DÚVIDAS MAIS FREQUENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DÚVIDAS MAIS FREQUENTES"

Transcrição

1 DÚVIDAS MAIS FREQUENTES O Departamento Médico da FAPES selecionou as perguntas mais frequentes sobre a Vacinação contra a Gripe, visando minimizar as dúvidas dos participantes da campanha SOBRE AS VACINAS CONTRA A GRIPE: As composições anuais das vacinas contra gripe são determinadas pela OMS- Organização Mundial de Saúde e baseiam-se na coleta de amostras semanais dos Centros Nacionais de Influenza distribuídos em todo o mundo. A OMS estima que, em todo o mundo, o número de pessoas infectadas pelo vírus influenza seja superior a 1 bilhão. A campanha de vacinação contra a gripe 2016 será feita com a composição quadrivalente, conforme detalhamento a seguir: COMPOSIÇÃO DA VACINA QUADRIVALENTE Uma cepa viral semelhante ao vírus A/California/7/2009 (H1N1) Uma cepa viral semelhante ao vírus A/Hong Kong / 4801/2014 (H3N2) Uma cepa viral semelhante ao vírus B/Phuket/3073/2013 Uma cepa viral semelhante ao vírus B/Brisbane/60/2008 As vacinações anuais são chamadas vacinações contra influenza sazonal, ou seja, aquelas gripes que ocorrem regularmente a cada ano, com maior incidência no inverno, motivo das campanhas ocorrerem sempre antes dessa estação, pois a pessoa vacinada estará mais protegida durante o período mais crítico, que é o inverno, uma vez que a proteção da vacina se inicia a partir da segunda semana após a sua aplicação, com a produção pelo organismo de anticorpos específicos.

2 A vacina contra a gripe está recomendada pelas Sociedades Brasileiras de Pediatria (SBP) e de Imunizações (SBIm) para todas as pessoas a partir de 6 meses de idade. DÚVIDAS FREQUENTES: É importante vacinar-se contra a gripe? Sim, porque é uma doença que pode evoluir de maneira grave e até mesmo fatal, embora a maioria dos casos, felizmente, seja leve. As pessoas com maior chance de desenvolver quadros graves e complicações fazem parte dos grupos de risco que podem tomar vacina gratuitamente no sistema público, mas é importante lembrar que mesmo pessoas saudáveis podem evoluir com gravidade. Além disso, quanto maior o número de pessoas vacinadas, menor será a circulação do vírus, fazendo assim a chamada imunidade de rebanho ( herd immunity ), em que os vacinados protegem os não vacinados. A cobertura vacinal ideal de uma população é acima de 80%. Além disso, a concentração de pessoas em ambientes fechados, como creches, escolas, empresas e no transporte público, por exemplo, facilita a disseminação do vírus. A vacinação previne a ocorrência de surtos nesses ambientes e a transmissão de doenças aos familiares e na comunidade. Em todo o mundo as infecções por Influenza estão entre os principais motivos de consultas médicas em todas as faixas etárias.

3 Essa vacina protege mesmo contra a gripe? Sim, a vacina diminuiu muito o risco de contrair a gripe. Em pessoas saudáveis a eficácia chega a 90%, ou seja, a cada 10 pessoas vacinadas, de 7 a 9 não terão gripe. Pelo menos uma pessoa imunizada pode apresentar a infecção, mas, neste caso, os sintomas são geralmente mais brandos. A eficácia varia de 60% a 90%, dependendo da idade e situação imunológica de cada pessoa. Como são as novas vacinas quadrivalentes? As vacinas influenza utilizadas em nosso país até o ano de 2014 eram trivalentes, contendo duas cepas A e uma cepa B (linhagem Yamagata ou Victoria). As vacinas quadrivalentes licenciadas desde o ano passado contemplam, além das três cepas da composição trivalente, uma segunda cepa B e portanto, assim, nas vacinas quadrivalentes temos as duas linhagens B: Yamagata e Victoria. Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B? Desde o ano 2000 vem sendo observado, em todo o mundo, a cocirculação das duas linhagens de vírus influenza B (Victória e Yamagata) num mesmo ano. Em cerca de 50% das vezes, a linhagem B contida na vacina não é coincidente com a que predomina numa temporada. Este não pareamento pode reduzir de forma considerável o perfil de efetividade da vacina numa determinada estação. Assim, a ampliação da proteção para as cepas de Influenza do tipo B justifica-se por serem cada vez mais frequentes em todo o mundo, responsáveis por surtos e pelo mismatch (erro de previsibilidade) na determinação das cepas da OMS. No Brasil o mismatch ocorreu 5 vezes ao longo das últimas 11 estações, sendo que em apenas 2 anos tivemos uma compatibilidade de 100% entre a cepa de Influenza B presente nas vacinas trivalentes e a cepa de Influenza B que efetivamente circulou no ambiente. Quando a linhagem de influenza B presente na vacina trivalente não é compatível com a linhagem circulante predominante, a carga da doença é mais alta e a efetividade da vacina pode ser bastante reduzida.

4 Este ano teremos vacinas tri e quadrivalentes disponíveis? Sim, por alguns anos devemos conviver com as duas vacinas. Como no passado já tivemos vacinas monovalentes e bivalentes, a tendência com o passar dos anos é só haver produção de vacinas quadrivalentes. A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) orienta para o uso preferencial das vacinas quadrivalentes, pelo seu maior espectro de proteção. Porém, não sendo possível o uso da quadrivalente, só disponível na rede privada, deve ser estimulada a vacinação com a formulação trivalente, pois protege contra o H1N1. Qual a vacina que será utilizada na campanha do Ministério da Saúde? Em 2016 a vacina que será utilizada na Campanha de Vacinação contra a Gripe do Ministério da Saúde (rede pública) será a trivalente, contendo 2 cepas A e 1 cepa B, com boa cobertura contra o H1N1. Porque a vacina contra a gripe deve ser aplicada anualmente? Porque o vírus que provoca a gripe é mutante, isto é, suas características são modificadas com frequência e por isso é importante que a pessoa receba a vacina anualmente, com a sua composição atualizada, definida pela OMS. Em 2016, a composição é diferente da de 2015, sendo mantida a ampliação da proteção para as cepas do tipo B. Apesar dos vírus sofrerem grandes mutações, existe uma vigilância mundial da gripe, que tem como objetivo detectar quais estão causando doença no mundo. A partir desta identificação, os vírus mais frequentes são distribuídos aos laboratórios para produção de vacinas. Como o período de circulação do vírus influenza é diferente no Hemisfério Sul e Norte, existe uma recomendação diferente para cada região e, portanto, vacinas adequadas e específicas para essas regiões.

5 Essa vacina tem efeito imediato? Não, toda vacina precisa de um tempo mínimo de duas semanas para o início da proteção específica, por isso a necessidade de vacinação ainda no período do outono, entre os meses de abril a junho. A sua proteção máxima é atingida após 4 a 6 semanas da aplicação. Como o inverno é o período de maior circulação do vírus, tomando a vacina no outono garante-se máxima proteção no período maior circulação do vírus da gripe (influenza). Algumas pessoas que ficam gripadas poucos dias após terem sido vacinadas poderiam estar com a doença em período de incubação, ou seja, já estavam contaminadas pelo vírus da gripe e não houve tempo suficiente para que a vacina tivesse o efeito satisfatório. Nessas situações, também pode haver uma associação equivocada do quadro respiratório ao vírus influenza, mas a doença pode ter sido apenas um resfriado, causado por outros tipos de vírus que não o da influenza. Essa vacina pode causar a doença gripe? Não, a vacina nunca poderá provocar gripe porque na sua composição há somente fragmentos de vírus mortos (inativados), portanto, não existe o risco de contrair gripe por meio da vacina. Gripe e resfriado são a mesma doença? Não. A gripe é uma doença grave, muito contagiosa, causada pelo vírus influenza, que se transmite de pessoa a pessoa através das vias respiratórias. Geralmente provoca febre alta (> 38ºC), dor de garganta, tosse, dores no corpo e cabeça, fraqueza intensa e queda do estado geral, proporcionalmente, com poucos sintomas respiratórios altos como congestão nasal e coriza. As crianças, gestantes, idosos e pessoas com doenças crônicas têm sérios riscos de complicações como pneumonias, sinusites e otites, que podem gerar hospitalizações. Já o resfriado é causado por outros vírus respiratórios: existem mais de 200 tipos de vírus causadores dessa doença, que são altamente contagiosos. Embora os sintomas sejam parecidos, costumam ser mais brandos e de curta

6 duração, normalmente provocando apenas coriza, dor de garganta leve e febre baixa (<38 ºC). Essa vacina é segura? Sim, a vacina é segura, não tendo sido observada ocorrência de eventos colaterais graves. Entre as reações mais comuns estão dor local, febre baixa e dores musculares, que se resolvem após, aproximadamente, 48 horas da aplicação. Que medicamentos podem ser usados para controle dos efeitos colaterais? As reações adversas têm boa resposta ao uso de analgésicos comuns como a dipirona (Novalgina) ou paracetamol (Tylenol). Não há indicação de se usar qualquer medicamento antes da aplicação da vacina para prevenção desses efeitos. Quais as contraindicações da vacina contra a gripe? As vacinas são contraindicadas apenas para os portadores de alergia grave (reação anafilática) a ovo de galinha, pois o cultivo dos vírus para as produção das vacinas é feito nos ovos e de doenças neurológicas comprovadamente diagnosticadas, tais como síndrome de Guillain-Barré. A alergia ao timerosal (pois serão usadas vacinas monodose) e intolerância alimentar a ovos e proteína de galinha não são contraindicações para a vacinação contra gripe. As doenças febris também não contraindicam a aplicação da vacina. Não existem restrições após vacinação, inclusive quanto à ingestão de álcool e outras medicações. A vacinação contra a gripe impede a doação de sangue? Sim, de acordo com a Resolução RDC 153 da ANVISA de 14/06/2004 a vacinação contra a gripe impede temporariamente a doação de sangue (por quatro semanas), por gerar alterações temporárias em alguns exames laboratoriais realizados no doador. Se você deseja doar sangue, procure um posto de doação antes da vacinação, pois a doação não impede a vacinação.

7 Gestantes podem tomar a vacina? Sim. A vacinação pode ser feita em qualquer período da gestação. As gestantes fazem parte do grupo de maior risco para doença grave, hospitalização e morte por influenza, tanto pandêmica quanto a sazonal. Além da proteção da própria gestante, há transferência de anticorpos para o feto e, desse modo, o recém-nascido estará protegido nos primeiros seis meses de vida. A vacinação só está indicada para bebês após seis meses de idade, portanto, a proteção ocorrerá somente por meio da transferência dos anticorpos maternos para o feto. A grávida deve ser vacinada no outono como as demais pessoas para que, no inverno, já esteja com o seu nível máximo de anticorpos circulantes. Em caso de dúvida, é importante que a gestante consulte seu médico. A aplicação de outras vacinas pode interferir na eficácia da vacina contra a gripe? Não. Não há interferência de outras vacinas com a da gripe e não há necessidade de intervalos mínimos entre essa vacina e outras. O mesmo ocorre com medicamentos. Quando está indicada a 2ª dose da vacina contra a gripe? Crianças na faixa etária entre seis meses e nove anos incompletos que estão sendo vacinadas pela primeira vez na vida (primovacinação) contra a gripe sazonal precisarão de duas doses da vacina para ficar protegidas, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Crianças que receberam duas doses da vacina trivalente em anos anteriores, este ano deverão receber duas doses da quadrivalente? Não. Como regra geral, tanto para as vacinas quadrivalentes como para as trivalentes, crianças que receberam duas doses na primovacinação, devem receber em anos posteriores, somente uma dose. Se, em anos anteriores, as crianças nessa faixa etária já tiverem tomado duas doses da vacina contra a gripe (tri ou quadrivalente), basta tomar uma dose para efetiva imunização em 2016.

8 Crianças que vão receber pela primeira vez a vacina influenza podem receber uma dose da trivalente e a segunda da quadrivalente (ou vice versa)? Não há estudos de intercambialidade com as diferentes vacinas influenza, tri e quadrivalente, porém não há plausibilidade biológica para supor algum problema com este esquema. Existe um intervalo mínimo entre as duas vacinas (tri e quadrivalente)? O intervalo ideal é de no mínimo quatro semanas entre duas vacinas influenza podendo ser utilizadas com intervalo mínimo de três semanas, reservado para situações especiais. Quando serão vacinadas as crianças de até nove anos de idade? Como as crianças de até nove anos de idade podem necessitar de duas doses da vacina (ver resposta anterior), recomenda-se a vacinação dos menores no período de 25/04 a 29/04. A segunda dose da vacinação das crianças que estão na primovacinação ocorrerá no período de 06 a 10/06. A segunda etapa nas representações ocorrerá no dia 06 de junho. A vacinação é indicada para pessoas imunodeprimidas? Sim, as pessoas imunodeprimidas são grupos de risco para influenza e a vacinação está enfaticamente recomendada. Além disso, a vacina não contém vírus vivos, apenas sequências da cápsula viral capazes de induzirem a produção de anticorpos, mas sem capacidade de causar a doença gripe. Quem acredita ter tido influenza no ano passado deve ser vacinado? Sim, a influenza ou gripe não gera imunidade duradoura, sendo recomendada a vacinação anual. A proteção conferida pelas vacinas da gripe é temporária, de modo que os indivíduos vacinados em um determinado ano estarão desprotegidos quando começar a temporada da doença no ano subsequente.

9 Além dos beneficiários titulares e seus dependentes do PAS, quem mais pode ser inscrito na Campanha de Vacinação contra a Gripe? Qualquer pessoa que o titular queira inscrever por considerar ter contato próximo com seus familiares, como, por exemplo, babá, cuidador, outras pessoas que morem na mesma residência, sempre objetivando a redução da circulação do vírus. É importante lembrar que a aplicação de vacina em dependente não cadastrado no PAS resultará no desconto do valor de R$ 44,50 (quarenta e quatro reais e cinquenta centavos) por dose aplicada no contracheque do titular. Fiz a minha inscrição na Campanha, mas não consegui comparecer no período de aplicação. Terei esse valor descontado no meu contracheque? Não, apenas serão descontadas as doses efetivamente aplicadas nos dependentes não cadastrados no PAS. Não consegui tomar a vacina no período de 25 de abril a 06 de maio, poderei tomar em outra data? Sim, para aqueles que não puderem comparecer no primeiro período da Campanha, será oferecida a oportunidade de vacinar-se na segunda etapa da vacinação, de 06 a 10 de junho, quando ocorrerá a aplicação da segunda dose para as crianças com idade até nove anos na primovacinação. Não consegui fazer a inscrição no período de 11 a 18 de abril. Ainda posso ser vacinado? Sim, quem perder o período de inscrição por meio do Portal FAPES, poderá efetivar sua inscrição no próprio ato da vacinação. Para os dependentes não habilitados no PAS, será necessária obrigatoriamente a presença do titular para que essa inscrição possa ser feita no ato da vacinação. Elaboração: Dra Ana Paula Pimentel Mendonça CRM

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 A APROJUS, em parceria com o Ministério Público do Rio Grande do Sul e com a Associação do Ministério Público do Rio Grande do Sul (AMPRS), promove a Campanha

Leia mais

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B?

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B? VACINAS INFLUENZA NO BRASIL EM 2015 Renato Kfouri Vice-presidente da SBIm Juarez Cunha Diretor da SBIm 1) Como são as novas vacinas quadrivalentes? As vacinas influenza utilizadas em nosso país até o ano

Leia mais

EDITAL DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2016

EDITAL DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2016 EDITAL DA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2016 Visando a melhoria na qualidade de vida dos trabalhadores da indústria com ações voltadas à promoção da saúde, o Serviço Social da Indústria do Rio Grande

Leia mais

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente

Quinta Edição/2015 Quinta Região de Polícia Militar - Quarta Companhia Independente GRIPE X RESFRIADO GRIPE e RESFRIADO são as mesmas coisas? Não. A gripe é uma doença grave, contagiosa, causada pelo vírus Influenza (tipos A,B e C) e o resfriado é menos agressivo e de menor duração, causado

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe

15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe 15ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe O que é a gripe? A influenza (gripe) é uma infecção viral que afeta principalmente nariz, garganta, brônquios e, ocasionalmente, os pulmões. A infecção

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

TERMO DE ADESÃO. Campanha de Vacinação contra a Gripe 2016

TERMO DE ADESÃO. Campanha de Vacinação contra a Gripe 2016 TERMO DE ADESÃO Campanha de Vacinação contra a Gripe 2016 1. Caracterização da Campanha O Serviço Social da Indústria de Santa Catarina, visando à promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

DIRETRIZ 001/2014 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 SESI PARANÁ

DIRETRIZ 001/2014 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 SESI PARANÁ DIRETRIZ 001/2014 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 SESI PARANÁ Com objetivo de promover a qualidade de vida do trabalhador da indústria e ampliar a participação empresarial

Leia mais

CHAMADA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 - SESI RS

CHAMADA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 - SESI RS CHAMADA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 - SESI RS O SESI-RS - Serviço Social da Indústria do Rio Grande do Sul divulga a Campanha de Vacinação contra a Gripe 2015, vinculada ao Programa de Promoção

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A

Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A Seguem os números da gripe no Estado do Mato Grosso do Sul, considerando os três tipos de vírus de maior circulação (Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e Influenza B): Relembrando... A gripe é uma doença

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado

A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado A Gripe. Proteja-se a si e aos outros. A GRIPE SAZONAL: PORQUE DEVE SER VACINADO É possível que, recentemente, tenha ouvido falar bastante sobre diversos tipos

Leia mais

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1)

Vigilância Epidemiológica Municipal. Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) Vigilância Epidemiológica Municipal Campanha de Vacinação contra Influenza A (H1N1) 1. Introdução A vacinação contra influenza pandêmica terá como objetivo, manter o funcionamento dos serviços de saúde

Leia mais

Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas e como se proteger.

Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas e como se proteger. O Influenza A (H1N1) voltou a atacar este ano - e mais cedo do que o esperado, causando 75% dos casos de doenças respiratórias registrados no país, no momento. Entenda como o vírus é transmitido, os sintomas

Leia mais

Gripe A (H1N1) de origem suína

Gripe A (H1N1) de origem suína Gripe A (H1N1) de origem suína A gripe é caracterizada como uma doença infecciosa com alto potencial de contagio causado pelo vírus Influenza. Este vírus apresenta três tipos, sendo eles o A, B e C. Observam-se

Leia mais

Vacina de Vírus Inativado Contra a Gripe

Vacina de Vírus Inativado Contra a Gripe Vacina de Vírus Inativado Contra a Gripe IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO A vacina contra a gripe é fornecida na forma de suspensão injetável, e acondicionada em seringa pré-enchida.

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

INFORME TECNICO - Junho 2015

INFORME TECNICO - Junho 2015 GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA INFORME TECNICO - Junho

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 - SESI RS

TERMO DE REFERÊNCIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 - SESI RS TERMO DE REFERÊNCIA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 - SESI RS O SESI-RS - Serviço Social da Indústria do Rio Grande do Sul divulga a Campanha de Vacinação contra a Gripe 2014, vinculada ao Programa

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a vacinação contra o HPV

Perguntas e respostas sobre a vacinação contra o HPV Perguntas e respostas sobre a vacinação contra o HPV 1) A vacina é mesmo necessária? Atualmente, cerca de 5% de todos os cânceres do homem e 10% dos da mulher são causados pelo HPV, que atinge mais de

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005

GRIPE DAS AVES. Informação e Recomendações. Elaborado por: Castro Correia Director Clínico. 14 de Setembro de 2005 GRIPE DAS AVES Informação e Recomendações Elaborado por: Castro Correia Director Clínico 14 de Setembro de 2005 Escritórios: Rua da Garagem, 1, 4º Piso / 2790-078 CARNAXIDE Sede Social: Avenida do Forte,

Leia mais

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica Gripe pandémica Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica De que trata esta brochura? Esta brochura apresenta informações acerca da gripe pandémica. Dá resposta a 10 perguntas importantes acerca

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1

Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Assunto: Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 Em decorrência de boatos sobre a vacina contra Influenza H1N1 que circulam na internet,

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 Apresentação O Ministério da Saúde com o objetivo de reforçar as atuais ações de prevenção do câncer do colo do

Leia mais

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que podem ocorrer de 250 mil a 500 mil mortes anuais em decorrência da influenza sazonal.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que podem ocorrer de 250 mil a 500 mil mortes anuais em decorrência da influenza sazonal. TEXTO EDUCATIVO QUE ACOMPANHA OS APLICATIVOS NA INTERNET E EM CD-ROM SOBRE A INFLUENZA HUMANA E A INFLUENZA AVIÁRIA - PRODUZIDO COMO PARTE DAS AÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA A PROPAGAÇÃO DA INFLUENZA PANDÊMICA

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

DIRETRIZ 001/2015 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 SESI PARANÁ

DIRETRIZ 001/2015 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 SESI PARANÁ DIRETRIZ 001/2015 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 SESI PARANÁ Com objetivo de promover a qualidade de vida do trabalhador da indústria com a participação empresarial

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o vírus A(H7N9)* Questions and answers about the vírus A(H7N9)

Perguntas e Respostas sobre o vírus A(H7N9)* Questions and answers about the vírus A(H7N9) Republicação de Artigo * Questions and answers about the vírus A(H7N9) Centers for Disease Control and Prevention Uma nova cepa do vírus da influenza aviária foi descoberta em aves e pessoas na China.

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO.

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO vacina influenza (fragmentada, inativada) APRESENTAÇÃO Suspensão injetável para administração intramuscular ou subcutânea.

Leia mais

vacina influenza (inativada, subunitária)

vacina influenza (inativada, subunitária) 1 MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO vacina influenza (inativada, subunitária) Cepas 2014 APRESENTAÇÃO Suspensão injetável, apresentada em embalagens contendo: 1 ou 10 seringa(s)

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE A GRIPE SUÍNA Este folheto contém informação importante para o ajudar a si e à sua família Guarde-o Bem Contactos Úteis Para se manter informado acerca da gripe suína telefone

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança

Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Calendário de Vacinação do Prematuro e da Criança Central de Atendimento: (61) 3329-8000 Calendário de Vacinação do Prematuro Vacinas BCG ID (intradérmica) Hepatite B (HBV) Pneumocócica conjugada Recomendações

Leia mais

Informe Técnico sobre as Vacinas contra Gripe Influenza H1N1 e seus Correspondentes Bioterápicos - Abril/2010 -

Informe Técnico sobre as Vacinas contra Gripe Influenza H1N1 e seus Correspondentes Bioterápicos - Abril/2010 - Informe Técnico sobre as Vacinas contra Gripe Influenza H1N1 e seus Correspondentes Bioterápicos - Abril/2010 - I. A VACINA Célia Regina Barollo crbarollo@gmail.com Sonia Regina Rocha Miura A vacina monovalente

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE FRIO GOIÁS EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA VACINA INATIVADA POLIOMIELITE

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória)

Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado. (Tradução Provisória) Será que é influenza (gripe)? Quem tem sintomas de febre repentina, tosse e dor de garganta. Guia de consulta e Cuidado (Tradução Provisória) Introdução: O outono é a estação do ano mais propícia para

Leia mais

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: o que precisa de saber

VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: o que precisa de saber Portuguese VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE SUÍNA: o que precisa de saber Gripe. Proteja-se a si e aos outros. 1 Índice O que é a gripe suína? 3 Sobre a vacina contra a gripe suína 3 Que mais preciso de saber?

Leia mais

GRIPE. em suas mãos. A prevenção está. Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo Mandato Participativo do Deputado Adelmo Carneiro Leão

GRIPE. em suas mãos. A prevenção está. Adelmo LeãoPT. Deputado Estadual. Mandato. Participativo Mandato Participativo do Deputado Adelmo Carneiro Leão GRIPE A prevenção está em suas mãos. Adelmo LeãoPT Mandato Deputado Estadual Participativo Cuide bem da sua saúde! Apesar de serem doenças de origem viral, transmitidas por meio de gotículas de saliva

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches

Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches The Commonwealth of Massachusetts Executive Office of Health and Human Services Department of Public Health Informações aos Pais sobre a Gripe nas Creches 18 de setembro, 2009 A gripe H1N1 (suína) voltará

Leia mais

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS

FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SUVISA GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÕES E REDE DE FRIO GIRF COORDENAÇÃO DE EAPV/CRIE FICHA DE SOLICITAÇÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS ESPECIAIS CENTRO DE REFERÊNCIA PARA IMUNOBIOLÓGICOS

Leia mais

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados

Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados Gripe A (H1 N1) Orientações e cuidados O que é a gripe A (H1N1) ou gripe suína? É uma doença infecto-contagiosa aguda, causada pelo vírus influenza A (H1N1), que afeta o sistema respiratório e causa diversos

Leia mais

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA No- 3.318, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010 Institui em todo o território nacional, o Calendário Básico de Vacinação da Criança, o Calendário do Adolescente e o Calendário do Adulto e Idoso. O MINISTRO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA SAÚDE INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DA SAÚDE INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM O objetivo principal da campanha de vacinação da época 2015/2016 é atingir uma cobertura vacinal de 60% 2 nas pessoas com idade igual ou superior a 65 anos. 3. Composição da vacina para 2015/2016 A OMS

Leia mais

NOTA TÉCNICA 29/03/2017. Vacinas influenza no Brasil em 2017 Isabella Ballalai, Renato Kfouri, Juarez Cunha

NOTA TÉCNICA 29/03/2017. Vacinas influenza no Brasil em 2017 Isabella Ballalai, Renato Kfouri, Juarez Cunha NOTA TÉCNICA 29/03/2017 Vacinas influenza no Brasil em 2017 Isabella Ballalai, Renato Kfouri, Juarez Cunha A Influenza, conhecida como gripe, está entre as viroses mais frequentes em todo o mundo. Desde

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS DA VACINA CONTRA FEBRE AMARELA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERITENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DE IMUNIZAÇÃO E REDE FRIO ESQUEMA VACINAL NOTA INFORMATIVA Nº143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS/18/122014

Leia mais

Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014

Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014 Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014 Jornal Acrítica Vida & Estilo Pág. V&E6-09 de novembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Cidades Pág. 21-09 de novembro de 14 Jornal Em Tempo - Última Hora

Leia mais

Fluarix Tetra GlaxoSmithkline Brasil Ltda Suspensão Injetável 0,5 ml

Fluarix Tetra GlaxoSmithkline Brasil Ltda Suspensão Injetável 0,5 ml GlaxoSmithkline Brasil Ltda Suspensão Injetável 0,5 ml LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Fluarix Tetra APRESENTAÇÃO Suspensão injetável para administração

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1)

SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) - TRANSMISSÃO SAIBA MAIS SOBRE A GRIPE A (H1N1) O vírus se propaga por gotículas que o doente elimina pela secreção nasal ou saliva ao tossir, falar ou espirrar. Essas gotículas podem ficar em suspensão

Leia mais

RELEASE DA CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA POLIOMIELITE E DE SEGUIMENTO CONTRA SARAMPO

RELEASE DA CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA POLIOMIELITE E DE SEGUIMENTO CONTRA SARAMPO PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES RELEASE DA CAMPANHA NACIONAL DE

Leia mais

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza 1 O que é o Novo Tipo de Influenza É o nome dado à doença causada pela presença do vírus da influenza A/H1N1, de origem suína, no corpo humano. Diz-se

Leia mais

Imagem de microscópio electrónico do vírus da gripe A(H1N1)

Imagem de microscópio electrónico do vírus da gripe A(H1N1) GRIPE H1N1 A gripe suína é endémica em porcos Imagem de microscópio electrónico do vírus da gripe A(H1N1) Dos três tipos de vírus influenza conhecidos (A, B e C) o tipo A é o mais prevalente e está associado

Leia mais

vacina influenza A/H1N1 (fragmentada e inativada)

vacina influenza A/H1N1 (fragmentada e inativada) MODELO DE BULA vacina influenza A/H1N1 (fragmentada e inativada) APRESENTAÇÃO Frasco-ampola multidose (10 doses de 0,5 ml) Embalagem com 10 frascos-ampola. Suspensão para injeção. VIA INTRAMUSCULAR USO

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! CIÊNCIAS - UNIDADE 4 RESPIRAÇÃO E EXCREÇÃO Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

O frasco-ampola no qual a suspensão e a emulsão são misturadas passa a ser um recipiente multidose.

O frasco-ampola no qual a suspensão e a emulsão são misturadas passa a ser um recipiente multidose. LEIA ESTA BULA ATENTAMENTE ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO Suspensão e emulsão para o preparo de emulsão injetável. Apresenta-se em uma embalagem de 50 frascos-ampola

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014

SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17 de outubro de 2014 Circular 565/2014 São Paulo, 20 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) "CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO" PARA OS PORTADORES DA SÍNDROME DE DOWN Diário Oficial do Estado Nº 197, Seção 1 sexta-feira, 17

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA]

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] 2 Gripe (Influenza A) Suína Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil I ÓBITOS, CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO Entre 25 de abril e 8 de agosto, foram informados

Leia mais

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado. GRIPE A (H1N1) Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? Até 10 horas. Torna o vírus inativo e o mata (desde que seja feito

Leia mais

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ,

Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ. Professor Adjunto de Infectologia Pediátrica da UFRJ, VACINAÇÃO DE GESTANTES Isabella Ballalai (MD) Diretora Médica da VACCINI - Clínica de Vacinação Professora do curso de extensão em vacinas da UFRJ Edimilson Migowski (MD, PhD, MSc) Professor Adjunto de

Leia mais

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação

Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação Perguntas e Respostas Influenza A (atualizado em 11/06/2009) MINISTÉRIO DA SAÚDE Assessoria de Comunicação 1) Qual a diferença entre o nível 5 e o nível 6? O que difere os níveis de alerta 5 e 6 é o aumento

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra.

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra. ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE GERÊNCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informe Epidemiológico Sarampo - Setembro/2013 O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA REFERENTE AO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO O presente instrumento estabelece as normatizações técnicas do Programa Nacional de Imunizações referentes ao Calendário Nacional de Vacinação,

Leia mais

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 - SESI /SC

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 - SESI /SC CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2015 - SESI /SC CARACTERIZAÇÃO DA CAMPANHA. O Serviço Social da Indústria de Santa Catarina, visando à melhoria da qualidade de vida do trabalhador da Indústria, inicia

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA O HPV - 2016

CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA O HPV - 2016 CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA O HPV - 2016 Sobre o HPV Vírus muito disseminado, transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas Mais de 200 tipos de HPV sendo 13 oncogênicos Os HPV tipos

Leia mais

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04.

Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII. Ocorrências de casos humanos na América do Norte Informe do dia 27.04. I. Informações gerais Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências de Saúde Pública Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional ESPII Ocorrências de casos humanos na América do Norte

Leia mais

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M MANUAL DO PACIENTE - INFECÇÃO PELO HTLV EDIÇÃO REVISADA 02/2004 pelo Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Infecção pelo HTLV. Sabemos que as

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS

Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS Perguntas e Respostas sobre Chikungunya CARACTERÍSTICAS O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), que pode ser transmitida pelos mosquitos Aedes aegypti

Leia mais

GRIPE H1N12009: MINIMIZANDO RISCOS

GRIPE H1N12009: MINIMIZANDO RISCOS GRIPE H1N12009: MINIMIZANDO RISCOS Beth Johnson Executive Vice President of Public Affairs National Restaurant Association Bruce Cords, Ph.D. Vice President Environment Food Safety & Public Health, Ecolab

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador:

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador: BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos Importador: 1 As Dermatofitoses são micoses superficiais nas quais a infecção fungica afeta as camadas

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA- CALENDÁRIO VACINAL 2013 IDADE Ao 2m 3m 4m 5m 6m 7m 12m 15m 18m 4 a 6 11 14 a 16 Nascer anos anos anos BCG ID 1 Hepatite B 2 DTP / DTPa 3 dt/dtpa 4 Hib 5 VIP / VOP 6 Pneumo

Leia mais

Informe Técnico Sarampo nº 9 - ALERTA SARAMPO. Novos casos confirmados de sarampo (Genótipo D4), residentes no Estado de São Paulo.

Informe Técnico Sarampo nº 9 - ALERTA SARAMPO. Novos casos confirmados de sarampo (Genótipo D4), residentes no Estado de São Paulo. INFORME TÉCNICO Nº 9 (Outubro) ALERTA SARAMPO 2011 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe Técnico sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA COMUNIDADE MÉDICA Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio

Leia mais

Lamentavelmente estamos vivenciando nos últimos meses um período de. escassez de vacinas combinadas contendo o componente pertussis acelular:

Lamentavelmente estamos vivenciando nos últimos meses um período de. escassez de vacinas combinadas contendo o componente pertussis acelular: NOTA TÉCNICA 17/11/2015 Desabastecimento das vacinas combinadas à DTPa Novidades sobre disponibilização da quíntupla do PNI para os reforços Comissão Técnica de Revisão de Calendários e Consensos SBIm

Leia mais

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Chikungunya O QUE É O que é Chikungunya? É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya (CHIKV), transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. O que significa o nome? Significa

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Viva intensamente. Cuide-se DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nossos órgãos internos HÁBITOS SAUDÁVEIS Para se ter qualidade com aumento da expectativa de vida,precisa-se manter hábitos saudáveis: Alimentação balanceada

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar

Actualizado em 21-09-2009* Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar Doença pelo novo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 Mulheres grávidas ou a amamentar Destaques A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de risco, pelo

Leia mais