CARACTERIZALÇÃO DO PERFIL AUDIOLÓGICO EM TRABALHADORES EXPOSTOS A RUÍDOS OCUPACIONAIS*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZALÇÃO DO PERFIL AUDIOLÓGICO EM TRABALHADORES EXPOSTOS A RUÍDOS OCUPACIONAIS*"

Transcrição

1 CARACTERIZALÇÃO DO PERFIL AUDIOLÓGICO EM TRABALHADORES EXPOSTOS A RUÍDOS OCUPACIONAIS* JÉSSICA BARBOSA DA COSTA, SIMONE ALMEIDA BARBOSA ROSA, LEONARDO LUIZ BORGES, MARILIA RABELO HOLANDA CAMARANO Resumo: Introdução: A deficiência auditiva pode ser consequência de exposições a ruídos. Objetivo: Caracterizar o perfil audiológico de trabalhadores gráficos, marceneiros e serralheiros, expostos ao ruído ocupacional. Método: Estudo analítico transversal em trabalhadores expostos ao ruído que passaram por avaliação audiológica básica e emissões otoacústicas por produto de distorção (EOAPD). Foram analisados dados clínicos e ocupacionais de 25 trabalhadores em atividade no período de agosto a novembro de Resultados: Os resultados da audiometria indicaram que os sujeitos da pesquisa não apresentaram perdas auditivas nas frequências de 0.5, 1 e 2kHz, as perdas ocorreram entre 3 e 8kHz. A análise de correlação entre a audiometria e as emissões não demonstrou diferença estatisticamente significante entre os grupos, porém, nota-se que há um número de falhas nas EOAPD acentuado, 70% da amostra. Conclusão: A análise dos resultados mostrou limiares audiométricos com queda nas freqüências agudas e ausência de respostas nas EOAPD, reafirmando a sensibilidade das emissões em função da audiometria tonal para detecção precoce de danos ocasionados pelo ruído ocupacional. Palavras-chave: Saúde do trabalhador. Ruído ocupacional. Perda auditiva. O ruído é um tipo de som que provoca efeitos nocivos ao ser humano, sendo uma sensação auditiva desagradável que interfere na percepção sonora desejada. Após a jornada ruidosa de trabalho, pode aparecer fadiga auditiva manifestada por uma redução temporária da capacidade auditiva e/ou permanente. A essa alteração permanente dá-se o nome de perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR). A PAIR, uma patologia cumulativa 273

2 274 e insidiosa, que aumenta ao longo dos anos de exposição ao ruído no ambiente de trabalho, embora seja uma doença de caráter irreversível e de evolução progressiva é passível de prevenção (ARAUJO, 2002). Os indivíduos expostos a ruídos intensos podem apresentar além da perda auditiva e do zumbido, dificuldade para o entendimento da fala, plenitude auricular, assim como sintomas vestibulares, digestivos, comportamentais e hormonais (COSTA; CRUZ;OLIVEIRA, 2007). O ambiente com ruído em excesso, acima de 85 db nível de pressão sonora (NPS), sem medidas de segurança adequadas como o uso dos equipamentos de proteção individual (EPI) para estes trabalhadores expostos, pode gerar lesão das vias auditivas até o sistema nervoso central. No órgão de Corti, localizado na orelha interna, ocorrem às principais alterações responsáveis pela PAIR, pois há lesão das células ciliadas externas que são estruturas sensíveis a intensidades fortes e prolongadas, seguidas de lesão nas células ciliadas internas e de sustentação. A PAIR é influenciada por três aspectos fundamentais, natureza e características físicas do ruído e a suscetibilidade individual. No que se refere à natureza do ruído, pode este ser (RUSSO, 1993): a. Contínuo: ruído com pequenas variações dos níveis (até ± 3 db) durante o período de observação, que não deve ser inferior a 15 minutos; b. Contínuo flutuante ou intermitente: ruído cujo nível varia continuamente de um valor apreciável durante um período de observação (superior a ± 3 db); c. Impacto ou impulsivo: ruído que se apresenta em picos de energia acústica, de duração inferior a um segundo e com, entre picos, inferiores a 1 segundo. Quanto às características físicas a intensidade pode ser definida como a quantidade de energia vibratória que se propaga nas áreas próximas À fonte emissora, podendo ser expressa em termos de energia (watt/m2) ou em termos de pressão (N/m 2 ou Pascal). A frequência é representada pelo número de vibrações completas em um segundo, sendo sua unidade de medida expressa em Hertz (Hz). Outro aspecto a ser considerado é a suscetibilidade individual, influenciada pelo tempo de exposição, duração do ruído e outros danos à saúde. Segundo a Norma Regulamentadora 15 (NR 15), as intensidades a partir de 85 db(nps) podem causar uma lesão irreversível, e quanto mais forte o ruído, maior será a extensão da lesão. Quanto à frequência, qualquer área do espectro sonoro é capaz de desencadear problemas cocleares. A PAIR, sendo uma doença ocupacional de grande prevalência, ocasionando sérios prejuízos ao sistema auditivo, tem sido alvo de ações pelo poder público, por meio de medidas fiscalizadoras e de legislação específica, como as Normas Regulamentadoras (NRs), Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), Portaria nº 19/98 do Ministério do Trabalho e Protocolo de Complexidade Diferenciada da Saúde do Trabalhador Ministério da Saúde (2006). Esse compilado de leis garante: Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT); que tem como finalidade promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho; Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO)- tem caráter de

3 prevenção, rastreamento e diagnóstico precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho, inclusive de natureza subclínica, além da constatação da existência de casos de doenças profissionais ou danos irreversíveis à saúde dos trabalhadores; Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)- visa à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, por meio da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. Programa de Prevenção de Perdas Auditivas (PPPA)- é um conjunto de medidas técnicas simplificadas ou administrativas, distribuídas e mantidas ao longo do tempo, que agindo de forma integrada e complementar entre si, pode servir de substituto temporário a modernização tecnológica e melhoria das condições de trabalho como um todo. Protocolo de Complexidade Diferenciada da Saúde do Trabalhador Ministério da Saúde- tem como objetivo auxiliar os profissionais da rede do Sistema Único de Saúde (SUS) a identificar e notificar os casos de PAIR, bem como dar subsídios aos órgãos de vigilância para intervenções nos ambientes de trabalho. Todo esse conjunto de leis tem a finalidade de promover a saúde do trabalhador por meio de medidas preventivas como a realização dos exames audiométricos de referência e sequenciais, diminuição do ruído na fonte e orientação e treinamento quanto às formas de proteção e medidas adotadas pelo PPPA. Ainda de acordo com a legislação, todos os trabalhadores expostos a Níveis de Pressão Sonora (NPS) que ultrapassem os limites de tolerância estabelecidos NR 15 da Portaria 3.214/78 do Ministério do Trabalho, independentemente do uso de protetor auditivo, devem ser acompanhados nos exames periódicos. A audiometria tonal liminar, exame preconizado pela NR7, é um procedimento que utiliza tons puros e estabelece os limites mínimos de percepção sonora de um indivíduo. Estes limites mínimos são obtidos por meio das respostas dadas pelo individuo, devendo este indicar a presença ou ausência de sensação auditiva. Considera-se audição normal, limiares menores ou iguais a 25 db(na), perda auditiva leve entre 26 e 40dB(NA), perda auditiva moderada entre 41 e 55 db(na), perda auditiva moderadamente severa de 56 a 70 db(na), perda auditiva severa de 71 a 90 db(na) e perda auditiva profunda >91dB(NA)(LLOYD; KAPLAN,1978). Os tipos de perda auditiva são classificados como condutiva (lesão na orelha média), mista (lesão da orelha média e/ou orelha interna) e sensorioneural (lesão da orelha interna), esta última manifestada na PAIR (SILMAN; SILVERMAN, 1997). É importante ressaltar que além da audiometria, outras ferramentas de diagnóstico podem ser utilizadas como meio para detecção de alterações auditivas provocadas pela exposição aos Níveis de Pressão Sonoros (NPS) elevados, dentre elas estão As Emissões Otoacústicas-Produto de Distorção (EOAPD) que têm sido aplicadas, por revelar alterações auditivas precoces provocadas pela exposição ao ruído, podendo auxiliar no diagnóstico de PAIR, bem como estabelecer medidas de proteção mais eficazes (MARQUES; COSTA, 2006). 275

4 Descritas no ano de 1978, por David Kemp, as Emissões Otoacústicas-Produto de Distorção (EOAPD), são respostas geradas pela cóclea, evocadas por dois tons puros (f1 e f2), apresentados simultaneamente com frequências sonoras muito próximas (f2/f1=1,22). O produto de distorção surge da incapacidade da cóclea em amplificar de forma linear dois estímulos diferentes, ocorrendo uma intermodulação que resulta nesta modificação sonora distorcida (2f1-f2). A resposta é chamada distorcida por que se origina na cóclea e representa um sinal detom puro primário de menor frequência F1 e um tom puro de maior frequência F2 (AZEVEDO, 2003). O teste EOAPD caracteriza-se por ser um exame objetivo, rápido e de fácil aplicação. Assim, alterações cocleares decorrentes de exposição a níveis elevados de pressão sonora podem provocar precocemente mudanças nas respostas cocleares, especificamente nas células ciliadas externas e essas mudanças registradas pelo aparelho, foram percebidas precocemente em casos de PAIR. Coelho et al. (2010), com o objetivo de avaliar a efetividade das EOAPD no diagnóstico diferencial precoce da PAIR, verificaram que estas destacam-se mais eficazes, pelo fato de captarem as respostas nas frequências mais altas, enquanto que a audiometria tonal revela a PAIR quando esta já se instalou permanentemente. Sendo assim o presente estudo teve como objetivo analisar as respostas da avaliação audiológica em trabalhadores expostos ao ruído, por meio da audiometria tonal; logoaudiometria; imitanciometria e emissões otoacústicas por produto de distorção, bem como identificar a idade, tempo de exposição ao ruído no ambiente de trabalho e o uso do EPI. MÉTODOS 276 Foi realizado um estudo analítico transversal, no período de 25 de junho a 22 de novembro de 2014, avaliando 25 trabalhadores do setor de serviços gerais distribuídos em setores gráfico, serralheria e marcenaria da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC/ GO).Dentre estes serão excluídos os que apresentarem cerume no conduto auditivo externo ou infecções otológicas. Foram realizados os seguintes procedimentos: Anamnese clínico-ocupacional (instrumento utilizado no Laboratório de Audiologia PUC-Goiás) contendo as seguintes variáveis: idade, função, tempo de trabalho em ambiente ruidoso, uso de EPI e queixas auditivas. (Anexo A) Inspeção do meato acústico externo, por meio da meatoscopia, com o uso do instrumento Otoscópio Pocket Junior Welch Allyn. Exame audiométrico realizado nas frequências de 0,25 a 8 khz, para a obtenção dos limiares auditivos por via aérea e de 0,5 a 4 khz na via óssea, com o uso do equipamento DiagnosticAudiometer AD28- Interacoustics. Imitanciometria, com a utilização do imitanciômetroimpedanceaudiometer AZ7- Interacoustics. Foi considerada, na análise da imitância acústica a integridade funcional do conjunto tímpano-ossicular e presença de reflexo acústico, além de

5 critério para exclusão os resultados com perda auditiva condutiva ou perda auditiva mista. Para o teste das EOAPD, foi utilizado o aparelho Vivosonic Integrity, tendo como objetivo relacionar F1 e F2 com registro de duas varreduras nas frequências de 0,25 a 8 khz, analisando o nível de resposta e estimulo/ ruído, determinando assim a presença (passa) ou ausência(falha) de respostas cocleares. Todos os exames e a anamnese foram realizados no Laboratório de Audiologia da Clínica Escola de Fonoaudiologia da PUC/GO. Os audiogramas foram classificados segundo a NR7, que estabelece as diretrizes e parâmetros mínimos para a avaliação e acompanhamento da audição em trabalhadores expostos a NPS elevados. São considerados sugestivos de perda auditiva induzida pelo ruído os casos cujos audiogramas, nas frequências de 3, 4 e 6 khz, apresentam limiares auditivos acima de 25 db(na) e mais elevados do que nas outras frequências testadas, estando estas comprometidas ou não, tanto no teste da via aérea quanto da via óssea, em um ou em ambos os lados, e por fim, considera-se não sugestivos de perda auditiva induzida por NPS elevados os casos cujos audiogramas não se enquadram nas condições anteriores (BRASIL, 1994). Quanto às emissões otoacústicas, estas foram utilizadas para possível detecção precoce de alterações cocleares advindas da exposição ao ruído, não identificadas inicialmente pela audiometria tonal. Para o mesmo usou-se como critério de passa/ falha o registro de respostas em pelo menos três frequências, com amplitude das emissões medidas em db NPS de, pelo menos, 6 db acima do ruído de fundo em cada frequência estudada. Ressaltamos que os exames propostos foram realizados com 25 participantes, com exceção do teste EOAPD realizado em 15 dos participantes, ou seja, 30 orelhas, devido a problemas técnicos no equipamento, impossibilitando a continuidade da pesquisa nos demais trabalhadores. As informações foram armazenadas em banco de dados Microsoft e Excel (2010), para caracterização dos efeitos auditivos, realizou-se um estudo quantitativo por meio da média dos eventos ocorridos. Para a relação entre as variáveis foi aplicado o software Statistical Package for the Social Sciences, versão 2.0 (SPSS, Chicago, IL). Esse estudo foi submetido ao Comitê de Ética em pesquisa da PUC/GO (número ), tendo sido aprovado por este. E todos os participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) (Apêndice A). RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram avaliados neste estudo 25 trabalhadores, sendo 14 do setor gráfico e 11 do setor de marcenaria e serralheria, com idades entre 26 e 60 anos, e média de 45 anos com tempo médio de exposição ao ruído de 19,4 anos. Analisando as características gerais de amostra observou-se predominância de trabalhadores na faixa etária ampliada de anos (Tabela 1) e tempo de exposição ocupacional ao ruído variando de 11 a 20 anos (Tabela 2). 277

6 Tabela 1: Distribuição de trabalhadores, segundo a faixa etária Faixa Etária Trabalhadores N % Total Tabela 2: Distribuição dos trabalhadores, segundo o tempo de exposição ocupacional ao ruído Tempo de exposição ao ruído Trabalhadores N % <1 ano anos anos anos 7 28 >30anos 5 20 Total O tempo de exposição ao ruído pode ser um fator preponderante de risco para a perda auditiva tendo em vista que a exposição exacerbada a este agente, é cumulativa e progressiva, afetando inicialmente as frequências altas de 3, 4, 6 e 8 khz e posteriormente as de 500, 1000, 2000 Hz. Vale ressaltar que este agravo deve ser monitorado e prevenido no momento que o Nível de Pressão Sonora (NPS) exceder 85 db(nps), segundo a NR 15. De acordo com Faria e Suzuki (2008) está provado que os funcionários submetidos em níveis de ruído superiores a 85 db (NA) podem apresentar pro blemas de audição, irritação, falta de atenção, insônia e estresse. As alterações fisiopatológicas causadas na audi re pelo ruído podem estar relacionadas à diminuição de oxigênio intracelular das células do órgão de Corti e perda dos esteriocílios, o que explica o motivo de sua irreversibilidade. Neste estudo percebeu-se o uso do EPI (Figura 1) como única medida preventiva utilizada pelos trabalhadores. Entretanto, segundo Azevedo et al. (2010), mesmo os funcionários fazendo uso do EPI, podem apresentar a PAIR principalmente nas frequências de 3 a 6 khz, o que pode estar relacionado ao uso incorreto do EPI.

7 Figura 1: Distribuição dos trabalhadores que se referem ao uso de EPI Com base no questionário aplicado a principal queixa auditiva aludida, foi o zumbido, referido por cerca de 20% dos indivíduos pesquisados. Este dado é corroborado pelos achados de Andersson, Vretblad e Larsen (2001) que constaram que cerca de 25% dos indivíduos expostos a ruído relatam zumbido como queixa mais frequência. O zumbido presente pode ser também indicativo de perda auditiva, mesmo que esta não seja revelada na audiometria. Após a observação do questionário passou-se a análise dos exames imitanciométricos, os quais apontam para a presença de curvas timpanométricas do tipo A e presença de reflexo acústico em toda a amostra estudada. Apesar de que parte dos trabalhadores faz uso do EPI (52%), os achados audiológicos apontaram para situações diferentes, visto que 44% da amostra apresentou uma tendência de queda nas frequências altas (limiares até 25 dbna) se comparadas com as frequências baixas. As quedas propriamente ditas (acima de 25 dbna) nas frequências de 3, 4 e 6 khz,resultaram em 38% da amostra como pode ser verificado na Figura 2. Figura 2: Distribuição das 50 orelhas segundo os limiares audiométricos 279

8 Tais resultados indicaram que os sujeitos da pesquisa não apresentaram perdas auditivas nas freqüências de 0,5, 1 e 2kHz, porém foram constatadas alterações dos limiares auditivos entre 3 e 8kHz. A freqüência que, isoladamente, apareceu em um maior número de vezes e com uma severidade de perda maior foi a de 6kHz. Foram observados que os maiores limiares audiométricos ocorreram em 6kHz, mesmo nos intervalos iniciais de tempo de exposição a ruído ocupacional, dado este confirmado pelos estudos de Harger e Barbosa-Branco (2004), Boger, Barbosa-Branco e Ottoni (2009). Esses estudos apontaram que 6kHz tem sido a primeira freqüência a ser atingida em decorrência da exposição ao ruído ocupacional seguida de 4, 3 e 8kHz ou seja, o dano auditivo acomete principalmente freqüências altas, como confirmado no presente estudo. A Figura 3 confirma os dados obtidos na figura anterior, pois as falhas encontradas nas emissões se concentraram nas freqüências de 3, 4, 6 e 8kHz. Foram analisadas 30 orelhas (relacionadas aos 15 indivíduos que se submeteram ao teste de EOAPD), com intenção de obter respostas passa/falha confirmando ou não a integridade das células ciliadas externas. Desta forma percebeu-se que 75% dos participantes, obtiveram respostas ausentes, dado relevante, se confrontado com os resultados audiométricos que mostrou limiares auditivos dentro do padrão de normalidade para as freqüências graves e médias e discreta queda auditiva nas freqüências agudas. 280 Figura 3: Distribuição das 30 orelhas conforme o teste de EOPAD nas diferentes freqüências Elucidando essa disparidade entre a audiometria e o teste de emissões otoacústicas, este último possui uma sensibilidade maior para detecção precoce de perdas auditivas, mesmo antes destas se revelarem, conforme os achados na Figura 2 e 3. Ainda nesta discussão Marques e Costa (2006) utilizaram o registro das EOAPD como método de detecção de alterações fisiopatológicas precoces provocadas por exposição ao ruído ocupacional, mostrando-se como promissor instrumento auxiliar no diagnóstico da PAIR. Em outro estudo realizado para descrever a vantagem das EOAPD na detecção precoce de casos de PAIR, obteve-se o mesmo resultado, ou seja, o teste de emissões mostrou-se mais eficaz (COELHO et al., 2010).

9 Nas Tabelas 3 e 4 foram realizadas as correlações das 30 orelhas direita/esquerda, com a média dos limiares audiométricos e as respostas da EOAPD, para frequências de 3, 4 e 6kHz, em que a predominância dos resultados consistiu em 87%casos de ausências de respostas em todas as freqüências, com exceção de 6kHz na orelha direita (93%).Tais dados sugerem uma alteração leve no funcionamento coclear dos sujeitos investigados, uma vez que todos apresentavam audição dentro dos padrões de normalidade. Tabela 3: Correlação das respostas do teste de EOAPD para as 15 orelhas, segundo a média dos limiares audiométricos nas freqüências 3, 4 e 6kHz na orelha direita Frequência khz Média dos limiares audiométricos Db (NA) EOAPD Presentes EOAPD Ausentes N % N % Tabela 4: Correlação das respostas do teste de EOAPD para as 15 orelhas, segundo a média dos limiares audiométricos nas freqüências 3, 4 e 6kHz na orelha esquerda Frequência khz Média dos limiares audiométricos Db (NA) EOAPD Presentes EOAPD Ausentes N % N % O que chama atenção em ambas as tabelas são as médias dos limiares audiométricos normais e a quantidade de falhas nas emissões otoacústicas, mesmo essa correlação não apresentando significância estatística. Vale lembrar que a falta de significância pode ser atribuída à pequena amostra da população estudada, ressaltando que estes dados não devem extrapolar para o restante da população exposta ao ruído (menor representatividade). No entanto, este estudo evidencia a necessidade em dar continuidade à investigação desta disparidade, inclusive em outros setores ocupacionais. CONCLUSÃO A avaliação audiológica em trabalhadores expostos ao ruído, revelou resultados audiómetricos normais para as médias das freqüências da fala e queda nos limiares para as freqüências agudas, sobretudo em 6000Hz, logoaudiometria e imitanciometria compatíveis com os limiares audiométricos. Nas emissões otoacústicas mais da metade dos trabalhadores apresentaram ausência de resposta, mostrando ser um teste mais sensível 281

10 ao registro de alterações cocleares por exposição a ruído intenso se comparado com a audiometria tonal. O tempo de exposição ao ruído (11 a 20 anos) é prolongado e pode ser considerado fator de risco para a perda auditiva, agravado pelo fato de uma grande parte dos indivíduos (48%) não usarem nenhum tipo de equipamento de proteção. CHARACTERISTICS OF WORKERS IN PROFILE AUDIOLOGICAL EXPOSED TO OCCUPATIONAL NOISE Abstract: Introduction: Hearing loss may result from exposure to noise.objective:to characterize the audiological profile graphs workers, carpenters and locksmiths, exposed to occupational noise.method:cross-sectional analytical study carried out with the general service sector workers PUC/GO, located in Goiânia, Brazil. Clinical and occupational data of 25 workers in activity were analyzed from August to November 2014.Results:audiometry results have indicated that the subjects did not show hearing loss in the frequencies of 0.5, 1 and 2 khz, the losses occurred between 3 and 8kHz. Correlation analysis between audiometry and DPOAEs, showed no statistically significant difference between the groups, however, it is noted that there are more failures in DPOAE.Conclusion:The results of DPOAE was more effective than pure tone audiometry for recording cochlear changes after exposure to loud noise. Keywords: Worker of health. Ocupacional noise. Hearingloss. Referências 282 ANDERSSON, Gerhard; VRETBLAD, Pernilla; LARSEN, Hans, LYTTKENS, Leif. Longitudinal Follow-up OF Tinnitus Complaints. ArchOtolaryngol Head NeckSurg, v.127, n.2, p , February.2001.Disponívelem: < article.aspx?articleid=482183> Acesso em 10 de nov ARAÚJO, Simone Adad. Perda auditiva induzida pelo ruído em trabalhadores de metalúrgica. RevBrasOtorrinolaringol. V.68, n.1, p.47-52, jan./fev Disponível em: < Acesso em 22 de out AZEVEDO, Amanda Nogueira; BERNARDO, Luciana Dias; SHING, Suely Cátia; SANTOS, Jauliana Nunes. Perfil auditivo de trabalhadores de um entreposto de carnes. Rev. CEFAC, São Paulo, vol.12 n.2, p Mar./Apr Disponível em: < Acesso em 28 de agost AZEVEDO, Marisa Frasson. Conhecimentos essenciais para entender bem Emissões Otoacústicas e Bera- São José dos Campos: Pulso; p 35-83, BOGER, Marlene Escher; BARBOSA-BRANCO, Anadergh; OTTONI, Áurea Canha. A influência do espectro de ruído na prevalência de Perda Auditiva Induzida por Ruído em trabalhadores. Braz. J. otorhinolaryngol, São Paulo, vol.75, n.3, p , May/June Disponível em: < &script=sci_arttext&tlng=pt> Acesso em: 10 de out

11 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Perda Auditiva Induzida por ruído (PAIR)- Brasília: Editora do Ministério da Saúde, p.: (Saúde do trabalhador: 5.Protocolos de Complexidade Diferenciada). BRASIL, Ministério do Trabalho. Secretaria de Segurança do Trabalho. NR-6, Portaria GM n.º 26, de 29 de dezembro de 1994.Secretaria de Segurança do Trabalho. NR-7. Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho Portarian.º 24, de 29 de dezembro de 1994.Secretaria de Segurança do Trabalho. NR-9. Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho- Portaria n.º 25, de 29 de dezembro de 1994.Secretaria de Segurança do Trabalho. NR-15. Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho- Portaria n.º 22, de 26 de dezembro de COELHO, Miriam Souza BASILIO; Joice Regina; ALMEIDA, Elizabeth Oliveira Filho. As emissões otoacústicas no diagnóstico diferencial das perdas auditivas induzidas por ruído. Rev. CEFAC.São Paulo, v. 12, n. 6, p: , Nov-Dez Disponível em: < Acesso em 20 de agost COSTA, da Sady Saleimen; CRUZ, Oswaldo Laércio Mendonça; OLIVEIRA, de José Antônio. A Perda auditiva induzida pelo ruído (PAIR) relacionado ao trabalho. Otorrinolaringologia Princípios e Práticas, 2ª edição. P , FARIA, Carlos Antônio Rodrigues; SUZUKI, Fábio Akira. Avaliação dos limiares auditivos com e sem equipamento de proteção individual. Rev. Bras. Otorrinolaringol. São Paulo, vol.74, n.3, p , May/June 2008.Disponível em: < scielo.br/scielo.php?pid=s &script=sci_arttext> Acesso em 15 de set HARGER, Marilia Rabelo; BARBOSA-BRANCO, Anadergh. Efeitos Auditivos Decorrentes da Exposição Ocupacional ao Ruído em Trabalhadores de Marmorarias no Distrito Federal. Revista da Associação Médica Brasileira. São Paulo, vol.50, n.4,p , out/dez Disponível em:< ttext&pid=s > Acesso em 20 de set LLOYD, L; KAPLAN, H. Audiometric interpretation: a manual o basic audiometry. University Park Press: Baltimore; P. 16-7, 94 MARQUES, Frederico Prudente; COSTA, Everardo Andrade. Exposição ao ruído ocupacional: alterações no exame de emissões otoacústicas. Rev. Bras. Otorrinolaringol, São Paulo, vol.72, n.3, p , may/june Disponível em: < scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s > Acesso em 20 de set RUSSO, Iêda Costa Pacheco. Acústica de PsicoacústicaAplicadas a Fonoaudiologia. São Paulo, Editora Lovise, SILMAN, S; SILVERMAN, CA. Auditory diagnosis: principles and applications. San Diego: Singular Publishing Group; P

12 Recebido em: Aprovado em: JÉSSICA BARBOSA DA COSTA Graduanda em Fonoaudiologia na PUC Goiás SIMONE ALMEIDA BARBOSA ROSA Graduanda em Fonoaudiologia na PUC Goiás LEONARDO LUIZ BORGES Doutor em Ciências Farmacêuticas pela UnB. Mestre em Ciências Farmacêuticas pela UFG. Graduado em Farmácia pela UFG. Farmacêutico. gmail.com MARILIA RABELO HOLANDA CAMARANO Mestre em Ciências da Saúde pela UnB. Graduada em Fonoaudiologia pela PUC Goiás. Fonoaudióloga.

13 ANEXO A 285

14 APÊNDICE A TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO 286 Você está sendo convidado (a) para participar, como voluntário (a), do Projeto de Pesquisa sob o título (CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL AUDIOLÓGICO EM TRABALHADORES EXPOSTOS A RUÍDOS). Nossos nomes são Jéssica Barbosa da Costa e Simone Almeida Barbosa Rosa, somos as pesquisadoras responsáveis graduandas do curso de Fonoaudiologia. Após receber os esclarecimentos e as informações a seguir, no caso de aceitar fazer parte do estudo, este documento deverá ser assinado em duas vias, sendo a primeira de guarda e confidencialidade das Pesquisadoras Jéssica Barbosa da Costa e Simone Almeida Barbosa Rosa, a segunda ficará sob sua responsabilidade para quaisquer fins. Em caso de recusa, você não será penalizado (a) de forma alguma. Em caso de dúvida sobre a pesquisa, você poderá entrar em contato com as pesquisadoras responsáveis Jéssica Barbosa da Costa e Simone Almeida Barbosa Rosa ou com a orientadora da pesquisa Professora Marília Holanda Rabelo, nos telefones: (62) / (62) , ou através do Em caso de dúvida sobre a ética aplicada a pesquisa, você poderá entrar em contato com o Comitê de Ética em Pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, telefone: (62) O objetivo desta pesquisa é verificar os benefícios do exame periódicos, para prevenção de perda auditiva nos trabalhadores que estão expostos ao ruído na Instituição. A pesquisa ocorrerá na Clínica Escola de Fonoaudiologia da PUC-GOIÁS, será utilizada a sala de audiometria tonal, acusticamente tratada, em posições habituais as avaliações citadas. Toda pesquisa oferece riscos, nesta pesquisa entende-se que estes estão caracterizados como de baixo risco. O (a) senhor (a) poderá se beneficiar por meio desta pesquisa, pois a mesma poderá possibilitar a prevenção de doenças, melhorar a qualidade de vida no trabalho e estimular cuidados com a saúde. É importante esclarecer que não é preciso ser portador de plano de saúde, pois, os exames serão custeados totalmente pela Clinica Escola de Fonoaudiologia. Para dar seguimento a esta pesquisa, será necessário que o (a) senhor (a), siga orientações determinadas pelos pesquisadores. Sendo então que o (a) senhor (a) devera estar de repouso auditivo, ou seja, longe de ruídos por um período de 14 horas. Na data combinada para realização do exame, o (a) senhor (a) será submetido a uma serie de testes que tem como objetivo avaliar suas funções auditivas. Inicialmente, o (a) senhor (a) será submetido a um questionário no qual serão anotadas as suas queixas, relacionadas a dificuldades auditivas e outras que julgam importantes. Em seguida o (a) será submetido a um exame audiométrico. Este exame é administrado, com equipamentos calibrados, em cabine audiométrica e em um ambiente sem ruído, para que não ocorra interferência nas respostas. A bateria de testes consiste de audiometria tonal (pesquisar em qual intensidade o individuo está ouvindo), logoaudiometria (confirmação da intensidade), imitanciometria (Avaliar o funcionamento da orelha média a membrana timpânica, ossículos, etc.), reflexos estapedianos (O reflexo do

15 estapédio é desencadeado por um estímulo sonoro intenso e consiste de uma contração bilateral do músculo do estribo (estapédio) e emissões otoacústicas por produto de distorção (através de um minúsculo fone inserido na orelha, iremos identificar como o som está indo para a cóclea). Todos esses exames são indolor e não são invasivo. Sua participação é voluntaria. O (a) senhor (a) poderá retirar sua participação a qualquer momento que julgar necessário, sem prejuizos éticos, morais, sociais, financeiros ou quaisquer outros. O (a) senhor (a) não recebera nenhuma recompensa financeira por sua participação nesta pesquisa. Caso sinta-se prejudicado por sua participação nesta pesquisa, o senhor poderá pleitear seus direitos, cabendo ao pesquisador acatar a sentença determinada. Toda pesquisa que envolve participação humana deve ser encaminhada para analise a um Comitê de Ética em Pesquisa. A resolução nacional de N 466/12 exige situações a serem cumpridas pelo pesquisador. Eu, pesquisadora principal, garanto que todos os itens da resolução serão seguidos e cumpridos com legitimidade. CONSENTIMENTO DA PARTICIPAÇÃO DO SUJEITO Eu, RG, concordo a participar da pesquisa Ficaram claros para mim quais são os propósitos do estudo, os procedimentos a serem realizados, seus desconfortos e riscos, as garantias de confidencialidade de esclarecimentos permanentes. Fica claro também que minha participação é isenta de despesas e que tenho garantia do acesso a tratamento audiológico na Clínica Escola de Fonoaudiologia da PUC-GOIÁS quando necessário. Concordo voluntariamente em participar deste estudo e poderei retirar o meu consentimento a qualquer momento, antes ou durante o mesmo, sem penalidades ou prejuízo ou perda de qualquer benefício que eu possa ter adquirido, ou no meu atendimento neste Serviço. Goiânia,, de, de 201_. / / Assinatura do participante Data / / Assinatura da testemunha Data / / Assinatura do responsável pelo estudo Data 287

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO.

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. VIVIAN DE OLIVEIRA SOUSA 1 IZABELLA MENDES NOGUEIRA1 ARIADNE

Leia mais

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA 3214 - NR 7 - ANEXO I - QUADRO II Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora

Leia mais

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 O Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no artigo 168 da Consolidação das Leis do Trabalho, o disposto

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Ana Paula Bruner Novembro 2012

Ana Paula Bruner Novembro 2012 Ana Paula Bruner Novembro 2012 Laudo Audiológico Grau de Perda Auditiva Baseado na média aritmética entre os limiares tonais das frequências de 500, 0 e 2000 Hz em cada orelha. Laudo Audiológico Grau de

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

PAIRO. Carla Marineli

PAIRO. Carla Marineli PAIRO Carla Marineli Fonoaudióloga / Psicopedagogia Especialista em Audiologia Mestranda em Ciências Médicas - UNIFOR Coordenadora e Docente da Especialização em Audiologia da UNIFOR Coordenadora dos Cursos

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 XXXV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1

PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 PERDA AUDITIVA INDUZIA POR RUIDO - PAIR CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR GVSAST/SUVISA/SES/GO 1 Apesar dos diversos benefícios trazidos pelo progresso, os impactos ambientais decorrentes

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método

Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Introdução Material e Método Achados Audiológicos em Policiais Militares: Avaliação Audiológica Básica e Emissões Otoacústicas Produto de Distorção. Palavras Chaves: Perda auditiva induzida por ruído, audição, militares. Introdução

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F. B. Moreira PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F. B. Moreira O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014

Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Pontos fundamentais para o êxito de programas relacionados a riscos ambientais Programa de Conservação Auditiva Willes de Oliveira e Souza 14/11/2014 Histórico ANEXO I do QUADRO II NR 7 (Port. 19-04/1998

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 O Som O som é definido como qualquer variação na pressão do ar que o ouvido humano possa detectar.

Leia mais

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações

Um pouco sobre nós. Tecnologia e modernas instalações Um pouco sobre nós. Referência em Medicina Ocupacional, Saúde do Trabalhador em Uberlândia e Região. Nosso objetivo é solucionar os problemas ligados à preservação da saúde e segurança do trabalhador,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Brazilian Journal of Otorhinolaryngology ISSN: 1808-8694 revista@aborlccf.org.br Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico- Facial Brasil da Silva Barros, Samanta Marissane; Frota,

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FERNANDA SIMONETI FERREIRA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FERNANDA SIMONETI FERREIRA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FERNANDA SIMONETI FERREIRA AUDIOMETRIA DE ALTAS FREQUENCIAS EM TRABALHADORES DE UMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA, SÃO JOSÉ DOS PINHAIS-PR. CURITIBA 2011 FERNANDA SIMONETI FERREIRA

Leia mais

ANÁLISE DE EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTOS DE DISTORÇÃO EM TRABALHADORES DE UMA INDÚSTRIA METALURGICA NA CIDADE DE BIRIGUI

ANÁLISE DE EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTOS DE DISTORÇÃO EM TRABALHADORES DE UMA INDÚSTRIA METALURGICA NA CIDADE DE BIRIGUI ANÁLISE DE EMISSÕES OTOACÚSTICAS PRODUTOS DE DISTORÇÃO EM TRABALHADORES DE UMA INDÚSTRIA METALURGICA NA CIDADE DE BIRIGUI ANALISYS OF OTOACOUSTICS EMISSIONS DISTORTION PRODUCT IN WORKERS OF AN METAL INDUSTRY

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA ACÚSTICA

AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA ACÚSTICA AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA ACÚSTICA ORIENTAÇÕES DOS CONSELHOS DE FONOAUDIOLOGIA PARA O LAUDO AUDIOLÓGICO ABRIL 2009 AUDIOMETRIA TONAL, LOGOAUDIOMETRIA E MEDIDAS DE IMITÂNCIA

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA NÚMERO /DATA 009/01-25/10/2001 ORIGEM SRF/RFFC/ER-6 1.1 Tendo em vista que o contrato firmado com a Sul América não prevê a realização de exames admissionais,

Leia mais

PERFIL AUDIOLÓGICO EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE SETE A DEZ ANOS DA ESCOLA VISCONDE DE MAUÁ ATENDIDAS NA UNIDADE DE SAÚDE DO SESI- DR/AMAPÁ EM 2009.

PERFIL AUDIOLÓGICO EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE SETE A DEZ ANOS DA ESCOLA VISCONDE DE MAUÁ ATENDIDAS NA UNIDADE DE SAÚDE DO SESI- DR/AMAPÁ EM 2009. PERFIL AUDIOLÓGICO EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE SETE A DEZ ANOS DA ESCOLA VISCONDE DE MAUÁ ATENDIDAS NA UNIDADE DE SAÚDE DO SESI- DR/AMAPÁ EM 2009. INTRODUÇÃO RODRIGO LIMA COIMBRA¹ SHEILA CRISTINA CUNHA

Leia mais

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE

PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE PERCEPÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E NÃO-AUDITIVOS DOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS DE TRANSPORTE Alexandre Ramos NOVAFAPI Rita de Cássia - Orientadora - NOVAFAPI INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador constitui uma área

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

Audição de Trabalhadores Antes e Após o Programa de Conservação Auditiva Workers Hearing Before and After the Hearing Conservation Program

Audição de Trabalhadores Antes e Após o Programa de Conservação Auditiva Workers Hearing Before and After the Hearing Conservation Program PESQUISA Revista Brasileira de Ciências da Saúde Research DOI:10.4034/RBCS.2012.16.04.04 Volume 16 Número 4 Páginas 517-524 2012 ISSN 1415-2177 e-issn 2317-6032 Audição de Trabalhadores Antes e Após o

Leia mais

Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea.

Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea. Título: Teste de fala filtrada em indivíduos com perda auditiva neurossensorial em freqüências altas associada à presença de zonas mortas na cóclea. Palavras chaves: audiometria, ruído, mascaramento, perda

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM MOTORISTAS DE CAMINHÃO DE LIXO URBANO HEARING LOSS INDUCED BY NOISE IN DRIVERS OF URBAN GARBAGE TRUCK

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM MOTORISTAS DE CAMINHÃO DE LIXO URBANO HEARING LOSS INDUCED BY NOISE IN DRIVERS OF URBAN GARBAGE TRUCK PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM MOTORISTAS DE CAMINHÃO DE LIXO URBANO HEARING LOSS INDUCED BY NOISE IN DRIVERS OF URBAN GARBAGE TRUCK Raquel Fleig Fonoaudióloga Especialista em Psicopedagogia UNISUL

Leia mais

Conhecimento de Trabalhadores sobre Ruído e seus Efeitos em Indústria Alimentícia

Conhecimento de Trabalhadores sobre Ruído e seus Efeitos em Indústria Alimentícia Artigo Original Conhecimento de Trabalhadores sobre Ruído e seus Efeitos em Indústria Alimentícia Knowledge of Workers in the Food Industry about Noise and its Effects Ane Gleisi Vivan*, Thaís C. Morata**,

Leia mais

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo

Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo Avaliação dos Níveis de Ruído e da Perda Auditiva em Motoristas de Ônibus na Cidade de São Paulo João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Teresa Marinho (UNESP) marinhoteresa@yahoo.com.br Viviane

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO: ANÁLISE COMPARATIVA DOS RUÍDOS EM UMA OFICINA MECÂNICA E RECAPAGEM EM FORMIGA-MG MARCELO CARVALHO RAMOS 1, FERNANDA MOREIRA LOPES ASSUMPÇÃO 2, JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES

Leia mais

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS

TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS TÓPICO 01: DISPOSIÇÕES GERAIS O Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO, se configura em uma obrigatoriedade legal a ser cumprida por todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL EM UM RESTAURANTE NUM MUNICÍPIO DO MATO GROSSO DO SUL

AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL EM UM RESTAURANTE NUM MUNICÍPIO DO MATO GROSSO DO SUL 27 AVALIAÇÃO DO RUÍDO OCUPACIONAL EM UM RESTAURANTE NUM MUNICÍPIO DO MATO GROSSO DO SUL Maria Salete Vaceli Quintilio 1, Patricia Arruda de Souza Alcarás 1, Laís da Silva Martins 2 1 Docente e 2 Discente

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6

Procedimento de Operação Padrão REVISÃO N o : 01 PÁG: 1 de 6 1 OBJETIVO PÁG: 1 de 6 Estabelecer os princípios básicos para o uso de protetores auditivos na CP SOLUÇÕES. Facilitar a administração de todas as etapas para atender ao disposto no PCA Programa de Conservação

Leia mais

Análise comparativa dos limiares auditivos da Audiometria Tonal Liminar, dos Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefálico por estímulos click

Análise comparativa dos limiares auditivos da Audiometria Tonal Liminar, dos Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefálico por estímulos click Análise comparativa dos limiares auditivos da Audiometria Tonal Liminar, dos Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefálico por estímulos click e tone burst e do Potencial Evocado Auditivo de Estado

Leia mais

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id...

http://www.kwiksurveys.com/results-overview.php?mode=1&survey_id... Results Area Página 1 de 7 Invitations Invitations Sent: 0 Invitations Accepted: 0 Untracked Responses: 49 Total Completed s Received: 49 Total Incomplete s Received: 0 Total Responses Received: 49 Results

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO 2 DESCRIÇÃO A sociedade moderna tem multiplicado as fontes de ruído e aumentado o seu nível de pressão sonora. O ruído é uma

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS

ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS 1.OBJETO ANEXO I CONDIÇÕES DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS Contratação de empresa especializada na prestação de serviços de Assistência Médica de Segurança e Medicina do Trabalho, para atendimento aos colaboradores

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS

INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS INSS ALTERA MAIS UMA VEZ AS CONDIÇÕES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA ESPECIAL IMPONDO NOVOS ÔNUS PARA AS EMPRESAS Jaques Sherique - Engenheiro de Segurança do Trabalho, Presidente da ABPA-SP 2º Vice-Presidente

Leia mais

NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013

NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013 NR.07 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL 09/12/2013 Do Objeto Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores

Leia mais

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos Estudo do perfil audiológico de idade acima de 60 anos Ana Paula Krempel Jurca 1 Fernanda Carla Chagas Pinheiro 1 Karina de Castro Martins 1 Lilian Francisca Herrera 1 Luciane Marins Colleone Sandra de

Leia mais

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA

PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA PAIRO E INCAPACIDADE LABORATIVA Ainda encontramos um grande número de ações trabalhistas de reintegração por disacusias como também ações de indenização pelo mesmo motivo. Continuamos com o mesmo quadro

Leia mais

Resumo. 1 Alunos do Curso de Fonoaudiologia, componentes do programa de Iniciação Científica.

Resumo. 1 Alunos do Curso de Fonoaudiologia, componentes do programa de Iniciação Científica. O RUÍDO URBANO E A SAÚDE AUDITIVA Aretuza Serrão Pinto 1 Leandro Jares P. da Cunha 1 Lucianna Daniella S. dos Santos 1 Erick Maklin Machado Távora 2 Jarbas da Silveira Coelho Sarmento Filho 2 Leano Nobuyuki

Leia mais

PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERNANDES, Alexandre Dantas 1 CAVALCANTI, Hannalice Gottschalck 2 ANDRADE, Wagner Teobaldo Lopes

Leia mais

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR Autores: Ana Angelica Melo do Nascimento Fonoaudióloga,especialista em audiologia clínica. Título obtido pela Especialização

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES PI-PR-6 20/01/29 PI-PR-6 - PROGRAMA DE PROTEÇÃO AUDITIVA - PPA Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBS. 20/01/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO / INICIAIS: R SO / VC

Leia mais

Análise do perfil audiológico dos músicos da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG)

Análise do perfil audiológico dos músicos da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG) Análise do perfil audiológico dos músicos da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais (OSMG) Andréa Alves Maia (Dep. Saúde da Criança e do Adolescente - UFMG, Belo Horizonte) andreaalvesmaia@yahoo.com.br Denise

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Gestão Aplicada a SST Segurança e Saúde do Trabalho AULA 7 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Compreender a importância do PCMSO como instrumento

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Karoline Sturion Ciniello

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Karoline Sturion Ciniello UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Karoline Sturion Ciniello A IMPORTÂNCIA DE INCORPORAR TESTES DE PROCESSAMENTO AUDITIVO NA AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA DE CRIANÇAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. CURITIBA 2010

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES NA CARREIRA DE OFICIAL. CURITIBA PR 2014 Patrícia Souza Dos Santos PERFIL AUDITIVO DE POLICIAIS MILITARES INGRESSANTES

Leia mais

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3

SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO EM TRABALHADORES DE EMPRESA METALÚRGICA SIQUEIRA, Édina Siméia Campos de 1 CERVI, João Antônio 2 FEMA 3 RESUMO: O ruído é, na maioria dos países, o agente nocivo mais

Leia mais

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br 4a. Conferência Latino Americana de Adaptação Pediátrica ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br São Paulo 21 de Agosto de 2015 Definições Distúrbios

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA TUTORIAL DE PREENCHIMENTO DOS DOCUMENTOS A SEREM ENTREGUES PARA A OBTENÇÃO DO PARECER DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA COM SERES HUMANOS INTRODUÇÃO. O Comitê de

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey)

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey) Triagem Auditiva A deficiência auditiva permanente, de acordo com o Consenso Europeu em Triagem Auditiva Neonatal (DAP), é definida quando a média dos limiares auditivos obtidos nas freqüências 500, 1000

Leia mais

LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO

LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO 27 Maio de 2011 AUDIOLOGIA LIMIAR DE FUSÃO BINAURAL MASCARAMENTO FUSION AT INFERRED THRESHOLD (FIT) - MASKING Jorge Humberto Martins. Audiologista Mestre em Ciências da Fala e da Audição Correspondência:

Leia mais

PERFIL AUDIOLÓGICO DE LAVADORES. Um estudo fonoaudiológico em postos. de gasolina

PERFIL AUDIOLÓGICO DE LAVADORES. Um estudo fonoaudiológico em postos. de gasolina CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA SAÚDE DO TRABALHADOR PERFIL AUDIOLÓGICO DE LAVADORES Um estudo fonoaudiológico em postos de gasolina PATRICIA FUMERO SÃO PAULO 2000 CEFAC

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas VALÉRIA GOMES DA SILVA

Universidade de Brasília Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas VALÉRIA GOMES DA SILVA Universidade de Brasília Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas VALÉRIA GOMES DA SILVA PREVALÊNCIA DE ALTERAÇÕES DAS CÉLULAS CILIADAS EXTERNAS EM ESTUDANTES DE UMA ESCOLA DO

Leia mais

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02 Página1 Nível de Pressão Sonora Decibel Como o ouvido humano pode detectar uma gama muito grande de pressão sonora, que vai de 20 μ Pa até 200 Pa (Pa = Pascal), seria totalmente inviável a construção de

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004, que institui a Política Nacional de

Leia mais

RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO

RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO 1 / 14 RUÍDOS EM AVIAÇÃO CONTEÚDO Introdução Generalidades sobre o Som Generalidades sobre a Audição Generalidades sobre o Trauma Sonoro Programa de Conservação da Audição 2 / 14 I - INTRODUÇÃO O ruído

Leia mais

----- CARTILHA ORIENTATIVA ----- ------- Agente Físico: RUÍDO ------- Ilustração: Beto Soares - Foto Revista Proteção

----- CARTILHA ORIENTATIVA ----- ------- Agente Físico: RUÍDO ------- Ilustração: Beto Soares - Foto Revista Proteção Membros do Comitê Cícero Firmino da Silva STIG de Taubaté e Vale do Paraíba José Augusto de Oliveira STIG do Estado do Paraná; Marcelo de Souza Marques STIG de Jundiaí e Região; ----- CARTILHA ORIENTATIVA

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH) Secretaria Estadual da Saúde PROCEDIMENTO OPERACIONAL Número: 3.3 Revisão: 0 Página: 1/8 Vigência: Indeterminada Titulo: Implantação e adequação do Serviço Especializado

Leia mais

AS EMISSÕES OTOACÚSTICAS NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS PERDAS AUDITIVAS INDUZIDAS POR RUÍDO

AS EMISSÕES OTOACÚSTICAS NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS PERDAS AUDITIVAS INDUZIDAS POR RUÍDO 1050 AS EMISSÕES OTOACÚSTICAS NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DAS PERDAS AUDITIVAS INDUZIDAS POR RUÍDO Otoacoustic Emissions in the differential diagnosis of the noise-induced auditory losses Miriam de Souza

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA SÉRGIO TAKAHASHI 1 Resumo: O ser humano se for submetido a níveis de ruído acima do tolerável, pode induzir a PAIR (perda auditiva induzida

Leia mais

RUÍDOS OCUPACIONAIS: QUAL O TAMANHO DO RISCO E SUAS MEDIDAS DE CONTROLE?

RUÍDOS OCUPACIONAIS: QUAL O TAMANHO DO RISCO E SUAS MEDIDAS DE CONTROLE? 1 RUÍDOS OCUPACIONAIS: QUAL O TAMANHO DO RISCO E SUAS MEDIDAS DE CONTROLE? RESUMO Jose Sergio Fernandes 1 Ariel Orlei Michaloski 2 Este artigo apresenta uma reflexão por meio de pesquisa bibliográfica

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA NORMA DE SEGURANÇA ORIENTATIVA

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA NORMA DE SEGURANÇA ORIENTATIVA 1. INTRODUÇÃO Dentre os agentes nocivos à saúde, o mais freqüente nos ambientes de trabalho, assim como no nosso dia a dia, é o ruído, que tem sido responsável por distúrbios auditivos temporários e permanentes

Leia mais

Análise dos programas de preservação auditiva em empresas do interior do Paraná

Análise dos programas de preservação auditiva em empresas do interior do Paraná Análise dos programas de preservação auditiva em empresas do interior do Paraná Cláudia Giglio de Oliveira Gonçalves Fonoaudióloga Professora do Programa de Mestrado e Doutorado em Distúrbios da Comunicação

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes medidas de controles já existentes 04/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo

Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 451/2009 "Estabelece políticas públicas para garantir a saúde auditiva da população Capixaba, através de medidas e políticas para a redução

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO ARTIGO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas e

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE)

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) (Responsável por paciente com idade 24 meses) TÍTULO DA PESQUISA: IDENTIFICAÇÃO DE ALTERAÇÕES IMUNOFENOTÍPICAS E MOLECULARES DAS LEUCEMIAS DE CÉLULAS-T

Leia mais

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 DO 202, de 21/10/99 O Ministro de Estado da Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo 1806-4280/09/38-01/69 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 4, de 2008 69 ARTIGO ORIGINAL Avaliação da perda auditiva induzida por ruído em músicos de Tubarão-SC

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 23

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 23 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 23 Profa. M.Sc Vanessa Vasconcelos Fonseca Mestre em Ciência de Alimentos Especialista MBA

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Liziane Maria Pereira Campelo

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Liziane Maria Pereira Campelo UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Liziane Maria Pereira Campelo IDENTIFICAÇÃO DE SINTOMAS AUDITIVOS E EXTRA- AUDITIVOS EM TRABALHADORES EXPOSTOS A NÍVEIS ELEVADOS DE PRESSÃO SONORA E SUA RELAÇÃO COM O TEMPO

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA. Um estudo nas empresas de Florianópolis

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA. Um estudo nas empresas de Florianópolis CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA CLÍNICA EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO AUDITIVA Um estudo nas empresas de Florianópolis Monografia de conclusão do curso de especialização em

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS

PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS PROTOCOLO DE ADAPTAÇÃO DE APARELHOS DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAIS AASI- EM ADULTOS 1 Introdução: Dentre as diversas áreas de atuação do profissional fonoaudiólogo, a audiologia compreende desde o

Leia mais

Processo de compartilhar um mesmo objeto de consciência. (Martino,2001).

Processo de compartilhar um mesmo objeto de consciência. (Martino,2001). Jornada sobre o Trabalhador em Teleatendimento/Telemarketing APMT/2009 AUDIÇÃO EM TELESSERVIÇOS: SÁUDE AUDITVA e AUDIÇÃO ATIVA VERA CECILIA GELARDI Audição e Comunicação Operador de Teleserviço Profissional

Leia mais