M-PASS: software para dispositivos móveis para vendas de passagens rodoviárias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "M-PASS: software para dispositivos móveis para vendas de passagens rodoviárias."

Transcrição

1 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 M-PASS: software para dispositivos móveis para vendas de passagens rodoviárias. Davis Pereira Barbosa, Ivo Evaristo Cabrera Teixeira, Rodrigo Lúcio Renault Centro Universitário do Sul de Minas UNIS/MG Gestão da Educação Tecnológica - GETEC Rodovia Varginha - Elói Mendes, Km 232, , Varginha, MG, Brasil s: Resumo O M-Pass é um software desenvolvido para dispositivos móveis com sistema operacional Windows Mobile que tem como premissas agilizar o processo de vendas de passagens rodoviárias efetuadas dentro dos ônibus com atualização direta destas, em um banco de dados, acabando assim, com as inconsistências uma vez que unifica os dados em um só banco de dados. O presente artigo relata o desenvolvimento deste software bem como suas vantagens. Palavras chave Passagem Rodoviária, Dispositivos Móveis, Windows Mobile, Softwares Rodoviários. Abstract The M-Pass is a software developed for handheld and mobile devices that uses operating system Windows Mobile. It comes to expedite the road crossing tickets selling on the buses and update data directly on a database ending with inconsistencies and unifying the data in only one database. This article describes the software development and its benefits. Keywords Road Crossing, Handheld Devices, Mobile, Windows Mobile. I. INTRODUÇÃO As viagens feitas por meio terrestre continuam sendo o meio mais viável de transporte existente. Assíduos usuários deste transporte os alunos do Centro Universitário do Sul de Minas UNIS/MG, puderam constatar uma frequente falha no sistema de vendas da maioria das empresas que prestam esse tipo de serviço. Estas falhas são ocasionadas por inconsistências nos dados do sistema. Freqüentemente são vendidas passagens para mesma poltrona ou, até mesmo, com o ônibus estando em sua capacidade máxima de passageiros. Isto acontece porque a pessoa responsável pela venda de passagens das cidades posteriores à origem da viagem não tem acesso às informações de vendas feitas dentro do ônibus, o que gera imprecisão nos dados do sistema. Partindo deste ponto, foi proposta uma solução viável para estas empresas, que poderão ser mais precisas nas vendas de passagens, não gerando insatisfação e consequentemente prejudicando os clientes. A solução encontrada foi o desenvolvimento de um sistema para dispositivos móveis que ao executar uma venda atualize as informações automaticamente em uma base de dados centralizada, ou seja, a mesma base de dados acessada pelo sistema de vendas das empresas. Visando essa solução, foi verificado os seguintes obstáculos: como atualizar a distância a base de dados? Como conectar a essa base por meio móvel? Analisando o estado da arte, verificou-se que as operadoras de cartão de crédito utilizam de conexão GPRS 1 para executar transações, e atualizar diretamente as bases com as informações dessas transações. Sendo esse tipo de conexão nativa da maioria dos dispositivos móveis, pois outros tipos de conexões como EDGE e 3G ainda são muito recentes e muitos equipamentos não possuem essa tecnologia, optou-se então por ser a solução mais viável. A linguagem utilizada foi o VB. NET (Visual Basic. NET) que possui um ambiente e bibliotecas de desenvolvimento para dispositivos móveis. Com o software M-Pass as empresas rodoviárias podem com precisão visualizar as informações de vendas, e minimizar as falhas e a decorrente insatisfação dos clientes. Este artigo, no seu desenvolvimento, descreve os passos tomados para realização do projeto, ferramentas utilizadas, o porquê de utilizar cada uma destas, alem, das vantagens de utilizá-lo. II. PROJETO A idealização do projeto surgiu através das experiências relatadas por alunos do Centro Universitário do Sul de Minas UNIS/MG, que dependem do transporte rodoviário para se locomover para a cidade da instituição. Estes puderam verificar a falta de eficácia e eficiência nos métodos de venda usados pelas empresas rodoviárias, principalmente as que utilizam a linha semi-urbana, atrasando muitas vezes as 1 O GPRS (General Packet Radio Service) é um novo serviço que permite o envio e recepção de informações através de uma rede telefônica móvel.

2 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 2 viagens. Estes erros acarretam em fraudes, processos e prejudicam tanto a empresa quanto o passageiro. A solução encontrada foi a criação de um software para suprir as necessidades das empresas rodoviárias. Os objetivos do sistema consistem em: executar vendas de passagens rodoviárias, atualizar os dados de vendas em banco de dados utilizando a Internet como meio de comunicação, tornar o processo de venda mais ágil, executar a venda e impressão das passagens no interior dos veículos, utilização de dispositivos móveis para venda e impressão das passagens, bem como para sincronização dos dados com o servidor através de Web Services. Com o diagrama e as fichas de atividades prontas, é possível partir para o cronograma. Geralmente esta metodologia utiliza o gráfico de Gantt (Figura 2) demonstrando quanto tempo será consumido para execução de cada atividade. É um método de controle para que o projeto não utilize tempo além do necessário. Outro objetivo do cronograma é dar ao gerente do projeto, visão de quando deve ser cobrado resultado da equipe, pois este tem acesso do tempo envolvido, bem como, do que deve estar ou deveria estar sendo feito no devido período [2]. Também com o cronograma é possível obter os custos do projeto, especificando cada etapa. III. METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO Para o desenvolvimento do software M-Pass foram delegados cargos onde a gerência do projeto foi assumida por Rodrigo Lúcio Renault, e os cargos de programadores para Davis Pereira Barbosa e Ivo Evaristo Cabrera Teixeira. Após definição dos cargos e objetivos do sistema, foram realizados o diagrama de atividades, as fichas de atividades e o cronograma do projeto. Estas três etapas de gerência de projeto auxiliam no desenvolvimento, pois descrevem e delegam as atividades para cada responsável e controlam o tempo de execução de cada atividade. A. Diagrama de Atividades O diagrama de atividades consiste em um recurso visual demonstrando quais as atividades deverão ser realizadas, deixando esclarecida cada etapa desde elaboração da análise de requisitos, que é tratado adiante, até as etapas de desenvolvimento. Como demonstrado na figura 1. B. Fichas de Atividades Figura 1 - Diagrama de Atividades Para auxiliar o diagrama de atividades existem as fichas de atividades. Nas fichas são descritos com clareza todos os trabalhos que devem ser realizados em cada atividade, auxiliando assim todos os responsáveis, pois estes não precisam aguardar instruções, visto que todas estão distribuídas e delegadas [2]. C. Cronograma D. Análise de Requisitos Figura 2 - Gráfico de Gantt O desenvolvimento do projeto foi realizado a partir de uma prévia pesquisa, analisando quais ferramentas o sistema deveria ter para manter a consistência a venda de passagens. A especificação de requisitos é a tarefa mais importante na fase de análise de um sistema, pois é o estudo das características que o software em desenvolvimento terá para atender às necessidades no cumprimento dos objetivos específicos deste trabalho. Esta análise se divide em duas partes, requisitos funcionais e não funcionais [6]. 1) Requisitos Funcionais Os requisitos funcionais descrevem todo o conjunto de ferramentas e recursos para o funcionamento do sistema viabilizando ou inviabilizando-o. Tais requisitos demonstram as funcionalidades que o sistema deve dispor, determinando o seu comportamento. 2) Requisitos Não Funcionais Os requisitos não funcionais são aqueles que apresentam restrições e especificações de uso para os requisitos funcionais. E. Restrições A única restrição encontrada foi a indisponibilidade de sinal em algumas áreas geográficas, pois o software atualiza as bases de dados por meio de conexão GPRS com a Internet. F. Dicionário de Dados Um dicionário de dados contém as características lógicas dos dados que serão utilizados no sistema, incluindo nome, significado, relação com outros dados, origem, conteúdo e organização. Este recurso facilita a compreensão do sistema para a construção do banco de dados e sua utilização pelos desenvolvedores, pois ele conterá o nome e descrição de cada

3 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 3 tabela, seus relacionamentos, campos e o tipo de dado de cada campo. Sua construção e manutenção é uma das atividades cruciais do sistema [6]. No projeto o dicionário de dados é o próximo passo a ser tomado após a análise de requisitos. Nesta etapa, procura-se levantar, com precisão, quais dados serão armazenados no banco de dados. Estes dados darão origem à modelagem das classes do sistema. G. Modelagem de Dados 1) Diagrama de Entidade Relacionamento A modelagem de dados é uma das partes mais importantes dos sistemas de informações. É através dela que se define a relação, tipos e características dos dados do sistema. Uma modelagem de dados bem feita e bem analisada garante a integridade e fidelidade dos dados. A figura 3 ilustra o diagrama de entidade relacionamento realizado para o desenvolvimento do software M-Pass. Figura 3 Diagrama de Entidade Relacionamento 2) Diagrama de Classes UML Através do diagrama de classes, define-se conceitualmente e visualmente a relação entre as classes que o sistema irá utilizar. Classes são abstrações de características que objetos do mundo real possuem em comum. Estas possuem atributos e métodos. O diagrama de classes orienta o desenvolvedor na construção e relação de cada classe. A figura 4 ilustra o diagrama de classes construído para o desenvolvimento do M- Pass. Figura 4 - Diagrama de Classes IV. DISPOSITIVOS MÓVEIS É visível nas últimas décadas um aumento significativo na utilização de dispositivos móveis para diversas finalidades. No entanto cada um dos dispositivos eram fabricados com uma finalidade específica. Exemplos disto são os primeiros Mp3s, que reproduziam os arquivos de áudio armazenados no dispositivo e os primeiros celulares que realizavam somente chamadas. Os dispositivos portáteis têm a capacidade de se comunicar em rede com outros equipamentos digitais, e suas funções podem ser utilizadas com este em movimento. A computação móvel representa uma evolução tecnológica, pois permite que os usuários do dispositivo tenham acesso sem limitação tempo/espaço, e o mais importante, em movimento. Segundo Mendonça [4] pode-se considerar que a computação móvel começou em meados de 1992, com a introdução de um handheld chamado Newton, da Apple. Chegou ao mercado com tela sensível ao toque, 1MB de memória total, e capacidade de transmissão de 38.5KBPS. Hoje os dispositivos móveis mais utilizados são notebooks, palmtops, PDAs (Personal Digital Assistants) e celulares (smartphones) e a evolução das tecnologias de envio de dados mostram que as taxas de transmissão ultrapassam os 2MBps. Com o aumento do poder computacional e padronização dos softwares de dispositivos móveis, tornou-se possível o surgimento de novos ambientes de programação focados neste tipo de equipamento, onde é possível desenvolver aplicações quase que totalmente independentes de dispositivo e fabricante. Esta generalização referente ao desenvolvimento para dispositivos móveis permitiu a aplicação de ferramentas conhecidas em ambiente desktop nesta plataforma. Além de aplicações específicas tais dispositivos incorporaram também o acesso à Internet, facilitando o alcance aos mais variados tipos de informações e dando suporte a inúmeros recursos de desenvolvimento de software. Em contrapartida, às várias vantagens que a mobilidade apresenta, é necessário ressaltar as limitações de tais dispositivos, tanto em relação aos recursos de hardware quanto aos de software e interatividade [5]. A. Windows Mobile O Windows Mobile é um sistema operacional desenvolvido especialmente para dispositivos móveis baseados no Microsoft Win32 API. É um sistema mais compacto e que combina vários aplicativos básicos para estes dispositivos. Projetado para ser similar as versões Windows para desktops possui inclusive aplicativos como Word, Excel, PowerPoint e Windows Media Player Pocket. Originalmente ele surgiu como Pocket PC 2000 e desde então passou por várias atualizações chegando à sua versão atual Windows Mobile 6.1. Para programadores existem várias opções no desenvolvimento de aplicações móveis, pois ele suporta

4 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 4 desenvolvimento em C#, Vb.NET, ou códigos cliente-servidor como PHP. A tendência é que o uso do sistema em smartphones cresça, pois segundo Reuters [8] a Microsoft vem assinando contratos de parceria com as maiores produtoras de dispositivos móveis, como a LG Electronic. V. WEB SERVICES Um Web Service é definido pela W3C 2 como Sistema de Software projetado para suportar a interoperabilidade entre máquinas sobre a rede. Geralmente eles são apenas API s (Internet Application Programming Interfaces) que podem ser acessadas pela rede e executadas em um computador remoto que requisitou os serviços. A definição de Web Service engloba vários tipos de sistemas, mas é comumente utilizado em plataformas clienteservidor que se comunicam através do protocolo HTTP usado na Web. Estes componentes permitem o envio e o recebimento de dados em formato XML, ou seja, cada aplicação pode utilizar a sua própria linguagem, que será traduzida para XML que é uma linguagem Universal. Isto torna a comunicação entre os sistemas dinâmica e segura, mantendo a consistência e confiabilidade dos dados [10]. VI. LINGUAGEM ESCOLHIDA A linguagem escolhida para o desenvolvimento do projeto foi o Visual Basic.NET, que é parte da plataforma Microsoft.Net portanto, está disponível para Windows Mobile, além de ser orientada a objetos e ter suporte a UML. A ferramenta utilizada para o desenvolvimento do software foi o Visual Studio Esta ferramenta permite a construção de aplicações para a plataforma Microsoft.NET, trazendo um conjunto variado de recursos. A arquitetura das informações do software foi elaborada para tornar a tarefa de programação mais ágil. As ferramentas são dispostas por ícones ou sub-menus. Todos os projetos ficam disponíveis em abas, tornando o desenvolvimento das aplicações mais ágil. A. Porque usar Visual Basic.NET? Assim como o Windows Mobile o VB.NET foi desenvolvido pela Microsoft garantindo compatibilidade entre a linguagem e o sistema operacional. Por ser uma linguagem simples, e por possuir uma ferramenta de desenvolvimento extremamente intuitiva, que auxilia e torna mais produtivo o trabalho do desenvolvedor, esta foi a plataforma utilizada para o desenvolvimento do software. VII. SQL - SQL SERVER Figura 5 - Arquitetura do Web Service Fonte [10]. Utilizando um Web Service o M-Pass faz consultas no banco de dados em servidor remoto, passando apenas um método de consulta pela Internet para o servidor. O servidor interpretará o método passado, irá executá-lo e por fim devolver o resultado em formato XML. O M-Pass então, interpreta o resultado traduzindo para sua linguagem nativa, o VB.NET. Caso não haja sinal GPRS no momento da requisição dos métodos para o servidor, o software, para garantir a atualização correta dos dados, envia toda requisição pendente assim que houver algum sinal. SQL (Structured Query Language) é a linguagem padrão usada para manipular o banco de dados. Definida pelo Padrão ANSI/ISO SQL esta vem evoluindo desde 1986 e existem diversas versões. Tal linguagem permite trabalhar com qualquer tipo de base de dados como MS Access, SQL Server, MYSQL, dentre outras. O SQL Server é um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional 3 ) desenvolvido pela Microsoft. É uma solução de análise e gerenciamento de banco de dados Cliente/Servidor, que ajuda a construir, implantar e gerenciar aplicativos corporativos. Este SGBD tem como esquema básico de operação uma série de scripts que dirigem o comportamento de uma base de dados, é usado por sistemas corporativos dos mais diversos portes [1]. Possui como características a integração com serviços de multithreading (Múltiplas trocas), agendamento, monitoramento de desempenho, e log de eventos. Um usuário pode se conectar ao SQL Server com a mesma senha usada pelo Windows. Arquitetura paralela, que executa as funções de banco de dados simultaneamente para diversos usuários e tira proveito de sistemas com múltiplos processadores [3]. 2 W3C - Consórcio internacional no qual organizações filiadas, uma equipe em tempo integral e o público trabalham juntos para desenvolver padrões para a Web 3 Um Banco de Dados Relacional é um banco de dados que segue o Modelo Relacional.

5 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5 A. Porque usar SQL SERVER? O SQL Server é um produto de gerenciamento de dados poderoso e confiável que fornece recursos robustos, proteção de dados e desempenho para clientes de aplicativos incorporados, aplicativos Web e armazenamentos de dados locais. As versões mais novas suportam XML nativo. A Microsoft disponibiliza atualizações periódicas, visando além de correções de erros atualizações com novas ferramentas. A administração do SQL Server foi muito simplificada com SQL Management Studio, que possui vários recursos, como visualização de relatórios com o Reporting Services integrados. VIII. M-PASS Utilizando os passos descritos na metodologia de desenvolvimento foi possível implementar o sistema. Este foi dividido em quatro módulos: login, escolha da viagem e dos trechos, escolha da poltrona e impressão da passagem. Através do Web Service criado para o M-Pass foi possível a sincronização dos dados com o servidor através da conexão GPRS dos dispositivos móveis. Esta comunicação acontece através do protocolo HTTP utilizado na internet. Após preenchidos os campos para login, o sistema enviará uma requisição através da conexão GPRS ao servidor para verificar se o usuário e senha digitados estão cadastrados na base de dados, se o retorno for verdadeiro, então será permitido o acesso ao próximo módulo do sistema. B. Módulo de Escolha da Viagem e dos Trechos Neste módulo o usuário escolhe a viagem na qual ele estará trabalhando no momento de uso do software. Estas informações serão enviadas através do serviço de Web Service. Após escolher a viagem, estará disponível os trechos para o qual os passageiros desejam efetuar a compra. Após escolha do trecho aparecerá o valor da passagem, assim podendo prosseguir para o próximo módulo de escolha de poltrona. Somente estarão disponíveis as viagens que foram cadastradas para o usuário, bem como só estarão disponíveis os trechos para a viagem escolhida. Este relacionamento minimiza os erros e evita inconsistência nos dados. A. Módulo de Login É a primeira tela do sistema onde devem ser preenchidos o usuário e sua senha. Somente usuários cadastrados possuirão permissão para utilizar o sistema. Este módulo impede que pessoas não autorizadas tenham acesso ao M-Pass. A tabela de funcionários na base de dados conterá os campos usuário e senha, e deverá ser alimentada com os dados do sistema utilizado pela empresa. Figura 7 - Tela de Escolha de Viagem e Trechos C. Módulo Escolha de Poltrona Figura 6 - Tela de Login (M-Pass) Esta é a parte do sistema onde o usuário terá acesso à escolha de poltronas do veículo cadastrado para a viagem. Somente poderão ser escolhidos assentos que não estão ocupadoss. Os lugares ocupadas aparecerão destacados em vermelho e será impedindo a venda de passagem para estes. Para realizar a escolha da poltrona basta apenas clicar no assento livre desejado que a venda será efetuada. Todas as informações do veículo, seus assentos e sua viagem estarão relacionadas na base de dados. Esta relação evita a venda de passagens além da capacidade do veículo, bem como venda de passagens para o mesmo assento.

6 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 6 banco de dados de venda, assim como, realizar a impressão da passagem. Este sistema demonstra ser uma ferramenta eficaz para minimizar os erros ocorridos nas vendas de passagens rodoviárias, além de auxiliar o usuário na execução das mesmas, sendo que, estas eram realizadas de forma manuscrita. Pode ser adotado em qualquer empresa do ramo de transporte rodoviário e ser interligado com o sistema de vendas já existente. O sistema possui escalabilidade e flexibilidade para poder fazer um pacote de sistemas interligados pelo mesmo banco de dados, podendo executar vendas em loco, pela internet e o que o M-Pass faz hoje, as vendas no interior do veículo. Figura 8 Escolha de Poltrona D. Módulo Impressão da Passagem Neste módulo estarão disponíveis visualmente todas as informações referentes à passagem vendida. Também conterá a opção de impressão desta. Após clicar em impressão o sistema enviará a requisição para a impressora instalada no dispositivo móvel e também enviará as informações de venda para o servidor através da conexão GPRS. Após realizada a impressão da passagem o sistema retorna para o módulo de escolha de viagem e trechos para que possam ser realizadas mais vendas. X. AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente as famílias que nos deram a oportunidade de poder estudar e nos formar. Ao nosso Professor Orientador Lázaro Eduardo da Silva e Professor e Co-orientador Weider Pereira Rodrigues, pela paciência e pela disponibilidade de tempo. Ao UNIS por ter aberto as portas do conhecimento nos oferecendo um futuro melhor. XI. REFERÊNCIAS [1] DELANEY, Kalen. History of Sql Server. Disponível em: <http://www.insidesqlserver.com/companion/history%20of%20sql% 20Server.pdf>. Acesso em: 15 abril [2] KERZNER, Harold. Gestão de Projetos: As melhores práticas. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, [3] MICROSOT. Video sobre Sql Server. Disponível em: <http://www.microsoft.com/brasil/servidores/sql/videos/sqlserverplataf ormadadosbaixa.wvx>. Acesso em: 16 abril [4] MENDONÇA, Aderval. Mobilidade em Análise. Disponível em: <http://www.amsyst.com.br/artigos_ shtml>. Acesso em: 20 março [5] MOSIMANN, Max. Mobilidade e Dispositivos Móveis. Disponível em: <http://www.linhadecodigo.com.br/artigo.aspx?id=206>. Acesso em: 25 março [6] O BRIEN, James. Sistemas de Informações Gerenciais: E as decisões na era da Intenet. 2. ed. São Paulo: Saraiva, [7] OLIVEIRA, Leandro; MEDINA, Roseclea. Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem para dispositivos móveis: uma nova abordagem que contribui para a educação. Disponível em: <http://www.cinted.ufrgs.br/ciclo9/artigos/4aleandro.pdf>. Acesso 28 março Figura 9- Módulo de Impressão IX. CONCLUSÃO O M-Pass é uma ferramenta desenvolvida para dispositivos móveis, com a finalidade de executar vendas de passagens rodoviárias dentro de veículos, ao mesmo tempo, atualizar o [8] REUTERS. Microsoft Anuncia Parceiros para Loja de Aplicativos. Disponível em: <http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,oi EI4803,00-Microsoft+anuncia+parceiros+para+loja+de+aplicativos.html>. Acesso em: 10 junho [9] WAKEFIELD, Cameron; SODER, Henk-Evert; LEE, Wei Meng. VB.NET: Guia do Desenvolvedor. 1. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, [10] WIKIPEDIA. A Enciclopédia Livre. Apresenta textos sobre Web Service. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/web_service>. Acesso em: 05 abril 2009.

7 Artigo apresentado ao Centro Universitário do Sul de Minas, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 7

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Case: BI disponível no Smartphone. Empresa : Indiana Seguros S/A. CIO : Reinaldo D Errico.

Case: BI disponível no Smartphone. Empresa : Indiana Seguros S/A. CIO : Reinaldo D Errico. Case: BI disponível no Smartphone. Empresa : Indiana Seguros S/A. CIO : Reinaldo D Errico. Institucional 1943 Década de 90 Nacionalização Internacionalização Institucional COMPOSIÇÃO ACIONÁRIA: 60% FAMÍLIA

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS

FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS FERRAMENTA WEB PARA MODELAGEM LÓGICA EM PROJETOS DE BANCOS DE DADOS RELACIONAIS PAULO ALBERTO BUGMANN ORIENTADOR: ALEXANDER ROBERTO VALDAMERI Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados Artigo apresentado ao UNIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados André Luis dos Reis Revair,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Sumário Introdução_... 3 Detalhamento_... 5 Importação_... 8 Funcionalidades na Intranet_... 13 Geração de nova senha... 14 Lembrete de expiração da senha... 15

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Principais diferenciais do Office 365

Principais diferenciais do Office 365 Guia de compras O que é? é um pacote de soluções composto por software e serviços, conectados à nuvem, que fornece total mobilidade e flexibilidade para o negócio. Acessível de qualquer dispositivo e qualquer

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ponto Secullum 4 Sistema Operacional: compatível com Windows 98 ou superior Banco de Dados: Access, SQL Server ou Oracle; Computador Requerido: Processador com 500Mhz, Memória Ram

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

AULA 7: Remote Desktop

AULA 7: Remote Desktop AULA 7: Remote Desktop Objetivo: Praticar a aplicação de acesso remoto via protocolo RDP (Remote Desktop) em ambientes Microsoft Windows. Ferramentas: Máquina Virtual Windows 2003 Server; Máquina Virtual

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS

PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS PROGRAMAÇÃO PARA INTERNET RICA RICH INTERNET APPLICATIONS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Apresentar o que é uma Aplicação Rica para Internet Contextualizar tais aplicações na Web e os desafios

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

Manual de Atualização Versão 3.6.4.

Manual de Atualização Versão 3.6.4. Manual de Atualização Versão 3.6.4. Sumário 1. AVISO... 1 2. INTRODUÇÃO... 2 3. PREPARAÇÃO PARA ATUALIZAÇÃO... 3 4. ATUALIZANDO GVCOLLEGE E BASE DE DADOS... 7 5. HABILITANDO NOVAS VERSÕES DO SISTEMA....

Leia mais

Produtos da Fábrica de Software

Produtos da Fábrica de Software Produtos da Fábrica de Software Módulo Biométrico Computer ID - MBC O que é? O Módulo Biométrico Computer ID é um produto, constituído por componentes de software, cuja finalidade é oferecer recursos tecnológicos

Leia mais

Documento de Especificação de Requisitos

Documento de Especificação de Requisitos Sistema Móvel de Diário Escolar (SIMDE) Documento de Especificação de Requisitos Versão 3 Índice 1 PREFÁCIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 3 GLOSSÁRIO... 6 4 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS DO USUÁRIO... 7 5 ARQUITETURA

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ARQUIVOS PALM VIA FTP USANDO REDES GPRS

TRANSMISSÃO DE ARQUIVOS PALM VIA FTP USANDO REDES GPRS TRANSMISSÃO DE ARQUIVOS PALM VIA FTP USANDO REDES GPRS Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Windows 2008 Server Construído sob o mesmo código do Vista Server Core (Instalação somente

Leia mais

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security

Administration Kit. Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security Administration Kit Parte de Kaspersky Business Space Security Kaspersky Enterprise Space Security Kaspersky Total Space Security O Kaspersky Administration Kit é uma ferramenta de administração centralizada

Leia mais

Tecnologia gerando valor para a sua clínica.

Tecnologia gerando valor para a sua clínica. Aumente a eficiência de seu negócio O sclínica é a ferramenta ideal para a gestão de clínicas de diagnóstico. Desenvolvido a partir das necessidades específicas deste mercado, oferece uma interface inteligente,

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos.

Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. Conheça a nova solução de servidor que ajuda pequenas empresas a fazer mais Com menos. O papel de um servidor Introdução à rede básica Sua empresa tem muitas necessidades recorrentes, tais como organizar

Leia mais

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS. Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO BANCO DE DADOS Prof. Msc. Hélio Esperidião BANCO DE DADOS Podemos entender por banco de dados qualquer sistema que reúna e mantenha organizada uma série de informações relacionadas a um determinado

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais