OS DIREITOS MORAIS DO AUTOR: Repersonalizando o Direito Autoral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS DIREITOS MORAIS DO AUTOR: Repersonalizando o Direito Autoral"

Transcrição

1 OS DIREITOS MORAIS DO AUTOR: Repersonalizando o Direito Autoral RODRIGO MORAES Advogado. Mestre em Direito Privado e Econômico pela UFBA. Pós-Graduado em Direito Civil pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia (UFBA). Membro da Associação Brasileira de Direito Autoral (ABDA). Consócio do Instituto dos Advogados da Bahia (IAB). Professor de Direito Civil e de Direito Autoral e Propriedade Industrial. Professor Convidado do curso de Pós-Graduação em Direito Civil da Fundação Faculdade de Direito da Bahia (UFBA). Pesquisador da Linha de Pesquisa Propriedade Intelectual, do Grupo Direitos Fundamentais e Reflexos nas Relações Sociais, da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Presidente da Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Lazer da OAB-BA, triênio OS DIREITOS MORAIS DO AUTOR: Repersonalizando o Direito Autoral Editora Lumen Juris Rio de Janeiro 2008 Copyright 2008 by Rodrigo Moraes

2 Produção Editorial Livraria e Editora Lumen Juris Ltda. Capa Juarez Paraiso A LIVRARIA E EDITORA LUMEN JURIS LTDA. não se responsabiliza pela originalidade desta obra. É proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, inclusive quanto às características gráficas e/ou editoriais. A violação de direitos autorais constitui crime (Código Penal, art. 184 e, e Lei no , de 1o/07/2003), sujeitando-se à busca e apreensão e indenizações diversas (Lei no 9.610/98). Todos os direitos desta edição reservados à Livraria e Editora Lumen Juris Ltda. Agradecimentos Impresso no Brasil Printed in Brazil Dedico este trabalho aos autores brasileiros. Sobretudo, aos injustamente desconhecidos do grande público. Aos meus pais, Charles e Sônia: pelo amor, pela fé, pelo dom da vida. A Carla, minha poesia cotidiana, meu chão, minha esposa-namorada. Aos meus irmãos Paulo, Lêda e Fátima, pela amizade e pelo carinho. Aos meus sobrinhos, Lucas, Lara e Yago. Vó Augusta, Teca, Mário, Zé Rodrigo, Tio Rodrigo e Tia Lêda, Cida, Érica, Fernando, Marilene, Cris, Roberto, Tia Lúcia, Tio Sérgio, Marcelo, Mônica, Bahia, Excelsa, Priscila, Candice... A todos os meus familiares!

3 Ao estimado orientador Edivaldo Boaventura, pela experiência e pelas importantes dicas para esta dissertação. A Nilza Reis, estimada amiga, exemplo de magistrada e profunda conhecedora do tema direitos da personalidade, obrigado pela generosa e tão importante contribuição para este trabalho. A Oscar Lepikson, amigo-irmão e primeiro incentivador de minha vocação para o magistério. A Lisane Gesteira, querida amiga, pelo imenso apoio na pesquisa bibliográfica. Ao fantástico Movimento Escalada (www.movimentoescalada.org.br), que me conquistou desde Maranatá! A Pe. Irala (www.opa.art.br) e ao grupo OPA (Oração Pela Arte), tão importantes em minha vida. Ao querido amigo Pe. Roberto Ribeiro, pelo precioso auxílio na tradução da obra de Stockholm, escrita em francês. A Elza Lapa e José Borba Pedreira Lapa, queridíssimos amigos e padrinhos de casamento. Serei sempre grato a Deus por essa amizade. A Jorge Lapa, advogado competente, exemplo de ética na profissão. Ao saudoso Arx Tourinho, querido professor de Direito Constitucional, advogado comprometido com a democracia e a justiça. Valente e corajoso, partiu no auge da carreira, deixando imensa saudade. Aos amigos Ana Lúcia Berbert de Castro, Fernando Fontes e Fernando Henrique Fontes, obrigado pela amizade sincera. Ao mestre Juarez Paraiso, artista de escol, mestre das artes plásticas e da cidadania. Obrigado pela linda capa, que contém seus inesquecíveis painéis destruídos pela intolerância religiosa. À artista plástica mineira Yara Tupinambá, que disponibilizou preciosas fotografias de sua obra Guerra e Paz. Ao artista plástico Inácio Rodrigues, que disponibilizou precioso material sobre sua obra Ribamar. A Edvaldo Bispo Gomes Filho e Paula Morais Brito de Santana, que me apresentaram, com paixão e criatividade, ao Direito Autoral. Nossos encontros do DEDA (Dinâmica de Estudos em Direito Autoral) são inesquecíveis. A Hildebrando Pontes, consagrado autoralista mineiro. Valeu, sô! A Otávio Afonso, Gerente de Direito Autoral do Ministério da Cultura, pela amizade, pelo apoio e pela confiança. A Eduardo Pimenta, experiente advogado autoralista, meu sincero obrigado pelo precioso apoio. A José Amando Junior, amigo e advogado de coragem, constitucionalista talentoso, pessoa com imensa sensibilidade social. A Mônica Aguiar, querida e competente professora de Bioética, no Mestrado, e de Direito Civil, na graduação. A Saulo Casali e Paulo Pimenta, estimados professores do Mestrado.

4 Ao consagrado J. J. Calmon de Passos, pelas inesquecíveis aulas de Processo Civil durante o Mestrado. A Rodolfo Pamplona Filho, inquieto-amigo-incentivador de sonhos, obrigado pelo lindo prefácio. A Paquito, talentoso compositor baiano, pela colaboração na pesquisa bibliográfica sobre histórias da MPB ligadas ao Direito Autoral. A Saul Quadros Filho, com quem tive a oportunidade de aprender e descobrir o dia-a-dia do nobre e difícil labor de advogado. A Pablo Stolze Gagliano, pelo incentivo e pelo lindo prefácio. A Roxana Borges, civilista apaixonada pelo estudo dos direitos da personalidade, pela importante dica no exame de qualificação. A Cristina Cunha, amiga-professora-compositora, pela revisão do texto. A Marcus Vinícius de Andrade (AMAR), pela contribuição na pesquisa sobre plágio em música. A Rafael Oliveira, amigo-irmão-jurista, talentosíssimo processualista, pela leitura atenciosa dos originais desta obra. A Adriano Marques, irmão de fé, excelente advogado, pela amizade tão especial. A Jackson Azevedo, exemplo de professor comprometido com a Educação não-mercantilista e cidadã. Obrigado pelos ensinamentos duradouros, Caro Mestre! A Cristiano Chaves de Farias, genial civilista baiano, pessoa humana das mais sensíveis. Obrigado pelo carinhoso posfácio, que tanto me alegrou. E, principalmente, a Deus, Autor dos autores, Criador dos criadores, Pai da humanidade, Fonte inesgotável de amor. Artigo II Fica decretado que o dinheiro não poderá nunca mais comprar o sol das manhãs vindouras. Expulso do grande baú do medo, o dinheiro se transformará em uma espada fraternal para defender o direito de cantar e a festa do dia que chegou. Sumário (Thiago de Mello, Os Estatutos do Homem) Apresentação... Prefácio... Introdução... 1 xix xxiii PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DOS DIREITOS MORAIS E SUA FORMAÇÃO HISTÓRICA

5 Capítulo 1 Conceito, Denominação, Natureza Jurídica e Características dos Direitos Morais Conceito de direitos morais Denominação: direitos morais, extrapatrimoniais ou pessoais Natureza jurídica dos direitos morais Características dos direitos morais Inalienabilidade Irrenunciabilidade Intransmissibilidade inter vivos Imprescritibilidade Perpetuidade dos direitos morais à paternidade e à integridade Impenhorabilidade Capítulo 2 Evolução Histórica do Direito Autoral A Antigüidade greco-romana A Idade Média A invenção de Gutenberg (1450) e a posterior censura sob a forma de privilégios A primeira lei autoral: Ato da Rainha Ana (Inglaterra, 1710) A Revolução Francesa: abolição dos privilégios e surgimento da noção de propriedade intelectual A construção jurisprudencial dos direitos morais: França, século XIX Capítulo 3 Breve Histórico das Legislações Autorais Brasileiras Lei Medeiros e Albuquerque, de Código Civil de 1916 (CC-16) Lei no 5.988, de 1973 (LDA-73) Lei no 9.610, de 1998 (LDA-98) Capítulo 4 Reconhecimento dos Direitos Morais no Âmbito Internacional Reconhecimento do direito moral na revisão da Convenção de Berna (Roma, 1928) Reconhecimento do direito moral na Declaração Universal dos Direitos Humanos (França, 1948) Exclusão dos direitos morais no Acordo TRIPS (1994) Capítulo 5 Natureza Jurídica do Direito Autoral Teoria do privilégio Teoria do direito real de propriedade Teoria do direito de personalidade Teoria dos direitos intelectuais Teoria do direito da coletividade Teoria do direito pessoal-patrimonial: adotada pela legislação brasileira Capítulo 6 Repersonalização do Direito Autoral Conceito, terminologia e fundamentos A visão patrimonialista do Direito Autoral e a proposta de repersonalização SEGUNDA PARTE OS DIREITOS MORAIS PREVISTOS NA LEI AUTORAL BRASILEIRA Capítulo 7 Direito à Paternidade da Obra Considerações iniciais Terminologia A paternidade nasce com a criação da obra e não com o registro... 60

6 7.4. O absurdo art. 667 do Código Civil de A co-autoria de obras musicais Casos na história da Música Popular Brasileira Luiz Gonzaga tenta comprar canção de Patativa do Assaré O vendedor de sambas Nelson Cavaquinho O comprositor de sambas Francisco Alves e os vendedores Ismael Silva, Nilton Bastos e Noel Rosa O samba 14 anos de Paulinho da Viola A parceria frutífera de Dorival Caymmi e Carlinhos Guinle Orientador de monografia, dissertação ou tese acadêmica não é co-autor Direito ao nome não se confunde com direito moral à paternidade Revogação do art. 185 do Código Penal Direito ao nome em relação a projeto arquitetônico Conceito aberto (indeterminado) de plágio e alguns critérios utilizados para a sua identificação Não existe plágio de idéias Os plágios equivocadamente atribuídos a Ari Barroso, Bruno Gouveia (Biquíni Cavadão), Herbert Vianna, Tom Jobim e Zezé Di Camargo O falsário que acusou, injustamente, o grupo mineiro Skank O plágio de Roberto Carlos e Erasmo Carlos O careta O quase-plágio involuntário de Noel Rosa O plágio de Rod Stewart em cima da obra Taj Mahal, de Jorge Ben Jor O correto uso das paráfrases Modalidades de identificação do autor: o uso de pseudônimos Violação ao direito de anunciar a autoria: sanções previstas no art. 108 da LDA A omissão das autorias pelas emissoras de rádio e TV Omissão e erro na atribuição de autoria A omissão da autoria de obras fotográficas e audiovisuais A omissão dos nomes de intérpretes A paternidade de canções folclóricas: o episódio Mané de Izaías A paternidade de obras psicografadas: o caso da viúva de Humberto de Campos versus o médium Chico Xavier A paternidade de obras feitas por ghost-writer

7 A proliferação da desonestidade intelectual na pesquisa acadêmica Capítulo 8 Direito ao Ineditismo da Obra Considerações iniciais Terminologia Direito ao ineditismo: direito fundamental (CF, art. 5o, XXVII) O direito ao inédito antes da LDA O significado da autorização prévia e expressa do autor O que se entende por acesso da obra ao público Prazo máximo de dois anos para edição de obra O célebre caso de Anatole France versus Editora Lemerre Direito ao inédito: ponto de partida para exercício dos direitos patrimoniais O exercício do direito ao inédito após a morte do autor O testamento de Franz Kafka A divergência de co-autores no exercício do direito ao ineditismo Cartas missivas em processos judiciais Jurisprudência Último capítulo da novela Ti ti ti publicado pela revista Amiga Comercialização não autorizada de palestras Três famosos julgados ocorridos na França

8 Whistler versus Eden

9 Charles Lecocq versus Sra. Cinquin Camoin versus Carco Capítulo 9 Direito à Integridade da Obra Considerações iniciais Direito moral à integridade: breve histórico legal e conceito O direito à integridade na Convenção de Berna Prejuízo à obra ou agressão à honra ou à reputação do autor Terminologia Integridade de obras teatrais e musicais Integridade de obras fotográficas Integridade de obras audiovisuais Integridade da edição gráfica de obras musicais Integridade de obras de artes plásticas O processo de Yara Tupinambá contra o Município de Belo Horizonte O processo de Juarez Paraiso contra a Igreja Evangélica Renascer em Cristo O processo de Carlos Bastos contra Lojas Insinuante Ltda O processo de María Waveluk contra a Igreja Ortodoxa Russa do Patriarcado de Moscou A revolta de Diego Rivera contra Nelson Rockfeller Carta de Frida Kahlo ao Presidente do México O dever do Estado de proteção ao patrimônio histórico, cultural e artístico Integridade de obras caídas em domínio público Paródia: liberdade de expressão versus direito moral à integridade da obra

10 9.14. Direito à integridade dos intérpretes Capítulo 10 Direito à Modificação da Obra Considerações iniciais Direito moral de modificação: conceito e fundamentos Modificação: alteração do conteúdo Intransmissibilidade mortis causa do direito de modificação Limites ao exercício do direito de modificar: direito adquirido e co-autoria

11 10.6. Versão definitiva de uma obra Capítulo 11 Direito ao Arrependimento da Obra Considerações iniciais Terminologia A ligação do direito ao ineditismo com o direito ao arrependimento A mudança ocorrida na LDA-98: restrição ao exercício do direito ao arrependimento Direito ao arrependimento em outros países Significado da expressão retirar de circulação a obra As prévias indenizações a terceiros A reabilitação do preso e a proibição de anotação do motivo da despedida na Carteira de Trabalho do empregado Ausência de prazo de reflexão para exercício do direito ao arrependimento Exemplos de arrependimento de autores Rosa Mystica, de Afrânio Peixoto: Incorrigível. Só o fogo O Manual Prático do Vampirismo, de Paulo Coelho O Mundo da Paz, de Jorge Amado O saravá do Samba da Benção, de Baden Powell e Vinícius de Moraes Tim Maia e o relançamento post mortem de seu renegado disco Racional Arrependimento de intérpretes Xuxa e o filme Amor, estranho amor Durval Lelys e a canção Osama, Osama Bin Laden Madonna e o videoclipe American Life

12 O primeiro disco de Roberto Carlos: Louco por você Capítulo 12 Direito ao Acesso a Exemplar Único e Raro de Obra em Poder de Terceiro Considerações iniciais Natureza jurídica: direito moral ou patrimonial? Limitação ao direito de propriedade Requisitos Finalidades Possibilidade de o autor divulgar e comercializar a sua obra Preservação da memória do autor: o exemplo de Candido Portinari Ajuda na fiscalização das revendas Prevenção contra futuras falsificações Significado da expressão maneira menos inconveniente possível Ter acesso : possibilidade de deslocamento da obra?

13 12.8. Intransmissibilidade: prejudicial aos interesses dos sucessores e da coletividade de acesso a bens culturais

14 Conclusões

15 Referências Bibliográficas Apêndice Quadro Comparativo Posfácio Apresentação Honrada pela solicitação de Rodrigo Moraes para fazer a apresentação do trabalho apresentado como requisito essencial à conclusão do seu curso de Mestrado, na Faculdade de Direito da UFBA, enfrentei, inicialmente, sérios obstáculos, quando busquei encontrar as palavras adequadas para transportar, sinteticamente, a todos aqueles que se interessam pelo direito autoral, a riqueza que nele encontrei. Sim, porque o trabalho ora apresentado tem caráter interdisciplinar e, por isso, como afirma o autor, não se destina apenas aos estudantes e profissionais do Direito, mas também aos escritores, fotógrafos, compositores, músicos, arranjadores, artistas plásticos, atrizes, diretores teatrais e cinematográficos, publicitários, editores, cantores, arquitetos, tradutores, jornalistas, empresários de indústria fonográfica e de radiodifusão, o que, em tese, dificultaria a tarefa que me foi atribuída, ante a minha total impossibilidade de domínio sobre aspectos inerentes a essas diversas searas. Fiquei, todavia, entusiasmada quando, lendo o trabalho, verifiquei que o autor traz ao cenário nacional uma obra de fôlego, haja vista que, suprindo uma lacuna na bibliografia pátria atual, inverte o tratamento doutrinário tradicionalmente consagrado no âmbito do direito autoral, qual seja, aquele que confere prioridade ao aspecto patrimonial, para dar o merecido destaque à dimensão que concretiza a dignidade da pessoa humana dotada do poder de criação o autor da obra literária, artística e científica e que se revela, prioritariamente, nos direitos - morais analisados na segunda parte de sua obra. Preocupado com a supervalorização dos direitos patrimoniais do autor apenas uma das facetas que amparam a sua criação, Rodrigo Moraes não se descurou de analisar, na primeira parte de sua obra, os fundamentos, o conceito, a natureza jurídica e as características do direito autoral, sem esquecer, entrementes, de referir a sua formação, assegurando, assim, aos seus leitores, a exata apreensão do horizonte histórico de suas diversas fases evolutivas. Seguindo essa linha, manifesta a certeza no sentido de que a compreensão da proposta encaminhada à repersonalização dos direitos autorais não pode ser apreendida sem o prévio conhecimento dos caminhos tortuosos através dos quais as lutas pelo seu reconhecimento em prol do criador vararam os séculos. Ciente das inúmeras e significativas controvérsias que ainda palpitam nesta esfera, e terminam submetendo os direitos conferidos ao criador de uma obra literária, artística ou científica a uma impiedosa e quase exclusiva valorização do aspecto patrimonial, Rodrigo Moraes remete o estudioso da matéria, na segunda parte do seu trabalho, à análise do tema central. Enfrentando a matéria, Rodrigo Moraes alerta os leitores para a necessidade de urgente reconhecimento da primazia dos direitos morais do autor, não apenas baseado em uma opinião pessoal, mas atento, sobretudo, ao fato de que essa conclusão resulta da sua consagração pelo legislador pátrio quando os indica no art. 22 da Lei 9.610/98, topograficamente, antes dos direito patrimoniais, assim como fez o legislador constituinte com os direitos fundamentais, previstos no art. 5o da nossa Lei Maior.

16 Depois, fixando a sua atenção nos direitos morais indicados nos arts. 24 a 27, daquele diploma legal, analisa cada um deles o direito à paternidade, ao ineditismo, à integridade, à modificação da obra, bem como a garantia legal de arrependimento do autor e o seu direito de acesso a exemplar único e raro de obra em poder de terceiros, desenhando um modelo direcionado à valorização da pessoa do criador, do que resulta uma visão humanista capaz de abrir caminhos para a efetiva repersonalização do direito autoral. Considerando o direito ao ineditismo como um ponto de partida para o exercício dos direitos patrimoniais, já que a expressão econômica da obra não pode ser concretizada sem a sua publicidade e divulgação, o autor adota uma visão crítica que aguça a curiosidade alheia, brindando os leitores de seu trabalho com inúmeros e valiosos subsídios, a exemplo do que ocorre quando, ao examinar o difícil tema do plágio, sustenta o caráter aberto do seu conceito, evidenciando, com percuciência, que, na obra musical, ele não pode ser conduzido ao mito dos oito compassos, nem é possível a sua identificação na alegação de um simples estilo próprio de arte ou de idéias que alguém eventualmente adota ou manifesta. Citando casos pitorescos vivenciados por conhecidos e célebres compositores brasileiros, tais como Tom Jobim, Bruno Gouveia, Zezé Di Camargo, Jorge Ben Jor e tantos outros, Rodrigo Moraes consegue efetivamente afastar-se do academicismo das obras jurídicas, tornando o seu trabalho acessível ao grande público, sem deixar, todavia, de enfrentar os aspectos jurídicos relevantes constatados nesta órbita, corajosamente preocupado com a defesa dos direitos autorais alheios. Adotando essa postura, manifesta repulsa à tão conhecida e descabida indústria da composição de equipe tradutora do enriquecimento sem causa lícita, em razão da qual - alguns criam e, sem qualquer esforço criativo, muitos ganham fama! Desenvolvendo o trabalho em direção à conclusão do seu lógico raciocínio, de forma profunda e com incursão na doutrina e na jurisprudência nacional e estrangeira, o autor também faz menção ao correto uso das paráfrases e dos pseudônimos, enriquecendo a sua obra, ainda, com a narração de histórias reais de diversos autores de obras literárias e musicais, dentre outros, tornando extremamente agradável a sua leitura. É o que ocorre, por exemplo, quando, ao centrar a sua atenção na paternidade das canções folclóricas, cita o episódio de Mané de Izaias, autor de um trecho da conhecida música Quixabeira, que foi interpretada por Carlinhos Brown, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Maria Bethânia e Carla Visi, sem qualquer menção ao seu nome, pois era atribuído à criação um autor desconhecido, com indicação apenas dos adaptadores o próprio Brown, Afonso Machado e Bernard von der Weid. Estes, porém, tiveram a oportunidade de manter contato com o seu verdadeiro autor, que, ao final, foi resgatado do anonimato pelo jornalista e pesquisador Josias Pires, e, ao rememorar o episódio, quando questionado pela imprensa, declarou: É como se uma mãe botasse um filho no mundo, ele fosse voando pro estrangeiro e não voltasse mais pra casa. Transcrevendo as palavras de um homem simples do interior do Brasil, mas dotado de um rico poder de criação musical, Rodrigo Moraes não consegue ocultar a sua extrema sensibilidade em relação às agruras alheias, revelando, assim, no seu trabalho, a preocupação com o compromisso assumido com a alteridade, em defesa da qual muitas vezes atua. Não seria possível indicar todos os assuntos relevantes analisados por Rodrigo Moraes ao longo de mais de duzentas páginas, mas não há dúvida de que traz ao cenário nacional um trabalho inovador, corajoso, esclarecedor e profundamente rico, que, valorizando a disciplina normativa construída pelo legislador, não consegue esconder o conhecimento que conseguiu apreender nos seus poucos anos de vida, tanto no exercício do magistério, quanto na labuta diária que enfrenta, brilhantemente, na sua atividade de advogado.

17 Dotado de imensa sensibilidade, o autor defende, ao final, a repersonalização dos direitos autorais, estabelecendo, assim, uma verdadeira conexão interna dos aspectos moral e patrimonial, na qual o primeiro exige uma opção preferencial em seu favor, afastando, em conseqüência, as deformações resultantes da consideração solitária e da hipervalorização do último (direitos patrimoniais), fazendo florir, como resultado desse entendimento, a superação do egoísta ato de ter pela extraordinária tarefa humana de poder ser, de forma integral, como inúmeras vezes refere Rodrigo Moraes. Ao fazê-lo, manifesta o pleno conhecimento da necessidade de resgatar-se, de forma efetiva, a dignidade da pessoa do criador, concretizando, por seu intermédio, não somente um dos fundamentos da nossa República (art. 1o, inciso III, CF), mas sobretudo um princípio antropológico que acolhe a idéia pré-moderna e moderna de dignitas-hominis (Pico della Mirandola), ou seja, do indivíduo conformador de si próprio e da sua vida segundo o seu próprio projecto espiritual * (1). E, por certo, não haverá resguardo da dignidade humana do autor de uma obra seja artística, literária ou científica, senão através da sua total capacitação para o pleno exercício das faculdades inerentes ao conteúdo dos direitos que amparam o seu poder de criação, do que resulta a imperiosa necessidade de conferir-se prevalência aos aspectos morais do seu direito autoral, como defende, com entusiasmo contagiante, o elaborador e, portanto, criador deste trabalho. Por isso, antes de tudo, devo agradecer a Rodrigo Moraes pela contribuição que ora oferece à doutrina autoral com a sua obra, fruto de estudo, pesquisa e extrema dedicação, tornando possível a absorção de profundos conhecimentos e a obtenção de primorosas informações aos que têm interesse no tema, desejando que este seja um dos muitos trabalhos com os quais brindará o mundo interdisciplinar referido em seu âmbito, com o qual induvidosamente guarda pertinência, pois também alia em si as qualidades de poeta e músico. Nilza Reis Professora de Direito Civil da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Juíza Federal Titular da 8a Vara Federal Seção Judiciária do Estado da Bahia. Mestre em Direito Privado e Econômico pela UFBA. Professora de Direito Civil no Curso de Pós-Graduação da Fundação Faculdade de Direito da Bahia. Prefácio A presente obra é fruto da dissertação, defendida em 06 de julho de 2006, na Faculdade de Direito da UFBA Universidade Federal da Bahia, perante banca examinadora composta pelos Profs. Drs. Edivaldo M. Boaventura (orientador), J. J. Calmon de Passos e Rodolfo Pamplona Filho, em que o autor obteve o título de Mestre em Direito Privado e Econômico. O livro versa sobre um tema pouco explorado na doutrina especializada, constituindo-se, sem sombra de dúvida, em uma nova referência brasileira no estudo da matéria. Os direitos morais do autor exigem, para a sua devida compreensão, uma concepção interdisciplinar, pois se trata de temática de grande interesse tanto para os profissionais da área jurídica, quanto para a imensa gama de militantes da produção intelectual, no que se incluem todos aqueles amantes da criatividade humana. * CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e Teoria da Constituição. 3. ed. Coimbra: Almedina, 1998, p. 221.

18 O trabalho se encontra dividido em duas partes: uma geral, que aborda os fundamentos desses direitos e a sua formação histórica; e outra específica, onde são analisados, minuciosamente, cada um dos incisos do art. 24 da Lei n , de 1998, vigente Lei de Direito Autoral. O estudo procura abordar, ainda, a evolução histórica dos direitos morais, bem como seu conceito, natureza jurídica, principais características e reconhecimento em âmbito internacional. Além disso, analisa, de forma minudente, os direitos autorais morais previstos expressamente na legislação brasileira, quais sejam, o direito à paternidade, ao ineditismo, à integridade, à modificação e ao arrependimento da obra, além do direito ao acesso a exemplar único e raro de obra em poder de terceiro. O mais importante, porém, é o novo olhar, digno do artista, com que projeta os direitos autorais, pois, mudando o seu foco tradicionalmente patrimonial, dirige sua atenção à pessoa do autor. Assim, não há dúvidas de que o leitor está recebendo uma obra-prima inédita no meio jurídico nacional. E não conhecemos realmente indivíduo melhor talhado que o autor para tal mister. Com efeito, congregando em si as condições de advogado, professor universitário e músico, tem - amplas condições de tratar a matéria com a mencionada (e imprescindível) interdisciplinaridade (jurídica, cultural e sociológica), permitindo uma visão efetivamente ampla sobre o problema. A obra é atualíssima e tendo a honra do convite para prefaciá-la, somente nos resta recomendar a sua leitura a todos os interessados, com a certeza de que o brilho intelectual de Rodrigo Moraes encantará a todos que, como os subscritores, têm o prazer de conviver com este advogado com alma de poeta. Ver o seu sucesso é constatar a verdade de que todo mundo carrega em si o Dom de ser capaz.... Salvador, fevereiro de Pablo Stolze Gagliano Juiz de Direito no Estado da Bahia. Professor de Direito Civil da Universidade Federal da Bahia. Professor de Direito Civil da Escola da Magistratura do Estado da Bahia. Professor Convidado dos Cursos de Extensão da Faculdade Autônoma de Direito de São Paulo. Professor dos Cursos de Pós-Graduação da Fundação Faculdade de Direito da Bahia e da UNIFACS. Mestre em Direito Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Especialista em Direito Civil pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia. Rodolfo Pamplona Filho Juiz Titular da 1a Vara do Trabalho de Salvador/BA (Tribunal Regional do Trabalho da Quinta Região). Professor Titular de Direito Civil e Direito Processual do Trabalho da Universidade Salvador UNIFACS. Professor Efetivo do Programa de Pós-Graduação em Direito da UCSAL Universidade Católica de Salvador Professor Adjunto da Faculdade de Direito da UFBA Universidade Federal da Bahia. Professor da Pós-Graduação em Direito (Mestrado e Doutorado) da UFBA. Coordenador do Curso de Especialização em Direito e Processo do Trabalho do JusPodivm/BA. Mestre e Doutor em Direito do Trabalho pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

19 Especialista em Direito Civil pela Fundação Faculdade de Direito da Bahia. Membro da Academia Nacional de Direito do Trabalho e da Academia de Letras Jurídicas da Bahia. Introdução Inicialmente, é importante dizer que a presente dissertação de mestrado, na intenção de ser lida e compreendida não somente por estudantes e profissionais do Direito, evita academicismo, rebuscamento da linguagem e excessos do chamado juridiquês, discurso hermético que se torna inacessível ao leigo no jargão da ciência jurídica. Esse cuidado deve-se, sobretudo, ao fato de o tema ser, inegavelmente, interdisciplinar, do interesse de um vasto público de nãoespecializados no Direito, tais como: escritores, fotógrafos, compositores, músicos, arranjadores, artistas plásticos, atrizes, diretores teatrais e cinematográficos, publicitários, editores, cantores, arquitetos, tradutores, jornalistas, empresários da indústria fonográfica e de radiodifusão. Os direitos morais do autor ainda foram pouco estudados pela doutrina autoralista brasileira. O primeiro livro específico sobre a matéria é datado de De autoria do jurista Philadelpho Azevedo ( ), tal obra, intitulada Direito moral do escriptor, mesmo não estando obsoleta, por ser vanguardista e longeva, encontra-se, hoje, incompleta e desatualizada. Existe, também, uma excelente dissertação de mestrado (não publicada), intitulada Direito moral do autor literário, que foi defendida, em 1988, na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pela professora Maria das Graças Ribeiro de Souza, sob a orientação do professor Milton Fernandes, que foi desembargador do Tribunal de Justiça mineiro. Esses dois únicos trabalhos revelam a carência bibliográfica da matéria, apesar de sua indiscutível importância prática e teórica. A presente dissertação, salvo engano, é a terceira, no país, em ordem cronológica, a se debruçar especificamente sobre os direitos morais do autor. Os - manuais de Direito Autoral abordam o tema em exíguos capítulos, sem uma análise profunda e pormenorizada. Em geral, a discussão dos autoralistas nacionais e estrangeiros é, ainda, predominantemente, patrimonialística. O debate gira muito mais em torno da proteção de investimentos que da dignidade do homem-criador, o centro e o fim do Direito, seu principal destinatário. Os direitos morais, que potencializam a dignidade da pessoa humana em sua manifestação criadora, mantêm-se à margem, como questão menor, secundária, inoportuna. Apesar da inegável importância do tema, a doutrina especializada ainda o desprestigia. O Direito Autoral sempre esteve moldado em função quase que exclusivamente de critérios de rentabilidade. A valorização exagerada conferida, historicamente, aos direitos patrimoniais precisa ser mitigada. Desde a vigência de sua primeira lei, em 1710, o Direito Autoral sempre priorizou o aspecto monetário, em detrimento do elemento extrapatrimonial. Preocupou-se muito mais com a dimensão do ter que com a do ser. A proteção sempre foi muito mais direcionada aos investimentos de grupos econômicos do que à pessoa do autor. Pode-se dizer que os direitos patrimoniais, em última análise, visam a satisfazer os meios de sobrevivência do criador intelectual, apesar de, na prática, estarem também a serviço de inúmeros intermediários das indústrias criativas, tais como editores e produtores fonográficos. Os direitos morais, por sua vez, objetivam salvaguardar as razões da existência do autor. Os primeiros estão ligados a questões pecuniárias. Os segundos, a questões de ordem extrapatrimonial.

20 É urgente uma ruptura da lógica patrimonialística, que sufoca a existencial. É tarefa que se impõe ao autoralista voltar os olhos à pessoa humana, e, assim, mudar o foco de sua atenção, repudiando a vetusta mentalidade oitocentista. Chamar-se-á essa mudança paradigmática de repersonalização. O Direito Autoral não pode ser despido de sua vocação humanista, como, há tempos, vem exigindo o capitalismo. Nessa nova perspectiva, é imprescindível uma reconstrução profunda da denominada propriedade intelectual, que não pode ser reduzida a meros padrões monetários, a simples operações comerciais. A repersonalização do Direito Autoral, através da valorização dos direitos morais de autor, consiste na bússola para o itinerário desta pesquisa, permeando todos os capítulos. Essa idéia-mestra serve de guia e alicerce na análise dos principais questionamentos enfrentados, instigando uma nova mentalidade, um novo paradigma, um novo espírito, que anima o Direito Autoral a ser antropocêntrico, considerando a pessoa humana como valorfonte de todos os valores, no dizer de Miguel Reale. Entretanto, existe uma hipocrisia no contemporâneo discurso autoralista, que, invocando a pessoa do autor, busca, na verdade, a proteção de investimentos de grupos empresariais. Esse fingimento, que invoca dignidade e cultura para, no fundo, salvaguardar business e entretenimento, será oportunamente criticado e repelido. Metaforicamente, existem, no âmbito autoral, lobos intermediários disfarçados de ovelhas, com um falacioso discurso legitimador, que, não raro, engana os mais desavisados. Em outras palavras, o presente estudo pretende detectar, criticamente, a elefantíase da faceta econômica do Direito Autoral. Estruturalmente, o presente estudo é dividido em duas partes: uma geral e outra específica. A primeira, geral, aborda os fundamentos e a formação histórica dos direitos morais. A segunda, específica, analisa, detidamente, cada um dos sete incisos do art. 24 da vigente Lei de Direito Autoral, n , de 1998, que será chamada simplesmente de LDA-98. Além desses sete incisos, outros artigos espraiados na legislação autoralista, que se referem aos direitos morais, ganharão a devida análise. No capítulo 1, são analisados o conceito, a denominação, a natureza jurídica e as principais características dos direitos morais. Nos capítulos 2 a 4, é feito um estudo histórico, em âmbito nacional e internacional, que permite uma melhor percepção da importância dos direitos morais neste século XXI. No capítulo 5, é abordada uma antiga e espinhosa problemática do Direito Autoral: a sua natureza jurídica. São enfocadas diversas teorias, representando diferentes visões ideológicas. O capítulo 6, encerrando a parte geral, traz a idéia-mestra do presente estudo: a proposta de repersonalização do Direito Autoral, priorizando o ser em relação ao ter, o que vai de encontro à atual tendência patrimonialista. Chegando à parte específica, nos capítulos 7 a 12, destrincha-se cada um dos direitos - morais previstos na lei autoral brasileira, quais sejam: direito à paternidade, ao ineditismo, à integridade, à modificação, ao arrependimento e ao acesso a exemplar único e raro de obra em poder de terceiro. Todas essas prerrogativas são analisadas à luz da valorização da dignidade do criador intelectual, numa ótica, portanto, humanista. Na conclusão, amarram-se as principais idéias enfocadas, abrindo-se, também, frestas para o desenvolvimento futuro de tópicos que não puderam ser abordados com a devida profundidade, por exigir maiores pesquisas. Apontam-se, pois, novos caminhos, que necessitam de posterior e cuidadosa reflexão. Metodologicamente, a repersonalização do Direito Autoral consiste na motivação desta pesquisa, no problema a ser enfrentado. Em outras palavras, a pergunta a ser respondida é a seguinte: os direitos morais de autor estão sendo prestigiados pela atual sociedade capitalista? Em torno desse problema núcleo do tema direitos morais girará toda a investigação. Os capítulos da segunda parte desta dissertação funcionam como respostas à pergunta lançada. A proposta de repersonalização consiste na bússola, no fulcro, no sustentáculo para o desenvolvimento de cada um dos direitos morais previstos na LDA-98.

Sumário. Apresentação,... xix. Introdução... PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DOS DIREITOS MORAIS E SUA FORMAÇÃO HISTÓRICA

Sumário. Apresentação,... xix. Introdução... PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DOS DIREITOS MORAIS E SUA FORMAÇÃO HISTÓRICA Sumário Apresentação,... xix Prefácio Introdução... xxiii 1 PRIMEIRA PARTE FUNDAMENTOS DOS DIREITOS MORAIS E SUA FORMAÇÃO HISTÓRICA Capítulo 1 - Conceito, Denominação, Natureza Jurídica e Características

Leia mais

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DOMíNIO PÚBLICO E DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL Gilsomar Silva Barbalho Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor,

Leia mais

Título: A doação de órgãos como exceção ao princípio da indisponibilidade do corpo humano

Título: A doação de órgãos como exceção ao princípio da indisponibilidade do corpo humano Título: A doação de órgãos como exceção ao princípio da indisponibilidade do corpo humano Davi Souza de Paula Pinto 1 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO; 2. DIREITOS DA PERSONALIDADE E A PROTEÇÃO À INTEGRIDADE FÍSICA:

Leia mais

ADRIANA WYZYKOWSKI RENATO DA COSTA UNO DE GOES BARROS RODOLFO PAMPLONA FILHO

ADRIANA WYZYKOWSKI RENATO DA COSTA UNO DE GOES BARROS RODOLFO PAMPLONA FILHO ADRIANA WYZYKOWSKI Professora substituta da Universidade Federal da Bahia - (UFBA) e da Universidade Salvador UNI-FACS. Mestre em Relações Sociais e Novos Direitos pela Universidade Federal da Bahia -

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direitos do Autor Código

Leia mais

Projeto de Trabalho de Graduação 2

Projeto de Trabalho de Graduação 2 Projeto de Trabalho de Graduação 2 Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva 1 Agenda Plágio Proteção dos Direitos Autorais A Lei Brasileira 2 Plágio Plágio é a apropriação indevida de ideais ou textos de

Leia mais

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CÁSSIO AUGUSTO BARROS BRANT LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1ª Edição Belo Horizonte Edição do Autor 2012 B821l Brant, Cássio Augusto Barros

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR

ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR ANEXO II TERMO DE CESSÃO DE DIREITOS PATRIMONIAIS DE AUTOR NOME COMPLETO AUTOR PESSOA JURÍDICA, (CNPJ), (inscrição estadual), com sede na Rua, Bairro, Cep -, Cidade - cujo representante legal é o Sr(a).,

Leia mais

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Terceiro Setor. entre a Liberdade e o Controle

Terceiro Setor. entre a Liberdade e o Controle Terceiro Setor entre a Liberdade e o Controle Ronny Charles Lopes de Torres Advogado da União. Palestrante. Professor. Mestre em Direito Econômico. Pós-graduado em Direito tributário. Pós-graduado em

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES

O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O ACESSO À JUSTIÇA COMO DIREITO DA PERSONALIDADE NAS RELAÇÕES FAMILIARES Claudia Beatriz de Lima Ribeiro 1 ; Graziella

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER

PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER PLÁGIO ACADÊMICO: CONHECER PARA COMBATER A prática de plágio tem sido comum em diversas publicações científicas e precisa ser combatida. Com o objetivo de informar os profissionais, docentes e discentes

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

I. Apresentação Geral... 3

I. Apresentação Geral... 3 Programa de Pós- Graduação Lato Sensu Especialização em Direito Constitucional Entrada: 2011 1º Semestre Índice I. Apresentação Geral... 3 II. Especialização em Direito Constitucional... 4 1. Plano de

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

Ética Geral e Profissional

Ética Geral e Profissional Ética Geral e Profissional Prof. Eurípedes Brito Cunha Júnior britojunior@gmail.com Normas: EOAB: Artigos isolados CEDOAB ANTIGO: Capítulo IV do Título I CEDOAB NOVO: Capítulo VIII do Título I Provimento

Leia mais

DISCURSO DE HOMENAGEM DA ENTREGA DA COMENDA ORLANDO GOMES AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA

DISCURSO DE HOMENAGEM DA ENTREGA DA COMENDA ORLANDO GOMES AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA DISCURSO DE HOMENAGEM DA ENTREGA DA COMENDA ORLANDO GOMES AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO CESAR ASFOR ROCHA Magnífica Reitora da insigne Universidade Federal da Bahia, Profa. Dra. Dora Leal Rosa. Ilustríssimo

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ALEJANDRO KNAESEL ARRABAL VERTENTES FILOSÓFICAS DO DIREITO AUTORAL

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ALEJANDRO KNAESEL ARRABAL VERTENTES FILOSÓFICAS DO DIREITO AUTORAL Margens: Esquerda e superior 3 cm, direita e inferior 2cm. UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO ALEJANDRO KNAESEL ARRABAL Fonte: Times New Roman 12 VERTENTES

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

50 ANOS DO CASO LÜCH

50 ANOS DO CASO LÜCH Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ FORTALEZA 2008 2 Faculdade 7 de Setembro CURSO DE DIREITO 50 ANOS DO CASO LÜCH BRUNA SOBRAL DE QUEIROZ 1 1 Aluna: Bruna

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

R E L A T Ó R I O. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA

R E L A T Ó R I O. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA R E L A T Ó R I O Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Ofício S nº 55, de 2011, de Partidos Liderança partidária, que indica, nos termos do art. 130-A, inciso VI, da Constituição Federal,

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores 1 Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores Renato Rua de Almeida (*) O Direito do Trabalho distinguiu-se do Direito Civil, porque, enquanto o Direito Civil regulou de forma igual e recíproca os

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direitos autorais. Direitos morais dos sucessores. Obra caída em domínio público Luiz Fernando Gama Pellegrini* A respeito do que se entenda por domínio público vemos uma certa confusão

Leia mais

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier

PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer. Laura Regina Xavier PATRIMÔNIO EM PROSA E VERSO: a correspondência de Rodrigo Melo Franco de Andrade para Augusto Meyer Laura Regina Xavier Justificativa Escolhemos o tema Patrimônio, tendo em vista a nossa realidade profissional,

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

Ministrantes: Aline Brancate e Josiene Duarte/ Luana Dantas e Stella Oliveira

Ministrantes: Aline Brancate e Josiene Duarte/ Luana Dantas e Stella Oliveira 1º CURSO DE REDAÇÃO Ministrantes: Aline Brancate e Josiene Duarte/ Luana Dantas e Stella Oliveira Programa de Educação Tutorial Ciência, Tecnologia e Inovação Grupo PET- CTI pet-grupocti@ufabc.edu.br GRUPO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte

ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte ORATÓRIA ATUAL: desmistificando a idéia de arte Autora: ADRIJANE ALVES DE AMORIM Introdução Estabelecer objetivamente a medida de um bom orador não é tarefa fácil. Para muitos, falar bem guarda a ideia

Leia mais

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital É próprio das obras literárias e artísticas poderem ser utilizadas por públicos de qualquer nacionalidade. As barreiras linguísticas,

Leia mais

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo1 Direito Autoral Noções Gerais de Direitos Autorais Módulo1 Direito Autoral Brasília 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Paulo Sergio de Carvalho Diretor de Desenvolvimento Gerencial Paulo

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

DIREITO E PROCESSO: A LEGITIMIDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ATRAVÉS DO PROCESSO

DIREITO E PROCESSO: A LEGITIMIDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ATRAVÉS DO PROCESSO DIREITO E PROCESSO: A LEGITIMIDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ATRAVÉS DO PROCESSO ROSEMARY CIPRIANO DA SILVA Mestra em Direito Público pela FUMEC Professora substituta do Curso de Graduação em Direito

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

Concurso de Ideias Escola Sustentável Dom Cipriano Chagas

Concurso de Ideias Escola Sustentável Dom Cipriano Chagas Concurso de Ideias Escola Sustentável Dom Cipriano Chagas 1. DA ATIVIDADE CONCURSO DE IDEIAS, O QUE É? 1.1 De caráter cultural e acadêmico, o Concurso de Ideias - Escola Sustentável Dom Cipriano Chagas

Leia mais

A PROTEÇÃO INTEGRAL DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES VÍTIMAS.

A PROTEÇÃO INTEGRAL DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES VÍTIMAS. 1 A PROTEÇÃO INTEGRAL DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES VÍTIMAS. GRUPO TEMÁTICO: Direito à cultur a e ao lazer, e direito à liberdade, dignidade, respeito e diversidade cultur al. LUIZ ANTONIO MIGUEL FERREIRA

Leia mais

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva

Ilma. Superintendente de Educação, Sra. Indira dos Reis Silva Processo Administrativo n 07204/2010 Interessado: Secretaria Municipal de Educação Assunto: Exibição de Material Audiovisual e Textual na Rede Escolar Propriedade Intelectual. Direito Autoral. Lei nº.

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Igreja Amiga da criança. Para pastores

Igreja Amiga da criança. Para pastores Igreja Amiga da criança Para pastores Teste "Igreja Amiga da Criança" O povo também estava trazendo criancinhas para que Jesus tocasse nelas. Ao verem isso, os discípulos repreendiam aqueles que as tinham

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 145/2015 de 16 de Setembro de 2015 Considerando que José Christiano de Freitas Henrique Júnior foi um açoriano, nascido e criado nos Açores,

Leia mais

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS

PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS MERCOSUL/CMC/DEC N 16/98 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS EM MATERIA DE DESENHOS INDUSTRIAIS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção e o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 8/95 do Conselho do Mercado

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Humberto Gonçalves de Carvalho. Manual do. Empreendedor. Guia prático. Conceitos, ideias e dicas

Humberto Gonçalves de Carvalho. Manual do. Empreendedor. Guia prático. Conceitos, ideias e dicas Humberto Gonçalves de Carvalho Manual do Empreendedor Guia prático Conceitos, ideias e dicas Rio de Janeiro 2011 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2011 1. ed. 2011 Capa Theo Guedes Diagramação Theo Guedes

Leia mais

O Papel do Sistema CFA/CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração

O Papel do Sistema CFA/CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração Conselho Federal de Administração Câmara de Formação Profissional O Papel do Sistema /CRAs na Construção da Qualidade do Ensino de Administração Prof. Lúcio Mariano Albuquerque Melo adm.luciomelo@gmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Faculdade de Administração Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação. MBA em Propriedade Intelectual e Tecnologia

Faculdade de Administração Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação. MBA em Propriedade Intelectual e Tecnologia Faculdade de Administração Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação MBA em Propriedade Intelectual e Tecnologia Tópicos Especiais Carga Horária: 32 h/a 1- Ementa Estado moderno e Constitucionalismo.

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Ética e Legislação em Comunicação

Ética e Legislação em Comunicação Ética e Legislação em Comunicação Ambientes Digitais Blog Site/Sitio Portal Acervo Virtual Plataformas de aprendizagem virtual / Educação à distância Exercício coletivo: Exemplos e análise de ambientes

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

O Direito de Autor e o Mundo das Empresas

O Direito de Autor e o Mundo das Empresas O Direito de Autor e o Mundo das Empresas 1 A propriedade intelectual está no centro da atual economia baseada no conhecimento e na inovação. No ambiente digital, um mundo progressivamente globalizado

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P

DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P DISCURSO DO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS, NELSON P. SIROTSKY, NO 3º ENCONTRO DAS CORTES SUPREMAS DO MERCOSUL BRASÍLIA, 21 DE NOVEMBRO DE 2005 A Associação Nacional de Jornais, que tenho

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Proteção de direitos e divulgação de arquivos

Proteção de direitos e divulgação de arquivos Electrónica ISCTE 31 janeiro 2012 Proteção de direitos e divulgação de arquivos Helena Simões Patrício Sumário 1. Introdução: a proteção de direitos em ambiente digital 3. Proteção de documentos de arquivo

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 5 Decreto nº 6.260, de 20 de novembro de 2007 DOU de 20.11.2007 Dispõe sobre a exclusão do lucro líquido, para efeito de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

ADRIANA WYZYKOWSKI RENATO DA COSTA UNO DE GOES BARROS RODOLFO PAMPLONA FILHO

ADRIANA WYZYKOWSKI RENATO DA COSTA UNO DE GOES BARROS RODOLFO PAMPLONA FILHO ADRIANA WYZYKOWSKI Professora substituta da Universidade Federal da Bahia - (UFBA) e da Universidade Salvador UNI-FACS. Mestre em Relações Sociais e Novos Direitos pela Universidade Federal da Bahia -

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

Proteção de dados e acesso à informação. Mario Viola

Proteção de dados e acesso à informação. Mario Viola Proteção de dados e acesso à informação Mario Viola Seminário sobre a Lei de Acesso à Informação Anvisa 06 de agosto de 2013 Leis de Acesso à Informação David Banisar - 2013 Acesso à Informação Declaração

Leia mais