Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira"

Transcrição

1 Data de Publicação: 27 de outubro de 2014 Relatório Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira Analista principal: Julyana Yokota, São Paulo, 55 (11) , Contato analítico adicional: Jose Coballasi, Cidade do México, 52 (55) , Contato jurídico: Alma Rosa Montañez, Nova York, 1 (212) , Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira A Standard & Poor's Ratings Services acredita que, desde que entrou em vigor em 2005, a Lei de Falências tem sido positiva aos credores. O processo de recuperação judicial é uma forma eficaz de reestruturação, sobretudo por proporcionar aos devedores um "espaço de manobra" por meio de uma suspensão similar ao Chapter 11 nos EUA de pagamentos a credores quirografários e com garantias reais. Desde a promulgação da Lei das Falências, foram protocolados pedidos de recuperação judicial para mais de casos de insolvência. Em geral, os processos de insolvência seguem os prazos previstos em lei. Isso representa um grande avanço, uma vez que os processos judiciais no Brasil têm se destacado (mesmo entre países latino-americanos) pela demora excessiva e imprevisibilidade de resultados. Visão Geral A aprovação da Lei Nº (Lei de Falências e Recuperação de Empresas) em junho de 2005 proporcionou um ambiente favorável por meio de processos eficazes de execução extrajudicial que agilizam a recuperação de credores inadimplentes, maior influência dos credores nos processos de insolvência, e rapidez e eficácia em processos de recuperação, sobretudo para credores com garantias reais. Embora certos aspectos da Lei de Falências ainda estejam sendo testados e ainda sejam incertas a previsibilidade e eficácia de processos judiciais formais, ela tem sido, em geral, positiva aos credores. Introdução Embora a qualidade de crédito de devedores seja uma das grandes preocupações dos credores, os efeitos da crise financeira global de 2008 ainda tem sido influentes, principalmente em relação às perspectivas de recuperação dos juros e principal após o inadimplemento de um devedor. Além disso, a questão não é mais apenas a possível inadimplência de um devedor específico, mas também se, em que medida, e em quanto tempo os credores receberão pagamentos de juros e principal. A Standard & Poor's acredita que a chave para a resposta destas questões comece com uma avaliação do desempenho dos credores no regime de insolvência específico da região onde está localizado o devedor. Este artigo analisa as características particulares ao sistema de insolvência no Brasil, e sua publicação atualiza e substitui aquele intitulado "Debt Recovery For Creditors And The Law Of Insolvency In Brazil", publicado em 27 de maio de 2008 no RatingsDirect em Visão Geral do Sistema de Insolvência no Brasil O sistema de insolvência brasileiro é regido primordialmente pela Lei de Falências, a qual estabelece, além dos processos de liquidação em falência, processos de recuperação judicial e extrajudicial. 1/8

2 A Lei de Falências é aplicável à maioria das sociedades, exceto empresas de capital misto, instituições financeiras, empresas públicas, cooperativas de crédito, seguradoras, entre outras. Embora mais extensos do que na maior parte de jurisdições globais favoráveis a credores, processos judiciais de insolvência proporcionam aos credores maior proteção ao longo do processo. Além disso, credores com garantias reais podem evitar processos judiciais (e a consequente incerteza e atrasos) graças a importantes isenções e à capacidade de rápida execução e análise de processos extrajudiciais. A recuperação judicial proporciona aos credores um "espaço de manobra" por meio de uma suspensão similar ao Chapter 11 nos EUA de pagamentos a credores quirografários e com garantias gerais. Desde a promulgação da Lei das Falências, foram protocolados pedidos de recuperação judicial para mais de casos de insolvência. No entanto, somente alguns casos de acordos de reestruturação extrajudiciais foram aprovados por juízes que aplicaram o processo de recuperação extrajudicial. Profissionais da área jurídica do Brasil atribuem essa diferença à combinação de maior familiaridade com processos judiciais formais e a tradicional preferência no Brasil de manter privadas as reestruturações extrajudiciais, ao invés de optar por processos de recuperação extrajudicial aprovados em juízo. Em geral, os processos de insolvência formais têm seguido os prazos previstos em lei, embora haja exceções. Este é um grande avanço para credores, uma vez que os processos judiciais no Brasil têm se destacado (mesmo entre países latino-americanos) pela demora excessiva e imprevisibilidade de resultados, em função dos rígidos procedimentos, exigências excessivamente formais, numerosos recursos e, em alguns casos, a presença de viés nas decisões. Embora não representem a maioria dos casos de recuperação por suas particularidades, houve cinco importantes casos de insolvência desde a aprovação da Lei de Falências: da subsidiária brasileira da empresa italiana Parmalat, da companhia aérea Viação Aérea Rio Grandense S.A. (VARIG), da empresa de petróleo e gás OGX, da empresa de energia Rede, e da distribuidora de energia Centrais Elétricas do Pará (Celpa). Em um processo de recuperação judicial, certos credores (alienante fiduciário financial lessor e credores que exigem garantia por meio de alienação ou cessão fiduciária) são isentos - com certas limitações - do processo de insolvência completo, incluindo a suspensão automática do pagamento por 180 dias. Em geral, as obrigações devem ser pagas a esses credores de acordo com os termos e condições do contrato, salvo se o credor concordar de outro modo. A disponibilidade de tal isenção impulsionou sua forte popularidade entre credores para tais tipos de garantia, em especial a transferência por alienação ou cessão fiduciária, de transações com garantia real vis-à-vis penhor ou hipotecas tradicionais. Contudo, alguns profissionais da área jurídica acreditam que essa tendência poderá prejudicar a capacidade do devedor de impor uma suspensão à maioria de seus credores, ao passo que outros destacam que a Lei de Falências incentiva os credores a fornecerem novos financiamentos a devedores em recuperação judicial, o que pode compensar os efeitos negativos dessa recente tendência. Além disso, o Código de Processo Civil estabelece outros processos de execução eficientes para certos credores com garantias reais, por meio da transferência do ônus da prova deles aos devedores (incluindo penalidades significativas a atrasos dos devedores) e da autorização da venda de ativos particulares pelos credores, o que agiliza longos processos de execução judicial. Ainda, a qualidade, tempestividade e previsibilidade de processos judiciais em geral, em especial para casos de insolvência, têm apresentado melhora. Na maioria das jurisdições brasileiras, processos são ajuizados eletronicamente, o que os torna mais ágeis por reduzir o tempo necessário para assuntos administrativos. Além disso, certos estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, possuem varas especializadas para falência, que tratam da maioria dos casos de falência. 2/8

3 Processo O quadro abaixo ilustra o processo de insolvência no Brasil Recuperação extrajudicial Uma empresa se qualifica para recuperação judicial ou extrajudicial desde que suas atividades possam ser continuadas e ela possa recuperar seu status operacional. Caso seja inviável a continuidade de suas operações, a empresa deve ser liquidada. Devedores podem requerer recuperação extrajudicial negociando com credores um plano de reestruturação extrajudicial similar ao plano "pre-packaged bankruptcy" nos Estados Unidos. Como regra geral, o plano deve ser aprovado por mais de 60% (em termos de valor) de cada classe de credores ou grupo de credores, ou por todos os credores aos quais o plano se aplica. Além disso, a vara de falências deve aprovar o plano para que este seja vinculante a todos os credores, incluindo quaisquer credores dissidentes. O limiar de 60% de aprovação torna a recuperação extrajudicial mais adequada nos casos em que a dívida esteja concentrada em um pequeno grupo de credores. Há uma importante limitação para devedores nesse processo: o plano exclui todas as execuções fiscais e causas trabalhistas (que podem ser significativas). Casos anteriores indicam que, em geral, recuperações extrajudiciais continuam sendo tratados de forma privada, informais e 3/8

4 consensuais no Brasil, sem o uso da técnica "cram down" para credores dissidentes, embora seu uso tenha sido bem-sucedido em certos casos. Recuperação judicial Apenas o devedor pode requerer recuperação judicial. Durante a recuperação, este permanecerá na posse e administração de seu negócio, mas o juiz indicará um administrador para monitorar e supervisionar os processos e o cumprimento do plano de recuperação e reestruturação pelo devedor. Em geral, todas as ações e causas (exceto para credores com garantia real, conforme observado acima) estão sujeitos a uma suspensão de 180 dias, e o devedor deve submeter um plano de recuperação dentro de 60 dias após aprovação do caso pelo juiz. Se os credores fizerem alguma objeção ao plano (como é de seu direito), o juiz convocará uma assembleia geral de credores para discutir e votar no plano. Regra geral, o juiz confirmará o plano de recuperação se as quatro classes de credores - trabalhistas, com garantia real, microempresas e empresas de pequeno porte, e demais credores - aprovarem o plano. Uma classe de credores pode aprovar um plano se mais de 50% dos credores (numericamente) votarem a favor do plano na assembleia geral de credores, e credores que detenham mais de 50% das causas (em valor) da classe específica votarem a favor do plano. No caso das classes de ações trabalhistas, microempresas e empresas de pequeno porte, é exigida apenas aprovação pela maioria da respectiva classe (numericamente, não em valor das causas). Em alguns casos, um devedor pode impor ("cram down") um plano aos credores dissidentes. Em tal cenário, sujeitos a certas outras exigências, os devedores precisam apenas que a maioria das classes de credores aprove o plano de recuperação, por maioria de votos, para que este seja aprovado pelo juiz. Contudo, o devedor deve também receber ao menos um terço dos votos da classe que tenha desaprovado o plano e deve garantir que o plano não discrimine tal classe. Caso o plano não seja submetido dentro do prazo ou se as maiorias suficientes de credores não o aprovarem, o juiz pode declarar uma liquidação em falência automática. Liquidação em falência Tanto o devedor quanto seus credores podem ajuizar um pedido de liquidação em falência. Caso os credores o façam, o devedor pode contestar com o requerimento de um pedido de recuperação judicial. Processos de liquidação em falência levam imediatamente à suspensão de todas as ações ou execuções contra o devedor, estando todos os credores sujeitos às regras de liquidação que regem o processo. A liquidação em falência pode ocorrer de distintas formas, incluindo a venda do negócio em sua totalidade, de unidades de negócio e de ativos separados ou em grupo. Além disso, de acordo com a legislação tributária brasileira, em relação à responsabilidade do sucessor em recuperações e liquidações em falência, ativos ou unidades de produção vendidos em um processo formal de insolvência são normalmente livres de encargos passivos, incluindo aqueles decorrentes de execuções fiscais e causas trabalhistas 3. Essa característica eleva o valor do ativo a ser vendido. Recentemente, varas de primeira instância aprovaram e estenderam esta isenção de encargos a casos que envolvam a alienação de parte significativa do negócio do devedor. 4/8

5 Classificação prioritária na liquidação em falência Em caso de liquidação em falência, os recursos provenientes dos bens insolventes serão distribuídos da seguinte maneira: Pedidos de restituição, geralmente envolvendo a devolução do imóvel em posse dos devedores; Despesas legais ou administrativas relacionadas aos processos de insolvência, incluindo compensação dos depositários e custos e despesas de manutenção do imóvel; Ações trabalhistas (até 150 salários mínimos por funcionário, totalizando cerca de US$45.250) 4 ; Credores com garantias reais (com garantia de hipoteca ou penhor); Execuções fiscais (excluindo multas); Credores com privilégios especiais, incluindo créditos detidos por pequenas e microempresas; Credores com privilégios gerais (prestadores de serviços terceirizados); e Credores quirografários. Os credores, que dispõem de garantias por meio de alienação ou cessão fiduciária, podem vender os ativos recuperados em um leilão extrajudicial. Garantia Real (Security) Praticamente todos os ativos de um devedor podem estar sujeitos a uma garantia (em geral, uma hipoteca, penhor, ou alienação ou cessão fiduciária) em favor dos credores. No curso de suas atividades, o devedor pode constituir garantias sobre todas as suas dívidas mediante uma hipoteca ou penhor para um ou mais de seus ativos. O processo de formalizar a garantia é normalmente curto, e seu custo é uma porcentagem da dívida garantida ou da própria garantia. Uma característica especialmente benéfica para credores no sistema jurídico brasileiro é a capacidade de um credor de exigir certos tipos de garantia, incluindo bens pessoais, por meio da alienação ou cessão fiduciária. O conceito jurídico de alienação fiduciária, existente no Brasil desde 1965, foi criado com o intuito de constituir a titularidade da garantia a instituições financeiras credoras, que poderia estar na posse do credor ou do devedor, até o pagamento do empréstimo. Em caso de inadimplemento, o credor tem direito absoluto de adquirir propriedade plena sobre a garantia, reintegrar-se na posse do ativo, se necessário, em um rápido processo extrajudicial, vender o ativo - por meio de alienação judicial ou privada - e usar os recursos para pagar a dívida e quaisquer despesas relacionadas à venda. Esse conceito foi posteriormente ampliado de modo a abranger outras formas de garantia, como direitos creditórios ou recebíveis, por meio da cessão fiduciária, além de outros bens pessoais. A Lei de Falências confirmou tratamento especial para esses tipos de transações com garantia real, além de outras formas de garantia, em caso de falência, sujeito à restrição de que tais credores isentos não possam "retirar ou vender do estabelecimento do devedor quaisquer bens de capital essenciais para o negócio" durante o período de suspensão para recuperação. Embora as instituições financeiras brasileiras normalmente contem com isenção da suspensão de falência, alguns profissionais da área jurídica argumentam que outras entidades também podem ser elegíveis para isso, de acordo com o tipo de garantia. Além disso, a execução pode ser difícil em alguns casos, como aqueles que envolvam equipamentos de saúde ou de transporte público, se consideradas de importante valor social ou estratégico. Em geral, uma garantia pode ser anulada independentemente da intenção das partes de cometer fraude contra credores se a transferência tiver ocorrido em um 'período de visão retrospectiva' (definido como 90 dias a partir da data de petição de falência, pedido de recuperação, ou primeiro 'protesto' vigente válido para o inadimplemento de um pagamento) para garantir uma dívida quirografária antecedente. Ainda, obrigações que se qualificam como um "ato gratuito" podem ser recuperadas em uma insolvência dentro de dois anos antes do decreto de falência ou recuperação judicial, independentemente da intenção das partes de cometer fraude contra credores. Em certos casos, a transferência ou venda do estabelecimento de um devedor também pode ser anulada, independentemente da intenção das partes de cometer fraude contra credores e sem quaisquer restrições a períodos de recuperação. 5/8

6 No caso de transferências fraudulentas, a ação de recuperação (claw-back) pode ser ajuizada dentro de três anos a partir do decreto de falência, sendo que a parte interessada deve provar a real intenção de cometer fraude contra credores, o conluio fraudulento entre o devedor e a contraparte, e a consequente perda efetiva real sofrida pelo ativo. Em relação à execução de julgamentos, o Código Civil transfere a responsabilidade dos credores aos devedores, autoriza a penhora de ativos, e estabelece pena de 10% aos devedores por atrasos. Além disso, os credores em posse da garantia podem encurtar o processo de triagem em um processo judicial formal e requerer ao tribunal um leilão particular para liquidar os ativos de um devedor, de acordo com as exigências básicas e sujeito à supervisão do tribunal. Alguns profissionais da área jurídica acreditam que essas provisões podem reduzir o tempo de recuperação dos credores (assumindo que tenham estruturado adequadamente seus acordos de garantia) em processos de execução. Consolidação Embora a legislação brasileira reconheça o princípio de consolidação substantiva, na qual os ativos do devedor podem ser integrados ao processo de falência de sua controladora, raramente ele é posto em prática pelo tribunal. Além disso, o conceito de "desconsideração da personalidade jurídica" tem sido usado para atribuir responsabilidade aos acionistas, diretores e conselheiros, ou às subsidiárias do devedor pelas ações deste, geralmente relacionadas a esquemas fraudulentos que envolvam a fungibilidade de ativos entre as entidades, ou alguma forma de abuso do objetivo e propósito da corporação. Garantias Garantias "cruzadas" e "de subsidiárias" entre empresas afiliadas de um grupo controlador ou de subsidiárias às empresas controladoras são em geral instrumentos válidos. Para evitar o risco de revogação em casos de processos de insolvência que envolvam o fiador, as garantias devem atender a certas condições, incluindo: repasse ao fiador dos recursos da obrigação garantida (evitando, assim, que a transação seja considerada um "ato gratuito", ou alguma outra forma comprovada de benefício econômico ou operacional atribuído ao fiador); e não ser constituídas para garantir uma obrigação que não tenha recebido garantia inicialmente. Direitos dos Credores De acordo com a Lei de Falências, credores têm forte influência em processos de insolvência e capacidade significativa de evitar processos judiciais formais. Credores com garantias reais, em especial, tem a possibilidade de ter garantia por meio de cessão fiduciária, e seu direito de execução da garantia em geral não é prejudicado pela insolvência do devedor. Previamente à insolvência, os credores podem executar a garantia e diversos tipos de ativos, incluindo certos bens imobiliários, por meio de um rápido processo extrajudicial. Esses mecanismos melhoraram significativamente as perspectivas de recuperação para credores com privilégios gerais no Brasil. Tanto credores quirografários quanto aqueles com garantias reais se beneficiam de processos de recuperação eficazes e tempestivos, maior influência dos credores nos processos de insolvência, e um aumento de suas respectivas prioridades em uma liquidação em relação a execuções fiscais e ações trabalhistas. Limitações da Lei de Falências Brasileira Embora a lei garanta vários benefícios, há certas limitações que podem afetar sua eficácia e confiança geral. Primeiramente, a Lei de Falências brasileira concede discricionariedade ampla ao judiciário, embora esta não seja exercida homogeneamente por juízes ou em todas as jurisdições. Além do limitado número de casos e precedentes que podem ser usados como base em uma decisão, credores podem enfrentar resultados diversos, o que dificulta a decisão do tratamento a ser adotado e as perspectivas de recuperação. Em segundo lugar, a Lei de Falências pode ser injusta com os credores e limitar seu poder. A Lei exclui a participação de certos tipos de credores - como proprietários fiduciários de bens móveis ou 6/8

7 imóveis e credores com créditos ou haveres legais resultantes de adiantamentos de transações cambiais - do processo de recuperação judicial. Portanto, esses credores não estão vinculados ao plano de recuperação judicial e, via de regra, não estão sujeitos aos efeitos da suspensão automática (a menos que o imóvel seja essencial para as atividades do devedor). As medidas de cobrança ou execução tomadas por esses credores podem comprometer o processo de recuperação. Esses credores têm direito a um pedido de restituição em um processo de liquidação (que tem prioridade sobre ações trabalhistas e execuções fiscais na ordem de pagamento dos créditos). Como resultado, as demandas dos credores (preferenciais) excluídos e que ameaçam a continuidade das operações do devedor - prevalecem sobre os interesses dos credores sujeitos à recuperação judicial. Os credores podem ainda ser prejudicados pela não divulgação de informações e transparência em um processo de recuperação judicial. Embora a lei exija que o devedor divulgue certas informações financeiras e legais, a maioria dos juízes ainda não exige que devedores arquivem informações financeiras detalhadas. Mesmo quando credores requerem informações adicionais ao tribunal, o que é demorado, caro e atrasa o processo de recuperação, estas são muitas vezes negadas. Nesses casos, os credores são normalmente forçados a tomar decisões sem dispor de informações suficientes. Por fim, processos de recuperação judicial podem ser longos. Por exemplo, planos de recuperação podem ser alterados, o que estende a duração do processo. Consequentemente, poucas empresas obtiveram êxito em tais processos. Dados sobre Pedidos de Falência no Brasil Desde que a Lei de Falências Brasileira entrou em vigor em 2005, houve uma queda nos pedidos de liquidação em falência, ao passo que pedidos de recuperação judicial aumentaram consideravelmente. Jan-Jun/ 05 Jan-Jun/ Pedidos de liquidação em falência Decretos de liquidação em falência Pedidos de recuperação judicial Decretos de recuperação judicial Concessões de recuperação judicial Pedidos de recuperação extrajudicial Decretos de recuperação extrajudicial Fonte: Serasa Experian Setembro de A Lei de Falências reduziu substancialmente o número de processos de liquidações em falência, uma vez que mantém a intenção inicial destes e dificulta seu uso como um mecanismo de execução. A elevação do número de processos de recuperação judicial demonstra o êxito da lei ao estabelecer um mecanismo de recuperação para empresas em dificuldade financeira. A Standard & Poor's agradece à Pinheiro Neto Advogados pela orientação e assessoria na produção deste artigo. 7/8

8 Acontecimentos Recentes Relacionados à Legislação de Falências Brasileira A Lei Brasileira Nº , em vigor desde 27 de dezembro de 2012, impede que concessionárias de serviço público de energia elétrica ajuízem pedidos de recuperação judicial ou extrajudicial, exceto após o fim da concessão. Em caso de insuficiência de serviços ou de dificuldade financeira da concessionária, o governo intervirá por meio da Aneel Agência Nacional de Energia Elétrica. O governo também aprovou, no dia 7 de agosto de 2014, a Lei Complementar Nº 147, que alterou a Lei de Falências. A lei prevê novas classes de credores - microempresas e empresas de pequeno porte - no processo de recuperação judicial. A Lei Complementar 147/2014 introduziu ainda mudanças a processos de liquidação em falência. Microempresas e empresas de pequeno porte agora fazem parte da classe de credores com privilégios especiais, os quais são pagos após credores trabalhistas, com garantias reais e tributários, e antes de credores quirografários. 1 Fonte: Serasa Experian Setembro de Fonte: Serasa Experian Setembro de Os ativos ou unidades de produção vendidos em processos formais de insolvência são livres de encargos contanto que o comprador não seja (i) sócio da empresa em falência ou uma empresa por ela controlada; (ii) parente direto ou responsável, em até quarto grau, consanguíneo ou por afinidade, da empresa em falência ou de uma sócio desta; (iii) identificado como representante da empresa em falência para fraudar a sucessão. 4 O salário mínimo em vigor em 2014 é de R$724,00 Copyright 2014 pela Standard & Poor's Financial Services LLC. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta informação (incluindo-se ratings, análises e dados relativos a crédito, avaliações, modelos, software ou outras aplicações ou informações obtidas destes) ou qualquer parte dele (Conteúdo) pode ser modificada, sofrer engenharia reversa, reproduzida ou distribuída de nenhuma forma, nem meio, nem armazenado em um banco de dados ou sistema de recuperação sem a prévia autorização por escrito da S&P. O Conteúdo não deverá ser utilizado para nenhum propósito ilícito ou não autorizado. Nem a S&P, nem suas afiliadas, nem seus provedores externos, nem diretores, funcionários, acionistas, empregados nem agentes (Coletivamente Partes da S&P) garantem a exatidão, completitude, tempestividade ou disponibilidade de qualquer informação. As Partes da S&P não são responsáveis por quaisquer erros ou omissões, independentemente da causa, nem pelos resultados obtidos mediante o uso de tal Conteúdo. O Conteúdo é oferecido "como ele é". AS PARTES DA S&P ISENTAM-SE DE QUALQUER E TODA GARANTIA EXPRESSA OU IMPLÍCITA, INCLUSIVE, MAS NÃO LIMITADA A, ENTRE OUTRAS, QUAISQUER GARANTIAS DE COMERCIABILIDADE, OU ADEQUAÇÃO A UM PROPÓSITO OU USO ESPECÍFICO, LIBERDADE DE FALHAS, ERROS OU DEFEITOS DE SOFTWARE, QUE O FUNCIONAMENTO DO CONTEÚDO SEJA INTERROMPIDO OU QUE O CONTEÚDO OPERE COM QUALQUER CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE OU HADWARE. Em nenhuma circunstância, deverão as Partes da S&P ser responsabilizados por nenhuma parte, por quaisquer danos, custos, despesas, honorários advocatícios, ou perdas diretas, indiretas, incidentais, exemplares, compensatórias, punitivas, especiais, ou consequentes (incluindo-se, entre outras, perda de renda ou lucros cessantes e custos de oportunidade) com relação a qualquer uso da informação aqui contida, mesmo se alertadas sobre sua possibilidade. Os ratings e as análises creditícias da S&P e de suas afiliadas e as observações aqui contidas são declarações de opiniões na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou tomar qualquer decisão de investimento. Após sua publicação, a S&P não assume nenhuma obrigação de atualizar a informação. Não se deve depender do Conteúdo, e este não é um substituto das habilidades, julgamento e experiência do usuário, sua gerência, funcionários, conselheiros e/ou clientes ao tomar qualquer decisão de investimento ou negócios. As opiniões da S&P e suas análises não abordam a adequação de quaisquer títulos. A S&P não atua como agente fiduciário nem como consultora de investimentos. Embora obtenha informações de fontes que considera confiáveis, a S&P não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência devida (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação que receba. A fim de preservar a independência e objetividade de suas respectivas atividades, a S&P mantém determinadas atividades de suas unidades de negócios separadas das de suas outras. Como resultado, certas unidades de negócios da S&P podem dispor de informações que não estão disponíveis às outras. A S&P estabeleceu políticas e procedimentos para manter o sigilo de determinadas informações que não são de conhecimento público recebidas no âmbito de cada processo analítico. A S&P Ratings Services pode receber remuneração por seus ratings e análises creditícias, normalmente dos emissores ou subscritores dos títulos ou dos devedores. A S&P reserva-se o direito de divulgar seus pareceres e análises. A S&P disponibiliza suas análises e ratings públicos em seus sites na Web, / / (gratuitos), e (por assinatura), e pode distribuí-los por outros meios, inclusive em suas próprias publicações ou por intermédio de terceiros redistribuidores. Informações adicionais sobre nossos honorários de rating estão disponíveis em Austrália Standard & Poor's (Austrália) Pty. Ltd. Conta com uma licença de serviços financeiros número de acordo com o Corporations Act Os ratings de crédito da Standard & Poor s e pesquisas relacionadas não tem como objetivo e não podem ser distribuídas a nenhuma pessoa na Austrália que não seja um cliente pessoa jurídica (como definido no Capítulo 7 do Corporations Act). STANDARD & POOR'S, S&P and RATINGSDIRECT são marcas registradas da Standard & Poor's Financial Services LLC. 8/8

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Companhia Pernambucana de Saneamento - Compesa Data

Leia mais

Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa)

Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa) Data de Publicação: 25 de novembro de 2013 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa) Analista principal:

Leia mais

Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável

Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável Data de Publicação: 2 de abril de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável Analista principal: Marcus Fernandes, São Paulo, 55

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II Data de Publicação: 2 de outubro de 2014 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II Perfil FIDC: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial

Leia mais

Empréstimo consignado possibilita novo modelo de negócios para bancos brasileiros

Empréstimo consignado possibilita novo modelo de negócios para bancos brasileiros Data de Publicação: 14 de outubro de 2015 Relatório Empréstimo consignado possibilita novo modelo de negócios para bancos brasileiros Analista principal: Guilherme Machado, São Paulo, 55 (11) 3039-9754,

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 15 de agosto de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Perfil Originadores dos direitos creditórios: diversas pequenas e médias empresas

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Brazilian Securities Companhia de Securitização 321ª e 322ª Séries da 1ª Emissão de Certificados

Leia mais

Riscos cambiais de entidades corporativas latino-americanas

Riscos cambiais de entidades corporativas latino-americanas Data de Publicação: 30 de setembro de 2015 Relatório Riscos cambiais de entidades corporativas latino-americanas Analista principal: Diego Ocampo, São Paulo, 55 (11) 3039-9769, diego.ocampo@standardandpoors.com

Leia mais

Analista principal: Alejandro Gomez Abente, São Paulo, 55 (11) 3039-9741, alejandro.gomez.abente@standardandpoors.com

Analista principal: Alejandro Gomez Abente, São Paulo, 55 (11) 3039-9741, alejandro.gomez.abente@standardandpoors.com Data de Publicação: 14 de novembro de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings da Cemig elevados para 'BB+' na escala global e para 'braa+' na Escala Nacional Brasil por perfil de risco de negócios mais forte;

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Indústria Exodus III - BRZ Data de Publicação: 2

Leia mais

Ratings 'BBB-' e 'braaa' da Localiza Rent a Car S.A. reafirmados por fortes métricas de crédito; Perspectiva estável

Ratings 'BBB-' e 'braaa' da Localiza Rent a Car S.A. reafirmados por fortes métricas de crédito; Perspectiva estável Data de Publicação: 10 de maio de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings 'BBB-' e 'braaa' da Localiza Rent a Car S.A. reafirmados por fortes métricas de crédito; Perspectiva estável Analista principal: Marcus

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Direitos Creditórios XP Sabemi Consignados

Leia mais

Ratings 'braaa' da Elektro Eletricidade e Serviços S.A. reafirmados refletindo sua forte performance financeira e operacional; Perspectiva estável

Ratings 'braaa' da Elektro Eletricidade e Serviços S.A. reafirmados refletindo sua forte performance financeira e operacional; Perspectiva estável Data de Publicação: 3 de julho de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings 'braaa' da Elektro Eletricidade e Serviços S.A. reafirmados refletindo sua forte performance financeira e operacional; Perspectiva estável

Leia mais

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022 Data de Publicação: 5 de agosto de 2015 Comunicado à Imprensa Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da com vencimento em 2020 e 2022 Analista principal: Diego Ocampo,

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Data de Publicação: 29 de novembro de 2013 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Perfil Ativos subjacentes: financiamentos de veículos novos ou usados

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2010 Comunicado à Imprensa Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Fevereiro de 2010 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Como os altos riscos operacionais impactam FIDCs, CRIs e CRAs

Como os altos riscos operacionais impactam FIDCs, CRIs e CRAs Data de Publicação: 12 de agosto de 2015 Relatório Como os altos riscos operacionais impactam FIDCs, CRIs e CRAs Contato principal: Leandro Albuquerque, São Paulo, 55 (11) 3039-9729, leandro.albuquerque@standardandpoors.com

Leia mais

Diversas ações de rating realizadas em 39 FIDCs, CRIs e CRAs

Diversas ações de rating realizadas em 39 FIDCs, CRIs e CRAs Data de Publicação: 15 de setembro de Comunicado à Imprensa Diversas ações de rating realizadas em 39 FIDCs, e Analistas principais: Hebbertt Soares, São Paulo, 55 (11) 3039-9742, hebbertt.soares@standardandpoors.com;

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 18 de novembro de 2013 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Perfil Originadores dos direitos creditórios: diversas pequenas e médias empresas

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Sul Invest Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial Data de Publicação: 4 de

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Data de Publicação: 7 de outubro de 2014 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Perfil Ativos subjacentes: Financiamentos de veículos novos ou usados

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Sul Invest Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial Data de Publicação: 21 de

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS.

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. MÓDULO SISTEMAS DE GESTÃO LTDA, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amapá, 309

Leia mais

Perguntas mais frequentes: Atualização da Visão da Standard & Poor's sobre o Rating de Crédito Soberano do Brasil e sua Perspectiva

Perguntas mais frequentes: Atualização da Visão da Standard & Poor's sobre o Rating de Crédito Soberano do Brasil e sua Perspectiva Data de Publicação: 14 de novembro de 2013 Perguntas Mais Frequentes Perguntas mais frequentes: Atualização da Visão da Standard & Poor's sobre o Rating de Crédito Soberano do Brasil e sua Perspectiva

Leia mais

Setor de infraestrutura brasileiro: O desafio é como atrair o investimento privado

Setor de infraestrutura brasileiro: O desafio é como atrair o investimento privado Data de Publicação: 18 de junho de 2015 Relatório Setor de infraestrutura brasileiro: O desafio é como atrair o investimento privado Contatos analíticos: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039 9782,

Leia mais

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios

Escopo do Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios Descrição do serviço Copilot Optimize - Elaboração de Relatórios CAA-1013 Visão geral do serviço Esta Descrição do serviço ( Descrição do serviço ) é firmada por você, o cliente, ( você ou Cliente ) e

Leia mais

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. OBJETIVOS DO PLANO BR MALLS PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ nº 06.977.745/0001-91 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1.1. Os objetivos do Plano de Opção de Compra de Ações da BR Malls Participações S.A. ( Companhia

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de julho de 2014 KPDS 96085

Demonstrações financeiras em 31 de julho de 2014 KPDS 96085 Brasil Plural BBDC Feeder Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CNPJ nº 18.602.310/0001-41 (Administrado pela BEM Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) Demonstrações

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios - Bicbanco Crédito Corporativo II Data de Publicação:

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte. Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires

São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte. Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires A Recuperação de Empresas e a Falência no Brasil Mirella da Costa Andreola Diretora

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Distribuidoras de eletricidade enfrentam a recessão como principal risco de crédito, após fim da estiagem

Distribuidoras de eletricidade enfrentam a recessão como principal risco de crédito, após fim da estiagem Data de Publicação: 28 de março de 2016 Relatório Distribuidoras de eletricidade enfrentam a recessão como principal risco de crédito, após fim da estiagem Contatos analíticos: Marcelo Schwarz, CFA, São

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BicBanco Crédito Consignado

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BicBanco Crédito Consignado Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BicBanco Crédito Consignado Ratings em Fevereiro de 2012 Instrumento Rating Atual Rating

Leia mais

249ª Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) da Companhia Brasileira de Securitização - CIBRASEC

249ª Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) da Companhia Brasileira de Securitização - CIBRASEC 27 DE ABRIL DE 2015 Regra 17g-7 da SEC A Regra 17g-7 da Securities And Exchange Commission (SEC) exige que uma Organização Nacionalmente Reconhecida de Ratings Estatísticos (NRSRO, na sigla em inglês)

Leia mais

PLANO DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

PLANO DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES PLANO DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Incentivos de Longo Prazo - Opção de Compra de Ações é regido pelas disposições abaixo e pela legislação aplicável. 1.

Leia mais

Política de Segregação*

Política de Segregação* Boletim: 10 Política de Segregação* Entrada em vigor: 20 de junho de 2013 Versão: 8 Autor: Departamento Jurídico e Compliance I. Fitch Group, Inc. ( Fitch ) através de suas subsidiárias Fitch Ratings,

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS ATENÇÃO: Ao selecionar a opção Eu aceito os termos de licença e uso do BomBirô

Leia mais

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL)

SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Condições de Acesso (Decreto Lei n.º 178/2012 de 3 de Agosto) 0 SIREVE (SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS POR VIA EXTRAJUDICIAL) Entrada

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa IAS 7 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 7 (REVISTA EM 1992) Demonstrações de Fluxos de Caixa Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a NIC 7, Demonstração de Alterações na

Leia mais

Termos de Utilização - 11-06-2012 by jenniferkarg - Entendendo a Radiação Médica - http://medicalradiation.preview.spiritlink.de?

Termos de Utilização - 11-06-2012 by jenniferkarg - Entendendo a Radiação Médica - http://medicalradiation.preview.spiritlink.de? Termos de Utilização by jenniferkarg - Tuesday, November 06, 2012 http://medicalradiation.preview.spiritlink.de/servico/termos-de-utilizacao/?lang=pt-br 1. Escopo 1.1 O uso destas páginas de internet fornecidas

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Vendas

Termos e Condições Gerais de Vendas Termos e Condições Gerais de Vendas 1º Escopo da aplicação (1) As condições a seguir são aplicáveis a todos os fornecimentos e serviços (por exemplo, instalações, projetos) da BrasALPLA. Estas condições

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CAIXA VALE DO RIO DOCE Data de Competência: 27/01/2016 1. CNPJ 04.885.820/0001-69 2. PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES

PROGRAMA DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES PROGRAMA DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES O presente Programa de Outorga de Opção de Compra ou Subscrição de Ações é regido pelas disposições abaixo. 1. Conceituação 1.1. O Programa

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM

CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM CONDIÇÕES GERAIS: Considerando - (a) A Repom é empresa legalmente habilitada, nos termos da Resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres ( ANTT ) nº

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999)

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO (MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1.925 DE 14/10/1999) JOAQUIM ANTONIO VIZEU PENALVA SANTOS Desembargador TJ/RJ 1. DEFINIÇÃO 1) É um título de crédito emitido por pessoa física ou jurídica

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A.

PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. PLANO DE INCENTIVO DE LONGO PRAZO - OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GOL LINHAS AÉREAS INTELIGENTES S.A. aprovado pela Assembleia Geral Extraordinária realizada em 19 de outubro de 2012 1 PLANO DE INCENTIVOS

Leia mais

Perspectiva dos ratings de 30 entidades brasileiras corporativas e de infraestrutura alterada para negativa após ação similar no rating soberano

Perspectiva dos ratings de 30 entidades brasileiras corporativas e de infraestrutura alterada para negativa após ação similar no rating soberano Data de Publicação: 28 de julho de 2015 Comunicado à Imprensa Perspectiva dos ratings de 30 entidades brasileiras corporativas e de infraestrutura alterada para negativa após ação similar no rating soberano

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS

CONTRATO PARTICULAR DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS Pelo presente instrumento particular, as partes a seguir identificadas, de um lado T A Soluções em Marketing Digital Ltda, empresa devidamente inscrita no CNPJ/MF sob nº 03.007.331/0001-41, situada na

Leia mais

Ratings 'braa' atribuídos à Rodovia das Colinas S.A. e à sua emissão de debêntures; Perspectiva estável

Ratings 'braa' atribuídos à Rodovia das Colinas S.A. e à sua emissão de debêntures; Perspectiva estável Data de Publicação: 28 de fevereiro de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings 'braa' atribuídos à Rodovia das Colinas S.A. e à sua emissão de debêntures; Perspectiva estável Analistas: Marcus Fernandes, São

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo

Política de Divulgação de Informações Relevantes e Preservação de Sigilo Índice 1. Definições... 2 2. Objetivos e Princípios... 3 3. Definição de Ato ou Fato Relevante... 4 4. Deveres e Responsabilidade... 5 5. Exceção à Imediata Divulgação... 7 6. Dever de Guardar Sigilo...

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente RESOLUÇÃO N 1832 Divulga regulamento que disciplina a constituição e a administração de carteira de valores mobiliários mantida no país por investidores institucionais constituídos no exterior. O BANCO

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Falência e Recuperação de Empresas

DIREITO EMPRESARIAL. Falência e Recuperação de Empresas Falência e Recuperação de Empresas 1. Considere as afirmativas a respeito das manifestações processuais nos processos de falência e de recuperação judicial de empresas, nos termos da Lei 11.101/05: I.

Leia mais

Condições Comerciais Advantech estore

Condições Comerciais Advantech estore Condições Comerciais Advantech estore 1. Para fazer seu pedidode compras: Acesse Advantech estore online no link http://buy.advantech.com.br ou ligue para 0800- para falar com um representante estore.

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

As empresas financeiras latino-americanas serão afetas pela desaceleração econômica?

As empresas financeiras latino-americanas serão afetas pela desaceleração econômica? Data de Publicação: 31 de agosto de 2015 Relatório As empresas financeiras latino-americanas serão afetas pela desaceleração econômica? Analista principal: Barbara Carreon, Cidade do México, 52 (55) 5081-4483,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

CERTIFICADO DO PROGRAMA DE LICENCIAMENTO COREL LICENCE FOR LEARNING Termos e condições

CERTIFICADO DO PROGRAMA DE LICENCIAMENTO COREL LICENCE FOR LEARNING Termos e condições CERTIFICADO DO PROGRAMA DE LICENCIAMENTO COREL LICENCE FOR LEARNING Termos e condições 1. Declaração de propósito. A COREL criou o programa de licenciamento CLL ( Programa ) para proporcionar a determinados

Leia mais

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010

OS3 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA 2010 Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 1 CONDIÇÕES GERAIS DE SERVIÇOS Telefone: (19) 3119-7246 E-mail: contato@os3ti.com www.os3ti.com 2 1. DISPOSIÇÕES GERAIS (a) A menos se de

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 18 de agosto de 2015

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA Os Termos e Condições Gerais de Venda definidos abaixo e a Confirmação de Pedido enviada por SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA., sociedade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU Nº 02/2014 Versão: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal Nº 075/2014 Unidade Responsável: Procuradoria Geral. I - FINALIDADE: A presente Instrução

Leia mais

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF

DAVI BARRETO E FERNANDO GRAEFF OS TRECHOS EM FONTE NA COR VERMELHA SÃO AS NOVIDADES ACRESCENTADAS PELO AUTOR. CAPÍTULO 2 2.1. QUANDO A AUDITORIA INDEPENDENTE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É NECESSÁRIA? Vimos que a auditoria tornou se

Leia mais

Analista principal: Henrique Sznirer, São Paulo, 55 (11) 3039-9723, henrique.sznirer@standardandpoors.com

Analista principal: Henrique Sznirer, São Paulo, 55 (11) 3039-9723, henrique.sznirer@standardandpoors.com Data de Publicação: 11 de fevereiro de 2015 Comunicado à Imprensa S&P coloca em CreditWatch Negativo o rating 'braa (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados

Leia mais

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil.

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil. RESOLUCAO 980 ------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista

Leia mais

S&P reafirma rating 'bra+ (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium

S&P reafirma rating 'bra+ (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium Data de Publicação: 4 de agosto de 2015 Comunicado à Imprensa S&P reafirma rating 'bra+ (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. CNPJ/MF N.º 49.669.856/0001-43 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. CNPJ/MF N.º 49.669.856/0001-43 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. CNPJ/MF N.º 49.669.856/0001-43 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da Le Lis Blanc Deux Comércio e Confecções

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO Data de Competência: 07/06/2016 1. CNPJ 14.386.926/0001-71 2. PERIODICIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (Política de Voto para FII) SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Leste Administração

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Angá Sabemi Consignados III Data de Publicação: 11

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Empírica Goal One Data de Publicação: 06 de outubro

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102 1.0 Finalidade 1.1 A CommScope, Inc. e suas empresas afiliadas ( CommScope ) podem, a qualquer tempo, contratar consultores, agentes de vendas, conselheiros e outros representantes e, frequentemente, estabelecer

Leia mais

Razões para Investir em Fundos de Fundos de Private Equity

Razões para Investir em Fundos de Fundos de Private Equity Razões para Investir em Fundos de Fundos de Private Equity por Capital Dynamics* ambiente de private equity no Brasil tem mostrado uma melhoria significativa desde 2003, mesmo se comparado aos outros paises

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento

Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento Última Revisão: Janeiro de 2010 1. Pontos gerais e escopo de validade 1.1. Nossos Termos e Condições de Fornecimento e Pagamento deverão ser aplicados de

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial SM LP

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial SM LP Data de Publicação: 3 de fevereiro de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial SM LP Ratings em Fevereiro de 2012 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados "sob observação por alteração de critério" (UCO)

Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados sob observação por alteração de critério (UCO) Data de Publicação: 3 de novembro de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados "sob observação por alteração de critério" (UCO) Analistas principais:

Leia mais

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome).

5. É altamente recomendado que Rotaract Clubs mencionem após seu nome, patrocinado pelo Rotary Club de (nome). Declaração de Normas do Rotaract 1. O programa Rotaract foi desenvolvido e estabelecido pelo Rotary International. A autoridade pela elaboração e execução dos dispositivos estatutários, requisitos de organização,

Leia mais

Termos de Uso. 1. Escopo

Termos de Uso. 1. Escopo Termos de Uso 1. Escopo 1.1 A utilização da página de Internet disponibilizada pela Siemens Aktiengesellschaft e / ou suas subsidiárias ("Siemens"), " Web Site da Siemens ", está sujeita a estas Condições

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Av. Pres. Juscelino Kubitschek,

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA. 1. O comprador se compromete a adquirir e o vendedor concorda em vender o material descrito no Anexo "A" ("Material").

CONTRATO DE COMPRA. 1. O comprador se compromete a adquirir e o vendedor concorda em vender o material descrito no Anexo A (Material). CONTRATO DE COMPRA Este acordo de compra é feito e celebrado por e entre El Paso E & P Company, LP e suas filiais, cujo endereço é 1001 Louisiana St., em Houston, Texas 77002, (doravante referida como"vendedor"),

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Os Promotores e ou Afiliados podem incentivar outras pessoas a Divulgarem e comercializarem os serviços, tornando-se seus patrocinadores.

Os Promotores e ou Afiliados podem incentivar outras pessoas a Divulgarem e comercializarem os serviços, tornando-se seus patrocinadores. Liquida Net Rogério Richard - ME. Atua na área de Assinaturas de Lojas, e utiliza um plano de marketing que incentiva e apoia o uso e a divulgação de seus serviços através de uma Rede de Promotores autônomos

Leia mais