Processamento de sinais. Processamento de sinais. Mídia digital. Imagem digital. Envolve um conjunto de conceitos básicos: Pontos a serem abordados:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processamento de sinais. Processamento de sinais. Mídia digital. Imagem digital. Envolve um conjunto de conceitos básicos: Pontos a serem abordados:"

Transcrição

1 Processamento de sinais Processamento de sinais Envolve um conjunto de conceitos básicos: Análise espectral; Teoria de sampling; Equações diferenciais parciais. Pontos a serem abordados: Imagem digital Vídeo digital Som digital Slide 46 Slide 47 Mídia digital Imagem digital Pontos superiores em relação à mídia analógica Robustez A qualidade não cai à medida que cópias são feitas Integração suave Envolve a integração de diferentes mídias Independência dos dispositivos de captura Reusabilidade e veiculação Com a ajuda de padrões, há maior reuso e facilidade na troca Maior potencial de distribuição Milhares de cópias podem ser distribuídas por um único comando Podem ser capturadas diretamente por uma câmera digital ou indiretamente por um scanner É composta por uma coleção de pixels que são arranjados como uma matriz 2D Cada pixel consiste de três componentes: R(red vermelho) G(green verde) B(blue azul) O fósforo do monitor brilha com a excitação provocada por um canhão eletrônico na intensidade de seus componentes Slide 48 Slide 49

2 Qualidade da imagem digital O número de linhas e colunas de uma imagem digital constitui sua resolução Exemplo: uma imagem 1024x768 tem 1024 linhas e 768 colunas, ou seja, requer o armazenamento de pixels! O número de bits usados para representar um pixel é chamado de profundidade da cor Exemplo: uma imagem com 16 bits de cor permite cores diferentes por pixels! A combinação entre a resolução de uma imagem e da profundidade da cor é que determina sua qualidade e seu tamanho para armazenamento Reduzindo o tamanho de uma imagem Três abordagens possíveis: Índice de cor Subsampling de cor Redução espacial Slide 50 Slide 51 Índice de cor Subsampling de cor Utiliza uma palheta de cor com um número limitado de bits para representar as cores mais usadas Aproveita se também do fato que o olho humano percebe uma cor diferente quando duas cores diferentes estão lado a lado O ser humano percebe uma cor como uma combinação entre brilho, matiz e saturação e não como uma combinação RGB A visão humana é mais sensitiva a variações na luminância (ou brilho) do que na crominância (ou diferença de cor) A técnica é se aproveitar disso representando a imagem diminuindo os bits para exibir a crominância enquanto se mantém a luminância inalterada Slide 52 Slide 53

3 Redução espacial Também conhecida como compressão de dados, reduz o tamanho pela remoção de redundâncias espaciais dentro das imagens Vídeo Digital É composto de uma seqüência de quadros (imagens) que dão a noção de movimento O sistema visual humano (HVS human visual system) capta qualquer coisa acima de 20 quadros por segundo como movimento suave Movimentos mais rápidos exigem mais quadros por segundo (como Fórmula 1) Movimentos mais lentos exigem menos quadros mantendo a qualidade (como videoconferência) Slide 54 Slide 55 Áudio digital Ondas de som geram oscilações de pressão no ar que estimulam o o sistema auditório humano A faixa de freqüência captada pelo ouvido humano varia de 20Hz a 20KHz A taxa de exibição de um áudio com qualidade de Compact Disk (CD) é de 44,1 KHz. Dessa forma, ele pode acomodar a mais alta freqüência do ouvido humano (20 KHz). O som de telefone adota uma taxa de amostragem de 8KHz. Isto pode acomodar a mais sensível freqüência do ouvido humano Elementos do processamento de sinais Mapeamento analógico não-linear (vídeo e áudio) Quantização do sinal analógico Caracterização estatística Estimativa de movimento Combinação com as limitações do sistema visual humano Representação e modelo de movimento Representação 3D Procesamento de cor Slide 56 Slide 57

4 Desafios do processamento de sinais Pré e pós-processamento Exemplo de pré: estimativa de movimento Exemplo de pós: redução das perdas por compressão; sincronização labial Processamento de voz, áudio e acústico para multimídia Compressão do sinal de voz e áudio Síntese de voz Processamento acústico e controle de eco Cancelamento do eco de rede Desafios do processamento de sinais Processamento do sinal de vídeo Principais vantagens sobre o vídeo analógico: Compressão de banda Robustez contra ruídos no canal provocados pela interatividade Facilidade de manipulação Muito ainda tem que ser trabalhado! Busca em conteúdo baseado em imagem Métodos baseados em textura Métodos baseados na forma Métodos baseados na cor Slide 58 Slide 59 Marcas d água Técnicas de marca d água Busca proteger os direitos autorais evitando a cópia não-autorizada através da aplicação de técnicas baseadas em criptografia Algoritmos rápidos de criptografia e descriptografia são fortemente recomendados No caso da manipulação dos dados, seja de forma legal ou ilegal, o produto modificado não é autêntico em relação ao original São divididas em duas estratégias básicas: Esquema cego requer a imagem original Esquema não-cego Requer a imagem original como entrada Detectores dessa forma têm a vantagem de poder detectar a presença da marca d água mesmo depois da imagem ser modificada de diversas formas Slide 60 Slide 61

5 Principais características Principais características (continuação) Invisibilidade perceptiva podem degradar a percepção visual da imagem Detecção confiável A detecção da marca d água deve ser feita de forma confiável evitando ataques por tentativa e erro Múltiplas marcas d água Deve ser possível incluir um número significativo de marcas d água em uma mesma imagem Robustez Deve ser robusta a modificações na imagem até um certo grau Chave associada Devem ser associadas a um número de identificação Slide 62 Slide 63 Tipos de ataques a marcas d água Tipos de ataques (continuação) AT1 Ataques básicos Compressão com perda; Descarte de quadro; Reescalonamento temporal (mudanças na ordem dos quadros) AT2 Ataques simples Adição de ruído, mudança de formas AT3 Ataques normais Mudança de escala AT4 Ataques aperfeiçoados Perturbações geométricas aleatórias, como permutações locais de pixels AT5 Ataques avançados Deleção/inserção de marcas d água Estimativa estatísticas de marcas d água Slide 64 Slide 65

6 Ataques a marcas d água Fluxos de voz e áudio Domínios de aplicação Meta-dados Proteção de cópia Garantia de propriedade Ataques nãointencionais AT1 AT2 AT3 Talvez Ataques intencionais AT4 AT5 Todo Decodificador Há quatro elementos básicos: O conteúdo de informação comprimido (codificado) O conteúdo, que é armazenado em um servidor O servidor, que é conectado à Internet e/ou possivelmente outras redes (ATM, POTS ou frame relay) Os clientes Autenticação e verificação Alguns Monitoramento broadcast Comunicação secreta Talvez Talvez Slide 66 Slide 67 Fluxos de vídeo Técnicas práticas para aperfeiçoamento do desempenho em fluxos de vídeo podem ser divididas em quatro áreas: Gerenciamento do buffer do lado do cliente Técnicas de diminuição na taxa de erro de transmissão Técnicas de codificação que minimizem erros Mecanismos de controle da mídia Sistemas multimídia distribuídos Slide 68 Slide 69

7 Sistemas multimídia distribuídos SMD (Sistemas Multimídia Distribuídos) São sistemas integrados de comunicação, computação e informação Subsistema de comunicação Televisão interativa (...) que permitem o processamento, gerenciamento, entrega e apresentação Subsistema de computação Subsistema de informação SMD Telecooperação Hipermídia de informação multimídia sincronizada que a qualidade do serviço garante Slide 70 Slide 71 Principais características de um SMD Integração tecnológica Integra os subsistemas de informação, comunicação e computação para formar um ambiente de processamento digital unificado Integração multimídia Dados contínuos e discretos no mesmo ambiente Desempenho real-time Grande volume de armazenamento Altas taxas de transmissão na rede Grande exigência de CPU Principais características (continuação) Suporte fim-a-fim de QoS Interatividade Requer comunicação duplex Suporte a sincronização multimídia Suporte à padronização Slide 72 Slide 73

8 Gerenciamento de recursos em um SMD As garantias de QoS oferecidas por um SMD têm as seguintes características: Gerenciamento de recursos global e testes de controle de admissão para garantir o nível desejado de QoS Especificação quantitativa (probabilidade de perda de pacotes e variação estatística do retardo) ao invés de descrição qualitativa. Isso permite abrigar uma gama maior de serviços Gerenciamento dinâmico, o que significa que a QoS é dinamicamente ajustada ao invés de ser estatisticamente mantida durante o tempo de vida da conexão O subsistema de comunicação A rede transmite tráfego multimídia para satisfazer garantias de QoS de forma fim-a-fim O meio de transmissão pode ser cabeado (cabo coaxial, par trançado, fibra ótica) ou sem fio (infravermelho, canais de rádio ou satélite) RTP (Real-Time Transport Protocol) RVSP (Resource Reservation Protocol) Slide 74 Slide 75 IP Multicast Resource Reservation Protocol (RSVP) Controle de policiamento Controle de admissão Roteador aplicação Bloco RSVP Roteador Classificador de pacotes Escalonador de pacotes Slide 76 Slide 77

9 RSVP Oferece garantias de QoS em sistemas heterogêneos através da Internet com comunicação multiponto-multiponto Iniciado pelo receptor Dois tipos de mensagem são utilizadas: PATH para determinar o caminho e com uma especificação de fluxo para o endereço de destino multicast RESV para reservar recursos a partir do receptor Arquitetura integrada de gerenciamento Uma das maiores dificuldades no oferecimento de garantias de QoS na Internet é a de integrar o gerenciamento de recursos em sistemas tão heterogêneos Várias questões são levantadas: Gerenciamento de falhas Gerenciamento de configuração Gerenciamento de segurança Gerenciamento de conta e cobrança Slide 78 Slide 79 Introdução a ATM ATM é orientado a conexão A tecnologia ATM (Modo de Transferência Assíncrono) realiza as seguintes funções principais: Multiplexação assíncrona de pequenos pacotes chamados de células seguindo um fluxo maior Faz o switching de células durante o transporte se necessário Permite que células cheguem ao destino saindo desse fluxo maior Estabelece uma seqüência de comutações da origem para o destino chamada de Conexão de Circuito Virtual (VCC) O VCC pode ser estabelecido para comunicação simplex, duplex, multicast ou broadcast Uma conexão virtual (VC) é uma conexão entre dois nós comutadores, de forma que um VCC é composto por vários VCs Slide 80 Slide 81

10 Tipos de VCs VC permanente (PVC) Criado pelo administrador da rede e com tempo de vida geralmente maior VC comutado (SVC) Para conexões estabelecidas dinamicamente Para simplificar o gerenciamento dos VCs, alguns deles são agrupados com o mesmo código inicial e final e são chamados de VPs (Virtual Paths) VPI/VCI Identificador de VP e de VC Parâmetros de QoS no ATM Taxa sustentável Taxa no pico Tamanho da rajada máxima Taxa de perda de células Retardo máximo fim-a-fim Variação máxima do retardo Slide 82 Slide 83 Sistemas operacionais multimídia Aplicações multimídia distribuídas Sistemas operacionais multimídia possuem várias novas restrições com relação a SOs convencionais em várias áreas: Gerenciamento de CPU Escalonamento em tempo real: Earliest Deadline First (EDF) Gerenciamento de memória Focaliza em evitar o swap Gerenciamento de entrada/saída Continuidade do fluxo requer eficiência de I/O Gerenciamento do sistema de arquivos Novos requisitos para tempo real TV interativa Requer altas taxas de transmissão e requisitos de QoS pontuais Difícil de prover na Internet atual Vídeo sobre demanda Telecooperação Telemedicina Hipermídia A Web (Internet) Slide 84 Slide 85

11 TV interativa Principais componentes: Set-Top Box ou terminal Rede de acesso Servidor baseado na rede Interface com o usuário poderosa TV Interativa - VoD Vídeo sobre demanda (VoD) é uma importante aplicação da TV interativa Servidor de vídeo Rede de banda larga Set-top boxes Set-Top Box Interface Rede de acesso Servidor Fluxo do sinal Fluxo de dados Gateway de serviço Slide 86 Slide 87 TV Interativa Gateway de serviços Principais funções: Serviço de diretório para prover navegação de menu e escalonamento de programas Mapeamento do serviço de identificação para a correspondente localização e provisão de programas Controle, coordenação e sinalização para o estabelecimento, manutenção e desconexão de sessão multimídia Gerenciamento de sistema, incluindo o gerenciamento de operação, de falha, configuração, de recursos e de performance Manutenção e conta do perfil de assinante Comunicação segura para prevenir acesso não- autorizado, incluindo autenticação, criptografia e embaralhamento Telecooperação Também conhecida como CSCW (Computer- Suported Cooperative Work) Classificada em: Síncrona centralizada Síncrona distribuída Assíncrona centralizada Assíncrona distribuída Três principais tipos de aplicações: multimídia Autoria colaborativa Conferência multimídia Slide 88 Slide 89

12 Modelo de Rede de Telecooperação Agente de colaboração de grupo Telecooperação multimídia SMTP (ple Mail Transfer Protocol) - concentrado apenas no envio de informação ASCII Rede multicast, multiponto e multiserviço Agente de colaboração de grupo Agente de colaboração de grupo MIME (Multipurpose Internet Mail Extensions) especifica um conjunto de regras de codificação e definições de cabeçalho que descrevem novos tipos de conteúdo (imagem, vídeo ou áudio) e a estrutura de mensagens para embutir informação multimídia Slide 90 Slide 91 Telecooperação - Autoria colaborativa Atividade de edição e composição colaborativa de um documento multimídia por um grupo de pessoas Pode ser síncrona ou assíncrona Telecooperação - Conferência multimídia Suporta participantes com colaboração síncrona trocarem informações entre si Há duas abordagens para a implementação de sistemas de cooperação com suporte a computador: Colaboração transparente Colaboração ciente Cada indivíduo trabalha numa parte. O produto final é a soma do esforço dos participantes Slide 92 Slide 93

13 Slide 94 Hipermídia São serviços de obtenção de informação que requerem serviços comutados ponto-a-ponto e multiponto-a-ponto HT, HTTP, CGI,... Características básicas: Nós de informação Links Grafo de nós e links distribuídos Navegação de documentos Ferramentas de autoria Sistema de banco de dados para manter a informação multimídia compartilhada Slide 95 Demonstração do HyperProp 2003 TeleMídia Lab, PUC-Rio Estrutura básica do Hyperprop User Interface Converters Player Loader Document Handler Pre-fetching Scheduler Players Formatter-Player Hypermedia System SOE Presentation Scheduler Object Loader NCM Document Base Communication System 2003, TeleMídia Lab, PUC-Rio SMIL Document Base Server Estrutura completa do Hyperprop ElasticTime Adapters PIC Context Management Adapters Presentation CompileTime Builder Presentation RuntimeBuilder QoSAdmission PIC InterObject QoSNegotiator IntraObject QoSNegotiator User Interface Presentation Scheduler QoS Requester Client Admission PreFetching Scheduler Players Provider Admission PreFetching Builder Communication Provider Player Loader Server Admission Converters Hypermedia System SOE Formatter-QoS Provider Document Handler Object Loader Formatter-QoS Manager NCM Document Base Communication System PreFetching Monitor IntraObject QoSTuner PreLoading Monitor PIC Client Tuning SMIL Document Base PreFetching Tuner QoS Requester Communication Provider Provider Tuning Server QoSTuning Server Tuning InterObject QoSTuner Slide 96 Slide 97

14 Padrões Padrões Padronizar é importante para balancear o que é teoricamente possível do que é tecnologicamente aceitável Padrões só podem ser aceitos no mercado se o custo/desempenho for bem balanceado Isso é especialmente importante no campo áudio/visual onde uma gama enorme de algoritmos existe mas apenas alguns são passíveis de implementação Slide 98 Slide 99 Exemplos de padrões Mais exemplos de padrões MPEG-1 Taxa de bits na ordem de 1.5 Mbps MPEG-2 Codificação de alta qualidade para transmissão mídia digital a taxas de dados de 2 a 50 Mbps Pode ser usado em TV Interativa, em aplicações científicas ou de negócios MPEG-4 Provê ferramentas e algoritmos para codificar tanto aúdio e vídeo natural quanto sintético e capacidade de representar a informação áudio-visual no terminal do usuário de uma forma tremendamente flexível MPEG-4 VTC Extensão do MPEG-4 JPEG2000 Provê taxa de distorção e desempenho superiores na qualidade subjetiva de imagem Funcionalidades não previstas nos padrões atuais ou previstas ineficientemente MPEG-7 Seu objetivo é facilitar a navegação e busca de conteúdo multimídia MPEG-21 Contém informação de apresentação áudio-visual Padrões ITU-T e da Internet Codificação de voz e vídeo e internet (IP, RTP etc) Slide 100 Slide 101

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes

Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Serviços de Mídia Contínua Em Redes de Pacotes Caracterização das Aplicações e Requisitos PUC -Rio Departamento de Informática Luiz Fernando Gomes Soares lfgs@inf.puc-rio.br Tópicos Aplicações de Banda

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Introdução à Multimédia conceitos

Introdução à Multimédia conceitos 1. Introdução à Multimédia conceitos Popularidade mercado potencial aparece nos anos 90 Avanços Tecnológicos que motivaram o aparecimento/ desenvolvimento da MULTIMÉDIA Indústrias envolvidas - Sistemas

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles

Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles Multimídia para Web e Intranet Prof. M. Sc. Carlos de Salles Curso de Especialização em Redes de Computadores Departamento de Informática Universidade Federal do Maranhão www.deinf.ufma.br/~csalles/disciplinas.htm

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

Sistemas Multimídia. Ementa do Curso

Sistemas Multimídia. Ementa do Curso Sistemas Multimídia Jauvane C. de Oliveira, Ph.D. http://www.lncc.br/~jauvane Instituto Militar de Engenharia Ementa do Curso Representação de Informação Multimídia Digitalização Mídias Texto, Imagem,

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face

Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Capítulo 10 Emulando a Conversação e Trabalho Face-a-Face Prof. Roberto Willrich 14:48 Emulando a Comunicação e Trabalho F-a-F Objetivo do Capítulo Apresentar algumas aplicações multimídia que permitem

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Padrões ITU-T H.261 e H.263

Padrões ITU-T H.261 e H.263 Padrões ITU-T H.261 e H.263 Acadêmicos: Orlando L. Pelosi Jr. Rodrigo Matheus da Costa Vinicius Mariano de Lima Professor: Prof. Adair Santa Catarina Vídeo Digital Vídeos são compostos por frames que contém

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores - 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores - 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de Computadores - 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 1.1 Introdução 1.2 Motivações 1.3 Transmissor, Receptor e Canal de Comunicação 1.4 Protocolos e Modelo de Camadas 1.5 Serviços de Rede 1.6

Leia mais

KX-VC600 Videoconferência IP Full HD

KX-VC600 Videoconferência IP Full HD Quebrando as barreiras da distância A Unidade de videoconferência IP FullHD Panasonic KX-VC600, foi projetada para diminuir a distância, e agilizar reuniões e atividades em grupos, ajudando a diminuir

Leia mais

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD

KX-VC300 Unidade de Videoconferência HD Quebrando todas as barreiras da distância Essa compacta Unidade de videoconferência HD KX-VC300, foi projetada para diminuir a distancia, e agilizar reuniões e atividades em grupos, ajudando a diminuir

Leia mais

Modelo de Referência OSI

Modelo de Referência OSI Modelo de Referência OSI Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Modelo OSI- 1 A necessidade de padronização Década de 70 : Sucesso das primeiras redes de dados (ARPANET,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Kurose Redes de Computadores e a Internet Uma Abordagem Top-Down 5ª. Edição Pearson Cap.: 1 até 1.2.2 2.1.2 2.1.4 Como funciona uma rede? Existem princípios de orientação e estrutura?

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Sistemas M ultimídia. Introdução. Midia. O que é multimídia?

Sistemas M ultimídia. Introdução. Midia. O que é multimídia? Midia Sistemas M ultimídia Adilson Barboza Lopes Departamento de Informática e Matemática Aplicada CCET/UFRN adilson@ dim ap.ufrn.br Meio para apresentar e distribuir informação tal como o livros, telefone,,

Leia mais

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL

Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Introdução à MULTIMÍDIA E REALIDADE VIRTUAL Processo de Comunicação Emissor Mensagem Receptor Canal / Meio Processo de Comunicação Interpretação da Mensagem pode sofrer distorção (ruídos) Após interpretação,

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações

Bibliografia. Termos comuns em VoIp. Termos comuns em VoIp. Programa de Telecomunicações Introdução a conceitos de hardware e software de computador. Introdução a sistemas operacionais: Microsoft Windows e Linux. Conceitos básicos e utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS. Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS. Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS Década de 70 - Uma instrução a cada 100 ns Década de 90 Uma instrução a cada 1 ns Melhoria de 100 vezes Em 20 anos. Década de 70 56 kbps da ARPANET Melhoria de 10.000 Década

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação

Imagem digital. Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital Configuração de 640 x 480 e 24 bits/pixel (RGB) 7,37 Mbits Solução compactação Imagem digital - compactação - JPEG Joint Photographic Experts Group Definido no padrão internacional 10918

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.)

Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Gerencia de Rede (Desempenho) Professor: Guerra (Aloivo B. Guerra Jr.) Tópicos Gerencia de Rede Motivação da Gerência Desafios Principais Organismos Padronizadores Modelo Amplamente Adotado As Gerências

Leia mais