ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE"

Transcrição

1 Diego Teixeira de Araújo Universidade Federal do Ceará ÁREAS DE LAZER NA PRAIA DA LESTE-OESTE INTRODUÇÃO O litoral hoje se constitui como importante área de lazer, veraneio, vilegiatura, e sobretudo de turismo, se tornando assim uma área bastante valorizada comercialmente. Dentro desse contexto o litoral se torna um importante gerador de renda, principalmente se levarmos em conta a indústria do turismo. Através desta, são gerados milhares de empregos, tanto de maneira direta, como de maneira indireta para diversos tipos de trabalhadores, abrangendo desde o setor formal, como hotelaria e redes de restaurante, até o mercado informal através dos vendedores ambulantes, cantadores, vendedores de água de coco e etc. Nas últimas décadas, o Ceará veio, através do marketing, construindo sua imagem ligada ao litoral, rompendo com sua imagem anterior ligada as secas, e formando a imagem da terra da luz. O turismo no ceará é uma das principais atividades econômicas, e é no litoral que este setor se apresenta com maior representatividade, onde podemos encontrar a concentração de hotéis, pousadas, restaurantes, dentre outros equipamentos turísticos. No litoral fortalezense podemos notar diferentes tipos de ocupação no lado oeste e no lado leste da cidade. Enquanto o lado leste é ocupado por hotéis, bares, restaurantes, casa de veraneio, e residências de altos níveis, o litoral oeste é ocupado por favelas e casas de população de baixa renda. E ambos possuem barracas de praia instaladas em seu litoral. Este trabalho apresenta como objetivo geral estudar qual a função do litoral para a população do Grande Pirambu, dando enfoque na perspectiva do lazer gerado pela praia. E observar qual função urbana desta na construção desse bairro. Como objetivos específicos dessa pesquisa, procuramos: a) Investigar os aspectos históricos que levaram a ocupação do Grande Pirambu; b) Identificar as práticas marítimas na da praia da Leste-Oeste na atualidade e os fatores que contribuíram para a realização destas práticas; c) Traçar um perfil dos freqüentadores da praia da leste-oeste. 1

2 Para a realização desse trabalho, alem de fazer pesquisas bibliográficas sobre o objeto de estudo em bibliotecas, efetuamos aplicação de formulários em freqüentadores dessa praia, e fizemos diversas pesquisas de campo nessa área, a fim de observar sua dinâmica diária. FORMAÇÃO DO GRANDE PIRAMBU Nem sempre o litoral foi valorizado. A cidade de Fortaleza cresceu se mantendo ligada ao serão, formando um quadro de cidade litorânea com alma sertaneja. A cidade se desenvolvera de costas para o mar (Dantas 2002) e as áreas litorâneas eram caracterizadas como lugar de habitação das classes pobres da cidade. As dificuldades impostas, ao morar na cidade construída para as classes abastardas, induzem a ocupação das zonas de praia por importante contingente de emigrantes pobres do sertão. Eles estabeleceram-se nos terrenos de marinha, área anteriormente ocupada pelas comunidades de pescadores, denotando crescimento dos efetivos demográficos, marcado por estado de saturação cujo testemunho, após final do século XIX, são as favelas. O primeiro tipo de ocupação, ligado à pesca, encontra-se na totalidade do território cearense, mas o segundo, as favelas, representa fenômeno característico de Fortaleza, cidade cujo forte fluxo migratório impediu integração de todos os retirantes às comunidades de pescadores. (Dantas,2002) Devido o grande contingente de imigrantes não houve a incorporação das atividades de pesca pelos retirantes, ocasionando a formação de favelas (Dantas 2002). Durante o período das reformas urbanas na época da belle époque de Fortaleza, o cemitério São João Batista foi remanejado para o Pirambu. Escolheram este bairro para abrigar o cemitério por ser um bairro pobre, e pelo fato de os ventos em Fortaleza sopram de nordeste para sudoeste, de forma tal, que os ventos não levariam os miasmas para o restante da população. Pelo mesmo motivo que escolheram o Pirambu para abrigar o cemitério, o escolheram para abrigar os retirantes. Durante a seca de 1932 o Pirambu sofreu uma espécie de 2

3 abarracamento e se tornou um dos Campos de Concentração¹ cearenses destinados a abrigar os retirantes vindos da seca deste referido ano. O campo de concentração do Urubu, como era chamado, teve uma importante contribuição para o adensamento populacional dessa área, visto que ainda no final de julho deste ano já havia cerca de 1800 retirantes divididos entre os dois Campos de Concentração de Fortaleza. OCUPAÇÃO DO LITORAL PELOS RICOS A valorização do litoral Cearense começou no período da belle- époque, porem a região litorânea veio realmente a se valorizar entre as décadas de 40 e 70. Foi nesse período que o litoral passou a ser massivamente ocupado pelas classes abastardas. Onde estas classes se instalam, ocorrem expulsões. Inicialmente na praia de Iracema, com a especulação fundiária, e, posteriormente, na praia do Meireles, evidenciando uma expulsão crescente dos antigos habitantes. (Dantas,2002). As zonas de praia do litoral oeste não Foram ocupadas pelas classes mais abastardas por serem, de um lado, delimitadas por uma antiga zona portuária e pelas favelas, por outro lado, marcadas pela poluição e ocupação popular. ¹devido a carga ideológica historicamente ligada a esse termo, se orna interessante explicitarmos que os referidos campos de concentração se diferem dos que houveram na Alemanha nazista. Como o próprio nome evidencia, esses tinham o intuito de concentrar os imigrantes e não havia o interesse de atentar contra a vida de nenhum retirante O PIRAMBU E A PRAIA O lazer atualmente desempenha um grande um papel na sociedade moderna, pois segundo Santos (2000) ele não é uma oposição ao trabalho, e sim, um complemento indispensável ao equilíbrio individual pela reposição de energias físicas e mentais que proporciona. Se tornando assim indispensável para a reprodução do trabalho. A segregação espacial que ocorre em Fortaleza também é marcada pela distribuição desigual dos equipamentos de lazer. Na zona leste, ocupada pelos mais afortunados estes são mais abundantes e sofisticados, na zona oeste são escassos e de inferior qualidade (Santos, 2000). Na região do Grande Pirambu a situação descrita acima é ainda pior, pois alem de possuir poucas éreas de lazer, algumas dessas áreas, como pracinhas, acabam sendo 3

4 sucateadas e/ou marginalizadas, servindo de ponto de tráfico de drogas, prostituição e assaltos. Tornando-se impraticável o lazer nessas áreas (sobretudo em determinados horários). A maior parte da população do Grande Pirambu é constituída por famílias de baixa renda e por isso não podem buscar com freqüência atividades de lazer fora do próprio bairro. A pesquisa ainda está em fase de andamento, no entanto através de dados preliminares podemos concluir que a maioria dos freqüentadores dessa praia vem não só do Grande Pirambu, mas de vários bairros que ficam nessas proximidades. Quando perguntávamos aos entrevistados qual o motivo de freqüentarem esta praia, as respostas mais frequentes foram em ordem decrescente: por causa da proximidade, para tomar banho de sol e para as crianças brincarem. Durante a pesquisa de campo um dos freqüentadores ressaltou a importância da praia e se queixou da falta de investimentos do poder público na região. Queixou-se da falta de policiamento, da falta de salva vidas, e do acumulo de lixo na faixa de praia. A PRAIA E PRECONCEITO Os freqüentadores da Leste-Oeste são provenientes basicamente do Grande Pirambu e dos seus bairros adjacentes. Isso se dá pelo fato de boa parte da população fortalezense não ver com bons olhos esta praia. Vários fatores contribuem para isso, mas acreditamos que os principais são: A localização próxima a comunidades carentes e ser freqüentada pela população dessas comunidades O fato de as pessoas que passam pela avenida Leste-Oeste associarem o mal cheiro da estação de tratamento à praia As imagens historicamente associadas a essa praia da praia. De ser perigosa, poluída, mal freqüentada. A Praia da Leste-Oeste, assim como diversas outras de Fortaleza, é Imprópria para o banho, no entanto isso não impede que seus freqüentadores tomem banho ou pratiquem outras atividades ligadas ao mar. Durante a pesquisa de campo realizada nessa praia, podemos observar que seus freqüentadores costumam realizar diversas práticas de lazer associadas à praia. Dentre as 4

5 quais podemos citar: Banho de mar; banho de sol; futebol de areia; frescobol; surf, dentre outros. A PRAIA E A OCUPAÇAÃO DO ESPAÇO O fato de essa praia ser freqüentada pela população local gera uma demanda por equipamentos e produtos ligados ao lazer, dessa forma, o uso da praia gera uma alteração no espaço, devido à instalação de equipamentos de lazer, como as barracas de praia que podem ser encontradas em boa parte da extensão da Leste-Oeste. A importância da praia é tamanha que as casas localizadas próximo a praia tem um valor comercial maior do que as encontradas bairro adentro. A PRAIA E AS ATIVIDADES ECONÔMICAS A importância dessa praia não esta apenas no lazer, pois, esta se constitui como importante fonte de renda para a população local, através das barracas (pois estas além de gerar renda para o dono, gera emprego para cozinheiros, garçons, e os seus demais funcionários), dos vendedores ambulantes e através da pesca. As barracas instaladas na areia ocupam boa parte da praia, com suas mesas e cadeiras se estendendo até próximo do mar, acabam por ser outro fator atrativo para os freqüentadores da Leste-Oeste, pois muitos deles vão à praia no intuito de beber cerveja com os amigos, paquerar, consumir produtos típicos de praia, como caranguejo, camarão, peixe, etc. 5

6 Os vendedores ambulantes chegam a comercializar produtos provenientes da própria localidade, como castanhas assadas artesanalmente pelos próprios vendedores e piabas assadas. Geralmente estes oferecem produtos com preços mais acessíveis, e por isso tem a preferência de muitos. No entanto, muitas vezes seus produtos não possuem um bom estado de conservação, devido passarem o dia expostos ao sol, sem uma refrigeração adequada. 6

7 A pesca é a atividade econômica mais antiga na região, e prevalece até hoje. Os peixes provenientes dessa praia são vendidos, pelos próprios pescadores no mercado, localizado próximo à Praia de frente para a avenida Leste-Oeste, e costumam ser consumidos dentro do Grande Pirambu. 7

8 CONCLUSÃO Existem várias imagens negativas associadas à praia da Leste-Oeste. De ser poluída, perigosa, freqüentada por marginais... No entanto, durante as pesquisas, vimos que essa praia tem um importante valor para a população local e que só podemos pensar que é freqüentada por marginais se levarmos em conta o sentido etimológico dessa palavra (aqueles que ficam a margem da sociedade). A praia da Leste-Oeste é um local de lazer dos excluídos e um espelho da segregação urbana de fortaleza, historicamente construída através dos séculos. 8

9 Esperamos que com esse trabalho tenhamos contribuído para a desmistificação do que seria a praia da Leste-Oeste e quais seriam suas reais atribuições dentro do perfil urbano de Fortaleza. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS SILVA, Ângela Maria Falcão da. A Cidae e o Mar. As Praticas Maritimas Modernas e a Construção da Praia do futuro Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, DANTAS, Eustógio Wanderlei Correia. Mar à vista: Estudo da maritimidade de Fortaleza. Fortaleza: Museu do Ceará, DANTAS, Eustógio Wanderlei Correia. Maritimidade nos trópicos: Por uma Geografia do Litoral. Fortaleza: Edições UFC, SILVA, Debora Marques da. Pirambu e suas geografias. Um Olhar Sobre o Jornal O Povo f. Dissertação de Mestrado (mestrado em Geografia) Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CORBIN, Alain. O Território do Vazio: A praia e o imaginário Ocidental. Paris, RIOS, Kênia Sousa. Campos de Contração do Ceará: Isolamento e Poder na Seca de Fortaleza: Museu do Ceará,

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA SOCIAL DO TURISMO EM FLECHEIRAS (TRAIRI CE BRASIL).

UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA SOCIAL DO TURISMO EM FLECHEIRAS (TRAIRI CE BRASIL). Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-11 UMA ANÁLISE GEOGRÁFICA SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA PRÁTICA SOCIAL DO TURISMO EM FLECHEIRAS (TRAIRI

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

1 INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 AMBIENTE E LAZER: análise da percepção ambiental dos freqüentadores da praia ponta d areia em São Luís-MA Josélio Oliveira de AMORIM (UFMA/LEBAC/GEOTEC) joseliogeografo@yahoo.com.br Márcia Talídia Ferreira

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 56 A CIDADE DO RIO DE JANEIRO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 56 A CIDADE DO RIO DE JANEIRO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 56 A CIDADE DO RIO DE JANEIRO Como pode cair no enem? Com base no mapa e na literatura sobre a região metropolitana do Rio de Janeiro, é correto afirmar: a) A cidade do Rio de

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS CISTERNAS DE PLACAS NO MUNICÍPIO DE FRECHEIRINHA: O CONTEXTO DA PAISAGEM DE SUPERFÍCIE SERTANEJA NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANÁLISE DO USO DAS CISTERNAS DE PLACAS NO MUNICÍPIO DE FRECHEIRINHA: O CONTEXTO DA PAISAGEM DE SUPERFÍCIE SERTANEJA NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANÁLISE DO USO DAS CISTERNAS DE PLACAS NO MUNICÍPIO DE FRECHEIRINHA: O CONTEXTO DA PAISAGEM DE SUPERFÍCIE SERTANEJA NO SEMIÁRIDO CEARENSE Carliana Lima Almeida (1); José Falcão Sobrinho (2); (1) Mestranda

Leia mais

GEOGRAFIA. INSTRUÇÃO: Responder à questão 18 com base nas afirmações referentes à água potável no mundo.

GEOGRAFIA. INSTRUÇÃO: Responder à questão 18 com base nas afirmações referentes à água potável no mundo. GEOGRAFIA 16) Qual é a hora solar de uma cidade localizada 25º Oeste, sabendo-se que, no centro do fuso na qual está situada, a hora solar corresponde a 18 horas? A) 18 horas. B) 17 horas e 40 minutos.

Leia mais

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PERU E MÉXICO: A HERANÇA PRÉ-COLOMBIANA Para começo de conversa Página 3 1. Espera-se que os alunos estabeleçam uma analogia, associando a Cidade do México a um palimpsesto,

Leia mais

Marketing Educacional como manter e captar novos alunos

Marketing Educacional como manter e captar novos alunos Marketing Educacional como manter e captar novos alunos Baiard Guggi Carvalho Publicitário, consultor em marketing educacional e em tecnologia aplicada à educação N os dias de hoje, se perguntarmos para

Leia mais

Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca

Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca Departamento de Geografia e Meio Ambiente Políticas Públicas e Qualidade de Vida na Baía de Sepetiba (RJ): modernização infraestrutural afetando a população carioca Introdução/Justificativa: Aluna: Izânia

Leia mais

GEOGRAFIA. Valéria/Fábio UNIDADE VI

GEOGRAFIA. Valéria/Fábio UNIDADE VI GEOGRAFIA Valéria/Fábio 8º UNIDADE VI 01. "Em primeiro lugar, é preciso reconhecer que algo, de fato, 'DEU ERRADO' na União Soviética. Não havia nenhuma semelhança entre o processo de emancipação socialista

Leia mais

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo

3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo PRODETUR NE-II PDITS Salvador e Entorno3.10.1 Capacitação da Comunidade para o Turismo 410 3.10.1. Educação da Comunidade para o Turismo Introdução O objetivo deste capítulo é analisar o nível de conscientização

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores.

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / 2 / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): TURMA: N.º: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Locais a serem visitados

Locais a serem visitados Apresentação Este projeto trata da elaboração de um livro, bilíngüe, que utilizará a fotografia como forma de expressão artística e que terá como tema central o Litoral do Ceará. A publicação, composta

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

CIDADE X ABARRACAMENTOS: OS CONFLITOS E O COTIDIANO DOS RETIRANTES EM FORTALEZA (1877-1880)

CIDADE X ABARRACAMENTOS: OS CONFLITOS E O COTIDIANO DOS RETIRANTES EM FORTALEZA (1877-1880) CIDADE X ABARRACAMENTOS: OS CONFLITOS E O COTIDIANO DOS RETIRANTES EM FORTALEZA (1877-1880) ANA KARINE MARTINS GARCIA PPG-PUC/SP Construtores e Reformadores passaram a dar maior ênfase a tudo que facilitasse

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA DO ESPAÇO URBANO

MÉTODOS DE ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA DO ESPAÇO URBANO MÉTODOS DE ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA DO ESPAÇO URBANO CAIS DO PORTO, VICENTE PINZÓN E PRAIA DO FUTURO I E II UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Planejamento Urbano 1

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra

Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Modos de vida no município de Paraty - Ponta Negra Resultados gerais Dezembro 2010 Projeto Community-based resource management and food security in coastal Brazil (Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP)

Leia mais

O homem transforma o ambiente

O homem transforma o ambiente Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O homem transforma o ambiente Vimos até agora que não dá para falar em ambiente sem considerar a ação do homem. Nesta aula estudaremos de que modo as atividades humanas

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado

APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado APÊNDICE C: Pré-análise das representações dos Grupos focais por tema e Grupo trabalhado Tema: A cidade de Goiânia e o goianiense Questões abordadas: Falem o que é Goiânia para vocês. Como vocês veem a

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DO CONHECIMENTO

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL MEDIATECA RS Autor: Pedro Arthur Câmara O terreno está localizado na cidade de Porto Alegre, no Bairro Centro Histórico. Á área é de uso misto, tendo uma grande concentração de atividades comerciais e

Leia mais

EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA

EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA 1. CONTEXTO TERRITORIAL EUROPAN 13 AZENHA DO MAR, ODEMIRA > CONCELHO DE ODEMIRA BAIXO ALENTEJO Situado no sudoeste de Portugal, o concelho de Odemira evidencia características

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

SEMINÁRIO AV. CONDE DA BOA VISTA

SEMINÁRIO AV. CONDE DA BOA VISTA SEMINÁRIO AV. EQUIPE: ANDERSON DÉBORAH KALINE JEISIANE NADJA VIEIRA NATONIEL SOLANGE SEMINÁRIO AV. CONTEÚDO DA APRESENTAÇÃO: CONTEXTO HISTÓRICO EVOLUÇÃO URBANA ACESSIBILIDADE CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTEXTO

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 SILVA, Fabíola Barbosa B; 1 CARNIATTO, Irene; 1 PILOTTO, Anyele Liann;

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS

AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS AGRICULTURA FAMILIAR COMO FORMA DE PRODUÇÃO RURAL PARA ABASTECIMENTO DE GRANDES CENTROS URBANOS Jaqueline Freitas dos Santos 692 jaquelineufmg_09@hotmail.com Klécia Gonçalves de Paiva Farias kleciagp@gmail.com

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As paisagens do mundo. O que é paisagem? A paisagem e as marcas do tempo. Aula 2: A paisagem e as desigualdades sociais.

Conteúdo: Aula 1: As paisagens do mundo. O que é paisagem? A paisagem e as marcas do tempo. Aula 2: A paisagem e as desigualdades sociais. Conteúdo: Aula 1: As paisagens do mundo. O que é paisagem? A paisagem e as marcas do tempo. Aula 2: A paisagem e as desigualdades sociais. 2 Habilidades: Aula 1: Entender que as características peculiares

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

SESC Guarulhos SESC Guarulhos Guarulhos - SP - 2009. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br

SESC Guarulhos SESC Guarulhos Guarulhos - SP - 2009. 11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br SESC Guarulhos SESC Guarulhos Guarulhos - SP - 2009 11 3159 1970 MEMORIAL A concepção Quando da visita ao terreno, ansiosos por conhecer o lugar a ser implantado o novo edifício do SESC, tivemos uma

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO - CAP. 04-7ºS ANOS LEIA AS INFORMAÇÕES, CONSULTE O LIVRO PARA ADQUIRIR MAIS CONHECIMENTO E RESPONDA OS EXERCÍCIOS EM SEU CADERNO. 1- Quente e frio: um país de extremos O Brasil é

Leia mais

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma

PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO. Vanessa Petró* 1. Introdução. Comportamento Desviante e Estigma PROFISSIONAIS DO SEXO UMA PERSPECTIVA ANTROPOLÓGICA DO ESTIGMA DA PROSTITUIÇÃO Vanessa Petró* 1 Introdução O presente artigo tem o intuito de desenvolver algumas idéias acerca de comportamentos desviantes

Leia mais

CAPITULO III OS TERRITÓRIOS CAIÇARAS: EXPROPRIAÇÃO E RESISTÊNCIA

CAPITULO III OS TERRITÓRIOS CAIÇARAS: EXPROPRIAÇÃO E RESISTÊNCIA CAPITULO III OS TERRITÓRIOS CAIÇARAS: EXPROPRIAÇÃO E RESISTÊNCIA Um morro de Angra dos Reis que seria designado pelo nome de uma praia da Ilha Grande em razão da migração em massa dos respectivos moradores

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 4. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ

PARTIDO DOS TRABALHADORES DIRETÓRIO ESTADUAL DO CEARÁ REUNIÃO DA EXECUTIVA ESTADUAL RESOLUÇÃO PT CEARÁ: DIRETRIZES PARA O MODO PETISTA DE GOVERNAR O CEARÁ Após 32 (trinta e dois) anos da primeira disputa ao governo do estado, com a candidatura do inesquecível

Leia mais

Apêndice F-21C Relatório das Atividades de Dezembro do projeto de educação ambiental PPA para AJA Minas Gerais, Brasil

Apêndice F-21C Relatório das Atividades de Dezembro do projeto de educação ambiental PPA para AJA Minas Gerais, Brasil Apêndice F-21C Relatório das Atividades de Dezembro do projeto de educação ambiental PPA para AJA Minas Gerais, Brasil Groupo AJ na demonstração do modelo de bacia hidrográfica. Preparado para: Susan Kurbis,

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema TÍTULO JUSTIFICATIVA Pontes da Leitura por Ravel Andrade de Sousa As atividades descritas neste projeto foram por mim realizadas na Sala de Leitura, a partir do

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

Até quando uma população pode crescer?

Até quando uma população pode crescer? A U A UL LA Até quando uma população pode crescer? Seu José é dono de um sítio. Cultiva milho em suas terras, além de frutas e legumes que servem para a subsistência da família. Certa vez, a colheita do

Leia mais

PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL)

PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL) PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL) ESTRADA PARQUE PATANTANAL (EPP) MS CARACTERIZAÇÃO ESTRADA PARQUE PANTANAL (EPP) Com 120 quilômetros, a Estrada Parque Pantanal diferencia-se de uma estrada convencional

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010

Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 Viagem ao rio Arapiuns - 05 dias Santarém, Pará, Amazônia 2010 1º dia, Santarém - Anã café da manhã no barco saída de Santarém as 06:30, em direção a comunidade de Anã (de 3 a 4 horas de navegação) chegada

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO Marilia de Jesus Oliveira (*), Eriswagner Matos Soares, Bethania de Sousa Pires, Vanessa Carvalho de Oliveira * Instituto Federal da Bahia, Campus de Vitória da Conquista,

Leia mais

O SURF ENQUANTO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS LITORÂNEAS DE MACEIÓ.

O SURF ENQUANTO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS LITORÂNEAS DE MACEIÓ. O SURF ENQUANTO CONTEÚDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS LITORÂNEAS DE MACEIÓ. Autor: Aislan Pontes dos Santos 1 Orientador (a): Profª. Esp. Nina Kátia Silver Costa Bezerra de Oliveira Resumo O artigo discute

Leia mais

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima,

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima, UFBA UFBA- -2ª2ªFASE FASE 2009 2009-2009 01. A variação climática na superfície terrestre está diretamente ligada à localização de cada região nas diversas latitudes, sendo, portanto, resultante do comportamento

Leia mais

Reaproveitamento de Máquinas Caça-Níqueis

Reaproveitamento de Máquinas Caça-Níqueis Reaproveitamento de Máquinas Caça-Níqueis Gustavo Rissetti 1 1 Acadêmico do Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) rissetti@inf.ufsm.br Resumo. Este artigo trata sobre

Leia mais

GRUPO XYZ: construção de valor

GRUPO XYZ: construção de valor GRUPO XYZ: construção de valor Fonte imagem: reaisficcoes. blogspot.com www.espm.br/centraldecases GRUPO XYZ: construção de valor Preparado por Prof. Marcus S. Piaskowy Este é um caso fictício, cuja elaboração

Leia mais

Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana

Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana Turismo em Fortaleza: City Marketing e Reestruturação Urbana Autora: Amíria Bezerra Brasil e-mail: amiria@uol.com.br Instituição: Mestrado em Desenvolvimento Urbano (MDU), Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010)

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) Adriana Eliane Casagrande 1 Edson Belo Clemente de Souza 2 Eixo temático: POLITICAS DE ESTADO

Leia mais

MIGRAÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DAS MICRORREGIÕES A PARTIR DE INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO 1

MIGRAÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DAS MICRORREGIÕES A PARTIR DE INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO 1 MIGRAÇÃO NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE DAS MICRORREGIÕES A PARTIR DE INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO 1 Vieira, Carine de Almeida 2 ; MARIN, Solange Regina 2 1 Trabalho de Iniciação Científica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e desigualdade social. Marinez Villela Macedo Brandão 1 André da Rocha Santos 2 Maria Graciela Gonzalez de Morell 3 Felipe Granado

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS

TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS TERAPIA OCUPACIONAL CONSTRUINDO POSSIBILIDADES PARA DIVERSÃO E SOCIALIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM PARQUES INFANTIS Karina Félix de Vilhena Santoro¹, Cláudia Franco Monteiro² ¹Universidade

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 9º 3º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

Passeios Amazon Explorers

Passeios Amazon Explorers Passeios Amazon Explorers Para os passeios de um dia, sem pernoite, lhe oferecemos a seguinte variedade, cada um com suas especificidades, que lhe proporcionam experiências diferentes e inesquecíveis,

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Rômulo José da Costa Ribeiro Professor Doutor da Universidade de Brasília UnB, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo PPG-FAU, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CÉSAR BORGES

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CÉSAR BORGES PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 174, DE 2009, que dispõe sobre a criação do Serviço Social do Turismo SESTUR e do Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

PROJETO. MEMÓRIA LOCAL 3ºs anos Profªs Eliana Zoccoler Lamano e Priscila Gabanella Gomes

PROJETO. MEMÓRIA LOCAL 3ºs anos Profªs Eliana Zoccoler Lamano e Priscila Gabanella Gomes PROJETO MEMÓRIA LOCAL 3ºs anos Profªs Eliana Zoccoler Lamano e Priscila Gabanella Gomes Objetivos Nosso projeto tem como objetivo principal levar os alunos a construírem conhecimentos sobre o tempo histórico

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES DA VILEGIATURA MARITIMA ESPACIALIZADA NO LITORAL DE FORTALEZA, CEARÁ

AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES DA VILEGIATURA MARITIMA ESPACIALIZADA NO LITORAL DE FORTALEZA, CEARÁ AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES DA VILEGIATURA MARITIMA ESPACIALIZADA NO LITORAL DE FORTALEZA, CEARÁ Antonio Tadeu Pinto Soares Junior 1 RESUMO A vilegiatura marítima destaca-se como uma prática socioespacial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS

RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Alagoas RELATÓRIO MENSAL DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DO ESTADO DE ALAGOAS Diretoria de Meteorologia / Sala de Alerta Março/2016 Conteúdo

Leia mais

GEOMÁTICA ARTIGOS APROVADOS AUTORES TÍTULO RESUMO

GEOMÁTICA ARTIGOS APROVADOS AUTORES TÍTULO RESUMO Francílio de Amorim dos Santos GEOMÁTICA ARTIGOS APROVADOS AUTORES TÍTULO RESUMO Aplicação do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) para avaliação da cobertura vegetal do Parque Nacional

Leia mais

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado

Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado Curitiba/PR - Palacete do Batel será restaurado O Palacete do Batel está em obras. Um projeto, encomendado pelos proprietários do imóvel, com o aval do Conselho Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

Encontro da Construção e do Imobiliário em Defesa do Setor. Por um setor da construção renovado e ao serviço do País

Encontro da Construção e do Imobiliário em Defesa do Setor. Por um setor da construção renovado e ao serviço do País Encontro da Construção e do Imobiliário em Defesa do Setor Por um setor da construção renovado e ao serviço do País Vítor Cóias (GECoRPA Grémio do Património) É evidente para todos que o setor da construção

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 23.2 Conteúdo. Região Nordeste

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 23.2 Conteúdo. Região Nordeste Aula 23.2 Conteúdo Região Nordeste 2 Habilidades Entender as principais características, físicas, econômicas e sociais da região Nordeste. 3 Sub-Regiões nordestinas Meio Norte: Área de transição entre

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural

Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Festa de Nossa Senhora da Abadia no município de Jataí/GO: uma expressão cultural Marlene Flauzina OLIVEIRA Mestranda em Geografia - Programa de Pós-Graduação Campus Jataí/UFG mflauzina@hotmail.com Eguimar

Leia mais

População Mundial. Prof. R O C H A

População Mundial. Prof. R O C H A População Mundial Prof. R O C H A Crescimento da População Conceitos Demográficos População absoluta Número total de habitantes Densidade demográfica ou população relativa número de habitantes por Km²,

Leia mais

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS

SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS SEMINÁRIO MAXIMIZAÇÃO DO POTENCIAL DA DIRETIVA SERVIÇOS Eliminação de Barreiras à livre Prestação de Serviços Confederação do Comércio e Serviços de Portugal Esquema 1. PORTUGAL- UMA ESPECIALIZAÇÃO COM

Leia mais

A China (termo que significa o Império do Meio ou o Centro do Mundo ), uma das mais antigas civilizações do planeta, conheceu, ao longo de sua

A China (termo que significa o Império do Meio ou o Centro do Mundo ), uma das mais antigas civilizações do planeta, conheceu, ao longo de sua A China (termo que significa o Império do Meio ou o Centro do Mundo ), uma das mais antigas civilizações do planeta, conheceu, ao longo de sua história, um duplo e antagônico processo: por vezes, o país

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus Comentário Geral Prova com estruturação clássica com divisão entre questões de geografia física, econômica e humana com maior peso para os conceitos envolvendo o

Leia mais

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza-Sociedade: questões ambientais Aula 21. 1 Conteúdo A conquista do Oeste; Acordos, guerra e ouro; A guerra civil norte-americana.

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 3ª Etapa 2014. Ano: 7º Turma: 7.1

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 3ª Etapa 2014. Ano: 7º Turma: 7.1 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 8

Sugestões de avaliação. Geografia 9 o ano Unidade 8 Sugestões de avaliação Geografia 9 o ano Unidade 8 Nome: Unidade 8 Data: 1. Sobre a Oceania, marque V (verdadeiro) ou F (falso) nas sentenças a seguir. ( ) a colonização da Oceania promoveu o domínio da

Leia mais