Plano de Formação de Colaboradores 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Formação de Colaboradores 2014"

Transcrição

1 2014 Plano de Formação de Colaboradores 2014 Avaliação Nível I/II Avaliação da Satisfação e Aprendizagem A avaliação do valor acrescentado pela formação ao desempenho dos colaboradores é cada vez mais importante para qualquer instituição

2 Índice 1 INTRODUÇÃO EXECUÇÃO FÍSICA AVALIAÇÃO CONCLUSÕES... 14

3 1 INTRODUÇÃO Numa realidade cada vez mais concorrencial como a das Instituições Particulares de Solidariedade Social, a FORMAÇÃO DOS COLABORADORES desempenha um papel chave na elevação da imagem de eficiência do sector onde se inserem, devendo funcionar como catalisador para o desenvolvimento e promoção da competitividade local e nacional. Atendendo ao facto da Direção desta instituição estar fortemente comprometida com o desenvolvimento profissional dos seus colaboradores, uma vez que os mesmos constituem o capital mais valioso para a prossecução da missão e visão institucional, o Plano de Formação de Colaboradores do ano 2014 pretendeu dar continuidade ao trabalho formativo desenvolvido por esta APPACDM nos anos transatos. O conjunto de atividades formativas pretendeu dar resposta às necessidades de formação dos colaboradores que foram diagnosticadas através das seguintes medidas: Inquérito por questionário aos colaboradores e seus avaliadores realizados para diagnosticar as necessidades de formação dos colaboradores; Sugestões dos formandos identificadas nos inquéritos por questionário de avaliação das atividades formativas; Sugestões identificadas durante o processo de avaliação de desempenho dos colaboradores; Registos de sugestões enviados ao Gabinete de Formação. As atividades formativas desenvolvidas, quer no âmbito da tipologia de intervenção 2.3 (Formação Modular Certificada) quer no âmbito da tipologia de intervenção 6.4. (Qualidade dos Serviços e Organizações), cofinanciadas pelo Programa Operacional Potencial Humano (POPH) foram pensadas para qualificar os técnicos de reabilitação e outro pessoal e permitir a inclusão de novas metodologias de intervenção na área da deficiência. O plano de formação 2014, constituído por 2 ações de formação; 6 ações de sensibilização e 6 Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD, focalizou diversas áreas, algumas objeto de anteriores formações e que mereceram novamente a nossa atenção e outas inovadoras. Página 3 de 26

4 De referir ainda a abrangência territorial presente neste projeto, pois abrangeu toda a região do Alto Minho garantindo assim a diversificação da proveniência destinatários assim como das respostas sociais a que pertencem. Convém salientar que como AÇÃO DE MELHORIA e indo de acordo com as sugestões apresentadas pelos colaboradores, a Direção apostou fortemente no equilíbrio entre a vida pessoal e o trabalho dos colaboradores, passando a realizar-se e a formação para colaboradores em horário laboral. 2 EXECUÇÃO FÍSICA Durante o ano civil de 2014 foram executadas com sucesso todas as atividades formativas propostas, como se pode verificar no anexo nº AVALIAÇÃO Atendendo a que as ações de formação diferem das ações de sensibilização e das UFCD em termos de critérios de análise e competências a desenvolverem, o processo avaliativo e a respetiva análise da informação também diferiu, tendo os três tipos de ação sido avaliados separadamente. 3.1 AVALIAÇÃO POR PARTE DOS FORMANDOS EM RELAÇÃO ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO FREQUENTADAS: (TIPOLOGIA 6.4) Metodologia de recolha de informação utilizada Foram realizadas duas ações de formação no ano de 2014; Foi realizada a avaliação intermédia da ação, prevista para as ações com 50 horas ou mais de carga horária total, de acordo com o definido do Regulamento Interno de Página 4 de 26

5 Formação de Colaboradores, tendo sido aplicado um inquérito por questionário aos formandos e formadores; Relativamente à avaliação final das ações, foram aplicados inquéritos por questionário de nível 1 (satisfação) e nível 2 (aprendizagens) aos formados e formadores; A estruturação do inquérito incidiu sobre 5 áreas conforme se pode verificar no anexo nº 2; Foram, ainda, contempladas um conjunto de questões abertas que abarcam indicadores que nos permitem avaliar como pretendem os formandos aplicar os conhecimentos; aspetos positivos e negativos e sugestões; Foi aplicada uma escala a 4 níveis: nada; em parte; a maior parte; totalmente; Foi entregue o inquérito por questionário aos 26 formandos, tendo todos sido devolvidos, o que se traduz numa taxa de 100% de resposta; A análise dos questionários teve como base o número de respostas (N=26) Análise e avaliação dos questionários Tal como se tem verificado nos anos anteriores, a satisfação dos formandos em relação às ações de formação em que participam é muito elevada, tendo vindo sempre a aumentar de ano para ano. Assim, relativamente às ações de formação, a satisfação dos formandos ronda os 91% (no ano transato rondava os 88,65%). Salienta-se também que a área que obteve uma média mais elevada pertence do desempenho do formador com uma média acima dos 95%em comparação com os 90% atingidos no ano de Página 5 de 26

6 Avaliação Por Área/Questão O tempo dedicado à exposição prática foi adequado? 93,00% O tempo dedicado à exposição teórica foi adequado? 94,23% A duração da formação permitiu desenvolver todos os pontos do programa? O programa do curso foi cumprido? 93,27% 93,27% Gráfico nº 1 Avaliação Global do Curso Corresponderam às necessidades de formação? 85,58% Foi adequado ao seu nível de conhecimento? 91,35% Os temas têm aplicabilidade na função? 87,50% Os temas tiveram interesse? 90,38% Corresponderam às expetativas inicais? 81,73% Gráfico nº 2 Conteúdos Ministrados O curso permitiu-lhe desfazer algumas dúvidas? O curso permitiu-lhe desenvolver/melhorar novos métodos e técnicas de trabalho? 86,54% 86,54% O curso permitiu-lhe sistematizar conhecimentos? 89,42% O curso permitiu- lhe obter novos conhecimentos? 91,35% Gráfico nº 3 Aprendizagens Página 6 de 26

7 O apoio logístico prestado foi o necessário? A organização da formação foi adequada? As instalações eram adequadas em equipamentos? As instalações eram adequadas em conforto? As instalações eram adequadas em dimensão? Houve diversificação dos suportes utilizados? Os suportos pedagógicos foram os adequados? A documentação entregue foi a adequada? 88,46% 86,54% 84,00% 84,62% 85,58% 85,00% 88,46% 93,00% Gráfico nº 4 Recursos de Apoio Demonstrou interesse pelas dificuldades? Esclareceu dúvidas? Encorajou o debate e partilha de experiências? Incentivou a participação dos formandos? Conseguiu transmitir a informação? Dominava os contéudos programáticos? Foi claro na apresentação dos objetivos? 95,00% 96,15% 96,15% 97,12% 97,12% 97,12% 97,12% Gráfico nº 5 Desempenho do Formador No que se refere às questões abertas verificou-se que os formandos pretendem aplicar os conhecimentos adquiridos quer com os clientes nas atividades aquáticas e ginásio (no caso da formação em Desporto Adaptado) quer aplicando os exercícios apreendidos de Coaching com os clientes e suas famílias (no caso da formação em Coaching Parental), tal como se pode verificar no anexo nº 3. Página 7 de 26

8 Quando questionados sobre os constrangimentos que podem surgir e dificultar a transferência do que aprenderam para o contexto real detrabalho, apenas foi referido o tipo de clientes e suas dificuldades, no caso da ação de formação de Desporto Adaptado. Relativamente aos aspetos mais positivos foi novamente referenciado o desempenho dos formadores e nos aspetos menos positivos a carga horária diária e a altura do ano em que as ações se realizaram (Dezembro). 3.2 AVALIAÇÃO POR PARTE DOS FORMANDOS EM RELAÇÃO ÀS AÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO FREQUENTADAS: (TIPOLOGIA 6.4) Metodologia de recolha de informação utilizada Foram realizadas seis ações de sensibilização no ano de 2014; A avaliação das ações de sensibilização decorreu no final das ações, tendo sido aplicados inquéritos por questionário de nível 1 (satisfação) aos formados e formadores; A estruturação do inquérito incidiu sobre 6 áreas conforme se pode verificar no anexoº2; Foi ainda contemplada uma questão sobre sugestões para próximas ações de sensibilização; Foram aplicadas três tipos diferentes de escalas; Foi entregue o inquérito por questionário aos 87 formandos, tendo sido devolvidos 86 inquéritos, o que se traduz numa taxa de resposta na ordem dos 98%; A análise dos questionários teve como base o número de respostas (N=86) Análise e avaliação dos questionários Tal como realizado no ano transato, a APPACDM continuou a apostar nas AÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO atendendo ao MAIOR ENVOLVIMENTO E ADESÃO POR PARTE DOS COLABORADORES e sobretudo devido às sugestões por parte dos colaboradores de apostarmos em ações de curta duração e práticas. De uma forma geral podemos verificar que os formandos estão satisfeitos com as ações de sensibilização que frequentaram durante o ano de 2014, situando-se a média final em 91%. Página 8 de 26

9 Avaliação Por Área/Questão O tempo dedicado à exposição prática foi adequado? 90,88% O tempo dedicado à exposição teórica foi adequado? 90,41% O programa da ação de sensibilização foi cumprido? 97,94% Gráfico nº 6 Avaliação Global da ação O tema deve ser alvo de ações futuras? Os temas tiveram interesse? 92,31% 92,95% Corresponderam às expetativas inicais? 88,66% Gráfico nº 7 Conteúdos Ministrados Aperfeiçoar técnicas? 90,99% Interiorizar os conhecimentos gerais dos conteudos desta ação? 90,41% Gráfico nº 8 Aprendizagens Página 9 de 26

10 As instalações tinham as condições adequada em termos de equipamentos pedagógicos? 86,92% As instalações tinham as condições adequadas para o desenvolver da ação? 82,53% A organização/planeamento da formação por parte da Coordenação da Formação foi adequada? 89,12% Os suportos pedagógicos foram os adequados? A documentação entregue foi a adequada? 86,18% 87,06% Gráfico nº 9 Recursos de Apoio Facilitou o debate e partilha de experiências? 98,24% Incentivou a participação dos formandos? 97,29% Dominava os contéudos programáticos? 96,73% Gráfico nº 10 Desempenho do Formador Página 10 de 26

11 3.3 AVALIAÇÃO POR PARTE DOS FORMANDOS EM RELAÇÃO ÀS UFCD (UNIDADES DE FORMAÇÃO DE CURTA DURAÇÃO) FREQUENTADAS: (TIPOLOGIA 2.3) Metodologia de recolha de informação utilizada Foram realizadas seis UFCD no ano de 2014; Relativamente à avaliação final das UFCD, foram aplicados inquéritos por questionário de nível 1 (satisfação) e nível 2 (aprendizagens) aos formados e formadores; A estruturação do inquérito incidiu sobre 5 áreas conforme se pode verificar no anexo nº 2; Foram, ainda, contempladas um conjunto de questões abertas que abarcam indicadores que nos permitem avaliar como pretendem os formandos aplicar os conhecimentos; aspetos positivos e negativos e sugestões; Foi aplicada uma escala a 4 níveis: nada; em parte; a maior parte; totalmente; Foi entregue o inquérito por questionário aos 90 formandos, tendo todos sido devolvidos, o que se traduz numa taxa de 100% de resposta; A análise dos questionários teve como base o número de respostas (N=90) Análise e avaliação dos questionários A satisfação dos formandos em relação às UFCD que participaram é muito elevada. Assim, relativamente às ações de formação, a satisfação dos formandos ronda os 93%. Página 11 de 26

12 Avaliação Por Área/Questão O tempo dedicado à exposição prática foi adequado? 92,42% O tempo dedicado à exposição teórica foi adequado? 95,00% A duração da formação permitiu desenvolver todos os pontos do programa? 95,00% O programa do curso foi cumprido? 96,39% Gráfico nº 11 Avaliação Global do Curso Corresponderam às necessidades de formação? 86,94% Foi adequado ao seu nível de conhecimento? 90,83% Os temas têm aplicabilidade na função? 86,65% Os temas tiveram interesse? 95,17% Corresponderam às expetativas inicais? 91,01% Gráfico nº 12 Conteúdos Ministrados O curso permitiu-lhe desfazer algumas dúvidas? 89,49% O curso permitiu-lhe desenvolver/melhorar novos métodos e técnicas de trabalho? 87,22% O curso permitiu-lhe sistematizar conhecimentos? 91,57% O curso permitiu- lhe obter novos conhecimentos? 92,13% Gráfico nº 13 Aprendizagens Página 12 de 26

13 O apoio logístico prestado foi o necessário? A organização da formação foi adequada? As instalações eram adequadas em equipamentos? As instalações eram adequadas em conforto? As instalações eram adequadas em dimensão? Houve diversificação dos suportes utilizados? Os suportos pedagógicos foram os adequados? A documentação entregue foi a adequada? 85,83% 82,87% 84,72% 80,68% 83,43% 86,36% 91,86% 93,06% Gráfico nº 14 Recursos de Apoio Demonstrou interesse pelas dificuldades? Esclareceu dúvidas? Encorajou o debate e partilha de experiências? Incentivou a participação dos formandos? Conseguiu transmitir a informação? Dominava os contéudos programáticos? Foi claro na apresentação dos objetivos? 98,33% 99,15% 99,44% 99,44% 99,44% 98,89% 98,89% Gráfico nº 15 Desempenho do Formador No que se refere às questões abertas verificou-se que os formandos pretendem aplicar os conhecimentos adquiridos no seu dia-a-dia de trabalho, como se pode verificar no anexo nº 3. Relativamente aos aspetos mais positivos foi evidenciado, a aquisição de conhecimento; o horário da formação (o facto de ser em horário laboral) e partilha de conhecimentos e Página 13 de 26

14 experiências) e nos aspetos menos positivos, a falta de computadores e a formação dos colaboradores das residências ser em horário pós laboral (anexos nº 4 e 5). Relativamente às sugestões para futuras ações de formação, os formandos salientaram as seguintes: Gestão do Stress e Técnicas de Relaxamento (16); Reciclagem de HST e Primeiros Socorros (13); Relações Interpessoais (6); Utilizar eficazmente o Feedback (5); Arte floral e paisagística (4); Coaching ligado a outras áreas de intervenção (3); Trabalhos Manuais (2); Informática (2); Linguagem Gestual (2); Auto defesa e Jovens agressivos (2); A pessoa com deficiência na 3ºidade (2); Dança (2); Equitação Terapêutica (1); Psiquiatria (1); Produtos Fitossanitários (1); Humor no Trabalho (1); Elogio e Reforço Positivo (1); Ergonomia (1); Clientes Toxicodependentes (1). 4 - CONCLUSÕES Este relatório síntese permitiu-nos avaliar o projeto formativo desenvolvido durante o ano de 2014, a três níveis: 1º - AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE EXECUÇÃO; 2º - AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SATISFAÇÃO; 3º - AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE APRENDIZAGEM. 1º - Avaliação dos Indicadores de Execução Neste nível foram avaliados vários indicadores que se traduziram nos seguintes resultados e que se podem verificar nos quadros nº 1 e nº 2: No que se refere aos indicadores de execução física podemos verificar que todas as atividades formativas propostas foram realizadas. Tal deve-se essencialmente ao facto de, como ação de melhoria para o ano de 2014, a Direção ter tomado a decisão da formação de colaboradores ser realizada em horário laboral. Página 14 de 26

15 A formação interna de colaboradores abrangeu 205 formandos. Atendendo a que alguns formandos frequentaram mais do que uma atividade formativa, podemos verificar que 168 colaboradores frequentaram algum tipo de formação promovida e organizada pela APPACDM. Tendo em conta que a instituição é constituída por 280 colaboradores,60% DOS COLABORADORES DA APPACDM FREQUENTARAM AÇÕES DE FORMAÇÃO promovida e desenvolvida pela APPACDM de Viana do Castelo. Verificou-se, também, que 31 colaboradores frequentaram formação externa à APPACDM, o que perfaz 11% dos colaboradores. Se contabilizarmos estas duas vertentes, ou seja, FORMAÇÃO INTERNA E EXTERNA constatamos que 183 colaboradores frequentaram algum tipo de formação (interna e/ou externa), o que totaliza 65% dos colaboradores. Convêm, ainda, salientar o número médio de horas de formação interna por colaborador no ano de 2014, ou seja, a APPACDM proporcionou uma média de 20 horas de formação por colaborador. De uma análise geral e comparativa com os anos transatos verificou-se a preocupação e esforço por parte da Direção e do Gabinete de Formação em aumentar o número de colaboradores envolvidos em ações de formação promovidas e desenvolvidas pela APPACDM (Formação Interna), tendo a taxa de colaboradores envolvidos aumentado para 60%, em comparação com os 43% do ano transato. Embora o número de formandos seja praticamente idêntico ao do ano transato verificou-se que este Plano de Formação abrangeu mais colaboradores. Verificou-se igualmente preocupação em diversificar as temáticas das atividades formativas, de forma que todas as funções pudessem usufruir de algum tipo de formação. Reduziu-se consubstancialmente o número de colaboradores sem horas de formação. Apenas os colaboradores que se encontram de baixa médica, novos colaboradores ou alguma profissão específica não têm tido formação nos últimos anos. Página 15 de 26

16 Quadro nº 1 Indicadores de Formação Indicadores de Formação Ações realizadas (Formação Interna) Nº de formandos (Formação Interna) Dias de Formação (Formação Interna) Nº colaboradores envolvidos Formação Interna Formação Externa NC NC Em qualquer tipo de formação NC NC Taxa de colaboradores envolvidos (nº de colaboradores envolvidos/nº de colaboradores) Formação Interna 20% 27% 43,8% 60% Formação Externa NC NC 4% 12% Em qualquer tipo de formação NC NC 47% 65% Nº de horas de formação Formação Interna Formação Externa NC NC Nº médio de horas de formação por colaborador (volume da formação/nº de colaboradores) Formação Interna Formação Externa NC NC 2 4 Volume de horas de formação Formação Interna Formação Externa NC NC Nº de sugestões de formação (Registos de Sugestões/ Inquéritos de Avaliação da Formação/DNF) NC Não Contabilizado (Os resultados da Formação Externa só começaram a ser contabilizados em 2013) Página 16 de 26

17 Quadro nº 2 Tipo de formandos abrangidos Formação Interna Ano Formandos Formandos Formandos Formandos Formandos Diretamente envolvidos na prestação Total de Formandos 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo E. Secundário Bacharel; Licenciatura e Mestrado de serviços aos Clientes Formandos (78 Colaboradores) Formandos (113 Colaboradores) Formandos (168 colaboradores) Página 17 de 26

18 2º - Avaliação do Nível de Satisfação Tendo por base os gráficos apresentados e procurando efetuar uma leitura integradora dos resultados detalhados podemos aferir as seguintes conclusões: 1. A satisfação dos formandos sobre as atividades formativas que frequentaram no ano de 2014 é excelente situando se a média final nos 92%; 2. Esta média de satisfação prende-se essencialmente com o desenvolvimento das atividades formativas em horário laboral; a escolha dos conteúdos programáticos de acordo com as sugestões e necessidades dos colaboradores e com o investimento em ações práticas; 3. No início do ano de 2014 foi realizada uma AÇÃO DE MELHORIA, com o objetivo de promover a confidencialidade, e que se traduziu na criação de um sistema de entrega dos questionários de avaliação de satisfação dos formandos em envelope fechado, tendo só o Gabinete de Formação acesso ao mesmo. Esta ação do Gabinete de Formação prendeu-se com a preocupação em garantir que os formandos fossem exatos na sua opinião; 4. A perceção sobre os formadores continua a ser extremamente positiva, na ordem dos 98%, o que se traduz no cuidado, zelo e importância que o Gabinete de Formação tem dado à seleção e avaliação dos formadores; 5. Convém salientar que em relação ao ano transato, há um aumento do grau de satisfação dos colaboradores em relação à área de Recursos de Apoio não tendo os formandos salientado a inadequabilidade das instalações. Este aumento da satisfação prende-se com as AÇÕES DE MELHORIA adotadas nomeadamente: o esforço da direção em climatizar adequadamente as salas de formação; modernizar os apoios pedagógicos e promover visitas de acompanhamento intermédias para auscultação formal e informal de formandos e formadores; 6. No que concerne à avaliação realizada pelos formadores sobre organização e coordenação da formação a mesma foi extremamente positiva; 7. Relativamente às sugestões apresentadas serão as mesmas objeto de análise e se pertinentes inseridas no Plano de Formação para Página 18 de 26

19 3º - Avaliação do Nível de Aprendizagem: A avaliação das aprendizagens adquiridas pelos formandos foi aferida através de grelhas de avaliação onde foram mensurados os conhecimentos obtidos, a capacidade e o interesse em aprender; a organização e a qualidade no trabalho; participação; relacionamento com o grupo; assiduidade e pontualidade. Para avaliar os formandos no âmbito da aquisição de conhecimentos os formadores utilizaram testes de conhecimento escrito, oral, trabalhos em grupo e individual e, no caso de formações mais práticas, os formandos foram avaliados com base nos trabalhos práticos realizados. Realizada a média ponderada das avaliações realizadas pelos formadores pode-se constatar que as mesmas foram bastante positivas situando se a ponderação maioritariamente nas escalas Bom e Muito Bom. Viana do Castelo, 15 de janeiro de 2015 Elaborado por Alberta Leite Cardoso (Coordenadora Técnico Pedagógico) Aprovado por Luiz Carlos Teixeira da Costa (Presidente da Direção) José Duarte Barbosa (Diretor da Formação Profissional) Página 19 de 26

20 ANEXOS

21 Anexo nº 1 EXECUÇÃO FISICA AÇÕES DE FORMAÇÃO Desporto Adaptado Como Forma de Inclusão Nível Horas Formandos Data Formadores III De 18/12/2014 a 30/12/ Coaching Parental Nível Horas Formandos Data Formadores V De 18/12/2014 a 30/12/ Página 21 de 26

22 AÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO Higiene e Segurança Alimentar (2 ações) Nível Horas Formandos Data Formadores III III De 01/09/2014 a 09/09/ Ergonomia e Postura Corporal (2 ações) Nível Horas Formandos Data Formadores III De 30/07/2014 a 31/07/2014 III De 01/09/2014 a 02/09/ Técnicas de suporte básico de vida Nível Horas Formandos Data Formadores III /07/2014 a 31/07/ Mais do que um dever, um direito: a frequência em ações de formação Nível Horas Formandos Data Formadores III /03/2014 a 05/03/ Página 22 de 26

23 UFCD Aplicações Informáticas de Gestão de Pessoal Nível Horas Formandos Data Formadores III De 03/03/2014 a 07/03/ Manutenção de Relvados em Jardins Nível Horas Formandos Data Formadores III De 24/02/2014 a 10/03/ Gestão de Stress Profissional Nível Horas Formandos Data Formadores III De 17/04/2014 a 30/04/ Auditorias ao Sistema de Gestão da Qualidade Nível Horas Formandos Data Formadores III De 17/04/2014 a 30/04/ Abordagem Biológica do Envelhecimento Nível Horas Formandos Data Formadores III De 17/04/2014 a 30/04/ Desenvolvimento Sexual nas Crianças com NEE Nível Horas Formandos Data Formadores III De 17/04/2014 a 30/04/ Página 23 de 26

24 Anexo nº 2 Estruturação dos Questionários Descrição do Questionário de avaliação dos Formandos Ações de Formação e UFCD QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO AOS FORMANDOS AÇÕES DE FORMAÇÃO Designação Indicadores Objetivo Avaliação Global do Curso Conteúdos Aprendizagem Recursos de Apoio Desempenho do Formador -Programa do Curso; -Duração; -Tempo dedicado à teoria; -Tempo dedicado à prática. -Expetativas iniciais; -Interesse dos temas abordados; -Aplicabilidade dos temas; -Adequação do curso ao nível de conhecimento; -Necessidades de formação. -Novos conhecimentos; -Sistematização conhecimentos; -Melhorar métodos e técnicas de trabalho; -Esclarecimento de dúvidas. -Documentação entregue; -Suportes pedagógicos; -Instalações; -Organização/planeamento; -Apoio logístico. -Domínio sobre os conteúdos; -Métodos de trabalho. Avaliar numa perspetiva geral qual a opinião dos formandos em relação à ação de formação realizada. Avaliar a satisfação dos formandos com os conteúdos apreendidos durante o desenrolar do curso. Avaliar qual o tipo de aprendizagens adquiridas pelos formandos. Avaliar os recursos de apoio postos à disposição dos formandos. Avaliar o desempenho do formador. Descrição do Questionário de avaliação dos Formandos Ações de Sensibilização QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO AOS FORMANDOS AÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO Designação Área Indicadores Objetivo -Programa do Curso; -Tempo dedicado à teoria; Avaliar numa perspetiva geral qual a opinião dos formandos em relação à ação de formação realizada. Avaliação Global do Curso -Tempo dedicado à prática. -Expetativas iniciais; -Interesse dos temas abordados; Avaliar a satisfação dos formandos com os conteúdos apreendidos durante o desenrolar da ação. Conteúdos -Tema alvo de ações futuras. Aprendizagem -Aprendizagens adquiridas. Avaliar qual o tipo de aprendizagens adquiridas pelos formandos. Recursos de Apoio -Documentação entregue; -Suportes pedagógicos; Avaliar os recursos de apoio postos à disposição dos formandos. -Instalações. Desempenho do Formador -Domínio sobre os conteúdos; -Métodos de trabalho. Avaliar o desempenho do formador. Página 24 de 26

25 Anexo nº 3 Aplicação dos conhecimentos Como pretende aplicar os conhecimentos adquiridos? Aplicações (AÇÕES DE FORMAÇÃO) Frequência de respostas Com os clientes nas atividades aquáticas e ginásio (Desporto Adaptado) 12 Aplicação dos exercícios com as famílias (Coaching Parental) 7 Na relação com o outro (Coaching Parental) 2 Aquisição de novos conhecimentos 1 Aplicações (UFCD) Frequência de respostas No meu trabalho do dia-a-dia 25 Anexo nº 4 Aspetos Mais Positivos Aspetos mais positivos (AÇÕES DE FORMAÇÃO) Frequência de respostas Características pessoais e profissionais do formador 5 Parte prática das sessões 4 Partilha de conhecimentos e experiências 3 Temas de reflexão 2 Crescimento pessoal 2 Aspetos mais positivos (UFCD) Frequência de respostas Aquisição de novos conhecimentos 9 Partilha de conhecimentos e experiências 6 Horário da formação 6 Características pessoais e profissionais do formador 4 Parte prática das sessões 1 Página 25 de 26

26 Anexo nº 5 Aspetos Menos Positivos Aspetos menos positivos (AÇÕES DE FORMAÇÃO) Frequência de respostas Carga Horária Diária e Altura do Ano (Dezembro) 3 Exigência física das sessões (Desporto Adaptado) 2 Orientação dos conteúdos programáticos diferente do aprovado (Coaching Parental) 1 Aspetos menos positivos (UFCD) Frequência de respostas Falta de computadores 2 Horário Pós Laboral (Residências) 2 Barulho exterior 1 Formação não prioritária para a minha função 1 Página 26 de 26

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO 156 AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO COLABORADORES 1 RELATÓRIO FINAL 2012 ÍNDICE Nota Introdutória 3 Resultados obtidos Avaliação Geral 3 Avaliação por questão 5 Tabela de Sugestões apresentadas e respetivas ações

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, JUNHO 05 RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS

PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALBUFEIRA 2014 PROPOSTA DE CONSULTADORIA MAIS BENEFÍCIOS Uma consultadoria eficaz e rentável vocacionada para fornecer às empresas serviços integrais de formação e recrutamento.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa

Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders. Relatório Final Análise Comparativa Avaliação das Necessidades e Expetativas Stakeholders Relatório Final Análise Comparativa AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE SATISFAÇÃO DAS NECESSIDADES E EXPETATIVAS, POR MEIO DA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO - 2014

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º A g r u p a m e n t o Ve r t i c a l d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s 1 Preâmbulo 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos têm vindo a afirmar-se como um instrumento central das políticas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO ANUAL

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO ANUAL ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO ANUAL (2014) Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Política e Estratégia... 4 3.

Leia mais

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques

Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Apreenda como os Auditores Externos das diferentes Normas analisam e auditam processos Coordenador Eng.º Pedro Marques Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos...

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação

Regulamento de Funcionamento da Formação. Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Regulamento de Funcionamento da Formação Disposições Gerais da Prestação de Serviços no âmbito da Formação Agosto 2013 Índice Pág. Introdução. 3 Objetivo... 3 Inscrição nos cursos de formação 3 Condições

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA DOS ENCONTROS DE SABEDORIA DA AMUT Conteúdo Artigo 1º... 3 OBJECTIVO... 3 Artigo 2º... 3 CONCEITO DE ENCONTRO DE SABEDORIA... 3 Artigo 3º... 3 ÂMBITO

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro

RELATÓRIO ANUAL 2012-2013. IPAM Aveiro RELATÓRIO ANUAL 2012-2013 IPAM Aveiro Índice Nota Introdutória... 3 1. Do grau de cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 4 2. Da realização dos objetivos estabelecidos;... 4 3. Da eficiência

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10.

PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO. outubro 2014 a agosto 2015. Realizado em: 02.10.2014. Aprovado pela Direção em: 09.10. PLANO DE ATIVIDADES SERVIÇO SÓCIO-EDUCATIVO outubro 2014 a agosto 2015 Realizado em: 02.10.2014 Aprovado pela Direção em: 09.10.14 Índice Introdução... 3 Linhas orientadoras... 3 Objetivos estratégicos...

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros

Relatório de Avaliação. Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Relatório de Avaliação Curso: Liderança para Chefias Intermédias e Jovens Quadros Praia, 01 de Novembro de 2010 Índice 1. ENQUADRAMENTO 2. OBJECTIVOS DO DOCUMENTO PARTE I - ENQUADRAMENTO DO CURSO E METODOLOGIA

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos. Seminário - Conclusões

Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos. Seminário - Conclusões Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos Seminário - Conclusões O Seminário Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos decorreu no dia 22 de Junho de 2012, no Auditório da Escola do Cerco,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

Regulamento Interno. Ano de 2015. Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda

Regulamento Interno. Ano de 2015. Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda Ano de 2015 Rbb Gabinete Técnico de Peritagens, Formação e Consultoria Lda Índice 1º Âmbito de Aplicação... 4 2º Horário de Atendimento... 4 3º Estrutura Organizacional... 4 4º Conceito de Formação...

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015)

Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) Oficina de Formação Educação Sexual e Violência (Data de início: 28/011/2015 - Data de fim: 15/04/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências INFORMAÇÃO PARA POPH PROGRAMA OPERACIONAL DO POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA 3.6 QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE PRIORIDADES FORMATIVAS 2013

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014

PLANO DE FORMAÇÃO 2º TRIMESTRE 2014 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA O seu conhecimento em primeiro lugar! AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA INTRODUÇÃO No primeiro trimestre a Agência para a Modernização Administrativa

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

EFA Escolar Nível Secundário

EFA Escolar Nível Secundário Inquérito EFA Escolar Nível Secundário O presente inquérito enquadra-se num estudo de natureza pessoal que está a ser desenvolvido sobre os cursos de Educação e Formação de Adultos Escolar - de Nível Secundário.

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período -

Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO 2014-2015 Relatório do Plano Anual de Atividades - 1º Período - Índice 1 Introdução... 3 2 Cumprimento das atividades propostas... 4 3 Proponentes e destinatários das atividades...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA PÓS-GRADUAÇÃO QUALIDADE NA SAÚDE FORMAÇÃO SGS ACADEMY POSSIBILIDADE DE FREQUÊNCIA À DISTÂNCIA TESTEMUNHOS A Pós-Graduação Qualidade na Saúde permitiu-me adquirir e consolidar conhecimentos nesta área.

Leia mais

(RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA)

(RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) (RE)CONSTRUÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS AO LONGO DA VIDA: O CASO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) Equipa de Projecto Novas Oportunidades de Adulto (EP-NOA) * Nos dias 19 e 20 de Novembro,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos. Direção Regional de Qualificação Profissional

Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos. Direção Regional de Qualificação Profissional Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos Direção Regional de Qualificação Profissional Direção de Serviços de Regulação e Controlo Financeiro Guia de Orientações Formação Prática em Contexto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA REGULAMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS E FORMAÇÃO MODULAR Art.1º Disposições Gerais 1. No disposto nos parágrafos seguintes ressalvam-se as especificidades

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO FORMAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO FORMAÇÃO REGULAMENTO INTERNO FORMAÇÃO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objeto e Âmbito 1. O presente Regulamento é aplicável aos formados que frequentem e formadores que ministrem ações de Formação Profissional

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE

CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE CURSO DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Em Portugal estão a abrir um conjunto muito vasto de equipamentos de saúde, nomeadamente unidades de cuidados continuados. Para este tipo de estabelecimento são necessários

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna

Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna Plano de Ação da Equipa de Avaliação Interna 2013/2015 Índice Plano de Ação... 3 Constituição da Equipa de Autoavaliação... 3 Etapas/fases do ciclo de avaliação... 4 Cronograma do 1º ano do ciclo de avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 Capítulo I Política e Estratégia Artigo 1.º

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

MEDIDA VIDA ATIVA. Objetivos, destinatários e operacionalização

MEDIDA VIDA ATIVA. Objetivos, destinatários e operacionalização Objetivos, destinatários e operacionalização Objetivos - consolidar, integrar e aperfeiçoar um conjunto de intervenções orientadas para a ativação dos desempregados, favorecendo a aprendizagem ao longo

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015

Plano de Formação. Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Plano de Formação Psicologia e Orientação em Contexto Escolar 2014/2015 Enquadramento A evolução tecnológica e a incerteza com que atualmente todas as sociedades se confrontam colocam desafios acrescidos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC

PROJETO PEDAGÓGICO MUSSOC PROJETO PEDAGÓGICO dos Campos de Férias da MUSSOC Associação Mutualista dos Trabalhadores da Solidariedade e Segurança Social I CARATERIZAÇÃO GERAL DA MUSSOC 1. Introdução O presente documento tem como

Leia mais

Considerações Finais 17 13

Considerações Finais 17 13 . Inquérito Online de Necessidades Formativas Relatório Final maio de 2015 ÍNDICE Introdução Página Resultados Globais obtidos 2 Caraterização amostra e perfil dos indivíduos 1.1. 1.2. Representatividade

Leia mais

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14]

ETPZP 1989-2014 [ANO LETIVO 2013/14] ETPZP Petroensino Ensino e Formação Profissional, Lda. Direção Geral Direção Pedagógica 1989-2014 Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal [ANO LETIVO 2013/14] Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

As áreas transversais da educação ganham assim relevo a par do currículo.

As áreas transversais da educação ganham assim relevo a par do currículo. Da escola espera-se a prestação de um serviço transformacional. Da escola espera-se a adoção de uma postura de intervenção no meio. Mas uma intervenção que tem subjacente uma intencionalidade (planificada)

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição AVALIAÇÃO Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição 2 3 AVALIAÇÃO Impacto do Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição Avaliação do Impacto - Metodologia RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE AUTODIAGNÓSTICO -Visou

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A ADRAVE Agência De Desenvolvimento Regional do Vale Ave, S.A, com sede na Avenida 25 de Abril, 634 Casa de Louredo, 4760-101, em V. N. de

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013

FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 FICHA TÉCNICA DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE PROJECTOS NÍVEL 1 EDIÇÃO Nº 01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Especialização em Gestão de Projectos Nível 1 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Este curso constitui

Leia mais

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Núcleo de Passaportes.

Relatório. Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local. Núcleo de Passaportes. Relatório Satisfação dos Colaboradores da Direção Regional da Administração Pública e Local Núcleo de Passaportes Novembro de 2014 1 Índice Índice Introdução e Metodologia, pág. 3 1. Satisfação global,

Leia mais

Plano de Atividades de 2016

Plano de Atividades de 2016 GRUPO DE ACÇÃO COMUNITÁRIA IPSS Plano de Atividades de 2016 Fórum Sócio Ocupacional do GAC Unidade de Vida Protegida UPRO Formação Profissional Novembro de 2015 Plano de atividades 2016 1 Grupo de Ação

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

Ação de Formação. Janeiro: 11 e 18 Fevereiro: 1 e 15

Ação de Formação. Janeiro: 11 e 18 Fevereiro: 1 e 15 Ação de Formação A atividade lúdica como promotora de sucesso nas aprendizagens de alunos com Necessidades Educativas Especiais Janeiro: 11 e 18 Fevereiro: 1 e 15 Formadora: Dr.ª Sónia Moreira e Dr.ª Carla

Leia mais

PROGRAMA (FORMAÇÃO) Área de educação e formação Código 720. Curso - Emergência e Primeiros Socorros no Local de Trabalho

PROGRAMA (FORMAÇÃO) Área de educação e formação Código 720. Curso - Emergência e Primeiros Socorros no Local de Trabalho 1 - Objetivos: Dotar os trabalhadores de conhecimentos e competências, adequados e específicos à realidade de trabalho da empresa, estabelecimento ou serviço, que permitam aplicar as medidas de primeiros

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 15 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA INCLUSÃO E ASSUNTOS Portaria n.º 187/15 Procede

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

Educação Sexual Da legislação à prática

Educação Sexual Da legislação à prática 1 Educação Sexual Da legislação à prática Cândida Ramoa (*) e Isabel Leitão (**) A educação sexual (ES) nas escolas portuguesas tem feito correr rios de tinta. São rios que correm de forma muito intermitente,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL

FORMAÇÃO 2012/2013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL FORMAÇÃO 01/013 CURSOS GRATUITOS. HORÁRIO PÓS-LABORAL INFORMAÇÕES FUNDAÇÂO MINERVA Cultura - Ensino e Investigação Científica Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão Largo Tinoco de Sousa 760. 108

Leia mais

Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma

Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma Curso Requisitos da ISO 14001 - Introdução à Implementação da Norma Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dar a conhecer os requisitos da ISO 14001 e metodologias de resposta aos mesmos. Objectivos

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck)

2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) 2013/2017 Se não posso realizar grandes coisas, posso pelo menos fazer pequenas coisas com grandeza. (Clarck) Índice Introdução... 2 Caracterização... 4 Objetivos do Projecto... 4 Metodologia... 5 Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

Categoria Profissional

Categoria Profissional 1. Taxa de resposta Todos os docentes convidados a participar no inquérito responderam ao mesmo, tendo-se obtido assim uma taxa de resposta de 100%. 2. Situação profissional dos docentes Categoria Profissional

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais