Introdução 2. Apresentação da Organização Receptora 5. Apresentação do Tutor 12. Objectivos de Estágio 13. Período de Permanência 14

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução 2. Apresentação da Organização Receptora 5. Apresentação do Tutor 12. Objectivos de Estágio 13. Período de Permanência 14"

Transcrição

1 Relatório de Estágio Curricular 1 ÍÍndi ice Índice 1 Introdução 2 Apresentação da Organização Receptora 5 Apresentação do Tutor 12 Objectivos de Estágio 13 Período de Permanência 14 Apresentação da Metodologia Cliente Amigo 15 A Implementação desta Metodologia num Cliente em Particular a Staples Office Centre _ 19 Quem é o Cliente Staples Office Centre? 24 Actividades Desenvolvidas Fase 1 27 Fase 2 29 Fase 3 30 Fase 4 43 Competências Adquiridas/Melhoradas e Aprendizagens Efectuadas 44 Dificuldades Sentidas 47 Inovações Sugeridas 48 Conclusão 50 Leituras Realizadas 52 Anexos 54

2 Relatório de Estágio Curricular 2 IInttrodução Este relatório constitui uma descrição das actividades e funções por mim exercidas durante o meu estágio curricular cuja duração foi de 4 meses (de 2 de Março a 30 de Junho) e teve como organização receptora uma conceituada empresa de consultoria a SDO Consultoria. Este estágio teve o intuito de desenvolver competências próprias e complementares à minha Licenciatura em Sociologia (Económica, das Organizações e das Inovações). Tive a possibilidade de realizar actividades inseridas num projecto real: Projecto Cliente Amigo 2005 Objectivo Vendas! exercendo a função de Cliente Amigo, de modo a ficar habilitada para o exercício futuro de uma actividade profissional dentro da área do Atendimento, Serviço e Vendas. Este projecto esteve relacionado com um cliente da SDO em particular a Staples Office Centre de Portugal. Dentro das duas opções de escolha concedidas pela Faculdade Estágio Curricular ou Projecto de Investigação optei pela primeira como uma forma de facilitar a passagem gradual do sistema educativo para uma inserção na vida laboral. Foi uma forma de experienciar uma vivência relacionada com o real mercado de trabalho e uma forma de adquirir competências pessoais e profissionais que me vão ajudar no meu percurso profissional independentemente da função que venha a ocupar. Uma chance de ingressar numa empresa sólida e ter uma oportunidade de formação e de desenvolvimento pessoal e profissional. O estágio decorreu na perfeita normalidade, tendo as duas partes envolvidas, eu e a organização receptora, cumprido na totalidade os deveres a que nos comprometemos e os objectivos propostos no Plano de Estágio (Anexo I). Alerto desde já para a importância do sigilo e discrição relativamente a toda a informação contida neste documento de acordo com os normativos e regras em vigor na empresa que me acolheu. Considero importante também introduzir umas notas relativamente ao contexto actual e à importância do projecto em que me inseri para responder às contingências do mercado. Torna-se prioritário, cada vez mais, as empresas assumirem um modelo de gestão de desenvolvimento estratégico dos seus recursos humanos, tomando-os, efectivamente, como um factor estratégico que deve ser sujeito a uma atenção redobrada e a um investimento contínuo.

3 Relatório de Estágio Curricular 3 Como Pumbley assume são as pessoas que formam as empresas (...) são o fluido vital de qualquer empresa e constituem o seu activo essencial. Delas depende tudo o resto. (PUMBLEY, 1991:11) Para crescer e vingar, a empresa tem que dispor dos colaboradores mais adequados, dotá-los das competências mais importantes e motivá-los para prosseguir num bom caminho. O capital humano das organizações deve ser valorizado. É fundamental reconhecer que a pessoa é uma célula da empresa. Por conseguinte, torna-se cada vez mais importante aceitar que...não basta dispor da mais avançada tecnologia, de uma sólida base financeira onde se não forem sustentadas por uma força de trabalho motivada com um perfil de aptidões virado para o futuro.... (CAMARA et al, 1997:33) Num mundo em constante mutação e para enfrentar o futuro, os profissionais de venda devem preparar-se para novos desafios e desenvolver novas aptidões pessoais e profissionais para conseguirem ser bem sucedidos. Num mercado como o actual, em que a concorrência é cerrada e em que os produtos, as marcas, preços e até mesmo a qualidade são tão semelhantes, é no atendimento e prestação de serviços ao Cliente que as empresas podem e devem marcar a diferença. Um serviço e um atendimento personalizado e competente é a chave para o sucesso e distinção. E neste caso, a Staples Office Centre (cliente directo da SDO Consultoria e para o qual trabalhei) tem tido sempre em mente que a primeira coisa a que o Cliente tem direito é à qualidade e esta começa pelo atendimento. Qualquer Cliente escolhe as empresas e estabelecimentos comerciais onde é bem atendido em contraposição àqueles em que o atendimento não é tão bom. Daí a aposta desta empresa na formação contínua dos seus colaboradores nesta área para atingir um atendimento ao Cliente de excelência. Tudo isto porque, para além da concorrência cada vez mais feroz, também o Cliente está mais esclarecido e informado, mais exigente na forma como é tratado, conhece os seus direitos, tem novos hábitos, gosta de conhecer a concorrência para melhor decidir e tem expectativas muito elevadas. Posso apresentar quatro acontecimentos que decididamente marcaram a mudança do mercado e dos hábitos de consumo dos clientes; sejam o desenvolvimento da indústria de serviços, o aumento da concorrência, maior esclarecimento dos clientes e o facto do serviço ao cliente ter passado a constituir um valor económico. A Staples Office Centre aposta na formação contínua dos seus colaboradores, para que se encontre nas suas lojas um atendimento de qualidade com vários funcionários disponíveis e devidamente

4 Relatório de Estágio Curricular 4 formados, para sugerirem aos seus clientes os melhores produtos e soluções à medida das suas necessidades, de uma forma personalizada e profissional. São vários os sectores de actividade nos quais é adoptada esta postura por parte das organizações (banca, seguros, comunicações, distribuição, energia, transportes e saúde). Já se verifica, há algum tempo, em muitas empresas nacionais, esta orientação para o Cliente. A Administração Pública constitui um caso particular, só recentemente começou a ver os cidadãos como clientes com necessidades e a quem devem prestar serviços de qualidade. Neste caso concreto, torna-se prioritário a cada vez maior institucionalização de boas práticas relacionadas com a melhoria do atendimento aos Utentes e uma orientação para a satisfação das suas necessidades; estreitar as relações entre a administração e os cidadãos; promover a confiança dos utentes; fomentar uma sensibilidade de orientação para o Cliente/Utente. Considero que o caso singular da Administração Pública é muito complexo e que seria primordial a aplicação de auditorias individuais como realizei, como forma de aumentar consideravelmente os índices de satisfação por parte dos cidadãos, mas também de produtividade.

5 Relatório de Estágio Curricular 5 Apresenttação da Organização Recepttora A empresa na qual desenvolvi o meu estágio curricular foi a. Com sede em Lisboa desenvolve soluções de Recursos Humanos e de Negócio, tal como sugere a sua designação Sociedade para o Desenvolvimento das Organizações -. A missão declarada da SDO é Desenvolvemos competências nas pessoas e nas organizações 1. Com 15 anos de experiência em Portugal, cresceu de forma sustentada, valorizando a qualificação da sua equipa de colaboradores e a aprendizagem contínua como uma das suas maiores vantagens competitivas. Esforçando-se sempre por manter permanentemente altos níveis de qualidade e com uma absoluta garantia de credibilidade. Trata-se duma empresa em que se valorizam os desafios, o conhecimento, as pessoas, a confiança, os compromissos e as soluções individualizadas. Tem como objectivo primordial criar soluções individuais para cada um dos seus Clientes, mantendo com eles uma relação de parceria baseada na confiança, no respeito e na competência. Valores que me foram transmitidos desde o primeiro instante na empresa. Predispõe-se a obter resultados que passam por pessoas a pensar e a executar a estratégia, uma liderança e gestão eficaz dos processos, motivação e resultados, o desenvolvimento de competências, uma melhoria do desempenho global e a mudança. Para cumprir estes objectivos a SDO impõe a si própria e a todos os seus colaboradores uma conduta ética e responsável, confidencialidade absoluta e respeito completo pelos seus Clientes. Isto porque é assente na SDO que a confiança é a chave do sucesso. Estrutura Organizacional É sabido que a estrutura influencia todo o funcionamento de uma organização, pois pode constranger o comportamento desta e daqueles que a ela pertencem. 1 De acordo com o site da empresa (www.sdoconsultoria.com).

6 Relatório de Estágio Curricular 6 Através da sua análise podemos perceber as relações formais existentes, o agrupamento dos indivíduos por departamentos, as formas de relação entre serviços, o desenho dos sistemas que asseguram a comunicação, o trabalho e a coordenação entre estes. Ao observar a realidade organizacional da SDO Consultoria posso afirmar que não se trata de uma organização complexa. Não denoto um elevado número de graus hierárquicos, o que se traduz num reduzido grau de formalismo. Salta à vista o facto de se tratar duma estrutura bastante horizontal. O organograma permite ainda perceber o elevado grau de polivalência que prevalece na empresa. Podendo o mesmo colaborador desenvolver funções nas diversas áreas de actividade. Ver: Organograma da SDO Consultoria Anexo II. Recursos Humanos O perfil dos seus colaboradores assenta em profissionais que evidenciam uma forte orientação para o Cliente e com uma excelente capacidade de comunicação. A SDO Consultoria conta com 21 colaboradores efectivos e cerca de 15 associados, ou seja, funcionários externos. No seguinte quadro apresento os níveis de qualificação profissional dos referidos colaboradores efectivos da empresa: Nível de Qualificação Profissional Nº de colaboradores Secundário 2 (pessoal de apoio) Licenciatura 11 Pós-Graduação 5 M.B.A ou Mestrado 3 Se atentarmos ao quadro apresentado podemos efectivamente concluir que a maioria dos colaboradores da empresa são profissionais altamente qualificados. Acrescento ainda, o facto da SDO Consultoria apostar fortemente na formação permanente dos seus colaboradores, procurando alcançar uma maior mobilidade e flexibilidade profissionais bem como a polivalência.

7 Relatório de Estágio Curricular 7 A SDO Consultoria desenvolve a actividade de consultoria nas seguintes áreas de intervenção: consultoria, recrutamento e selecção e formação, sendo nesta última que integrei no decurso do Estágio Curricular. Breve Caracterização das Actividades Desenvolvidas pela SDO Para cada uma das áreas, a SDO Consultoria possui abordagens metodológicas amplamente testadas e utilizadas que são adaptadas às necessidades específicas de cada Cliente, individualmente. A adopção de uma abordagem claramente orientada para a obtenção de resultados tangíveis tem vindo a possibilitar à SDO construir relações de longo prazo e baseadas na confiança com os seus Clientes. Actividade 1 - recrutamento e selecção Estando bem assente que É nas pessoas que está o potencial da Empresa 2, torna-se fundamental recrutar a pessoa certa. É esta a postura assumida pela SDO. Os processos de Recrutamento e Selecção são focalizados nos objectivos que uma determinada admissão visa cumprir. A SDO avalia para além das competências nucleares da função, as competências comportamentais e aprecia cuidadosamente o grau de adequação dos candidatos à cultura organizacional dos seus Clientes. A SDO preocupa-se em procurar os profissionais certos para o ambiente particular de cada organização. Actividade 2 - assessment e development centers A SDO entende os Assessment e Development Centers como ferramentas essenciais no desenvolvimento de cada colaborador. Para tal desenvolve os processos adequados às competências e à estratégia dos seus Clientes. Cuida de cada participante, orienta o seu desenvolvimento e 2 De acordo com o site da empresa (www.sdoconsultoria.com).

8 Relatório de Estágio Curricular 8 promove o feedback objectivo. Procura as opções de desenvolvimento mais eficazes para cada organização. Actividade 3 - Desenvolvimento de líderes A SDO concebe e implementa programas que promovam o auto-conhecimento, desenvolvam a liderança e abordem os desafios que os líderes encontram nas organizações. Como exemplos de Programas temos: liderar na incerteza; liderar e gerir projectos; coaching; liderança pessoal; gestão de performance; liderança de equipas. Actividade 4 - mudança organizacional A SDO cria e desenvolve programas integrados e instrumentos para liderar a mudança. Estes programas são desenvolvidos segundo várias etapas: dar direcção (mudança, visão, missão e objectivos); envolver e comprometer a organização; atingir resultados; criar processos e sistemas que consolidem resultados e enraízem a mudança. A SDO entrega resultados e compromete-se profundamente nos objectivos. Envolve e responsabiliza as pessoas para obter o compromisso de toda a organização. Actividade 5 - desenvolvimento de equipas Os programas de desenvolvimento de equipas da SDO permitem: alterar percepções, desenvolver a visão sistémica sobre a realidade e os desafios, melhorar a forma como as equipas interagem e atingem objectivos e tornar as equipas mais eficientes e eficazes. As metodologias da SDO visam melhorar os resultados que as equipas são capazes de entregar. São desenvolvidos programas indoor/outdoor respeitante a várias temáticas, sejam: Team Building, Team Learning e Winning Teams. Actividade 6 - business solutions

9 Relatório de Estágio Curricular 9 Nesta área, a empresa cria e implementa programas integrados e instrumentos para liderar a mudança; reduzir custos; melhorar a performance; gerir a organização; e, desenvolver pessoas. Nomeadamente programas como: Liderar a Mudança Desempenho e Recompensas Desenho Organizacional Gestão de Conhecimento Actividade 7 - formação (desenvolvimento pessoal e de competências) Trata-se duma das áreas mais importantes e na qual mais aposta a empresa. A SDO persegue o desafio de alterar predisposições e hábitos de trabalho profundamente enraizados, colocar o objectivo e o desejo da aprendizagem no próprio indivíduo e aumentar e gerar o conhecimento nuclear à Organização. E deste modo contribui para o desenvolvimento das pessoas e de competências com novos desafios em novos contextos e novos modelos mentais, técnicas de responsabilização individual, introdução de novos conceitos e treino de competências. Conduz cursos (indoor/outdoor) sobre as seguintes temáticas: Gestão e eficácia pessoal Inteligência emocional Criatividade Apresentações eficazes Negociação e persuasão Consultant Skills Reuniões eficazes Formação de formadores Entrevista de Selecção Actividade 8 - atendimento, serviço e vendas A SDO concebe e implementa programas que ajudam as organizações a executar a sua estratégia de relação e de serviço ao cliente. Sugerindo formas eficientes de comunicar e de interagir com o cliente e promovendo o desenvolvimento das atitudes e dos comportamentos mais adequados.

10 Relatório de Estágio Curricular 10 Procura incrementar estratégias, que ao serem bem sucedidas, se traduzem em resultados imediatos nas vendas, na promoção dos produtos e dos serviços e na imagem da organização. Para tal concebe Programas como: atendimento pessoal e telefónico, serviço de excelência, venda, gestão emocional de reclamações e cliente mistério. Foi nesta área de actividade que se integrou a minha intervenção na empresa que passarei a descrever mais pormenorizadamente adiante. Actividade 9 - consultoria de gestão A SDO propõe uma abordagem estruturada e pensada para gerar melhorias contínuas no desempenho das Organizações em termos de custos, qualidade do serviço e capacidade de resposta, actuando em diferentes dimensões, garantindo sempre o sucesso da implementação. Deste modo trabalha em várias vertentes: Adequação da Estrutura Organizacional à Estratégia de Negócio - Reengenharia da cadeia de valor - Desenho da nova estrutura organizacional - Definição de funções e adequação de perfis Redução de Custos e Optimização da Organização - Optimização de processos e procedimentos - Concentração e externalização de actividades - Definição de políticas de compras e fornecedores - Business Solutions Program Implementação de Sistemas de Gestão por Objectivos - Estabelecimento de objectivos e sua monitorização - Concepção e implementação de Balanced Score Cards - Desempenho e recompensas Optimização dos Sistemas de Informação - Alinhamento estratégico dos Sistemas de Informação

11 Relatório de Estágio Curricular 11 - Apoio independente na selecção de novos SI - Optimização dos SI existentes Gestão de Projectos Complexos - Acompanhamento e reporting - Envolvimento e motivação de equipas - Gestão da comunicação e formação

12 Relatório de Estágio Curricular 12 Apresenttação do Tuttor Tutora: Dra. Sandra Lourenço Responsável pela área de Formação em Atendimento ao Cliente, Serviço e Vendas na SDO Consultoria. Contactos: SDO Consultoria Av. Engº Duarte Pacheco Amoreiras Torre 1, 8º Andar, salas 3/4/ Lisboa Outros orientadores no decorrer do estágio: - Drª Joana Russinho - Drª Mafalda Pereira - Dr. João Lacerda

13 Relatório de Estágio Curricular 13 Objecttiivos de Esttágiio Articulação entre o sistema educativo e o sistema de inserção profissional. Finalizar a licenciatura em Sociologia, mediante uma aproximação inicial ao mundo laboral, baseada numa observação directa e no desenvolvimento de habilidades no que respeita à área de especialização em Sociologia Económica, das Organizações e da Inovações. Aplicar no domínio organizacional, os conhecimentos adquiridos na formação académica. Tomar consciência da realidade do mundo laboral e organizacional, mediante a integração na cultura e práticas organizacionais, bem como num projecto real em curso. Desenvolver competências próprias e complementares à formação em Sociologia mais especificamente na área Económica, das Organizações e das Inovações. Adquirir experiência que potencie uma futura integração no mercado de trabalho a partir duma efectiva transferência de competências adquiridas no curso para aplicações organizacionais. Exercício de actividades inseridas no âmbito da licenciatura em Sociologia (Económica, das Organizações e das Inovações) de modo a ficar melhor habilitada para o exercício futuro de uma actividade profissional nesta área.

14 Relatório de Estágio Curricular 14 Perííodo de Permanência (IIní íciio e Fiim) O Estágio Curricular teve a duração de 4 meses e decorreu no seguinte período: Início - 02 Março 2005 Fim - 30 Junho 2005 Durante o mês de Fevereiro teve decurso o período prévio de Formação e Enquadramento na Função (Formação em Sala e On The Job).

15 Relatório de Estágio Curricular O que é a Mettodol logia Clientte Amigo? Apresenttação da Mettodollogi ia Cliente Amigo O Cliente Amigo é uma metodologia de formação que recorre a um grupo de consultores que assumem a postura de Clientes não identificados, sendo o objectivo principal elaborar uma análise da qualidade do Atendimento ao Cliente, Serviço e Vendas. O Cliente Amigo é uma equipa de 3 a 5 Clientes Amigos que realizam uma avaliação qualitativa do serviço prestado ao cliente da empresa que procura os serviços da SDO Consultoria. O que os distingue dos Clientes comuns é o facto de terem uma formação específica e perfil adequado que permite avaliar certos pormenores com menos visibilidade na óptica de um Cliente vulgar. Trata-se duma metodologia que, recorrendo a compradores não identificados, permite diagnosticar os aspectos positivos e negativos dum determinado serviço. Não constitui de maneira alguma uma forma de controlo dos colaboradores da empresa-cliente com repercussões negativas, mas sim como um instrumento de aperfeiçoamento dos serviços prestados ao Cliente. E é neste ponto que reside a diferença primordial entre a metodologia do Cliente Amigo e a do Cliente Mistério. Isto porque a primeira é uma ferramenta de formação e não de avaliação. O objectivo é exactamente aumentar as vendas e promover um atendimento e serviço ao cliente de excelência, identificando necessidades de formação e definindo estratégias de fidelização de clientes. Trata-se de uma avaliação qualitativa do atendimento em que são analisados, de um modo geral: a apresentação e postura dos colaboradores; a hospitalidade; o profissionalismo; o cumprimento das normas de atendimento; a rapidez de prestação de serviço; as técnicas de venda; a capacidade de resolução de problemas e objecções; e, cross-selling. Enfim, tudo aquilo que influência a fidelização do cliente.

16 Relatório de Estágio Curricular 16 Só recorrendo a uma metodologia deste género é possível saber se os colaboradores de uma determinada empresa estão a fazer todos os esforços para reter e angariar novos Clientes, se dão as explicações/informações adequadas ao que o Cliente pretende, se estão a oferecer produtos/serviços complementares e se estão efectivamente a corresponder às expectativas dos Clientes. Trata-se de uma metodologia que, no caso do meu estágio, foi aplicada a um cliente particular a Staples Office Centre. Contudo, poderá ser utilizada em qualquer área de actividade em que se preste um serviço ao cliente (banca, seguros, comunicações, distribuição, energia, transportes, saúde). Adapta-se perfeitamente às necessidades actuais das organizações, que revelam uma constante preocupação relativamente à qualidade no serviço. Ajuda precisamente a perceber onde se pode melhorar e marcar a diferença no serviço que é prestado aos seus clientes. As organizações podem aumentar a sua eficácia total se tiverem um conhecimento objectivo da sua posição actual no mercado, dos seus pontos fortes e das suas áreas de melhoria. O processo do Cliente Amigo descorre em 4 fases, sendo elas: 1º Apresentação do Projecto pela SDO Consultoria à empresa cliente 2º Visita do Cliente Amigo à Loja 3º Tratamento dos Resultados obtidos 4º Formação aos Colaboradores. Os Procedimentos do Cliente Amigo da Venda 1º O Cliente Amigo visita a loja 2º O Cliente Amigo preenche uma grelha de observação, com base em situações previamente definidas relacionadas como o Serviço/Venda 3º O Cliente Amigo elabora a Carta do Cliente Amigo, baseada numa matriz definida que será posteriormente enviada ao colaborador analisado

17 Relatório de Estágio Curricular 17 Fase 1. Visita às Lojas - o Cliente Amigo, tendo na sua posse o organograma da loja (disponibilizo um exemplo para consulta no Anexo III) onde consta o nome e secções de todos os funcionários, visita as lojas sem qualquer aviso prévio, com o propósito de analisar a prestação de atendimento de todos os colaboradores para posteriormente emitir os relatórios individuais onde constará a avaliação qualitativa do desempenho de cada um. Fase 2. Preenchimento da Grelha de Observação - após ter analisado o atendimento, o Cliente Amigo preenche uma grelha de observação por cada colaborador na qual constam todos os momentos de atendimento e as várias etapas a eles associados. Nesta grelha são apontados, objectiva e imparcialmente, as etapas cumpridas com êxito e as não cumpridas. - depois de preencher a grelha, o Cliente Amigo procede à sua cotação recorrendo a um esquema de cotações previamente definido (pela SDO e a empresa Cliente, conjuntamente). E do resultado desta cotação resultará uma cor (verde, amarelo ou vermelho) que traduzirá qualitativamente o tipo de atendimento que foi prestado. Fase 3. Carta Cliente Amigo a enviar ao Colaborador A carta do Cliente Amigo deverá conter: - a descrição da situação de atendimento observada/vivenciada - é personalizada para cada colaborador - identifica objectivamente as dificuldades e ajuda a corrigir os pontos fracos Salienta os aspectos positivos (o que o colaborador fez bem), os aspectos negativos (o que o colaborador fez mal) e dá sugestões (como corrigir e melhorar o seu desempenho). Tendo, obrigatoriamente, que espelhar a grelha de observação preenchida.

18 Relatório de Estágio Curricular 18 1ºParte da Carta - DESCRIÇÃO / CONSTATAÇÃO da situação de atendimento + SENTIMENTO (o que o Cliente sentiu no decorrer do atendimento) 2ºParte da Carta SUGESTÕES DE MELHORIA de desempenho Dependendo da já referida cotação da Grelha de Observação, as cartas poderão ter três cores: Carta do Cliente Amigo Verde (o cliente amigo considerou que o atendimento foi muito satisfatório) Carta do Cliente Amigo Amarelo (o cliente amigo considera que o colaborador sabe fazer melhor) Carta do Cliente Amigo Vermelho (o cliente amigo esperava um desempenho muito melhor do colaborador, não tendo ficado satisfeito)

19 Relatório de Estágio Curricular 19 A IImpl lementtação destta Mettodol logia num Clientte em partti icular a Sttapl les Offffi ice Centtre Cliente Amigo 2005: Objectivo Vendas! O recurso a esta metodologia foi uma forma encontrada pela SDO de continuar uma intervenção que se iniciou em 2002, sempre inovando e correspondendo às necessidades do seu Cliente a Staples Office Centre. O projecto Cliente Amigo da Venda Staples é um projecto de grande dimensão, a nível nacional, relacionado com a temática do Atendimento ao Cliente, Serviço e Venda. A ideia basilar é a realização de uma avaliação qualitativa do serviço prestado ao Cliente Staples. Neste projecto em particular, a equipa de Clientes Amigos foi constituida por mim e outras duas estagiárias também da Licenciatura em Sociologia da Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Enquadramento: A SDO Consultoria como fornecedora de serviços da Staples Processo Estruturado de Atendimento e Venda Staples Office Centre De 2002 a 2004, os Objectivos da SDO e da STAPLES, que foram amplamente superados, foram os seguintes: - Orientar para o Cliente - Definir o modelo de Atendimento e Venda Staples - Diagnóstico de Competências - Desenvolvimento de uma atitude de excelência no serviço ao Cliente Objectivos estes que foram sendo conseguidos apartir duma série de projectos levados a cabo e que passo a apresentar brevemente de seguida: Projecto 2002 Assente num módulo: Módulo 1 Formação Inicial de Atendimento

20 Relatório de Estágio Curricular 20 Metodologia utilizada: Formação em sala e on the job Houve muita resistência no início, mas a SDO conseguiu ganhar a confiança dos colaboradores da Staples para o desenvolvimento de acções posteriores. Projecto 2003 Assente em três módulos: Módulo 1 Formação Inicial de Atendimento Módulo 2 Reciclagem e início de Formação em Técnicas de Venda Módulo 3 Técnicas de Venda e Consolidação Metodologia utilizada: Formação em sala e on the job Projecto 2004 (um ano decisivo) Foi introduzida a metodologia Cliente Amigo cujo conceito de aplicação já apresentei anteriormente. Projecto 2005: Objectivo - Vendas! Neste caso, o objectivo primordial tornou-se desenvolver competências na área de vendas e tornar a STAPLES uma referência ao nível de: boas práticas de atendimento; atitude comercial; e, proactividade na venda. Tendo sempre como base estimular a implementação dos conhecimentos adquiridos; responsabilizar cada colaborador; e, desenvolver e corrigir. Apresentação das Etapas do Projecto em que participei exercendo a função de Cliente Amigo Trata-se dum projecto anual dividido em dois semestres. Sendo o primeiro destinado a desenvolver competências na área da Venda Planeada e o segundo na área da Venda Sugestiva. Tendo sempre como base os objectivos que anunciei anteriormente.

21 Relatório de Estágio Curricular 21 1º Semestre (de Janeiro a Julho de 2005) Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 6 Formação Coaching em Vendas Destinatários: Gerentes, Subgerentes e Técnicos especializados de cada secção Formação em Venda Planeada Destinatários: Operadores, Técnicos especializados de cada secção e Subgerentes Cliente Amigo da Venda 1ª Vaga Avaliação Formação On The Job em Venda Planeada Destinatários: Operadores, Técnicos especializados de cada secção e Subgerentes Gestão e Acompanhamento do Projecto Etapa 5 Relatórios de Desenvolvimento Profissional * Fase do projecto em que me inseri 2º Semestre (de Setembro a Novembro de 2005) Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 5 Formação em Venda Sugestiva Destinatários: Operadores, Técnicos especializados de cada secção e Subgerentes Cliente Amigo da Venda 2ª Vaga Avaliação Formação On The Job Venda Sugestiva Destinatários: Operadores, Técnicos especializados de cada secção e Subgerentes Gestão e Acompanhamento do Projecto Etapa 4 Relatórios de Desenvolvimento Profissional Os Procedimentos do Cliente Amigo Staples Office Centre 1º passo: Visita à Loja Operacionalização das visitas do Cliente Amigo à Staples Office Centre:

22 Relatório de Estágio Curricular 22 As 15 lojas Staples Office Centre foram agrupadas em 3 grandes pólos: Lisboa, Centro/Sul e Norte. Pólo de Lisboa: Lojas de Cascais, Olivais, Alfragide, Sintra e Vila Franca de Xira. Pólo Centro/Sul: Lojas de Leiria, Aveiro, Caldas da Rainha e Faro. Pólo Norte: Lojas de Vila Nova de Gaia, Circunvalação, Matosinhos, Guimarães, Braga e Viana do Castelo. As secções formadas foram a Frente Loja, o Centro de Cópias, o Mobiliário, a Informática e a Papelaria. A população alvo do Cliente Amigo foram os operadores, técnicos especialistas, subgerentes e gerentes das referidas secções. As visitas foram realizadas sem qualquer aviso prévio e houve sempre a preocupação do Cliente Amigo não ser reconhecido em nenhuma das lojas pois isso poderia colocar em causa a credibilidade e coerência do projecto. Para não ser reconhecida, tive sempre em mente que estava a ser observada pelos colaboradores e ter em atenção que a imagem faz a diferença, ou seja, a importância de fazer alterações no meu visual (trocar de roupa, alterar acessórios). Nas visitas às lojas é importantíssimo abusar da discrição. Cada Cliente Amigo teve, com algumas excepções, um turno em sistema rotativo, para que o mesmo Cliente Amigo não repetisse o mesmo turno dos colaboradores em dias seguidos. Por exemplo: segunda terça quarta quinta sexta Manhã CA1 CA2 CA3 CA1 CA2 Tarde CA2 CA3 CA1 CA2 CA3 Noite CA3 CA1 CA2 CA3 CA1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas -

Os 7 Pilares da Gestão - Ciclo de Workshops Qualidade da Gestão nas PMEs Portuguesas - Vários estudos provam que a Gestão de Recursos Humanos é a área mais problemática nas organizações e a que consome grande parte do tempo do empresário. Por outro lado, a área da inovação e do Marketing

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações

O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações O Quadro Nacional de Qualificações e a sua articulação com o Quadro Europeu de Qualificações CENFIC 13 de Novembro de 2009 Elsa Caramujo Agência Nacional para a Qualificação 1 Quadro Europeu de Qualificações

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE

PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE PSICOLOGIA (CEF) - PLANIFICAÇÃO MÓDULO 1 - CRESCER E DESENVOLVER-SE COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ACTIVIDADES/ - Apresentar comportamentos que promovam um melhor crescimento saudável de si, dada a compreensão

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança

V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança V Jornadas de Assumar Qualidade em saúde mental: A gestão, a promoção e as parcerias para a mudança As parcerias e as suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança O olhar da

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2015 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 9 Formação em Qualidade Pág. 13 Formação

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Guia do Formador drmadorr1manda. Aprender a Relação Humana ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Aprender a Relação Humana Autor: Micaela Ramos Título: Aprender a Relação Humana Coordenação da Mala Formativa:

Leia mais

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS

POWER-RH. organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS POWER-RH Gestão estratégica a de mudança organizacional e individual - OS NOSSOS SERVIÇOS PARA EMPRESAS - A Power-rh Somos peritos em gestão estratégica de mudança organizacional e desenvolvimento humano.

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2016 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 11 Formação em Qualidade Pág. 15 Formação

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO

ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO ÁREA COMERCIAL ATENDIMENTO PESSOAL E TELEFÓNICO Como entusiasmar clientes pela forma de atender? Desenvolver competências técnicas e relacionais que potenciem a angariação e satisfação de clientes. Atendimento

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública

A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública A Gestão de Competências na Modernização da Administração Pública 4º Congresso Nacional da Administração Pública 2 e 3 Novembro de 2006 José Alberto Brioso Pedro Santos Administração Pública Contexto Perspectiva

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO

AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO AUTO-REGULAÇÃO - UMA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS COMUNS E NORMAS DE BOAS PRATICAS DE ACTUAÇÃO 1. A auto-regulação da publicidade é a resposta da indústria publicitária ao desafio de lidar com as questões

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

SMARTCALL. Apresentação

SMARTCALL. Apresentação SOBRE A SMARTCALL SMARTCALL Apresentação A SmartCall desenvolve serviços inovadores direccionados para a dinamização do relacionamento das empresas com os seus clientes e a criação de novas oportunidades

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA

EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY PROPOSTA FORMAÇÃO FORÇAS DE SEGURANÇA EMOTIONAL BUSINESS ACADEMY MASTER NEGOCIAÇÃO & VENDAS DURAÇÃO: 8H HORÁRIOS: Laboral e Pós Laboral ESTRUTURA DA PROPOSTA 1. Designação das

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais