VARIABILIDADE GENÉTICA DO LOBO GUARÁ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VARIABILIDADE GENÉTICA DO LOBO GUARÁ"

Transcrição

1 VARIABILIDADE GENÉTICA DO LOBO GUARÁ (Chrysocyon brachyurus) NA ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO JATAÍ (MUNICIPIO DE LUIS ANTÔNIO, ESTADO DE SÃO PAULO BRASIL) E EM ÁREAS VIZINHAS. GENETIC VARIABILITY OF THE MANED WOLF (Chrysocyon brachyurus) IN JATAI ECOLOGICAL STATION (MUNICÍPIO OF LUÍS ANTÔNIO, SÃO PAULO STATE BRAZIL) AND SURROUDINGS. PAULO SERGIO RIBEIRO DE MATTOS 1 ARNO RUDI SCHWANTES 2 MARCO ANTÔNIO DEL LAMA 2 ROGÉRIO HARTUNG TOPPA 3 RESUMO Foram estudados 12 marcadores genéticos protéicos (16 locos) de 29 lobos guarás da estação Ecológica do Jataí (EEJ) e entorno. O grau de polimorfismo e o nível de heterozigosidade (intraloco e média) estimados foram semelhantes aos observados por outros autores para lobos guarás e outras espécies de canídeos de vida livre. Esta área foi dividida em 3 sub-áreas considerando os rios Mogi Guaçu e Pardo como barreiras ao fluxo gênico entre as amostras coletadas. O teste para verificação de equilíbrio genético para cada uma das amostras de cada sub-área e para a amostra total demonstrou que as freqüências fenotípicas observadas estão em equilíbrio de Hardy-Weimberg. Os valores da estatística-f evidenciaram ausência de endocruzamento e estruturação populacional. Como esperado, as distâncias genéticas entre as áreas mostraram-se baixas. ABSTRACT Twelve proteic genetic markers (16 loci) in 29 maned wolves of Jatai Ecological Station and surroundings were studied. The percentage of polymorphic loci and the level of estimate heterozygosity (intralocus and average) was similar to others authors data for maned wolves and others species of wild canids. The area was divided in 3 subareas considering Mogi guaçu and Pardo river as barriers for gene flow among 3 subareas samples. The Genetic equilibrium test within each sub-area and for the whole sample indicate that the observed phenotypic frequencies were according to.hardy- Weimberg equilibrium. The F-statistics values suggests lack of imbreeding and populational structure. As expected, the genetic distances among the areas were low. 1 Médico Veterinário, MSc, doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Ecologia e Recursos Naturais da Universidade Federal de São Carlos UFSCar. 2 Biólogo, Dr, Docente do Departamento de Genética e Evolução da Universidade Federal de São Carlos UFSCar. 3 Biólogo, MSc, doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Ecologia e Recursos Naturais da Universidade Federal de São Carlos UFSCar.

2 INTRODUÇÃO A Estação Ecológica do Jataí (EEJ), com uma área de 4532,18 ha está situada no município de Luís Antônio, nordeste do Estado de São Paulo, entre os paralelos 21 o 33 e 21 o 37 de latitude sul e 47 o 45 e 47 o 51 de longitude oeste. Esta Unidade de Conservação apresenta uma grande diversidade de habitats, distribuídos desde os ambientes verdadeiramente aquáticos como rios, córregos e lagoas, passando por banhados e formações periodicamente alagáveis, até as florestas e morros permanentemente livres de inundações (Santos et al., 2000). Os ecossistemas terrestres são representados, principalmente, por fitofisionomias do Cerrado (Cerradão e Cerrado Stricto Sensu) além de trechos de Floresta Mesófila Semidecídua (Toppa, 2001). A principal atividade econômica da região está associada ao setor primário, com indústrias de transformação baseadas no cultivo de cana de açúcar, citros e eucalipto. Outros usos da terra incluem pastagens, café, milho, soja e amendoim. A descrição da estrutura espacial da paisagem do município de Luís Antônio realizada por Pires (1995) pode ser considerada também como tendência para toda a região de estudo. A área de ocorrência do lobo guará compreende a região do Brasil Central, Paraguai, e pequenas áreas da Argentina, Bolívia e Peru (Dietz, 1984). Moreira et al. (1998) consideraram que a influência deletéria do homem no habitat do lobo guará é mais intensa nos estados do sudeste do que do centro-oeste do Brasil, em razão do alto grau de fragmentação florestal resultante da intensa exploração agropecuária e urbanização verificada na região sudeste. Do mesmo modo, a tecnificação no campo é bastante alta, com a queima da cana de açúcar antes da colheita, causando a morte de muitos animais e provocando incêndios em áreas de vegetação nativa (Pires, 1995). Desta forma, é imprescindível a avaliação da genética das populações do lobo guará em função da sua importância para a manutenção da biodiversidade e estabilidade do cerrado. Embora o lobo guará seja considerado um forte atrativo para a prática do ecoturismo (Moreira, 1998), desde 1970 esta espécie está incluída na lista de animais em extinção (Coimbra-Filho, 1972). Os estudos de características genéticas de populações específicas podem ajudar no diagnóstico do grau de "depressão endogâmica" que tende a ocorrer em populações com pequeno número de indivíduos (Woodroffe e Ginsberg, 1998). A análise eletroforética de marcadores protéicos tem contribuído bastante para o conhecimento da genética de populações do lobo guará (Moreira et al., 1998) e de outros canídeos silvestres (Ferrel et al, 1980; Kennedy et al., 1991) e podem ser uma ferramenta útil no diagnóstico da saúde genética das populações. MATERIAL E MÉTODOS A área de estudo compreende, além da EEJ, os municípios do entorno de Luiz Antônio, conforme apresentado na figura 1. As pessoas residentes na área de estudo foram entrevistadas com o intuito de buscar informações sobre a ocorrência e localização do lobo guará. As áreas que apresentaram indícios da ocorrência da espécie foram submetidas a observações indiretas (pegadas e fezes) e diretas (observação do animal), de acordo com a metodologia descrita em Pontes Filho et al. (1997).

3 Após a detecção das trilhas de passagem do lobo guará, foram dispostas armadilhas de captura descritas por Dietz (1984), modificadas por nossa equipe. Com esta metodologia, foi possível obter amostras de 22 animais. Foram amostrados também 5 animais disponibilizados pela polícia Florestal e 2 provenientes de cativeiro que viviam na natureza com localização na área de estudo. Desta forma, amostras de 29 animais da região de estudo foram coletadas. Com o acesso ao animal, foi realizada a contenção química e a coleta de sangue em tubos heparinizados. Estes tubos foram mantidos sob refrigeranção à temperatura de 2-8 o C, durante o transporte até o laboratório. Os animais foram liberados para retorno ao ambiente natural após marcação e recuperação da exposição anestésica (com exceção dos animais de cativeiro). Todas as ocorrências deste trabalho foram georreferenciadas por GPS e digitalizadas em cartas elaboradas com o emprego do programa MapInfo (versão 4.1). As amostras de sangue heparinizado foram centrifugadas para a obtenção do plasma e o precipitado (hemácias) foi lavado 3 vezes em solução de NaCl 0,9% antes do congelamento a 20 o C. Estas amostras foram então submetidas à técnica de eletroforese e coloração específica para o estudo dos zimogramas. Foram estudados os seguintes sistemas protéicos: fosfoglicose isomerase (Pgi), peptidase B (PepB), lactato desidrogenase (locos A e B - LdhA e LdhB), 6- fosfogluconato desidrogenase (Pgd), hemoglobina (Hb), haptoglobina (Hp), malato desidrogenase (Mdh), superóxido dismutase (Sod), albumina (Alb), proteínas séricas (Prt1, Prt2, Prt3 e Prt4), fosfatase ácida (AcP), e anidrase carbônica II (CA II). Como fatores limitantes ao fluxo gênico, consideramos que os rios Mogi-Guaçu e Pardo apresentam um papel estratégico no contexto deste trabalho (figura 1) pois apresentam uma largura média de 40 metros e um grande fluxo de água. Desta forma, consideramos 3 áreas de estudo: Área 1 - entre os rios Mogi Guaçu e o rio Pardo; Área 2 abaixo (ao sul) do rio Mogi Guaçu; Área 3 - acima (ao norte) do rio Pardo. Foram amostrados desta forma 8 animais para a área 1, 13 para a área 2 e 8 para a área 3. Foram realizados testes para verificação de equilíbrio de Hardy- Weinberg tanto para as amostras das três áreas e para a amostra total. Análises de desequilíbrio de ligação foram realizadas através do programa computacional LD 79 (de Weir & Cockerham, 1984), para testar a hipótese de associações preferenciais de alelos de locos distintos. A variância padronizada das frequências alélicas (teste F de Wright, 1965) foi realizada para o estudo da sub-estruturação populacional e endogamia. O calculo de distância genética foi realizado através de método de Nei corrigido para amostras pequenas (1978). Estes dois testes foram realizados através do programa Biosys-1 (Swofford e Selander, 1981) bem como o dendrograma (segundo o método do UPGMA) para representar as relações entre as amostras analisadas. RESULTADOS/AVALIAÇÃO Três locos enzimáticos - Pgi, Pep-B e Pt-4 - exibiram polimorfismo; os demais mostraram-se monomórficos, num total de 16 locos amostrados. A distribuição destes alelos na paisagem está representada na figura 1. O grau de polimorfismo em toda a área de estudo foi de 17,6% e o número de alelos por loco foi de 1,17. Moreira et al. (1998) detectaram um grau de polimorfismo de 21,4% em região de baixa pressão antrópica (Brasilia e Goiânia) e de 14,3% em região de alta pressão antrópica (São Paulo e Minas

4 Gerais). A pressão antrópica foi considerada com base na densidade populacional. Kennedy et al.(1991) encontraram 13,5% de locos polimórficos em lobos cinzentos de vida livre, Waine et al. (1991) encontraram 20% nesta mesma espécie no continente e 8% em uma ilha. A heterozigosidade intraloco dos sistemas Pgi, Pep-B e Pt-4 foram de 0.276, e 0.207, respectivamente e a heterozigosidade média foi de Moreira et al. (1998) observaram níveis de heterozigosidade média entre 1,4% e 8,3% para amostras de lobos guarás provenientes de seis regiões do Brasil. Achamos pertinente considerar os rios como importantes fatores limitantes de fluxo gênico entre os lobos guarás. Mantovani (2001) estudou a área de vida da espécie na EEJ e entorno, através de radiotelemetria, durante 29 meses e nenhum ponto de triangulação estava do outro lado do rio Mogi Guaçu, apesar da área de vida destes animais se estender por toda a margem norte do rio. Moreira et al. (1998) detectaram na sua análise de variância de frequências alélicas uma heterogeneidade significativa entre as amostragens de lobos guarás do triângulo mineiro e de São Paulo, caracterizando diferentes populações as quais são divididas pelo Rio Grande. Johnson et al (1999), conclui em seu trabalho que o Rio Amazonas aparece como a mais significante barreira geográfica de fluxo gênico para quatro espécies de felídeos silvestres. Os estudos do equilíbrio de Hardy Weinberg nas 3 áreas amostradas neste trabalho mostraram valores não significativos, indicando que a amostragem total, assim como as amostras das áreas um e dois, encontram-se em equilíbrio genético. Para a amostra da área três o qui-quadrado foi significativo (p < 0,05) para os locos Pgi e Pep-B. Esta amostra, quando re-analisada fazendo-se a correção de Yates, apresentou um valor de qui-quadrado não significativo, indicando que esta amostragem também estava em equilíbrio. As análises de desequilíbrio de ligação mostraram ausência de associação preferencial nos gametas entre alelos de locos distintos. Os valores da estatística-f (Wright, 1965) revelaram um coeficiente de endogamia (F IS = 0,067; χ 2 = 1.24, GL = 6) e um coeficiente de diferenciação interpopulacional não significativos (F ST = 0.087; χ 2 = 5.45, GL = 6). Estes valores indicam ausência de redução significativa da heterozigosidade em função da endogamia e da estruturação populacional na área amostrada. Esta ausência de estruturação populacional na área amostrada pode ser decorrente da grande mobilidade do lobo guará e da não ocorrência de filopatria na espécie. Os valores de distância genética corrigida para pequenas amostras (Nei, 1978) foram muito baixas. A distância genética entre amostras provenientes das áreas 1 (onde se localiza a EEJ) e 2 foi zero, enquanto que as distâncias genéticas entre as amostras das áreas 1-3 e 2-3 foram e 0.037, respectivamente. Moreira et al. (1998) estimaram distâncias genéticas entre 0 a 0,008 (média = 0.006) entre amostras de 6 localidades de ocorrência do lobo guará no Brasil (proximidades de Brasília, Goiânia, Belo Horizonte, a oeste e a sul do estado de Minas Gerais, e Estado de São Paulo). CONCLUSÕES Neste trabalho foram realizados estudos de marcadores genéticos protéicos de 29 lobos guarás da estação Ecológica do Jataí (EEJ) e entorno. Esta área foi dividida em 3

5 sub-áreas considerando os rios Mogi Guaçu e Pardo como divisores por serem possíveis barreiras de fluxo gênico entre os indivíduos amostrados. Dezesseis locos protéicos foram amostrados, dos quais três exibiram polimorfismo (Gpi, PepB e Prt4), resultando em grau de polimorfismo e heterozigosidade média iguais a 17.6% e 5.2%, respectivamente. Estes valores são similares ao descritos por outros autores para espécies de canídeos geneticamente próximas ao lobo guará. A composição genotípica das amostras correspondentes às três áreas, bem como à amostra total, está de acordo com o modelo de equilíbrio genético segundo Hardy-Weimberg. A análise da significância dos parâmetros da estatística-f indicou que não há redução significativa da heterozigosidade em decorrência do endocruzamento (F IS = 0,067; χ 2 = 1.24, GL = 6) e da subdivisão da população (F ST = 0.087; χ 2 = 5.45, GL = 6). A distância genética entre as amostras analisadas foi baixa (amplitude: de zero a 0.058); entretanto, o dendrograma obtido sugere maior similaridade entre as amostras de Jataí e São Carlos em comparação com a amostra procedente de Altinópolis. Não foi observada uma associação preferencial entre alelos dos três locos polimórficos analisados, indicando, portanto, ausência de desequilíbrio de ligação. Os resultados do presente trabalho indicam que a população de lobo guará analisada não apresenta indícios de redução de variação genética (menor heterozigosidade), ocorrência de endogamia, e estruturação populacional (ausência de barreiras ao fluxo gênico), o que nos permite concluir que a espécie não está depauperada geneticamente.

6 Figura 1 -

7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS COIMBRA-FILHO, A. F. Mamíferos ameaçados de extinção no Brasil. In: ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS. Espécies da fauna brasileira em extinção. Rio de Janeiro: DIETZ, J. M. Ecology and social organization of the maned wolf (Chrysocyon brachyurus). Smith. Contr. Ecol., v. 392, p. 1-24, FERREL, R. E. et al. Biochemical markers in a species endangered by introgression: the red wolf. Biochem. Gen., v. 18, n. 1-2, p , KENNEDY, P. K. et al. Genetic variability in natural populations of the gray wolf, Canis lupus. Can. J. Zool., v. 69, p , MANTOVANI, J. E. Telemetria convencional e via satélite na determinação da área de vida de três espécies de carnívoros da região nordeste do estado de São Paulo f. Tese (Doutorado em Ecologia) Programa de Pós Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. MOREIRA, J. R. et al. Estudo preliminar da variabilidade genética do lobo guará (Chrysocyon brachyurus). Brasília: EMBRAPA, CENARGEN, P (Comunicado técnico, n. 30). NEI, M. Estimation of average heterozygosity and genetic distance from a small number of individuals. Genetics., v. 89, p , PIRES, J. S. R. Análise ambiental voltada ao planejamento e gerenciamento do ambiente rural: abordagem metodológica aplicada ao município de Luis Antônio SP f. Tese (Doutorado em Ecologia) Programa de Pós Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. PONTES FILHO, A. et al. Projeto lobo guará. Contribuição à conservação ambiental dos campos gerais do Paraná-Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 1., 1997, Curitiba. Anais... Curitiba: IAP: UNILIVRE: Rede Nacional Pro Unidade de Conservação, 1997, v.2. p SANTOS, J. E. et al. Funções ambientais e valores dos ecossistemas naturais. Estudo de caso: Estação Ecológica de Jataí (Luís Antônio, SP). In: SEMINÁRIO REGIONAL DE ECOLOGIA, 7., 1998, São Carlos. Anais... São Carlos: UFSCar, P SANTOS, J. E.; PIRES, A. M. Z. C. R.; PIRES, J. S. R. Caracterização ambiental de uma unidade de conservação: Estação Ecológica do Jataí, Luís Antônio, SP. São Carlos: UFSCar, p. Folheto. SWOFFORD, D. L.; SELANDER, R. B. Byosys-1: A Fortran program for the comprehensive analysis of electrophoretic data in population genetics and systematics. J. Hered. V. 72, p , 1981.

8 TOPPA, R. H.; PIRES, J. S. R. Estrutura e diversidade florística do componente arbóreo-arbustivo na diferentes fisionomias de cerrado e suas correlações com as características edáficas na Estação Ecológica de Jataí, SP. São Carlos: UFSCar, p. Relatório Científico. FAPESP. Processo 00/ WAYNE, R. K., Conservation genetics of endangered Isle Royale gray wolf. Conserv. Biol., v. 5, n. 1, p , WEIR, B. S.; COCKERHAM, C. C. Estimating F-statistics for the analysis of population structure. Evolution. v. 38, p , WRIGHT, S. The interpretation of population structure by F-statistics with special regard to systems of mating. Evolution, v. 19, p , WOODROFFE, R.; GINSBERG, J. R. Edge effects and the extinction of populations inside protected areas. Science, v. 280, p , 1988.

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. GEOGRAFIA 01 Um dos passos para o domínio das técnicas de orientação é o conhecimento da Rosa dos Ventos, que é constituída por pontos cardeais, colaterais, subcolaterais e intermediários. Observe a Rosa

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP 1 Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Formulário V do Edital Nº 004/2013 - PIBIC/UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO PARCIAL ( ) RELATÓRIO FINAL ( x ) 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2

EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA. Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 37 EXTINÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Djenicer Alves Guilherme 1, Douglas Luiz 2 Resumo: Com a urbanização, o tráfico nacional e internacional de espécies e exploração dos recursos naturais de maneira mal planejada

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

Biomas Brasileiros. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério Biomas Brasileiros FLORESTA AMAZÔNICA Solos com limitações quanto à fertilidade natural. Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Herdabilidade para idade a primeira parição em éguas Mangalarga Raul Sampaio de Almeida

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SEUS IMPACTOS NA INDÚSTRIA FLORESTAL GLOBAL. Eng. Florestal Msc. Dr. Joésio D. P. Siqueira

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SEUS IMPACTOS NA INDÚSTRIA FLORESTAL GLOBAL. Eng. Florestal Msc. Dr. Joésio D. P. Siqueira O NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SEUS IMPACTOS NA INDÚSTRIA FLORESTAL GLOBAL Eng. Florestal Msc. Dr. Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda São Paulo, 27 de Março

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima,

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima, UFBA UFBA- -2ª2ªFASE FASE 2009 2009-2009 01. A variação climática na superfície terrestre está diretamente ligada à localização de cada região nas diversas latitudes, sendo, portanto, resultante do comportamento

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO Solange Marques Domingos da Silva 1, Pérsio D Oliveira Sandir 2 RESUMO: A necessidade emergente de práticas de lazer mais saudável, a tranqüilidade e o relaxamento

Leia mais

ATE XXII. Índice. 12 - Conclusões... 1. LT 500 kv Marimbondo II - Campinas e Subestações Associadas Conclusões do Empreendimento 1/1

ATE XXII. Índice. 12 - Conclusões... 1. LT 500 kv Marimbondo II - Campinas e Subestações Associadas Conclusões do Empreendimento 1/1 Índice 12 - Conclusões... 1 Índice 1/1 12 - ATE XXII A Linha de Transmissão (LT) 500 kv Marimbondo II Campinas e Subestações Associadas é um empreendimento da ATE XXII Transmissora de Energia S.A a ser

Leia mais

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente.

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Profª Kamylla Ecologia: definição OIKOS Casa LOGOS Estudo Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Componentes do Ecossistema Substâncias Abióticas; Componentes Bióticos:

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

DINÂMICA TEMPORAL E ESPACIAL DAS POPULAÇÕES

DINÂMICA TEMPORAL E ESPACIAL DAS POPULAÇÕES DINÂMICA TEMPORAL E ESPACIAL DAS POPULAÇÕES META Como as populações naturais fl utuam sua densidade no espaço e no tempo. em habitats fragmentados ou manchas as populações dividem em sub-populações. Como

Leia mais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Valoração Ambiental Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Analistas Ambientais: Nivaldo Caetano da Cunha (Engenheiro Florestal) nicclaudo@yahoo.com.br Almir Lopes Loures (Engenheiro

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL

O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL Renata Evangelista de Oliveira Departamento de Desenvolvimento Rural Centro de Ciências Agrárias CCA/UFSCar O ESTADO DA ARTE DA RESTAURAÇÃO FLORESTAL

Leia mais

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528 Pesquisa Pantanal Job: 13/0528 Objetivo, metodologia e amostra Com objetivo de mensurar o conhecimento da população sobre o Pantanal, o WWF solicitou ao Ibope um estudo nacional para subsidiar as iniciativas

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita

Esse incremento no consumo alimentar se deve principalmente ao processo de urbanização e o aumento da renda per capita Segundo estimativas da ONU, A população mundial atingirá 9,3 bilhões de habitantes em 2050; O maior crescimento populacional ocorrerá nos países em desenvolvimento, onde é esperado incremento do consumo

Leia mais

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução Diagnóstico do uso e ocupação da terra da Gleba Cavalcante como fator transformador da paisagem Lourivaldo Amâncio de CASTRO 1 ; Fabiano Rodrigues de MELO 1 ; Amintas Nazaré ROSSETE 2 1 Universidade Federal

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA POR ANÁLISE DE ADN DAS RAÇAS OVINAS MERINA BRANCA E MERINA PRETA

CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA POR ANÁLISE DE ADN DAS RAÇAS OVINAS MERINA BRANCA E MERINA PRETA CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA POR ANÁLISE DE ADN DAS RAÇAS OVINAS MERINA ANCA E MERINA PRETA Relatório realizado no âmbito do PRODER - Subacção n.º 2.2.3.2. "Componente Animal" - Acção 2.2.3 "Conservação e Melhoramento

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Sensoriamento remoto e radiotelemetria no estudo de padrões de uso da paisagem pelo lobo-guará no interior do estado de São Paulo

Sensoriamento remoto e radiotelemetria no estudo de padrões de uso da paisagem pelo lobo-guará no interior do estado de São Paulo Sensoriamento remoto e radiotelemetria no estudo de padrões de uso da paisagem pelo lobo-guará no interior do estado de São Paulo Jose Eduardo Mantovani 1 Paulo Sergio Ribeiro de Mattos 2 Jose Eduardo

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD

ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD Michelle Santos da Silveira 1 Rubilar Ritta Jobim 2

Leia mais

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21

ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 ÁGUA FLORESTAS E CLIMA: RUMO À COP 21 Cuidar da Água: Desafio para sociedade Combater: Desmatamento Poluição Desperdício Investir Refloretamento Saneamento Tecnologia e Gestão Integrada 8,5 145 72 70 20

Leia mais

Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015

Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015 INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 5ª EDIÇÃO: JAN/FEV/MAR 2015 Destaque CONQUISTAS NO CONGRESSO DA SZB 2015 Claudio Maas (atual presidente) e Yara Barros (diretora de

Leia mais

5.18 - Programa de Conservação da Flora - Resgate de Germoplasma... 1/12. 5.18.1 - Objetivos... 1/12. 5.18.2 - Justificativas...

5.18 - Programa de Conservação da Flora - Resgate de Germoplasma... 1/12. 5.18.1 - Objetivos... 1/12. 5.18.2 - Justificativas... 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE... 1/12 5.18.1 - Objetivos... 1/12 5.18.2 - Justificativas... 2/12 5.18.3 - Metas... 3/12 5.18.4 - Metodologia... 3/12 5.18.4.1 - Definição

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

MINERAÇÃO MORRO VELHO: 150 ANOS DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS MORRO VELHO MINING: 150 YEARS OF RAINFALL RECORDS

MINERAÇÃO MORRO VELHO: 150 ANOS DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS MORRO VELHO MINING: 150 YEARS OF RAINFALL RECORDS MINERAÇÃO MORRO VELHO: 150 ANOS DE REGISTROS PLUVIOMÉTRICOS Ruibran Januário dos Reis 1 ; Daniel Pereira Guimarães 2 ; Elena Charlotte Landau 3 Resumo Este trabalho analisou a série histórica mensal das

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL

LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA LIMPEZA DA ÁREA MATA CILIAR. Áreas de Preservação Permanente RESERVA LEGAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS FORMAÇÃO E MANEJO DE PASTAGENS (IMPLANTAÇÃO DE PASTAGENS) EDGAR FRAGA

Leia mais

Avaliação da Qualidade dos Recursos Subterrâneos no Município de Buriti dos Lopes - PI

Avaliação da Qualidade dos Recursos Subterrâneos no Município de Buriti dos Lopes - PI Avaliação da Qualidade dos Recursos Subterrâneos no Município de Buriti dos Lopes - PI Geisy Candido da Silva Luane Barbara Rissi Geóloga Denise Balestrero Menezes Universidade Federal de São Carlos UFSCar

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA

FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO PORTE EM FRAGMENTO FLORESTAL NO MUNICIPIO DE SANTA TEREZA DO OESTE - PR CASCAVEL 2010 1 RAFAEL JOSE FERREIRA LEVANTAMENTO

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DESEMBARGADOR FLORIANO CAVALCANTI. Atividade 1

ESCOLA ESTADUAL DESEMBARGADOR FLORIANO CAVALCANTI. Atividade 1 ESCOLA ESTADUAL DESEMBARGADOR FLORIANO CAVALCANTI ALUNO: Série: Bolsistas: Leonardo Andrade e Roberto Junior Supervisor (a): Sérgio Roberto Vidal Atividade 1 Questão 01. Observe a imagem e o mapa a seguir

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DO EFEITO DA MONOCULTURA SOBRE O PADRÃO DE DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE FORMIGAS CORTADEIRAS (ATTA e ACROMYRMEX) Filipe de Arruda Viegas 1,4, Marcos Antônio Pesquero 2,4, Danilo Jacinto Macedo 3,4,

Leia mais

INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO

INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO Elaine Gomes Vieira 1, Guilherme Vidigal Bello de Araújo 2, André Luiz

Leia mais

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev.

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev. 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS O Programa de Coleta

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA

MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 MALÁRIA, MEIO AMBIENTE E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: A DINÂMICA AMBIENTAL E A TRANSMISSÃO NA AMAZÔNIA Wanderli P. Tadei 1, Ilea B. Rodrigues 1, Joselita

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=417>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=417>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Fatores ambientais que influem no tempo de corridas de cavalos Puro- Sangue Inglês Mota,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 32/2012 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular, em nível de Mestrado e Doutorado. CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ

ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS EM TRECHOS DO ARROIO CANDÓI, LARANJEIRAS DO SUL, REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ Aline da Silva Rodrigues de Oliveira Graduanda em Geografia Licenciatura e Bolsista Voluntária

Leia mais

357 - FAUNA EDÁFICA COMO BIOINDICADORA DA QUALIDADE DO SOLO EM POMARES DE MACIEIRAS CONDUZIDOS NOS SISTEMAS ORGÂNICO E CONVENCIONAL

357 - FAUNA EDÁFICA COMO BIOINDICADORA DA QUALIDADE DO SOLO EM POMARES DE MACIEIRAS CONDUZIDOS NOS SISTEMAS ORGÂNICO E CONVENCIONAL Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 357 - FAUNA EDÁFICA COMO BIOINDICADORA DA QUALIDADE DO SOLO EM POMARES DE MACIEIRAS CONDUZIDOS NOS SISTEMAS ORGÂNICO E CONVENCIONAL Carolina Riviera Duarte

Leia mais

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP)

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Samuel Fernando Adami 1 Francisco de Paula Nogueira 1 Jener Fernando Leite de Moraes 1 1 Instituto

Leia mais

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Andressa Stefany Teles 1 Flávia Ferreira dos Santos 2 Jasmine Cardozo Moreira 3 RESUMO Impactos

Leia mais

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 7 - Conclusão... 1/3 Índice 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS 7 - CONCLUSÃO A implantação da LT 500 kv Estreito Fernão

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof.Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Faculdade de Engenharia de Sorocaba Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 mil km de cursos d água desprotegidos 13,7% de vegetação

Leia mais

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT I Workshop de Avaliação da Rede de Sustentabilidade da Pesca no Pantanal I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT PARECER

Leia mais

Ecologia trófica de lobo-guará, Chrysocyon brachyurus, no Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR, Brasil

Ecologia trófica de lobo-guará, Chrysocyon brachyurus, no Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR, Brasil Ecologia trófica de lobo-guará, Chrysocyon brachyurus, no Parque Estadual do Guartelá, Tibagi, PR, Brasil Acadêmico:Lincoln José Michalski Orientador: Ivana de Freitas Barbola CNPq Conselho Nacional de

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta

Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Avaliação da qualidade do solo sob diferentes arranjos estruturais do eucalipto no sistema de integração lavoura-pecuária-floresta Larissa Silva Melo 2, Ramon Costa Alvarenga 3. 1 Trabalho financiado pela

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Inovação com base na Biodiversidade CAPITAL NATURAL BRASIL PAÍS MEGADIVERSO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO.

INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. INFLUÊNCIA DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA NOS ATRIBUTOS FÍSICOS DE UM NEOSSOLO QUARTZARÊNICO CULTIVADO COM EUCALIPTO. Bruno Marchió 1, Talles Eduardo Borges dos Santos 2, Jânio Goulart dos Santos 3 ; Andrisley Joaquim

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum

Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Luciana Scur Felipe Gonzatti Eduardo Valduga Ronaldo Adelfo Wasum Restinga é um termo bastante discutido, tanto por sua origem, se portuguesa, espanhola ou inglesa, quanto por seus conceitos. Várias definições

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais