PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ"

Transcrição

1 PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ Paula Guarini Marcelino¹, Carolina Guarini Marcelino¹, Nelson Gumiero Porfirio Neto¹, Ana Laura Machado Módolo¹, Ana Cecília Hoffmann Inocente (Orientadora) ¹, ¹Universidade Estadual do Norte do Paraná, Campus Luiz Meneghel, Bandeirantes, Paraná Ciências Biológicas, Zoologia- Comportamento Animal/ Ecologia Palavras-chave: padrões comportamentais, estrutura sexo-etária, dieta. Resumo O estudo foi realizado com um grupo de bugios-ruivo de vida livre no Parque Estadual Mata São Francisco (PEMSF), com 832,58ha com o objetivo de determinar os padrões de comportamento de um grupo de Alouatta clamitans (Cabrera, 1940) de acordo com a estrutura sexo-etária, e análise dos itens alimentares da espécie. O local está situado entre os municípios de Santa Mariana e Cornélio Procópio, no Paraná. As amostragens ocorreram de março a setembro de 2014 com intervalos de 15 dias, e dois dias consecutivos a cada visita. Foram contabilizados 29h e 30min de observações visuais do bando, distribuídas em 15 dias de amostragens; com 7 dias de observação direta e 8 dias de observação indireta. Houve um período de habituação dos animais com a presença dos pesquisadores. O trabalho foi realizado com um grupo de A. clamitans, onde o grupo era visualizado através da vocalização ou busca ativa do bando pelas trilhas. Os comportamentos destacados foram descanso, com altas frequências nos indivíduos juvenis e machos, seguido da locomoção com destaque do filhote e do macho alfa, e a fêmea foi observada em sua maior parte na socialização com os filhotes ainda pequenos. Durante o período de estudo, a temperatura esteve relacionada positivamente com a locomoção do bando. Foram identificadas nove espécies arbóreas utilizadas como recurso pelo o grupo, para descanso ou alimentação, por identificação das sementes nas fezes coletas e registro fotográfico. Introdução Os primatas são animais que possuem elo social entre a mãe e sua prole, diferente de outras ordens de mamíferos, de modo que a sobrevivência do infante primata é completamente dependente do cuidado provido por membros de seu grupo social, particularmente do cuidado materno (NAVARRO et al., 2011), a qual dessa maneira ocupa a maior parte do seu tempo em cuidado com os filhotes. Já o infante observando e interagindo com a mãe, aprende o que comer, o que temer, onde caminhar, dormir, beber, e as interações sociais como brincadeira, catação, agressões são observadas com menor frequência no gênero Alouatta quando comparado com outros primatas (NAVARRO et al., 2011). As espécies do gênero Alouatta são sociais e formam grupos que podem variar muito entre as espécies e menos intraespecificamente (MIRANDA e PASSOS, 2004). Esses animais possuem comportamentos que determinam uma hierarquia dentro do bando, como condutas de vocalizar e vigiar, ao contrário da catação que revela a relação de dominância entre os indivíduos, de modo que

2 hierarquia e dominância agem juntas na estrutura e estabilidade social de bandos (DALMASO e CODENOTTI, 2010). Assim é necessário entender a hierarquia que existe dentro do bando de bugios- ruivo, através de análises comportamentais e de interações ecológicas com a flora presente no local, em destaque a espécie Alouatta clamitans que atua como dispersor de sementes no Parque Estadual Mata São Francisco (PEMSF). Desse modo o presente estudo teve como objetivo determinar os padrões de comportamento de um grupo de A. clamitans, de acordo com a estrutura sexo-etária, e análise dos itens alimentares da espécie. Material e métodos A coleta foi realizada no Parque Estadual Mata São Francisco (PEMSF), com 832,58ha ocupando as coordenadas 23º08 60 S/ 50º34 24 O. O local está situado entre os municípios de Santa Mariana e Cornélio Procópio, no Paraná. Os dados foram coletados entre os meses de março a setembro de 2014, quinzenalmente com dois dias de amostragens consecutivos. As observações foram realizadas no período matutino e vespertino, das 09:00h às 16:00h. Foram realizadas amostragens dos principais comportamentos de Alouatta clamitans, com um grupo composto por um macho alfa, duas fêmeas, quatro juvenis e dois filhotes, através do método de amostragem por scan instantâneo adaptado de Altmann (1974). As sessões de observação foram realizadas a cada três minutos, e com intervalos de cinco minutos entre cada sessão, para quantificação dos repertórios das atividades. Os comportamentos foram registrados em planilhas conforme a frequência das principais atividades de acordo com a estrutura sexo-etária. As atividades foram registradas com auxílio de câmera fotográfica, binóculo, GPS e caderno de anotações. O levantamento das temperaturas médias local utilizadas para confecção do gráfico dos dias de amostragem direta, foi feito através da ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DE BANDEIRANTES- PR. Para a localização do grupo de bugios na área de estudo, foi constituído um sistema de trilhas conforme a frequência de encontro na mesma área, principalmente nos locais que englobam a maior parte das áreas de descanso do bando. Os animais foram localizados por sinais auditivos, visuais e olfativos, com a abertura de cinco trilhas. A observação dos animais se dava na espera da vocalização do bando, em um ponto fixo entre as duas pontes do Parque, assim, se não houvesse vocalização no período da manhã as trilhas eram percorridas aleatoriamente, por busca ativa. O repertório comportamental foi selecionado quanto a descanso, alimentação, locomoção, socialização e outras atividades eventualmente presentes. As espécies arbóreas utilizadas pelos animais como recursos alimentares e para descanso, foram identificadas através de literatura comparando o material encontrado nas coletas de fezes e na coleta de frutos. Resultados e Discussão Foram contabilizados 29h e 30min de observações visual do bando, distribuídas em 15 dias de amostragens, com 7 dias de observação direta e 8 dias de observação indireta não contabilizadas como a adaptação do bando com o pesquisador (as sessões de como ocorreu as observações já estão citadas no material e métodos, esse é resultado), sinais auditivos pela vocalização, e sinais olfativos com coleta de fezes para análise dos recursos alimentares. Houve uma grande dificuldade na visualização do bando, por se encontrarem em estratos mais altos nas espécies arbóreas e dificuldade de deslocamento em determinados locais, pela alta quantidade de bambus no parque devido a alta incidência de luz. As coletas aconteceram entre os meses de março à setembro de 2014, totalizando 1435 registros comportamentais analisados. Os comportamentos mais evidentes dentre os observados, foram descanso e locomoção, seguido de outras atividades, socialização e alimentação na Tabela I.

3 Os comportamentos evidentes foram descanso com uma média de 68%, seguido de locomoção com uma média de 26% do total do tempo utilizado pelos bugios durante o período de estudo. O descanso foi predominante, pelo baixo metabolismo da espécie onde na maior parte do tempo permanecem nesta categoria. O indivíduo juvenil foi o que gastou a maior parte do tempo em descanso, sendo observado apenas do lado de outros juvenis, exercendo pouca função dentro da hierarquia do grupo. O macho alfa, também se destacou na atividade descanso, pois permaneceu em cuidado do bando e o filhote apresentou a menor porcentagem do descanso. O mesmo foi visto por MUHLE e BICCA- MARQUES (2008) que o tempo dedicado ao descanso é maior nos indivíduos adultos e juvenis do bando, se comparado aos filhotes com maiores taxas de locomoção, devido a socialização com outros indivíduos em seus primeiros aprendizados. Na atividade de alimentação, foram utilizados os recursos folha, fruto e flor, e esta não durava mais do que quatro observações diretas. Nesta atividade o macho alfa obteve a maior porcentagem de alimentação, e na maioria das vezes era o indivíduo que iniciava a locomoção para forrageio e assim a alimentação, e somente após isso os outros indivíduos iniciavam o comportamento. MIRANDA (2009) registrou resultados semelhantes estudando Alouatta caraya onde os machos foram os principais iniciadores das categorias comportamentais analisadas, indicando uma função na proteção do grupo. O recurso folha foi o de maior visualização sendo utilizado pelos indivíduos do grupo, seguido de frutos e flores. KOCH (2008) verificou que o tempo dedicado a flores e frutos é menor quando comparado ao tempo do consumo de folhas, pois o consumo de frutos e flores disponibilizam mais energia e nutrientes, o que permitem que as animais atinjam suas necessidades nutricionais mais rapidamente, do que o consumo de grandes quantidades de folhas. Na locomoção o indivíduo que apresentou a maior porcentagem foi o macho alfa por iniciar as atividades. A atividade de locomoção ocorreu em sua maioria de maneira curta, quando em uma mesma árvore e longa quando ocorria o deslocamento total do bando para outras árvores. Essa atividade ocorreu em maior porcentagem com relação ao aumento de temperaturas e disponibilidade de recursos alimentares. KOCH (2008) em seu estudo de dieta e comportamento de bugios apresentou resultados semelhantes, de modo que o tempo dedicado ao percurso diário dos animais foram influenciados pela composição e disponibilidade da dieta. A socialização em sua maioria aconteceu entre o filhote e a fêmea, de modo que não foi observada socialização direta dessas com outros indivíduos, pois os filhotes eram pequenos e necessitavam de seus cuidados. Essa os observava em seus curtos deslocamentos e brincadeiras com outros filhotes, que na maioria do tempo estes permaneciam em suas costas mesmo parada ou em deslocamento. Segundo DALMASO e CODENOTTI (2010), com um estudo de comportamentos de hierarquia e dominância de bugios-ruivos a presença de infantes causa uma variação nas taxas de relacionamento entre a fêmea e o macho alfa, pelo tempo dedicado desta à prole. Outras atividades foram observadas de maneira aleatória durante o período de amostragem, com uma porcentagem alta de fêmeas com os filhotes nas costas, parada ou em locomoção. Com

4 Frequência de locomoção menor frequência se deu a vocalização dos machos, no mesmo grupo ou entres grupos, que aconteceram na sua maioria no período da manhã, e em temperaturas mais baixas essas ocorriam no meio do dia e no período da tarde. Já os comportamentos associados às necessidades fisiológicas, heterocatação e autocatação foram observados de maneira eventual durante o período de estudo. Durante o período de estudo, as temperaturas médias mais baixas (16ºC), os indivíduos apresentaram menor locomoção, já nas temperaturas médias mais altas (21ºC), houve uma maior locomoção do bando (Figura 1). MUHLE e BICCA-MARQUES (2008) relatam que possivelmente há uma zona termoneutra entre 1ºC e aproximadamente 20ºC, a partir disso há um aumento das atividades, por maior troca de calor com o meio, principalmente pelo forrageio. 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 19,1º 19,1º 21,8º 16,9º 19,6º 21,0º 21,2º de maio 18 de junho 05 de julho 11 de julho 10 de agosto 30 de agosto 14 de setembro Filhote Juvenil Fêmea Macho Temperatura média Data das amostragens Figura 1- Gráfico comparativo entre a frequência de locomoção na estrutura sexo-etária de um grupo de Alouatta clamitans, com as temperaturas médias dos dias amostrados no Parque Estadual Mata São Francisco, entre os municípios de Santa Mariana e Cornélio Procópio-PR, de março à setembro de Durante o mês de agosto houve início do aumento das temperaturas, já o mês de setembro com o aparecimento de flores, frutos e folhas novas, fez com que o bando se deslocasse de seus pontos fixos de descanso com aumento de suas atividades, e o aumento do forrageamento. Na alimentação as dietas foram analisadas e classificadas em diferentes tipos de recursos alimentares utilizados pelo grupo de bugios, como folha, fruto e flor. Foram levantadas nove espécies arbóreas utilizadas pelo grupo de bugios, e distinguidos de acordo com o uso para descanso e alimentação. As espécies mais utilizadas foram Aspidosperma polyneuron, Pereskia aculeata, Piptadenia gonoacantha, Ficus guaranitica, Pisonia aculeata e Chrysophyllum gonocarpum. A espécie A. polyneuron foi utilizada para descanso do grupo. A espécie P. gonoacantha para alimentação do recurso folha e descanso. A espécie F. guaranitica utilizada para descanso e alimentação dos frutos, em observação direta e identificação de suas sementes nas fezes dos animais. A espécie Pisonia aculeata foi utilizada para alimentação através do seu recurso flor em observação direta. Foi observada a época de floração da espécie C.gonocarpum através da identificação das sementes dos frutos nas fezes dos animais Já a espécie Pereskia aculeata foi utilizada para alimentação do recurso fruto, através da visualização direta e identificação das sementes dos frutos nas fezes dos animais. Esta pertence à família cactácea, uma trepadeira comestível utilizada em locais com alta desnutrição humana, foi utilizada pelos animais para alimentação, de modo que atinjam um balanço adequado de energia e nutrientes mais rapidamente, do que comparado a uma grande demanda de consumo de folhas. Dentre as espécies arbóreas identificadas houve destaque de três delas, Aspidosperma polyneuron, F. guaranitica, P. gonoacantha pelo alto número de indivíduos presente presentes no Parque Estadual Mata São Francisco. O tempo curto de estudo, dificultou a observação de outros comportamentos, de maneira a observar um número restrito de recursos alimentares utilizados pelo bando. Ainda houve dias com alta precipitação, ocasionando quedas bruscas de grandes árvores que foi o fator influente para que o bando se deslocasse longe dos transectos demarcados. Faz-se necessário novos estudos, não apenas da espécie em questão, mas de toda a composição da flora e fauna presentes no Parque Estadual Mata São Francisco, por se tratar de um ambiente que abriga diferentes tipos de espécies, com diferentes interações ecológicas entre si e que são importantes para a manutenção do fragmento tais como os dispersores.

5 Conclusões Através dos padrões comportamentais de primatas, se entende a função de cada indivíduo e a hierarquia que existe dentro do bando, principalmente quando comparado dentro da estrutura sexo-etária. Os dados apresentados nesse estudo demonstram a importância da identificação das atividades comportamentais e de interações com a flora presente no local, em destaque a espécie Alouatta clamitans, sendo de grande valia para a ecologia local e conservação da espécie no fragmento. O comportamento mais evidente foi descanso com uma média de 68% durante o período do estudo, devido ao baixo metabolismo da espécie onde na maior parte do tempo permanecem nesta categoria. As espécies arbóreas mais utilizadas pelo grupo foram Aspidosperma polyneuron, Ficus guaranitica e Piptadenia gonoacantha pelo alto número de indivíduos presentes no fragmento. Conclui-se a importância de analisar os hábitos alimentares desse primata, sobretudo pelo grande potencial como dispersor de sementes e um elemento importante na regeneração de ambientes degradados ou fragmentados, como o Parque Estadual Mata São Francisco (PEMSF). Referências ALTMANN, J. Observational study of behavior: sampling methods. Behavior, DALMASO, A. C. e CODENOTTI, T. L. Comportamentos de hierarquia e dominância em grupos de bugios-ruivos, Alouatta guariba clamitans (Cabrera, 1940), em cativeiro. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DE BANDEIRANTES- PR. Núcleo de Estudos de Agroecologia e Território. Universidade Estadual do Norte do Paraná, Bandeirantes, PR, KOCH, F. Dieta e comportamento de um grupo de Alouatta guariba clamitans Cabrera, 1940: uma relação de causa e efeito? Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Alegre, RS, MIRANDA, J. M. D. Comportamentos sociais, relações de dominância e confrontos inter-grupais em Alouatta caraya (Humboldt, 1812) na Ilha Mutum, Alto Rio Paraná. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, MIRANDA, J. e PASSOS, C. Composição e dinâmica de grupos de Alouatta guariba clamitans Cabrera, 1940 (Primates, Atelidae) em Floresta Ombrófila Mista no Estado do Paraná, Brasil. Universidade Federal do Paraná, Departamento de Zoologia, Curitiba, PR, MUHLE, C. B e BICCA-MARQUES, J. C. Estratégias adaptativas de um grupo de bugios-pretos, Alouatta caraya (Humboldt, 1812), em um bosque dominado por eucaliptos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Biociências, Porto Alegre, PR, NAVARRO, F. K. S. P.; NAVARRO, R. D.; PEREIRA, V. S.; RODRIGUES, F. H. G. Interação com os pais e o uso do espaço por um infante de Alouatta fusca (Geoffroy Saint-Hilaire, 1812) em cativeiro. Universidade de Brasília, Instituto de Biologia, Brasília, DF, 2011.

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo

Bruno Maiolli Razera 1 ; Paulo Giovani Basane 2 ; Renan Vinicius Serbay Rodrigues 3 ; José Hilton Bernardino de Araújo DIAGNÓSTICO DAS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS DE ORIGEM VEICULAR POR MEIO DE ANALISADOR PORTÁTIL DE GASES NO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO-PR E ANÁLISE DOS SEUS EFEITOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO Bruno Maiolli Razera 1

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

A Tragédia da Ecologia

A Tragédia da Ecologia A Tragédia da Ecologia Sérgio Abranches PhD Professor Visitante, Instituto Coppead de Administração, UFRJ Diretor e Colunista de O Eco O autor avalia a questão do público e do privado no que diz respeito

Leia mais

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG.

DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. DIFERENÇAS TÉRMICAS OCASIONADAS PELA ALTERAÇÃO DA PAISAGEM NATURAL EM UMA CIDADE DE PORTE MÉDIO - JUIZ DE FORA, MG. Resumo Cristina Silva de Oliveira¹ (UFJF³, chrisoliveira.jf@gmail.com) Daiane Evangelista

Leia mais

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná;

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná; LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Troglodytidae musculus, Zonotrichia capensis, Passer domesticus E Molothrus bonarienses EM ÁREAS URBANA: NA CIDADE DE APUCARANA, PR SILVA, E. B. 1 ; VILELA, V. L. D. 2 1 Graduanda

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO O CONSUMO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM CAMPO GRANDE-MS TRABALHO Wilson Ravelli Elizeu Maciel (UFMS); Arthur

Leia mais

Avaliação do bem estar de coelho reprodutor pet alojado em gaiola inteligente

Avaliação do bem estar de coelho reprodutor pet alojado em gaiola inteligente Avaliação do bem estar de coelho reprodutor pet alojado em gaiola inteligente Bruna Pontara Vilas Boas RIBEIRO 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Israel Marques da SILVA 3 ; Felipe Evangelista PIMENTEL 3 ; Marco

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE BOTÃNICA

USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE BOTÃNICA USO DE JOGOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE BOTÃNICA Resumo FREITAS, Rafaela de Lima PUCPR raffa_16@ig.com FURLAN, Ana Laura Diniz PUCPR ana.ldf@hotmail.com KUNZE, Jean Carlos PUCPR jeancarloskunze@hotmail.com

Leia mais

RESULTADOS DO ENEM 2014

RESULTADOS DO ENEM 2014 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº 2015-02 Dezembro 2015 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente PORTARIA SEMA n 79 de 31 de outubro de 2013. Reconhece a Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Rio Grande do Sul e demais classificações, estabelece normas de controle

Leia mais

Secção Biodiversidade, espécies ameaçadas e sustentabilidade no Estado do Paraná (debate)

Secção Biodiversidade, espécies ameaçadas e sustentabilidade no Estado do Paraná (debate) Acta Biol. Par., Curitiba, 44 (3-4): 89-95. 2015. 89 Secção Biodiversidade, espécies ameaçadas e sustentabilidade no Estado do Paraná (debate) Ocorrência de Allouata guariba clamitans em remanescentes

Leia mais

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4

ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA. CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 ATIVIDADE INTERAÇÕES DA VIDA CAPÍTULOS 1, 2, 3 e 4 Questão 1) Abaixo representa uma experiência com crisântemo, em que a planta foi iluminada, conforme mostra o esquema. Com base no esquema e seus conhecimentos,

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 19ª Edição Comercial - Janeiro de 2012

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. 19ª Edição Comercial - Janeiro de 2012 Boletim de Conjuntura Imobiliária 19ª Edição Comercial - Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas 422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult Consultoria

Leia mais

Em seguida, foram coletadas as coordenadas geográficas de cada ponto, (total de 14 pontos, acima descritos) utilizando-se do aparelho GPS (Global

Em seguida, foram coletadas as coordenadas geográficas de cada ponto, (total de 14 pontos, acima descritos) utilizando-se do aparelho GPS (Global Em seguida, foram coletadas as coordenadas geográficas de cada ponto, (total de 14 pontos, acima descritos) utilizando-se do aparelho GPS (Global Position System) de navegação, modelo (Garmin e Trex Vista

Leia mais

CO011 ABORDAGEM AMBIENTAL NA VISITA DOS UNIVERSITÁRIOS AO ZOOLÓGICO DO PARQUE CYRO GEVAERD EM BALNEÁRIO CAMBORIÚ, SC

CO011 ABORDAGEM AMBIENTAL NA VISITA DOS UNIVERSITÁRIOS AO ZOOLÓGICO DO PARQUE CYRO GEVAERD EM BALNEÁRIO CAMBORIÚ, SC CO011 ABORDAGEM AMBIENTAL NA VISITA DOS UNIVERSITÁRIOS AO ZOOLÓGICO DO PARQUE CYRO GEVAERD EM BALNEÁRIO CAMBORIÚ, SC ACHUTTI, Márcia R.G. 1 ; BRANCO, Joaquim Olinto 2 (1) Parque Cyro Gevaerd- Santur, Br

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ I. Informações gerais sobre a reserva particular do Patrimônio Natural (RPPN) URU Em 2003, a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM)

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Prof. Dr. Rodrigo Lingnau Bacharel e Licenciado, Biólogo (UFPR) Mestre em Biologia, Área de Concentração Ecologia (UFG) Doutor em Zoologia (PUC-RS) Aulas Segunda-feira:

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS

PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS PROJETO DE ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, TREINAMENTO E BEM- ESTAR ANIMAL (PEATREBA), REALIZADO COM ARARAJUBAS (Guaruba guarouba, GMERLIN 1788) EM CATIVEIRO NO PARQUE ZOOBOTÂNICO ORQUIDÁRIO MUNICIPAL DE SANTOS.

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Criada nova letra imobiliária que tem isenção de IR e reconhecimento internacional

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Clipping. Criada nova letra imobiliária que tem isenção de IR e reconhecimento internacional + Boletim de Conjuntura Imobiliária 50ª Edição Comercial de 2012 Secovi-DF, Setor de Diversões Sul, Bloco A, nº44, Centro Comercial Boulevard, Salas422/424, (61)3321-4444, www.secovidf.com.br Econsult

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Outubro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Outubro de 2010 Comercialização No mês de outubro, foram analisados 18.164 imóveis destinados à comercialização, contemplados em imóveis residenciais e comerciais. Na amostra, a participação dos imóveis residenciais obteve

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Unidade Auditada: UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANA Município - UF: Curitiba - PR Relatório nº: 201315499

Leia mais

Nível 1 IV FAPMAT 28/10/2007

Nível 1 IV FAPMAT 28/10/2007 1 Nível 1 IV FAPMAT 28/10/2007 1. Sabendo que o triângulo ABC é isósceles, calcule o perímetro do triângulo DEF. a ) 17,5 cm b ) 25 cm c ) 27,5 cm d ) 16,5 cm e ) 75 cm 2. Em viagem à Argentina, em julho

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA

UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA UTILIZANDO O HISTOGRAMA COMO UMA FERRAMENTA ESTATÍSTICA DE ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE ÁGUA TRATADA DE GOIÂNIA Edson Kurokawa (*) Engenheiro Civil pela UFG e Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Trabalha

Leia mais

Aluno: Carolina Terra Quirino da Costa Orientador: Irene Rizzini

Aluno: Carolina Terra Quirino da Costa Orientador: Irene Rizzini Primeira infância no Brasil urbano. Análise das políticas públicas voltadas à promoção do direito ao desenvolvimento integral de crianças de 0 a 6 anos 1 Aluno: Carolina Terra Quirino da Costa Orientador:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO Eliane Alves Leite Email: li.phn.louvoregloria@hotmail.com Fernanda Cristina Sanches Email: fer_cristina2007@hotmail.com Helena Aparecida Gica Arantes

Leia mais

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes A DOMESTICAÇÃO Túlio Goes PORQUE ESTUDAR A DOMESTICAÇÃO? A domesticação de animais tem sido realizada há muitos anos, e influenciou diretamente no rumo da civilização O processo de adaptação ao homem e

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Tiago Garcia PEREIRA 1 ; Eriks Tobias VARGAS 2 Cássia Maria Silva Noronha 2 Sylmara Silva

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

CONHECENDO SUA PROFISSÃO: AS ÁREAS E SUBÁREAS DO CONHECIMENTO DE BIOLOGIA E A PROFISSÃO DE BIÓLOGO.

CONHECENDO SUA PROFISSÃO: AS ÁREAS E SUBÁREAS DO CONHECIMENTO DE BIOLOGIA E A PROFISSÃO DE BIÓLOGO. CONHECENDO SUA PROFISSÃO: AS ÁREAS E SUBÁREAS DO CONHECIMENTO DE BIOLOGIA E A PROFISSÃO DE BIÓLOGO. META Levar o aluno a conhecer a profissão de Biólogo Professor e Bacharel. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

SÃO PAULO, 05 DE JUNHO DE 2013.

SÃO PAULO, 05 DE JUNHO DE 2013. SÃO PAULO, 05 DE JUNHO DE 2013. Desmate volta a subir na Mata Atlântica Após uma série de três anos em queda, o desmatamento na Mata Atlântica voltou a subir entre 2011 e 2012, chegando ao maior

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998)

ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) ESTUDO TEMPORAL DO PERFIL DE TEMPERATURA NO SOLO NA EACF DURANTE PERÍODO DE OCORRÊNCIA DO FENÔMENO EL NIÑO (1997-1998) Thalison Lempke da Silva 1, Paulo Roberto Pelufo Foster 2 RESUMO - Este trabalho tem

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Vendas crescem 29,26% em dezembro e imóvel usado fecha 2010 com valorização de até 269,09%

Vendas crescem 29,26% em dezembro e imóvel usado fecha 2010 com valorização de até 269,09% Balanço 2010 - CRECISP Aluguel/Venda residencial Imóveis usados Cidade de São Paulo Aluguel residencial aumenta até 146,43% Vendas crescem 29,26% em dezembro e imóvel usado fecha 2010 com valorização de

Leia mais

Comportamentos de hierarquia e dominância em grupos de bugiosruivos, Alouatta guariba clamitans (Cabrera, 1940), em cativeiro

Comportamentos de hierarquia e dominância em grupos de bugiosruivos, Alouatta guariba clamitans (Cabrera, 1940), em cativeiro Revista de Etologia 2010, Vol.9, N 2, 40-47. Alice Copetti Dalmaso e Thais Leiroz Codenotti Comportamentos de hierarquia e dominância em grupos de bugiosruivos, Alouatta guariba clamitans (Cabrera, 1940),

Leia mais

ANÁLISE CRONOBIOLÓGICO DOS ALUNOS DO 3º E 4º ANOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CESUMAR

ANÁLISE CRONOBIOLÓGICO DOS ALUNOS DO 3º E 4º ANOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CESUMAR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 3 a 6 de outubro de 007 ANÁLISE CRONOBIOLÓGICO DOS ALUNOS DO 3º E 4º ANOS DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CESUMAR Márcia Marta Hoff 1 ; Aline

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE CONSUMO VIRTUAL COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE NA CONTEMPORANEIDADE

O COMPORTAMENTO DE CONSUMO VIRTUAL COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE NA CONTEMPORANEIDADE 20 a 24 de outubro de 2008 O COMPORTAMENTO DE CONSUMO VIRTUAL COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE NA CONTEMPORANEIDADE Jaqueline Reinert Godoy 1, Gláucia Valéria Pinheiro de Brida 2 RESUMO: O consumo virtual

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO RELATÓRIO TÉCNICO DE DELIMITAÇÃO 03FAT0206R00 CURITIBA

Leia mais

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos

Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Ano Letivo 2015/ 2016 Matriz do Teste de Avaliação de Física e Química A - 11.º ano 1 de fevereiro de 2016 120 minutos Objeto de avaliação O teste tem por referência o programa de Física e Química A para

Leia mais

Diagnóstico dos Direitos Humanos é apresentado na ALMG

Diagnóstico dos Direitos Humanos é apresentado na ALMG Diagnóstico dos Direitos Humanos é apresentado na ALMG Minas Gerais é o primeiro Estado do Brasil a ter um diagnóstico qualitativo e quantitativo de indicadores dos Direitos Humanos. O estudo, elaborado

Leia mais

Análise das Mudanças de Pesos no Cálculo do INPC - 2007 a 2012

Análise das Mudanças de Pesos no Cálculo do INPC - 2007 a 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 8ª EDIÇÃO: OUT/NOV/DEZ 2015

INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 8ª EDIÇÃO: OUT/NOV/DEZ 2015 INFORMATIVO OFICIAL DA FUNDAÇÃO HERMANN WEEGE ZOOLÓGICO POMERODE ANO 2 8ª EDIÇÃO: OUT/NOV/DEZ 2015 Destaque: FILHOTES CATARINENSES A cada dia mais espécies tornam-se ameaçadas de extinção, e os zoológicos

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE MURTA NO JARDIM BOTÂNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM, SANTA MARIA-RS

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE MURTA NO JARDIM BOTÂNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM, SANTA MARIA-RS FENOLOGIA REPRODUTIVA DE MURTA NO JARDIM BOTÂNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM, SANTA MARIA-RS FERRERA, Tiago Silveira 1 ; BURIOL, Galileo Adeli 2 ; EISINGER Sônia Maria 3 Palavras-Chave:

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2 1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS. alternativa E. alternativa B. A, B e C pertenceriam, respectivamente, a organismos

Questão 1. Questão 3. Questão 2 1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS. alternativa E. alternativa B. A, B e C pertenceriam, respectivamente, a organismos 1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS Questão 1 O exame de um epitélio e do tecido nervoso de um mesmo animal revelou que suas células apresentam diferentes características. Isso ocorre porque a) as moléculas de

Leia mais

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP)

Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Mapeamento da evolução dos usos e coberturas das terras na bacia do ribeirão das Anhumas Campinas (SP) Samuel Fernando Adami 1 Francisco de Paula Nogueira 1 Jener Fernando Leite de Moraes 1 1 Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS

AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS Pablo de Barros Cardoso Professor, Universidade do Grande Rio, Brasil Vânia Barcellos Gouvêa Campos Professora, Instituto Militar

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL

EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836. Projeto NA TRILHA DO FUTURO. Plano de trabalho COMPETÊNCIAS PARA ENSINO VIRTUAL LABORATÓRIO DE TECNOLOGIAS INTELECTUAIS LTi Coordenadora: Profa. Dra. Isa Maria Freire EM PARCERIA COM O LYCEU PARAIBANO Fundado em 1836 Projeto NA TRILHA DO FUTURO Plano

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

Redação científica. Português

Redação científica. Português Redação científica Português Frases Uma idéia uma frase A hipótese do distúrbio intermediário prediz que o pico da biodiversidade ocorre sob regimes de distúrbios intermediários sendo que locais com distúrbios

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies.

Paraíso azul CONCEITOS A EXPLORAR. B iologia. M atemática COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. G eografia. Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. CONCEITOS A EXPLORAR B iologia Agressão ao ecossistema e extinção de espécies. Populações: contagem, densidade, taxas de crescimento, determinantes populacionais. Dinâmica de populações: crescimento, oscilação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS.

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. Regiane Aparecida Ferreira (USF-UNICENTRO), Lúcio de Paula Amaral (Fundação Araucária/Mestrado

Leia mais

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo

Leia mais

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Lara Talita Schneider², Gabriela Bonassa³, Valdir Guerini 4, César Augusto

Leia mais

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS

SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS SISTEMA DE SERVIÇOS DE INFRA-ESTRUTURA DA UFRGS Instituição: UFRGS Autores: Ricardo Vieira, José Luis Machado e Álvaro Juscelino Lanner Área: Sistema de Informações Introdução. O trabalho aqui proposto

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR

Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Ação de sensibilização ambiental realizada na Ponte do Rio São Jorge/ Parque Nacional dos Campos Gerais- PR Andressa Stefany Teles 1 Flávia Ferreira dos Santos 2 Jasmine Cardozo Moreira 3 RESUMO Impactos

Leia mais

UFMG - 2004 2º DIA BIOLOGIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2004 2º DIA BIOLOGIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2004 2º DIA BIOLOGIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Biologia Questão 01 Uma indústria localizada na região assinalada com o algarismo I, no mapa a seguir, foi responsável pelo derramamento de

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 está sendo marcado pela alternância entre

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

62ª Reunião da Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência 26 a 30 de julho de 2010 UFRN- Natal - RN

62ª Reunião da Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência 26 a 30 de julho de 2010 UFRN- Natal - RN 1 62ª Reunião da Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência 26 a 30 de julho de 2010 UFRN- Natal - RN PESQUISA COM PRIMATAS EM AMBIENTE NATURAL: TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS ECOLÓGICOS E COMPORTAMENTAIS.

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA GUIA PARA A TRILHA ADAPTADA DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA: UMA PROPOSTA MULTIDISCIPLINAR SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Renata Maia Ribeiro de Barros Braga 1 ; Andréa Espinola de Siqueira 1 ; Erika

Leia mais

O PAPEL DA ERGONOMIA NO DESIGN DE INTERIORES

O PAPEL DA ERGONOMIA NO DESIGN DE INTERIORES O PAPEL DA ERGONOMIA NO DESIGN DE INTERIORES Este artigo busca destacar a importância da aplicabilidade das técnicas ergonômicas no que se refere ao design de interiores. A ergonomia será apresentada como

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

Março de 2016 Número 155. Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas

Março de 2016 Número 155. Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas Março de 2016 Número 155 Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas Inflação: comportamento dos preços administrados na vida das famílias paulistanas Em 2015, a taxa

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional COAGO Coordenação do Curso Técnico em Agropecuária 1º PERÍODO AGROECOLOGIA

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS.

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ILUMINAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL DA SALA AULA ATELIÊ 1 DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UFMS. Nathalya Luciano Buges - Acadêmica do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFMS

Leia mais

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO. Quadro 11 - Exatidão dos mapeamentos de uso do solo 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Mudanças ocorridas no uso do solo No Quadro 11 são apresentadas as exatidões dos mapas temáticos gerados a partir do processamento digital das imagens do sensor Landsat 5

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Desenvolvimento de um Programa em Excel/Visual Basic para Determinação do Regime de Escoamento em Coluna Bolha Através de Medidas de Capacitância

Desenvolvimento de um Programa em Excel/Visual Basic para Determinação do Regime de Escoamento em Coluna Bolha Através de Medidas de Capacitância Desenvolvimento de um Programa em Excel/Visual Basic para Determinação do Regime de Escoamento em Coluna Bolha Através de Medidas de Capacitância Pâmela C. Stülp 1*, Marcos F. P. Moreira 1, Charles D.

Leia mais

Introdução. São João del Rei 10 de Janeiro de 2012 Página 1

Introdução. São João del Rei 10 de Janeiro de 2012 Página 1 Introdução Este relatório tem como objetivo mostrar e registrar as atividades realizadas por mim, Julio Cesar Bertolotti, bolsista do PIBID Física da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), desde

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais