BBBBll BBBBBI ^H» flsbbbbs L»»»»»»"^»»»»»»»» BBBBbI ^^BBBbI»»»»»»»»r^^B»»»l...r^^^-.BB»»»»»pJjl^B_(jBjBja_B^B^tJHaM^^^^^^^^^^^^^^^^^^a.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BBBBll BBBBBI ^H» flsbbbbs L»»»»»»"^»»»»»»»» BBBBbI ^^BBBbI»»»»»»»»r^^B»»»l...r^^^-.BB»»»»»pJjl^B_(jBjBja_B^B^tJHaM^^^^^^^^^^^^^^^^^^a."

Transcrição

1 Esperdo Pr Auento Qurt-Fer Novo d Gsoln»* ^, - _ ^, X\, -/, V [ * Cntrá en Moscou e Pequ Atrz Brsler Vàpj Oícó ^^SBBBBBBB^SSBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBsWsWM^^ l^rn^rwmfvpvpwh 1 P--W p Ln^rc Hl RH BBBBll BBBBB ^H» flsbbbbs L»»»»»»"^»»»»»»»» BBBBb ^^BBBb»»»»»»»»r^^B»»»l r^^^-bb»»»»»pjjl^b_(jbjbj_b^b^tjhm^^^^^^^^^^^^^^^^^^ BBBBB UUrllr rrhím llll J llllllswllbtísss ÍÜTÚ «n líl *TTTTtTw^PTJl*^T^^^^ss^^Pfsf FWMlL^F* í ln MMsSMSSBBBBBBBBBBBBBBBBBsWPJssWj J 1!_ M ^ BB» J L *ÍMM 1 * J T^B»»»! j- 1 PEDRA 1 1 ^v»1**^^ EM GMAlR^H 00 ESCÂNDALO DA CEXM PEDRO MOTTA wr LMA Yno V MÍSffl Ro» Dongo, 20 Dezebro 1953 GLÓRA A MEMÓRA MORTAL DE STÁLN nosso Bupleento hoje o grn Stá- DEDCAMOS lln, se vvo íósse, copletr nh, 21 * zebro, 74 r d O povo brslero soube copreenr sgnfcção Stáln n vd tod hu- QUARTA-FERA: lue nlo d Gsoln CONSEQÜÊNCA DO PLANO ARANHA Trt-se, não obstnte cortne, dé fuç do Conse* lho Nconl do Petróleo, s u uento e conseqüênc do runoso «plno Arnh? A Superntendên* c dá Moed e do Crédto rá estbelecer os ágos ncdrão sobre portção cobustíves líqudos n* for-se o ágo pr portção d gsoln co* u subrá 7 pr 12, o sgnfc u-uento so centvos por ltro gsoln* AGUARDARÃO* DECSÃO DO PLENÁRO Os revendores gsoll* t gurdrão csão do plenáro do Conselho Nco* nl do Petróleo, no qué se refere o uento cnco cèntvos-d cossão ven* d pletedo Provàvelen* te, durnte reunão pr uentrão preço d gsoll* n, confore clrção do engenhero Plíno Cntnhe*, tbé será trtdo o ped uento nld nte d herd o p* e d l- por sso tnto o ou, S,UoJ?, St?"n vvo, eorou sepre festv co* e clorosentl J nclusve & << Dezebro, co relzção fetos extrordnáros, dê nscrtçso coo d0 noe d0 cn)peo Dos &, p?z-?<>»" 4o Morro rãos, os este no, do eór cultün- StáUn, blhdores os tr- e os leros rpíorc ptrots brs- cpnh jud à prens Populr 2«nrf?AS"ÍMSr cendáros twn»-«los n- guerr e ln hoenge do lero Stáfln povo brs- lsts Jwcolher : lhres; e nllhres ssnturs c todo o ps AS DUAS QUADRLHAS COROLANO PADLHA TEN- TAM CHEGAR A UM ACORDO ENTRE «CAVALHEROS» SOB A PROTEÇÃO COMUM DO CATETE PROCURA-SE PARÁ WANSPORMAR O NQUÉRTO NUMA FARSA, UM «SUPLEN- TE DE SENADOR» QUE NUNCA EXSTU UM SUCÍDO dr u sentdo frs s nvestgçõe» sobre o» escândlo» d CEXM, PROCURANDO f sobre os esos colocr u pedr e c, Cossão nquérto d Câr dos Deputdos pedu à políc pr «scobrr» o suplente sendor ter sdo un dos prceros do sr Vrgu Góes n extorsão contr o sr Severno Cost Brros ;;,:" Poos ssegur se trt "ò u frs * e ds so ve sber utos, se não todos os ebros d Cossão Prlentr n* quérto Entre os funcon* ros d» CEXM é públco e notóro no exste ne* nhu «suplente sendor» no cso, s" uncente u velho e constnte prcelro Vrgílo Góes (es* pécle gente relções públcs do flho Corol* no) Trt-se lto funco* nárlo u Lbortóro s* t Cptl, sóco Vrgílo e, se dúvd, Corolno, Í;Sp;-3H^H^BHM H ^^^^^^^^^BB»B»lBV -bbbbcp^s^bh QEUNR-SE-A extrordl* nàrente n próx qurt-fer o Conselho N* conl do Petróleo pr u* ênt o preço d gsoln bbbbb!»»»e-í*:*^sfl O CNP já está tentndo pre* dspor opnão do povo p* r s esse sslto Ass BBBBB é ve nforndo tudo ndc o prego d gsoln sofrerá uento, «tl^coo n Frnç, on o preço d gsoln t* M subu» BbH Nest foto, tod eses átrâ», prece u nero «torto por esgento no nteror d gler u Grescu no e N» prtvs condções trblho tes)> exsten- esses cntes torn-se couns, e sus elhores lut» condções por trblho e sláro» -o» os dgnos eros Crescu estão resolvdos r à gtéoe (Leo reportge n tercer págn) no chcento trvés d CEXM, ;" (ACORDO ENTRE CAVALHEROS» sto ve coprovr o teos nuncdo: tudo r* ch pr u «cordo entre cvlheros», já o* r dos nuncntes dos es* cndlosxd CEXM, coo o qulslng nzst PdUh, es* to envolvdos e ssltos e negocts noutrs Crters do Bnco do Brsl E trás todos os bndos jlte* dores levnt-se proteção do Ctete, coo Já v* os e reportge nteror, envv dretente, por n* terédlo Vrgílo Góes, orns pr s grns ne* goctts n CEXM «O MANPULADOS DAS FCHAS AMARELAS» Pr se ver coo n * nunc Pdllh e Severno s^felsv PV1 ssssss^y ^!1 V / ^M 1 HhBb Cost Brros contr Corto* **^^^^^^nwk»\\y:-:l:t lno, logo respond to ou* tr núnc dr negocts Pdllh se front dus qudrlh; dè sltedo* res dos cofres do Bnco do P BrsU Hl fclbll bst, ctção u fto Flndo h Televsão Tup, PdUh, fzendo fn-, frrond é presentndo-se % coo o òrllzdor relclo* % - nou lguns noes fundo- C nros d CEXM qu ser 11 os «polutos» Entre estes 1 ve co st o do nte* grlstà Cpeo, jtsten te conhecdo no Bnco coo o «npuldor ds fchs rels» (Qundo qulr fr portdor necesstv 11- cenç n CEXM present CONCLU NA 5» PAG AMANHA EM PETROPOLS A Assocção Fenn do Dstrto Ferl convd *"» sus ssocds e s pessos o sejre ssstr nh, às 18 hors, e su se, confe* rênc do DRABELCH$RMONT»jfy^^ OS TRABALHOS DA ÚLTMA REUNÃO DO CONSEíKO MUNDAL DA PAZ ^1 Pll lhs Hl 1 bhs RHR^H HPl «H^jBbs Hl^^B1 WÊs l^^s-^m Hlsfl HlllFWÊÈWÍ VÍ&&F j JHl íl»! ll: W rv % XbbKbVHS kb«sfl ^^^^s9 ísbbbshbbbbbbbbwbbbbbbí Asseblé Monstro Pelo Abono -, : " -:-"y ~ "*, * O Conselho ntersndcl ptrocn reunão Dnte d ntrnsgenc dos ptrões, dspostos os operáros à greve gerl Corcentrcão pelo Abonç e contr crest U(ll<*lKtU Se d Assocção Fenn: AveMd Presnte Vrgs,M6, sl ÉOSy db zon oo ccu 0 COMÉRCO COM UNDO SOVÉTCO TRÊS GRANDES FAZENDEROS DO SUL D A BAHA MANFF^tt cu* nr «Sí TO REATAMENTO DE RELAÇÕES COM A " ^SSVSSSS1?L1^!8^?ELO MEDA ÜRSS E TODOS OS PASES SOCALSTAS BM clrção o nosso *~ NEGOCAR COM TODO corresponnte e Slvdor três fzenros * NOSSAS GANHAM O MUNDO FORTUNAS AS ccu se CUSTAS pronuncr pel plção nosso ercdo nternconl trvés do sste trocs co URSS e s Deocrcs Populres Ndndo e Ouro l^tml ASOMO DC NATAl/N l WÊ LUCROS 6ST / t - \M * kj P^^^^lBBBB Dsse o sr Edgrd d Mt Pres, presnt d Assocção Ruvl Un e dretor d Coopertv Centrl dos Agrcultores do Sul d Bh: EsÇou píeno cordo e o Brsl negoce co tôds s nções do undo PELA LBERDADE DE COMÉRCO Declrou o presnte d Coopertv Centrl dos Agrcultores do Sul d Bh, sr Antôno Vn: s O Brsl èsw ílo d fse colonl pr projet)*- se no coérco undl co* o grn nção Te necessd lbertr-se ds nfluêncs áres econô- Auento (jo Açúcr *r\ pre«njte do nttuy to dp Açúcr do Álcool, sr Gleno Crl, encontr-se e Recfe rtculndo co os grns usneros pernbucnos u ovento pe- obtenção «elhores preços pr o çúcr ds- nucs pr negocr lvreente Precs, portr uto, prncplente qunr pesd, pr o seu - Senvolvlento Se fcros presos u só nossos portdores, tereos *venr nossos produtos peçog~ bxos e portr preços ltos Logo, nd rsão veos expndr nosso coérco por todo o undo Por sso, soos nte-- rente fvoráves o retento relções co Unão Sovétc e todo o bjoco soclst sso consttur u psso pr o undo sej «u só» e pr consoldção d pz unver- sl,sejo todos os hoens bo vont j *; ^ ^ffl^ j^»l^ B H^^kH * trbudo os consudores O própro sr Etelvl* no Ln4 governdor do Estcíò, te encnh* ; TStStfl^BL- lk»»»kj;-*3&f53^^ «bv^h bk^b «àp âls»??! do ás conversções entre ^ffff^flqb bbk:^^bwp*sb1 Sff-lSSwMBW-^-:-^1 *^WWGWttl lww^êw s&eêêss0- W>Ê& í o nsttuto e os usneros vsndo conclur u eorl será entregue pessolente Vr- E VtWsur-Sene, ulheres do pvo, uts ds qus ães solddo* snrrun^ gs por u cossão tubrões, pr nov ele* s tones vcão * trd» do s produto " * --E^u fcos justíss bertur nosso ercdo à Unão Sovétc e s píses co os qus não nteos relções ssnlou o sr RcwJ) do Cstro Flho, ebro d Assocção Rurl lhéus olog não entr e coérco Cd u te su dé, s* o coérco não po ser prejudcdo Os Estdos Undos e nglterr ven esss nções, gnhndo fortuns às nosss custs Ass, cho o ntercâbo co URSS ve ser logo restbeleddo Será u/ slvção pr zon do ccu " -B^ft^ "^ ^^ÊèéÉÊ ^BSÍ^^^^â^* l P^5^?S* 2 ÍÇ0_«*fV frev*-??, q«e, cso, os responnte) - Anhã, tr«3es pcontnue se o recusn Conselho ntersndcl relzrá grn sseblé ge* res, sseblé nhã do tenr os trblhdo* rl n se do Sndcto dou cretrá u Trblhdores greve d pro* ndústr testo Fção e Tecelge, qundo os trblhdores ds* GRANDE CONCENTJtAÇAO -cumov*tovs7^^ ntensfcção d lut pelo Abono Ntl e contr crest j Dte d vgoros dé* onstráçâo und e ds* posção lut*quí tê * onstrdo os operáros, u* tos ptrões já coeçrr recur Onte> o ternr oprzo lhes foddo p* r se nfestn sobre revndcção dos opüráros u ê: sláro coo bono, yáros se clrr dspostos pgá-lo Aconte* ce os trblhdores es* tão dspostos não frr nenhu cordo e seprdo Ao contráro, ren entre eles copleto esprto un* d e fret - n lut pel conqust su Just re* vndcção»bp»»bm<3" r *" NAfe!*sMS;sK^g^^^ *«v»*b»»»»»»v^/" fj*ff?ff*ffj )»Wfl*ttfl *f7" ft***àw^fm^nfwwwtv^ *[>- ->-* %:7^vXvCC3SlS*^^ HsflSÉ^": 1dWbb^bbsb»*w l^^mt^íb^nt^fff^^^l^^ ^^ytf^^jè JÊ^^Í ^íííbbhbsl Jbb»b lool / -?í^tb^b^brlr * j ^~ ^^tv^ ítâ^rcd tbé, p- r terç-fer prtrnràs 20 hors, e frente à Preetür, u concentrção dos trblhdores exgndo o bono:-, Nest nfestção, cont co o poo nestr* to do Conselho ntersndcl, congreg toc s cor* pcrçcés operárs Pé* trópolls, representntes do povo é: drgentes sndcs, levntrão veeente protes* to contr polítc c* rést do governo Vr gs-arl (Pexoto APARECEMÊSTÍMts UM HOMEM DE VERDADE sgp»w "7»vES»»»*M*^X4^^^»Bf -»»*»»»»!»»»»»»»l Nest cs, gor trnsford- e torrefção do "Cfé Cpxb", funconv Escol "Alberto José Spo" Dezens outrs escols públc» tbe ou bndonds for nd fechd» e construção, enqunto o ensno sobe preço do»eprr (Le reportge n últ pgn) NSTTUTO 15 GAS A í RENA O Arrud, MLTON trbhotelero, EA- lhdor grd Ferrer Lete, secretro-gerl d UNSP, Alvrá Sous, presnte do Sndcto Nconl dos Mrnheros e Cres Alberto Cost Pnto, dretor do Sndcto dos Jornlsts, legdos brsleros o Congresso Sndcl Mundl qüe drgr os trblhos d reunão-plestrd relzd nó Sndcto dos Mrceneros Todos os legdos-usr d plvr, nfestndo-se pel cessção edt d guerr colonlst n n dochn N outr foto, owpecto do plenáro votou pelo térno d "guerr suj" (Le n 9S pgn) B^B»»»»^^^- BV*?" \>*-*^^^^^^^^[H fl»»»»»»»»»»»»»»b»l^!^í^»b«b^b^^ Hl - lllm xl BB BK v^k,\sm bw BW^^^jl-y^tS Vnj Orlo» 1buneV, Vnj Crco ürss, Repúblc Populr d Chn e De* ocrcs Populres 19 (J>) PRAGA, ntelectus ertsts brslero», ebro» u legção do Brsl, pssr por e»t Cptl, on for recepcondos pels orgnzções rtístcs o culturs A cntor Vnj Orco seguu onte pr Moscou, ondo ncrá u excursão rtístc trvés d ü, R S- S, Chn, Polôn Tcheco-Eslováqu A pntor Djnr Mot segufo e vst à Hun* Orl e o rquteto Vlnov Artgos relzou conferênc n ÜnU versd Prg DE NOVEMBRO ONDE TERROR Depõe perte cosrto nquérto o eüfo os drgentes dl «escol» D^NDO> n Cbo nquérto pr notr > M rends vrlfle» r»^**-»-»ítí^ Sfnt!M ***? n ocsão^íoíctdo^ *^?o^í^tobr^fto bucos tlhd renortrsj ítssl*^ <,u P» Sobrnho, rvs eteírrvd LSSlLâ?*""* UveC» «nf do secretáro tao \let, à P*" qne^^*, r íí^^rtí voçô pr nel lhe dr po- ocorrêncs s se encontrv u sur* en São Pulo psseo), é n verd Acrescentou, ebor drge escopresentsse,,ebor u sej specto se-nlfàbeto Su lstlvel, sofrendo dtreç&p se terríves lt dôrés, co dus b, sepre dr costels rzão os e u brço ds, gur* frturdos, eso o secretáro qundo estes são ne ser perguntou o hv contecdo Ltou»» prossegur hulhndo chnclhndo o enor O secretáro do nsttuto, é u -ex-gurd d Colôn Dos Ros e, e vrtu ds costuers usêncs do dretor «é Getúlo u ocuac ds plhdos svndo ntunentos d escol pr os seus do* cllos Costu dzer o ennos do SAM só pren bxo chcote e surrs O gurd Ldo, espncou Antenor brbrente, go por êste pedu cfé for do horáro, prenu-o du» conclu & p«x

2 yv}a\^y\y- ** xy%,> Seleções Mentrs Zj^^,^, Agenor B PARENTE dos Rosenberg não os t dorr e Pz O últo núero d Ajsopbr revst «Seleções» co ur rtgo S Ardnl Füeberg, connsdo «The Aercn Legon Mgzne», busc provr p jove csl jju erec relente cr eléttc E-lof os rutos do e-crthyso, preocupdos co «justç» Ms pôr tnt preocupção, se Juus e Ethel já repous no sono eterno? Por qué revver epsódos to dolorosos, entreendo-ós, nclusve, co ctçflm do nosso conhecldso «O Globo», do eqüestre Roberto Mrnho A flo, o própro Pneberg nos dá! «Por connre os Rosenbergs à orte, os EsUdos Undos for nsultdos é 50 lngus coo **egen**», «l^bros» «sunos* O jorn-; lst é osto Os podos não for tão brndos é os dos er e or núntero Más xeos os tlhes d ldo, e vos os, ftos Apre* eternos, lgus ds «provs» :j0 s- PTNEBEBG - «s testenhs- Dvd GreeAglss u ulher, be coo H* tf Gold provr for coplet os Rosenberg; r espões \ A VERDADE -^ Os te* teunhos dos Greenglss e Gold não po ser levdos è cont Os três sé confessr espões, er, ; co-réus, e, ss, tnh o áxo nteresse le neulpr os Rosenberg Nesse sentdo é nteressnte notr Prootor Publc, rrolr nd enos dé 123 testeunhs, pr, fnl slstr grn núero, contentndo-se co os três co-réus e lguns trs do F, B 1 Entre s- testeunhs rrolds se chv o Dr Urey À Procurdor sstu ouv-lo E co ult rzão, Pos o Dr Urey frr nterloren-,,?», e entrevst o New York Tes dè 2 rco 1Ô46; «Sej qus fore os espões cpzes [recolher te-ls-ão esss nforções, s rpdente Hfto sndo sus css e trblhndoe céus próprlos lbortóros» Ts plvrs lnç por terr o conto d esponge tôe Ms não é só O redtor centfco «Lfe> 26 rço 1951, dz qüe,* bob exploâãó, Greenglss preee lógc senão pdssvel» E o própro Urey, flndo o New York Tes 2 rço 1951 reter qué s nforções tlhds sôbre bob tôc exgr 80 SO volues pressão herétc soente u sábo ou u, engenhero ser cpzes ler E pr os ncrèduloá, u nforção: ó *Dr Hroldo C Urey er u dos dretores <d usn fbrlcou prer bob tôc FNEBERG Os qne se nfestr fvor dos Rosenberg Urey e Elns-, ten no tnh qulr«conhecento jurídco * A VERDADE Urey e Ensten não for os úncos qüe se nfestr respeto Ms, qulr for, seus conhecentos ÉPOCA DOS ESCÂNDALOS J centífcos lhes pert dr un opnão ds l blzds, pos prt», éle* do prncípo ctênc, hvendo condtçttsx se senvolve gulente «tt todos os píses, pos nfto * u prvlégo rfs ou povos Ms Jáquê Fnèbefg r Jursts, clteno* guns, entre os utos fcr o ldo dos Rosenberg: D N Prt, u,dos ores dvogdos londrlnos, exnndo os ddos do processo, concluu éle er produto u Wsterso ntcounst, e o counso e URSS er utlzdos coo «pno; verelho frente o ouro» Connou veeenteente for fccos - co Kufín drgu o processo Jes H wolfe, prero gstrdo d Corte Supre-, ruth, nos EEUU, conn o veredlctu qüe reput ulto frágl, cres- cntndo nflo se po dr fé «às clrções pessos se clr els ess «consplrdoresv év procur trr proveto sus nuncs» Êle se refere os Greenglss e Gold - FNEBERG A senhor Morton SobeU, espos n ebro d re esponge, ssegurou qe «Julus e Ethel por slvr pele se flsse, s eles nunc trrão os- seus gos» A VERDADE S, os Rosenberg nflo flr Eles nflo tnh o flr Não cetr o telefone posto à ber d cr elétrc HsflM Nflo se prestr o ppel flsáros Sus plvrs, às véspers d eletrocussão, náo perte dúvds: «Soos nocentes, Est é ver-, d nter Abndonr est verd é pgr, u preço, sdente lto, nd pelo nprecvel do d vd; u vd coprd st ner nflo se po vver co dgnd e respeto» ;, :--"V ;: PNEBERG, Nflo hv nulo pr o peddo grc O: cso Rosenberg esteve subetdo -tods às nstâncs XÁ VERDADE- ÍOs Rosenberg for Julgdos por u Jurl, coposto eleentos envenendos1 - pel hster guerrer Êsse Jur poré nflo fxou pen A connção à orte fo ternd pelo Juz Kufín Ebor tenh hvdo -núers, pelções, nenhu ds cortes chegou to- r conhecento ds ess E sto se explc O Jurl é soberno, sorte os Trbuns ãe Apelçflo só por nulr connção pr subeter os réus novo Julgento, se* entrr no érto d stão Os : trbuns qulr Apelção não expenr Juzo respeto do cso Recusr-se, pur e splesente, tor conheclento d pelção O únco pod odfcr sentenç er Elsenhower, concendo grç FNEBERG Procurou-se dvertr os ncutos nu clrção ssnd por ses lres eclesástcos, e se dz estv sendo sdos estrtges counsts pr protegê-los A VERDADE - Centens pstores e rbnos, be coo pdres ctólcos frr o pelo e prol dos Rosenberg, O própro Pp Po X solctou Trun coutção d pen Seu pelo fo rquvdo no Deprtento d Justç, não tendo sldp, ser, encãnhàdo Trun, então Presnte Es se reduzu grn «verd» «Sele- Soes» u ontodo entrs Fnlente u conselho Pr os * sej conhecer, tlhdente o «cso Rosenberg», recoendos letur u peno e belo vro edtdo pel Assocção dos Jursts Deocrts, lntltuldo «O Processo Rosenberg» AH, e grn nuero, encontrro os letores eleentos pulverzrão, copletente, s torpes nvenções «Seleções» DAS EMPUNDADES U dretor d Assocção Coerdl (Mrtns Neto) flou sbre o oento nconl: «Nu» dsso terá vínculos cn e efeto co roxl>l,«d eleções 1954 e o receo nfunddo nüo e set sufrgdo ns urns B vv o Brsl dn, «ult Hor», d CEXM, d COFAP e do nquérto), " cou Dstrto ferl do «projeto 1000» e do cnhs-felrn Estos u «poç dos nquértos, s, tbé, ds punlds e, o cbo todo sso, será todo sepultdo no lxo» Enqunto os nquértos fore fetos pelos hoens d es clsse, no ná pego Qundo o povo tor plvr,, tudo v fcr dference O SAPS E O POVO O SAPS, e vez fornecer lentção ««d e cesslvel os trblhdores, nund os Jorns co tér pg, Onte, u sss térs, cvd pelo pcret Lcerd dz: «Nesse prtculr, o resturntes do 8AF8 e eqnlpr n escols vgor físco, sndo, sendo su n Cão copleentd trvés d dlvljçoo, dvulgção, e lvros, e conferêncs, e publcções sugestvente elbord conhecentos gers stndo* orentr o povo n o le coer, do nntrlr-»e, enf,, vver» O eso Jornl publcv noutr págn o SAPS cs tá pgndo enos- o sláro íno Averd è os servdores do SAPS e os trblhdores >néte v encontrr lentção protest contr s ^njustçs e os esbnjentos crnosos dos dlnhejrps dle Servço CONTRA d VOTO SECRETO O escrb-vere Nertn Mn cedo, puplo Chto e Pdlh, nveste, corpo u c&o hdréfpbo, contr o povo e su grve no «O Jornl» Onte, éle dz:, «K e precso fo- retrr «esss «sss» veto eereto e fc sso qunto ntes, ntes eso els nqule e stru o rege» A strvtez do ntegrlst é ttto grn, dspens qulr coentáro, O MUNDO DO ESPÃO PADLHA O vespertno blcolor Vrgs, Wner St C epenhdo fundo e rebltr r ldrão públco e sscrdor do povo Corolno, dln lgus verds sobre o espl&o Pdlh «Ve do ondo ds negocts e ds trpçs, do epréstos fvor, pssou pels espeluncs d cl pelos plo» d*s pentenclárs, percorreu os cnhos ntocrátcos do ntegrlso ver, ptrvessou c túnel tenebrosos d esponge, servço do ngo e«- trngelro e contr o sgrndo nteresses, dà NçSo» N lut dos grupos por s orvtlêgosp explo s pqr drdées ste rege foe e sér, s podrídoes dos seus íub-hoens coo Pdlh e Corolno,, XX--:; ESTA T-^BA TÉM DONO,- Mngber regressou b Bh e ntes tou entrevst: «A pressão qu se te é terr fle nngué«fbo sslto Sontc-se todv, Nção v perend n eléncl, se é JA não entrou -frncente Sostn e estdo dc revolt por tndo te lte Concorr cd u coo pur pr poupá-l, enqunto for pesslvel, ds nd pores, ftlente hlo Vr, fe náo udroh ruo % y - Est terr te dono, dr Mngber tee é Justente revolt do povo Hft "s s estrnhv, êle, o bej dor d o dc Elsenhower, Vrttòás os Estdos Undos Agor fz pelos n lnh conhecd dos velhos pol» tlros: «cos revolução, ntes o povo fc!» LEMBRA-VOS DE WLLAM DAS GOMAS No «O M ndo», P P escreve: «Há - u ovento nero pr levr, novente Mlton Cpou o Pláco d Lberd (ndo rest g enor dúvd, trt-se u grn noe, dj» konetl- * d e sobred e for hun, Ao contrre do «tul cvulen Mlt, B o dbo 6 qúe tose eso ovento r fzer Juscelno o sucessor ÇtoAllol)» Mjton Cpos ê o responsável pel orte dp l (Jer nero Wll Ds Goes Nd s nturl do quo u Juscellno suced u Mlton e vce-vers Estío undos pelo eso ôuo o povo e pelo eso servlso os perlsts lnquègí XXX -X-X t-w]») DR A CAMPOS CUURGUO DENTSTA) Detdors nstclc**- P» pro*»so Mrte-tMrleMf Bxtr- «Se dfíces» operções d boc - BEOOES TSOS R MrtVíJlb co (Boc) terl frrntdo por preços rtíveu (Cosul- Wrlo Bo do Cro, 8 9* ndr - Sl 901 As trcs, q\n U e sábdos, e Bos O Mnoel, s (Sobrdo), t «(ns, qrt e cutç-clrn Telefone; « ; X ; - :--V-:-- \ :"\ "xy:-x ^,: :; X f,"\ MPRENSA PO^üUR AllKJ, *</ -_{%p X,UÚ XX- : " X-":, " -X- -, ;" y xx: Protest os lunos do 8, centfco do Colégo NUo PeçsMl»-~- O Dretor resr u hoenge «expontâne» Quer à cost do estudnte* OS lunos do 80 no Cen- «fco do Colégo Estdul «Nlo Peçnh», estão sen do cogdos pelo dretor dêste educndro, sr Je Bttencourt, pr press* t o fcínor Peo coo prnlnío d tur, e re- Use «elo ás festvds tun hoenge Alrnh, lnçr egutte not flor o ssunto: «O estudntes do 80 CentUleo Noturno do Colégo Bstdul «Nlo Peçnh», st RECLAMAM OS OPERÁROS D A FABRCA PBROPOUTANA: Quere renovção d quns en què trblh Vfnu coo se fosse escrvos feuds Explordo ulheres e enores O trste n bocnh tod cd Csctnh PETRÓPOLS, 1» (Sucursl), E u vst qne fleos à Csctnh (2 Dstrto Petrópols), ouvos os operáros ds fábrcs locs sobre necessd do retento relções entre nosso pl e URSS, tendo todos concorddo nterente Os d Petropolltn, por exeplo, dsser: «E vez trocros nossos produtos por rentos guerr ercnos, ou ven-los pré* cos bxos, veos negocá-los co URSS e píses sodlsts, nos oferece áquns, etc e se necessd do dvss Ê lé do s, o elo se concorrer pr n, conqust fntv d Pn jquns!-mprlustaves * Eles sbe á portnc d portção quns novs e orns pr s ndústrs ncons As co eles trblh sáo prestáves, posts e uso constnte há s 80 nos Ne u ds 1100 lá exstentes prest Tê ulto pouco rendento, o exge dos opcráros esforço sobns-huno pr cobrr sus sots do produção El, prevendo sto é os ptrões nsttuír pr êlcs u «prêo produção» no vlor 200 cruzeros Ms só gnh 1 consegue superr e uto produção todos os-déíns COMO VVEM ETRABALHAM A stução trblho e vd sses operáros, coo, ls, todos os outros e Csctnh, é revoltnte Le- tepo br os ntgos escrvos no do feudlso, se dreto nd e copletente penntes d explorção ptronl Mor e css cs sts so USAM WÊÈ3È /* "VJ-~=j^c ^ " * ftnw«j^ff*^glqwws»»s _^_ PETROLEOOUqUNft PETRQLEQ PRODUTOS RFCOMENDADOS PELOS MAORES CENTSTAS, PARA COMBATER A CA PA E QUEDA &QJCABÈL05 AO COMPRAREM EXJAM^SOBFRANA n toos âs fkcs, RAstPkvus bobísu pertencentes è epres, cujos lugués so perodcente jordos Execut Mrvcos estfntes e co horáros ores o norl, sto é, cordo co vont ptron Gnh sláros se ráves Bs u exeplo: AJUno Alvres Arújo (têxtl n,0 5, 2, dvsão: no D2, 3 S drsts), te u sláro CrS 1184B0, sujeto dlversos scontos, entre cs qus o do AP Cr$ 94,60 e «dlversos» 22 cruzeros EXPLORAÇÃO Dos 1500 operáros d Petropoltn, tos dè 1000 so ulheres e enores Estes gnh sláros nd ns lserávels, utos té nferores o no legl, B sto speto do enore tepo utos té servços l, - Kuns dos qus co s 40 nos B por c, s roups s servlgo, lhes er foecds grtutente, sáo, gor, vendds preços estorslvos U outr for exporçfto usd pólos ptrões d Petropolltn contr os operárlos é chtd «ssstenc útu», po eo d qul fornece eles consults édcs, s trvés edcos prtculres d epres,, nturlente, cobr seu trblho UM TRUSTE EM AÇÃO U fto* ch tençáo qulr pesso chegue Csctnh: é nfluenc d epres n Stndrd Brnds ot Brzl, funclon lá Aos poucos v se tornndo verdr senhor tod locld Atulen te, já est&o e seu por terrs, css, energ elétrc té trnsportes A energ eletrc,e o trnsporte, segundo se fr e Csctnh, os ns consegur por eo conchvos co Copnhl Brsler ( fornece eletrcd Petrópols) co Leopoldn E coo nào por xr ser, ren entre <* epregdos e operáros do truste brutl explorção Mutos são té nquldos pelos che* fes ns^ qué os obrg trblhr eo ácdos e ou trás substâncs corrosvs se o no protecto As s ofcns so d-, ento e estão sepre olhds No há sú resst l s u no O SAPS Pár ternr est reportge, l u núnc, gor sobr* «ssstênc» do SAPS Csctnh Os pre- «os ds refeções subr 8 pr 9 cruzeros, possbl- Utndo grn prte do fre ntdores, consttuídos quse operáros, contnure l se lentndo As, porou quld d cod: crne é sepre dur e flt pão Ms tod est stução te spertdo copreensão dos operáros e dó pov0 Csc, tnh pr lutre té consegur os seus justos dretos M grve e trls te contecento está se pssndo culndo o lso d Juventu estud éste «tbekcento, pdr*0do ensno M lstdo do jluo M Jnero, otvdos pel coção exercd sôbre os lunos do roferdo colégo, d«sdè o gnáso o centfco, por eleentos trbláros e Prepotentes procur oeroer noss lberd ns sus fors s sples expressão, fzendo sentr à su ção nefst e corruptor té eso n escolh «prnlnfos», «ptronos» e «hoengens especs», sentes n obrgção tornr pú- Mco tltes ftos, vsndo recuperção orl do nosso colégo e pedr os nossos soes sej usdos, pr fns suspetos, o os nossos protestes não coprecer u colção gru, n qul fgur noes coo os for presentdos, nonves não represent ne representrão nunc, os nseos u juventu dône nc gor s u etp, do su vd, ve ser vencd co honestd, cráter o dgnd, ss Pércles Pedro Sobrnho, Huberto Monte L, Arndo Antono dos Sntos» prens Popult Dreter PBUBO MOTTA LMA Sen* S-tn» VENUS AVULSA N4e#re d< dl y* NálsM* trsd Ml AMSlMATtBAt í ASO «t«see*e*f«f MljNl 9 MjHM ««éete "àmotm "e*«e* SXTEBlO W MtlMltMUstH, «ttetef eo»oso«soo««o«ss -*f M6MÍ seosototooooot) SUOBBA BM HAO MULO t * WtsdtN,» st, s W, StJÚüBÉâl M tbo A Vlsod Ues,» Me, ts lekns» - Beee» âdmtetrele, Bn Osnvo U*rd V AMEAÇADA A SAFRA DB TOMATES TERJJSOPOLS (Po corresponnte) - E vrtu d flt ercdo d dfculds surgds nós justes co os nterednos, os plntdores totes, estão eçdos perr tod su sír ou se/«u prejuízo totl dè 80- lhões cruzeros EXCESSO DE - MOSCAS EM TAOCARA TAOUABA (Do corresponnte) Auent uuustdorente prolferçjso oscs e osqutos «n tod cd As utorss sntárs não exste, n prátc, pr enfrentr os nocvos nsetos cujos focos se encontr cd psso, nclusve nos chros porcos exste e grn quntd no centro d cd A CAMARLHA DE AMARAL ACHACA C POVO DO ESTADO DO RO nobres scrds e crnoss _ Pr tpr u robo 2 lhões cruzeros hvdo n Copnh Brsler Águ e Esgotos Nteró e São Gonçlo, os dretores st copnh governentl vê cncente cobrndo dus vses txs stes servços BLACK-OÜT EM FRBURGO NOVA FRBURGO (Do corresponnte)" * Os et-dores ds tus Poly (Olr do Conego), Mrechl Florno Pexoto e Lopes Mrns, estão protestndo contr o re* xento e scso d Co* pnh Energ Elétrc locl x s referds rtérs às escurs, pos quse tods s sus lâpds se encontr ds Não Jogue For Nto Jogue for se s» pto velho Consertos grntdos à Bu 81o Lourenço,»: Sol ntetr oo es sols, oo rpz e grnt Telefone: Nteró ntrnstável o Trecho d Estrd Entre Tretá e «Presnte Dutr» Conseqüênc ds últs obrs d Lght Arl proeteu estrds qundo fo buscr dólres nos Estdos Undos e s rodovs Flunenses est&o cd vez s lentáves VASSOURAS - (Do çoríesponnte) --jdste uncpo est se ressentndo co s dfculds, dfttrttegp no trecho rodováro copreenddo FESTA DA MPREN- SAEMS JOÃO DE MERTÍ VJÍs Mort, 19 (D Sucuflftl) Des dongo últo noss Sucursl ostent un» nov pjc co 03 dze- **«: MPRENSA POPULAR A nugurção d plc se consttuu nu conteçnpnto e fo precedd dè u er- ; tusôstco condo Pd nhf, enfrentndo chuv cí, u grupo gos d MPRENSA drgu-se à fer f venr exeplres (Jo nêgso jornl U polcl j tentouf?er provocção, conetndp 0 povo nâo topvr MPRENSA Fo por, Todos ped: «Dá-é u exeplr», «Eu tbe r ro u», etc* E pouco tépo o «ornndo» estv co s ãos vzs v De volt, pouco pos dò eo-d, fo então colocd plc, pel su purd confecção e pelo el expre, 6 u/otvo orgulho pr os ordores %U, / ) entre Tjretóe estrd «Presnte Dutr» O cso é o segunte: e conseqüênc ds últs obrs relzds pel Lght pr provetento ds égus do ro Príb, coo reforço d repres do rberão ds Ljes, u grn ss lqud provocd pels scrgs ss repres, nvdu nu extensão s 400 etro q referdo trecho nundd regão, tornou-se es, coo é nturl, to* tlente ntrnstável Ass os utoóves e cnhões pr qu se stn tê r uto lé d loclldd " Cbrl pr lcnçr estrd d «Ponte Co* berv», pessente conser* ívd e cuj estrutur no coport trfego ntpnso,0 LOUCOS ENCARCERADOS EMCAMPCS CAMPOS, 19 (D Sucursl)" --Por flt vgs no Abrgo João Vn é «lo S* ntíro Henr Roxo, for recolhdos ppr trás^ ds gr* s ecre 16 débes ets* Stução ds s lr entóves e svtntes, o prsonento dls nfelzes vts d dobhl entl é u testdo v\vo d vs» sdão polcl er nosso ps dr nesse crnoso scso do sç, Al Pel* xoto, não tondo nenhu provdênc pr nprllzr o tráfego locl e outros uncpos flunenses, e não fz uto tepo o genro do gogo Vrgs voltv dos Estdos Undos crregdo dólres lrndo «ss dnhelr trsdà d terr d cr elétrc e do Uncuento ser stnd cortr o Estdo ntero rodov» Pr on ter do êsse dnhero, pergunt do povo Vssour, prncplente os ndustrs «coercentes, grnente prejudcdos co ess stução Revoltnte Explorção no Hosptl Antôno Pedro Gross explorção ren no Hosptl Antôno Pedro, e Nteró, O esso é os funconáro» do eso so scontdos e sms sláros, sendo o dnhero pr fzer fce às spess v refeções Acontece ts refeções são gororobs nusebunds possíves ser ngerds* Ass, os funconáros so orftdo» coer for, 9 sgnfc qu fse dus spess, o qu«pes n po- ngud recebe sláros bxíssos > A copnh ve cobrndo txs nd dos eses 10S0, por sber ser possvel o contrbunte gurdr os recbos pos tnto te- PO Dverss pessos vê chndo os recbos dos eses cobrdos, e sscr ês te roubo escndloso d crllh Arl Pexoto Ms o, dr Orlndo, ur s NERVOSOS drgentes d copnh, present então outros eses pr cobrnç, té o conssão esteve e noss e sej obrgdo pgr A cotrbunte não tenh o recbo redção protestndo contr k nobr crnos Arl Pexoto, ostrou dversos»- cbos, coprovndo ss ldroer Arl e su crllh» >L í,íj *"«*!--- Olrculd Sexus Mulhr no fobs Hoe oonl rrltbllldsue, Hervcslo d nlrtprkud 8foM,»5í n^egurnca dílw fftc^,rt2s5l; MAVAJUUTO MPBCAZADO DOS nhtdbbos NBUM«X»XM CLNCA P8COL0CCA ^"*"" Dr J Grbos «f*p *W»*» t» nd» ren Sás 13 ds N-tOM "*", " M às 19 Dor» dl»rlâ«te»^ TERRENOS DE PRAA Venos n s lnd pr Nteró, dstnte nutos ds 41 Brcs Condução gráts pr vsts drente, Trtr n TRANSCONTNENTAL - Av trecj5l KL"0 \~, V *ndr <ntlg Ru Ur«)- Fone: 2»^ vsts o loteénto, se coprosso, às sábdos, qunts-fers, dongos e ferdos Hvendo tbé condudw norl drente - (Acetos corretores) ^ * rtrrrrrrt_r*t,-*e**+,t*,0,, s, ARTGOS FNOS PARA HOMENS -CAMAEMESA FABRCA PRÓPRA VENDAS Ã VAttJCJO BUA DA CAROCA 87 (Junto à Prç Trntes) Sndcto dos Ofcs Alftes, Costurers e Trblhdores ns ndústrs Confecçüo Roups e Chpéus Senhor, do Ro Jnero Séo: Lsgo ée São Frncsco, 19, sobrdo, entrd Mo l^!^s, Telefone: Convocção o convocdos todos os sócos qutes qne este ^fflm^kísnls^ 4WSÍWB -SH?-^? %2! S?*2?rí álrtb We- se relzrá «w*w n wn hb> s o corrente, prós 18 hor ««*»*! «**w ««elnte Orâ9»t 1) Letur, dscussão e provção d ) Dr t conhecento nteror,» ^ dn d-» resposts rmnn envds S^!?^J2j Sndctos Ptrons e lberr respeto Bo Jnero, 19 zebro d W Blnoel Brás Orrtco TESOURERO Pec Cfé Pulcé O Cfé 100/ Gostoso x RECUSE MTÁÇÔES O Neu, o Seu, o Nosso Cfé

3 Stáln, o Exeplo RO, o Xn 19» MPRENSA POPULAR, Págn 3,, enso Su Vd d MANHA é o do nversáro S_áUn, O hoens 11vres todos os p* ses reverenc eór do grn dscípulo e consolddor d obr genl Lênn E todos o* recntos do undo o noe Stín justç, verd, prgresso, pz vé evocdo pels pessos sples N verd, coo Lênn, Stáln contnu à frente dos povos trvés do seu exe- po e dos seus ensnentos, :;undo-os pr vtór Su rrr ensg< o dscurso hstcdco probunfdo e outubro 1952 oo XX Congresso do Prtdo Bolchev é u ensn- ento vvo pr todos os povps, prtdos, ltntes A burgues nog seus ester-orçs já não se perte c«- tos «luxos» do pssdo Nlo reconhece- o dreto pesso, dreto sgrdo nscrto ns Consttuções A sobern nconl, té há lgus décds trás respetd Pelos governntes burgueses, é hoje post retlho, no " dá s?» d dcgdção E su lut lbertção nconl, os povos do undo ntero tê hoje oexeplo e certez d URSS- Nles dls 1905 e 1917 não hv exeplos presentes pur 0s bolchevs eussos, rrubv o por * ttfát ncv trução do novo ndo -lut, & "O povóg té dè tor sus os bnr d M*> ; berd, rrd pel r guestê epunhr bnr d npendênc _: -«: "::- :- nconl, lnçd for plo Declr Lfeo Huer n nugurs lo d nov se d UNSP Algovernnte* servçodo ftes e costurers percorrerão s fábrcs enr propgnd do conperlso S tê sobretudo, tor cus d pu 1 clve Os btes hoje - e s lo e fedé-lã té o f M oportund d nuguflrp város ordores, tpresposta AOS PARTDOS fsteè enbnento«~; rçto d nov se d Unlo dós ressltndo o lto sentdo Dversos representntes ostáln, Nconl dos Servdors PAseus dscursos, sus ptrótco do conclve, on prdos polítcos copreceentrevsts, seus lvros, o blcos, co presenç s sero btdos todos os pror o to e, ness ocsão, exeplo enso su vd j t funconáros, houve bles brsleros / convdr Ldo Huer pr tlhd à ge e seetun cloros refrçáo do Estv presentes o ÜttH- cnddtr-se às eleções lhnç do Prtdo, vd d UNSP, Uco Huer, e 1964 Ldo Huer responugente poo dl gloentd à pró«os copnhero e dseílo Bonfnte, lr dos lhes dzendo o séu prtxl Convenção Pel «n«pulo do grn Lénn, todo/ do er UNSP, co «rtíofl Abos receber nos ostr que Stáln clpçêo Nconl und e su dsposção grns plusos pernece vvo pr hund lut Os probles do funos povos sovétcos, os conlso, centuou, serão povo8 d-jove Repúblc Podscutdos n Convenção Pel" pul Chnes e dog píses /Encpção Nconl e pr ocrc populr, os est ped tod soldred dos copnheros A Conhoens lvres todos os frsou, será trbun píses trnsforr su Novos dontvos entregues à Cossão venção, do funconlso o todo o d«r é forç, lutndo pel ocrc populr, pelo sepovo ; Assstênc Socl d ABDDA ALFAATES 1 clso, pelo counso Os A Cossão Assstôn-~ so e sr Frncsc Mour, E COSTURERAS Povos honr os jurentos c Socl d Assocção Brfunconáros do Bnco do Brfetos nos funers Stáln sler dos Dretos do Hosl, fzer-lhe entreg A Cossão d Alftes 21 zebro, Stáln ree, está proovendo o portânc /Crf 8876,60 Costurers Pró-Convenção Pepous n Prç Verelh, o Ntl Soldred os Encpção Nconl reprovenente d rrecdção ldo Lênn Ms seu exeptrots presos, processdos entre os funconáros dlxou, onte, no Sndcto d pk> enso ostr êle e le nsttuto crédto ofcl corporção, u reunão persegudos e sus fíls, cond nd s grns te recebdo nueross conf trçr nor, pr o, Apel Cossão pr tobtlhs dog povos pel consenvolvento dos trblhos do o povo no sentdo trbuções e dontvos e d«pst d lberd, do proenve sus contrbuções ppreprtvos d portnte sgresso, d npendênc, d! nhero à su nctv, An r se d ABDDH, n seblé Pt d onte, os srs Odlon Nls- Pcou lberdo cosavend Presnte Vrgs, Bo DÜARTU Mr, Joqu náco Crdo529, 16 ndr, sl 1606 soes lftes e costurers, segund qurt-fer d sen próx, percorrerão s fábrcs co o propósto trsr outros copnheros pár ptrótc cpnh Ntl d Soldred Soldred do Proletrdo Brslero o Povo do Vet-N _<, SNDCAS SOLDÁROS AO POVO DE HO-CH-MNH _-_ «* T MAPnn vsc LUTA», AF O FBBSSNB DO Sl5»«_to SAUo M^ k respost Er o Mnfesto tro locl st edção, prov lnçdo pel FSM pedndo r por clção e su soldred dos trblhdosseblé u voto s»l cs do undo _ lut pel dred o povo do Vet cessção d guerr do Vet N, pel cessção d «guern, o proletrdo brslerp, suj» ro; e sus reunões e sdeeens lres e «sscblés nfestou seu gentes sndcs, presentes veeente sejo do, térno u conferênc onte nledto d gressão dós rd por legdos brsleperls-s frnceses e seus ns o Congresso Snprceros ns o heróco dcl Mundl, provr por povo d pátr Ho-Chunnd s seguntes Mn A Conferção dos ensgens: Trblhdores do Brsl, exao Ebxdor d Fcnns prndo og sententos do o Brsl: p-oletácdo brslero pssou «Trblhdores reundos no à Ebxd Frnces e Sndcto dos Mrceners, ;nosso pís o segunte telenfest su soldredgr: os povos frncês e do - «A Conferção dos TrVet N, solctndo V - blhdores do Brsl nexc trnstr o vosso fest vont dos trbgoverno nosso sejo ver lhdores brsleros o solrpdente ternd guerr colonlst contr o : ctr V Excl trnstr o vosso governo u pelo povo vetnt» :! no sentdo d eessção emanfesta-se O dt d guerr colonlst no Vet N FUNCONALSMO Ass) Roberto Mo, *o«etáro gerl» Ms 200 funconáros públcos presentes à nuguoutras MAWreTAÇOBS rção d se d Unão N-, conl dos Servdores PúblOs etldrgfcos crocs, cos, provr unneenconfore notcos e Ov te telegr dêntco o c- trnscrto, ssndo por todor os presentes, nclusve por utords fers l se encontrv APELO 1 o segunte o texto do pelo provdo n reunãoplestr dos legdos o ul Congresso Sndcl Mundl: «Trblhdores tods ctegors profssons, reundos o Sndcto do Ofcs Mrceneros e Trblhdores n ndústr Móves do Blo Jnelro, e 19 zebro 1958, nfest os trblhdores Frnç e do Vet-N su soldárod pel lut senvolve pr cessção edt d guerr colonlst nle ps sátco Est crnfcn post o povo vetnt, os povos d Frnç e sus colanls pels forçs perlsts nterncons e pelos colonlsts frnceses, cons-tut u cre contr o dreto utoternção ds nções e represent u foco guerr co fns estenr gressão todos os pses d Ás nente Greve Ns Mns Crescuà Motvo: tro&o Vrgs, negndo verb já ssnd 30 hões pr pgento dos dcons Revoltdos os neros, exge sseblé no Sndcto CMORANÕPOLS, 18 (Do corresponnte) Os neros Crescuà estão -cddos á se clrr e nudu êste ês O otvo d revolt lvr entre greve todo ) pessol ds ns é nov trção prtcd por Vrgs, negndo verb S0 lhões cruzeros Já concedd, e ssnd, pr pgento do dcons sôbre os sláros dos neros, conqustd oo durs luts ANTECEDENTES E sseblé novente relzd no Sndcto o puas condções sér e tdo Sulo Ros, f -He vve os trblhdores os trblhdores cetspão nenrráves Sláros se o juste feto à su re-oü e 75o cruzeros, dos qus vel, grntu dos 30 «nd trs-b spess plhões ser lquddos os r ícrrnet e té pr os dcons e pgos penos explosvos necessáros o truentos "-lho perfurção e ber Ebor e_se cordo nd tur glers resolvesse e verb sse, pens, pr três eses, os Há tvês eses, não s suportndo,tl stução, orneros, predos pel necéssd extre e se gnzr-se é--exgr SJãvío íno l cruzeencontr, tver cetsv Os pgentos, poré, ros, Abono Ntl, Abono do fíl e os -explosl1 no for efetudos- Espevon fosse fornecdos pel rr té o d 10 e nd copnh A Asseblé Já no d 8, trvés u relzd no Sndcto rtfnotíc ouvd pelo rádo, cou o eorl contendo es Vrgs hv negdo ss revndcções e elegeu verb pós exposção fet u Cossão Greve A pelo Mnstro d Fzend, vef grntr o or éoürfcr hv sdo tq d lut qúe ncv, Uvts nfe trção tr entrr e eontcto co os neros dp B o GrnO PMBGO ENTRA NO do Sul, co os qus esgolpe tbelècer u Pçtó; ndgndos, os neros Ação E segud, rcolsedr rerer nov ssesão do Grove ncou os enblé no Sndcto, n qul tendctos co os ptrões dscutr o ndento d cpnh e rcr du-dbrados P(MR JANGO t pr greve- O re-e GETULK) ento fo ssndo por várs eens ssocdosse os neros _Alegndo rtgos cducos dos cesse conhecento do fto, Esttutos o resnte do os ptrões vjr pr o Sndctp, bertente cuho e levr ds çonfbuphcdo co o serável golludo co Vrgs e co seu pe trção, negou smnstro do Trblho Tnh seblé, proetendo coo objetvo br» lut ntro do 10 ds dretodos neros e sufocr cr encontrr u fórupnh trvés unf golpe pr resolver stão,e o golpe fo preprdo, e plcdo: Vrgs ssnou u verb 30 lüões cruzeros, dos qus ser pgos penos uentos e os dcons Co esse docuento no bolso voltr os ptrões Crescuà e condções pusr o conto do gáro d -Hpl Jnngp-GeluKo EM1 ORAJAÚ E NA LHA DO GOVERNADOR As 20 hors hoje, n ru Deodoro Slv, 1004, e Grjú, terá lugr u bte e torno dos probles sere objeto nálse n Convenção O dr Fernndo Crrzedo Flho frá u plestr sôbre os objetvos do conclve Tbé hoje, ds 10* às 11 hors, n lh d0 Governdor, será btdo o teárlo d Convenção O locl d reunão é ru Tenente Cpeo (Poüclnlc Dr Ros); no Cocotà No d hoje JORNADA NTERNACONAL DE SOLDAREDADE E DE LUTA PARA A GESSAÇAO DA GUERRA COLONAL NO VET-NAM qundo, precsente,, fze 8 nos o povo vetn!t fen herocente npendênc nconl su pátr, lnços o nosso pelo todos os trblhdores do Brsl e os seus sndctos co o f senvolvere pl cpnh tenndo o\ Apelo do Congresso Sndcl D Vnlo do» Operáro» MnMundl pr cessção nlnlpuls recebeos co peddo o segunte: edt d guerr colonl «Ápubllccllo Dretor d UnSo dos contr o povo do Vet-N» Operáros Muncps,cuprndo resoluefo do Conselho DelberREPÚDO A tvo lev o conhecento Reu» ssocdos, e vrtu CARNFCNA d necessd stsfzer nos Sôbre ests- oções pro- pgentos benefcfncls, pé cúlos, funers, co o» uenflr CA Cost to prvlstos n refor seu yds, Pnto, dretor do Sndcto Esuto prtr jnero Jornlsts e Álvro 10 resolveu suspenr neste zebro trdconl Sous, presnte do Snd- ês dstrlbucuo brndos levcto Nconl dos Mrnhed efeto nos nos nterores, ros O prero fêz u on- e «u sedo soclnl & Bu Afon-,»o Cvlcnte, 131 go relto dos contctos O» utnentos prevstos, suo o» teve co legdos operseguntes: ros frnceses e vetnts, BENEFCÊNCA consttndo o enso nseo 1 CrS 200,00 no 1» trestre; 29 Cr$ no 29 trestre; pz bos os povos CrS 100,00 no 89 trestre; Álvro Sous, fzendo St - - Cr* 70,00 o 49 e últo u prlelo entre lut do _ trestre; Xerlndocontnundo o tepo bénepovo Vet-N contr os ftctncl e o óco colonlsts frnceses lu- doente possbltdo trbt crescente do povo brs- lhur, pssrá o qudro n lero contr donção váldo recebendo qunt ensl fx CrS 50,00, té o resperlst, frou então: tbeleolento ou flecento Qundo dos noss FUNERAL Cr* 1000,00 soldred u povo KCtlO lut pel npendênc 19 Cr» 1800,00 o sóco flecer tendo gozdo benenconl, nfestos noscencl; so sejo pz, pondo?ue 29 Cr$ 2000,00 o sóco noss lut pel npen flecer, pos cnco (5) c nconl Anh t- unos efetvd socl se benefcênc; bé precsreos d sol- ter39 gozd Cr$ o sóco dred todos os tr- flecer 2500,00 pos z <10) nos efetvd socl se blhdores do undo ter gozdo benefcênc; DE VERDADE A Soldred do Povo Brslero o Vet-N d onte eentes trblhdo- qe, e noss époc, e lnç eo dso jâo res, nest Cpte, e e todo o ps, o cobto pelo dreto sgrdo dlspore én reunoes e ssenbms nfestr lvreente seus própros stnos A lsu rnte soldred o povo do Vet- ção posterorente r dr o vlente N, reclndo trvés ensgens e povo coreno, pondo e xe e sorr tgnnxqm o gwtm d Frnç cesse Usndo s trops ercenárs do per ventr cotolmte contr o governo po- lso, fo dd tbé pelo corjoso povo vetnt, qe ve nflgndo, rg e pulr Mo CM Mh* Seg, ss, os trblhdores brs- ndscutível rrot os colonlsts frnleros ton d howo e btttnte tr- ósse e seus nstgdores, osperlsts dlçôes d dsse operár e nosso ps qe Wll Street Soente este exeplo, é s u Js ton ttstsr se cmdo poo à M seus rãos trblhdores poroso estulo o senvolvento e h lut todos o poros centr -gressão nosss luts contr donção n no Brsl, elev o povo do Vet-N à grtdão e opressão perlsts O povo brslero, qe vve sob eç do nosso povo Ms lut qe trv os coonhção totl pelos onopólos norte- vetnts contr os plnos do perercnos e qe ressto e lt pel n- lso n, çul seus gentes, os pendênc nconl não po, obvente, colonlsts frnceses, o prosseguento ser estrnho o duro cobte qe há oto d «guerr suj» f ntere u nos sustent o heróco povo vetnt foeo guerr n Asl e construíre contr os coklhsts frnceses e os pe- bse gressão ns fronters d Repúrlüsts norte-ercnos, pr ssegurr- bllc Populr d Chn, é tbé u lut pel pz O objetvo do governo Ho Ch se o dreto utoternção e H- Mnh é ps pr construr n grn fuvrtoov_m_s vd polítc e so- turo pr o seu povo, co o respeto às c A gressão oolonlhst contr o Vet- sprções npendênc e utotorln fo, n reld, o Wdo, pôs se- nção do Vet-N gund guerr undl, pós o esgensentdo te lutdo, s o tlto do ns-fsdso, do recruscento d do, Neste populr Ho CM Mnh, tvd gressv do perhso, sob ndo governo gor, bre port pr solução chef d phtocrd n, contr Hdp condto, ostrndo estr dsberd e á npendênc dos povos e pelo pcfc negocr k bse posto proposts consencento novs guerrs e ch- orets do governo frncês,, s qne resclns ;, pet o dreto do Vet N h sobems heróc resténd do povo do Vet-N os seus gressores representou N Jornds nterncons Soldtbé, por outro ldo, u ds prers o Vet-N os povos exge, te grns onstrções do fortlecento red bé, coo Já o fzer e relção h Coré, dos oventos lbertção nconl neste guerr suj trvés negocpós-guerr e d nvencbld dos povos cesse çoes co o Vet Mnh -jlr O Espnc dor Etelvno Posse edt Pr Dretor Elet ^Ajudsts" Protesttr Contr Prsão legl SOCAS?í*?v* «fe > t eonobvo nop prtdos d re?s!to co, est rendo bncr o «jto estre» pr dr o teu folpj, é proover novenüterprtldárl» »? u S Jn-T4^0»??o op»élnte e ítjd locl, ndcr noe Mn "«"«sor, escolhdo entre do o* eus áulcos e coensls NSo «o, poré, ref lonls spreneríuento, pol 5_l -?"** "»»w»«o prejl3!srvlmr ncl Ces esos processos Pr tnto está epenhdo nu - cpnh publctár, co- novo o espncdo* SURGE pcj Etelvno Uns, *ssno, do estudnte Deróerto So Flho, ns ren d poutlcze nconl, rnendp do bolso uo colete u nov fórul sucessór Snstro Chefe Polc Pernbuco no tepo do Estdo Novo, rolddo o covérno seu Ette unetes p nd nchetes no* Jornl nos pr dr- lpreufto qne te relnten,,, relente se ps «o sr Etelvno é n dos l oddos ngos do novo, tendo sdo eleto frcs à nnso dos ree o voto dos ltlfunçlonárlo dáros e uslnelros A dsto,é qne uw grn»prov cd» on o eletordo vot u ponoo l» Uvreente, coo Becl -lotfo, o ex-chefo PoJ» e >fc frrorosente le rrot, do pelo cnddto podo pelos cqnnlst SOLDÁROS OS M ÉDC0S~DÊ37 COM0 CAP SEb AST1A0 BROWN HHstres envr persowtlds u ensge àqnee ptrot conndo >5t u trbunl fscst _ por ^ Os édcos d tur 1937, d Fculd Nconl Medcn, d Unversd do Brsl, reunr-se Councdo d UOM Seus Assocdos 0 governo e os donos ds ns já hv peddo pcênc os operáros e convnh esper* O utor d j not dstrbuíd pelo Snd- cto fo o Prootor d cd, é tbé dvdgdo do Sndcto GRANDE REUNÃO, TERÇA-FERA, NO A sseblé rerd SNDCATO DOS TÊXTES veráse relzr ntro V se relzr h próxdos ds, sto é, d 20 Se eleto do Sndcto," flndu à terçrfer, às 18,30 ho fôr s u vez negd, o noss reportge s, no Sndcto dos Têxtes, é possível, os neros trnstr o seguntepedu-nus pelo: u; grn reunão convoestão cddos tor oü -E fundentl trás edds, nclusve cd pel dretor elet dp porânc reunão terçcretção d greve Sndcto Ness opwtundeso fer, pr qul pedos contr vont do pelego serão dscutdos os s Presenç do or núero portntes probles d dó Sndcto, entregndo possível do trblhdores Tesu dreção à Cossão ele- corporção, entre òs qus ò os grves probles ret prosseguento d cpnh solver e nest hor ser, co1000 cruzeros por uenodst sgnfc trr os nvtmas DA GANÂNCA to e posse d Chp Proterêsses dos trblhdores E DA TRAÇÃO gressst, contr qul os Pctculrzo eu pelo os plcndo Est sen dos usne- ptrões ve tod ntegrntes d-chp Prosorte recursos, trvés ros perr vd no ngressst, verão coseus lcos teror ds glers d n, precer se excessão à esvts d gnânc dos pfelx Crdoso, secretáro t grn reunão Uões e d trção Vrgs, sepre proetendo elhor condções vd e trblho, n reld p fz é encher os cofres dos donos ds ns e ssegucr su-pund Un dós ortos, Argeró Vrtuoso, fo vít c For lbertdos onte pe: nvestd polcl fo rnte ftl o fzer à "nstlá drugd Pedro José dos dcu legção -os lftção yn bbelétrsntos, José Mr d Slcoponentes do codò,"esc no nteror d n No ver Bttencqurt, Mnoel tv «forçndos populres eso d o nero SerzRos, José do Ptrocíno c contrfcue Pernecenndo fo esgdo por poo jove Luz Alves presos rn nò cárcere leglente sd-pedr se sprenvolentente, n últ 4durnte 48hors,u d pre d gler on-fev n erqun d Ru: d Os èsbjrrós trblhv Sus fíls "br n ocsãoíólcs rou Alfâng co Av Pssos^pór nd nefos se encontr, n s exg co Avend Pssos por üo crúzc:os já dodos tn-e sér, pos não u lt beleguns Os pelo-povo pr " os jorns dc exste sobr pro ne judsts for greddos, Prestes, por prte dos epregdores,, nsultdos qundo relzv E clrção fzer responsáves dretos pel peru condo jud à e noss redção, os cod dár vd hun no prens Populr, ngrndo nteror ds ns, e ne por ^onentegdocondo frdontvos O pretexto pr r quup Apelo Prestes, prte d Seguro ou d Preer etujstcnerte recebvdênc do por todos Acrescentr no oento do to prsão, do eo d gloè- Nsceu sext-fer ult, cção se forou"n Ru no lr doá prtdáros d Pz, d Alfâng prtu u gry Aérco Sntgo e D-Guto: «Abxo o fscso:» lhern Perer Sntgo, Contr prsão, fou Hnd crnç recer víts leglente, os beu o noe Ethel Perejudsts d fnprcj-: - V r Sntgo, e hoenge flln jjròostr veeen Etfe) Boseberg teente, : APABECÊSTE MÊS dto>á(w- 4» Cr 8000,00 o sóco qt flecer pol» qulne (18)no» efetvd socl se ter gozdo benefetnc; 59 Crf 1500,00 o sóco flecer eo enos cnco 5) no» efetvd socl?ue tendo on não gozdo beneflcéncl: MENSALDADE - De CrS 10,00 psso pr Crf 20,00 Outrossl neoessltos fzer obrs nc óvel» o»s propred, lé tero» gstr oo spess toffes do Deprtento Culfíurl n Jurídco Esperos, entretnto, restbelecer est prátc no próxo no - A Dretor» nu churrsco contrentre outrs personlds ternzçâo pr coeorr o édcs: professor Pulo d déco sexto nversáro Slv Lcz, ctedrátco fortur Quíc Bológc d FculCoo se fzesse sentr d Nconl Medcn; cptão-édco >do usênc professor João Crdoso Sebstão Jorge Brow, d Cstro, ctedrátco CAeronáutc, vt nrurgl d Fculd CÜ qu connção e fce do êncs Médcs; Osvldo Doprocesso»frs contr pátrongues Mors, dretor ts d FAB, os presentes do Mncôo Judcáro; provr, sob clção, professor Newton Bethle, segunte ensge drgd lvre docente d cátedr àle ltr: Tsologl f Fculd NBROW conl Medcn; profeshoje, 15 zebro sor Mlton Lobto, tbé 1953, teus colegs, reundos, lvre docente d cátedr coeor o 16" no Tsolog d Fculd Nfortur Sbeos esconl Medcn;Teotôno tás cuprndo u pen nflávo Mguez Melo, dd sujet revsão Não retor édco do APC; Júentros no érto d sho Snrson Querós,tão, s lejos eschefe clnc do Hosptl t pen sej coutd e tegetúlo Vrgs; e Aloso nhos breveente tu Melo Letão, ctedrátco copnh junto nós» Bolog d Fculd d* AS PERSONALDADES Flosof d Unversd do Assnr ensge, Brsl APROVARAM OS METALtRGlCOSr edt Cessção D Guerr no Vet-N U telegr, nesse sentdo, será envdo à Ebxd Frnces Mnterão und e torno d cpnh por uento s, láros Refrdo o poo à CTB Os etlúrgcos, reundos sext-fer últ e concorrd sseblé provr u voto pel edt cessção d guerr perlst do Vet-N Nesse sen tdo, encrregr nd dretor do Sndcto pr envr u telegrn-t à Ebxd d Frnç A propost,fol fet pelo trblhdor José Lels d Cost, fo lrnteente pluddo pelos presentes MANTER A UNDADE, Pssndo o terceroponto d or do d, á sse-, blé não cetr cordosprovou e seprdo co os ptrões sôbre stão do utento slárojs e utorzr dretor do Sndctopkr, juntente bo Cossão Sláros, èstudr o funconento d Cx dé Greve, con se prepr pr brr qulr chcn ou ntrnslgênc ptronl Coo se sbe, e respos t o peddo dos opíeráros uento sláros n bse 50 e 25 cruzeros dáros, respectvente pr dultos e enores, osepregdores pertencentes os Sndctos Üe ndústr Metlurgcsjé ndústrs Mecânícs oferecer pens 20% sôbre os vencentos tus e nd sujetos à ssdud; ntegrl Qunto os dos outros Sndctos ptrons, Mterl Elétrcô e Trnsportes Pssgeros, nd responr áté gor A resolução dos operáros vs nter und dà corporção e tôrno d cpnh " í REPELDA A PROVOCAÇÃO» dd plvr o dr Cr* rzedo, oje se encontrv presentes representndo o funconlso, e conclou os etlúrgcos lutre pel relzção d Convenção pel Encpção Nconl Sugeru, segur, consttução dè u legção escolhd entre os presentes, pr representr corporção no portnte conclve, tendo, o presnte do Sndcto, sr Eurpes Ares Cstro, proetdo relr u reunfêo e breve pr êste f V O segundo ponto d or do d constou dp reltóro do legdo do Sndcto no Congresso Sndcl Mundl Fzendo observções o reltóro, o trblhdor José Lels d Cost, slentou o ppel orentdor e conse w * qwe /nt nte d CTB, fo relzou dvulgção e preprção do ConFnlente sseblé gresso Sndcl Mundl e precou lut pelo bono nosso ps e prooveu o Ntl, tendo u dos orenvo nueros legdores slentdo exstênc ção brsler A sseblé d Coscsão ntersndcl pludu entusstcente Pelo Abono Ntl e?os referêncs do trblhnecessd es dor José Lels à CTB te do poo todos os Conveh slentr es trblhdores O sr Eu-rpresdd por u tl zltno Perer, tudo féz pr pes Ares Cstro, poevtr dscussão do rel- re, «nfestndo u pe» toro, no fo peddo sento própro» dsse lut não ver ser «pelo pel sseblé fêz dr bono, s pens pel plvr o trblhdor «cpção ros lucros ds prjosé Lels dá Cost e proevou su precção, tlh- press, pols não há le d nu outr \ reunão n o pgento do bono», e «os opefcros ser relzd * ve cetr oc bes^s est-utarpela pontâneos seus epreemancpação gcloes r dr» ConAntes pss o últo cluu «é necessáro oponto d-or do d, fo clílcr coposção do P_u> lento» O sr Antôno Aled tbé se,rele- nu es «necessd» dntndo «os trblhdores ve escolher be os seus verdros reoresentntes» José Lels d Cost, e to Voss Excelênc no sentdo tor est tãop- respost,ostrou trótlc edc, únco eo resolve os probles dos suvzr grve stu^ operáros é su lut orgnzd, conclundo: «Pr ção econôc é se consegur o bono é precso encontr o nosso ps e lut orgnsd, nfeste se reflete profundente no ções ns rus, und do seo dos lftes e costuretrblhdores Co sto não s, coo tbé no seo há á vont prlen tod clsse Operár tres ne do governo ouç brsler» prevlege» Pe o Restbelecento Relções Co URSS Cnqüent e do lftes e qosturolís envr o presnte d Repúblc o segunte, eorl: «Os bxo ssndos, fãtes e costurers, tondo conhecento, trvés d plvr do excelentísso Sr nstro João Alberto, qunto será benéfco pr noss pátr retr relções coercs co, Unão Sovétc c s Deocrcs Populres, vê pelr jun- \! " j ;

4 ,- PAGNA 4 MPRENSA POPULAR RO, 20 Xn 1953 *^$!tttà*doste/íores NEGOCA COM OS APARTAMENTOS 0 PRESDENTE 00 APD U letor, bncáro, nos escreve nuncndo grves rregulrds se poss no nsttuto Aposentndors e Pensões dos Bnráros Enqunto os contrbuntes do nsttuto fc n fl à esper u prtojto, utos gurdndo eso construção do edfco,;o3 fgurões do nsttuto dqure prtentos pr lugr e les fze- fonte rend s U grupo \ funconáros do Bnco do Brsl, e Nteról, pleteou construção u edfíco e condoí- A Prefetur Mndou Arrncr Únc Bc <Cro redtor d MPRBN- SA POPULAR: Escrevo pr ess prest» os seção f trnstr o protesto dos ordores nh ru contr, o szelo d Prefetur Resdo e Vgáro Gerl, ou, s precsente, n Ru Bucreste, ntg Ru 21 Est ru fc n encos-: t u orro Pssr por seus brrncos é burcos té chegr e cs Jâ é u suplíco, s o otvo por escrevo é todos nós consros u bsurdo pgueos à Prefetur tx águ se nos sej fornecd u só got águ, A Prefetur xou o encnento chegsse u estdo plorável) os cnos estão scobertos e e utos lugres furdos Entretnto, n cobrnç dos postos é s do pontul Antes exst u bc n Ru Bucreste Certo d o jssol d Prefetur preceu n ru, fcos todos entussdos gndo fosse dr u jeto n bc pr não s fltsse águ Ms, e lugr Plvrs Cruzds [(Proble n 2)15) [(Pr novtos) T -f EBlB^^^ ^^^ B HORZONTAS 2 Mor 5 A crnos 1 A«íh grç 8 Pronoe pesso* 9 Ebrço 10 Not uscl H Argor VERTCAS 1 Lugr d contend, 8 Sufxo, sgn profssão 4 Aversáro, eolo G Contnução 10 ~ Convcção relgos ÍJOLÜÇAQ DO PROMMA N-* 314 HORZONTAS 1 Brov; 6 Eí; 8 Eco; 9 T; 11 Al; 12 Un; 14 Mnr VERTCAS 2 Ro; 3 Ole; 4 Vc; 5,Aolr; 7 Atu; lt) An 13 n CALÇADOS FETAS A MÃO (Fbrcção Própr)- SAPATARÁ CNTRA Goes Frere, - Fone: dsso eles tnh do é rrnçr bc» no Tudo legzdò e tudo provdo, construção; entretnto, não fo fet, ebor entendentos e pro- nesss fzesse precer, o pcojeto segur seub trâtes legs» S, Enqunto os bncáros contlnu esperr o sr Frncsco Túlo Pexoto Alencr, presnte do A-PB, res no prtento núero 1 301, d Ru Sepdor- Verguero, dquru pr s, por fnncento, u outed prtento," n Ru Bo- l vr, h " 89, prtento 601, cjue lugou por sete l! e qunhentos cruzeros " Dz o letor:- \ /- «sto lé consttur u cnte os enfrent flt ord é-tbé u srespeto o esttuto proíbe ternnteente negócos st nturez» ; Ms o sr Frncsco Túlo Pexoto Alencr não é o únlcd usr tl expeden te co o dnhero do nsttuto què drge Tbé o sr Wlsn Perer, ex-presnte do APB e tul procurdor- nsttuto, res no prtíento n 1407 d Ru Sen- Ío dor Verguero e dquru tbé por fnncento u pevtcnto n Ru Bolívr, n 89, está, lugdo por ses l cruzeros - Desprez o Governo As Nessecds do Povo U letor nos esoreveu reetendo ddos esttístcos coprov o bndono e sprezo do governo pels necessds do povo: «Exste no Brsl, presenteente, cds e 3482 vls Qul stução e o povo vve nels, do ponto vst dos recursos ssegurdos pelo Por Pú- Mco? Desss 6372 cds e vls, pens s seguntes dspõe lunção públc: Co lunção à energ elétrc,! 3160; Co lunção crbureto, etc,354- Quer dze-, 1858 vls ou Cds Núeros css Ro Crto (Cer) 3028 Ntl 8579 lhéus 3364, Qul é o otvo dsso? O otvo é polítc dstrbução dos dtheros do cds não oferece à su populção o recurso prro é lunção públc Outro specto: \ Cds e vls- co bstecento dágu, 1442; -Se esse recurso, 3,930 Outro specto, nd: Cds e vls co esgo- nugurd *»»«* **» «" "»>» fnl*!!! nstntâneo tos sntáros, 483; Se êsso recurso, 4889 U nquérto relzdo trvés cvgão do governo Mns, e 1942, sobre - o sneento ds nosss cddos cntodos o pís,, observou no Ro (ítn do Sul, Estdo s rco o Se dgu en cnd , Por Públco, pelos respectvos governos d Unão, «los Estdose dos Muncípos, Os «í " Én í OS AFLHADOS DE DULCÍDO norl, css ex»stentes n zon urbn sus cds (ZONA URBA- NÂ, vej-se be), css, ousej 46% do totl, não tê vágu ehend,, e css (71% do totl) nãotê servços, esgotos E Goás, pr css, não dspõe águ encnd No Puí, pr css, 13,334 não dspõe águ", "Consrndo os resultdos do Censo 1940 ( lá p-, r hoje stução sofreu pouc lterção), encontros o segunte: Se re esgotos (não h re) Í3 FERAS DE HOJE ZONA No Vtsbel Rus Brb São Frncsco e Teodoro 1 d Slv Esfekò Drtr Ru Goás Bngu,, Avend Conego Vsconcelos Mo OrsMvto Frl do Cju e C po dé SBo, Crstóvão, ber Já Rus Perer Arújo e Cspltln Cochbl Ru Corção: Mr Ponh Crculr Ru Enes Flho Rcrdo d Albur Prç T cn nhú Avend Autoóvel Clube, Dl Csttlho Avend Suburbn ftnh Conjunto- Resncl do AP Jcxepguá Prç B- Tão d Tqur Usnd Tjuc Ru tbr Relengo Ru Ml Mostno Pvun Av Autoóvel Clube Coelho Neto Av /Autoóvel Clube Anchlet Ru Generl /Tsso ;, Frgoso Sendor Cornrá Ru «C» Dtodoro Avend ds Bnrás, e frente o Núcleo d Cs Populr Colégo Estrd do Brro Ver*, elho e Avend Autoóvel Clube Jocorepguá Prç Alrnte Bltzr Cosos Prç gr, Andr! Ru Pul Brto KJNA SUL Gáve Ru Lopes Qunts Orc Psç do Ctubl AMARRA CDADE Gbo Prç Snto Crsto, Ctubl Lsrgo Ctubl, ÍONA NORTE Bonucesso Ru Don sbel, Mrechl Heres Ru Jrn Mdurer Ru Dongos LoDes Engenho Novo Ru Vern Mglhães Tjuc Ru Delgdo Crvlho Roch Mrnd Prç 8 Mo Prd Lucs Ru Cordovl- Quntno Prç Quntno Bocúv Andr! Ru tpu Trge «- Ru Fusto Brreto \ 20NA SUL pne Avend governos, se preocup Pouco e tenr, os probles, Ru Arújo Gond Henr Duont, Lee d populção» Botfogo Ru Men Brreto; Nov Se dã DNSP í UÜ < O PREFETO Dulcdo & ntroduzu 3;500 novos servdores ns folhs pgento d Muncpld, dos qus 110 co pdrão «O» se concurso ou qulr outr exgênc Enqunto dstrbu pepnclrs pr seu fllhdos, Dulcdo x subetdos à ores prvções lhres brnbés uncps, se ne eso dreto à u bono Ntl pr enfrentr este f no crest e penúrs Aos seus pdrnhdos o prefeto nd regte Durnte o no, Ducdo fêz nove noeções por d Clro só noeou puplos e sso se vê pel ner rrcglr e njust dos tos Ds 4 l noeções pedds pr o no 1944, serão escolhdos dos l gurds uncpls Trt-se, coo se vê, u prefeto njusto e sstrdo Coproetdo té r do cbelo co poltc Vrgs, ngo clrdo dos brnbéu,» prefeto só te olhos pr ver seus pngudos, enqunto x os brnbés ergulhdos e negros sofrentos e dfends Aos flhdos, noeções e pdrõeselevdos os servdores nd, coo se constt pelos vencentos dos torlstás (40 cruzeros por d) Tl 6 orentção poltlc do prefeto Getúlo Asseblé Os édcos crocs es- tão convocdos pel Asso cção Médc do Dstrto Ferl pár u sseblé no Lceu Lteráro Português, às 21 lors qurt-fer próx, pr lberr edds ve sertods pr cobter s novs protelções o projeto CARACTERZAR QS NMGOS Alé u protesto contr trnsferênc d votção do írojéto, no Sendo, MECÂNCO DS MÂOJNA DE COSTURA Consert, copr e J*!~ven áquns costur usds Re- ^_h^ ^S^t for e Gerl ~ Ven-se áquns novs prestção Tel: 49r83Í0 ATENÇÃO! ANDNOTEM NA NOVA RAMO ROS AL Procure o nosso corretor utorzdo Êno YMorer» n^av Arrud Negreros, e frente à estção, 93 s/5 ss WSédscos pr próx sessão legsllv, ps édcos extern seu scontentento contr os sendores presentr 120 errendns, evncndo, propósto obstruconst, A M B Os édcos crocs /n lsrfo tbé tução d Assocv"*- Médc Brsíler pr sber sc el fo efcente, coo entd nconládosédcos n lut e fes sus re vndcçôes A sseblé verá, por f, ternr qüe novs edds os édcos to- rão prforçr o Sendo provr o seu projeto, (1082:50) se-ores > protelçõps " PAULSTAS w SOVETCAj «u* u*k dnu- Co fttj Wlf l*n4t ;tl» >í», j cftutu UN uoo fqh fltmu-tucnt Plc coeortv do 1» Congresso ofertód pelos operyos do Arsenl Guerr - Oferts dos funconros frnceses- e dos neros d: Polôn MOÇAQ PARA QÜE VOLTE A RENAR A PAZqíí VET-NAM ío nugurd soleneente, sext-fer, nov se d Unão Nconl dos Servdores Públcps Cvs do Brsl Fzer-se representr dverss entds flds, outrs ssocções do funconlso, e sndctos operáros, entre osqul;, ós, dos Tecelões, dos Aerováros, dos Ofcs Náutc, dos Rdotelegrfsts e Conferção dos Trblhdores do Brsl, ORADORES O servdor Je Melgço, do Arsenl Guerr, ofereceu dus plcs à UNSP, e noe dos operáros do Arsenl Guerr, u ls coeorlv d relzção do X Congresso Nconl dos Servdores Públcos Flou e segud o secretáro gerl d UNSP, Edgr Ferrer Lete, fêz entreg u presente dos neros poloneses os servdores públcos brsleros: u escultur-ev crvão representhdo os npetrechos trblho ns ns Entregou : tbé-à UNSP edlhs oferecds pelos servdores d Cs d;moed e do Arsenl Guerí d Frnç - ; O presnte dà Unlãó Brsler dos Servdores Posts Telegráfcos flou ressltndo ção d UNSP n fesá dos nteresses dos servdoíes públcos todo o Brsl SÓCOS BENEMÉRTOS Durnte solend for entregues o putdo Lobo Crnero os dplos sócos beneértos conferdos pel UNSP os-«prlentres tê se stcdo n fes ds revndcções do fúntonlso:, Roberto Moren,~ Benj Fr,h, Hetor Beltrão, Brcnod Slve- r, Lôpo Coelho e L Fguéredo "Ò CONTNUAR LUTANDO lr nconl do fundonlso, Lyco Hüer, fez u retrospecto ds uts do funconlso sob dreção d UNSP, conclndo o f uheonlso, LkcoHuer, fêz u fes dos seus,dretos, pos só ns sus * fórçás po confr > no íapeítc O,pesntc d Feroção Rodováros, S- Pu- o entrugou o Mnstro do Trblho u eorl pro- testndo contr udspensh cerc do 40 servdores do nsttuto Aposcntdort :e 1onsões dos lpregdós ín rrísprtes o Ct,gs nqu- leestdo " SOLDAREDADE AO VET-NA1V Assndc por todos os presentes à solend,, fo dr gdo c ebxdor d Frnç e telegr pedndo nteferlr junto o govêrnc seu ps no sentdo què sej entbulds negocções pr edt cessção do fogo no Vet-N CNEMAS CNELÂNDA CAJTOJO «8c»»õcs pusuutepo» MPEUO «Avno uos nvegntes» Anselo llrte e EUu o 10 JorUH METRO «A crne c o dbo» ODKON «Fut- Ulule» Angélc Hufí o tíuldo Llárlnl 2 3, ,40 e 10,20 hors 1íUACO «Eu to nntrel rd» OUvu Hvllnd e Bchrd llrton _ e 10 hors FATHE «Onl» do vco» Mnrthus Mthls e Murlu A Alves 3 3,40 5,30 7 8,40 e 10,20 hors PLAZA «Un vd pru dos» Orlndo Vllr e ln Duvl e 10 hors KEX - 22-Ü327 «Blnt» ds tornenttts» Uennls Morcné Phlp Crey 2 3,40 7,20 1 8,40 e 10,20 hrs ttvoj «O preço u pecdo» r Mrnd e tos- HunJ Brzzl, e 10 hors, V1TOHA «Trvessurus csdos» Olngcr Bóeérs o Mrllyn Monroe t 8,40 5,20 1 8,40 e 10,20 lors CENTRO CENTENÁRO «Luzes d Blblt» CNEAO TRAJOÍ «SessOes psstepo» COLONAL «U vd pr dos» FLORANO «Bu do Delflr Ver» GUARAN «Be- e bdld» DEAL «Ftlld» US «Ae u bchero», LAPA «O eonds Monte Crsto» MEM DE SA u to tre rd» e «Até o últo hoe» WkM AAHBOCOS «Meus ses crnosos» OLÍMPA «And roces e o ledo» e «Fr oclonlc», PRESDENTE «Cols do vco» POPULAR «O sfo» e «SupUclo u con ndo» PBMOB « «U vd pr dos» BO BRANCO «Líd Blley, fetcer do Ht» S JOSÉ «CM* do vdo» TEXAS «rão» Corts» ZONA SUL ALVORADA Í7-203» «O» uuntes nldltot» ART-PALACO - «Cs 4o vco» ASTOUA «U vd pr oh»: AZTECA - «Trçoer» UASKA - otrultocr» BOTAFOUO «Tr- j vessurs dé csdos» U Novo Colordo EA nte fo o ndcdor epettculo ressurgu copleto, gor vl* lustrção st crônc, slntetlsndo cotção no ovento rreprível do nosso ndócl bonéqunho Aprovetos, ss, hoje, por just necessd, este espço, pr fnr s cnco fgurs Más tbé vsos s ess nunc porão grupr coo ex pressão fel e únc u coplexo goe coo é o-fle, trzendo soente u novo colordo k et seção Vejos "VS Slv X* u grn füet pux! M ss é s! óto! Mereceu os cnco ^ft Ne for, ne conteúdo! pontos! Será se dúvd A j^_k Abcx no duro! E dc u «Ronce Probdo», fâs** doer! U hstór rdícul, «Prver Escftndlos», ^L*, ou u tução péss! «O Knontdo», outro poucos fles, ãlffm f nho dorr e contr-nd- ^ Terá então os dos pont- ^^^F nhos, fze o bonequl- -"J^w üt u for pr - c o flezlnhò E lgc coo «Rncão ds Torents» e tnts outrs besternhs pu- b conteúdo correto k Multo tl bo! Dstr e é d- por co bos ou ulbos ne! A for lnetográfc é corret, tlvez pe qulr colsnh pelo rgr! Alé d Cruz, credo! -Este já é conteúdo tído, ou vcevers Ms é u bo fle, nd se ete provo- nutld ntrínsec t ereceu portnto os qutro pontos Ass teos o tensd! Ah!, só cdor! E qunt pre- «Mouln Rouge», «Eu Te tndo eso E o Mtre Querd», e outr* «ntrg e Prs», relzções teper % não foos ver, uto obrgdo! Se,*é u fle ssstlvel! Serve coo espetáculo! Se^ ve coo pss-tepo! Ne for ou o conteúdo se steç excepconlente, s grd E lpo As-, tenh os três pontos Pontnhos nd o ndc o letor/pos não cepcon, e foos ver «A Fíl Lwo-Lero» Dstr! FRAGMENTOS DE CELULÓDE Trblhdores clnetográfcos tchecoslovco» redr e Bucrest u fle sobre o grndoso V Festtv Mundl d Juventu O, docuentáro, e cores, fo drgdo pelo cnest Cenele Dub, relzdor, d pe* lcul «Azs Vtoross» e do docuentáros sobre os ogos Olípcos, verto e Helsn e lnveíno e Oslo O senho ndo tchecoslovco «Esnte, peno pote!», recebeu o Prêo elhor fle-pro crnçs n Benl Venez Atulente, os Estúdos senhos ndos, n Repúblc Populr d Tchecoslováqu, fnlzr s dos senhos, nttuldos respectvente «Sdbre o peno glo e glnh» e «A Tort Ppoul», ensn crnç portftnc do trblho e do senvolvlento ntelectul pr se lcnçr o sucesso JASMRAS TROPCAS E LNHOS NACONAS B ESTRANGEROS - CASMRAS M FERNANDES portdores Ru Kvurto d Veg, «6-C Loj - Telelon»»: 4M519» «-6642 Aoel-se «oonwd tf o Reebolo COPACABANA «Eu to tre rd» FLORESTA «Blnç us nfo cu» PANEMA «O tesouro do Condor Ouro» e «Ronce/no Sul» LEME «O elhor dos hoens us» LEBLON «Ftld» METBO > «A crne é o dbo» MRAMAR «EU te tre rd» NACONAL » - «Cs do vco» PAX «Cs do vco» PRAJA _ «Furco «ococs» e «Três e s» POLTEAMA «Depos do vendável» KTS «U vd pr dos», RAN «Ftlld» ÍOXJ «Trvessurs csdos» KOYAL «SessSes psstepo» S LUZ 2S-181» «Ptlldu» TJUCA «UERCA «#»- tld» CAROCA «Eu te tre rd» METRO «A crne é o dlóbo» OLNDA -u «U vd pr dos», TJUCA «Trvessurs csdos»- BARROS AVENDA «A fíl tcro-ero» BANDERA «Torrentes pxão» CATUMB «Uventur n índ» ESTACO DE SA «OuncAo Cub») «A forc» e «Cvleros do re Artur» FLUMNENSE «Flechs d vngnç» GRAJAU «Contr tajns s bnrs» HADDOCK LOBO «8-M10 «U vd pr dos» MARANA «U preço pr cd vd» MARACANÃ «A dupl do brulho» NATAL «Pxão selvge» e «On per, trlco» PALÁCO VTORA «Coo gnhr U vd» e «lo é plcável» REAL «Hoens rfts» e «Cheg encrencs» VELO «O stl no o puros» Vr SABEL «Depos do vendvl» S JERONLMO «Jesse Jes» e «Torrente* dé px&o SANTA AUCE - «FteUd» S CRSTÓVÃO «O corsáro dos sete CENTRAL Á ALÁ »Xr o fúr selvge» BAHONKBA «C* «o W* U cen drátc do fle «Edurdo Fllpo, «Nápo- ; les Mlonár», relt ep- \ sódos do pós-guerr, e s \ u presentdo clsse d \ Art Fles l» HBls^BMF?^^[r^^^TR^ jbb :::^H SB!«^íK5««5S^»5^^?^S^^S^kí! " HM «WCtF^WS* *\\\^ÈWÊÊÊÊÊÊwÊÈk^L»?ÍÊ ^ \ _Wjr ^^- ^kü - Wv\ lls BK^ \WÊ ^^kw^ wtoêé WtWÊí-f gl^^^^^^^^^^^^^^^^ ^^l^^^^^l^^l^^^^^l^^^^t^^>^j»l^ h<«í - Sndcto dos Epregdos no Coérc«o Hotelero e Slres do Ro Jnero Ru do Sendo, 264/66 TELS 3Í-3607/ Edtl Convocção ASSEMBLÉA EXTRAORDNÁRA DA21 Convoco todos os sócos qulk, e gozo seu:; dretos socs, pr se reunre e sseblé extrordnár neste Sndcto, no d 21 zebro corrente, às 13 hors e prer ou ks 15 hors e segund convocção, co qulr núero sócos presentes conford co os Esttutos ORDEM DO DA 1) Letur, dscussft e provção d t d Asseblé nteror; 2) Assuntos d Ferção - Congresso; 3) Debtes sobre Prevdênc Socl; 4) Resoluções nos csos ssocdos suspensos e elndos nterorente, rerer est Dretor RO DE JANERO, 17 DE DEZEMBRO DE 1953 SLVERO MANOEL DA SLVA PRESDENTE BErTO RBERO «Legão dòs sesperdos» BANDERANTES «Er d volênc» TRNDADE «Pecdòres e Sfo Frncsco» BELMAR «Ae u Ulchero» CAMPO GRANDE - «Tercero hoe» COLSEU «Cs do vco» COELHO NETO «Plxo tourero» EDSON «O «lestno o puros» RAJA «Moren sensul» JOVAL «Gontll trno» MADUBEBA «Eu to tre rd» - AJA «Bsputl» o «O nouge negro» MARABÁ «Veneno» MASCOTE «U vd pr dos» MEER «Vv Zpt» MODELO «Ass estv escrto» MODERNO BngB «Luzes d Rblt» MONTE CASTELO «Os três recruts» <OVO HORZONTE «Flor do pecdo» PARA TODOS _ «Cs do vco» PLAR «Mlgres or» REALENGO «Depos do vendvl» PEDADE «Pglns d vd» - QUNTNO «Ass estv escrto» ROULEN «Vnctv Jesse Jes» PRMAVERA «Fúr no Congo» e «MonlnA oc se v U» RÜDAN «Tríooelr»; ROCHA MRANDA «Ouro d dscórd» S GERALDO «A lâpd tu» e «A protetor do bn- «Udo» TODOS OS SANTOS «U note no Tbr» o «O cçdor espões» VAZ LOBO «Nfto ro dlzer-te us» «Mnro steroso» L1ÒPÓLDNA BBAZ DE PNA M-MM «Ftld» BONSUCESSO «Avso os nvegntes» MAUA «UM do volo» ORENTE «Telos» e vlente» e «Prt* do lto r» PARAÍSO «Pelo vle ds sobrs» e «Prts do lto r» PENHA «Ave do prso» e «Hoe tôco» RAMOS «Vn gnç dos prts» «Hoe tôco» BOSABO «U pulg n blnç» SANTA CECÍLA «Ulto duelo», e «Flech negr», SANTA HELENA «O undo e seus brços» S PEDRO «O grn C-, rse» CAXAS CAXAS «Nobre lngus POPULAR «Ftlldtl» e «Que n&o teo» GOVERNADOR GUAKABU «Revolt do» peles verelhs» JARDM «GenV trno» NTERÓ ÉDEN «O plhço»- CARA «Hu to t rd» MPERAL «Trvessur csdos» ODEON «A crne 6 o «llbo» PALACE «Os tr8s recruts» PARAÍSO «Flor lusão»- VTORA «Pecdo» PETRÓPOLS BOGARl «lh do tesouro» CAPTÓLO «Ftld» D PEDRO «A nu dos connudos» PETRÓPOLS «Eu- te tre rd» SANTA TERESA «Er u vez u vgbundo», S JOÃO DE MERT GLORA «Rostlnho njo» NOVA GUÁÇÍJ GUAÇU «O tesouro no con dor d ouro» TRES ROS!ÈX «A dote nocênc» VOLTA REDONDA AVENDA «Sonhe co «prso» SANTA CEÇJA _,xu» e «Cvlero ds trevs» BARRA MANSA PALÁCO «Rlbtejo»,*"- «TEATROS CARLOS GOMES - «As rvo ve* orr «le pé» _ s 21 ho- "t-^rw^s1, DWt-Odlon FOLJCES -- «O K Bby» - às 20 e t* M hor* Vrgín Lne [ GLORA «Cup» - s 21 hors Cl* Oscrto REPUBLCA «Dqu ** nâo??sí « - Artsts Undos RVAL - «My» - fts 21 bor* C MrUne-Dolllno TEATRO DULCNA - «Obr pelo «or vocês» às fdo 1 hor* Rodolfo Myer TEATRO JARDEL - «Mnrret o bobo» fts to e s >> hoíl?^j01*- Kvltslo 5rsl TEATRO SERRADOR L A costel <1h Aãéo» às 21 hos Evt e seus Artsts TEATRO DB MADURERA - «T4 % hor» às 21 hn-n 1 - ;v; "

5 Hoje, Eleções Legsl tvos n Bulgár SOFA, 19 (AFP) à Anh terão relzds e todo o ps eletçõe» legsltv» pr sgnr o» 249 putdo» d segund *Sobrnl» A le reltv esss eleções prevê u votção unversl dret «secret pr odos o» d- ddãob búlgro» 18 nos copleto*, se dsttnço sexo, rç ou relgão A votção será ednte escrutíno unnonl, sendo eleto só u putdo e cd ctrcunscrlçõo eletorl, 0» cnddto» sgndos, ebros dferente» Prtdos,»e present todos e noe d Frente d Pátr» A le n-evê «o putdo ndo justfcr confnç dos eletores ou renegr brutlente» dés e o» progr» sqbre o» qul» ostentou conddtur po, peddo d orgnzção o presentou, ser sttuído seu ndto pet própr esobrnt», * 0 Povo Exge Connção do Trdor Bér MOSCOU* 19 (APP) «O povo sovétco exge u sever connção doe gentes do cptl e do estrngero, Bér e seus cúplces» Sob este ttulo «zvest» publc notícs ds nueross reunões hvds ns fábrcs, ns epress e nos escrtóros tod Unão Sovétc Os jorns dão, notdnjente, notíc d reunão se relzou n fábrc utoóvel «Stálnv e Moscou, no correr d qul o operáro K Eelnov fêz clrção segunte: ^«Não há vrs pl- pr fnr os tos crnosos dos ngos do povo, perr todo o controle les esos Os trblhdores nh fábrc _ trdores pe sej severente cstgdos» E Kev, Lenngrd, e Mlnsk, tods s reunões for unânes é pedr os trdores sej cstgdos e o povo f nd s vglnte A Sr Jgn Desscr Frs nc etsvel o KHATMANDU, Ccher, 19 (APP) o presnte d Asseblé Consttunte Ccher, sr, Sdq, clrou o lrnte Ntz não er «cetável» coo dnstrdor dè u pleblscto e Ccher, responn GEORGETOWN, 19 (AFP) A sr Jnet Jgn clrou onte pernte u Trbunl segurá relgão srelst Desentu» cu- «ções d polc e frou o presnte se hv drgdo u cerôn elgos ndígen; o «Gt Tg», coo convdd U nspetor políc reconheceu, n bertur d udlênc, prenr sr Jgh «eçndo- co seu revolver A udênc contnu Págn MPRENSA POPULAR BO, 20-X_-1953 Anulds s Dívds Contríds Pel Coré, TÓQUO, 19 (AFP) Anunc» Bdlo Pyong Yng ttjne o ) tdos nul s dvds guerr contríds pel Coré O councdo ofcl coreno respeto do ssunto gr» governo norte-ercno provou jnte u sére do Norte co os referdos píses e proete contlnuld do uxlo grtuto pr rrtsurglv d econo co- ce gulente às repúblcs populres o encrgo quo ssur cespemo ds sn certo núero oríftos corenos cordos co s repúblcs populres, recenteente negocdos pelo Mnstro do Coérco, sr Ue Chu _on Asses tn nn ; ~ - d& guerr And Não Fo Eleto o Presnte d Frnç NOS DOS ESCRUTÍNOS DE ONTEM OS CANDDATOS NÃO CONSEGURAM A MAORA- SERÁ REALZADA HOJE À, SÉTMA VOTAÇÃO VERSALHES, 19 (AFP) O Congresso Verslhes, nd não conseguu hoje eleger o novo Presnte d Repúblc Frnces Relzr-se hoje o qulhto e o sexto escrutnuos, bos não presentndo resultdo postvo, < por ílty d or bsolut, consttuconl pr qulr dos cnddtos, for, três: o npennte dretst Lnlel, o soclst Négelen e o rdlcl-socllst Mecln Logo cedo, o Sr Mree Edond Négelen, cânddto soclst à Presdênc d Repúblc, estver e conferênc e Prs co o cheíe do Prtdo Rdcl, presnte d Asseblé Nconl e presnte -CRMNOSO DE GUERRA Cnddto à presnc d Alenh Ocntl BERLM, 19 (AFP) 0 generl Kesselrng, crnoso guerr, será cnddto presdênc d Repúblc Ferl no no próxo nunc e correspondênc Bonn o «Berlner Allgeene Zetung» edção berlnense do senáro dos srelsts n Alenh O ntgo condnte leão n tál, for condndo coo crnoso guerr e responsável pelos sscres d V Apl, fo lbertdo há dos nos pel três potêncs ocnts Alrnte Ntz do, ss, o prero nstro do Pqustão, e recente entrevst concedd prens, hv clrdo noeção do ctdo lrnte coo dnstrdor u plebscto pernec váld Câr Coérco Ltno-Aercn n Suç BERNA, 19 (AFP) Relzou-se nest cptl s- -ücblél gerl d Câr Coérco Ltno-Aercn n Suíç, reunndo representntes 17 Estdos sul-ercnos credtdos n Suç, entre os qus oto nstros O presnte d Câr, sr Rojs - Moncd, nstro d Venezuel n Suç, e o secretáro-gerl Büer, vce-cônsul do Urugu e Bslé, ás clrr e dscursos s exportções suíçs pr os vnto píses d Aérc Ltn hv se elevdo e lhões frncos, enqunto s portções sulçs dos esos píses for pens 299 lhões frncos, nfestndo-se clrente esse sequlíbro entre s njportções e s exportções, e prtculr respeto do Méxco, d Colôb e d Venezuel Os nstros dêstes pses forulr votos pr Suç ntensfcsse s sus portções procentes dos esos Nos pretros nove eses do no e curso, Suç portou d Aérc Ltn uns 230 lhões frncos, tendo exportdo s 291 lhões Explcndo por o l rnte Ntz náo er «cetvel», esclreceu Sdq: «O rnte Ntz represent potêncs nunc for gs Ccher» Por outro ldo, ludndo o projetdo pcto entre o Páqustâo e os Estdos Undos, clrou o presnte d Asseblé Consttunte: «Seehnte pcto coproete, r noss lberd e 11- berd do resto d Ás» Fnlente o presnte Sdq pedu os hbtntes Ccher pernecesse vglntes e prontos pr enfrentr «stução nov ss fosse crd» nto do Congresso, Sr Edourd Herrot, clrou à prens: «Mnh conversçfto co o Presnte He rot ío uto fetuos e, eso, coovente Deploro o estdo sú do Presnte Herrot o peç sepenhr, neste oento, o ppe) lhe cbe» Deputdos e sendores, lás, ndr tod nhft Verslhes pr Prs, e vce-vers, uns vls- tndo Herrot, ss se tornv u espéce «chve» d stução, outros consultndo seus gos Chgv dversos prlentres ventr únc solução d crse estv e Herrot,, por se sentr velho e doente, recusr s nco cetr cnddtur à Presldêncl, voltsse trás ss ttu é consentsse e su cnddtur fosse presentd- Herrot, poré responr ternnteente não pod cetr n RECUSA-SE HERROT O Presnte d Asseblé Nconl repetu-lhes, entnto, o dsser n ensge qué drgr o Prlento no coeço ste ês e n qul clrr «náo er e não ser, e oento nenhu, cndldto o Elseu E ess ttu se confrr gor qu e Verslhes co or le chegr no sentdo fosse «jogds for» s chps o servço pressão do Congresso ndr fzer co seu noe TERCERO CANDDATO A recus ctegórc Edourd Herrot levou então os negocdores pr ou* tro cnho E os rdcs tnh onte perddo pr o Sr Lnel, n o- r, ebor város prefersse o cnddto soclst, pos se retrou o Sr Delbos, se reunr e ssentr presentr u cnddto prtdáro: o Sr Jen Mecln, cânddto nteror, for fstdo e cujo noe gor ressurg O Grupo Prlentr Rdcl-Socllst provou cnddtur Mecín, e ss o brr-se sessão do Congresso pr o qunto escrutno, às 13 hors, sob presdênc (}ò Sr Le Trór, já não s se estv n perspectv do duelo Lnel-Negelen, s lut coeçou se trvr entre os três cnddtos Lnel, Négelen e Mecln ncd votção, pel qunt vez o Sr Ulver fo o prero colocr seu veto n urn O escrutíno fo encerrdo às 14 e 35, e sessão íol suspens pr purção ; O QUNTO ESCRUTÍNO / -" Ternd est, fo pn cldo o resultdo: nue* ro votns 926; céduls e brnco ou nuls 5; suro votntes 926; céduls írágos expressos 921; or bsolut ecessrl 461; Jóseph Lne, 374; Mrcel Edoh Négelen 312; Jen Mecln 197; Georges Bdult ( não s er cnddto) 13; dversos 25 Ms u vez, portnto, nenhu resultdo postvo se consegur Todv, u sgnfcção poltc se preend crente Os rdcs e u certo núero ordos (os copnh os Srs Pny e Duchet) ostrv não rer nstlr o Sr Jóseph Lnel n PTesdénd d Repúblc e tnh feto, co o tul Pr- Snte dô Conselho persse nesse escrutíno 34 votos (Co efeto Lnel receber no qurto escrutíno 406 votos) SEXTO ESCRUTÍNO Anuncouse e fce do resultdo nd negtvo, hver sextoescrutíno, fcou rcdo pr às, 18 hors e el (16 e el hor do Ro) Enqunto sso clrou-se o Grupo Prlentr dos npenntes provr nutenção d cnddtur do Sr Jóseph Lnel Os rdcs resolver nter pr o sexto escrutno cnddtur Mecn O Prtdo Soclst cldu, tbé, nter o seu cnddto O RESULTADO DO SEXTO ESCRUTÍNO Fnlente, bru-se sessão pr o sexto escrutíno Sob presdênc do Sr Le Tror, logo pós ncou-se votção, fnd qul proceu-se à purção, u o segunte resultdo: Jóseph Lnel 397; Mree Edond Négelen, 306; Jen Mecln, 171 O escrutíno não produzr nd resultdo postvo, por não ter nenhu cnddto lcnçdo or bsolut necessár O Presnte Le Tror nuncou se procernhã, às 14 hors, o séto escrutno Greve do Pessol c Segurnç V Os grevsts não tenr à requsção ltr do governo Os vões não sce s e Prs - PARS, 19 (APP) O «Cotê» ção do pessold segurnç ére lnçou Prepr-se os Bncáros Pr Greve c/e 15 Mnutos Se os bnros contnure ntrnsgentes: greve gerl no d 28 E «sfles slencosos protesto», ostentndo crtzes, os bncáros expõe o povo o otvo d prlsção Pel conqust 30 por cento uento e seus sláros, os bfcáros st Cptl, e núero ce 16 l, prepr-se pr prlsção cretd por sou Sndcto pr o d 24 A prlsção será 15 nutos e todos os Bncos, e snl protes- EXAMNE SUA M j VSTA ff j E ADQURA ÓCULOS Mg WPLOMATAJ Por pens UM f K _s^ S ÍW^/W_ umaflüdo _NDK SK ENCONTB **» OS MHLOBES TÉCNCOS B» luenoí âlru n M Telefone 4 -OJ05 Bo - Av Nlo Peçnh, n 135 DUQUE DE CAXAS TEND* PK_ tkl OfS< to contr s nobrs proteltórs e dvsonfts dos bnros A prlzção constturá tbe nu dvertênc pár greve gerl será cretd e ssebé-onstro, no d 28 do corrente, cso té lá bnros e governo contnue trpudndo sôbre stução fltv sér e cjue vve cérc 60 por cento dos bncáros, NTENSA MlO-AGANDA Qunt-fer últ, qundo íol tod csão prlsção, dretor do Sndcto,e os representntes dá corporção eletos nos Bncos, tor várs edds pr ntens propgnd d prlsção Neste sentdo lnçr u convte os bncáros pr se presentsse voluntàrlente, prtr ds 18 hors n se dá entd pr judr confecconr fxs e crtzes Já coo resultdo ss edld os bncáros s nteonte vê relzndo «sfles slencosos protestíj» contr os bnros, ostentndo crtzes qüe express o povo o otvo d prlsção vão eletur And pr ssegurr o êxto copleto d,prlsção, confore fo lberdo, o Sndcto frá u councdo ofcl pel prens e os representntes eletos nos Bncos são utorzdos oblzr todos seus copnheros POR QUE A PARALSAÇÃO Há s u ês _, bncáros estão e lut por u elhor slrl O uento 30 por cento revndc há s 20 ds, já fo conqustdo pelos bncáros S _ulo e Goás Os bn, s, tendo à frenteo tubrão Luz Mlgllor e co o poo do governo, fornece flss esttístcs do uento do custo vd; não re concer s do o rrsóro uento qunze por cento V Adssão Grtuto AO!GNASAL E COMERCAL BÁSCO DURNO E NOTURNO EXAMES EM FEVERERO EDUCÁNÒÂRO RUY BARBOSA R«Ggo Coutnho, 25 Lrgo do Mchdo Telefones: e , - - u or greve pr hoje 0 governo expedu edtènte ternções requs tndo ltrente o Pessol nteressdo A speto dá ttu governentl, o pessol d segurnç ére Only nteve à greve Contnu grntndo > chegd dos vões xr últ escl ntes ds 11 hors, s não ssegur s prtdsestão ss os prelhos oblzdos no solo O eso se dá no erodroo Bourget MUDANÇA DE CAMPO PARS, 19 (AFP) Ò Movento nos erodroos prsenses fcou consrvelente dnuído hoje à tr vdo à eclosão d greve cdd pelo d segurnç ére pessol Se s orns segurnc for plcds pr terrlsge dos prelhos, não o for pr s colgens íjue se efetur vst, Por outro ldo, o nevoelro u su contrbução pr perturbção do tráfego éreo Enqunto Copnh Holns «KLM> cncelv tods s vgens co stno ou prtndo st cptl, s copnh norte-ercns «TWA» e «PAA» pássr seu ponto ternl pr Bruxels Por seu ldo, Copnh ngles «BEA» consegu fzer 3 voes te rssre e Le Bourget SUSPENSAS AS VAGENS BRUXELAS, 19 (AÍPP) ETAÒRu ETAONUN NU UN Bruxels teve hoje, à tr, tntens oventção e rzão d greve do pessol d segurnç ére dos erodroos de Orly o Le Bourget, n Frnç, Os vões procentes d Aérc, Londres e Astcrd, não po terrssr nos erodroos prllenses, vê pousr e Melsbroeck e x ob pssgeros são encnhdos pr Prs, por estrd ferro Estão Suspenss s prtds regulres pr Pàfs; O erédroo Melbsbroeck- ASSALTO AO PETRÓLEO 00 RÃ LONDRES, 19 (AFP) Declr hoje o «Fnncl Tes» ternr onte s onvergções relzds nest cptl entre os representntes ds grns copnh^ petrolífers undls respeto do petróleo rnno Esss conversções for ctreds d or dscrção, ten prtcpdo ds es: s copnh*- Stndrd O) (New Jersey), Stndrd d Clfórn, Socony, Gulf OU, Texs Copny, Copnh Frnces dos Petróleos, Shell e Anglo rnn - PELO REATAMENTO DE RELA- ÇÕES COM A ORSS EM DUQUE DE CAXAS A «Fundção Alcn Mcedo Sores» encontr-se e péss stução, pos os negocntes suspenr o fornecento gêneros lentdos vnh fzendo est nsttução O otvo tl edd dos negocntes é vdo o não pge, ds dívds, e rá eses Fundção não pg os seus credos A «Funpáç os seus credores A «Fundção Alcn dê Mcedo Sores» té dreto u subvenção do governo Aârl Pexoto, s ette, pg rá uto,tepo, o veo ocsonr estes ftos CANETA PERDDA U judst noíso jornl, dongo últo esteve presente à Fest d Grnjá ds Grçs, esceu e ãos u coletor ssnturs do plebscto d ps su cnet ver, te n presllh s ncs USA Por nosso nterédo fs u pêlo fcou co cnet pr encnhe à nos-, s redção e noe d* Herogene Rbelo, ÁuAjud" n Aos Píses Sub* senvolvdos!h ^^ _r^ 8DK2_F Jr L O ercno: Já estenos nosss ãos, gor, estend s sus,, (Êhre NOVAK) LBERTADO O DRGENTE JAPONÊS TÓQUO, 19 (AFP) Fo posto lberd o st Ksug, ebro do «Bureu» Polítco do Vrtdo Counst Jponês, quo hv sdo conndo trêsnos do trblhos forçdos CA OUTRO AVÃO ANQUE TÓQUO, 19 (APP) _ Dos ebros u equpge 8 hoqens orrer e três for encontrdos sãos e slvos, qundo, o terrssr, u Fortlez Vodor ercn B-29 cu perto do etdroo Kokl, o sudoeste do Ngoy Espões Conndos n Tcheco-Eslováqu PRAGA, 19 (P) Oto espões for conndos pelo Trbunl Dussng, n Boê, pens vr nos prsão, O chefe do bndo de trdores fo conndo à prsão perpetu Esses eleentos, e venr o perlso norteercno, são cusdos cres onstruosos, ts co* o tenttv ntrodução no ps do vírus d febre ftos e outrs doençs, f contnr o gdo Alé dsso, Seer dorforos -r gurd gentes d Rebx Gerl Preços n Tcheco-Eslováqu PRAGA, 19 (LP) Bsendo-se nos sucessos lcnçdos té gor o governo dp Tcheco-Eslováqu chou possível relzr s já segund rebx preços no vrejo; redução pre- Cos brnge s 24 l espéces ercdors consuo cujos preços x 4 40 por cento e populção gnh, ss ner, quro blhões, e eo coros tchecs nul* ente A prtr 1 outubre bxr os preços d frnh e produtos rvdos 8 17%; o çúcr, 14%; frndos, 10%; rroz, 14%; chá 19%; btts, legues, fruts, 10 30%; bebds, cervejs,, bebds lcoólcs, vnho, 8 23%; outrs ercdors lentds, 13 33%; tecdo- lgodão, 5 2:; sed, 30 40%; 11- n*-, 16 25%; tecdos lã, Jc 30%; es; 5 à 48%; roup brnc nteror, 2 28%; roups trbulho e peles, té 40%; tecdo*, pr corção, 7 22%; chpéus e objetos toletè, 9 35%; sbão, 11%; perfur, 5%; cgâr- ros,,11 25%; tbco, 8 14%; utoóves e bcclets, 10 30%; âquns dt costur, 15%; prelhos televsão, 37%; ercdor vdro, porceln, 20%; lvros, 5% ACÔRDO esponge n, propoft o- nndo-lhes nd rs e dnhero BRASL- URUGUA MONTEVDÉU, 19 (AFP) O Brsl e o Urugu ssnr ú cordo coer- "c troc ercdors e térs-prs, no vlor 76 lhões dólíx-es po no Ú Brsl exportrá prnc* punente fuo, r, godfo, bnns, çúcr, cfé e erv te; O Urugu envrá trgo, nteg e ns vvos e ltcínos A durção do côrdo será três nos MANFESTAÇÃO EM BERLM BERLM, 19 (P) - U grn núero pessos relzr onte à tr u nfestção e Bndsttsse, e Meddng, no setor frpncês A or prte dos nfestntes trz enrtze» dos Cotês do sepregdos A pülíc preceu e gu volentente, confscndo os crtzes, gredndo nfestntes n prenndo u consrável núero pessos *rw< vn* cou» w t» u relçjo dé por- SÓes nterorente fets por el, pár onstrr ser fr «trdconl» no ro Mutos vezes ess relção er fls, s o «npuldor Js fchs rels», trvés do bos propns, vsv clrção coo ext) A HSTORA DB UM SUCÍDO Pedr e C Cs On por cento) Cpeo soube Fcou furoso e pecou en- rttnte s u hor nu cubículo on l se resprv Apesr ãs grtos, nnguá correu e seu, socorro, ts s volêncs já prtcds por Ldo, rzão por todos o tee A CASA DO TERROR Durnte o Sste Cpeo é, tls, o hoe «sucdou» o funconárlo d CEXM, Lurndo Pl Seduzdo pel folld co v seus chefes entre 61es Cpeo * se enchere dnhero co concessão lcençs grcoss, Pt resolveu n d trr ds ãos les u grndo lcenç portção, dvdndo-s e dverss prcels 800, l cruzeros (os chefes d «prng» d CEXM reservr pár eles concessão lcençs superlores eo lhão, trvés cossões do 10 onto, fcr coprovds s frções noss reportge sôbre o 6 o nsttuto 15 Novebro A várs rreurds l se verfc on se conclu respons for exposts pelo nwnor, bld d0 Mnstéro d Juslç, o qul está subordndo o Servço Assstênc os Menores, e do governo tregur o rpz, nd nexperente,? Polc Ass se con o sucído Luruo Pt, jcerc do qutro eses trás SOV A PROTEÇÃO DO CATETE Estos ss dnne j verdrs, «gàngí?», sob, proteção Vrgs, sst os cofres do Bnco do Brsl e, tbé, trvés âo Bnco, lguns cofree prtculres El *! Corto* no Pdlh e te seu prnclpl centro orentdor nos corredores do Ctete Coo punr o roubo, se o roubo á Ofcl? Sô co udnç ste gpvêrno por u govêrno do povo _«_ ;è

6 : PAGNA 6 WWWWÊrJ MPRENSA POPULAR RO, 20 Xll 10ÕS ^wnísgg*^^^^^ A Lftht Quer Detr o Lr Enoch Dor Trblhdores d Lght, orgnzdos e cossão recenteente ford e d qul fze prte prestgosos lres coo Elseu Alves,,Pulo Césr e outros, lnçr à corporção u nfesto e protesto contr o nquérto dnstrtvo nsturdo pel Lght contr,enoch Fonsec Dr, legdo d corporção o lll Congresso Sndcl Mundl «PELA VOLTA DE ENOCH», W o segunte o texto do Mnfesto: «COMPANHEROS DA LGHT: Trzeos o conhecento gerl, volênc Copnh cb coeter contr todos, n pesy so nosso representnte1 o Congresso Sndcl Mundl, cb se relzr e Ven, o cçpnhéro Enoch Fonsec Dór Flho, Mnfesto à corporção, e fes do trblhdor representou os epregdos d Lght no Congresso Sndcl Mundl Eleto pr representr os trblhdores d Lght no Congresso Sndcl Mundl, Enoch u dênc su vge à Epres Que fez est? Slencou, concordndo tàctente co o fãstento dle copnhero pr representr os trblhdores d Lght no conclve e Ven Encontrv-se Enoch hosptlzdo e Ven, pós ter prtcpdo dos trblhos do Congresso Sndcl, qundo fo surpreenddo co notíc Lght brr nquérto pr dspensá-lo por bndono eprego COMPANHERO»! Deveos, undos, trblhr e Mr pel volt o servço do copnhero Enoch, coprecendo todos às Asseblés Sndcs, envndo telegrs o Ml- nstro do Trblho, o Juz d 2* Junt Condtção Julgento, por on ocorre o processo, protestndo por todos os eos possíves, e tbé, senvolveros) u grn soldred flnncer pr nutenção d fíl dste nosso estdo copnhero:, " ;/ :* TUDO PELA VOLTA DE ENOCH! VVA O lll CONGRESSO SNDCAL MUN- DALl, A COMSSÃO PELA READMSSÃO DE ENOCH* V-*";r; EM LUTA OS OPERÁROS DA METALGRÁFCA BRASLERA JU nímwzu WWÊ wmmtsímzm WL ^?;? yjpfflpm^ L WT * WW W WÊÊÊÊ WW *\ "^çwsf ^WnH Jf^Wnr T^ j^ut ^ ^K^^M\ÊÊ^St ^W^ "W ^^ü^msmmsm^^^sskk WSBW Z*\ w Wê XwWíÊÊW^ «JU \ \fc* T^Ê Se- J>* n T:fMl» \ Br ^k MM M* Êk * HHH^B&S> j Wé-W»sfâfwfflwÊ :- ":ápmg!#jgjj Metlúrgcos d Metlgráfc Brsler plestr oo reportge Móves e Decorções Dretente d fábrlo por preço bxo folltdsdss Este núnco lhe drá dreto sconto especl Procurr COSTA Telefone W^^J^»^#*^**4^^^^**^*»J>*^^*^^#^J^^##»^^^#^^#^##^#^»#»»»»*- Artgos fnos pr o Ntl Prefr do BAR MPARCAL Legto Bclhu português qulo Cr$ 4000 Cstnh portugues qulo Cr$ 40,00 Polvo português qulo Cr$ 120,00 Nozes, êndos, psss, fgos, velãs, vnhos n- «tons e estrngeros Artgos fnos pr presentes BAR MPARCUL Ru Arqus Corro, «* * *» ~> " " *" \ r!» 1* W <*> T»,» ^^^^ O CLUBE DE GRVTZA VEBMELHA E MBUCARESTE r Ao ldo d bblotec, é tnwm^j"" **!* SrS, A M^^dusãps^l-B repletos ess SnAt ~ cerc sessent ess, - e se encon* ^^ use totlente ocupds E pé, zen* tososh^tettràs prtds U se tryv, s* ««rd tentos üoutr sl, ulto grn, u SJKíoS^ tonto-^ es, ou sej, pr pnsue Sfe JuntospTredès núers eslnhs pr jogos MtocoCludo!ddoS, etenun*sl enor, chd tokenconte»sè jorns Séros do P* *» tunh» MVtotM lustrds ou ronces e folhetns, tt^t há un lvro sugestões e outro recl* JSfsE todo 4^ l 6 escrto é btdo pel cossão """nrfubl é nterente grtuto, nã» sendo cobr ne-,h, wss Aos ssocdos ou ebros le su f* ^ to Scs e pls nstlções nterns vssrclukssu o Mo u orn,e,coplete j -«àlt\tortes e fronte, n outr, stínd s Bgll ~SS * - nos d, «lhs dos sso ^Õutuer «ue sej o tepo 3rvlço n epres per-" to ot Slhdor wr ssoddo do clube Por exeplo: So^ráro ou u engenhero cuj «lteslosej recen- Reconsrdo ssocdo s o prero d»: lho Mtos, volteos screver o vos no clube Grvto Verelh, NTsegnndô Sndr, nu enso sláoé fet uex* SS penente dos nventos e novções dos operáros Se rn?elhorr o prelhent, d «*«" bto» eo u grupo s vnte operórlos u ssunto bt W ^S^,^ AH M u> es pr osjrb* técnco nteresseles hos e o engenhero esto está sep^ sepn M sportço dos operáros «**««tno^os e orentá-los tecncente ns *% SE? J tvcnbw! As uls s»o nterente grns, SedSÍ^"rttto trblho e dv-se e doto^grupos^^^ ^ operárlos d,, ofc», d fábrc locootvs e dc vgões; _ j0 _ stnd os operáros d re trnsportes As novções e os elhorent dos operáros r ú h enrês, e penu três eses, n econon ho* novdores veste ü «les» Aos hovdores ou nventores for ds trlbuldos preqs e dnhero no vlor vnte e oto U st 68 operáro^ são estuldos chorr o «w to** lhe jeono/r terl O lucro reverte e seu própro KXto Sondíseu nvel vd Ass se estíul SblhulorcE produzre s pelo be coletvo " O So dv"se coberto peçw ««Mg» «ventds pelos frrovlártos e operáros d «prts Ess sítpo Ser cld f^jh^^j^tfsa pos S os trblhdores encoar todo»«""f J»es Kr qulr dé venh dr re*n"j^^" *% ester dos trbmjdores e do povo e, por consegue o progresso d Repúblc Populr d Ruân, (CONTNUA AMANHA) t Auento sláro \e 50 cruzeros t TJ ês sláro coo Abono Ntl t Segurnç no trblho, exgênc edt «Não cetreos redução n noss tbel lutento» dsser onte à reportge os et- Urgcos d Metlgráfc Brsler Adntr sto ser trnsgr co os ptrões, e prejuízo sus fíls E explcr: «O pleteos, sto é, 50 cruzeros dáros pr dultos e 25 pr enores, é justente o precsos tulente Não se ve, portnto, dspensr u centvo ser, s nter exgênc fre té su vtór» Coo se sbe, e contr* propost, à tbel pleted pelos etlúrgcos os epregdores oferecer 20% sobre os sláros tus ápens sto r dzer: e vêz 50 e 25 cruzeros, coo pe, ter verdrs glhs 8 10 cruzeros e su grn or De fto: dos operáros, <Josk plestrr onte co reportge, gnh, respectvãente, Cr$ 5,60 e Cr 6,20 por hor, ou Cr$ 44,80 e Cr$ 49,60 por d De côrdo co tbel «ptronl seus uentos ser pens Cr$ 8,96 e Cr$ 9,92! CARESTA DA VDA U preocupção dos operáros d Metlgráfc é u possível or e soluconr est cpnh por uento sláros A por exeplo, está terrível crest vd «Cd d surge u novo uento», frzr Dess for, os 50 e 25 cruzeros, qüé pete, se tornr tão rroséros qunto tbel propost pelos ptrões, cso não fosse conqustdos e pouco tep"o Or, város uentos já estão n or do d pr sere ofclzdos, o sgnfc: dqu lguns eses o custo tul d vd estrá pelo dobro Acrescentr, os etlúrgcos: «Por sto conclos os copnheros lutr co, fres è rpz Nosso uento precs sr no s breve espço tepo» GRANDE NTERESSE N Metlgráfc Brsler est nov cpnh por uento sláros ve CELADER A E CONSERTA-SE *ÍEFOMA-SE PlNTA-SE X ÜVCO COMPRA-SE GELADERA spertndo o or nteresse entre os operáros, os qus fzer do ssunto seu prncpl te plestr zou Todos nós, qu fru etlúrgco estos vvendo cpnh, Seu senvolvento nós dscutos sepre conversos E é sto eso Qundo ncos plestr co guns les, utos outros se proxr, tbé r opnões e outros, por estre loçndo, não pur xr seus lugres, ouv tentente tudo o flv seus copnheros UM M S DE SALÁRO PARA O ABONO gul nteresse ve spertndo cpnh nter- Sndc] pelo Abono Ntr ste no, entre eles Coo nos explcr, epres, costu dr-lhes todo f no u bono n bse 100 hors, clculds sobre seus sláros As s, gnh 5 cruzeros tê 500 cruzeros Ts qunts não stsfze, otvo por os etlúrgcos estão dspostos consegur, êste no, u ês sláro coo Abono Ntl Por sto, coo frr, dão rrestrto poo à lut d Cossão ntersndcl CONTNUAM OS ACDENTES N Metlgráfc Brsler há u fto, nunc é escdo c qulr plesfr/dos operáros co reportge: são os cntes O tí;ero cntdos é WloEêTJ JÊ^Wt% <* O e eosn W>1>1 AB 5 * tá** pttwtfw*, 3/ > verdrente ssustdor Qus todos os ds sfo város operáros fc se dos, ou sofre cortes grves Fz poucos ds con* t u dos etlúrgcos, u jove d Seção Fu* nlr, lnh 5 glões, fcou se pont u dgs dos d ão Fo nd* d pr o Seguro Voltou onte Pos be, hoje já está co u outro do, o íno ferdo tbé - Alás, Metlgráfc é conhecdpor todos os etlúrgcos coo «fábrc cntdos» co rzão, pos não é hoje M- PRENSA POPULAR notc csos operáros nutlzdos ou grveente ferdos l E o núero les contnu uentndo Rádos e Televsões consert-se co grnt chr Telefonr pr 22-30^ e Benévolo Por- su vez, os ptrões e o governo, trvés do seu Mnstéro do Trblho, nd fze nó sentdo sse* gurár àles- operáros s segurnç no servço Ao contráro, ntê es stução crnos,, já ve s fundção epres UNR PARA LUTAR JkMAUWAft O ndkto do Trblhdores ns Epress Rdou;, fusbo do Ro Jnero counc seus ssocdos esí berto o prso pr nscrções chps concorrerão s eleções, pr dretor e Conselho Fscl, se relzrão no d 16 Jnero vndouro OOWFBBENTES DE CARGA O Stoâtoto dos Coníerentes e Consertdores Crg e Descrg do>ro Jnero convoc seus ssocdpá pr sseblé extrordnár qe se relzrá n prós terç-fer, d 32, à«18 hors, pr dscussão d segun u Or do D: ) Letur e provção d t nteror; Councções, d dretor; O Hoologção ds grtlc* ções Ntl;d) nteresses gers ALFAATES O Sndcto dos Alftes e Costurers convoc seus socldos pr sseblé gerl extrordnár qte se relzrá nh, d 21, às 19 hors pr trtr d segunte Or do D: 1) Letur e provção d t nteror; 2) Dr conhecento ds resposts envds pelos Sndctos ptrons, co rer ferênc o bono e lberr respeto; PESCADORES Eleções no Sndcto dos Pescdores pr renovção dc dretor, conselho fscl e dclegção à Ferção no d 23 do corrente SALÁROS ATRASADOS DA FERROCARRL CAROCA Segund-fer, d 21, às 17 hors, o Sndcto dos Trblhdores ns Epress Crrs Urbnos reunrá os e- -pregdos d C, Croc, f ser ssentd *t>tu tor e fce d ít pgento sláros trsdos Auento sláro, Abo- \ no Ntl e segurnç no trblho são três ds s sentds revndcções dos operáros d Metlgráfc íí^^wsíwíwí^^ Brsler Pr consegu-ls, no en- tnto, é necessáro lutr, s lutr undos e co u sóld orgnzção Sndcto e torno do Nesse sentdo, eles vê já se preprndo, tendo ddo grn pulso à cpnh sndclzção,, coo explcr, A «conseguu» u grn uento do núero snd- A clzdos, s o fstento d Junt Governtv» RELATÓRO OA CTJ APRESE AO lll 00NQR ESO SNDCAL Os ferrováros d Sntos-Jund tver uento gul e os portuáros Sntos obtver u sláro-grnt clculdo, sôbre 25 ds trblho du- «nte o ês- Grn nuero corporções trblhdores e outros Estdos tver sus revndcções tendds pós tere, pens, eçdo clrr greve Trblhdores nu totl for benefcdos" por ess lut Dnte d frez dos grevsts, os epregdores for obrgdos concer 32% uento sláros, N greve os trblhdores exgr tbé lbertção dos copnheros presos,,e esses, nd sob eç processo coo ncursos n Le Defes do Estdo, for Postos e lberd Os grevsts se nfestr pel lbertção dos lves* sndcs Lopes Ryundo e outros presos polít- cos, contr o cordo ltr ssndo entre o Brsl c os EE UU, contr o envo trops pr Coré, contr«le Defes do Estdo e pel Pz undl Durnte esse período os Sndctos for reforçdos pel entrd nuerosos ssocdos, enqunto grn núero Cotês Enpres for orgnsdos Ess greve teve repercussão nconl e onstrou o proletrdo brslero to o cnho su encpção e d fes dos nteressese todo o povo brslero A GREVE NACONAL DQS MARÍTMOS No correr d gr^ve dos 100^000 portuáros e rítjos und ção fo gulente»*elsd co êxto Entendentos tver lugr entre o Sndcto dos Ofcs Náutc e outros Sndctos rítos sobre s sus revndcções especfcs, Prtculrente elhor lentção, revnd- cção fo pedr tó d und ntegrndo u setor dspevso e co rfcções por todo o terrtóro nconl c u orgnzção sndc METALÚRGCOS RB CAXAS A Assocrão frofíánul dos Trblhdores Melulu" gcos, Alecâncps e du Hrtlt> rl Elétrco ^xs, M«nt, Nlópols e Nov, líuu, convoc todos os trblhdores dls ctegors hu- fssojs e < uc trbtu c fábrcs «l"!lf< ""- r ferdos uncípos, se reunlótn en Aseuóá Ur," próxo du 20, às 15 horun pru dscutre ueeessd dé trnsfot* Assoc- (ã» e Sndcto Locl dá reuzção * d sseblé: Estrd JRo-Potròpos, n 1625,2» ndr, sl 11 EJPKEGADOS 1ÚÍCOS A Coopertv (íonsunu dos Knpregdos Públícot convoc seus ssocdos pí* sseblé p < Uu rel?»:: no d" 1 d f, *nv -* hors, e su t-:cj3 n Aven* n Venezuel, ;,, Or do D: ) Apro v1ão do Rlí; f!rn ->* ltvo os exercícos du uc, bl à^ütjã un l-;o;**lír** Adnsltvo t do Conse lho Fscl; ( c) Assuntos g-* rs»»»n«w Clçdos, Chpéus, Artgos pr Esporte*: dos elhores fbrcntes MFEATll MENOR SAPATARA QUE MAS CARO VENDE FRETAS & CA LTDA Prç 1> Cxs, 7 Du Cxs E do Bo * Clcdo» pr n lh, dr pós ÍRAMRO LUCHES, presnled CTB e vce-presnte d FSM) (CONCLUSÃO) dvdd en 13 Sndctos ncons e 30 regons, os trblhdores rítos enfrentr sérs dfculds pr unfcção su lut As greves já se hv senroldo e todo o Pís e odo prtculr São Pulo, hv contdbudo lrgente pr lunr o cnho d unfcção Apesr lgus «reções sndcs e Ferção dos Mrítos, tendo á frente João Btst Aled, conhecdo sob cunh «Lrnjer», lco d burgues e ebro d Cossão Executv d OR T, tenh se clrdo contr greve, segundo o exeplo dos renegdos Holnd Cvlcnte e Snchcz Durn, gente d C1SL, os trblhdores rítos e portuáros relsr und ção, estbelecendo u pcto ção cou no qul estv nscrtos s 25 revndcções, dc nteresse dc todos os setores No,d 16 Junho fo sened greve Durou z ds consecutvos, pós os qus os rítos obtver stsfção ds revndcçíes presentds, No curso d preprção e duvnte o senvolvento d greve o setor ríto fo reforçdo* pel orgnzção novos Conselhos Sndcs nos locs trblho c bordo dos nvos Ess gre- ve repercutu nconl e nteente Durnte greve forrn eletos os legdos o Pes tvl Mundl d Juventu e o Congresso Croc Contr U Crest: For provds resoluções sobre " fes ds Lberds Sndcs, pel prtcpção dc legdos brsleros o Congresso Nconl Seguro e Prevdênc Socl o poo o Congresso Sndcl Mundl A LJJTA SE DESENVOLVE Alé sss, outrs luts tevndctórs ** tver lugr este no, reunndo s trblhdores Atulente são levds efeto prlsções rápds tê coo objetvo forçí* os ptrões, concer uentos sláros Neste oento s u lhão trblhdores epenhse e lut encrnçd pele conqust sus revndc ções A CTB plcou ess po ltc und e várs ou trás luts Merece ser cjt \ d cpnh contr» sdud ntegtl Ess cu, pnh penetrou ns eprt ss e nels for orgrz ds Cosõés poo Gh nhou s seblés sndcs eleger legdos t- Conferênc Nconl Nes s Conferênc, d qul p tcpr pelo enos u» centen Sndctos, fok tvd Cossão ntersndcl contr Assdud ntegrl, crent, c escl nconl, l* contr ess for explorção Relzos o Congresso Brslero dé Seguro e Prevdênc Socl co prt- cpçâo 1084 legdos eletos Nesse Congresso fo crd u Cossão- Nconl Lut pel Melhor Seguro e-prevdênc Socl e pr plcção ds Resoluções dotds no conclve Aprovetndo s, experencs recolhds n plcção d polítc und ção, logros orgnzr u Congresso Nconl Funconáros Públcos -no «jtíl 750 legdos for eletos,e seus locs ttblho, e pós bte do teáro presentdo Fo nesse Congresso se fundou Unão Nconl dos Funconáros Públcos Cvs E Setebro últo, segundo orentção d CTB «relzou-se -no Brsl u 11 D Bís n W 18» Í J Conferênc Nconl dos Trblhdores Agrícols Des dvulgção do Mnfesto convocção dos trblhdores grícols ess Conferênc por tod prte u-se u tenção espec os trblhos do Coté nctvs «Tournées» for efetvds pelo nteror do pís e for vstds s explorções grícols e usns Por od prte os Sndctos trblhdores prtcpr efetvente sss tvds Dess for prncplente se terlsr lnç entre os trblhves ds cds e seusrãos do cpo Os trblhdores brsleros prtcpr e prtcpr ds luts e fes d sobern nconl, do fortlecento d cpnh contr o cordo ltr Brsl-Estdos Undos Apor ner csv lut contr o envo trops brslers á Coré Ness cpnh vtór fo coplet: juventu brsler não fo utlsd n gressão à Coré No processo senvolvento todo esse ovento pel plcção u poltc untár o ovento sndcl se, fortleceu Tl fto po ser coprovdo co os Sndctos dos Têxtejs e dos Metlúrgcos São Pulo, ypor exeplo, qué contv pouco s 4000 ssocdos e 1951 o grup hoje e d e ssocdos respectvãente Nesss luts ê fo -pre-, Prdo o envo u legção o Congresso Sndcl Mundl, Os ensnentos d FSM e prtculrente s experéncs e resoluções ste Congresso pertrão os trb* lhdores brsleros vnçr s rpdente e su lut pel encpção e pel npendênc noss pátr Os trblhdores brsleros, lutr pr nenhu flho nosso povo fosse cobter n Coré, lutrão d es for pr nenhu brslero prtcpe d guerr njust contr seus rãos vetnts Os trblhdores brsleros estão o ldo todos os povos lut pel npendênc nconl Sudáos st trbun os trblhdores se lbertr do jugo perlst e constróe u undo pz e felcd pr seus povos coo o fze os trblhdores d UnâoSovlétc, d Chn Populr e ds Deocrcs Popu lres Vv Ferção SndcJ Mundl! Vv und dos trblhdores do undo ntero! Vv pz entre os povos! QUE VA PELAS EMPRESAS PERSEGUÇÕES NO J BOTÂNCO, (Do Corresponnte) O étodo Lght plc contr os epregdos, qundo sej punl-tys, é u cnso à tod prov E prero lugr, vs o trblhdor êle ve coprecer o escrtóro do Lrgo do Mchdo, pr flr co ò& chefetes Sntos ou Crlos, às 9 hors d nhã, ou sej, ntes d hor norl nco, do trblho Ess hor não é pg Alé dsso, o trblhdor não te dreto se fenr, sob pen ser edtente suspenso «por scto» í núeros te sdo os csos sse tpo Entre os prejudcdos por ess ternção chegr s cedo pr flr cor os ts chefetes estão os fscs 1660 e 1773; Estes copnheros lá chegr às 9 hors e só eo hor s tr coeçr trblhr A Lght, entretnto, não lhes pgou por est e hor u centvo ser, ABONO NA OTS, v ; Recebeos operáro d C oc Elevdores Ots, S/A! segunte cr: «Os operáros d Elevdores Ots vê por nteré- do sse jornl nuncr est reconár epres er* cn explor pledosente o trblhdor brslero Se uento cptl no Brsl, pens co os lucros extrídos nosso suor e nossos ensos scrfícos, ess C está cbndo ontr u outr fábrc e * São Pulo Apesr dsso, neg seus operáros o bono Ntl» " x ":-\XX};r ; PRÓXMAS CORRESPONDÊNCAS Por flt espço nd não for publcds s se guntes correspondêncs: ^«Excesso trblho n 4 Seção d Lght» ( será publcd e for reportge); reclção u têxtl contr certos tos d dretor do Sndcto e, fnlente, u" correspondênc sobre o SAPS fo encnhd à secão «Crts dos Letores» CURSO DE CORRESPONDENTES Terá prosseguento nh, co tercer ul, e Curso Corresponntes MPRENSA POPULAR Pe dps o copreclento às 19 hors ern noss redção d< todos os corresponfehtm MMÉkM «éné e cnwow,:>-"",:-,,*"" V-V;1;>"*,\~:< : "; " -","-,:" ;:;*-;ío:*-":-

7 RfO, 20 Xtfc-195S MPRENSA POPULAR Págn 7 Portnnnes Cobndo Mnero, o Crtz Hoje Nest Cpt Hoje Flunense (Aíprte») S^o Í^^Z^^Â^ t cpeão croc, enfrentrá seleção cpxb, qüe dsputrá o cpeonto brslero futebol Este * jdgo está sendo gurddo co nteresse - - " "">rv,: xxx,»x ** J_^ ff_f BOTAFOGO BANGU ^t 3BJB ^B-JPgSJzMBSy ^^_,,j y ^BffjjgÍJB«^^ JE&nnho, o crtz do qudro do Ross Pr o AMANHA A NOTE Vv:, * l/ grn jogo no Estádo Muncpldo Mrcnã Os lv-negrros estré* rão no tercero tur no-r Dsposto o Bngu ã rebltção Bngu TM ESTA NTERESSADO NO FAMOSO JOGADOR ARGENTNO Ao puos nforr, o Bngu está nteressdo no concurso u; notável jog* dor sul-ercno Trt-sé do centro-édo rgentno Ross, negáves predc* dos técncos E- u qus* ção, se fôr concretzd v dr, se dúvd, u po* ro or à nteredár bnguense Os setores bnguenses! es* p» yy?r VV-4ftff >*--yr - y w^^yyyyyyysê JêÊÊMÈÈÈ :Hx:v»;»xx_xí; lll ^ul^^^, -,yéí _^ f H_yW,à ws ^ Kl l^^l B É l ^Í-f^*wL\\ ÊêíM f^^ ^l_^l_m ^B ^BRBK^S&ff^stSSíéftffflWJBÍ tão todos e expecttvs, gurdndo solução do c*, so O preprdor lv*rubro T pedu lcenç o clube pr fzer u convte o «plyer» rgentno, e dd scênc dos entores do Bngu, T escreveu u cgt Ross, convdndo-o fzer prte do plnte dos «ultnhos rostos» TUDO A CRÉDTO Rádos, Máquns Costur, Vtrols, Toc-dtcos, Lqüdfcdores, B cclets, Mterl elétrco - e gerl te ds Ros» Av MEM DE SA 30 LWA Fone Pensão do Pp A elhor pendo Copocobc Asselo - pet, Rn Ronldo Crvlho, 74 Anhã à note no Estádo Muncpl do Mrcn, cuprrá o Botfogo F R, o seu prero coprosso no tercero turno do cpeonto croc o enfrentr o Bngu A C Por esses ds respost sôbre o tereos «cso», entre o Bngu e o brlhnte «pvot» Ross, u noe Já consgrdo no futebol sulercno SAPATOS VELHOS Fc coo novos Procure O «CURSCO» o elhor sptero RAPDEZB PERFEÇÃO RUA ANTÔNO TELfcS MENEZES, 37 t 8AO JOÃO 00 MERT *r^w< 0 BOTAFOGO Glson Toe Sntos Artf Bob Juvenl Grrnch Cee Dno Crlyle Vnícus Est será u prtd se nos fgur sensconl, u «tch» verá grdr ce por cento Tnto lv-negros coo vl-rublos tê, nueráves, qulds pr nos proporclohr u espetáculo prer or E prtd se reveste s nteressnte, pelo Tto se trtr d etp fnl do certe ste no, or dsput pelos ltgntes O Bngú não rerá perr s pontos» pos fcr ulto dstncdo dos pr elros colocdos, e o Botfogo nâo v sejr entrr co o pé esrdo no turno fnl Os botfoguenses são os fvortos pel elhor for seu conjunto, entretnto os bnguenses prece coo dversáro dos s te v>ls, e u vtór no no cso, dos «ultnhos ro* sdos» não po se consttulr e surpres O BOTAFOGO A equpe drgd por Gentl Crdoso, 6 u dàs s prováves dsputr 0 BANGU Ar (Fernndo) Tórbs Zé Alves Alne Edson Xver Menezes Zznho Déco Nvlo Portugues x Cobndo Est Tr e Generl Se nfo fosse louvável nctv d Portugues, não teríos n tr hoje jogos futebol, e vrtu do dento dos prélos do tercero turno do Cpeoh* to Croc já o Mrcnã fo ceddo hoje à LBA Aprovetndo o ensejo su dt ntlc, Asso* cção Atlétc Portugues resolveu progvr utn stoso co u Cobndo Mrero, será o seu, dversáro ntro poucs hors e Generl Severno ] APORTUGUESA* A equpe Zoulo Rbelo é lutdor, Onco do qudro d Portugues no certe ste no, fo dos s prossores e uspcosos Copecr os puplos do preprdor Zulo Rbelo tundo d for s convncente Er o «fnts» do cpeonto, o qudro prv pelo rdor co se hv, os seus coponentes, objetvd, segríç, e té eso ouvu-se flr n consgrção do «ferrolho» Zoulo Rbelo Tudo, poré, fo águs bxo, e só fcou, recordção dl vtór sôbre o Flunense repeçcutu por tod cd esportv Dí e dnte o qudro luso fo crescendo os seus dversáros fxv o «ferrolho» co fcld é vdo flt eleentos à ltur, bons vlores ndvdus produção fo cndo jogo, jogo A forção lus verá ser A segunte pr o jogo hoje: Antonnho, -Vlter e Ccrno; Arstóbulo, Joe e Lustno; Rento, Néc, Bduc, Pernho e Ntlno O COMBNADO MNERO O Cobndo Mnero é fordo pelos clubos Belo Horzonte Aérc, Cruzero e Atlétco, três forçs do fl ft ^V/^t ( «- * " ís t *1 KB^^#fjKt!Sft1 ^ fj *t>v * : l-wt W^WÊÊÊ^éjXM WtÊÊ^àífS^u Bfe-g^?:: : ^ x" - lk#g;:l ffltf ^:v4*íw fã A seqüênc publcos c, reproduzd do «Dly Worker», Londres, prece Puskás, o notável tcnte d seleção húngr e ção E-lo recebendo pelot, pos controlndo- no peto, s dnte já co bol pres os pés e, fnlente, no rreesso O et esrd gr cont 29 nos e tbé ofcl <f Exércto, d Repúblc Populr d Hungr v-v/> co o Flengo, já vcetpeão 1953 f ser conhecdo o cpeão Os botfoguenses fze r u trjetór prec* vel nos dos turnos do certe croc E se não fosse o tropeço co o, Vsco d C, ests hors est r gósndo d prvleg* d posção os rubrosnegros ocup Gentl Crdoso conseguu rr o qudro co u coesão fzer nvej E u onzo, se nd present flhs, ests serão snds co o correr do tepo A estrutur do t* e Generl Severno fo odfcd pqlo fsíento Zéznho e Rurnho, este últo e ás cond-, ções físcs No entnto, o preprdor- conf nos novos eleentos, são tbé prer, e ve renr -o necessáro CHEGOU O EMS- SARO DO FLUM- NENSE Já so encontr nest Cpt o Sr Hugo Frcrolí, trouxe o rotero pr excursão do Flunense à Europ e Sr Frcroll vstou város píses entre os qus Portugl Suéc, Espnh, Suç, tál, e nglterr, Sôbre os concorrentes à Co* p do Mundo frou n Europ pressão torl é o ttulo ex o será cddo entre Hungr, Brsl e Urugu Mrnho ou 0BANGU T está confnte nu rebltção A rrot lhes fo nflgd pelos vs clnos, não bteu orl do te Pdre Mguel O Bngú coeçr l o cpeonto, co per* fornces pgds, se rto, segurnç e coesão, _&3_l Sí:<g::^W3>tt;^ vo, REAPARECERÃO CASTLHO, PNDARO E DORES DO FLUMNENSE PARA O Flunense pràtcen* te jâ está co o seu qudro lnedo pr p F x Flu dc terç-fer Nnero Severno «ssodton» ontnhs Frsos qu, lguns E not nteressnte sót»-o este cobndo fo ção d Seleção Mner sses jogdores prtcp- frontndo-se co Seleção Mner - bteu-se por Mr Cross, árbtro nglês O JUZ 3 2 sso já consttue u recenteente contrtdo pel bo1 presentção pr esses FMF, estrerá, drgndo neros, não fosse os vlores ostent ess equpe o stoso hoje prer grnz 0 Cobndo v se presentr ss for; Tonho, RELÓGOS jós JOÜLHERA r G e Bené; Gerldnho, Lzrott e Ppoln; Wlson Pttçoítü PASCHOAL Otenor, Jr,: Áureo, Meuco e Av Ro Brnco, 114 ecrédto Joãoznho tuã fgurs conhecds ds clsses donntes, l* t no esporte for obrgds reconhecer necessd* u ntercâbo sportvo entre o Brs! e os pses do cpo soclst Hoje s do nunc esse estretento se fz ne* cessúro, nfo só no cpo do futebol coo tbé nos outros esportes Vos ptrocnr e 54 o Cpeonto Mundl Bstebol "Mte certe verá reunr *s ores expressões unds bol o cesto, s está eçdo se trns* forr nu verdr frs, sto por lguns, «prof* tes» d CJD estão procurndo crr obstáculos à prt* cpção d UR88 e d Hungr, justente s dus o* res forçs do bstebol europeu """" A sculp dos drgentes d CBB er FBA nlo hv convddo sovétcos e húngros pr o certe, ; Coo notcos n sext-fe, u telegr publl* cdo por u vespertno esclreceu tudo A FJ3A confr* ou o convte k Unão Sovétc e Hungr Fo s lon* ge Assegurou prtcpção sses dos ptos, xndo clro se tl no contecesse culp sere d entd brsler Veos, ss, os drgentes do bstebol nã* conl é estão sbotndo * vnd dos bostebolers sovétfcos e húngros,, Prlv-se o públco ssstr grns espetáculos bol o cesto pr cer cprchos polítcos, ou por ou* tro, pr curvr*se os reconáros do govrêno não P sej prtcpção d URSS e d Hungr no Mundl p Bste, ^MMMNwnHBMMM^^ < - *," ": Confr-se os retornos Cstlho, Pndro e Robson Vítor, se be já estej recuperdo, verá estr usente d btlh terçfejr, u vez Zezé Morer te se ostrdo^ sntsfeto co o sepenho Jr MARNHO OU VO A dúvd trcolor res no centro do t Mrnho está contunddo no tornozelo e não te d su esclção ssegurd * Não pondo contr co o vnte pulst, Zezé More-" r esclrá vo, \>o\ sn estreou no últo F x Flu - elhorou ulto o pgr ds luzes do réturno A equpe T chegou ter resultdos dos s copensdores A poeóse culnou co ff,ytój sobre o Vsco Po rè, o te Flvo vn* gou-se co les 4 1, _n recentes Ms, não credtos sto srv sâno pr os bnguenses, pelo eontrro Trt preprou s sus peçs co esero e o Bngú v pronto pr " rebltção, - Os ds ntecer o Jogo nhã for penos ção A preprção d equpe Zznho fo relzd co tods s nuncs, e todos estão confntes nu resultdo grdável Dd, Pnhero e Plndro trcolores _ue estão no F x Flu HR Trcô or 0fRM OKANDÜ! MOflLAR ROBSON CONCENTRADOS OS 0 FLA X FLU DE TERÇA-FERA CONCENTRADOS JOGA- Os trcolores já estão concentrdos no Hotel Psn* d Ȧnhã o d será dcdo o repouso Alás, os tr* colores soente xrão concentrção no oento enfrentr o Flengo n próx terç-fer à note no Mrcnã Venos brto sepre brto cd vez s brto ATARA RBERO (A GASA DO TRABALHADOR? RUA BUENOS ARES, 339 %*?r ESTOqUE UE J-ElAh Ay^u^Aü, cosvte obgs fj bâetentos A MlcSo «Mrs 8 owtv o prtento, pec dvnn* Au, w u ntlnu*<to reeurw d* ovel etndrdludo ~ - \í Otpono ee pecs vl pr edo o eoprtreto doé* Mí do l TrdM tp* **< «tl!" RE! «-^j^w$g$ ; --; " - * ; < :"" " " > /?\-f^y^\ - " :: M Ótc Contnentl Ru Sendor Dnts, Í18 " *"" CrS 150,01 S

8 o GOVERNO PARA BENEFCAR SABOTA O ENSNO ÕS DONOS DÈ COLÉGOS S - -"!r [ -«- rrsór verb 1954 stnd o Mnstéro Educção ^- Escols bndonds pel Prefetr-^-De 9* crnçs en d escolr, cerc fc se estudr --De o ensno encreceu e s 300% São prtculres 95% ds escols exstentes nó pís!,(reportàge HÉLO BENÉVOLO) B Roch Mrnd, há outr, stud n Estrd do Are, e frente o núero 969 Tbe não fo tersd, s está e fse s dntd Cordovl- 0 prédo, todo levntdo, te lgus prtes do teto entelhds A copnh construtor retrou-se, o c-, pr cresceu à vont e os ordores trnsforr o, rvf*m * *&& %-^-T* u <vqulnh>, coprr cento, tjolos e outros ters construção e entregr tudo à Prefetur pr ndsse fzer os consertos e plções necessárs As pres for rebocds, o chão fo conser- À Cossão Croc present hoje s novs cots dos Clubes, ná bse u terço ds cots nterores, pr prorrogção d Cpnhté o d 3 Jnero, nveráro do Cvlero d Espernç, o lír dodo nosso Povo núeros são os clubes ostent hoje orgulhosente, s ncs d Vtór LCP jüst copen-- sçâo pelo esforço spenddo no sentdo ; cobrre s cots recebds» Todos os outros Clubes re ter honr festejre condgnçnte \> or nversáro do povo brslero o nversáro Luz Crlos Pres- Que o governo sbot o ensno nngué te quler dúvd Bst lebrr rrsór verb Cr$ ,00, ou 10,6% do orçento d Unão, stnd o Mnstéro d Educção pr o exercto 1954, ou, então, Prefetur nverte e tu Secretr Gerl Educção E conseqüênc Já é uto grn o núero escols prárs e secundárs bndonds nest Cptl, pr não dlzer e todo o pís, Es lgus ls: e Cordovl, tes e consrndo elhor for n Ru Mrechl Setebrno, 147, fc pr sto é u} cuj cobrre s sus cots pr recebere tbé s letrs construção não fo ternd O prédo ver ter d Vtor: L C P város ndres e coportr uts centens A Cossão, crn- Croc,"? o tornr conhecds "«>«hoje»» s ç» A Construtor oblár Álvro Olvdr ( ^,?MS& E *n%f ^?* Ferrer or (escrtóros à Ru Méxco, Méxco 148, UR > 3 ««,/ ndr, L, tôds s tk^ll^-s?^ nctvs esnhs e poss judr cobrr sl 307), encrregd d construção, nd fêz u O s Apelo cots Prestes ve ser levdo todos os gos, esçventò pr os lcerces e ergueu u pen f* *t n *,$**" cx dágu Tudo, j poré, fcou por eso utods s í,lls* todo o P^> FALTAM ESCOLAS Us, gor, e stução se encontr o ensno nest Cptl:, o proble dos s gudos, jubíonente per flt escols públcs Co tdo, s telhs for udds e cs fo bndo- coo o Morro do Pínto, efeto, há lugres populosos, nd Hoje é resdênc te nd enos 8000 crncs, se u únc esco- várs íls «* í^^^wfcí#^p^mss " > y* -"W? ~ LAtA^^íTÁKKWw&íwAA^LLA^KfA llllll? -* -^t: «^â ^ Ê ^ rbl "~-^Ml^7^6^cr*v*^ 5"^ -"^F$*L-?_^rÍ^TOJfe^^^^*^^^^CT * TéÉ TT 5ÍS l M BBj_^ W^PW^Wp rla ^ V "":/ p4**w^ímhhhb v er"**^ff&lf WfâW" _^^3?f^teffÍÉ^^ H%^ Í l8^^^ps5 WÊÊÊÚZ-M- ^M^ *<*<-\, \nk^tt%%%m A ^_L - JWHPff : H^^^^^lÍ ** KÜSS BSH J tl^í»r^b*?mh%éorw p& H H9 Hfl Bt Steu- í ^r^mt^lsérl^éé^^^s ^--^-^1! J >!* B^^^^wd&f: * PW Bffl PB» é1 ãr:: ^ JL construção bndond d escol d n Mrechl Setebrno, 11,1, e Cordovl Mere, terços, concretos e té áquns fcr bndondos Centens crnçs d locld contnu se ter on estudr locl e pósto lhrô No Morro do Andrf, o sr José Dogo resd n Ru Anjtub, 227 Antes orrer, dsse cs ser d Prefetur pr nstlção u escol Qundo orreu, os ordores do Morro e djcêncs fzer E Prds Lucs, cse núero 496 d Ru Jorge «Mcedo er ntg Escol Alberto José Spo Su freqüênc nul er s 300 crnçs Hoje é torrefção do Cfé Cpxb Alé Esurrdo, Fcou 48 Hors pé no Cubículo Revelou, e sen poento, o srgento Àur Frncsco dos Sntos Acusdos o tenente Ávl e o jor Hélo Brndão Se você não ssnr o Tent e oto hors, sendo, poento, vou ndr pos, trnsferdo pr o prenr su espos, su R C C, on perneceu jnãe e seus flhos qunze ds nu cel ès- 1;, cur e suj Aí, recebeu nov eç* do eso te- Est eç fo fet pelo celerdo tenente,avll nente Ávl: «Su ulher d Cost, d Polc do está esperndo por você, Exércto, o srgento Aur s você não v por flr co el; e se não ss- Frncsco dos Sntos, segundo este, revelou durnte seu nterrogtóro pern- ndá-lo pr Políc nr o poento, vou te 1» Audtor Mltr Cvl Lá todo undo flá O srgento Aur Frncs- «o dos Sntos, encrcerdo Alé do tenente Ávl, e 19 rço 1952, o poente cusou o jor sofreu tod sorte volêncs N Polc db tndo ter sdo esurrdo Hélo Brndão, crescen- Exércto, fcou pé qu- pelo prero - Stução AU U* *u*^uu Uj ú»»_, Roch Mrnd possu pens u e funconento, «Prá», co cpcd pr pouco,s 200 vgs, enqunto lhres cnçs excentes são obrgs estudr e Brros Flho, Colégo, Honóro Gurgcl e outeos lugres gulente dstntes No Morro do Andr, eo elevdo núero do crnçs e d escolr, não há u só escol E Cordovl, há pens dus, 16/11 (stud n Ru Tenente Plcstrn) e -10/11 (EsFrd do Porto Velho, 96) co u totl vgs s oú enos 500 A o-- r ds crnçs locs fcou se po* prenr á leu, otvo por o- nsttuto Brslero, studo e Pr-- ds Lucs, ofereceu à Prefetur u centen vgs* Não é estrnhr, portn- 1 to, o dze s esttístcs ofcs sobre cltos stução do ensno nfntl nest Cptl Ds crnçs crocs e d escol:, pens consegue ntyículs ns escols públcs e prtculres nulente sto rdzer: 75% prátc- 1 ente fc se estudr, sto 6 nest Cpt No Brsl todo, dze nd s es- * ttlstcs, u populção 1 978t}000 crnçs e d* escolr, nd enos *» * o PrA^rPfM! PM s Vsts, ^os^ndos, A COMSSÃO CABOCA - («4,%!) fc* Js í"íc D D s Assocções estudr, pelo eso otvo: g? -,</-, t un ** flt escol» éjwursòs dos f -^^"1,?0 -; ,00 Arrecddo ps, d ,00 NDÚSTRA RENDOSA TOTAL 1V? ,00 Pr cobrr nov cot / ,00 Ms, o governo te város ~ntar objetvos sbotndo o ensno u- ":" ,00 Entre outros, está o prote- -, Vontnbur Pr «tenr o pelo Prestes, s seger os nteresses dos donos, «uttes Assodçfles: colégos,, por sso, trns-* 1 A At, Í í d ~ 6540,00; Espernç ,00; Vforr 0 ensno nu n- ^^- 4*170,00; Progresso **- 3500,00; André Rebouçs - dústr ds s rendoss De 3*050-00; 22 Mo ,00; Berthelot 2160,00; Pfto: fltndo escols! públ- L"^^L00, í?_ ^^ ~ 96500; Gustvo Lcer^ cs, rest s prtculres, às 7_M?,*n^hel Res ~ 7000 : Mercúro - 100,00; TOqus, coo Qulr erc- *3*>*«;ÜJÜ* dor, se eneuce E êsse **UAL DAS ASSOCAÇÕES QUE,COBRRA encrecento, segundo n^ ní-*rtl,tr,a^a?wata??a l1? revel s esttístcs ofcs RETFCAÇÃO: N not onte, houve u engno fo s 300% n0 po- 1 _ vtór íêz 45 è Othelo Res - 570,00? ríodo copreenddo entre 1942 e 49U - - crnç, tulen- Ú to, pr estudr nu escol p prtculr te u sére Ú CTMM DA QUADRO DE dfculds,, no fnl ds conts, HONRA totlz u orç* lê ento uto lé ds posses 1 u fl pobre O Clube NNA ARUE- A erentlzção do ens-"* no no Dstrto Ferl - ssulu p proporções se precer- ú te Ds 933 escols prárs exstentes, pens 280 perten- ce à Prefetur, o quo r dzer: prtcente só há 280 públcs E se quseros s- 1 ber stução e todo o ps, Í á cos é nd s revoltn- 1 te: 959!) ds escols pertence-"! prtculres! P E O «COMBATE cpnhttpro MPRENSA POPULAR * Ses sses selos coldos cédul voto do Concurso d Rnh d, prens Populr dobr o núero votos d cádul AO ANALFABETSMO», SUPER- No entnto, contnu sur- RECORDSTAS gndo s «cpnhs» e«cru* A «Assocção nds» 28 ofcs pel extnção Mo», do nlfbetso, possu or coo f- cot do Brsl os «Cpnh o no «_ Nconl recordsts Alfbetzção J S Adultos», SSTS! Znc^ - cobr,r cujos resultdos os órgãos of- 1» ttsst2! cs nã0 se *»«" cns exl- Ú «n^rwíodlto: n,"n tr N herd, ebor nu- D^8 f A^ _ gurds co ut dscurse- -S,0" 6 «f«r«ní*m r, ut fest e ut «g-???dloc» se sfr t», esss «cpnhs» logo 1*»?pletr,* o-nov se reduze às sus co, vds ftdo ne> *» eonforproporções, sto é, sples J?}011 con\ <»ontelr trds _ j gógcs,, Í D!**ro «fez esforços nnt co s- kcçá-o J Não conseulu necurs e polpuds gorjets «Urpssã-lo, p s cobru pr gos e rentes do Ú 10^f* d n<»»o cote O exeplo stes dos re govêo cordsts ve ser segudo, 1 nor outros, ss nd elhor pr,crr o entusso MOTORSTA, brslero,, csdo, co 31 nos d e long experên-j Í c profssonl oferece-se Ú pr servço e qulr < «odld trblho no ro Chr Alson, pelo telefone 42*2961 APARECAJSTÍ MÍS ^_- UM HOMEM DE VERDADE do qúe u legre cen e- 1 tção Orestes (cobru supleentr su CONVOCAÇÃO cel A Cosáão Antôno Pere- r Prestes pe todos os seus tvsts pf cop- recere hoje, dongo, às 1 hors, à Secretr d C- pnh, f prtcpre u grn condo RA, o prero do Dstrto Ferl á cobrr su nov cot, erecendo,s- s o foso Fcêo surpres v, A cobertur d- cot relzou-se qundoo qudro dos clubes já estv sendo cohposto, odo hão nos fo possvel regstrr nov percentlge Assocção Plres, tercer cobrr su eo - t, ntes do d 21, sendo s dus outrs Ant Leocád e Rul Devez ALA DOS RECORDSTAS Counc-nos Ozés, d 22 Mo, já cobru su cot supleentr Croc BeH BEJJ^BBfeg_^M%E_3»^^^^H MíJ»,í ^^^s^m^^g ^ H H ^^ Mys RK Bí"?*^ ^_^_^_^_^_^_^_^_^_^ M_^ E^^^^^^^:^?^W^^^^BBg^^^ H^ ^ü^^ld 9 ^rn^h! T_f^ ^B %W^7éí^M$>\^^^\\\\^^^ WÊl \\\\\\^^^^^^^^^Ê\\\ BR f -^fl B ^\\\\ \\\\\^^^^^^fw^^^\\\\\\\^\\\\ Í \\\\\V^ff&$$ff??2Ê& $H*\\Wlfé\\\\\ \\\\\ ^\\\ XXww^Ê1^í?l?_^^^_B^^H ^B -SB W\W- $ffl&$$k^\\\\^^ VOGÊ TEM VE DÍDO BÔNUS? WÊ^^^^à^^^^ * 1 ] Lebre-se lé dos prêos ndcdos neste, clchê você te "dreto u prêo Cr$ 50,00 e dnhero ou u lvro utogrfdo por u dos ebros d Cossão Nconl, pr cd Gr$ 1000,00 bos venddos e nd u prêo Cr$ 100,00 pr cd lote do s l cruzeros bônus venddos Dos Clubes Co Prorrogção d AS PRNCESAS ERNESTNA, Mrlet, Nor Lopes e Mrln < lgl, o ldo d grnle tlvlt nconl Clotl Prestes e do populr Jrrc, oentos -ntes d» purslo sext-fer, qne u o segunte resultdo: Co / Vetos lt UAt DOS SANTOS S05«0* 3» Mr JLgl Nunes ;,63758 S» _ (tresn » Eestn Cerr Cpos » Oenec d Grç » Mdlen Bos » Aluorc Goes d Slv » vnllcl Clbre *lte Tereznh Jesus » Dorlnh » Nor Xopes » Mr Vllny 8984: Condo Hoje e Quedos e Grn Fest 27 Hverá e Quedos, no d 27, u grn íest e hoenge à C-,>nh dos 20 Mlhões Será relzd no cpo do Quedos Futebol Clube As prncess do Dstrto Ferl e s do Estdo do Ro estão convdds pr dre co su presenç, u grç especl à fest As cnddts Xere já cetr o convte e do Ro, poos frr Genessy, Mret, Mdle» n e Ur rão Às outrs nos nfore se vão, pr poros nforr- por noss vez, os seus fãs O progr será o se gunte: 5 hors d nhã, ús slv 21 tros; 8 hors, nco d fest; 10 hors, coeço do ble; 11 hors, os preros prtos churrsco são servdos; 1230, prncpl o torneo íutebo Nos ntervlos, 0 «show»,co os seguntes rtsts populres: Cleente d» Olver, cntor sertnejo, O Qunteto Juvenl Constntno, constndo cnco grotos e u cpones, o huorst Blk, o cntor Deco Sntos e locutor o glã- Ando d> slv A fest é proovd, «Cossão pe Ajud 1» Mo», dé Quedos, ofertrá TAÇA M*- PRENSA POPULAR ven cedor do torneo futebol A referd cossão convoc os seus judsts r p prtcpre u coív_l ho:e 1ue venr MPRENSA POPULAR e os convtes d fest O tneráro pr dos Que- é sples: to-se o tre n Centrl, o ls ou o 19,e d Estção Quedos ver-se-ão logo o cpo e s>fxs d fest Os convtes po ser dquídos no portão do cpo do Quedos P C, CLUBE! GOTA REALZADO % Avend 860,00 Altr Pul Ros 3000,00 Auror 1400,00 ~269,00 19,2 Avnte LCP 12000,00 * Alvord LCP 16000, ,00 30,4 Ant Grbldl L, C P 40000,00-V? O Alftes 1700,00 Arthur Ros 4700,00 345,00 7,3 Aràrgbo 200,00 70,00 11,6 Alce Tbrç L CP 3800,00 40,00 1,0 Aro A d Slv L C P 5000,00 820,00 16,4 Antôno Bfboe-L C P 7700, ,10 18,5 Albtroz, 3V0O,OO A N L 18400, ,00 8,8 Achles Lopes 6500,00 Anzo Drc / 5100,00 _ Aorés 15700,00 7;335,00 46,7 Blduno ** 2L0OOO 154,00 6,1 Beckn 1700,00 152,00 8,9 Bspo, 16800,00 Bento Gonçlves 5200,00 816,00 15,6 Brbr Helodor,, 5000, ,00 78,4 Bstlh 1700,00 620,00 36,4 Bld «2000,00 Benj Constnt 3Ü000O 429,00 12,2 Cnco Mrço L C P 7 00,00 940,00 13,4 Chvntes , ,00 v 9,1 Cleto Cpeo 1600,00 270,00 x16,0 Cose Dão 18400, ,00 12,7 Cões, 1C0OOO Cruzero do Sul 9G0O 500,00 55,5 Crlot Sntos 1200,00 552,00 46,0 Cruru ;*-! 5000,00 210,00 4,2 Cstro Alves 10000,00 342,00 3,4 CbpEnés, 4700,00, 429,00 9,1 Crvels 1000,00 Crujos, 5000,00 - Cotonflclo d Gáve 1700,00 Crlos Abrnches Flho 13,4CO,00 1*637,00 12;1 Crlos "Texer Brreros 7800,00 Clneo Julho 2000,00 - Cnudos, 5360,00 Dezoto Abrl 3000,00 Dos Julho, *134C00O- Eucls Pnto 3500,00 400,00 11,4 Eugen A Morer LCP 13500,00 4,259,00 31,5 (Ddos Referentes Eucls d Cunh,, _ Erozendo, 900,00 Ethel Roseberg LCP 3400,00 368,00 10,8 Equdor-LCP 12000,00 60,00 0,5 Frrpos 900,00 Frternd 5000,00 Frrouplh LCP 1100,00 936,00 85,0 Felpe Crão _ Fre Cnec, 5000,00 Gotcz, 12400,00^ 2042,80 " 16,4 Gurujá 400,00 Gúchos ; 1700,00 Grc Lorcá 1700,00 Gunbr *, 7400,00 Gbrel Per ^,, 2400,00 Gurn goooo 50,00 5,5 Guporé 400,00 345,00 86,0 Gurrpes Henr Ds LCP 3400,00 393,50 11,6 Hernàn Mrtns 6400,00 Herenegldo A Brsl 4300,00 370,00 8,6 Herós Tupã ; 5600,00 Hrry Berger, 4000,00 Hron LCP ; 1400,00 120,00 8,5 Herós Nov L LCP 11000, ,00, 33,90 tqu LCP ; 2160,00 18,0 guld 6,d00, Í00 16,7 npendênc 1800,00 510,00 28,7 prng 10000,00 585,00 5,8 npenntes 1700, ,00 58,4 tt ;*- 2200,00 Julus Fuchc LCP 11000, ,00 24,4 José Bezerr 8400,00 Julus Roseberg 5000,00 João Morer Flho LCP 5000, ,0 26,0 575,00 11,5 José Porfro dos Sntos,, 5000,00 João Fernns Ver 2400,00 Jon Angélc 900,00 200,00 8,3 Je Cldo-,,, 20000, ,00 19,7 Josó Bouçs , ,00 7,2 José Lourenço :* 8400,01) Jgunço, A Í8 Dezebro) João Cânddo Lourenço Morer L Lberd L C P Lbertdores L Brreto Londrnos Luz Bspo Luz Augusto M Lbr Leão do Norte Morennhs 1917 :; Mrechl Florno L C P Mchdo Asss?L! C P Mrclo Ds LC P \\ 1935»-;" > *** ******** «* Mnfesto, Agosto 1JUD * ) **_ * 1 Mour Mtl Guerr, Mnoel Rodrgues Mrtns Guerr Monte Cssno Monte Cstelo Montese t> * ** *«Mnoel Menezes» Mr Quter Mr Crel, Nn Aruer L C,, Nov Setebro L C P Nov Chn?; Newton Prdo Norhdo Neves», Otávo Corrê L CP -to Ctlão» *-,;W, Ouro Preto "V Odlon Mchdo Olg Benro: Prestes > Ouvdor ;, T Pedro vo,??--, Pes Fernns Prero Agosto Pr Frente,,, 5600, , , , , , ,00 500, , , , , , , , , ,00 700, , , , , , , ,00 loooooo 2,000, , , , , , , ,00 t 700, , , , ,00 ; 40,00 530,00 30,00 121,00 290,00 100, , , , ,20 793,00 200, ,00 120, ,00 195,00 490,00 364, ,50 4,5 3,0 1,5 29,0 4,0 28,2 8,8 25,0 38,9 19,8 13,3 30,3 6,0 25,3 27,8 35,0 10,7 27,9 342,00 4,7 2550, ,00 94,4 66,9 405,00 40,5 629,50 5Í ,00 502,80 35,00 212, ,00 80,00 680,00 685*0 28,6 11,0 13,5 2,5* 13,0 61,5 4,0 15,4 22,0 Prero Mo Pedro Erneáto Prno, Pedro Mott L, L^ C P Pdre Ro Pr do Pnto Prero Setebro-, Prgussu! Plndonhngb ; Porectu í> Plres Pulo Portel Ros Luxeburgo í, Rlò Brnco Repúblc Prtn Ru Brbos L C P Sete Novebro Sete Setebro LC P Sr Cpos Son Bolvr S Andno Suré,;,, Sertões ********, Sete Novebro, Sete Outubro L C P- Treze Mo,# Tobs Brreto» s Três Jnero Tupnbá Tpjós Três Abrl L C P Und Agos Ubrjr Wlredo 21 Dezebro LC P" 21 Abrl Vnte e u Novebro Vnte e u Julho Vcente Mlvonl L CP Volg Vnte e nove Julho Vn Gogh Vdl Negrerçs 25 Mrço, VUà Rc «UJttVMAÉ,» 10000, ,00 400,00 38,700,00: 1000,00 700, , , ,00 500, , , , , , ,00: 3200, ,00 ; 3000,00» 13400, , , , ,00-700,00 V 5000, ,00,800,00 400,00 500,00 900, , ,00 4,500, , ,00 5;000, , ,00 l;000,qp 11000, , , , , ,00 16,8 17,0 27,5 21,7 1229,00, 81,0 882,00 337,00 504,0* 827, , ,00 90,00-700,00 231, ,00 770, ,00 355,00 789, , ÕÜ 51,8 16,8 16,8 6,1 36,7 Ss 14,0 11,5 V - - 4> -, M **,!- *;?,:-* -t 1 -V ~M\A :?" 1* ;:-?, -" -,"^V-Vl:

9 "-" 1 MANHÃ, H **~ 1~ «u^-u- NESTA r-njrfíjll, ^* 7 4 nos - E? o prero nversáro do grn estre e gu do, proletrdo què os povos coeor se su presenç donnte no cenáro undl Ms eór ortl Stáln, seus ensneentos ÜM LVRO e su obr orredour contnu orentr lhões e lhões POR SEMANA hoens e todos os píses NA 2* PAGNA lut pel pz, npendênc nconl dos povos* felcd e o soclso Coo Lênn, Stáln con*- «O Adversáro* tnu nsprr e orentr, trvés do relz Conto r e do ensnr, tod hund prowssst PLÍNO CABRAL NA 7» PAGNA ltnllll ur-l O há elhor no seo dos povos pren e se nspr no legdo ortl Lênn e Stáln Os elhores lres cdê povo, os s bnegdos lutdores pel cus sgrd d pz, d lberd e d lqudção d explorção do hoe pelo hoe, d lqudção d explor» çêo povos por u grupo gnts nterncons os hoens são espernç és povo, e ed ps, são os chefes populres educdos por Lênn estáhn U Neste nversáro Stáln, o prero pos ss orte, os trblhdores e os povos todo o undo reforç su nbrntávél z e soldred à grn obr Lênn e Stáln Unão Sovétc «? o Prtdo Counst d URSS, seguros ss, coo ostrou o própro Stáln, estrão fenndo e prero lugr os nteresses vts d ens ss (A págn centrl ste Supleen- pessos sples e honrds e cd ps* to é dcd o nversáro Stáln) SíS ***7\35J jjjjjí "f**11 J??1 *!**? ""pp"^fc*«cncâo t» nllu HM»n-*ll ESTE SER SUPLEMWrO VENDDO SEPABAMENTE ""T" """ *,»-*,,, n wm,w,, l& Dretor PEDRO MOTTA UMA ^ErrWÜLAR ANO V Ro, l Dezebro 1963 N* 1683 NA Poe LUS PAPt T» PAGNA CHORO DE TUBARÃO CHARGE SOBRE O ABONO OE NATAL NA 8» PAGNA VvPV tus^fl V^H V SBKMBJ ffm bb^jh kh lk^mur< * ^**eb b> Btt^*^ÉJÍ S BFfcB W ^B "^^^^T^K^^Mjy^^JL^l -S^B *rff Hfít MjK:7<:;:*TOtgffjWW f BM^^X#Í?*S*::^>^já^B BjP^^ ff&m BM; *WP^BB W^Ê ONTEM FO O DA ds nfestções # soldred undl o povo do Vet- N N 8 págn, relcondo co dt, publcos ü belo poe u jove vetnt DEFENDO MNHA VDA t*v»v 4é OS AGBESSOBES AN QUES NA CORÉA, TEN TANDO ENCOBRU SEUS CRMES, LEVANTARAM NA ONU A FANTÁSTCA ACUSAÇÃO DE SUPOSTAS ATROCDADES DE GUER- RA COMETDAS PELOS COREANOS E CHNESES PM PRATCOU ATROCDADES NA CORÉA! LEA NA 3* PAG TEXTO COM LARGO DOCJUMENTA- RO FOTOGRÁFCO No clchê o ldo prsoneros norte-ercnos n Repú- " *y""e *" "- - * blc Populr d Coré NA 67 PAGNA, docuentd rep ortge <fc GEORGE SADOUL, u ds ores utords unds e cne w:\s nn11111 un u,»,* * - HÉgSBj B^LãM ^^W^*fe^^^^^*^y^M \7M JH u^bbl^bu^s-míü»!*^^!?> %- GBM-fwjBBv^ flkwn^ BKvt*ffnnl ^Br^B^BttfnBj B/ w V-^BU K Ow--wÊ\ ^í^ W fl f^m-ss-uv ÍBlBBf&«K»T*^^ ^ *** **^smfl^

10 UM LVRO POR SEMANA o título, crh, releo, SOB e Edcones Pueblos Undos, Montvdéu o lvro Arcdo Perventser E u hstór sobre contecentos se senrolr n Unão Sovétc, durnte guerr ptrótc contr o nzso Não per, poré; su tuld, pos o encontros é o exeplo e S poros frção d t copreensão u ostrs o hoe sovétco durnte les ds dfíces pr tod hund e pr o povo sovétco e pr» tculr A «Prov» se sen» rol à retgurd ds forçs oobtentes, retgurd às vezes trnsfords e M- nh frente è te por te trnsldção ds fábrcs centens qulôetros dos tetros guerr, pr rcglões nlcnçds pelos n* gos Nest tref, todo o povo e r onstrou su cpcd resstênc, o seu heroíso n relz- #o u tref dfícl e necessár, su ternção vencer e certez d vtór Dexou clro, outross, o gru copreensão do ver cd u, c»- REGSTRO re do fundo ds águs Dondo, u vsto e utêntco terl folclórco, Abgur Bstos confr o seu renoe utor u trlog,t!e ronces nzon_o_ dndo às nrrtvs lendárs gor u nov densão Sob su pen, tolog zônc x entrever coposção socl d relddo on nsce As hstórs d esonlu reflete, co edd rtístc, s gens trnsposts u undo rel luts e contrdções, pr o undo l ds fábuls Sbe-se, centflcente, é esse o nrocesso fordor ds relgões e do nso prtvo: copensção d sér rel pel rz lusór, frz ncl do hoe dlnte ds cd orgnzção e o» to nível polítco tngr hão só os counsts, s todos os hoens e ulheres se prtdo-- Operáros, engenheros, dretores, enf todos quntos vr nscer ou se senvolver o rege sovétco, co sus usns, fábrcs e cocoses,ptentern^ clrente o or lhe dcv Não se trt, pos, u ronce uns poucos persongens O personge centr er tod nção, sob o ccão ecânco, do qunst, do técnco, do engenhero ou do operáro Ch-se Bozdn, o hoe vv pr dreção d fábro, Dubenko pr áqun er o objeto á_do seus crnhos, Vul copreensv, T s o b e n- ko, Kruov, o se te presente e cd págn do lvro, é o hoe, produto u rege e o hoe é o cptl s precoso s «le eso trblhndo no sentdo áperfeçoá-lo cd ves No s ceso d btlh, qundo s dfícl prec o oento, por trás «A ÁGUA CEGA» Neste volue crôncs são nrrds ps eórs do «Arco e Flech», sto é, hstór do preros tepos do correo éreo nconl O sr Ary d Mrt relt nuerosos epsódos testeunh o heroso e dcção dos plotos e tbénro profundo espírto hosptld e soldred nosso povo Grçs esses ftores conjuntos pô exstr vção ltr servço d ps, nles prórdos -Agu-Ceg fo o peldo u ploto, tendo perddo vst nu cnte, no xou nunc vor o ldo dos crds, pr dr* lhe o przer do vôo, pretextv levá-lo e busc u eur sb possível A Codre d Lp er don e pensão Bo Jesus d Lp, n rot do S Frncsco- ue serv os plotos coo u ntennte perfeto Fo nd o «Arco e Flech», bo srtno, levndo reédos, conduzndo édcos, slvndo vds, grçs à nctvs neross, não-ofcs, ge- d plotge Não obstnte, se ser suspetr, crônc ss vção prtv, se nenhu prelhge lé do «olhoetro» dos plotos, x ptente o cráter retrógrdo u rege svlorz vd hun A udác, o esprto ponero, brvur nossos plotos fo e é snecessrente post à co o uso prov dos clhbes portdos Esss vrtus não precs d sér técnc noss vção pr sobressr, Ap contráro, serão redobrds, qundo tveros u ndústr eronáutc tecncente prelhd, qundo o ho* e fôr tbé, entre nós, consrdo «o cptl s doso» «A Agu-Ceg», pre- volue se lê co grdo, é u lnçento d Edtor Cvlzção Brsler «SOMANLU, O VAJAN- forçs d nturez fctíc-» TE DA ESTRELA» (Ed ente copensd Conqust) pelos rtos, Abgur Bstos cont neste írveo s expresto, enf, u - pelos exorcsos, pelo etrordnárs venturs u os fenôenos nturs personge ítco ds lens zôncs, Sonlu, o copreen coo Nesss condções, é se supressão rel d sér, ou o progres- so técnco do hoe, retr qulr funconld ás «soluções» d tolog, dos rtos ou ds relgões Se sobrevve, é pelo nteresse rtístco pernece nos reltos, ns fábuls, ns perpécs colords pel glnção vv e ngênu dos prtvos Cptndo esse encnto perdurável ds fábu» ls, «Sonlu» encerr u nteresse extensvo crnçs e dultos, por fl à gnção e à ntelgênc uns e outros O volue ve enrcdo por qutent e nove lustrções cores Solon Botelho V dgno todo êxto bel obr do notável escrtor e ocrát vngurd è Abgur Bstos MESMO QUEM GANHA POUCO POWB OBTER UMA BOA DENTADURA Dentdurs co estétc e stgção perfets, exeelente rênc, eso ns bocs s sndors Po- tes óves ercns (Boches), s úncs perte perfet hçlcnhção e não provoc focos Não rrn seus ntes pr chp se prero pedr orçento pr o Boche, executdo e três vsts pens Lbortóro pró* pro dotdo qunáro o pessol especlzdo e prótese precsão E csos especs, ntdurs e u d pens Consertos e 30 nutos Fcld pgento, CLNCA DENTARA DO DR SDORO -"e " Ru Elpído Bo Morte, 885 1* ndr (Próxo o SAFft 4 Dr*» d Rkà-* Pã_J_B_te ds 8» V fcomto "LA d lnh frente, hoens conscentes preprv o punho cr sobre go, certero e rrzdor Contndo-nos os epsódos verdurente épcos do trnsporte lhões tonelds áquns, su sontge e su ontge, nrrtv Perventser, o eso tepo nos ostr o hoe sovétco, ptente-nos coo nd er fruto do provso, s, o contráro coo l trnsplntção fábrcs for prevsto e se relz d r ner conscenteente ornd Nào er soente u povo confv ns sus forçs r tbé u povo confv e seus drgentes E* nteressnte hgr, gor, coo pensr o nüngo se conhecesse, r su verdr sgnfcção,o se processv pr lá dos ltes seu lcnce Al se encontr-- v, n reld, prov d nvencbld todo u povo, nvencbld js será brd por qulr ngo Mão é for propósto nálse ste lvro nos lev esss consrções A le tur sse lvro nos lev, pecsente, pensr nos equvocos e lbor os Mc Crthy e outros polítcos ercnos e certos rebutlhos unds pregoeros d poltc o forte contr Unão Sovétc Apesr ds lções lhes tê sdo lustrds, s grn Rsvolução Outubro, qundo 14 píses for rrotdos pelos exérctos operáros e cponeses se t/nsforr e Exércto Vere- Bo, êes ud os noes Churchll, Htler, Mussoln, Trun ou Esenhower, s! PRUEBA" Crlos Peçnh não per nsenstez «L Prueu» represent no plno d ltertur, o no plno, polítco represent os ntores do Cotê Centrl do PCUS; confnç n fôrç d Unão Sovétc cunfnç é fruto do seu dc- senvolvento ndustrl, e seu trblho pcfco, do seu sejo felcd extensv todo o gênero huno A prov se su vtoroso o povo sovétco te ss u sentdo postvo j-v tod hund A nrrtv st epopé ncorpov-se à ltertur unversl, eoo lgo construtvo f nosso cso prtculr, qundo veos crescer vlnche dos lvros retrt ltertur dos drznhos ndvdus, do hoosexulso, ds perversões, do bndtso - ltertur pessso, negção e sespeo trvr conhecento co ltertur nos ve d Unão Sovétc, ds Republcs Populr et», ou dos setores progresssts torn-se u necessd pr o ntelectul se pres e no perr contto co verdr reld dos nossos ds «L Prueb» é o ressnce heroíso populr uro povo conscente seu ver E» u exeplo d ltertur se senvolve nos píses on se fndou explorção do hoe pelo hoe Coo ostr qunto ó opz relzr o povo undo, drgdo pelos counsts» est ltertur nos é úü e ndspensável coo ncentvo às luts cd ves s sérs trvos pel noss npendênc, pelo nosso dc- «envolvento polítco, socl, econôco e culturl,q f í _! f ^_V^ k T/7 ^- * t^bblfflr^ _j_f^! WW ^ 4Ê9^^9\ T^ P ^- \\\ f vsrwe \!: ";,C ;:!-» k- >* -- ;:» - " \ V - \ - ;-»:_;:»":,-ã&jsè Ü :>V,; _ - ; v\ 7: * V Petos Supleentos DESONESTDADES E PNGUE-PONGUE Vlr Cvlcnt (O Jornl), propósto Mnsp feld, jog seu pngue-pongue: elog os srs Hern L e Álvro Lns, clssfcndo este últo coo «crtco ctegor excepconl» Não x por enos, o rpz -///- E «O Jornl», u Mocyr F Olver, dá conse- Dos u flho, trvés u poes sesperd, proetendo-lhe : «No f tôds s rus e encontrrás, cldo coo o slênco ds ontes» E prero lugr, o «conselhero» conselh o flho nd s nd enos do «o reconvvo orn dor» E segundo lugr, e tod ponte há sepre lgu brulho, pelo enos d águ sob d está pssndo Ms o poet não escut Está vomdo pt seu dnlto burguês, v orrendo ///,"; Mro Brt Dáro Notcs) tece lgus consrções justs sobre orgnzção d Benl, on predonânc do bstrdonso neg, e prncpo, qulr vlor postvo pr cultur nconl Ms o r* pz ch «Benl fortlece s rlc d vd rtístc nconl» E ch s: pr êle, Mstssso e Sérgo Mlllet são dos portentos -/// E nd no «Dáro Notcs», A Fo -sec Flentel s-se co qutro pedrs n ão contr Edurdo Prdo e Antôno Torres, por tere escrto, repectvente, «A lusão Aercn» e «As rzões d nconfnc» Junt e dúz boçhds, chndo eo escocer n dreção d Unão Sovétc e do Vet* Mnh Postvente o rps exger o seu H-sp» é» lco hnperllst norte-ercno ///- X Rl Querós, Gustvo Corção, Trstão Atky pngue-pongue Rul L Osvldo Orco, Oto Mr Crpeux pngue-pongue Recdos eronos Vzo Nostlg, sespero, ngúsfes es os WfMMfltlUB* S_J L > r 4_» /// «E tdo o undo, os counsts são hoens s senvolvdos do burgues Copreen dlétc e vêe longe à su frente» (Mo Tse Tung) CP D Bolív Co os Olhos Voltdos Pr o ndo JESUS LARA chegou o " Brsl co s sus s» svs, fze utos nos Vnhnn sepre sus crts e os rros gos dqu sentr s logo for ç do chu voltdo pr s coss su gente e do seu extrordnáro ps Becordo be, qundo vjv sentdo sus ensgens «Nós, og bolvnos, hbtos u ps exótco pr nós esos e pr o resto do undo» «Os donos d cvlzção do século, guer dsse, os europeus o os ns, n su âns ventur e fortun vê Bolív coo vão d índ, Chn ou os terrtóros d Áfrc» Jesus Lr copreenu be os própros bolvnos vve nd eo os olhes fechdos se ver ou coenpreenr rvlh encerr su psge, se vslubrr o nel ppt vve Sente os bo- lvnos coo forsteros ntro su própr cs f é êsse dr o rtst ntegrou e su obr e cntos u lrso eoconnte, or, vbrndo or e lut n explorção tenebros dos servos ndígens Prtdáro d Pz, qunr % _fv % * -Y * k_k_r9 t_a-ct h-k p V \w J*"**** 1 r*f ^4l-^-4_P-*AS-l(^F-?vXV4-^P fo convocd n lut Un» vers todos os povos, Jesus Lr ruou pr Europ e levntou vos bolvn, u peno ps no p geográfc, s be n órbt s gressv do perlso norte-ercno Dus vezes Jesus L pssou pelo Brsl, ru velho undo e recente-, ente, qu esteve stu tre nós, qundo nu cow ess s long sstcáhs lceos u encontro esrlrtul entre nosss dun pátrs tão próxs o M gdos por estrds sv* ro e tão dlstcbttes no w do d cultur! Onte, nu convers eo u Jove estudos í brsler voltv d < Bolív ouvos u frso> grdável «A Bolív 4 u fest folclórc» X -dsolveos então, dr pssos pr trz o encontro dl velhs nots dtds pes -Jesus Lr - Sou orge huü, eus ps s-_tu ler l escrever E só flv chu, er estço»- Tver trblhr u-, to e só ss pu educr-- use Fz o curso secund41 so té o bchrelto, onuj Hboodl 1* Bó à>

11 HB Éâfè,: :,,\- -- \ :^^:,j ^ /- \\\W%Í!Sp!Í\\W ->- wv^,-^^ w: HHpp» lllllw^lllí^^í;í HNÉÉ ^^^^^^^s fe ^SÍlS MlÉflllt lllll ^v *** *** ^pt "-***> 4 to*-*»** {NM* ^^^H^^^H l S9 H *?A- tth -rr#aá^«(jír r fl P^P> \W»W&w*0%$wfk\WÊL% R l -,/ -" rfr r- " AS TORPES MAQU SOBRE SUPOSTAS NAÇÕES ANQUES FEROCDADES f OS tos tepos durecer, u relções nterncons, s ** condções efetvs pr ho- V* ÍL?roWe,,,* o- Á ^Moc norf-erts, poré, pôs e jogo s s cíncs nobrs eo o objetvo pedr, à todo custo, o lvo d tensão nternconl Ass ocorreu co ventr* fscst preprd e Berl e 17 fuo pe crlh ltr n Ass coneteu co provocção d «lbertção» dos s prsone guerr corenos e chneses E gor, qundo ssntur do rstíco n Coré tenuou tensão nternconl, os círculos reconáros dos Estdos Undos c recorrer gulente esss ess qunções repulsvs Trr do rquvo velh entr ds suposts «ferocds» coetds n Coré do Norte contr os prsoneros guerr ds «trops d ONU», ebor? undo ntero sb os cobtentes corenos e chneses r os prsoneros u trtento l grosser flsfcção norte-ercn cerc é «ferocds» fo utlzd reterdente pehs trdos governents dos EEUU Já e 1951 fo urddo o conhecdo «nfore» do coronel norte-ercno Hnley sobre gnr «ferocds dos counsts» eo os prsoneros estdunnses Os orgnzdores d cpnh dftór clculv pod esconr co estenebross qunções, su responsbld r sngrentos cres perpetrdos contr os prttsntros ée guerr corenos e chneses O vergonhoso fsco sse «nfore» nâo ens nd os provocdores ns Encrregr recenteente Lodge, representnte dos Estdos Undos n ONU, expusesse s vs ptrnhs sôre s «trocds», ou sej, e essênc, s esss, «cusções» colhds pelos eos, té prens do dólr, tão pouco escrupulos, clssfcou n époc, «u contrdtóro produto torpes entrs» Os Estdos Undos, provetndo su dóct or ecânc n ONU, fzer provr, 3 zebro, u vergonhos resolução clun s trops populres e chneses Ms estes ctdos dos flsfcdores ns no estão fddos cuprr-se Todo o undo conhece os nudtos cres dos gressores norte-ercnos n Coré São do doíno públco os nuerosos csos e s trops dos Estdos Undos ssssnr cobtentes do Exércto Populr Coreno e voluntáros populres chneses, fetos prsoneros Segundo fdos evnteente dnuídos, publcdos pel prens dos Estdos Undos, s julho 1951 té julho 1953, for ortos ou ferdos, nos cpos norte-ercnos pr prsoneros guerr, 3438 cobtentes do Exércto Populr Coreno e voluntáros chneses As trocds cnblescs contr os prsoneros guerr n lh Koje ce coo u ldção sobre negr coeênct dos ntervenconstfv- A vção norte-ercn lnçou lhres tonelds bobs sobre s cds e os povodos corenos, levndo orte e os sofrentos s trozes centens lhres pcfcs hbtoutes d Corér; for precsente fáres r» ds dos Estdos Undos, sencr u sun guerr quíc e bcterológc Ao fbrcr pr Asseblé Gere ê ONU sèu «nfore» provocdor sobre s «ferocd*», s ngos jurdos d Pz tent svr utensão d opnão undl ds onstruosos cres por eles eoetdos n terr crec, frustrr o senolvento pcfco do proble coreno e centur forte tensão no Extreo Orente Mesqunh epres! Ms, por uto se es< force, os dplots ns não consegurão rentr opnão púbtíe undu W^W^SÊ^t \ 1 tw&bl W^*%$ffÊÊÊfcWÊÊM «lljtgnjj Hkflhy^rfj^BW^ÉtfnH r T réff TO HW ^^PHH üwmfl WwttsSytyl2í^»\\ MKpVBlffcS-SK^ ^V> S E^ BBgH íw ^P M-rrrr^ Ww^WÍ Eííw!»y/^Mw BgÉl W lflwksh wlw WsM» B»xB Wk- ln tn KsL«?9 KH «Hí^^wV-íy-oÉl^^» MÍMW^SB-» ** -MB^ yv3b»u9s»»vm ^JfJjl^M^^U KBfl-^8 -M;:":/-;-vC-:-^B WSMwBWTOsJSefflfr^y^ :-"*- xssk&íxw&bwl HBSfl íhh ^K»l k,:v/v" B^pí^ff^^^ *- V :>Í:-X^Í?^y4-&1t&W»1 % Wtw1É»%^«*~*^?*í\\ BS": : x "wkjb Hf^Sv::::wMn5 :^Klt:-:-:Q^^^^BW^KBMÍB-«l8SÍ8«:gt«-»8S^ :»BBl«xv?5K^^^pj"MÉBBBS^^W-,WKMM»:lMí-^,t,;Y*MHw r r "^HF ::",HrTrTWBW MMQlw^rF^^^^^nWnH fln -í HTTfflM rr rnfrmml trnr rnn l r^l l^v^^^ :<:;:-:::: ::;í:í-s:%::;::s MÉ KJRJttflfíl^^jHVv^ A ^B Ují-&:«ÍkX^j^R- rw B*^j*y^B^EPv- MB----Ml Bh^^ fí /oío8 *to pág cus e ssc r o peruno norte" ercno, nd há fouco, tentndo torper wêêbu\ K:;:::;::Bs B^H Conferênc Pz sbre Coré, teve o no levntr contr o corenos e chneses rdícul l--:-ííb SVÉÊ%%W?Êw UÊ$$$$^->*^\\ cusção "trwtd" \\\\\ \^W»\sf ^^W ée guerr Hb Qus os utores trocd n Co- ;::?$*} réf A foto do centro o lto, respon: os ns, sencr guerr bcterológc contr e populções chnes e core n, coo onstr confsèão escrt por Vnce R Frch, Ploto do S$6* esqudrão do 4» Orupo Cç, oper n q Coré Atrocds coeter os ns ssssnndo prsoneros w lh, Koje e tentndo reter pel forç város prsoneros norte-ercnos e chneses No clchê o pé st págn, ldo esrdo, veos prsoneros norte-ercnos presentdos coo "rèfrtáros", regres legreente à s Pátr, pos escpre seus crcereros ns Ns outrs fotos prsoneros norte-ercnos Coré, utos nclusve responsáves pel guerr boterológc O twtento receber fo dos MAS HUMANOS s

12 j - ^L V Stln GUA E EDUCADOR MA forte z unu oe dos hoens s notáves nosso tepo: Wldr Lênn e Joseph Stln Lênn e Stln lutr obro obro pel fundção do Prtdo Counst; crr, senvolver, reforçr e fenr o Prtdo contr os oportunsts tod espéce Lênn e Stln preprr e conduzr o Prtdo e clsse operár à nsurreção rd, à vtór portânc hstórco-undl d revolução soclst outubro 1917 Lênn e Stln enrcer co sus obrs gens o rxso, cênc do senvolvento d nturez e d soced, cênc d revolução ds sss oprds e explords, cênc d vtór do soclso e d edfcção do counso Qundo orreu Lênn, bnr do rxsolennso pssou às ãos seu elhor dscípulo e go, seu fel copnhero lut e dés, Joseph Stln, fenu bnr Lênn contr os ts dos ngos d Rev okrção e Estdo Sovétco Tendo scoberto le do senvolvento sgul econôco e polítco do cptlso, Lênn l trou conclusão centífc sôbre possbld d vtór do soclso, nclente, e város pses ou eso nu só pís, soldente Stln fenu e senvolveu est doutrn Lênn e provou su justez pel construção prátc do oclsfho n URSS- Prtndo d tese Lento, Stln crou teor d construção d soced oounst, elborndo o progr d pssge grdul do soclso o counso e fnu s prncps condções st pssge Sepre e e tods s stões, Stln e eoocou n escol seu educdor, Lênn, e ensnou todos os counsts e todos os cddãos sovétcos ser coo fo Lênh, «B-b_3nuO /yfâèèh&èbíèâêl- -y M_3#*_\,r! ^h PARTDO COMUNSTA s seus núeros ngos, senvolveu e enrceu doutrn Lênn e condções hstórcs novs Próssegundo obr Lêrnn, gsegurou und e coesão se brechs do Prtdo Counst, bse su cprd cobte e su nvencbld Grçs o esforço constnte J Stln e os plnos por êle concebdo, o P_*tdo Counst trnsfceou u pís, trsdo e u poroso Estdo ndustrl e colcosno A dreção esclrecd do grn Stln pertu o povo sovétco, edfcr o soclso n UTSS e d 0 Orgnzdor Ds Vtórs do Soclso Fel Dscípulo Lênn * vd heróc, tod tvd Joseph Stln TODA estão ndssoluvelente lgds à hstór do Prtdo Counst, à hstór do prero Estdo soclst sové» _ tco do undo, O grn érto Lênn e Stln dnte d hund, é o tere crdo o Prtdo Counst, exerceu u nfluênc csv sôbre o seu stno Lênn e Stln elborr E brl 1922, por proposção Lênn, Stln fb genlente s bses olótpo eleto Secretáro Gerl do gfcs u prtdo CoAté Centrl do Prtdo u novo; êles crt prtdo Counst, und posto ocuno qul se encrn té orte pou d teor revoluconár e d prátc revoluconár, Qundo o grn Lênn und d plvr e d ção spreceu, Stln conduzu Cooperndo ntente co co segurnç e co sbelênn, Stln nu os prndor o Prtdo Counst no cípos teórcos, tátcos e cnho Lênn Êle resorgnzção do Prtdo Counst; êle enrceu o gurdou o lennso dos tprtdo durnte duros cobtes pel encpção dos trblhdores, fzend o s poroso prtdo revoluconáro* Sob dreção Stln, o Counst cresceu, Petdo APARECA 57? MÊ5, tornndo-se senvolveu-se, drgente d Revoluforç ÜM HOMEM No Soclst pís dos ção DE VERDADE Fel o jurento qué Sovets, le está à qundo d or*, pronuncou frente do ovento ope* te Lenn, Stln fenu ráro nternconl o lennso qundo os n* gos do Prtdo, os cptu* lconsts e os oportunsts se puser tcr teor lennst d possbld vtór do soclso e u só pís e eo o cerco cstln senvolptlst veu s dés lennsts reltívs à poltc econôd d dtdur c Stln, operár clsse nsprndo-se e ndcções Lenn, elborou os prncpos d ndustrlzção soclst d URSS Prtndo ds gens dretvs Lenn e ds necessds urgentes senvolvento d bse terl d soce* sovétc, Stln senvolveu sob todos os ângulos e levou 2 prátc teor e coletvzção grícol Mostrou d ner s cbl er possível bser por s tepo o rege sovétco e edfcção do soclso sôbre dos fundentos dferentes: ndústr soclst, s poros e s unfcd, e pen explorção cpones, s retlhd e s retrdtãr A déc qurt conferenferênc, e pos o déco qurto Congresso do Prtdo confrr orent* ção lennst-stunlste pel vtór do soclso n URSS e fzer l le do Prtdo, obrgtór pr todos os seus ebros O Congresso Déco qurto ssnlou coo tref essensencl pr o Prtdo w A\ y< ndustrlzção soclst do ^ x y\ * 7,/ lut e pel vtór do pís socllsto n URSS Os c" * -*% ^v _flf r F f f _H tf^un ptulclonsts e os oportunsts, colocndo-se contr lnh gerl do Prtdo, ^fffjfeesjjmèm^fl jjj3^%y; >**;*&->ft*? ^^_ÉB F f^ qul tnh por f edfcção do soclso n URSS, se tornr gentes do perlso, for rrotdos e fstdos do c* nho do Prtdo e do povo construí o soclso Er precso crr rápd* ente ndustrs não ntes d ext n Rúss revolução Proceu-se u gtntesc construção ndustrl v ssegurr bse terl do soclso, reequpr e reorgnzr não soente n* dustr e seu conjunto, s tbé os" trnsportes e grcultur Epreenu-se sôbre ò Dneper construção j Centrl hdrelétrc, s poros d époc, CíJch*, w, -,- -l«fe_, -MM,L:l ^ ê&méé^àmáh ^^H^^^^B^_-_-_-----_-l_ W_--- K_^ se gulente u or nú* ero centrs tércs Ns etps dos Trns-Urls, o pé do onte Mgntn surgr porosos ltos fornos, s bters for* nos e lndos u cobndo etlúrgco U outro ggnte etlúrgco estv e construção n c* d Kouznetsk, n Slver Nscer usns trtores e utoóves, construção ecânc e áquns-ferrents Todo o ps fo todo pel febre heróc d construção O Prtdo, Stln, confn* tes ns forçs d clsse ope* rár, conduzr o povo pr solução dos prnc* ps problesd edfcção do soclso Tbé o prero plno - qünqüenl, o qul o povo u o noe qünqüêno stlnst, fo relzdo ntes do przo prevsto, e qutro nos e três eses No curso do prero qünqüêno for crds, n U Sovétc, ndústrs, trtores, utoóves e vões, quns*ferrents, construções ecâncs grícols, be coo n ndústr quíc Grçs os suorn cesos do prero plno qünqüenl, URSS, produção energ elétrlc, ocupv u dos últos lugres, chegou u dos preros lugres nd undo Aconteceu o eso co relção à ndústr do petroleo e d hulh De u pís on don pen explorção gr* col, URSS se trnsforou nu pís ndustrl, ps grn grcultur soclst e poroso por su cpcd fes No seu nfore sôbre o blnço do prero plno qünqüenl, Stln ostrou ponto URSS tnh vnçdo, pelo rto seu senvolvento, e rel* ção os píses cptlsts Dz Stln: «o volue d d produção n d us t r ll e URSS se elevou 884% relção o seu nvel n* tes d guerr, o volue 4 Es* produção ndustrl nos estdoá Undos cu, pelo o período, e 84 por cento ntes d guerr; n nglterr 75%, n Alenh, 62%» O senvolvento d * dustr copnhou s trnsforções rdcs n grcultur A or dos cponeses coprend se o kolkhoz o senvolvento llteror do cpo -B_ÍMK_---*-W_ _^P-Sr_WP_ff sob dreção edt levr efeto u hstórc Stln, dotou novos plnos vtór sgnfcção uvers n segund guerr grndosos; ndcou os cnhos e os eos pr relundl zá-los Ass > fzendo, ns* J Stln dotou o Prtdo o povo sovétco e o proletprou-se ns teses contds n obr genl Stln «Os rdo undl u vsto probles econôcos do soprogr centífco pr â clso n URSS», onedfcção do counso O são nlsds s condções XX! Congresso do Prtdo, outubro se relzou e pr pssr grdulente do socso o counso 1952, co prtcpção e N lut contr os ngos do lennso, durnte os cobtes trvdos e prol do soclso, nos rus nos d guerr e ho período edfcção pcífc, ó grn Stáln forou e grupou e tôrho le u sére drgentes teperdos ns btlhs, prenr n escol lennst-stlnst rte drgr,, e ncube hoje ssão hstórc contnur grn obr coeçd por Lnên e segud co sucessr» vor StAHn ses coeçr entrr e ss nos rtes grícols O progr do qünqüêno pr colettvzeão d gr- cultur fo relzdo o trl» po N conscênc d en** s or dos cponeses, os kólkoses se frr co* o únc for cetável grcultur No XV Congresso do prtdo, e jnero 1934, Stln, consttndo vtó* r d polítc ndustr* lzcão do pís, vtór d polítc coletvzçâo gerl, sublnhou o fto quo o sste soclst tornou* se u forç donnte no conjunto d econo nconl «A experênc * nosso pís provou, dz Stln, é vtór do soclso e possível perfetente u só pís, tondo soldente» Br o trunfo do Prtdo Lenn e Stln vtór coplet do len* JMSHflO _ O segundo plno qunnl fo gulente relz* do por ntecpção, no ês brl 1937, ou sej e 4 nos e três eses Gr* çs à reconstrução d n* dustr e d grcultur, econo nconl d URSS Meou provd equpento técnco dos s vnçdos do undo Ao f do segundo qünqüêno, URSS Já hv se trnsfordo no poroso pís do soclso trunfnte, coo gor, neste pósguerr, trnsferse rpldente no ps do çonnfeo vtoroso ^Ê^" ^ -^ f^^wêw^^êwètü^bèíêélttbkt^j UJwt^!tà^-àtk W"* ^j f J P^9S F >*> P^-^ffll?^ J ^ ^ F nwffll^- ncnsvelente, pr con- < soldr pz, pedr preprção e o senvolvento nov guerr A vont pz d URSS é confrd pels sus proposts e gulente pelos seus tos Depos d guerr, URSS reduzu grn* ente sus forçs rds,, e núero, não exce, hoje, às ntes d guerr O governo sovétco retrou nós przos s breves, pos ds hostlds, sus trops do terrtór d Chn, d Co* ré, Norueg, Tche* co-esíováqu, d ugosláv e d Bulgár, on hv sdo conduzds no curso ds operções trvds contr o gressor fscst Consrndo lut contf propgnd odos u nov guerr po con* trbur e grn escl p* r lvr tosfer n* ternconl, o Sovet Supreo d URSS proulgou le e fes d Pz e * clrou propgnd d guerr consttu u cre dos s grves contr á hund Ms 115 lhões cddãos sovét* eos/ _ tod populção dult d URSS - ssnou o Apelo Estocolo, pro- ^^^^^BBW_«B ^ W - - B ^^! rn!!» N8S^v:::::---:«--:::-í/ W W^wS Bí::^_:^BP^^ "^_E!?;;^% ;_M WL l!!^r^^m _^^_r^â_jí! B&2Sgfôe>Ê ^_^!_-»! _5s Ppí Ksí 1!!& : -:: lâtjêjçsl _-_f_ -U _P^-M<ÉJ^ B_^w ^^^«^H BbSrín H W&ffn WKjc jsêfí^xírr^ms^lf^- " T_^rSr^w,,_lE^-fv r/j- -^B 1 WSR f Í^^H_l_f ^ l ^^-^ f \%,,^g_»f ^B_B^n_g<--»QKO0C^O-_K<*>-- ^kt:-:::: ^ B BF" : /7 J^_ffl 3JffrT_M Blns *\^v_v>on-j-_ «*xv*>xv^v>t;?*b WEWOn ^S S^:: _fl «&_ ^^TW,;^Pft^:::?-"::>^^>^-_! B_j-^^^ ^^f^^b* H BHjl fem_rf HS bs^^ss :;*^_BJ^_H^ H_^HH^^É--w:^ S M 1-_-_ H»^-_ H------_ M &&*&B^ v v<; "" *": *^- - ^ " "- -* - ]^ ft_kw_bk_^^ l LBERTAÇÃO DE UOVÍÁ {Bulgár) pelos Exérctos Sovétcos Ewtre os grn tütoo* ée UMA fgur o lbertdor núeros novos on*w oprdos pelo pertso %#VA p«e«_*e os po>* vos! Abxo os ncendáros guerr!» "plvrs Fo co ests seu J Stln ternou dscurso hstórco o últo pronuncou - no XX Congresso do Prtdo Counst d Unão Sovétc, 14 outubro 1952 Os povos todos os pses v e Stln o grn* d Pz, port-bnr congregdo sob hv ess gloros bnr cen* tens lhões hoens sples do undo ntero Aos olhos Stln dé Pz v ser bse d polítc extern do Estdo Sovétco «Lutr pel pz, dsse êle, lutr contr tods s dsposções tods co objetvo preprr u nov guerr tl é noss tref» Os nteresses do Pís Soclso são nsepráves d cus dá Pz no undo ntero A tods s conferêncs e congressos nterncons, n Orgnzção ds Nções Unds, por tod prte, os representntes dá URSS, nterpretes d polítc exteror stlnst, esforç-se HH _ -^y1 ^ -Wíwíwíp *,«- -nvfkwvv ^W^^^^^^^^^^^*-9w_ííJ(gHBBWw_^\X,-SílwlW y-y^nkms&^vrükvysx&fflbqbka ^s9l^flf^ílvn^v^^flf/n^^9^"*m_"ííf*^** _Mfllv"oft> ^ R P/*^***_*;-"wx"JBwsW-nv!*^WPWy?_<!-Í^>Ãí- yí&*xr??]lfflp/$w9$- ^^W * ss^!_rss^ü^ wm WVtÊtftt? P">? ^Pl-fMr > w^-á^h «3 S>^ -::: YtZJ^ÊBoà^^^nSS&^^*^*" K^9hk &" H ltl_^ ^_^_l_kí_] ^S_Í S^^Í^_H í^fc^^hw^^s^ * ^rátáèf&fê^ clndo ss pe Fz e por el lutrão A polítc exteror stlnst d Unão Sovétc, po* ltc Pz e z entre os povos é o obstáculo csvo o sencen* to u nov guerr, e, por conseqüênc, el cor* respon os nteresses vts todos os povos «Nosss relções co os píses cptlsts, dsse Stln, são bseds n coe* xstenc pcfc Ae dos sstes opostos» O Governo sovétco próssegurá e su polítc sepre, vsndo nter e consoldr pz, ssegurr A fes e segurnç d Unão Sovétc, poltc cooperção co todos os píses e o senvolvento ds relções coercs co esses últos e bses recprocd Fo o refrr nos funers J Stln seus fés copnheros lut o presnte dp Conselho Mnstros d URSS, G Mlenkov e V Molotov _: «Os governos ve ser* vr felente os seus povos, dsse G Mlenkov; or, es povos tê sêdè pz ldço guèrrà Os governos serão crnosos se qusere engnr os po* vos e rchr contr os sejos sgrdos dos povos: nutenção d pz e pe* dr u nov crnfcn O Prtdo Counst e o Govêrno Sovétco fr é polítc pzconforúnc únc just, e os nteresses vts dos outros povor-> Grn cobtente pel felcd dos trb-, lh, J Stln nv, os n povos do undo«antero será p lut pel pz ntd e consoldd se os d povos tore cus pz e sus ãos e Ests f» fenre té o plvrs Stln percorre 6 undo, trnsfornse e plv^--or centens lhões ho* ens todos os contnentes As plvrs do grn port-bnr d Pz, Stáln: «Vv pz entre os povos^abxo os ncendros dé guerr!» rétub hoje è tods s língus d terr e conduze os povos à vü-r Genl Es trte lst e Cptão Vtor dc junho À ,» Alenh perlst htlcrst lnçou perfse dente vso contr URSS 170 dvsoes reforçds por lhres " df tns vões U grn pergo pesv sftbre o Estdo Sovétco Nles ds dfíces e crregdos eçs, os pensentos e s espernçs dos csovétíldãos cos se voltr pr Stln flo ssuu nte* r responsbld dos st nos do pís e do o povo, drgu Cotê Dele* s do Estdo e ssuu o posto Condnte Supreo ds Forçs Ard d URSS E su ensge dfundd rádo pelo três julho d* 1941, Stln os* trou guerr couuuxíuu ue_os sovews jus ; Uccou lend d nvencblld do Exércto bcrst, profetzou rrot nexorável ste exércto e trçou clrente o plno v levr * nqnllento dos nvsores fscsts leães Defnu s tref? Conclou o povo qne se punh o povo e o exércto n guerr dr tods s sus forcs pr esgr o ngo E o ps ntero levntou-se o pelo seu condnte Proceu-se à trnsforção d ecénol nconl e pé guerr O plno dos htlersts pensv e cbr e u ês e elo ou dos eses co o Ps dos Sovets frcssou Sob o condo Stln o Exércto Sovétco Mgnlu eo êxto tátc d fes tv tendo por objetvo sgstr dversáro, strundo o áxo seus efetvos e seu terl, e preprr s condcõe» : pr pssr à contr-ofensv _, Teérco ltr gêno, Stln dotou os qudros do Exercto do undo, pos s vnçd sovétc, u cênc ltr el trst não penss dos probles d rte rutr proprente dt s gulente do conjunto ds possblds econôcs, curso d segund guerr polítcs e ors dos belgerntes No frente ^els trops sovétlundl cd operção trvd nu cs, se contr tods s opereftes epreendds pels forçse confore várs frentes, fo elbord n bse dos plnos 7V,, cções Stln «Kursk, As enss btlhs hstórcs Moscou, StUngrdp, fnl * operção e Mf s ofensvs 1*44,, do nverno Berl fo- os gnífcos trunfo» do gôno ltr Stftln,?>X<*>X!-_l*-\,vX"X***-::;:*" «r possível Os -_!«* -^ -, /ê à*, 7^777_ ÉÉÉlÉÉÉk- d^jkw,\«_ 7fe_-;-,7- yuu

13 «Hollywood Trv Co «Btlh dô Cnescópo» -w EM prncípo ste no Hollywood lnçou u gégntêsc cpnh publctár, utlzndo lrgrns plvrs o expressoss steros»: Íente lner, Hypergonr, CHnescop,revelo est* reof ônco, tél-espelho-lgre, 3 D, óculos polro, Vsão Nturl Ao eso tpo certos jorns repet à sced: o cne, tel cos o oonheeos s nvenção do «fldo» no te s lguns eses vd, Betos à véspers d u «revolução» coprável à do cne sonoro Se procuros 0 V**- **" «Son sob ess vlnche dí plvrs ágcs vereos ue -«revolução» nuncd por Hollywood se reduz dus nvenções técncs concurrentes: o cne e relê- Vo e o cne e tel pnorc U e outr sse novções se content e plcr nvenções conhecd» s uto O CNEMA EM RELEVO N Aérc o relevo pr os grns fles (long etrge), fo scoberto no coeço ste no 1953 Or, s 1944 unc-on e Moscou u cne estéreoscopco, e 13 nos fo vstdo, por utos lhões espectdores No no pssdo ssst, no cstéreo Kno», studo «en pleno corção d cptl, n Prç do Grn Tetro, u fle long etrge, oolordo e e relevo, nttuldo «Note Mo» Bs» eso fle po ser plufldo neste oento e P* Hs, e eop «bx» A exbção sse fle dux>u s u hor * sensção do relevo, bsotutente perfet, não provo* cv nenhu fdg B terndos oentos vse glhos nefn prnjetr-se lterlente pr for d tel e blnçr ôbro cbeç dos espectdores Ou então os herós dá pel* «cu se dstncv n profundd u bel p» sge ukrnn, on cd folh, cd glho tnh o seu relevo O proces<so estereocopoe pregdo e Moscou é fn- o dos trblhos do engonhero vnov O fundetl no nvento é o eprego u écrn espec nondo «Rstre» e cujo * pecto estredo lebr o vdro lvrdo, o fbrcntes «prelho ótcos us pr propgnd do óculos qu perte vêr fotogrf e relevo Depos d nh vst o «Stereo Kno» Moscou tf* ve oportund d ss st*r núeros flese relevo, procedênc norte-ercn Nenhu les se proxv eso longe à perfeção d técnc cnolte Mo» Fzendo b trção do ldo rtístco, nd ss sér nteressnte ooprr poes ntens «Note Mo», e suvd d rte pres téd es -relzção, co O sdso e 0 erotso do fuse ercno «O Hoe d Mscr Cer», cons» jdo o boje elhor lol Ü ^««w- -** d _ * * OfNHrges SADOUL $BP*»w*r«* * W w rj * O «Stereo Kno» «vntge csv sõ* bre os étodos ercnos: o fles po r vstos à olho nu se necessd do ncoodo dos óculos Crr o relevo co o uxlo óculos é nvenç&o presentd e 1868 pelo sr- Henr daled, dndo nov plcção o estereoscopco, prelho pr ostrr gens é relevo, crdo e 1838 pelo nglês Whetstone Henr d*aled super* punh, pel projeção, dus gens sobre tel, u ver e outr verelh O espectdor colocv os óculos, cujs lentes er u cd côr Vf, então, ge e cnz, e relevo bstnte stsftóro Alguns nos tr ee processo ío perfeçodo pelo frncês Frnços Dueo du Hro, s btsdo co o noe d cngyphee» Certos jorns lustrdos publc tulente «págns e relevo», pó ser vsts co o óculos lentes W-coJords Tr* t-se u plcção do vo* lho processo -«nglyphe» Os «nglyphos» for epregdos no cne, e 1900 B 1936, o nventor, Lous Luére, presentou e Prs, no grns boulevrds o cne e relevo,«epregndo os «nglyphog» Esss representções contnur oo -êxto por utos eses, Fo pos fdo fues *«rc- por lguns nos Ness e époc dver* so nventores n Alenh, n Frnç e n nglterr logrr substtur s lentes M-colores (vers o -retolhs), por vdros ncôlore, «chdos «pofre», Esse vdros possuí grn vntge possbltr presentço do fles e cores Ess nvenção já pos* sol 15 no qundo o tglêses cdr rrncá-l do escento pr ex-mv e 1951, por ocsão do Fesfcvl d Grã-Bretnh, u progr fles e res* vo, consttuu u grn sucesso e Londres e, eses pos e Prs Ao eso tepo o Húngros presen tv é Budpest u pro* gr películs é relêvo Só-uto s tr/já este no, é os ercnos surgr co o seu preros fles long etrge estereoseopcoo, ESPECULAÇÃO COM 08 ÓCULOS As ptentes dos óculos s* cessáros os f_tne W Kvo er propred u grn soced, «POLA- R01DE COMPANY», lgd os trustes ercnos produtos quícos ObjetJU vndo ores lucros, PO* LAROÍDE 00 não pôs esses óculos* à vend Sbe-se o óculos polro sfto fetos dos pedoos coloí tmgn > custo Ao plcr u lmf o ns fbrcção sses óculos, POLAROttÜE clcul esse lhão lhe rendrá v* ros outros lhões e u no N Frnç for cepcònntes os resultdos dos fles pr sere vstos co esses óculos Os espec* tdores for r r o s Os progrs er borrecdos e cnstvos, e os fles long etrge thh ser várs vezes nterropdos» Os fles e relevo não se güentr relevo não se güentr no crtz s dus o três sens E, qundo fo* r revelds s esttíst* cs blheter, -consttouse os fues e relevo náo exerc sobre o p- Mco or trção os e preto e brnco N nglterr e n Europ Ocntl o frcsse fo gulente copleto N Aerc, «Bwsn, o Dbo», e «O Hoe d Ms* cr Cer»for lnç* dos co grn rend n* c blheter Ms cu* rlosd& do públco rápd* ente clnou U n* rto recente fete entre os dretores cne sobre o fle e relevo pelo se* nro «Moton Pcture Herld», revelou-se sfvo* rvel O scontentento se grvv co s xs pelo sste rpn d POLAROtDE 00 Prece provável Ho* Hywood não contnue por uno tepo u espertes-, el bsed e processos prtvos e letertâres A OPERAÇÃO CNEMASCóP O fle sobre ts -crnç pnenão represent tu* be, novção or O grn fs4ok>ge*u frno relevontrvés óculos, efs Jules Mry, dotou ps* r os seus fles regstr dos e 1888, sete sãos stes do Ctetogrfo Luére, forto or o lo Cnescópo Fox N Exposção Unversl 1900, o nventor Grorn Snson colocou o públco no centro u écrn crculr, co* brn todos os pontos do horzonte Os espectdores tver lusão perfet estr subndo e blão Hâ 25 ros o grn re* lzdor frncês Abel Gnce epregou u tel tríplce pr exbção do seu f_* e «Npoleão»: ereur três tels do forto hbtul, colocds ldo à ldo O efeto fo extrordnáro Qundo Cnetec frn* ess, no últo Festvl Venez, exbu novente sobre tel tríplce, entre* «d n tl dos exérctos co* nddos por Bonprte, pressão produzdo fo * go extrordnáro O eso Abel Gnce, so» norzndo pos 1930 o seu fle «Npoleão», epregou o «relevo sonoro» qu «esterefoní» Utlzou sultneente três ou qutro to-flntes odo os dverso» ruídos ou plvrs te ustdo oor > u fo ltão enroldo Ee prefo bárbro, rrsc cd oento frr c«olhos do espctsdsr scuddo, ve custr, s áxo, 90 tríos/ proso fbrcção Ê entregue o preço?00 írncos os propretáros dsssmsv os qus é lugdo por s sen A preço sepresente três ou qutro v _q*eeeáo ««e vr-k* se Os étodos AM _ -le servlyte copdos pelo ndustrs ercnos, se lnçr*, o d 80 d etebro, e Xov Yofk, e «svodwy Thetre», o e, e-uoru», t*l trpüee, -*»- sfsdo o relto sonoro- O s* ssso só fo éo e preoesfou tl for dos grns «fosses» d Fox r-, Mr Spyros Skours, se ele toou u vão ruo á Frnç, on vstou, So d 18 Setebro 1862, o nventor frncês Hen Chréten, já e 1926 hv terndo sus experencs co u novo tpo objetv, chd «Hypergonr» O-processo do «Hyperg nr» é, e Prncípo, dêntco o dos espelhos forntes ds keresses, dverte os vstntes coprndo su slhuet eles vê sdente longd ou chtd A objetv do prof Chré- Üen, dptd* u crnee, copre os objetos o «pessos fotogrfds e re* gstr s gens seddente longds A pro* jeção, trvés outrs objetve, torn o seu specto nturl Po-se ss, co fles dé forto corrente, eobrr tels dus vezes s pls s tels couns E 1928 o étodo Chré- Wen hv servdo o relzdor frncês Clu Autnt-Lr pr u fle dptdo u novel Jck London, «Construr «*u fogo» Logo pos ess nvenção frncês cu no escento, on veo rrncr drtcente Mr Spyros Skours, lnçndo s fordável cpnh propgnd "js vst e Hollywood :/: O étodo Chrétíen há uto áo doíno públco posu vntge nâo utlzr senão u prelho projeção, enqunto o «cner» exg trás Pe* d, ss, se grn dspess, ser estenddo Ss spess, ser estenddo grn nuero «sls dé projeção E br! ste e Spyros Skours seon u oontrto co o prof, Chrénen, co durção 4 18 nos, espolndo Frç u processo todo esc* quvel grçs à qulfcção excepconl dos operáros d ndustr óte SOB *A TúNCA» E 1846 o núero ctds vendds senlente nos cnes ercnos fo clculdo e pe flões Hoje e d esse núero é lrgente nferor cncoent lhões Os e* renos estão enojdos eo o cne sert ds ss espetáculos Hollywood está e plen crse A cptl do cne present e epectç u cd gensnte,co seu enores studos bndondos e seus btlhões sepregd* 0 blnço lgus poross epress cíetog-ráües cus petdos prejuá- Os donos do cne e* lenes conclue ss stu* ção o cne está conndo á rápd sprção se não e dferencr ràpdente d televsão pos tulente o cne grtuto, á docílo, está nstldo nos Estdos Undos e 25 lhões lres Mr Spyros - Skours nroteut cor, o gndo o relevo sonoro o o étodo Chréten) teedtor o golpe do «fldo»» e 1889 slvos Ho»»- Wood, por lgnn o, ds grves reperensões do «éter ek» 1929 E 1858 Mr Skours eo» seguu dobrr cotção à sçóes d Fox ns Bols Wll Street, nuncndo senscolente ssntur cordos co o prof Oré* nen Ms, lé sse golpe Bols, Hollywood «sej operr u verdr co* lét cpts e todos os pses Pr fzer exbções películs e «Cnes* copo», u propretáro sl exbdor é obrgdo dqurr u equpento copleto: objetvs espe* cs, tel ggnte (ch* d «espelho-lgre») e os lto-flntes últplos o pr «relevo sonoro» A spes totl, cordo co sl exbdor eo ps, v* r entre cnco e cncuent lhões N edd e Fox consegur equpr llhres sls el rsprá pr os seus cofres lguns lhões, dvdrá, espe* clente n Europ, co o truste leão Seens Po-se ter u dé dês* ses processos fnnceros s* bendo-se tun objetv Chréten é vendd u do* no cüe por s frncos, (qundo es* s es objetv cust o fbrcnte dus ou três ve* ses enos), s é h* gd por dos e eo lhões, ou sej z vezes e e s, e pens por * gus sens u pro* dutor frncês pretend relzr u películ e d* nescópo Esse luguel é nd subordndo u super-censur rgoros exer* cd sobre o cenáro, cben* do à Fox cdr se o rel* zdor frncês ê ou não dgno epregr u nvento frncês, trnsfordo e onopólo ercno N proporção «e Hollywood logrsse n Frnç plcr co êxto o «golpe do dnescópo», so* bre o nosso cne pesl dos grves pergos: crrer lhres e lh* Rs dólres ds nosss epress exbdors e exereer u super-censur sobre noss produção Ser, todv, fácl redu* à potênc o onopo* lo ercno Bstr * guns lhões e lguns ê* ses trblho pr epre* enr e Prs fbrcção objetvs do tpo ds Oréten, cpzes bstecer s epress ex* bdors ncons e estrn* gers Ms, o Mnstro per* nente do Coerco e d ndustr, M Louve, lg* do os grns trustes nter* ncons, longe fcltr o senvolvento d ndustr ótc frnces esforç-se por uxlr Hollywood nter o onopólo do «onescóso» O FUTURO M «CNEMASCÓPO» O prero fle e «cue scópo», «A Túnc»,, ncou su crrer e P* rs, no prncpo ste ês Trt-se d u super-produção bíblc, e técncolor, no por estlo «Quo Vds» ou Ced B Me Esse -colossl bcx provoc - rso ou borrecento s do drção A ens propgnd d Fó; poré, tnge os curosos Durnte ó rcês zebro! os -dos grns cnes prsenses ex* t «novção» dto 27 nos e nâo chegrá lser o púwkso se teressr to pelos «*_exs» «Ü6A» be «A ~^«"P ^*^*-*W**B- Túnc» reoebeoa_ p^******b^^^^^fbv**b*#*v^^ ^b/ ^^^^^w^*^^^^ f" Sgnfcrá tos grn tel penos** n suplntrá Ã-Ü-ãã onte te cou coss o pssdo o o-ee fl» Ao líqudos nreesvet» ente o cne u-t Nd prece enos, certos Antes s nd é pre> cso consrr lo posslvel e 1880 equpr te* ds s sls exlbçã co prelhos s o n ó ro s* Não prece possível hoje, nstlr tels pnorâcs e todos os cnes En grn nuero csos construção e rqutetur ds sls obrgrá, pr nstlção d tel pnórc, não uentr su> perf d tel prtv, s dnu-l sensívelente É o contece neste oento co o Cné> Prount, e Prs, cuj tel pnorâc putou e dos grns pe* ços o or écrn utlzdo pr presentção ce** ns grns espectculos Ser necessáro por reconstrur ou odfcr consrvelente o* r ds sls frncess pr obter u efeto coprável le produz hoje, s «dnescópo» nos dos grns cnes d cptl Por outro ldo nd prov, pssdo o prero sucesso curosd, públco não venh se ftt* gr rpdente do «cne» scópo», coo se cnsou dos fles e relevo vstos trvés dos óculos lentes bl-colords é hoje cot> s já pssd od Nesse cso, os propretáros dnes, ter gsto lhões frncos pr equpr s sus sls se» r obrgdos jogr no posto ferro-velho obje> tvs especs, tels pno* rcs e plfcdores cedo, poré, pr ber se Hollywood gnhr ou não btlh do «clne* scópo» A Aérc, se dúvd, nd pouprá p* r levr bo tero su ofensv, pos u v* tór por rrncr Hollywood d crse tul lhe pertr «colonzr vs> xüs ndustrs cnetógre» fcs estrngers, coe- gr pel ndústr frnces Ms, pos ter ssst do o «Sl&ro do Medo», fl* e frncês e preto e brn* co, levr às sls exb* ção z vezes s expect* dores os fles es* cnos e relevo ou e tés> ncolor, cheg-se à condn* são o nosso publco co* tnurá preferr rte e quld às novções técncs precárs e coloc* ds à servço ssuntos edíocres e eso test, ves Dr Arndo Ferrer nc Médc - *E«pe> dld: tuberculose e doençs pulonres pneuotórx rtfc Consultóro o -esáoc Trvess Mnoel Coelho 206 Telefone 5763 ~* (São Gonçlo)!

14 *-*k«t8kmm0 f O ANVERSÁRO e troí cte; fs*o upotet «l go os preros s pés n r, poréá clor forte e seco A s lsqulnhs, coo dh brs do ro l sopr* fnetes, rsgrn-lhe v e, fts vezes, do norte, pele fn Sentu u dóf Vnh le vento pegdo bfdço A nogr-se no chão eo gud, profund jot- refrescv u pouv co, trz s < sossego, scnsv-se e o brro, er etro pens poré bre, dor po* A scer note, fnlente, pr spertr chegou o nhecer Er un 5 hors note - íor coo sepre e qundo l zebro pr esqun junto o Mrcno poste e outro chegr-se o e rspr o rosto n r rregulr rlv cl e o sol poste Nsto preceu, o longe, Horrível Suv, seren cnsdo do-lhe Hv lu no ceu e tênue c* luz u crro o brço esrdo Tentou, então, suspenr Nle ser? Esplhrse O uto d o clor er ntenso, sobr escss rd pelos uros é clçds -; o e ser, pssou veloz; No esnío, 11 hors, tl* Er 9 hors/n poste o oço oreno rcou-se, e fcou esperndo o corpo lentente sl estret estv procurv, co fto vez u Mrcno pouco s, dret, O sol estv pno e no Mrcno e três lcnçr o hoens outro «pegdon Enrolv bndsrs» e fxs, s lto trepou e seus obros e subu, r lhões lentente, coss e, núsculs c trnçr-se pàrecàí s, subr dv no óç últos retos U nu vvé contrup es er o velho, o outro penosente Suspenso êle poste Do-lhe o brço, o tou, lgero, o obro s, enf, gro e subndo o Cr, re Er o orço De repente ptou fábrc reno, sustnh bnrol trngulr ntes u sstre, à vst, sepre o rosto contr rndo; o tercero òurdò, pele verelh, não uto lto, E bxo, no bco, no vértce, hv r lsed, «felpud», gressv e^o u cordão Arcou-se u pouco os oço, estv n clçd, su d sobr procurndo lugue n ultdão ô vst o s forte todos Onze hors A * dos treer e osclr e fnlente conseguu N ru prece corr tr frós e se pg note vnçv N ru dnuí o ruído, cessv c tráfego do, Chv-se prte nferor Ventv logo e bnrol, von- Que será? Longe ouve-se o rudo Mrcno: er lto, uto gro tornv s df ícl o u trblho Descer, crro pesdo A polc Ascene oreno, cbelo quse crplnh N esqun, rpzes flv e voz lt: Procurou por f E olhr: e sob s luzes luz dó nos bolsos u lenço e vu escer Então hsters fles, poste sltv s letrs brncs u crro * Estrão perto?, -grot l dá vznh As no luzes verelho d pg-se bnrol - SALVE STALN, gor e o ruído sprece en: gou o suor test n U boêo gro grtv: «Nos seo go» A CAMPEÃO DA Ter prdo? Certentee oreno, cbelo* quse crpnh note cresc; Mrcno estv nto Vr? Aqulo er 50 por cento, er o êxto, te olhdo PAZ! Mrcno fz U esforço enore Sen- u prdo escuro, sorru pensndo: «A velh gor estrll» vtór? Er 20 zebro o corpo No d suor, segunte, suor Conse* S os últos operáros E o edfíco E gor ess notc! Não fltv Stln copletr 72 nos - gue lcnçr outro «pegdor» e, co ão dret, d grn fábrc envolv-se, cd vez s, s nd u d cheo trblho, tudo Entrr scnsd, no crro ergue-se Mrcno s Sente pesgun* u dôr nu slênco trste e lutuoso feto penosente, juntndo-se dqu e dl tou: gud nos ntes, nos lábos, on segur bnrol Mrcno u pensou: «Não colch, retlhos Peso uto? Por f, consegue ffcrr os pés nu dos ferros Respr fundo veo Trblho perddo, cnhd nútl Ru Er tr O velho E fechou n pensão? Tlvez êle tvesse jnel Não A gente se pondo no poste sente-se lvdo At bnrolt e spreceu cbeç brnqucent pssdo junto co Fltv lgu cos? Não Não fltv Poré Rodr Er drugd lt Res- Desce lgero U uto sobe dreto VVA STALN ultdão s nle corre,> Ms tnh certez? Sepre possível prec-lhe lgo tv poucs bnrs pss corren* Estv cns* do dnte não pr bruscente, sus vê-lo A ru er fcr escdo e, à últ hor, trn«?tornr tudo Ms nso possível não chucr o copnhero o dos Mrcno hv portr trdo os sptos pr se estret, o bre co volênc Mrcno escon* pessol vnh pels, clçds, rv nos trlhos p- do tre psr-lhe hos se n sobr u uro e pos, lentente, n «pssge» E teendo por f, à últ hor, l notc! obros Agor sent u dôr gud nos ue vesse gnh ru, pel esqun, e sp» u eoboo Dfícl não Sugeru: pés, n «sol» vê-lo, quse posr*vel Êle ; rece Reune-se logo Flt soente fcou ndr outr Er eo d C soí, pno, v, e Sb dsto E o oço s; drg o crro? Por fx grn e os lugres s vsíves, oe Mrcno, soldo, xou os portões d fábrc, já slencos e trste O Que não flv? Observv, será esse t to, estrnho elhores estão polcdos Não estr rcndo os lugres? vé? Depos, Pár nu esqun Do outro ldo está fclente, Contou os níl- - 3,50, Se tosse >-- S recolher,fxs e bnrol* u hoe, coo vgr os ovento» o ônbus, Ago e ter u cruzero Ago le tudo estr perddo, nútl o trblho d Será u enos e o cnhe* poupdo não sér uto grnte por êle? Você note - - polcl? Esper Os nutos cust pssr, sf-se lentente Q Não Não U les tentou conveesv, pnrlhffn gu cos: chão Mrcno, sobe, co tun ds pon* estrnho sprece Esten fx no Apurou grnt o psso Sent foe A ru tor* N :u nv-se, gor, prou u crro olhr: er nternável Vnh u bo ro o frtv esperv -- le cnhãoznho fechdo Vclr Ser confnç? E por E êle responu secente: v drgndo Que sej? Pretenrá gr Te ldo VOE? ts Nsto sce do crro o jove vle* bfes Chegou, fnlente, e cbeç brnqucent, o sorrso lrgo, o rosto cheo do velho não pur vr Então ndr outro, não? O crro er u go, s êle Não leo nenhu jornl gor? Mrcno contnu subndo E* o E convers ternou oento s dfícl, é o logr s per* crd preceu n jnel Não entrou, nngué sb er Vclr Mreno, poré, cdu-se: *, tdo, cheo lscs, «felps» Há «pre- te, o pno esvoç Aprece s letre Agor é u poste r, l cor- goso, s exposto Sopr u vento fo* tnh press Quer pens sber coo os preprtvos: Vos! No áxo êle po nos le* gdores» ferro, fze u escd, verelhs: Stln, slve Stln, Pz Está tudo pronto? vr pr outro ldo pr fcltr o servço consertos, e Mrdno resolveu gnhr tepo, pressr o tr- xo Mrcno procur vê-lo co o rbf O oço estrnho, gor, está s pró»» Tudo Apgr s luzes, enrolr s fxs E escd? y e bnrs, sr - u por u blho: dos olhos possível gn, então, 4 Melhor não levr No peno crro, estreto pr tntos, Aqu eu coloco só bte nsqutt qué está fzendo s ãos n cntur^ Mrcno estrnhou; jetr-se l Nc bnco dntero, sentr*se o velho Mrcno Corr pel ve- E pontou u poste n esqun zst E nsto ouve-se u voz dferente, á outro olhndo E louro, tlvez u egrnte n» Por? hd lunção escss O velho ndcv o cnho e, pouco pos, já nu ds ão Segurou bnrol co os ntes Eu judo qu V s lgero O prero ferro fcv lto, c d voz do oço: _j D outr vez quüo Lebrou-se Ru Er verd A escd tnh vntgens, s oferec pergos copnhero At outr pont Nfstd rus lters, o crro proudescer Dos e sltou, grndo-se co ão esr- E nos obros fortes do rpz sobe qn Nle d té pensr êes o velho fl: vej ó fosse ldrões! JESUS LARA DA BOLÍVA A políc! Ms coo fr? E o velho explcou: Mrcno volt-se tnto qunto pe, De obros é elhor s sefuro (Conclusão d 2» págn) p pele Conselho Munc- s sso vleu pel esqun Que fzer? Há u copnnso U gurd e u psno prox-se d E s seguro Cochbbc* p, forndo ntegrlente opostores do go- cobtentes E fu uto nutos, tlvez e segundos O gurd fes dos crds ex esper u tepo enore corre e E Mrcno spedu-se No portãoznho Sentos Jesus Lr prou Escer o? Ahl s: hor não fr grns reltos vento tepo persegudo prox-se, vndo lentente, coo se Co- sto: su vd E u hoe sóbro, tído, cl- d vd Lr e fce do grn lvro é esse dnuu o psso, já quse n esqun Sentíos portânc Ness ltur lebros psseo doncl Olhou le grupo-, Que hors? Al pels 9 U nturez ndo Só eso nos b- s proeteos os le-se «Repete» (solddo) os Poré, no eso nstnte, ocorreu* dos probles seu povo, d guerr do Chco ch- ü Mrcno pensou: e últo cso lute> J Não é cedo? Não Sepre flt lgu cos e s* tes probles toc fes dos explor- poet e do escrtor Nâo to o conhecento do Qundo qu chegou o pr* He u dé e dsse: s sobr tepo ero exeplr fcos Bxe fx tt t-á- sà* -* »r --- dos ssue u ttu fo precso forulr novs centes u prêo conferdo pel uncpld Êle entusso veeente pergunts e respost veo própro stou cord n pont e Cnção Nt Ms ríos u espé* rápd Cochbb s e segud veo tbé nonv estv Descer Enrolr O ce bogrf nfortv pr os nossos letores pno O gurd estv s próxo e ffr Não cou olhndo: consgo seprr çr hoens retrv c o lvro hv sdo probdo qulo, u fx nd s nh vd cddão bolvno do ntelectul e perguntos: Ebrcr no crro e u dslf -E 1942 fu sttuído U pouco su vd certente sou Ms, e dsse: do crgo dretor d Bblotec Cochbb e o te sdo o seu trblho lteráro Nrhuy Hrhueu» (cn- cusdo tução nu 1927 publ o eu lvro O belequ se «gnou É, prece, Bdl, 6 snos etl sonho, Nsc e 1898, n V- ções-poet) e versos e greve bdl, ó snos Hvero peno povodo do Deprtento soes u vje às nh novel «Suru», o pno brnco, on se v, e letrs vere» «Vje gerl professores Rr nclljt» pres- Ms e segud publ Ms dnte, n ru sert, erguer Derr n usênc u ensge [r Cochbb Aos qunze ns nclljt \ fo trduzd no Brsl, lhs, sudção: SALVE STALN, CAM* e odul brs ns rgens, snos nos fz os eus rotneros - Tveos nterroper e 1947 E 1947 nd edfe e Buenos Ares «Puc- DOS POVOS! PEÃO DA PAZ E DA NDEPENDÊNCA -Co úsc e sud ceres poes E 1921 publ o e- prero lvro cntdor dos poets Khcrwr» (Tepo Flordo) Despedr-se Estv tudo pronto, pr lebrr o lrso en- [eu peto e evocção dos ros nscerá e, -Cntgs Cgn» tr, ulher d e «L Poes Quechu» estudo d poes dos ncs gur conet, êle pens responu: Qundo grcer o oço estrnho qwf cnddente, ~ snos; coo voz e o e 1923, o segundo, co o [rso trnspõe fronters Ufcorr lhorenr gul ttulo «Monte Mrr» tj _ Hr tondr pr ss d publkn no do nd- s e e trze vd pr o novo cnto q- ost fontn Y Khd poes colonl e d re- Não por sto Stln erece uto Derr, 6 snos, elods jovens nos cnhos rnços Surgu o poet não é fc lágrs gn Sbíos MÊÉ [ se esten n verd? Ms, Jesus contnuv: quo chegrá Mrcno chegou e cs e tou-so e nes cprestes recolhe o eêno S, s o 1920 coeçou nh crrer contecendo, perd o crgo fo Muts coss for vez do sen grn trblho «Ynkun» e nfo culos Doru e cordou co u trote qq Estv oldo, cnsdo, do-lhe os us* tvndo ds estrels e bouç prt nos clrões lu Jornlst, no «El Hobre» Bblotecáro pelo Govêrbo e volte o eso pos co precso fzer pergunts ench os céus Levntou-se lgero e br* E 1952 concdndo jnel: nhec e u sobr tênue Sopr, 6 snos Lbre» L Pz No eso no, trblhe e** «L clntes leves pr nh d o precento «Tnkun», nh últ no- pelos terrenos bldos Ds árvores vnh e bel, uto suve, esplhv-se pel ru, do Governo rrubdo e povo-lhe s hors oo ternur Pátr», Oruro* Ssses E 1934 fu [grn dos Máro; er rte oposcão o Governo Gu- pr guerr do Chco coo cob- /tdo nh vd pos vel, estvuddo o sen- frgrânc ds drugds, do orvlho do Ntl dos sples e dos pennos Desce, sce, 6 snos, O céu v se tornndo rubro Os pf* tente, e durnte cpnh escrev u relto d no trblho dos Jovens p- coo seres spreocupdos Do ro sopr u long observção eros hoens térrez Guerr e e pss n ru, lentente^ Julho úscs d nfânc o seu sonhr do eso no toe prte [rsonho d revolução ue rrubou guerr e for dáro O lvro fo tróts eu pís Snto u brs lger e l rge fn eobre cd e HunMhe o nseo co vôos [pássros governo lberl E publcdo ores s nhs resnsblds dnte dos pro- e 1938 Er u cusção e o eterno encnto un flor nos 1921 fu noedo Secretro Gerl d Unversd polítc strudor do And não tínhos ter- sr Bnrs verelhs treul nfl à cst ltr eu ps, blegs ncons d Bclv Ê 21 zebro Os foguetes cee» [cpos Desce, sce, ó snos, Cochbb, s e Governo hv feto brros ndo s nosss pergunts e sentíos Já nos- Mrcno resprou fundo Sorrju «pobres e súd o grn StáMn\ ds ontnhs vers e do zul se 1922 renunce o crgo guerr e u núnc do pr e lstr ns flers r foentd pel Stndrd pr os ds converss pertv [nuvens cráter perlst d guerso trblho estv longo fcou olhndo, uto tepo, ru s* e nuju-lhe l co pz snge* [, snos d oposção o Governo Ol Cop concessonár dos e vsts for poucos rwvw^wy Co pz d uec os Butst Svedr Estve petróleos bolvnos U coronel do exércto luddo crtores brsleros e prt- Conto pr o encontro co os es- olhos n pwpes we-s do or cs hoens be no «El Republcnó» Cochbb e e no lvro, sfou-e pr dros d pz Ternos u duelo e bt-e fenndo nh obr l cst dndo on pobte» bottvl- WJNO CABRAL então pr recoeçr bor- LUZ F PAP * 1923 fu noedo Dretor d nfcfltflrtslwlflfríftrrf^ «n«bblotec Públc Muok* ltr frr*j**t*%,bj^-*v^** : -,\^ y

15 JORNADA NTERNA CONAL LfQ boluqrgcfcrc oro VQt* Vor MNHA VDA DEFENDO -*: (Fo o Jove yfototu, preudo no Concurso V VMttVftl nternconl d Juventu Trdue&o Urre) Cforo tubo fujascl cponês pobre* Mnh vd te sdo u dor se f Meu p se lugv os pròpretá rtos coo operáro grícol Meu vô contv: «Teu p trblhou pr os rcos s os z unos Noss hl nâo po sr d sér* Noss vd é se luz» " -* ;**, ^M^MH^^^^S^^fc» ^P^^^^^^tS^r ÉÊÊÊr ^V^M^^H fl JL ^W ^*\^^M^*W*WM^^^Jr ^^^ ^^^Hk ^^^ AV1 Ale no jponeses e frnceses tnh lev* to té o últo grão rroz E nh cs, du* rnte todo u ês, nâo houve u grão rroz, p- *s) fzer sop* Meus ses rãos grtv, chorprn* Hv uto nâo resprv o chero do rroz! Puxv pel s nh ãe Sugv seus urches* Chorv e c u sobre o outro Òon o rosto bnhdo e prnto nh ãe dz: yfoo rrnjr-vos u pouco lete* eus flhos?» O vô, scudndo cbeç e brb brnc, eèov: «Flhos eus, vos orrer/» Co os brjfos enlce os fráges ossos seu corpo Sus ãos, teus péu, geldos Tre lto bxo, seu lento se pgv* Então nh ãe grtou: «Sen, eu flho, teu vô orre foeh Prorrope -"sos prn- Mnh ãe sou* O vô se fnou* Os perwehos gurdr slênco* Soluços pens r sér e n orte } U t orv nu l próx* Até su [sc e rrste A orte do vô lhe nunce* Estv nh t estendd no chão, tnhfoe* Ch- *w por el* «Ó vô orreu!» Qus levntr-se e tornou cr Arrstou-se té o ubrl e> l exprou* Dexv u flho três eses Leve-o u vzu nh pr cudsse le* Meu corção estlv dor* As lgrs nundv eu rosto* Quer nter-e pér er pres vertgens A foe vvv ntro A luz dnç nte eus C à note Os rchotes se cenr Por Md pne, grtos e gedos Os hoens brçv os cdáveres sus ulheres e flhos* Meu p voltou do cpo Golpendo o solo co o corpo, chorv Meus rãos e ràes gonzv And ver nuncr-e orte d t* F«eu p o cs do propretáro coprr fdo us tbos pr enterrr o vô* Não tínhos dlnhero pr pgá-ls Ses ds pos do enterro, o propretáro fêz brr o túulo Qus levr s tbos Chorndo lhe suplcou nh ãe espersse té o d segunte: «Venre eus flhos pr pgr-te!» Voltou nh ãe qundo já notecer* Chptt-e e os perruchoe: «Tenho venr-vos, eus flhnhot, pr eo o dnhero pgr tú vosso vô!» E fogou-se e soluços sntre nossos prntos* Pel nhã os estrngeros ver* Os per* nchos corr pel l pr fugr* Os rcos propretáros persegu-nos, coo se persegusse frngos ou letôeznhos A fíl tod fo dspersd, U no s tr, no nverno, nu ndê chuve fro, estv eu pescndo crnguejos no rrozl U voz e chou: «rão!» Meu corção sltou legr- Reconhec eu râoznho Tnh treze nos, corpo frnzno, rosto páldo* Estv cober* to ndrjos Abrçou-e chorndo Choros té note E volv perdê-lo Nosss dívds dtv d époc eu òs- PÔ* Os juros se cuulv do gerção e gertào Os propretáros nos xr se cs, se tlíl^ S^* *"» ****** guree 9**r dstntes*, vd e ^^t*^^^^^ ^ ^^^^^y^*\\t- ^t^p^b ^^^SP" Àf M-M< S* * ^^%l ^^f \\ í M M M M wmp ^* ^H ^^^1 ^^*WMWÃ^*\\± ^Uk kof V^ ^^ **V *\9 ^W^ ^V\\ \ WW*«Bw«B«MWWwMMMSMMwWMMl^ _ M No no 46 entre n Orgnsção* O sol pre* teu pos longs notes nverno Mnh vd conheceu luz MMtv n l Mnh l er terr árd recebe chuv* Cse-e co u ô* ç T nos Depos e lste no Exercto Popu* lr Cd vez voltv lcenç, nh espe* s e sorr co doçur, resplnscente legr, E étodos S, qundo xe, u-e todo % nhero tnh e rchou cogo durnte u lon* go trecho Pouco tepo pos, u vznho e d* t: Qundo voltres st ve*% ters crregr groto nos brvos!* Meu corção pulv legr* Volte lceu* ç, pssos celerdos, pr rever espos e conhecer, eu flho Ms, perto d l, lgué e grle «Os frnceses levr tu espos!» Meus olhos co* gor «E eu flho, on está?»***** «And estv no ventre tu ulher*» Crrsc, colonlsts, tens pereceu Atro-e todos es cobtes pr dr cbo èe ** Tenho ódo ortl à vd best crg* Tlffv tre pur ter u u verdu-etv ílé ífr-4:!-! 0^y%y %: yy-;

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

Cinemática Dinâmica Onde estão as forças? Gravidade

Cinemática Dinâmica Onde estão as forças? Gravidade Forç e Moviento I Cineátic: prte n ecânic que estud os ovientos, independenteente de sus cuss e d nturez dos corpos. Dinâic: prte n ecânic que estud o oviento dos corpos, levndo e cont s forçs que produzir

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

ADENDO SERPRO - TÉCNICO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - ROBERTO VASCONCELOS

ADENDO SERPRO - TÉCNICO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - ROBERTO VASCONCELOS ADENDO SERPRO - TÉCNICO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - ROBERTO VASCONCELOS NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA REGRA DE TRÊS Exste dos tpos de regrs de três: IP, se te que hver proporção nvers. sples: present

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA UNICAMP-FASE 2. 2014 RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO D PROV DE MTEMÁTIC UNICMP-FSE. PROF. MRI NTÔNI C. GOUVEI. é, sem úv, o lmento refero e mutos ulsts. Estm-se que o onsumo áro no Brsl sej e, mlhão e s, seno o Esto e São Pulo resonsável or % esse

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 2010 JUNHO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor

Leia mais

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO E CIDADANIA. a k id s

ESPAÇO PARA EDUCAÇÃO E CIDADANIA. a k id s v k d s k d s Brekng Prdgms A Brekng Prdgms é um empres especzd n gestão de projetos cuturs, bem como n dmnstrção e cptção de nvestmentos socs corportvos. Rezmos produção dret ou em coprtcpção de projetos

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

CD MOSTRA-ME TUA GLÓRIA - 1. ELE REINARÁ INTR: E B/E C#m B E/G# A9 E B A E B A IGUAL A TI JESUS OUTRO NÃO HÁ E B A CHEIO DE GLÓRIA E PODER

CD MOSTRA-ME TUA GLÓRIA - 1. ELE REINARÁ INTR: E B/E C#m B E/G# A9 E B A E B A IGUAL A TI JESUS OUTRO NÃO HÁ E B A CHEIO DE GLÓRIA E PODER CD MOSTR-ME TU LÓRI - 1. ELE REINRÁ INTR: E B/E C#m B E/# 9 E B E B IUL TI JESUS OUTRO NÃO HÁ E B CHEIO DE LÓRI E PODER C#m7 B E/# TEU REINDO NÃO VI TER FIM E B E B COM TEU OLHR DE FOO VENS PR REINR E

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO

CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO CÁLCULO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO NA CALIRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-043 APROVADA EM AGO/03 N o 00 0/09 SUMÁRIO Objetvo 2 Cmo Alcção 3 Resosbld

Leia mais

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30

Vitamina A Vitamina B Vitamina C Alimento 1 50 30 20 Alimento 2 100 40 10 Alimento 3 40 20 30 Motvção: O prole d det Itrodução os Sstes Leres U pesso e det ecesst dgerr drete s segutes qutddes de vts: g de vt A 6 g de vt B 4 g de vt C El deve suprr sus ecessddes prtr do cosuo de três letos dferetes

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ

FOI DEUS QUEM FEZ VOCÊ FOI DEUS QUEM FEZ OCÊ AMELINHA Arr Neton W Mcedo Crmo Gregory c c c Deus que fez vo - Deus quem fez vo - Deus quem fez vo- c Deus quem fez vo - J De-us 4 Deus quem fez vo - Deus quem fez vo - J Deus quem

Leia mais

Código PE-ACSH-2. Título:

Código PE-ACSH-2. Título: CISI Ctro Itrção Srvços Iformtc rão Excução Atv Itr o CISI Cóo Emto por: Grêc o Stor 1. Objtvo cmpo plcção Est ocumto tm como fl fr o prão brtur chmos suport o CISI. A brtur chmos é rlz o sstm hlpsk, qu

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

1. Dorme, neném. œ» ======================= & 2 G ======================= & «Œ. « mãe. tão ======================= & ˆ« ção.

1. Dorme, neném. œ» ======================= & 2 G ======================= & «Œ. « mãe. tão ======================= & ˆ« ção. »» ======================= & 2 4 _ Dor me, ne 1. Dorme, neném ném, Letr: Pe. José Dis ourt SSP Músic: Ir. Egnd Roch II Soo: Edur Tostto d Mtt ======================= & Que m mãe Dor es _ tá me fe qui.

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnr 6 de junho de ots de ul de Físc. OMTO, TOQU MOMTO GU... OMTO... O rolmento descrto como um combnção de rotção e trnslção... O rolmento sto como um rotção pur... 3 ener cnétc... 3 TOQU...

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso de Física - Laboratório de Física Experimental A

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso de Física - Laboratório de Física Experimental A Unesdde Estdul de Mto Gosso do Sul Cuso de ísc - otóo de ísc Expeentl A Pof. Pulo Cés de Souz (ט) OTEIO DA EXPEIÊNCIA Nº 9 VISCOSÍMETO DE STOKES 1. Ojetos Estud o efeto do tto scoso nu fludo tés d qued

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão

Vieiras com palmito pupunha ao molho de limão Vs o to nh o oho d ão Oá, ss ntd fo ns dos tos fz s gost. Aé d nd dd, obnção d sbos sson té os s xgnts. A t s dfí v s onsg vs fss. Ingdnts: 1 to nh; 3 dúzs d vs; s nt t; d do. Modo d fz: t s tbhos é bs

Leia mais

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo?

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo? N Aul 30, você já viu que dus rets concorrentes formm qutro ângulos. Você tmbém viu que, qundo os qutro ângulos são iguis, s rets são perpendiculres e cd ângulo é um ângulo reto, ou sej, mede 90 (90 grus),

Leia mais

========================

======================== œ Um uz n montnh Miss Quresm crinçs (d "Liturgi 1" Puus) 1) Há um uz á n estrd (bertur) t nh, B b B b Letr e músic: Mri Srnberg & bc m _ Há u m uz á n es tr d, u m uz á n mon & b u m uz no mr: É sus que_i

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0

Quero um Novo Lar پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 3 پ0 0 پ0 0 پ0 3پ0 0 پ0 3 پ0 0 1 3 پ0 7 _ پ0 7 _ پ0 7 _ & 4 7 A. ز E 7 1 j j پ0گ7? 4 n #_ n _ L? Mi - nha ca -sa e -ra ve - ha nپ0ٹ0o po - di - a su - por - tar پ0ˆ7. _ eu me 4 پ0 7 پ0 8 & E 7 G 6 /A A _.. nnn_ n پ0ˆ7_ j j j j G j پ0گ7

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

INCERTEZA. Notas complementares. Preferências de loterias espaço de escolhas é composto por loterias

INCERTEZA. Notas complementares. Preferências de loterias espaço de escolhas é composto por loterias PPGE/FRGS - Prof. Sno Porto Junor 9/0/005 INCERTEZA Nots complementres Preferêncs de loters espço de escolhs é composto por loters Pessos otém utldde de oters e não de Apples As preferêncs sore ens são

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Sobre a obra: Sobre nós:

Sobre a obra: Sobre nós: Sobre a obra: A presente obra é disponibilizada pela equipe do ebook espírita com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos, bem como o simples teste da qualidade da obra,

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

INDICIADO MÁRIO VIANA k: PAGINA 9

INDICIADO MÁRIO VIANA k: PAGINA 9 w -,, -T, F_4_fJ_D_4U^ DO RELGOSO PAGNA 3 DVSÃO DA PALESTNA PAGNA 5 NDCADO MÁRO VANA k: PAGNA 9 TODOS OS RECURSOS CONTRA A MALÁRA PAGNA 2 --:í "- M "-_ Qunt-Fer 27 DE NOVEMBRO DE 94 7 Dáro Croc Funddor:

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G«

«ˆ «======================== & ˆ. ˆ. ˆ ˆ«======================== & œ G« œ œ 1) Oh! egri (bertur) est d mr Mis de Priir ucristi ( "Liturgi I" Puus) Letr e Músic: Ir. Miri T. King (x) ======================== & 2 º 4.. œ œ. œ œ. œ _.. = m ======================== &.... = gri

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 )

Como a x > 0 para todo x real, segue que: a x = y y 1. Sendo f -1 a inversa de f, tem-se que f -1 (y)= log a ( y y 1 ) .(TA - 99 osidere s firmções: - Se f: é um fução pr e g: um fução qulquer, eão composição gof é um fução pr. - Se f: é um fução pr e g: um fução ímpr, eão composição fog é um fução pr. - Se f: é um fução

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

Você sabia que no dia 20 de julho de 1969 dois astronautas pisaram pela primeira vez na Lua?

Você sabia que no dia 20 de julho de 1969 dois astronautas pisaram pela primeira vez na Lua? C i n Ê S i C Você sbi que...... no di 20 de julho de 1969 dois stronuts pisrm pel primeir vez n Lu? 130 130 As fses d Lu À noite, qundo tem lur, fico olhndo Lu d jnel. Um luz suve invde meu qurto. Um

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

Análise de Componentes Principais

Análise de Componentes Principais PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA CPGA-CS Aálse Multvd Alcd s Cêcs Agás Aálse de Comoetes Pcs Clos Albeto Alves Vell Seoédc - RJ //008 Coteúdo Itodução... Mt de ddos X... 4 Mt de covâc S... 4 Pdoção com méd eo

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

APOSTILA OFICINA DE VIOLÃO VIOLÃO. HARMONIA e Leitura FÊ SALLES. Nível 1 PARA SE USADA COM ACOMPANHAMENTO DE UM PROFESSOR

APOSTILA OFICINA DE VIOLÃO VIOLÃO. HARMONIA e Leitura FÊ SALLES. Nível 1 PARA SE USADA COM ACOMPANHAMENTO DE UM PROFESSOR OSTL VOLÃO HRMON e Leitur FÊ SLLES Nível 1 R SE USD COM COMNHMENTO DE UM ROFESSOR OFCN DE VOLÃO Oficin de Violão EMENT Cd nível será de qutro seis eses, dependendo do ndento d tur. O luno prenderá cordes

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

"Dorme enquanto eu velo"

Dorme enquanto eu velo poesia: Fernando Pessoa q = 60 6 "Dorme enquanto eu velo" para voz e piano legato Dor Patrícia Lopes J - me en. quan - to eu ve - lo Dei - xa me -. - so nhar 11. Na - da'em mim é ri - so - nho. 1. Que

Leia mais

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola,

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola, Prezdos Estudntes, Professores de Mtemátic e Diretores de Escol, Os Problems Semnis são um incentivo mis pr que os estudntes possm se divertir estudndo Mtemátic, o mesmo tempo em que se preprm pr s Competições

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 2016 - FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 6 ) RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST 06 - FASE. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEICÃO GOUVEIA. 0 De 869 té hoje, ocorrerm s seguintes munçs e moe no Brsil: () em 94, foi crio o cruzeiro, c cruzeiro

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade Departaento de Inforátca Dscplna: do Desepenho de Ssteas de Coputação Medda de Probabldade Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Teora da Probabldade Modelo ateátco que perte estudar, de fora abstrata,

Leia mais

Câmara Municipal d.~rio Claro

Câmara Municipal d.~rio Claro Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/2014 1-2 8 Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/2014 - PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Sumário. Cálculo dos juros compostos. Juros compostos conceitos. Exemplos. Cálculo dos juros compostos. Engenharia Econômica e Finanças

Sumário. Cálculo dos juros compostos. Juros compostos conceitos. Exemplos. Cálculo dos juros compostos. Engenharia Econômica e Finanças Suáro Udde 3 ptlzção opost Professor: Fábo de Olver Alves ottos: fboolves@yhoo.de fbo@ptgors.co.br oceto de cptlzção copost Fóruls de cálculo oprtvo Juros Sples x Juros opostos Equvlêc de pts Equvlêc de

Leia mais

Funções de Transferência

Funções de Transferência Funções de Trnsferênc Em teor de controle, funções chmd funções de trnsferênc são comumente usds r crcterzr s relções de entrd-síd de comonentes ou sstems que odem ser descrtos or equções dferencs. FUNÇÃO

Leia mais