Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio"

Transcrição

1 1 Faculdade Lourenço Filho Curso Tecnológico Redes de Computadores Disciplina: Redes de Alta Velocidade Prof. Rafael Guimarães Pesquisa sobre Redes ATM Sem Fio Antônio Edipo Moliterne de Lima Ariolino Sabóia Dantas Neto Normando Gomes Ribeiro Thiago Rian do Nascimento Lima FORTALEZA, CE 2014

2 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 TECNOLOGIA ATM... 3 BENEFÍCIOS DA TECNOLOGIA ATM... 5 OBJETIVOS DO PROJETO ATM... 7 CAMADAS DO ATM... 7 REDES DE CÉLULAS DE TAMANHO FIXO... 9 CÉLULAS ATM CONEXÕES VIRTUAIS CONTROLE DE QUALIDADE DE SERVIÇO (QoS) NO ATM REDE ATM SEM FIO CONTROLE DE ERRO EM REDE ATM SEM FIO CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 18

3 3 INTRODUÇÃO Trataremos neste trabalho, de forma resumida, da tecnologia de redes de alta velocidade ATM (Asynchronous Tranfer Mode/Modo de Transferência Assíncrona), usada tanto para redes locais como para redes geograficamente distribuídas (LANs e WANs) que suporta voz em tempo real, bem como vídeo e dados. Abordaremos ainda os benefícios e objetivos do projeto, dificuldades na implementação, protocolos e camadas das redes ATM, bem como, seu uso em redes sem fio de alta velocidade. TECNOLOGIA ATM O ATM Modo de Transferência Assíncrona é um protocolo voltado para redes de longas distâncias comutadas e é baseado no protocolo de comutação de células que foi projetado pelo Fórum ATM e depois normatizado pelo ITU-T 1. A combinação com SONET 2 permite a interconexão em alta velocidade de todas as redes do mundo. Segundo Forouzan (2013:449), o ATM pode ser pensado como a autoestrada no termo superautoestrada da informação. Foi desenvolvida no final da década de 1980 e início da década de 1990, vários fatores combinados nortearam a transmissão de dados com velocidades mais altas. Alguns exemplos foram: a evolução das redes de transmissão para a tecnologia digital em meio elétricos, ópticos e rádio; a descentralização das redes e o uso de aplicações cliente/servidor; a migração das interfaces de texto para interfaces gráficas; aumento do tráfego do tipo rajada (bursty) nas aplicações de dados e o consequente aumento do uso de banda; e a demanda por protocolos mais confiáveis e com serviços mais abrangentes. 1 O Setor de Normatização das Telecomunicaçõe em inglês o Telecommunication Standardization Sector, ITU-T é uma área da União Internacional de Telecomunicações (ITU) responsável por coordenar padronizações relacionadas a telecomunicações 2 SONET é a sigla de Synchronous Optical Network. O padrão SONET permite a multiplexação de tráfego de alta velocidade em fibras ópticas.

4 4 Na mesma época consolidava-se o desenvolvimento de outras tecnologias, como o ISDN e o Frame Relay. Entretanto, a crescente necessidade de uso de banda e de classes de serviços diferenciados, de acordo com o tipo de aplicação, levou ao desenvolvimento das tecnologias ATM e B-ISDN (Broadband-ISDN), com padrões e recomendações elaborados por órgãos internacionais de Telecomunicações e suportados pela indústria mundial. A ATM utiliza topologia de comutadores que estabelecem um circuito lógico fim-afim que garante a qualidade de serviço na transmissão (QoS). Porém, os circuitos lógicos que são dedicados para telefonia podem utilizar canais lógicos ociosos do ATM. Por exemplo, pode-se utilizar uma largura de banda inativa de um circuito de vídeo conferência para transferir dados. Basicamente, a tecnologia ATM fornece um meio para enviar informações em modo assíncrono através de uma rede de dados, dividindo essas informações em pacotes de tamanho fixo denominados células (cells). Cada célula carrega um endereço que é usado pelos equipamentos da rede para determinar o seu destino. A tecnologia ATM utiliza o processo de comutação de pacotes, que é adequado para o envio assíncrono de informações com diferentes requisitos de tempo e funcionalidades, aproveitando-se de sua confiabilidade, eficiência no uso de banda e suporte a aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas. É a tecnologia da infra-estrutura básica das operadoras de telecomunicações e grandes corporações, mas nunca se popularizou em redes locais (LAN). O ATM é altamente escalável e suporta taxas de transmissão que começam em 25 Mbps, 51 Mbps, 155 Mbps e superiores. Estas velocidades podem ser atingidas com cabeamento de cobre ou fibra óptica (com a utilização exclusiva de cabeamento em fibra óptica pode-se atingir até Mbps). A rede ATM é sempre representada por uma nuvem, já que ela não é uma simples conexão física entre dois pontos distintos. A conexão entre esses pontos é feita através de rotas ou canais virtuais (virtual path / channel) configurados com uma determinada banda. A alocação de banda física na rede é feita célula a célula, quando da transmissão dos dados. Veja ilustração a seguir:

5 5 Fonte: site BENEFÍCIOS DA TECNOLOGIA ATM Vejamos alguns benefícios oferecidos pela tecnologia ATM quando comparada com outras tecnologias. Emprega a multiplexação estatística, que otimiza o uso de banda; Faz o gerenciamento dinâmico de banda; O custo de processamento das suas células de tamanho fixo é baixo; Integra vários tipos diferentes de tráfego (dados, voz e vídeo); Garante a alocação de banda e recursos para cada serviço; Possui alta disponibilidade para os serviços; Suporta múltiplas classes de Qualidade de Serviço (QoS); Atende a aplicações, sensíveis ou não, a atraso e perda de pacotes; Aplica-se indistintamente a redes públicas e privadas; Pode compor redes escaláveis, flexíveis e com procedimentos de recuperação automática de falhas; Pode interoperar com outros protocolos e aplicações, tais como Frame Relay, TCP/IP, DSL, Gigabit Ethernet, tecnologia wireless, SDH / SONET, entre outros. Possui alta disponibilidade para os serviços;

6 6 Entretanto, sua utilização irrestrita tem encontrado alguns obstáculos, como o fato de outras tecnologias, como o Fast Ethernet, Gibabit Ethernet e TCP/IP, têm sido adotadas com grande frequência em redes de dados, enquanto que o uso de interfaces ATM diretamente aplicadas em PC s, estações de trabalho e servidores de alto desempenho não tem sido tão grande como se esperava a princípio. Composição de uma rede ATM: Equipamentos de usuários (PCs, estações de trabalho, servidores, computadores de grande porte, PABX, etc) com suas respectivas aplicações; Equipamentos de acesso com interface ATM (roteadores de acesso, hubs, switches, bridges, etc); Equipamentos de rede (switches, roteadores de rede, equipamentos de transmissão com canais E1 / T1 ou de maior banda). A conversão dos dados para o protocolo ATM é feita pelos equipamentos de acesso. Os frames gerados são enviados aos equipamentos de rede, cuja função é basicamente transportar esses frames até o seu destino. Ambiente de uma rede uma rede ATM: Fonte: site

7 7 OBJETIVOS DO PROJETO ATM Destacaremos os seis maiores desafios enfrentados pelos projetistas do ATM. 1. A necessidade de um sistema de transmissão para otimizar o uso de meios de transmissão de alta velocidade, em destaque a fibra ótica. Além de oferecer largura de banda amplas, equipamentos e meios de transmissão são muito menos suscetíveis à degradação de ruído. É necessária uma tecnologia para tirar proveito de ambos os fatores e, consequentemente, maximizar as taxas de dados. 2. O sistema tem de realizar uma interface com sistemas existentes e fornecer interconectividade de longa distância entre eles, sem diminuir sua eficácia ou exigir sua substituição. 3. O projeto deve ser implementado de uma forma barata, de modo que o custo não seja uma barreira à sua adoção. Se o ATM deve se tornar o backbone das comunicações internacionais, como pretendido, ele tem de estar disponíveis a baixo custo para todo usuário que desejá-lo. 4. O novo sistema deve ser apto a operar com e suportar as hierarquias de telecomunicações existentes (loops locais, provedores locais, operadoras de longa distância e assim por diante). 5. O novo sistema de ser orientado a conexões para garantir entrega precisa e previsível. 6. Por último, mas não menos importante, o objetivo é transferir o maior número possível de funções para o hardware (para fins de velocidade) e eliminar o maior número possível de funções de software (novamente para fins de velocidade). FOROUZAN (2008:523) CAMADAS DO ATM O padrão ATM define três camadas. De cima para baixo temos: a camada de adaptação de aplicação, a camada ATM e a camada física. Os pontos terminais usam as três camadas, ao passo que os switches usam apenas as duas camadas inferiores.

8 8 A Camada Física Níveis físico e de enlace da OSI que se divide em duas subcamadas: PM (Phyysical Medium/Meio Físico) que trata a transmissão adequada de bits; alinhamento de bits; sinalização na linha e conversão eletro-ótica. TC (Transmission Convergence/Convergência de Transmissão) que transforma fluxo de células em um fluxo de bits; faz o desacoplamento da taxa de transmissão em relação à taxa de geração de células, e o embaralhamento e delineamento de células. A Camada ATM É responsável pela construção, processamento e transmissão das células, e pelo processamento das conexões virtuais. Esta camada também processa os diferentes tipos e classes de serviços e controla o tráfego da rede. Nos equipamentos de rede, esta camada trata todo o tráfego de entrada e saída (multiplexação e demultiplexação), minimizando o processamento e aumentando a eficiência do protocolo sem necessitar de outras camadas superiores. A Camada AAL Camada AAL (ATM Adaptation Layer / Camada de Adaptação e Aplicação) foi desenvolvida para possibilitar dois conceitos de ATM. Primeiro, o ATM deve aceitar qualquer tipo de payload, tanto quadros de dados como fluxos de bits. Um quadro de dados pode vir de um protocolo de camada superior que cria um quadro claramente definido para ser enviado a uma rede portadora, como o ATM. O ATM também deverá transportar payload multimídia. Ele pode aceitar fluxos de bits contínuos e subdividílos em blocos para serem encapsulados em uma célula na camada ATM. Outras funcionalidades da camada AAL Adaptação do serviço de usuário ao modo de transporte como: informação sobre o relógio de serviço (sincronismo); detecção de células estranhas inseridas; detecção de células perdidas; meios para determinar e tratar variação do atraso de células; tornar o nível de rede ATM transparente à aplicação do usuário; segmentação e remontagem em células e multiplexação.

9 9 REDE DE CÉLULAS DE TAMANHO FIXO O ATM utiliza rede de células ao invés de rede de quadro normalmente usados em outras tecnologias. Uma célula é uma pequena unidade de dados de tamanho fixo. Em uma rede de células todos os dados são carregados em células idênticas, que podem ser transmitidas com total previsibilidade e uniformidade. Como quadros de tamanho e formatos diferentes chegam à rede de células de uma rede tributária, eles são divididos em várias pequenas unidades de dados de igual comprimento e carregados nas células. As células são então multiplexadas com outras células e direcionadas através da rede de células. Como cada célula é do mesmo tamanho e todas são pequenas, os problemas associados a multiplexação de quadros de diversos tamanhos são evitados. Veja as ilustrações de Multiplexação usando quadros de tamanhos diferentes: Multiplexação usando células de tamanhos fixos (iguais): Uma rede de células é capaz de lidar com transmissões em tempo real, como uma ligação telefônica, sem as partes perceberem a segmentação ou multiplexação em si. A comutação ATM pode ser feita a nível de hardware, ao contrário do processamento intensivo a nível de software, o que torna simples, previsível e confiável processar células de tamanho fixo. O ATM usa multiplexação por divisão de tempo assíncrona por isso, é chamado de transferência assíncrona para multiplexar células provenientes de diversos canais. Ele usa

10 10 intervalos de tamanho fixo (tamanho de uma célula). Os mutiplexadores ATM preenchem um intervalo como uma célula de qualquer canal de entrada que possua uma célula; o intervalo é vazio, caso nenhum dos canais tenha uma célula para enviar.

11 11 CÉLULAS ATM Cada célula ATM (pacote de tamanho fixo) consiste de um campo de 48 bytes (payload ou carga útil) e um campo de 5 bytes que contém o cabeçalho. As células são transmitidas a partir do byte mais à esquerda e do bit mais à esquerda contido em um byte. Notamos que existem duas interfaces distintas na camada ATM: a UNI que define o limite entre um host e uma rede ATM (normalmente entre o cliente e a concessionária de comunicação); e a NNI que diz respeito à comunicação entre dois comutadores ATM (roteadores na tecnologia ATM). O protocolo UNI provê múltiplas classes de serviços e reservas de largura de banda, durante o estabelecimento de uma conexão virtual comutada. Define também a interoperabilidade entre o equipamento do usuário e a porta do comutador ATM. Vejamos os campos dos Cabeçalhos: VPI Virtual Path identifier: inteiro que seleciona um determinado caminho virtual. VCI Virtual Channel Identifier: seleciona um circuito virtual dentro do caminho escolhido. PTI Payload Type: define o tipo de carga que uma célula contém de acordo com valores definidos para tal.

12 12 CLP Cell Loss Priority: bit que pode ser ativado por um computador na rede para distinguir um tráfego de maior prioridade de um tráfego de menor prioridade. HER Header Error Check: campo de verificação de erro que confere o cabeçalho. Essa verificação não confere a carga. GFC General Flow Control: campo para controle de fluxo. Após o cabeçalho vem a carga útil com 48 bytes de tamanho. No entanto, nem todos os 48 bytes estão disponíveis para o usuário, pois alguns protocolos ALL colocam seus cabeçalhos e trailers dentro da carga útil. O formato NNI é igual ao formato UNI, exceto que o campo GFC não está presente e que são usados 4 bits para que, em vez que 8, o campo GFC tenha 12 bits. A rede ATM não emprega largura de banda compartilhada. Ao contrário, cada porta do switch é dedicada a um usuário. Um switch ATM estabelece uma conexão virtual entre um ponto transmissor e um ponto receptor. Esta conexão é feita com base no endereço de destino de cada célula e permanece ativa somente durante a transferência de uma célula. Estas transferências de dados podem tomar lugar em paralelo e em toda a velocidade da rede. Porque a célula é transmitida somente para a porta associada com um endereço de destino específico, nenhuma outra porta recebe a célula. CONEXÕES VIRTUAIS A tecnologia ATM é baseada no conceito de conexões virtuais. A conexão entre dois pontos terminais é realizada por rotas de transmissão (TPs), rotas virtuais (VPs) e circuitos virtuais (VCs). TP (Transmission Path/Rota de Transmissão) é a conexão física (fio, cabo, satélite etc) entre um ponto terminal e um switch ou entre dois switches. Podemos fazer uma analogia como se dois switches como se fossem duas cidades. Uma rota de transmissão é o conjunto de todas as estradas que interligam diretamente essas duas cidades. Uma rota de transmissão é dividida em várias rotas virtuais.

13 13 VP (Virtual Path/Rota Virtual) fornece uma conexão ou um conjunto de conexões entre dois switches. Imaginemos uma rota virtual como uma rodovia que interliga duas cidades. Cada rodovia é uma rota virtual, já o conjunto de todas as rodovias é a rota de transmissão. VC (Virtual Circuits/Circuitos Virtuais) aqui todas as células pertencentes a uma única mensagem seguem o mesmo circuito virtual e permanecem em sua ordem original até atingir o seu destino. Fonte: Na rede de circuitos virtuais, para direcionar dados de um ponto terminal a outro, as conexões virtuais precisam ser identificadas. Para isso, o ATM utiliza identificadores distribuídos em dois níveis: VPI (Virtual Path Identifier Identificador de Rota Virtual) que define a VP específica. Ele é o mesmo para todas as conexões virtuais que são agrupadas (logicamente) em uma VP; e o VCI (Virtual-Circuit Identifier/Identificador de Circuito Virtual) que estabelece determinado VC dentro da VP. Fonte:

14 14 CONTROLE DE QUALIDADE DE SERVIÇO (QoS) NO ATM O QoS no ATM se baseia nos atributos de classe relacionados com o usuário e em atributos relativos à rede. O Fórum ATM define quatro classes de serviços: CBR (constant-bit-rate/taxa de bits constantes) foi especificada para clientes que precisam de serviços de áudio ou vídeo em tempo real. O serviço é similar àquele fornecido por uma linha dedicada como um linha T. VBR (variable-bit-rate/taxa de bits variável) divide-se em duas subclasses: tempo real (VBR-RT) e não em tempo real (VBR-NRT). A VBR-RT foi especificada para usuários que precisam de serviços em tempo real (como transmissão de voz e vídeo) e usam técnicas de compressão para criar uma taxa de bits variável. O VBR-NRT destina-se aos usuários que não precisam de serviços em tempo real, porém usam técnicas de compressão para criar uma taxa de bits variável. ABR (availabel-bit-rate / taxa de bits disponível): entrega células a uma taxa de dados mínima. Se existir mais capacidade disponível na rede, essa taxa mínima pode ser ultrapassada. O ABR é particularmente adequado para aplicações que são em rajadas. UBR (unspecified-bit-rate/taxa de bits não especificada): é um serviço de entrega best effort (melhor maneira possível) que não garante nada. REDE ATM SEM FIO Em uma análise mais geral, podemos dizer que o objetivo de uma rede ATM sem fio é estender as características das redes ATM tradicionais (vistas anteriormente), de forma transparente, através de um enlace sem fio, para terminais fixos ou móveis. As redes ATM sem fio devem ter capacidade de integrar diversos tipos de tráfego com qualidade de serviço (QoS) garantida. Os principais problemas a serem resolvidos para viabilizar as redes ATM sem fio estão relacionados com o gerenciamento de mobilidade (incluindo gerenciamento de localização, gerenciamento de conexão, roteamento e handoff), protocolo de múltiplo acesso e controle de erro no enlace sem fio. A arquitetura das redes ATM sem fio é ilustrada a seguir.

15 15 Os terminais ATM, fixos ou móveis, comunicam-se com uma estação rádio-base através de um enlace sem fio compartilhado utilizando-se um protocolo de múltiplo acesso. A estação rádio-base faz a interface entre o enlace sem fio e a rede ATM tradicional com fio. A arquitetura de protocolos típica para as redes ATM sem fio é ilustrada abaixo: A camada física possui características adaptadas ao meio de transmissão sem fio; a camada de acesso ao meio é responsável pela implementação do protocolo de múltiplo acesso e a camada de controle do enlace é responsável por implementar os mecanismos de controle de erro. A camada ATM deve ser estendida para incluir funções de gerenciamento de mobilidade. Um dos principais problemas para a viabilização das redes ATM sem fio é o comportamento do rádio-enlace no que diz respeito à taxa de erro de bit. Uma taxa de erro

16 16 de bit elevada resulta em valores inaceitáveis para os parâmetros de controle de qualidade (QoS) CER e CLR (erros não corrigíveis no cabeçalho resultam no descarte da célula ATM), tornando necessária a utilização de mecanismos adicionais de controle de erro. O uso destes mecanismos, por sua vez, reduz a vazão no enlace sem fio e aumenta o tempo necessário para transmitir uma célula, afetando o parâmetro CTD e, possivelmente, o parâmetro CDV. Vejamos o que diz cada parâmetro ou atributo do QoS relativos a rede: erradas. CER (cell error ratio/taxa de erros de células): define a fração das células entregues CLR (cell loss ratio/taxa de perda de células): define a fração de celular perdidas (ou entregues com tamanho atraso que passam a ser consideradas perdidas) durante a transmissão. Se, por exemplo, o emissor transmitir 100 células e uma delas for perdida, o CLR será CLR = 1/100 = 10-2 CTD (cell transfer delay/taxa de perda de células): é o tempo médio necessário para uma célula ir da origem ao seu destino. Os CTDs máximo e mínimo também são considerados atributos. CDV (cell delay variation/variação no atraso de células): é a diferença entre o CTD máximo e o CTD mínimo. CONTROLE DE ERRO EM REDE ATM SEM FIO As redes ATM foram concebidas considerando-se a utilização de meios de transmissão ópticos, que apresentam taxa de erro de bit pequena. Um dos principais problemas de se utilizar o ATM em redes com enlace sem fio está relacionado à taxa de erro neste tipo de enlace, que é variável e pode assumir valores elevados. Para contornar este problema, mecanismos adicionais de controle de erro devem ser incluídos no enlace ATM sem fio. As diversas soluções para controle de erro em redes ATM sem fio, propostas nas literaturas, incluem: utilização apenas de ARQ (Automatic Repeat Request/Correção de Erro

17 17 por Retransmissão), limitando-se o número de retransmissões para aplicações sensíveis a atraso; e a utilização de FEC (Forward Error Correction/Correção Antecipada de Erros) podendo-se utilizar códigos concatenados, associado ou não à utilização de ARQ para a retransmissão de pacotes que ainda contenham erro após a decodificação FEC; utilização de FEC, com um código para proteger o cabeçalho e outro para proteger o payload; utilização de FEC adaptativo, associado ou não à utilização de ARQ; utilização de FEC com maior capacidade que o especificado para o HEC (Correção de Erro Hibrida que utiliza o FEC e o ARQ), adaptativo ou não, para proteger o cabeçalho. Na forma tradicional de implementação, o código a ser utilizado, na solução FEC ou ARQ, é fixado de modo a se alcançar os parâmetros de QoS desejados, considerando-se a maior taxa de erro de bit no enlace. Esta solução é denominada de sistema não-adaptativo e, embora simples, não leva em conta que a taxa de erro de bit no canal é variável e, portanto, não otimiza a utilização da capacidade do enlace sem fio. Esquemas adaptativos, onde o código é escolhido de acordo com a taxa de erro de bit no canal, melhoram o desempenho do sistema, mas são de maior complexidade de implementação, uma vez que é necessário obter uma estimativa da taxa de erro no canal para se definir o código e ter codificadores/decodificadores capazes de implementar códigos com diferentes taxas. CONCLUSÃO Em nossa pesquisa, realizada tanto em livros como em sites especializados, chegamos à conclusão que o ATM é uma tecnologia baseada na transmissão de pequenas unidades de informação de tamanho fixo e formato padronizado, denominadas de células. Essas células são transmitidas através de conexões com circuitos virtuais, sendo seu encaminhamento baseado em informação de um cabeçalho contido em cada uma delas. O padrão ATM surgiu como uma tecnologia capaz de unir alta velocidade com qualidade de transmissão, suportando diferentes serviços que possuem necessidades diferentes, garantindo uma taxa constante de fluxo de dados como voz, vídeo, imagens, multimídia, telefonia. Assim foi eleito o modo de transferência para as Redes Digitais de Integração de Serviços de Banda Larga.

18 18 Em relação à rede ATM sem fio, podemos dizer que o objetivo é expandir as características das redes ATM tradicionais que utiliza fio de cobre ou fibra ótica, através de um enlace sem fio, para terminais fixos ou móveis. Ou seja, as redes ATM sem fio devem ter capacidade de integrar diversos tipos de tráfego sempre garantindo a qualidade de serviço prestado, embora enfrente alguns problemas das redes sem fio tradicional. O ATM sem fio sofre com a utilização de mecanismos de controle de erro que resulta na diminuição da taxa de erro de bit residual e no aumento do número de bits transmitidos no rádio-enlace, reduzindo assim a vazão e aumentando o tempo de transmissão das células ATM. Mesmo não tendo ganhado o mundo, a tecnologia ATM continua sendo muito usada em nichos, incluindo linhas de acesso de banda larga, como DSL e enlaces de WAN dentro das redes telefônicas. Segundo Tanenbaum, A ATM é uma tecnologia, (o que fica oculta para os usuários) e um serviço (o que é visível para os usuários). Às vezes o serviço é chamado de Cell relay, uma analogia ao frame relay. (TANENBAUM, 1997, p. 70). BIBLIOGRAFIA Brito, José Marcos Câmara Brito. Controle de Erro em Redes ATM sem fio. Unicamp, Campinas-SP, Brito, J. M. C. e Bonatti, I. S., Uma Comparação entre FEC e ARQ para Tráfego em Tempo Real em Redes ATM sem Fio, Anais do 19º Simpósio Brasileiro de Telecomunicações (SBrT 2001), 6 páginas, Fortaleza, Brasil, de Setembro de Boavida, Fernando e Bernardes, Maria. TCP/IP Teoria e Prática. 1ª ed. FCA, Lisboa-PT, Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. Tradução Ariovaldo Friese, 4ª ed. MacGraw Hill, São Paulo, 2008/2010.

19 19 Forouzan, Behrouz A. Protocolo TCP/IP. Tradução José Eduardo Nóbrega, 3ª ed. MacGraw Hill, São Paulo, Forouzan, Behrouz A e Mosharraf, Firouz. Redes de Computadores: Uma abordagem Top- Down. Tradução Marcos A. Simplício Jr e Charles Christian Miers, 3ª ed. AMGH, Porto Alegre, José Gouveia e Alberto Magalhães. Redes de Computadores (Curso Completo). [S.l.: s.n.]. Formato da célula ATM. Página visitada em 17/04/2014. TANENBAUM, Andrew S. Rede de computadores: Tradução da Computer Networks 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, TANENBAUM, Andrew S. Rede de computadores: Tradução da Computer Networks 4. ed. Rio de Janeiro: Campus, TANENBAUM, Andrew S e Wetherall, David. Rede de Computadores: Tradução de Daniel Vieira; revisão técnica Isaías Lima, 5. ed. Pearson Prentice Hall. São Paulo, Site Seção tutoriais banda larga. Visitado em 20/4/2014.

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

TELECOMUNICAÇÕES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - REDES PARA INFORMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Muito se falou sobre telecomunicações aplicadas as diversas áreas da comunicação. Todas as áreas de uma forma ou de outra são dependentes da computação/informática

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

RCO2. WAN: Frame Relay ATM

RCO2. WAN: Frame Relay ATM RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

2. PROTOCOLOS DE ACESSO

2. PROTOCOLOS DE ACESSO TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 03 ObjetivodaAula 2. PROTOCOLOS DE ACESSO 2.1 HDLC (High Level Data Link Control) 2.2 SLIP (Serial Line Internet Protocol)

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 4 Comutação Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Comutação de Circuitos Comutação de Mensagens Comutação de Pacotes Redes Orientadas a Conexões Tecnologias Atuais

Leia mais

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO

REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO REDES ATM DE ALTO DESEMPENHO Flávia Oliveira Santos de Sá Lisboa* Introdução O desenvolvimento da tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) tinha como principais objetivos integrar em uma única rede

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Disciplina: Redes de Computadores I (R1)

Disciplina: Redes de Computadores I (R1) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Agrícola de Teresina Campus da Socopo Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores I (R1) Orientada a Conexão Primeira rede pública

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV Tutorial ATM Prof. Nilton Alves Objetivos e Público Alvo Abordar os Conceitos Básicos Definir Principais Siglas Comentar Problemas e Pespectivas Apresentar Estudo de Caso Equipamentos IBM no CBPF/REMAV

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Asynchronous Transfer Mode (ATM) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do protocolo ATM, suas características e aplicações. Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79), tendo atuado nas áreas

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

1.264 Aula 23. Trabalhos da Internet: Integração de LANs para WANs

1.264 Aula 23. Trabalhos da Internet: Integração de LANs para WANs 1.264 Aula 23 Trabalhos da Internet: Integração de LANs para WANs Resumo da rede Repetidores, Pontes, Roteadores, Gateways (Centrais de Trânsito Internacional) Os repetidores apenas se estendem para as

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Suporte de rede para comunicação multimídia

Suporte de rede para comunicação multimídia Universidade Federal de São Carlos UFSCar Departamento de Computação DC Grupo de Sistemas Distribuídos e Redes GSDR Disciplina: Estrutura de Aplicações Distribuídas e Multimídia Orientador: Dr. Sérgio

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito

Pós-Graduação em Segurança da Informação Exercícios de Redes de Alta Velocidade Professor : Marco Antônio C. Câmara - 15/03/2014. Aluno(a) : Gabarito Aluno(a) : Gabarito 1 a. Questão : Com base no estudo dos aspectos de segurança de redes que afetam a performance, para cada uma das afirmações abaixo, assinale (C)erto ou (E)rrado. No caso da opção estar

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores BC-0506: Comunicação e Redes Aula 03: Princípios de Redes de Computadores Santo André, 2Q2011 1 Comutação Comutação (chaveamento): alocação dos recursos da rede para a transmissão pelos diversos dispositivos

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

5. Camada ATM (I.361)

5. Camada ATM (I.361) 5. Camada ATM (I.361) 5.1 Estrutura da célula Bits8 7 6 5 4 3 2 1 Cabeçalho (5 octetos) Campo de informação (48 octetos) 1... 5 6..... 53 octetos - Os octetos são enviados por ordem crescente começando

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro

Estrutura do Trabalho. Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Redes ATM Estrutura do Trabalho Conceito Histórico Características Básicas Modo de Operação Integração com outras Tecnologias Tendências para o Futuro Conceito O Modo de Transferência Assíncrono(ATM) é

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

TECNOLOGIA DE ACESSO A REDES Prof. André Ciriaco andreciriaco@hotmail.com Aula 02 Objetivo da Aula Apresentação da Atividade PO última aula 1.5. Redes WAN Conceitos 1.5.1 Redes Wan -História 1.5.2 Elementos

Leia mais

APLICAÇÕES DE TELECOMUNICAÇÃO PARA MODERNOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO FERROVIÁRIA

APLICAÇÕES DE TELECOMUNICAÇÃO PARA MODERNOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO FERROVIÁRIA PAINÉIS DE SINALIZAÇÃO APLICAÇÕES DE TELECOMUNICAÇÃO PARA MODERNOS SISTEMAS 08 Novembro 2006 APLICAÇÕES DE TELECOMUNICAÇÃO PARA MODERNOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO FERROVIÁRIA APRESENTADOR: ASHOK SAMGI 1

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais