CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL"

Transcrição

1 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof

2 AULA 0 - FUNÇÕES. - Conceito matemático de função Definição : Domínio da função é o conjunto de todos os valores dados para a variável independente. Definição : Imagem da função é o conjunto de todos os valores correspondentes da variável dependente. Como, em geral, trabalhamos com funções numéricas, o domínio e a imagem são conjuntos numéricos, e podemos definir com mais rigor o que é uma função matemática utilizando a linguagem da teoria dos conjuntos. Para isso, temos que definir antes o que é um produto cartesiano e uma relação entre dois conjuntos. Definição : Produto cartesiano: Dados dois conjuntos não vazios A e B, denomina-se produto cartesiano (indica-se: A B ) de A por B o conjunto formado pelos pares ordenados nos quais o primeiro elemento pertence a A e o segundo pertence a B. (Eq.) A B {(, y )/ A e y B }. Definição 4: Relação: Dados dois conjuntos A e B, dá-se o nome de relação r de A em B a qualquer subconjunto de A B. (Eq.) r é relação de A em B r A B. Eemplo: Sejam os conjuntos A {0,,,}, B {0,,4,6,8,0} e a relação r de A em B, tal que y, A e y B. Escrever os elementos dessa relação r. Como A : 0 y 0 (0,0) A B ; y (,) A B ; y 4 (,4) A B ; y 6 (,6) A B. Então, r {(0,0), (,), (,4), (,6)}. A 0 r 0 B [Fig.]: Representação da relação por diagrama. y [Fig.]: Representação da relação por sistema cartesiano. 0

3 Obs.: Podemos observar que, numa relação r de A em B, o conjunto r é formado pelos pares (, y ) em que o elemento A é associado ao elemento y B mediante uma lei de associação (no caso, y ).. - Definição de função Definição 5: Sejam A e B dois conjuntos não vazios e f uma relação de A em B. Essa relação f é uma função de A em B quando a cada elemento do conjunto A está associado um e apenas um elemento y do conjunto B. Nos eercícios a seguir, verifique se as relações representam função de A em B. Juntifique sua resposta e apresente o diagrama da relação. Eemplos: ) Dados os conjuntos A {0,5,5} e B {0,5,0,5,0,5}, seja a relação de A em B epressa pela fórmula y +5, com A e y B. 0 y 5 (0,5) A B ; 5 y 0 (5,0) A B ; 5 y 0 (5,0) A B. A B Todos os elementos de A estão associados a elementos de B. A cada elemento de A está associado um único elemento de B. Neste caso, a relação de A em B epressa pela fórmula y +5 é uma função de A em B. ) Dados os conjuntos A {,0,,5} e B {0,,5,0,0}, seja a relação de A em B epressa pela fórmula y, com A e y B. 0 y 0 (0,0) A B ; y (,) A B ; 5 y 5 (5,5) A B. A B O elemento de A não está associado a nenhum elemento de B. Neste caso, a relação de A em B não é uma função de A em B.

4 ) Dados os conjuntos A {,,,} e B {,,6,9}, seja a relação de A em B epressa pela fórmula y, com A e y B. y 9 (,9) A B ; y (,) A B ; y (,) A B ; y 9 (,9) A B. A - - Todos os elementos de A estão associados a elementos de B. A cada elemento de A está associado um único elemento de B. Neste caso, a relação de A em B epressa pela fórmula y é uma função de A em B. 6 9 B 4) Dados os conjuntos A {6,8} e B {,,}, seja a relação de A em B epressa pela 4 fórmula y, com A e y B. A B 6 y ou y (6, ) e (6,) A B ; 8 y (8,) A B. Todos os elementos de A estão associados a elementos de B. O elemento 6 do conjunto A está associado a dois elementos do conjunto B. Neste caso, a relação de A em B não é uma função de A em B.. Notação de Função Quando temos uma função de A em B, podemos representá-la da seguinte forma: f : A B (lê-se: função de A em B ) a y (lê-se: a cada valor de A associa-se um só valor y B ) A letra f, em geral, dá o nome às funções, mas podemos ter também a função g, h, etc. Numa função g : R R, dada pela fórmula y 8, podemos também escrever g ( ) 8. Neste caso, g ( ) significa o valor de y quando, ou g ( ) 6.

5 .4 - Domínio, contradomínio e imagem de uma função Uma função f com domínio A e imagens em B será denotada por: f : A B (função que associa valores do conjunto A a valores do conjunto B ) a y f ( ) (a cada elemento A corresponde um único y B ) O conjunto A é denominado domínio da função, que indicaremos por D. O domínio da função também chamado campo de definição ou campo de eistência da função, serve para definir em que conjunto estamos trabalhando, isto é, os valores possíveis para a variável. O conjunto B é denominado contradomínio da função, que indicaremos por CD. É no contradomínio que estão os elementos que podem corresponder aos elementos do domínio. Cada elemento do domínio tem um correspondente y no contradomínio. A esse valor de y damos o nome de imagem de pela função f. O conjunto de todos os valores de y que são imagens de valores de forma o conjunto imagem da função, que indicaremos por Im. Note que o conjunto imagem da função é um subconjunto do contradomínio da mesma. f : A B a y f ( ) D A, CD B, Im { y CD / y é correspondente de algum valor de }. Eemplos: ) Dados os conjuntos A {,,0,} e B {,0,,,,4}, determinar o conjunto imagem da função f : A B definida por f ( ) +. f ( )( )+ f ( )( )+ f (0)(0)+ f ()()+4 Im {,,,4} A B ) Dada a função f : R R definida por f ( ) a +b, com a,b R, calcular a e b, sabendo que f ()4 e f ( ). A lei de formação da função é f ( ) a +b ou y a +b. f ()4 e y 4 4 a +b (i) f ( ) e y a ( )+b (ii) De (i) e (ii), temos: a + b 4 a + b b b e a a e b f ( ) +. 4

6 .5 Função Composta Tome as funções f : A B, definida por f ( ), e g : B C, definida por g ( ). Note que o contradomínio B da função f é o mesmo domínio da função g. f : A B : a cada A associa-se um único y B, tal que y. g : B C : a cada y B associa-se um único z C, tal que z y. Neste caso, podemos considerar uma terceira função, h : A C, que faz a composição entre as funções f e g : A B C g f y z f. [Fig. ]: Função composta h : A C : a cada A associa-se um único z C, tal que z y ( ) 4. h Essa função h de A em C, dada por h ( )4, é denominada função composta de g e De um modo geral, para indicar como o elemento z C é determinado de modo único pelo elemento A, escrevemos: z g ( y ) g ( f ( )) Notação: A função composta de g e f será indicada por g o f (lê-se: g círculo f ) (Eq.) ( g o f )( ) g ( f ( )) Eemplos: ) Sejam as funções reais f e g definidas respectivamente por f ( ) + e g ( ) Determine: a) f ( g ( )). f ( g ( )) f ( ) + f ( g ( )). b) g ( f ( )). g ( f ( )) g ( +)( +) g ( f ( )) +4. ( + +) c) Os valores de para que se tenha f ( g ( )) g ( f ( )). f ( g ( )) g ( f ( ))

7 ) Sendo f ( ) e f ( g ( ))6 +8, determine g ( ). Como f ( ), então f ( g ( )) g ( ). Como f ( g ( ))6 +8, então g ( ) g ( ) 6 +8 g ( ) g ( ) g ( ) +..6 Função Inversa Definição 6: Função bijetora: A função f é denominada BIJETORA, se satisfaz as duas condições abaio:. O contradomínio de f coincide com sua imagem, ou seja, todo elemento do contradomínio é correspondente de algum elemento do domínio.. Cada elemento do contradomínio de f é imagem de um único elemento do domínio. Definição 7: Diz-se que uma função f possui inversa f se for bijetora..6. Determinação da Função Inversa Caso a função seja bijetora, possuindo portanto inversa, é possível determinar a sua inversa. Para isso trocamos a variável por y na lei que define a função e em seguida isolamos o y, obtendo a lei que define a função inversa. É preciso apenas tomar certo cuidado com o domínio da nova função obtida. Eemplo: ) Obter a lei da função inversa f da função f dada por y +. y + função f. y + trocando a variável por y e y por. y isolando y. Então, y é a lei da função inversa da função dada por y +. Logo: f ( ) + e f ( ) ) Construir os gráficos das funções f e coordenadas. f do eercício anterior, num mesmo sistema de f ( ) f ( ) Note que os gráficos das funções f e f são simétricos em relação à reta que contém as bissetrizes do o e o quadrantes. 4 y f f - 6

8 ) Determinar a função inversa g da função g ( ) + 5 y função g. y + 5 y trocando a variável por y e y por. ( y ) y +5 isolando y. y y 5 y ( ) y , cujo domínio é D R. Logo, g : R R + 5 dada por y é a função inversa procurada. AULA 0 EXERCÍCIOS ) Seja a relação de A {0,, } em B {0,,,, 4, 5} definida por g() 4 +. Faça o diagrama de g e verifique se g é uma função de A em B. Em caso afirmativo escreva o conjunto imagem. ) Seja a função f de D {,,, 4, 5} em R definida por f() ( )( 4). Determine o seu conjunto imagem. ) Sejam f e g funções reais definidas, para todo o número real não nulo, por: 5 f ( ) 8 + ( ) e 5 g ( ) ( + ) Se a e b são números reais distintos tais que f(a) g(a) e f(b) g(b), calcule a + b 4) Considere a função f() real, definida por f() 4 e f( + ) f() 5. Determine o valor de f(0) 5) Determine o domínio das seguintes funções: a) f ( ) 4 5 b) f ( ) c) y + 7 d) f ( ) ) Sendo f ( ), e g ( ) 4, ache o valor de f ( g()) + g f. 7) Se f ( ), qual o valor de para que f(f())? + 6 8) Dada a função f ( ) com 5. 5 calcule: a) f - () b) f - (4) Respostas: ) sim, Im{0, } ) Im {-, 0, } ) 4) 9 5) a) D R b) D R {-, } c) D R D R < < 4, e, d) { } 6) 9 7) ) a) b) 7

9 AULA 0 - FUNÇÃO POLINOMIAL Definição 8: Função polinomial com uma variável ou simplesmente função polinomial é aquela cuja formulação matemática é epressa por um polinômio.. - Função polinomial do o grau A função polinomial do o grau é a que tem sua representação matemática por um polinômio de grau. Representação da função polinomial do o grau: independente. Eemplo: f ( ) a +b, com a,b R (a 0). a e b são os coeficientes e a variável Em uma função polinomial do o grau, y f ( ), sabe-se que f ()4 e f ( )0. Escreva a função f e calcule f. Se f é polinomial do o grau, então podemos escrever: y a +b. Usando os dados do problema: f ()4 e y 4. Então, a +b 4 a +b 4 (i). f ( )0 e y 0. Então, a ( )+b 0 a +b 0 (ii). Resolvendo o sistema formado por (i) e (ii): (i) a + b 4 a + b 4 (ii) a + b 0 ( ) a b 0 Se a, então +b 4 b 6. A função f é dada por f ( ) +6. Cálculo de f : f A função é f ( ) +6 e f 7. a 6 a.. - Função linear Seja a função polinomial do o grau f ( ) a +b. No caso de b 0, temos f ( ) a, e ela recebe o nome especial de função linear. Obs.: Se, em uma função linear tivermos a, teremos f ( ) ou y, que se dá o nome de função identidade. 8

10 .. Gráfico de uma função polinomial do o grau Para construir o gráfico de uma função polinomial do o grau, atribuímos valores do domínio à variável e calculamos as respectivas imagens. Eemplo: Construir o gráfico da função real f dada por y. y Par ordenado 5 (, 5) (, ) 0 (0, ) (,) (,) 5 (,5) 5 4 y Definição 9: O gráfico da função linear y a (a 0) é sempre uma reta que passa pela origem do sistema cartesiano. Definição 0: O gráfico da função polinomial do o grau y a +b (a 0) intercepta o eio das ordenadas no ponto (0,b )... Determinação de uma função a partir do gráfico Nos eercícios abaio, determine a lei de formação da função f ( ) a +b. Eemplo: ) Determine a lei de formação da função f, cujo gráfico cartesiano é: 5 4 y

11 Sabendo-se que y a +b, do gráfico, temos que: e y a ( )+b a +b (i). e y a ()+b a +b (ii). (i) a + b (ii) a + b b Se b, então a +b a + a Logo: A função é f ( ) +. b ) Determine a lei de formação da função f, cujo gráfico cartesiano é: 5 4 y Sabendo-se que y a +b, do gráfico, temos que: e y a ()+b a +b (i). e y a ()+b a +b (ii). (i) a + b ( ) a b (ii) a + b a + b a a Se a, então +b b 4 Logo: A função é f ( ) Crescimento e decrescimento de uma função polinomial do o grau Seja f a função polinomial do o grau definida por f ( ) a +b. Podemos determinar que: i) A função f é crescente se o coeficiente a >0; ii) A função f é decrescente se o coeficiente a <0. Eemplo: 0

12 Construir os gráficos das funções f e g do o grau a seguir: i) f ( ) + ii) g ( ) + 5 y 5 y i) Aumentando os valores atribuídos a, aumentam também os valores correspondentes da imagem f ( ). ii) Aumentando os valores atribuídos a, diminuem os valores correspondentes da imagem g ( ) Estudo do sinal da função polinomial do o grau Definição : Estudar o sinal de uma função f significa determinar para que valores de temos f ( )>0, f ( )<0 ou f ( ) Zero de uma função polinomial do o grau Definição : Denomina-se zero ou raiz da função f ( ) a +b o valor de que anula a função, isto é, torna f ( )0. Definição : Geometricamente, o zero da função polinomial do o grau f ( ) a +b, a 0, é a abscissa do ponto em que a reta corta o eio. Eemplo: Dada a lei de formação da função y 4, construir o gráfico e determinar os valores reais de para os quais: a) y 0; b) y >0 e c) y < y Podemos notar que a função é decrescente, pois a <0. O zero da função é: Logo, a reta intercepta o eio no ponto de abscissa. A solução do problema é: a) f ( )0 { R ; }; b) f ( )>0 { R ; < }; c) f ( )<0 { R ; > }.

13 ..5. Quadro de sinais da função polinomial do o grau f ( ) a +b, a 0 Zero da função: a +b 0 a b a >0 a <0 b a b a f( )<0 b a f( )>0 f( )>0 b a f( )<0 f ( ) 0 a b f ( ) 0 a b f ( )> 0 > a b f ( )> 0 < a b f ( )< 0 < a b f ( )< 0 > a b. Inequações do o grau Definição 4: Denomina-se inequação do o grau na variável toda desigualdade que pode ser reduzida a uma das formas: a +b 0; a +b >0; a +b 0; a +b <0. com a, b R e a 0. Eemplo: Verificar se 4( ) ( +) é uma inequação do o grau. 4( ) ( +) Logo, 4 é um polinômio do o grau, então 4( +) ( +) é uma inequação do o grau... - Resolução de inequações do o grau Definição 5: Para se resolver uma inequação do o grau, são utilizadas as propriedades das desigualdades, apresentando-se o conjunto verdade da inequação (conjunto solução S).

14 Eemplos: ) Resolver a inequação seguinte: 4( ) ( +). Represente a solução na reta real. 4( ) ( +) S{ R ; } ) Resolver a inequação seguinte: + 4 ( ) 4 ( ) + > Reduzindo os dois membros ao menor denominador comum: > Simplificando: 0 +0> +4 0 > 0+4 > 6 Multiplicando por ( ): <6 6 < 6 S{ R ; < } > +. Represente a solução na reta real Sistemas de inequações do o grau Definição 6: O conjunto solução S de um sistema de inequações é determinado pela intersecção dos conjuntos soluções de cada inequação do sistema. Eemplo: Resolver a inequação <. Apresente o conjunto solução S e represente na reta real. Na verdade, resolver essa inequação simultânea é equivalente a resolver o sistema: (i) < (i) > (ii) (ii) (i) (ii) S{ R ; < } (i) (ii)

15 .. - Inequação-produto e inequação-quociente Uma inequação do o grau do tipo pode ser epressa por um produto de inequações do o grau, fatorando o o membro da desigualdade: ( ) ( +4) 0. Definição 7: RESOLUÇÃO: Para resolver uma inequação-produto ou uma inequação-quociente, fazemos o estudo dos sinais das funções polinomiais do o grau envolvidas. A seguir, determinamos o sinal do produto ou quociente dessas funções, lembrando as regras de sinais do produto e do quociente de números reais. Eemplos: ) Resolver a inequação ( + ) ( +) 0. ( + ) ( +) 0 ( +) ( ) ( +) 0 f() + f() 0 a > 0 g() g() 0 a > 0 h() + h() 0 a < 0 f ( ) g( ) h( ) f( ) g( ) h( ) - S{ R ; ou } ) Resolver a inequação + 0. f() + f() 0 / a < 0 g() g() 0 a < 0 f ( ) g( ) f ( ) g( ) S{ R ; <} 4

16 ) Resolver a inequação ( + ) ( ) 0 f() + f() 0 a > 0 g() g() 0 a > 0 h() h() 0 a > 0 f ( ) g( ) h( ) f( ) g( ) h( ) - S{ R ; ou < } 4) Determine o domínio da função y ( + ) ( ) 5 f() + f() 0 a > 0 g() g() 0 a > 0 h() 5 h() 0 5 a > 0 f ( ) g( ) h( ) f( ) g( ) h( ) - 5 D{ R ; ou >5} 0 5

17 AULA 0 EXERCÍCIOS ) Dada a função f() 5, determine: a) f() b) o valor de para que f() 0 ) Em uma função polinomial do o grau, y f(), sabe-se que f() 4 e f(-) 0. Escreva a função f e calcule f ) Um vendedor recebe mensalmente um salário composto de duas partes: uma parte fia, no valor de R$900,00 e uma variável, que corresponde a uma comissão de 8% do total de vendas que ele fez durante o mês. a) Epressar a lei da função que representa seu salário mensal b) Calcular o salário do vendedor que durante um mês ele vendeu R$ ,00 em produtos 4) Num determinado país, o gasto governamental com educação, por aluno em escola pública, foi de.000 dólares no ano de 985, e de.600 dólares em 99. Admitindo que o gráfico do gasto por aluno em função do tempo seja constituído de pontos de uma reta: a) Obtenha a lei que descreve o gasto por aluno (y) em função do tempo (), considerando 0 para o ano de 985, para o ano de 986, para o ano de 987 e assim por diante. b) Em que ano o gasto por aluno será o dobro do que era em 985? 5) Considere as funções f e g definidas em R por f() 8 e g() a) Ache as raízes das funções f e g b) Sabendo que os gráficos de f e g são retas concorrentes, calcule as coordenadas do ponto de intersecção. 6) Resolver a inequação 4 + ( ) 0 7) Determinar o conjunto verdade da inequação: 8) Resolver o sistema 4( ) + > < 0 9) João possui um terreno de 000m, no qual pretende construir uma casa. Ao engenheiro responsável pela planta, ele impõe as seguintes condições: a área destinada ao lazer (piscina, churrasqueira, etc) deve ter 00m, e a área interna da casa mais a área de lazer devem ultrapassar 50% da área total do terreno; além disso, o custo para construir a casa deverá ser de, no máimo, R$ ,00. Sabendo que o metro quadrado construído nessa região custa R$ 500,00, qual é a área interna da casa que o engenheiro poderá projetar? 0) Determinar o domínio da função y + Respostas: ) a) 8 b) /5 ) f() e f(-/) 7 ) a) y ,08 b) R$ 4900,00 4) a) y b) 05 5) a) 8 e 0 b) (, 6) 6) 7) S R 6 S R < S R 8) { } 9) entre 00m e 400m 0) D { R < } 6

18 AULA 0. - Função polinomial do o grau Definição 8: A função f : R R dada por f ( ) a +b + c, com a, b e c reais e a 0, denomina-se função polinomial do o grau ou função quadrática. Os números representados por a, b e c são os coeficientes da função. Note que se a 0 temos uma função do o grau ou uma função constante. Eemplo: Considere a função f do o formação dessa função e calcule f (5). Resolução Tome f ( ) a +b + c, com a 0. grau, em que f (0)5, f () e f ( ). Escreva a lei de f (0) 5 a (0) +b (0)+ c 5 c 5 c 5 f () a () +b ()+ c a +b i) f ( ) a ( ) +b ( )+ c a b 4 ii) Resolvendo o sistema formado por (i) e (ii): (i) a + b (ii) a b 4 (i)+(ii) a 6 a b A lei de formação da função será f ( ) + +5 f (5) (5) +(5)+5 f (5) Gráfico de uma função quadrática O gráfico de uma função polinomial do o grau ou quadrática é uma curva aberta chamada parábola. Para evitar a determinação de um número muito grande de pontos e obter uma boa representação gráfica, vamos destacar três importantes características do gráfico da função quadrática: (i) Concavidade (ii) Zeros ou raízes (iii) Vértice.. - Concavidade A concavidade de uma parábola que representa uma função quadrática f ( ) a +b + c do o grau depende do sinal do coeficiente a : 7

19 a >0: concavidade para CIMA a <0: concavidade para BAIXO [Fig.4]: Concavidade de uma função quadrática... - Zeros de uma função quadrática Definição 9: Os zeros ou raízes da função quadrática f ( ) a +b + c são as raízes da equação do o grau a +b + c 0, ou seja: Raízes: Considerando Δ b ± b 4ac. a b 4 ac, pode-se ocorrer três situações: i) Δ>0 as duas raízes são reais e diferentes: b + Δ a e b ii) Δ0 as duas raízes são reais e iguais (raiz dupla):. a iii) Δ<0 não há raízes reais. b Δ a Obs.: Em uma equação do o grau a +b + c 0, a soma das raízes é S e o produto é P tal que: b c S + e P. a a. Definição 0: Geometricamente, os zeros ou raízes de uma função polinomial do o grau são as abscissa dos pontos em que a parábola intercepta o eio Vértice da parábola Considere as parábolas abaio e observe o vértice V ( V, y V ) em cada uma: y Eio de simetria y V(, ) V y V V(, ) [Fig.5]: Vértice de parábolas (Δ>0 para as duas). V y V 8

20 Uma forma de se obter o vértice V ( V, y V ) é: V y V a +, já que o vértice encontra-se no eio de simetria da parábola; V +b V + c, já que o V foi obtido acima., Outra forma de se obter o vértice V ( V V b a e y V Δ. 4a y V ) é aplicando as fórmulas:..5 - Gráfico de uma parábola Com o conhecimento das principais características de uma parábola, podemos esboçar com mais facilidade o gráfico de uma função quadrática. Eemplos: ) Construir o gráfico da função y +, determinando sua imagem. a >0 concavidade voltada para cima. Zeros da função: Ponto onde a parábola corta o eio y : + 0 ( +)0 0 e. 0 y 0 (0,0) y 5 4 Vértice da parábola: V y V b a Δ 4 4a 4 V (, ) V Imagem: y para todo Real Im { y R ; y } ) Construir o gráfico da função y +4 5, determinando sua imagem. a <0 concavidade voltada para baio. Zeros da função: Δ 4. / zeros reais. Ponto onde a parábola corta o eio y : 0 y 5 (0, 5) y 5 4 Vértice da parábola: V y V b 4 a V (, ) Δ 4 4a V Imagem: y para todo Real Im { y R ; y } 9

21 ..6 - Estudo do sinal da função quadrática Os valores reais de que tornam a função quadrática positiva, negativa ou nula, podem ser dados considerando-se os casos, relacionados na tabela abaio. f ( ) a +b + c com ( a, b e c R e a 0) a >0 a <0 f ( )>0 para < ou > f ( )<0 para < ou > f ( )<0 para < < f ( )>0 para < < f ( )0 para ou f ( )0 para ou f ( )>0 para f ( )<0 para f ( )<0 / real f ( )>0 / real f ( )0 para f ( )0 para f ( )>0 real f ( )<0 / real f ( )0 / real f ( )<0 real f ( )>0 / real f ( )0 / real.4 - Inequações do o grau Definição : Denomina-se inequação do o grau na variável toda desigualdade que pode ser reduzida a uma das formas: a +b + c 0; a +b + c >0; a +b + c 0; a +b + c <0. com a, b, c R e a 0. 0

22 .4. - Resolução de inequações do o grau Definição : Para se resolver uma inequação do o grau, são utilizadas as propriedades das desigualdades, apresentando-se o conjunto verdade da inequação (conjunto solução S). Eemplo: ) Resolver a inequação Resolução +>0. Estudar a variação do sinal da função f ( ) +. a >0 Concavidade para cima. +0 Δ>0 Duas raízes reais diferentes. ± S{ R ; < ou >}. Obs: somente valores positivos. ) Resolver a inequação Resolução Estudar a variação do sinal da função f ( ) a > Concavidade para cima. Δ0 Raiz dupla (única). 0 5 S R. Obs: Todos os valores são positivos ou iguais a zero. ) Resolver a inequação Resolução Estudar a variação do sinal da função f ( ) a < Δ <0 Concavidade para baio. Não possui zeros reais. / real S. Obs: Nunca se tem valores positivos ou iguais a zero Sistemas de inequações do o grau Definição : O conjunto solução S de um sistema de inequações é determinado pela intersecção dos conjuntos soluções de cada inequação do sistema.

23 Eemplo: ) Resolver o sistema de inequações < 0 Resolução (i) (ii) +5< Resolução de (i): Estudar a variação do sinal da função f ( ) a > Δ4>0 Concavidade para cima. Duas raízes reais diferentes. 6 ± 4 S(i){ R ; 4 ou }. Reta real: Resolução de (ii): +5<0 < 5. S(ii){ R ; 5}. Reta real: Intersecção entre (i) e (ii) (i) (ii): (i) (ii) -5 (i) (ii) -5 S{ R ; 5}. ) Resolver a inequação 4< 4 +. Resolução (i) 4< <0 ( ) >0. (ii) Resolução de (i): Estudar a variação do sinal da função f ( ). a >0 Concavidade para cima. 0 ( )0 Zeros{0,}. Δ>0 Duas raízes reais diferentes. ± 0 0 S(i){ R ; <0 ou >}. Reta real: 0

24 Resolução de (ii): Estudar a variação do sinal da função g ( ) 6. a >0 Concavidade para cima. 60 Δ5>0 Duas raízes reais diferentes. ± 5 - S(ii){ R ; }. Reta real: Intersecção entre (i) e (ii) (i) (ii): (i) 0 - (ii) - (i) (ii) - 0 S{ R ; <0 ou < } Inequação-produto e inequação-quociente Definição 4: RESOLUÇÃO: Para resolver uma inequação-produto ou uma inequação-quociente, fazemos o estudo dos sinais das funções polinomiais envolvidas. A seguir, determinamos o sinal do produto ou quociente dessas funções, lembrando as regras de sinais do produto e do quociente de números reais. Eemplos: ) Resolver a inequação ( ) ( +4)>0. Resolução f() a > 0 Δ6 > 0 - e g() +4 a < 0 Δ5 > 0 f() 4 e g()

25 f ( ) g( ) f( ) g( ) -4 - S{ R ; 4< < ou < <}. ) Resolver a inequação Resolução f() 5 +6 a > 0 Δ > 0 e g() 6 a > 0 Δ64 > 0 4 e 4 f() g() f ( ) g( ) f ( ) g( ) -4 4 S{ R ; < 4 ou ou >4}. ) Determine o domínio da função f ( ) Resolução 0 6. f só representa um número real se f() 0 a > 0 Δ49 > 0 e 5 g() 6 a > 0 g() 0 6 f() g()

26 f ( ) g( ) f ( ) g( ) D { R ; 5 ou >6}. AULA 0 EXERCÍCIOS ) Considere a função f do 0 grau, onde f(0) 5, f() e f(-). Escreva a lei de formação dessa função e calcule f(5). ) Determine o valor de m para que a parábola que representa graficamente a função y + m passe pelo ponto (, 6) ) Determinar os zeros da função y 4 5 4) Seja a função f() + k. Sabendo que essa função possui dois zeros reais iguais, determine o valor real de k. 5) A função f() + k + 6 possui duas raízes reais, m e n, de modo que 5 + m n. Determine o valor de f(-) nessa função 6) Determinar as coordenadas do vértice V da parábola que representa a função f() ) Determinar a e b de modo que o gráfico da função definida por y a + b 9 tenha o vértice no ponto (4, - 5) 8) Determinar o conjunto imagem da função f() + 9) A função f() 6 admite valor máimo ou valor mínimo? Qual é esse valor? 0) Considerar todos os possíveis retângulos que possuem perímetro igual a 80 cm. Dentre esses retângulos, determinar aquele que terá área máima. Qual será essa área? ) Determinar p de modo que a função f() p + (p ) + p assuma valores positivos para todo real. ) Resolver a inequação + 0 ) Determinar o conjunto solução da inequação ) Resolver a inequação 4 < ) Resolver a inequação < f(5) - 65 ) 4 ) 5 e - 4) / 5) 5 6) V, 0 0 7) a e b - 8 8) Im y R / y 4 9) O valor mínimo da função é y - 5/4 0) O retângulo que terá a maior área será o de lados 0 cm e 0cm, e a área máima será de 400 cm. ) p R / p > 4 S R, ou, ) { } ) S R 4) S { R < 0 ou < } 5) S { R < - ou -< <} Respostas ) f()

27 AULA 04 FUNÇÃO EXPONENCIAL. Revisão de Potenciação.. - Potências com epoente natural Sendo a um número real e n um número natural, com n, definimos: (Eq.4) (Eq.5) (Eq.6) n a a 4 a a 4 K a. n fatores Para n e n 0 são definidos: a a. 0 a ( a 0)... - Potências com epoente inteiro Se a é um número real não-nulo ( a 0) e n um número inteiro e positivo, definimos: (Eq.7) n a n. a.. - Potências com epoente racional Se a é um número real positivo e n m um número racional, com n inteiro positivo, definimos: (Eq.8) m n a n a m...4 -Potências com epoente real Podemos considerar que as potências com epoente real têm significado no conjunto dos números reais. Temos, por eemplo: 0 5, Propriedades Para as potências com epoente real são válidas as seguintes propriedades operatórias: m n m n a a a +. m n m n a : a a ( a 0). m n m n ( a ) a. n a b) ( n n a b. n a b n a b n (b 0). 6

28 Eemplos ) Dê o resultado mais simples de ( ): 5. Resolução Usando as propriedades, temos: ( ): 5 ( ): : 5 5 ) Calcule o valor da epressão Resolução ) Simplifique. Resolução ( ) ) Calcule 8. Resolução 4 Primeira resolução: Segunda resolução: 8 ( ) ) Determine o valor de 8, 0 : 8,. Resolução 0 7 8, 0 : 8, 0, 7 0, , 4 0, 5 ( ) 9. 0) Qual o valor de 5 ( 0 ) :( 0, )? Resolução 5 ( 0 ) :( 0, ) 5 0 :(0 ) 5 0 : 0 0 ( 5) Equações eponenciais Definição 5: Chama-se equação eponencial toda equação que contém incógnita no epoente. Eemplo:

29 Resolução de equações eponenciais Para resolver uma equação eponencial, devemos transformá-la de modo a obter potências de mesma base no primeiro e no segundo membros da equação utilizando as definições e propriedades da potenciação. Além disso, usaremos o seguinte fato: Definição 6: Se a >0, a e é a incógnita, a solução da equação Eemplos: ) Resolver a equação Resolução 4 5. a p a é p. Usando as propriedades das potências, vamos transformar o o e o membros da equação em potências de mesma base: 4 5 S 9. ( ) ) Uma empresa produziu, num certo ano, 8000 unidades de determinado produto. Projetando um aumento anual de produção de 50%, pergunta-se: a) Qual a produção P dessa empresa t anos depois? b) Após quantos anos a produção anual da empresa será de unidades? Resolução 50 a) Obs: 50% 0,5 00 Um ano depois: , (+0,5)8000,5 Dois anos depois: (8000,5),58000 (, 5) Três anos depois: (8000 (, 5) ),58000 (, 5) t Produção P, t anos depois: P8000 (, 5) b) Fazendo P40500, na fórmula anterior, obtemos a equação: t (, 5) Resolvendo a equação: t (, 5) t (, 5). Obs:, t 8 6 t 4 4 t 4 t 4. Desse modo, a produção anual da empresa será de unidades após 4 anos. 8

30 ) Determine o conjunto solução da equação Resolução 0 Sabendo que 8, temos: S{ }. 8 + no universo dos números reais... - Resolução de equações eponenciais com o uso de artifícios Para se resolver determinadas equações eponenciais, são necessárias algumas transformações e artifícios. Eemplos: ) Resolver a equação Resolução Usando as propriedades da potenciação, vamos fazer uma transformação na equação dada: ( ) ( ) Fazendo y, temos a equação do o grau em y : 5 ± 5 6 y 5 y +40 y y 4 e y. Voltando à igualdade y : y 4: y 4. y : y 0 0. S{0,}. ) Determine o conjunto solução da equação Resolução Preparando a equação, temos: Fazendo 5 y, temos: 5 y 5 y 4 y 54 y y 4 y 50 y y Voltando à igualdade 5 y : y 5: 5 y y : 5 y S{} Esta equação não tem raiz em R, pois. - Função eponencial 5 >0, para todo real. Definição 7: A função f : R R dada por f ( ) a (com a >0 e a ) é denominada função eponencial de base a. 9

31 .. - Gráfico da função eponencial no plano cartesiano Dada a função f : R R, definida por f ( ) a (com a >0 e a ), temos dois casos para traçar seu gráfico: (i) a > e (ii) 0< a <. (i) a >. ) Traçar o gráfico de f ( ). f ( ) y OBS.: Quanto maior o epoente, maior é a potência crescente. (ii) 0< a <. a, ou seja, se a > a função f ( ) a é ) Traçar o gráfico de f ( ). f ( ) y

32 Obs.: Quanto maior o epoente, menor é a potência f ( ) a é decrescente. Com base no gráfico, podem-se tirar algumas considerações: a, ou seja, se 0< a < a função.. - Características da função eponencial Seja f : R R, definida por f ( ) a (com a >0 e a ). Domínio da função f são todos os números reais D R. Imagem da função f são os números reais positivos Im R +. A curva da função passa pelo ponto (0,). A função é crescente para a base a >. A função é decrescente para a base 0< a <..4 - Inequações eponenciais Definição 8: São inequações eponenciais aquelas que aparecem incógnitas no epoente Resolução de inequações eponenciais Para resolver inequações eponenciais, devemos observar dois passos importantes: ) Redução dos dois membros da inequação a potências de mesma base; ) Verificar a base da eponencial, a > ou 0< a <, aplicando as propriedades abaio. Caso (i): a > Caso (ii): 0< a < m a > a n m > n As desigualdades têm mesmo sentido Eemplos: ) Resolva a inequação >. Resolução 5 Como, a inequação pode ser escrita: > 5 Caso (i): a >. >5. S{ R ; >5}. m a > a n m < n As desigualdades têm sentidos diferentes ) Resolva a inequação + ( ). Resolução + ( ) + 0 ( ) ( ) Caso (i): a >. + 0 Tome f ( ) + f ( ) S{ R ; / ou 0}.

33 ) Resolva a inequação + < 7 Resolução + 7 < Caso (ii): 0< a <. +> 7 > 0 ( ) <0. S{ R ; <0}.. AULA 04 EXERCÍCIOS ) Uma cultura inicial de 00 bactérias, reproduz-se em condições ideais. Supondo que, por divisão celular, cada bactéria dessa cultura dê origem a duas outras bactérias idênticas por hora. a) Qual a população dessa cultura após horas do instante inicial? b) Depois de quantas horas a população dessa cultura será de 5.00 bactérias? ) Resolva as equações: a) b) ) Determine o conjunto solução das seguintes equações: a) b) c) 4 5 4) Se f() + e g(), determine para que f(g()). 5) Cada golpe de uma bomba etrai 0% de óleo de um tanque. A capacidade do tanque é de m e, inicialmente, esta cheio. a) Após o 5 o golpe, qual o valor mais próimo para o volume de óleo que permanece no tanque? b) Qual é a lei da função que representa o volume de óleo que permanece no tanque após n golpes? 6) Resolva as inequações: a) ( 5) ( 5) b) < C) X + 0,75 + < 7) Determine o domínio da função y Respostas: ) a) 800 bactérias b) 9 horas ) a) / b) 4 ) a) {0, } b) {, } c) {, } 4) 0 5) a) 0,59m b) f(n). (0,9) n 6) a) { R /, ou, 4} b) { R / > } c) { R / < 0} 7) { / } R

34 AULA 05 4 FUNÇÃO LOGARÍTMICA 4. Definição de Logaritmo Definição 9: Dados dois números reais positivos, a e b, com a, eiste um único número real de modo que a b. Este número é chamado de logaritmo de b na base a e indica-se log a b. Podemos então, escrever: (Eq.9) a b log a b ( a >0 e b >0). Na igualdade log b, temos: a é a base do logaritmo; b é o logaritmando ou antilogaritmo; é o logaritmo. a Eemplos: Calcular o valor de nos eercícios seguintes: ) log. ) log ) log ) log ) log OBS. : base é 0. log b significa log b 0. Quando não se indica a base, fica subentendido que a 4. - Conseqüências da definição Tome a >0, b >0 e m um número real qualquer. Da definição de logaritmos, pode-se verificar que:

35 ) O logaritmo de em qualquer base é igual a zero. 0 log a 0, pois a. ) O logaritmo da própria base é igual a. log a a, pois a a. ) O logaritmo de uma potência da base é igual ao epoente. log m a a m, pois m a a m. 4) O logaritmo de b na base a é o epoente ao qual devemos elevar a para obter b. a b a log b, pois a b log b Propriedades dos logaritmos ) Logaritmo de produto loga ( y) log a + log a y ( a >0, >0 e y >0). ) Logaritmo de quociente log a loga log a y ( a >0, >0 e y >0). y ) Logaritmo de potência log m a m log a ( a >0, >0 e m R ) Cologaritmo a Cologaritmo de um número positivo b numa base a ( a >0) é o logaritmo do inverso desse número b na base a. (Eq.0) Eemplo: colog a b log a colog a b log a b ( a >0 e b >0). b Sabendo que log a e log 5b, calcule os logaritmos abaio, em função de a e b. a) log 5 log 5 log ( 5) log + log 5 a +b. b) log 675 log 675 log ( 5 ) log + log 5 log +log 5 a +b. c) log log log 0 5 log 0 log 5 b Mudança de base As propriedades logarítmicas são válidas para logaritmos numa mesma base, por isso, em muitos casos, é conveniente fazer a conversão de logaritmos de bases diferentes para uma única base. A seguir, será apresentada a fórmula de mudança de base. 4

36 Seja: log a b a b. Aplicando o logaritmo na base c em ambos os membros, obtemos: log c a log c b log log c a log c b log Então: log log a b log b a (Eq.) c ( a >0, c >0 e b >0). c Eemplos: ) Sendo log 0, e log 0,4, calcule log 6. log 6 c c b a, mas log a b. log 6 log( ) log + log 0, + 0, 4 0, 7 7. log log log 0, 0, ) Resolva a equação log + log 4 + log 6 7. A condição de eistência é >0. Transformando para a base : log + log 4 + log 6 7 log log log log 4 log6 log log + log log + log + log log 8 log satisfaz a condição de eistência. Logo, o conjunto solução é: S{6}. ) Resolva a equação log ( +)+ log ( )5. Condições de eistência são: +>0 e >0 > e >. Então: >. log ( +)+ log ( )5 log [( +) ( )]5 ( +) ( ) ±6 6 não satisfaz a condição de eistência mas, 6 satisfaz. Logo, o conjunto solução é: S{6}. 5

37 4.6 - Função logarítmica A função eponencial g : R R + definida por g ( ) a (com a >0) é bijetora. Nesse caso, podemos determinar a sua função inversa. É a função logarítmica definida abaio. Definição 0: A função f : logarítmica de base a. + R R definida por f ( ) log (com a >0) é chamada função Gráfico da função logarítmica no plano cartesiano Como os gráficos de funções inversas são simétricos em relação à bissetriz dos quadrantes ímpares, o gráfico da função logarítmica é de imediata construção, uma vez que já vimos o gráfico da função eponencial. Seja f : R+ R, tal que y log a e f : R R +, tal que y a. Os gráficos de f e f serão plotados no mesmo plano cartesiano ortogonal. (i) a > y a y y log a y a Gráfico da função logarítmica e eponencial ( a >). (ii) 0< a <. y a y y y log a Gráfico da função logarítmica e eponencial (0< a <). 6

38 4.7 - Inequações logarítmicas Chamamos de inequação logarítmica toda inequação que envolve logaritmos com a incógnita aparecendo no logaritmando, na base ou em ambos. Eemplos: ) Resolva a inequação log ( ) log 4. Condição de eistência: >0 > (i). Base: (0< a <). Como a base é um número entre 0 e, a função logarítmica é decrescente e o sentido da desigualdade se inverte para os logaritmandos. 4 (ii). A solução da inequação deve satisfazer as duas condições: (i) (ii) 7 S{ R ; < 7}. (i) (ii) 7 ) Resolva a inequação log 4 ( ) log 4 ( +0). a Condição de eistência: >0 <0 ou > (i). a Condição de eistência: +0>0 > 5 (ii). Base: ( a >) ou 5 (iii). A solução da inequação deve satisfazer as três condições: (i) 0 (ii) -5 (iii) - (i) (ii) (iii) -5-0 S{ R ; 5< ou 5}. 5 7

39 ) Suponha que o preço de um carro sofra uma desvalorização de 0% ao ano. Depois de quanto tempo, aproimadamente, seu preço cairá para cerca da metade do preço de um carro novo? (Use log0 0,) p p 0 ( 0,) t p p 0 (0,8) t p p 0 p 0 Procura-se p, logo: 8 0 t t t p 0 8 p 0 ( p0 0) 0 t t 0 0 Aplicando log 0 em ambos os membros, temos: log 0 t log 0 ( t log 0 ( t 0 ) t log 0 0 ) log 0 t t log0 + log0 0 log0 t log0 t log0 0 0,t 0, t 0,0,9t t 0, 0,t t O preço do carro cairá para a metade do preço do carro novo depois de anos AULA 05 EXERCÍCIOS ) Resolva as seguintes equações: a) log ( 4) b) log ( ) c) (log ) log 6 0 d) log 5 (log ) ) Sabendo que log 0,0 e log 0,477, calcule: a) log 6 b) log 5 c) log,5 d) log ) Qual o conjunto solução da equação a) log ( ) log ( ) 4 + b) + log log0 00 a) log (5 ) > log 4 b) log ( 4) > c) log ( ) + log ( ) Respostas: ) a) b) ½ c) {/9, 7} d) 4 ) a) 0,778 b) 0,699 c) 0,98 d) 0,85 ) a) b) 00 4) { R / <, ou, > 4, e, 5} 5) a) S { R / > } b) S { R / > 6} c) S R / 5} { < 4) Determine o campo de eistência da função ( ) log ( ) log ( 0 5) f + 5) Resolva as inequações: 8

40 AULA FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS 5. - Seno e cosseno de um arco: Tome o arco α dado na figura abaio: N O P α M A [Fig.5] Arco α para o conceito de seno e cosseno. Seno de um arco é a ordenada do ponto P. (Eq.) sen αon MP. Cosseno de um arco é a abscissa do ponto P. (Eq.) cos αom NP. 5.. Conseqüências: Para qualquer ponto da circunferência, a ordenada e a abscissa nunca são menores que nem maiores que +. Por isso dizemos que seno e cosseno são números compreendidos entre e +, o que nos permite concluir: (Eq.4) sen α e cos α Função seno e função cosseno Função seno é a função que associa a cada arco R o número sen R, ou y sen. Função cosseno é a função que associa a cada arco R o número cos R, ou y cos Gráfico das funções seno e cosseno Para estudar a função seno ( y sen ) e a função cosseno ( y cos ) vamos variar no intervalo [0,π] Função seno: y sen y O A O π π π π 6 4 π π π [Fig.6]Gráfico da função seno. 9

41 Conclusões O domínio da função y sen é o conjunto dos números reais, isto é, D R. A imagem da função y sen é o intervalo [,+], isto é, sen +. Toda vez que somamos π a um determinado valor de, a função seno assume o mesmo valor. Como π é o menor número positivo para o qual isso acontece, o período da função y sen é p π. Essa conclusão pode ser obtida, também, a partir do ciclo trigonométrico onde marcamos o arco. Quando adicionamos k π ao arco, obtemos sempre o mesmo valor para o seno, pois a função seno é periódica de período π. (Eq.5) sen sen ( + k π), k Z (Inteiros) Seno é função ímpar No ciclo trigonométrico, os pontos correspondentes aos números e têm imagens simétricas em relação ao eio das abscissas. Daí resulta que as ordenadas desses pontos têm o mesmo valor absoluto, porém, sinais opostos. Então, sen ( ) sen. Quando uma função f é tal que f ( ) f ( ), para todo do seu domínio, dizemos que f é uma função ímpar. Como sen ( ) sen, para todo real, podemos afirmar que a função seno é ímpar Função cosseno y cos y O A O π π π π 6 4 π π π [Fig. ]: Gráfico da função cosseno Conclusões O domínio da função y cos é o conjunto dos números reais, isto é, D R. A imagem da função y cos é o intervalo [,+], isto é, cos +. O período da função y cos é p π. Essa conclusão pode ser obtida, também, a partir do ciclo trigonométrico onde marcamos o arco. Quando adicionamos k π ao arco, obtemos sempre o mesmo valor para o cosseno, pois a função cosseno é periódica de período π. (Eq.6) cos cos ( + k π), k Z (Inteiros) Cosseno é função par No ciclo trigonométrico, os pontos correspondentes aos números e têm imagens simétricas em relação ao eio das abscissas. Daí resulta que esses pontos têm a mesma abscissa. Então, cos ( )cos. 40

42 Quando uma função f é tal que f ( ) f ( ), para todo do seu domínio, dizemos que f é uma função par. Eemplos: Como cos ( )cos, para todo real, podemos afirmar que a função cosseno é par. ) Construa o gráfico da função y sen, dando o domínio, a imagem e o período. sen sen y π π π ( ) y O π π π π π Observando o gráfico, temos: D R, Im [,], e p π. ) Construa o gráfico da função y cos, dando o domínio, a imagem e o período. cos y 0 0 π π 0 0 π π π π 0 0 π 4π Observando o gráfico, temos: D R, Im [,], e p 4π. y O π π π 4π 5. - Tangente de um arco Tome o arco α dado na figura abaio: eio das tangentes N O α P M T A [Fig. ]: Arco α para o conceito de tangente. 4

43 Tangente de um arco é a ordenada do ponto T (segmento AT). (Eq.7) tan α AT Conseqüências O eio vertical, suporte de AT, é chamado eio das tangentes. π Podemos dizer que tan α só é definida se α R e α + k π ( k Z ) Função tangente π Função tangente é a função que associa a cada arco R, com + k π (k Z ), o número tan R, ou y tan Gráfico da função tangente Para estudar a função tangente ( y tan ) vamos variar no intervalo [0,π]. y,7 0,58 O A O π π π π 6 4 π π 0,58,7 π [Fig. 4]: Gráfico da função tangente Conclusões O domínio da função y tan é o conjunto dos números reais R, com π + k π (k Z ), isto é, D { R / π + k π, k Z }. A imagem da função y tan é o conjunto dos números reais. Toda vez que somamos k π a um determinado valor de, a função tangente assume o mesmo valor. Como π é o menor número positivo para o qual isso acontece, o período da função y tan é p π. (Eq.8) tan ( + k π) tan, k Z Tangente é uma função ímpar Como tan ( ) tan, para todo real, com π + k π (k Z ), podemos afirmar que a função tangente é ímpar. 4

44 5. - Cotangente de um arco Tome o arco α dado na figura abaio: N O B α P M A C eio das cotangentes [Fig. 5]: Arco α para o conceito de cotangente. Cotangente de um arco é a abscissa do ponto C (segmento BC). (Eq.9) cot α BC Conseqüências O eio horizontal, suporte de BC, é chamado eio das cotangentes. Podemos dizer que cot α só é definida se α R e α k π ( k Z ) Função cotangente Função cotangente é a função que associa a cada arco R, com k π (k Z ), o número cot R, ou y cot Gráfico da função cotangente Para estudar a função cotangente ( y cot ) vamos variar no intervalo [0,π].,7 0,58 y O A O π π π 6 4 π π π π 0,58,7 [Fig. 6]: Gráfico da função cotangente Conclusões O domínio da função y cot é o conjunto dos números reais R, com k π (k Z ), isto é, D { R / k π, k Z }. A imagem da função y cot é o conjunto dos números reais. Toda vez que somamos k π a um determinado valor de, a função cotangente assume o mesmo valor. Como π é o menor número positivo para o qual isso acontece, o período da função y cot é p π. cot ( + k π)cot, k Z. 4

45 Cotangente é uma função ímpar Como cot ( ) cot, para todo real, com k π (k Z ), podemos afirmar que a função cotangente é ímpar Secante e cossecante de um arco Tome o arco α dado na figura abaio: D N O α P M A S [Fig. 7]: Arco α para o conceito de secante e cossecante. Traçando uma reta tangente à circunferência pelo ponto P, interceptamos o eio das abscissas no ponto S e o eio das ordenadas no ponto D. (Eq.0) sec αos. (Eq.) cossec αod Função secante e cossecante Função secante é a função que associa a cada arco R, com π + k π (k Z ), o número sec R, ou y sec Função cossecante é a função que associa a cada arco R, com k π (k Z ), o número cossec R, ou y cossec Gráfico da função secante Para estudar a função secante ( y sec ) vamos variar no intervalo [0,π].,4,5 y O A O π π 4 π 6 π π π π,5,4 [Fig. 8]: Gráfico da função secante. 44

46 Conclusões O domínio da função y sec é o conjunto dos números reais R, com π + k π (k Z ), isto é, D { R / π + k π, k Z }. A imagem da função y sec é o conjunto dos números reais maiores ou iguais a ou menores ou iguais a, isto é, Im { y R / y ou y }. Toda vez que somamos k π a um determinado valor de, a função secante assume o mesmo valor. Como π é o menor número positivo para o qual isso acontece, o período da função y sec é p π. (Eq.) sec ( + k π)sec, k Z Gráfico da função cossecante Para estudar a função cossecante ( y cossec,4,5 y ) vamos variar no intervalo [0,π]. O A O π π π π 6 4 π π π,5,4 [Fig. 9]: Gráfico da função cossecante Conclusões O domínio da função y cossec é o conjunto dos números reais R, com k π (k Z ), isto é, D { R / k π, k Z }. A imagem da função y cossec é o conjunto dos números reais maiores ou iguais a ou menores ou iguais a, isto é, Im { y R / y ou y }. Toda vez que somamos k π a um determinado valor de, a função cossecante assume o mesmo valor. Como π é o menor número positivo para o qual isso acontece, o período da função y cossec é p π. (Eq.) cos sec ( + k π) cossec, k Z Relações trigonométricas Será feito o estudo das relações que eistem entre as funções trigonométricas, pois elas têm muitas aplicações na trigonometria e fora dela. Para as deduções das relações, tomaremos como base o ciclo trigonométrico e um ângulo α dado. 45

47 D eio das tangentes B N O α P T MA S C eio das cotangentes [Fig. 0]: Funções trigonométricas no ciclo. Podemos identificar as funções trigonométricas no ciclo, em relação ao ângulo α: sen αon ; cos αom ; tan α AT ; cot α BC ; sec αos e cossec αod. Analisando as funções no ciclo e fiando inicialmente o ângulo α, podemos fazer as seguintes mudanças, para facilitar o entendimento das relações trigonométricas: O unidade cossecα secα BD F senα tanα α A C E cosα cotα [Fig. ]: Funções adaptadas no ciclo. Com as novas adaptações, temos as seguintes funções: sen α AB ; cos αoa ; tan αcd ; cot αoe ; sec αod e Daí tiram-se três triângulos semelhantes: cossec αof. ΔOAB ΔOCD ΔOEF. O α cosα B A senα O D α tanα C O secα α cossecα cotα [Fig. ]: Triângulos semelhantes. F E Usando o teorema de Pitágoras sen α+cos α; tan α+sec α; cot α+ cossec α Usando semelhança entre triângulos 46

48 Com base na figura acima, tome as seguintes proporções, dadas as razões entre os triângulos: secα Razões do triângulo para : sec α ; cosα cosα tan α senα sen α tan α. cosα cosα cossecα Razões do triângulo para : cossec α ; senα senα cotα cosα cosα cot α. senα senα cossecα secα secα Razões do triângulo para : cossec α ; tanα tanα cotα cot α. tanα tanα Eemplos: Com base nos três triângulos semelhantes da figura anterior, resolva os eercícios que seguem abaio: ) Determine as razões que se pede abaio, do triângulo para. tan α sen α ; secα cos α. secα ) Determine as razões que se pede abaio, do triângulo para. sen α cos α cossecα cotα cossecα ;. ) Determine as razões que se pede abaio, do triângulo para. cossecα sec α ; cot α tan α. cotα Identidades trigonométricas A igualdade sen α+cos α é verdadeira para qualquer α pertencente aos domínios das funções seno e cosseno. Logo, ela é uma identidade trigonométrica. Quando temos uma igualdade, só podemos aceitá-la como identidade após uma prova, ou seja, após uma demonstração. Para fazer uma demonstração desse tipo, podemos nos valer de qualquer das relações dadas acima, que são identidades. 47

49 Processo para demonstrar identidades Considerando a igualdade, levaremos todas as funções envolvidas para uma razão equivalente em um dos três triângulos. Depois é só operar ambos os membros e chegar a uma mesma epressão. Eemplos: Nos eercícios seguintes, demonstre que as igualdades são identidades: ) tan α sen α tan α sen α O α cosα Levar do triângulo para : B senα A O D α tanα C O secα α cossecα cotα tan α sen α tan α sen α sen α sen α sen α sen α cos α cos α 4 sen α sen α sen αcos α cos α cos α 4 sen α sen α(sen α) cos α cos α 4 4 sen α sen α C.Q.D. (como queríamos demonstrar). cos α cos α F E ) (+cot α) +( cot α) cossec α O α cosα B senα A O D α tanα C O secα α cossecα cotα F E Todas as funções já se encontram no triângulo, basta desenvolver: (+cot α) +( cot α) cossec α (+cot α) +( cot α) cossec α +cot α+cot α+ cot α+cot α cossec α +cot α cossec α (+cot α) cossec α cossec α cossec α C.Q.D. ) sec α+ cossec αsec α cossec α O α cosα B senα A O D α tanα C O secα α cossecα cotα F E 48

50 Levar do triângulo para : sec α+ cossec αsec α cossec sec α sec α sec α+ sec α tan α tan α 4 sec αtan α + sec α sec α tan α tan α 4 sec α (tan α + ) sec α tan α tan α 4 sec α (sec α) sec α tan α tan α 4 4 sec α sec α C.Q.D. tan α tan α α 4) senα cosα cossecα secα O α cosα B senα A O D α tanα C O secα α cossecα cotα F E Levar dos triângulos e para : senα cosα cossecα secα senα cosα senα cosα sen α cos α sen αsen α C.Q.D. 5) cossecα senα cot α secα cosα O α cosα B senα A O D α tanα C O secα α cossecα cotα F E 49

51 Levar dos triângulos e para : cossecα senα cot α secα cosα cossecα cossecα cot α cossecα cotα cotα cossecα cossec α cossecα cot α Obs: cossec α cot α cossec α cot α cotαcossecα cot α cotαcossecα cot α cossecα cossec α cot α cot αcossecα cot α cossecα + cot α cot α cot α + 0 cot α cot αcot α C.Q.D. AULA 06 - EXERCÍCIOS ) Dado sen /4, com 0<< π /, calcular cos. ) Para que valores de a temos, simultaneamente, sena + e cos a? π ) Dado cos, com < < π, calcule tg. tgα + cot gα 4) Simplifique a epressão. secα cot gα 5) Demonstre as seguintes identidades: a) ( + cotg )( cos ) b) tg + cotg tg. Cossec sen cos c) tg + cos + cos Respostas: 7 ) cos 4 ) a 0 ou a - ) tg 4) sec α 50

52 AULA LIMITES 6. - Noção Intuitiva: Seja a função f() +. Vamos dar valores a que se aproimem de, pela sua direita (valores maiores que ) e pela sua esquerda (valores menores que ) e calcular o valor correspondente de y. y + y +,0 0,6,0 0,7,0 0,9,04 0,95, 0,98, 0,99 Notamos que a medida que se aproima de, y se aproima de, ou seja, quando tende para ( ), y tende para (y ), ou seja: lim ( + ) De forma geral, escrevemos: lim f ( b a ) Propriedades:. lim [ f ( ) ± g( )] lim f ( ) lim g( ) a a ± f g a. lim [ ( ) ( )] lim ( ) lim ( ). lim lim a f ( ) g( ) a f ( ) lim lim a a a f ( ) g( ) n lim a0 f ( ), n * 4. ( ) 5. lim a a f n N n f ( ) n lim a f ( ), n N sen( f ( )) sen lim f ( ) 6. lim ( ) Eemplos: a ) ) lim ( + a * a g ) lim ( cos π ) cos ) lim

53 4) lim ( + ) 5) lim + 6) lim sen( + ) 7) lim ( + 4 ) 4 8) lim 4 + 9) lim ) lim + ) lim + ) lim 0 ) lim ( ) 4) lim 0 (cos + sen ) 5

54 8 5) lim 4 h 6) lim h h 5 + t 5 7) limt 0 t (4 + t) 6 8) limt 0 t + + 9) lim + 0) lim 0 4 ) lim 5 5

55 AULA 07 - EXERCÍCIOS ) lim ( ) ( 4 + ) (4 ) ) lim ) lim ) lim ) lim + 6) lim ) lim ) lim ) lim + 4 0) lim ) lim 4 4 ) lim 4 ) lim ) lim 5) lim ) lim 4 + 7) lim 5 Respostas ) 8 ) 4 ) 6 5 4) -0 5) - 6) -4 7) 8) 9) 80 0) ) 0 ) 4 ) 4 4) 4 5) 6) 4 7)

56 AULA LIMITES INFINITOS: Quando os valores assumidos pela variável são tais que > N, sendo N tão grande quanto se queria, então se diz que o limite da variável é infinito. lim + ou lim Igualdades Simbólicas: 6... Tipo Soma: a. () + ( ± ) ± b. (+ ) + (+ ) + c. - + (- ) - d. - indeterminado 6... Tipo Produto: a. 5 ( ± ) ± b. (-5) ( ± ) m c. (+ )(+ ) + d. (+ )(- ) - e. ± 0 indeterminado 6... Tipo Quociente: c a. 0 b. c 0 c. 0 0 d. e indeterminado Tipo Potência: + a. c + (c>) + b. c 0 (0<c<) c. 0 0 d. c 0 e. ( + ) + + f. ( ) c (se c for ímpar) g. ( ) c + (se c for par) h. ( + ) 0 i. ( ± ) c 0 j. 0 0 indeterminado k. ( ± ) 0 indeterminado ± l. indetermindado 55

57 Obs.: O limite de uma função polinomial quando tende ao infinito, é o limite do termo de maior grau. Eemplos: ) lim ( + + ) ) lim ) lim + 5 lim ) ) lim ) lim ( ) 56

58 AULA 08 EXERCÍCIOS ) lim (5 + ) 5 4 ( + ) 4 ( + ) 4 + ( ) ( 5 + ) + ( + ) ) lim ) lim 4) lim 5) lim 6) lim + 7) lim ) lim 9) lim ) lim ) lim ) lim ) lim ( + ) + + 4) lim ) lim + 5 6) lim ) lim 4 + 8) lim ( ) 9) lim ( ) Respostas: ) + ) - ) - 4) + 5) + 6) - 7) + 8) 9) 0 0) ) 0 ) + ) 4) 5) - 6) 7) 8) 9) + 57

59 AULA LIMITES TRIGONOMÉTRICOS: sen lim 0 Demonstrando o limite fundamental por tabela temos que: Sen 0,008 0,008 0,006 0,006 0,004 0,004 0,00 0,00 0,00 0,00 Usando valores de 0 em radianos, obtemos valores iguais ou muito próimos. Eemplos: sen ) lim 0 cos ) lim 0 sen sen 5 ) lim 0 sen + sen sen + sen 5 4) lim sen + sen 5) lim

60 tg 6) lim 0 cos 7) lim 0 8) lim 0 senm senn AULA 09 EXERCÍCIOS sen sen lim 0 4 tg lim 0 sen4 lim 0 sen tg lim 0 tg5 cos lim 0 sen sec lim 0 tg + sen lim 0 sen cos lim 0 tg tg sen lim 0 sen sen lim 0 + sen ) lim 0 ) ) 4) 5) 6) 7) 8) 9) 0) ) cos5 cos ) lim 0 sen4 sen sen ) lim 0 sen sen( + a) sena lim 0 cos lim 0 4) 5) Respostas: ) / ) ¼ ) / 4) 4/ 5) /5 6) ½ 7) ½ 8) 9) - 0) 0 ) 0 ) 0 ) 4) cos a 5) / 59

61 AULA LIMITES DE FUNÇÃO EXPONENCIAL E LOGARÍTMICAS: lim + e () Neste caso, e representa a base dos logaritmos naturais ou neperianos. Trata-se do número irracional e, cujo valor aproimado é,7888 X +,5,70 0,597 00, , ,78 y temos: Nota-se que a medida que, + e De forma análoga, efetuando a substituição y 0 ) y lim ( + y e () y e 00000,78 Ainda de forma mais geral, temos: () lim 0 y ( ) l y + ky e kl (4) lim + k l e kl a (5) lim 0 ln a (6) lim 0 Eemplos: e ) lim + 4 ) lim ( + 0 ) 60

62 ) lim 0 e sen 4) lim 0 5 5) lim + 6) lim ( + ) 0 7) lim 0 sen e 8) lim 0 e sen 9) lim 0 4 sen 5 0) lim 0 4 ) lim log 6 + 6

63 AULA 0 EXERCÍCIOS 4 ) lim ) lim e 5+ 4 ) lim 4 e + + 4) lim log ) lim ln + 0 log + 6) lim 7) lim + + 8) lim + 9) lim ) lim ) lim + ) lim + + ) lim 4) lim ( ) 5) lim ( 0 ) 4 6) lim ) lim + + 8) lim + + ln( + ) 9) lim 0 ln( + ) 0) lim 0 Respostas ) 8 ) e ) e - 4) - 5) ln4 6) 0 7) e 8) e / 9) e 0) e ) e 4 ) e 6 ) e -6 4) e 4 5) e -6 6) e - 7) e 4 8) e 9) ½ 0) / 6

64 AULA 6.5 LIMITES LATERAIS: Consideramos uma função y f(), da qual queremos achar os limites laterais para tendendo a a, ou seja, queremos calcular: y lim f ( )? a+? a Limite lateral à direita y lim f ( )? a? a Limite lateral à esquerda Vejamos como proceder em cada caso: Limite a direita (quando a + ) Fazemos a seguinte troca de variável: Eemplo: lim ( + 4 ) + a + h, com h > 0 a, devemos ter h 0 Limite a esquerda (quando a - ) Fazemos a seguinte troca de variável: a h, com h > 0 a devemos ter h 0 Eemplo: lim ( + 4 ) a f O Limite de uma função eiste quando lim ( ) lim ( ) a+ f 6

65 AULA EXERCÍCIOS ) lim ( + ) lim lim lim + lim ( + 4 ) ) 4) 5) + ) lim + lim ( + 6) 7) ) + ( + ) 8) lim 9) lim lim + 0) 0 ) lim + 0 ) lim 4 ) lim ) lim c) Respostas: - - se f ( ) se se lim f ( ) lim f ( + ) 9 ) ) 4) 6 5) 6) 7) 0 8) 0 9) - 0) + ) 0 ) + ) 4 4) 0 5) a) e 5 b) e - c) e e ) < > 5) Calcule os limites laterais solicitados. a) f ( ) 4 + lim f ( ) + se se se lim > < f (, ), lim ( ) f b) f ( ) 0 - lim f ( ) + se < se se > e f ( ) lim 64

66 AULA 7 - ASSÍNTOTAS HORIZONTAIS E VERTICAIS 7. INTRODUÇÃO: Traçaremos com facilidade um esboço gráfico de uma função se conhecermos as assíntotas horizontais e verticais do gráfico, caso elas eistam. Assíntota são as linhas horizontais e verticais que no gráfico servem para traçarmos a função, onde a função vai tender para este valor, o que encontrarmos da assíntota, porém não "toca " esta reta, pois a assintota são os limites laterais vertical e horizontal da função 7. ASSÍNTOTA VERTICAL Dizemos que a reta a é uma assíntota vertical do gráfico de f, se pelo menos uma das afirmações seguintes for verdadeira: i. lim + a f ( ) ii. lim + a f ( ) iii. lim a f ( ) iv. lim f ( ) a 7. ASSÍNTOTA HORIZONTAL Dizemos que a reta y b é uma assíntota horizontal do gráfico de f, se pelo menos uma das afirmações seguintes for verdadeira: i. lim + f ( ) b ii. lim f ( b Eemplos: ) ) Seja a função eistirem. f ( ). Encontre a equação assíntotas horizontais e verticais se ela ( ) 65

67 ) Considere a função verticais, se ela eistirem. 4 f ( ) ( ). Encontre a equação das assíntotas horizontais e 66

68 8 FUNÇÕES CONTÍNUAS 8. DEFINIÇÃO: Uma função f é contínua em um ponto a se são satisfeitas as seguintes condições: i. f (a) ii. lim f ( ) a a f iii. lim ( ) ( ) f a Eemplos: Verifique se as funções abaio são contínuas no ponto indicado: ) f ( ) 5 + em 4 ) f ( ) em 67

69 ) se < f ( ) se em se > AULA EXERCÍCIOS Escreva a equação das assíntotas das funções abaio, faça um esboço do gráfico da função: 5 ) y + ) y ) y 4) y ( ) 5) y + Verifique se as funções abaio são contínuas nos pontos indicados 6) se f ( ) em se 9 7) f ( ) em 8) f ( ) 5 em 9) 5 + se f ( ) em se < Respostas ) é a equação da assíntota vertical e y 0 é a assintota horizontal ) é a equação da assíntota vertical e y é a assintota horizontal ) 0 é a equação da assíntota vertical e y 0 é a assíntota horizontal 4) é a equação da assíntota vertical e y 0 é a assíntota horizontal 5) é a equação da assíntota vertical e y - é a assíntota horizontal 6) a função não é contínua 7) a função é continua 8) a função é contínua 9) a função não é contínua 68

70 AULA 9 DERIVADAS 9. INTRODUÇÃO: O Cálculo Diferencial e Integral criado por Leibniz e Newton no século XVII tornou-se logo de início um instrumento precioso e imprescindível para a solução de vários problemas relativos à Matemática e a Física. Na verdade, é indispensável para investigação não-elementar tanto nas ciências naturais como humanas. O formalismo matemático do Cálculo que à primeira vista nos parece abstrato e fora da realidade, está internamente relacionado com o raciocínio usado pelas pessoas em geral na resolução de problemas cotidianos. 9. DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE ANGULAR DA RETA TANGENTE AO GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO EM UM DETERMINADO PONTO DESTE GRÁFICO: Seja f uma função representada no gráfico abaio: y f ( ) Gostaríamos de encontrar a inclinação da reta tangente a este gráfico em um determinado ponto, vamos supor P(, f()). Sabemos que o coeficiente angular da reta nos dá a inclinação desta. Sendo assim, devemos encontrar o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico em P (, f()). y f ( ) 69

71 Seja P(, f()) e Q ( + h, f( +h)) dois pontos da função f onde h representa a diferença entre as abscissas de P e Q. É fácil determinar o coeficiente angular da reta PQ utilizando os conceitos de trigonometria no triângulo retângulo. Seja s a reta secante ao gráfico de f pelos pontos P e Q. y f+h ( ) Q f ( ) s f () P R + h Sabemos que o coeficiente angular m PQ da reta secante é dado pr QR mpq ms tgα PR f ( + h) f ( ) m s (i) inclinação da reta secante h Podemos tomar no gráfico pontos Q, Q, Q, Q 5,... Q n cada vez mais próimos de P, a reta s(pq) secante a curva, tende a posição de tangência em P e o acréscimo h, tende a zero. y f+h ( ) Q f ( ) s Q Q f () P Q R + h Logo: m m t t lim lim 0 0 m s f ( + h) h f ( ) onde m representa o coeficiente angular da reta tangente. Esse limite quando eiste é chamado Derivada de t 70

72 9. DEFINIÇÃO: Seja uma função f: D R, e seja D o conjunto de todos os valores tal que eista f (). Chama-se função derivada de f a função f : D R tal que: f '( ) lim Δ 0 f ( + Δ) Δ f ( ) Eemplo: ) Se f() determine a equação da reta tangente ao gráfico f no ponto de abscissa 7

73 ) Seja a função f: R R tal que f(). Obter a função derivada de f: ) Utilizando a definição calcule a derivada da função f() 9.. Outras notações para a função derivada: y (lê-se: derivada de y) y (lê-se: derivada de y em relação a ) dy (derivada de y em relação a ) d Df (derivada de f) 7

74 9.4 SIGNIFICADO FÍSICO DA DERIVADA; A questão fundamental da cinemática consiste em determinar a velocidade de um móvel em um instante qualquer quando é conhecida a equação de seu movimento ou seja, a epressão que nos dá o espaço (posição) em função do tempo, sf(t). Quantitativamente a velocidade eprime em geral, a razão de variação do espaço em relação ao tempo. Quando esta razão é constante, temos o movimento uniforme. Ou seja, se o móvel percorre um espaço Δ S em um intervalo de tempo Δ t, a velocidade é dada pelo quociente ΔS v, que é uma razão constante. Δt Quando porém, temos um movimento variado, ou seja, o móvel percorre espaços diferentes em tempos iguais, é necessário e fundamental distinguir a velocidade média da velocidade instantânea. Se um automóvel percorre 0 km em horas, não podemos concluir deste fato que sua velocidade tenha sido de 60 km/h. Se durante o percurso nós ativéssemos ao velocímetro constataríamos que a velocidade apresentou variação, ora para mais, ora para menos. Portanto a velocidade de 60 km/h que obtivemos dividindo 0km pelo tempo de horas gastos em percorrê-los é o que chamamos de velocidade média. A velocidade que observamos a cada instante no velocímetro do veículo denominamos velocidade instantânean. Consideremos um móvel de equação horária s f(t) que se desloca sobre uma trajetória retilínea de origem O e que em um instante t ocupe uma posição S e num instante t ocupe uma posição S. 0 S S Sabemos que o espaço percorrido pelo móvel entre uma posição e outra é Δ S S S ou Δ S f ( t ) f ( t) e que o tempo gasto para percorrê-lo é Δ t t t. Logo, sua velocidade média neste percurso é: ΔS S S f ( t ) f ( t) V m Δt t t t t Com a definição de velocidade média e considerando a variação do tempo tendendo a zero podemos estabelecer a equação da velocidade instantânea no instante t, dada por: ΔS f ( t ) f ( t) V lim Δ t 0 lim Δt t t logo: Mas t t Δt t t + Δt e considerando t um instante genérico t, temos t t + Δt V f ( t + Δt) f ( t) lim 0 Δt Δt, que é a derivada da função f em relação a sua variável independente t, ou seja: Se S f(t) então S (t) v Raciocínio semelhante pode ser desenvolvido a partir da função velocidade do móvel, v f(t), o que nos levará a concluir que a sua derivada nos fornecerá a aceleração do móvel em um instante qualquer, isto é: Se v f(t) então v (t) a Onde a é a aceleração instantânea do móvel. 7

75 9.5 REGRAS DE DERIVAÇÃO: Esta seção contém algumas regras gerais que simplificam o trabalho de cálculo das derivadas. ) f() c f () 0 ) f() n f () n. n- ) f() u.v f () u v + uv 4) f() u.v.w f () u vw + uv w + uvw 5) f ( ) u v u' v uv' f '( ) v 6) f() u n f () n.u n-.u 7) f() a u f () a u.ln a.u 8) f() e u f () e u.u 9) f() ln u 0) f() log a u u' f '( ) u u' f '( ) u.ln a ) f() cos u f () - u.sen u ) f() sen u f () u.cos u ) f() tg u f () u.sec u 4) f() cotg u f () - u.cossec u 5) f() sec u f () u.sec u. tg u 6) f() cossec u f () - u.cossec u. cotg u 7) f() u v f () v.u v-.u + u v.v.ln u f '( ) u v v ( v'lnu +. u') u 8) f() arc sen u f '( ) u' u 9) f() arc cos u f '( ) u u 0) f() arc tg u u' f '( ) + u 74

76 9.5. Derivada de função Algébrica: Eemplos: ) y 4 ) 7 y 5 7 ) y 4) y + 5) y ( + )( + ) 6) y 5 ( + ) 7) y 8) y

77 AULA EXERCÍCIOS ) y 5X 4 X + X + X + 5 ) y ) y ) y 4 5) y 5 6) y + 7) 5 4 y + 8) y + 6 9) y ) y 7 + ) y ) y + ) y ( + 4 )( + ) 4) y ( )( )( ) 5) y ( 4 + 8) 8 6) y (a- b) 6 7) y a + b 8) y ( 5 ) 9) y ( a + ) a 0) y ) y ) y ) 4) + y a + y a 4 Respostas: ) y ) y ) y ) y' 4 5) 0 y' 6 6) 4 + y' 7) y ' ) y' 8 + 9) y ' ) y ' ( 7) ) y ' ( 5 + 5) ) 4 y ' ( + ) ) y ) y ) y ( )( 4 + ) 7 6) y -b(ª-b) 5 7) y' b ( a + b ) 8) 0 y' 5 9) a y' a 0) y ' ) y ' (6 + 5) ) y ' ( + + 4) ) y' ( ) 4) y' a ( a ) 76

78 AULA Derivada de Funções Eponenciais e Logarítmicas: Eemplos: ) y ) y e ) y e + 4) y e a 5) y e e + 6) log y 7) log ( + ) y a 8) e y e e + e 77

79 AULA 4 EXERCÍCIOS ) y ) y e ) 4) 5) 6) 7) 8) 8 y e y y e e y y ( +) y ( + ) 9) y ln 0) ) ) + y 4log y ln + + y ln ) y ln 9 4) y ln 5) y e ln 6) 7) y ln ln y Respostas: ) y ' ln ) y' e 8 7 ) y ' 8. e + + 4) y' e.( + ) + 5) y' 7.ln 7.( + ) e ( ) 6) y' 7) y' ( + ) + ( + ) ln( + ) + 8) y' ( + )( + ) + ( + )..ln( + ) ln 9) y' 0) y ' ln0 ) y' ( + ) ) y' ( ) ) y' 9 ln 4) y' ( ln ) 5) y' e ln + 6) y ' (ln + ) ln 7) y' 78

80 AULA Derivada de Funções Trigonométricas: Eemplos: ) y sen 5 ) y cos ) y tg 4) y sec 4 5) y tg 6) y tg 7) y cotg( ) 8) y cos 9) y sen.cos 0) cos y ) y arccos 79

81 AULA 5 EXERCÍCIOS ) y cossec 7 ) y sen + cos ) y sen 5 4) y 5sen 5) y tg 6) y sen + 7) cos y e 8) y (cos ) 9) sen y cos 0) y e sen + 4 ) y sec ) y sen. e ) y arcsen 4) y arctg 5) y arcsen( ) 6) y arctg 7) y arcsen(5 ) 8) y arc cot g( ) 9) y arcsec 0) y arccossec( ) ) y + arcsen ) y. arctg ) y ln arccos Respostas ) y -7cossec7.cotg7 ) y cos-sen ) y 5sen 4.cos 4) y 5sen.cos tg 5) y' cos. sen cos + 6) y ' + ( sen + cos ) cos 7) y' e 8) y' (cos ) (ln cos tg) 9) y' sec 0) y' e ( sen + cos ) + ) y ' sec. tg ) y e (sen+cos+sen) ) y' 9 4) y ' + 5) y ' 9 + 6) 4 y' ) y ' ) y' 4 + 9) y ' 6 0) y' ( ) ) y' + ) y' arctg + + ) y' arccos. 80

82 AULA DERIVADAS SUCESSIVAS Seja f uma função contínua em um intervalo I e derivável em um intervalo A I. Vimos que a derivada de f em A denotamos por f. Se f é derivável em um intervalo B, B A, a esta derivada de f denotamos por f denominamos derivada segunda de f. Procedendo de maneira análoga, definimos as derivadas terceiras, quarta,...,enésimas. Eemplo: ) Obtenha até a derivada de 5 a ordem da função f() 5 5 ) Dada a função f() 4 + 4, pede-se calcular f (-) e f (6) (5) 9.7 REGRAS DE L HOSPITAL Agora apresentaremos um método geral para levantar indeterminações do tipo 0 0 ou. Esse método é dado pelas regras de L Hospital. Regras de L Hospital:Sejam f e g funções deriváveis num intervalo aberto I. Suponhamos que g () 0 para todo a em I. f '( ) i). Se lim a f ( ) lim a g( ) 0 e lim a L então: g'( ) f ( ) f '( ) lim a lim a L g( 0 g'( ) 8

83 f '( ) ii). Se lim a f ( ) lim a g( ) e lim a L então: g'( ) f ( ) f '( ) lim a lim a L g( ) g'( ) f '( ) f '( ) Obs.: A regra de L Hospital continua válida se lim a + ou lim a. Ela g'( ) g'( ) também é válida para os limites laterais e para os limites no infinito. Eemplos: Determinar ) lim 0 e ) sen lim 0 ) cos lim 0 4) lim 4 4 5) + 6 lim + 8

84 AULA 6 EXERCÍCIOS ) lim + ) lim + ) lim e 4) lim ln sen 5) lim 0 e 6) lim + e e 7) lim tg 8) lim 0 sen e e 9) lim 0 sen 0) lim senπ sen ) lim π π sen ) lim 0 a b ) lim 0 sen 4) lim π π e 5) lim 0 cos 6) Obter a derivada terceira das seguintes funções: a) f() + + b) f() 5 + c) f ( ) d) f() - e) f() sen f) f() e 7) Obter a derivada segunda das seguintes funções: a) y a + b) y e.cos Respostas ) ) ) 0 4) 5) 0 6) 0 7) e 8) 9) 0) π ) 0 ) 6 ) a ln b 4) 0 5) - 6) a) 6 b) 0 c) 0 d) -0-6 e) -7cos f) 8e a 7) a) y" ( a + ) b) y -e sen 8

85 9.8 APLICAÇÃO DAS DERIVADAS AULA Taas de Variação Relacionadas Notemos que se duas grandezas variáveis estão relacionadas entre si através de uma terceira grandeza, então suas taas de variação em relação a esta grandeza da qual dependem também estarão. Eemplos: Eemplo: Se y depende de e depende de t, temos: ) Um quadrado se epande de modo que seu lado varia a razão de 5 cm/s. Achar a taa de variação de sua área em relação ao tempo no instante em que o lado mede 5cm. dy dt dy d d dt ) Um cubo se epande de modo que sua aresta varia a razão de,5cm/s. Achar a taa de variação de seu volume no instante em que sua aresta mede 0cm. 84

86 Prof a Paula Francis Benevides ) Acumula-se areia em um monte com a forma de um cone onde a altura é igual ao raio da base. Se o volume de areia cresce a uma taa de 0 m /h, a que razão aumenta a área da base quando a altura do monte é de 4m? 85

87 9.8. Máimos e Mínimos Introdução: Suponha que o gráfico abaio tenha sido feito por um instrumento registrador usado para medir a variação de uma quantidade física em relação ao tempo. Em tal caso, o eio dos representa o tempo e as ordenadas dos pontos do gráfico, os valores da quantidade f(). Por eemplo, os valores de y podem representar medidas de temperaturas, pressão, corrente em um circuito elétrico, pressão sangüínea de indivíduo, quantidade de um produto químico em uma solução, bactérias em uma cultura, etc. Observemos que há intervalos em que a função é crescente e outros nos quais ela é decrescente. y M P N a b c d e A figura mostra que f é crescente no intervalo de ]a,b[, decrescente de ]b, c[, crescente ]c, d[ e decrescente de ]d, e[. Se restringirmos nossa atenção ao intervalo de [b, e], veremos que a quantidade atingiu seu máimo (maior valor) em d e seu mínimo em c. Observe que em outros intervalos eistem diferentes máimos e mínimos. O ponto M da curva, de abscissa b, situa-se eatamente no ponto onde a função passa de crescente para decrescente. Dizemos então que a função apresenta um máimo local em b, ou que f(b) é um máimo local da função. Isto é, o valor de f(b) é o maior valor que a função assume para valores de, próimos de b. Convém observar que o ponto M não é o ponto mais alto do gráfico. M é o ponto mais alto dos que lhe são próimos. Por isso o adjetivo local. Vejamos agora que a função é decrescente no intervalo de ]b, c[ e crescente de ]c, d[. O ponto N da curva situa-se eatamente no ponto em que a função passa de decrescente para crescente e sua abscissa é c. Observamos que N é o mais baio ponto entre os que lhe são próimos. Dizemos que a função apresenta ai um mínimo local, ou que f(c) é um mínimo local de f. O valor de f(c) é o menor valor que a função assume para valores próimos de, próimos de b. Notemos que a função pode apresentar outros máimos e mínimos locais. Definição : Seja f uma função definida em um intervalo l e c um número em l, então: i). f() é máimo de f em l se f() f(c) para todo em l ii). f() é mínimo em f em l se f() f(c) para todo em l Definição : Seja c um valor do domínio de uma função f i). f(c) é máimo local de f se eiste um intervalo (a,b), contendo c, tal que f() f(c) para todo em (a,b) ii). f(c) é mínimo local de f se eiste um intervalo (a,b), contendo c, tal que f() f(c) para todo em (a,b) Teorema: Se uma função f tem etremo local para um valor c, então f (c) 0 ou f (c) não eiste. 86

88 Suponha que uma função f seja derivável, neste caso o seu gráfico admite tangente em cada ponto, conforme o gráfico abaio. B A No ponto B, de máimo local, e A de mínimo local, a tangente ao gráfico é uma reta horizontal, paralela ao eio. Logo f (a) f (b) 0 pois o coeficiente angular da reta tangente é a derivada da função no ponto. Se f é uma função derivável e o ponto tal que f ( o ) 0 ou não eista, dizemos que 0 é um ponto crítico da função f. Portanto da afirmação anterior, concluímos que os máimos e mínimos locais de uma função ocorrem em pontos críticos da função. A condição f () 0 é necessária para que haja máimo ou mínimo local no ponto, mas não é suficiente. Seja por eemplo a função f(). Derivando temos: f (), logo f () 0 e o ponto de abscissa 0 não é nem máimo local nem mínimo local da função. Definição : Um ponto (número) c do domínio de uma função f é ponto crítico de f se, ou f (c)0 ou f (c) não eista. Eemplo: Determine os pontos críticos da função f()

89 9.8.. Determinação dos Máimos e Mínimos locais: º) Calcular a derivada primeira da função f e resolver a equação f ()0, cujas raízes são as abscissas dos pontos críticos de f. º) Eaminamos cada ponto crítico encontrado afim de verificar se trata-se de etremo ou não. Para isso, utilizaremos o teste da derivada primeira ou o teste da derivada segunda Crescimento e Decrescimento de funções: Teorema: Seja f uma função contínua em um intervalo fechado [a, b] e derivável no intervalo aberto (a, b). i). Se f () > 0 para todo em (a, b) então f é crescente em [a, b] ii). Se f () < 0 para todo em (a, b) então f é decrescente em [a, b] Teste da Derivada Primeira: Suponhamos que para 0 a função f tenha um ponto crítico e sejam a e b muito próimos de 0 tais que a< 0 <b, então: i). Se tivermos que f (a) > 0 e f (b) < 0, então, nesse caso a função passa de crescente a decrescente e podemos afiram que f( 0 ) é um máimo local da função. ii). Se tivermos que f (a) < 0 e f (b) > 0, então, nesse caso a função passa de decrescente a crescente e podemos afirmar que f( 0 ) é um mínimo local da função. Eemplos: ) Seja a função f() -4. Determine os pontos de máimo, de mínimo e de infleão se eistirem. 88

90 ) Seja a função f() Determine os pontos de máimo, de mínimo e de infleão se eistirem Concavidade e Teste da Derivada Segunda: Teste da Concavidade: Se uma função f é diferenciável em um intervalo aberto contendo c, então, no ponto P(c, f(c)), o gráfico é: i). Côncavo para cima se f (c) > 0 ii). Côncavo para baio se f (c) <0 Teste da Derivada Segunda: Seja f diferenciável em um intervalo aberto contendo c e f (c)0. i). Se f (c) < 0, então f tem máimo local em c ii). Se f (c) > 0, então f tem mínimo local em c Se a função f admite derivada segunda nos pontos críticos, e supondo que esta seja contínua no domínio considerado, podemos empregá-la para eaminar cada ponto crítico e classificá-lo. Seja 0 a abscissa de um ponto crítico, se f ( 0 ) > 0, o gráfico de f côncavo para cima para próimo de 0, isto é, f tem ai concavidade voltada pra cima e então f( 0 ) é um mínimo local de f. 89

91 Se f ( 0 ) < 0, o gráfico de f é côncavo para baio pra próimo de 0, isto é, f tem concavidade voltada pra baio, e nesse caso, f( 0 ) é um máimo local de f. Resumindo: f '( Mínimo Local: f "( 0 0 ) 0 ) > 0 f '( Máimo Local: f "( 0 0 ) 0 ) < 0 Eemplo: Determinar os pontos máimos ou mínimos da função f() , se eistirem usando o teste da DERIVADA SEGUNDA. 90

92 AULA 7 EXERCÍCIOS ) Ao aquecer um disco circular de metal, seu diâmetro varia à razão de 0,0 cm/min. Quando o diâmetro esta com 5 metros, a que taa esta variando a área de uma face? ) Um tanque em forma de cone com vértice para baio mede m de altura e tem no topo um diâmetro de m. Bombeia-se água à taa de 4m /min. Ache a taa com que o nível da água sobe: a) quando a água tem m de profundidade. b) quando a água tem 8 m de profundidade. ) Uma pedra lançada em uma lagoa provoca uma série de ondulações concêntricas. Se o raio r da onda eterior cresce uniformemente à taa de,8 m/s, determine a taa com que a área de água perturbada está crescendo: a) quando r m b) quando r 6m 4) Determine as abscissas dos pontos críticos das funções abaio: a) s(t) t + t 0t +4 b) f() c) g(w) w 4 w 5 π ) cm / min 4 a) m / min π ) b) m / min 4π a)0,8πm / s ) b),6πm / s a) t 5 e 4) b) e 7 c) w 5) a) má - e min / b) má 7 c) má 7/9 6) a) má e min 5 b) má -/4 e min 5 c) má e min - 9 7) P(,- 0) 5) Determine os pontos de máimo, de mínimo e de infleão das seguintes funções se eistires, UTILIZANDO O TESTE DA DERIVADA PRIMEIRA. a) y b) f ( ) c) f() ) Determine as abscissas dos pontos máimos ou mínimos das seguintes funções, UTILIZANDO O TESTE DA DERIVADA SEGUNDA. a) f() b) y c) y ) Imagine que a trajetória de uma pedra lançada ao ar seja um trecho da parábola dada por y 5 0 ( e y em metros), determine o ponto máimo da função. Respostas: 9

93 AULA 8 0 INTEGRAIS 0. INTRODUÇÃO: Até o momento, nosso problema era; dada a função obter a sua derivada. A partir de agora, trabalharemos com a pergunta inversa: dada a função de quem ela é derivada? A operação contrária a diferenciação (ou a derivação) é chamada de antidiferenciação ou anti-derivada. Definição: Uma função F é chamada de anti-derivada de uma função f em um intervalo l se F () f() para todo em l Eemplo: Seja f() F() é a anti-derivada da função f, pois F (0 f(). Mas não eiste uma única integral, note por eemplo que: G() também é uma anti-derivada de f pois G () f90 Na verdade,qualquer função definida por H() c onde é uma constante qualquer, será uma integral de f. 0.. NOTAÇÃO: A anti-diferenciação é um processo pelo qual se obtém a anti-derivada, mais geral de uma função encontrada. O símbolo denota a operação de integral, e escrevemos: f ( ) d F( ) + C onde F '( ) f ( ) A epressão acima é chamada de Integral Indefinida de f. Em lugar de usarmos a epressão antiderivação para o processo de determinação de F, utilizaremos agora, a epressão Integração Indefinida. Para facilitar o nosso processo de obtenção da anti-derivada de uma função, temos algumas regras, que veremos a seguir. 0. INTEGRAIS IMEDIATAS n+ n d + c n + ) 5 d d ) d ) 9

94 4) ( ) d 5) + d ( + 5 4) 6) d 7) ( + ). d n+ n v v dv + c n + 8) a + b. d dv ln v + c v d 9) ( ) 9

95 d 0) v v a v v a dv + c ln a e dv e + c e ) d ) e d ) ( a b ) d a b tgv. dv lncosv + c ou tgv. dv lnsecv + c 4) tg d cos secvdv ln(cossecv cot gv) + c 5) cos sec d 94

96 sec vdv tgv + c 6) sec d sec vdv ln(secv + tgv) + c d 7) sec sec. tg. d sec + c sen 8) d cos cossec d cot g + c d 9) + cos 95

97 a dv v v arcsen a + c ou a dv v v arccos + c a d 0) 6 9 dv v dv v arctg + c ou arc c a + v a a cot + a + v a a d ) v v dv a arcsec a v a + c ou v v dv a arccossec a v a + c d )

98 a dv v a ln a a + v v + c d ) 9 dv v a dv ln + c v a a v + a ln( v + v ± a ) + c v ± a d 4)

99 Aula 8- Eercícios 8 ) ( + ) ( + ) ) ( + 6) d 4 ) d ( + ln ) 4) d ( + ) 5) d d 6) ( e + ). e d 7) sen.cos. d sec 8) d + tg a 9) b c d 0).ln ) tg. d d ) ( e ) d sen + cos ) d cos cot g 4) d sen 5) (sec 4 ) d sec. tg 6) d a + bsec cos 7) d 4 sen 4 8) tg. d 9) ( tg + sec) d 0) ( tg + cot g) d a ) 4 + b dt ) 4 9t 4 d cosθ. dθ ) 4 sen θ 4) d 4 arccos 5) d 6) 5 6 d d 7) ( + ) arctg d 8) e + e sec. tg 9) d 9 + 4sec d 0) ) d d ) ( + ) + arccos ) d 98

100 4) d ) 6) 7) d d + + d ) d ) sen + sen e d 40) + e 4) d ln d d 4) sen + cos 4). + d Respostas: 4 ( + ) ) + c ( ) ) + c (cos) + 6 a ln( b c ) + c ln(sec ) + ) 5 5) c 7) c 9) c ) c ( + 6) 4 + c ( + ln ) 4) + c ( e + ) tg + 4 6) c 8) c 0) ln(ln) + c 4e + ) c 4 ln(sec + + l (cot g) 4) + c tg 4 ln(sec4 + tg4) ln( a + bsec ) + 7) c b sen sen + tg tg + + 9) tg + sec + c cot g + tg + a ) arctg + c b b + t + senθ ln + ) ln + c t 4 senθ arccos arc sec + 5) + c 5 + ln ) ln( arctg ) + c arctge + sec 9) arctg + c 6 + arctg + ) arcsen ( ) + c ( + ) arc sec + c arccos + + ln( + 4 7) ln ) ) c 5) c 6) c 8) c 0) c ) c 4) c 6) c 8) c 0) c ) ) c 4) c 5) ( ) arcsen 6 + c + ln( ) ln( ) + 4 ln(9 + 8) +. arctg ) c 7) c 8) c + sen + e arctg + ln arcsen + arctg tg ( + ) + 6 9) c 40) c 4) c 4) c 4) ( ) 4 99

101 AULA INTEGRAIS POR PARTES ). e d u. dv u. v v. du ).ln. d ) + d 00

102 4) ln( + + ) d 5) e sen sen d 0

103 AULA 9 EXERCÍCIOS ) arcsend ) sen d ) sec d 4). sen. d 5). e. d 6). e. d 7). arctg. d 8) d arcsen. ( ) 9) tg.sec. d 0). arctg d ln. d ) ( ) + ) arcsen + d Respostas: ). arcsen + + c sen ) + c 4 ) sec. tg + ln(sec + tg) + c 4).cos + sen + cos + c 5) e ( ) + c 6) e c 8 7) arctg (+ ) + c arcsen + 8) ln + c 9) sec tg sec tg ln(sec + tg) + c ) arctg + c ln ) + ln + c ( + ) + ) arcsen + + arctg + c 0

104 AULA INTEGRAÇÃO COM APLICAÇÃO DE IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS As identidades seguintes são empregadas no cálculo das integrais trigonométricas do presente capítulo: i). sen + cos ii). + tg sec iii). + cot g cos sec iv). sen ( cos ) v). cos ( + cos ) vi). sen cos sen sen cos y sen( y) + sen( + y) sen seny cos( y) cos( + y) cos cos y cos( y) + cos( + y) ). cos sen i). + cos cos ii). ± sen ± cos π vii). [ ] viii). [ ] i). [ ] Eemplos: ) sen d ) cos d 0

105 ) sen d 6 4) cos d 5) sen cos d 04

106 6) sen. send 7) sen.cos5. d 8) cos 4.cos. d + cos. d 9) ( ) 05

107 0) cos d d ) sen 4 ) tg. d ) cot g d 06

108 AULA 0 EXERCÍCIOS 5 ) cos d ) sen 4 d 4 ) cos. sen. d 5 4) sen.cos d 4 4 5) sen. cos d sen 6) d 4 cos 7) tg 5 d 8) sec 4 d 4 9) sec. tg d 0) tg.sec d 4 4 ) tg. sec d 4 ) cot g d Respostas: 5 ) sen sen + sen + C 5 ) sen + sen4 + C 8 4 ) 7 cos cos 5 + C 4 0 4) 8 cos cos 6 + C 4 8 sen8 5) sen4 + + C ) cos + cos + C 5 4 tg tg 7) + ln sec + C 4 8) tg + tg + C tg tg sec sec 9) + + C ou + C ) 5 sec sec + C tg tg ) + + C 5 7 ) cot g + cot g + + C 9 07

109 AULA 0.5 INTEGRAÇÃO POR FRAÇÕES PARCIAIS Esta técnica é usada para integrar funções racionais próprias, isto é, funções da forma p( ) R ( ), onde p e q são polinomiais e o grau de p() é menor que o grau de q(). A ídéia é q( ) desdobrar o integrando R() em uma soma de funções racionais mais simples, que podem ser integradas. É fácil verificar que: + + A epressão à direita é o que se chama uma decomposição em frações parciais de Pode-se usar esta decomposição para calcular a integral indefinida de. Basta integrarmos cada uma das frações da decomposição, obtendo: d d + d +. O desdobramento do integrando pode ser feito de acordo com os casos seguintes: CASO : O denominador de R() pode ser decomposto em fatores distintos do o grau. Neste * caso, a cada fator da forma (a + b), a R e, b R, que aparece no denominador, corresponde A uma fração da forma. ( a + b) Eemplos: ( ) ( )( + ) A B C + + ( ) ( ) ( + ) Calcule d + 08

110 09 CASO : O denominador de R() pode ser decomposto em fatores repetidos do o grau. A cada fator da forma (a + b) que aparece n vezes no denominador, corresponde uma soma de n frações da forma: n n b a A b a A b a A ) (... ) ( Eemplos: ] ) )[( )( ( ) ( ) ( ) )( ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( A A A A A Calcule + + d ) )( ( 4 9 8

111 CASO : O denominador é constituído por fatores quadráticos distintos e irredutíveis da forma q() a +b + c com a 0 e não pode portanto ser decomposto em fatores do o grau. A cada A + B fator q() que aparece no denominador, corresponde uma fração da forma q() Eemplo: A + B A + B + ( + + )( + ) ( + + ) ( + ) Calcule d

112 CASO 4: O denominador é constituído por fatores quadráticos repetidos e irredutíveis da forma q() a + b + c com a 0 e não pode portanto ser decomposto em fatores do o grau. A cada fator de q() que aparece repetido no denominador, corresponde uma soma de frações da A + B A + B An + Bn forma n q( ) [ q( )] [ q( )] Calcule d ( + )

113 AULA EXERCÍCIOS 5 ) d ( 4) 7 ) d ( + )( )( ) 6 ) d ( ) + 6 4) d ) d 4 5 6) d ( + ) ( 5) Respostas: ) ln + ln 4 + C ) 4 ln + 5ln + ln + C 5 ) 6 ln + + C 4) ln ln + C 5) ln ln + 4ln + + C 6) 5 ln + ln 5 + C +

114 AULA 0.6 INTEGRAL DEFINIDA: Teorema fundamental do Cálculo: Seja f uma função contínua em [a, b] e g uma função tal b que g () f() para todo [a, b]. Então f ( ) d g( b) g( a). a A epressão b f ( ) d é chamada de Integral Definida de f de a até b. a Em linguagem simples, este teorema nos diz que se g é uma anti-derivada de f, então a integral definida de a até b de f é dada pela diferença g(b) g(a). Os valores de a e b são chamados de limites de integração. Eemplos: ) Calcule d ) Calcule 5d ) Calcule 7 0 d

115 0.6. INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA: Vamos agora interpretar geometricamente os eemplos e. ) Seja f() 5 (eemplo ). Tomemos a região delimitada por (), o eio e as retas e. y X X Temos um retângulo de base e altura 5, cuja área é dada por: A b.h 5 0u.a (como no eemplo ) ) Seja f() (eemplo ). Tomaremos a região delimitada pelo eio, a função f() e as retas 0 e 7. y 7 f() Temos um triângulo de base 7 e altura 7, cuja área é dada por A u. a. Os fatos observados nestes eemplos não são mera coincidência. Na verdade, se f()>0 para [a,b], então b f ( ) d nos fornece a área limitada por f() pelas retas a e b e o a eio. 4

116 ) Tomemos agora um eemplo em que f() < 0 em [a, b] ( + ) d + ( ) ( ) + ( ) + ( ) A região delimitada por y (+), pelo eio e as retas - e - é apresentada abaio: y dada por Note que A é um triângulo de base e altura, assim, A u. a. Assim, vemos que f ) A ( d. Em geral se f()<0 em [a, b] a área delimitada por f(), o eio e as retas a e b é A f ( ) d. b a 0.6. PROPRIEDADES DAS INTEGRAIS DEFINIDAS. Se uma função f é integrável no intervalo fechado [a, b], e se k é uma constante qualquer, então: Eemplo: b a k. f ( ) d k f ( ) d Calcule o valor da integral 5d 0 b a 5

117 . Se as funções f e g são integráveis no mesmo intervalo fechado [a,b] então f + g é integrável em [a, b] e: b [ ( ) + g( )] d f ( ) d + a b f g( ) d Eemplo: 5 Calcule o valor da integral + d a b a. Se a função f é integrável nos intervalos fechados [a, b], [a, c] e [c, b] então: Eemplo: b ( ) d f ( ) d + a c f f ( ) d Calcule o valor da integral d a c b AULA EXERCÍCIOS Encontre o valor das integrais definidas abaio: ) d 0 ) d 4 ) ( ) d 4) ( + ) d 5) d 4 6) ( + ) d 5 d 7) 6 8) ( t t) dt 4 d 9) ) + 4d 0 7 ) 8 d 0 Respostas: ) 8 5 ) 4 ) 66 4) 4 6 5) 7 5 6) 474 8) 7 9) 8 0) ) 5 7) [ 7 ] 6

118 AULA 0.6. APLICAÇÕES DE INTEGRAL DEFINIDA CÁLCULO DE ÁREAS DE UMA REGIÃO PLANA Se f é uma função contínua em um intervalo fechado [a, b] e se f() 0 para todo em [a, b], então temos que o número que epressa a área da região limitada pela curva y f(), o eio e as retas a e b é dada por, em unidades quadradas: A f ( ) d b a Por conveniência, referimo-nos à região R como a região sob o gráfico f de a até b. y Área R a b Eemplos: ) Encontre a área limitada pela curva y, o eio e as retas - e. y 7

119 ) Encontre a área limitada pela curva y 4, o eio e as retas y - e y - -4 ) Calcule a área limitada pelas curvas y +, y - - e as retas - e. y 0 A - A -0 8

120 4) Calcule a área da região definida pela curva y 4, o eio e as retas -4 e y A A 9

121 ÁREA DA REGIÃO LIMITADA POR DUAS FUNÇÕES: Nesta seção, consideraremos a região que esta entre os gráficos de duas funções. Se f e g são contínuas em f() g() 0 para todo em [a, b], então a área A da região R, limitada pelos gráficos de f, g, a e b, pode ser calculada subtraindo-se a área da região sob o gráfico de g (fronteira inferior de R) da área da região sob o gráfico de f (fronteira superior de R): b A f ( ) d g( ) d ou b a b a [ f ( ) g( )] d a Suponha que desejamos calcular a área A delimitada por duas curvas f() e g() e as retas a e b, como ilustra a figura abaio: y f() g() a b Note que a área pode ser obtida pela diferença das áreas A A y f() y g() a b a b Sendo f ( d e A ) b a A g( ) d b a A A A A b a f ( ) d b a g ( ) d A [ f ( ) g( )] d b a Assim verificamos que é válido o teorema a seguir: 0

122 Teorema: se f e g são contínuas e f() g() 0 para todo em [a, b], então a área A da região delimitada pelos gráficos de f, g, a e b é: A [ f ( ) g( )] d b a Diretrizes pra encontrar a área de uma região R limitada por duas funções: Esboçar a região, designando por y f() a fronteira superior e por y g() a fronteira inferior. Encontrar os pontos de intersecção (a e b) entre as duas funções (sistema de equações) Calcular a integral A [ f ( ) g( )] d b a Eemplos: ) Encontre a área A limitada pela curva f() + e g() no intervalo de [-, ]

123 ) Encontre a área A da região limitada pelas curvas y e y AULA EXERCÍCIOS Encontre a área delimitada pelas curvas e as retas dadas. ) y 4, o eio, as retas e. ) y 8-, o eio, as retas 0 e 4. ) y + e y 5 4) y e y 4 5) y e y 6) y sen, o eio, 0 e rad 7) y sen, o eio, 0 e π rad 8) y cos, o eio, 0 e π rad 9) y e y com 0 π 0) y e y Respostas: ) u. a ) u... ) u. a 4) u. a 9 5) u. a 6) u.a. 7) 4 u. a 8) 4 u. a 9) u. a. 0) u..

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES

FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES FUNÇÕES E SUAS PROPRIEDADES Í N D I C E Funções Definição... Gráficos (Resumo): Domínio e Imagem... 5 Tipos de Funções... 7 Função Linear... 8 Função Linear Afim... 9 Coeficiente Angular e Linear... Função

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MATEMÁTICA 2 PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA UNIDADE MARICÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 1 MATEMÁTICA PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ ESTUDO DAS DERIVADAS (CONCEITO E APLICAÇÕES) No presente capítulo, estudaremos as

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Quarta lista de Eercícios de Cálculo Diferencial e Integral I - MTM 1 1. Nos eercícios a seguir admita

Leia mais

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Matemática Aplicada. Volume 1 Edição 2004. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostila de Matemática Aplicada Volume Edição 00 Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Capítulo - Revisão Neste capítulo será feita uma revisão através da resolução de alguns eercícios, dos principais tópicos já

Leia mais

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos

Funções. Funções. Você, ao longo do curso, quando apresentado às disciplinas de Economia, terá oportunidade de fazer aplicações nos cálculos Funções Funções Um dos conceitos mais importantes da matemática é o conceito de função. Em muitas situações práticas, o valor de uma quantidade pode depender do valor de uma segunda. A procura de carne

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1

APOSTILA 2015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 2015 1 APOSTILA 015 MATEMÁTICA PROFESSOR: DENYS YOSHIDA MATEMÁTICA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO TÉCNICO - 015 1 Sumário 1.Conjuntos...5 1.1 Representação de conjuntos...5 1. Operações com conjuntos...6 1. Propriedades

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I

MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I MATERIAL DIDÁTICO DE CÁLCULO I Acadêmico(a): Turma: 9/ Capítulo : Funções Cálculo I. ANÁLISE GRÁFICA DAS FUNÇÕES.. EXERCÍCIOS Abaio estão representadas graficamente algumas funções. Analise cada uma dessas

Leia mais

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x)

3. Limites. = quando x está muito próximo de 0: a) Vejamos o que ocorre com a função f ( x) . Limites Ao trabalhar com uma função nossa primeira preocupação deve ser o seu domínio (condição de eistência) afinal só faz sentido utilizá-la nos pontos onde esteja definida e sua epressão matemática

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2008/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 008/ . CONCEITO DE FUNÇÃO As funções são as melhores ferramentas para descrever

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS

CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS 15 CÁLCULO DE ZEROS DE FUNÇÕES REAIS Um dos problemas que ocorrem mais frequentemente em trabalhos científicos é calcular as raízes de equações da forma: f() = 0. A função f() pode ser um polinômio em

Leia mais

v m = = v(c) = s (c).

v m = = v(c) = s (c). Capítulo 17 Teorema do Valor Médio 17.1 Introdução Vimos no Cap. 16 como podemos utilizar a derivada para traçar gráficos de funções. Muito embora o apelo gráfico apresentado naquele capítulo relacionando

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 2005/2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO B 00/ SUMÁRIO. LIMITES E CONTINUIDADE..... NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE..... FUNÇÃO CONTÍNUA NUM

Leia mais

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação

Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Métodos Matemáticos para Engenharia de Informação Gustavo Sousa Pavani Universidade Federal do ABC (UFABC) 3º Trimestre - 2009 Aulas 1 e 2 Sobre o curso Bibliografia: James Stewart, Cálculo, volume I,

Leia mais

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B).

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo : Funções.- Definições Sejam A e B dois conjuntos não vazios. Uma função f de

Leia mais

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica

FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1. Prof. William Mascia Resende. Engenharia Elétrica FEPI FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE ITAJUBÁ UNIVERSITAS CENTRO UNIVERSITÁRIO DEITAJUBÁ CÁLCULO 1 Prof. William Mascia Resende Engenharia Elétrica ITAJUBÁ 2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ Curso: Engenharia

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2011/1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA PARA ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS 0/ SUMÁRIO. FUNÇÕES REAIS DE UMA VARIÁVEL..... CONCEITO..... ZEROS DE UMA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO COLÉGIO PEDRO II - CAMPUS SÃO CRISTÓVÃO III 1ª SÉRIE MATEMÁTICA I PROF MARCOS EXERCÍCIOS DE REVISÃO PFV - GABARITO 1 wwwprofessorwaltertadeumatbr 1) Seja f uma função de N em N definida por f(n) 10 n Escreva

Leia mais

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9

C Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 9 TRIGONOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO Considere um triângulo ABC, retângulo em  ( = 90 ), onde a é a medida da hipotenusa, b e c, são as medidas dos catetos e a, β são os ângulos

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO (Tóp. Teto Complementar) PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 1 PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO Este teto estuda um grupo de problemas, conhecido como problemas de otimização, em tais problemas, quando possuem soluções, é

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação

< 0, conclui-se, de acordo com o teorema 1, que existem zeros de f (x) Pode-se também chegar às mesmas conclusões partindo da equação . Isolar os zeros da função f ( )= 9 +. Resolução: Pode-se construir uma tabela de valores para f ( ) e analisar os sinais: 0 f ( ) + + + + + Como f ( ) f ( ) < 0, f ( 0 ) f ( ) < 0 e f ( ) f ( ) < 0,

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados

Máximos e Mínimos em Intervalos Fechados Capítulo 5 Máimos e Mínimos em Intervalos Fechados 5. Motivação Na Seção.., estudamos o problema da caia, onde queríamos montar uma caia recortando retângulos nos quatro cantos de uma lâmina de plástico

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA

UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE 1º E 2º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA ISSN 794 UM ESTUDO DAS FUNÇÕES DE º E º GRAUS APLICADAS À ECONOMIA Valeria Ap. Martins Ferreira, Viviane Carla Fortulan Mestre em Ciências pela Universidade de São Paulo- USP. Professora da Faculdade de

Leia mais

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional.

(b) (1,0 ponto) Reciprocamente, mostre que, se um número x R possui representação infinita em toda base β, então x é irracional. Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA11 Números e Funções Reais Avaliação 3 - GABARITO 06 de julho de 013 1. (1,5 pontos) Determine se as afirmações

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 2. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC DO VESTIBULR 0 D UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. Em de outubro de 0, Feli Baumgartner uebrou o recorde de velocidade em ueda livre. O salto foi monitorado oficialmente

Leia mais

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO E A PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS INTRODUÇÃO Os livros de cálculo costumam conter um capítulo ou um apêndice dedicado a eplicações de fatos básicos da matemática e que, em geral, são abordados

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

( ) = = MATEMÁTICA. Prova: 28/07/13. Questão 17. Questão 18

( ) = = MATEMÁTICA. Prova: 28/07/13. Questão 17. Questão 18 Prova: 8/07/13 MATEMÁTICA Questão 17 A equação x 3 4 x + 5x + 3 = 0 possui as raízes m, p e q. O valor da expressão m + p + q é pq mq mp (A). (B) 3. (C). (D) 3. Gabarito: Letra A. A expressão é igual a:

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS.

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS. ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA COLETÂNEA DE PROVAS DE MATEMÁTICA DO EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS ÁLGEBRA I: 003 a 013 Funções: definição de função; funções definidas por

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência

Matemática. Resolução das atividades complementares. M20 Geometria Analítica: Circunferência Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: ircunferência p. (Uneb-A) A condição para que a equação 6 m 9 represente uma circunferência é: a), m, ou, m, c) < m < e), m, ou,

Leia mais

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco

Lista de exercícios Trigonometria Problemas Gerais. Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco Lista de eercícios Trigonometria Problemas Gerais Prof ºFernandinho Parte 1 : Tangente da soma e da diferença de arcos e tangente do dobro de um arco 01.(Fuvest) Se é um ângulo tal que 0 < < 90 e sen =,

Leia mais

2. Funções. Definição: Uma função matemática é uma relação entre dois conjuntos quaisquer que

2. Funções. Definição: Uma função matemática é uma relação entre dois conjuntos quaisquer que . Funções O conceito de unção está relacionado à idéia de associação de um elemento a outro, segundo uma regra especíica. Assim, por eemplo, podemos considerar o tamanho de uma população relacionado apenas

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia a Fase 0/novembro/008 MTEMÁTI 0. umentando a base de um triângulo em 0% e reduzindo a altura relativa a essa base em 0%, a área do triângulo aumenta em %.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO

ROTEIRO DE ESTUDO - 2013 VP4 MATEMÁTICA 3 a ETAPA 6 o ao 9º Ano INTEGRAL ENSINO FUNDAMENTAL 1º E 2º ANOS INTEGRAIS ENSINO MÉDIO 6 o ANO MATEMÁTICA I Adição e subtração de frações: Frações com denominadores iguais. Frações com denominadores diferentes. Multiplicação de um número natural por uma fração. Divisão entre um número natural

Leia mais

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013)

I N T E G R A L. Prof. ADRIANO CATTAI. Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) I N T E G R A L ac C Á L C U L O Prof. ADRIANO CATTAI 03 Apostila 03: Funções de Várias Variáveis (Atualizada em 13 de novembro de 2013) NOME: DATA: / / Não há ciência que fale das harmonias da natureza

Leia mais

Função Quadrática Função do 2º Grau

Função Quadrática Função do 2º Grau Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Função Quadrática 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 5 º Bimestre/13 Aluno(a): Número: Turma: Função Quadrática

Leia mais

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}}

1 C. Logo, A B = {c} e P(A B) = {Ø, {c}} MATEMÁTICA NOTAÇÕES = {,,,,...} : conjunto dos números reais : conjunto dos números compleos [a, b] = { ; a b} (a, + ) = ]a, + [ = { ; a < < + } A\B = { A; B} A C : complementar do conjunto A i: unidade

Leia mais

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Matrizes e Sistemas de Equações Apresentação Lineares UNIDADE 3 FUNÇÕES OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Descrever e comentar possibilidades

Leia mais

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II

APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II APOSTILA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II z t t C C α y β y Colaboradores para elaboração da apostila: Elisandra Bär de Figueiredo, Enori Carelli, Ivanete Zuchi Siple, Marnei Luis Mandler, Rogério

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

6. Aplicações da Derivada

6. Aplicações da Derivada 6 Aplicações da Derivada 6 Retas tangentes e normais - eemplos Encontre a equação da reta tangente e da normal ao gráfico de f () e, em 0 Represente geometricamente Solução: Sabemos que a equação da reta

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA APLICADA À ECONOMIA Prof. Francisco Leal Moreira / SUMÁRIO. FUNÇÕES DE DUAS VARIÁVEIS.. FUNÇÕES HOMOGÊNEAS.. CURVAS

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA FUNÇÃO DO 1º GRAU PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU DEFINIÇÃO Chama-se função do 1. grau toda função definida de por f() = a b com a, b e a 0.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS DE FUNÇÕES UTILIZANDO CÁLCULO DIFERENCIAL FERREIRA, Eliézer Pires Universidade Estadual de Goiás - UnU Iporá eliezer_3d@hotmail.com SOUZA, Uender Barbosa de Universidade Estadual

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real

2 - Generalidades sobre funções reais de variável real Análise Matemática - 009/010 - Generalidades sobre unções reais de variável real.1-deinição e Propriedades De..1 Sejam A e B conjuntos, e uma correspondência de A para B, isto é um processo de associar

Leia mais

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos

4.1 Funções de varias variáveis - Definição e exemplos Capítulo 4 Funções de duas variáveis 4.1 Funções de varias variáveis - Definição e eemplos Definição 1: Chamamos de função real com n variáveis a uma função do tipo f : D R com D R n = R R. Ou seja, uma

Leia mais

Caderno de Atividades. matemática

Caderno de Atividades. matemática Caderno de Atividades ENSINO MÉDIO LIVRO DO PROFESSOR matemática ạ série Dados Internacionais para Catalogação na Publicação (CIP) (Maria Teresa A. Gonzati / CRB 9-5 / Curitiba, PR, Brasil) F9 Fedalto,

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas

Derivação Implícita e Taxas Relacionadas Capítulo 14 Derivação Implícita e Taxas Relacionadas 14.1 Introdução A maioria das funções com as quais trabalhamos até agora é da forma y = f(x), em que y é dado diretamente ou, explicitamente, por meio

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 OBJECTIVOS ESPECÍFICOS PROBABILIDADES E COMBINATÓRIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL- ESTREMOZ MATEMÁTICA A 12ºANO ANO LETIVO 2015/2016 Introdução ao cálculo Conhecer terminologia das probabilidades de Probabilidades

Leia mais

Exercícios de Cálculo I - CM041

Exercícios de Cálculo I - CM041 Eercícios de Cálculo I - CM4 Prof. José Carlos Corrêa Eidam DMAT/UFPR Disponível no sítio people.ufpr.br/ eidam/inde.htm o. semestre de Parte Limites de funções. Calcule os seguintes limites, caso eistam:

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2

1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 2010/2 Número de pontos Dívida ($ bilhão) 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS - FUNÇÕES 010/ 1. A dívida pública dos EUA (em bilhões de dólares) para alguns anos encontra-se no gráfico abaio. 400 300 00 100 000 1900 1800

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA OBJETIVA DE MATEMÁTICA VESTIBULAR 0 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouveia. O PIB per capita de um país, em determinado ano, é o PIB daquele ano dividido pelo número de habitantes.

Leia mais

Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras:

Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo. 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras: Assunto: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo 1) Calcule o seno, o co-seno e a tangente dos ângulos indicados nas figuras: b) 15 5 α α 1 resp: sen α =/5 cos α = /5 tgα=/ resp: sen α = 17 cos α

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então:

FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. 1. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de x = 0. Então: FICHA DE TRABALHO DERIVADAS I PARTE. Uma função f tem derivadas finitas à direita e à esquerda de = 0. Então: (A) f tem necessariamente derivada finita em = 0; (B) f não tem com certeza derivada finita

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UEFS VESTIBULAR 2012 2. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UEFS VESTIBULAR 2012 2. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UEFS VESTIBULAR 0 Profa. Maria Antônia Gouveia. Questão Em um grupo de 0 casas, sabe-se que 8 são brancas, 9 possuem jardim e possuem piscina. Considerando-se essa infomação e as

Leia mais

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I

CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I CÁLCULO PARA ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO: VOLUME I MAURICIO A. VILCHES Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau

Matemática. Resolução das atividades complementares. M5 Função polinomial do 1 o grau Resolução das atividades complementares Matemática M5 Função polinomial do o grau p. 8 O perímetro p de um quadrado é função linear de seu lado. Qual a sentença que define essa função? p 5 O perímetro

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos.

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Trigonometria no ciclo. 1 Expresse: p 4 rad. rad em graus. 4 rad 12 p b) 330 em radianos. Resolução das atividades comlementares Matemática M Trigonometria no ciclo. 7 Eresse: a) em radianos c) em radianos e) rad em graus rad rad b) 0 em radianos d) rad em graus f) rad 0 rad em graus a) 80

Leia mais

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 2. Questão 1. Questão 3. Resposta. Resposta Instruções: Indique claramente as respostas dos itens de cada questão, fornecendo as unidades, caso existam. Apresente de forma clara e ordenada os passos utilizados na resolução das questões. Expressões

Leia mais

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema

Matemática. Subtraindo a primeira equação da terceira obtemos x = 1. Substituindo x = 1 na primeira e na segunda equação obtém-se o sistema Matemática 01. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6 cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da face contendo C e D, e F é o pé da perpendicular a BD traçada a

Leia mais

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues

Matemáticas Gerais. (Licenciatura em Geologia) Caderno de exercícios (exercícios propostos e tabelas) Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Matemáticas Gerais (Licenciatura em Geologia Caderno de eercícios (eercícios propostos e tabelas Armando Gonçalves e Maria João Rodrigues Departamento de Matemática Faculdade de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência ) (Unicamp-000) Sejam A e B os pontos de intersecção da parábola y = x com a circunferência de centro na origem e raio. a) Quais as coordenadas

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO

Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções 1º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Funções º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista º Bimestre/0 Aluno(a): Número: Turma: ) Na função f : R R, com f()

Leia mais

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números

MATEMÁTICA. 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números MATEMÁTICA 01. Considere a função f, com domínio e contradomínio o conjunto dos números reais, dada por f(x) = 3 cos x sen x, que tem parte de seu gráfico esboçado a seguir. Analise a veracidade das afirmações

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais