Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação"

Transcrição

1 Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

2 Maputo, Janeiro de

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Contextualização Justificativa (Porquê Comunicar?) Enquadramento Estratégico,,, OBJECTIVOS DA COMUNICAÇÃO PÚBLICOS ALVO DA COMUNICAÇÃO INSTRUMENTOS E ACÇÕES DE COMUNICAÇÃO CALENDARIZAÇÃO ANEXOS

4 1. INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização O Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) é uma organização que surgiu em 2004 com o objectivo de representar e defender os interesses das Rádios Comunitárias de Moçambique. É também uma entidade privilegiada de interacção entre as Rádios filiadas, por um lado e, por outro, entre elas e as autoridades públicas em geral, nomeadamente o Governo de Moçambique, bem como o sector privado e outras forças vivas da sociedade. A MISSÃO do Fórum é Representar e Defender os interesses das Rádios Comunitárias na base de uma coordenação efectiva das necessidades e intervenções de todos os membros filiados no fórum, sem discriminação geográfica, étnica, religiosa, política, cultural e de género, sendo a sua VISÃO Rádios Comunitárias Unidas, Fortalecidas e Sustentáveis que expandem o direito do povo à informação através de um processo baseado na participação da comunidade com vista ao seu desenvolvimento. A concretização da Missão e dos objectivos do FORCOM exige que este seja dotado de uma Estratégia de Comunicação, elaborada em linha com os objectivos e exigências da intervenção do Fórum no período , e que contribua para garantir uma eficaz concretização e visibilidade das acções do FORCOM. O presente documento apresenta a Estratégia de Comunicação do FORCOM para o período , visando o fortalecimento da imagem da organização, acentuando a sua identidade e dando visibilidade às suas actividades de coordenação das acções desenvolvidas pelas rádios comunitárias filiadas, demonstrando assim o contributo inquestionável das rádios comunitárias no desenvolvimento local e nacional, na promoção da participação democrática e dos Direitos Humanos, com destaque para o direito à informação. 4

5 1.2 Justificativa A comunicação é um processo fundamental para o fortalecimento de uma organização. Investir tempo e recursos em comunicação de maneira coerente e efectiva é um desafio e uma meta com impacto directo na capacidade das organizações sociais alcançarem os objectivos a que se propõem. O FORCOM vive actualmente um momento singular, em que assume efectivamente o seu papel e compromisso de coordenação e facilitação da actuação das rádios comunitárias. Neste sentido, torna-se vital o investimento em acções de comunicação sistemáticas, devidamente planificadas e eficientes. Em termos de comunicação, a situação actual do FORCOM é caracterizada por: (1) Fraca credibilidade perante os parceiros; (2) Deficiente comunicação entre os membros, Direcção e os órgãos sociais; (3) Imagem pouco conhecida e ensombrada pelos anteriores anos que foram um desafio de afirmação institucional em todas as dimensões, (4) pouca produção de materiais informativos (IEC) 1. O investimento em comunicação interferirá positivamente na revitalização da visibilidade, credibilidade, identidade e legitimidade do Fórum, requisitos indispensáveis para os processos de influência, advocacia e mobilização de recursos tão almejados pela organização. A presente Estratégia de Comunicação justifica-se, por um lado, pela necessidade que o FORCOM tem de fortalecer o relacionamento, a coesão e a motivação interna entre os seus colaboradores e as rádios associadas, criando espaços e instrumentos de partilha e alinhamento das propostas institucionais. Por outro lado, pela necessidade de favorecer a interação entre o Fórum e os seus públicos externos. Através da Comunicação efectiva a ser concretizada pela presente Estratégia de Comunicação, o FORCOM irá certamente ampliar o alcance do trabalho por si desenvolvido, mobilizar parcerias em torno da missão e dos objectivos da organização, valorizar e divulgar o sector da radiodifusão comunitária e o seu contributo no desenvolvimento local e nacional. 1 in: Plano Estratégico do FORCOM , pág. 8 e 13; e Relatório de Diagnóstico da Comunicação Organizacional, realizado como etapa inicial na concepção da presente Estratégia de Comunicação. 5

6 6

7 1.3. Enquadramento Estratégico No seu Plano Estratégico para os anos , o FORCOM estabelece como áreas de intervenção estratégica as seguintes: Desenvolvimento institucional; Informação e Comunicação; Lobby e Advocacia; Monitoria e Avaliação; Participação Comunitária. O Plano Estratégico da organização preconiza a mudança da sua antiga perspectiva de funcionamento sustentada em projectos para uma orientação assente num Programa de longo prazo, a ser implementado através de Planos Operacionais anuais. A presente Estratégia de Comunicação obedece à preocupação de integrar, concomitantemente, os objectivos de comunicação imediatos num calendário articulado de curto e médio prazos (tendo em conta o período de vigência do Plano Estratégico), com os objectivos de comunicação globais do FORCOM a longo prazo. Emergem assim dois níveis de planeamento dos esforços de comunicação da organização: a) Intervenção a curto e médio prazo, com uma calendarização anual das acções de comunicação ao longo do período de operacionalização do Plano Estratégico ; b) Intervenção continuada, a longo prazo, cumprindo objectivos globais de comunicação. Enquanto a implementação da Estratégia de Comunicação a curto e médio prazos estarão concentradas nas cinco áreas de intervenção estratégica do Plano Estratégico , a intervenção continuada, a longo prazo, terá em conta a Visão, a Missão e os Objectivos intemporais do FORCOM, plasmados nos seus Estatutos. 7

8 2. OBJECTIVOS DA COMUNICAÇÃO Os objectivos da comunicação que orientam a presente Estratégia resultam da articulação da Visão, Missão e Objectivos do FORCOM, bem como das suas actuais áreas de intervenção estratégica. Os objectivos são também definidos em função da natureza específica dos diversos públicos-alvo a que se dirigem os esforços de comunicação do Fórum. Deste modo, os objectivos estratégicos de comunicação a serem concretizados na presente Estratégia de Comunicação são os seguintes: 1. Comunicar a Missão, a Visão, os Objectivos e as realizações do FORCOM junto do público e fortalecer a sua imagem; 2. Dar notoriedade pública ao Plano Estratégico da organização, quer no âmbito dos seus objectivos estratégicos quer no plano da concretização; 3. Demonstrar o contributo inquestionável das rádios comunitárias no desenvolvimento local e nacional, na promoção da participação democrática e dos Direitos Humanos, com destaque para o direito à informação; 4. Tornar visível o papel do FORCOM na provisão de oportunidades para que cidadãos do meio rural exerçam o direito à informação, a liberdade de expressão e participem no processo de desenvolvimento das suas comunidades; 5. Fornecer informação aos colaboradores (funcionários do escritório) permanentemente e sempre em primeiro lugar (antes de se informar o público externo) sobre todas as acções e elementos institucionais, respondendo às suas necessidades e permitindo-lhes contribuir para uma melhoria da comunicação institucional; 6. Criar mecanismos para a uniformização dos procedimentos internos e zelar pelo cumprimento de normas, regulamentos e procedimentos internos. 8

9 7. Tornar o FORCOM como uma refencia bibliografica com um Centro de Recuros potencializado capaz de responder eficazmente a solicitações de materiais informativos por parte do grupo alvo e do público em geral. Pretende-se que a presente Estratégia de Comunicação se assuma também como um instrumento ao serviço da gestão e da monitoria das acções do FORCOM, baseado na preocupação efectiva de prestar contas e fomentar a transparência de processos, contribuindo deste modo para potenciar a confiança e a credibilidade como valores que devem caracterizar a intervenção do Fórum em Moçambique. 3. PÚBLICOS ALVO DA COMUNICAÇÃO Os Públicos Alvo da Comunicação do FORCOM percorrem o universo dos stakeholders, atingindo igualmente o público em geral. Importa assim identificar como públicos-alvo da comunicação do FORCOM os seguintes: Colaboradores directos e membros do Fórum; Parceiros Sociais (doadores); Meios de comunicação social; Outras Organizações da Sociedade Civil; Público em geral. Em função da proximidade, os públicos alvo da comunicação do FORCOM podem ser representados da seguinte maneira: 9

10 Gráfico 1: Públicos alvo da comunicação do FORCOM 4. INSTRUMENTOS E ACÇÕES DE COMUNICAÇÃO 4.1. Instrumentos de Comunicação A seguir apresenta-se o conjunto de instrumentos e meios de comunicação que deverão estar disponíveis no FORCOM para garantir uma efectiva e eficaz comunicação interna entre os colaboradores do escritório e, entre estes e as rádios comunitárias filiadas. Telefone Internet Website institucional institucional Quadro de avisos Manual de Procedimentos Manual de Normas Gráficas Relatório de Actividades Centro de Recurso sistematizado Cartas Seminários Reuniões Quadro para fixar recortes de pequenas noticias A seguir apresenta-se o conjunto dos instrumentos e meios de comunicação externa indispensáveis para a divulgação da imagem do FORCOM e das suas actividades. 10

11 Website institucional Comunicados de imprensa institucional Apresentações Powerpoint Relatório de Actividades Skype Painéis informativos Seminários Cartões de visita Video institucional Mapeamento de contactos e Referência dos Media (rádio, tv, jornal) Boletim Informativo Folhetos informativos Outras Publicações Flyer institucional Base de Dados das Rádios Comunitárias Em anexo (Anexo 1) apresenta-se a explicitação e importância de cada um dos instrumentos e meios de comunicação escolhidos para operacionalizar a comunicação interna e externa do FORCOM Acções de Comunicação Enunciados os seis grandes objectivos desta Estratégia de Comunicação, nos próximos quadros pode-se visualizar a distribuição das acções a desenvolver por objectivo e que irão permitir a concretização dos esforços de comunicação que se pretendem. Uma mesma acção poderá servir e ter repercussões em vários objectivos. 11

12 Quadro 1: Acções de Comunicação Propostas Fase 1: Lançamento 2011 Acções Objectivos específicos 2 Observações/execução/resultados esperados Período de execução 1 Validação da Estratégia de Comunicação junto dos colaboradores do FORCOM e rádios comunitárias associadas TODOS 1,2,3,4,5,6 A validação da Estratégia de Comunicação pelos colaboradores e associados do FORCOM é essencial para que a sua implementação seja eficaz Identificação e seleção da Mensagem Essencial do FORCOM e das mensagens essenciais a associar a cada uma das áreas de intervenção estratégica TODOS Elaboração do Manual de Normas Gráficas TODOS Objectivo: conferir unidade e identidade a todos os suportes gráficos que venham a ser necessários ao longo da implementação da Estratégia de Comunicação Elaboração de grelhas gráficas e conteúdos para os suportes de comunicação que serão produzidos ao longo do período de planificação: 4.1. Website organizacional TODOS Publicidade dirigida (anúncios, candidaturas, etc.) 2 Os objectivos específicos visados reportam-se à enumeração feita na secção 2 deste documento (página 6).

13 4.3. Apresentações em PowerPoint 4.4. Estacionário 4.5. Vídeo institucional 4.6. Materiais diversos de divulgação e oferta 4.7. Brochura Promocional 5 Lançamento do website institucional revitalizado 1, 2, 3 e Edição do Boletim Informativo electrónico Acções especiais dirigidas a jornalistas: 7.1. Kit especial para jornalistas sobre o FORCOM 7.2. Reportagens 1, 2, 3 e O objectivo é criar oportunidades de notícias e promover a preparação específica dos mediadores Entrevistas 1, 2, 3 e Divulgação de boas práticas de radiodifusão comunitária através de séries temáticas 7.5. Sessões de formação, informação e visitas de estudo para estudantes de jornalismo. 8 Acções especiais para parceiros: Abertura de canais de cooperação e informação com os media, universidades, empresas, ONG s TODOS Criação de sinergias de comunicação entre o FORCOM e o público externo Publicação do vídeo Institucional na imprensa 1, 2, 3 e

14 10 Acções especiais nas rádios comunitárias associadas 5 e 6 Manter as rádios comunitárias associadas constantemente informadas e a par dos desenvolvimentos do Plano Estratégico e das realizações do FORCOM Evento Anual TODOS Elaboração de um Manual de Procedimentos 5 Ferramenta de comunicação interna Programa de educação pública sobre radiodifusão comunitária em Moçambique 3 Um programa de educacao pública sobre as rádios comunitárias em Moçambique, a forma como funcionam e a sua organizacao estrutural e funcional 2011 Fase 2: Implementação Rotineira das Acções de Comunicação (2012/2015) Acções Objectivos específicos 3 1 Publicidade Institucional 1, 2, 3 e 4 2 Publicidade dirigida 1, 2, 3 e 4 Observações/execução/resultados esperados O objectivo é manter viva a percepção pública da identidade do FORCOM e das acções desenvolvidas O objectivo é manter actualizada a percepção dos públicos alvo em Período de execução Os objectivos específicos visados reportam-se à enumeração feita na secção 2 deste documento (página 6). 14

15 relação as acções em curso 3 Website institucional 1, 2, 3 e 4 O objectivo é manter viva a percepção pública da identidade do FORCOM e das acções desenvolvidas. Actualização contínua Brochura Promocional 1, 2, 3 e 4 Dar a conhecer a Visão, a Missão, os Objectivos e os Planos do FORCOM e sua execução Videografismos, PowerPoint e CD s interactivos 1, 2, 3 e 4 Suportes digitais para animação de websites e apresentações públicas do FORCOM Banners para websites de parceiros ou associados 1, 2, 3 e 4 O objectivo é orientar a utilização em sites de parceiros e associados (rádios comunitárias) da marca FORCOM Eventos públicos de apresentação para públicos segmentados 1, 2, 3 e 4 Dar visibilidade e reforçar a transparência dos investimentos realizados no âmbito do Plano Estratégico Assembleia Geral do FORCOM TODOS Uma Assembleia Geral em cada ano Acções especiais nas rádios comunitárias associadas 1, 2, 3 e Acções especiais dirigidas a jornalistas: TODOS O objectivo é criar oportunidades de notícias e promover a preparação

16 10.1. Kit especial para jornalistas sobre o FORCOM específica dos futuros mediadores Reportagens Entrevistas Divulgação de boas práticas de radiodifusão comunitária através de séries temáticas Sessões de formação, informação e visitas de estudo para estudantes de jornalismo. 11 Acções especiais para parceiros: Alimentar com informação actualizada os canais de cooperação e informação TODOS O objectivo é manter actualizada a percepção dos parceiros e outros públicos sobre a implementação das actividades em curso Fase 3: Avaliação (2015) Acções Objectivos específicos 4 1 Publicidade Institucional 1, 2, 3 e 4 Observações/execução/resultados esperados O objectivo é manter viva a percepção pública da identidade do FORCOM e das acções desenvolvidas, e apresentar aos diversos públicos os resultados Período de execução Os objectivos específicos visados reportam-se à enumeração feita na secção 2 deste documento (página 6). 16

17 obtidos na implementação do Plano Estratégico 2 Website institucional 1, 2, 3 e 4 O objectivo é manter actualizada a percepção pública da identidade do FORCOM e das acções desenvolvidas. Actualização contínua Acções especiais nas rádios comunitárias associadas 1, 2, 3 e 4 Acções de balanço com recurso a técnicas de interactividade com os ouvintes das rádios comunitárias Relatório de Actividades TODOS Destacar a conclusão da vigência do Plano Estratégico com balanço de resultados e sua importância para o desenvolvimento local e nacional e promoção do direito a informação Publicação de Boas Práticas e Experiências de Sucesso no sector da radiodifusão comunitária 1, 2, 3 e 4 Promover as actividades das rádios comunitárias para atrair parceiros financeiros

18 5. CALENDARIZAÇÃO Apresentadas as acções e os instrumentos/meios de Comunicação que agregam e sustentam a presente Estratégia de Comunicação, estabelece-se de seguida um cronograma de implementação das acções no período Cronograma Síntese de Execução Acções Validação da Estratégia de Comunicação 2 Identificação e seleção das Mensagens Essenciais 3 Elaboração do Manual de Normas Gráficas 4 Elaboração de Grelhas Gráficas para os suportes de comunicação 5 Evento Anual 6 Revitalização do Website institucional 7 Edição do Boletim Informativo electrónico 8 Elaboração do Manual de Procedimentos Acções especiais dirigidas a jornalistas: 9 - Kit especial para jornalistas 10 - Visitas 11 - Reportagens, Entrevistas 12 - Sessões de formação e informação para estudantes de jornalismo 13 Brochura Informativa Canais de cooperação e informação com parceiros Publicação de Publicidade Institucional na Imprensa Acções especiais nas rádios comunitárias associadas 18

19 8. ANEXOS 7.1. Anexo 1: Explicitação dos Instrumentos e Meios de Comunicação Manual de Normas Gráficas: O Manual de Normas Gráficas tem como finalidade estabelecer os principais parâmetros de utilização do logotipo e de todos os instrumentos gráficos de comunicação do FORCOM. A sua pertinência prende-se com a necessidade de se proceder a uma utilização correcta do logotipo em questão, em diferentes situações e condicionantes. Define Templates para Apresentações em Powerpoint, Cabeçalhos e rodapés de Cartas, cartões de visita, papel timbrado, rodapé do institucional, e utilização do logótipo da organização em todo o tipo de documentos formais da instituição. Website Institucional: A revitalização e a atualização sistemática do site do Fórum serão essenciais para a nova imagem da organização. Um Site facilitador de toda a informação necessária ao público externo, que seja a cara virtual de uma organização que se afirma pela pertinência da sua Missão; um site onde se possa encontrar todas as respostas às dúvidas ou vontades de conhecer o FORCOM e as actividades que realiza. O website revitalizado integrará também, informação de âmbito geral sobre o sector da radiodifusão comunitária em Moçambique, publicações do Fórum em texto integral, informação sobre contactos relevantes. Incluirá ainda informação sobre processos, pontos de situação da execução do Plano Estratégico da Organização, relatórios de execução, estudos de avaliação, boas práticas documentadas, e outros materiais considerados pertinentes para a comunicação do FORCOM com o seu público interno e externo. Institucional Personalizado: Implica que qualquer comunicação por correio electrónico partindo do FORCOM tenha que ser imediatamente reconhecida como vinda de uma organização séria e comprometida com a certificação da autenticidade da comunicação com os seus interlocutores. 19

20 Boletim Informativo Electrónico: A ser disponibilizada em formato electrónico no site institucional do FORCOM, esta publicação deverá constituir-se como um instrumento de divulgação e informação pertinente e actual, consolidando a credibilidade, a confiança e a transparência da organização junto dos seus públicos interno e externo. Em cada número, o seu editorial, dará voz à mensagem da Direcção Executiva do Fórum, e incluirá conteúdos e informação diversificada, destaques, notícias (relativas ao sector da radiodifusão comunitária e à operacionalização do Plano Estratégico da organização, etc.), eventos, espaço de perguntas e resposta, legislação de suporte, casos de boas práticas de radiodifusão comunitária e outros campos que sejam considerados de interesse. O Boletim Informativo também será enviado por correio electrónico para todas as rádios comunitárias membros do FORCOM e para todos os parceiros sociais do Fórum. A sugestão é que o Boletim seja trimestral. Dessa forma, será possível haver notícias e ter disponibilidade de tempo para a produção do mesmo. Flyer e Poster do FORCOM: Cartazes e Flyers serão criados para servirem como instrumentos valiosos para a notoriedade e o reconhecimento do FORCOM, em todos os eventos ou ocasiões em que a sua presença seja solicitada, fomentando a perenidade da sua imagem. Relatório Anual de Actividades: Os relatórios anuais do FORCOM, sendo instrumentos que permitem um acompanhamento regular da sua actividade, contribuindo igualmente para uma avaliação on going das actividades do Fórum, devem pautar-se por uma apresentação gráfica extremamente cuidada, apelativa e moderna, a serem publicados em formato electrónico no site institucional e impressos. Publicações e Estudos: Promoção e ou produção de publicações sobre a radiodifusão comunitária em Moçambique ou sobre resultados de pesquisas encomendadas pelo próprio Fórum; ou resultantes de actividades que se destaquem pelo seu carácter inovador e pelo seu efeito demonstrativo e que devem graficamente ser autenticados pela imagem corporativa do FORCOM. 20

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

P L AN O D E C O M U N I C AÇ ÃO I N S T I T U C I O N AL

P L AN O D E C O M U N I C AÇ ÃO I N S T I T U C I O N AL Plano de Comunicação Institucional pág: 1 P L AN O D E C O M U N I C AÇ ÃO I N S T I T U C I O N AL Plano de Comunicação Institucional pág: 2 ÍNDICE DE CONTEÚDOS 1 ASPECTOS GERAIS 1.1 ENQUADRAMENTO 1.2

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes:

Introdução. Para a condução de cada ação teremos presentes duas questões importantes: Fevereiro 2014 Introdução A Escola é hoje um mundo onde todos os atores educativos têm voz por isso a facilidade, a celeridade, a clareza e a abertura são as caraterísticas da comunicação que possibilitam

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

QiDEIA C O M U N I C A Ç Ã O

QiDEIA C O M U N I C A Ç Ã O QiDEIA CREATE WHAT YOU SEE. CREATE WHAT YOU FEEL. CREATE WHAT YOU HAVE NEVER SEEN. JUST CREATE. NATHAN SAWAYA QUEM SOMOS A Qideia é uma agência de comunicação, vocacionada para a estratégia e implementação

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS SEFAZ-TO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO 10 de Outubro de 2013 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 2 Quadro 1- Matriz

Leia mais

O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo. Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo

O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo. Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo O Turismo e a Cultura na estratégia de desenvolvimento do Médio Tejo Dra. Júlia Amorim Vice-Presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

1. Comunicação de Projectos

1. Comunicação de Projectos PRINCIPAIS ORIENTAÇÕES PARA COMUNICAÇÃO DE PROJECTOS 1. Comunicação de Projectos A comunicação é um elemento crucial para o sucesso da implementação de projectos. Os projectos devem incorporar claramente

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO ANEXO: Capacitação das Organizações Promotoras GRANDES PROJETOS O presente anexo faz parte do relatório final previsto no Artigo 30.º do Regulamento do Programa. Relativamente

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP

GABINETE DA MINISTRA. Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Presidência Portuguesa da CPLP II Reunião de Ministros da Saúde da CPLP Intervenção da Ministra da Saúde de Portugal, Ana Jorge (PECS) Caros Colegas, As vossas intervenções são demonstrativas da nossa

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Estratégia de Visibilidade

Estratégia de Visibilidade República de Moçambique MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Programa de Apoio aos Actores Não-Estatais União Europeia Estratégia

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal 1 Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal A par dos objectivos quantitativos de expansão do mercado, a Iniciativa Pública "Água

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2015 1 INTRODUÇÃO A natureza dos problemas sociais complexos (wicked problems), difíceis de definir com rigor e evidenciando interdependências e multicausalidades, desafia

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 02/SAMA2020/2015 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAMA2020) Página 1 de 16

Leia mais

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português

PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação. Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português PROMOÇÃO TURISMO 2020 Protocolo de Cooperação Turismo de Portugal Confederação do Turismo Português Lisboa, 25 de fevereiro 2015 1 Considerando que: 1. O Turismo é uma atividade estratégica para a economia

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA, IOLANDA CINTURA SEUANE, MINISTRA DA MULHER E DA ACÇÃO SOCIAL DE MOÇAMBIQUE SOBRE O TEMA DESAFIOS DA PROTECÇÃO SOCIAL PARA ALCANÇAR A SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO

REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO REGULAMENTO DO PROJECTO ACONCHEGO NO ÂMBITO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO PORTO No quadro do protocolo celebrado em 27 de Março de 2003 entre a Fundação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

01 D/DQ 14/07/10 CÓDIGO DE ÉTICA

01 D/DQ 14/07/10 CÓDIGO DE ÉTICA 14 07 10 01 D/DQ 14/07/10 CÓDIGO DE ÉTICA Enquadramento A APCC Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra tem como missão Promover a inclusão social de pessoas em situação de desvantagem, com especial

Leia mais

Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde

Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde UNIÃO EUROPEIA DELEGAÇÃO NA REPÚBLICA DE CABO VERDE Guia para o Plano de comunicação e visibilidade dos Projetos financiados pela União Europeia em Cabo Verde 1 P a g e Visibilidade e comunicação são dois

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento

Bairro. Normas Orientadoras BAIRRO. Co-financiamento Normas Orientadoras BAIRRO Co-financiamento Índice Capítulo I - Âmbito...1 Artigo 1.º - Objecto...1 Artigo 2.º - Definições...1 Artigo 3º - Apelos Bairro 21...1 Artigo 4.º - Objectivos dos Apelos Bairro

Leia mais

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável

Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável Parceiro Para o Desenvolvimento Sustentável REGULAMENTO DO PROGRAMA Considerando que a consecução dos objetivos de desenvolvimento sustentável da Região Açores passa necessariamente por uma abordagem e

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os

1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os A IMPORTÂNCIA DO MOVIMENTO ASSOCIATIVO NA DINAMIZAÇÃO DA ACTIVIDADE EMPRESARIAL 1. Tradicionalmente, a primeira missão do movimento associativo é a de defender os interesses das empresas junto do poder

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO. Preambulo REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Preambulo O movimento associativo corresponde a uma afirmação cultural dos valores nacionais que deve ser valorizado, defendido e promovido, na medida em que

Leia mais

I INTRODUÇÃO II PLANO DE ACTIVIDADES

I INTRODUÇÃO II PLANO DE ACTIVIDADES Entidade Reconhecida de Utilidade Pública Pág. 1 I INTRODUÇÃO O Plano de Actividades da Direcção eleita em Julho de 2005, para o ano 2006, tem como objectivos a angariação de fundos para a construção da

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta para a Política de Comunicação Institucional do INPE. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG. Título: Proposta para a Política de Comunicação Institucional do INPE. Organização Para Cópias Referência: CPA-076-2008 Versão: 1.0 Status: Ativo Data: 09/julho/2008 Natureza: Aberto Número de páginas: 11 Origem: GCMIG e GEOPI Revisado por: GCMIG Aprovado por: GCMIG Título: Proposta para a Política

Leia mais

1 Ponto de situação sobre o a informação que a Plataforma tem disponível sobre o assunto

1 Ponto de situação sobre o a informação que a Plataforma tem disponível sobre o assunto Encontro sobre a Estratégia de Acolhimento de Refugiados 8 de Outubro de 2015 Este documento procura resumir o debate, conclusões e propostas que saíram deste encontro. Estiveram presentes representantes

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando o seu compromisso com a plena realização dos direitos humanos e das liberdades fundamentais proclamadas na Declaração

Leia mais

APRESENTAÇÃO Outubro de 2012

APRESENTAÇÃO Outubro de 2012 APRESENTAÇÃO Outubro de 2012 O QUE É É A QUEM SE DIRIGE ENQUADRAMENTO CONTEÚDOS ESTATUTO EDITORIAL A EQUIPA PARTICIPE NO 365AGRO A informação assume, hoje em dia, uma importância crescente. O acesso à

Leia mais

Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos. Título do projeto em outra capa

Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos. Título do projeto em outra capa Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos Título do projeto em outra capa Bacia Hidrográfica do Alto Tietê com destaque para a Sub-bacia Pinheiros-Pirapora Fortalecimento do Subcomitê Pinheiros-Pirapora

Leia mais

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental

Sumário Executivo. NOTA: este texto não foi redigido ao abrigo no novo acordo ortográfico. organização nãogovernamental SUMÁRIO EXECUTIVO Optimização das políticas públicas de apoio ao empreendedorismo e inclusão social: estudando o acesso dos microempreendedores às medidas de promoção do auto-emprego 2 Sumário Executivo

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo.

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo. 1. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e da inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

CONHEÇA A MARCA MOÇAMBIQUE

CONHEÇA A MARCA MOÇAMBIQUE CONHEÇA A MARCA MOÇAMBIQUE Afinal o que é a Marca Moçambique? Saiba porque foi criada Conheça os seus atributos e benefícios O que reflecte o logotipo? Saiba como ajudar na sua divulgação Saiba como obter

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE CONDUTA E BOAS PRÁTICAS Fundação Alentejo no Alentejo e para o Alentejo, um projeto para além da esperança Fernanda Ramos 1992 Aprovado na reunião do Conselho de Administração da FA Novembro

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade

Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Plano de Comunicação e Educação para a Sustentabilidade Versão 2.0 de 4 de Junho de 2007 Promotores: Co-financiamento: Introdução A Agenda 21 do Vale do Minho é um processo de envolvimento dos cidadãos

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

O QUE É? EXEMPLOS DE INTERVENÇÕES RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICA

O QUE É? EXEMPLOS DE INTERVENÇÕES RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICA O QUE É? EXEMPLOS DE INTERVENÇÕES RECOMENDAÇÕES DE POLÍTICA ? O QUE É A ANIMAÇÃO TERRITORIAL A Animação Territorial é um processo dinâmico de intervenção social, que pressupõe uma atitude reflexiva activa

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Governo da República de Moçambique Ministério da Educação PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Índice 1. Motivação do Plano Tecnológico da Educação (PTE) 2. Trabalhos Desenvolvidos 3. Linhas de Orientação e Pilares

Leia mais

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014

SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO 2014 SÍNTESE DO PLANO DE GESTÃO MOD.212.0 0 PAG. 1 Índice 1. Enquadramento 2. Principais necessidades e prioridades a satisfazer em 3. Planificação 4. Monitorização PAG. 2 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de

4.1. A verba máxima disponível por projecto será de 200.000 Euros. A ajuda solicitada poderá ser aplicada para financiar pessoal, aquisição de Bases reguladoras para a concessão das ajudas destinadas a dar apoio à valorização de projectos de investigação ao abrigo da Rede Universitária Iberoamericana de Incubação de Empresas (RedEmprendia) Em

Leia mais

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2014 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2014 Refª: 148 Janela 1750 Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007

ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO CAF 2006 DGAEP 2007 Conteúdo da apresentação Enquadramento da CAF Características gerais da CAF Estrutura da CAF Processo de aplicação da CAF (10 Passos) Enquadramento da CAF

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate

YOUR LOGO. Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate YOUR LOGO PLEASE FEEL FREE TO ADD YOUR OWN BACKGROUND Investir na mulher pode ser uma etapa importante na prevenção e combate ao HIV/SIDA. Nome do participante: Boaventura Mandlhate Categoria: MEDIA, saúde

Leia mais

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING

INTRODUÇÃO 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING Índice INTRODUÇÃO... 2 1 COMPROMISSO DA SONAE HOLDING... 2 2 COMPROMISSO DOS COLABORADORES... 2 3 PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTO... 3 3.1 RELAÇÕES COM ADMINISTRADORES E COLABORADORES... 3 3.2 RELAÇÕES COM

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

24 Horas pelo Combate à Pobreza e Exclusão Social. 6 de Outubro 2010 reúne ONG s no combate à pobreza

24 Horas pelo Combate à Pobreza e Exclusão Social. 6 de Outubro 2010 reúne ONG s no combate à pobreza 24 Horas pelo Combate à Pobreza e Exclusão Social 6 de Outubro 2010 reúne ONG s no combate à pobreza O Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) tem como objectivo reafirmar e reforçar

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP PORTO VIVO, SRU SEMINÁRIO ALFÂNDEGA DO PORTO 4 E 5 DE DEZEMBRO DE 2009 Pressuposto O impacto

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

Políticas. APPACDM Viana do Castelo

Políticas. APPACDM Viana do Castelo Políticas APPACDM Viana do Castelo Índice Introdução... 3 Política da Qualidade... 4 Liderança... 4 Recursos Humanos... 5 Direitos... 6 Ética... 6 Parcerias... 7 Participação... 7 Abordagem Centrada na

Leia mais