação Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Presbiteriana Mackenzie do Estado de São Paulo, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Educação, Arte e História da Cultura. Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Profª Drª Jane de Almeida Orientadora Universidade Presbiteriana Mackenzie Profª Drª Maria de los Dolores Jimenez Peña Universidade Presbiteriana Mackenzie Profª Drª Lucila Maria Pesce Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

5 Dedico este trabalho aos meus queridos pais que muito me ensinaram. 3

6 4 AGRADECIMENTOS Agradeço aos meus familiares, colegas, professores e a todos que contribuíram para o desenvolvimento desta pesquisa.

7 5 RESUMO O uso da tecnologia móvel tem provocado mudanças em vários segmentos da sociedade. Inseridos no cotidiano das pessoas, os dispositivos móveis digitais transformam a cada dia a maneira como as pessoas se comunicam, se relacionam, trabalham, consomem, se divertem e aprendem. Em busca de maior flexibilidade, comodidade e mobilidade, a sociedade se apropria cada vez mais da linguagem digital e imprime novas características às relações emissor-receptor, consumidor-empresa, trabalhador-empregador, imprensa-leitor e até a de cidadão-estado. A chamada geração digital nasce, cresce, aprende e vive conectada a um mundo digital repleto de informações circulantes e mutantes, disponibilizadas por meio de dispositivos digitais móveis, como aparelhos celulares, netbooks, tablets etc. Diferentemente de gerações passadas, a atual geração demonstra habilidades para navegar em movimento nas informações de inúmeros canais e veículos, tudo ao mesmo tempo. Nesse contexto, a educação também não está imune aos efeitos da tecnologia móvel. De que maneira ocorre a apropriação desta tecnologia nas escolas? Como a educação formal percebe e lida com os aparelhos celulares dentro da sala de aula? Quais são os desafios? Este trabalho de pesquisa inicia uma reflexão interdisciplinar, que envolve tecnologia da informação e comunicação e educação, em busca de respostas para esses questionamentos. Com ênfase no aparelho celular, busca-se aqui saber se e como o ambiente escolar incorpora a tecnologia móvel no processo educacional. Este trabalho apresenta o estudo exploratório que foi realizado em uma escola pública da cidade de Mogi das Cruzes, localizada na Grande São Paulo, com alunos do 9º ano do curso Ensino Fundamental e 2º ano do curso Ensino Médio, que utilizam o aparelho celular como auxiliar em atividades pedagógicas desenvolvidas, de forma pontual e esporádica, pela educadora na área de conhecimento em História. PALAVRAS-CHAVE Mobile learning. Aprendizagem móvel. Tecnologia móvel. Dispositivos móveis. Aparelho celular.

8 6 ABSTRACT The use of the mobile technology has caused several changes in all segments of society. Due to their being inserted in people s lives, the digital mobile devices cause changes in the way people communicate, interact, work, purchase, entertain and learn. In search for greater flexibility, convenience and mobility, society has increasingly taken control of the digital language and sets new characteristics on the sender-receiver, consumer-supplier, employeeemployer, media-reader and even State citizen relationships. The so-called digital generation is born, grows, learns and lives being connected to a digital world full of rotating and mutant pieces of information, available through mobile digital devices, like cell phones, net books, tablets, etc. Unlike past generations, today s one shows skills to browse through various web channels, all at the same time and on the go. In this context, education is not immune to the effects of the mobile technology as well. How does the appropriation of this technology occur in schools? How does the traditional education system perceive and cope with cell phones inside the classroom? What are the challenges? This research starts up an interdisciplinary reflection, which involves information technology, communication and education, in search for answers to these questions. Keeping focus on the mobile device, we seek to learn whether and how the school environment incorporates the mobile technology in its educational process. This research presents the exploratory study accomplished in a public school in the city of Mogi das Cruzes, located in the metropolitan area of Sao Paulo, concerning students of the 9th year of the elementary school and 1 st year of high school levels, using the mobile device as an aid in the pedagogical activities punctually and intermittently accomplished by the history teacher. The study shows and encourages thinking on how the mobile device is being incorporated as an apparatus to assist the pedagogical practice in the formal education environment. KEYWORDS Mobile learning. Mobile technology. Mobile devices. Cell phone.

9 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA E LINGUAGEM Educação Educação conceituação Educação Formal, Não-Formal e Informal Tecnologia na educação Novas competências e novas metodologias? Teorias de aprendizagem Algumas teorias de aprendizagem Tecnologia da comunicação Linguagem e meios de comunicação Comunicação e mudanças sociais Tecnologia da comunicação DISPOSITIVOS MÓVEIS Evolução dos dispositivos móveis Breve histórico de dois importantes representantes da tecnologia móvel Aparelhos celulares Tablets MOBILE LEARNING APRENDIZAGEM MÓVEL Introdução à aprendizagem móvel Aprendizagem móvel Tecnologia transparente, ubíqua e pós-massiva Mobile Learning Variáveis envolvidas Pesquisas sobre Aprendizagem Móvel PESQUISA REALIZADA ESTUDO EXPLORATÓRIO Material e Método Discussão CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA ANEXOS Anexo I Linha do Tempo Algumas invenções que contribuíram com o desenvolvimento dos dispositivos móveis Anexo II Mogi das Cruzes Anexo III Escola Anexo IV - Registro de Entrevistas Anexo V - Modelo do Questionário... 88

10 8 INTRODUÇÃO As transformações vividas pela sociedade a partir dos avanços tecnológicos, principalmente dos dispositivos móveis, têm provocado mudanças significativas no contexto social. Conforme avalia Don Tapscott (1999, p. 07), a geração nascida e criada no ambiente digital, está revolucionando a realidade a nossa volta e nos impõe uma nova cultura, reformulando o modo como a sociedade e os indivíduos interagem. Com a disponibilidade de tecnologias móveis, como tablets, smartphones, netbooks, vivemos em um período de mudanças, tanto na forma como as pessoas se comunicam, como também na maneira como se relacionam, aprendem, trocam e acessam informação, se divertem, se locomovem, se apropriam dos espaços reais e virtuais, participam e contribuem na construção da história. O presente estudo se propõe a iniciar algumas reflexões sobre se e como os dispositivos móveis, principalmente o aparelho celular tem sido incorporado no contexto educacional, dentro da sala de aula para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem. O aparelho celular foi escolhido por permitir acesso a diferentes mídias, ser acessível a uma parcela significativa da polulação, de acordo com as estatísticas 1 há 3 celulares para cada 2 habitantes no Brasil, por permitir sua utilização mesmo em locais que não possuam redes convencionais de telecomunicações e por não necessitar de grandes investimentos para ser aplicado na educação. Além disto, este trabalho busca encontrar alternativas e situações que favoreçam a utilização da tecnologia móvel no ambiente educacional, com o intuito de aproveitar a tecnologia móvel disponível para motivar e contribuir na construção do conhecimento. Os objetivos do presente trabalho são traçar um panorama preliminar do que representa e envolve a aprendizagem móvel; relacionar pesquisas e experiências que utilizam ou já fizeram uso de dispositivos móveis para auxiliar o processo de ensino e aprendizagem e, por fim, apresentar um exemplo em que o aparelho celular foi utilizado como auxiliar no processo educacional. Trata-se, portanto, de uma pesquisa qualitativa - exploratória. Para alcançar esses objetivos, foi efetuado um levantamento na bibliografia existente, tanto na impressa como on-line, para abordar os diferentes tópicos e os principais conceitos que compõem a aprendizagem móvel. Também foi feito um levantamento sobre algumas experiências/pesquisas que estão sendo feitas com base na aprendizagem móvel, tanto no 1 Anatel - Agência Nacional de Telecomunicações. Disponível em Acessado em 19/05/2010.

11 9 Brasil como em outros países. Além disto, foi realizado um estudo exploratório, em uma escola da rede pública do estado de São Paulo para compreender se e como o ambiente educacional brasileiro tem incorporado os dispositivos móveis. Espera-se demonstrar com este estudo que a educação não pode ignorar o fato de que a tecnologia tem provocado mudanças também no processo tradicional de ensinoaprendizagem. Sem julgar se isto é bom ou ruim, a proposta é refletir sobre o tema e tentar compreender as implicações que estas mudanças trazem para o cotidiano escolar, tanto para professores como para os alunos. Desta forma, o presente trabalho foi estruturado em 4 capítulos que buscam apresentar tanto os conceitos que envolvem a incorporação dos dispositivos móveis em sala de aula, como apresentar um estudo exploratório realizado em uma escola pública da cidade de Mogi das Cruzes, na grande São Paulo. O primeiro capítulo aborda sobre a educação, tecnologia e linguagem, pilares que compõem a formação do aluno e pela proximidade que estes temas estabelecem com o foco da pesquisa. O segundo capítulo discorre sobre o desenvolvimento dos dispositivos móveis e as mudanças que eles têm provocado na sociedade. No terceiro capítulo apresentamos o conceito e as características da aprendizagem móvel e algumas pesquisas realizadas nesta área, por se constituir no objetivo principal desta pesquisa. No quarto capítulo, apresenta-se o estudo exploratório em que uma professora de história usa o celular eventualmente para desenvolver atividades pedagógicas com alunos de uma escola pública do 9º ano do curso Ensino Fundamental e 2º ano do Ensino Médio. É neste momento que se pretende analisar, com base na bibliografia estudada, como o celular vem sendo incorporado no ambiente escolar.

12 10 1. EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA E LINGUAGEM 1.1. Educação Educação - Conceituação A criança é criança, um ser que nasceu para crescer, isto é, nasceu imaturo, para vir a criar-se a si mesmo pelo amadurecimento, ou seja, pela educação. (KANT apud PRADO, 1991, p. 37). O homem ao nascer, se comparado a outros animais, é o mais desprovido de dons. Desde o seu nascimento ele precisa do apoio/ajuda dos outros - é um ser educável. Como observa Lourenço de Almeida Prado, em seu livro: Educação: ajudar a pensar, sim: conscientizar, não, de 1991, em que aborda questões educacionais e propõe reflexões sobre a formação do homem como ser de cultura e não simplesmente como um ser robotizado, considera que educação é um processo interior, ou seja, o desdobramento de potencialidades e a aquisição de qualidades. Para Prado (1991, p. 71), a simples e automática repetição não é educação, pois segundo ele a verdadeira educação deve ampliar a capacidade e a liberdade de agir livre e criativamente. Os animais são, no máximo, domesticáveis ou domináveis, já o homem é o único ser realmente educável. (Prado, 1991, p. 71). Desde o nascimento, independente de nossa condição socioeconômica, estamos a todo momento vivenciando um processo educacional e, geralmente, agimos de acordo com as regras morais imposta pela sociedade. Isto abrange desde o modo como nos comportamos fisicamente (atitudes) até como conduzimos nossas relações pessoais com amigos, família, educadores etc. Como define Prado (1991), a educação é um processo universal e, por isso, varia de sociedade para sociedade, de um grupo social a outro. Desta forma, ressalta o autor, a educação segue as concepções que cada sociedade e cada grupo social tenha do mundo, de homem, de vida social e do próprio processo educativo. Enfim, a educação é um processo dinâmico, histórico, e por isso mesmo mutável. A palavra educação pode assumir diferentes sentidos, como apresenta Prado (1991). No sentido vulgar : educação refere-se a exterioridades, ou seja, a adaptação a modelos de boas maneiras, aos costumes da vida civilizada, ou até mesmo a um certo grupo (convivência cordial). No sentido etimológico: educação exprime algo que vem de dentro ex + duco, que

13 11 acontece no sentido pessoal, ou seja, na procura de cada um de tirar de dentro de si as suas virtualidades, ou no sentido de ajuda prestada pelos outros para que cada um consiga mais facilmente e com maior segurança chegar a esse resultado. No sentido real: educação é o processo vital, que com o apoio e convívio social vai desdobrando as suas energias germinais interiores, que traz ao nascer, e conduzindo-as à plenitude atuante. Por meio dela é possível tomar posse do patrimônio cultural acumulado pelas gerações precedentes e, ao mesmo tempo, inserir-se como membro vivo e participante na comunidade em que se vive. Assim, Prado (1991) define educação como sendo a ajuda 2 prestada pelo mais velho para que a criança e o adolescente possam mais fácil e seguramente chegar ao seu pleno desenvolvimento como pessoa livre e inserida na vida social. A educação, portanto, tem o papel de auxiliar/ajudar e deve considerar as influências espontâneas de um sobre o outro na convivência social, que passa pelas expressões da arte e dos meios de comunicação. Para o autor, o processo educativo deve buscar a verdade e é uma condição necessária da vida do homem: só é homem pela educação. (Kant apud Prado, 1991, p. 34). Desta forma, o direito à educação é um direito natural, um direito que decorre da exigência da natureza, pois o propósito da educação deve ser a conquista da liberdade interior, como observa Prado (1991, p. 70), toda criança nasce escrava e se torna livre pela educação. A educação, portanto, passa a ser um direito do cidadão. A legislação brasileira garante este direito por leis e portarias, como por exemplo, por meio da Constituição Brasileira e mais recentemente pela Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, mais conhecida como LDB/96, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. De acordo com a definição da LDB/96, artigo 1º, a educação é um processo formativo que se desenvolve na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e demais organizações e manifestações culturais. Esta lei estabelece, em seu artigo 2º, que a educação é um dever, tanto do Estado como da família, e tem como finalidade o pleno desenvolvimento do educando, preparando-o para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Além disto, a legislação assegura em seu artigo 3º, inciso X e XI, que o ensino deverá ser ministrado com base na valorização da experiência extra-escolar e na vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais. 2 Para Prado (1991, p. 78), a palavra ajuda deve ser entendida no sentido de cooperação, ou seja, a educação não é a transmissão material de algo do educador ao educando, como o calor de um corpo quente se transfere para outro que é aquecido, mas um auxílio exterior que provoca o espírito do educando: é ele que aprende.

14 12 Em suma, a legislação brasileira prevê que as práticas de ensino devem considerar o contexto social e cultural do aluno. E entendemos que pelo menos para uma grande parcela de jovens, este ambiente sociocultural está imerso ao mundo digital por meio de diferentes dispositivos eletrônicos como: computadores, celulares, videogames etc. Como aponta o pesquisador Don Tapscott (1999), em seu livro: Geração Digital A crescente e Irreversível Ascensão da Geração Net, os jovens nascem na era da computação, dos aparelhos celulares, das telas sensíveis ao toque, dos vídeos games e não há como não considerar este contexto na formação sociocultural do aluno. Para Tapscott, a geração nascida e criada na tecnologia digital, está revolucionando os acontecimentos à nossa volta, está se desenvolvendo e nos impondo sua cultura, reformulando o modo como a sociedade e os indivíduos interagem. Mas como o autor alerta, é exigida uma boa administração por parte de empresários, educadores, pais e legisladores para orientar sua utilização. Acalmem-se todos. As crianças estão bem. Elas estão aprendendo, Elas precisam de melhores ferramentas, melhor acesso, mais serviços e mais liberdade para explorar, não o contrário. Em vez de hostilidade e desconfiança por parte dos adultos, precisamos de mudanças na maneira de pensar e no comportamento dos pais, educadores, legisladores e empresários. (TAPSCOTT, 1999, p. 07, grifo nosso). Assim, como observa Tapscott (1999), estamos diante de jovens que já nascem na era da tecnologia digital e mais do que nunca, precisam de orientação para que seus recursos sejam utilizados de forma segura, eficiente e com respeito à cidadania Educação Formal, Não-Formal e Informal A educação geralmente é dividida em três categorias: a educação formal, não-formal e informal. A educação formal ocorre quando se desenvolve sistematicamente planos para se atingir um determinado objetivo, com conteúdos e meios previamente traçados. É o que geralmente acontece nas escolas. Já a educação não-formal, como observam Park, Fernandes e Carnicel, organizadores do livro Palavras-chave em educação não-formal, de , constitui-se pela sua maior flexibilidade em relação à estrutura dos programas, da maneira como os conteúdos são abordados, da duração e do local, dos métodos utilizados, dos participantes envolvidos e de 3 PARK, Margareth Brandini; FERNANDES, Renata Sileiro. Para saber a diferença entre a educação nãoformal e a educação informal. Jornal da UNICAMP. Universidade Estadual de Campinas. 13/08/2007. p. 12.

15 13 seu objetivo. Como ressaltam os autores, a educação não-formal exerce um papel complementar e alternativo ao sistema formal-escolar. Assim, as principais diferenças entre a educação formal e não-formal, como observa Afonso (1989 apud PARK; FERNANDES, 2007, p. 12), podem ser pontuadas em termos de oposição, ou seja, poreducação formal entende-se o tipo de educação organizada com uma determinada sequência (prévia) e proporcionada pelas escolas, enquanto que a designação não-formal, embora obedeça a uma estrutura e a uma organização (mesmo que não seja essa a finalidade), diverge ainda da educação formal no que respeita a não-fixação de tempos e locais e a flexibilidade na adaptação dos conteúdos de aprendizagem a cada grupo concreto. Além da educação formal e não-formal, temos ainda a educação informal que é aquela que conhecemos desde o nosso nascimento, em que são aprendidos nossos deveres sociais, a relação de respeito, a convivência, a higiene, o respeito mútuo etc. Como observa Trilla (1996 apud PARK, FERNANDES, 2007, p. 12), a educação informal é toda gama de aprendizagens que realizamos (tanto no papel de ensinantes como de aprendizes), e que acontece sem que haja um planejamento específico e, muitas vezes, sem que nos demos conta.. Faz parte desta aprendizagem a percepção gestual, moral, comportamental, proveniente da relação com a família, amigos, colegas de trabalho, etc. (PARK, FERNANDES, 2007, p. 12). Para Prado (1991) a educação informal acontece geralmente por meio da convivência social, da vida em comum, não existindo um processo sistemático, intencional que nos conduza a elas. Desta forma, Prado (1991) aponta que tanto a educação formal como a informal podem ocorrem simultaneamente. Ou seja, não há momentos em que só aprendemos formalmente e outros em que só aprendemos informalmente. As duas formas de educação coexistem dentro e fora da escola. Logo, verifica-se, como apontam Marçal; Andrade; Rios (2005, p. 02), que a aprendizagem móvel, pode ocorrer tanto na educação formal, não-formal e na informal, pois ela permite ampliar os espaços de aprendizagem para além dos muros restritos da escola. Utilizando-se dos dispositivos móveis, é possível acessar e trocar informações a qualquer hora e em qualquer lugar e isto para os autores, amplia as oportunidades de aprendizagem. Ainda em relação à educação formal, Arnaldo Niskier, membro do Conselho Nacional de Educação e da Academia Brasileira de Letras, apresenta em seu livro: LDB A nova lei da

16 14 educação, de 1997, que a estrutura da educação formal no Brasil é bastante hierarquizada, ou seja, está dividida em dois grupos: educação básica, que abrange a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio e a educação superior. A LDB/96 define as finalidades e os objetivos de cada educação, como por exemplo, a educação infantil tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança (físico, psicológico, intelectual e social) até seis anos de idade, complementando a ação da família e da comunidade. Já o ensino fundamental terá como objetivo a formação básica do cidadão, que envolve desde o desenvolvimento da capacidade de aprendizagem; da compreensão do meio social, da tecnologia, das artes até o fortalecimento dos vínculos de família, laços de solidariedade e das relações sociais. O ensino médio, que compõe a etapa final da educação básica, a legislação define que ela terá como finalidade a consolidação/aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no ensino fundamental para que o educando possa prosseguir com seus estudos e que busque a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico do aluno. Além disto, assegura que o aluno deve ter uma compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria e a prática. Destaca-se ainda que o currículo do ensino médio, conforme o artigo 35 da LDB/96, deverá também abranger a educação tecnológica e as transformações sociais e culturais. E por fim, a educação superior tem por finalidade estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo, formando alunos para atuarem em diferentes áreas de conhecimento. Assim, como prevê a legislação, os conteúdos e as metodologias deverão ser organizados de forma que o aluno possa ter conhecimento tanto dos princípios científicos e tecnológicos da produção moderna, como das formas contemporâneas de linguagem. Portanto, entende-se aqui que os dispositivos móveis fazem parte das formas contemporâneas de comunicação e têm sido incorporados por diferentes setores da sociedade, em um processo contínuo de adaptação entre tecnologia e sociedade, e não poderá ficar fora das questões educacionais Tecnologia na educação Novas competências e novas metodologias? Em uma sociedade na qual todos se habituaram a votar, a comprar, a informar-se, a divertir-se, a procurar uma moradia, um emprego ou um sócio na Internet, talvez fosse melhor armar as crianças e os adolescentes nesse domínio, para reforçar sua identidade, sua capacidade de tomar distância, de resistir às manipulações, de proteger sua esfera pessoal, de não embrarcar em qualquer aventura duvidosa. (PERRENOUD, 2000, p. 136).

17 15 Para Philippe Perrenoud (in: PERRENOUD et al, 2002, p. 56), professor e pesquisador na área de psicologia e educação da universidade de Genebra, a prática didático-pedagógica vai muito além do conteúdo, ou seja, o professor deve lembrar que o simples domínio dos saberes disciplinares não dispensa saberes pedagógicos. Portanto, a metodologia é indispensável para o ensino. Assim, diante das possibilidades do uso de dispositivos móveis na educação, percebe-se a necessidade de criar ou adaptar práticas de ensino a este novo ambiente educacional, em que educação e tecnologia se relacionam e interconectam. Formar para as novas tecnologias é formar o julgamento, o senso crítico, o pensamento hipotético e dedutivo, as faculdades de observação e de pesquisa, a imaginação, a capacidade de memorizar e classificar, a leitura e a análise de textos e de imagens, a representação de redes, de procedimento e de estratégias de comunicação. (...) A alternativa seria, evidentemente, desenvolver o julgamento e a autonomia. (PERRENOUD, 2000, p. 128). Como aponta Monica Gather Thurler (in: PERRENOUD et al, 2002, p. 83), que também é professora e pesquisadora na área de psicologia e educação da universidade de Genebra, os avanços de novas metodologias ocorrem com maior fluidez quando os professores passam a refletir sobre suas atividades diárias e se tornam pesquisadores no interior de sua prática. Isto contribui, segundo a autora, para que as novas metodologias de ensino sejam efetivamente adotadas no processo educacional. Sabe-se que a incorporação da tecnologia na educação ainda é um desafio, pois requer mudanças nas práticas pedagógicas. De acordo com Guimarães (2005 in: OLIVEIRA; VIGNERON (orgs), 2005, p. 21), coordenador do programa de Educação Continuada e a Distância UMESP, é preciso considerar que as pessoas vivenciam de forma diferenciada os processos de mudanças, pois gente não é máquina e as emoções, o corpo e a mente somamse para avaliar o que se propõe a mudar. Portanto, para o autor, a ênfase para sua incorporação deve ser dada não na tecnologia, mas sim nas pessoas. Ele propõe que a tecnologia deve praticamente desaparecer no ambiente educacional, ou seja, deve ser utilizada como qualquer outro recurso para favorecer a aprendizagem. Assim, de acordo com o autor, o uso da tecnologia exige ética, organização, planejamento, condições tecnológicas e principalmente, pessoas capacitadas. A diferença é que a tecnologia amplia os espaços físicos de atuação e permite uma nova racionalidade do tempo de estudo, tanto para o docente quanto para o discente. (GUIMARÃES in: OLIVEIRA; VIGNERON (orgs), 2005, p. 21)

18 16 Em outras palavras, Fullan (1999 apud THURLER in: PERRENOUD et al, 2002, p. 97), apresenta que o destino para a inovação educacional depende do que os professores pensam e fazem, pois são eles que colocam em prática, junto com os alunos, as novas idéias pedagógicas. Desta forma, conforme estes autores, as transformações dependem tanto dos objetivos, conteúdos e da técnica a ser adotada, como também na forma como os atores envolvidos neste processo (escola, professor, aluno) irão captar e engajar nas novas propostas pedagógicas. Além disto, faz-se necessário que os dispositivos tecnológicos que podem proporcionar diferentes situações de aprendizagem, devem ter por objetivo garantir aos alunos a coerência e a continuidade do processo de aprendizagem. O ofício do professor redefine-se: mais do que ensinar, trata-se de fazer aprender. (PERRENOUD, 2000, p. 138). Como sugere Perrenoud (2002), o aluno deve ser incentivado a aprender-a-aprender, pois não adianta observar se não se sabe interpretar. Não adianta saber interpretar se não se sabe decidir. E não adianta decidir se é incapaz de concretizar suas decisões. (PERRENOUD in: PERRENOUD et al, 2002, p. 56). A verdadeira incógnita é saber se os professores irão apossar-se das tecnologias como um auxílio ao ensino, para dar aulas cada vez mais bem ilustradas por apresentações multimídia, ou para mudar de paradigma e concentrar-se na criação, na gestão e na regulação de situações de aprendizagem. (PERRENOUD, 2000, p. 139) Teorias de aprendizagem Algumas teorias de aprendizagem Este capítulo foi baseado no livro: Ensino: as abordagens do processo, da professora Maria da Graça Nicoletti Mizukami (1986), que apresenta um panorama geral das teorias de aprendizagem que mais influenciaram a educação brasileira. Para a educadora, a prática diária do professor é o resultado de suas próprias experiências e condições vividas, a partir do filtro que ele mesmo faz das diferentes teorias de aprendizagem. De acordo com Mizukami (1986), podemos partir do pressuposto de que no Brasil tenham sido cinco as abordagens que mais possam ter influenciado a didática adotada pelo professor, são elas: Tradicional ; Comportamentalista ; Humanista ; Cognitivista e Sócio-cultural.

19 17 Assim, este capítulo busca elencar estas teorias de aprendizagem, na tentativa de tentar entender as práticas pedagógicas que mais são aplicadas dentro da sala de aula e em quais situações o dispositivo móvel seria mais eficientemente incorporado. Este capítulo não tem a pretensão de esgotar os significados de cada uma das teorias de aprendizagem, apenas tecer um panorama geral. Na abordagem tradicional, o ensino em todas as suas formas, está centrado no professor, no programa e nas disciplinas. O aluno apenas executa prescrições que lhe são fixadas. O homem, nesta abordagem, é considerado como inserido em um mundo que irá conhecer através de informações que serão oferecidas a partir do que se decidiu serem as mais importantes e úteis para ele. Portanto, o homem é considerado como sendo uma espécie de tábua rasa, na qual são impressas, progressivamente, imagens e informações fornecidas pelo ambiente. Como observa Mizukami (1986), o aluno é um receptor passivo e o sistema de ensino é baseado na educação bancária (FREIRE, 1975c apud MIZUKAMI, 1986, p. 10), ou seja, se caracteriza por depositar no aluno, informações, dados, fatos etc. Assim, o aluno nada mais é do que um ser passivo, um receptáculo de conhecimentos escolhidos e elaborados por outros para que ele deles se aproprie. (MIZUKAMI, 1986, p. 18). Na abordagem comportamentalista, o conhecimento é o resultado direto da experiência e da descoberta. Porém, o que foi descoberto pelo indivíduo, já se encontrava presente na realidade exterior. O ensino é composto por padrões de comportamento que podem ser mudados através de treinamento, conforme os objetivos previamente fixados. Um dos grandes pesquisadores desta abordagem e que muito influenciou o Brasil, foi Burrhus Frederic Skinner ( ). A educação, na visão comportamentalista, deverá transmitir informações, assim como comportamentos éticos, práticas sociais, habilidades consideradas básicas para a manipulação e controle do mundo/ambiente (cultural, social, etc.). Os comportamentos desejados dos alunos serão instalados e mantidos por condicionantes, tais como elogios, notas, prêmios, reconhecimentos do mestre e dos colegas, prestígio etc. Enfim, nesta abordagem considera-se que o meio pode ser controlado e manipulado e, consequentemente, o homem também. Na abordagem humanista a ênfase é dada no papel do sujeito como principal elaborador do conhecimento humano. O ensino é centralizado no aluno, nas relações interpessoais e no crescimento que delas resultam. O professor, nesta abordagem, não transmite conteúdo, mas dá assistência, sendo um facilitador da aprendizagem. O conteúdo advém das próprias experiências dos alunos e a atividade é considerada um processo natural realizada por meio da

20 18 interação com o meio. O professor não ensina: apenas cria condições para que os alunos aprendam. Não existem, portanto, modelos prontos nem regras a seguir, mas um processo de vir-a-ser. (MIZUKAMI, 1986, p. 38). Nesta abordagem, o homem é consciente da sua incompletude, tanto no que se refere ao mundo interior self, quanto ao mundo exterior e também tem consciência que é um ser em transformação e responsável em transformar a realidade. Portanto, o mundo é algo produzido pelo homem diante de si mesmo (Idem, p. 41). Além disso, nenhum indivíduo conhece realmente, pois se conhece apenas o que por ele é percebido - o homem só conhece pela experiência. Assim, nesta abordagem, a educação é centrada no aluno (que é o principal responsável pela aprendizagem) e o professor tem um papel de facilitador da aprendizagem. Na abordagem cognitivista são consideradas as formas pelas quais as pessoas lidam com os estímulos do ambiente, organizam os dados, resolvem os problemas, adquirem conceitos e usam símbolos verbais. Apesar de haver preocupação com relações sociais, a ênfase é dada na capacidade do aluno de integrar informações e processá-las. Esta abordagem é predominantemente interacionista, ou seja, o homem e o mundo são analisados conjuntamente. Um dos seus principais representantes é o suíço Jean Piaget ( ) que considera o conhecimento um produto da interação entre homem e mundo, entre sujeito e objeto, não se enfatizando pólo algum da relação. O núcleo do processo de desenvolvimento é baseado em um modelo progressivo de adaptação assimilição e acomodação ; na superação contínua em direção a novas e complexas estruturas. O conhecimento, portanto se dá por meio de uma construção contínua e é essencialmente ativo. A aquisição do conhecimento pode ocorrer em duas fases: exógena (assimilação), fase da simples constatação, da cópia, da repetição, e fase endógena (acomodação), fase da compreensão das relações, das combinações. Considera-se como verdadeiro conhecimento a fase endógena, pois pressupõe uma abstração. O processo educacional tem um papel importante nesta abordagem, pois pode provocar situações de desequilíbrio no aluno, ou seja, criar atividades para a solução de problemas e desafios, quebrando a rotina, incentivando o diálogo e o debate adequados ao nível de desenvolvimento do aluno. Assim, o objetivo da educação, não consistirá na simples transmissão de informações, mas sim em que o aluno aprenda a buscar por si próprio. O ensino, portanto, deverá priorizar as atividades do sujeito, considerando-o inserido numa situação social e ser baseado em atividades de ensaio e erro, pesquisa, investigação, solução de problemas por parte do aluno. Enfim, é necessário incentivar o aluno a aprender a aprender, a respeitar o outro, trocar de informações e pontos de vista.

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A Revolução do Ensino a Distância Enir da Silva Fonseca Coordenador de Pólo EAD Campus Guarujá UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Resumo O TRABALHO DOCENTE DO PROFESSOR TUTOR NA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Alecia Saldanha Manara- UNISC- gringamanara@yahoo.com.br Indiara Freitas- UNISC- indi.enfa@hotmail.com As novas tecnologias, principalmente

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA

EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA EDUCAÇÃO CONVENCIONAL X EDUCAÇÂO MEDIADA por Anelise Pereira Sihler é Pedagoga, Especialista em Gestão de Pessoas, Gestão Educacional, Educação a Distância, Educação colaborativa, Relações Humanas, mestre

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP

O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP O USO INTELIGENTE DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO José A. Valente NIED - UNICAMP INTRODUÇÃO O que seria a utilização do computador na educação de maneira inteligente? Seria fazer aquilo que o professor faz tradicionalmente

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

Produção de saberes através de redes sociais na internet

Produção de saberes através de redes sociais na internet Produção de saberes através de redes sociais na internet Adriana Batista Bastos Ananda Alves de Souza Eliene Machado Santana Robério Pereira Barreto Introdução Resumo: O presente trabalho discute as possibilidades

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

Saberes da Docência Online

Saberes da Docência Online Saberes da Docência Online Edméa Santos Professora do PROPED-Faculdade de Educação da UERJ E-mail: mea2@uol.com.br Web-site: http://www.docenciaonline.pro.br/moodle http://www.proped..pro.br/moodle Fones

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Novas tecnologias X Trabalhos velhos

Novas tecnologias X Trabalhos velhos Novas tecnologias X Trabalhos velhos "O laboratório de computador: uma má ideia, atualmente santificada" Gavriel Salomon Há 20.000 anos, quando nossos ancestrais habitavam as cavernas, as crianças... Certo

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL.

INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL. 1 INTEGRAÇÃO DOS PARADIGMAS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO COM OS PILARES DA EDUCAÇÃO PARA O SÉCULO XXI 1 E ABORDAGENS DA ANÁLISE TRANSACIONAL Paradigmas da educação Competências Paradigmas contemporâneos

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS

A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS TIC Y EDUCACIÓN A FORMAÇÃO DOCENTE PARA AQUISIÇÃO DE HABILIDADES NO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS Vanessa de Fátima Silva Moura 1 Teresinha de Jesus Nogueira 2 Sibelle Gomes Lima 3 Maria Fernanda

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP 1 A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: ESTUDO NA UNICAMP Campinas, S.P. - Maio 2014 Gilberto Oliani - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) gilberto.oliani@gmail.com Investigação Científica

Leia mais

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Francisco Rolfsen Belda e-mail: belda@faac.unesp.br Danilo Leme Bressan e-mail: danilo.bressan@gmail.com.br

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD

Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD 1 Curso Técnicas, Legislação e Operação de Sistemas de Educação a Distância (EAD) Módulo/Disciplina Tecnologia Educacional em EAD Unidade I Material Instrucional - Texto 1. Introdução Qualquer que seja

Leia mais

AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE

AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE AVANÇOS DAS AÇÕES EDUCATIVAS EM EAD, UTILIZANDO TELEDUC, DESENVOLVIDAS NA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DE SANTOS COMPARTILHANDO SABERES NA REDE Santos/SP- 02/2014 Carlos Eduardo da Silva Fontoura SEDUC/Santos

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais