OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS"

Transcrição

1 OTIMIZAÇÃO E BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM DE CHASSIS DE VEÍCULOS UTILITÁRIOS Leonardo Almeida Favaro (UCS ) Carlos Alberto Costa (UCS ) Marcos Alexandre Luciano (UCS ) Joanir Luis Kalnin (UCS ) O presente artigo tem como objetivo propor melhorias no processo de montagem de chassis de veículos utilitários utilizando-se da otimização de layout e do estudo do balanceamento da linha de montagem. O trabalho foi realizado por meio de umm estudo sobre o processo de montagem do layout atual, onde um novo layout foi proposto para essa linha. Com base em estudos atualizado de demanda de produção foram efetuados os cálculos de balanceamento, com base em tempo de ciclo e número de estágios necessários para montagem do produto. Foi efetuado também o levantamento dos tempos padrões por estágio e cálculos de perda por balanceamento para cada condição de demanda. Ao final deste trabalho foram propostos três diferentes balanceamentos da linha de montagem para atender aos níveis de baixa, média e alta demanda. Palavras-chaves: Processo de montagem; Otimização de layout; Balanceamento de linha; Demanda de produção

2 .1 2 Introdução A gestão da produção e operações é uma área instigante que tem mudado bastante nas últimas décadas. Bem gerenciada, a área de produção e operações pode ser uma formidável arma competitiva, capaz de prover os meios para a organização obter vantagens competitivas sustentáveis (TUBINO, 1999). Ao longo dos anos diferentes e inovadores conceitos gerenciais foram apresentados e difundidos para as empresas, contudo muitas vezes uma melhor definição no layout e o balanceamento de uma linha de produção podem melhor em muito o desempenho da produção de um produto, reduzindo o lead time e consequentemente tornando a empresa mais competitiva no mercado. O presente estudo propõe uma mudança no layout da linha de montagem de um chassi de veículo utilitário bem como um estudo de balanceamento desta nova linha de acordo com três variações de demanda de produção: baixa, média e alta. O produto, chamado agora de utilitário, passará a ser montado em uma nova linha, onde já são montados chassis leves para microônibus e caminhões. Sendo assim, o espaço físico ocupado atualmente pela linha de utilitários ficará disponível, além de grande parte de sua mão-deobra, que ficará disponibilizada também para outras linhas de montagem. 3 Arranjo físico e balanceamento de linhas Segundo Slack et al. (1997), o arranjo físico de uma operação produtiva preocupa-se com a localização física dos recursos de transformação. Colocado de forma simples, definir o arranjo físico é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal da produção. O primeiro item a se determinar na elaboração de um layout é a quantidade que será produzida, a qual será importante para o cálculo do número de máquinas, da área de estoque, entre outros (MARTINS, LAUGENI, 05). Existem diferentes formas de arranjos para layouts, sendo normalmente classificadas em tipos (MOREIA, 1996; CORRÊA, CORRÊA, ): Arranjo Físico de Posição Fixa, Arranjo Físico por Processo, Arranjo Físico Celular, Arranjo físico por Produto. Neste artigo o foco do estudo foi o arranjo físico por produto, mais conhecido como arranjo físico em Fluxo ou em Linha. Neste tipo de arranjo, cada produto segue um roteiro pré-definido no qual a sequência de atividades requerida coincide com a sequência na qual os processos foram arranjados fisicamente. Nesse arranjo, são ainda necessárias algumas decisões quanto ao tipo de projeto detalhado, embora a consideração do produto domine o projeto do arranjo físico. A decisão é sobre quais as tarefas necessárias a montagem do produto serão alocadas as quais estações de trabalho. Essa decisão de projeto é chamada de balanceamento de linha e envolve tempo de ciclo, número de estágios, e variações no tempo para cada tarefa (SLACK, CHAMBERS, JOHNSTON, 09). Em arranjos físicos em linha, foco desse trabalho, as tarefas envolvidas na produção devem ser distribuídas em estações de trabalho de forma a minimizar as perdas de ociosidade A alocação de quais tarefas deve ser executada por qual estação de trabalho é conhecida como balanceamento de linha e terá impacto na configuração das estações de trabalho, no seu espaço e na posição relativa, ou seja, no seu arranjo físico (KRAJEWSKI, RITZMAN, MALHOTRA, 07; CORRÊA, CORRÊA, ; GAITHER, FRAZIER, 02). Um dos elementos vitais para apoiar o balanceamento de linha é o tempo de ciclo, que tem influência significativa sobre a maioria das outras decisões detalhadas de projeto do layout. É calculado considerando a demanda de tempo provável dos produtos e a quantidade de tempo disponível para a produção durante o mesmo intervalo. Outro elemento é o número de estágios, que depende, entre outras coisas, do tempo de ciclo envolvido e da quantidade de trabalho necessário para completar o produto (SLACK, CHAMBERS, JOHNSTON, 09). 2

3 Cenário da Pesquisa Esta pesquisa possui como objetivo o estudo do processo de montagem de chassis de veículos utilitários em uma linha de montagem propondo uma mudança no layout da mesma e balanceamento dentro de três possíveis cenários: baixa, média e alta demanda. Desta forma, um novo layout com estações de trabalho balanceadas foi proposto, considerando a demanda de produção desta nova linha..1 Arranjo físico atual A montagem de um chassi de veículo utilitário se resume basicamente em três grandes operações: Montagem dos Eixos (Dianteiro/Traseiro); Montagem do Motor, Caixa de Câmbio, Caixa de Transferência; e Acoplamento destes componentes ao chassi do veículo. A linha atual está disposta num arranjo físico por produto. Todos os modelos de utilitários, com motorização e entre eixos diferentes são montados na mesma linha. O chassi é montado em cima de um carrinho transportador que é deslocado sobre um trilho nas 6 estações da linha de montagem. A figura 1 mostra a linha de montagem atual. Figura 1- Layout atual linha de utilitários A tabela 1 mostra as estações de trabalho, operações realizadas e o número de montadores por estágio. Tabela 1 - Estações de trabalho da linha de utilitários Operações JP01 Montagem do eixo dianteiro e traseiro. 3 JP02 Montagem do quadro chassi, gravação n vin; Montagem das molas dianteiras, traseira (suspensão). 6 JP03 Montagem setor de direção; Montagem da barra transversal e de direção; Montagem do silencioso; 2 Montagem do sistema de freio, flexível e tubos de freio; Montagem do tanque de combustível. JP0 Montagem do motor, suportes, sensores; Montagem da transmissão; Montagem da caixa de transferência; 3 Montagem do radiador e cilindro de embreagem. JP05 Acoplamento do motor; Acoplamento do radiador, After cooler; Montagem das mangueiras do radiador e hidráulico; 2 Montagem do escapamento; Montagem do cardan dianteiro e traseiro. JP06 Montagem das rodas Alinhamento 2 Total 18 3

4 Percebe-se um número muito grande de operações por estações de trabalho, o que ocasiona tempos elevados para cada estação da linha. As operações de montagem do motor, transmissão, caixa de transferência e radiador são realizadas na estação JP0 e demandam grandes tempos para concluir sua montagem ocasionando paradas da linha e geração de filas. Com isso, o lead time de produção se torna alto, restringindo a capacidade de produção desta linha em no máximo dois veículos utilitários por dia..2 Arranjo Físico Proposto O arranjo físico proposto também é por produto, porém com uma melhor distribuição das estações de trabalho. Comparando com a linha atual, pode-se dizer, segundo, que o layout proposto é um arranjo Longo-Magro em vez de Curto-Gordo o que torna a operação mais eficiente, ou seja, cada estágio executa apenas uma parte pequena do trabalho total, ocorrendo menos perdas durante o processo (Slack, 1997). A linha de montagem proposta compreende 1 estágios de montagem. A figura 2 mostra a linha proposta. Figura 2 - Layout proposto No layout proposto para montagem de veículos utilitários, são montados também chassis para microônibus e caminhões. Para montagem destes veículos, algumas operações são diferentes dos utilitários, bem como a distribuição dos componentes para realizar a montagem ao longo da linha. O número de montadores por estágio também é alterado quando ocorre a montagem destes produtos, devido as variações de tempo para efetuar a montagem em cada estação. Para a realização das tarefas os montadores utilizam aparafusadeiras pneumáticas e elétricas, chaves manuais, torquimetros, dispositivos de montagem, prensas. Além disso, ao longo da linha existem seis pontes rolantes que servem para a montagem de conjuntos mais pesados, como o quadro do chassi, montagem de eixos e montagem do motor. Os montadores têm como orientação para montagem os roteiros de montagem e instruções de trabalho, além da ficha de identificação do produto (FIP) que acompanha o produto até o final do processo e onde são registradas, pelo próprio montador, as inspeções realizadas durante o processo. Para montagem dos veículos utilitários na nova linha serão aproveitados 8 montadores dos 18 existentes no layout atual. Os demais montadores serão os já existentes da linha de chassis de microônibus e caminhões. Será necessário também alocar todos os componentes e peças para montagem dos veículos utilitários nesta nova linha. A tabela 2 mostra como as operações e os estágios ficaram divididos, bem como o número de montadores por estágio. A divisão do trabalho em mais estágios, segundo (Slack, 02), proporciona um aprendizado mais rápido dos montadores, a automação da linha torna-se mais fácil e as perdas com atividades não produtivas são reduzidas o que torna a linha mais eficiente, porém se a linha não estiver perfeitamente balanceada podem ocorrer paradas de linha, geração de filas e aumento do estoque em processo. No layout proposto, o número de estágios ficou limitado em 1 estações, 8 estágios a mais do que no cenário atual. Alguns estágios necessitam para

5 realizar a montagem, a utilização de pontes rolantes, o que acabou restringindo no número de 1 estações. Tabela 2 - Divisão dos estágios e operações na linha proposta Estágio Operações CH01 Montagem do eixo dianteiro; 3 CH02 Montagem do eixo traseiro; 3 CH03 Montagem e gravação do quadro do chassi; 8 CH0 Acoplamento do quadro chassi e montagem dos amortecedores; CH05 Montagem setor de direção, suporte do estepe, suportes do radiador e barra de 2 direção; CH06 Pintura do chassi; 1 CH07 Montagem flexível de freio, tubos de freio, e tanque de combustível; CH08 Montagem do motor, cilindro embreagem, caixa de câmbio, sensores do óleo e temperatura e caixa de transferência; CH09 Montagem do radiador, after cooler e fechamentos do defletor; 1 CH Acoplamento do motor, montagem dos coxins do motor, radiador e caixa de transferência, montagem do silencioso e dos cardans; dianteiro e traseiro; CH11 Montagem das mangueiras do radiador After cooler e do hidráulico, de combustível e montagem do escapamento; CH Montagem do protetor do tanque de combustível, tomada pinos e gancho 3 G ; CH13 Abastecimento óleo diesel e montagem das rodas; 3 CH1 Alinhamento e geometria; 2 Total 6 5 Demanda de Produção Na linha de montagem proposta, além dos chassis de veículos utilitários, são montados também chassis para microônibus e caminhões. Analisando os dados de demanda real para montagem dos chassis nesta linha nos últimos anos observa-se um comportamento irregular do número de veículos montados por dia (média). O comportamento da demanda no ano de 08 apresenta-se muito superior em relação aos anos de 09, e 11. Neste ano a média de chassis montados por dia foi de 37 veículos. Já no ano de 09, ocorreu um grande decréscimo na produção e a média de chassis montados por dia foi de veículos. Nos anos de e 11 percebe-se um aumento na produção e a média de chassis montados por dia nestes últimos 2 anos foi de 25 veículos por dia. Devido à grande variação de demanda apresentada, a utilização de um único valor para determinação do tempo de ciclo e balanceamento da linha geraria capacidade ociosa nos períodos de baixa demanda, ou seja, uma baixa produtividade e excesso de mão de obra, já nos períodos de alta demanda, esta produção não poderia ser atendida sem a utilização de recursos extras, como horas extras e aumento de mão de obra. Com base nestes dados, o balanceamento da linha de montagem foi efetuado sob três condições: a) Alta demanda 37 chassis montados por dia. b) Média demanda 25 chassis montados por dia. c) Baixa demanda chassis montados por dia. 5.1 Cálculos de Balanceamento A linha de montagem proposta para montagem dos chassis de veículos utilitários opera das 7:30 ás 17:35 de segunda a quinta e das 7:30 ás 16: na sexta-feira com uma hora de intervalo para almoço. Nestas condições, o tempo disponível (em minutos por dia) de segunda 5

6 a quinta é de 53 minutos por dia e na sexta são 60 minutos. Considerando uma média entre os cinco dias da semana temos 527 minutos por dia de tempo disponível para produção de chassis nesta linha. Para cálculos de balanceamento foi realizado na linha de montagem um estudo de tempo para determinação do tempo padrão de cada operação realizada ao longo da linha de montagem. A montagem de um chassi de um veículo envolve várias operações desde a montagem do quadro, eixos, motor, transmissão até o alinhamento do veículo. Diante disso, cada estação da linha possui vários montadores que atuam sincronizadamente montando o produto. Algumas estações de trabalho demandam mais tempo para realização das atividades, nestes casos mais montadores são alocados para realização das tarefas. Devido à grande variedade de chassis montados nesta linha com características diferentes, como os chassis para microônibus e caminhões, alguns estágios de montagem ficam desbalanceados com relação ao número de montadores. A tabela 3 mostra as estações com o respectivo número de montadores, tempo padrão e tempo da estação para montagem do chassi de veículo utilitário. Observando esses dados, pode-se perceber que a linha encontra-se bastante desbalanceada. As estações CH01 e CH08 demandam o maior tempo que é de 0 minutos, enquanto que a estação CH03 demanda apenas minutos para concluir sua montagem. Considerando também o tempo disponível diário para montagem de chassis de 527 minutos, a capacidade máxima de produção de veículos utilitários seria de apenas 13 chassis por dia, o que não atenderia nem o período de baixa demanda. Tabela 3 - Tempos por estação para montagem do chassi de veículo utilitário Operações N de Montadore s Tempo Padrão (min) Tempo (min) CH01 Montagem do eixo dianteiro; CH02 Montagem do eixo traseiro; 3 60 CH03 Montagem e gravação do quadro do chassi; 8 32 CH0 CH05 Acoplamento do quadro chassi e montagem dos amortecedores; Montagem setor de direção, suporte do estepe, suportes do radiador e barra de direção; CH06 Pintura do chassi; 1 CH07 CH08 CH09 CH CH11 Montagem flexível de freio, tubos de freio, e tanque de combustível; Montagem do motor, cilindro embreagem, caixa de câmbio, sensores do óleo e temperatura e caixa de transferência; Montagem do radiador, After cooler e fechamentos do defletor; Acoplamento do motor, montagem dos coxins do motor, radiador e caixa de transferência, montagem do silencioso e dos cardans; Montagem das mangueiras do radiador after cooler e do hidráulico, de combustível e montagem do escapamento; ,5 5 13,5 6

7 CH Montagem do protetor do tanque de combustível, tomada pinos e gancho G ; 3 30 CH13 Abastecimento óleo diesel e montagem das rodas; ,3 CH1 Alinhamento e geometria; 2 30 Total ,3 Estas grandes variações dos tempos de trabalho, principalmente nos estágios CH01 e CH08 deve-se ao fato do chassi de veículo utilitário ter algumas características especiais na sua montagem, como o sistema de tração x (eixo dianteiro, CH01) e a montagem da caixa de transferência (CH08) que demandam um grande tempo de montagem. Com base no estudo de demanda e valores definidos para baixa, média e alta demandas, foram realizados os cálculos iniciais de tempo de ciclo (Tabela ). O tempo de ciclo para cada demanda é obtido dividindo o tempo disponível (527min) pelo número de carros produzidos por dia. Tabela - Cálculos de balanceamento Demanda (Veículos/Dia) Tempo de Ciclo (min) Estágios Calculado 26, , , Estágios Real O número de estágios foi obtido em função do tempo total de montagem de um chassi de veículo utilitário (739 minutos) pelo tempo de ciclo referente a cada demanda onde se obteve: 28 estações para uma demanda de veículos/dia; 35 estações para uma demanda de 25 veículos/dia e 52 estações para uma demanda de 37 veículos/dia. Percebe-se um número alto de estágios calculado para cada demanda, porém pela característica do produto e do arranjo físico não se torna viável aumentar o número de estágios. Cada estação tem seus componentes a serem montados alocados de acordo com os recursos disponíveis, como pontes rolantes para movimentação de eixos, motores e quadro do chassi. Neste caso, outra solução será necessária para atender as demandas de produção. Com base nisso foram medidas as perdas por balanceamento para cada tempo de ciclo a fim de identificar os estágios onde há tempos ociosos e onde está sobrecarregado. As figuras 3, e 5 mostram estes cálculos. Para a demanda de veículos por dia, com um tempo de ciclo de 26,35 minutos, obteve-se um tempo ocioso total de 131,6 minutos que foi obtido somando-se todos os tempos ociosos nas estações e diminuindo o tempo de sobrecarga nas estações CH01 e CH08. Neste caso, devem-se retirar alguns montadores das estações onde há um grande tempo ocioso e acrescentar nestas estações, ou realizar algumas operações destas estações gargalo em estágios que estão ociosos. Com isso atingiu-se um percentual de perda por balanceamento de 35,67%. Figura 3 - Perdas por balanceamento Baixa demanda ( veículos/dia) 7

8 Tempo (min) Tempo (min) XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Perda por Balanceamento Demanda - Veículos/Dia Tempo Gasto na Sobrecarga Tempo Ocioso ,65 13,65 30 Tempo de Ciclo = 26, ,35 1,35,35 1,35 1,35 11,35 11,85,85 16,35 13,05 11, ,35 26,35 26, ,5 13,5 13,3 CH01 CH02 CH03 CH0 CH05 CH06 CH07 CH08 CH09 CH CH11 CH CH13 CH1 Para a demanda de 25 veículos/dia com um tempo de ciclo de 21,08 minutos obtivemos um tempo ocioso total de 57,82 minutos e uma perda por balanceamento de 19,59%. Os tempos de sobrecarga das estações CH01 e CH08 teriam também de ser compensados pelas estações com tempo ocioso. Figura - Perda por balanceamento Média demanda (25 veículos/dia) Perda por Balanceamento Demanda - 25 Veículos/Dia 5 Tempo Gasto na Sobrecarga Tempo Ocioso ,92 18, Tempo de Ciclo = 21,08 1,08 9,08 5,08 6,08 6,58 9,08 9,08 7,58 7,78 6,08 11,08 17,08 21,08 21, ,5 13,5 13,3 CH01 CH02 CH03 CH0 CH05 CH06 CH07 CH08 CH09 CH CH11 CH CH13 CH1 Para demanda de 37 veículos/dia com um tempo de ciclo de 1,2 minutos, não só as estações CH01 e CH08 foram gargalo. As estações CH02, CH05, CH09, CH e CH1 excederam também o tempo de ciclo. Com isso tivemos uma sobrecarga total de 37,9 minutos e um percentual de sobrecarga de 19,01%. Com base nas figuras 3 a 5 observa-se que os grandes gargalos da produção são as estações CH01 e o CH08 que excedem o tempo de ciclo nas três condições de demanda. Figura 5 - Perda por balanceamento Alta demanda (37 veículos/dia) 8

9 Tempo (min) XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Perda por Balanceamento Demanda - 37 Veículos/Dia Tempo Gasto na Sobrecarga Tempo Ocioso ,76 25, Tempo de Ciclo = 1,2 5,76 1,76 0,76 0,26 0,7 0,9 0,76 2,2 2,26 2,26,2,2 1,2 1,2 1,2 1,2 1,2 1,2 13,5 13,3 1,2 CH01 CH02 CH03 CH0 CH05 CH06 CH07 CH08 CH09 CH CH11 CH CH13 CH1 6 Propostas de Balanceamento Para as condições de baixa e média demanda as metas seriam alcançadas fazendo-se alguns ajustes no número de montadores por estação. Nas estações onde foram identificados tempos ociosos serão retirados alguns montadores e alocados nas estações que estão com sobrecarga nas suas operações. Para baixa e média demanda torna-se necessário também uma redução no número de montadores, disponibilizando mão de obra para outras linhas de montagem. Com isto será aproveitado o máximo do tempo disponível para cada estação reduzindo o tempo ocioso. Para condição de alta demanda se torna necessário um aumento no quadro de montadores na linha, uma vez que há uma sobrecarga de quase %. A tabela 5 mostra a proposta de balanceamento para cada demanda de produção: Tabela 5 - Proposta de balanceamento de acordo com a demanda Demanda Baixa Média Alta Tempo Padrão (min) Tempo (min) Tempo (min) Tempo (min) CH ,33 CH CH ,66 CH CH ,66 CH CH CH , ,33 CH ,5 CH , , ,60 CH ,5 CH CH ,33 CH Total

10 Tempo (min) Tempo (min) XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Mediu-se novamente as perdas por balanceamento para as três demandas nesta nova condição. As figuras 6 a 8 mostram estes cálculos. Para o período de baixa demanda, veículos por dia, obtivemos uma perda por balanceamento de 27,03% e uma redução no número de montadores de 6 para 37 funcionários. No período de média demanda, 25 veículos por dia, obtivemos uma perda por balanceamento de 19,2% e uma redução no número de montadores de 6 para 1 funcionários. Já para o período de alta demanda, tivemos uma acréscimo de mão de obra e uma perda por balanceamento de 18,78%. Para atender esta demanda torna-se necessário um acréscimo de montadores passando de 6 para 61 funcionários. Figura 6 - Perdas por balanceamento baixa demanda Nova condição ( veículos/dia) Perda por Balanceamento - Veículos/Dia Tempo Gasto na Tempo Ocioso 30 Tempo de Ciclo = 26, ,35 6,35,35 2,35 2,35 1,35 2,35 3,9 11,35 7,02 8,35 11,35 6,35 11, ,86 19, CH01 CH02 CH03 CH0 CH05 CH06 CH07 CH08 CH09 CH CH11 CH CH13 CH1 Figura 7 - Perdas por balanceamento média demanda Nova condição (25 veículos/dia) Perda por Balanceamento - 25 Veículos/Dia Tempo Gasto na Tempo Ocioso 25 1,08 1,08 5,08 5,08 5,08 Tempo de Ciclo = 21,08 1,08 5,08 9,08 6,08 1,75 3,08 6,08 1,08 6, , CH01 CH02 CH03 CH0 CH05 CH06 CH07 CH08 CH09 CH CH11 CH CH13 CH1 A tabela 6 apresenta um comparativo das perdas por balanceamento e número de montadores antes e após a realização do balanceamento.

11 Tempo (min) XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO Para o período de baixa demanda obtive-se uma redução de 8,6% de perdas por balanceamento e de 25% no quadro de montadores. Para o período de média demanda obtivese uma redução de 0,35% de perdas por balanceamento e de % no número de montadores na linha. No período de alta demanda ocorreu um acréscimo de mão de obra para meta de produção ser alcançada. Figura 8 - Perdas por balanceamento alta demanda Nova condição (37 veículos/dia) Perda por Balanceamento - 37 Veículos/Dia Tempo Gasto na Tempo Ocioso ,91 2,2 3,58 2,2 3,58 Tempo de Ciclo = 1,2 0,91 2,2 2,2 2,6 0,7,2 0,91,2 6, ,33,66,66 13,33 11,6 13,5 13,33 7,5 2 0 CH01 CH02 CH03 CH0 CH05 CH06 CH07 CH08 CH09 CH CH11 CH CH13 CH1 Tabela 6 - Comparativo das perdas por balanceamento e número de montadores antes e após balanceamento Antes do Balanceamento Após Balanceamento Redução Demanda Perda por Balanceamento Perda por Balanceamento Perda por Balanceamento Baixa 35,67% 6 27,03% 37 8,6% 25% Média 19,59% 6 19,2% 1 0,35% % Alta Sobrecarga 19,01% 6 18,78% 61 Meta atingida com acréscimo de mão de obra 7 Conclusão Os estudos apresentados neste artigo avaliaram o layout da linha de montagem de chassis de veículos utilitários onde foi proposta uma nova configuração de linha de montagem. Neste novo layout realizou-se também um estudo de balanceamento da linha de acordo com 3 condições de demanda- baixa, média e alta. A mudança de layout mostrou-se eficiente no sentido de redução de custos e ganho de espaço físico dentro da fábrica. Com a mudança no arranjo físico, o espaço ocupado anteriormente pela linha de utilitários ficou disponível, já que o mesmo passou a ser montado juntamente com a linha de chassis de microônibus e caminhões. A redução de custos ocorreu também devido ao aproveitamento de apenas 8 montadores dos 18 disponíveis da linha de utilitários, ficando disponíveis montadores para outras linhas de montagem. O estudo de balanceamento da nova linha também se mostrou eficiente no sentido de otimizar o processo de montagem de veículos utilitários. Para condição de baixa demanda, as perdas por balanceamento, foram reduzidas em 8,6% e 9 montadores foram disponibilizados nesta 11

12 condição. Na condição de média demanda, ocorreu uma redução de 0,35% por perdas por balanceamento e liberação de 5 montadores para atuarem em outras linhas de montagem. Já para condição de alta demanda, 37 veículos por dia, ficou constatado que para atingir esta meta de produção se torna necessário um aumento no quadro de montadores na linha. O correto balanceamento da linha de acordo com as variações de demanda é de fundamental importância para empresa, pois implica diretamente nos custos de produção. Nos períodos de baixa e média demanda a linha poderia operar com uma sobre capacidade, ou seja, com um número de montadores maior do que o necessário, o que seria um gasto desnecessário com mão de obra direta. Com os balanceamentos propostos e a mudança de layout conseguimos reduzir estas perdas e ainda liberar mão de obra direta para outras atividades. Como na linha de montagem proposta são montados também chassis para microônibus e caminhões, fica como sugestão para futuros trabalhos, realizar estudos de balanceamento também para estes produtos. Referências CORRÊA, H.L.; CORRÊA, C.A. Administração da produção e operações: manufatura e serviços : uma abordagem estratégica da produção e operações. 2ª ed. São Paulo: Atlas,. GAITHER, N., FRAZIER, G. Administração da Produção e Operações. 8ª ed. São Paulo. Thomson, 02. KRAJEWSKI, LJ., RITZMAN, LP. MALHOTRA, MK. Operations management: processes and value chains. 8a ed. Upper Saddle River, N.J., Pearson Prentice Hall, 07. MARTINS, P., LAUGENI, F. Administração da produção. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 05. MOREIRA, D. Administração da Produção e Operações. 2ª ed. São Paulo. Cengage Learning, 08. SLACK, N., CHAMBERS, S., HARLAND, C., HARRISON, A., JOHNSTON, R., Administração da produção. São Paulo: Atlas, SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da produção. 3.ed. São Paulo: Atlas, 09. TUBINO, D. F. Sistemas de produção: a produtividade no chão da fábrica. Porto Alegre: Bookman, 1999.

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO

VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) RESUMO VANTAGENS E DESVANTAGENS - A IMPORTANCIA DE SABER ESCOLHER UM ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Edilaine Cristina Duarte de Souza, Unisalesiano de Lins e-mail: edilaine.duarte@ig.com.br Érika Yuri Kotaki, Unisalesiano

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso

Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Lean na indústria gráfica: um estudo de caso Osiran Lima* Este artigo mostra a implementação de células de manufatura em uma empresa gráfica, substituindo o layout linear pelo layout celular, onde foi

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos.

Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Descrição do processo de priorização para tomada de tempos: Pesquisa ação em uma empresa job shop de usinados aeronáuticos. Tatiana Sakuyama Jorge Muniz Faculdade de Engenharia de Guaratingüetá - Unesp

Leia mais

Ricardo Coêlho dos Santos Filho (UVV) ri.filho@uol.com.br Fabiano Cézar Gomes Nascimento (AM Tubarão) fabiano.cezar@ymail.com

Ricardo Coêlho dos Santos Filho (UVV) ri.filho@uol.com.br Fabiano Cézar Gomes Nascimento (AM Tubarão) fabiano.cezar@ymail.com XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1

20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 20. CHASSI INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 20-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 20-1 DESCRIÇÃO 20-2 INSPEÇÃO 20-4 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO Embora seja possível reparar trincas no chassi por meio de soldagem ou alinhar chassis

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

Gestão de Operações II Teoria das Filas

Gestão de Operações II Teoria das Filas Gestão de Operações II Teoria das Filas Prof Marcio Cardoso Machado Filas O que é uma fila de espera? É um ou mais clientes esperando pelo atendimento O que são clientes? Pessoas (ex.: caixas de supermercado,

Leia mais

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa

Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Análise da acuracidade de estoques: um estudo da aplicação do método do inventário rotativo na empresa Alfa Izadora Pereira (UNIFEBE) Izadorapereira@unifebe.edu.br André Luís Almeida Bastos (UNIFEBE/FURB/ESNT)

Leia mais

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração

Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Estudo da linha de produção de uma fábrica de ração Laureilton José Almeida BORGES¹; Warley Alves Coutinho CHAVES¹; Júlio César Benfenatti FERREIRA 2 ; Adriana Giarolla VILAMAIOR 2 ¹ Estudante de Engenharia

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO O - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

IV SEMINÁRIO DE MANUTENÇÃO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. Vantagens do Uso do Alinhamento a Laser em Equipamentos de Usinas

IV SEMINÁRIO DE MANUTENÇÃO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. Vantagens do Uso do Alinhamento a Laser em Equipamentos de Usinas IV SEMINÁRIO DE MANUTENÇÃO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO Vantagens do Uso do Alinhamento a Laser em Equipamentos de Usinas Por que o alinhamento é tão importante? Nos dias de hoje, todos nós estamos sob grande

Leia mais

BALANCEAMENTO BALANCEAMENTO DE LINHA

BALANCEAMENTO BALANCEAMENTO DE LINHA BALANCEAMENTO O que é Balanceamento? De acordo com o dicionário online de português, a ação de balancear consiste em um movimento alternativo ou oscilatório de um corpo. Também é muito utilizado o termo

Leia mais

Planejamento agregado da produção em uma empresa de pequeno porte: um estudo caso

Planejamento agregado da produção em uma empresa de pequeno porte: um estudo caso Planejamento agregado da produção em uma empresa de pequeno porte: um estudo caso Reynaldo Chile Palomino (UCS) rcpalomi@ucs.br Almir Antônio Lanfredi (UCS) metalform@malbanet.com.br Resumo O presente

Leia mais

Escola: Colegio Interativa - Educação Infatil, Ensino Fundamental e Medio

Escola: Colegio Interativa - Educação Infatil, Ensino Fundamental e Medio Nome: Gustavo Silva Cogo,Lucas Gruener Lima Professor: Rodrigo Mendonça, Graduado, Engenharia Forma de Apresentação: Painel Escola: Colegio Interativa - Educação Infatil, Ensino Fundamental e Medio Elaboração

Leia mais

TRIZ NUM PROBLEMA DE QUALIDADE AUTOMOTIVO: ALINHAMENTO DO BOCAL DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL

TRIZ NUM PROBLEMA DE QUALIDADE AUTOMOTIVO: ALINHAMENTO DO BOCAL DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL TRIZ NUM PROBLEMA DE QUALIDADE AUTOMOTIVO: ALINHAMENTO DO BOCAL DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL Edson Oliveira Martins, Eng.Mec. - edson26@pop.com.br Marco Aurélio de Carvalho, Eng.Mec., Me., Dr. marcoaurelio@utfpr.edu.br

Leia mais

Soluções para Transmissão

Soluções para Transmissão Soluções para Transmissão Motor Transmissão Chassis Estruturas Tração Total SOLUÇÕES PARA TRANSMISSÃO Em 1904, o fundador da Dana, Clarence Spicer, revolucionou a indústria automobilística ao inventar

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 12 de física: Arranjo físico de unidades da rede de operações

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

6. Estrutura de Custos Logísticos

6. Estrutura de Custos Logísticos 6. Estrutura de Custos Logísticos Os custos logísticos na atividade de distribuição de combustíveis líquidos no Brasil podem ser classificados como: custo de aquisição dos combustíveis suprimentos custo

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE MOVIMENTAÇÃO DOS COMPONENTES DO TRATOR BDY 2840 EM SUA LINHA DE MONTAGEM: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DO PROCESSO DE MOVIMENTAÇÃO DOS COMPONENTES DO TRATOR BDY 2840 EM SUA LINHA DE MONTAGEM: UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE DO PROCESSO DE MOVIMENTAÇÃO DOS COMPONENTES DO TRATOR BDY 2840 EM SUA LINHA DE MONTAGEM: UM ESTUDO DE CASO Hugo Eugenio Dezam (SATC) hugo.dezan@hotmail.com Lucas Fogaca de Sousa (UNESC) lucas.fogaca92@hotmail.com

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CATAVENTOS APOIADO PELO GRÁFICO DE GANTT: UM ESTUDO DE CASO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CATAVENTOS APOIADO PELO GRÁFICO DE GANTT: UM ESTUDO DE CASO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE UMA INDÚSTRIA DE CATAVENTOS APOIADO PELO GRÁFICO DE GANTT: UM ESTUDO DE CASO Joao Paulo Veloso Borges (UFCG ) jpvelosoborges@gmail.com Josenildo de Oliveira Sobrinho

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos

CSR/Instruções de inspeção para Técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Carregadeiras sobre rodas CSR/Instruções de inspeção para Técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre

Leia mais

ESTUDO DO ARRANJO FÍSICO DE UMA PANIFICADORA

ESTUDO DO ARRANJO FÍSICO DE UMA PANIFICADORA ESTUDO DO ARRANJO FÍSICO DE UMA PANIFICADORA Fernando Lage Bicalho Júnior (UFV) fernando_epr@yahoo.com.br Ricardo Henrique Calazans Toledo (UFV) calazans@ufv.br André Duelli Araújo (UFV) andre_duelli@vicosa.ufv.br

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ROTULAGEM NA NUTRIÇÃO ANIMAL

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ROTULAGEM NA NUTRIÇÃO ANIMAL OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE ROTULAGEM NA NUTRIÇÃO ANIMAL Adriana Franciele Moreira - 040.174.499-05 Alexandre Vidal da Costa - 023.768.729-10 Fábio Locatelli - 059.798.029-24 Matias Simon - 055.367.269-00

Leia mais

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO:

FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO: 1 - EMBREAGEM 2 - CÂMBIO 3 - DIFERENCIAL 4 - REDUÇÃO FINAL Luiz Atilio Padovan Prof. Eng. Agrônomo 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO 1 EMBREAGEM LOCALIZAÇÃO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS

A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS A UTILIZAÇÃO DA SIMULAÇÃO EM GESTÃO HOSPITALAR: APLICAÇÃO DE UM MODELO COMPUTACIONAL EM UM CENTRO DE IMOBILIZAÇÕES ORTOPÉDICAS André Monteiro Klen (UFOP) Klen@bol.com.br Irce Fernandes Gomes Guimarães

Leia mais

Porta Contêiner. Aplicação. O semi-reboque Porta Contêiner foi desenvolvido para o transporte de contêiner de 20 e 40 pés. Chassi

Porta Contêiner. Aplicação. O semi-reboque Porta Contêiner foi desenvolvido para o transporte de contêiner de 20 e 40 pés. Chassi Porta Contêiner Aplicação O semi-reboque Porta Contêiner foi desenvolvido para o transporte de contêiner de 20 e 40 pés. Chassi Constituído de longarinas tipo I, possui travessas e reforços. Construído

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TÉCNICAS PERT-CPM PARA REDUÇÃO DO PRAZO DE ENTREGA: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA

UTILIZAÇÃO DAS TÉCNICAS PERT-CPM PARA REDUÇÃO DO PRAZO DE ENTREGA: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA UTILIZAÇÃO DAS TÉCNICAS PERT-CPM PARA REDUÇÃO DO PRAZO DE ENTREGA: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA PERT-CPM TECHNIQUES USAGE FOR REDUCTION ON TIME DELIVERY: A CASE STUDY IN A CAR INDUSTRY

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE

RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE RELATÓRIO DE ESTÁGIO (3 de 3) 11/NOV/2010 a 20/JAN/2011 REIVAX AUTOMAÇÃO E CONTROLE Supervisor: Fernando Amorim da Silveira Coordenador: Victor Juliano De Negri Estagiário: Marcos Kaupert 20 de janeiro

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL METAL/MECÂNICA SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO DE RODAS Preparar profissionais a identificar os ângulos

Leia mais

ANÁLISE DAS OPERAÇÕES DE FABRICAÇÃO DE PERFIS DE AÇO A PARTIR DO CORTE E DOBRA DE CHAPAS

ANÁLISE DAS OPERAÇÕES DE FABRICAÇÃO DE PERFIS DE AÇO A PARTIR DO CORTE E DOBRA DE CHAPAS ANÁLISE DAS OPERAÇÕES DE FABRICAÇÃO DE PERFIS DE AÇO A PARTIR DO CORTE E DOBRA DE CHAPAS Elton Zeni 1 Éverton Miguel da Silva Loreto 2 Luiz Alberto Nottar 3 Magdalena Reschke Lajús Travi 4 RESUMO Este

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 3 3 CALIBRAGEM DOS MÓDULOS LASER (AFERIÇÃO E TEMPORIZAÇÃO)... 3 3.1 AFERIÇÃO DO LASER PONTO LONGITUDINAL...3 3.2

Leia mais

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A.

b) Permitido o uso de veículos de no mínimo 02 (dois) lugares ou mais. c) A denominação desta categoria será Dianteira Turbo A. 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT- A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, nacionais ou importados, coupê, sedan ou pick- up, de 2, 3, 4 ou 5

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais

3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais 3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais Neste capítulo serão descritos os passos para a avaliação da Integridade Estrutural

Leia mais

ALINHADOR DIGITAL A LASER

ALINHADOR DIGITAL A LASER MANUAL DE OPERAÇÃO ALINHADOR DIGITAL A LASER PRATIC LASER REVISÃO 00.1 ADENDO AO MANUAL ALINHADOR PRATIC LASER Alguns dos dispositivos mostrados neste manual são opcionais podendo não ser entregues como

Leia mais

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX

Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX 1 Manual de Montagem e Operação Pórtico Manual Serie FX Manual No. 103-0001 R EV. 8/07 ISO 9001 REGISTERED CONTEUDO 2 Advertencias... 3 Recebimento... 5 Ajustes...6 Kit de Transporte...8 Instalação dos

Leia mais

BALANCEAMENTO EM LINHA DE PRODUÇÃO DE INSERÇÃO MANUAL DE COMPONENTES ELETRÔNICOS: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS

BALANCEAMENTO EM LINHA DE PRODUÇÃO DE INSERÇÃO MANUAL DE COMPONENTES ELETRÔNICOS: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS BALANCEAMENTO EM LINHA DE PRODUÇÃO DE INSERÇÃO MANUAL DE COMPONENTES ELETRÔNICOS: ESTUDO DE CASO EM EMPRESA DO POLO INDUSTRIAL DE MANAUS ADRIANO DA ROCHA SANTANA (UEA) adriano_uea@outlook.com ingrid maryana

Leia mais

Planejamento e controle da produção utilizando a ferramenta MRP: estudo de caso em uma fábrica de tubos de concreto

Planejamento e controle da produção utilizando a ferramenta MRP: estudo de caso em uma fábrica de tubos de concreto Planejamento e controle da produção utilizando a ferramenta MRP: estudo de caso em uma fábrica de tubos de concreto Eduardo Henrique Bogaz (UEPA) edu.bogaz@gmail.com Felipe Rossato Marques (UEPA) felipe.rossato20@gmail.com

Leia mais

GKN Driveline. Eixos de transmissão GKN Driveline

GKN Driveline. Eixos de transmissão GKN Driveline Eixos de transmissão GKN Driveline A GKN Driveline é a fornecedora líder mundial de componentes e sistemas de sistema de transmissão automotivos. Nossa liderança de mercado global é baseada em uma forte

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Baú Lonado (Sider) Características do Produto. Chassi

Baú Lonado (Sider) Características do Produto. Chassi Baú Lonado (Sider) Cortinas laterais em malha de PVC; Trilhos para abertura total das laterias; Agilidade na carga e decarga lateral; Características do Produto Chassi Constituído de longarinas tipo I,

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C )

07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07 - REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA DIANTEIRA TURBO C (TURBO C ) 07.1 NORMAS TÉCNICAS: A categoria Dianteira Turbo C deverá seguir as normas técnicas constantes neste regulamento específico. 07.2 DEFINIÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM CENÁRIO E USO DE UM SOFTWARE DE SIMULAÇÃO EM VISANDO O ENSINO EM GESTÃO DA PRODUÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE UM CENÁRIO E USO DE UM SOFTWARE DE SIMULAÇÃO EM VISANDO O ENSINO EM GESTÃO DA PRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DE UM CENÁRIO E USO DE UM SOFTWARE DE SIMULAÇÃO EM VISANDO O ENSINO EM GESTÃO DA PRODUÇÃO Marcelo Castanharo (UNESP) mcastanharo@hotmail.com Renato de Campos (UNESP) rcampos@feb.unesp.br

Leia mais

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial

Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa (EMBRAPA) pedro@cnpat.embrapa.br José Ednilson de Oliveira Cabral

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade

As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Curso e-learning As Sete Ferramentas Básicas do Controle da Qualidade Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção.

Benefícios. Design compacto. Facilidade de acesso a todos componentes para manutenção. Equipamento-padrão Dispositivo para descida de emergência manual Carregador de bateria com desativação automática Alerta de bateria baixa Desativação de bateria Inclinômetro com bloqueio e alarme Sensor

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

Indústria Automotiva A SOLUÇÃO DE ELEVAÇÃO CERTA PARA OS SEUS PROCESSOS

Indústria Automotiva A SOLUÇÃO DE ELEVAÇÃO CERTA PARA OS SEUS PROCESSOS PONTES ROLANTES INDUSTRIAIS PONTES ROLANTES PARA USINAS NUCLEARES GUINDASTES PORTUÁRIOS EMPILHADEIRAS PARA PESADOS EM MÁQUINAS OPERATRIZES INDÚSTRIA AUTOMOTIVA A SOLUÇÃO DE ELEVAÇÃO CERTA PARA OS SEUS

Leia mais

Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick

Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick 06 a 10 de Outubro de 2006 Olinda PE Kit para operação de Banco Fixo de Capacitores em Redes de Distribuição sem Pick Eng. Luciano F. de Mattos Eng. Fernando V. Baldotto Eng. Edson B. da Silva Jr. ESCELSA

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra

Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra 52 Corte & Conformação de Metais Março 2013 Uso de software CAD 3D no desenvolvimento de ferramenta de dobra Desenvolver ferramentas de dobra não é uma tarefa fácil, principalmente quando a peça final

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO 1 Ana Carolina Ignácio da Silva 2 Flavio José Patrocínio 3 Marcia Tathiane da Silva Ribeiro Mantovani 4 Mariane Ichisato 5 Renata Cristina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA Material de estudo 2010 INTRODUÇÃO À ROBÓTICA André Luiz Carvalho Ottoni Introdução à Robótica Capítulo 1 - Introdução Robótica é um ramo da tecnologia que engloba mecânica, eletrônica e computação, que

Leia mais

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES.

ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. ANÁLISE E SELEÇÃO DE UMA POLÍTICA DE CONTROLE DE ESTOQUES COM BASE EM FERRAMENTAS E MÉTODOS DA GESTÃO DE ESTOQUES. Osmar Possamai (UFSC ) osmarpossamai@gmail.com Emerson Cleister Lima Muniz (UFSC ) eng.prod.emerson@gmail.com

Leia mais

CARRETA BASCULANTE KHOR

CARRETA BASCULANTE KHOR 1 - INTRODUÇÃO Parabéns; você acaba de adquirir um produto KHOR que é resultado de um projeto sofisticado, onde profissionais com anos de experiência dedicaram horas de trabalho e os mais rigorosos teste.

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015

CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 1 CONSELHO TÉCNICO DESPORTIVO NACIONAL COMISSÃO NACIONAL DE ARRANCADA CAMPEONATO BRASILEIRO DE ARRANCADA 402 METROS REGULAMENTO TÉCNICO 2015 6 - CATEGORIA DIANTEIRA TURBO A - DT-A 6.1) DEFINIÇÃO: a) Participam

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS

MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL PARA SOLDA ELÉTRICA MODELO OL MODELO OL - MOTOR PERKINS Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional SONHO

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional SONHO Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional SONHO Carrinho SONHO Manual Carrinho Sonho- Dardara - 2 as ilustrações são apenas representações. o design e o estilo podem variar. Antes de usar o carrinho,

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

Curso de Administração Informações da Disciplina: Administração da Produção I

Curso de Administração Informações da Disciplina: Administração da Produção I Administração da Produção I Apresentar aos alunos do curso de Administração de Empresas os fundamentos da Administração da Produção e Operações, fornecendo-lhes uma visão geral do conteúdo desta disciplina,

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

ANEXO VIII - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES E HABILITAÇÃO MÍNIMA DOS CARGOS GRUPO I - SERVIÇOS OPERACIONAIS AGENTE DE CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO

ANEXO VIII - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATRIBUIÇÕES E HABILITAÇÃO MÍNIMA DOS CARGOS GRUPO I - SERVIÇOS OPERACIONAIS AGENTE DE CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO ANEXO VIII - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS E DOS S GRUPO I - SERVIÇOS OPERACIONAIS AGENTE DE CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO Executar serviços de edificações de obras públicas. Realizar pequenos reparos em obras do município.

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ROBÔ CONTROLADO POR LINHA E LUZ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual

Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual Planejamento Estratégico da Produção: Uma análise teóricoconceitual Raphaela Fernandes de Almeida 1 (EPA, FECILCAM) rapha_bela@hotmail.com Caroline Oliveira de Souza 2 (EPA, FECILCAM) carol_souza_16@hotmail.com

Leia mais

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras

Administração. Profa. Patricia Brecht. Compras. Compras. Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Administração Profa. Patricia Brecht Armazenamento, Movimentação e Administração de Compras Compras Envolve todo o processo de localização de fornecedores e fonte de suprimento, aquisição de materiais

Leia mais

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O 3 Planejamento de Procesos de Fabricação O Planejamento do processo é a ligação entre a engenharia do produto e a manufatura. Diz respeito à seleção dos processos

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

3. TESTE DE MOTOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 TESTE DE COMPRESSÃO 3-2

3. TESTE DE MOTOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 TESTE DE COMPRESSÃO 3-2 3. TESTE DE MOTOR INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3-1 DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 3-1 TESTE DE COMPRESSÃO 3-2 INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 3 O teste de compressão fornece informações importantes sobre a condição mecânica

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT

14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14 - CATEGORIA STREET TRAÇÃO TRASEIRA STT 14.1) DEFINIÇÃO: a) Participam desta categoria veículos de turismo de grande produção em série, coupê, sedan ou pick-up, de 2, 3, 4 ou 5 portas de tração traseira

Leia mais