Diretoria: Diretoria de Administração e Finanças Área de origem: Gerência Administrativa Assunto: VIAGEM DE PESSOAL NO PAÍS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretoria: Diretoria de Administração e Finanças Área de origem: Gerência Administrativa Assunto: VIAGEM DE PESSOAL NO PAÍS"

Transcrição

1 SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CORPORATIVA SUBSISTEMA NORMAS ORGANIZACIONAIS Diretoria: Diretoria de Administração e Finanças Área de origem: Gerência Administrativa Assunto: VIAGEM DE PESSOAL NO PAÍS Número: NOC Vigência: 20/08/2012 Revisão: 04 Página: 1 de OBJETIVO Estabelecer critérios para viagem de colaborador no país, a serviço da Empresa. 2. ABRANGÊNCIA Esta Norma aplica-se a todos os colaboradores da Compagas. 3. DEFINIÇÕES Adiantamento é o valor que a Empresa antecipa ao colaborador como previsão de gastos para a viagem. Considera a diária de pernoite (se essa diária for paga pelo colaborador) e a diária de alimentação. Colaborador é todo profissional que esteja exercendo funções laborais em benefício ou proveito da Compagas, tais como: empregado, diretor, empregado cedido por acionista, e profissionais pertencentes às empresas contratadas. Despesa extra despesa comprovada e não vinculada à alimentação, destinada a cobrir dispêndio com frigobar (exceto bebidas alcoólicas e energéticos) e com telefonemas particulares, no hotel em que o colaborador está hospedado. Despesa reembolsável despesa inerente à viagem, paga pelo colaborador, com documentação comprobatória, ressarcida pela Compagas após prestação de contas. Diária de alimentação importância destinada a cobrir despesas com alimentação, sem necessidade de comprovação. Diária de pernoite importância destinada a cobrir despesas com hospedagem (inclusive café da manhã), devidamente comprovadas. Diária de viagem importância destinada a cobrir gastos com viagem de colaborador, sendo composta pelas diárias de alimentação e de pernoite. Evento fato motivador da viagem (treinamento, visita técnica etc.) Redir reunião de Diretoria. Foro onde são tomadas, formalmente, as decisões da Empresa. Viagem é o deslocamento de ida e volta de colaborador de sua base de trabalho para outra localidade, objetivando atender interesse da Empresa. Viagem de curta duração é aquela com duração inferior a 24 (vinte e quatro) horas, com ou sem pernoite. Viagem de treinamento é aquela realizada para participação em atividades de desenvolvimento de pessoal.

2 4. DESCRIÇÃO 4.1 SISTEMA GERENCIADOR Toda consulta, solicitação de adiantamento e prestação de contas será efetuada através do aplicativo Controle de Viagens, disponível a todos os colaboradores em terminal de computador Desse aplicativo fazem parte os documentos Adiantamento de Viagens e Relatório de Despesas de Viagens (RDV). 4.2 ADIANTAMENTO DE VIAGEM As despesas de viagem serão pagas mediante adiantamento, com a posterior comprovação dos gastos pelo colaborador, limitado ao estabelecido na tabela Valores da Diária de Viagem (Anexo 1). 4.3 MEIO DE TRANSPORTE O meio de transporte a ser escolhido aéreo, ônibus, veículo da Empresa ou veículo a ela locado será aquele que melhor atender aos objetivos da viagem e que leve em conta a relação custo-benefício Quando em um evento houver participação de dois ou mais colaboradores, ainda que de áreas distintas, as gerências deverão ajustar para que, na medida do possível, a viagem seja feita através do mesmo meio de transporte Havendo necessidade de passagem aérea, a mesma deverá ser de classe econômica, ressalvados os casos autorizados pelo Diretor da área a que o colaborador está vinculado. 4.4 DIÁRIA DE VIAGEM O valor da diária de viagem (diária de pernoite e diária de alimentação) está definido no Anexo 1, sendo atualizado sempre que se verificar variação significativa nos preços dos serviços O valor da diária de pernoite definido no Anexo 1 não considera as taxas cobradas pelos estabelecimentos hoteleiros O valor da diária de pernoite definido no Anexo 1 não considera as taxas cobradas pelos estabelecimentos hoteleiros Quando se tratar de treinamento, em função de sua duração, o valor da diária de viagem será estabelecido conforme segue: I) até 30 (trinta) dias, 100% (cem por cento) da diária, através de depósito semanal na conta-corrente bancária do colaborador; II) as viagens com duração superior a 30 (trinta) dias têm o valor da diária determinado pelo Diretor da área a que o colaborador está vinculado. 4.5 DIÁRIA DE ALIMENTAÇÃO A diária de alimentação, definida no Anexo 1, será paga a cada período de 24 (vinte e quatro horas) horas em estadias contínuas. Página 2 de 11

3 4.5.2 Para período incompleto, se houver, será paga uma fração da diária de alimentação, conforme tabela: HORÁRIO DE TÉRMINO % DA DIÁRIA DE REFEIÇÃO- DURAÇÃO MÍNIMA DA VIAGEM ALIMENTAÇÃO REFERÊNCIA DA VIAGEM Após às 13h e até às 20h 50% Almoço 4 horas Após às 20h 100% Almoço + Jantar 4 horas Para viagem de curta duração (com ou sem pernoite) serão adotados, para cálculo da diária de alimentação, os mesmos critérios utilizados para o período incompleto Despesas eventuais referentes à diária de alimentação, decorrentes de situações não previstas, desde que comprovadas, poderão ser aceitas a critério do Diretor da área a que o colaborador está vinculado, devendo constar no verso da nota fiscal a devida justificativa, e o aceite, com assinatura e carimbo do Diretor. 4.6 DIÁRIA DE PERNOITE Os valores da diária de pernoite estão definidos no Anexo 1 e são limites máximos, cabendo às gerências/assessorias a responsabilidade pela hospedagem adequada pelo menor custo Os limites estabelecidos para a diária de pernoite (Anexo 1) não se aplicarão ao colaborador que estiver acompanhando um Diretor para um mesmo evento, no mesmo hotel No caso de viagens com destinos variados, com direito a valores diferenciados, o valor a ser considerado será o do local onde ocorrer o pernoite Quando de viagem para treinamento deverá ser dada preferência para hospedagem no próprio hotel do evento, ou próximo ao mesmo, respeitado o limite do valor da diária Será permitida despesa extra em até 5% (cinco por cento) da diária de pernoite, desde que comprovada, e não se refira à alimentação No caso do hotel cobrar o café da manhã separadamente da diária de pernoite, tal despesa será reembolsada, mediante comprovação na nota fiscal de hospedagem. 4.7 DESPESAS REEMBOLSÁVEIS LAVANDERIA despesa comprovada, limitada a 10% (dez por cento) de 1 (uma) diária de viagem (pernoite + alimentação), a cada período de: I) 3 (três) pernoites consecutivos para serviço de passar. II) 4 (quatro) pernoites consecutivos para serviços de lavar e passar; TÁXI despesa comprovada através de recibo da empresa prestadora do serviço, nos seguintes trajetos: I) residência local de embarque; II) local de desembarque hotel; III) hotel local de embarque; IV) local de desembarque residência; Página 3 de 11

4 V) outros trajetos absolutamente necessários ao atendimento do objetivo da viagem O pagamento da despesa com táxi será feito através de cheque-táxi em Curitiba e nas localidades atendidas por qualquer conveniada da empresa de táxi que atende a Compagas A utilização de táxi especial somente será admitida em situação excepcional, devidamente justificada O valor despendido com o trajeto para restaurante será reembolsado quando, comprovadamente, não se dispuser de tal atendimento próximo ao local da atividade do colaborador PASSAGEM, COMBUSTÍVEL, MANUTENÇÃO DE VEÍCULO, TELEFONEMA A SERVIÇO, ESTACIONAMENTO E PEDÁGIO despesas comprovadas, efetuadas com: I) aquisição de passagem; II) combustível para veículo da Empresa ou a ela locado; III) manutenção de veículo da Empresa ou a ela locado, sendo necessária a elaboração de relatório referente aos problemas ocorridos e a anexação da nota fiscal correspondente; IV) telefonema a serviço; V) internet, exclusivamente para fins profissionais e contatos com a Empresa; VI) estacionamento; VII) travessia de balsa e ferry-boat; VIII) pedágio para veículo da Empresa ou a ela locado TRANSPORTE COLETIVO URBANO (ÔNIBUS E METRÔ) despesa dispensada de comprovação unicamente para atender ao objetivo da viagem. Mesmo sem comprovação, essa despesa deverá ser registrada no Relatório de Despesas de Viagens (RDV) para compor o custo da viagem, na prestação de contas. 4.8 DESPESAS NÃO REEMBOLSÁVEIS Não serão reembolsadas despesas com: I) bebida alcoólica; II) táxi em percursos diferentes daqueles especificados no subitem 4.7.2, incisos I a V; III) ônibus urbano e metrô em percurso que não atenda ao objetivo da viagem; IV) aquisição de objetos de uso pessoal; V) aquisição de outros bens ou serviços que não sejam inerentes ao objetivo da viagem. 4.9 SOLICITAÇÃO DE PASSAGEM E RESERVA DE HOTEL A solicitação da reserva de hotel e compra de passagem (aérea ou rodoviária) será feita à gerência da área administrativa, através do aplicativo Gerenciador de Solicitações Internas (GSI), com antecedência mínima de 5 (cinco) dia úteis da viagem. Página 4 de 11

5 4.9.2 Decorrente dessa solicitação, será informado ao colaborador, no prazo de até 2 (dois) dias úteis da solicitação, se a despesa com hotel (pernoite) será paga diretamente pela Compagas (caso em que não haverá adiantamento da diária de pernoite) ou pelo próprio colaborador, situação em que este solicitará à gerência da área financeira adiantamento para tal despesa, juntamente com a diária de alimentação Preferencialmente, a despesa com hotel deverá ser paga diretamente pela COMPAGAS ADIANTAMENTO Definido se haverá ou não diária de pernoite, o adiantamento será solicitado pelo colaborador à gerência da área financeira de acordo com a previsão de gastos, com base na tabela Valores da Diária de Viagem (Anexo 1) O documento Adiantamento de Viagens, aprovado e assinado pelo gerente, será encaminhado à gerência da área financeira, com no mínimo 3 (três) dias úteis de antecedência à viagem O adiantamento, feito para o período total da viagem, será pago ao colaborador até o dia útil imediatamente anterior ao início da viagem. Dependendo do valor, este poderá ser depositado na conta-corrente bancária do colaborador Para viagens a serviço e/ou treinamento cuja duração seja superior a 30 (trinta) dias, o adiantamento será concedido quinzenalmente através de depósito em conta-corrente bancária do colaborador A concessão de novo adiantamento implicará na quitação do anterior. Casos que justifiquem a concessão de adiantamento sem que o anterior esteja quitado, poderão ser aprovados pelo Diretor da área a que o colaborador está vinculado O adiantamento será concedido em nome do colaborador que irá viajar e o valor determinado pela multiplicação do número de dias e a faixa da tabela correspondente ao local da viagem Eventual reforço no adiantamento poderá ser liberado mediante autorização do Diretor da área a que o colaborador está vinculado PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas deverá ocorrer em até 2 (dois) dias úteis após o término da viagem As despesas serão discriminadas no documento Relatório de Despesas de Viagens (RDV), o qual será encaminhado à gerência da área financeira Serão anexados ao Relatório de Despesas de Viagens (RDV), quando for o caso, e colados em papel A4, os seguintes documentos: I) bilhete de passagem do ônibus ou avião e, no caso de avião, o respectivo cartão de embarque; II) nota fiscal de hospedagem, quando quitada à vista pelo colaborador, ou documento equivalente quando essa despesa for quitada diretamente pela Compagas (via fatura) ou fotocópia da nota fiscal de hospedagem; III) recibo de uso de táxi fornecido pelo taxista ou a 2ª via do cheque-táxi; IV) nota fiscal de estacionamento (quando externo ao hotel), de combustível, de manutenção de veículo, outros; Página 5 de 11

6 V) tíquete/recibo de telefonema a serviço, de internet, de pedágio, outros; VI) nota fiscal das despesas contraídas no âmbito do hotel (produtos referentes às despesas extras, lavanderia, e quaisquer outras) As despesas com deslocamento urbano (táxi, ônibus e metrô) deverão ser relacionadas por trecho, com indicação de origem e destino A prestação de contas será passível de recusa (glosa) nas seguintes situações: I) valores superiores aos limites estabelecidos na tabela Valores da Diária de Viagem (Anexo 1); II) falta de comprovantes, conforme estipulado no subitem ; III) divergência de datas; IV) despesas improcedentes; V) ausência de assinaturas e aprovações; VI) rasuras ou erros que incorram na ilegitimidade do documento O atraso no cumprimento do prazo estipulado para prestação de contas impedirá o colaborador de obter novo adiantamento A não regularização da prestação de contas ou a inexistência da prestação acarretará ao colaborador as penalidades citadas no item Os reembolsos cabíveis somente serão realizados mediante apresentação de documentação hábil e idônea (nota fiscal, cupom fiscal, tíquete e recibo, conforme o tipo de despesa), preenchidos, preferencialmente, em nome da Companhia Paranaense de Gás Compagas Não se admitirá documentação em nome de outro colaborador ou de pessoa estranha à Compagas, bem como em nome de outra empresa A documentação para efeito de prestação de contas deverá ser única para cada colaborador, não se admitindo, por exemplo, uma nota fiscal para dois ou mais colaboradores Na eventualidade do colaborador pagar uma despesa de outra pessoa (externa à Compagas), tal valor não deverá compor a nota fiscal das despesas do colaborador, podendo constar de uma nota fiscal à parte se o mesmo assim entender necessário DESPESA DE VIAGEM REALIZADA POR EMPRESA CONTRATADA A despesa de viagem efetuada por profissional pertencente à empresa contratada será reembolsada desde que amparada por contrato, seguindo as orientações desta Norma A despesa durante a viagem será paga diretamente pelo profissional Encerrada a viagem, a empresa contratada será ressarcida mediante apresentação, à gerência da área financeira, de Recibo (Anexo 2) no valor total do reembolso com a comprovação de todos os gastos (alimentação, pernoite e outros) O Recibo (Anexo 2) será emitido em nome da empresa contratada, constando o nome do profissional que viajou. Página 6 de 11

7 4.13 DAS PENALIDADES O não cumprimento desta Norma sujeitará ao infrator as seguintes penalidades: I) advertência, suspensão e demissão, se empregado da Compagas; II) notificação ao acionista e devolução a este, no caso de empregado cedido por acionista; III) advertência, multa e rescisão do contrato, se prestador de serviço, cuja relação contratual seja oriunda da Lei de Licitações e Contratos Administrativos As penalidades serão aplicadas de acordo com a gravidade do ato e análise prévia pela Diretoria DISPOSIÇÕES GERAIS Caberá ao colaborador, e em especial ao gerente, a utilização de práticas racionais e econômicas no cumprimento desta Norma. Tais práticas, mesmo que não documentadas, serão aceitas e bem recebidas Os limites estabelecidos na tabela Valores da Diária de Viagem (Anexo 1) não se aplicarão aos Diretores, em vista de sua representatividade, porém competirá a estes a devida comprovação dos gastos O deslocamento de Curitiba para municípios da Região Metropolitana de Curitiba, e viceversa, para efeitos desta Norma, não será considerado viagem A viagem realizada no dia anterior se justificará quando o horário de início do evento não permitir o deslocamento no mesmo dia ou para se evitar possíveis problemas, por exemplo, com transporte aéreo Caso a viagem ocorra com mais de 1(um) dia de antecedência em relação ao início do evento, as despesas com pernoite e alimentação nesse período correrão por conta do colaborador. 5. RESPONSABILIDADES 5.1. DO COLABORADOR Solicitar, via aplicativo GSI, a reserva de hotel e compra de passagem (aérea ou rodoviária), com antecedência mínima de 5 (cinco) dias úteis da data da viagem, conforme descrito no subitem Solicitar o adiantamento da diária de viagem à gerência da área financeira, com antecedência mínima de 3 (três) dias úteis da data da viagem, conforme discriminado no subitem Prestar contas em até 2 (dois) dias úteis após o término da viagem, conforme especificado no subitem DA GERÊNCIA DA ÁREA ADMINISTRATIVA Encaminhar ao colaborador a confirmação da reserva de hotel, a passagem e, se necessário, o cheque-táxi. Página 7 de 11

8 5.2.2 Manter atualizado o valor da diária de viagem (Anexo 1), propondo alterações sempre que julgar necessário Analisar os casos omissos, em conjunto com a gerência da área financeira, dando solução aos mesmos e, se necessário, propor a alteração desta Norma. 5.3 DA GERÊNCIA DA ÁREA FINANCEIRA Acompanhar o cumprimento desta Norma no seu âmbito, a fim de propor possíveis alterações e orientar o colaborador sobre desvios que possam estar ocorrendo Cobrar o cumprimento dos prazos estabelecidos nesta Norma para a solicitação de diária e prestação de contas Repassar ao colaborador, ou depositar em sua conta-corrente, o adiantamento a que este tem direito até o dia útil imediatamente anterior à data da viagem Analisar a prestação de contas do colaborador, fazendo a conferência dos documentos e a verificação da validade legal dos comprovantes, bem como efetuar o recebimento ou restituição de valores Efetuar a glosa do Relatório de Despesas de Viagens (RDV), quando necessário, conforme definido no subitem DO GERENTE Aprovar a solicitação de adiantamento e a prestação de contas do seu colaborador. 5.5 DO DIRETOR DA ÁREA Determinar o valor da diária no caso de viagem com duração superior a 30 (trinta) dias, conforme subitem 4.4.3, II Aprovar a solicitação de adiantamento e a prestação de contas do seu gerente Poderá aprovar, sempre com as devidas justificativas da parte interessada, as seguintes providências: I) a aquisição de passagem aérea de classe superior à econômica; II) as despesas eventuais, decorrentes de situações não previstas nesta Norma, mediante comprovação, desde que enquadradas nos objetivos da Empresa; III) concessão de novo adiantamento sem que o anterior esteja quitado; IV) autorizar reforço no adiantamento para viagem além dos valores previstos nesta Norma; V) autorizar diária de pernoite com valor superior ao definido no Anexo 1, utilizando o campo específico do documento Adiantamento de Viagens Na ausência do diretor da área, outro diretor poderá exercitar qualquer procedimento relacionado neste item 5.5. Página 8 de 11

9 6. REFERÊNCIAS Não de aplica. 7. SUBSTITUIÇÕES A Revisão 04 desta Norma substituiu a Revisão 03, de APROVAÇÃO Esta Revisão 04 da Norma foi aprovada na Redir nº 500, de 20/08/ ANEXOS Anexo 1 Valores da Diária de Viagem. Anexo 2 Recibo de Despesa Realizada por Empresa Contratada. Curitiba, 20 de agosto de Luciano Pizzatto Diretor-Presidente Fábio Augusto Norcio Diretor de Administração e Finanças José Roberto Gomes Paes Leme Diretor Técnico-Comercial Página 9 de 11

10 ANEXO 1 VALORES DA DIÁRIA DE VIAGEM LOCAL MUNICÍPIOS DO INTERIOR DO PARANÁ E DOS DEMAIS ESTADOS DIÁRIA DE PERNOITE (R$) DIÁRIA DE VIAGEM DIÁRIA DE ALIMENTAÇÃO (R$) 180,00 65,00 CURITIBA 200,00 65,00 OUTRAS CAPITAIS DE ESTADOS (INCLUI FOZ DO IGUAÇU) 350,00 90,00 SÃO PAULO, BRASÍLIA E RIO DE JANEIRO 450,00 110,00 Página 10 de 11

11 ANEXO 2 RECIBO DE DESPESA - EMPRESA CONTRATADA VIAGEM NO PAÍS Recebi da Companhia Paranaense de Gás Compagas a importância de R$... (...), referente ao reembolso de despesas de viagem no país. EMPRESA: PROFISSIONAL QUE VIAJOU: GERÊNCIA/ASSESSORIA: DESTINO(S): CNPJ: CONTRATO Nº/ANO: CENTRO DE CUSTO: PERÍODO(S): OBJETIVO DA VIAGEM: VIAGEM DIA / MÊS / ANO HORA SAÍDA HORA CHEGADA IDA RETORNO HOSPEDAGEM ALIMENTAÇÃO TÁXI DESPESAS CONTA CONTÁBIL R$ TOTAL Por ser verdade, firmo o presente. Curitiba, de de Representante legal: Ass.: APROVAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS / / (carimbo e assinatura do gerente) Página 11 de 11

PROCEDIMENTO DE VIAGEM

PROCEDIMENTO DE VIAGEM PG.GAF.001 003 01/11/2015 1 de 16 CENTRO INTERNACIONAL DE ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOGÁS Novembro 2015 PG.GAF.001 003 01/11/2015 2 de 16 Sumário 1. OBJETIVO...3 2. DEFINIÇÕES E SIGLAS...3 3. FLUXO DO PROCESSO

Leia mais

PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 PORTARIA ABHA Nº 002/2015, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre concessão de diária, ou custeio, e transporte em viagem a serviço ao funcionário da Associação Multissetorial de Usuários de Recursos Hídricos

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014 - FOZPREV DATA: 5 de junho de 2014 SÚMULA: Regulamenta critérios de participação em eventos externos e procedimentos para a utilização de diárias de viagem e passagens custeadas

Leia mais

Versão: 1ª. Palavras-chave: Veículos Oficiais; Transportes; transporte institucional, serviços comuns

Versão: 1ª. Palavras-chave: Veículos Oficiais; Transportes; transporte institucional, serviços comuns 1. OBJETIVO 1. Este Regulamento Interno-RI objetiva definir os procedimentos e responsabilidades a serem observados na utilização de veículos oficiais em serviços de interesse da EPL. 2. APLICAÇÃO 1. Este

Leia mais

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS

ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS ADIANTAMENTO E REEMBOLSO DE DESPESAS NÚMERO CIR.FIN.MAT.0001 Elaborada em: 08/08/2011 Atualizada em: - Quant. Páginas DEPARTAMENTO DE ORIGEM Departamento Finanças 5 1 Objetivo Este documento tem como objetivo

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 054/2015 Termo de Referência 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa do ramo visando o agenciamento de viagem na prestação de serviços para cotação, reserva, emissão, cancelamento,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 006, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010, DO REITOR DA UFTM.

RESOLUÇÃO N. 006, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010, DO REITOR DA UFTM. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 006, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2010, DO REITOR DA UFTM. Dispõe sobre a solicitação, autorização, concessão e prestação

Leia mais

DO PREÇO, DA ORIGEM DOS RECURSOS E FORMA DE PAGAMENTO

DO PREÇO, DA ORIGEM DOS RECURSOS E FORMA DE PAGAMENTO 1 CT Nº /2009 AJU TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA, SEM RELAÇÃO EMPREGATÍCIA, QUE ENTRE SI CELEBRAM A COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO E AÇÃO REGIONAL - CAR E... A COMPANHIA

Leia mais

POLÍTICA DE VIAGEM FSB

POLÍTICA DE VIAGEM FSB FSB ÍNDICE 1. ABRANGÊNCIA... 2 2. OBJETIVO... 2 3. DEFINIÇÕES GERAIS... 2 3.1. Solicitações de adiantamento, passagens aéreas e reservas de hotéis... 2 3.2. Aquisição, cancelamento e não utilização de

Leia mais

Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação MANUAL DO PESQUISADOR SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Inclusão de Projetos 2.1. Apresentações de novos projetos 2.2. Tipos de instrumentos legais 2.3. Situação de adimplência das instituições 3. Orientações

Leia mais

Processo de Prestação de Contas de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador

Processo de Prestação de Contas de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador Processo de Prestação de Contas de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador 1 OBJETIVO: Esta política tem por objetivo estabelecer as diretrizes para as Prestações de Contas referentes às despesas ocorridas

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS PROCEDIMENTO PADRÃO Nº. 001/2006. Teresina, Março 2008 ATUALIZADO EM MARÇO DE 2008 NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

*DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009.

*DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009. Diário Oficial nº : 25145 Data de publicação: 24/08/2009 Matéria nº : 238068 *DECRETO Nº 2.101, DE 18 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre a concessão de diárias a servidores públicos civis ou militares e empregados

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 AUXÍLIO FINANCEIRO PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

EDITAL Nº 01/2015 AUXÍLIO FINANCEIRO PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS EDITAL Nº 01/2015 AUXÍLIO FINANCEIRO PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS Este edital dispõe sobre as normas para solicitação, concessão e utilização de auxílio financeiro para participação em eventos extracurriculares,

Leia mais

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM JUL/2014 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CONTROLE DE CAIXINHAS (REEMBOLSO) Data - 27/01/2015 CÓDIGO: PSGQ 23.01.01. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade

PROCEDIMENTO PARA CONTROLE DE CAIXINHAS (REEMBOLSO) Data - 27/01/2015 CÓDIGO: PSGQ 23.01.01. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade (REEMBOLSO) Data - 27/01/2015 FL. 1 / 05 1 OBJETIVO Este documento tem como objetivo estabelecer limites para a concessão de adiantamento e reembolso de despesas para as viagens a serviço e treinamento,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 Versão: 02 Aprovação em: 20 de maio de 2014 Ato de aprovação: Resolução nº 104/2014 Unidade Responsável: Secretaria

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Centro de Apoio à Educação a Distância

Universidade Federal de Minas Gerais Centro de Apoio à Educação a Distância Universidade Federal de Minas Gerais Centro de Apoio à Educação a Distância O Centro de Apoio à Educação a Distância (CAED) da UFMG apresenta este documento com o propósito de oferecer todas as informações

Leia mais

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE

SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para subcontratar serviços de transporte de cargas, sem exclusividade, subordinação e dependência, com a finalidade da realização da prestação de serviços de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG)

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) .1. RESOLUÇÃO Nº 332 Estabelece procedimento para a concessão de apoio financeiro e institucional. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG), no uso da atribuição

Leia mais

MANUAL SOLICITAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS CERES

MANUAL SOLICITAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS CERES MANUAL SOLICITAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE DIÁRIAS CERES O servidor (efetivo, admitido em caráter temporário, convocado, cedido) que se deslocar temporariamente do município de Laguna a serviço ou para

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina EDITAL DE CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO Nº 001/2014, VISANDO: FORNECIMENTO DE PRODUTOS DE PRIMEIRA NECESSIDADE A SEREM FORNECIDOS AOS USUÁRIOS DOS CUPONS DE ALIMENTOS DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA

Leia mais

NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352)

NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352) FOR-101/01 MANUAL DE RECURSOS HUMANOS CÓDIGO: 350

Leia mais

1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do Fundo Fixo.

1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do Fundo Fixo. PS 02/28 1 OBJETIVO Estabelecer diretrizes e procedimentos para o pagamento de pequenas despesas, através do. 2 ABRANGÊNCIA. 3 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 3.1 Valor disponibilizado em Caixa da SEDE Seccional

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 01/2013 As presentes instruções aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à utilização do cartão de crédito corporativo para pagamento das despesas de viagem e deslocamento dos empregados a serviço da COPASA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

Eletrobras. índice. Elet~~clear

Eletrobras. índice. Elet~~clear ~ i.\ Elet~~clear VIGI:NCIA ORIGINAL 25/09/2008 NORMATIV A DATA DE EMISSÃO 3 OSET.2010 DISTRIBUiÇÃO A AuxíLIO ÓCULOS/LENTES DE CONTATO índice 1 FINALIDADE.. 2 2 ABRANGÊNCIA...2 3 DIRETRIZES, 2 3.1 CRITÉRIOS

Leia mais

EVENTOS E CONGRESSOS

EVENTOS E CONGRESSOS EVENTOS E CONGRESSOS O financiamento de eventos de caráter científico-tecnológico obedece à seguinte priorização: a) organização; b) participação coletiva; c) participação individual no país; d) participação

Leia mais

Código subproduto: 3-217 SINDIFAST SP Condições Contratuais versão: 1-01.09.2014 ENDEREÇO: N : COMPLEMENTO: BAIRRO: CIDADE: ESTADO: CEP:

Código subproduto: 3-217 SINDIFAST SP Condições Contratuais versão: 1-01.09.2014 ENDEREÇO: N : COMPLEMENTO: BAIRRO: CIDADE: ESTADO: CEP: Código subproduto: 3-217 SINDIFAST SP Condições Contratuais versão: 1-01.09.2014 ORIGEM: Nº PROPOSTA: 39 PROPOSTA DE SEGURO EMPRESARIAL As condições securitárias que se referem esta Proposta de Seguro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO segim@jfes.jus.br

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO segim@jfes.jus.br PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO segim@jfes.jus.br T E R M O DE R E F E R Ê N C I A Aquisição de Passagens Aéreas 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Aprovado ' Elaborado por Jose Eduardo/BRA/VERITAS em 17/03/2015 Verificado por Fernando Cianci em 17/03/2015 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 17/03/2015 ÁREA DGL Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013

Pagamento de Despesa por Meio de Adiantamento. DNT/SSSCI/SF Março 2013 Meio de Adiantamento DNT/SSSCI/SF Março 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Fabri Monique Junqueira Ferraz

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PADRÃO Código: Versão V.1

NORMA OPERACIONAL PADRÃO Código: Versão V.1 27/07/2015 1 SUMÁRIO 1. Objetivo 1.1 Abrangência 2. Definições, terminologia e siglas 3. Norma Operacional Padrão Viagens 3.1 Adiantamento 3.2 Passagens Aéreas 3.3 Hospedagem 3.4 Veículos 3.5 Recibos 3.6

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 5, DE 2006. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso de sua competência regimental e regulamentar, RESOLVE:

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 5, DE 2006. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso de sua competência regimental e regulamentar, RESOLVE: ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 5, DE 2006. Dispõe sobre o fornecimento de passagens e a concessão de diárias de viagem, a serviço, e dá outras providências. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso de

Leia mais

Portaria nº 09, de 26 de março de 2015

Portaria nº 09, de 26 de março de 2015 Portaria nº 09, de 26 de março de 2015 O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PIAUÍ (CAU/PI), no uso das atribuições que lhe conferem o art. 35, inciso III da Lei n 12.378, de 31 de dezembro

Leia mais

PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO PDI

PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO PDI PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO PDI BRASÍLIA - DF MARÇO/2007 PROGRAMA DE DESLIGAMENTO INCENTIVADO - PDI A Diretoria Executiva da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO Resolução nº 004, de 25 de março de 2015 Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro ou institucional junto ao CRMV-PE.

Leia mais

IN- 13-05 RECURSOS HUMANOS ÍNDICE 09/2011 AUXÍLIO-TRANSPORTE GENERALIDADES 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/5 BENEFICIÁRIOS 3 1/1 PAGAMENTO 4 1/3

IN- 13-05 RECURSOS HUMANOS ÍNDICE 09/2011 AUXÍLIO-TRANSPORTE GENERALIDADES 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/5 BENEFICIÁRIOS 3 1/1 PAGAMENTO 4 1/3 0 ÍNDICE 09/0 ASSUNTO GENERALIDADES / NORMAS GERAIS /5 BENEFICIÁRIOS 3 / PAGAMENTO 4 /3 DISPOSIÇÕES FINAIS 5 / ANEXOS 6 /3 GENERALIDADES 09/0 I REFERÊNCIAS 0 Medida Provisória.65-36, de 3 de agosto de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE GABINETE DA REITORIA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001/2009-GRE ORIENTA OS DETENTORES DE RECURSOS RECEBIDOS POR MEIO DO REGIME DE ADIANTAMENTO, NA SUA EXECUÇÃO. O Reitor da Universidade Estadual do Oeste do

Leia mais

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO

MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO VERSÃO: 01/7/2008 2/10 MANUAL DE NORMAS FORMADOR DE MERCADO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DO CREDENCIAMENTO

Leia mais

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 0281/15 São Paulo, 09 de fevereiro de 2015. Ao Instituto Brasileiro

Leia mais

Normas para concessão de auxílio a discentes do Programa com recursos do Programa de Excelência PROEX.

Normas para concessão de auxílio a discentes do Programa com recursos do Programa de Excelência PROEX. Normas para concessão de auxílio a discentes do Programa com recursos do Programa de Excelência PROEX. 1 Finalidade: Apoiar a participação de discentes do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 1. Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS:

ESCLARECIMENTO Nº 1. Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: PE.DAQ.G.00143.2011 1/5 ESCLARECIMENTO Nº 1 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Qual a quantidade mês

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Da Abrangência e dos Objetivos. Das Definições

Da Abrangência e dos Objetivos. Das Definições ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 REGULAMENTO DA CENTRAL DE INTERMEDIAÇÃO DE COMUNICAÇÃO TELEFÔNICA A SER UTILIZADA POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA OU DA FALA CIC CAPÍTULO I Da Abrangência

Leia mais

PROCESSO Nº. 650081044 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 060/2011 RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS DE CREDENCIAMENTO

PROCESSO Nº. 650081044 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 060/2011 RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS DE CREDENCIAMENTO PROCESSO Nº. 650081044 EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº. 060/2011 RECEBIMENTO DAS PROPOSTAS DE CREDENCIAMENTO Data: A partir do dia 22/06/2011 Local: FAPEU SETOR DE LICITAÇÃO (Campus Universitário s/nº, Trindade,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) RESOLUÇÃO Nº 355/2015 1 RESOLVE:

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) RESOLUÇÃO Nº 355/2015 1 RESOLVE: .1. RESOLUÇÃO Nº 355/2015 1 Estabelece procedimentos para a concessão de apoio financeiro e institucional. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG), no uso da atribuição

Leia mais

Câmara Municipal de Barão do Triunfo ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Câmara Municipal de Barão do Triunfo ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONTRATO Nº 009/11 CONTRATO EMERGENCIAL DE LOCAÇÃO DE SISTEMAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Pelo presente contrato Emergencial, a CÂMARA MUNICIPAL DE BARÃO DO TRIUNFO, pessoa jurídica de direito público, inscrita

Leia mais

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM

CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO DA REPOM CONDIÇÕES GERAIS: Considerando - (a) A Repom é empresa legalmente habilitada, nos termos da Resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres ( ANTT ) nº

Leia mais

SEGURO ESCOLAR COBERTURAS E SERVIÇOS ASSISTÊNCIAIS

SEGURO ESCOLAR COBERTURAS E SERVIÇOS ASSISTÊNCIAIS SEGURO ESCOLAR O Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG - contratou a empresa GENTE SEGURADORA, com o objetivo de oferecer Seguro Escolar a todos os estudantes regularmente matriculados e estagiários,

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

A Coordenação de Estágios informa:

A Coordenação de Estágios informa: A Coordenação de Estágios informa: I Informações gerais e Dúvidas frequentes sobre o Estágio: Tudo que você precisa saber sobre a nova lei de estágio 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Art. 2º Para os fins da presente Resolução, adotam-se as seguintes

Art. 2º Para os fins da presente Resolução, adotam-se as seguintes RESOLUÇÃO N o 004, de 16 de março de 2015. Estabelece procedimentos para utilização de veículos oficiais da UFSJ, e dá outras providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC

Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC Orientações para Inscrição dos Candidatos à Bolsa de Estágio Pós-Doutoral do Programa CAPES/ NUFFIC 1. APRESENTAÇÃO As orientações, a seguir, buscam esclarecê-lo(a) com relação aos aspectos práticos do

Leia mais

Contrato de Repasse de Bônus

Contrato de Repasse de Bônus Contrato de Repasse de Bônus Cooperativa de Consumidores Global Brasil, com sede na Avenida Getúlio Vargas, 239N, Sala 08, na cidade de Chapecó, Santa Catarina, inscrita no CNPJ sob número 03.550.003/0001-97,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

30.505 INVENTÁRIO DE MERCADORIAS Data de aprovação: 18/07/2001 Data de alteração: 07/04/2009

30.505 INVENTÁRIO DE MERCADORIAS Data de aprovação: 18/07/2001 Data de alteração: 07/04/2009 30.505 NVENTÁRO DE MERCADORAS Data de aprovação: 18/07/2001 Data de alteração: 07/04/2009 CAPÍTULO - GENERALDADES...1/1 V - Objetivo - Competência - Aplicação - Definições CAPÍTULO - PERODCDADE...1/3 -

Leia mais

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC.

Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas com deficiência auditiva ou da fala CIC. Resolução nº509/08 ANATEL RESOLUÇÃO No 509, DE 14 DE AGOSTO DE 2008 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Aprova o Regulamento da Central de Intermediação de Comunicação telefônica a ser utilizada por pessoas

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2009 Dispõe sobre os procedimentos para realização de despesas com concessão de passagens e diárias

Leia mais

EDITAL ESMPU n. 148/2008

EDITAL ESMPU n. 148/2008 EDITAL ESMPU n. 148/2008 A Escola Superior do Ministério Público da União ESMPU comunica que está aberto o processo seletivo para membros do Ministério Público Federal MPF e do Ministério Público do Trabalho

Leia mais

Programa Bolsa-Sênior

Programa Bolsa-Sênior CHAMADA PÚBLICA 09/2015 Programa Bolsa-Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. Regulamenta a utilização, manutenção e controle do Sistema de Telefonia fixa e móvel, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO 154/2014 DECRETO Nº28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO

TERMO DE PARTICIPAÇÃO 154/2014 DECRETO Nº28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO TERMO DE PARTICIPAÇÃO 154/2014 DECRETO Nº28.397, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação,

Leia mais

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES

CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE COMPRAS E LICITAÇÕES CADERNO DE COMPRAS E LICITAÇÕES 1. OBJETIVO Este manual tem por objetivo esclarecer as questões

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA Modelo de contrato Protegido pela Lei nº 9.610, de 19/02/1998 - Lei de Direitos Autorais IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE:(Nome

Leia mais

PROPOSTA DE SEGUROS TRANSPORTES

PROPOSTA DE SEGUROS TRANSPORTES Data da Cotação: 29/9/2015 PROPOSTA DE SEGUROS TRANSPORTES ITEM PAG. 1 RCTR-C 3 Pág 1 de 8 Data da Cotação: 29/9/2015 ACE BRASIL PROPOSTA DE SEGURO RCTR-C Pág 2 de 8 Endereço do Segurado AV. BRIG. FARIA

Leia mais

I CLÁUSULAS ECONÔMICAS

I CLÁUSULAS ECONÔMICAS PAUTA PARA RENOVAÇÃO DA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CLÁUSULAS ECONÔMICAS - ENTRE O SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS E O SINDICATO NACIONAL DA EMPRESAS AEROVIÁRIAS SNEA 2011-2012 01 ABRANGÊNCIA O SINDICATO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM

CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM CONDIÇÕES GERAIS FAVOR LER COM ATENÇÃO ESTAS CONDIÇÕES POIS NELAS CONSTAM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA VIAGEM 1 1. RESPONSABILIDADE A Bon Voyage Operadora, registrada na Embratur nr 07921-00-41-5,

Leia mais

REGULAMENTA O INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE EMPREGADOS

REGULAMENTA O INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE EMPREGADOS REGULAMENTA O INCENTIVO AO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DA OCEPAR. RESOLUÇÃO Nº. 26 SESCOOP/PR de 14/03/2005. INTRODUÇÃO O desenvolvimento das empresas depende cada vez mais

Leia mais

Programa de Pós Graduação Profissional - Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ( Programa )

Programa de Pós Graduação Profissional - Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ( Programa ) Programa de Pós Graduação Profissional - Mestrado Profissional em Gestão e Avaliação da Educação Pública ( Programa ) 1 - ESCOPO O Instituto Unibanco ( Instituto ) acredita na importância do desenvolvimento

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS. Caxias do Sul, 23 de julho de 2015

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS. Caxias do Sul, 23 de julho de 2015 CONSIDERAÇÕES SOBRE ATESTADOS MÉDICOS Caxias do Sul, 23 de julho de 2015 Conceito de Atestado Declaração escrita e assinada que uma pessoa devidamente qualificada faz sobre a verdade de um fato, e que

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO 006 2016 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PAPCI)

CHAMADA DE SELEÇÃO 006 2016 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PAPCI) CHAMADA DE SELEÇÃO 006 2016 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PAPCI) O Diretor de Relações Internacionais da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Professor Fabio Alves da

Leia mais

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor

CIRCULAR N 3015. Art. 6º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. Daniel Luiz Gleizer Diretor CIRCULAR N 3015 Altera o Regulamento do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes para incluir título relativo a Transferências Postais. A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em sessão realizada

Leia mais

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11.

3. O que é estágio não obrigatório? É uma atividade opcional, acrescida à carga horária regular e obrigatória. ( 2º do art. 2º da Lei nº 11. 1. O que é o estágio? A Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, define o estágio como o ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇA DE DISTRITO MÚLTIPLO DE 2015-2016

INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇA DE DISTRITO MÚLTIPLO DE 2015-2016 INFORMAÇÕES SOBRE O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇA DE DISTRITO MÚLTIPLO DE 2015-2016 O QUE É O PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇA DE DISTRITO MÚLTIPLO?

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE

POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE A Política de Patrocínio da Cagece que compreende o apoio financeiro concedido a projetos institucionais, culturais, sociais, ambientais e esportivos de iniciativa de terceiros,

Leia mais

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado

Pelo presente instrumento, são partes, de um lado CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA, CONSULTORIA E INTERMEDIAÇÃO Pelo presente instrumento, são partes, de um lado SUA LOCADORA, pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua, inscrita

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL SILICON TRIP

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL SILICON TRIP REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL SILICON TRIP A Faculdade de Tecnologia Bandeirantes, com sede na Rua Estela, nº. 268 Paraíso, na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo CEP 04011-001, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO RONDÔNIA MINUTA DO CONTRATO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL ADMINISTRAÇÃO RONDÔNIA MINUTA DO CONTRATO PROCESSO nº 001/2011 PREGÃO PRESENCIAL n.º 001/2011 CONTRATO n.º XXXXXX/2011 MINUTA DO CONTRATO CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL PARA OS VEICULOS DO SENAR/AR/RO

Leia mais

Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional

Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional 1. APRESENTAÇÃO Este documento orienta a apresentação de candidaturas

Leia mais

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum

Regulamento para Concessão do Selo Plantamos Árvores para reduzir os efeitos das emissões de CO 2 - Fundação SOS Mata Atlântica e Instituto Totum Controle de alterações 10 de março de 2008 emissão inicial 1 ÍNDICE 0. Condições Gerais... 3 1. Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 2. Abertura de Processo... 5 3. Processo Técnico Reconhecimento

Leia mais

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206

NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS - NOR 206 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS COD. 200 ASSUNTO: AUTUAÇÃO, MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 109/2013, de 01/07/2013 VIGÊNCIA: 01/07/2013 NORMA DE AUTUAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO Para realização de suas atividades técnicas e administrativas a Agência Nacional de Telecomunicações Anatel utiliza-se de sistemas informatizados, sendo eles adquiridos no mercado ou desenvolvidos

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA E ESCOPO... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS GERAIS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. EXERCÍCIO

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012

TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012 TERMO DE PARTICIPAÇÃO Nº 01/2012 PREÂMBULO O Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente - CONPAM sito à Rua Osvaldo Cruz, 2366 Dionísio Torres Fortaleza-CE, torna público este Termo de Participação,

Leia mais

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0

M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 1 M. DIAS BRANCO S.A. INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ALIMENTOS Companhia Aberta Capital Autorizado CNPJ nº 07.206.816/0001-15 NIRE 2330000812-0 POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO COM PARTES RELACIONADAS 1. OBJETIVO 1.1

Leia mais