REFUGIADOS AMBIENTAIS. Novos motivos Velhas causas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REFUGIADOS AMBIENTAIS. Novos motivos Velhas causas"

Transcrição

1 REFUGIADOS AMBIENTAIS Novos motivos Velhas causas

2 CONSTRUÇÃO DA DEFINIÇÃO DE REFUGIADO CONTEXTOS INTERNACIONAIS HISTÓRICOS Conjuntura internacional do pós guerra (Segunda Grande Guerra Mundial ( ). Contexto relativo aos movimentos de independência das colónias africanas (década de 1960). Situação criada devido aos conflitos armados que eclodiram na América Latina na década de 1980.

3 PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO RELATIVA AOS REFUGIADOS Instrumentos privilegiados de protecção e promoção dos direitos humanos: As Nações Unidas (1946) e a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) Convenção das Nações Unidas sobre o Estatuto dos Refugiados (1951)

4 DEFINIÇÃO DE REFUGIADO (CLÁSSICA) Convenção Relativa ao Estatuto de Refugiados de 1951 (alterada pelo Protocolo de 1967) De acordo com esta Convenção, deve-se outorgar o estatuto de refugiado a qualquer pessoa que "devido a temores fundados de ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, ou por pertencer a determinado grupo social ou opiniões políticas, se encontre fora do país de sua nacionalidade e não possa ou, devido a tais temores, não queira recorrer à protecção de tal país.

5 DEFINIÇÃO DE REFUGIADO (AMPLIADA) Convenção da Organização de Unidade Africana (1969) Declaração de Cartagena de 1984 (1980) Acrescenta à definição Clássica outras formas de perseguição: como a agressão externa, ocupação, domínio estrangeiro e acontecimentos que perturbam gravemente a ordem pública. Permitiu agilizar, por exemplo, os processos de reconhecimento dos refugiados na ex-jugoslávia e em alguns países africanos,

6 CONCEITO CLÁSSICO DE REFUGIADO E DESAFIOS ACTUAIS Os fluxos migratórios actuais não são apenas a procura de um nível de vida melhor. Muitas vezes as migrações ocorrem por motivos de sobrevivência. Estes refugiados não fogem de guerras, conflitos armados ou perseguições políticas. A miséria, destruição, poluição, calamidades etc, são uma nova forma de perseguição da qual os REFUGIADOS AMBIENTAIS são vítimas.

7 DEFINIÇÃO DE REFUGIADO AMBIENTAL PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), 1985 são pessoas que foram obrigadas a abandonar temporária ou definitivamente a zona onde tradicionalmente vivem, devido ao visível declínio do ambiente ( por razões naturais ou humanas) perturbando a sua existência e/ou a qualidade da mesma de tal maneira que a subsistência dessas pessoas entra em perigo. LISER Living Space for Enviromental Refugees Organização orientada no reconhecimento e distinção de refugiados ambientais.

8 REFUGIADOS AMBIENTAIS Ainda não existe reconhecimento jurídico; Não existe nenhuma protecção específica do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR); A organização LISER, fundada em 2002 por pessoas ligadas aos Refugiados, Meio Ambiente, Direitos do Homem e Desenvolvimento do Terceiro Mundo, tem vindo a desenvolver esforços a fim de fortalecer a posição dos Refugiados Ambientais em todo o mundo.

9 CAUSAS DE TRANSFORMAÇÃO DE MILHÕES DE SERES HUMANOS EM REFUGIADOS AMBIENTAIS CALAMIDADES NATURAIS: Ciclones, vulcões, terramotos,... ACÇÃO DO HOMEM: Destruição da floresta tropical, construção de barragens, catástrofes nucleares, contaminação do ambiente e guerras (biológicas),... ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

10 IMPACTES DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Impactes na totalidade das dimensões do desenvolvimento sustentável

11 Modificações na fauna e flora. Aumento das ondas de calor, com prejuízo da saúde humana, maior consumo de energia utilizada em sistemas de arrefecimento. Diminuição da precipitação, com escassez e diminuição da qualidade dos recursos hídricos que levam à DESERTIFICAÇÃO. Precipitação excessiva, com riscos de cheias. Alteração das flutuações climáticas anuais, que interferem com a produção agrícola. O aquecimento global da Terra.

12 SISMO NO OESTE DA CHINA - SICHUAN O sismo, com uma magnitude de 7,8 na escala de Richter. As autoridades estimam que aproximadamente 4,8 milhões ficaram sem casa devido ao terramoto, que devastou cidades inteiras na província de Sichuan, a mais atingida, onde poucas pessoas sobreviveram.

13 BIRMÂNIA - CICLONE NARGIS O ciclone de categoria 3 vindo do lado do estreito de Bengala, originou ventos de velocidades superiores a 190 km/h. O balanço pode ultrapassar os mortos. Para além da destruição, o ciclone pode ter também efeitos devastadores na já frágil situação alimentar mundial: duas das principais áreas de produção de arroz da Birmânia foram afectadas, o que pode ter efeitos devastadores em dois países vizinhos muito pobres Sri Lanka e Bangladesh com quem a Birmânia tinha contratado o fornecimento de milhares de toneladas deste cereal.

14 FURACÃO CATRINA As águas do Lago de Pontchartrain, por falha do sistema de diques afluiu pelo município, inundando mais de 80% da cidade. Cerca de 200 mil casas ficaram debaixo de água em Nova Orleans.

15 TSUNAMI INDONÉSIA Admite-se que o número de vítimas tenha atingido os Os países mais afectados foram: Sri Lanca, com milhares de mortos e milhões de desalojados; Índia, onde algumas ilhas foram totalmente submersas; Indonésia, ilha de Sumatra; Tailândia; Malásia; Ilhas Maldivas, onde dois terços da capital,malé, foram inundados pelo tsunami.

16 O PEQUENO PAÍS TUVALU O pequeno país de Tuvalu, localizado na Polinésia, acaba de perder uma guerra. Alguns dos cerca de habitantes, já começam o processo de evacuação do território de apenas 26km². Tuvalu não enfrentou um inimigo poderoso e armado até os dentes, mas perdeu uma guerra contra o aquecimento global.

17 ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS ALGUMAS MEDIDAS DE MITIGAÇÃO Cumprimento do Protocolo de Quioto (directamente ou através dos mecanismos flexíveis: Mercado de Emissões, Implementação Conjunta e Mecanismo de Desenvolvimento Limpo), para estabilizar as concentrações de gases com efeito de estufa, prevenindo as alterações climáticas através da limitação das emissões A curto prazo, nos países mais pobres, através da transferência de tecnologia dos países desenvolvidos. Aumentar a capacidade de cada comunidade se adaptar às mudanças climáticas, através da implementação de estilos de vida mais sustentáveis.

18 Países mais pobres vão ser os mais afectados porque não têm acesso a reservas, nem sistemas de protecção contra as cheias, eles vivem na linha da frente das regiões onde as secas e as cheias ocorrem com mais frequência e possuem protecção mínima. Vão passar a existir 360 milhões de refugiados ambientais por causa das alterações climáticas. Vão existir problemas tanto na área da saúde como na educação e na alimentação.

19 No futuro haverá mais pessoas a refugiarem-se devido a problemas ambientais do que devido a guerras. Em 2005 esse numero terá atingido os 100 milhões de pessoas.

20 Macaronésia Diferentes enquadramentos geográficos Diferentes contextos Sociais Diferentes Vulnerabilidades/Susceptibilidades? EMISSORES ou RECEPTORES?

21 SERÁ A MACARONÉSIA EMISSORA DE REFUGIADOS AMBIENTAIS NO FUTURO? As regiões insulares são, pelas suas características de litologia, estrutura geotectónica, dimensões, topografia, condicionantes geográficas e de natureza hidrogeológica, muito susceptíveis aos impactos das ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

22 O CONCEITO DE REFUGIADO AMBIENTAL NA MACARONÉSIA 12 mil habitantes abandonaram a ilha do Faial devido à erupção dos Capelinhos e crise sísmica (meados do séc.xx); Actualmente a fuga clandestina de população de países da Costa Africana (Mauritânia, Mali, Gambia e Senegal) para Cabo Verde e para as Canárias, na procura de melhores condições de vida. Em 2007 morreram 735 pessoas e em 2006 morreram ao tentar chegar às ilhas;

23 Açores-Imigração Fenómeno recente Cerca de 3% da População Cabo Verde, Ucrania, Brasil, Russia e Angola Promover a integração, alargar a tolerância, estimular a criação artística, transversalizar a cidadania dos emigrantes e dos imigrantes e enriquecer o nosso património cultural são desígnios que o Governo Regional dos Açores entende perseguir, intensificar e aprofundar

24 ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NOS ARQUIPÉLAGOS DOS AÇORES E DA MADEIRA Alteração da distribuição da precipitação anual, Invernos mais húmidos e chuvosos e as outras estações mais secas Aumento da temperatura média em 2 a 3º C; Deslizes de terras, devido ao aumento da precipitação; Intrusão salina nos aquíferos provocada pela subida do nível da água do mar; Erosão costeira; Intensificação de circulações ciclónicas;

25 CAUSAS QUE POTENCIAM A EXISTÊNCIA DE REFUGIADOS AMBIENTAIS NO FUTURO DA MACARONÉSIA Vulcanismo Sismicidade Tempestades Variação do nível das águas do mar Movimentos de massa de vertente Erosão costeira Intrusão salina Torrentes de lama Tsunamis Cheias Furacões

26 REFUGIADOS AMBIENTAIS Os refugiados dos arquipélagos que constituem a Macaronésia poderão ter no futuro novos motivos para emigrarem para países que no passado já os receberam, mas por outras causas. A ECONOMIA DAS ILHAS DEPENDE, EM GRANDE PARTE, DOS RECURSOS NATURAIS

27 A Fazer Reforçar laços (canais de comunicação ) Investigar ( fenómenos, processos ) Pressionar (Direitos Humanos, Estatuto Jurídico ) Actuar ( Mecanismos Pró-activos)

28 BIBLIOGRAFIA Carbono contra a pobreza, Alterações Climáticas e Desenvolvimento, OIKOS/ecoprogressso, Novembro de 2007; Borges, Vera, em Coelho, Isabel Alves,"Climate Change Scenarios in the Azores and Madeira Islands" (Cenários das alterações climáticas nas ilhas dos Açores e da Madeira), em Direcção Geral das Comunidades do Governo dos Açores Marinucci, Roberto e Milesi, Rosita, co-autores do livro Refugiados Realidades e Perspectivas, em Moreira, Júlia Roberto, I Simpósio em Relações Internacionais do Programa de Pós Graduação em Relações Internacionais Santiago Dantas (UNESP, UNICAMP e PUC-SP) - 12 a 14 de Novembro 2007; Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (criado em 1988 pela Organização Meteorológica Mundial e pelo Programa Ambiental da ONU), em Relatório de Desenvolvimento Humano 2007/2008 do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, em //bali.blogs.sapo.pt;

29 MUITO OBRIGADO!

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas

ESTUDO STERN: Aspectos Económicos das Alterações Climáticas Resumo das Conclusões Ainda vamos a tempo de evitar os piores impactos das alterações climáticas, se tomarmos desde já medidas rigorosas. As provas científicas são presentemente esmagadoras: as alterações

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

O MUNDO ONDE VIVEMOS!

O MUNDO ONDE VIVEMOS! O MUNDO ONDE VIVEMOS! PLANETA TERRA BIOSFERA (SERES VIVOS) ATMOSFERA (AR) HIDROSFERA (ÁGUA) LITOSFERA (TERRA) AMBIENTE NO SÉC. S XX A TEMPERATURA DA TERRA AUMENTOU MAIS OU MENOS DE 0,6ºC C A 2ºC. 2 AS

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS Biologia e Geologia 10º Ano Nome: N.º Título original: An Inconvenient Truth Título (Portugal): Uma Verdade Inconveniente Realização: Davis Guggenheim Intérprete: Al Gore

Leia mais

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE

GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE GESTÃO DE RISCO BASEADA NA COMUNIDADE Introdução Moçambique é um dos países mais afectados por fenómenos extremos causados por forças naturais e por acções do homem sobre a natureza e que nos põe em perigo.

Leia mais

Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia

Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia MEC, 4º ano, 2º sem, 2008-09 Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia Os desafios ambientais e de sustentabilidade em Engenharia 1ª aula Maria do Rosário Partidário Desafios Ambientais e

Leia mais

Sinais. O mundo está a mudar

Sinais. O mundo está a mudar Sinais O mundo está a mudar O nosso Planeta está a aquecer, do Pólo Norte ao Polo Sul. Os efeitos do aumento da temperatura estão a acontecer e os sinais estão por todo o lado. O aquecimento não só está

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E BIODIVERSIDADE Mudanças Climáticas Temperatura Precipitação Nível do Mar Saúde Agricultura Florestas Recursos Hídricos Áreas Costeiras Espécies e Áreas Naturais Mudanças Climáticas

Leia mais

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção)

Migrações O vaivém da população pelo mundo. Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migrações O vaivém da população pelo mundo Mapa que indica os principais destinos de migrantes (países maiores- distorção) Migração ou Movimento Populacional: Ocorre o tempo todo no mundo Pessoas mudam-se

Leia mais

Ficha de trabalho: Questionários

Ficha de trabalho: Questionários Ficha de trabalho: Questionários Objectivos: As lições têm como objectivo incentivar os alunos a compreender melhor o impacto das alterações climáticas. Recursos: Disponíveis em www.climatechange.eu.com:

Leia mais

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS

CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS CAPÍTULO 4 DESASTRES NATURAIS Quando vimos na TV o acontecimento do Tsunami, em 2004, pensamos: O mundo está acabando! Mas por que esses desastres naturais estão, cada vez mais, assolando nosso planeta?

Leia mais

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE I

Arquitetura e Sustentabilidade. Antonio Castelnou PARTE I Arquitetura e Sustentabilidade Antonio Castelnou PARTE I CASTELNOU Introdução Atualmente, as questões ambientais vêm sendo cada vez mais salientadas, não somente pela ação de organismos nãogovernamentais

Leia mais

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

GEOGRAFIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. GEOGRAFIA 01 Um dos passos para o domínio das técnicas de orientação é o conhecimento da Rosa dos Ventos, que é constituída por pontos cardeais, colaterais, subcolaterais e intermediários. Observe a Rosa

Leia mais

Kelly Neres da Silva 1

Kelly Neres da Silva 1 A DEFINIÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS E O PAPEL DO DIREITO HUMANITÁRIO INTERNACIONAL PERANTE O DIREITO DE ASILO E A PROTEÇÃO AO REFUGIADO Kelly Neres da Silva 1 RESUMO: A proposta deste

Leia mais

A humanidade está hoje na direção da não-sustentabilidade, caminhando rapidamente para tornar a Terra inabitável.

A humanidade está hoje na direção da não-sustentabilidade, caminhando rapidamente para tornar a Terra inabitável. A solução é a economia verde? Por Ivo Lesbaupin, integrante da diretoria executiva da Abong A humanidade está hoje na direção da não-sustentabilidade, caminhando rapidamente para tornar a Terra inabitável.

Leia mais

De onde vem o Nome Tsunami?

De onde vem o Nome Tsunami? O Que é Um Tsunami? Um tsunami é um conjunto de ondas que ocorrem após perturbações muito elevadas que deslocam verticalmente uma coluna de água, como, por exemplo, um sismo, actividade vulcânica, abrupto

Leia mais

Especial: Os desafios legais para acolher e proteger os migrantes afetados pelas mudanças climáticas

Especial: Os desafios legais para acolher e proteger os migrantes afetados pelas mudanças climáticas 16/07/2014 Especial: Os desafios legais para acolher e proteger os migrantes afetados pelas mudanças climáticas Crianças na vila de Tebikenikora, localizada em um dos principais atóis de Kiribati. Será

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia

Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Universidade Eduardo Mondlane Faculdade de Engenharia Departamento de Engenharia Mecânica Energias Renováveis 4 o Ano Prof. Doutor Engenheiro Jorge Nhambiu Aula 1 Recursos energéticos, situação actual

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA INTRODUÇÃO À GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA.

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA INTRODUÇÃO À GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA. MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA INTRODUÇÃO À GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA. Este projeto foi elaborado em grupo pelos alunos do Curso de Educação

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO INTRODUÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO Pagina 1 Josilene T.V. Ferrer Divisão de Questões Globais da CETESB PROCLIMA/CETESB SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Pagina

Leia mais

Mudanças Climáticas O clima está diferente. O que muda na nossa vida

Mudanças Climáticas O clima está diferente. O que muda na nossa vida 1 Mudanças Climáticas O clima está diferente. O que muda na nossa vida 2 Se você tem menos de 15 anos, praticamente já nasceu ouvindo falar de temas até então raros, como aquecimento global, mudanças climáticas,

Leia mais

PRODEL - UNISUL Etapas a) Inscrição b)encontros presenciais c) Formação das equipes d)leitura dos materiais e) Autoavaliação f) Intervenção g)

PRODEL - UNISUL Etapas a) Inscrição b)encontros presenciais c) Formação das equipes d)leitura dos materiais e) Autoavaliação f) Intervenção g) PRODEL - UNISUL Etapas a) Inscrição b)encontros presenciais c) Formação das equipes d)leitura dos materiais e) Autoavaliação f) Intervenção g) Feedback - relatório Projeto Acolhida ao Migrante Objetivo:

Leia mais

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser

GEOGRAFIA. 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser GEOGRAFIA 49 TOPOGRAFIA As curvas de nível são linhas que unem pontos com a mesma altitude. A partir delas pode ser determinada a declividade do terreno e pode ser traçado seu perfil. Observe a figura.

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC RESENHA Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC Por Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura - CEPAGRI CIDADE

Leia mais

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15)

A Luta Contra as Alterações Climáticas e a Conferência Climática de Copenhaga (COP15) DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CIEJD, em parceria com GPE, RCE e o CEIS20. N.1 Junho/Dezembro 2009 Semestral ISSN 1647-6336 Disponível em: http://www.europe-direct-aveiro.aeva.eu/debatereuropa/

Leia mais

Professor: Márcio Luiz

Professor: Márcio Luiz Capítulo 14 Meio Ambiente Global Geografia 1ª Série Conteúdo complementar O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de seis gases do efeito estufa em

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA INTRODUÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA DO CLIMA

MUDANÇA DO CLIMA INTRODUÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA DO CLIMA MUDANÇA DO CLIMA Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 INTRODUÇÃO: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA MUDANÇA DO CLIMA O efeito estufa constitui um fenômeno natural pelo qual parte da energia solar que incide sobre o

Leia mais

Aqua-Mission. Sistema. Água do ar. Descoberta de um recurso hídrico não utilizado. real solutions for real needs

Aqua-Mission. Sistema. Água do ar. Descoberta de um recurso hídrico não utilizado. real solutions for real needs Aqua-Mission Sistema Água do ar. Descoberta de um recurso hídrico não utilizado. real solutions for real needs 3 Hoje em dia, mais de 2,6 mil milhões de pessoas carecem de acesso a água limpa e saneamento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento Regional PROJECTO DE PARECER. da Comissão do Desenvolvimento Regional PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««2009 Comissão do Desenvolvimento Regional PROVISÓRIO 2004/0000 23.8.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento Regional destinado à Comissão das Petições

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO ANÁLISE EXPLORATÓRIA DAS ALTERAÇÕES COMPORTAMENTAIS DA UMIDADE RELATIVA NO TRIANGULO MINEIRO Érico Anderson de Oliveira 1 CEFET-MG ericoliv@dcsa.cefetmg.br Ruibran Januário dos Reis 2 PUCMINAS ruibrandosreis@gmail.com

Leia mais

Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) Atualização n 1

Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) Atualização n 1 Considerações sobre a proteção de pessoas que fogem da Líbia recomendações do ACNUR (29 de março de 2011) 1 Introdução Atualização n 1 Milhares de pessoas estão deixando a Líbia devido ao aumento dos conflitos

Leia mais

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos

OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO. Profº Júlio César Arrué dos Santos OS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS: ÁGUA, CARBONO E NITROGÊNIO Profº Júlio César Arrué dos Santos Ciclo da Água Fonte: http://www.aguasdevalongo.net/veolia/infantil/default.asp O ciclo da água que está apresentado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PAÍS. Características Geográficas

APRESENTAÇÃO DO PAÍS. Características Geográficas APRESENTAÇÃO DO PAÍS Características Geográficas A República Democrática de São Tomé e Príncipe, situada no Golfo da Guiné, e atravessada pela linha do Equador, é um Estado constituído por duas pequenas

Leia mais

Eventos climáticos extremos: suas causas e seus efeitos sobre as populações vulneráveis e a pobreza

Eventos climáticos extremos: suas causas e seus efeitos sobre as populações vulneráveis e a pobreza Eventos climáticos extremos: suas causas e seus efeitos sobre as populações vulneráveis e a pobreza MOACIR JOSÉ SALES MEDRADO CURITIBA PARANÁ- 22 DE MARÇO DE 2013 O MUNDO MODERNO Mais do que nunca, dependemos

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Fontes energéticas e impacto ambiental

Fontes energéticas e impacto ambiental Fontes energéticas e impacto ambiental 1- INTRODUÇÃO: Aquecimento global - Projeção + 1 1990-2035 + 2 2035-2100 + 2,5-3 C em 110 anos Era do gelo até hoje: + 6 C Ano CONSEQÜÊNCIAS do AUMENTO do EFEITO

Leia mais

Como ocorre um Tsunami

Como ocorre um Tsunami Como ocorre um Tsunami O QUE É O tsunami é uma onda gigante gerada por distúrbios sísmicos, que possui alto poder destrutivo quando chega à região costeira. A palavra vem do japonês "tsu" (porto, ancoradouro)

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO APOIO À CONTINUIDADE DE ESTUDOS Área: Ciências da Natureza Tema: Dossiê Aquecimento Global CONSIDERAÇÕES INICIAIS Certamente os alunos já tiveram a oportunidade de estudar este tema em outras séries e

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º ano de Escolaridade Prova 623/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O

M A N U A L _ D O _ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O MANUAL_ DO_ R E F U G I A D O _SUMÁRIO _Quem é o (a) solicitante de refúgio?...4 _Dificuldades enfrentadas pelo refugiado ao chegar ao Brasil...5 _Direito dos solicitantes

Leia mais

INSTRUÇÃO: Responder à questão 18 com base no mapa que representa a localização de cidades hipotéticas e nas afirmações a seguir. D E OCEANO PACÍFICO

INSTRUÇÃO: Responder à questão 18 com base no mapa que representa a localização de cidades hipotéticas e nas afirmações a seguir. D E OCEANO PACÍFICO GEOGRAFIA 17) A interpretação do termo um só país, dois sistemas, característico da China, refere-se à 16) Quanto à incidência do Sol sobre a Terra, é correto afirmar que A) no Ártico, no solstício de

Leia mais

ID: 61245534 03-10-2015

ID: 61245534 03-10-2015 ID: 61245534 03-10-2015 Tiragem: 29592 País: Portugal Period.: Diária Pág: 17 Cores: Cor Área: 15,92 x 30,00 cm² Corte: 1 de 1 A1 Sapo Moçambique Online Visitas diárias: 2119 País: MZ OCS: Sapo Moçambique

Leia mais

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS Departamento de Geofísica EXPOSIÇÃO ITINERANTE DO MUSEU DE CIÊNCIAS DA USP ÁGUA: UMA VIAGEM NO MUNDO DO CONHECIMENTO

Leia mais

Relatório. Japão: Terramoto e Tsunami 2011. Resumo. dos 6 Meses de Operações da Cruz Vermelha Japonesa.

Relatório. Japão: Terramoto e Tsunami 2011. Resumo. dos 6 Meses de Operações da Cruz Vermelha Japonesa. Relatório dos 6 Meses de Operações da Cruz Vermelha Japonesa. Japão: Terramoto e Tsunami 2011 Este relatório cobre o período de 12 Março a 31 Agosto 2011. Foto: CV Japonesa. Resumo A 11 de Março de 2011,

Leia mais

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE CLIMA Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE Curitiba, PR 9 de novembro de 2009 Laura Valente de Macedo, Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade, Secretariado

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana.

Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. Desenvolvimento Sustentável para controlo da população humana. O aumento da população humana é frequentemente citado como a principal causa de problemas para o planeta. De facto a humanidade está a crescer

Leia mais

O Sr. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O Sr. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores O Sr. DANIEL ALMEIDA (PCdoB-BA) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, o dia 5 de junho é lembrado em todos os países como o Dia Mundial do Meio Ambiente. Em 1972,

Leia mais

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira

Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Pós-Copenhaga E o ambiente? Francisco Ferreira Alterações climáticas Emissão de gases de efeito de estufa -> agravamento do efeito de estufa -> aquecimento global -> alterações climáticas 4 relatórios

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS. UMA ANÁLISE SOBRE OS REFUGIADOS NO BRASIL. Social service and human rights. An analisis of refugees in Brazil

SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS. UMA ANÁLISE SOBRE OS REFUGIADOS NO BRASIL. Social service and human rights. An analisis of refugees in Brazil SERVIÇO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS. UMA ANÁLISE SOBRE OS REFUGIADOS NO BRASIL Social service and human rights. An analisis of refugees in Brazil 1 Cyntia de Albuquerque Sampaio* Palavras-chave: Direitos

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

SOLUÇÕES. Contrastes de Desenvolvimento

SOLUÇÕES. Contrastes de Desenvolvimento AEPTG9-10 PREPARAR OS TESTES GEOGRAFIA TEMA 1 Contrastes de Desenvolvimento EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS. 33-38 1.1. Índice de desenvolvimento humano. 1.2. O país A. 1.3. País A: país com índice de desenvolvimento

Leia mais

Margarida Cosme Médica de Saúde Pública Comemorações Dia Mundial da Saúde

Margarida Cosme Médica de Saúde Pública Comemorações Dia Mundial da Saúde Alterações Climáticas Impactos na saúde Margarida Cosme Médica de Saúde Pública Comemorações Dia Mundial da Saúde A actividade humana está a afectar o clima, com repercussão na saúde das populações! As

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro

O palácio de Belém Um exemplo pioneiro O palácio de Belém Um exemplo pioneiro Workshop - TIC e Eficiência Energética: O Estado deve dar o exemplo Teresa Ponce de Leão 23 de Junho de 2010 Extracto do relatório 2009 O processo que conduziu à

Leia mais

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009

Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro. Enase 2009 Mudanças Climáticas e Setor Elétrico Brasileiro Enase 2009 Objetivo: agregar todos segmentos do setor elétrico, geradores de todas fontes, transmissores, distribuidores e consumidores para discutir e apresentar

Leia mais

Ideias-chave Sumário Metodologia Actividade prática Perguntas-chave

Ideias-chave Sumário Metodologia Actividade prática Perguntas-chave Aula 1 2 Ideias-chave Sumário Metodologia Actividade prática Perguntas-chave Clima -Definição de clima. -Identificação do modo como as -Interacções das alterações climáticas interferem - Qual é a definição

Leia mais

Os fenômenos climáticos e a interferência humana

Os fenômenos climáticos e a interferência humana Os fenômenos climáticos e a interferência humana Desde sua origem a Terra sempre sofreu mudanças climáticas. Basta lembrar que o planeta era uma esfera incandescente que foi se resfriando lentamente, e

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-sociedade: questões ambientais. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

Furacões. Nomes de Furacões do Atlântico Norte: Como são dados os nomes?

Furacões. Nomes de Furacões do Atlântico Norte: Como são dados os nomes? 27 de agosto de 2011 Furacões O furacão é uma poderosa tempestade que produz ventos extremamente rápidos. Na realidade, o furacão é um ciclone (uma depressão) de forte intensidade. Ele compreende, às vezes,

Leia mais

DICAinformativa. Quem pode considerar-se REFUGIADO?

DICAinformativa. Quem pode considerar-se REFUGIADO? DICAinformativa Quem pode considerar-se REFUGIADO? De acordo com a Convenção de Genebra (1951) e com a lei portuguesa, um refugiado é uma pessoa que é testemunhalmente ou comprovadamente perseguida em

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores

SUMÁRIO EXECUTIVO. Valores SUMÁRIO EXECUTIVO O Plano Estratégico da Província de Inhambane para o período 2011-2020 (PEP II) é parte integrante do processo provincial de planificação do Governo, com a finalidade de promover o desenvolvimento

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA

ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ASPECTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA Notas das aulas da disciplina de Instalações e Serviços Industriais Sumário Poluentes mais comuns Efeitos dos poluentes Equipamentos para retenção dos poluentes

Leia mais

POSSÍVEIS EFEITOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL ORIENTAL DO RN

POSSÍVEIS EFEITOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL ORIENTAL DO RN Revista do CERES Volume 1, Número 2 2015 http://www.cerescaico.ufrn.br/ceres/ POSSÍVEIS EFEITOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL ORIENTAL DO RN POSSIBLE EFFECTS OF CLIMATE CHANGE ON THE EASTERN COAST

Leia mais

Prof: Marcio Santos Enem 2009

Prof: Marcio Santos Enem 2009 Prof: Marcio Santos Enem 2009 Mapa Mundi Ciências Humanas Aula III Brasil Características Políticas - Nome: República Federativa do Brasil - 5º país do mundo em população - 5º país do mundo em território

Leia mais

M0.1 Registrar a intenção do cumprimento ao Pacto dos Prefeitos, por favor anexe a carta de compromisso [Anexo]

M0.1 Registrar a intenção do cumprimento ao Pacto dos Prefeitos, por favor anexe a carta de compromisso [Anexo] O (Compact of Mayors) é o maior esforço internacional de cooperação entre prefeitos e funcionários municipais para demonstrar seu compromisso com a redução das emissões de gases de efeito estufa assim

Leia mais

RESE HA I FORMATIVA. A Recepção dos Refugiados Colombianos nos Países Fronteiriços com Exceção do Brasil

RESE HA I FORMATIVA. A Recepção dos Refugiados Colombianos nos Países Fronteiriços com Exceção do Brasil RESE HA I FORMATIVA A Recepção dos Refugiados Colombianos nos Países Fronteiriços com Exceção do Brasil Professor-orientador: Marcos Aurélio B. dos Reis Aluno: Ismael Voigt Leandro SUMÁRIO: Resumo. 1.

Leia mais

Membros:Graziele, Ana Beatriz,Ana e Evillyn

Membros:Graziele, Ana Beatriz,Ana e Evillyn TEXTOS INFORMATIVOS O que é energia? Tudo o que acontece á nossa volta é provocado pela energia. Os tipos de energia são: Hidráulica, Eólica, Solar, Nuclear, Térmica e Fóssil. Membros:Graziele, Ana Beatriz,Ana

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

Cuba rejeita categoricamente qualquer tentativa de explorar a situação dramática criada para ocupar o país e controlar o petróleo.

Cuba rejeita categoricamente qualquer tentativa de explorar a situação dramática criada para ocupar o país e controlar o petróleo. Leia abaixo a íntegra do discurso do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, no Conselho de Dereitos Humanos da ONU, na última terça-feira (1º/3), em Genebra: A consciência humana rejeita

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades Amigos dos Açores Associação Ecológica Dezembro de 2009 Plano de Actividades 2010 Título Amigos dos Açores Associação Ecológica Autoria Avenida da Paz, 14, 9600-053 Pico da Pedra +351

Leia mais

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças.

A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. POPULAÇÃO Migrações A estrutura das migrações tem mudado muito desde o final do século XX. Vejamos algumas dessas mudanças. A população estrangeira em países mais desenvolvidos aumentou em 23 milhões na

Leia mais

SUSTENTABILIDADE????

SUSTENTABILIDADE???? SUSTENTABILIDADE???? POPULAÇÃO MUNDIAL PRINCIPAIS PROBLEMAS GRANDES DESAFIOS DA HUMANIDADE: ÁGUA POTÁVEL FLORESTAS ALIMENTOS DIVERSIDADE BIOLÓGICA MORADIA GERAÇÃO DE ENERGIA ATMOSFERA, MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA)

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) BOM ESTUDO Profª Sueli Rocha CONTEÚDO: Os tipos de clima do continente Americano 01 Conceituar clima R: Clima é a seqüência

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências.

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades FUVEST 23/11/2008

Seu pé direito nas melhores Faculdades FUVEST 23/11/2008 Seu pé direito nas melhores Faculdades FUVEST 23/11/2008 FUVEST 06/01/2009 47 GEOGRAFIA 01. O conflito envolvendo Geórgia e Rússia, aprofundado em 2008, foi marcado por ampla repercussão internacional.

Leia mais

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre

A vingança de Gaia. O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear pode adiar o desastre Página 1 de 5 ' nmlkji nmlkj ok Edição 1979. 25 de outubro de 2006 Entrevista: James Lovelock A vingança de Gaia < O cientista inglês que considera a Terra um organismo vivo diz que só a energia nuclear

Leia mais

A Agenda de Adaptação no âmbito do Plano Nacional sobre Mudança do Clima e perspectivas para a Política Nacional sobre Mudança do Clima

A Agenda de Adaptação no âmbito do Plano Nacional sobre Mudança do Clima e perspectivas para a Política Nacional sobre Mudança do Clima A Agenda de Adaptação no âmbito do Plano Nacional sobre Mudança do Clima e perspectivas para a Política Nacional sobre Mudança do Clima Workshop de Adaptação às Mudanças Climáticas e os desafios da gestão

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais Arielli Xavier de Lima 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida

Leia mais

P R O P O S T A D E R E D A Ç Ã O

P R O P O S T A D E R E D A Ç Ã O P R O P O S T A D E R E D A Ç Ã O TA 2 PRIMEIRO SEMESTRE/2007 Texto I UM PLANETA COM FEBRE ALERTA AMBIENTAL O aquecimento global e as mudanças climáticas já são realidade, com ameaças de derretimento de

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA Ensino Fundamental 2º Segmento GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase 6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: Geografia Professores do Estúdio: Jefferson

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Portugal entre a Europa e o Atlântico Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Lusíada. Política Internacional e Segurança, n.º 10 (2014) 55 Portugal entre a Europa e o Atlântico, pp. 55-62

Leia mais

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África

Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África Documento de Apoio da Declaração de Gaborone para Sustentabilidade na África O documento de apoio da Declaração de Gaborone para a sustentabilidade na África é um paradigma transformador na busca pelo

Leia mais

Proposta para a COP21 de Paris, dezembro 2015-08-05 É TEMPO DE CRIARMOS O GRUPO ANEXO 0

Proposta para a COP21 de Paris, dezembro 2015-08-05 É TEMPO DE CRIARMOS O GRUPO ANEXO 0 Proposta para a COP21 de Paris, dezembro 2015-08-05 É TEMPO DE CRIARMOS O GRUPO ANEXO 0 Este documento tem o objetivo de apresentar os compromissos e esforços que os povos, nacionalidades e comunidades

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

Regulamento do Concurso Ambiente & Saúde 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJECTIVOS. O papel dos jovens num mundo em mudança

Regulamento do Concurso Ambiente & Saúde 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJECTIVOS. O papel dos jovens num mundo em mudança Regulamento do Concurso Ambiente & Saúde O papel dos jovens num mundo em mudança 1. APRESENTAÇÃO A protecção do ambiente, a prevenção da doença e a promoção da saúde constituem alguns dos maiores desafios

Leia mais

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série Fluxo de energia e Ciclos biogeoquímicos BIOLOGIA 1ª série Profª Reisila Mendes Fluxo de energia na cadeia alimentar Fluxo da matéria nos ecossistemas Ciclo da água 1 precipitação 2 infiltração 3 - evapotranspiração

Leia mais

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Thelma Krug Pesquisadora, INPE Membro do Conselho do IPCC Congresso Internacional de Sustentabilidade São José dos Campos,

Leia mais