UERJ MODALIDADES DE UTILIZAÇÃO. Aspectos jurídicos da Edição, Gravação e Sincronização musical. Professora: Fernanda Freitas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UERJ MODALIDADES DE UTILIZAÇÃO. Aspectos jurídicos da Edição, Gravação e Sincronização musical. Professora: Fernanda Freitas"

Transcrição

1 DIREITO DO ENTRETENIMENTO Edição, Gravação e Sincronização musical Professora: Fernanda Freitas

2 DIREITO DO ENTRETENIMENTO UERJ MODALIDADES DE UTILIZAÇÃO Aspectos jurídicos da Edição, Gravação e Sincronização musical Professora: Fernanda Freitas Aula: 26/03/2011

3 Criação do espírito exteriorizada por meio de uma composição musical com ou sem letra. Individual Em colaboração produzida por dois ou mais autores (parceiros), sem que se possa separar a contribuição de cada um para o produto final. Justaposta são duas obras diferentes e autônomas que se complementam para formar uma terceira, conservando o autor de cada uma delas os direitos integrais sobre sua obra individual. Ex. Compositor de uma melodia sobre uma poesia preexistente. Original X Derivada obra criada a partir de uma obra original, considerada obra autônoma. Depende de autorização prévia do autor original. Inédita Ainda não foi autorizada sua divulgação ou publicação

4 Póstuma- publicada após a morte do autor. Sob encomenda criada em decorrência de contrato de prestação de serviço. coletiva - criada por iniciativa, organização e responsabilidade de uma pessoa física ou jurídica, que a publica sob seu nome ou marca e que é constituída pela participação de diferentes autores, cujas contribuições se fundem numa criação autônoma. Registro: De acordo com a Lei 90610/98, não é obrigatório o registro para que a obra seja protegida. Portanto, o efeito do registro é meramente declaratório e não constitutivo. O registro serve como início de prova da autoria. Direito de reprodução: Direito exclusivo do autor de autorizar ou proibir que sua obra seja fixada ou gravada em suporte material ( disco, partitura, livro ) É a fixação da obra em suporte material que permite que a obra seja comercializada, por meio de fabricação de exemplares.

5 Reprodução Gráfica: Direito gerado pela comercialização da obra por meios gráficos. Ex. Partituras Direito fonomecânico: Direito gerado pela reprodução mecânica da obra, a partir de sua fixação em suporte material denominado fonograma. Obra lítero-musical- com letra Obra musical sem letra Essa denominação não é seguida à risca.

6

7 LIMITAÇÕES AO DIREITO DE AUTOR NA GRAVAÇÃO Citação de pequenos trechos de obra preexistente na medida justificada para o fim que quer atingir. Reprodução de um só exemplar para uso próprio, sem intuito de lucro. Execução musical realizada em recesso familiar ou em estabelecimentos de ensino para fins didáticos. A utilização de fonogramas e transmissão de rádio e televisão em estabelecimentos comerciais, exclusivamente para demonstração à clientela, desde que esses estabelecimentos comercializem os suportes ou equipamentos que permitam a sua utilização; A reprodução de pequenos trechos de obras preexistentes, sempre que a reprodução em si não seja o objetivo principal da obra nova e que não prejudique a exploração normal da obra reproduzida, nem cause prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos autores.

8 As paráfrases e paródias. Convenção de Berna: Art.9, 2 : Teste dos 3 passos 1) reprodução em si não seja o principal objetivo, isto é, reprodução em casos especiais; 2) Não afete a exploração normal da obra; 3) Não cause prejuízo injustificado ao autor. LIMITAÇÃO TEMPORAL AO DIREITO DE AUTOR Prazo de proteção da obra 70 anos após a morte do autor, a contar de primeiro de janeiro do ano subsequente de seu falecimento. Obra em co-autoria prazo de proteção só começa a contar a partir da morte do último co-autor. Obras póstumas 70 anos da morte do autor, a contar de primeiro i de janeiro do ano subsequente de seu falecimento. F t bé d í i úbli 70 t d 1 Fonogramas também caem em domínio público em 70 anos a contar de 1 de janeiro do ano subseqüente ao de sua divulgação.

9 Artigo 41 a 45 da Lei 9610/1998. Decorrido o prazo de proteção as obras entram em Domínio Público. A obra é incorporada ao patrimônio da humanidade. DOMÍNIO PÚBLICO

10 O Domínio Público é a Livre utilização da obra. Não há necessidade de autorização nem de pagamento para se fazer uso da obra. Intenção da limitação temporal é remunerar o autor pelo seu trabalho e depois colocar a cultura à disposição de todos. FUNDAMENTO DO DOMÍNIO PÚBLICO Ninguém é neutro. Todos fazem parte de uma sociedade cultural. Ninguém cria do nada, pois tudo é fruto do meio cultural em que a pessoa vive. Todos comunicam-se entre si. Recebem conhecimentos e passam conhecimentos. É como herança. Nada mais justo que se devolva à sociedade aquilo que dela se tirou. Não pode denegrir a imagem direito personalíssimo, portanto imprescritível. Polo ativo da demanda herdeiros ou Ministério Público (representante do Estado).

11 EDIÇÃO MUSICAL O Objeto de uma editora musical é a administração de direitos autorais sobre catálogo de obras musicais. Art 53 obrigação do editor é de meio de desempenho para obter o melhor resultado possível. Atribuição do editor Divulgar a obra. Conceder autorização a terceiros. Arrecadar e distribuir valores relativos à autorização da obra utilizada. Comercializar a obra. Documentar a obra, seus titulares e o percentual de cada um.

12 Zelar pelo uso lícito da obra Prestar contas ao autor. Art. 53 a 67, Lei 9610/98 contrato típico (edição literária) O objeto de um contrato de edição é a concessão ao editor do direito de publicação de sua obra, com exclusividade, por prazo determinado e outras avenças. CONTRATOS APLICADOS Contrato de cessão de direitos autorais Hoje o usual é licenciamento da obra por prazo determinado e com cláusula de exclusividade e não mais cessão de direitos da mesma. Contrato de subedição (licenciamento) outro território.

13 Contrato de exclusividade para obras futuras o autor não está obrigado a compor, mas caso o faça está obrigado a editar com a editora com a qual contratou. Autor recebe um percentual pela obra cedida/licenciada. i d É válida a cessão genérica? Caso não haja previsão no contrato das modalidades de utilização objeto da cessão, presume-se que o contrato é válido apenas para aquela que seja indispensável ao cumprimento de sua finalidade (art. 49, VI); Interpretação restritiva dos negócios envolvendo direitos autorais (art. 4, LDA); Há editoras que fazem contrato com o artista, com caráter de exclusividade, pelas as obras que o mesmo vier a produzir. Aqui o objeto do contrato t é o artista t (espécie de agenciamento). Diferente do contrato de edição cujo objeto é a obra musical, o repertório.

14 Direitos administrados pela editora musical: Direitos fonomecâncios Direitos de sincronização Direitos de adaptação Direito de armazenamento (digital/internet/download) Outras modalidades de utilização. Direitos de Adaptação Previsão legal: art. 29, III e IV, LDA; Direito de autorizar ou proibir que sejam feitas modificações, variações ou arranjos em sua obra. Adaptação de letra de música para outro gênero artístico;

15 Direitos autorais atribuídos ao adaptador sobre a obra adaptada, cuja exploração dependerá do que for pactuado no contrato de adaptação; Adaptação- obras derivadas d Ex. Teatro, poesia musicada, audiovisual Versão tradução A editora pode administrar tanto a obra originária quanto a obra traduzida Direitos de Comunicação ao Público Previsão legal: art. 29, VIII, e art. 68, da LDA; Representação: exibição cinematográfica, teatro Outras modalidades de utilização reprodução gráfica, transcrição (reprodução de trecho da obra em outdoor)

16 Distribuição Eletrônica Truetones/ringtone não gera execução pública; Armazenamento para streaming- execução pública (ECAD) Comercialização de Donwloads; Empacotamento em hardware (celulares e outros equipamentos portáteis); Tendência à venda de catálogo, em licenças compreendendo grande quantidade de fonogramas para preencher a necessidade de conteúdo das mídias digitais; Faturamento apoiado em participação sobre o preço pago pelo usuário (download) com ou sem preço mínimo; Tendência para a gestão coletiva na administração desses direitos;

17 FATURAMENTO DA EDITORA É a quantia líquida recebida de terceiros pelo uso das obras musicais administradas, deduzido ou não o percentual do autor e do co-autor. Repartição dos valores: Direito fonomecânico editor: 25% a 33% autor: 75% a 67% Direito de sincronização editor: 25% a 50% autor: 75% a 50% Os direitos conexos não são pagos pela editora, mas sim pelo produtor fonográfico (cachê) ou pelo próprio p autor (show- produtor musical).

18 DIREITOS CONEXOS Direitos concedidos pela Lei: Aos artistas, intérpretes ou executantes de autorizar ou proibir a utilização de suas interpretações ou execuções: quais sejam execução pública, gravação e reprodução. Aos produtores fonográficos de autorizar ou não a utilização de seus produtos (CD, DVD ): quais sejam- reproduções em transmissão ou retransmissão por empresa de radiodifusão e execução pública. Aos organismos de radiodifusão de autorizar ou não a utilização de suas emissões de rádio ou TV. Quais sejam fixação e reprodução de suas emissões, comunicação ao público em locais de frequencia coletiva (teatros, auditórios, cinemas )

19 Há possibilidade de editoras distintas administrarem a mesma obra, sendo que cada editora deve declarar seu percentual junto a sua sociedade para que não haja conflito no ECAD. ABEM - Associação Brasileira dos Editores de Música- br Criada em 1973, é uma associação civil sem fins lucrativos, cujos objetivos principais i i são promover o desenvolvimento e prosperidade das atividades editoriais no campo da música; representar e defender os interesses de seus associados perante os poderes constituídos federais, estaduais e municipais, colaborando também como órgão técnico e consultivo, no estudo de assuntos que se relacionem às atividades da edição musical.

20 GRAVAÇÃO Artigo 5º, IX, Lei 9610/98 - Fonograma é toda fixação de sons de uma execução ou interpretação ou de outros sons, ou de uma representação de sons que não seja uma fixação incluída em uma obra audiovisual. É essa fixação em suporte material que permite a comunicação ao público e a divulgação da obra. Regras para publicação de um fonograma: Inserção do título da obra e seu autor; Inserção do nome ou pseudônimo do intérprete; Inserção do ano de publicação; Inserção do nome ou marca que identifica o produtor fonográfico

21 REPRODUÇÃO MECÂNICA Art. 29, I, LDA Direitos fonomecânicos - pagos ao autor diretamente pelo produtor fonográfico. Produção Fonográfica Produtor fonográfico: detém a titularidade de direitos conexos por determinação legal, desde que apresente a iniciativa e a responsabilidade econômica da fixação do fonograma (art. 5, XI, LDA) Pressupõe Liberação de direitos conexos de intérprete; Liberação de direitos conexos de músico executante; Liberação de direitos it autorais: arranjo e obra musical ou lítero-musical; l

22 Produtor musical: função técnica, por isso é remunerado por percentual. Não é titular de direitos conexos PRODUÇÃO FONOGRÁFICA O produtor fonográfico é quem detém a titularidade dos direitos conexos sobre o fonograma. Produção de fonograma Seleção de repertório Contratação de músicos Autorização dos compositores para gravação de suas obras Autorização dos intérpretes para comercialização de suas interpretações t Gravação no estúdio Mixagem mistura das faixas gravadas Masterização equilíbrio dos sons

23 Artistas escutam a master no aparelho de CD do carro para ter a real noção do som. Assim, ficam sabendo como a música está para os consumidores. Caso escutem nas aparelhagens potentes do estúdio pode ser que algum defeito seja mascarado. INDÚSTRIA FONOGRÁFICA Atua como titular de direitos it originários i i sobre as suas gravações sonoras. O seu maior patrimônio é o repertório de gravações acumulado ao longo de sua atividade empresarial. ADDAF Associação Defensora de Direitos Autorais Fonomecânicos. AMAR E SICAM possuem departamentos de reprodução

24 Regra geral: Remuneração aos autores - 8% sobre o preço de venda dos discos. Remuneração aos intérpretes 5 a 15% sobre o preço líquido de faturamento do disco. Editores retëm 15 a 25% sobre os frutos gerados pela obra por eles editadas. Músico recebe cachê. Modelo de Negócio Produção de álbuns fonográficos ou licenciamento; Possui a titularidade de todos os direitos relacionados ao fonograma; Participação no resultado da exploração dos direitos nos diversos Participação no resultado da exploração dos direitos nos diversos segmentos econômicos: reprodução, comunicação ao público, sincronização e armazenamento em computador (agenda digital);

25 Participação no resultado econômico dos serviços artísticos (shows, merchandising, publicidade entre outros). Contrato artístico = contrato de licenciamento de direitos conexos: Estabelece a obrigação do artista gravar para a Produtora (indústria fonográfica) determinado número de álbuns fonográficos, com interpretações inéditas ou não, e a participação nas atividades id d de divulgação; A produtora estipula o repertório em comum acordo com o Artista; A Produtora arca com os custos de produção na sua integralidade, negocia e contrata com todos os participantes da produção, técnicos e artistas; Licenciamento/autorização dos direitos conexos do intérprete para a Produtora, por território, prazo e modalidades de utilização estipulados em contrato

26 Distribuição Fonográfica Art. 29, VI c/c 89 e 93, LDA A Produtora pode atuar como produtora e distribuidora ou somente como distribuidora, hipótese em que é licenciada dos produtos. Cabe à Produtora, na função de distribuidora, empenhar seus melhores esforços na melhor estratégia de venda e no melhor resultado para o produto. Artista tstaexclusivo cus Seja no formato de licenciamento de produtos ou no formato de produção de produtos, o contrato com o Artista normalmente pressupõe o vínculo de exclusividade com a Produtora para a gravação e/ou a comercialização de álbuns fonográficos futuros do Artista. Os contratos podem, inclusive, ser celebrados para determinado número de álbuns.

27 Contratação de Músicos Prestação de serviços e licenciamento de direitos conexos; Remuneração por cachê e execução pública; Faturamento da Produtora Resultado líquido da comercialização dos direitos sobre os fonogramas produzidos, após o pagamento do direito autoral, do percentual devido ao artista (royalty) e dos custos de produção e comercialização LICENCIAMENTO DE FONOGRAMA Sincronização por 1 ano, fonograma para abertura de novela: R$ 6.000,00 para o produtor fonográfico. É bom prever número de execuções diárias. O contrato/ t autorização é com a Som Livre e a música é considerada d divulgação da novela, daí não pagam os direitos conexos.

28 SINCRONIZAÇÃO MUSICAL Colocar a música em sincronia com a imagem. Sincronizar é mais do que fixar a música, é a adaptação da música na cena de forma sincronizada. Isto é, a cena tem que caber na música ou a música tem que caber na cena. Direito de sincronização é o direito de inclusão em produção audiovisual, que nada amis é do que variação do direito de reprodução. Art. 86, Lei 9610/98 Reserva legal, isto é, a remuneração ao direito de sincronização é devida independentemente de contrato. Videoclipe É a cena criada para música. Diretor musical / montador a arte é sincronizar Produtores cinematográficos devem fazer o registro das obras musicais Produtores cinematográficos devem fazer o registro das obras musicais inseridas em seus filmes roteiro musical, mediante fichas técnicas, denominadas "cue-sheet.

29 Os cue sheets são fichas de documentação que servem para indicar as obras musicais (ou líteromusicais) inseridas na produção audiovisual, as respectivas informações e suas minutagens. Esse documento é importante para a exatidão da arrecadação e distribuição dos direitos de exibição, transmissão ou retransmissão audiovisual aos seus titulares. O autor da trilha sonora deve passar para a sua associação o "cue-sheet" que servirá de base para a distribuição dos valores arrecadados. Novelas obras de dramaturgia. As emissoras abertas encaminham com profissionalismo essas fichas técnicas ao ECAD. O autor da trilha sonora assina contrato de cessão de direitos autorais cedendo seu direito de autor ao produtor da obra audiovisual. Recebe: um valor fixo ou valor fixo e percentual de bilheteria. Teatro musical as músicas devem ser previamente autorizadas

30

31 Art. 46, II e III pequenos trechos ; citação? Fonograma para sincronização Autorização prévia onerosa ou gratuita e gera pagamento por execução pública. 5 segundos, 8 compassos não há previsão. LIMITAÇÃO AO DIREITO DE AUTOR NA SINCRONIZAÇÃO Citação de pequenos trechos de obra preexistente na medida justificada para o fim que quer atingir. A reprodução de pequenos trechos de obras preexistentes, sempre que a reprodução em si não seja o objetivo principal da obra nova e que não prejudique a exploração normal da obra reproduzida, nem cause prejuízo injustificado aos legítimos interesses dos autores. Art. 46, II, Lei 9610/98.

32 Possibilidade de incluir pequenos trechos de música em filme? Ex. Villa Lobos, uma paixão ; Possibilidade de incluir pequenos trechos de filmes em outro filme? Ex. Cinema Paradiso. Possibilidade d de incluir i pequenos trechos de música em peças teatrais? Ex. O Baile Limitação temporal (slide 7) Art.9, 2 Convenção de Berna: Teste dos 3 passos Fair use

33 Cena final dos beijos CINEMA PARADISO

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa

MANUAL DE NORMAS. 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa MANUAL DE NORMAS 1. Fonogramas para TV, TV por assinatura, Cinema, Rádio, Internet e Mídia Alternativa A criação da composição musical ou lítero-musical, a produção fonográfica, a direção musical, a direção

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO DE ARRECADAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE REPRODUÇÃO E DE DISTRIBUIÇÃO DE OBRAS MUSICAIS

REGULAMENTO REGULAMENTO DE ARRECADAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE REPRODUÇÃO E DE DISTRIBUIÇÃO DE OBRAS MUSICAIS REGULAMENTO REGULAMENTO DE ARRECADAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE REPRODUÇÃO E DE DISTRIBUIÇÃO DE OBRAS MUSICAIS Aprovado em 16 de setembro de 2015 ÍNDICE Í ndice Í. Finalidade 1 ÍÍ. Definiçõ es 2 ÍÍÍ.

Leia mais

Direitos autorais: você tem todo o direito de conhecer. www.ecad.org.br

Direitos autorais: você tem todo o direito de conhecer. www.ecad.org.br COMO RECEBER DIREITO AUTORAL Direitos autorais: você tem todo o direito de conhecer. www.ecad.org.br Como receber direito autoral 1 Todo compositor, intérprete, músico, produtor fonográfico ou editora

Leia mais

A música feita no Brasil é produto de exportação

A música feita no Brasil é produto de exportação Resposta Técnica As vantagens do registro das criações musicais A música feita no Brasil é produto de exportação Nomes como Tom Jobim, Roberto Carlos, Chico Buarque e, recentemente, Michel Teló, com uma

Leia mais

Projeto de Trabalho de Graduação 2

Projeto de Trabalho de Graduação 2 Projeto de Trabalho de Graduação 2 Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva 1 Agenda Plágio Proteção dos Direitos Autorais A Lei Brasileira 2 Plágio Plágio é a apropriação indevida de ideais ou textos de

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Introdução. Capítulo I Como abrir um selo fonográfico

ÍNDICE GERAL. Introdução. Capítulo I Como abrir um selo fonográfico ÍNDICE GERAL Introdução Capítulo I Como abrir um selo fonográfico 1. Abrindo sua empresa O Contador O Contrato Social - Empresa Prestadora de Serviços ou de Comércio 2. Marca O INPI Tipos de Marca 3. Sociedade

Leia mais

ÍNDICE. Í ndice. Í. Finalidades 1 ÍÍ. Crite rios de arrecadaça o e distribuiça o 2 ÍÍÍ. Disposiço es finais 4

ÍNDICE. Í ndice. Í. Finalidades 1 ÍÍ. Crite rios de arrecadaça o e distribuiça o 2 ÍÍÍ. Disposiço es finais 4 REGULAMENTO REGULAMENTO PARA LICENCIAMENTO, ARRECADAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE DIREITOS DE REPRODUÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E COMUNICAÇÃO AO PÚBLICO PARA SERVIÇOS DE ASSINATURA INTERATIVOS DE OFERTA DE OBRAS MUSICAIS

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Departamento Regional do Amapá MOSTRA DE MÚSICA SESCANTA AMAPÁ 2011 REGULAMENTO

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Departamento Regional do Amapá MOSTRA DE MÚSICA SESCANTA AMAPÁ 2011 REGULAMENTO SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Departamento Regional do Amapá MOSTRA DE MÚSICA SESCANTA AMAPÁ 2011 REGULAMENTO O Serviço Social do Comércio - Departamento Regional no Amapá realiza a Mostra de Música SESCanta

Leia mais

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO

AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS SÉRGIO BRANCO I O PROBLEMA Direitos Patrimoniais: Art. 29: depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais

Leia mais

DIREITOS CONEXOS. António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados

DIREITOS CONEXOS. António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados DIREITOS CONEXOS António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados DIREITOS CONEXOS Origem e fontes dos direitos conexos. Evolução tecnológica; Convenções

Leia mais

CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO

CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO CONTRATO DE ARMAZENAMENTO, HOSPEDAGEM, DISPONIBILIZAÇÃO RESTRITA E MANDATO FÁBRICA DE SUCESSOS LTDA. ME, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob Nº 14.464.760/0001-64, com sede na Alameda

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

Experiência brasileira de gestão dos direitos de execução pública musical

Experiência brasileira de gestão dos direitos de execução pública musical Experiência brasileira de gestão dos direitos de execução pública musical ASSOCIAÇÔES EFETIVAS: ABRAMUS AMAR SBACEM SICAM SOCINPRO UBC ASSOCIAÇÕES ADMINISTRADAS: ABRAC ANACIM ASSIM SADEMBRA Lei 9.610/98

Leia mais

Direitos autorais e a EAD

Direitos autorais e a EAD Direitos autorais e a EAD 1 II FÓRUM DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO PODER JUDICIÁRIO ROGER TRIMER Boas notícias A educação a distância tem liderado uma tendência de volta do conteúdo didático no processo de

Leia mais

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra.

Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica da obra. A Fulano de Tal Endereço Rio de Janeiro, de de Prezado Fulano de Tal, Em continuação aos nossos entendimentos, formalizamos nossa proposta de opção de aquisição de direitos de adaptação cinematográfica

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO CULTURAL DE FOTOGRAFIA VARAL REVELADO: MEU OLHAR NA SAÚDE DO V CACUN 2015

REGULAMENTO DO 1º CONCURSO CULTURAL DE FOTOGRAFIA VARAL REVELADO: MEU OLHAR NA SAÚDE DO V CACUN 2015 REGULAMENTO DO 1º CONCURSO CULTURAL DE FOTOGRAFIA VARAL REVELADO: MEU OLHAR NA SAÚDE DO V CACUN 2015 O Concurso Cultural de Fotografia Universitário do V CACUN 2015 - VARAL REVELADO: MEU OLHAR NA SAÚDE

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira)

PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.513, DE 2011 (Do Sr. Paulo Teixeira) Dispõe sobre a política de contratação e licenciamento de obras intelectuais subvencionadas pelos entes do Poder Público e

Leia mais

A mlc 2011 acontecerá no teatro do Oi Futuro Ipanema, na cidade do Rio de Janeiro, dos dias 01 a 04 de setembro de 2011.

A mlc 2011 acontecerá no teatro do Oi Futuro Ipanema, na cidade do Rio de Janeiro, dos dias 01 a 04 de setembro de 2011. apresenta: IV MOSTRA LIVE CINEMA mlc 2011 APRESENTAÇÃO A IV MOSTRA LIVE CINEMA (mlc 2011) é uma mostra expositiva de performances audiovisuais, de Live Cinema, Live Images e de qualquer outro tipo de manifestação

Leia mais

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS

SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SNBU 2012 DIREITOS AUTORAIS E LICENÇAS PÚBLICAS SÉRGIO BRANCO Parte 1 INTRODUÇÃO Stephanie Lenz e seu filho Holden: O Caso Let s go Crazy US$ 150,000.00 Parte 2 A PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Intelectual

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

VI FÜrum de EaD. De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas

VI FÜrum de EaD. De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas VI FÜrum de EaD De Joinville p/ JaguarÄo, 26 de fevereiro de 2013. Profa. Dra. Patrícia de Oliveira Areas U ni versi d ad e d a Re g i Äo d e J o i nvi l l e U N IVILLE P r o f e sso r a no Depar tame

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

1.A Execução Pública da Música/Sociedade Moçambicana de Autores

1.A Execução Pública da Música/Sociedade Moçambicana de Autores 1.A Execução Pública da Música/Sociedade Moçambicana de Autores A Associação Moçambicana de Autores(SOMAS), tal como é frequentemente designada, é a única instituição em Moçambique que representa os autores

Leia mais

O USO LEGAL DO SAMPLE Escrito por Fulvio Machado Faria

O USO LEGAL DO SAMPLE Escrito por Fulvio Machado Faria O USO LEGAL DO SAMPLE Escrito por Fulvio Machado Faria 1. INTRODUÇÃO. 1.1. O Porquê. 1.2. O Incômodo. 2. MÉTODO SAMPLE. 3. A UTILIZAÇÃO DO SAMPLE. 3.1. Lei 9.610/98 (Lei Brasileira dos Direitos Autorais).

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MINIMETRAGEM 2010

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MINIMETRAGEM 2010 REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MINIMETRAGEM 2010 1. O presente regulamento tem por objeto a abertura do Concurso Cultural MiniMetragem 2010, que visa incentivar a pesquisa de idéias, conceitos, estética,

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO EMPREENDIMENTO UP BARRA MAIS

REGULAMENTO PROMOÇÃO EMPREENDIMENTO UP BARRA MAIS REGULAMENTO PROMOÇÃO EMPREENDIMENTO UP BARRA MAIS 1. Descrição da Campanha e Benefício 1.1. Essa campanha é destinada exclusivamente aos Clientes Participantes que cumprirem todas as condições previstas

Leia mais

ACORDO DE ENCOMENDA DE OBRA. Concurso Internacional de Design

ACORDO DE ENCOMENDA DE OBRA. Concurso Internacional de Design ACORDO DE ENCOMENDA DE OBRA e CESSÃO DE DIREITOS DE AUTOR, Concurso Internacional de Design Celebrado entre, 1. Terrafacil, Lda, sociedade portuguesa com domicílio na Travessa da Rua Vasco Borges, nº35,

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir

O consumidor. e o direito. do autor. O que você pode e o que não pode reproduzir O consumidor e o direito do autor O que você pode e o que não pode reproduzir a lei de direitos autorais permite diversos tipos de cópias. Mas as restrições são muito exageradas. Direito autoral não quer

Leia mais

TERMOS DE USO E SERVIÇO / REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL "VALE TUDO MENOS INSTRUMENTO" Considerando que: O Concurso "Vale tudo menos instrumento" é

TERMOS DE USO E SERVIÇO / REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL VALE TUDO MENOS INSTRUMENTO Considerando que: O Concurso Vale tudo menos instrumento é TERMOS DE USO E SERVIÇO / REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL "VALE TUDO MENOS INSTRUMENTO" Considerando que: O Concurso "Vale tudo menos instrumento" é um concurso unicamente cultural sem fins lucrativos,

Leia mais

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015

Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Direitos Autorais e a Hotelaria Câmara dos Deputados 05/11/2015 Sobre o FOHB Criado em 2002, o FOHB Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil é uma entidade associativa sem fins lucrativos que representa

Leia mais

Diversidade Cultural e Conteúdo

Diversidade Cultural e Conteúdo Diversidade Cultural e Conteúdo I Fórum da Internet no Brasil Comitê Gestor da Internet Expo Center Norte Outubro/2011 Oona Castro Instituto Overmundo Overmundo Missão: difundir a cultura brasileira em

Leia mais

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA

REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA REGULAMENTO PRÊMIO FOLHABV DE CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA A EDITORA BOA VISTA LTDA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Lobo D almada, 43, na cidade Boa Vista, Estado de Roraima, inscrita no CNPJ

Leia mais

REGULAMENTO RADICE PRODUÇÕES. 8º CONCURSO SAMBA DE QUADRA Troféu Nelson Sargento CLAUSULA 1º.- DO OBJETIVO.

REGULAMENTO RADICE PRODUÇÕES. 8º CONCURSO SAMBA DE QUADRA Troféu Nelson Sargento CLAUSULA 1º.- DO OBJETIVO. REGULAMENTO RADICE PRODUÇÕES APRESENTA 8º CONCURSO SAMBA DE QUADRA Troféu Nelson Sargento CLAUSULA 1º.- DO OBJETIVO. A RADICE PRODUÇÕES, estabelecida na cidade do Rio de Janeiro apresenta o 8º CONCURSO

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 EMPREENDER NA MÚSICA COMO TRANSFORMAR UMA BANDA NUMA MICRO EMPRESA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Sumário Ecossistema da música A música no Brasil Gestão da carreira musical O ecossistema

Leia mais

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS Cláudia Trabuco Centro Português de Fotografia, Porto, 30.10.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos

Leia mais

TARIFÁRIO DE DIREITOS DE REPRODUÇÃO MECÂNICA

TARIFÁRIO DE DIREITOS DE REPRODUÇÃO MECÂNICA 1- INFORMAÇÃO GERAL SOBRE O DEP. DE DIREITOS MUSICAIS-SUPORTES FÍSICOS HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO Atendimento Geral: MANHÃ - 08:30 H / 12:30 H TARDE - 13:30 H / 17:00 H Pagamentos e Levantamento de Licenças:

Leia mais

GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL

GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL GESTÃO COLETIVA NO AMBIENTE DIGITAL CONTEXTO A gestão coletiva de direitos autorais é uma das formas com que os autores podem garantir de maneira efetiva os seus direitos. Disciplinada no ordenamento jurídico

Leia mais

REGULAMENTO 2015. A 7ª edição do Festival será realizada em São Paulo, de 01/05/2015 a 10/05/2015.

REGULAMENTO 2015. A 7ª edição do Festival será realizada em São Paulo, de 01/05/2015 a 10/05/2015. I - SOBRE O FESTIVAL DESCRIÇÃO E OBJETIVOS O IN- EDIT~BRASIL - Festival Internacional do Documentário Musical - é um evento cinematográfico que tem como objetivo fomentar a produção e a difusão de filmes

Leia mais

CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CAMPEONATOS PAULISTA DE TODAS AS ESPECIALIDADES E DEMAIS EVENTOS OFICIAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO CICLISMO DE ESTRARA CICLISMO DE VELÓDROMO- MOUNTAIN BIKE DOWN HILL BICICROSS CICLOTURISMO Termo de Filiação

Leia mais

Direitos autorais Legislação e Normas

Direitos autorais Legislação e Normas 3 Direitos autorais Legislação e Normas Lígia Fascioni Aula de hoje lei autoral tipos de obra registro de obras direitos morais direitos patrimoniais registro e patente de desenho industrial marcas Lei

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 03/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR

NOTA TÉCNICA Nº 03/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Comunicação Social Secretaria de Gestão, Controle e Normas Diretoria de Normas NOTA TÉCNICA Nº 03/2008/DINOR/SGCN/SECOM-PR Brasília, 25 de janeiro de 2008. Referência:

Leia mais

Perguntas e Respostas Distribuição

Perguntas e Respostas Distribuição Perguntas e Respostas Distribuição O que é o direito autoral É o conjunto de direitos concedidos por lei à pessoa física que cria uma obra intelectual, para que possa usufruir dos benefícios morais e intelectuais

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS Distribuição Tudo sobre como receber direitos autorais Setembro/2014 Ecad - Escritório Central de Arrecadação e Distribuição tem o prazer de apresentar o Perguntas e Respostas sobre

Leia mais

CONCURSO CULTURAL FOTOGRÁFICO PAISAGENS URBANAS - SÃO BERNADO DO CAMPO TEMA: O FUTURO É AGORA

CONCURSO CULTURAL FOTOGRÁFICO PAISAGENS URBANAS - SÃO BERNADO DO CAMPO TEMA: O FUTURO É AGORA CONCURSO CULTURAL FOTOGRÁFICO PAISAGENS URBANAS - SÃO BERNADO DO CAMPO TEMA: O FUTURO É AGORA FICHA DE INSCRIÇÃO NÚMERO DA INSCRIÇÃO: NOME COMPLETO: PSEUDÔNIMO: TÍTULO DA FOTOGRAFIA: DATA DE NASCIMENTO:

Leia mais

REPOSITÓRIOS DE ACESSO ABERTO E AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS

REPOSITÓRIOS DE ACESSO ABERTO E AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS REPOSITÓRIOS DE ACESSO ABERTO E AS LICENÇAS CREATIVE COMMONS O que é o Creative Commons? Creative Commons (CC) é uma entidade, sem fins lucrativos, criada para permitir maior flexibilidade na utilização

Leia mais

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL CÁSSIO AUGUSTO BARROS BRANT LIÇÕES PRELIMINARES DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 1ª Edição Belo Horizonte Edição do Autor 2012 B821l Brant, Cássio Augusto Barros

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

LABMIS Edição de Curtas. 1ª Convocatória

LABMIS Edição de Curtas. 1ª Convocatória LABMIS Edição de Curtas 1ª Convocatória O projeto semestral LABMIS Edição de Curtas tem por objetivo abrir espaço permanente para a edição e finalização de curtas-metragens que se distinguem pela qualidade

Leia mais

REGULAMENTO FESTIVAL SESI MÚSICA ETAPA ESTADUAL/2012

REGULAMENTO FESTIVAL SESI MÚSICA ETAPA ESTADUAL/2012 O SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, DEPARTAMENTO REGIONAL DA BAHIA - SESI/DR/BA, doravante denominado SESI/DR/BA, faz saber, para conhecimento dos trabalhadores da indústria e dependentes, e alunos da Rede

Leia mais

I FESTIVAL DE MÚSICA DA FLORESTA REGULAMENTO

I FESTIVAL DE MÚSICA DA FLORESTA REGULAMENTO I FESTIVAL DE MÚSICA DA FLORESTA REGULAMENTO A FUNDAÇÃO AMAZONAS SUSTENTÁVEL, Fundação de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF nº 09.351.359/0001-88, doravante FAS, representado, neste ato, por seu Superintendente-Geral,

Leia mais

Convocatória LABMIS Estúdio de Som 2016

Convocatória LABMIS Estúdio de Som 2016 Convocatória LABMIS Estúdio de Som 2016 O Laboratório de Novas Mídias do MIS, LABMIS, primeiro media lab situado em um museu público brasileiro, que tem como objetivo fomentar a produção de obras desenvolvidas

Leia mais

DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL

DIREITO AUTORAL DIREITO AUTORAL Na composição dos direitos autorais, existe uma divisão: direitos morais e direitos patrimoniais. Esses direitos protegem e orientam o autor, no que diz respeito à obra criada por ele. Como autor, há coisas

Leia mais

Gestão Coletiva http://www.sbacem.org.br/sbacem-novo/es/gestao-coletiva/132-gestao-coletiva.pdf

Gestão Coletiva http://www.sbacem.org.br/sbacem-novo/es/gestao-coletiva/132-gestao-coletiva.pdf No hay traducciones disponibles. O Sistema de Gestão Coletiva de Direitos no Brasil O Sistema de Gestão Coletiva de Direitos no Brasil A arrecadação dos direitos autorais e conexos musicais é realizada

Leia mais

FEIRA MÚSICA BRASIL 2009

FEIRA MÚSICA BRASIL 2009 FEIRA MÚSICA BRASIL 2009 Edital de seleção de bandas Publicado no Diário Oficial da União de 24 de agosto de 2009 * O Presidente da Fundação Nacional de Artes Funarte, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

O que essas quatro precisam para serem efetivas e não mais administradas?

O que essas quatro precisam para serem efetivas e não mais administradas? Em entrevista exclusiva com a Superintendente Executiva do Ecad, Glória Braga, assuntos que vivem sendo debatidos nas ruas entre autores poderão agora ser explicados facilmente, e de forma didática, para

Leia mais

Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora. Roberta Westin 26.08.14

Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora. Roberta Westin 26.08.14 Propriedade Intelectual e a segunda tela: conteúdo autoral em qualquer lugar, a qualquer hora Roberta Westin 26.08.14 AGENDA O fenômeno da segunda tela O impacto para os usuários e o mercado Potenciais

Leia mais

II PRÊMIO OCB/MS DE JORNALISMO

II PRÊMIO OCB/MS DE JORNALISMO O II PRÊMIO OCB/MS DE JORNALISMO é um programa institucional desenvolvido pelo Sistema OCB-SESCOOP/MS - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado no Mato Grosso do Sul e Serviço Nacional

Leia mais

Concurso de fotografias ''Criatividade do call center do Sintetel

Concurso de fotografias ''Criatividade do call center do Sintetel Concurso de fotografias ''Criatividade do call center do Sintetel Objetivo: O concurso de fotografia Criatividade do call center'' tem como principal objetivo a valorização da realidade no setor de teleatendimento,

Leia mais

1.1 Jovens entre 15 e 30 anos, de qualquer lugar do Brasil, podem participar do 3º Prêmio Cazuza de Vídeo.

1.1 Jovens entre 15 e 30 anos, de qualquer lugar do Brasil, podem participar do 3º Prêmio Cazuza de Vídeo. REGULAMENTO 1. QUEM PODE PARTICIPAR 1.1 Jovens entre 15 e 30 anos, de qualquer lugar do Brasil, podem participar do 3º Prêmio Cazuza de Vídeo. 2. FORMATO DOS VÍDEOS 2.1 Os vídeos podem ser realizados em

Leia mais

CÓDIGO 58 - EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO

CÓDIGO 58 - EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO Classificação Nacional de Atividades Econômicas CNAE 2.0 CÓDIGO 58 - EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO 581 - Edição de Livros, Jornais, Revistas e outras Atividades de Edição 582 - Edição integrada

Leia mais

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015 Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2015 1 - DO FESTIVAL 1.1 - O CINEfoot - Festival de Cinema de Futebol é o primeiro festival de cinema do Brasil e da América Latina com abordagens conceitual e

Leia mais

1.1 Jovens entre 15 e 30 anos, de qualquer lugar do Brasil, podem participar do 2º Prêmio Cazuza de Vídeo.

1.1 Jovens entre 15 e 30 anos, de qualquer lugar do Brasil, podem participar do 2º Prêmio Cazuza de Vídeo. REGULAMENTO 1. QUEM PODE PARTICIPAR 1.1 Jovens entre 15 e 30 anos, de qualquer lugar do Brasil, podem participar do 2º Prêmio Cazuza de Vídeo. 2. FORMATO DOS VÍDEOS 2.1 Os vídeos podem ser realizados em

Leia mais

REGULAMENTO REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE EXECUÇÃO PÚBLICA MUSICAL

REGULAMENTO REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE EXECUÇÃO PÚBLICA MUSICAL REGULAMENTO REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DOS DIREITOS AUTORAIS DE EXECUÇÃO PÚBLICA MUSICAL Aprovado em 16 de setembro de 2015 ÍNDICE Í ndice Í. Princípios Gerais 1 ÍÍ. Cadastro e Documentaça o 2 ÍÍÍ. Distribuiça

Leia mais

A/C do Sr. Marcos Souza Diretor de Direitos Intelectuais do Ministério da Cultura.

A/C do Sr. Marcos Souza Diretor de Direitos Intelectuais do Ministério da Cultura. Rio de Janeiro, 10 de setembro de 2010. A/C do Sr. Marcos Souza Diretor de Direitos Intelectuais do Ministério da Cultura. Pelo presente documento e por meio de comentários específicos, a Inter Artis Brasil

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS

CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS CHAMADA PÚBLICA PARA CADASTRO E SELEÇÃO DE OBRAS AUDIOVISUAIS BRASILEIRAS 1. Sobre a Sétima A SÉTIMA quer ajudar os realizadores, artistas, coletivos de audiovisual, distribuidoras e produtoras, que não

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS

SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS Enquadramento jus-autoral dos serviços das bibliotecas Cláudia Trabuco FDUNL, 29.05.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos conexos mais relevantes

Leia mais

Regulamento de Distribuição

Regulamento de Distribuição Regulamento de Distribuição Índice Capítulo I - Disposição Preliminar Artigo 1º - Critérios Capítulo II - Cadastro Artigo 2º - Informações preliminares Capítulo III - Organização do Cadastro Artigo 3º

Leia mais

Proposta de Lei n.º 247/XII

Proposta de Lei n.º 247/XII Proposta de Lei n.º 247/XII Exposição de Motivos A Diretiva n.º 2012/28/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa a determinadas utilizações permitidas de obras órfãs,

Leia mais

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Valor total do Projeto: R$ 981.420,00 Apresentação: A Rádio Gazeta, fundada em 1943, com sua programação voltada exclusivamente

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO EVEN DAY

REGULAMENTO PROMOÇÃO EVEN DAY REGULAMENTO PROMOÇÃO EVEN DAY 1. Descrição da Campanha e Benefício 1.1. Essa campanha é destinada exclusivamente aos Clientes Participantes que cumprirem todas as condições previstas neste Regulamento,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet

Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet XXXIV Congresso Internacional de Propriedade Intelectual - ABPI Painel 12: A ANCINE e a distribuição de conteúdo audiovisual pela Internet Rosana Alcântara Diretora Agosto de 2014 Agenda Atuação da ANCINE

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30''

TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30'' TABELA DE PREÇOS DIA HORA GÊNERO PROGRAMA 30'' SEG/SAB 06:00/09:00 VARIEDADES SHOW DO ANTONIO CARLOS R$ 39,00 SEG/SAB 09:05/10:00 RELIGIOSO MOMENTO DE FÉ R$ 51,00 SEG/SAB 10:05/13:00 VARIEDADES MANHÃ DA

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR

A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR A PROTEÇÃO DOS PROGRAMAS DE COMPUTADOR Divisão de Registro de Programa de Computador Victor Pimenta M. Mendes Fortaleza - CE Setembro- 2010 Propriedade Intelectual Propriedade Intelectual Propriedade Industrial

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

Concurso Cultural de Vídeo Amador Como seria o mundo sem regras CESSÃO DE DIREITOS E OUTRAS AVENÇAS

Concurso Cultural de Vídeo Amador Como seria o mundo sem regras CESSÃO DE DIREITOS E OUTRAS AVENÇAS Concurso Cultural de Vídeo Amador Como seria o mundo sem regras CESSÃO DE DIREITOS E OUTRAS AVENÇAS CEDENTE: (Autor VÍDEO) RG: CPF: Endereço: Cidade/UF: TÍTULO VÍDEO: DO CO-AUTORES: 1 - Associação Tela

Leia mais

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo4 Utilização das Obras Protegidas

Noções Gerais de Direitos Autorais. Módulo4 Utilização das Obras Protegidas Noções Gerais de Direitos Autorais Módulo4 Utilização das Obras Protegidas Brasília 2015 Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Paulo Sergio de Carvalho Diretor de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

Regulamento de Distribuição

Regulamento de Distribuição Regulamento de Distribuição Descrição Página Artigo 1º - Critérios...5 Artigo 2º - Informações preliminares...5 Artigo 3º - Rol de informações...7 Artigo 4º - Cadastro de titulares...7 Artigo 5º - Cadastro

Leia mais

Para informações sobre as condições de uso das redes sociais da Abbott, por favor acesse os Termos de Uso para mídiais sociais.

Para informações sobre as condições de uso das redes sociais da Abbott, por favor acesse os Termos de Uso para mídiais sociais. TERMOS DE USO Estes Termos de Uso regulam o acesso a páginas de Internet controladas pela Abbott Laboratories, suas subsidiárias e afiliadas (doravante denominadas, em conjunto, Abbott ), e para as quais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS PARECER Nº 001/2012 DLN. INTERESSADO: Reitoria da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). ASSUNTO: PLÁGIO. Vem a este Departamento Ofício de nº 066/2011 PRODERE/FES, encaminhado pela Reitoria desta UFAM,

Leia mais

FORMULÁRIO E AUTORIZAÇÃO FAZ DE PERRY [Entregar um único documento por vídeo enviado]

FORMULÁRIO E AUTORIZAÇÃO FAZ DE PERRY [Entregar um único documento por vídeo enviado] FORMULÁRIO E AUTORIZAÇÃO FAZ DE PERRY [Entregar um único documento por vídeo enviado] Para poder participar no Passatempo Faz de Perry, tanto os participantes menores como os seus pais/tutores/representantes

Leia mais

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE FITA MATRIZ POR TEMPO DETERMINADO PARA REPRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO E OUTRAS AVENÇAS

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE FITA MATRIZ POR TEMPO DETERMINADO PARA REPRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO E OUTRAS AVENÇAS CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE FITA MATRIZ POR TEMPO DETERMINADO PARA REPRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO E OUTRAS AVENÇAS Pelo presente instrumento particular, de um lado, CREATIVE MUSIC BRAZIL EIRELI

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

Convocatória Nova Fotografia 2016

Convocatória Nova Fotografia 2016 Convocatória Nova Fotografia 2016 O projeto anual Nova Fotografia tem por objetivo criar um espaço permanente para exposição de projetos fotográficos de artistas promissores e ainda pouco conhecidos que

Leia mais

CESSÃO DE DIREITOS SOBRE OBRAS FOTOGRÁFICAS, AUDIOVISUAIS E

CESSÃO DE DIREITOS SOBRE OBRAS FOTOGRÁFICAS, AUDIOVISUAIS E CESSÃO DE DIREITOS SOBRE OBRAS FOTOGRÁFICAS, AUDIOVISUAIS E ARTÍSTICAS Essas condições gerais ("Condições Gerais") regulam o contrato ("Contrato") estabelecido entre UNIVERSIA BRASIL S/A, com sede na Cidade

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Líder: Gustavo Rabelo Botrel Miranda Vice-líder: Paulo Sérgio de Souza 1º Tesoureiro: Gustavo José da Silva 2º Tesoureiro: Hugo Baldan Júnior 1º Secretário:

Leia mais

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2014

Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2014 Festival de Cinema de Futebol REGULAMENTO 2014 1 - DO FESTIVAL 1.1 - O CINEfoot - Festival de Cinema de Futebol é o primeiro festival de cinema do Brasil e da América Latina com abordagens conceitual e

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.247, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério)

PROJETO DE LEI N.º 6.247, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.247, DE 2013 (Do Sr. Marcos Rogério) Acrescenta o 8º ao art. 68 da Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, a fim de vedar a cobrança de direitos autorais sobre

Leia mais

h) CADASTRO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato.

h) CADASTRO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROGRAMA DE FIDELIDADE inscrita no CNPJ/MF sob o n. 09.016.557/0001-95, com sede na Rua Dr. Sodré 122 Sala 53, Vila Nova Conceição, São Paulo SP - CEP: 04535-110,

Leia mais

ROYALTY ARTÍSTICO e AUTORAL

ROYALTY ARTÍSTICO e AUTORAL ROYALTY ARTÍSTICO e AUTORAL Breve Histórico Royal Devido a Realeza Estatuto da Rainha Ana 10 de Abril de 1710 Inglaterra Sec. XVIII Adesão dos EUA Primeira norma legal que reconhece o copyright O Estatuto

Leia mais

CONCURSO CULTURAL FOTOGRÁFICO PAISAGENS URBANAS TEMA: FLUXOS NOME COMPLETO: CURSO: UNIDADE: TÍTULO DA FOTOGRAFIA: ENDEREÇO COMPLETO: TEL: CEL: E-MAIL:

CONCURSO CULTURAL FOTOGRÁFICO PAISAGENS URBANAS TEMA: FLUXOS NOME COMPLETO: CURSO: UNIDADE: TÍTULO DA FOTOGRAFIA: ENDEREÇO COMPLETO: TEL: CEL: E-MAIL: CONCURSO CULTURAL FOTOGRÁFICO PAISAGENS URBANAS TEMA: FLUXOS FICHA DE INSCRIÇÃO NÚMERO DA INSCRIÇÃO: NOME COMPLETO: CURSO: UNIDADE: TÍTULO DA FOTOGRAFIA: DATA DE NASCIMENTO: / / RG: MATRÍCULA: CPF: ENDEREÇO

Leia mais

3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO

3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO 3ª MOSTRA DE CINEMA AMADOR DO COLÉGIO CIVITATIS (CIVIFILMES) E 3º TROFÉU GRAÇA ARANHA DE CINEMA AMADOR REGULAMENTO O COLÉGIO CIVITATIS sediado na Rua Falchi Gianini, 842, no bairro da Vila Prudente, CEP:

Leia mais

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES.

A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO CONTRATO DE LICENÇA DE USO E GARANTIA A COMPLETA INSTALAÇÃO DESTE SOFTWARE IMPLICA NA IMEDIATA ACEITAÇÃO DE TODOS OS SEUS TERMOS E CONDIÇÕES. 1.0. INDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais