A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009"

Transcrição

1 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA/ NPCHS/LAES. A cidade de Manaus localizada a margem esquerda do Rio Negro, sofreu com as consequências da cheia histórica, considerada a maior do século, ocorrida durante o mês de Junho do ano de A principal causa da elevação do nível das águas está relacionada principalmente a grande intensidade de chuvas, aumentando a sua vazão até o encontro com o rio Amazonas, o que teve como consequência o aumento do seu volume. O resultado dessa ordem de eventos foram os impactos sentidos em maiores proporções nos bairros mais populosos localizados à orla do rio, sendo suas ações mais notáveis nas alterações de ordem física e social, principalmente em lugares como o Centro da cidade, pelo fator comercial e a oeste, na praia da Ponta Negra com o turismo. Na ciência Geográfica é possível compreender os fatos que se sucedem, permitindo fazer uma análise da espacialização desses impactos, mostrando através da sua ótica as situações vivenciadas pela sociedade manauara em um determinado período. Fluxograma 01 A relação da cheia e a ordem de fatores que levaram a ocorrência dos 1

2 impactos. 2. OBJETIVOS: Geral Identificar através de uma abordagem geossistêmica e de formação social as principais ocorrências de impactos gerados pela grande cheia do rio Negro, através dos fatores de ordem climática na Amazônia, responsáveis pelo controle da sua dinâmica fluvial e, consequentemente, as alterações do cotidiano causadas à sociedade manauara, para assim propor medidas e soluções para lidar com possíveis cheias em ocasiões futuras (com a repetição de eventos desta ordem em ocasiões futuras) Objetivo Específico 1 Realizar uma análise dos fatores climáticos e um estudo do regime fluvial do rio Negro, responsáveis pela cheia na cidade de Manaus; 2.3 Objetivo Específico 2 Descrever os impactos negativos da cheia ocorridos no Centro da cidade de Manaus, a alteração da paisagem e a situações enfrentadas nas áreas comerciais; Objetivo Específico 3 Mostrar os impactos positivos da cheia na praia da Ponta Negra, a gravitacionalidade gerada através do turismo, o aquecimento do comércio com a presença de pessoas de diferentes classes sociais atraídas pela inundação dos calçadões na orla. 3. METODOLOGIA A relação dos impactos ocorridos na cidade de Manaus apresenta na ótica do empirista um contraste de aspectos diferenciados para a análise e pesquisas de impactos (COELHO, 2000), sendo que a cheia não afetou a cidade de forma homogênea, o que possibilita um recorte das afetadas em unidades espaciais de análise (Figura 01), onde podemos compreender por meio de uma abordagem geossistêmica e de formação social de estudos realizados na orla de Manaus (COSTA, 2005) para compreensão da importância desses locais para a cidade (sua gravitacionalidade através de forças centrípetas), além da sua significância na economia e no cotidiano através das relações sociais e do fator espaço-tempo, assim integrando os fatores climáticos, fluviais e sociais (AB SÁBER, 2004). 2

3 Figura 01 Unidades Espaciais de Análise: locais afetados pelos impactos da cheia. FONTE: Google Earth / Elaboração: LOPES, D.M. 4. RESULTADOS PRELIMINARES Durante o mês de Junho do ano de 2009 a cidade de Manaus, localizada a margem esquerda do Rio Negro, com uma população estimada de habitantes (IBGE: 2009), sofreu com as consequências da maior cheia até então já registrada. As causas que nos levam a compreender os fatores responsáveis pela elevação do nível das águas apontam para o aumento na intensidade de chuvas, estas que tornaram maior a sua vazão até o encontro com o rio Solimões, consequentemente elevando o seu volume e inundando toda a borda oeste e sul da cidade. O que se seguiu foi uma série de ocorrências de inundações, principalmente na orla do rio Negro e nas proximidades dos igarapés (canais fluviais), onde há grande concentração de moradias e de propriedades públicas e privadas utilizadas para atividades econômicas ou sociais, originando assim os impactos. Estes foram mais notáveis em áreas como no Centro 3

4 da cidade, uma zona comercial e na praia da Ponta Negra, localizada a 12 km ao Oeste do Centro de Manaus, local característico para o turismo e para o lazer. A relação dos impactos ocorridos nas áreas abordadas comporta uma maneira diferenciada para analisar o contraste da situação, sendo que ambas as áreas são consideradas referenciais no âmbito comercial e turístico da cidade O CLIMA COMO FATOR DETERMINANTE PARA A CHEIA DO RIO NEGRO A dinâmica fluvial do rio Negro (com regimes de cheias e estiagens) deve-se a fatores climáticos que controlam a situação em períodos de chuvas e secas. O aumento do volume de água é consequência das chuvas torrenciais na nascente e nas calhas do rio, sendo que o período de chuvas na região estende-se de novembro a maio, porém alcançando o seu auge no mês de abril (Gráfico 01 - Precipitação), resultado do acúmulo de umidade sobre as camadas atmosféricas da própria Amazônia e do aquecimento e vaporização de águas oceânicas. Esta umidade chega ao solo em forma de precipitação, que se torna frequente e atua aumentando o fluxo das águas da sua nascente, localizada próxima ao município de São Gabriel da Cachoeira, no noroeste do Estado, como também pelos seus afluentes em toda a sua bacia. Precipitação na Amazônia (mm - milímetros) Maiores cotas do rio Negro (m - metro) Gráfico 01 Índices pluviométricos da Amazônia (à esquerda); e as maiores índices de cheias já registradas do rio Negro (à direita). FONTES: INMET,CPRM e ANA. / Elaboração: LOPES, D.M. 4

5 4.2 - O RIO NEGRO A água flui por toda a extensão do rio Negro, passando pelo sítio urbano de Manaus e chegando até a confluência com o rio Amazonas, onde há represamento proveniente da diferença entre ambos os rios em fatores como densidade, acidez, temperatura, entre outros, o que controla o fluxo da sua vazão (SIOLI, 1951). Estas ações somadas implicam na elevação do nível de suas águas inundando as áreas de várzea, onde existem moradias sem infraestrutura para suportar as enchentes, o que aumenta as ocorrências de alagações. O CPRM (Serviço Geológico do Brasil) é o órgão encarregado de monitorar as cheias do rio Negro, estas que vem sendo feitas desde o ano de As maiores médias já registradas foram nos anos de 1953 (29,69 metros); 1976 (29,61 metros); e 1989 (29,42 metros), com o índice da cota de 2009 atingindo 29,71 metros (Gráfico 01 - maiores cotas do rio Negro) A CIDADE DE MANAUS AFETADA PELA CHEIA DE 2009 Na cidade de Manaus houve um impacto muito grande, pelo fato da cidade tem inúmeros canais com suas respectivas micro bacias, áreas de moradia de grupos sociais com pouco poder aquisitivo, com pouca ou sem condições de residir em locais com infraestrutura. Os bairros localizados a margem do rio e cortados por canais foram os mais afetados, contudo, os contrastes mais notáveis ocorreram no Centro da cidade e na praia da Ponta Negra OS IMPACTOS NEGATIVOS NO CENTRO: AS ALTERAÇÕES NO FATOR COMERCIAL O Centro está localizado a margem do rio Negro entre as rias do igarapé do Educandos e do São Raimundo. É um lugar caracteristicamente comercial, pois abriga uma grande variedade de lojas, restaurantes e também histórico, com construções do período colonial. Realizando uma análise através do metabolismo urbano (AB SÁBER, 2004), esta localidade de Manaus compreende um sistema de drenagem desenvolvido com galerias pluviais construídos pelos ingleses no final do Século XIX para fluir a carga de água da chuva e também o esgoto doméstico, sendo que nos dias de hoje não mais atende as necessidades 5

6 da população. Elas ainda são utilizadas por moradores e comerciantes do centro, sendo que há pouca ou nenhuma manutenção dessas galerias, ocasionando constantes problemas de escoamento. Figura 02 As ruas mais próximas a margem do rio foram diretamente afetadas com a inundação e o comercio da localidade sofreu com a falta de mercadorias e consumidores. FONTES: LOPES, D.M. e BARBOSA, M.S. Com a elevação do nível do Rio Negro, estas galerias tornaram-se ineficientes e passou a fluir sua vazão para a rede de drenagem extravasando nas ruas e esgotos um volume considerável de água somado a detritos. As ruas e acessos próximos a margem foram os mais afetados, restringindo a passagem de pessoas e impedindo o tráfego de veículos, inundando comércios e residências, trazendo grande ordem de prejuízo material e consequentemente econômico, pois suas características enfatizam uma importante área comercial, com um grande fluxo de mercadorias e consumidores. Figura 03 A situação das ruas inundadas: moradores e comerciantes passam a adaptar-se 6

7 com as novas condições e utilizam para isso os meios mais viáveis. FONTE: LOPES, D.M. e BARBOSA, M.S. 4.5 OS IMPACTOS POSITIVOS NA PRAIA DA PONTA NEGRA A praia da Ponta Negra também localizada na orla do Rio Negro está a doze quilômetros de distância do Centro de Manaus, nas adjacências do Igarapé do Tarumã-Açu. A sua praia é referencia como local de entretenimento e lazer, constituindo-se essencialmente por pacotes de areia, com uma orla formada por taludes protegidos em certos momentos por contenções. A mudança da paisagem evidenciou um dos mais notáveis impactos físicos, com a inundação por completo da praia, fazendo o nível das águas alcançarem a altura dos taludes e transbordarem nas proximidades dos calçadões, onde há pistas utilizadas para práticas desportivas e ciclovias. Ao contrário dos acontecimentos ocorrentes no centro da cidade, a situação refletiu-se em um aspecto positivo, atraindo a presença de banhistas, e também aquecendo o faturamento de vendedores ambulantes e comerciantes. Os apartamentos localizados frente à praia são habitados por pessoas que pertencem às classes sociais com um maior poder aquisitivo, sendo que, boa parcela das pessoas que frequentam a praia, os bares e pequenos restaurantes são das classes mais baixas. Figura 04 Parte do calçadão da praia da Ponta Negra tomado pela enchente (esquerda); Banhistas e curiosos são atraídos para as partes inundadas a fim de observarem a mudança na paisagem na localidade (direita). FONTE: LOPES, D.M. e SILVA, L.G. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS 7

8 Podemos concluir que uma série de fatores naturais refletem através de alterações na sociedade, permitindo observações de aspectos positivos como os evidenciados na praia da Ponta Negra e negativos no Centro da cidade, onde houve danos a infraestrutura ao comércio e a circulação de pessoas. Com o conhecimento de tais aspectos torna-se possível fundamentar um trabalho de cunho interdisciplinar, a fim de buscar meios para minimizar esses impactos quando houver novos indícios de situações idênticas ou até mesmo de maior grandeza. A dinâmica espacial das enchentes não afetou a cidade de forma homogênea, houve uma diferenciação de impactos, por isso a constituição de duas unidades espaciais de análise, paisagisticamente diversas, ambas com forças centrípetas e densidades diferentes não somente na economicidade, mas também no cotidiano (espaço-tempo e relações sociais e história em movimento) manauara. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS AB SÁBER, Aziz Nacib (org.). Previsão de impactos: o estudo de impacto ambiental no leste, oeste e sul: experiências no Brasil, na Rússia e na Alemanha. São Paulo: Edusp, 1994;. A sociedade urbano-industrial e o metabolismo urbano: mais do que nunca há a necessidade de interação entre a ecologia social e as peculiaridades do metabolismo urbano nas grandes cidades. São Paulo, 2004; COSTA, Reinaldo Correa. Áreas de risco no sítio urbano de Manaus: geossistema e formação social como fundamentos de análise. 2005; COELHO, M.C.N. Impactos ambientais em áreas urbanas - teorias, conceitos, métodos de pesquisa In: GUERRA, Antônio José Teixeira; CUNHA, Sandra Baptista da (organizadores). Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000; SIOLI, Harald. Amazônia: fundamentos da ecologia da maior região de florestas tropicais. Tradução de Johan Becker. Petrópolis: Ed. Vozes, 1951; OUTRAS FONTES: 8

9 Agencia Nacional de Águas - ANA. Informações e dados acerca da bacia hidrográfica amazônica. Disponível em: <http://www2.ana.gov.br/paginas/portais/bacias/amazonica.aspx>. Acesso em: 14 de Maio de 2010; Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. IBGE Cidades Dados populacionais. Disponível em: < Acesso em: 25 de Maio de 2010; Serviço Geológico Brasileiro - CPRM. Informações e dados acerca dos recursos hidrológicos na Amazônia. Disponível em: < Acesso em: 14 de Abril de 2010; Instituto Nacional de Meteorologia - INMET. Gráficos Climatológicos para as capitais brasileiras. Disponível em: us%2c&peri=&precipitacao=2&manaus=28&tempmed=4&enviar=visualizar> Acessado em: 26 de Maio de

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2013 Boletim n o. 32 19/09/2013 Boletim de acompanhamento - 2013 1. Figura 01: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) ANÁLISE GEOGRÁFICA DAS ÁREAS DE RISCO EM MANAUS (AMAZONAS, BRASIL) Karla Regina Mendes Cassiano Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia karlamendes@inpa.gov.br Reinaldo Corrêa Costa Instituto Nacional

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2015 Boletim Nº. 31 14/08/2015 Boletim de acompanhamento - 2015 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a figura 01 e as tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA AMAZÔNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: A CRIAÇÃO DO COMITÊ DE MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TARUMÃ-AÇU, MANAUS AM BRASIL

UMA EXPERIÊNCIA AMAZÔNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: A CRIAÇÃO DO COMITÊ DE MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TARUMÃ-AÇU, MANAUS AM BRASIL UMA EXPERIÊNCIA AMAZÔNICA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS: A CRIAÇÃO DO COMITÊ DE MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TARUMÃ-AÇU, MANAUS AM BRASIL Profº Esp. Francisco Emerson Vale Costa SEDUC/PA PPGEO/UFPA

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2015 Boletim Nº. 03 23/01/2015 Boletim de acompanhamento - 2015 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a figura 01 e as tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE

ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE Diego Teixeira de Araújo Universidade Federal do Ceará diegogeoufc@gmail.com ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE INTRODUÇÃO O litoral hoje se constitui como importante área de lazer, veraneio, vilegiatura,

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Letícia Celise Ballejo de Oliveira Roberto Cassol leticelise@yahoo.com.br, rtocassol@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria - UFSM UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2015 Boletim Nº. 04 30/01/2015 Boletim de acompanhamento - 2015 1. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com a figura 01 e as tabelas I e II, em termos estatísticos,

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DE ÁREAS DE RISCO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS URBANIZADAS: A BACIA DO MINDU EM MANAUS (AM)

ANÁLISE GEOGRÁFICA DE ÁREAS DE RISCO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS URBANIZADAS: A BACIA DO MINDU EM MANAUS (AM) Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia ANÁLISE GEOGRÁFICA DE ÁREAS DE RISCO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS URBANIZADAS: A BACIA DO MINDU EM MANAUS (AM) Reinaldo Corrêa Costa Karla Mendes Introdução Manaus

Leia mais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais BRASIL NO MUNDO: Linha do Equador: 93% Hemisfério Sul 7% Hemisfério Norte Trópico de Capricórnio: 92% zona Tropical 8% Zona temperada do Sul Nossas fronteiras-problema : ( FARC ) Colômbia: Narcotráfico

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Questões Climáticas e Água

Questões Climáticas e Água Questões Climáticas e Água Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP-2012) O mapa abaixo indica a ocorrência de queda de neve na América do Sul. Observe o mapa e responda às questões. a) Que fatores

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni

PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. Paulo Nobukuni 1 PERÍCIA AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Paulo Nobukuni RESUMO: O objetivo foi tratar sobre elementos da perícia ambiental como mobilizadores sociais, ocorrendo o estudo em trechos inundáveis da bacia

Leia mais

FUVEST Resolvida 12/Janeiro/2016

FUVEST Resolvida 12/Janeiro/2016 pra quem faz questão das melhores faculdades Resolvida 12/Janeiro/2016 2 a Fase - 3 o Dia - Geografia Observe o mapa a seguir. Considere o trabalho análogo à escravidão no meio rural brasileiro. a) Indique

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão

Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão Usos de Imagens de Satélite, Estimativa Quantitativa de Precipitação e Previsão de Precipitação a Curto Prazo pela Agência de Meteorologia do Japão 26 de Fevereiro de 2014 Departamento de Previsão, Divisão

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

CDP Cities 2016. Atividade prática

CDP Cities 2016. Atividade prática CDP Cities 2016 Atividade prática A) Contexto da cidade e Governança. A cidade fictícia está localizada no litoral brasileiro, no estado de Santa Catarina. Possui 1,5 milhões de habitantes e atividade

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN

URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN URBANIZAÇÃO E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DAS APP S DOS RIOS SERIDÓ E BARRA NOVA, EM CAICÓ/RN Resumo expandido - Avaliação e Estudos de Impactos Ambientais Manoel Cirício Pereira Neto

Leia mais

Áreas de Risco em Manaus: Inventário preliminar. Denise Rodrigues Cruz Karla R. Mendes Cassiano Coord. Reinaldo Corrêa Costa

Áreas de Risco em Manaus: Inventário preliminar. Denise Rodrigues Cruz Karla R. Mendes Cassiano Coord. Reinaldo Corrêa Costa Áreas de Risco em Manaus: Inventário preliminar Denise Rodrigues Cruz Karla R. Mendes Cassiano Coord. Reinaldo Corrêa Costa Fevereiro 2009 Sumário Introdução Bases de Reflexão e Procedimentos 1. Bacia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Para entender melhor como os alagamentos no bairro afetam a população local e quais os fatores responsáveis direta ou indiretamente por esses

Para entender melhor como os alagamentos no bairro afetam a população local e quais os fatores responsáveis direta ou indiretamente por esses INTRODUÇÃO A medida em que a cidade cresce durante o processo de expansão urbana, as pessoas mais pobres são expulsas dos centros e das áreas nobres da cidade e de maneira induzida são direcionadas a novos

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS

ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS ANTROPIZAÇÃO NO BAIRRO DA GLÓRIA E IMPACTOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS Roberto Epifânio Lessa beto.lessa.epifanio@hotmail.com /Bolsista FAPEAM Márcia Regina Albuquerque Alves marciaregina.geo@gmail.com /Bolsista

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

1 INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 AMBIENTE E LAZER: análise da percepção ambiental dos freqüentadores da praia ponta d areia em São Luís-MA Josélio Oliveira de AMORIM (UFMA/LEBAC/GEOTEC) joseliogeografo@yahoo.com.br Márcia Talídia Ferreira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ASPECTOS HIDROGEOMORFOLÓGICOS E SOCIOECONOMICOS DOS PONTOS ALAGÁVEIS DO CANAL JOSÉ LEAL MARTINS, BELÉM-PA. Rafaela Braga da Silva 11190002701 Roberta Pena Fortes 11035002801

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

EDITAL 019/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: Transporte Fluvial

EDITAL 019/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: Transporte Fluvial PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 019/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: Transporte Fluvial O Projeto BRA/06/032 comunica

Leia mais

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas.

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. Conteúdos do 3º bimestre para o 1º Ano do Ensino Médio na disciplina de Geografia, de acordo com o currículo mínimo estabelecido pela SEEDUC / RJ

Leia mais

LÓGICAS ESPACIAIS DAS EMPRESAS FRANQUEADAS DO RAMO COMERCIAL DE CONFECÇÕES E CALÇADOS: CIDADES MÉDIAS E CONSUMO

LÓGICAS ESPACIAIS DAS EMPRESAS FRANQUEADAS DO RAMO COMERCIAL DE CONFECÇÕES E CALÇADOS: CIDADES MÉDIAS E CONSUMO LÓGICAS ESPACIAIS DAS EMPRESAS FRANQUEADAS DO RAMO COMERCIAL DE CONFECÇÕES E CALÇADOS: CIDADES MÉDIAS E CONSUMO Ariane Barilli de Mattos Graduação em Geografia Faculdade de Ciências e Tecnologia ane_cbj@hotmail.com

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM LEVANTAMENTO DE ÁREAS DE RISCO ALTO E MUITO ALTO A DESLIZAMENTOS E INUNDAÇÕES NO ESTADO DO PARANÁ Pedro Augusto dos Santos Pfaltzgraff Maria Emilia R. Brenny Obje8vos:

Leia mais

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Andressa Stefany Teles 1 Flávia Ferreira dos Santos 2 Jasmine Cardozo Moreira 3 RESUMO Impactos

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento Rávila Marques de Souza Mestranda em Engenharia do Meio Ambiente Setembro 2012 Bacia Hidrográfica

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE.

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E OS PROBLEMAS AMBIENTAIS OCASIONADOS POR INUNDAÇÕES URBANAS NO RIO MARANGUAPINHO: O BAIRRO HENRIQUE JORGE, FORTALEZA- CE. Karinne Wendy Santos de Menezes Universidade Estadual do

Leia mais

Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca

Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca Departamento de Geografia e Meio Ambiente Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca Introdução/Justificativa: Aluna: Izânia

Leia mais

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa B

Questão 45. Questão 47. Questão 46. alternativa D. alternativa B Questão 45 O aumento do número de mortes de soldados das forças de ocupação do Iraque, mesmo após o anúncio do final da guerra pelo governo dos Estados Unidos, deve-se à a) participação tardia da Rússia,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL*

A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL* A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL* Resumo Luiza Gehrke Ryff Moreira 1 A bacia hidrográfica do Arroio Dilúvio

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Geografia

Processo Seletivo 2011-2 Geografia Geografia 1) Gabarito oficial definitivo sem distribuição dos pontos - Questão 1 Para o movimento de Rotação: Causas: inclinação do eixo terrestre ou movimento da terra em torno dela mesma. Conseqüências:

Leia mais

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Wanderli P. Tadei 1, Ilea B. Rodrigues 1, Joselita

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BAIRRO DA MARAMBAIA, BELÉM-PA: UM ESTUDO DE CASO Evandro Neves evandronevez@live.com Universidade do Estado do Pará Filipe Dias Evandro Neves li.pedias@hotmail.com Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas

A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas Seminário Enchentes II Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre IAB-SP / FAUUSP IE-SP / ABES/ IAB-SP / SINAENCO 11 de agosto 2010 1 O Sítio

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO PLANEJAMENTO TERRITORIAL E TURISMO: UM ESTUDO DAS ESTÂNCIAS TURÍSTICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RIBEIRO, RENATA MARIA 1 MARGARETE ARAUJO TELES 2 Resumo: Esse estudo defende a pertinência em aliar o planejamento

Leia mais

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso.

O trabalho compreende a análise de três TCC - Trabalho de Conclusão de Curso. III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães RISCO AMBIENTAL E VULNERABILIDADE: DISCUSSÃO CONCEITUAL A PARTIR DE TRABALHOS

Leia mais

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Ingo Daniel Wahnfried * * Departamento de Geociências, ICE, Universidade Federal do Amazonas Manaus/AM Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO DE REDES DE SENSORES SEM FIO COMO FERRAMENTA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE ALERTAS ANTECIPADOS DE EMERGÊNCIAS NO ESTADO DA PARAÍBA BRITO 1, Antônio Cavalcanti CARVALHO 2, Fabricio Braga Soares MARINHO

Leia mais

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio

CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE. Prof. Clésio CAP. 20 REGIÃO CENTRO- OESTE Prof. Clésio 1 O MEIO NATURAL E OS IMPACTOS AMBIENTAIS A região Centro- Oeste é formada pelos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Ocupa cerca

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS DA NATUREZA Clima urbano e qualidade socioambiental Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim João Lima Sant Anna Neto Este projeto tem como objetivo identificar como se processa a produção do clima urbano em cidades

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007

XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 XII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Natal, 9 a 13 de Julho de 2007 Eixo Temático: Cidades e Regiões Metropolitanas: a Geografia frente aos problemas

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO

MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS. Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 RESUMO MAPEAMENTO DA SUSCETIBILIDADE E PERIGO DE INUNDAÇÃO EM ROSÁRIO DO SUL-RS Anderson Augusto Volpato Sccoti 1 Daniel Junges Menezes 2 1 Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Geociências asccoti@yahoo.com.br

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM

BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM BACIA HIDROGRÁFICA OU BACIA DE DRENAGEM Constituída pelo conjunto de superfícies que, através de canais e tributários, drenam a água da chuva, sedimentos e substâncias dissolvidas para um canal principal

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS NAS CIDADES DE RORAINÓPOLIS E MUCAJAÍ NO ESTADO DE RORAIMA- (RR)

IMPACTOS AMBIENTAIS NAS CIDADES DE RORAINÓPOLIS E MUCAJAÍ NO ESTADO DE RORAIMA- (RR) IMPACTOS AMBIENTAIS NAS CIDADES DE RORAINÓPOLIS E MUCAJAÍ NO ESTADO DE RORAIMA- (RR) Samantha Ferreira Lira Pinto Graduanda em Geografia pela UEA. Bolsista FAPEAM - PAIC. Membro do Núcleo de Estudos e

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto A bacia hidrográfica é usualmente definida como a área na qual ocorre a captação de água (drenagem) para um rio principal e seus afluentes devido às suas características geográficas

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº. 044/2015. Institui a criação da Política Municipal de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da Água da Chuva no Município de Manaus, e dá outras providências. Art. 1º Fica instituída

Leia mais

POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU

POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU POR QUE INVESTIR EM LISBOA? ESPECIALISTA IMOBILÁRIO EUROPEU Introdução Portugal está começando a emergir da crise financeira. Nos últimos anos, o governo reestabeleceu suas estruturas organizacionais e,

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

Cheia do Amazonas: o cotidiano do ribeirinho 1. Sandro Aurélio Gomes PEREIRA 2 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 3

Cheia do Amazonas: o cotidiano do ribeirinho 1. Sandro Aurélio Gomes PEREIRA 2 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 3 Cheia do Amazonas: o cotidiano do ribeirinho 1 Sandro Aurélio Gomes PEREIRA 2 Carlos Fábio Morais GUIMARÃES 3 Faculdade Martha Falcão DeVry, Manaus, AM RESUMO As populações ribeirinhas do Amazonas convivem

Leia mais

Fisiologia da Paisagem e Riscos

Fisiologia da Paisagem e Riscos VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Fisiologia da Paisagem e Riscos DENISE RODRIGUES CRUZ INPA deni.cruz@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO. Ilha de Calor

ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO. Ilha de Calor ESTRATÉGIAS A NÍVEL URBANO Ilha de Calor Ilha de Calor Um projeto sustentável deve enfatizar 3 aspectos: Sombra protetora nos espaços abertos; Pavimentação que não contribua para o aumento da temperatura

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL.

OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL. Universidade de Coimbra, Maio de 2 OCORRÊNCIA DE INVERSÃO TÉRMICA NO PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO PICO DA BANDEIRA, PARQUE NACIONAL DO ALTO CAPARAÓ, BRASIL. Emerson Galvani, Nádia Gilma Beserra de Lima, Rita

Leia mais

O Entrave para a Paz no Oriente Médio e Norte da África - ÁGUA

O Entrave para a Paz no Oriente Médio e Norte da África - ÁGUA O Entrave para a Paz no Oriente Médio e Norte da África - ÁGUA A água cobre mais de 70% do planeta. Porém, somente 3% é água doce, sendo o restante água salgada. A degradação dos ecossistemas de água doce

Leia mais

¹ O GT ORLA é uma instância de trabalho intersecretarias que atua desde 1999 sob coordenação da SPM.

¹ O GT ORLA é uma instância de trabalho intersecretarias que atua desde 1999 sob coordenação da SPM. 6 APRESENTAÇÃO: Este documento registra mais uma etapa dos esforços de planejamento que vem sendo desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho da Orla (G.T. ORLA) ¹ no intuito do resgate das articulações físicas

Leia mais

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102 PROJETO Desafios e possibilidades para uma vida melhor Turma: 102 Carolina Clack, Gabriela Scheffer, Lauren Scheffer e Victória Gomes. Desafios e possibilidades para uma vida melhor Trabalho apresentado

Leia mais

Ruralminas. Promovendo o desenvolvimento regional sustentável em Minas Gerais. Luiz Afonso Vaz de Oliveira Presidente

Ruralminas. Promovendo o desenvolvimento regional sustentável em Minas Gerais. Luiz Afonso Vaz de Oliveira Presidente Ruralminas Promovendo o desenvolvimento regional sustentável em Minas Gerais Luiz Afonso Vaz de Oliveira Presidente A Ruralminas A Fundação Rural Mineira Ruralminas é uma entidade pública voltada para

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais