1. Introdução 2. Lógica difusa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Introdução 2. Lógica difusa"

Transcrição

1 1. Introdução A substituição de fontes de energia convencionais por fontes de energia renováveis, tem crescido de forma ascendente nos últimos anos. Esta assertiva deve-se em parte, a conscientização em prol ao amparo do planeta, no qual a degradação de recursos naturais se faz notória, deterioração gerada em grande parte pelo próprio homem. Entre as propostas criadas para fortalecer o mundo onde vivemos está a energia verde, energia esta gerada a partir de recursos ambientais renováveis como sol, vento, recursos hídricos de baixo impacto entre outros. O armazenamento de energia verde é um dos problemas atuais, pois ao contrário das fontes atuais de energia como hidrelétricas e usinas nucleares, a energia verde não mantém e nem garante uma produção contínua. Painéis solares dependem da luz do sol para gerarem energia, porém, muitos dos dias de um ano são chuvosos, nublados, diminuindo a quantidade de energia gerada, o mesmo acontece com a energia eólica, em dias em que as rajadas de ventos são baixas ou inexistentes. Considerando a vertente de situações enfatizadas anteriormente, projetou-se um sistema inteligente capaz de racionalizar a energia verde adquirida, de forma a projetar um ambiente de captação de energia renovável e ambientalmente correta a um custo/beneficio adequado. Equipamentos de captação e armazenamento de energia possuem um valor considerável, esse fator impede o interessado em montar uma estrutura capaz de suportar por vários dias uma baixa produção de energia a um gasto padrão. O sistema proposto utiliza a lógica difusa (fuzzy logic) para determinar o nível de economia no qual o sistema verde deverá se portar. Para realizar essa tarefa, o sistema busca na internet informações sobre a previsão de tempo associadas com o nível atual dos conjuntos de baterias, essas informações são processadas por regras de inferência e posteriormente estabelecem a forma com a qual o sistema opera. Para exemplificar o argumento firmado, coloca-se como eixo a seguinte situação: Imagine o fato de que, em condições normais de uso, ou seja, sem o sistema de racionalização de energia verde operando, as luzes que iluminam um outdoor permanecem ligadas por 12 horas diárias, entretanto, não tem-se a previsão climática dos próximos dias, o que favorece o risco esgotável de energia renovável para este fim, porém com o sistema prevendo uma baixa produção de energia, essa iluminação seria automaticamente reduzida para menos horas diárias, até o clima tornar-se mais favorável, e assim garantir a sustentabilidade. Este artigo está disposto em cinco seções a fim de esclarecer o projeto. Após a primeira seção introdutória, segue-se para os conceitos fundamentai da lógica difusa, elucidando os principais conceitos e exemplificando quando necessário. Dando seqüência a próxima seção descreve as idéias e passos adotados no desenvolvimento do projeto. A seção seguinte apresenta o software desenvolvido pelo autor do artigo. Por fim, a seção cinco apresenta algumas considerações pertinentes. 2. Lógica difusa Lotfi Zadeh, professor de engenharia elétrica e ciências da computação desenvolveu em 1965 a teoria da lógica fuzzy. Zadeh observou que muitas das regras utilizadas pelas pessoas para fazer inferência não podiam ser explicadas por elas. É neste sentido que remete-se a este exemplo comumente utilizado: Aquele homem deve ter 40 anos, não estamos preparados para explicar as regras utilizadas para chegar nessa determinação. Baseado nas ambigüidades de pensamento, Zadeh criou a lógica difusa, inicialmente criticada, porém acabou sendo

2 utilizada por engenheiros e cientistas da computação (COSTA, et al, 2005). Tratar informações subjetivas e imprecisas ou até mesmo equivocadas é algo natural para a mente humana, porém computadores foram construídos e preparados para trabalharem com informações precisas e bem estruturadas, não podendo reconhecer informações do tipo: está um pouco quente hoje, está quase pronto em sua forma inicial. Tendo em vista esses conceitos a lógica fuzzy surgiu para que essas informações pudessem ser tratadas (POSSELT, 2008). Na Figura 1 é possível observar claramente a diferença entre a lógica clássica e a lógica fuzzy, a lógica clássica não abre espaço para valores intermediários, enquanto na lógica fuzzy é possível analisar os valores intercessores. Um exemplo clássico a ser dado seria: na lógica clássica o dia pode estar frio ou quente enquanto que na lógica fuzzy podem-se ter várias determinações como: frio, muito frio, pouco frio, morno, quente, muito quente, pouco quente entre outras.. Figura 1- Diferença entre lógica clássica e lógica fuzzy Para um melhor entendimento da teoria existente em lógica difusa é necessário ter o conhecimento de teoria dos conjuntos difusos, variável lingüística e sistema de inferência. Tais definições são abordadas nos tópicos a seguir. 2.1 Teoria dos conjuntos difusos Os conjuntos fuzzy foram desenvolvidos para determinar o quanto um elemento pertence ou não a um determinado conjunto, com o uso de graus de pertinência (µ) que são valores no intervalo [0;1]. Assim é possível determinar os elementos que pertencem a um grupo e seu respectivo grau de pertinência (JÚNIOR; NOVAKOWSKI, 2005). A representação dos conjuntos fuzzy depende da natureza e das dimensões do universo a ser representado. Quando for necessário representar conjuntos que contenham um universo pequeno, a melhor solução é a analítica, que tem o objetivo de apresentar todos os elementos do universo separados por vírgula, sendo que cada elemento é composto pelo grau de pertinência e o valor do termo. Quando o universo a ser representado contiver um grande número de elementos, ele deve ser representado pelo gráfico de sua função de pertinência, chamado de diagrama de Hassi-Euler (H-E) (REZENDE, 2003). A Figura 2 apresenta um exemplo de determinação de conjuntos fuzzy. É possível perceber a representação do universo dos elementos no item 1 da figura, sendo esse universo composto por idades. No item 2 da figura são criados três conjuntos, sendo eles jovens, adultos e velhos. Já no item 3 da figura são representados os graus de pertinência aos grupos em relação aos elementos do universo. É possível reparar que aos trinta anos um indivíduo tem um grau de pertinência de 0,5 em relação ao conjunto jovem, 0,4 em relação ao adulto e 0,1 em relação ao velho.

3 Figura 2- Exemplo do uso de conjuntos fuzzy 2.2 Variável Lingüística Variável lingüística é a entidade utilizada para representar de forma imprecisa um conceito ou uma variável de um determinado problema. Essa variável aceita somente valores lingüísticos, tais como: frio, pouco frio, muito frio, grande, muito grande (REZENDE, 2003). Analisandose a Figura 3 pode-se reconhecer a idade como sendo a variável lingüística e os seus valores representados pelos conjuntos difusos: jovem, adulto e velho, esses valores contrastam com valores numéricos. O processo de fuzzificação é responsável por atribuir a cada conjunto difuso os respectivos valores de pertinência. Na Figura 3 é possível observar um exemplo da atribuição dos valores de pertinência aos valores referentes à variável lingüística velocidade. Observando-se a Figura 3, pode-se notar que a velocidade de 30 km/h tem grau de pertinência 0,5 tanto para o valor devagar quanto para médio, em contrapartida pode-se reparar que a velocidade de 60 km/h tem grau máximo de pertinência em relação ao valor médio e nulo em relação aos valores devagar e rápido (POSSELT, 2008). 2.3 Sistema de inferência Figura 3- Exemplo de fuzzificação O sistema de inferência fuzzy ou controlador fuzzy é composto de três fases, sendo elas: fuzzificação, inferência e defuzzificação. Na Figura 4 é possível visualizar o sistema de inferência fuzzy e a forma de interligação entre as fases, sendo que cada fase tem como princípio uma entrada de dados, processamento sobre esses dados e uma saída.

4 Figura 4 -Diagrama de blocos de um controlador fuzzy típico O primeiro passo realizado no controlador fuzzy é a fuzzificação, esse processo deve ser realizado para cada valor de entrada e consiste no mapeamento dos dados para conjuntos fuzzy relevantes. Os valores de entrada são valores precisos, provenientes geralmente de medições ou observações. O processo de fuzzificação também é responsável pela ativação das regras relevantes para uma determinada situação (TANSCHEIT, 2008). Em um controlador fuzzy as regras têm um papel relevante, pois o bom desempenho do sistema está vinculado à produção de regras consistentes. A base do conhecimento pode ser fornecida por especialistas através de termos lingüísticos. Esse processo pode ser complicado, mas, independente do conhecimento do especialista, uma alternativa para formação da base de regras é através da mineração de dados numéricos Esse método tem um bom retorno em problemas de classificação (POSSELT, 2008). A construção de uma base de conhecimento pode dar-se através de regras de produção fuzzy, sendo essa a maneira mais comum. Uma regra de produção é formada por duas partes principais: antecedente, conseqüente. A estrutura de uma regra de produção é definida da seguinte forma: Se <antecedente> então <conseqüente>, na Figura 5 é possível visualizar um exemplo de regra de produção, a cláusula entre o se e o então é denominada antecedente e a sentença após do então é denominada conseqüente (REZENDE, 2003). Figura 5-Exemplo de regra de produção fuzzy A fase da inferência é responsável pela operação sobre os conjuntos propriamente dita. Nela são determinadas as regras que serão ativadas e combinadas e como resultado desse processo são produzidos conjuntos fuzzy de saída (POSSELT, 2008).

5 O sistema de inferência fuzzy na maioria das vezes deve disponibilizar dados precisos como saída. Isso se deve pelo fato da maioria das aplicações necessitarem dessa informação. A etapa de defuzzificação é responsável por interpretar as informações geradas pela fase da inferência. Existem vários métodos de defuzzificação, entre eles: máximo, centróide, média ponderada, média máximos, centro da soma, maior área 3. Descrição do projeto O uso da energia verde será empregado na parte que diz respeito a iluminação de corredores, banheiros, outdoors, refeitórios, salas de entretenimento, recepção, além de pequenos motores 12V utilizados no controle de janelas para aeração e climatização do ambiente. Na figura 6 é exibido o projeto de um sistema verde na integra, com todos os componentes principais, duas fontes coletoras de energia verde (painel solar e energia eólica), placa controladora, banco de baterias, fábrica e o sistema de previsão do nível de bateria interligado com a internet. Figura 6 - Estrutura completa do projeto de energia verde A interligação entre os componentes será estabelecida da seguinte forma, a placa controladora receberá a energia produzida pelos equipamentos de captação e armazenará essa energia nos bancos de baterias. Essa energia será consumida nos equipamentos aos quais a placa controladora estará interligada para realizar o gerenciamento. Para operar de maneira adequada e atingir o objetivo de manter a iluminação da fábrica, a controladora conta com a informação recebida através do sistema de previsão do nível de economia, este será o sistema responsável por determinar à controladora, a forma com a qual ela deve se portar. Por sua vez o sistema de previsão de nível de economia está ligado a internet para a coleta de informações sobre a previsão do tempo.

6 O presente artigo mantém o foco na determinação do nível de economia que o sistema como um todo necessita se portar, sendo assim, a interface analisada neste projeto é o sistema de previsão do nível de economia que pode ser visualizado na Figura 6. As informações que alimentam o sistema são provenientes da placa controladora e da internet. O software recebe a informação do nível de carga do conjunto de baterias da placa controladora, associa esse elemento a previsão do tempo obtida através de sites especializados em clima. O sistema munido de todas as variáveis necessárias faz o uso da lógica difusa para estabelecer o nível de economia que a placa controladora irá operar. A saída do software é um valor real numa escala de 0 a 10. Na seqüência será analisado de forma detalhada o processo de fuzzificação, inferência e defuzzificação da lógica difusa empregada na solução do projeto. Para ser possível a determinação do nível de economia do sistema verde pela lógica fuzzy é necessária definições referente aos seguintes passos: entradas, variáveis lingüísticas e os termos lingüísticos, função e graus de pertinência, base das regras e a variável de saída. A seqüência dos passos já mencionada facilitará o entendimento do processo adotado. Como já comentado anteriormente, as entradas do sistema serão: nível da carga das baterias, média quantificada da previsão do tempo e média da velocidade dos ventos, lembrando que, no capítulo 4 é explicado e exemplificado o processo da transformação da qualificação do tempo na quantificação da qualidade do tempo. Com as entradas do sistema definidas, é o momento de definir as variáveis lingüísticas e os termos lingüísticos. Abaixo cita-se os referentes termos utilizados na implementação da lógica fuzzy. Os três primeiros itens referem-se as variáveis lingüísticas de entrada e a última a variável lingüística de saída. Ao lado de cada variável lingüística faz-se referência aos termos lingüísticos referentes. Bateria: baixo (NBB), médio(nbm) e alto(nba); Tempo: ruim (TR), médio (TM), bom (TB); Vento: ruim (VR), médio (VM), bom (VB); Economia: máxima (EM), alerta (EA), padrão(ep), nenhuma (EM); Com as variáveis lingüísticas e os termos lingüísticos definidos, é o momento de definir o grau de pertinência para cada um dos termos lingüísticos, o que significa dizer, o quanto uma informação é verdadeira dentro de um grau de pertinência. A Figura 7 apresenta o diagrama Hassi-Euler (H-E) dos conjuntos fuzzy da variável bateria, tempo, vento e economia. É possível reparar que os graus de pertinência variam na escala de 0 até 1 para qualquer entrada no universo de discussão de x. Exemplificando a citação anterior, afirma-se que o grau de pertinência para o nível de bateria igual a 2 na Figura 7 tem grau de pertinência igual a 1 situada dentro do conjunto Nível de bateria baixo (NBB). A representação de um conjunto fuzzy não precisa necessariamente ser representada por um diagrama, como os da Figura 7, esse poderia ser apresentado pela seguinte seqüência: µnbb(x) = {1/1, 1/2, 0,5/3, 0/4, 0/5, 0/6, 0/7, 0/8, 0/9, 0/10, 0/11, 0/12, 0/13, 0/14, 0/15,}, onde informa-se os graus de pertinência para cada entrada no universo de x em relação a cada conjunto difuso. Essa técnica somente pode ser utilizada quando o universo a ser descrito for pequeno. No caso do presente projeto, optou-se pelo diagrama de H-E, em um primeiro momento ele pode ser considerado mais trabalhoso, porém facilita o entendimento humano quanto a interpretação e entendimento da organização das variáveis e os seus conjuntos (POSSELT, 2008). Observando a figura 7, pode-se observar os 4 diagramas referentes as variáveis lingüísticas e

7 reconhecer facilmente os graus de pertinência para cada conjunto fuzzy. Figura 7 - Diagramas de Hassi-Euler referente as variáveis nível das baterias, classificação do tempo, velocidade dos ventos e nível de economia Após as definições das funções e graus de pertinência tem-se o momento de definir as regras de inferência. Pode-se chamar esse ponto como o mais importante do processo, pois é esse o responsável por verificar os antecedentes e gerar as saídas. Analisando a Tabela 1, pode-se verificar o conjunto de regras referentes ao nível de bateria e a classificação do tempo. A tabela está codificada em siglas que representam os termos lingüísticos, a descrição de cada sigla pode ser visualizada nos diagramas de Hassi-Euler discriminados anteriormente. Utilizou-se essa relação por indicar uma série de fatores que influenciam na determinação do nível de economia a qual o sistema deva obedecer. Para entender melhor a tabela de regras, será dado um exemplo: Se NB é NBB e T é TM então E é EM Traduzindo a regra acima, se obtém: Se Nível da Bateria é Nível de Bateria Baixo e Tempo é Tempo Médio então Economia é Economia Máxima. O mesmo vale para o restante dos cruzamentos obtidos na Tabela 1. TR TM TB NBB EM EM EM NBM EA EA EP NBA EP EP EN Fonte: do autor Tabela 1 Tabela de regras referentes ao nível da bateria em relação ao tempo A Tabela 2 exibe o segundo conjunto de regras necessárias para a determinação do nível de economia do sistema verde. A forma de interpretar essa tabela segue as regras apresentadas anteriormente no conjunto de regras da Tabela 1.

8 TR TM TB NBB EM EM EM NBM EA EA EP NBA EP EP EN Fonte: do autor Tabela 2 Tabela de regras referentes ao nível da bateria em relação a velocidade do vento O método utilizado para gerar o conjunto fuzzy de saída foi o método min(). Esse método funciona da seguinte forma: sobre todos os antecedentes, utiliza-se o que possuir menor grau de pertinência para atribuir ao conjunto fuzzy de saída. Se for utilizado o exemplo apresentado anteriormente tem-se a seguinte saída: Se NB é NBB e T é TM então E é EM Se NB é 0,30 e T é 0,6 então E é 0,30 Foi utilizado o método min(), por ser mais conhecido, mas existem outros métodos, como prod(), que consiste em atribuir ao conjunto fuzzy de saída o produto das duas pertinências (POSSELT, 2008). Após aplicar as regras de inferência, obtêm-se conjuntos de saída com as suas respectivas pertinências. É nesse momento em que se deve aplicar o processo de defuzzificação, processo que irá gerar um valor preciso de saída. Como já mencionado anteriormente, existem vários métodos, mas o escolhido para esse projeto é o método do centro da gravidade. Esse método tem como característica, nunca atingir as extremidades, justamente por considerar o centro da área a saída. A equação para realizar o processo de defuzzificação utilizando o método do centro da gravidade é apresentada na Figura 8, ela consiste em realizar o somatório da variável multiplicado pelo grau de pertinência da variável dividido pelo somatório do grau de pertinência. Como resultado dessa operação matemática, obtém-se o valor preciso de saída. Figura 8- Função de defuzzificação pelo método do centro da gravidade Para ilustrar o processo de defuzzificação, basta observar a Figura 9, essa figura é criada pelo processo de inferência, onde os conjuntos de regras definidos atuam sobre as variáveis de entrada. Na Figura 9 podemos observar as seguintes saídas, grau de pertinência 0,70 para o conjunto EA (Economia Alerta) e 0,50 para EP (Economia Padrão), porém essa informação não adianta de nada para a controladora do sistema verde. Sendo assim, como já mencionado anteriormente, é necessário aplicar algum algoritmo de defuzzificação para gerar um valor preciso de saída, no caso do presente projeto utilizou-se o centro da gravidade. Após calcular o centro da gravidade da figura abaixo é obtido o valor 5,93 o qual será utilizado pela controladora do sistema verde.

9 Figura 9 - Conjunto fuzzy de saída após processo de inferência 4. Implementação do Ambiente de Simulação Para tornar possível a previsão de economia de energia para o projeto fez-se necessário o desenvolvimento de um sistema capaz de realizar essa tarefa. O sistema exibido na Figura 10 foi desenvolvido com Delphi 6 da Borland utilizando somente recursos presentes na instalação padrão. O sistema está dividido em abas sendo elas: Processo de inferência fuzzy, aba principal do sistema, HTML Mineração, aba destinada a mineração da página WEB de previsão de tempo, Gráfico de Pertinência, aba onde são exibidos os diagramas de Hassi-Euler utilizados no sistema para a atribuição de pertinências. Na Figura 10 pode-se reparar a indicação de várias partes importantes do sistema através de números arábicos na cor vermelha. O item 1 indica ao usuário o valor de pertinência determinado pelo sistema para cada um dos conjuntos das variáveis lingüísticas. O item 2 e 3 representam os conjuntos de regras utilizados no processo de inferência. O sistema permite que o usuário configure os conseqüentes, uma vez que os mesmos podem variar entre regiões e períodos do ano. Para configurar corretamente os conseqüentes, deve-se utilizar as seguintes siglas: EM (economia máxima), EA (economia alerta), EP (economia padrão) e EN (economia nenhuma). É importante observar o fato do sistema assinalar diretamente na grade as regras utilizadas no processo de inferência e juntamente adicionar o grau de pertinência. O item 4 é utilizado para representar a entrada no sistema fuzzy do nível do conjunto de baterias, essa entrada pode ser configurada em tempo de execução no sistema num intervalo de 0 a 10 pontos na escala. Os itens 5 e 6 são obtidos automaticamente a partir da mineração das informações da página WEB de previsão de tempo. O sistema permite que essas informações sejam ajustadas com valores determinados pelo usuário para realizar simulações e certificações no sistema. No item 7 é possível visualizar a página WEB utilizada para a extração das informações. O site é utilizado para a obtenção de uma previsão de 5 dias por se tratar de um site confiável e renomado na internet. Para ativar diretamente a cidade desejada, basta passar essa informação diretamente na URL, segue o exemplo para a cidade de Santa Cruz do Sul/ RS: O gráfico exibido pelo item 8 apresenta a saída do processo de inferência fuzzy, esse gráfico é construído com base no conjunto de regras exibido nos itens 2 e 3. O sistema permite simulações e para isso basta realizar ajustes nas tabelas de regras e na seqüência clicar no botão Refazer gráfico baseado na saída das regras fuzzy.

10 Por último, é apresentado no item 9 o resultado do processo de defuzzificação, utilizando o método do centro da gravidade, método que consiste em realizar o somatório da variável multiplicado pelo grau de pertinência da variável dividido pelo somatório do grau de pertinência. O valor preciso obtido na defuzzificação é transmitido a placa controladora do sistema para que ela possa dimensionar as decisões a serem tomadas com base no valor. A escala adotada para dimensionar o nível de economia é um valor entre 0 e 10, quanto mais próximo de 0 o valor da defuzzificação, maior deve ser a economia de energia do sistema verde. A lógica fuzzy tem com objetivo obter entradas precisas passar por todas as etapas da controladora fuzzy e ter como saída um valor preciso, o que pode ser visto no sistema de homologação. Figura 10 - Software de previsão de economia de energia, tela principal do sistema Na figura 11 é apresentada a aba do sistema responsável pela mineração das informações referentes a previsão do tempo. É possível observar que a tela do software apresenta uma divisão clara em três partes, sendo elas: no lado esquerdo é apresentado o código HTML minerado para a obtenção das informações necessárias pelo sistema. No canto superior direito, encontra-se um configurador de pontos para a determinação da qualidade de tempo para o sistema. Nesse procedimento informações referentes ao tempo são quantificadas em valores determinados pelo usuário, é importante reparar que, quanto mais favorável o tempo para a produção de energia solar, maior a pontuação determinada. Observa-se que no sistema são configuradas apenas 4 situações de tempo (sol sem nuvens, sol com algumas nuvens, sol com muitas nuvens e nublado) e sabe-se que existem muitas outras, porém utilizou-se um agrupamento por nível de produção de energia solar para facilitar essa configuração. Por exemplo, dias chuvosos, chuvosos com raio, nublado com neve são enquadrados como nublado, uma vez que irão gerar energia de forma parecida nessas

11 situações. Na parte direita inferior são apresentados os resultados minerados da WEB, sendo a primeira coluna referente a quantificação do tempo e a segunda referente a velocidade dos ventos. A página WEB utilizada para a previsão do tempo oferece a previsão descrita em três períodos, manhã, tarde e noite. Para cada um dos cinco dias analisados, o sistema faz a média da quantificação do tempo da parte da manhã e da tarde. A média da quantificação do tempo e da velocidade dos ventos é utilizada para a determinação do nível de economia do sistema proposto, essa média pode ser vista na primeira aba do sistema no cato direito superior. Utiliza-se a média para os cálculos acima, pois ela pode representar qualquer número do conjunto utilizado no processo de formação da média. Figura 11 - Software de previsão de energia, tela responsável pela mineração dos dados da WEB 5. Considerações finais Analisando as associações de idéias supracitadas, é tendencioso argumentar que, prever o futuro do tempo é a forma mais econômica para se construir um sistema verde eficaz e eficiente. O investimento em equipamentos para a construção de um sistema de energia limpa pode ser dosado a partir do momento em que se possui uma ferramenta capaz de projetar o nível de economia ao qual o sistema como um todo deverá operar. A lógica difusa encaixa-se perfeitamente no projeto descrito. Tal argumento se dá ao fato de este algoritmo ser projetado com o intuito de operar com informações imprecisas, tendo essa lógica o poder de minimizar os efeitos de erros nas informações de entrada. Um erro na previsão do tempo bem como o de uma variação na medida da carga das baterias, não afetará o dado de saída do sistema de forma a prejudicar o controle. Face a sua estruturação, confiabilidade e agilidade, este projeto representará uma importante ferramenta no que diz respeito a utilização de recursos de energia verde, representando mais um componente na luta pela conservação do meio ambiente. Referências POSSELT, EDERSON LUIS. Aplicação embarcada não intrusiva de classificação de condutores. UNISC Trabalho de conclusão de graduação, REZENDE, SOLANGE OLIVEIRA. Sistemas inteligentes Fundamentos e Aplicações. In: ALMEIDA, P. E. M.; EVSUKOFF, A. G. de (Org.) Sistemas Fuzzy. São Paulo: Manole, p

12 JÚNIOR, I. N.; NOVAKOWSKI, S. Lógica Fuzzy Sistemas de Apoio a Decisão. Rio Grande do Sul, UNISINOS, Abr Disponível em: < Acesso em: maio de 2008 TANSCHEIT, Ricardo. Sistemas Fuzzy. Rio de Janeiro: DEE-PUC-Rio. Disponível em: < Acesso em: maio COSTA, A. et al. Lógica Fuzzy : Conceitos e Aplicações, Rio Grande do Sul, UNISINOS, Abr Disponível em: < Acesso em: jun

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011

PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO. Junho de 2011 PROGRAMA VIV_STOCK - Versão 1.0 MANUAL DO USUÁRIO Junho de 2011 Página 1 de 19 ÍNDICE 1. VISÃO GERAL DO PROGRAMA VIV STOCK...3 2. ESTRUTURA DO PROGRAMA VIV STOCK...3 3. ENTRADA DE DADOS...4 3.1. DADOS

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar

Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar Proposta de uma rotina para calculo da área necessária de uma placa coletora solar André Felipe Brescovici Nunes (UNIOESTE) andre_lipaum@hotmail.com Eduardo César Dechechi (UNIOESTE) dechechi@pti.org.br

Leia mais

Proposta de otimização do fluxo de veículos em um semáforo de trânsito intenso

Proposta de otimização do fluxo de veículos em um semáforo de trânsito intenso Proposta de otimização do fluxo de veículos em um semáforo de trânsito intenso Ederson Luis posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eloy Maury Metz (eloy@softersul.com.br) Resumo Analisando o fluxo de veículos

Leia mais

Channel. Módulo Gerencial. Tutorial. Atualizado com a versão 4.02

Channel. Módulo Gerencial. Tutorial. Atualizado com a versão 4.02 Channel Módulo Gerencial Tutorial Atualizado com a versão 4.02 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia e por

Leia mais

1. Introdução a Microsoft Excel

1. Introdução a Microsoft Excel Introdução a Microsoft Excel 1. Introdução a Microsoft Excel 1.1. O que é Microsoft Excel Microsoft Excel é um software de planilha eletrônica produzido pela Microsoft Corporation, para o sistema operacional

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

Treinamento de Administrador. Zoho CRM

Treinamento de Administrador. Zoho CRM Treinamento de Administrador Zoho CRM Objetivos Apresentar os principais recursos do CRM a fim de propiciar ao administrador do sistema autonomia para: Criar e alterar campos; Acrescentar, renomear e customizar

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE

UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE Luanna Azevedo Cruz Polyana Ribas Bernardes 2015 2015 1. INTRODUÇÃO Para utilizar as funcionalidades acesse o Moodle: http://moodle.ead.ufvjm.edu.br/ e clique

Leia mais

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS Instituição: UFRGS Autores: Ricardo Vieira, José Luis Machado e Álvaro Juscelino Lanner Área: Sistema de Informações Introdução. O trabalho aqui proposto

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico

Guia do Fornecedor. WBC Public Pregão eletrônico Guia do Fornecedor WBC Public Pregão eletrônico As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas a mudança sem aviso prévio.

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Uso da ferramenta de mailing

Uso da ferramenta de mailing Uso da ferramenta de mailing A ferramenta e mailing integrada na plataforma SphinxnaWeb permite enviar rapidamente centenas ou milhares de e mails a diversos correspondentes, especialmente para obter respostas

Leia mais

Manual de Utilizador. Caderno. Recursos da Unidade Curricular. Gabinete de Ensino à Distância do IPP. http://eweb.ipportalegre.pt. ged@ipportalegre.

Manual de Utilizador. Caderno. Recursos da Unidade Curricular. Gabinete de Ensino à Distância do IPP. http://eweb.ipportalegre.pt. ged@ipportalegre. Manual de Utilizador Caderno Recursos da Unidade Curricular Gabinete de Ensino à Distância do IPP http://eweb.ipportalegre.pt ged@ipportalegre.pt Índice RECURSOS... 1 ADICIONAR E CONFIGURAR RECURSOS...

Leia mais

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 DESENVOLVEDOR JORGE ALDRUEI FUNARI ALVES 1 Sistema de ordem de serviço HMV Apresentação HMV/OS 4.0 O sistema HMV/OS foi desenvolvido por Comtrate

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

ÍNDICE. Página 2 de 20

ÍNDICE. Página 2 de 20 Página 1 de 20 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. MENU RELATÓRIOS... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Relatório de Service Accuracy... 3 2.2.1. Tela do Relatório de Service Accuracy... 3 2.2.2. Interpretando o Relatório

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO

PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO PROCEDIMENTO DE CÁLCULO DE INCERTEZA NA MEDIÇÃO DE ALTA TENSÃO Cláudio R. S. Silva,Thiago P. S. Azevedo, Ewerton R. Granhen 3, Ivan S. S. Silva 4 Universidade Federal do Pará, Belém, Brasil, claudiorui75@yahoo.com.br

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS C.L.C. Rodrigues 1, J.E.C. Monte 1 ; P.R. Pinto 1 ; J. L. Paes 2 ; Paulo M. B. Monteiro 3 1- Instituto Federal de Minas Gerais Campus

Leia mais

Tutorial Interpretando o Prognóstico Climático Sazonal

Tutorial Interpretando o Prognóstico Climático Sazonal Tutorial Interpretando o Prognóstico Climático Sazonal COMO TRADUZIR A FAIXA NORMAL EM MILÍMETROS DE PRECIPITAÇÃO i RESUMO O prognóstico climático sazonal de precipitação é usualmente expresso pelas probabilidades

Leia mais

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

MOODLE NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Carmen Mathias Agosto - 2009 I. CADASTRO 1. Acessar o site de treinamento (teste): http://moodle_course.unifra.br/ 2. Faça o login, clicando em acesso no lado direito superior da tela: 3. Coloque seu nome

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Prezado aluno, 1 - ) Clique no link que segue: http://speedtest.net/ 2 - ) Clique em iniciar teste: 3-) Verifique a velocidade:

Prezado aluno, 1 - ) Clique no link que segue: http://speedtest.net/ 2 - ) Clique em iniciar teste: 3-) Verifique a velocidade: Prezado aluno, Primeiramente sugerimos que utilize o Google Chrome, um navegador mais rápido e seguro. https://www.google.com/intl/pt-br/chrome/browser/?hl=pt-br&brand=chmi Caso não resolva os problemas,

Leia mais

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook

Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook Maio de 2012 Conteúdo Capítulo 1: Usando o Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Introdução ao Conference Manager do Microsoft Outlook... 5 Instalando

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice

Neo Solutions Manual do usuário Net Contábil. Índice Manual Neo Fatura 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Configurando o software para importar dados de clientes... 3 3. Importando o cadastro de clientes... 4 4. Cadastro de Bancos... 5 5. Cadastro de Conta Correntes...

Leia mais

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL.

O Sistema foi inteiramente desenvolvido em PHP+Javascript com banco de dados em MySQL. Nome do Software: Gerenciador de Projetos Versão do Software: Gerenciador de Projetos 1.0.0 1. Visão Geral Este Manual de Utilização do Programa Gerenciador de Projetos via Web, tem por finalidade facilitar

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

Para a utilização do WordPress são recomendadas as seguintes configurações:

Para a utilização do WordPress são recomendadas as seguintes configurações: Desenvolvimento de Site Rápido DSR Plataforma Wordpress O WordPress é uma plataforma semântica de vanguarda para publicação pessoal, com foco na estética, nos Padrões Web e na usabilidade. Ao mesmo tempo

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL

RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL RESENHA CRÍTICA DO LIVRO COMO TORNAR SUA EMPRESA ECOLOGICAMENTE RESPONSÁVEL Carmem Lucia Castro da Cruz Introdução Nick Dallas, no livro Como tornar sua empresa ecologicamente responsável, discorre de

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO

7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7. PROGRAMAÇÃO DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA ISOLADA DE TEMPO FIXO 7.1 Etapas de programação A programação do semáforo deve ser elaborada de acordo com as etapas apresentadas a seguir. Vale lembrar que esta

Leia mais

MANUAL EDITOR ESTRUTURADO MÓDULO 2

MANUAL EDITOR ESTRUTURADO MÓDULO 2 MANUAL EDITOR ESTRUTURADO MÓDULO 2 PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO MANUAL EDITOR ESTRUTURADO ELABORAÇÃO DE ESTRUTURA DE DOCUMENTO ADMINISTRADOR Sumário 1 Elaboração de Estrutura de Documento4 11 Cadastrar

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Tópicos Avançados II 5º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Políticas e Declaração de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice

MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Item MAIS CONTROLE SOFTWARE Controle Financeiro / Fluxo de Caixa (MCS Versão 2.01.99) Índice Página 1.Apresentação... 4 2.Funcionamento Básico... 4 3.Instalando o MCS... 4, 5, 6 4.Utilizando o MCS Identificando

Leia mais

SARESTA SISTEMA DE RESTABELECIMENTO INTEGRADO AO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE DISTRIBUÍDO DA CEMIG

SARESTA SISTEMA DE RESTABELECIMENTO INTEGRADO AO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE DISTRIBUÍDO DA CEMIG GOP / 08 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) SARESTA SISTEMA DE RESTABELECIMENTO INTEGRADO AO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE DISTRIBUÍDO

Leia mais

Manual do Módulo de PC Online

Manual do Módulo de PC Online do Módulo de PC Online Agilis Conteúdo Introdução... 4 Acesso à Funcionalidade... 5 1. Internet Explorer 6.x... 7 2. Internet Explorer 7.x... 9 3. Netscape Navigator 7.x... 10 4. Netscape Navigator 7.2x...

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software (Cap 6 - Sommerville) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Curso de Ciência da Computação Engenharia de Software I Prof. Rômulo Nunes de Oliveira Requisitos funcionais e não funcionais

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor.

Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Soluções via.net para otimização de processos paramétricos com Autodesk Inventor. Michel Brites dos Santos MAPData A parametrização quando possível já é uma forma de otimizar o processo de criação na engenharia.

Leia mais

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 1 - Inicialmente, na Barra de Camadas clique no ícone (Gerenciador de Propriedades da Camada), para configurar o estilo de camada: 2 - Na caixa de

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

GTDC. Monitor GTDC Web v 3.0

GTDC. Monitor GTDC Web v 3.0 GTDC Monitor GTDC Web v 3.0 Créditos Criação, Formatação e Revisão Documentação Colaboração Antonio Carlos Freire Rainho Fernando Hirata Marcelo Galhardo Marcos Lazarini Dados Técnicos Número de Revisões:

Leia mais

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1

2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 1 2015 GVDASA Sistemas Suprimentos 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007.

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Relatório do GPES Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Objetivo O objetivo desse relatório é expor alguns padrões de interface para Web que foram definidos pela Coleção

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Corrente elétrica 6 Descargas elétricas 6 Unidade de medida da intensidade de corrente elétrica 8 Cargas que se movimentam 10 Corrente contínua 10 Resistência elétrica 11 Origem da

Leia mais

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO 10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO UMA DAS GRANDES FUNÇÕES DA TECNOLOGIA É A DE FACILITAR A VIDA DO HOMEM, SEJA NA VIDA PESSOAL OU CORPORATIVA. ATRAVÉS DELA, ELE CONSEGUE

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

Portal de Chamados Softplan Guia prático para abertura de Chamados Perfil 2

Portal de Chamados Softplan Guia prático para abertura de Chamados Perfil 2 Portal de Chamados Softplan Guia prático para abertura de Chamados Perfil 2 Descrição: Guia prático para abertura Responsável: Jailson Martins Revisão: 1.0.1 de Chamados Detalhes: Detalhamento dos passos

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

Atualização, Backup e Recuperação de Software. Número de Peça: 405533-201

Atualização, Backup e Recuperação de Software. Número de Peça: 405533-201 Atualização, Backup e Recuperação de Software Número de Peça: 405533-201 Janeiro de 2006 Sumário 1 Atualizações de Software Recebimento Automático de Atualizações de Software HP...................................

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA AQUISIÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE ÍNDICES AMBIENTAIS. Rafael Ferreira de Paula Paiva.

DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA AQUISIÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE ÍNDICES AMBIENTAIS. Rafael Ferreira de Paula Paiva. DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO WEB PARA AQUISIÇÃO DE DADOS E GERAÇÃO DE ÍNDICES AMBIENTAIS Rafael Ferreira de Paula Paiva Felipe Cavalaro Universidade São Francisco rafaelferreirad@hotmail.com Resumo:

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Guia do Professor Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Introdução As pessoas com Deficiência Mental apresentam limitações no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo manifestos

Leia mais

Manual do Usuário. Protocolo

Manual do Usuário. Protocolo Manual do Usuário Protocolo Índice de capítulos Parte I - Processos............................... 01 1 - Buscar................................ 01 2 - Listar................................ 02 3 - Abertura..............................

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Gestão Unificada de Recursos Institucionais GURI

Gestão Unificada de Recursos Institucionais GURI Documentação de Sistemas Gestão Unificada de Recursos Institucionais GURI Módulo de Protocolo Versão 1.17.0 Última revisão: 26/11/2015 2015 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2.

1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. 1. Introdução pág.3 2. Apresentação do sistema Joomla! pág.4 3. Acessando a administração do site pág.4 4. Artigos 4.1. Criando um Artigo 4.2. Editando um Artigo 4.3. Excluindo um Artigo 4.4. Publicar

Leia mais

Medidor Powersave V2 USB

Medidor Powersave V2 USB Medidor Powersave V2 USB O medidor é formado por uma caixa plástica contendo uma placa eletrônica, uma tomada macho, uma tomada fêmea, um conector H, um barramento lateral, um conector USB e leds indicativos.

Leia mais

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos

Esse produto é um produto composto e tem subprodutos Indústria - Cadastro de produtos O módulo indústria permite controlar a produção dos produtos fabricados pela empresa. É possível criar um produto final e definir as matérias-primas que fazem parte de

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

Atualizações de Software Guia do Usuário

Atualizações de Software Guia do Usuário Atualizações de Software Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas registradas da Microsoft Corporation nos EUA. Aviso sobre o produto

Leia mais

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos PowerPoint 2003 Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos Introdução Utilizamos o PowerPoint para serviços de criação de apresentações diversas.

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Manual de Instalação SIM/SINASC

Manual de Instalação SIM/SINASC Manual de Instalação SIM/SINASC Agosto/2009 Versão 2.2 Índice CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO 02 - PERFIL DO HARDWARE... 5 CAPÍTULO 03 INSTALADOR SIM SINASC 2.2... 6 CAPÍTULO 04 - MODO DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

Capítulo 13 Pastas e Arquivos

Capítulo 13 Pastas e Arquivos Capítulo 13 Pastas e Arquivos À medida que a tecnologia avança, os dispositivos móveis vão ganhando cada vez mais funções e características que antes só pertenciam aos computadores pessoais. Com a expansão

Leia mais

Histórico de Revisão. Controle de Distribuição

Histórico de Revisão. Controle de Distribuição Manual Versão 3.1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Criação do documento. Controle de Distribuição Meio Distribuição Localização Eletrônico Disponível para download http://www.crmjustica.com.br/manual_geral.pdf

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 -

Guia do Usuário. idocs Content Server v.2.0-1 - Guia do Usuário idocs Content Server v.2.0-1 - 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 4 Inicializando a aplicação... 6 Ambiente... 7 Alterando o ambiente... 8 Senhas... 10 Alterando senhas... 10 Elementos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ª Série Programação Estruturada I A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Contas a Pagar: Pagamento de Contas. Este procedimento descreve como realizar o pagamento de contas e a definição das regras que envolvem o processo.

Contas a Pagar: Pagamento de Contas. Este procedimento descreve como realizar o pagamento de contas e a definição das regras que envolvem o processo. Contas a Pagar: Pagamento de Contas Este procedimento descreve como realizar o pagamento de contas e a definição das regras que envolvem o processo. PAGAMENTO DE CONTAS ACESSOS: Corporativo / Financeiro

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática ALOCAÇÃO INTERATIVA DE PROFESSORES, DISCIPLINAS E SALAS DO CIn Márcio Barbosa de Oliveira Filho Orientadora: Katia Silva Guimarães Recife, Outubro

Leia mais