6.4 Tecnologias de Redes Alargadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6.4 Tecnologias de Redes Alargadas"

Transcrição

1 Capítulo Tecnologias de Redes Alargadas 1 Tecnologias de redes alargadas X.25 Frame Relay ATM 2 1

2 X.25 3 X.25 Tecnologia base das primeiras redes públicas de comutação de pacotes (ex. Telepac em Portugal) A recomendação X.25 do ITU-T define os protocolos na interface de acesso para estabelecer e manter as conexões entre um equipamento terminal e uma rede pública de comutação de pacotes 4 2

3 Dispositivos Existem três categorias de dispositivos numa rede X.25: DTE data terminal equipment Sistemas terminais (computadores, terminais) que comunicam através da rede X.25 DCE data circuit-terminating equipment Dispositivos de comunicação (modems, comutadores de pacotes), fornecendo o interface entre os DTEs e uma PSE PSE packet switching exchange Centrais comutadoras da rede de comutação de pacotes Transportam os dados entre os DTEs através da rede X.25 5 Estabelecimento de sessão e circuitos virtuais As sessões X.25 são estabelecidas quando um dispositivo DTE contacta outro para pedir uma sessão de comunicação O dispositivo DTE que recebe o pedido pode aceitar ou rejeitar a conexão Se o pedido é aceite, os dois sistemas iniciam uma transferência de dados full-duplex, podendo qualquer uma das partes terminar a conexão Um circuito virtual é uma conexão lógica criada para assegurar uma comunicação fiável entre dois dispositivos Um circuito virtual denota a existência de um caminho lógico bidireccional entre dois dispositivos DTEs através da rede X.25 Fisicamente, a conexão pode passar através de uma série de nós intermédios (DCEs e PSEs) 6 3

4 Serviço de Circuitos Virtuais Os Circuitos Virtuais podem ser de dois tipos Comutados (SVC - Switched Virtual Circuits) Conexões temporárias usadas para transferências de dados esporádicas Cada vez que dois dispositivos DTEs queiram comunicar, torna-se necessário estabelecer, manter e finalizar uma sessão Permanentes (PVC - Permanent Virtual Circuits) Conexões estabelecidas permanentemente, usadas em transferências de dados frequentes Existem uma sessão permanentemente activa (durante um período definido contratualmente entre o cliente e a concessionária de comunicações), podendo ser iniciadas as transferências de dados sem mais demoras 7 Multiplexagem de Circuitos Virtuais X.25 Vários circuitos virtuais (conexões lógicas) podem ser multiplexados num único circuito físico (conexão física) Os circuitos virtuais são depois desmultiplexados no final, sendo os dados encaminhados para os destinos apropriados Um DTE pode estabelecer até 4095 circuitos virtuais simultâneos com outros DTEs através de uma única ligação física DTE-DCE Cada pacote contém um campo que permite identificar a que circuito virtual pertence 8 4

5 Protocolos Nível Físico Interface física entre o equipamento terminal (DTE) e um equipamento de terminação de Rede (DCE) Nível de ligação de dados (nível trama) LAPB - Link Access Procedures Balanced (variante do HDLC em modo ABM) Especifica os procedimentos para estabelecer, manter e terminar uma ligação de dados que permite o envio fiável de tramas, sujeito a mecanismos de controlo de erros e de fluxo entre nós Nível de rede (nível pacote) Oferece um Serviço de Circuitos Virtuais extremo-a-extremo Especifica os procedimentos para estabelecer, manter e terminar circuitos virtuais e transferir pacotes de dados nos circuitos virtuais Protocolo X.25 PLP possui mecanismos de controlo de erros e de fluxo 9 Conclusão São muito complexas, sendo por isso bastante lentas, uma vez que têm de suportar mecanismos para assegurar a integridade da transmissão de dados e o controlo de fluxo por circuito virtual Isto resulta numa considerável sobrecarga, pois em cada nó intermediário, o protocolo de controlo de ligação lógica envolve a troca de tramas de dados e de confirmação Não havendo garantia absoluta de a rede ser capaz de cumprir esses objectivos, os sistemas terminais suportam adicionalmente protocolos de controlo de erro que, operando extremo-a-extremo, acabam por duplicar algumas funções da rede Velocidades de 1200 bps a 64 Kbps Taxação em função do tempo e do volume de dados Em desuso devido à alta relação custo/desempenho 10 5

6 Frame Relay 11 Frame Relay Para ultrapassar as dificuldades do X.25, e aproveitando a evolução tecnológica no sentido de redes mais fiáveis e com menores erros, surgiram mais tarde as redes Frame Relay, que retiraram muita da complexidade e redundância existente nas redes X.25 Sinalização da chamada é transportada numa ligação lógica diferente da de dados não há necessidade de nós intermédios processarem mensagens de controlo Multiplexagem de CV ocorre na camada 2 É eliminada uma camada de processamento Não é suportado controlo de sequência, erro e de fluxo nó a nó Controlo é realizado fim-a-fim pelas camadas superiores É uma opção atractiva que compete com linhas dedicadas e com as próprias redes X.25 A expressão Frame Relay é usada para designar serviços baseados na comutação (rápida) de tramas, isto é, unidades de dados de comprimento variável transportadas na camada de ligação de dados 12 6

7 Princípios de Funcionamento A simplificação do processo de comutação resulta de alguns factores Eliminação de procedimentos pesados de controlo de erro e de fluxo nos nós da rede, remetendo-os para a periferia ou para o equipamento terminal (se necessário) Com as taxas de erro muito baixas possíveis em sistemas de transmissão digital deixa de fazer sentido realizar controlo de erro no interior da rede É deixada ao equipamento terminal a responsabilidade de recuperação de erros (extremo-a-extremo), dependendo dos requisitos das aplicações (elevada fiabilidade e alguma tolerância a atrasos em aplicações de dados vs tempo de resposta crítico e alguma tolerância a perdas em aplicações com requisitos de tempo real) Tal simplificação torna possível comutação de alta velocidade, condição necessária para a exploração da elevada capacidade disponível em sistemas de transmissão digital 13 Dispositivos Existem duas categorias de dispositivos numa rede frame relay: DTE data terminal equipment Sistemas terminais (computadores, terminais) que comunicam através da rede frame relay DCE data circuit-terminating equipment Dispositivos de comunicação (normalmente comutadores de pacotes) fornecendo serviços de relógio e comutação na rede. 14 7

8 Características Dois níveis protocolares Nível físico - baseado na RDIS Nível de quadro - LAPF (variante do HDLC) Velocidades de n x 64 Kbps Circuitos Virtuais Comutados (SVC) Circuitos Virtuais Permanentes (PVC) Possibilidade de garantia de um débito mínimo a cada SVC ou PVC através do CIR (Comitted Information Rate) 15 Frame-Relay vs. X

9 Funções do nível 2 Subnível control Funções presentes nos sistemas terminais que incluem funções de confirmação e controlo de fluxo Subnível core O núcleo do LAPF disponibiliza um subconjunto da camada de ligação de dados e realiza outras tarefas Delimitação de tramas e assegura o alinhamento ao nível do octeto e a transparência Multiplexa e endereça os canais virtuais Trata a congestão 17 Estrutura da trama Trama LAPF subnível core Campo de Endereço da Trama LAPF DLCI sup/inf: especifica o DLCI (Data Link Connection Identifier) que pode mudar em nó FECN: Forward Explicit Congestion Notification BECN: Backward Explicit Congestion Notification DE: Discard Elegibility (se colocado a 1 trama de 2ª classe ) 18 9

10 Circuitos virtuais Os circuito virtuais fornecem um caminho lógico bidireccional entre dois dispositivos DTEs através da rede de comutação de pacotes São identificados por um identificador de conexão de ligação de dados (DLCI data-link connecion identifier) Estes são normalmente atribuídos pelo fornecedor do serviço (empresa de telecomunicações, por ex.) Os seus valores têm apenas significado local, podendo ser modificado à medida que a trama atravessa as várias ligações que constituem o circuito virtual 19 Circuitos virtuais comutados e permanentes Existem dois tipos de circuitos virtuais no frame relay: Circuito virtual comutado (SVCs) Conexões temporárias usadas para transferências de dados esporádicas Cada vez que dois dispositivos DTEs queiram comunicar, torna-se necessário estabelecer, manter e finalizar uma sessão Uma sessão de comunicação através de um SVC consiste em quatro estados distintos: Estabelecimento de chamada é estabelecido um circuito virtual entre dois DTEs Transferência de dados os dados são transmitidos entre os DTEs através do circuito virtual Inactivo a conexão entre DTEs está activa, mas não há transferência de dados. Se um SVC ficar neste estado por um período determinado, a chamada pode ser finalizada Finalização de chamada o circuito virtual entre DTEs é finalizado Circuito virtual permanente (PVCs) Conexões estabelecidas permanentemente, usadas em transferências de dados frequentes Os DTEs podem iniciar a transferência de dados quando necessitarem, pois está um circuito virtual permanentemente activo Uma sessão de comunicação através de um PVC consiste em dois estados distintos: Transferência de dados os dados são transmitidos entre os DTEs através do circuito virtual Inactivo a conexão entre DTEs está activa, mas não há transferência de dados. A chamada não será finalizada mesmo que um PVC fique neste estado por largos períodos 20 10

11 Encaminhamento das tramas O encaminhamento das tramas é baseado nos valores DLCI Em cada trama que chegue é analisado o campo de FCS Quando um erro é detectado, a trama é abandonada 21 Controlo de tráfego em Frame Relay (1) Um dos aspectos principais de Frame Relay é a possibilidade de definir parâmetros para controlo de tráfego Cada PVC tem associado 2 parâmetros: CIR (Commited Information Rate) Débito (em bps) que a rede garante suportar para um determinado Circuito Virtual EIR (Excess Information Rate) Débito (em bps) que a rede pode aceitar suportar e que pode exceder o CIR (espécie de tolerância em momentos de baixa carga na rede) CIR (Committed Information Rate) Débito actual CIR + EIR (Débito máximo possível) Transmitir se for possível 0 Transmissão garantida Não transmitir, descartar tudo Capacidade do acesso 22 11

12 Controlo de tráfego em Frame Relay (2) Numa rede congestionada, se um nó não consegue transmitir as tramas, fazendo com que a memória disponível nas filas de espera se esgote, torna-se necessário o descarte das novas tramas que cheguem Qualquer transmissão de dados que exceda a CIR está vulnerável ao descarte em caso de congestão, pois as tramas que excedem a CIR são as primeiras a serem descartadas A CIR fornece uma forma de discriminação entre tramas, determinando quais as que são descartadas em caso de congestão A discriminação é indicada através do bit DE (discard eligibility) na trama LAPF No nó de comutação frame relay, ao chegar uma trama, pode ocorrer o seguinte: Se a taxa a que o utilizador envia os dados é inferior ao CIR, a trama é retransmitida Se a taxa é superior ao CIR, a trama é retransmitida com o bit DE activado Isto faz com que em caso de congestão, esta trama possa ser descartada Se a taxa exceder o valor máximo estabelecido, então a trama é descartada de imediato 23 Controlo de congestão O controlo de congestão é feito com base em mecanismos de auto-disciplina e de responsabilidade conjunta: da rede em melhor posição para monitorizar o grau de congestão e indicando o estado de congestão aos terminais envolvidos de modo a que estes tomem a iniciativa de reduzir o tráfego injectado do utilizador em melhor posição para controlar a congestão, limitando o fluxo de tráfego 24 12

13 Parâmetros adicionais Além do CIR, existem dois parâmetros adicionais, atribuídos em conexões permanentes e negociados em conexões comutadas: Bc commited burst size A quantidade máxima de dados que a rede acorda em transmitir, em condições normais, num dado intervalo de tempo T Be excess burst size A quantidade máxima de dados acima de Bc, que a rede tenta transferir, em condições normais, num dado intervalo de tempo T B c = CIR * T B e = EIR * T B c / CIR = B e / EIR 25 Sinalização explícita de congestão Os bits de notificação explícita de congestão podem ser activados pela rede em resposta a uma situação de congestão nos circuitos virtuais afectados FECN alerta para a existência de congestão na mesma direcção da trama BECN alerta para a existência de congestão no sentido oposto á direcção da trama 26 13

14 Termos e definições Virtual Circuit (VC) Ligação entre 2 dispositivos FR Permanent Virtual Circuit (PVC) Circuito virtual predefinido (pelo operador de telecomunicações, por exemplo) Switched Virtual Circuit (SVC) Circuito virtual estabelecido dinamicamente Data Link Connection Identifier (DLCI) Identificador de circuito virtual Committed Information Rate (CIR) Débito (em bps) que a rede aceita suportar para um determinado Circuito Virtual Excess Information Rate (EIR) Débito (em bps) que a rede tenta suportar e que pode exceder o CIR Committed Burst (Bc) Máxima quantidade de dados que a rede aceita transferir num intervalo de tempo T (em condições normais) Excess Burst Size (Be) Máxima quantidade de dados que a rede tenta transferir num intervalo de tempo T (em condições normais) O débito inferior a Bc + Be pode ser transmitido ou não; O débito superior a Bc + Be é descartado Forward Explicit Congestion Notification (FECN) Bit activado pelo nó de comutação que detecta congestão e enviado no sentido da transmissão Backward Explicit Congestion Notification (BECN) Bit activado pelo nó de comutação que detecta congestão e enviado no sentido oposto ao da transmissão Discard Eligible (DE) bit activado pelo DTE ou pelo nó de comutação (se o utilizador excedeu o CIR e se é detectada congestão na rede) 27 Conclusão Desvantagem Não garante fiabilidade na transferência de dados Vantagens Aumento da capacidade de comutação (overheads reduzidos) aumento do débito (até 45Mbps) e redução do tempo de atraso (latência) Combina as vantagens da comutação de circuitos (atraso reduzido) com as vantagens da comutação de pacotes Possibilidade de negociar CIR Regra simples Se existe um problema, os dados são descartados a recuperação recai em protocolos de camadas superiores Aplicações Interligação de LANs, aplicações que necessitam de alto débito, Substituto natural do X.25, nomeadamente a aplicações que requerem Circuitos Virtuais Comutados (SVC) Substituição de circuitos dedicados utilizando Circuitos Virtuais Permanentes (PVC) Redução significativa dos custos 28 14

15 Controlo de tráfego em FR Exemplo (1) Linha de acesso 2048 kbps CIR=1024 kbps, EIR=384 kbps, T=1s B c = bits, B e = bits Tramas de 6400 bytes (51200 bits) Caso 1: tráfego constante de 2048 kbps (40 tramas/s) Caso 2: tráfego constante de 1408 kbps (27,5 tramas/s) Caso 3: tráfego constante de 1024 kbps (20 tramas/s) 29 Controlo de tráfego em FR Exemplo (2) Caso 1 Tramas/s enviadas 40 Tramas/s com DE=0 20 Tramas/s com DE=1 7,5 Tramas/s descartadas 12,5 2 27,5 20 7,

16 ATM Asynchronous Transfer Mode 31 Conceito de ATM Desenvolvida pela ITU-T, cenário de evolução para a B-ISDN (RDIS de banda larga) Destinada à utilização em LANs, MANs e WANs Tecnologia cara quando comparada com tecnologias concorrentes Tecnologia atraente para ambientes MAN e WAN pois: Utiliza de forma eficiente e dinâmica os recursos da rede Permite a integração de tráfego de características diferentes Permite garantir qualidade de serviço Versão muito simplificada de transferência em modo de pacote não é suportado controlo de fluxo nem correcção de pacotes perdidos, adoptando-se ainda pacotes de comprimento fixo (células) para permitir a operação a grande velocidade Baseada na comutação de células de 53 bytes (5 de cabeçalho + 48 de dados) limita os atrasos de empacotamento e nas filas de espera reduz a complexidade das filas de espera simplifica as estruturas de comutação 32 16

17 Integração de todos os serviços numa só rede 33 Célula ATM 34 17

18 Canais virtuais e caminhos virtuais VPI + VCI = etiqueta Só têm significado local a um dado comutador (não têm significado extremo-aextremo) Canal virtual - Virtual Channel canal de comunicação elementar unidireccional associado a uma conexão de circuito virtual permite o transporte de células ATM entre dois pontos terminais referenciado no cabeçalho de cada célula pelo VCI - Virtual Circuit Identifier Caminho virtual - Virtual Path concatenação de canais virtuais referenciado no cabeçalho da célula pelo VPI - Virtual Path Identifier 35 Caminho virtual Desenvolvido para facilitar a manipulação de circuitos virtuais com a mesma origem e destino Pode suportar até canais virtuais Estabelecimento e manutenção de uma comunicação exige a execução de um número considerável de operações Estabelecimento de tabelas de encaminhamento em todos os nós Processamento de etiquetas Tratamento de parâmetros de tráfego e qualidade de serviço 36 18

19 Comutador ATM 37 Encaminhamento de células num comutador ATM 38 19

20 Analogia didáctica Paralelo entre o fluxo de informação numa rede ATM e o fluxo de veículos entre cidades Considerando a célula um veículo, as estradas seriam os VPs e as pistas, diferenciadas pela velocidade, os VCs Para um carro ir da cidade A para C, pode ir directo, através de VP1 na pista VC5 que garante alta velocidade Um autocarro poderá usar a mesma estrada, VP1, porém uma pista mais lenta, VC3, por exemplo Pode haver a possibilidade de passar pela cidade B Neste caso teria que usar uma outra estrada, VP2, e uma pista VC3, agora rápida, se for um carro ou VC5, agora lenta, se for um autocarro De notar que o mesmo VCI foi usado para representar pista lenta e rápida, porém em estradas, VPs, diferentes Da cidade B até C, outra estrada, VP, seria usada e assim outras pistas, VCs, poderiam ser utilizadas ou não 39 Níveis protocolares Nível Físico Recebe e organiza as células ATM vindas da camada superior e faz transporte de células de e para o meio físico Nível ATM Endereçamento, comutação e encaminhamento de células ATM de acordo com os campos VCI e VPI do cabeçalho Nível AAL (ATM Adaptation Layer) apenas existe nos sistemas terminais esta camada cuida dos diferentes tipos de tráfego. Existem diferentes tipos de Camada de Adaptação para diferentes tipos de tráfego devido às diferentes características de transmissão de um tráfego específico funções de segmentação e reassemblagem para interface com as camadas superiores Existem 4 AAL: AAL1, AAL2, AAL3/4 e AAL

21 Relação entre modelos 41 Divisão funcional da AAL Sub-camada de Convergência (Convergence Sublayer) Dependente do serviço Melhoria do serviço ATM para servir as aplicações Garantia de entrega Multiplexagem Integridade das mensagens Sub-camada de Segmentação e Reassemblagem (Segmentation And Reassembly Sublayer) Segmentação de mensagens para a carga das células Reunificação da carga das células nas mensagens 42 21

22 Classes de serviço ATM (1) Serviços em tempo real Constant bit rate (CBR): orientado à ligação, tráfego síncrono (e.g. voz ou vídeo não comprimido) Real-time variable bit rate (rt-vbr): orientado à ligação, tráfego síncrono (e.g. voz ou vídeo comprimido) Serviços sem relação temporal Non-real-time variable bit rate (nrt-vbr): orientado à ligação, tráfego assíncrono (e.g. X.25, frame relay) Available bit rate (ABR): orientado à ligação, tráfego assíncrono (e.g. Web, ftp) Unspecified bit rate (UBR): sem ligação, redes locais (e.g. trafego LAN, mail) 43 Classes de serviço ATM (2) 44 22

23 Classes de serviço ATM (3) Classe A Serviço Constant Bit Rate CBR serviços de voz (64Kbit/s), vídeo não comprimido e linhas alugadas para redes privadas. AAL1 Classe B Serviço Variable Bit Rate VBR serviços de voz e vídeo comprimidos AAL2 Classe C Serviço de Dados Orientados a Conexão Transferência de dados orientada à conexão e geralmente aplicações de rede onde a conexão é estabelecida antes da transferência de dados. AAL3/4 e AAL5, ambos podem ser usados nesta classe de serviços Classe D Serviço de Dados não Orientados a Conexão serviços de tráfego de datagramas e em geral, aplicações de rede onde nenhuma conexão é estabelecida anteriormente à transferência AAL3/4 e AAL5, ambos podem ser usados nesta classe de serviços 45 Classes de serviço e protocolos AAL 46 23

24 Avaliação Vantagens: Débitos até 622 Mbps utilização eficiente e dinâmica dos recursos da rede Integração de tráfego de características diferentes adequada ao suporte de aplicações com necessidades de QoS adequada aos backbones das redes locais e à ligação de servidores adequada a ambientes WAN e MAN Desvantagens: pouco adequada a LANs (custo, complexidade de configuração e gestão ) 47 24

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES

Capítulo 5: EVOLUÇÃO DAS REDES Capítulo 5: EVOLUÇÃO DS REDES Cap.5 Evolução das Redes - 1 FRME RELY Cap.5 Evolução das Redes - 2 FRME RELY Protocolo de Interface para rede de comutação de pacotes Chaveamento (roteamento) no nível de

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

RCO2. WAN: Frame Relay ATM

RCO2. WAN: Frame Relay ATM RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

2. PROTOCOLOS DE ACESSO

2. PROTOCOLOS DE ACESSO TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 03 ObjetivodaAula 2. PROTOCOLOS DE ACESSO 2.1 HDLC (High Level Data Link Control) 2.2 SLIP (Serial Line Internet Protocol)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Prof. Rodrigo Coutinho Revisão Comutação Comutação é a forma como serão alocados os recursos p/ transmissão na rede Comutação de circuitos Pressupõe existência de caminho físico dedicado Iniciada quando

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Redes de Comunicações Capítulo 6.1

Redes de Comunicações Capítulo 6.1 Capítulo 6.1 6.1 - Técnicas de Comutação 1 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área física, sob o controlo de uma administração única e baseada em circuitos dedicados (exemplo:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM

10. Gestão de Tráfego e QoS ATM. - Parâmetros de desempenho ATM 10. Gestão de Tráfego e QoS ATM - Definições: Célula bem sucedida na entrega Célula errada: célula bem sucedida na entrega ao destinatário correcto, mas com erros. Célula perdida: devido a sobrecarga nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes Ethernet: Camada Física e de Ligação Ethernet, Fast Ethernet, Gigabit Ethernet Redes locais (LAN) As redes locais podem ser caracterizadas por

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Técnicas de comutação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área

Leia mais

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO Flávia Oliveira Santos de Sá Lisboa* Introdução O desenvolvimento da tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) tinha como principais objetivos integrar em uma única rede

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA FRAME RELAY EM REDES CORPORATIVAS Área de Tecnologia da Informação por Cristiano de Lima Marcos Antônio Bene Sanches, Mestre Orientador Itatiba (SP),

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS. Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS. Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS Década de 70 - Uma instrução a cada 100 ns Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns Melhoria de 100 vezes Em 20 anos. Década de 70 56 kbps da ARPANET Melhoria de 10.000 Década

Leia mais

Sistemas de Telecomunicações I

Sistemas de Telecomunicações I Introdução aos Sistemas de Telecomunicações José Cabral Departamento de Electrónica Industrial Introdução aos Sistemas de Telecomunicações 1-16 Introdução aos Sistemas de Telecomunicações Tópicos: Redes

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores Tecnologias de Comutação / Comutação de Pacotes FEUP/DEEC Redes de Computadores MIEEC 2010/11 José Ruela 2 Cenários de comunicação de dados evolução» Os cenários e requisitos de

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Gestão de Tráfego e Qualidade de

Leia mais

APLICAÇÕES, ESTUDOS E A REALIDADE DA TECNOLOGIA FRAME RELAY

APLICAÇÕES, ESTUDOS E A REALIDADE DA TECNOLOGIA FRAME RELAY APLICAÇÕES, ESTUDOS E A REALIDADE DA TECNOLOGIA FRAME RELAY Rodrigo de Souza Ribeiro Uberlândia, Dezembro/2000 APLICAÇÕES, ESTUDOS E A REALIDADE DA TECNOLOGIA FRAME RELAY Rodrigo de Souza Ribeiro Monografia

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

O nível Transporte nas redes ATM

O nível Transporte nas redes ATM O nível Transporte nas redes TM Introdução Estrutura da camada de adaptação TM (L) L 1 L 2 L 3/4 L 5 Comparação entre protocolos L COP Introdução camada L (TM daptation Layer) da rede TM corresponde a

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 26 de Outubro de 2005 1 o Teste A Número: Nome: Duração: 1 hora O teste é sem consulta O teste deve ser resolvido

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Frame Relay UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Frame Relay UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br Frame Relay UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução: Frame Relay Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Usar o exemplo da rede de uma

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Asynchronous Transfer Mode (ATM) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

ATM Asynchronous Transfer Mode. ATM Modelo Protocolar de Referência

ATM Asynchronous Transfer Mode. ATM Modelo Protocolar de Referência ATM Asynchronous Transfer Mode Arquitectura FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela ATM Modelo Protocolar de Referência Plano G Plano C Plano U Protocolos de camadas superiores Camada de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Formato de Frame FR Frame Relay Circuitos Virtuais É um circuito de dados virtual bidirecional configurado entre 2 portas

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching

Fesp - Tópicos Avançados II - Switching SWITCHING Quando o ethernet foi originalmente desenhado, os computadores eram lentos e as redes eram pequenas. Portanto, uma rede rodando a 10 mbps era mais que suficiente para qualquer aplicação. Atualmente,

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9 9. Redes Locais ATM 1 2 Desafios ATM é caracterizado por um serviço do tipo CO (Connection Oriented). Nos níveis superiores, os serviços mais utilizados são do tipo CL (Connectionless) 3 9.1 Suporte de

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES MPLS. Área de Redes. por. Thiago Dias Rabelo de Almeida

UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES MPLS. Área de Redes. por. Thiago Dias Rabelo de Almeida UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESEMPENHO EM REDES Área de Redes por Thiago Dias Rabelo de Almeida Debora Meyhofer Ferreira Orientadora Campinas (SP), outubro de 2009 UNIVERSIDADE

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

RAQUEL COSTA CORRÊA REDES COMUTADAS

RAQUEL COSTA CORRÊA REDES COMUTADAS 1 RAQUEL COSTA CORRÊA REDES COMUTADAS ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DE ENSINO RENOVADO FACULDADE PARAIBANA DE PROCESSAMENTO DE DADOS JOÃO PESSOA 2003 REDES COMUTADAS 2 3 FICHA CATALOGRÁFICA 681.31 C824r CORRÊA,

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Rede Fixa de Telecomunicações

Rede Fixa de Telecomunicações Modos de transferência da informação Arquitectura da rede Áreas funcionais da rede Evolução da rede Mário Jorge Leitão Neste capítulo, começa-se por discutir os modos de transferência de informação utilizados

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Aplicações Cliente/Servidor em Redes de Alta Velocidade Autora: Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 11-1 Evolução das Tecnologias Computação Redes de comunicação

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais