AS BAIANAS DA MÚSICA. Carla Patrícia Santana (UNEB)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS BAIANAS DA MÚSICA. Carla Patrícia Santana (UNEB)"

Transcrição

1 1 AS BAIANAS DA MÚSICA Carla Patrícia Santana (UNEB) Quem são as compositoras baianas do século XX? Esta é a primeira indagação motivadora desta pesquisa. Ao pensar em uma resposta, os nomes que surgem são de intérpretes com circulação na mídia. Isto porque a atuação das mulheres como intérpretes tem sido destaque no cenário cultural brasileiro há alguns anos. Inúmeras são as artistas reconhecidas. Porém, quando se trata de composição, ainda poucos nomes aparecem em cena. À mulher, cantada em verso e prosa desde longa data, foi permitido circular no espaço das artes com papéis específicos, como cantoras ou dançarinas. Pela sua voz, escutava-se o discurso alheio, quase como uma concessão (por isso, utilizei propositalmente o verbo permitir). Mas a mulher como autora, produtora de discursos foi relegada ao plano da invisibilidade. Este foi o lugar imposto às compositoras, especialmente aquelas que não eram intérpretes; e mesmo as que eram também intérpretes encontraram dificuldades para fazerem sua produção circular. Aberturas foram construídas por elas e hoje se tem notícia de que muitas composições de mulheres baianas têm sido eleitas por cantores reconhecidos. Mas este fato é pouco evidenciado. Algumas das indagações decorrentes daquela inicial são: Como se formam as redes de comunicação e veiculação da produção? O que de recorrente tem permanecido nas suas composições? Quais os discursos sobre as mulheres que mais aparecem nestes textos? Há um discurso sobre a construção das identidades de gênero, raça/etnia e os papéis sociais, em suas canções? Como são construídas as redes de relações entre elas? Quais as suas estratégias para a veiculação de sua produção? Estas são questões ainda não respondidas, mas os passos iniciais de um

2 2 projeto de pesquisa que se norteia por este caminho revelam algumas possibilidades de reflexão. O levantamento inicial de nomes de mulheres compositoras da Bahia, com pesquisa de campo majoritariamente localizada na cidade de Salvador, nos levou a compor uma lista com 70 nomes de mulheres atuantes na música, dos mais diferentes segmentos sociais, da década de 1980 aos dias de hoje. Ainda em andamento, esta pesquisa realizou, até o momento, um primeiro bloco de entrevistas filmadas com quinze mulheres, resultando em quase trinta horas de gravação. As compositoras entrevistadas, com filmagem, até dezembro de 2011: Juliana Ribeiro, Manuela Rodrigues, Claudia Cunha, Sylvia Patrícia, Illa Benício, Joana Ramos (do grupo Samba da moças), Neila Alcântara (do grupo Chita Fina), Camila Jatobá, Mariella Santiago, Sandra Simões, Aimé El-Bachá, Jurema Paes, Leda Chaves, Rita Tavares e Verônica Dumar. Elas responderam a questões sobre a sua inserção no cenário musical, sobre as influências recebidas e outras formuladas a partir das indagações formuladas com base central do projeto. Neste aspecto, há uma diversidade de situações, mas há um corte que evidencia a interferência da família na trajetória destas mulheres. Considerando as imposições da sociedade patriarcal brasileira, elaboramos uma estratégia de investigação das suas marcas para que chegássemos de maneira sutil ao assunto. Percebemos uma demarcação geracional. Parte significativa das compositoras entrevistadas que estão na faixa dos 40 anos ou acima disto, as limitações para o desenvolvimento do seu trabalho estão intimamente relacionadas à necessidade de atender aos papéis sociais e as identidades de gênero impostos por esse tipo de mentalidade: de esposa cuidadosa, mãe dedicada, filha ideal. Alguns estudos já se dedicaram ao tema da família na produção das mulheres, como um lugar de adestramento para a adequação social (Cf. Elódia XAVIER, 1998, p ). Disso decorre a dificuldade do enfrentamento à concepção de que o espaço das artes é território masculino, em especial, se for uma atividade artística que exija a

3 3 exposição pública, aqui considerando a autoria/composição e interpretação (a mulher como autora e intérprete) porque, se o entendimento da atuação no cenário musical pudesse ser como o trabalho de uma poetisa, muitas vezes limitado ao espaço de um quarto, à reclusão, ou ainda pudesse se restringir a uma produção de louvor àquelas ideias acima citadas, seria aceitável pela mentalidade machista. No entanto, o envolvimento com a música implica, quase sempre, a visibilidade pública; e não apenas o uso da voz: a interpretação requer uma exploração corporal, chegando a ser uma atuação sensuante (para utilizar um neologismo ouvido de um grupo de feministas de Serrolândia). Poder-se-ia pensar na possibilidade de haver um grupo razoável de compositoras que não atuam como intérpretes, possibilidade que consta na nossa hipótese inicial de pesquisa e nosso foco central, mas que não se revelou, até o momento. Majoritariamente, as compositoras são também intérpretes e mesmo para as que iniciam compondo, sem cantar, existe a possibilidade de um dia interpretarem sua criação. Poucas são as exclusivamente letristas. Retomando a afirmação recorrente na maioria das entrevistas, a composição musical é um processo que se constrói de maneira completa : letra e música, juntas, no momento mesmo da criação. Mas a variação aqui também se revela. Cada música tem sua trajetória, tem seu processo criativo e a mesma artista pode variar seu procedimento. Daí a insegurança quanto a um tipo de criação reclusa neste campo, porque esta é uma área em que a exposição pública é praticamente certa e, ainda que não se consiga projeção ou que esta atividade não seja tomada como uma profissionalização, que seja vislumbrada como um passatempo e a exposição se restrinja a um círculo pequeno (em eventos domésticos, rodas de amigos, por exemplo), há sempre um espectro no ar. A fim de eliminá-lo, pais, maridos e filhos adotam práticas de cerceamento à expressão por meio da arte, à produção artística das mulheres. A história das mulheres está repleta de exemplos que comprovam essa

4 4 afirmação. E por falar em história das mulheres, segue um trecho publicado no livro que leva este título e que dialoga com o escrito até aqui: A mulher escondida. Guardada. Principalmente invisível, a se esgueirar na sombra. Reprimida e ainda assim sob suspeita. Penso hoje que foi devido a esse clima de reclusão que a mulher foi desenvolvendo e de forma extraordinária esse seu sentido da percepção, da intuição, a mulher é mais perceptiva do que o homem. Mais fantasiosa? Sim, embora mais discreta. Mais perigosa! Repetiam os tradicionais inimigos da mulher perseguida através dos séculos até o apogeu das torturas, das fogueiras, pois não era a Ânfora do Mal, Porta do Diabo?... Curiosamente foi esse preconceito que acabou por desenvolver nela o sentido perceptivo, uma quase vidência: na defesa pessoal, a sabedoria da malícia. ( Lygia Fagundes TELLES, 2010, p. 671). É interessante comentar a reação de algumas mulheres às perguntas sobre essas tentativas de impedimento: em duas situações, uma autoconsciência se revelou, nitidamente, no momento mesmo da fala sobre a família. Chegou-se até a uma situação de manifestada preocupação com a gravação, sobre o que seria editado, havendo sutilmente um pedido de exclusão de determinadas revelações, já que havia um desejo de exibir o vídeo para a família. Mas elas também revelam uma sabedoria para lidar com esta situação. Talvez a sabedoria a que se refere Lygia Fagundes Telles no trecho acima: o saber como conciliar a repressão, a cobrança de um comportamento adequado socialmente (para retomar Elódia Xavier, já citada), com o desejo de escrever, produzir; a sabedoria necessária para a criação de estratégias que permitam o exercício de atividades tidas como masculinas refiro-me especificamente àquelas da intelectualidade, da criação e para dar respostas, as mais diversas, às vezes utilizando sua própria produção. Aqui, cabe citar uma frase da compositora Sylvia Patrícia, significativa para ela: Enquanto você pensa que vai

5 5 me arrasar, eu faço uma música 1. Seja através de uma música, um poema, um quadro, um bordado, as mulheres sempre responderam. Na geração com menos de 40 anos, a situação é diferente. As mulheres nascidas após a década de 1970 experimentaram, em sua maioria, outra condição. Algumas nasceram e foram criadas em ambiente artístico, seja a própria família ou o círculo de amizade dos familiares. Estas não foram obrigadas a esperar o divórcio, a viuvez e/ou o crescimento dos filhos para exercitar ou publicizar seu fazer nas artes. Soteropolitanas ou vindas de cidades do interior iniciaram sua carreira ainda muito jovens. E defendem o direito de viver da arte. Emblemática é a afirmação de Juliana Ribeiro. Ela pergunta o porquê de as/os artistas serem obrigadas/os a desempenhar outras atividades para garantir as condições de sobrevivência; e, complemento, a arte exige, como as demais atividades, dedicação, tempo, estudo, articulação (porque ninguém produz sozinho, o tempo todo se constroem redes de parceria), mas ainda há quem pense não ser digno sobreviver deste trabalho e é comum as/os artistas serem obrigados a desempenhar outros trabalhos para terem condições de moradia, alimentação, entre outras necessidades. A esta altura do texto lembro-me da música de Manuela Rodrigues e Álvaro Lemos, intitulada Vende-se poema (no seu segundo disco, Uma outra qualquer por aí, de 2011) 2 : a despeito de outras questões suscitadas pela letra e do declarado 1 Sobre a influência familiar, declara em seu site oficial: Minhas avós também tocavam instrumentos de Cordas: a mãe da minha Mãe, Marieta, tocava bandolim e minha avó paterna, Dália, tocava violino no Cinema de Juazeiro, na época do Cinema Mudo, junto com meu avô Sebastião Valença, pianista e maestro da Filarmônica da cidade. Durante a entrevista concedida ao projeto, revela outras questões, a exemplo da reação de seu pai ao receber a notícia, via televisão, de que uma música sua estava sendo interpretada por um travesti em um documentário sobre travestis, ao que ela respondeu: A música não é mais minha. Ele convidou a travesti para fazer uma participação em uma das suas apresentações. A música é Cenas de violência e tensão, e consta do CD Purpurina 37, lançado em 2003: Algumas pessoas me dão jóias/algumas me dão roupas/nas ruas/umas me roubam as joias/ algumas num quarto me tiram a roupa/a umas eu dou porque eu quero/outras eu quero que vão/umas merecem meu sono/e outras/meu riso de canto de boca/eu digo que continuo vivendo/mesmo que umas não queiram/ou mesmo/que até você não me queira/mesmo que diga que não/eu digo/ninguém fala a verdade/eu continuo vivendo/pra que me vale a paixão?/às vezes eu fico assim meio amarga/mas no final quem me paga?/são cenas de violência e tensão. Disponível em: <http://www.sylviapatricia.com.br/purpurina37.php>. 2 A compositora baiana Manuela Rodrigues mantém uma página na internet de onde retirei as informações sobre sua trajetória e extrai alguns trechos. Em 2003, aos 24 anos, lança seu primeiro CD, Rotas. Naquele ano, havia vencido o Prêmio Braskem de Cultura e Arte, o que lhe deu condições para produzir o CD. O disco, 80% autoral, ganhou reconhecimento de crítica e destacou Manuela num momento em que era escasso o número de cantoras que compunham. Disponível em: <www.manuelarodrigues.com.br>.

6 6 humor já apontado por ela no encarte do disco, pode-se ler a referência às demandas do cotidiano: Vou vender um rim / Pra pagar a luz Vou usar a luz / Secando o cabelo Corto meu cabelo / Faço uma peruca troco a peruca / Por lã em novelo. Na mesma esteira, é impossível não recorrer a Sylvia Patrícia, em As Contas, que, também com humor, aborda o tema das contas a serem pagas e as contas dos colares 3. O que eu tenho pra ti? a minha alma solta uma canção na boca que fala sobre amor o que eu tenho pra ti? um beijo nas costas um monte de contas e todo meu amor todas as contas do Senhor do Bonfim do Abaeté e o que tiver onde eu for todas as contas de um colar de marfim o que tiver eu dou o que eu quero pra ti é que melhor não possa que meu coração ouça sempre o que você sonhar o que eu sonho pra mim? que eu sempre cresça madure e envelheça mas tenha o que contar 3 Música que integra o seu último CD, Andante, Todas as letras podem ser acessadas no seu site oficial onde constam informações sobre a trajetória da compositora, a relação dos seus 6 cd s, majoritariamente autorais, um DVD e participação em 6 discos coletâneas nacionais, 22 internacionais, além de informações sobre quem gravou suas composições e notas sobre ela em periódicos. Disponível em: <http://www.sylviapatricia.com.br>. Sobre esta compositora está sendo iniciada uma pesquisa de mestrado por Elizabeth Amorim, no Programa de Pós- Graduação em Crítica Cultural (Pós-Crítica) da Universidade do Estado da Bahia.

7 7 todas as contas lá de São Joaquim das Sete Portas, Brotas do armazém todas as contas que eu paguei vou te dar e as que eu não paguei também. Aqui, além da referência à temática apontada, há outras possibilidades de leitura. Uma é sobre a Bahia que emerge desse texto em forma de contas: de São Joaquim, das Sete Portas essas são as contas dos colares dos orixás e revelam uma das ideias de baianidade: na Bahia todo mundo tem seu orixá e a sua respectiva conta. Mas também é conta dos armazéns, das vendas onde se podia comprar fiado, fosse no bairro de Brotas, um dos mais populosos da cidade (subdividido em Engenho Velho de Brotas, campinas de Brotas, Acupe de Brotas, Vila Laura, Luis Anselmo, Candeal, Av. Dom João VI, Matatu de Brotas, Cosme de Farias, entre outros), ou em outro lugar. Poderia citar outras compositoras e seguir este caminho a partir de agora. Mas, neste momento, a proposta é fornecer um panorama geral das possibilidades desta pesquisa. Assim, as análises mais específicas poderão ser lidas em outros trabalhos. A fim de continuar destacando o que tem surgido como resposta às indagações postas por este projeto e apresentadas anteriormente, vamos para o que considero uma das questões principais. E aproveitando que, ao citar a compositora Manuela Rodrigues, trouxe uma composição em parceria, segue um comentário sobre este aspecto: como essas mulheres constroem as redes de parceria. Compor em parceria não é novidade, inúmeras são as parcerias conhecidas, mas a intenção aqui é descobrir o processo de formação, as escolhas, como se chega às afinidades e, mais particularmente ainda, como as mulheres se articulam com outras mulheres. Se na literatura elas viveram um período em que o aval masculino se revelava por meio das apresentações dos livros, de uma nota em periódico ou de

8 8 uma carta de recomendação, entre outras formas, sempre funcionando como uma autorização, na música não seria diferente e, muitas vezes, a parceria funcionou como uma imposição, disfarçada de apresentação indispensável. Logo, é interessante verificar quando e como as mulheres passam a ter outras mulheres como parceiras em seus trabalhos, seja apresentando textos de outras mulheres e sendo consideradas vozes legitimadas para tal, seja trabalhando em coautoria e citando outras, com a consciência de que esta atitude é construir aquele fio citado no início deste texto, os fios que tecem uma fortalecida rede. Assim, mesmo já tendo a informação sobre com quem foi produzida esta ou aquela música a partir da leitura dos encartes de CD s ou nos sites, durante as entrevistas foi feita uma provocação para que comentassem e revelassem mais sobre o processo de composição coletiva. Considerando o surgimento de grupos formados apenas por mulheres cantoras-compositoras como um indício de mudança, podemos, neste momento, citar, pelo menos, dois grupos, Samba das Moças 4 e Chita Fina 5, para ficar apenas em grupos dos quais entrevistamos alguma integrante, no caso, Joana Ramos e Illa Benício, do primeiro, e Neila Alcântara, do segundo, que revelam, nas entrevistas, 4 Samba das Moças: Formado em janeiro de 2008, com o intuito de valorizar a cultura da batucada e, especialmente, do Samba de Roda do Recôncavo Baiano, Patrimônio Cultural da Humanidade, o SAMBA DAS MOÇAS, composto apenas por mulheres, canta um repertório que traduz a alma da mais pura expressão da cultura brasileira: o samba. Aliando músicas autorais e canções de domínio público às pérolas dos grandes mestres, o grupo traz para o universo do samba toda a diversidade rítmica brasileira, usando em seus arranjos elementos de outros ritmos nordestinos, como baião, ciranda, maracatu, coco e embolada. Atração constante nos bares e casas de show de Salvador, o SAMBA DAS MOÇAS já contou com a participação de grandes mestres da música baiana e brasileira em seus shows [...]. A banda também se apresentou fazendo shows de abertura para o Olodum, o Ilê Ayiê, João Bosco, Isabela Taviani, Mart nália, Margareth Menezes e Buena Vista Social Club. Participou dos principais projetos culturais do estado da Bahia, a exemplo do Pelourinho Dia e Noite, do Carnaval Pipoca de Salvador e das duas últimas edições do Projeto Espicha Verão. Após abrir espaço na capital da Bahia, o SAMBA DAS MOÇAS passou a rodar o interior do estado e outros estados do nordeste. Em 2010, o grupo seguiu rumo às suas primeiras apresentações internacionais, passando pelo Quênia, pela Holanda e pela Espanha, sempre levando ao público a autenticidade, o ritmo e a alegria do samba da Bahia. Joana Ramos, Paula Lemos, Lívia Lemos, Illa Benício, Deise Sousa, Rachel Ramos e Kamile Levek... o SAMBA é DAS MOÇAS!. Texto integral produzido pelo grupo e publicado no endereço: <https://www.facebook.com/sambadasmocas2>. 5 Formado por instrumentistas e cantoras residentes na Bahia, o Grupo Chita Fina reafirma a diversidade da música brasileira. Sete meninas baianas foram buscar inspiração musical na chita, que durante séculos cobriu o corpo de trabalhadores rurais, senhoras e mocinhas do interior. Hoje, cultuado no cobiçado mundo da moda e do design, o tecido de algodão com desenhos florais é símbolo para o Grupo Chita Fina expressar a diversidade cultural do país. O trabalho finca a identidade na riqueza da cultura popular brasileira. Inspiradas em sons do Recôncavo baiano (Roberto Mendes, Roque Ferreira), do samba de primeira (Noel Rosa, Adoniran Barbosa, Cartola) e da MPB (Chico Buarque, João Bosco, Dorival Caymmi). O grupo tem como carro-chefe um samba do glorioso Roque Ferreira, música que deu nome ao grupo. Chita Fina já realizou importantes projetos musicais, como: O samba mandou me chamar no Theatro XVIII (Pelourinho), Na Roda do Samba em diversos bares, restaurantes e casa de shows dentro e fora de Salvador. Texto extraído da página do grupo: https://www.facebook.com/pages/chita-fina/ ?sk=info. Integrantes do grupo: Neila Alcantara (voz), Poliana Coelho (percussão), Érica Sá (percu ssão), Isabela Rego (percussão), Ingrid Steinhagen (sax e flauta), Tacila Almeida (cavaquinho) e Geovana Franco (violão). Mais informações no endereço: <http://www.chitafina.com.br>.

9 9 algumas formas de como se apoiam: por exemplo, no caso de alguém ser impedido de participar de uma apresentação, por qualquer motivo, há sempre outra pessoa (mesmo que não seja integrante do grupo) para substituir. Vale ressaltar, neste momento, a observação de Illa Benício e de Joana Ramos sobre o fato de muitas delas serem também instrumentistas, o que lhes dá uma autonomia fundamental, pois elas não apenas cantam e compõem, mas tocam diferentes instrumentos e este saber possibilita a formação de grupos como os aqui citados, integrados exclusivamente por mulheres, e garante um suporte para outras compositoras-intérpretes. Há outras questões perseguidas por este projeto sendo ainda investigadas e que poderiam ser anunciadas aqui, mas que ficam para outra oportunidade: são aquelas relativas aos discursos recorrentes nas letras e sobre outras estratégias utilizadas para garantir a veiculação da sua produção. Há, ainda, muito a ser estudado sobre os modos de operacionalização, criação e produção das mulheres compositoras da Bahia. A pesquisa está em andamento e, praticamente, na fase de coleta de informações por meio das entrevistas filmadas e gravadas em voz da aplicação de questionário, de pesquisa na internet principal veículo de socialização de informações, hoje, e da produção e coleta de iconografia e do acompanhamento da atuação dessas mulheres em projetos e apresentações. Esta trabalho tem se revelado com significativo potencial, havendo a pretensão de se constituir um acervo com todo o material recolhido e produzido. Neste momento, há um documentário sendo preparado e um livro contendo a biografia, comentário e seleção de letras, em molde similar ao livro organizado, em 2002, por Ivia Alves e Izabel Brandão, intitulado Retratos à margem: antologia de escritoras das Alagoas e da Bahia ( ). Obviamente, este projeto não pretende solucionar essas questões, mas poderá buscar respostas a algumas das indagações que nos rondam e permitir a esta pesquisadora e a outras mais que, certamente, ainda virão, ser um daqueles fios formadores da rede de mulheres que lutam pelo respeito, pelo direito à vida sem

10 10 violência, à autonomia intelectual e para que todas nós possamos construir o nosso caminho. REFERÊNCIAS: ALVES, Ivia; BRANDÃO, Izabel. (Orgs). Retratos à margem: antologia de escritoras das Alagoas e Bahia ( ). Maceió: EDUFAL/ CNPq, p.381. (Maré&Sal; V.2). DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. Coordenação de textos Carla Bassenezi Pinsky. 9 ed. São Paulo: Contexto, RODRIGUES, Manuela; LEMOS, Álvaro. Vende-se poema. Intérprete: Manuela Rodrigues. In: MANUELA RODRIGUES. Uma outra qualquer por aí. [S.l.]: Garimpo Música, CD. Faixa 6. SYLVIA PATRICIA. As contas. Intérprete: Sylvia Patricia. In: SYLVIA PATRICIA. Andante. [S.l.]: Lua Music, CD. Faixa 2. TELLES, Lygia Fagundes. Mulher, mulheres. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. Coordenação de textos Carla Bassenezi Pinsky. 9 ed. São Paulo: Contexto, p XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, SITES VISITADOS: https://www.facebook.com/sambadasmocas2 https://www.facebook.com/pages/chita-fina/ ?sk=info Outras fontes: Entrevistas realizadas pelo projeto com as compositoras citadas no texto.

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento

FLADEM 2011. Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento FLADEM 2011 Fundamentação Teórica para a Mostra de Musicalização: Compositores e Intérpretes : a criação na aula de instrumento Sandra Mara da Cunha e Claudia Maradei Freixedas Breve introdução A experiência

Leia mais

virgínia rosa geraldo flach

virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach O gaúcho Geraldo e a paulista Virgínia se apresentaram juntos pela primeira vez na série Piano e Voz, da UFRGS. Quando tocou em São Paulo, no Supremo

Leia mais

CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA

CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA CHIC SAMBA CHIC SAMBA CHORO GAFIEIRA CHIC SAMBA CHIC ANA PAULA LOPES E LUPA MABUZE Do encontro dos artistas Lupa Mabuze e Ana Paula Lopes surgiu o projeto CHIC SAMBA CHIC, um show contagiante de música

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Sueli Costa EF98 E S T Ú D I O F - programa número 98 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte Apresentação

Leia mais

CABEÇA-DE-VENTO Show Musical de Bia Bedran

CABEÇA-DE-VENTO Show Musical de Bia Bedran CABEÇA-DE-VENTO Show Musical de Bia Bedran Cabeça de Vento faz um passeio pelo universo sonoro criado por Bia, numa linguagem cênica que contempla a literatura, a poesia e a ludicidade de seu jeito singular

Leia mais

Apresentação Reinaldo Arias

Apresentação Reinaldo Arias Apresentação Reinaldo Arias 2011 Projeto musical Música para envolver, encantar e integrar. Essa é a proposta do músico, produtor e compositor Reinaldo Arias. Artista atuante, gravou, produziu e compôs

Leia mais

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail.

A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO. Igor Luiz Medeiros 2. igorluiz.m@hotmail. A PROPOSTA SOLINHO 1 : DESENVOLVENDO ASPECTOS MUSICAIS E SOCIAIS ATRAVÉS DA AULA DE VIOLÃO EM GRUPO Igor Luiz Medeiros 2 igorluiz.m@hotmail.com Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Artes, Filosofia

Leia mais

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 A AULA DE CANTO EM UM PROJETO SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Ruth de Sousa Ferreira Silva 1 rutssilva@hotmail.com UnB Tutora à distância Curso de Licenciatura em Música Resumo Este relato de experiência

Leia mais

Projeto Festival Clube da Viola. Resumo do Projeto

Projeto Festival Clube da Viola. Resumo do Projeto Projeto Festival Clube da Viola Resumo do Projeto A música brasileira é um dos elementos culturais que contribuem para a criação e o fortalecimento de uma idéia de pertencimento nacional, promovendo uma

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

Discografia Banda Beijo. * Prove Beijo (1988) * Sem Repressão (1989) * Eu Quero Beijo (1990) * Badameiro (1991) * Axé Music (1992) Carreira Solo

Discografia Banda Beijo. * Prove Beijo (1988) * Sem Repressão (1989) * Eu Quero Beijo (1990) * Badameiro (1991) * Axé Music (1992) Carreira Solo Release Netinho Nascido em Santo Antônio de Jesus, interior da Bahia, no dia 12 de julho de 1966, Ernesto de Souza Andrade Júnior começou sua carreira cedo. Ganhou seu primeiro violão aos 14 anos, um presente

Leia mais

Samba com musicalidade e estilo

Samba com musicalidade e estilo Samba d Ju Samba com musicalidade e estilo A união entre os diversos ingredientes da musicalidade brasileira, misturados com pitadas de criatividade, alegria, carisma, sensualidade e o jeito moleque de

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

( ) Brasília ( ) Recife ( ) Belo Horizonte ( ) Rio de Janeiro ( ) Porto Alegre

( ) Brasília ( ) Recife ( ) Belo Horizonte ( ) Rio de Janeiro ( ) Porto Alegre DOCUMENTOS E CONTATOS: Nome Completo: Nome Artístico: Idade: Data de Nascimento: CPF: RG: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone Residencial: Telefone Comercial: Telefone Celular 1 Telefone Celular

Leia mais

João Donato multiplicado por dois Ele lança dois CDs, O Piano e Uma Tarde com Bud Shank, e se apresenta de hoje a domingo no Auditório Ibirapuera

João Donato multiplicado por dois Ele lança dois CDs, O Piano e Uma Tarde com Bud Shank, e se apresenta de hoje a domingo no Auditório Ibirapuera João Donato multiplicado por dois Ele lança dois CDs, O Piano e Uma Tarde com Bud Shank, e se apresenta de hoje a domingo no Auditório Ibirapuera Ouça trecho da faixa Manhã de Carnaval Beatriz Coelho Silva

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: artistas locais; cultura; experimentação; fome de quê?

PALAVRAS-CHAVE: artistas locais; cultura; experimentação; fome de quê? Fome de quê? por que a gente não quer só comida 1 Lorena Santiago Simas 2 Fabíola Moura 3 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO O programa Fome de quê? foi elaborado com a intenção de valorizar

Leia mais

Clipping. Catadoras de mangaba lançam CD no próximo dia 21

Clipping. Catadoras de mangaba lançam CD no próximo dia 21 Mídia Instituto Recriando Notícias Página http://www.recriando.org.br/ler.asp?id=13962&titulo=paltas Data 15/09/2011 Catadoras de mangaba lançam CD no próximo dia 21 15/09/2011, 15:51 São dezoito faixas

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Ogum Guerreiro no canto da Guerreira Clara Nunes. 1

Ogum Guerreiro no canto da Guerreira Clara Nunes. 1 Ogum Guerreiro no canto da Guerreira Clara Nunes. 1 Como quem por talento, para cantar às heranças africanas a cultura brasileira, Clara Nunes (1942-1983), fez do seu canto louvação e saudação aos Orixás

Leia mais

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver

Tipo de atividade: Passeio/visita e redação. Objetivo: Conhecer alguns centros e templos religiosos existentes no bairro/cidade e desenvolver A série Sagrado é composta por programas que, através de um recorte históricocultural, destacam diferentes pontos de vista das tradições religiosas. Dez representantes religiosos respondem aos questionamentos

Leia mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais

Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais Numa recente e longa entrevista concedida para a rede de emissoras rádio via satélite AMERICAN SAT, o cantor PAULINHO BOCA lembrou dos fatos mais importantes que marcaram a trajetória da MPB nos últimos

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

REGULAMENTO I PRÊMIO CAYMMI DE MÚSICA EDIÇÃO 2014/2015

REGULAMENTO I PRÊMIO CAYMMI DE MÚSICA EDIÇÃO 2014/2015 REGULAMENTO I PRÊMIO CAYMMI DE MÚSICA EDIÇÃO 2014/2015 VIA EVENTOS LTDA-ME, doravante denominado VIA EVENTOS, faz saber, para conhecimento de artistas, bandas e grupos musicais da Bahia, que estão abertas

Leia mais

VERSÃO ATUALIZADA EM 18/09/2014 REGULAMENTO I PRÊMIO CAYMMI DE MÚSICA EDIÇÃO 2014/2015

VERSÃO ATUALIZADA EM 18/09/2014 REGULAMENTO I PRÊMIO CAYMMI DE MÚSICA EDIÇÃO 2014/2015 VERSÃO ATUALIZADA EM 18/09/2014 REGULAMENTO I PRÊMIO CAYMMI DE MÚSICA EDIÇÃO 2014/2015 VIA EVENTOS LTDA-ME, doravante denominado VIA EVENTOS, faz saber, para conhecimento de artistas, bandas e grupos musicais

Leia mais

2.2 O proponente deverá ter naturalidade baiana ou domicílio fixo no estado há mais de 1 ano completo até a data da inscrição.

2.2 O proponente deverá ter naturalidade baiana ou domicílio fixo no estado há mais de 1 ano completo até a data da inscrição. 1 I PRÊMIO DE MÚSICA CONTEMPORÂNEA DA BAHIA 1. Objetivo Através de um concurso de composição musical no qual um total de 9 compositores serão contemplados, segundo ordem de classificação atribuída por

Leia mais

crônicas feitas a par r de um olhar de fora, e, portanto ficcionais, mas sim de uma história real de vida.

crônicas feitas a par r de um olhar de fora, e, portanto ficcionais, mas sim de uma história real de vida. Guerreira Esmeralda Or z tem a energia própria de uma mulher guerreira. E é com essa energia, e um eterno sorriso no rosto, que vem transformando seu di cil passado em matéria-prima para sua arte. Conta

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

DISCÓRDIA Biografias

DISCÓRDIA Biografias A L I C E DISCÓRDIA Biografias Afonso Alves // Voz - Já há algum tempo que queria escrever na língua em que sonho [visto que anteriormente escrevia maioritariamente em inglês]. O Diogo foi o primeiro reflexo

Leia mais

Unidade 1 Caetano Veloso

Unidade 1 Caetano Veloso Unidade 1 Caetano Veloso Pré-leitura O que você sabe sobre Caetano Veloso? Tente responder as seguintes perguntas. Onde ele nasceu? De quem ele é irmão? Que tipo de música ele canta? O que você sabe sobre

Leia mais

Versão Oficial. Rosa Passos. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Rosa Passos. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Rosa Passos EF107 E S T Ú D I O F - programa número 107 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

Por que a música deve estar presente na escola?

Por que a música deve estar presente na escola? CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU MÓDULO 1: ELEMENTOS DA MÚSICA PROF. DARCY ALCANTARA (UFES) CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO MUSICAL SESC/SEDU SÁBADO 16/04 REVISÃO DOS CONCEITOS DE RITMO APRESENTAÇÃO DO

Leia mais

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético.

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético. PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Professor (a): Janete Fassini Alves Poesia: Das Flores Competências Objetivo Geral Objetivos Específicos Autor: Armando Wartha Expressão na oralidade, leitura fluente, produção

Leia mais

Guia de Produção da Música Independente Bahia

Guia de Produção da Música Independente Bahia Guia de Produção da Música Independente Bahia Memória do trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social, com Habilitação em Produção em Comunicação e Cultura. Faculdade de Comunicação da Universidade

Leia mais

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h.

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programação Geral Música Regional Brasileira A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programa destinado a divulgar a música típica das regiões do Brasil. Toca os grandes mestres da música nordestina e mostra

Leia mais

A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I

A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I A TRANSVERSALIDADE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O APOIO DA MÚSICA, EM UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL I CAMPELO, Luciana Galdino de Azevedo¹; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães²; ARAÚJO, Albanira Duarte

Leia mais

CD - Pra te dar um beijo

CD - Pra te dar um beijo História FERNANDA PÁDUA começou a se interessar pela música ainda criança. Um Videokê, comprado por seu pai, foi eleito seu brinquedo favorito e, assim, passava as tardes cantando. Destacou-se de tal forma,

Leia mais

Disco de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil revela o rico universo musical do compositor baiano Roque Ferreira

Disco de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil revela o rico universo musical do compositor baiano Roque Ferreira Disco de Roberta Sá e Trio Madeira Brasil revela o rico universo musical do compositor baiano Roque Ferreira Quando o Canto É Reza é resultado do encontro da cantora Roberta Sá e do Trio Madeira Brasil

Leia mais

Blitz Desafio das Bandas Unijorge 13/11/2014 Canto dos Malditos na Terra do Nunca

Blitz Desafio das Bandas Unijorge 13/11/2014 Canto dos Malditos na Terra do Nunca O Evento Blitz Desafio das Bandas Unijorge 13/11/2014 Canto dos Malditos na Terra do Nunca Blitz Desafio das Bandas Unime 19/11/2014 Canto dos Malditos na Terra do Nunca Blitz Desafio das Bandas UNEB 25/11/2014

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS

ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS ENSINO MUSICAL NAS PERIFERIAS Orientadora: Santuza Cambraia Naves Alunos: Tarso Soares Barreto e Deborah Raposo Introdução Esta pesquisa teve por objetivo avaliar e estudar instituições que têm como princípio

Leia mais

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO: ELEMENTOS DA MÚSICA. I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal):

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO: ELEMENTOS DA MÚSICA. I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal): ELEMENTOS DA MÚSICA I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal): 1. O tipo de compasso é... 2. A figura de ritmo de maior duração nesta música chama se... 3. Discrimine

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO.

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA 2012 TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. POR QUE TRABALHAR LUIZ GONZAGA? Luiz Gonzaga é um mestre da música. Foi ele

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA COORDENAÇÃO DE CULTURA 2014.I

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA COORDENAÇÃO DE CULTURA 2014.I Vitória da Conquista-BA, 13 de Julho de 2015. RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA COORDENAÇÃO DE CULTURA 2014.I CURSOS LIVRES Os Cursos Livres são voltados para formação técnica e artística da comunidade. Alguns

Leia mais

Governo de Minas e Vivo apresentam:

Governo de Minas e Vivo apresentam: Governo de Minas e Vivo apresentam: Quase cinco anos de projeto O Samba Bate Outra Vez, mais de 70 edições. Para comemorar essa marca nada melhor do que convocar para a festa uma amostra do que se faz

Leia mais

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s).

Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Maternidade, maternagem e mercado de trabalho: vivências e significações do gênero masculino em relação à mãe de seu (s) filho (s). Dayanne Marcelo Zupo Leme Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail:

Leia mais

Rede de Artistas Latino-americanos

Rede de Artistas Latino-americanos Rede de Artistas Latino-americanos Carlinhos Veiga e Santiago Benavides Apresentações musicais no Brasil - 26 de junho a 08 de julho Projeto de apresentações musicais e palestras Carlinhos Veiga & Santiago

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero

Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Maria Eduarda Ramos (UFSC) 1 Cotidiano

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=4745

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=4745 Filme: Álbum de Musica Gênero: Documentário Diretor: Sergio Sanz Ano: 1974 Duração: 10 min Cor: P&B Bitola: 16mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=4745 Aplicabilidades

Leia mais

PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA

PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA 1. IDENTIFICAÇÃO PROJETO FAZENDO ARTE ESPÍRITA Elaborado pelos jovens, participantes da COJEDF de 2004 Executante: Diretoria de Infância e Juventude/DIJ da Federação Espírita do Distrito Federal/FEDF Previsão

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL

QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL QUESTIONÁRIO SOCIOCULTURAL Este questionário, que compõe o processo de inscrição, tem o objetivo exclusivo de coletar dados socioculturais dos candidatos ao ingresso nos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL

LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DAS VELAS LINHAS DE EXPLORAÇÃO DO QUADRO DE COMPETÊNCIAS EXPRESSÃO MUSICAL 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1 DO ENSINO BÁSICO CE 1 CE 5 CE 8 CE 12 CE 14 Interpretação e comunicação

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Primeiro Disco Com 12 faixas,

Primeiro Disco Com 12 faixas, Bande Dessinée Misto de retrô e contemporâneo, a Bande Dessinée trouxe nos ares para a cena musical Pernambucana. Marcada por influências da música francesa e inspirada no universo da música pop dos anos

Leia mais

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE.

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. Feito de Barro para uma Cultura Viva 1 Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. RESUMO: Este paper tem como objetivo relatar o processo de produção de um

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

de Violão - Conteúdo Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados

de Violão - Conteúdo Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados Da informalidade às academias Superando distâncias Tocar de ouvido ou ler partitura? Mestres e métodos consagrados Primeiros nomes importantes Nomes importantes no Brasil Abordagens didáticas (Internet,

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. DINIS 1 NOTA INTRODUTÓRIA Programa Música - AEC (1º e 2º Ano - 1º CEB) (Adaptação do Programa do 1º Ciclo Plano da Meloteca) No âmbito da Expressão e Educação Musical, ao abrigo do Despacho n.º 9265-B/2013,

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

EDITORIAL. Emanuela Silva De Almeida. Éryca Mendes de Araújo. Geovana Pinho de Medonça. Kátia Rosa. Iane Moraes Sobrinho.

EDITORIAL. Emanuela Silva De Almeida. Éryca Mendes de Araújo. Geovana Pinho de Medonça. Kátia Rosa. Iane Moraes Sobrinho. Página 2 EDITORIAL Emanuela Silva De Almeida Éryca Mendes de Araújo Geovana Pinho de Medonça Kátia Rosa Iane Moraes Sobrinho Francielle Yasmin Pedro Henrique Página 3 VOLUME 1, EDIÇÃO 1 Das páginas para

Leia mais

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola

O Jogo de Dados de Mozart. Série Matemática na Escola O Jogo de Dados de Mozart Série Matemática na Escola Objetivos 1. Relacionar música e matemática; 2. Apresentar os fundamentos de análise combinatória e probabilidade; 3. Exibir uma aplicação prática de

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

do Tecnobrega Paraense

do Tecnobrega Paraense Configurações do Mercado do Tecnobrega Paraense FGV Opinião Rio de janeiro, fevereiro de 2007 Objetivo da Pesquisa Mapear o fenômeno cultural do Tecnobrega de Belém/PA como um mercado econômico, para entender

Leia mais

Natura apresenta o Show de Lançamento do CD Lia Sophia

Natura apresenta o Show de Lançamento do CD Lia Sophia Natura apresenta o Show de Lançamento do CD Lia Sophia Lia Sophia mistura os ritmos locais com batidas internacionais, para criar uma música original e de alta qualidade. Ela não veio para ficar. Ela já

Leia mais

Rubel ubel ubel ubel ubel ubel

Rubel ubel ubel ubel ubel ubel Rubel é um dos destaques do cenário musical carioca atual, tendo se encontrado na mistura entre o MPB e Folk. Em 2012, foi passar um ano em Austin, Texas - USA, e registrou suas experiências através do

Leia mais

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa A Prática Pedagógica no Berçário "As pequenas atividades quotidianas tornam-se hábitos sobre os quais a criança fundamenta a sua autonomia" Tonucci Maria Carmen Silveira Barbosa As creches durante muitos

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

de braços abertos gravação do CD e DVD

de braços abertos gravação do CD e DVD de braços abertos gravação do CD e DVD o começo A cantora e compositora Marcella Fogaça, com mais de 10 anos de carreira, começou a cantar em Belo Horizonte, onde nasceu. Se mudou para o Rio de Janeiro

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO. CARAVANA DA MÚSICA Ano I

EDITAL DE CONVOCAÇÃO. CARAVANA DA MÚSICA Ano I EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA MÚSICA Ano I SOBRE O PROJETO O Caravana da Música é um projeto patrocinado pela VIVO, através do Fazcultura, programa de incentivo fiscal da Secretaria de Cultura do Estado SECULT

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

HISTÓRICO. Em 1996, foi lançado o CD Cantigas de Roda, que colocou uma roupagem atual nas cantigas tradicionais da música brasileira.

HISTÓRICO. Em 1996, foi lançado o CD Cantigas de Roda, que colocou uma roupagem atual nas cantigas tradicionais da música brasileira. HISTÓRICO Site: http://www.palavracantada.com.br Canal Youtube: http://www.youtube.com/user/palavracantadatube Facebook oficial: https://www.facebook.com/palavracantada Twitter oficial: https://twitter.com/palavra_cantada

Leia mais

Maria Rita Samba Meu

Maria Rita Samba Meu Maria Rita Samba Meu Gostei bastante de Samba Meu, novo trabalho de Maria Rita, disco de samba muito bem produzido. Cantar bem, todos sabemos que Maria faz. Com o belo timbre que possui e, principalmente,

Leia mais

Eles também são Star

Eles também são Star Sinopse O Documentário Meu nome é Edy Star narra a história de um artista brasileiro cercado de polêmica, glamour, e histórias inéditas do underground da música brasileira. Narrado pelo próprio Edy, o

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular

instrumentos passaram a ser tocados muitas vezes de maneira diferente da regular INTRODUÇÃO A música do século XX foi marcada por grandes inovações em estruturações e outros procedimentos. As estruturações passaram a ter formas cada vez mais livres como na poesia sem metro ou rima;

Leia mais

Seleção. Conheça a Comissão:

Seleção. Conheça a Comissão: O Edital de Patrimônio Cultural, Arquitetura e Urbanismo apoia propostas culturais nas áreas de Patrimônio Cultural (material e imaterial), Sítios Arqueológicos e Arquitetura e Urbanismo que tenham como

Leia mais

REGULAMENTO FESTIVAL SESI MÚSICA ETAPA ESTADUAL/2012

REGULAMENTO FESTIVAL SESI MÚSICA ETAPA ESTADUAL/2012 O SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, DEPARTAMENTO REGIONAL DA BAHIA - SESI/DR/BA, doravante denominado SESI/DR/BA, faz saber, para conhecimento dos trabalhadores da indústria e dependentes, e alunos da Rede

Leia mais

PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB

PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB PRAIA DO JACARÉ JOÃO PESSOA PB A tradição de assistir ao pôr do sol ouvindo o Bolero de Ravel na Paraíba começou com uma grande coincidência. Um grupo de amigos se reuniu para assistir ao fenômeno na Praia

Leia mais

"Amor mais Perfeito Tribute to José Fontes Rocha" Música de José Fontes Rocha

Amor mais Perfeito Tribute to José Fontes Rocha Música de José Fontes Rocha PRESS-RELEASE Joana Amendoeira é considerada uma das mais importantes vozes da Nova Geração do Fado. No seu cantar, o Fado ganha novo fulgor, nova atitude, sem se desviar da tradição. Joana Amendoeira

Leia mais

Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3

Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3 ANÁLISE DA CANÇÃO PAIS E FILHOS SOB A ÓTICA DA ANÁLISE DO DISCURSO DE DOMINIQUE MAINGUENEAU Maria Izabel Diógenes 1 Luciano Araújo Cavalcante Filho 2 Wadlia Araújo Tavares 3 1. Introdução O presente estudo

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

DISCURSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR VEREADOR SILVINHO REZENDE, DURANTE REUNIÃO SOLENE PARA ENTREGA DO DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO AO MÚSICO RONALDO COISA

DISCURSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR VEREADOR SILVINHO REZENDE, DURANTE REUNIÃO SOLENE PARA ENTREGA DO DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO AO MÚSICO RONALDO COISA DISCURSO DO EXCELENTÍSSIMO SENHOR VEREADOR SILVINHO REZENDE, DURANTE REUNIÃO SOLENE PARA ENTREGA DO DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO AO MÚSICO RONALDO COISA NOSSA, REALIZADA EM 04 DE JULHO DE 2012. 1 Boa Noite,

Leia mais