Dados de Identificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados de Identificação"

Transcrição

1

2 Dados de Identificação Município: Porto Nacional Trimestres a que se referem os relatórios: 1º e 2º trimestres 2013 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social Razão Social: Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência Social CNPJ: / Endereço: Av. Rubens Pereira de Andrade nº 766, Jardim Brasilia, CEP: Telefone: (63) Site da Secretaria: portonacional.to.gov.br Facebook: facebook.com/secretariamunicipaldotrabalhoeassistenciasocial Secretário Municipal do Trabalho e Assistência Social Nome: OTONIEL ANDRADE COSTA FILHO Data de posse: 02 de janeiro de 2013

3 FICHA INSTITUCIONAL Secretário Municipal do Trabalho e Assistência Social Otoniel Andrade Costa Filho Diretoria de Planejamento Cícero Ezequiel Correia da Silva Diretoria do Trabalho Vânia Cristina Ribeiro Diretoria do Desenvolvimento Social Wilton Belém dos Santos Banco de Porto Talize Cecília Mascarenhas Assessora de Comunicação Even Mírian Ferreira Martins Assessor Jurídico Ariel Carvalho Godinho Assessor do Sistema SUAS Arthur Richer Camelo Batista

4 SUMÁRIO 1. PLANTÃO DO SERVIÇO SOCIAL BOLSA FAMÍLIA BANCO DE PORTO (PRODIVINO) CRAS VILA NOVA CRAS LUZIMANGUES CASA DOS CONSELHOS DIRETORIA DO TRABALHO CRONOGRAMA DE ATIVIDADES REALIZADAS CASA DO IDOSO TIA ANGELINA CASA DE PASSAGEM TIA MESSIAS BRAGA PROJOVEM COORDENAÇÃO DE ASSISTÊNCIA ÀS POLÍTICAS AOS IDOSOS COORDENADORIA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE PORTO NACIONAL PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS COMPRA DIRETA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CONVÊNIOS

5 1. PLANTÃO DO SERVIÇO SOCIAL O Plantão do serviço social da Secretaria do Trabalho e Assistência Social tem como objetivo principal: o atendimento a benefícios eventuais. No entanto atende também as famílias em situação de vulnerabilidade social, por meio de políticas sócioassistencias, com o propósito de fazer com que tais famílias saiam do estado de vulnerabilidade social e possam se auto- sustentar com o mínimo de dignidade. EQUIPE TÉCNICA: EDIVALDO VIEIRA DA CONCEIÇÃO - ASSISTENTE SOCIAL NELCIRENE RODRIGUES - ASSISTENTE SOCIAL Relatório de atendimento do plantão social de janeiro à agosto/

6 ENTREGA DE KITES NATALIDADES: 14 NOME DATA S. V. dos S. 16/01 J. P. dos S. 04/03 C. O. B. 18/04 V. P. dos S. 22/04 V. C. A. de S. 2 x 22/04 D. R. C. 22/04 P. C. C. da S. 22/047 Z. R. de S. 22/04 C. R. da S. 23/04 J. R. C. 25/04 S. R. M. 22/05 J. M. G. 06/06 V. F. de S. 18/06 A. C. C. C. 28/06 ENTREGA DE LEITE ESPECIAL: 19 LEITE ESPECIAL PEDIASUIRE G. de J. da S. B. 28/02 H. N. A. da S. 14/02-19 Latas 6

7 LEITE ESPECIAL NAN 2 G. A. da S. e G. A. da S. 24/02-05 Latas G. A. da S. e G. A. da S. 26/02-04 Latas G. A. da S. e G. A. da S. 04/03 03 Latas G. A. da S. e G. A. da S. 08/03-10 Latas LEITE ESPECIAL NAN 1 G. R. C. e M. R. C 25/02-24 Latas C. E. F. da S. 28/02-04 Latas C. E. F. da S. 13/03-08 Latas C. E. F. da S. 22/03-08 Latas A.V. R. de A. e M. E. R. A. 27/02-24 Latas A. R. S. 13/03-04 Latas A. R. S. 26/03-02 Latas A. R. S. 03/04-02 Latas A. R. S. 10/04-02 Latas A. R. S. 07/05-08 Latas LEITE ESPECIAL PREGOMIN E. R. L. da S. G 11/03-02 Latas M. de C. R. de S 23/04-06 Latas M. de C. R. de S 17/05-10 Latas A. T. dos S. N. 08/05-08 Latas A. T. dos S. N. 27/05-05 Latas A. T. dos S. N. 24/06-08 Latas I.M.F. M LEITE ESPECIAL NAN SOY 07/05-10 Latas LEITE ESPECIAL SIMILAC C. E. M. da S 03/04-04 Latas C. E. M. da S 19/04-04 Latas LEITE ESPECIAL SUPRA SOY W. G. F 22/03-02 Latas W. G. F 04/04-04 Latas W. G. F 17/04-04 Latas W. G. F 16/05-02 Latas 7

8 LEITE ESPECIAL APTAMIL L. T. G 02/05-03 Latas L. T. G 13/05-02 Latas L. T. G 24/05-05 Latas L. T. G 03/06-05 Latas L. T. G 14/06-05 Latas L. T. G 27/ Latas LEITE ESPECIAL NUTREN JUNIOR K. P. M 24/05-16 Latas K. P. M 24/06-Latas LEITE ESPECIAL SUSTAGEM E. M. de. M 26/03-06 Latas E. M. de. M 12/04-06 Latas E. M. de. M 08/05-06 Latas E. M. de. M 28/05-06 Latas E. M. de. M 23/07-06 Latas ATENDIMENTOS COM FRALDAS GERIÁTRICAS: 34 F. P. G 43 ct 8X1(G) 02/02-05/05/2013 A.G.T 24 pct 8x1(M) 18/02-15/05/2013 W. L. A. de S 24 ct 8x1(M) 07/05-25/06/2013 A.M. C. da S 03pct 8x1 13/06/2013 J. P. da S 04pct 8x1 14/06/2013 S. L. S. 10 pct 8x1 (P) 13/06/2013 D. S. de M 24 pct 8X1 (M) 20/03-29/05/2013 D. M. dos S. 04 pct 8x1 (G) 02/05/2013 D. R. V 04 pct 8x1 (P) 06/06/2013 I. P. R 64 pct 8x1 (G,M)07/02-27/05/2013 B. R. de O. 20 pct 8x1 (G,G)11/04-27/05/2013 F. C. dos S 13 pct 8x1 15/05-27/05/2013 P. R. da S. 4 pct 8x1 (G) 16/05/2013 H. A. R 10 pct 8x1 (G)15/04-04/06/2013 G. N. da S. 12 pct 8x1(G)15/04-04/06/2013 N. R. A 20 pct 8x1 (M) 02/04-13/05/2013 N. da S. G 20 pct 8x1 (P) 14/02-03/06/2013 R. de J. 03 pct 8x1 (G) 25/02/2013 V. R. do. A 18 pct 8x1 (G) 21/02-14/05/2013 A. P. C 16 pct 8x1 (G)14/02-08/05/2013 D. de A. R 20 CT 8X1 (M) 28/02-2/05/2013 J.P. da S 25 pct 8x1 (G)13/03-22/04/2013 8

9 F. de A S 06 pct 8x1 (G)03/04-06/04/2013 S. F. 09 pct 8x1 (G) 15/03-28/05/2013 N. M. G 19 pct 8x1 (M)22/01-02/04/2013 A. A. A 05 ct 8x1 (G) 26/04/2013 J. M. G. G 30 pct 8x1 (G) 14/03-10/04/2013 J.P da. S 20 pct 8x1 (G) 07/02-30/04/2013 A. N. L 20 pct 8x1 (G,M)18/02-20/05/2013 M. F. M 25 pct (G) 8x1 04/03-29/05/2013 A. P. C 16 pct 8x1 (G) 25/02-17/04/2013 J.A.J 08 pct8x1 (G) 18/04-15/05/2103 A. A. P 35 pct (G) 18/ /2013 J.C.A 18 pct (G) 20/02-20/05/2013 ATENDIMENTOS COM CESTA BÁSICA: 42 R.A.P 01 Cesta W.B.R 02 Cestas V.P.S 03 Cestas J.P.S 02 Cestas M.L.S 02 Cestas V.P.B 02 Cestas M.Z.F.S 04 Cestas L.R.O 04 Cestas V.C.L 01 Cesta M.B.P.M 01 Cesta A.M.R.S 01 Cesta A.R.N 01 Cesta A.A.B 01 Cesta A.P 01 Cesta M.B.A.G 01 Cesta N.N.O 01 Cesta M.A.S 01 Cesta M.F.L 01 Cesta S.L.S 01 Cesta M.B.N 01 Cesta

10 M.B.N.F 01 Cesta T.R.R 02 Cestas O.S.C 01 Cesta A.F.N 01 Cesta C.G.A 01 Cesta E.R.S 01 Cesta SEIFRA- LUZIMANGUES 01 Cesta J.M.X 01 Cesta L.B.S 01 Cesta L.E.R.S-W.P.S 01 Cesta C.C.M 01 Cesta L.P 01 Cesta L.G.S 01 Cesta Z.R.S 01 Cesta Z.L.R 02 Cestas L.B.N 01 Cesta J.F.L 01 Cesta M.E.P.L.M 01 Cesta R.P.C 01 Cesta U.A.F 01 Cesta E.M.A.S 01 Cesta A.P.L 01 Cesta ATENDIMENTOS COM AUXILIO FUNERÁRIO: 19 C.N.S D.F.S E.P.M G.M.R G.R.P G.B.A G.M.L J.K.R.S L.E.J.R.N L.F.G S.P.S W.C.S D.M.S D.R.M I.P.G I.P.S E.B.P M.L.N V.R.A ATENDIMENTOS COM PASSAGENS TERRESTRES: 38 M.B.S.M D.B.F

11 D.L.R J.C.S J.R.P.L N.C.S N.S.A M.N.O A.L.R.N.S D.P.S I.M.N.R L.M.S M.A.A.F.P S.S.M W.T.D.S A.A.A.S.S C.A.C L.P.B N.C.R L.F.R S.S.G R.C.M R.A.P W.O.L S.C.S.R A.S.F.C A.R.C C.D.F.M C.A.C G.F.S J.R.P.L J.S.F M.E.N.P L.G.L.S M.C.R.S N.C.S M.F.L R.L.C ATENDIMENTOS COM ÓCULOS DE GRAU: 08 F.M.O D.A.C R.K.P.T H.A.S.C I.T.S M.A.A.F.P N.A.M W.L.R

12 FILTROS DOADOS PELO GOVERNO DO ESTADO A SETAS: 30 UNID ATENDIMENTOS COM PARECER SOCIAL DE FILTRO DE BARRO: 03 DOAÇÕES EM EVENTOS: 23 ATENDIMENTOS COM BATERIA PARA CADEIRA DE RODAS: 02 J.F.C 02-baterias R.A.R 02-baterias ATENDIMENTOS COM DOAÇÃO DE COLCHÕES: 34 M.B.P.M 03 colchões Z.P.M 02 colchões Abrigo Tia Angelina 29 Colchões ATENDIMENTO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA (BPC) H.M.S 15/05/2013 INTERNAÇÃO FAZENDA DA ESPERANÇA: 02 R.S.L 27/07/2013 M.V 09/07/2013 VISITAS A DIVERSOS BAIRROS CARENTES DO MUNICÍPIO: 18 Durante estas visitas foi constatada a necessidade de cada família, que veio a receber os benefícios acima citados, alem de esclarecimentos quanto aos cursos disponíveis para família nos CRAS de cada setor. 12

13 2. BOLSA FAMÍLIA EQUIPE TÉCNICA: RUTH MOURA COORDENADORA IANA ALVES FERNADES ENTREVISTADOR THAYLA AZEVEDO ENTREVISTADOR VÂNIA PEREIRA DA SILVA - ENTREVISTADOR GUSTAVO HENRIQUE COSTA MARIANO OPERADOR RICKY MANOEL DA SILVA - MOTORISTA VANDA BEZERRA DE MELO ASSESSORA Relatório Qualitativo do Bolsa Família de janeiro à agosto/

14 RELATÓRIO QUALIQUANTITATIVO Coordenação do Programa Bolsa Família (PBF). Relatório qualiquantitativo referente ás atividades desenvolvidas durante o 1 Semestre de A gestão do Bolsa Família é descentralizada e compartilhada entre a União, estados, Distrito Federal e municípios. Os entes federados trabalham em conjunto para aperfeiçoar, ampliar e fiscalizar a execução do Programa, instituído pela Lei /04 e regulamentado pelo Decreto nº 5.209/04. O Cadastro Único e o público-alvo A seleção das famílias para o PBF é feita com base nas informações registradas pelo município no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, instrumento de coleta de dados que tem como objetivo identificar todas as famílias de baixa renda existentes no Brasil. O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o País. O Bolsa Família integra o Plano Brasil Sem Miséria (BSM), que tem como foco de atuação os 16 milhões de brasileiros com renda familiar per capita inferior a R$ 70 mensais, e está baseado na garantia de renda, inclusão produtiva e no acesso aos serviços públicos. No Município PORTO NACIONAL/TO, o total de famílias inscritas no Cadastro Único em maio de 2013 era de dentre as quais: famílias registradas no Cadastro Único famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família (32,83 % da população do município) 14

15 Acompanhamento de Condicionalidades Educação Em relação às condicionalidades, o acompanhamento da frequência escolar, com base no bimestre de maio de 2013, atingiu o percentual de 89,50%, para crianças e adolescentes entre 6 e 15 anos, o que equivale a alunos acompanhados em relação ao público no perfil equivalente a Para os jovens entre 16 e 17 anos, o percentual atingido foi de 84,79%, resultando em 892 jovens acompanhados de um total de Saúde Já o acompanhamento da saúde das famílias, na vigência de dez de 2012, atingiu 82,16 %, percentual equivale a famílias de um total de que compunham o público no perfil para acompanhamento da área de saúde do município. Assistência Social Em junho de 2013 o município tinha em seu território: - 2 Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) cofinanciados pelo MDS. - 1 Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) cofinanciado pelo MDS. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Atendimentos Atualizados Transferência de Município Trans. De Resp. Legal Novos Cadastros

16 Atendimentos realizados no 1 Semestre de Descrições Precisas Famílias cadastradas /2013 Famílias cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo /2013 Famílias cadastradas com renda per capita mensal de até R$ 140, /2013 Famílias cadastradas com renda per capita mensal entre R$70,01 e R$140, /2013 Famílias cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Total de pessoas cadastradas /2013 Pessoas cadastradas em famílias com renda per capita mensal de até 1/2 SM /2013 Pessoas cadastradas em famílias com renda per capita mensal de até 140, /2013 Pessoas cadastradas em famílias com renda per capita mensal entre 70,01 e 140, /2013 Pessoas cadastradas em famílias com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias Quilombolas Estimativa de famílias quilombolas Famílias quilombolas cadastradas Famílias quilombolas cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo / /2013 Famílias quilombolas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias quilombolas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias quilombolas beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Famílias Indígenas Estimativa de famílias indígenas Famílias indígenas cadastradas Famílias indígenas cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo / /2013 Famílias indígenas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias indígenas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias indígenas beneficiárias do Programa Bolsa Família 1 05/2013 Famílias em situação de rua Total de famílias em situação de rua cadastradas 0 05/2013 Famílias em situação de rua cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias em situação de rua cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias em situação de rua cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias em situação de rua beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Componente resgatado do trabalho escravo cadastradas Total de famílias com componente resgatado do trabalho escravo cadastradas 0 05/2013 Famílias com componente resgatado do trabalho escravo cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias com componente resgatado do trabalho escravo cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias com componente resgatado do trabalho escravo cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias com componente resgatado do trabalho escravo beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/

17 Famílias Ciganas Total de famílias ciganas cadastradas 0 05/2013 Famílias ciganas cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias ciganas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias ciganas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias ciganas beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Famílias Extrativistas Total de famílias extrativistas cadastradas 8 05/2013 Famílias extrativistas cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 8 05/2013 Famílias extrativistas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias extrativistas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias extrativistas beneficiárias do Programa Bolsa Família 7 05/2013 Famílias de Pescadores Artesanais Total de famílias de pescadores artesanais cadastradas 0 05/2013 Famílias de pescadores artesanais cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias de pescadores artesanais cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias de pescadores artesanais cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias de pescadores artesanais beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Famílias pertencentes à Comunidades de Terreiro Total de famílias pertencentes à comunidades de terreiro cadastradas 0 05/2013 Famílias pertencentes à comunidades de terreiro cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias pertencentes à comunidades de terreiro cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias pertencentes à comunidades de terreiro cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias pertencentes à comunidades de terreiro beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Famílias Ribeirinhas Total de famílias ribeirinhas cadastradas 0 05/2013 Famílias ribeirinhas cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias ribeirinhas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias ribeirinhas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias ribeirinhas beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Famílias de Agricultores Familiares Total de famílias de agricultores familiares cadastradas 4 05/2013 Famílias de agricultores familiares cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 4 05/2013 Famílias de agricultores familiares cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias de agricultores familiares cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias de agricultores familiares beneficiárias do Programa Bolsa Família 2 05/2013 Famílias Assentadas da Reforma Agrária Total de famílias assentadas da Reforma Agrária familiares cadastradas 5 05/2013 Famílias assentadas da Reforma Agrária cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 5 05/2013 Famílias assentadas da Reforma Agrária cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /

18 Famílias assentadas da Reforma Agrária cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias Assentadas da Reforma Agrária e beneficiárias do Programa Bolsa Família 5 05/2013 Famílias beneficiárias do Programa Nacional de Crédito Fundiário Total de famílias beneficiárias do Programa Nacional de Crédito Fundiário cadastradas 0 05/2013 Famílias beneficiárias do Programa Nacional de Crédito Fundiário cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 0 05/2013 Famílias beneficiárias do Programa Nacional de Crédito Fundiário cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias beneficiárias do Programa Nacional de Crédito Fundiário cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias beneficiárias do Programa Nacional de Crédito Fundiário beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Famílias Acampadas Total de famílias acampadas cadastradas 3 05/2013 Famílias acampadas cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 3 05/2013 Famílias acampadas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias acampadas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias acampadas beneficiárias do Programa Bolsa Família 2 05/2013 Famílias atingidas por empreendimentos de infraestrutura Total de famílias atingidas por empreendimento de infraestrutura cadastradas 8 05/2013 Famílias atingidas por empreendimento de infraestrutura cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 8 05/2013 Famílias atingidas por empreendimento de infraestruturas cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias atingidas por empreendimento de infraestruturas cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias atingidas por empreendimento de infraestrutura beneficiárias do Programa Bolsa Família 7 05/2013 Famílias com pessoa presa no sistema carcerário Total de famílias de preso do sistema carcerário cadastradas 1 05/2013 Famílias de preso do sistema carcerário cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 1 05/2013 Famílias de preso do sistema carcerário cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias de preso do sistema carcerário cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias de preso do sistema carcerário beneficiárias do Programa Bolsa Família 1 05/2013 Famílias de catadores de material reciclável Total de famílias de catadores de material reciclável cadastradas 1 05/2013 Famílias de catadores de material reciclável cadastradas com renda per capita mensal de até 1/2 salário mínimo 1 05/2013 Famílias de catadores de material reciclável cadastradas com renda per capita mensal de 70,01 a 140, /2013 Famílias de catadores de material reciclável cadastradas com renda per capita mensal de até 70, /2013 Famílias de catadores de material reciclável beneficiárias do Programa Bolsa Família 0 05/2013 Beneficiários Pessoa(s) com deficiência Idosos 906 BPC - Benefício de Prestação Continuada - (Período 07/2013) 18

19 3. BANCO DE PORTO (Prodivino) Criando Condições para as pessoas Construírem o próprio caminho EQUIPE TÉCNICA: TALIZE CECÍLIA MARCARENHAS - DIRETORA HELLEN KELLEN DA CRUZ SILVA IGNÁCIO AGENTE DE CREDITO BRENO VALTEIR DOS ANJOS AGENTE DE CREDITO 19

20 QUALIQUANTITATIVO Relatório qualiquantitativo referente às atividades desenvolvidas pelo Banco de Porto (Prodivino) durante o 1º Semestre de O QUE É O BANCO DO PORTO: O BANCO DE PORTO desenvolve ações para a inserção social através de políticas públicas de Crédito. Com o foco em criar condições para o desenvolvimento sustentável, econômico e social, incentivando o setor produtivo, atuando na geração de renda, e assim, melhorando a qualidade de vida da população portuense. 1- APRESENTAÇÃO O Prodivino Banco de Porto Instituto Social Divino Espírito Santo tem facilitado o acesso ao crédito para o micro e pequeno empreendedor, sobretudo àquele que deseja iniciar ou ampliar seu negócio, como é o caso de A missão do instituto é promover o desenvolvimento social e possibilitar a geração de renda para as pessoas de baixa renda, por meio de empréstimos aos pequenos empreendedores (formais e informais), bem como possibilitar financiamentos aos servidores públicos estaduais. Para o presidente do órgão, Mazinho Moraes Ribeiro, o objetivo do governo do Estado é fomentar e garantir crédito sem burocracia, por meio de empréstimos aos pequenos empreendedores. Praias Outra linha especial de financiamento de microcrédito está sendo disponibilizada para os comerciantes que trabalham nas praias do Estado, a exemplo de barqueiros e barraqueiros. Estes trabalhadores terão acesso a microcréditos no valor de até R$ 3 mil reais para investirem em negócios de atendimento aos turistas. Ao todo serão disponibilizados cerca de R$ 3 milhões em financiamentos para as praias e entre algumas cidade foi Porto Nacional, além de outras que poderão aderir ao Programa. 20

21 O empréstimo deverá ser pago em até 10 meses, com taxa de juros de 0.5% ao mês, carência de 60 dias e sem consulta ao SPC/SERASA. Além disso, o empreendedor deve apresentar ao Prodivino os documentos pessoais tais como: RG, CPF, comprovante de residência, RG e CPF do cônjuge, certidão de quitação eleitoral e dados bancários do proponente. Oportunidade de Crescimento Dentre os programas de microcrédito, a Nossa Oportunidade tem sido o mais procurado. O programa oferece empréstimos para pequenos comerciantes, profissionais autônomos, prestadores de serviços e para todos que querem começar ou ampliar um pequeno negócio. O dinheiro é destinado à compra de equipamentos, matérias-primas e capital de giro, com valores de R$1.000,00 (mil reais). A taxa é de 1% ao mês, com desconto de 0,5% para quem pagar em dia. Após 24 meses, desde que o primeiro empréstimo esteja quitado, é possível conseguir outro empréstimo de R$ 2.000,00 (dois mil reais) e assim por diante. O valor máximo a ser repassado para a mesma pessoa é de R$ 5.000,00. A exemplo de Ariston Belarmino do Nascimento Neto, que usou o crédito do Nossa Oportunidade para montar uma barraca na Praia de Porto Nacional. Como sua renda aumentou, ela já se organiza, pagando em dia suas parcelas, para contrair outro empréstimo. O programa já alcançou 100 cidades do Tocantins entre elas esta Porto Nacional. Dês de 13 de maio. Como o Instituto tem o cunho social, a principal exigência que o programa faz é que os filhos do beneficiário estejam matriculados na escola. Além disso, não exige comprovação de renda; não faz consulta ao SPC e SERASA; não precisa de projeto; e o aval é solidário: o avalista é a pessoa quem indica (não podendo ser o cônjuge), sabendo que uma pessoa não pode avalizar mais de um empréstimo. Vale lembrar que atende quem já é beneficiado por programas sociais, como Bolsa-Família ou Pioneiros Mirins Microcrédito Conforme Mazinho, a prioridade do Prodivino é atender pessoas com pouco acesso às tradicionais linhas de crédito dos grandes bancos, com um processo menos burocrático e taxa de juros abaixo do mercado, no percentual de 0,5% ao mês, oportunizando o 21

22 crescimento do negócio. O instituto não visa lucro. A resposta ao trabalho está na satisfação do beneficiado e na oportunidade de ajudar cidadãos a melhorarem de vida. Estamos disponibilizando recursos para atender quem mais precisa como o microprodutor urbano e rural, na área de confecções, prestadores de serviços diversos, pequenos agricultores, agricultura familiar, confeitaria, entre outros. VISITA INSTITUCIONAL Capacitação dos atendentes no Prodivino em 2 Dias Palmas Visita da diretora do Banco do Porto em 3 Palmas ao Prodivino Visita na (Banco Caixa Econômica) em 3 Porto Nacional (Conversar com o Gerente) Visita no (Banco do Brasil) em Porto 3 Nacional (Conversar com o Gerente) Visita de Informativo no Cras Vila Nova 1 Visita de Informativo no Cras Esperança 1 TOTAL 11 Quantitativo de Empréstimos entre MAIO e JULHO Banco do Brasil 26 PRODIVINO Não informado pelo Banco Caixa Econômica Federal 28 Total 54 Empréstimo para Barqueiros e Barraqueiros da Praia Porto Real 22

23 BANCO DE PORTO (PRODIVINO) Atendimento no Banco de Porto MATERIAIS CONFECCIONADOS PARA O BANCO COMO INFORMATIVO 23

24 4. CRAS VILA NOVA EQUIPE TÉCNICA: MARY CRISTINE COORDENADORA SILVÂNIA BRANDÃO ASSISTENTE SOCIAL CATARINA OLIVEIRA - AGENTE ADMINISTRATIVO MARIA DINERLEY- AGENTE ADMINISTRATIVO ROSALI PEREIRA NUNES - AGENTE ADMINISTRATIVO ISABELA PEREIRA FELIX AGENTE ADMINISTRATIVO MARINALVA DE OLIVEIRA CARVALHO - AGENTE ADMINISTRATIVO 24

25 O Cras Vila Nova está localizado na Avenida Parnaíba s/nº no Setor Vila Nova, em prol da comunidade carente. O objetivo é atender o pessoal de baixa renda, e a juventude, com a finalidade de resgatar a auto estima, estimulando o bem estar e o prazer pela vida, oferecendo cursos profissionalizantes para as pessoas, e atividades para os jovens, como capoeira, Karatê, futsal, voley, canoagem e dança. Durante o 1º semestre de 2013, foram desenvolvida as seguintes ações: Dia 11 de Janeiro de 2013 ás 10hs Reunião para apresentação da nova Coordenadora do Cras Vila Nova. Dia 31 de Janeiro de 2013 ás 08hs - 1ª reunião com a nova Coordenadora do Cras Vila Nova, com os idosos. Dia 07 de Fevereiro de 2013 ás 15hs Reunião com jovens e com a participação de alguns pais. Dia 08,09 e 10 de Fevereiro matine na avenida, com o apoio da SETAS,Cras Esperança, Creas, receberam elogios do SBT de Belém, e da TV Anhanguera. Dia 14 de Fevereiro uma reunião com o grupo da melhor idade, onde foi trabalhado os movimentos corporais. Dia 19 de Fevereiro novamente o grupo da melhor idade trabalhou com bastões trabalhando os movimentos través de dança. Dia 21 de Fevereiro novamente o grupo de idosos reuniu com a Coordenadora Meire, para trabalharem com o tema: Sexo ajuda a envelhecer bem. Dia 22 de Fevereiro aconteceu uma reunião com o Secretário e a equipe do Cras, para mostrar as atividades oferecidas. Dia 26 de Fevereiro com o grupo da melhor idade desenvolveu-se a dinâmica do bambolê ao som da salsa, com muito movimento e equilíbrio, com a coordenadora Meire. Um alongamento com o Professor Genival. 08 de Março Homenagem ao dia da mulher, com a presença do Secretário e a comunidade, e mais de 300 mulheres. 07 de Maio houve um evento no Cras Vila Nova, Projeto O Positivo, com a parceria da Prefeitura de Porto Nacional e a Capacitação dos Professores da Rede Municipal da Educação, aproximadamente 600 pessoas. Houve uma Novidade : Cinema Itinerante e o Forrozão para a comunidade abrangente. Preparação para a Semana do Bebê. Oficinas de geração de renda, aulas para crianças e jovens, cadastramento e recadastramento do Bolsa Família, Confraternização do dia das Mães. 25

26 No mês de Junho ocorreram: Curso de geração de renda, pintura, ponto cruz, corte e costura e cabeleireiro, e as atividades com jovens. Dia 07 a coordenadora do CRAS fez palestra com mais de cem crianças, matutino e vespertino, com as crianças da Creche Delza da Paixão,apresentado as repartições do CRAS. Festa Junina ocorreu dia 28 de Junho, com muito sucesso, houve competição de quadrilhas. No mês de Julho ouve o desfile na Praça com os profissionais, alunos e funcionários da SETAS, em homenagem ao aniversário da cidade RELATÓRIO QUALIQUANTITATIVO Serviço de Proteção e Atendimento Básico a Famílias e Indivíduos (PAEFI). Relatório qualiquantitativo referente às atividades desenvolvidas pelo CRAS durante o 1º Semestre de Atendimentos realizados ás famílias da comunidade que pertence Ao CRAS Vila Nova juntamente com os eventos realizados : Matriculas realizadas de Geração de Renda: Cabeleireiro:52 alunos Coste e Costura:28 alunos Pintura em Tecido:35 alunos Ponto Cruz:11 alunos Cabeleireiro Corte Costura Pintura em tecido Ponto cruz TOTAL 126 GRUPO DA MELHOR IDADE: MELHOR IDADE TOTAL: 25 IDOSOS GRUPO DE DANÇA TOTAL: 28 ALUNOS GRUPO GESTANTES TOTAL: 18 GESTANTES 26

27 ATIVIDADES REALIZADAS COM JOVENS E CRIANÇAS: Karatê 24 alunos 14 matutino 10 vespertino Futsal 33 alunos 10 matutino 23 vespertino Capoeira 33 alunos noturno Vôlei 17 alunos 12 matutino 6 vespertino VISITA INSTITUCIONAL: Creche Deusa da paixão 4 CAPS 7 CRAS Brigadeiro 3 Escola Esatadual Irmã Aspásia 1 Casa do idoso Tia Angelina 5 Maternidade Tia Dedé 2 TOTAL 22 CAPS CENTRO DE APOIO PSICOSSOCIAL Encaminhamento para curso 4 TOTAL 4 DEFENSORIA PÚBLICA Encaminhado um jovem para inserir nas atividades. 1 TOTAL 1 ATENDIMENTOS DA ASSISTENTE SOCIAL NESTA UNIDADE: Total de Atendimento 89 TOTAL 89 ATENDIMENTOS BOLSA FAMÍLIA NESTA UNIDADE: 1ºCadastro Atualização de cadastro Total de Atendimento Simestral TOTAL ENTREVISTAS CONSEDIDAS: Rádio Tocantins AM 3 TV Pontal Band 1 TOTAL 4 27

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Assistência Social Contexto Histórico Perde o caráter Assistencialista e passa ser Direito de acordo com critérios estabelecidos por Lei ( LOAS no

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único foi criado para o governo saber melhor quem são e como vivem

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DE BAIÃO-PA. Secretária Eliana do Couto da Rocha JANEIRO - 2015 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME XI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios A visão dos municípios sobre o Pacto Federativo ROSILENE CRISTINA ROCHA SECRETÁRIA EXECUTIVA ADJUNTA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CADASTRAMENTO DE GRUPOS TRADICIONAIS E ESPECÍFICOS

Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CADASTRAMENTO DE GRUPOS TRADICIONAIS E ESPECÍFICOS CADASTRAMENTO DE GRUPOS TRADICIONAIS E ESPECÍFICOS Cadastramento diferenciado Atualmente, o Cadastro Único identifica 16 grupos populacionais com características socioculturais ou em situações específicas

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HUMANO

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E HUMANO SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DESENVOLVIMENTO HUMANO TRABALHOS REALIZADOS NO 1º QUADRIMESTRE 2013 O Programa Atenção Integral as Famílias - PAIF, consiste no trabalho de fortalecimento de vínculos

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 04 UNIDADE RESPONSÁVEL INÍCIO DA VIGÊNCIA

SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 04 UNIDADE RESPONSÁVEL INÍCIO DA VIGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SBE-01-H/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SBE SISTEMA DE BEM ESTAR SOCIAL 02 ASSUNTO SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 03 SETORES

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS Porta de entrada dos munícipes que necessitam das ações de assistência social que potencializam a família, a comunidade de referência, fortalecendo seus

Leia mais

9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013

9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO ESPERANÇA BRASIL OSCIP ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO 9 anos acreditando na comunidade! 05.05 - RELATÓRIO GERAL DE ATIVIDADES 2012 / 2013 Janeiro de 2014.

Leia mais

Prezada, NOTA TÉCNICA 001/2012 1 _ Recursos da Assistência Social_ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS e com o Decreto 7.636/2011.

Prezada, NOTA TÉCNICA 001/2012 1 _ Recursos da Assistência Social_ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS e com o Decreto 7.636/2011. Prezada, NOTA TÉCNICA 001/2012 1 _ Recursos da Assistência Social_ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS e com o Decreto 7.636/2011. Florianópolis, 22 de fevereiro de 2012. Interessados: Setores

Leia mais

AMIM PROJETO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ORÇAMENTO IDOSO

AMIM PROJETO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ORÇAMENTO IDOSO AMIM PROJETO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ORÇAMENTO IDOSO 2016 PLANO DE TRABALHO 1 DADOS CADASTRAIS DO TOMADOR INSTITUIÇÃO PROPONENTE CNPJ AMIM Associação da Melhor Idade de Mandaguari

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social SUAS

Sistema Único de Assistência Social SUAS 34 A Assistência Social, a partir da Constituição Federal de 1988, passou a integrar o Sistema de Seguridade Social, como política pública não contributiva. Portanto, é direito do cidadão e dever do Estado.

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ EDITAL DE PROCESSO SELETIVO ESPECIAL Nº 01/2014 MULHERES DA PAZ A Prefeitura Municipal de Diadema por meio da Secretaria Municipal de Defesa Social, no uso de suas atribuições, torna público que estarão

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba.

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba. CARTILHA do CRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - PSB SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA Prefeitura Municipal de Parnaíba

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Brasilândia TEMA: Procedimento do Sistema do Bem Estar Social

Prefeitura Municipal de Nova Brasilândia TEMA: Procedimento do Sistema do Bem Estar Social Página 1 de 11 A CONTROLADORA GERAL DO MUNICÍPIO DE NOVA BRASILÂNDIA - MT, no uso de suas atribuições legais, com base no art. 2º, da Lei Municipal n.º 330 de 07 de Agosto de 2007, aprovado pelo Decreto

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA COFINANCIAMENTO DO SUAS O Sistema Único de Assistência

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

Projeto Voz do Batuque

Projeto Voz do Batuque Mostra Local de: Maringá PR Projeto Voz do Batuque Categoria do projeto: I Projetos em Andamento Nome da Instituição/Empresa: Instituto Morena Rosa de Responsabilidade Sócio Ambiental, Cultural e Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 NOME DO SERVIÇO Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos, classificado como Serviço de proteção Social Especial de Alta Complexidade. DESCRIÇÃO A entidade prestou em

Leia mais

Conselho Tutelar de São José dos Campos-SP. Circunscrição Centro. Prestação de Contas Dezembro 2011 até Novembro 2012

Conselho Tutelar de São José dos Campos-SP. Circunscrição Centro. Prestação de Contas Dezembro 2011 até Novembro 2012 Conselho Tutelar de São José dos Campos-SP Circunscrição Centro Prestação de Contas Dezembro 2011 até Novembro 2012 Conselheiros Tutelares Eleitos: Mandato do Triênio 2010/2013 * Daniella Magalhães Itacarambi

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MANDAGUARI Secretaria Municipal de Assistência Social PRÊMIO GESTOR PÚBLICO PARANÁ PGP/PR DADOS CADASTRAIS Ano/Edição: 2015 Município: Mandaguari - PR Função de Governo: III - Assistência Social CNPJ: 76285345-0001/09 Endereço: Avenida Amazonas, 500 - Centro

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua LOAS benefício de prestação continuada (BPC), previsto pelo art. 203 da Constituição. garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ PREFEITURA DE LARANJAL DO JARI SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA/CADÚNICO.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ PREFEITURA DE LARANJAL DO JARI SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA/CADÚNICO. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ PREFEITURA DE LARANJAL DO JARI SECRETARIA DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA/CADÚNICO. Relatório das Atividades do Programa Bolsa Família Laranjal do Jarí-AP Ano: 2011. SOBRE

Leia mais

Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h

Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h Programa e Projetos Secretaria Municipal de Assistência Social Rua José Teodoro Ramos, nº 16 - Fones (18) 3341-1412 - 3341-4681 Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa de Avaliação dos Centros da Juventude

Sumário Executivo. Pesquisa de Avaliação dos Centros da Juventude Sumário Executivo Pesquisa de Avaliação dos Centros da Juventude Danielle Oliveira Valverde Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Brasília,

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Conversão da MPv nº 411-07 Presidência da Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - Projovem, instituído pela Lei n o 11.129, de 30 de junho de 2005; altera a Lei n o 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

Páginas: OFICINAS DE ESPORTES. Oficinas de esportes consolidam a formação de atletas em Canavieiras

Páginas: OFICINAS DE ESPORTES. Oficinas de esportes consolidam a formação de atletas em Canavieiras Páginas: 10 OFICINAS DE ESPORTES Oficinas de esportes consolidam a formação de atletas em Canavieiras A Prefeitura de Canavieiras vem incentivando a prática regular de esportes, através de diversas iniciativas

Leia mais

Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CADÚNICO

Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CADÚNICO Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CADÚNICO O QUE É O CADASTRO ÚNICO? Disciplinado pelo Decreto nº 6.135 de 2007 e regulamentado pela Portaria GM/MDS nº 177 de 16/06/2011, o Cadastro

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO SOCIAL

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO SOCIAL ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ASSUNÇÃO CNPJ 01.612.635/0001-02 Rua Tereza Balduíno da Nóbrega - Centro Fone: (83) 3466-1079 - Fax: (83) 34661079 E-mail: prefeitura.assuncao@bol.com.br CEP:

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 Institui parâmetros nacionais para o registro das informações relativas aos serviços ofertados

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

Prezada, Florianópolis, 29 de novembro de 2011

Prezada, Florianópolis, 29 de novembro de 2011 Prezada, NOTA TÉCNICA 004/2011 1 _ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS Florianópolis, 29 de novembro de 2011 Interessado: Setores de Contabilidade das Prefeituras Municipais e Secretarias Municipais

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente!

Mostra de Projetos 2011. Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra de Projetos 2011 Programas Espaço de Convivência da Melhor Idade e LBV Criança: Futuro no Presente! Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS

UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS UACEP UNIÃO DE AMPARO À COMUNIDADE DE ESCOLAS PÚBLICAS Missão Priorizar o atendimento às crianças, adolescentes, idosos e a família em situação de vulnerabilidade social através do esporte educacional,

Leia mais

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados

Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Programa Bolsa Família: Avanço recentes e principais resultados Luis Henrique Paiva Secretário Nacional de Renda de Cidadania Dezembro de 2014 2011-2014: Ciclo de Aperfeiçoamento do PBF e do Cadastro Único

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

Plano de Execução de Projetos Sociais Ano - 2011. 1. Apresentação

Plano de Execução de Projetos Sociais Ano - 2011. 1. Apresentação Plano de Execução de Projetos Sociais Ano - 2011 1. Apresentação Maria Clotilde Perez Rodrigues no artigo O Marketing e o Terceiro Setor, publicado no livro Gestão Social, Estratégias e Parcerias (2006),

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-1 - Proposta de uso do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa LEI Nº 950 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAR PESSOAL PARA ATENDIMENTO AOS PROGRAMAS PETI, API, PROJOVEM E BOLSA FAMILIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL

BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À ASSISTÊNCIA SOCIAL 1 2 BOLSA FAMÍLIA TRANSFERÊNCIA DE RENDA E APOIO À FAMÍLIA NO ACESSO À SAÚDE, À EDUCAÇÃO E À

Leia mais

MDS: principais resultados e perspectivas

MDS: principais resultados e perspectivas MDS: principais resultados e perspectivas Patrus Ananias de Sousa Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Brasília-DF, 22 de abril de

Leia mais

Geração de Oportunidades. para a Inclusão. O que é. Importância. Objetivo. Como funciona

Geração de Oportunidades. para a Inclusão. O que é. Importância. Objetivo. Como funciona 4 112 O que é A articulação para a inclusão busca organizar a intervenção direta dos governos e a apoiar projetos desenvolvidos por estados, Distrito Federal e municípios que gerem oportunidades de inclusão

Leia mais

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais.

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social. O CADASTRO ÚNICO é a porta de entrada para os Programas Sociais do Governo Federal e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPES

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPES PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPES SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CIDADANIA TRABALHO E HABITAÇÃO CRAS SEMEAR E PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA De: Coordenação CRAS Semear e Coordenação Programa Bolsa Família

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Petrolina Junho de 2013 PRÓ-REITORIA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL E-mail Endereço proae@univasf.edu.br assistenciaestudantil@univasf.edu.br

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Todos os benefícios sociais numa só conta OGoverno Federal lançou o Cartão do Cidadão, em junho de 2002, um cartão amarelo, de plástico e magnético, como os usados

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência As informações declaradas pelo agente público neste questionário possuem Fé Pública e constituem registros administrativos do Sistema Único de Assistência Social. O fornecimento de informações inverídicas

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO (E-MAIL): CIDADE: UF: CEP: (DDD) FONE: CONTA CORRENTE:

Leia mais

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E ADOLESCENTE

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E ADOLESCENTE CADASTRO DE INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E ADOLESCENTE I INFORMAÇÕES DA ENTIDADE EXECUTORA 01) Nome da Entidade: 02) Endereço da Entidade (rua, avenida... número, complemento): 03) Bairro/vila/Jardim:

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais