CRMV-ES empossa sua nova Diretoria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRMV-ES empossa sua nova Diretoria"

Transcrição

1 JORNAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CRMV-ES J ornal do DE OLHO NO AMANHÃ C onselho R egional de M edicina V eterinária do E spírito S anto - n º 18 - Fev/Mar/Abril CRMV-ES empossa sua nova Diretoria Fotos: Divulgação A cerimônia de posse será realizada na sexta-feira, 30 de março, no Cerimonial Espaço Verde, em Vitória. Assumem os membros da Diretoria Executiva, Conselheiros Executivos e Suplentes. Divulgação: Idaf Dr. Luiz Carlos Barboza Tavares Presidente eleito do CRMV-ES A chapa Ética Compartilhada, vencedora da eleição, é formada por representantes de órgãos públicos, iniciativa privada e entidades de ensino e pesquisa. Páginas 4 e 5. Veterinários da USP pesquisam distrofia muscular em cães Golden Retriever Inspeção do Idaf apreende mais de 5 toneladas de camarão Divulgação No canil da USP, em São Paulo, os pesquisadores observam o comportamento dos cães e a evolução da doença, testando técnicas para melhorar a qualidade de vida dos animais. Página 7. O produto, apreendido em fiscalização do Instituto, foi inspecionado e considerado apto para o consumo. Após a inspeção, o camarão foi doado à instituições de caridade do Espírito Santo. Página 6. jornal crmv.indd 1 19/03/ :27:27

2 2 JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES Editorial Palavra de Jesus: Não vim ao mundo para ser servido e sim para servir. Seria muito bom que a humanidade pensasse assim, todavia não é o que a maioria pensa ou faz. No ano de 2005, a Plenária do CRMV-ES estava reunida e começou-se a cogitar um nome para encabeçar uma chapa para concorrer à presidência do Conselho. Vários foram os nomes apontados, sendo que muitos deles recusaram por motivos particulares e então meu nome foi o indicado. Para alguns eu não seria a melhor opção para assumir a presidência. Mesmo tendo participado da Diretória por vários mandatos, tive duvida se teria capacidade naquele momento para assumir tanta responsabilidade, uma vez que o maior desafio seria transformar uma casa residencial numa sede que representasse dignamente uma classe que vinha aumentava assustadoramente. O que mais era comentado nas plenárias eram as exigências estabelecidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), não contando ainda com a Legislação Munici- Viver para servir PALAVRA DO PRESIDENTE Silvio Queiroz de Oliveira, presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Espírito Santo pal, onde o Código de Postura de Vitória é muito exigente. Na ocasião, o presidente anterior deixou um caixa superior a 800 mil reais. Dinheiro não era problema, difícil foi enfrentar os desafios e transpor os obstáculos. Estou finalizando o segundo mandato como presidente e deixando para trás uma sede reformada, ampliada e regularizada nos órgãos competentes. Deixo ainda uma estrutura funcional completa, data show, notebook, carro, arquivos e móveis modernos. Tornei o CRMV-ES conhecido perante a classe política e consegui intervir junto às Secretárias Estaduais e Municipais, abrindo campo de trabalho para os Médicos Veterinários e Zootecnistas. Enfim, saio do CRMV-ES deixando R$ ,00 a mais do que recebi e até o momento não foi necessário solicitar qualquer ajuda do CFMV, a não ser na Semana Capixaba do Médico Veterinário e Zootecnistas, quando este patrocina passagens aéreas para palestrantes. Na trajetória, muitos momentos de alegria e alguns de tristeza passei a frente desta autarquia, às vezes incompreendido pelos colegas, mas o principal de tudo é que os resultados foram positivos. Não me queixo de deixar para trás minhas clínicas, pet shop, propriedade rural, distribuidora de produtos veterinários para me dedicar exclusivamente ao Conselho. Em breve retorno a vida não como dirigente de uma autarquia, mas dirigente de empresas, onde geram empregos e renda para os nossos colegas. Tudo isto não é tão importante quanto sentir que cumpri o dever. Vim para servir e lutar como um bom soldado. Meu tempo expirou, agora passo o bastão para nova diretoria Etica Compartilhada que, revestida de toda a armadura de Deus, possa trabalhar com segurança e serenidade. Muito sucesso! RESPO CR Té C preo quali sua s dest do R das e anim Pe do pr de M Sant ediçõ seme O 30 va será na s pelo Caca dia in se in proc pelo e-ma Té é d Este jornal é editado trimestralmente pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Espírito Santo (CRMV-ES) e destina-se a divulgação de matérias e notícias de interesse da Medicina Veterinária e Zootecnia. A distribuição do jornal é gratuita aos inscritos no CRMV-ES e à órgãos públicos. Para solicitar números avulsos entre em contato com o CRMV-ES no seguinte endereço: Rua Cyro Lima, 125, Enseada do Suá - Vitória/ES - CEP Tel/fax: (27) Comissão responsável pela elaboração do boletim informativo do CRMV-ES Fausto Moreira da Silva Carmo - Conselheiro Efetivo Gilberto Marcos Júnior - Conselheiro Efetivo José Carlos Landeiro Fraga - Vice Presidente Luiz Carlos Barboza Tavares - Secretário Geral Jornalista Responsável: Stephenson Grobério (ES1084-JP) - Fotos:Divulgação e arquivo CRMV-ES O CRMV-ES não se responsabiliza pela qualidade dos produtos e/ou serviços oferecidos neste boletim. Colegas médicos veterinários e zootecnistas: atualizem seus cadastros pelo Procurando emprego? Procurando um profissional qualificado? Consulte o site Profissionais da Medicina Veterinária inscritos ao CRMV-ES podem adquirir plano de saúde da Unimed. Obtenha maiores informações pelo telefone (27) DIRETORIA EXECUTIVA Sílvio Queiroz de Oliveira - Presidente José Carlos Landeiro Fraga - Vice Presidente Luiz Carlos Barboza Tavares - Secretário Geral Alexandre Câmara dos Santos - Tesoureiro CONSELHEIROS EFETIVOS Daniele da Costa Rodrigo Ribeiro de Assis Nildo Marcelo Milanezi Osvaldo Góis de Oliveira Filho Fausto Moreira da Silva Carmo Gilberto Marcos Júnior CONSELHEIROS SUPLENTES Wberley Rangel Martins Isabella Vilhena Freire Martins Ted Renan Sanxo Nézio Faber da Silva Giuliano Moraes Figueiró Hans Friedrich Bérgamo de Lourenço CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CRMV-ES Pa e a deem que rece Da d do, de a uma depe preç de c a va boi. E no m em M ços, de c o ne rece para jornal crmv.indd 2 19/03/ :27:27

3 ENTE dido al de ram para hop, dora para e ao não quia, onde a os ão é que omo mpo stão mparda a abaade. e ente Geral eiro o RESPONSÁVEL TÉCNICO JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES 3 CRMV-ES realizará novos cursos de Responsável Técnico no segundo semestre Cada vez mais o consumidor se preocupa em adquirir produtos de qualidade, sempre preocupado com sua saúde. Este é um dos fatores que destacam a importância da atuação do Responsável Técnico (RT) dentro das empresas de produtos de origem animal e de consumo animal. Pensando nesse papel fundamental do profissional RT, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Espírito Santo (CRMV-ES) realizará três novas edições do Curso de RT no segundo semestre de Os cursos, em geral, disponibilizam 30 vagas por edição. O próximo deles será realizado no dia 18 de agosto, na sede do CRMV-ES, e conduzido pelo Dr. José Carlos Landeiro Fraga, o Cacau. O curso é realizado durante um dia inteiro pelo valor de R$ 30,00. Para se inscrever, os interessados devem procurar Marcelo Santos no CRMV, pelo pelo telefone (27) ou Foto: Stephenson Grobério Os cursos de Responsável Técnico (RT) são coordenados pelo Médico Veterinário Cacau, que faz questão de explicar a importância do RT e suas atribuições legais. Reforçando a importância do Responsável Técnico, Cacau lembra que é ele quem garante perante o consumidor a qualidade dos produtos e serviços prestados por determinada empresa, respondendo ética, civil e penalmente por seus atos profissionais. Técnicas de reprodução: criação de receptoras é decisiva para atingir bons resultados Cada novilha, depois de confirmada a gestação, vale entre 20 e 23 arrobas de boi Para que a fertilização in vitro e a transferência de embriões deem resultados elas precisam que o processo da criação de receptoras seja bem conduzido. Da doadora e do touro escolhido, o embrião herda a genética de alto valor, mas é do útero de uma receptora que o bezerrinho depende para se desenvolver. O preço de uma receptora, depois de confirmada a gestação, chega a valer entre 20 e 23 arrobas de boi. Em uma central de receptoras no município de Campo Florido, em Minas Gerais, animais mestiços, na maioria dos casos frutos de cruzamento industrial entre o nelore e outras raças taurinas, recebem tratamento diferenciado para serem boas mães de aluguel. jornal crmv.indd 3 Numa área de 100 hectares são criados 400 animais. Muitas das novilhas chegaram ainda bezerras, logo após a desmama. Com manejo sanitário adequado e pastagens de qualidade, entre dois anos e dois anos e seis meses elas estarão prontas para receberem os embriões. Para que a prenhez seja positiva é preciso que o útero da receptora esteja sincronizado com a idade do embrião que será implantado. O primeiro passo para saber quais são estas novilhas é fazer a observação de cio. Após a implantação dos embriões, as receptoras ficam 70 dias na central e depois são levadas para a propriedade dona do embrião que ela carrega. Fonte: Foto: Divulgação 19/03/ :27:29

4 4 JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES POSSE DA NOVA DIRETORIA O início de uma nova caminhada no CRMV-ES Para ganhar uma eleição é preciso a maioria dos votos. Para conduzir o Conselho no caminho em que todos desejam é preciso o apoio de todos. POSSE side Reso às q obse Dr. Luiz Carlos Barboza Tavares Presidente eleito do CRMV-ES Acreditamos que a bandeira da ética é algo que deva ser defendido por todos nós, de forma plena, pois não existe algo mais ou menos ético, simplesmente as coisas são corretas ou não, éticas ou não. Acreditamos também que a maioria absoluta de nós compartilha desse Nossa expectativa nesse sentido é ampliar o espaço para os profissionais e alcançar o devido reconhecimento da importância do seu papel, merecedor de uma digna remuneração mesmo ideal, em que pesem as divergências sobre as possíveis formas de alcançarmos os objetivos maiores almejados pela sociedade, pelas nossas classes profissionais e por nós mesmos. Porém, mesmo tais divergências podem ser muito mais do que barreiras intransponíveis, o que depende apenas de nós, passando a ser a base para o crescimento e construção das mudanças positivas que procuramos e que são necessárias. Nesse sentido, a partir do dia 12 de abril deste ano, tomará posse a nova gestão CRMV ES, composta por um grupo de profissionais que buscará administrar nosso Conselho perpetuando todas as conquistas obtidas pelas gestões anteriores, absorvendo seus avanços e ensinamentos, e propondo novos objetivos que venham de encontro ao anseio de mudanças para nossa autarquia, especialmente almejadas por parte das novas gerações de profissionais. Mas acreditamos que nenhuma gestão que passe pelo CRMV ES possa alcançar o máximo de seu potencial em prol de seus usuários caso não exista uma plena integração com os mesmos. Tal integração só pode ser conseguida através de uma efetiva comunicação entre o Conselho, os profissionais, as empresas e a sociedade em geral. Esta é uma via de dois sentidos, que depende de todos para dar resultados. Nesta busca de integração, é fundamental o conhecimento do papel institucional do CRMV ES, para que o mesmo seja devidamente compreendido, aceito e apoiado. Mas afinal, qual é o papel do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Espírito Santo CRMV - ES? A profissão de Médico Veterinário, assim como os Conselhos Federal - CFMV e Regionais de Medicina Veterinária - CRMV s, são regidos por um legislação federal, a Lei n.º 5.517/68, regulamentada pelo Decreto n.º /69. De forma semelhante, a importante profissão de Zootecnista está sob a alçada do mesmo sistema de Conselhos, com sua legislação própria, a Lei n.º 5.550/68. Objetivamente, tal legislação estabelece que o nosso Conselho, o CRMV-ES, deve organizar seu regimento interno, inscrever os profissionais que atuam no Estado concedendo-lhes a carteira profissional, examinar e decidir em relação a reclamações sobre serviços de registro e infrações à legislação citada, propor ao CFMV a adoção de medidas que facilitem a execução de suas atividades, inclusive sugerindo a alteração da legislação em Dr. Luiz Carlos Barboza Tavares Presidente eleito do CRMV-ES vigor, em especial para melhorar a regulamentação do exercício da profissão, fiscalizar o exercício da profissão e punir os profissionais que infringirem a legislação, fazer representação às autoridades competentes sobre irregularidades que não estejam sob sua alçada, zelar pelo bom nome e prestígio da Entendemos que há muito a ser feito, o que buscaremos alcançar com o esforço de todos que assumirão a gestão do CRMV ES pelos próximos anos profissão atuando como Tribunal de Honra dos profissionais e aplicando as penalidades cabíveis em cada caso, executar as cobranças das penalidades previstas na legislação, contratar seus servidores e eleger um representante para o processo eleitoral do CFMV. Cada um desses pontos traz consigo uma série de detalhes e con- de fo por s exte Bole D mos não inere o qu incis traba fissio é be de n U men do c de o uma diret - MP denú este to a de p dest que que busc e am dent regu bom A Cons públ este serid Zoot jornal crmv.indd 4 19/03/ :27:30

5 RIA S orar da da ais fades des da, da á o - o ó- l de ndo ada das ão, ger sso POSSE DA NOVA DIRETORIA onon- siderações, inclusive tratados em Resoluções específicas do CFMV, às quais o CRMV ES deve estrita observância, o que será abordado Nesta busca de integração, é fundamental o conhecimento do papel institucional do CRMV ES, para que o mesmo seja devidamente compreendido, aceito e apoiado de forma mais detalhada e pontual, por ser um assunto extremamente extenso, nas próximas edições do Boletim do CRMV - ES. Dentro desse contexto, podemos perceber que o CRMV ES não possui as prerrogativas legais inerentes a um Sindicato de classe, o que lhe impede de agir de forma incisiva em relação a questões trabalhistas que envolvem os profissionais, o que normalmente não é bem compreendido por muitos de nós. Uma outra questão muito comentada e discutida é o problema do charlatanismo, onde na verdade o caminho legal a ser seguido é uma denúncia formal encaminhada diretamente ao Ministério Público - MP ou, uma vez encaminhada a denúncia formal ao CRMV ES, a este compete seu encaminhamento ao MP, o verdadeiro possuidor de poderes para atuar em casos desta natureza. Porém entendemos que existem muitas situações em que o CRMV ES pode e deve buscar um maior aprimoramento e ampliação de seu papel, sempre dentro de seus limites legais que o regulamentam, contribuindo para o bom nome e prestígio da profissão. Aqui entram as gestões do Conselho junto às administrações públicas de todos os níveis onde estejam ou necessitem estar inseridos os Médicos Veterinários e Zootecnistas, colocando à luz dos gestores públicos a importância e grande contribuição que estes profissionais efetivamente trazem para a sociedade, principalmente na Saúde Pública, na Defesa Sanitária e produção animal, além do sempre importante tema do bem estar animal. Nossa expectativa nesse sentido é ampliar o espaço para os profissionais e alcançar o devido reconhecimento da importância do seu papel, merecedor de uma digna remuneração. Outro exemplo de ação que entendemos deve ser aprimorada é a parceria com instituições na organização de capacitações que permitam aos profissionais sua evolução e consequentemente aumentem sua capacidade de disputar espaço no mercado de trabalho, prestando um serviço da mais alta qualidade e que pode lhes proporcionar maiores rendimentos. Entendemos que há muito a ser feito, o que buscaremos alcançar com o esforço de todos que assumirão a gestão do CRMV ES pelos próximos anos, mas cabe ressaltar que nenhum resultado poderá ser efetivamente concretizado sem o imprescindível apoio dos profissionais de nosso Estado, fazendo as sugestões e críticas que considerarem importantes para a evolução de nosso Conselho, mas sempre lembrando do real papel que a legislação define para o CRMV ES, e fundamentalmente apoiando as iniciativas que iremos tomar na busca de corresponder à confiança que nos foi depositada por aqueles que votaram em nossa Chapa Ética Compartilhada. Estaremos sempre abertos e esperando a manifestação dos colegas Médicos Veterinários e Zootecnistas do Estado do Espírito Santo. Para ganhar uma eleição, é preciso a maioria dos votos. Para conduzir o Conselho no caminho em que todos desejam, é preciso o apoio de todos. Um forte e fraterno abraço a todos. Luiz Carlos Barboza Tavares CRMV ES n.º 308 JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES 5 Chapa Ética Compartilhada O grupo de profissionais que compõem a Chapa Ética Compartilhada preparou uma série de propostas, comprometendo- -se a gerir o Conselho de forma ética, cumprindo e fazendo cumprir a lei, investindo no aprimoramento de sua relação com todos os profissionais e empresas inscritos na autarquia, buscando as sugestões de mudanças e aprimoramentos, dando respostas quando demandado, valorizando a acessibilidade e o bom atendimento aos seus usuários, trabalhando para que o entendimento do papel institucional do CRMV-ES seja devidamente cumprido, aceito e apoiado, promovendo suas possibilidades e pontuando de forma clara suas limitações. Fazem parte da Chapa Ética Compartilhada os seguintes profissionais: Diretoria Presidente: Luiz Carlos Barboza Tavares Vice-presidente: José Carlos Landeiro Fraga Secretária-geral: Daniele da Costa Tesoureiro: Alexandre Câmara dos Santos Conselheiros efetivos Nézio Faber da Silva Nildo Marcelo Milanezi Giuliano Moraes Figueiró Osvaldo Góis de Oliveira Filho Maria da Glória Alves Cunha Virgínia do Carmo Teixeira Emerich Conselheiros suplentes Douglas Severo Silveira Iliani Bianchi Rogério Magno do Vale Barroso Leandro Abreu da Fonseca Márcio Figueiredo Gonçalves Thiago Barbosa Spalenza jornal crmv.indd 5 19/03/ :27:30

6 6 JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES NOTÍCIAS DO IDAF PESQU Governo do ES entrega 65 veículos novos para o Idaf Romero Mendonça/Secom O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, entregou ao Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), no mês de fevereiro, 65 novos veículos, adquiridos por meio do convênio assinado com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os carros serão utilizados nas ações de prevenção, controle e monitoramento das pragas dos vegetais e também nos trabalhos de atenção à saúde animal. São 45 automóveis do tipo passeio, 10 station wagon e 10 pick ups, distribuídos para escritórios e postos de atendimento de 34 municípios. O investimento na compra foi de R$ ,00. Na semana anterior entregamos 46 veículos ao Incaper e hoje são mais 65 unidades entregues ao Idaf. Vamos continuar investindo para que a população, os cooperativistas, os produtores do campo e os proprietários de agroindústria animal e vegetal tenham acesso facilitado aos serviços do Estado. Nossa meta é, cada vez mais, fortalecer a agricultura como instrumento de desenvolvimento no interior do Espírito Santo, gerando renda e oportunidades para os capixabas, afirmou o governador. Na solenidade, realizada no Instituto Biológico do Estado do Espírito Santo (Ibees), em Cariacica, a diretora-presidente do Idaf, Lenise Menezes Loureiro, destacou a relevância da parceria entre o Idaf e o Mapa, que, além dos carros, permitirá a estruturação das barreiras sanitárias e da fiscalização volante. Segundo a diretora, uma série de medidas estão sendo efetivadas para aprimorar as atividades do Instituto, como, por exemplo, a emissão regionalizada de licenças ambientais, proporcionando maior agilidade ao produtor rural. O Superintendente Federal da Agricultura, José Arnaldo de Alencar, falou sobre a importância do Idaf como executor no Espírito Santo dos programas nacionais de defesa sanitária animal e vegetal - fundamentais para o Estado manter-se livre de doenças, fortalecendo a agropecuária e promovendo a confiança dos mercados e dos consumidores. O secretário de Estado da Agricultura, Enio Bergoli, ressaltou o bom momento que o Idaf está passando. O Idaf se coloca como garantia de segurança dos alimentos produzidos no Estado com os trabalhos de defesa, inspeção e fiscalização. Não é à toa que estamos há 16 anos sem casos de febre aftosa no Espírito Santo, completou. Inspeção do Idaf apreende mais de 5 toneladas de camarão Divulgação/Idaf Uma fiscalização realizada pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), no posto de divisa de Pedro Canário, no dia 14 de fevereiro, resultou na apreensão de quilos de camarão, que foram doados a 25 diferentes instituições filantrópicas do Espírito Santo. A carga, proveniente do município de Ilhéus, na Bahia, estava seguindo para o Rio de Janeiro, com a documentação irregular e sem passar, anteriormente, pela inspeção sanitária oficial obrigatória. O camarão está sendo doado, após ser inspecionado no Frigorífico Viola Comércio de Pescado, em Anchieta, que constatou que o alimento estava apto para o consumo. De acordo com o médico veterinário do Idaf, Alan Paulo Moreira Teixeira, os camarões precisam passar pelo estabelecimento com inspeção oficial para garantir que eles sejam beneficiados sob climatização controlada, uma vez que em altas temperaturas o deterioramento de pescado é acelerado. Além disso, são observados itens como a curvatura natural, a rigidez do corpo, o odor e a coloração, para que seja analisada e confirmada a qualidade do alimento. Serviço de Inspeção O serviço de inspeção oficial verifica as condições higiênico-sanitária e tecnológica da produção de alimentos de origem animal, desde o abate até a industrialização. Para garantir que o alimento forneça os nutrientes necessários à saúde, ele deve estar em boas condições de consumo. Para isso são fundamentais cuidados na produção, elaboração, armazenamento e distribuição, uma vez que, em qualquer fase, pode ocorrer contaminação por microrganismos, toxinas, parasitas, substâncias químicas e outros agentes nocivos. A carga foi doada a instituições de caridade. Nenhuma indústria de produtos de origem animal pode funcionar no País sem que esteja previamente registrada no órgão competente. A fiscalização desses locais é baseada em normas, padrões de higiene e leis, que visam minimizar ou eliminar os riscos de contaminação durante a industrialização e manipulação dos alimentos. O consumidor pode identificar que está adquirindo um produto inspecionado por meio do carimbo oficial, que são inseridos nas carnes in natura e nos rótulos dos produtos industrializados. jornal crmv.indd 6 19/03/ :27:30

7 daf ades lo, a nças maior al da Alena do írito nais egetado talevendos Agriltou está omo menm os ão e e ess de nto, JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES 7 PESQUISA Especialistas pesquisam Distrofia Muscular em cães da raça Golden Retriever No canil da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP, cães da raça golden retriever são utilizados em estudos sobre distrofia muscular. Os pesquisadores observam o comportamento dos animais e a evolução da doença, testam técnicas para melhorar a qualidade de vida deles e pesquisam caminhos para que a cura do mal seja descoberta. Os indivíduos vitimados pela distrofia têm dificuldade de movimentos e deglutição, entre outras alterações. O Brasil, com o canil da FMVZ, é um dos três únicos países do mundo detentores desse modelo animal - França e EUA são os outros. A professora Maria Angélica Miglino, responsável pelo canil, conta que entre os frutos acadêmicos do local estão uma pesquisa que identificou diferentes fenótipos (manifestações externas corpóreas) entre os animais afetados pela doença e outra, de uma ex-mestranda, que desenvolveu um método para facilitar a alimentação dos cães. É na observação do comportamento dos animais e na evolução da doença que se Foto: Divulgação O IDAF a dificuldade de respiração desses animais, o que faz com que os veterinários e estudantes responsáveis acabem se encarregando também de prestar socorro em emergências. A doença Cachorro atendido no canil da FMVZ da USP, em São Paulo. concentram os estudos realizados no espaço. Na rotina do canil incluem-se atividades que se configuram como um curso de veterinária à parte. Maria Angélica refere-se às ações corriqueiras que devem ser feitas para que os animais tenham uma boa qualidade de vida. Outra questão relatada pela professora é Distrofia muscular é um termo amplo utilizado para se referir a um grupo de doenças genéticas que afetam a musculatura e causam fraqueza. A intensidade da fraqueza pode variar de acordo com o tipo de distrofia, bem como o grupo muscular afetado e a velocidade de degeneração. A distrofia muscular de Duchenne é forma mais comum dentre as variedades da doença. A distrofia muscular é causada pela ausência (ou ineficiência) de uma proteína chamada distrofina. A substância é responsável, em conjunto com outras, pelo bom funcionamento das fibras musculares. utos onar eviacom- ais é s de mizar amião e ficar duto arimnas dos jornal crmv.indd 7 19/03/ :27:32

8 EVENTOS Agenda Veterinária 33º Congresso Brasileiro da Anclivepa Data: 27 a 30 de abril de 2012 Local: Expo Unimed Curitiba (PR) Informações: II Curso Intensivo de Diagnóstico por Imagem na Clínica Veterinária de Pequenos Animais Data: 02 de maio a 28 de junho de 2012 Local: Anclivepa São Paulo Informações: Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária Data: Agosto de 2012 a Outubro de 2014 Local: Auditório do CRMV - Prado, Belo Horizonte (MG) Informações: Telefone: (31) Palpação Retal em Bovinos Data: 10 a 12 de abril de 2012 Local: CPT Cursos Presenciais - Viçosa (MG) Informações: Telefone: (31) I Simpósio de Patologia Clínica Veterinária Data: 18 a 20 de abril de 2012 Local: Escola de Veterinária da UFMG Belo Horizonte (MG) Informações: VI Curso de Atualização de Anestesiologia em Cães e Gatos Data: 21 de abril a 22 de setembro de 2012 Local: Hospital Veterinário Botafogo (RJ) Informações: JORNAL DE OLHO NO AMANHÃ - CRMV-ES 8 Conselho Regional de Medicina Veterinária do Espírito Santo Balanço Financeiro de 2011 Receita Receita de contribuições Receita patrimonial Receita de serviço Receita de transf. correntes Outras receitas correntes Receitas de capital TOTAL Despesa Pessoal Material de consumo Serv. de Terceiros e encargos Outros serv. de terceiros e encargos Diversas despesas de custeio Transferências correntes Despesas de capital TOTAL , , , , , ,00 Silvio Queiroz de Oliveira - Presidente - CRMV-ES Nº. 048 Alexandre Câmara dos Santos - Tesoureiro - CRMV-ES Nº. 87/Z Francisco Pereira Pinto- Contador - CRC-ES Nº. 3447/ , , , , , , , , ,00 Encontro de epidemiologia veterinária da USP abre inscrições para resumos A Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP recebe entre os dias 10 e 13 de julho o I Encontro Nacional de Epidemiologia Veterinária (I Enepi). O evento já está com inscrições abertas para submissão de resumos. Os interessados podem fazer a inscrição pelo próprio site do evento. Basta acessar o endereço e clicar nos links Acessar a conferência, Chamada para submissões e Clique aqui para iniciar o processo de submissão. Caso o autor não tenha cadastro no site, deve preencher o cadastro no link Não está cadastrado? Cadastre-se no site. O resumo pode ser colado ou digitado diretamente no site, com espaço simples, letra tamanho 12, limite de 400 palavras e deve conter ainda os nomes completos dos autores. Os destaques devem ser feitos em itálico, exceto em endereços de sites, que podem ser sublinhados. Para fazer a submissão, é preciso seguir os seguintes passos, após se cadastrar no site: - escolha o tipo de sessão (pôster ou pôster e oral). Apenas alguns trabalhos serão selecionados para apresentação oral; Para saber mais sobre o evento, acesse o site jornal crmv.indd 8 19/03/ :27:32

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

Selvagens sim, mas precisamos de atenção e cuidados especiais

Selvagens sim, mas precisamos de atenção e cuidados especiais JORNAL IMPRESSO ESPECIAL 9912247850/2010/DR-ES CRMV-ES CORREIOS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CRMV-ES JORNAL DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESPÍRITO

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015 SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL 09 a 12 de setembro de 2015 Local de Realização: Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais Sistema CFBio/CRBios e a Criação de Novos Regionais Novo Regional do Planalto Central: Plano estratégico para criação Lei 6684 de 03 de Setembro de 1979 Art. 10 - Compete ao Conselho Federal: IV - organizar,

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS

RESPONSABILIDADE TÉCNICA T COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS Serviço o Público P Federal Conselho Regional de Medicina Veterinária ria do RS Setor de Fiscalização RESPONSABILIDADE TÉCNICA T NO COMÉRCIO DE PRODUTOS VETERINÁRIOS RIOS Mateus da Costa Lange Médico Veterinário

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

PARTE 1 - LEIS PARTE 2 - DECRETOS

PARTE 1 - LEIS PARTE 2 - DECRETOS PARTE 1 - LEIS 5.517, de 23-10-1968 Dispõe sobre o exercício da profissão de médico veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária 5.550, de 04-12-1968 Dispõe sobre o exercício

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

II SIMPÓSIO NACIONAL DE FORMAÇÃO E EDUCACAO CONTINUADA EM MEDICINA VETERINÁRIA ESCOLA SUPERIOR SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ESFA

II SIMPÓSIO NACIONAL DE FORMAÇÃO E EDUCACAO CONTINUADA EM MEDICINA VETERINÁRIA ESCOLA SUPERIOR SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ESFA II SIMPÓSIO NACIONAL DE FORMAÇÃO E EDUCACAO CONTINUADA EM MEDICINA VETERINÁRIA ESCOLA SUPERIOR SÃO FRANCISCO DE ASSIS - ESFA Caracterização: A formação continuada é uma maneira de complementar a formação

Leia mais

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal Manual da Revenda de Produtos Veterinários Versão 1.0 25/02/2013 P á g i n a 1 Considerações iniciais Com a publicação da Resolução SAA nº 79, de 10/12/2012

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.478, DE 15 DE JANEIRO DE 2003 Cria o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Acre IDAF/AC e define sua competência e organização básica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL SEMINÁRIO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICAT MÓDULO AVANÇADO ADO INSPEÇÃO SANITÁRIA ESTRELA RS 28 DE MAIO DE 2013 LEGISLAÇÃO E RESPONSABILIDADE TÉCNICA T EM ESTABELECIMENTOS DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL RESPONSÁVEL

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N. º 005/2008 O CHEFE DA DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - DDSA, no uso das atribuições legais e com fundamento no art. 8º, da Resolução nº. 029/06 -, de 14 de março de 2006, Considerando

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL

SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL Sumário 1. Acesso ao sistema... 4 1.1. Acesso Direto... 4 1.2. Pelo site da ABCZ... 4 2. Cadastro de Veterinários... 4 2.1. Termo de Responsabilidade... 5 2.1.1.

Leia mais

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Dos objetivos Artigo 1º - O Hospital-Escola Veterinário (HOVET) é órgão anexo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG - Ambiental Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Foro. Art. 1º - A Associação Brasileira de Perícia e Gestão Ambiental ABPG - Ambiental

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE SANTA CATARINA - CRMV-SC RESOLUÇÃO CRMV-SC N 042/2007, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2007 O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Santa Catarina CRMV/SC, em Sessão Plenária Ordinária nº 275 de 15 fevereiro de 2007, amparados

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONSELHOS MUNICIPAIS DE JUVENTUDE

CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONSELHOS MUNICIPAIS DE JUVENTUDE CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE CONSELHOS MUNICIPAIS DE JUVENTUDE Belo Horizonte Fevereiro 2012 ANTÔNIO AUGUSTO JUNHO ANASTASIA Governador do Estado de Minas Gerais ALBERTO PINTO COELHO JÚNIOR Vice Governador

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 12, de 06 de outubro de 2014.

PROJETO DE LEI Nº 12, de 06 de outubro de 2014. PROJETO DE LEI Nº 12, de 06 de outubro de 2014. PODER LEGISLATIVO Cria o Conselho e o Fundo Municipal de Proteção aos Animais edá outras providências. A Câmara Municipal decreta: Capítulo I Do Fundo Municipal

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

TÍTULO VII SISTEMA DE GESTÃO URBANA. I - O sistema de gestão deve assegurar a participação democrática;

TÍTULO VII SISTEMA DE GESTÃO URBANA. I - O sistema de gestão deve assegurar a participação democrática; TÍTULO VII SISTEMA DE GESTÃO URBANA Art. 219. A institucionalização de mecanismos e instrumentos de gestão democrática da cidade é uma forma de promover a cidadania e aproxima o cidadão das instâncias

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E S T AT U T O CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E SUAS FINALIDADES:

ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E S T AT U T O CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E SUAS FINALIDADES: ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E S T AT U T O CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E SUAS FINALIDADES: Artigo 1 - A Associação de Engenheiros e Arquitetos de São José dos Campos (AEA/SJCampos),

Leia mais

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária

Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária Demonstrativo das Receitas Diretamente Arrecadadas por Órgão/Unidade Orçamentária 01. 000 Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134 74.751 01. 901 Fundo Rotativo da Câmara dos Deputados 1.462.885 1.388.134

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E FINALIDADES ARTIGO

Leia mais

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Art. 1 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar, independentemente de

Leia mais

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Veículo: Minas Gerais Data: 28/11/2014 Editoria: Diário do Executivo Página: 18 Clipping Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2014

EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2014 SECRETARIA DE ESTADO DA JUSTIÇA, CIDADANIA E DIREITOS HUMANOS SEJU CONSELHO PERMANENTE DOS DIREITOS HUMANOS DO ESTADO DO PARANÁ COPED EDITAL DE ELEIÇÃO Nº 001/2014 A Secretaria de Estado da Justiça, Cidadania

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PARACATU. ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS.

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PARACATU. ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PARACATU ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º. A Agência para o Desenvolvimento Econômico e Social de Paracatu, também designada pela sigla

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128

Câmara Municipal de Uberaba O progresso passa por aqui LEI N.º 10.128 LEI N.º 10.128 Reproduz em novo texto a Lei 8.339, de 12 de junho de 2002 que trata do Conselho Municipal de Defesa dos Direitos das Pessoas Com Deficiência de Uberaba COMDEFU. O Povo do Município de Uberaba,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º - A Associação dos Moradores e Proprietários do Loteamento VILLAGIO I, com o nome de fantasia ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

O MÉDICO VETERINÁRIO MUNICIPAL Sistematização das suas funções e competências Principal legislação aplicável

O MÉDICO VETERINÁRIO MUNICIPAL Sistematização das suas funções e competências Principal legislação aplicável O MÉDICO VETERINÁRIO MUNICIPAL Sistematização das suas funções e competências Principal legislação aplicável Introdução O exercício da actividade do Médico Veterinário Municipal (MVM) está regulamentado

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO

CRUZ AZUL DE SÃO PAULO CRUZ AZUL DE SÃO PAULO ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR Capítulo I DA DENOMINAÇÃO SEDE FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1º. O Grêmio Estudantil do Colégio PM é o representativo geral da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO GRÊMIO 08 DE ABRIL, fundada no dia 16 de fevereiro de 1990, com o CNPJ nº

Leia mais

LEI Nº. 5.517 - DE 23 DE OUTUBRO DE 1968

LEI Nº. 5.517 - DE 23 DE OUTUBRO DE 1968 LEI Nº. 5.517 - DE 23 DE OUTUBRO DE 1968 DISPÕE SOBRE O EXERCÍCIO DA PROFISSÃO DE MÉDICO-VETERINÁRIO E CRIA OS CONSELHOS FEDERAL E REGIONAIS DE MEDICINA VETERINÁRIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber

Leia mais

Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS

Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS Relatório da assessoria de imprensa do CORECON/RS Eleição e posse dos dirigentes presidente e vice-presidente do CORECON/RS Data: 15 de janeiro Hora: 12 horas Local: Sede do Conselho Regional de Economia

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

Normas Gerais da Vigilância Sanitária

Normas Gerais da Vigilância Sanitária Normas Gerais da Vigilância Sanitária INTRODUÇÃO A vigilância sanitária é exercida para preservar a saúde da população. Além dos produtos alimentícios, outros produtos ou atividades estão sujeitos à inspeção

Leia mais

MENSAGEM Nº, de 2008.

MENSAGEM Nº, de 2008. MENSAGEM Nº, de 2008. = Tenho a honra de submeter à elevada consideração de Vossas Excelências o projeto de Lei anexo, que objetiva criar o Conselho Municipal Antidrogas COMAD. Um dos mais graves problemas

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E SEDE, FINALIDADES, REPRESENTAÇÕES REGIONAIS E FONTES DE RECURSOS Seção Da Denominação e Sede Art. 1º - A SOCIEDADE

Leia mais

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS NOS OUÇAM! Regimentalmente o Conselho de Arquitetura e

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.963, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre

Leia mais

EDITAL PRAPPG 003/2010 DINTER EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS

EDITAL PRAPPG 003/2010 DINTER EM ENGENHARIA METALÚRGICA E DE MATERIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO Autarquia criada pela Lei n o. 11.892, de 29 de dezembro de 2008 PRÓ-REITORIA ADJUNTA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências.

REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. LEI N.º 3.097, de 27 de Novembro de 2006. REESTRUTURA o Sistema de Defesa Sanitária Vegetal no Estado do Amazonas e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS FAÇO SABER a todos os habitantes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ 1. DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O presente Regimento Interno visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliação e direção dos profissionais

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.1

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.1 PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.1 O Diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional da Bahia- SENAI/DR/BA,

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) *C0051538A* C0051538A *C0056280A* C0056280A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) Dá ao Plenário 16 do Anexo II da Câmara dos Deputados a denominação "Zezéu

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS EGRESSOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS EGRESSOS DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º- A, também denominada pela sigla ASSENGE-UNICAP, é uma entidade civil, com personalidade jurídica, de direito privado, sem fins

Leia mais

Medicina Veterinária: Gestão de Carreira e Perspectivas de Mercado

Medicina Veterinária: Gestão de Carreira e Perspectivas de Mercado Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS Medicina Veterinária: ria: Gestão de Carreira e Perspectivas de Mercado Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS BOA TARDE! Conselho Regional de Medicina

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.2 Agosto

PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.2 Agosto PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL BÁSICA Processo Seletivo 2015.2 Agosto O Diretor Regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional da Bahia-

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SEAD ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ - EGEPI EDITAL Nº 01/2014

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO SEAD ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ - EGEPI EDITAL Nº 01/2014 EDITAL Nº 01/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU, SOB A RESPONSABILIDADE DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ- EGEPI, DA SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO-SEAD EM PARCERIA

Leia mais

Programa de extensão universitária mais leite

Programa de extensão universitária mais leite Programa de extensão universitária mais leite Renato SOARES OLIVEIRA¹; Samuel PIASSI TELES²; Rafael BASTOS TEIXEIRA³; Cassia MARIA SILVA NORONHA 4 ; Alan Dhan COSTA LIMA 5 ; Arnaldo Júnior VALERIANO RESENDE

Leia mais

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Modelo de Estatuto Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Capítulo I Da denominação, Sede, fins e duração Art.1º - O Grêmio estudantil da Escola funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O NASF Preocupados com inúmeros questionamentos recebidos pela Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária, a CNSPV/CFMV vem por

Leia mais

Dispõe sobre o exercício da profissão de Médico Veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária.

Dispõe sobre o exercício da profissão de Médico Veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária. LEI Nº 5.517, DE 23 DE OUTUBRO DE 1968 Dispõe sobre o exercício da profissão de Médico Veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina Veterinária. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber

Leia mais

4º ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO E SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE AGROTÓXICOS Regional Sul/ Sudeste/ Centro-Oeste. Carta de Goiânia

4º ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO E SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE AGROTÓXICOS Regional Sul/ Sudeste/ Centro-Oeste. Carta de Goiânia 4º ENCONTRO DE FISCALIZAÇÃO E SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE AGROTÓXICOS Regional Sul/ Sudeste/ Centro-Oeste Carta de Goiânia Aos 15 dias do mês de abril do ano de, nesta cidade de Goiânia, GO, representantes

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI

AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (1) ; Muratori, M.C.S. (1) ; Júnior, M.H.K. (1) ; Costa, M.S.J. (2) ; Nascimento, I.V.

Leia mais

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015

Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 2015 Diretoria Geral Ouvidoria RELATÓRIO DE ATIVIDADES DA OUVIDORIA MÊS DE OUTUBRO DE 1 A Ouvidoria do DNPM, órgão de assistência direta e imediata ao Diretor-Geral, foi criada por meio do Decreto nº 7.9, de

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça

Assembléia Legislativa do Estado do Paraná Centro Legislativo Presidente Aníbal Khury Comissão de Constituição e Justiça SUBSTITUTIVO GERAL AO PROJETO DE LEI 307/2003. SÚMULA: Veda o cultivo, a manipulação, a importação, a industrialização e a comercialização de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) no Estado do Paraná,

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

ÍNDICE - 01/05/2007 O Globo... 2 Ciência...2 O Estado de S.Paulo... 3 Vida&...3 Anvisa fumo Jornal de Brasília... 4 Cidades...4

ÍNDICE - 01/05/2007 O Globo... 2 Ciência...2 O Estado de S.Paulo... 3 Vida&...3 Anvisa fumo Jornal de Brasília... 4 Cidades...4 ÍNDICE - O Globo...2 Ciência...2 EURECA...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 Anvisa prorroga consulta sobre fumo...3 Jornal de Brasília...4 Cidades...4 GDF quer acabar com a fila da cirurgia em 18 meses...4

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

Guias e Manuais. Fiscalização. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Fiscalização. do ProgramaBolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Fiscalização do ProgramaBolsa Família Programa Bolsa Família Fiscalização do Programa Bolsa Família Brasília - df 2010 2010 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Permitida

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

ABROVET ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ONCOLOGIA VETERINÁRIA

ABROVET ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ONCOLOGIA VETERINÁRIA ABROVET ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ONCOLOGIA VETERINÁRIA Comissão de Elaboração Adriana Tomoko Nishiya Carolina Scarpa Carneiro Katia Cristina Kimura Lucas Campos Rodrigues Luiz Roberto Biondi Maria Lucia

Leia mais

O Controle da Qualidade da Alimentação Escolar e a Capacitação dos Conselheiros

O Controle da Qualidade da Alimentação Escolar e a Capacitação dos Conselheiros O Controle da Qualidade da Alimentação Escolar e a Capacitação dos Conselheiros I Encontro Estadual da Educação do Ministério Público/BA Maio/2012 O que é o CECANE? Centro Colaborador em Alimentação e

Leia mais

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho

Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Secretário da Saúde Jorge Solla. Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho 1 2 Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretário da Saúde Jorge Solla Coordenadora da Ouvidoria SUS BAHIA Elide Oliveira de Carvalho Equipe Técnica: Celurdes Carvalho Flávia Guimarães Simões

Leia mais