SISTEMA DE PROTEÇÃO ADAPTATIVO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM INSERÇÃO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE PROTEÇÃO ADAPTATIVO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM INSERÇÃO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS"

Transcrição

1 SISTEMA DE PROTEÇÃO ADAPTATIVO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO COM INSERÇÃO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS ROBERTO C. P. CHAVES, FÁBIO B. LEÃO LABORATÓRIO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA, UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" - CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA AV. PROFESSOR JOSÉ CARLOS ROSSI, CAMPUS III, ILHA SOLTEIRA, SP, BRASIL S: Abstract The traditional protection system assumes predominantly radial nature. Due to the possibility of deep penetration of dispersed renewable energy sources in distribution networks, distribution systems, that were previously operated radially (radial power flows), may have bidirectional power flow. The insertion of DG (Distributed Generators) in distribution systems can cause different impacts in terms of system protection, such as: false actuation on adjacent feeders, unnecessary protection actuation of generators, reduced range of overcurrent protection allocated in substation, loss of coordination between protective devices, increased/decreased levels of short-circuit, unintentional islanding and automatic restoration problems due to loss of synchronism of generators. The objective of this work is to study an appropriate intelligent protection system robust and adaptive, to distribution systems, considering the insertion of dispersed energy sources. For the studies, was used in the simulation software DIgSILENT and the numerical calculation software MATLAB. As for the results, was noticed that the algorithm is based on the Thevenin impedance seen by the source, so its reliability makes it ideal in a system of high penetration of distributed generators due to the larger number of contributions of short-circuit currents. Keywords Distributed Generation, Protection, Distribution, Smart Grids, Short-circuit, Circuit Breakers. Resumo O sistema de proteção tradicional predominantemente assume natureza radial. Devido à possibilidade de grande penetração de fontes renováveis dispersas de energia nas redes de distribuição, os sistemas de distribuição, que antes eram operados radialmente (fluxos de potência radial), podem apresentar fluxos de potência bidirecionais. A inserção de GD (Geradores Distribuídos) em sistemas de distribuição pode causar diversos impactos do ponto de vista da proteção do sistema, tais como: atuação falsa em alimentadores adjacentes, atuação desnecessária da proteção dos geradores, redução do alcance da proteção de sobrecorrente alocada na subestação, perda da coordenação entre os dispositivos de proteção, aumento/diminuição dos níveis de curtocircuito, ilhamento não intencional e problemas no religamento automático devido a perda de sincronismo dos geradores. O objetivo deste trabalho é estudar a aplicação de um sistema de proteção robusto e adaptativo, adequado aos sistemas de distribuição inteligente, considerando a inserção de fontes dispersas de energia. Para os estudos, utilizou-se do software de simulação de Sistemas de Potência DIgSILENT e do software de cálculo numérico MATLAB. Quanto aos resultados, o algoritmo se baseia na impedância de Thévenin vista pela fonte, sendo assim, sua confiabilidade se torna ideal em um sistema de alta penetração de geradores distribuídos, devido ao maior número de contribuições de correntes de curto-circuito. Palavras-chave Geração Distribuída, Proteção, Distribuição, Smart Grids, Curto-circuito, Disjuntores. 1 Introdução Devido à possibilidade de grande penetração de componentes ativos nas redes de distribuição, principalmente fontes dispersas, a filosofia de proteção, monitoramento e controle de sistemas de distribuição até o momento empregada não é suficientemente adequada para a operação eficiente e robusta da rede. A ideia de formalização de uma rede inteligente (Smart Grid) vem ao encontro do uso de tecnologia alocada em toda a rede, de modo que o controle e operação sejam realizados de forma eficiente. Sob o prisma das concessionárias de distribuição de energia, observa-se que um total monitoramento da rede de distribuição, traduzido pelo alto investimento na aquisição de tecnologia, não é economicamente viável. Portanto, existe a necessidade iminente de soluções intermediárias que possibilitem o uso dos dispositivos já alocados nas redes, juntamente com o emprego seletivo de sensores de baixo custo e o uso de informações disponíveis nos medidores inteligentes (Smart Meters). A Geração Distribuída (GD) é definida como uma geração de tamanho limitado (de poucos kilowatts a poucos megawatts) e pode ser interconectada a uma subestação, alimentador de distribuição ou uma carga (Barker e Mello, 2000). As tecnologias relacionadas à GD incluem fotovoltaicas, turbinas eólicas, células combustíveis, micro turbinas, turbinas de gás e motores de combustão interna. O custo de transmissão e distribuição está aumentando, mas os custos de tecnologias para GD estão diminuindo, contribuindo para a expansão desta última (Scott, 2000). O tradicional sistema elétrico de distribuição é de característica topológica radial, sendo assim, é suprido por uma única fonte (subestação), necessitando de um sistema de proteção com características adequadas para a operação radial da rede. Recentemente, com a inserção da GD, a presença destes geradores resulta em um sistema não radial, fazendo com que aumente os problemas com a perda de coordenação dos dispositivos de proteção (Barker e Mello, 2000; Dugan e Mcdermott, 2002; Brahma e Girgis, 2004). Fusíveis e religadores convencionais não possuem características direcionais como o relé. Logo, a troca de todos os fusíveis e religadores por 2338

2 dispositivos bidirecionais seria economicamente inviável. Sendo assim, é necessário desenvolver estratégias que solucionem tal problema de coordenação, independentemente do tamanho, número ou alocação da GD no sistema de distribuição. Em (Dumas, 1999) pode-se verificar, a partir de um exemplo simples, que as correntes de falta através dos dispositivos de proteção podem mudar depois da introdução da GD. Se a penetração fosse pequena, se poderia solucionar este problema checando a seletividade da proteção a cada nova inserção de GD e fazendo correções momentâneas. Em (Girgis, 2001) e (Brahma, 2001) são abordados os problemas de coordenação entre fusíveis, sendo esta não alcançada. Se o sistema de proteção não for alterado, a única maneira de manter a coordenação é desconectar todas as GDs, retornando assim ao esquema radial. Em (Girgis, 2001) e (Girgis, 2002) é abordada a coordenação fusível-religador com a presença de GD, podendo esta ser perdida. A conclusão de (Girgis, 2002) é que a coordenação, na presença da GD, pode ser alcançada com um religador microprocessado disponível no mercado, que é direcional. Mas, neste caso, todos os geradores distribuídos à jusante do religador devem ser desconectados antes da primeira operação de religamento, evitando a reconexão da GD sem sincronismo ao sistema. A ideia de uma rede inteligente vem ao encontro de várias soluções de filosofias de proteção propostas na literatura para superar os impactos causados pela penetração da GD. Dentre as soluções encontradas na literatura, os autores de (Baran e El-Markabi, 2004; Brahma e Girgis, 2004; Chaitusaney S. e A., 2008; Javadian et al., 2008; Javadian et al., 2009) propõem sistemas de proteção adaptativos para superar a penetração da GD no sistema de distribuição. As soluções de filosofias e esquemas de proteção propostos requerem um ambiente com comunicação remota rápida e níveis de automação e inteligência oferecidos pela implementação da rede inteligente. Em (Baran e El-Markabi, 2004) é apresentada uma discussão sobre o impacto da geração distribuída especificamente sobre o relé de sobrecorrente, resolvendo o problema e restaurando o desempenho dos dispositivos de proteção. Em (Brahma e Girgis, 2004) e (Javadian et al., 2008) é apresentado um algoritmo do relé de proteção adaptativo baseado em um processo de zoneamento como solução para a alta penetração da GD. Em (Javadian et al., 2009) é atualizado o artigo anterior, utilizando de redes neurais para determinar com maior exatidão o tipo e localização de faltas. Em (Girgis, 2002) é apresentado os requisitos para a coordenação entre religadores e fusíveis considerando a penetração da geração distribuída. Os autores mostram que religadores microprocessados possuem tais exigências para a obtenção da coordenação com o fusível, ao contrário dos religadores tradicionais. Também é apresentado um método que identifica a melhor escolha das curvas do religador microprocessado para alcançar a coordenação. No método proposto por (Bretas, 2006) para faltas do tipo trifásicas é utilizado um algoritmo iterativo para a estimativa da distância da falta baseado na impedância de seqüência positiva. No entanto, esta metodologia é apresentada como uma extensão do método de (Lee et al., 2004), sugerindo modificações na atualização da corrente de falta a fim de levar em conta a presença da geração distribuída. Em (El-Fouly et al, 2009) foi proposto um algoritmo para localização de faltas do tipo trifásicas com base na análise direta de circuitos. Este trabalho utiliza uma técnica bastante rudimentar para estimar o provável local da falta, entretanto, esta ilustra os resultados obtidos para diferentes tipos de geração conectados no sistema. Baseado no que foi exposto anteriormente, neste artigo é apresentado um estudo utilizando um sistema de proteção adaptativo para permitir a alta penetração de geradores distribuídos nos sistemas de distribuição. Os testes mostram que o sistema de proteção adaptativo tende a melhorar sua eficiência na medida em que se aumenta a inserção de geradores distribuídos no sistema de distribuição. 2 Sistema Adaptativo de Proteção Considerando a Presença de Geradores Distribuídos 2.1 Visão Geral O principal propósito do esquema de proteção adaptativo estudado é identificar e diagnosticar a falta e isolar a área defeituosa do resto do sistema. Adaptativo no sentido de qualquer que seja a quantidade de geradores inseridos na rede o esquema de proteção deve operar adequadamente e mudanças na topologia e quantidade de geradores em operação não afetem o desempenho da proteção. Nos sistemas de distribuição tradicionais, quando uma falta ocorre em uma parte específica, todas as cargas que estão a jusante do ponto de falta são desconectadas do sistema e, em alguns casos, algumas cargas são supridas por alimentadores adjacentes. Então, considerando que a jusante de uma parte da rede com falta existe GD, de acordo com a lógica da proteção convencional, não será possível utilizar a GD no momento da falta, pois é desconectada do sistema. Isto leva ao "desperdício" de várias fontes geradoras de energia que não estão sendo aproveitadas e portanto redução da confiabilidade do sistema de distribuição. Sendo assim, o esquema estudado neste trabalho deve utilizar o suporte da GD na condição de operação em ilhamento isolando somente a parte do sistema que está sob falta. O esquema baseia-se na divisão do sistema de distribuição em várias zonas como proposto em (Brahma e Girgis, 2004), de tal forma que cada zona não contenha GD, ou caso contenha alguma, deve-se 2339

3 haver balanço entre geração e consumo nesta zona e só utilizando a energia gerada por GDs que estejam na zona. Em outras palavras, serão dois tipos de zonas: 1) inclui aquelas zonas as quais não possuam GD e as cargas são totalmente supridas através da concessionária e outras zonas da rede de distribuição; e 2) inclui aquelas zonas as quais possuam GD. Deve-se ter pelo menos uma unidade geradora equipada com sistema de controle de frequência, de modo a ser capaz de controlar a frequência da zona, caso a mesma esteja em operação de ilhamento. Conforme a Figura 1, os disjuntores são alocados para interconectar as zonas. Os disjuntores devem ser rápidos e ter capacidade de abrir e fechar conforme recebem o comando remoto de abertura ou fechamento. Por outro lado, estes disjuntores devem possuir a função de checar o sincronismo para manter a sincronização da zona quando necessitar conectar duas zonas. O algoritmo em estudo pode ser implementado como uma função de proteção em um relé digital microprocessado instalado na subestação da concessionária. No momento da falta, o relé deve ser sensibilizado pela corrente de falta, e o algoritmo deve então processar (diagnosticando o tipo de falta e sua localização no sistema) e enviar, através do sistema de automação, o sinal de comando para os disjuntores abrirem e isolarem a zona sob falta. As seções a seguir são dedicadas ao detalhamento do esquema implementado apresentado na Figura 1 (adaptada de Javadian et al., 2008). Figura 1. Visão geral do Sistema de Proteção Adaptativo. 2.2 Processo de Zoneamento de Rede O processo de zoneamento do sistema de distribuição considera uma zona para cada GD. A zona se inicia desde o começo do alimentador se prolongando até o final do alimentador, ou seja, no caso de uma GD, dentro da zona, sua zona se estende até o momento em que ela é capaz de suprir toda a carga média da zona. Quando toda a carga suprida pela subestação (fonte) localizada na zona excede a capacidade de geração da zona da GD, é feita a delimitação da zona com dois disjuntores (um no começo da zona e outro no final). Se existe um segundo gerador distribuído localizado nesta zona considerada, o novo limite segue até o momento em que o consumo da carga média não exceda o somatório da capacidade de geração dos dois geradores distribuídos. O fato de considerar este procedimento de zoneamento do começo até o fim do alimentador permite que mais cargas sejam supridas através do montante da rede. Isto aumenta a confiabilidade e diminui o número de cargas não supridas do sistema. E de fato, deve-se aumentar a zona caso a capacidade da GD seja maior que as cargas a jusante da rede. 2.3 Dados de Entrada Requeridos Para a correta operação do algoritmo é necessário entrar com os seguintes dados: 1) características técnicas de todos os dispositivos da rede, tal como das subestações de distribuição, linhas e GDs; 2) curva horária de carga estimada para todas as cargas da rede e os seus graus importantes (por exemplo, nível de KW); e 3) informações relativas ao zoneamento da rede; 2.4 Medida Requerida On-line Para implementar o esquema proposto, é requerido a medição, de forma on-line, do vetor da corrente trifásica sincronizada fluindo através de todas as fontes do sistema de distribuição, ou seja, todas as GDs e barramento da subestação da concessionária. Considerando-se uma estrutura de comunicação e aquisição de dados sob o prisma das redes inteligentes, é possível que o vetor trifásico de correntes de todas as GDs e fonte principal esteja continuamente disponível através de técnicas de medição por dispositivos com PMU (Phasor Measurement Unit) (Ipakchi e Albuyeh, 2009; Collier, 2010; Falcão, 2010). 2.5 Cálculos Off-line Os cálculos off-line consistem em estudos de fluxo de carga e análise de curto-circuito para todos os tipos de faltas e em todas as barras da rede. Então, para todas as faltas, correntes de falta através de toda GD, fonte principal e barras devem ser determinadas. A cada mudança na rede, deve haver uma atualização dos resultados dos cálculos. Por exemplo, quando existe uma mudança na rede, como a desconexão de um alimentador, é necessário atualizar a matriz de admitância e refazer os cálculos de fluxo de potência e análise de curto-circuito. Tendo as contribuições das correntes de curtocircuito das GDs e fonte principal para todos os tipos de faltas e em todas as barras da rede, uma tabela pode ser providenciada e, através de comparação dos valores na tabela, será possível diagnosticar o local e o tipo de falta. Após diagnosticar o local e o tipo de falta, o que leva à zona da falta, o relé deve enviar um sinal aos disjuntores apropriados que isolam a zona sob falta das outras zonas do sistema. De forma resumida, o procedimento de cálculos off-line é: 1) receber dados da rede; 2) realização de cálculos de fluxo de carga; 3) realização de análise de curtocircuito para todos os tipos de falta e em todas as barras da rede; e 4) extrair todas as correntes de falta 2340

4 necessárias para cada tipo de falta e em cada barra da rede. 2.6 Procedimento On-line de Diagnóstico e Localização de Falta Deve-se observar que em condições normais, o somatório das correntes fornecidas pelas fontes do sistema de distribuição (GD mais subestação) é igual a carga total da rede. Uma vez que a falta no sistema é percebida, a corrente de falta total de cada fase pode ser determinada usando: = (1) sendo o total de corrente de falta (fasores) nas três fases e é a contribuição de corrente de falta (fasores) nas três fases da fonte i. n é o número total de fontes (incluindo fonte principal) do sistema. Se a falta ocorre em algum ponto da rede, o somatório em (1) aumenta e é muito maior que da carga total da rede. Nesta situação, o relé principal instalado na subestação de distribuição identifica a falta. Na situação em que o somatório de correntes é zero, mostra que a falta ocorrida é em uma unidade de GD considerada fora da zona de proteção do alimentador. Para o esquema de proteção proposto, a zona principal de proteção é o sistema de distribuição propriamente dito (alimentadores). Nesta circunstância, o relé principal não emite nenhum sinal para isolar a falta. Para identificar a localização da falta no sistema de distribuição, realiza-se a comparação da tabela providenciada nos cálculos off-line (contribuição das correntes de curto-circuito de todas as fontes nas barras do sistema) com a contribuição de correntes de curto-circuito das GDs e fonte principal, obtidas através da medição on-line. A partir do ponto de falta, toda fonte pode ser representada como uma fonte de tensão em série com uma impedância de Thévenin. Se o ponto de falta muda de uma barra para uma barra adjacente, para um dado tipo de falta, a impedância de Thévenin pode aumentar ou diminuir. Então, conforme mostrado na Figura 2 (adaptada de Brahma e Girgis, 2004), o ponto de falta na seção i-j da barra i para a barra j, para um dado tipo de falta, pode ter contribuição de corrente de falta crescente ou decrescente. Sendo assim, a contribuição de corrente de falta da fonte 'k', para um dado tipo de falta entre as barras i e j, sempre se posiciona, para um mesmo tipo de falta, entre as barras i e j. Isto significa que, dado o tipo de falta em alguma seção (alimentador entre duas barras), a contribuição de falta de cada fonte deve se posicionar entre as barras da seção para o mesmo tipo de falta. Deve-se salientar que estas contribuições de cada fonte, para todos os tipos de curtocircuito em todas as barras, já estão contidas nos dados obtidos pelos cálculos off-line. (a) (b) Figura 2. (a) Contribuição natural de falta da fonte 'k', para um dado tipo de falta entre as barras i e j; (b) Sistema representativo com as fontes k Isolação da Zona de Falta e Restauração da Rede Após o momento em que o relé localiza a falta e a parte defeituosa da rede, deve-se isolá-la do resto da rede e restaurá-la. Na detecção da zona da falta, o relé envia sinal de desconexão para os disjuntores de isolamento. Por exemplo, se só tiverem GDs a jusante da zona da falta, a zona defeituosa ficará sem e- nergia, a montante da zona da falta será totalmente abastecida pela fonte principal e a jusante da zona da falta, as zonas serão supridas através de GDs (se possuírem GDs internos) ou não (caso não possuam GDs internos). Cerca de 80% das faltas que ocorrem nas redes de distribuição são temporárias e para estes tipos de falta a proteção da rede deve ser capaz de identificálas e responder de forma também temporária (Short, 2004). No sistema de distribuição convencional esta tarefa é atribuída aos religadores e, no esquema estudado, esta função é dos disjuntores instalados ao longo da rede que recebem sinal de atuação do relé principal na subestação. Quando o relé principal envia sinal de trip aos disjuntores, estes devem abrir e isolar a zona sob falta. Em seguida, através da lógica de religamento, o relé principal envia um sinal de religamento aos disjuntores e a zona diagnosticada sob falta é religada. Após o religamento, se a falta ainda existe (permanente), o relé novamente envia um sinal de trip aos disjuntores para o desligamento permanente da zona. Porém, se a falta é temporária o sistema é restaurado. Para exemplificar, na Figura 1, se uma falta temporária ocorrer em Z2, o relé primeiro envia o sinal de desconexão para CB2, CB3 e todas as GDs localizadas em Z2 e, então, envia um 2341

5 sinal de religamento para CB2, para diagnosticar se a falta é temporária. Como trata-se de uma falta temporária, o fechamento de CB2 deve eliminar a falta e na sequência são enviados sinais de religamento e sincronização para CB3 e todas as GDs localizadas em Z2, para restaurar a rede completamente Algoritmo do Sistema de Proteção Implementado falta de cada fonte se posiciona entre as barras da seção para o mesmo tipo de falta, conforme ilustrado na Figura 2. Vale ressaltar que mesmo encontrando um ponto de falta e enviando os sinais de trip necessários para isolar a zona de defeito, o algoritmo ainda continua a busca por outros candidatos a ponto de falta. Por exemplo, caso encontre uma seção defeituosa para um curto-circuito monofásico, o algoritmo envia os devidos sinais de trip necessários e, em seguida, continua a busca de um possível caso bifásico e/ou trifásico em outras partes do sistema. Logo, o algoritmo é capaz de identificar a seção de falta, tipo de falta e quais disjuntores devem atuar para isolar a zona sob falta. 3 Resultados Figura 3. Algoritmo desenvolvido. O fluxograma do algoritmo implementado, que resume o procedimento de cálculo e atuação on-line é apresentado na Figura 3. Inicialmente são obtidas as correntes nas cargas a partir do fluxo de potência (cálculo off-line). Em seguida, são obtidas as contribuições de cada fonte do sistema através de medição on-line. Em condições normais, o somatório das contribuições das fontes é igual ou bem próximo ao somatório das correntes da carga. Se o valor do somatório das contribuições for maior que uma constante K é concluída a existência de falta no circuito. Aqui é considerada uma margem de segurança, em ampères, dada pela constante K, que pode variar de acordo com o carregamento. Para o procedimento de localização de faltas é realizada a leitura das contribuições das fontes para os três tipos de curto-circuito (monofásico, bifásico e trifásico). Dados da topologia do sistema, como as seções do sistema e o posicionamento dos disjuntores no sistema são obtidos e armazenados em forma de matrizes. O próximo passo é iniciar a varredura de modo a identificar qual seção do sistema se encontra sob falta. Examina-se o curto-circuito para os casos monofásico, bifásico e trifásico. A busca realiza comparações visando verificar se a contribuição de O sistema elétrico teste é modelado utilizando o software DIgSILENT Power Factory 14 e é composto por uma rede de subtransmissão de 63 kv, 60 Hz alimentando uma rede de distribuição de 20 kv através de um transformador de 25 MVA com tensões de 69/23,1 kv. O diagrama unifilar é apresentado na Figura 4 (adaptada de Javadian et al., 2008). A ideia dos testes é avaliar a eficiência do algoritmo estudado considerando a inserção gradativa de geradores distribuídos no sistema. Primeiramente é considerada a presença de apenas um gerador síncrono com capacidade de 8 MVA junto à barra GD que é conectada a barra 9, através de um transformador de 7,5 MVA. Neste caso, o sistema possui três zonas de proteção sendo a terceira zona (sem GD) estendida através da zona 4. Para um segundo teste, o algoritmo será avaliado com a inserção de dois geradores (barras 9 e 11) e posteriormente três geradores (barras 9, 11 e 6). Os dois últimos geradores distribuídos são de 5 MVA, conectados nas barras 6 e 11, através de transformadores de 7,5 MVA. Assim, para o caso de três geradores a Zona 3 deverá ser dividida entre os novos geradores, conforme mostra a Figura 4. Todas as cargas estão com carregamento máximo de 2 MW e é considerado para o algoritmo da Figura 3 a constante K=10. Figura 4. Sistema teste considerando três GDs. Os tipos de falta considerados são trifásicos e monofásicos com resistência de falta a terra nula. São 2342

6 simulados esses tipos de curtos-circuitos em todas as linhas do sistema (10 testes para cada tipo) e a eficiência do algoritmo em função da inserção da GD é apresentada na Tabela 1. A precisão refere-se ao percentual de acerto na localização da linha sob curto-circuito. As simulações foram realizadas em um PC com processador Intel Core i5-2450m, 2,50 GHz e memória RAM de 6 GB. O tempo médio de processamento do algoritmo é de s (15,6 ms), ou seja, menor que o tempo total de falta considerado de 0,1s, desde o ínicio do curto-circuito até a abertura dos disjuntores. Tabela 1. Eficiência do algoritmo em função do número de geradores distribuídos. Nr. de GDs Precisão para Falta 1Ø (%) Precisão para Falta 3Ø (%) Para o primeiro teste com apenas um gerador distribuído, percebe-se que o algoritmo é altamente dependente dos parâmetros da linha de distribuição visto que o método é baseado na impedância de Thévenin equivalente entre a fonte e o ponto de falta, o que ocasionou em erros ao localizar alguns pontos e tipos de falta. Esses erros são devidos aos pontos de falta considerados apresentarem níveis de curtocircuito semelhantes, pois há pontos em que a impedância até as fontes é praticamente igual, e portanto as contribuições das fontes podem estar entre os intervalos de curto-circuito das barras consideradas, conforme destacado na Figura 2. Aumentando o número de GDs para dois, a precisão melhora, chegando a 100% para faltas 1Ø, diferentemente para as faltas 3Ø, visto que houve casos de erro em que os valores de corrente de falta se igualaram a níveis de faltas 1Ø. Observa-se que no último teste com a presença de três geradores distribuídos, todas as faltas foram localizadas e seus tipos foram identificados com precisão de 100%. Portanto, nota-se que a eficiência do algoritmo é aumentada na medida em que a inserção de novos geradores vai ocorrendo, pois, com um maior número de fontes, haverá, consequentemente, maior quantidade de contribuições de correntes para a definição do local de falta. A seguir é apresentado um caso de estudo, detalhando a operação do algoritmo e o período transitório durante a operação do sistema de proteção. 3.1 Curto-Circuito Trifásico no Ponto Médio da Linha 1-2 Na Tabela 2 são mostradas as contribuições das correntes para a falta considerada e para as barras 1 e 2. Observa-se que as contribuições da fonte principal, da GD1, da GD2 e da GD3, se localizam entre os valores das contribuições para as basrras 1 e 2, respectivamente. Neste caso o algoritmo de proteção deve enviar um sinal de trip para os disjuntores CB1, CB2, CB3 e CB6 abrirem. Portanto, a proteção retira a Zona 1 de operação, mantendo, assim, em ilhamento, a Zona 2, a Zona 3 e a Zona 4, que são totalmente supridas pela GD1, GD3 e GD2, respectivamente. As Tabelas 3 e 4 apresentam os resultados do fluxo de potência para a rede operando em ilhamento. Tabela 2: Contribuições das correntes de falta na linha 1-2. Fonte Contribuições das Correntes de Falta (A) Falta Linha 1-2 Barra 1 Barra 2 Subestação GD GD GD Tabela 3. Estado do sistema em Ilhamento da GD1, GD2 e GD3. Barras Tensão (p.u.) Tensão (kv) Barra Subestação 1,00 63 Barra Barra Barra 3 1,02 20,48 Barra 4 1,02 20,47 Barra 5 1,03 20,64 Barra 6 1,03 20,67 Barra Barra Barra 9 1,03 20,62 Barra 10 1,03 20,63 Barra 11 1,03 20,67 Barra GD1 1,04 10,92 Barra GD2 1,04 10,92 Barra GD3 1,04 10,92 Tabela 4. Carregamento das GD1, GD2 e GD3 em ilhamento. Componentes Carregamento Gerador GD1 81,38% Transformador GD1 83,46% Gerador GD2 87,26% Transformador GD2 55,94% Gerador GD3 86,68% Transformador GD3 55,56% A seguir é apresentada a saída do algoritmo para este teste: >> Existe uma Falta Trifásica entre as barras 1 e 2. A Zona de falta é a Zona 1. CB1 -> Abrir CB2 -> Abrir CB3 -> Abrir CB6 -> Abrir 2343

7 CB1 -> Fechar Para Falta Temporária: >>> CB2 -> Fechar >>> CB3 -> Fechar >>> CB6 -> Fechar Para Falta Permanente: >>> CB1 -> Abrir >> Para a análise transitória da resposta dos controles de tensão/excitação e de velocidade dos geradores distribuídos no momento de ilhamento, considera-se este curto-circuito ocorrendo entre o instante de 10 s (momento onde ocorre a falta) e o instante 10,1 s (momento da abertura dos disjuntores). Os resultados podem ser visualizados nas figuras 5 a 9. Nota-se, pela potência ativa, tensão, corrente, velocidade e frequência nos geradores distribuídos, que ocorre uma variação expressiva no instante do curto-circuito, mas que o sistema se mantém estável quando as proteções atuam e os controladores de tensão e velocidade conseguem ajustar os parâmetros dos geradores de forma dinâmica de modo que eles despachem potência para a situação em ilhamento, retornando as condições normais. No momento da falta, a tendência dos geradores é de disparar (acelerar), conforme as figuras 5 e 6 que mostram a velocidade e frequência, respectivamente. Nota-se também um afundamento da tensão terminal, diminuição da potência ativa e um aumento da corrente devido a falta conforme figuras 7, 8 e 9, respectivamente. Figura 7. Comportamento da tensão da GD1, GD2 e GD3 considerando curto-circuito na linha 1-2. Figura 8. Comportamento da potência ativa da GD1, GD2 e GD3 considerando curto-circuito na linha 1-2. Figura 9. Comportamento da corrente da GD1, GD2 e GD3 considerando curto-circuito na linha 1-2. Figura 5. Comportamento da velocidade da GD1, GD2 e GD3 considerando curto-circuito na linha 1-2. Figura 6. Comportamento da frequência da GD1, GD2 e GD3 considerando curto-circuito na linha Conclusão Atualmente há uma grande tendência para o crescimento da inserção da geração distribuída nos sistemas de distribuição de energia elétrica. Tal inserção é motivada por fatores de desenvolvimento de novas tecnologias, redução de custos, necessidades técnicas, operacionais e ambientais. Ao lado de muitas vantagens, a GD também pode causar impactos negativos. Tal como o fato do esquema de proteção tradicional dos sistemas de distribuição de energia não atuar de forma adequada, devido principalmente ao fluxo de potência não ser mais radial, causando perda de coordenação entre fusíveis e entre fusíveis e religadores. 2344

8 O esquema descrito neste trabalho oferece aceitável solução para o problema que é independente do tamanho e local de alocação da GD no sistema de distribuição, sendo ainda, totalmente adaptativo a futuras e contínuas inserções de geradores. Ainda assim, utiliza-se do processo de zoneamento, ou seja, divide-se o sistema de distribuição em zonas, onde cada zona é capaz de operar de forma independente. O algoritmo de proteção pode ser implementado em um relé principal instalado na subestação possibilitando diagnosticar o local de falta através de comparações entre as correntes medidas e resultados offline calculados. Ao detectar a falta, o relé principal envia um sinal aos dispositivos de proteção ao longo da rede de modo a isolar a zona de falta. Este algoritmo ainda aceita um processo de religamento, o qual restaura o sistema no momento de faltas temporárias. A eficiência do algoritmo é diretamente proporcional a quantidade de geradores distribuídos inseridos no sistema. Em um sistema de crescente inserção de geradores distribuídos, haverá uma maior quantidade de correntes de curto-circuito a serem comparadas para se definir a localização de falta e, portanto, conforme apresentado nos testes realizados, esperase que o algoritmo possa localizar de forma eficiente e confiável o local e o tipo de falta. 9). Agradecimentos Ao apoio financeiro da FAPESP (2012/ Referências Bibliográficas BARAN, M.; EL-MARKABI, I (2004). Adaptive over current protection for distribution feeders with distributed generators. IEEE Power Systems Conference and Exposition, Vol.2; pp BARKER, P. P.; MELLO, R. W. D (2000). Determining the impact of distributed generation on power systems: Part 1 Radial distribution systems. IEEE Power Engineering Society Summer Meeting, Vol.3; pp BRAHMA, S. M.; GIRGIS. A. A (2001). Effect of distributed generation on protective device coordination in distribution system. Power Engineering; pp BRAHMA, S. M.; GIRGIS, A. A (2004). Development of Adaptive Protection Scheme for Distribution Systems With High Penetration of Distributed Generation. IEEE Transactions on Power Delivery, Vol.19, No. 1; pp BRETAS, A. S.; SALIM, R. H (2006). Fault Location in unbalanced DG Systems using the positive sequence apparent impedance. IEEE/PES Transmission and Distribution Conference and Exposition: Latin America. pp CHAITUSANEY S.; YOKOYAMA A. (2008). Prevention of Reliability Degradation from Recloser-Fuse Miscoordination Due To Distributed Generation. IEEE Transactions on Power Delivery, Vol. 23, No. 4; pp COLLIER, S. E (2010). Ten steps to a smarter grid. IEEE Industry Applications Magazine; pp DUGAN, R. C.; MCDERMOTT, T. E (2002). Distributed generation: Operating conflicts for distributed generation interconnected with utility distribution systems. IEEE Industry Applications Magazine, Vol. 8; No. 2, pp DUMAS, N. H. J. C. F (1999). Dispersed generation impact on distribution networks. IEEE Computer Applications in Power, Vol. 12; No. 2, pp EL-FOULY, T. H. M.; ABBEY, M (2009). On the compatibility of fault location approaches and distributed generation. CIGRE/IEEE PES Symposium Integration of on Wide Scale Renewable Resources into Power Delivery Systems; pp FALCÃO, D. M., 2010, Integração de tecnologias para viabilização da smart grid. Simpósio Brasileiro de Sistemas Elétricos; pp.1-5. GIRGIS, A. A. BRAHMA. S. M (2001). Impact of distributed generation on fuse and relay coordination: analysis and remedies. Power and Energy Systems; pp GIRGIS, A. A. BRAHMA. S. M. (2002). Microprocessor-based reclosing to coordinate fuse and recloser in a system with high penetration of distributed generation. Proc. IEEE Power Eng. Soc. Winter Meeting, Vol. 1; pp IPAKCHI, A.; ALBUYEH, F (2009). Grid of the future. IEEE Power & Energy Magazine,Vol. 7, No. 2; pp JAVADIAN, S. A. M.; HAGHIFAM, M.-R.; BARAZANDEH, P (2008). An adaptive overcurrent protection scheme for MV distribution networks including DG. IEEE International Symposium on Industrial Electronics-ISIE; pp JAVADIAN, S. A. M.; HAGHIFAM, M. -R.; REZAEI, N (2009). A Fault Location and Protection Scheme for Distribution Systems in presence of DG Using MLP Neural Networks. IEEE Calgary, AB; pp 1-8. LEE, S. -J. et al (2004). An inteligent and efficient fault location and diagnosis scheme for radial distribution systems. IEEE Transactions on Power Delivery, Vol. 19, No. 2; pp SCOTT, H. L. W. W. G., 2000, Distributed Power Generation Planning and Evaluation. New York: Marcel Dekker. SHORT, T. A., 2004, Electric Power Distribution Handbook. Boca Raton-Florida: CRC Press. 2345

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída *

Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Um Estudo da Aplicação do Relé de Taxa de Variação de Frequência para Detecção de Ilhamento de Geração Distribuída * Rafael Brenner Sousa Campos, Sérgio Garcia Oliveira, Igor Kopcak, Wander Gonçalves da

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL

Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição da CPFL XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Proteção da Interconexão de Cogeradores em Paralelo com o Sistema de Distribuição

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Avaliação do Impacto dos Controladores de Excitação na Estabilidade Transitória de Geradores Síncronos conectados em Sistemas de Distribuição

Avaliação do Impacto dos Controladores de Excitação na Estabilidade Transitória de Geradores Síncronos conectados em Sistemas de Distribuição Avaliação do Impacto dos Controladores de Excitação na Estabilidade Transitória de Geradores Síncronos conectados em Sistemas de Distribuição M. Resener, Member, IEEE, R. H. Salim, Member, IEEE, and A.

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 3 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Introdução a redes ativas de distribuição

Introdução a redes ativas de distribuição Introdução a redes ativas de distribuição Eletrônica de Potência para Redes Ativas de Distribuição Marcelo Lobo Heldwein, Dr. Sc. Refs.: Z. Styczynski et al., NetMod: Reduced Models

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014

Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Congreso Internacional de Distribución Eléctrica CIDEL 2014 Aplicabilidade de Transformadores de Corrente de Baixa Relação de Transformação Acoplados a Relés de Sobrecorrente Digitais em Circuitos com

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Implementação de um Sistema de Diagnóstico de Falta para Subestações Baseado em Redes de Petri

Implementação de um Sistema de Diagnóstico de Falta para Subestações Baseado em Redes de Petri Implementação de um Sistema de Diagnóstico de Falta para Subestações Baseado em Redes de Petri José Roberto Bezerra (roberto@dee.ufc.br); Marcos A.S. Caetano (caetano@dee.ufc.br); José Renato B. Sousa

Leia mais

Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site

Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site 1 de 6 10/06/2012 10:44 Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site Buscar Soluções Geração Transmissão Distribuição Redes de Distribuição Indústrias Redes de Comunicação

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

Proteção da Interconexão de um Gerador Distribuído com o Sistema de Distribuição de Energia Elétrica

Proteção da Interconexão de um Gerador Distribuído com o Sistema de Distribuição de Energia Elétrica MARCO AURÉLIO BATISTA LINO Proteção da Interconexão de um Gerador Distribuído com o Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Engenharia de São

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A EFICÁCIA DE RELÉS BASEADOS EM MEDIDAS DE FREQÜÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS

ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A EFICÁCIA DE RELÉS BASEADOS EM MEDIDAS DE FREQÜÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A EFICÁCIA DE RELÉS BASEADOS EM MEDIDAS DE FREQÜÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS José Carlos M. Vieira Jr. Walmir Freitas André L. Morelato França DSEE/FEEC/UNICAMP

Leia mais

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição

Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Aplicações de Relés Microprocessados na Distribuição Karl Zimmerman Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Belleville, IL USA RESUMO Avanços na tecnologia usando microprocessadores têm resultado em

Leia mais

Capítulo IV. Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado

Capítulo IV. Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado 44 Capítulo IV Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado Por Ermínio César Belverdere, Antônio Paulo da Cunha, Plácido

Leia mais

VII CIERTEC QUALIDADE DO SISTEMA DE PROTEÇÃO PARA CO-GERAÇÃO À GAS METANO CONECTADO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COPEL TESTES E PROCEDIMENTOS

VII CIERTEC QUALIDADE DO SISTEMA DE PROTEÇÃO PARA CO-GERAÇÃO À GAS METANO CONECTADO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COPEL TESTES E PROCEDIMENTOS QUALIDADE DO SISTEMA DE PROTEÇÃO PARA CO-GERAÇÃO À GAS METANO CONECTADO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA COPEL TESTES E PROCEDIMENTOS Tema: QUALIDADE DA ENERGIA: TECNOLOGIA Autores: ELOI RUFATO JUNIOR Department

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 26 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

FERRAMENTA DE SUPORTE AO ENSINO EM PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA.

FERRAMENTA DE SUPORTE AO ENSINO EM PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA. FERRAMENTA DE SUPORTE AO ENSINO EM PROTEÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE POTÊNCIA. Anderson Tadeu Soares de Paiva andersonnpaiva@hotmail.com Universidade Federal do Ceará, Departamento de Engenharia Elétrica

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES DE KOHONEN PARA IDENTIFICAÇÃO DE CORRENTES DE INRUSH NA PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES DE KOHONEN PARA IDENTIFICAÇÃO DE CORRENTES DE INRUSH NA PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: SIMULAÇÃO DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES DE KOHONEN PARA IDENTIFICAÇÃO DE CORRENTES DE INRUSH NA PROTEÇÃO DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA:

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

ANÁLISES E ESTUDOS PARA ALOCAÇÃO E AJUSTES DE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO EM REDES DE MÉDIA TENSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

ANÁLISES E ESTUDOS PARA ALOCAÇÃO E AJUSTES DE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO EM REDES DE MÉDIA TENSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Campus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ANÁLISES E ESTUDOS PARA ALOCAÇÃO E AJUSTES DE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO EM REDES DE MÉDIA TENSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA COM GERAÇÃO

Leia mais

Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley

Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley 1 Alocação de Cabos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica de Média Tensão (MT) Utilizando Algoritmo Chu-Beasley J. Castilho Neto, A. M. Cossi Resumo-- Neste trabalho é proposta uma metodologia para

Leia mais

ESTUDO DE SELETIVIDADE DAS PROTEÇÕES DE SOBRECORRENTE DE UM SISTEMA ELÉTRICO

ESTUDO DE SELETIVIDADE DAS PROTEÇÕES DE SOBRECORRENTE DE UM SISTEMA ELÉTRICO UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA / ELETRÔNICA VANESSA FERNANDES NOGUEIRA ORIENTADOR:

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

Utilização de Circuitos Elétricos Equivalentes na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão

Utilização de Circuitos Elétricos Equivalentes na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Laura Cristina Paniagua Palacio Utilização de Circuitos Elétricos Equivalentes na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

IMPACTOS DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NOS SISTEMAS DE

IMPACTOS DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NOS SISTEMAS DE IMPACTOS DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA FREDERICO A. S. MARQUES, graduação JESUS A. MORÁN, pós-graduação LÍSIAS ABREU, pós-graduação LUIZ C. P. DA SILVA,

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ANNELISE ANDERSON BITTENCOURT

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ANNELISE ANDERSON BITTENCOURT UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ANNELISE ANDERSON BITTENCOURT PROTEÇÃO ADAPTATIVA DE ALIMENTADORES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONSIDERANDO

Leia mais

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Guilherme Sebastião da Silva, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Estudo, Projeto e Desenvolvimento de um Sistema para Localizar Faltas em Redes de Distribuição. Paulo S. Pereira Junior

Estudo, Projeto e Desenvolvimento de um Sistema para Localizar Faltas em Redes de Distribuição. Paulo S. Pereira Junior Estudo, Projeto e Desenvolvimento de um Sistema para Localizar Faltas em Redes de Distribuição Paulo S. Pereira, PhD Conprove Indústria e Comércio psp@ conprove. com.br Marcos V. C. Rosa Conprove Indústria

Leia mais

CO-GERAÇÃO E APLICAÇÃO DE ESQUEMAS DE SEGREGAÇÃO DE GERAÇÃO

CO-GERAÇÃO E APLICAÇÃO DE ESQUEMAS DE SEGREGAÇÃO DE GERAÇÃO VI SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE 2277 ddee sseetteemmbbrroo aa 0022 ddee oouuttuubbrroo ddee 11999988 -- NNAATTAALL -- RRNN CO-GERAÇÃO E APLICAÇÃO DE ESQUEMAS DE SEGREGAÇÃO DE GERAÇÃO Ricardo

Leia mais

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 1 Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 M. E. de C. Paulino, Member, IEEE Abstract - A integração de IEDs multifuncionais em subestações complexas requer desenvolvimento de um protocolo padrão que reúna

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Avaliação do Impacto da Compensação Série na Proteção de Distância de Linhas de Transmissão Usando Estimação de Fasores

Avaliação do Impacto da Compensação Série na Proteção de Distância de Linhas de Transmissão Usando Estimação de Fasores 1 Avaliação do Impacto da Compensação Série na Proteção de Distância de Linhas de Transmissão Usando Estimação de Fasores Dêdison. S. Moura, Fernando. A. Moreira, Member, IEEE, Kleber. M. Silva, Member,

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Regulador de Tensão e Geração Distribuída em uma Implementação de Fluxo de Potência a Três e a Quatro Fios

Regulador de Tensão e Geração Distribuída em uma Implementação de Fluxo de Potência a Três e a Quatro Fios Regulador de Tensão e Geração Distribuída em uma Implementação de Fluxo de Potência a Três e a Quatro Fios R. M. de Carvalho A. C. B. Alves H. Longo Resumo À medida que cresce uma rede de distribuição,

Leia mais

ANÁLISE DE PERDAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO NA PRESENÇA DE GERADORES DISTRIBUÍDOS

ANÁLISE DE PERDAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO NA PRESENÇA DE GERADORES DISTRIBUÍDOS ANÁLISE DE PERDAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO NA PRESENÇA DE GERADORES DISTRIBUÍDOS MURILO H. S. LEONARDO, JOSÉ CARLOS M. VIEIRA JR. Laboratório de Sistemas de Energia Elétrica, Depto. de Engenharia Elétrica

Leia mais

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas 1 Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas I. L. Mota, I. Kopcak, A.C. Baleeiro, B. Alvarenga Resumo As cargas de instalações elétricas industriais possuem

Leia mais

A INDICAÇÃO DA ÁREA AFETADA POR DIFERENTES TIPOS DE CURTOS-CIRCUITOS EM UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELA APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

A INDICAÇÃO DA ÁREA AFETADA POR DIFERENTES TIPOS DE CURTOS-CIRCUITOS EM UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELA APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS A INDICAÇÃO DA ÁREA AFETADA POR DIFERENTES TIPOS DE CURTOS-CIRCUITOS EM UM SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELA APLICAÇÃO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS ALEXANDRE V. FESTA 1, DANIEL MOTTER 1, THAIS R. KEMPNER 1,

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: 10/04/2013 REVISÃO: --/--/---- PÁG. 1/42 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Documentos de Referência... 3 4. Definições...

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

VALIDAÇÃO EM TEMPO REAL DE MODELOS DA PROTEÇÃO DE TAXA DE VARIAÇÃO DE FREQUÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS

VALIDAÇÃO EM TEMPO REAL DE MODELOS DA PROTEÇÃO DE TAXA DE VARIAÇÃO DE FREQUÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS VALIDAÇÃO EM TEMPO REAL DE MODELOS DA PROTEÇÃO DE TAXA DE VARIAÇÃO DE FREQUÊNCIA PARA DETECÇÃO DE ILHAMENTO DE GERADORES DISTRIBUÍDOS DANIEL MOTTER, JOSÉ C. M. VIEIRA JR., DENIS V. COURY Laboratório de

Leia mais

BushingGard Sistema de Monitoramento Contínuo de Isolamento de Transformador. Maximizando o Tempo de Operação e a Confiabilidade do Transformador

BushingGard Sistema de Monitoramento Contínuo de Isolamento de Transformador. Maximizando o Tempo de Operação e a Confiabilidade do Transformador BushingGard Sistema de Monitoramento Contínuo de Isolamento de Transformador Maximizando o Tempo de Operação e a Confiabilidade do Transformador Mantenha a sua energia fluindo! O BushingGard da Eaton é

Leia mais

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Os sistemas de distribuição são radiais, caracterizados por ter um único caminho entre cada consumidor e o alimentador de distribuição. A potência flui da

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

CONEXÃO DE SISTEMAS DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA À REDE ELÉTRICA

CONEXÃO DE SISTEMAS DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA À REDE ELÉTRICA Universidade Federal do Rio de Janeiro CONEXÃO DE SISTEMAS DE GERAÇÃO FOTOVOLTAICA À REDE ELÉTRICA WALTER ISSAMU SUEMITSU Dr. Ing. SUMÁRIO INTRODUÇÃO NORMAS E REGULAÇÕES INVERSORES INTRODUÇÃO Para atender

Leia mais

geração de energia e a movimentação de economias e internacionais.

geração de energia e a movimentação de economias e internacionais. 36 Capítulo X Energia solar fotovoltaica sistemas conectados à rede elétrica Por Jonas Rafael Gazoli, Marcelo Gradella Villalva e Juarez Guerra* Os sistemas de geração distribuída de energia Os sistemas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 6. PROCEDIMENTOS 08 7. ALTERAÇÕES 09 8. ANEXOS 09 Elaboração: Anderson Muniz Data: 04/10/2011.

Leia mais

PARALELISMO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS AUTOGERADORES E REDE PÚBLICA: ASPECTOS TÉCNICOS DA INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS E PERSPECTIVAS FUTURAS

PARALELISMO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS AUTOGERADORES E REDE PÚBLICA: ASPECTOS TÉCNICOS DA INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS E PERSPECTIVAS FUTURAS PARALELISMO DE SISTEMAS INDUSTRIAIS AUTOGERADORES E REDE PÚBLICA: ASPECTOS TÉCNICOS DA INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS E PERSPECTIVAS FUTURAS Alexandre Vasconcellos FIGENER S/A Engenheiros Associados Av. Paulista,

Leia mais

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6

PAPER 2/6 PAPER-251-16032010.DOC 2 / 6 PAPER 1/6 Title Otimização do Sistema de Distribuição Subterrãneo Reticulado da Cidade de São Paulo Registration Nº: (Abstract) 251 Company Sinapsis Inovação em Energia / Universidade de São Paulo / AES

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ARIEL MOSCHEN CORREA PEIXOTO CARLOS ALBERTO PINTO SILVA JUNIOR LUKAS EDUARDO BASCHTA AVALIAÇÃO

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico F. Sato, Unicamp e J. P. Mamede, ELEKTRO Resumo Na previsão da manutenção de disjuntores utiliza-se

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO E SELETIVIDADE EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO E SELETIVIDADE EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA WILLIAN DE OLIVEIRA CÁLCULO DE CORRENTES DE CURTO-CIRCUITO E SELETIVIDADE EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS TRABALHO

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC)

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC 04 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO X SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO (GSC) EXPERIÊNCIA DA CEMIG NA

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 07 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Will Allen e Tony Lee, Schweitzer Engineering Laboratories Resumo Os sistemas de rejeição de cargas industriais devem

Leia mais