Produto Sistema de vedação vertical leve em madeira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produto Sistema de vedação vertical leve em madeira"

Transcrição

1 Produto Sistema de vedação vertical leve em madeira Rua Aquinos, 111 Água Branca São Paulo/SP Tel/Fax (11) Emissão novembro de 2015 Validade junho de 2016 Proponente TECVERDE Engenharia Ltda. Rua Inácio Lustosa, 761. CEP: Curitiba Paraná Tel.: (41) Considerando a avaliação técnica coordenada pelo Instituto Falcão Bauer da Qualidade, IFBQ, e a decisão do Comitê Técnico, de 13/11/2015 (por meio virtual), a Comissão Nacional, em sua reunião de 26/11/2015 (por meio virtual), concede ao produto Sistema de vedação vertical leve em madeira - TECVERDE o Documento de Avaliação Técnica Nº020-A. Esta decisão é restrita às condições de uso definidas para o produto, destinado à construção de unidades habitacionais unifamiliares térreas isoladas ou geminadas, e às condições expressas nesse Documento de Avaliação Técnica. SINAT DATec Nº 020-A Limites da avaliação técnica do produto Sistema de vedação vertical leve em madeira: Para a avaliação do produto considerou-se como elementos inovadores as paredes externas e internas formadas por quadros estruturais em peças de madeira serradas autoclavadas. O fechamento da face externa das paredes de fachada é realizado em chapas de OSB revestidas com placas cimentícias com tratamento de juntas aparentes ou dissimuladas. O fechamento da face interna das paredes de fachada e de ambas as faces das paredes internas é realizado em chapas de OSB revestidas com chapas de gesso acartonado para drywall; Os componentes e elementos convencionais, tais como fundações, sistema de cobertura, chapas de gesso acartonado para drywall, caixilhos, instalações hidráulica e elétrica devem atender às normas técnicas correspondentes e foram analisados apenas na interface com as paredes, bem como a influência destes no desempenho do produto; A avaliação técnica foi realizada considerando-se o emprego do produto em unidades habitacionais unifamiliares térreas isoladas ou geminadas; O desempenho térmico foi avaliado para as 8 (oito) zonas bioclimáticas constantes da NBR 15220:2005, considerando o sistema de cobertura descrito no item 4.3 deste documento; As avaliações de desempenho acústico foram realizadas em campo e o resultado é restrito ao caso estudado, descrito no item 4.4. O produto atende ao critério de desempenho de isolação sonora, considerando D2m,nT,w e DnT,w; A estanqueidade à água das juntas (aparentes e dissimuladas) entre painéis de fachada e da interface das janelas com os painéis foi avaliada por meio de ensaios laboratoriais, constatações em obras e análise de projeto. As esquadrias devem obedecer às normas técnicas pertinentes; A durabilidade foi avaliada na análise dos detalhes construtivos especificados em projeto e constatada em obra, e por meio de ensaios em trechos de paredes em laboratório (ensaio de ação de calor e choque térmico), ensaios de envelhecimento acelerado dos dispositivos de fixação (parafusos, pregos, grampos, cantoneiras metálicas e chumbadores) e ensaios de degradação das chapas de OSB. Foram também considerados na análise os detalhes relativos à base da parede, que visam evitar o contato do quadro estrutural e das chapas delgadas com eventual umidade do piso, proveniente de chuva ou de atividade de uso e lavagem; O comportamento das chapas de OSB e das juntas entre chapas de fechamento externo (placas cimentícias) deve ser objeto de monitoramento constante pela detentora da tecnologia, informando periodicamente a ITA e o SINAT sobre eventuais ocorrências e providências. 1

2 O produto sistema de vedação vertical leve em madeira objeto deste DATec destina-se à produção de unidades habitacionais unifamiliares térreas, isoladas ou geminadas, apresentando três espessuras nominais de paredes a saber: paredes externas: 135mm; paredes internas: 135mm ou 105mm; paredes de geminação: 185mm. As paredes externas e internas, com função estrutural, são formadas por quadros estruturais em peças de madeira serradas autoclavadas. O fechamento da face externa das paredes de fachada é realizado em chapas de OSB revestidas com placas cimentícias com tratamento de juntas aparentes ou dissimuladas. O fechamento da face interna das paredes de fachada e de ambas as faces das paredes internas é realizado em chapas de gesso acartonado para drywall aplicadas sobre chapas de OSB. As paredes de geminação possuem núcleo em manta de lã de vidro. A cobertura é constituída de estrutura metálica ou em madeira, telhado em telhas cerâmicas, forro em réguas de PVC e manta de lã de vidro posicionada sobre o forro (Figuras 01 e 02). Figura 01 Montagem de unidade habitacional térrea isolada. Figura 02 Unidade habitacional térrea isolada Sistema leve em madeira TECVERDE. 1. Descrição do produto As paredes estruturais são compostas por quadro estrutural formado por peças de madeira serradas autoclavadas. As peças verticais, denominadas montantes, as peças horizontais superiores e inferiores, denominadas soleiras e as vergas e contra vergas são fixadas entre si por meio de pregos do tipo anelados (em rolo) ou do tipo espiralados (ardox) com diâmetro mínimo de 3,1mm, comprimento mínimo de 75mm e resistência à corrosão de no mínimo 240h, espaçados a cada 200mm. O espaçamento entre montantes é determinado de acordo com o cálculo estrutural, sendo o máximo permitido de 600mm. A base dos quadros estruturais é envelopada por manta asfáltica impermeabilizante industrializada até a altura de 200mm em ambos os lados. Os quadros estruturais possuem peças de madeira autoclavadas com as seguintes seções, de acordo com o tipo de parede: paredes externas: 38mm x 89mm; paredes internas: 38mm x 89mm ou 38mm x 70mm; paredes de geminação: 38mm x 140mm. 2

3 A face externa das paredes externas é formada por chapas de OSB estrutural (classe 2), barreira impermeável e placas cimentícias. As chapas de OSB de 9,5mm de espessura são alinhadas aos quadros estruturais e fixadas com o auxílio de grampos galvanizados do tipo 14 com comprimento mínimo de 50mm e espaçados a cada 150mm ou de pregos anelados com diâmetro mínimo de 2,5mm, comprimento mínimo de 50mm e espaçamento entre pregos de 200mm, ambos com resistência à corrosão de no mínimo 240h. A barreira impermeável à água e permeável ao vapor é fixada sobre a chapa de OSB com grampos galvanizados do tipo 80F com 6mm de comprimento e espaçados a cada 400mm, envelopando a base da chapa de OSB até altura de 200mm na face interna da mesma. As placas cimentícias (no mínimo classe A3, segundo a NBR 15498) de 8mm de espessura são fixadas às chapas de OSB por meio de parafusos do tipo rosca soberba, cabeça cônica estriada com comprimento de 25mm a 35mm e resistência à corrosão de no mínimo 240h. O espaçamento máximo entre parafusos na horizontal é de 400mm e na vertical é de 200mm, considerando um distanciamento mínimo das bordas de 30mm e máximo de 50mm. As juntas possuem espaçamento de 3mm a 5mm e o tratamento pode ser do tipo aparente, realizado com selante a base de poliuretano ou do tipo dissimulado, realizado com massa para junta de base acrílica, fita telada (largura de 100mm) e tela (largura de 1000mm) de fibra de vidro álcali-resistente e argamassa polimérica. As placas cimentícias recebem uma demão de selador acrílico e, posteriormente, uma demão de textura acrílica. A face interna das paredes externas e ambas as faces das paredes internas é formada por chapas de gesso acartonado para drywall com 12,5mm de espessura aplicadas sobre chapas de OSB de 9,5mm de espessura. As juntas entre chapas de gesso acartonado são dissimuladas e tratadas com massa e fita celulósica para drywall. As chapas de gesso acartonado são fixadas às chapas de OSB com parafusos de rosca soberba (ponta agulha), cabeça cônica lisa com comprimento de 25mm a 35mm e resistência à corrosão de no mínimo 48h. O espaçamento máximo entre parafusos na horizontal é de 400mm e na vertical é de 200mm, considerando um distanciamento mínimo das bordas de 30mm e máximo de 50mm. A fresta entre o contrapiso e a chapa de gesso acartonado é preenchida com argamassa. Nas áreas secas são utilizadas chapas de gesso acartonado do tipo Standard (ST) com acabamento em pintura acrílica. A base das faces internas das paredes de áreas secas recebe membrana acrílica elástica de aplicação a frio até altura de 200mm e rodapé em material cerâmico com 100mm de altura, assentado com argamassa colante tipo ACII. Nas áreas molhável (cozinha) e molhada (banheiro) são utilizadas chapas de gesso acartonado do tipo Resistentes à Umidade (RU) com acabamento em revestimento cerâmico até altura de 1500mm e acima desta é aplicada pintura acrílica. A impermeabilização da interface entre o piso e a parede é realizada por meio de argamassa polimérica flexível até altura de 250mm, sendo no box aplicada até a altura de 1500mm. A diferença de cota entre a base da parede (face inferior da travessa do quadro estrutural) e o piso acabado do box é de 40mm. A Figura 03 apresenta, de maneira esquemática, os detalhes das paredes externas para áreas secas. Da mesma forma, a Figura 04 apresenta, de maneira esquemática, os detalhes das paredes externas para áreas molhadas (box). As paredes de geminação, são constituídas de quadro estrutural, fechamento com duas chapas de OSB de 9,5mm de espessura contraplacadas por uma camada de chapas de gesso acartonado de 12,5mm de espessura em cada uma das faces da parede e núcleo entre montantes em lã de vidro com 50mm de espessura e densidade de 10,35kg/m³ (Figura 05). O sistema de cobertura é composto por estrutura metálica ou em madeira e telhas cerâmicas, apresentando beiral de 600mm de projeção horizontal. Nas unidades geminadas, os septos (oitão interno) localizados acima das paredes de geminação, são independentes e compostos por estrutura metálica ou em madeira contraplacada com uma camada de chapas de gesso acartonado do tipo Standard de 12,5mm de espessura. Ao sistema de cobertura é aplicado forro em réguas de PVC, sobreposto por manta de lã de vidro com 89mm de espessura e condutividade térmica da ordem de 0,049W/mK (Figura 06). 3

4 Figura 03 Detalhe da parede externa de áreas secas. Figura 04 Detalhe da parede externa de áreas molhadas. 4

5 Figura 05 Detalhe da parede de geminação. Figura 06 Detalhe do septo (oitão interno). 5

6 A avaliação técnica não contemplou elementos e componentes convencionais, como fundações, instalações elétricas e hidráulicas, esquadrias, chapas de gesso acartonado para drywall e revestimentos, dentre outros, exceto as interfaces entre elementos inovadores e convencionais, como a ligação entre parede-esquadria, parede-fundação, parede-instalações e parede-cobertura. Os elementos e componentes convencionais devem ser projetados e executados conforme as respectivas normas técnicas brasileiras Condições e limitações de uso Modificações em paredes, como abertura de vãos para posicionamento de novas esquadrias ou supressão de paredes, não são permitidas. Os cuidados na utilização constam do manual de uso, operação e manutenção (Manual do Proprietário), preparado pela Construtora responsável pela obra, tomando por base as diretrizes do manual técnico do sistema de vedação vertical TECVERDE, fornecido pela detentora da tecnologia. Com relação ao desempenho térmico, o uso do produto nas zonas bioclimáticas 3 e 6 está atrelado a dispositivos de sombreamento nas janelas dos dormitórios e sala. Para a utilização do produto na zona bioclimática 8, além dos dispositivos de sombreamento e ventilação, o produto deve contemplar camada de lã de vidro com 50mm de espessura (massa específica da ordem de 10,35kg/m³ e condutividade térmica da ordem de 0,049W/mK), inserida no vão do quadro estrutural, junto a chapa de OSB voltado para o interior da edificação. Ressalta-se que o acabamento das paredes externas deve ser na cor (α = 0,3). Com relação ao desempenho acústico, o uso de paredes entre unidades habitacionais autônomas (parede de geminação) limita-se às situações onde não haja ambiente dormitório, conforme item 4.4. O produto é destinado a unidades habitacionais térreas, isoladas ou geminadas. 2. Diretriz para avaliação técnica O IFBQ realizou a avaliação técnica de acordo com a Diretriz SINAT Nº 005 Sistemas construtivos estruturados em peças de madeira maciça serrada, com fechamentos em chapas delgadas (Sistemas leves tipo Light Wood Framing), publicada em setembro de 2011 e de acordo com a ABNT NBR 15575: Informações e dados técnicos 3.1. Principais componentes, elementos e interfaces a) Estrutura principal: A estrutura da unidade habitacional é formada por quadros estruturais constituídos de peças de madeira serrada do tipo Pinus, oriundas de florestas plantadas e certificadas com identificação de espécie. As peças de madeira denominadas soleiras, montantes, vergas e contra vergas são tratadas em CCA (arsenato de cobre cromatado), apresentando retenção mínima de 4,0 kg i.a/m³, de acordo com a norma ABNT NBR Os quadros estruturais das paredes externas possuem peças de seção 38mm x 89mm, nas paredes internas possuem peças de seção 38mm x 89mm ou 38mm x 70mm e nas paredes de geminação possuem peças de seção 38mm x 140mm. As peças de madeira são fixadas entre si por meio de prego do tipo anelado (em rolo) ou do tipo espiralados (ardox) com diâmetro mínimo de 3,1mm, comprimento mínimo de 75mm e resistência à corrosão de no mínimo 240h. O espaçamento entre montantes é de no máximo 600mm. b) Contraventamentos das paredes: As chapas de OSB estrutural (classe 2) com espessura de 9,5mm localizadas nas faces externas das paredes exercem função de contraventamento, exceto aquelas existentes em áreas molhadas. As chapas recebem tratamento contra o ataque de cupins, porém não apresentam resistência a fungos emboloradores/apodrecedores. O índice de umidade das mesmas deve ser de no mínimo 2% e no máximo de 12%, verificado conforme método de ensaio disposto na norma DIN EN

7 c) Juntas entre chapas de OSB: As juntas entre as chapas de OSB possuem 3mm (não coincidentes com as juntas entre placas cimentícias), sendo recobertas externamente pela barreira impermeável e pelas placas cimentícias. d) Proteção das chapas de OSB (barreira impermeável): A face externa das chapas de OSB das paredes externas é protegida por barreira impermeável à água e permeável ao vapor de água (permeabilidade ao vapor de água médio de 1,30x10ˉ²ng/Pa.s.m). A borda inferior das chapas de OSB e a face interna das mesmas, até altura de 200mm também são revestidas por esta barreira. Nas paredes de áreas molhável (cozinha) e molhada (banheiro), a face das chapas de OSB voltada para o interior do ambiente é completamente revestida por esta barreira. A barreira impermeável é fixada nas chapas de OSB por meio de grampos galvanizados do tipo 80F de 6mm de comprimento, espaçados a cada 400mm. e) Fechamentos dos quadros estruturais das paredes: O sistema de vedação vertical é composto por três tipos de chapas de fechamento: placas cimentícias classe A3 de 8mm de espessura e variação dimensional de + 2mm/m, chapa de gesso acartonado para drywall tipo Standard (ST) com 12,5mm de espessura e chapa de gesso acartonado para drywall Resistente à Umidade (RU) com 12,5mm de espessura. Os acabamentos das chapas variam em função das características do ambiente onde se encontram (Tabela 01). Tabela 01 Acabamentos aplicados sobre cada tipo de chapa de fechamento Tipos de fechamento Uso Acabamento da superfície Placa cimentícia - classe A3 Externo Selador e textura acrílica Chapa de gesso acartonado ST Interno em áreas secas Pintura acrílica Interno em áreas molhável Revestimento cerâmico Chapa de gesso acartonado (cozinha) e molhada (até h=1,50m) RU (banheiro) Pintura acrílica f) Tratamento de juntas entre placas cimentícias: As juntas entre placas cimentícias são do tipo aparente ou dissimulada. As bordas laterais das placas cimentícias não apresentam rebaixos, sendo as placas fixadas de modo a conformar uma junta de 3mm a 5mm. O tratamento de juntas do tipo aparente consiste em: aplicação de selante a base de poliuretano com tempo de cura de 24h e capacidade de deformação de 25% sobre as placas cimentícias (Figura 07). O tratamento de juntas do tipo dissimulada consiste em: aplicação de massa de base acrílica nas juntas, de modo a preenche-las, seguida da aplicação de fita telada de fibra de vidro álcaliresistente com largura de 100mm. Sobre as placas cimentícias e juntas é aplicada uma primeira camada de argamassa polimérica e, na sequência, aplica-se tela de fibra de vidro álcaliresistente com largura de 1000mm. Em seguida é aplicada uma segunda camada da mesma argamassa polimérica finalizando o cobrimento total da tela (Figura 08). Figura 07 Detalhe da junta aparente entre placas cimentícias. Figura 08 Detalhe da junta dissimulada entre placas cimentícias. 7

8 g) Tratamento de juntas entre placas cimentícias nas extremidades de paredes e requadros de esquadrias: Sobre as placas cimentícias, em todas as extremidades de paredes e requadros de portas isentos de contramarcos metálicos, são fixadas cantoneiras metálicas (do tipo L ) perfuradas e galvanizadas, revestidas com massa acrílica, sendo posteriormente pintadas. h) Interface entre base dos quadros estruturais da parede e elemento de fundação: A porção do elemento de fundação, onde são alocadas as paredes, recebe aplicação de impermeabilizante (pintura de base betuminosa ou argamassa polimérica de base acrílica). A fixação da base dos quadros estruturais das paredes ao elemento de fundação é realizada com o auxílio de cantoneiras metálicas com largura de 40mm e altura mínima de 120mm, revestidas com pintura epóxi, apresentando resistência à corrosão de no mínimo 240h. Tais cantoneiras são fixadas à soleira inferior do quadro estrutural por meio de pregos anelados e ao elemento de fundação por meio de chumbadores do tipo aparafusável com cabeça escareada, diâmetro de 7,5mm e comprimento de 100mm, com resistência à corrosão de no mínimo 240h. O espaçamento entre chumbadores é definido considerando o cálculo estrutural, sendo o espaçamento máximo permitido de 1500mm (Figura 09). Figura 09 Detalhe da fixação da parede no elemento de fundação. i) Interface entre base dos quadros estruturais da parede e piso: A base dos quadros estruturais é protegida por manta asfáltica impermeabilizante industrializada de 0,9mm de espessura até a altura de 200mm em ambas as faces. A fresta entre contrapiso e chapa de gesso acartonado é preenchida com argamassa. A base das faces internas das paredes de áreas secas recebe membrana acrílica elástica de aplicação a frio até altura de 200mm e rodapé em material cerâmico com 100mm de altura, assentado com argamassa colante tipo ACII (ver Figura 03). A base das faces internas das paredes de áreas molhável (cozinha) e molhada (banheiro) recebe impermeabilização por meio de argamassa polimérica flexível até altura de 250mm e nas paredes que compõem o box, até altura de 1500mm. A diferença de cota entre a base da parede (face inferior da travessa do quadro estrutural) e o piso acabado do box é de 40mm (ver Figura 04). j) Interface entre parede externa e piso da calçada externa: A base do quadro estrutural é posicionada a 150mm do nível do piso acabado da calçada externa ao redor da unidade habitacional, que apresenta largura mínima de 700mm e inclinação de 2% voltada para a face oposta à parede externa. Pingadeiras em aço galvanizado (Z275 para ambientes rurais ou urbanos e Z350 para ambientes marinhos) são encaixadas entre a placa cimentícia e a barreira impermeável na base das paredes externas, sendo a fixação do conjunto realizada por meio de parafusos de rosca soberba, cabeça cônica estriada com comprimento de 25mm a 35mm e resistência à corrosão de no mínimo 240h (ver Figura 03). k) Interface das paredes e esquadrias: Conjunto de folha de porta e batente em madeira: os batentes são fixados aos montantes e verga com parafusos bicromatizados, do tipo chip chato, cabeça Philips com diâmetro de 4,5mm e comprimento de 50mm. A vedação do batente aos montantes e verga é realizada com espuma de poliuretano, aplicada em todo o contorno externo e interno do vão (Figura 10). Conjunto de folha de porta e batente em alumínio: os vãos de portas externas recebem contramarco em alumínio fixado por meio de parafusos metálicos de rosca soberba, cabeça cônica estriada com comprimento de 25mm a 35mm, sendo a vedação entre contramarco e o 8

9 painel de parede realizada por meio de fita selante adesiva acrílica. A vedação externa da porta é realizada com selante a base de poliuretano aplicado em todo o contorno entre o batente e o contramarco (Figura 11). Janela em alumínio: os vãos de janelas recebem contramarco em alumínio fixado por meio de parafusos metálicos de rosca soberba, cabeça cônica estriada com comprimento de 25mm a 35mm, sendo a vedação entre contramarco e o painel de parede realizada por meio de fita selante adesiva acrílica. Sobre a porção inferior do contramarco é assentada pingadeira em alumínio (inclinação de 3%) com o auxílio de selante a base de poliuretano. A vedação externa da janela é realizada com selante a base de poliuretano aplicado em todo o contorno entre o caixilho e o contramarco. (Figura 12). Figura 10 Detalhe da fixação do conjunto de folha porta e batente em madeira. Figura 11 Detalhe da fixação do conjunto de folha porta e batente em alumínio. Figura 12 Detalhe de fixação de janela em alumínio. l) Interface com tubulações hidráulicas e elétricas: Os ramais de distribuição de água de abastecimento são embutidos e previstos nas paredes hidráulicas, as quais não possuem função estrutural. Esses são fixados à estrutura interna da parede por meio de braçadeiras e/ou fitas metálicas aparafusadas. Tendo em vista que as paredes podem servir como câmara para o acúmulo de gases, não é permitido o embutimento de tubulação de gás (GLP). As tubulações 9

10 de esgoto são alocadas na fundação, antes da concretagem, sendo as saídas de esgoto de pias alocadas externamente às paredes. As instalações elétricas e de telefonia ocorrem internamente às paredes e forros e são realizadas por meio de conduítes plásticos corrugados fixados com auxílio de braçadeiras e/ou fitas metálicas aparafusadas nas chapas de OSB e/ou na estrutura da cobertura. m) Reforço das paredes para fixação de peças suspensas: Todas as paredes voltadas para o interior da edificação preveem chapa de OSB atrás da chapa de gesso acartonado, permitindo a fixação de peças suspensas com capacidade entre 80kg e 120kg, quando utilizados os elementos fixadores parafuso para madeira e parafuso e bucha toggler bolt, respectivamente Procedimento de execução O processo de produção dos painéis de parede é industrializado, executado em unidade fabril em linha de produção, armazenados e transportados à obra. Todos os materiais recebidos e elementos (painéis de paredes) produzidos em fábrica são identificados para permitir a rastreabilidade e posicionamento de montagem na obra. Ressalta-se que esses elementos são previamente inspecionados com relação ao atendimento de projeto e requisitos estabelecidos nos procedimentos de controle. Os painéis de parede são, sob demanda, transportados por meio de caminhão tipo Munck para o canteiro de obra, sendo o descarregamento desses elementos realizado logística e definitivamente conforme plano de montagem estabelecido para cada empreendimento. A obra deve prever acessos compatíveis aos veículos de transporte e estrutura que providencie a proteção contra intempéries dos painéis de paredes durante o processo de montagem Produção dos painéis de parede em fábrica a) Montagem dos quadros estruturais das paredes (externas, internas e de geminação) com peças de madeira serradas autoclavadas; b) Aplicação da manta impermeabilizante na base dos quadros estruturais; c) Face externa das paredes externas: Fixação das chapas de OSB sobre quadro estrutural; Aplicação da barreira impermeável sobre as chapas de OSB. Nos vãos destinados a portas e janelas, as barreiras impermeáveis são cortadas e dobradas sobre os respectivos requadros; Inserção dos contramarcos em alumínio nos vãos de portas e janelas, quando existentes; Fixação das placas cimentícias sobre a barreira impermeável. d) Face interna das paredes externas: Fixação das chapas de OSB sobre quadro estrutural; Aplicação da barreira impermeável sobre as chapas de OSB em paredes voltadas para ambientes de áreas molhadas ou molháveis; Fixação das chapas de gesso acartonado (ST ou RU); e) Paredes internas ou de geminação: Fixação das chapas de OSB em uma das faces sobre o quadro estrutural; Aplicação da barreira impermeável sobre as chapas de OSB em paredes voltadas para ambientes de áreas molhadas ou molháveis; Fixação das chapas de gesso acartonado (ST ou RU); 10

11 Aplicação de manta de lã de vidro (paredes de geminação); Finalizada as etapas em uma face da parede, a mesma é rotacionada para a execução do fechamento oposto seguindo o mesmo procedimento; f) Finalizada a montagem dos quadros estruturais, das paredes externas, das paredes internas e das paredes de geminação, estes são codificados e encaminhados para estoque da fábrica Processo de montagem em obra a) Execução do elemento de fundação; b) Locação das paredes: a porção do elemento de fundação, onde são alocadas as paredes (sóculos), recebe aplicação de tinta impermeabilizante de base betuminosa; c) Montagem das paredes: As paredes são apoiadas e alinhadas sobre o sóculo (Figura 13). Em seguida é verificado o nível na vertical e o esquadro entre os painéis para que seja providenciada a fixação dos mesmos. Essa é realizada com auxílio de parafuso metálico de cabeça larga com diâmetro de 8mm, comprimento mínimo de 160mm e resistência à corrosão de no mínimo 240h, espaçados, no máximo a cada 600mm (valor definido conforme projeto estrutural) e a partir de 200mm da soleira inferior, em no mínimo 4 pontos de fixação. Ao final da montagem das paredes, são verificadas Figura 13 Posicionamento e alinhamento das paredes. as medidas das diagonais inferiores e superiores do quadrilátero, caso necessário, são realizados ajustes. Após conferência das diagonais e esquadros, as paredes são fixadas ao elemento de fundação com o auxílio de cantoneiras metálicas com largura de 40mm e altura mínima de 120mm, revestidas com pintura epóxi, apresentando resistência à corrosão de no mínimo 240h. Tais cantoneiras são fixadas à soleira inferior do quadro estrutural por meio de pregos anelados e ao elemento de fundação por meio de chumbadores do tipo aparafusável com cabeça escareada, diâmetro de 7,5mm e comprimento de 100mm,com resistência à corrosão de no mínimo 240h e espaçamento conforme projeto estrutural (máximo de 1500mm); d) Colocação do sistema de cobertura (estrutura metálica ou em madeira com telhas cerâmicas); fechamento do septo (oitão interno); colocação do forro de PVC e da manta de lã de vidro; e) Fixação das esquadrias; f) Arremates internos: tratamento de juntas dissimuladas das chapas de gesso acartonado conforme ABNT NBR ; impermeabilizações de pisos e de paredes, aplicação de revestimentos cerâmicos de pisos e de paredes e pintura das paredes (Figura 14); Figura 14 Acabamentos internos do banheiro e da cozinha. 11

12 g) Arremates externos: colocação das pingadeiras em aço galvanizado na base das paredes e respectiva fixação, colocação das cantoneiras metálicas perfuradas e galvanizadas, aplicação de textura e tratamento de juntas (Figura 15). 4. Avaliação técnica Figura 15 Acabamentos externos. A avaliação técnica foi conduzida conforme a Diretriz SINAT Nº 005, a partir da análise de projetos, ensaios laboratoriais, verificações analíticas do comportamento estrutural, auditorias técnicas na unidade fabril e em obras e demais avaliações que constam dos relatórios técnicos e de ensaios citados no item Desempenho estrutural A análise do desempenho estrutural do produto considerou o projeto estrutural os resultados dos ensaios de resistência da parede aos esforços de compressão centrada e excêntrica, aos impactos de corpo mole, impactos de corpo duro, solicitação de peças suspensas e solicitações transmitidas por portas. Para cada projeto de unidade habitacional e para cada implantação deve ser elaborado um projeto estrutural específico com todas as análises necessárias. A análise do projeto estrutural mostra que as ligações pregadas e/ou grampeadas entre perfis dos quadros estruturais e a fixação das chapas de OSB a esses quadros providenciam a estabilidade global da estrutura. Foram realizados ensaios laboratoriais para avaliar a resistência às cargas verticais, considerando o estado limite último e o estado limite de serviço. Na Tabela 02 apresenta-se uma síntese dos resultados dos ensaios de compressão excêntrica realizados em laboratório. Tabela 02 Síntese dos resultados dos ensaios de compressão excêntrica Carga do primeiro dano Carga de ruptura Corpo de prova ensaiado (kn/m) (kn/m) CP 1-120,5 CP 2-117,9 CP 3-116,5 Média - 118,3 Utilizando-se dos resultados dos ensaios de compressão excêntrica e considerando a carga atuante de S k= 4,55kN/m, obtida no cálculo estrutural para unidade térrea isolada, e considerando a equação de resistência última (R ud) apresentada na ABNT NBR (adotando ξ = 1,5 e γ m = 2,0), determina-se para compressão excêntrica R ud = 40,77kN/m e, aplicando-se um coeficiente de majoração de 1,4, tem-se que: S d = 6,37kN/m R ud = 40,77kN/m. Assim, os painéis de parede estruturais ensaiados atendem à solicitação de cargas verticais para o estado limite último. Foi realizado ensaio de impacto de corpo mole e os resultados indicam que os corpos de prova não apresentaram falhas (fissuras, mossas e frestas) e/ou rupturas nos componentes da parede para 12

13 as energias de 120J, 180J, 240J, 360J, 480J, 720J e 960J, atendendo ao critério mínimo estabelecido na Diretriz SINAT N 005. Os ensaios de impacto de corpo duro foram realizados para as paredes externas (fachada), internas (divisão entre ambientes) e internas de geminação (entre unidades habitacionais), com energias de 2,5J e 10J para as paredes internas e de 3,75J e 20J para as paredes externas, cujos resultados apresentaram atendimento aos critérios estabelecidos na Diretriz SINAT N 005. O ensaio de solicitações transmitidas por portas, considerando fechamento brusco e impacto de corpo mole foi realizado para a porta da entrada principal. Não foram observadas falhas (fissurações, destacamentos, entre outros) no encontro com o marco, cisalhamentos nas regiões de solidarização do marco com a parede, nem destacamentos em juntas entre componentes das paredes, demonstrando que o critério da Diretriz SINAT Nº 005 foi atendido. Os ensaios de verificação da capacidade de suporte de peças suspensas consideraram o dispositivo padrão com duas mãos francesas. Os tipos de fixações empregados nos ensaios foram: parafuso para madeira com diâmetro de 6mm, comprimento de 50mm, providos de rosca soberba; e parafuso com diâmetro de 6mm, comprimento de 63mm, providos de bucha toggler bolt. As paredes destinadas ao ensaio eram constituídas por chapa de OSB de 9,5mm de espessura sobreposta por chapa de gesso acartonado com 12,5mm de espessura. A Tabela 03 demonstra os valores de cargas obtidos nos ensaios, considerando a utilização de dois parafusos por mão francesa, sendo um na porção superior e outro na porção inferior. Tabela 03 Resultados dos ensaios de verificação de suporte de peças suspensas Tipos de parede Parafuso para madeira Parafuso e bucha toggler bolt Chapa de OSB + chapa de gesso acartonado ST Chapa de OSB + chapa de gesso acartonado ST 0,8kN 1,2kN Foi também realizado o ensaio para a verificação da capacidade de suporte de peças suspensas (rede de dormir) em parede com as mesmas características anteriormente citadas. A fixação do gancho de rede foi realizada por meio de quatro parafusos para madeira com diâmetro de 6mm, comprimento de 50mm, providos de rosca soberba. Os resultados obtidos nos ensaios demonstraram atendimento aos critérios mínimos da Diretriz SINAT N Estanqueidade à água Foram feitas análises de projeto para avaliar os aspectos que influenciam a estanqueidade à água do produto de fontes de umidade externas e internas à edificação. Para verificação da estanqueidade à água das paredes externas foram realizados ensaios laboratoriais (pressão de 50Pa e vazão 3L/min/m²) considerando a interface entre a janela e a parede e parede cega. O corpo de prova representativo da parede cega considerou o tratamento de juntas aparentes e dissimuladas entre placas cimentícias e pintura texturizada acrílica, sendo anteriormente submetido ao ensaio de choque térmico. Os resultados obtidos nos ensaios demonstram que foram atendidos os critérios de desempenho prescritos na Diretriz SINAT N 005. O projeto especifica detalhes que favorecem a estanqueidade à água das fachadas, como pingadeiras em aço galvanizado fixadas junto a base das paredes, pingadeiras em alumínio nos peitoris de janelas, sóculos, calçada externa (inclinação de 2% voltada para a face oposta da parede externa e desnível entre calçada e base da parede externa de 150mm), beirais de telhado (600mm de projeção horizontal) e manta impermeabilizante de 3mm de espessura na base dos quadros estruturais com altura de 200mm em ambas as faces. Quanto à estanqueidade de vedações verticais internas com incidência direta de água de uso e de lavagem dos ambientes (banheiro e cozinha), foi analisado o projeto arquitetônico, o qual prevê impermeabilização com camada em argamassa polimérica flexível até altura de 250mm, sendo nas paredes que compõem o box até a altura de 1500mm, sobreposta por revestimento cerâmico. 13

14 Ressalta-se que a diferença de cota entre a base da parede (face inferior da travessa do quadro estrutural) e o piso acabado do box é de 40mm. A análise do projeto indica que o produto atende aos requisitos de estanqueidade à água, conforme a Diretriz SINAT Nº Desempenho térmico Foram realizadas simulações computacionais para a avaliação do desempenho térmico de casas térreas isoladas que empregam o produto objeto deste DATec, considerando cobertura composta por telhado com telhas cerâmicas (espessura de 20mm e absortância de 0,7), forro horizontal alveolar de PVC (espessura de 8mm) e camada de lã de vidro (espessura de 89mm, massa específica da ordem de 10,35kg/m³ e condutividade térmica da ordem de 0,049W/mK). As janelas são compostas por caixilhos metálicos, com 2 folhas de correr e vidro incolor com espessura de 3mm. Apresentam dimensional de 1200mm x 1200mm (dormitórios) e de 1600mm x 1200mm (sala) e relação entre área exposta à radiação solar (área de abertura da janela) e área de piso, dos dormitórios e sala da ordem de 15%. Para efeito da simulação térmica considerou-se pé direito de 2,54m e a área útil total de 39,68m². As simulações térmicas foram realizadas para as cidades representativas das zonas bioclimáticas Z1 a Z8 (Curitiba, São Lourenço, São Paulo, Brasília, Vitória da Conquista, Campo Grande, Cuiabá e Manaus). A Tabela 04 demonstra a condição de atendimento aos requisitos contemplando a utilização de cores s, ventilação e sombreamento para o período de verão de casas térreas isoladas. Tabela 04 Condições necessárias para a obtenção do nível de desempenho térmico mínimo nas zonas 1 a 8 no período de verão para casas térreas isoladas Cor do acabamento externo das paredes (a) Zonas Bioclimáticas Notas: 1 Condição padrão (b) 2 Não atende Com ventilação (c) 3 Não atende Não atende 4 5 Não atende 6 Não atende Não atende 7 Com sombreamento (d) 8 Não atende Não atende Não atende Com sombreamento ventilação (e) (f) a) Absortância à radiação solar da superfície externa das paredes α = 0,3 para cor ; b) Condição padrão: ambientes com ventilação somente por infiltração por meio de frestas em janelas e portas, a uma taxa de uma renovação do volume de ar do ambiente por hora (1,0Ren/h) e janelas sem sombreamento; c) Condição com ventilação: ambientes com ventilação, a uma taxa de cinco renovações do volume de ar do ambiente por hora (5,0 Ren/h) e janelas sem sombreamento; d) Condição com sombreamento: proteção solar externa ou interna que impeça a entrada de radiação solar direta ou reduza em 50% a incidência da radiação solar global no ambiente e ventilação somente por infiltração por meio de frestas em janelas e portas, a uma taxa de uma renovação do volume de ar do ambiente por hora (1,0Ren/h); 14

15 e) Condição com ventilação e com sombreamento: proteção solar externa ou interna que impeça a entrada de radiação solar direta ou reduza em 50% a incidência da radiação solar global no ambiente e taxa de cinco renovações do volume de ar do ambiente por hora (5,0Ren/h); f) Para atendimento a zona 8 com cor as paredes externas devem contemplar camada de lã de vidro com 50mm de espessura (massa específica da ordem de 10,35kg/m³ e condutividade térmica da ordem de 0,049W/mK), inserida no vão do quadro estrutural, junto a chapa de OSB voltado para o interior da edificação. Verifica-se que na situação de inverno, todas as zonas bioclimáticas atendem as condições mínimas de desempenho térmico. O produto atende ao desempenho mínimo para edificações térreas isoladas para as zonas bioclimáticas 1 a 7, considerando parede de fachada com acabamento em cores s, com sombreamento das janelas e ventilação dos ambientes. Para o atendimento a zona bioclimática 8, as paredes externas devem contemplar camada de lã de vidro com 50mm de espessura inserida no vão do quadro estrutural, junto a chapa de OSB voltado para o interior da edificação Desempenho acústico Foram realizados ensaios de campo para verificação do índice de isolação sonora das paredes de fachada (Figura 03) e das paredes de geminação (Figura 05). A unidade habitacional está localizada em ambiente com classe de ruído II, considerando: cobertura composta por telhado com telhas cerâmicas (espessura de 20mm) e forro horizontal alveolar de PVC (espessura de 8mm) ; janela do dormitório de dimensões 1200mm x 1200mm, em alumínio anodizado com 2 folhas de correr e vidro de 3mm de espessura; porta do dormitório de dimensões 800mm x 2100mm, em madeira. Os resultados obtidos estão apresentados na Tabela 05. Tabela 05 Síntese dos critérios de desempenho e do resultado do ensaio de isolação sonora Critério de desempenho: valor Valor determinado em ensaio Elemento mínimo (db) na ABNT NBR de campo (db) Parede de fachada do dormitório 25 D 2m,nT,w = 27 Parede entre unidades habitacionais autônomas (parede de geminação) nas situações onde não haja ambiente dormitório 40 D nt,w = 40 Verifica-se que, para unidades habitacionais térreas isoladas ou geminadas, considerando as respectivas particularidades acima descritas, atendem aos critérios contemplados na Diretriz SINAT N 005 referentes à D 2m,nT,w e D nt,w Durabilidade e Manutenibilidade Para a durabilidade do sistema de vedação vertical TECVERDE considerou-se os detalhes projetuais (premissas de projeto), as características dos materiais e os procedimentos de uso e de manutenção (manual técnico do sistema de vedação vertical). Destacam-se como principais pontos de avaliação do produto: Resistência aos organismos xilófagos dos componentes de madeira As peças de madeira maciça estruturais são provenientes de coníferas da espécie Pinus elliotti. Apresentam medidas preventivas e curativas adotadas para eliminação e controle de agentes biológicos (fungos, insetos xilófagos e perfuradores marinhos), por meio de tratamento por autoclave com preservativo CCA (arsenato de cobre cromatado). Os valores para retenção verificados são de no mínimo 4kg.ia/m³ e atendem ao valor mínimo especificado na ABNT NBR

16 As chapas de OSB foram submetidas a ensaio laboratorial para determinação de resistência ao ataque de cupins de madeira seca (Cryptotermes brevis). Os resultados denotam que o material ensaiado apresenta nota menor ou igual a 1, atendendo ao critério estabelecido na Diretriz SINAT N 005. Devido às chapas de OSB não possuírem tratamento fungicida, os seguintes itens são contemplados em projeto e foram verificados em obra: Beirais com projeção horizontal de 600mm, pingadeiras nos peitoris das janelas e acabamentos que impedem o acúmulo de água; Barreira impermeável disposta em toda a face voltada para o exterior da edificação, envelopando a base da chapa de OSB até altura de 200mm na face interna da mesma; Barreira impermeável disposta em toda a face da parede voltada para o interior dos ambientes de áreas molhável (cozinha) e molhada (banheiro), atrás das chapas de gesso acartonado Resistência à corrosão de dispositivos de fixação (parafusos, pregos, grampos, cantoneiras metálicas e chumbadores) Os dispositivos de fixação foram expostos a nevoa salina neutra por um período de 240 horas. Foi verificada a presença de manchas escuras e de corrosão branca, o que denota atendimento ao critério da Diretriz SINAT Nº005 em termos de tempo de exposição, bem como a não presença de corrosão vermelha Comportamento das juntas entre as chapas da vedação externa As juntas dos tipos aparente e dissimulada entre as placas cimentícias, que compõem a vedação externa das paredes, quando submetidas ao ensaio de estanqueidade seguido de choque térmico (calor e resfriamento por meio de jato de água) composto por dez ciclos sucessivos, se apresentaram estanques. Não foram verificadas manchas de umidade, nem vazamentos de água, atendendo ao critério estabelecido na Diretriz SINAT Nº Resistência ao calor e choque térmico das paredes de fachada Os painéis de paredes de fachada, incluindo seus tratamentos de junta (aparente e dissimulada) e revestimentos, foram expostos ao ensaio de choque térmico (calor e resfriamento por meio de jato de água) composto por dez ciclos sucessivos. O resultado do ensaio apresentou atendimento aos critérios estabelecidos na Diretriz SINAT Nº005, com a não ocorrência de falhas como fissuras, destacamentos, deformações, empolamentos, descoloração ou outros danos. O deslocamento horizontal instantâneo (dh) foi inferior a h/300, onde h é altura da parede (h = 2500mm). Adicionalmente, foram realizados ensaios de resistência potencial de aderência à tração para as paredes de fachada incluindo seus tratamentos de junta (aparente e dissimulada), antes e após o ensaio de choque térmico. Os resultados apontam valores de resistência à tração iguais ou superiores a 0,3MPa, conforme ABNT NBR A manutenabilidade foi avaliada considerando-se o conteúdo do manual técnico de uso, operação e manutenção do sistema de vedação vertical elaborado pelo proponente da tecnologia. Foram analisados, particularmente, os itens relativos aos elementos construtivos que compõem ou têm interferência com o produto. No referido manual técnico foram considerados os prazos de vida útil de projeto (VUP) em conformidade com a ABNT NBR 15575:2013, com respectivo programa de manutenções preventivas e corretivas, além de informações como: condições de uso (fixação de peças suspensas), localização das instalações hidráulicas e elétricas e respectivas formas de inspeções e manutenções, restrições de uso, cuidados necessários com ação de água nas bases das paredes de fachada e das paredes internas de áreas molhável (cozinha) e molhada (banheiro). Para cada empreendimento deverá ser elaborado um manual de uso, operação e manutenção (Manual do Proprietário), preparado pela Construtora responsável pela obra, tomando por base as diretrizes do manual técnico do sistema de vedação vertical TECVERDE, fornecido pela detentora da tecnologia. 16

17 4.6. Segurança ao fogo As paredes avaliadas atendem aos requisitos de segurança ao fogo (dificultar a ocorrência de princípio de incêndio e dificultar a inflamação generalizada). As faces externas e internas das paredes são constituídas por placas cimentícias e chapas de gesso acartonado, respectivamente, consideradas incombustíveis e atendem aos requisitos de propagação superficial de chamas, permitindo condições adequadas para restringir o rápido crescimento do incêndio. Também apresentam características adequadas em termos de desenvolvimento de fumaça, não agravando o risco inerente do sistema em questão. Adicionalmente, considerando-se os riscos de propagação superficial de chama e de desenvolvimento de fumaça relacionados à face da chapa de OSB voltada para o interior da parede, foram realizados ensaios estabelecidos nas normas ABNT NBR 9442 e ASTM E662. Os resultados apontam a classificação do material como IIIA, atendendo ao estabelecido na Diretriz SINAT Nº005. Foram realizados ensaios de resistência ao fogo das paredes de geminação (espessura da ordem de 185mm) e interna (espessura da ordem de 135mm), conforme método estabelecido na ABNT NBR 5628:2001. Os corpos de prova foram submetidos a cargas axiais de 1.190kg/m e de 820kg/m, respectivamente, durante todo o programa de aquecimento, visando a reprodução das solicitações de serviço. Os resultados obtidos demonstram que a parede entre unidades habitacionais (parede de geminação) e as paredes internas da unidade habitacional apresentam resistência ao fogo por um período de 30 minutos, ou seja, são classificadas no grau corta-fogo como CF30. Os septos (oitões internos) existentes nas unidades habitacionais térreas geminadas, posicionados acima das paredes de geminação, são independentes e constituídos por estrutura metálica ou madeira revestida em ambas as faces com uma camada de chapa de gesso acartonado para drywall do tipo Standard com 12,5mm de espessura, apresentando resistência ao fogo por um período de 30 minutos (ABNT NBR ). Vale ressaltar que a empresa TECVERDE Engenharia Ltda. deve elaborar projetos específicos para cada tipologia, levando-se em consideração as exigências contidas nas regulamentações do Corpo de Bombeiros do Estado em que a construção será edificada, atender as exigências com relação a ABNT NBR e regulamentos municipais específicos. 5. Controle da qualidade Foram realizadas auditorias técnicas na fábrica e em obras, tanto em execução quanto acabadas e ocupadas, permitindo avaliar o desempenho global das unidades habitacionais e o comportamento potencialmente positivo do produto quanto ao controle de qualidade de produção e de seus elementos constituintes. A TECVERDE Engenharia Ltda. mantém controles necessários para a qualidade do processo de produção de seu produto por meio de instruções que contemplam critérios de aceitação para os principais materiais e componentes (madeira serrada autoclavada, chapas de OSB, placas cimentícias, barreira impermeável, chapas de gesso acartonado para drywall, selantes para juntas e elementos de fixação). Para a madeira serrada são realizados controles quanto à identificação de espécie, retenção de CCA, teor de umidade e existência de anomalias intrínsecas a madeira (nós, veios, vazios, etc.). Para as chapas de OSB a comprovação dos requisitos de resistência à flexão, teor de umidade e inchamento é verificada por meio de ensaios de controle de produção realizados pelo fabricante, bem como por controles realizados pela APA (American Plywood Association), entidade certificadora das chapas de OSB, além dos ensaios periódicos de verificação realizados por laboratório de terceira parte. Para as placas cimentícias a comprovação dos requisitos de resistência à flexão, absorção de água e variação dimensional, é realizada por meio de ensaios de controle da produção do fabricante, com validação desses controles realizados por laboratório de terceira parte. Para os elementos metálicos de fixação, a resistência à corrosão deve ser comprovada por meio de certificado de conformidade do fornecedor que acompanha cada lote entregue a obra ou por relatório de ensaio realizado por laboratório de terceira parte. Para barreira impermeável, selantes para juntas e chapas de gesso acartonado para drywall o controle é realizado mediante verificação da compatibilidade da ordem de compra com a nota fiscal e ensaios periódicos 17

18 (por lote de fabricação) entregues pelos respectivos fabricantes. Os documentos que demonstram os ensaios de controle estão inclusos nos relatórios de auditoria. Durante o período de validade deste DATec serão realizadas auditorias técnicas a cada, no mínimo 6 (seis) meses, para verificação dos controles realizados em fábrica e em obra. Para renovação deste DATec serão apresentados relatórios de auditorias técnicas (incluindo verificação de unidades em execução e verificação de unidades em uso), considerando amostras representativas da produção de unidades habitacionais no país. 6. Fontes de informação As principais fontes de informação são os documentos técnicos da empresa e os Relatórios Técnicos emitidos pelo IFBQ Documentos da empresa Projetos e detalhamentos executivos arquitetônicos, estruturais, instalações de hidráulica e de elétrica das unidades habitacionais térreas isoladas e geminadas; Projetos executivos de produção e de montagem das unidades habitacionais térreas isoladas e geminadas; Memorial descritivo do produto; Memorial de cálculo estrutural e Anotações de Responsabilidade Técnica; Fluxogramas da produção e da montagem; Instruções de trabalho e planilhas de recebimento de materiais e serviços; Manual técnico do sistema de vedação vertical Relatórios Técnicos e Relatórios de Ensaio Relatório Técnico de Avaliação - 015/2012 IFBQ; Relatório de inspeção de campo IFBQ; Relatório de Auditoria Técnica N 07/2014 (1ª Manutenção Periódica do DATec N 020) IFBQ; Relatório de Auditoria Técnica N 07/2015 (2ª Manutenção Periódica do DATec N 020) IFBQ; Relatório de Auditoria Técnica N 08/2015 (3ª Manutenção Periódica do DATec N 020) IFBQ; Relatório de Ensaio n CCC/ /17/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Resistência à compressão carga centrada para paredes de fachada); Relatório de Ensaio n CCC/ /18/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Resistência à compressão carga excêntrica para paredes de fachada); Relatório de Ensaio n CCC/ /19/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Resistência à compressão carga centrada para paredes de geminação); Relatório de Ensaio n CCC/ /20/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Resistência à compressão carga excêntrica para paredes de geminação); Relatório de Ensaio n CCC/ /24/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Impacto de corpo mole em paredes externas e internas); Relatório de Ensaio n CCC/ /2/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Impacto de corpo duro em paredes externas e internas); Relatório de Ensaio n CCC/ /3/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Solicitações transmitidas por portas para as paredes); Relatório de Ensaio REL DVPE LACTEC Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento/PR (Resistência a solicitações de cargas de peças suspensas); Relatório de Ensaio n CCC/ /14/13 L.A. Falcão Bauer LTDA. (Estanqueidade na interface parede/janela); Relatório de Ensaio REL DVPE 3776/2015-R1 LACTEC (Estanqueidade, choque térmico e resistência potencial de aderência à tração juntas do tipo aparente e dissimulada); 18

Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em SmartSide Panel

Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em SmartSide Panel Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão abril de 2013 Validade março de 2015 Produto

Leia mais

Limites da avaliação técnica do Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em chapas de OSB revestidas com siding vinilico:

Limites da avaliação técnica do Sistema construtivo LP Brasil OSB em Light Steel Frame e fechamento em chapas de OSB revestidas com siding vinilico: Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão abril de 2013 Validade março de 2015 Produto

Leia mais

DATec Nº 014. Emissão abril de 2013. Validade março de 2015

DATec Nº 014. Emissão abril de 2013. Validade março de 2015 Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão abril de 2013 Validade março de 2015 Produto

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

Placa Cimentícia. Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR

Placa Cimentícia. Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR Placa Cimentícia Impermeabilizada GUIA DO MONTADOR Placa Cimentícia Impermeabilizada RECOMENDAÇÃO INICIAL civil para o dimensionamento de qualquer tipo de reforma ou construção, principalmente aquelas

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Steel frame - fechamento (parte 3)

Steel frame - fechamento (parte 3) Página 1 de 6 Steel frame - fechamento (parte 3) Hotel Villa Rossa, fechamento em steel frame No segundo artigo desta série sobre steel frame, abordamos a estrutura da edificação. Nela são aplicadas as

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL. Miriã Aquino

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL. Miriã Aquino CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE-UNIBH DRYWALL Miriã Aquino Belo Horizonte 2014 1 SUMÁRIO: APLICAÇÕES... 3 Paredes:... 3 Separação de Ambientes internos... 4 Isolamento Acústico Superior... 8 Isolamento

Leia mais

Nº 170768. www.ipt.br

Nº 170768. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 170768 Patologia de paredes dry-wall: formas de prevenção Claudio Vicente Mitidiéri Filho Trabalho apresentado no Seminário Patologias Precoces de Obras: o Risco do Passivo Técnico

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM WOOD FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-21 DATA: OUTUBRO/2012.

SISTEMA CONSTRUTIVO EM WOOD FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-21 DATA: OUTUBRO/2012. Tecnologias, sistemas construtivos e tipologias para habitações de interesse social em reassentamentos. SISTEMA CONSTRUTIVO EM WOOD FRAME FICHA CATALOGRÁFICA-21 DATA: OUTUBRO/2012. Tecnologias, sistemas

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Contribuição técnica nº 23 LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Autores: ALEXANDRE KOKKE SANTIAGO MAÍRA NEVES RODRIGUES MÁRCIO SEQUEIRA DE OLIVEIRA 1 CONSTRUMETAL

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo FIPAI FUNDAÇÃO PARA O INCREMENTO DA PESQUISA E DO APERFEIÇOAMENTO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Departamento de Arquitetura e Urbanismo Relatório Avaliação pós-ocupação

Leia mais

ESQUADRIAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESQUADRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESQUADRIA Elemento da Vedação Vertical utilizado no fechamento de aberturas

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/100/imprime31592.asp

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/100/imprime31592.asp 1 de 11 01/11/2010 22:14 Juntas em drywall O termo drywall é aqui adotado para designar genericamente sistemas construtivos de paredes internas não-estruturais constituídas de chapas de gesso acartonado

Leia mais

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos

Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos Manual de Projeto de Sistemas Drywall paredes, forros e revestimentos 1 Prefácio Este é o primeiro manual de projeto de sistemas drywall publicado no Brasil um trabalho aguardado por arquitetos, engenheiros,

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

Sistema de Paredes Trevo Drywall

Sistema de Paredes Trevo Drywall Nome da Empresa DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Endereço Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte - CE - CEP 63045-010 Tel/Fax (88)

Leia mais

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação NBR 15575 Requisitos b) Habitabilidade 1. Estanqueidade 2. Desempenho térmico 3. Desempenho acústico 4. Desempenho lumínico 5. Saúde, higiene e qualidade do ar 6. Funcionalidade e acessibilidade 7. Conforto

Leia mais

NBR 15575 NORMA DE DESEMPENHO

NBR 15575 NORMA DE DESEMPENHO NBR 5575 NORMA DE DESEMPENHO As avaliações dos quesitos exigidos pela Norma de Desempenho (NBR 5575) foi conduzida no âmbito do PSQ (Programa Setorial de Qualidade Drywall). O objetivo desse programa é

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social

Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social Desenvolvimento de Tecnologia Wood Frame para Habitações de Interesse Social INTRODUÇÃO Reportagem de julho/2011 do Estado de São Paulo afirma que das 1 milhão de residências do Programa Minha Casa, Minha

Leia mais

Steel frame - cobertura (última parte)

Steel frame - cobertura (última parte) Página 1 de 8 Steel frame - cobertura (última parte) A cobertura destina-se a proteger as edificações da ação das intempéries. Pode ser vista também como um dos elementos de importância estética do projeto,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias Aspectos técnicos e jurídicos Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Associação Nacional de Fabricantes de Esquadria de Alumínio Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 STEEL FRAMING: COMPARATIVO DE CUSTOS E AS NOVAS PERSPECTIVAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE UBERABA Jéssica Cristina Barboza 1 ; Amanda Bernardes Ribeiro 2 ; Cássia Fernanda Borges da Silva 3 ; Pedro

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4?

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527. O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 171527 O que é preciso fazer para que as fachadas e paredes internas atendam aos requisitos de desempenho da NBR 15.575-4? Luciana Alves de Oliveira Slides da Palestra apresentada

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE

MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE Rua Clemente Pinto, 146. Pág. 1 / 9 1 GENERALIDADES E DISPOSIÇÕES GERAIS O presente memorial descritivo tem por objetivo especificar o tipo, qualidade e

Leia mais

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS

NOX SISTEMAS CONSTRUTIVOS LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC ENDEREÇO: Cidade Universitária Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105 900 TELEFONE: (55) 3220 8608 (Fax) Direção 3220 8313 Secretaria E-MAIL: lmcc@ct.ufsm.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2

REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 200888 Técnicas das Construções I REVESTIMENTOS Conceituação e classificação Aula 1-2 Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 11 1 REVESTIMENTOS VERTICAIS O que

Leia mais

Ecoplac Cimentícia. Decorlit. Manual Técnico. Borda Quadrada Borda Rebaixada. 2BR e 4BR VERSÃO 11/13

Ecoplac Cimentícia. Decorlit. Manual Técnico. Borda Quadrada Borda Rebaixada. 2BR e 4BR VERSÃO 11/13 Placa Cimentícia Prensada e Decorlit Impermeabilizada Manual Técnico Borda Quadrada Borda Rebaixada 2BR e 4BR VERSÃO 11/13 índice Apresentação Dados Técnicos Dados Técnicos Manuseio OSB Principais Vantagens

Leia mais

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME

SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME GESSO SISTEMA DRY WALL E STEEL FRAME Gesso O gesso é uma substância, normalmente vendida na forma de um pó branco, produzida a partir do mineral gipsita, composto basicamente de sulfato de cálcio hidratado.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Anexo I-A: Projeto Arquitetônico

MEMORIAL DESCRITIVO. Anexo I-A: Projeto Arquitetônico Fornecimento e Instalação de Brises na Fachada Oeste do Edifício Sede do MPDFT Sumário MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Projeto Arquitetônico 1.Descrição dos Serviços...2 2.Serviços Preliminares...2 2.1.Tapumes

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084. Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172084 Sistemas construtivos inovadores X avaliação técnica com abordagem de desempenho X SINAT Luciana Alves de Oliveira Palestra apresentada no SIMPÓSIO ALAGOANO DE ENGENHARIA

Leia mais

/estudo preliminar pesquisa de materialidades: o steel framing e seus componentes

/estudo preliminar pesquisa de materialidades: o steel framing e seus componentes /estudo preliminar pesquisa de materialidades: o steel framing e seus componentes Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O Light Steel Framing (LSF) é um sistema construtivo de concepção racional

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2)

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2) 02/07/22 12/12/22 Versão MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL NERIÁ Rua A.J. Renner, 1.390 Estância Velha Canoas / RS Arquivo: P:\SGQ\Registros\ e Desenvolvimento\0-RE.PRO.023 - Memorial Descritivo V.\Residencial

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma de Prédio Delegacia CRA Proprietário: Conselho Regional de administração Endereço: Av. Presidente Getulio Vargas, N 2.923 Área: 110,00 m² 1.

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO.

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO CASTANHAL (PA) MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA AS OBRAS DE REFORMA DO GINÁSIO POLIESPORTIVO LOIOLA PASSARINHO E CONSTRUÇÃO DO ANEXO. ABRIL/2014 REFORMA

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE Professora ROSELI VALLE MARINGÁ 2015 Denomina-se CONCRETO ARMADO à associação do aço ao concreto para que haja melhor resistência em determinados tipos de esforços. Fatores

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

Avaliação de Desempenho ABNT NBR 15575. Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br

Avaliação de Desempenho ABNT NBR 15575. Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Avaliação de Desempenho Segurança ao Fogo ABNT NBR 15575 Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br Ocorrências de incêndios em 2010 Número de incêndios no Brasil Número de incêndios no Estado de São Paulo

Leia mais

1 Desempenho térmico

1 Desempenho térmico Desempenho térmico 1 2 Desempenho térmico A norma NBR 15575 não trata de condicionamento artificial. Todos os critérios de desempenho foram estabelecidos com base em condições naturais de insolação, ventilação

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO www.placlux.com.br

MANUAL DE INSTALAÇÃO www.placlux.com.br R MANUAL DE INSTALAÇÃO www..com.br Sistema de R ds ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO - PLACLUX... 04 2.SISTEMA DE PLACA CIMENTÍCIA PROFORT ds 2.1 Componentes do Sistema de Placa Cimentícia ProFort ds... 04 2.2 Placa

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Portas resistentes ao fogo

Portas resistentes ao fogo OPÇÕES Veja os tipos de portas > PORTAS RESISTENTES AO FOGO > PORTAS DE MADEIRA > PORTAS CORTA-FOGO CHECKLIST Verifique os itens a serem considerados no momento da especificação Características específicas

Leia mais

Drywall Placo, infinitas possibilidades

Drywall Placo, infinitas possibilidades Drywall Placo, infinitas possibilidades Manual do morador Características do drywall O que é drywall?... 5 Drywall oferece mais economia que a parede de alvenaria?... 5 É fácil personalizar um ambiente

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2).

COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). COMPARATIVO ENTRE MODELOS DE ESCADAS ENCLAUSURADAS EM AÇO PARA EDIFICAÇÕES Thiago Guolo (1), Marcio Vito (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)thiago.guolo@outlook.com (2)marciovito@unesc.net

Leia mais

Forros Removíveis Knauf Beleza e funcionalidade para colocar seus projetos nas alturas

Forros Removíveis Knauf Beleza e funcionalidade para colocar seus projetos nas alturas Knauf Folheto Técnico 8 Forros Removíveis Knauf Beleza e funcionalidade para colocar seus projetos nas alturas Produtos com diferenciais exclusivos aliam facilidade de instalação e manutenção às mais variadas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

Complementos para telhas Brasilit

Complementos para telhas Brasilit Complementos para telhas Brasilit A mais completa linha de cumeeiras, rufos, espigões, arestas, cantoneiras, terminais, pingadeiras, tampões, calços, venezianas, claraboias e placas de vedação. TECNOLOGIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA abr/2006 1 de 6 COBERTURAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Edificações. Coberturas. PR 010979/18/DE/2006 ET-DE-K00/005 ESPECIFICÇÃO TÉCNIC abr/2006 1 de 6 TÍTULO COBERTURS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Edificações. Coberturas. PROVÇÃO PROCESSO PR 010979/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI SEP Secretaria de Estado

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO CONTAINER MÓDULO ESCRITÓRIO CONT 05 A 08_10_11_14 A 19 e CT 10 CONTAINER MÓDULO ESCRITÓRIO/MÓDULO HABITACIONAL

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. www.placlux.com.br. Sistema de

MANUAL TÉCNICO. www.placlux.com.br. Sistema de R MANUAL TÉCNICO www..com.br Sistema de R ds ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO - PLACLUX... 04 2.SISTEMA DE PLACA CIMENTÍCIA PROFORT ds 2.1 Componentes do Sistema de Placa Cimentícia ProFort ds... 04 2.2 Placa Cimentícia

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO OBRA: C.E.P. EM ARTES BASILEU FRANÇA E ESCOLA DE ARTES VEIGA VALLE LOCAL: GOIÂNIA - GO ASSUNTO: REFORMA NA COBERTURA, FORRO, ESQUADRIAS, INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, PINTURA E PISO. DATA: 15/04/2005. MEMORIAL

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas

de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Seminário: Painel II Sistemas Industrializados à Base de Cimento para A Norma Habitação de Desempenho e as Inovações Tecnológicas Inovações Tecnológicas na CAIXA São Paulo, 31 de agosto 2011 VIGOV Vice-Presidência

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO EM SISTEMAS DRYWALL. www.drywall.org.br

DESEMPENHO ACÚSTICO EM SISTEMAS DRYWALL. www.drywall.org.br DESEMPENHO ACÚSTICO EM SISTEMAS DRYWALL www.drywall.org.br Apresentação Desempenho acústico em sistemas drywall Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall 2011 Autor: Carlos Roberto de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

MEMORIAL DESCRITIVO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES MEMORIAL DESCRITIVO Contratante: Federação das Indústrias do Estado Santa Catarina CNPJ: 83.873.877/0001-14 Empreendimento: Edifício Sede do Sistema FIESC Endereço: Rua Admar Gonzaga, nº 2765 Bairro Itacorubi

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção Unidade Básica de Saúde PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE.

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção Unidade Básica de Saúde PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE. MEMORIAL DESCRITIVO Construção Unidade Básica de Saúde TIPO DE CONSTRUÇÃO: Prédio em Alvenaria UBS Unidade Básica de Saúde da Sede do município. LOCAL: Rua Édimo Luiz Tonial na cidade de Cacique Doble

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA...29,25 m² PERGOLADO ABIU

ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA...29,25 m² PERGOLADO ABIU 390 750 ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA...29,25 m² APRESENTAÇÃO As empresas Plantar Empreendimentos e Produtos Florestais Ltda e Montana Química S.A. sentem-se honradas em tê-lo como cliente e é com imensa satisfação

Leia mais

Chapa colada na alvenaria. Corte Vertical. Alvenaria-Pilar. Corte Horizontal - Revestimento do Pilar. Revestimento Knauf W611 Detalhes Técnicos 00-01

Chapa colada na alvenaria. Corte Vertical. Alvenaria-Pilar. Corte Horizontal - Revestimento do Pilar. Revestimento Knauf W611 Detalhes Técnicos 00-01 Revestimento Knauf W611 Detalhes Técnicos Corte Vertical Chapa colada na alvenaria Fita para juntas Alvenaria existente Massa Perlfix Chapa Knauf Massa Perlfix Chapa Knauf Chapa Knauf Massa Perlfix Corte

Leia mais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais

ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho. Perícias judiciais ABNT NBR 15575 Edifícios habitacionais de até 5 (cinco) pavimentos Norma de Desempenho Perícias judiciais IBAPE SP - AGOSTO 2011 1 NORMAS TÉCNICAS Zona de fronteira Direito Engenharia 2 Norma de Desempenho

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DETERMINAÇÃO DO ISOLAMENTO SONORO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES EM LABORATÓRIO itt PERFORMANCE UNISINOS Av. Unisinos, 9 Cristo Rei, São Leopoldo APRESENTAÇÃO Único instituto da

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8 TETOS 8.3 - FORRO EM PAINEL DE PEDRA ACRÍLICA. Centro Aquático Titulo Memorial de acabamentos de Arquitetura

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8 TETOS 8.3 - FORRO EM PAINEL DE PEDRA ACRÍLICA. Centro Aquático Titulo Memorial de acabamentos de Arquitetura 8.3 Forro em painel de pedra acrílica R00 AQU00-PB-AQ-ET-MDAQ-083-R00 18.04.13 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 8 TETOS 8.3 - FORRO EM PAINEL DE PEDRA ACRÍLICA TET-11 TETO ELEVADOR Revisões Descrição 00 Emissão

Leia mais

DURABILIDADE, MANUTENIBILIDADE ESTANQUEIDADE À ÁGUA

DURABILIDADE, MANUTENIBILIDADE ESTANQUEIDADE À ÁGUA DURABILIDADE, MANUTENIBILIDADE ESTANQUEIDADE À ÁGUA CLÁUDIO MITIDIERI 17 Fevereiro 2014 PARÂMETROS DE PROJETO E DE ESCOLHA DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS NBR 15.575 -CUSTOS (INICIAL;ao longo do tempo operação

Leia mais

! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA !!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA' DRYWALL' PORTAS' !!!!!!!!!!!! !!! ! 1!

! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA !!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA' DRYWALL' PORTAS' !!!!!!!!!!!! !!! ! 1! ! ESTÚDIO!DE!ARQUITETURA:!SUSTENTABILIDADE!AMBIENTAL!! FERNANDA MOURA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! PESQUISA'!!! DRYWALL' E'' PORTAS'! 1! !!! SUMÁRIO!!! PAREDES!DRYWALL! 1. 'FABRICANTE:'KNAUF 1. 1 PAREDE

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O

EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO ARGAMASSA DE FACHADA DE P R O M O Ç Ã O EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA DE ARGAMASSA P R O M O Ç Ã O Início dos Serviços Alvenarias concluídas há 30 dias e fixadas internamente há 15 dias Estrutura concluída há 120 dias Contra marcos chumbados

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 33

MÉTODO EXECUTIVO ME 33 Objetivo: FOLHA 1 de 8 O objetivo do MÉTODO EXECUTIVO ME 33 é detalhar o Processo Membrana Acrílica Estruturada Impermeável (MAI), de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência garantir

Leia mais

DATec Nº 014a. Emissão Julho de 2015. Validade Junho de 2017

DATec Nº 014a. Emissão Julho de 2015. Validade Junho de 2017 Av. Prof. Almeida Prado, 532 Cidade Universitária - Butantã CEP 05508-901 São Paulo - SP Tel: (11) 3767-4164 Fax: (11) 3767-4961 ipt@ipt.br / www.ipt.br Emissão Julho de 2015 Validade Junho de 2017 Produto

Leia mais