ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR Primavera 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR Primavera 2013"

Transcrição

1 FORMAÇÃO MÉDICA CONTÍNUA Primavera 2013 Peniche - Consolação 15 a 18 de Maio de 2013 LOCAL Hotel Atlântico Golf **** Praia da Consolação Atouguia da Baleia - Peniche Telf ; Fax HORÁRIOS 4ª feira Tarde: 14h00-20h30m 5ª e 6ª feira Manhã: 8h30m - 12h50m Tarde: 14h00-20h30m Sábado Manhã: 8h30m - 13h00 INSCRIÇÕES: As inscrições serão aceites por ordem de entrada no secretariado até ao dia 21 de Abril. Indique no boletim de inscrição o curso pretendido em 1ª opção, caso tenha outras alternativas indique-as por ordem de preferência.

2 1. CURSO SOBRE DIABETES TIPO 2 em MGF Coordenadora Pedagógica: Dra Manuela Ambrosio Coordenador Científico: Dra Rosa Gallego Número máximo de formandos: 30 Objetivos Atualizar, face à evidência médica e consensos da comunidade científica nacional e internacional, os conhecimentos sobre o diagnóstico e tratamento da diabetes, a prevenção e tratamento das complicações. Pretende-se que no fim do curso os participantes tenham revisto: 1 - Fisiopatologia da diabetes e suas complicações 2 - Estratégias de prevenção e organização de cuidados em MGF 3 - Tratamento oral, bases farmacológicas e evidência atual 4 - Complicações agudas e crónicas, estratégias de prevenção e tratamento em cuidados primários. 5 - Insulinoterapia 6 - Autocontrolo Metodologia A estratégia pedagógica basear-se-á na discussão de casos, trabalhos de grupo e interação dinâmica. Facilitadores Dra Rosa Gallego 2. CURSO ALIMENTAÇÃO, NUTRIÇÃO E SAÚDE Coordenadora pedagógica: Dra Ana Margarida Levy Coordenadora Científica: Prof. Dr. João Breda Prof.ª Dr.ª Ana Rito Número máximo de formandos: 30 Objetivos 1. Compreender a alimentação nas suas dimensões culturais, ambientais e científicas. 2. Reconhecer a alimentação como factor chave da vida do ser humano. 3. Conhecer os factores determinantes das escolhas alimentares. 4. Compreender os conceitos de alimento e nutriente. 5. Identificar e caracterizar os diferentes grupos de nutrientes. 6. Entender especificidades da alimentação em diferentes fases da vida. 7. Conhecer os principais erros alimentares. 8. Conceptualizar alimentação saudável. 9. Compreender os efeitos da cozinha sobre os alimentos. 10. Conhecer o papel dos factores nutricionais em determinadas patologias e o valor da intervenção dietética.

3 11. Compreender o valor das novas tecnologias da indústria alimentar no sentido da melhoria da qualidade nutricional dos alimentos. 12. Ser capaz de desenvolver estratégias adequadas de aconselhamento e educação alimentar a nível individual e comunitário. Conteúdos 1. História e evolução da alimentação humana 2. Nutrição 2.1 Classificação dos alimentos 2.2 Grupos de alimentos 2.3 Equilíbrio alimentar 2.4 Equilíbrio nutricional 2.5 Erros alimentares mais frequentes 2.6 Regras básicas da alimentação saudável 2.7 Alimentação em diferentes fases da vida 2.8 Intervenção dietética 2.9 Cozinha saudável 2.10 Instrumentos de educação alimentar 3. Alimentação e doenças crónicas não-transmissíveis 4. Intervenção e aconselhamento em nutrição Metodologia Utilização do método expositivo mas com metodologias interrogativas e que favoreçam a participação, utilização de rol-play, trabalhos de grupo, análise de artigos e estudos de caso. 3. CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM NEUROLOGIA Coordenadora Pedagógica: Dra Regina Sequeira Carlos Coordenador Científico: Dr. Vítor Oliveira Número máximo de formandos: 30 Na prática clinica diária o médico de família sente a necessidade de uma atualização na área das doenças do sistema nervoso. A formação em neurologia no curso de Medicina e depois também no decorrer da especialidade ficam muito aquém das necessidades para que o médico de família enfrente com segurança as múltiplas situações neurológicas com se depara. Existe uma afluência crescente destas situações fruto, por um lado, do envelhecimento da população e consequente aumento das doenças degenerativas associadas à idade, e, por outro, uma maior exigência por parte dos utentes. A rápida evolução da Medicina quer em termos de meios de diagnóstico quer terapêuticos, implica uma atualização permanente de modo a assegurar uma prática do médico de família ao nível mais elevado. Assim, a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar em articulação com a Sociedade Portuguesa de Neurologia preparou um curso de atualização em neurologia. Os temas selecionados de acordo com frequência das patologias com que o médico de família se depara, na sua consulta, foram os seguintes.

4 Doenças Vasculares Cerebrais As doenças vasculares cerebrais são a primeira causa de morte e incapacidade permanente em Portugal é por isso dever do médico de família estar especialmente atento aos critérios de diagnóstico e planos de intervenção e monitorização dos seus utentes. É nos cuidados de proximidade e através de boas práticas realizadas nos Cuidados de Saúde Primários que a prevenção e a referenciação atempada podem levar a resultados que conduzam à diminuição da mortalidade e morbilidade. Cefaleias É a queixa mais frequentemente referida nas consultas dos médicos de família. É necessário que o clínico identifique os principais tipos e saiba orientar a terapêutica bem como referenciar adequadamente as situações em que tal se justifique nomeadamente as que traduzam situações potencialmente graves. Doenças do Movimento São geralmente situações crónicas e progressivas em que é essencial um diagnóstico adequado e se torna imprescindível a articulação do médico de família com o neurologista para uma adequado seguimento ao longo da vida do doente. Epilepsias Engloba situações afetam a qualidade de vida do próprio e familiares e que muitas vezes podem pôr em risco a vida e segurança dos doentes e também a de terceiros. É um campo muito vasto e complexo em que é também necessária uma articulação entre o médico de família e o neurologista. É objetivo do curso que os formandos: Treinem o exame neurológico (funções nervosas superiores, pares cranianos, força, reflexos, sensibilidades, coordenação, equilíbrio e marcha). Aprendam a reconhecer sinais e sintomas mais importantes. Atualizem os critérios de diagnóstico. Atualizem os critérios de referenciação. Realizem uma atualização das prescrições e sua racionalização. Principais Conteúdos Temáticos: Doenças Vasculares Cerebrais Exame Neurológico: Pares Cranianos Cefaleias Exame Neurológico: Funções Nervosas Superiores Epilepsias Exame Neurológico: Força, Reflexos, Sensibilidades Doenças do Movimento Exame Neurológico: Coordenação, Equilíbrio e Marcha Formato do Curso: O curso é composto pelos módulos atrás enunciados com formação teórica, apresentação e discussão de casos clínicos incluindo vídeos, quando apropriado. Prática do exame neurológico salientando-se as suas alterações mais importantes, seu significado e orientação diagnóstica implícita. Haverá um teste inicial e final Formadores Dr. Vitor Oliveira; Dra Raquel Gil-Gouveia, Dr. José Pimentel; Dr. Joaquim Ferreira

5 4. CURSO BÁSICO DE CUIDADOS PALIATIVOS Coordenação Pedagógica: Dr.ª Regina Sequeira Carlos Coordenação Cientifica: Drª Cristina Galvão Drª Rita Abril Número máximo de formandos: 30 Objetivo Geral Maximizar a qualidade de vida dos doentes em situação de doença avançada ou incurável, numa atitude de prevenção do sofrimento dos doentes e seus cuidadores (família e profissionais de saúde). Objetivos Específicos Conhecer os princípios dos cuidados paliativos. Determinar as necessidades de um doente em cuidados paliativos e sua família. Discutir a problemática do sofrimento no fim de vida. Conhecer e aplicar os princípios do controlo sintomático. Abordar e monitorizar os sintomas mais frequentes na doença terminal. Adequar os cuidados de saúde à fase da agonia. Conhecer estratégias de apoio à família em cuidados paliativos. Discutir a problemática do luto. Abordar as perícias de comunicação com doentes em fim de vida. Abordar a aplicação dos princípios éticos no fim da vida. Abordar as especificidades deste tipo de cuidados em ambiente domiciliário e em trabalho inter-profissional. Principais Conteúdos Temáticos Filosofia dos Cuidados Paliativos. Controlo de sintomas: dor, dispneia, náuseas e vómitos e outros. Apoio à família. Apoio no luto. Trabalho em equipa. Os cuidados na agonia. Comunicação com o doente em fim de vida. Primavera 2013 Metodologias Pedagógicas Exposições teóricas; discussões em grupo de casos clínicos, role-playing e análise de videogravações. Formadores Dra Cristina Galvão, Dra Cristina Moreira, Dra Cristina Rodrigues e Dra Rita Abril

6 5. CURSO ENTREVISTA CLÍNICA EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR Coordenadora Pedagógica: Drª Manuela Ambrósio Coordenador Científico: Dr. José Manuel Mendes Nunes Número máximo de participantes: 18 Justificação A comunicação efetiva é essencial para o exercício de uma medicina de elevada qualidade. Entende-se por comunicação efetiva: 1) identificação eficiente dos prolemas e dos temas que o doente deseja abordar; 2) colheita de história clínica completa e fidedigna; 3) negociação e colaboração na definição de um plano terapêutico mutuamente aceitável; 4) estabelecimento de uma relação de suporte que reduz drasticamente as probabilidades de conflito. Os clínicos serão mais eficientes e precisos nos diagnósticos e os seus doentes entenderão o que foi discutido aumentando as probabilidades de concordarem e aderirem aos planos terapêuticos. A melhoria da qualidade comunicacional dos clínicos, para além de ser economicamente efetiva, obedece ao imperativo de humanizar a prestação de cuidados de saúde. Neste sentido, vai de encontro aos interesses da gestão ao permitir obter mais saúde por unidade monetária investida, e das populações pela melhoria da qualidade da relação doente-profissional, com a promoção e preservação da saúde mental de doentes e de profissionais. Existe evidência científica de que as habilidades de comunicação podem ser ensinadas e aprendidas em todos os níveis da educação médica: pré-graduada, pós-graduada e contínua. Finalmente, vários são os estudos que demonstram que as aquisições em termos de habilidades comunicacionais são duradoiras mantendo-se o seu efeito, pelo menos por 5 anos. Objetivos Compreender o Método Clínico Centrado no Paciente. Compreender a utilização do médico como agente terapêutico. Conhecer as principais técnicas a utilizar na consulta de MGF com especial ênfase para as intervenções motivacionais. Conteúdos Fases e tarefas da consulta. Método Clínico Centrado no Paciente. Revisão das principais técnicas de comunicação a usar na consulta de MGF. Intervenções motivacionais. Metodologia Introduções teóricas. Teatralização de situações. Videogravação de teatralizações. Análise e discussão. Teorização a propósito das situações observadas.

7 População alvo Médicos de Família e internos de MGF. Condições de inscrição - Estar disposto a ser videogravado (todas as videogravações serão destruídas no final da formação e apenas os formandos e formador terão acesso a elas). - Respeitar rigorosamente os horários das sessões (as características deste tipo de formação exigem que todos os formandos estejam presentes ao mesmo tempo). Formador José Manuel Mendes Nunes Chefe de Serviço de Clínica Geral da USCP de Barcarena (ACES de Lisboa Ocidental e Oeiras). Assistente Convidado da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa, Departamento de MGF. Mestre em Comunicação em Saúde pela Universidade Aberta, Lisboa. 6. CURSO TRABALHAR COM AS FAMÍLIAS Coordenadora Pedagógica: Dra Ana Margarida Levy Coordenador Científico: Dra Josefina Marau Número máximo de participantes: 15 Objetivo Treino de competências básicas para trabalhar com famílias. Projeto de investigação na área da família. Temas 1- Níveis de intervenção familiar I, II ou III e IV?. Prevenção quaternária. 2- Utilização prática dos vários instrumentos de avaliação familiar. A partir dos casos apresentados treino do uso da informação obtida através do Ciclo de Vida de Duval. Sistematização das questões a colocar durante a consulta de forma a otimizar a informação obtida. (validação de uma investigação). O ciclo de Thrower nas consultas de Saúde Materna e do Adolescente. Discussão dos resultados de um estudo observacional e proposta de estudo multicêntrico Desenho infantil: facilitador da relação e do plano de intervenção. 3- O papel do Pai na consulta de Saúde Materna e Infantil. 4- Treino num grupo Balint. Metodologia Utilização de estratégias ativas com apresentação e discussão dos casos trazidos pelos formandos: aprendizagem por resolução de problemas. Facilitadores Ana Vasconcelos Maria João Morgadinho Núria Gouveia Ricardo Ribeiro

8

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015 Apresentação Formação Médica Contínua ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015 S. Miguel Lagoa 25 a 28 de junho de 2015 Local: Escola Secundária de Lagoa Horários: 5ª feira: Tarde: 14h00 20h30m 6ª feira

Leia mais

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Primavera 2015

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Primavera 2015 Apresentação Formação Médica Contínua ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Primavera 2015 Peniche - Consolação 6 a 9 de Maio de 2015 Local: Hotel Atlântico Golf **** Praia da Consolação 2525-150 Atouguia da Baleia

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES

AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES AÇÃO DE FORMAÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLO DE DIABETES MÓDULO I - DIABETES MELLITUS: a dimensão do problema Atualizar conhecimentos na área da diabetes; Sensibilizar para as medidas de prevenção; Adquirir competências

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa

RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA. NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Medicina - 6º ano Unidade Curricular: Estágio Profissionalizante Regente: Professor Doutor Fernando Miguel

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Nutrição em Oncologia Formação Avançada

Nutrição em Oncologia Formação Avançada UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Ciências da Saúde Nutrição em Oncologia Formação Avançada Enquadramento A Organização Mundial de Saúde prevê, em 2015, o aumento de 75% dos casos de cancro.

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1999

I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA. O que se fez em 1999 I N S T I T U T O N A C I O N A L D E S A Ú D E D O U T O R R I C A R D O J O R G E MÉDICOS-SENTINELA O que se fez em 1999 13 Lisboa Setembro de 2014 D e p a r t a m e n t o d e E p i d e m i o l o g i

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Cuidar do Idoso com demência

Cuidar do Idoso com demência Cuidar do Idoso com demência Na atualidade, somos confrontados com um processo de envelhecimento demográfico caracterizado por um aumento progressivo de população idosa, em detrimento da população jovem,

Leia mais

2016 Cursos de Formação

2016 Cursos de Formação 2016 Cursos de Formação Profissionais de saúde Organismo Promotor: Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal Diretor Clínico e Pedagógico: Prof. João Filipe Raposo Coordenadora Pedagógica: Enf.ª

Leia mais

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa

Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Programa de Formação Código - Designação Ajudante de Acção Directa A atitude perante o idoso Local Rua Camilo Castelo Branco, N. 4, (a cerca de 100 metros do Marquês de Pombal), Lisboa Projecto n.º: N/a

Leia mais

Serra do Saber. Noções básicas de infância

Serra do Saber. Noções básicas de infância Noções básicas de infância Fundamentação Os espaços frequentados por crianças abrangem, cada vez mais profissionais de diferentes áreas. Esta mudança implica maior rigor e um melhor conhecimento de tudo

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Aprenda a gerir o Balanço Energético.

Aprenda a gerir o Balanço Energético. // Direcção-Geral da Saúde telefone: 21 84 30 500 fax: 21 84 30 655 www.dgs.pt A quantidade de energia ingerida superior à quantidade de energia gasta pelo organismo é um dos principais factores que está

Leia mais

PROGRAMA CIENTÍFICO. 25 e 26 fevereiro 2016. Centro de Congressos de Lisboa. Homenagem Nacional: Prof. Doutor A. Pacheco Palha

PROGRAMA CIENTÍFICO. 25 e 26 fevereiro 2016. Centro de Congressos de Lisboa. Homenagem Nacional: Prof. Doutor A. Pacheco Palha Presidente Prof. Doutor A. Pacheco Palha Secretários Gerais Dr. José Canas da Silva e Dr. Rui Cernadas Homenagem Nacional: Prof. Doutor A. Pacheco Palha 25 e 26 fevereiro 2016 Centro de Congressos de Lisboa

Leia mais

A realização deste relatório de atividades formativas tem como principal objetivo a apresentação do trabalho

A realização deste relatório de atividades formativas tem como principal objetivo a apresentação do trabalho RELATÓRIO DE ATIVIDADES FORMATIVAS 2012 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES FORMATIVAS Colaboradores 2012 1. INTRODUÇÃO A realização deste relatório de atividades formativas tem como principal objetivo a apresentação

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Doenças do foro neurológico

Doenças do foro neurológico Escola Básica de Eugénio de Castro Disciplina de Área de Projecto 2009/2010 Doenças do foro neurológico Trabalho realizado por: Ana Carolina Simões de Sousa nº2 Francisco Morgado Duarte nº8 Gustavo André

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

Curso de Especialização em Nutrição Clínica em Pediatria

Curso de Especialização em Nutrição Clínica em Pediatria Curso de Especialização em Nutrição Clínica em Pediatria Descrição do curso Período do curso De 18/02/2013 a 29/01/2014 Carga horária Total de horas = 476 horas 292 h de aulas teóricas, 120 h de prática

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Rua José Cândido de Azevedo e Mello lote nº7 2520 Peniche Telemóvel 00351 910493424 Endereço de correio eletrónico {

Leia mais

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO

FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO DE RESUMO ESCOLHA SUA OPÇÃO DE APRESENTAÇÃO: Título: RESPONSABILIDADE SOCIAL DA ENFERMAGEM E POLÍTICA DE HUMANIZAÇÃO EM SAÚDE Relator: Adrielle Priscilla Souza Lira Autores: Adrielle

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO/FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO/FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: PSICOLOGIA BACHARELADO/FORMAÇÃO DE PSICÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 05 (CINCO) ANOS

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 8 Entidade: * Instituto Português de Oncologia - Porto Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 2015/2016 PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA NO ENVELHECIMENTO ESTESL/APF 015/016 Dias Horas MÓDULO I Funcionalidade e Envelhecimento I PROFESSOR Horas 6ªf 7 Mar 17h-1h Introdução à Gerontologia; Princípios Fundamentais

Leia mais

Os desafios da Formação Práticas e Problemáticas

Os desafios da Formação Práticas e Problemáticas Os desafios da Formação Práticas e Problemáticas Certificação Parcial reflexões Mª Luz Pessoa e Costa Centro de Reabilitação Profissional de Alcoitão 09.Julho.2010 Breve Apresentação do CRPA Certificação

Leia mais

Curso de Arteterapia Antroposófica 2014/2018

Curso de Arteterapia Antroposófica 2014/2018 Curso de Arteterapia Antroposófica 2014/2018 1- GENERALIDADES Introdução: A formação em Arteterapia com base na imagem antroposófica do ser humano, baseia-se numa imagem integral do homem, tanto são como

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO 2013. Maio 2013

ACTUALIZAÇÃO 2013. Maio 2013 ACTUALIZAÇÃO 2013 Maio 2013 As versões anteriores do PNSIJ 1992 2002 2005 Saúde infantil e juvenil: Programatipo de actuação Saúde infantil e juvenil: Programatipo de actuação (Orientações Técnicas) Idem

Leia mais

FORMAÇÃO PÓS GRADUADA

FORMAÇÃO PÓS GRADUADA FORMAÇÃO PÓS GRADUADA Pós-Graduações Formação Avançada - Oferta formativa 2016/2017-1º Semestre ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DA CRUZ VERMELHA PORTUGUESA FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA A Escola Superior de Saúde da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CLIRE CLÍNICA DE DOENÇAS RENAIS LTDA. PROGRAMA DE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO RENAL (HEMODIÁLISE E DIÁLISE PERITONEAL)

CLIRE CLÍNICA DE DOENÇAS RENAIS LTDA. PROGRAMA DE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO RENAL (HEMODIÁLISE E DIÁLISE PERITONEAL) CLIRE CLÍNICA DE DOENÇAS RENAIS LTDA. PROGRAMA DE ESTÁGIO EM NUTRIÇÃO RENAL (HEMODIÁLISE E DIÁLISE PERITONEAL) O estágio em Nutrição Renal na área de Hemodiálise e Diálise Peritoneal tem como objetivos,

Leia mais

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes

Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06. Divisão de Saúde Materna, Infantil e dos Adolescentes Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: PRESTAÇÃO DE CUIDADOS PRÉ-CONCEPCIONAIS Nº: 02/DSMIA DATA: 16/01/06 Para: Contacto na DGS: Todos os médicos e enfermeiros que exerçam

Leia mais

XXII Curso Pós Graduado de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Centro de Congressos do Hotel Porto Palácio, Porto. 10 a 12 de Março de 2016

XXII Curso Pós Graduado de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo. Centro de Congressos do Hotel Porto Palácio, Porto. 10 a 12 de Março de 2016 XXII Curso Pós Graduado de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo Centro de Congressos do Hotel Porto Palácio, Porto 10 a 12 de Março de 2016 Presidente de Honra: Prof. Doutor José Luís Medina Dia 10 de

Leia mais

CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014. Departamento da Qualidade na Saúde

CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014. Departamento da Qualidade na Saúde CARTÃO DA PESSOA COM DOENÇA RARA Relatório de Acompanhamento 2014 Departamento da Qualidade na Saúde Índice Introdução... 3 Implementação do Cartão da Pessoa com Doença Rara... 4 Atividades Desenvolvidas...

Leia mais

PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2

PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2 PLANO DE CURSO 6º PERÍODO ANO: 2013.2 CURSO: MEDICINA DISCIPLINA: Farmacologia Aplicada à Clínica Médica CARGA HORÁRIA: 36 horas PROFESSOR TITULAR: Miguel de Lemos Neto PROFESSORES: EMENTA: Compreender

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA E PSICOLOGIA MÉDICA. Disciplina: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E PSICOPATOLOGIA 3 ano/2012

DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA E PSICOLOGIA MÉDICA. Disciplina: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E PSICOPATOLOGIA 3 ano/2012 DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA E PSICOLOGIA MÉDICA Disciplina: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E PSICOPATOLOGIA 3 ano/2012 As disciplinas de Psicologia do Desenvolvimento e Psicopatologia são integradas e serão

Leia mais

PARA PROFISSIONAIS DE

PARA PROFISSIONAIS DE FRANCêS PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE - NíVEL B1 (OUT 2014) - PORTO A mobilidade de profissionais de saúde é uma realidade e falar francês é uma abertura de portas para o mercado de trabalho internacional

Leia mais

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença

Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Faculdade de Medicina de Lisboa Instituto de Medicina Preventiva Disciplina de Medicina Geral e Familiar (5º Ano) Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Medicina Curativa e Medicina Preventiva Saúde versus

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA

SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA SAÚDE PÚBLICA UMA NOVA AMBIÇÃO PARA A SAÚDE PÚBLICA Documento estratégico para apreciação e discussão pública Direção-Geral de Saúde, 6 de abril de 2016 1 Índice RESUMO EXECUTIVO... 3 INTRODUÇÃO... 5 1.

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais

Técnicos Especial. Data final da candidatura : 2015-09-01. Acompanhamento Psicológico/Orientação Vocacional. Ficheiro gerado em : 02/09/2015 10:09:02

Técnicos Especial. Data final da candidatura : 2015-09-01. Acompanhamento Psicológico/Orientação Vocacional. Ficheiro gerado em : 02/09/2015 10:09:02 Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Góis Técnicos Especial Data final da candidatura : 2015-09-01 Disciplina Projeto: Acompanhamento Psicológico/Orientação Vocacional Ficheiro gerado em : 02/09/2015

Leia mais

I Congresso Ibérico. 13 a 15 de novembro de 2014

I Congresso Ibérico. 13 a 15 de novembro de 2014 I Congresso Ibérico «Entre a Psicologia e o Ensino Especial» 13 a 15 de novembro de 2014 Universidade Portucalense Infante D. Henrique Porto, 2014 Porto, 13 a 15 de novembro de 2014 (UPT) Página 1 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo

Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17. 1. Objectivo Código: CHCB.PI.HF.02 Edição: 1 Revisão: 1 Páginas:1 de 17 1. Objectivo Caracterizar o da Unidade de Consulta Externa do e definir os seus procedimentos. 2. Aplicação Centro Hospitalar da Cova da Beira.

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

1º CURSO PÓS GRADUADO PARA FISIOTERAPEUTAS

1º CURSO PÓS GRADUADO PARA FISIOTERAPEUTAS 1º CURSO PÓS GRADUADO PARA FISIOTERAPEUTAS Disseção e Técnicas Cirúrgicas Joelho, Ombro e Coluna Vertebral 17 e 18 de Fevereiro de 2015 Coordenadores Professor Doutor João Goyri O Neill Dr. Gonçalo Neto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos)

REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS. Art.º 1.º (Definições e Objectivos) REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DISPOSIÇÕES LEGAIS Art.º 1.º (Definições e Objectivos) O CRIFZ, Centro de Recuperação Infantil de Ferreira do Zêzere, é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos,

Leia mais

Ementas das disciplinas do Núcleo Comum

Ementas das disciplinas do Núcleo Comum Ementas das disciplinas do Núcleo Comum Análise Experimental do Comportamento O método experimental na análise das relações comportamentais complexas: comportamentos consciente, memória, pensamento e linguagem.

Leia mais

Disciplinas profissionalizantes grupos 5 e 6: 1. Fisioterapia na Saúde do Trabalhador

Disciplinas profissionalizantes grupos 5 e 6: 1. Fisioterapia na Saúde do Trabalhador DELIBERAÇÃO CONSEPE nº 018/2013, de 24 de maio de 2013. Revoga a Deliberação CONSEPE nº 006/2013, de 15 de janeiro de 2013, e aprova quadros contendo os mecanismos de restrição para acesso aos grupos 7

Leia mais

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia

Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Acesso do Cidadão à Inovação Terapêutica - Oncologia Equipa de investigação: Ana Escoval (Coordenação) Ana Isabel Santos Rafaela Sousa Susana Moreira Com a colaboração de: Ana Rita Pedro Patrícia Barbosa

Leia mais

CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA PARA FARMACÊUTICOS

CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA PARA FARMACÊUTICOS CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA PARA FARMACÊUTICOS ADMINISTRAÇÃO DE VACINAS E MEDICAMENTOS INJECTÁVEIS EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA Formação Inicial Conducente à Certificação A Portaria 1429/2007, de 2 de Novembro,

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2013/2014 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 1 II CALENDÁRIO ESCOLAR... 2 III ÁREAS DE INTERVENÇÃO... 3 1 PLANEAMENTO E ORGANIZAÇÃO ESCOLAR... 3 1.1- PREPARAÇÃO DO ANO ESCOLAR... 3 1.2 ABERTURA

Leia mais

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015

Boletim de Vigilância Epidemiológica da Gripe. Época 2014/2015 Semana 04 - de 19/01/2015 a 25/01/2015 Resumo Parceiros Rede de hospitais para a vigilância clínica e laboratorial em Unidades de Cuidados Intensivos Contatos: Departamento de Epidemiologia do INSA, tel 217526488 Laboratório Nacional de Referência

Leia mais

CAPA 20/10/2012 3º Simpósio Internacional de Reabilitação Oncologia

CAPA 20/10/2012 3º Simpósio Internacional de Reabilitação Oncologia Notícias - Ver todas (+) Quarta-Feira, 27/2/2013 - Ribeirão Preto - SP CAPA 20/10/2012 3º Simpósio Internacional de Reabilitação Oncologia Dias 19 e 20 de outubro desse ano, o Centro de Reabilitação do

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro Braga, 3 de Novembro de 2015 Programas de melhoria da qualidade e segurança Experiência internacional Reino Unido: Monitor

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA

PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA UNIVERSIDADE ATLÂNTICA ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ATLÂNTICA PÓS-GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA 2014/2015 COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO Doutora Lia Jacobsohn COLÉGIO DE PÓS-GRADUAÇÃO da Universidade Atlântica

Leia mais

Mestrados em Fisioterapia MÚSCULO-ESQUELÉTICA E SAÚDE PUBLICA 2013-2015

Mestrados em Fisioterapia MÚSCULO-ESQUELÉTICA E SAÚDE PUBLICA 2013-2015 Mestrados em Fisioterapia MÚSCULO-ESQUELÉTICA E SAÚDE PUBLICA 2013-2015 INDICE Competências a Desenvolver 5 Área de Especialização Músculo-Esquelética 5 Área de Especialização Saúde Pública 6 Condições

Leia mais

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 1 Competência* reparar manipulados e formulações extemporâneas de medicamentos e produtos de saúde Conteúdos* Tipo de 2 Competência* Aquisição

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

Prazo Normal - entre 03-05-2016 e 30-05-2016 Prazo Tardio - entre 31-05-2016 e 11-06-2016

Prazo Normal - entre 03-05-2016 e 30-05-2016 Prazo Tardio - entre 31-05-2016 e 11-06-2016 ATM - ARTICULAçãO TEMPOROMANDIBULAR (JUN 2016) - LISBOA Sabia que a disfunções da articulação temporo-mandibular (ATM) além de afetarem funções, como falar e mastigar, podem provocar outras patologias

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais

Normas e Critérios Gerais de Avaliação. Cursos Profissionais Normas e Critérios Gerais de Avaliação Cursos Profissionais O formador deve orientar toda a sua atividade didática no sentido de promover o sucesso educativo do formando através de planificações contextualizadas,

Leia mais

Fábrica das Marcas(R) A Criatividade na construção de Marca para PME S

Fábrica das Marcas(R) A Criatividade na construção de Marca para PME S Fábrica das Marcas(R) construção de Marca Neste curso serão abordadas as melhores formas de assentar a competividade das empresas nos atributos das suas marcas, procurando factores de diferenciação que

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: ANO SEMESTRE PERÍODO. 2010 Primeiro V TOTAL (H/A) SEMESTRAIS/ANUAL 36 50 86

PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: ANO SEMESTRE PERÍODO. 2010 Primeiro V TOTAL (H/A) SEMESTRAIS/ANUAL 36 50 86 NIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGLO MINEIRO PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: ANO SEMESTRE PERÍODO 2010 Primeiro V CRSO: Medicina COMPONENTE CRRICLAR : Disciplina Semiologia Médica CÓDIGO: DCM

Leia mais

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS

ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS ACES GRANDE PORTO I SANTO TIRSO / TROFA PROGRAMAS E PROJETOS O Dec. Lei 28/2008 de 22 de Fevereiro, estabelece o regime da criação, estruturação e funcionamento dos agrupamentos de Centros de Saúde (ACES)

Leia mais

Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Objetivos gerais: Planificação Disciplina de Saúde 2.º ano Módulos 3, 4, 5,6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde 2015/2016 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a

Leia mais

CONCEITO DE SAÚDE: VISÃO DE ALUNOS DO 4º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CONCEITO DE SAÚDE: VISÃO DE ALUNOS DO 4º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONCEITO DE SAÚDE: VISÃO DE ALUNOS DO 4º CICLO DO ENSINO FUNDAMENTAL BRANDÃO, Drausio Portela 1 ; SCHNEIDER, Camila 1 ; ROSA, Leandro Cesar Salbego 1 ; KRUG, Marília de Rosso 2. Palavras-Chaves: Saúde.

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS (IAAV) Coordenador: Professor Doutor António Quintas Mendes Formadora: Mestre Manuela Francisco Índice 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do ACES Porto Oriental / Centro de Saúde de Campanhã Unidade de Saúde de S. Roque da Lameira Emília Aparício, Assistente Social Cristina Campos, Psicóloga

Leia mais

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia

Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios para Admissão em Longo e Curto Internamento e Unidade de Dia Critérios de Admissão em Longo Internamento O Centro Psicogeriátrico Nossa Senhora de Fátima (CPNSF), oferece serviços especializados

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Sampaio

Agrupamento de Escolas de Sampaio Agrupamento de Escolas de Sampaio Projeto de Educação para a Saúde 2014/2015 Índice 1. Prioridades...3 1.1. Educação Alimentar e Atividade Física. 3 1.2. Prevenção dos Comportamentos Aditivos e Dependências....4

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085 Diário da República, 1.ª série N.º 197 11 de outubro de 2013 6085 de 25 de maio de 2006, assinado em Moscovo, em 1 de fevereiro de 2007, o qual foi aprovado pelo Decreto do Governo n.º 24/2007, publicado

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: : Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed

Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed Manual de Medicina Preventiva do Sistema Unimed 1 Sumário Apresentação...2 Introdução... 4 Justificativa...5 Conceitos...8 Objetivo Geral...9 Objetivo Específico...10 Áreas de Atuação...11 Formas de Atuação...

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

Introdução. Carlos Alberto da Silva

Introdução. Carlos Alberto da Silva Introdução casilva@uevora.pt «Toda a organização é o produto da forma como os seus membros pensam e agem. Mude a forma como as pessoas pensam e interagem e poderá mudar o mundo.» Senge et al. (1990) Um

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

Mostra gastronómica do Brasil. 18h00 / 19h30 Saber Ouvir - Curso Livre de História da Música

Mostra gastronómica do Brasil. 18h00 / 19h30 Saber Ouvir - Curso Livre de História da Música PROGRAMAÇÃO OUTUBRO DE 2009 1 de Outubro de 2009-5ª Feira Dia Mundial da Música e do Idoso 18h30 Palestra: O Apoio Social nas Organizações não Governamentais Oradores: Cristina Soares, Raquel Nascimento,

Leia mais

Assunto: Apreciação dos projetos de diplomas legais de criação de novas carreiras de saúde em apreciação pública.

Assunto: Apreciação dos projetos de diplomas legais de criação de novas carreiras de saúde em apreciação pública. A SUAS EXCELÊNCIAS O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DR. MANUEL TEIXEIRA O SECRETÁRIO DE ESTADO DO EMPREGO DR. OTÁVIO OLIVEIRA Lisboa, 27 de agosto de 2015 Com conhecimento de Suas Excelências, O Ministro

Leia mais

Instrumento de Coleta Sistematizado para Visita Domiciliar

Instrumento de Coleta Sistematizado para Visita Domiciliar 236 Instrumento de Coleta Sistematizado para Visita Domiciliar (Systematic collection tool for Home Visit) Gisleangela Rodrigues Lima Carrara 1 ; Priscila de Martini Alves 2 ; Gabriela Bernal Salvador

Leia mais

Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais

Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais Guia de Princípios Éticos e Boas Práticas dos Centros Assistenciais Direitos e Deveres Comissão de Ética Instituto S. João de Deus ÍNDICE 3 NO ASPECTO CLÍNICO, CONSTITUEM DIREITOS DOS UTENTES: 6 8 10 TAMBÉM

Leia mais

5ª Feira Dia 8 DIA DEDICADO Á MEDICINA DESPORTIVA

5ª Feira Dia 8 DIA DEDICADO Á MEDICINA DESPORTIVA 5ª Feira Dia 8 DIA DEDICADO Á MEDICINA DESPORTIVA 8.00 - Abertura do Secretariado. Inscrição e entrega de documentação 08.15 Início das Sessões: Dr. Fonseca Esteves: Presidente da Sociedade Portuguesa

Leia mais

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO

SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO www.medialcare.pt SEJA COMPETITIVO, PROMOVENDO A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO ACÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO 1 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Com a colaboração de uma especialista em Nutrição, propomos apresentar a temática

Leia mais

REFLEXOLOGIA INTEGRADA

REFLEXOLOGIA INTEGRADA A ANUAL CURSO 2015 / 2016 REFLEXOLOGIA INTEGRADA DATAS: Outubro 2015 a Julho 2016 DURAÇÃO: 240h AULAS: Sábado e Domingo APRESENTAÇÃO A Reflexologia é uma terapia que se baseia no princípio da existência

Leia mais

IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS IMPACTO DA CONVOCATÓRIA AUTOMÁTICA NO RASTREIO DO CANCRO DA MAMA NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS FÁBIA GAMA SILVA ORIENTADOR: PROF. DR. EVANGELISTA ROCHA CO ORIENTADOR: MESTRE PAULO JORGE NICOLA INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: Nenhum

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: Nenhum CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais

PLANO DE CURSO. Pré-requisito: Nenhum

PLANO DE CURSO. Pré-requisito: Nenhum CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 CH Total: 60 Horas Pré-requisito:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

Maria Raquel Aranda Santos Pereira, solteira, nasceu a 7 de Novembro de 1984, no Porto.

Maria Raquel Aranda Santos Pereira, solteira, nasceu a 7 de Novembro de 1984, no Porto. Maria Pereira, Dr.ª Dados pessoais e formação académica Maria Raquel Aranda Santos Pereira, solteira, nasceu a 7 de Novembro de 1984, no Porto. Frequentou o ensino pré-escolar e os três ciclos do ensino

Leia mais

Amil alerta sobre obesidade infantil com apelo das próprias crianças: diga não!

Amil alerta sobre obesidade infantil com apelo das próprias crianças: diga não! Amil alerta sobre obesidade infantil com apelo das próprias crianças: diga não! Um dos maiores problemas enfrentados pelos pais na educação alimentar dos filhos é conseguir entender a linha tênue entre

Leia mais