CHECK LIST PARA ANÁLISE EMERGÉTICA DE AGROECOSSISTEMAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHECK LIST PARA ANÁLISE EMERGÉTICA DE AGROECOSSISTEMAS."

Transcrição

1 CHECK LIST PARA ANÁLISE EMERGÉTICA DE AGROECOSSISTEMAS. Enrique Ortega Laboratório de Engenharia Ecológica FEA - Unicamp, CP Campinas, SP, Brasil. Análise emergética de agroecossistemas O diagrama seguinte (Brandt-Williams e Odum, 1998) ilustra, de maneira simplificada, o funcionamento de um ecossistema organizado para a produção de alimentos. Estoque local não renovável I M S F Materiais, bens e combustíveis Serviços e mão-de-obra Recursos Renováveis Trabalho do ambiente N R Uso econômico Y Emergia do sistema P Produção de energia do sistema Figura 1 Diagrama simplificado de um agro-ecossistema Relações emergéticas básicas: Contribuições provenientes da sociedade (economia): F = M + S Contribuições da natureza: I = N + R Produção emergética do sistema: Y = I + F Os fluxos colocados no diagrama são listados a seguir: I : A natureza fornece energia renovável (R) e não renovável (N). R: Fluxo de recursos naturais renováveis (trabalho do ambiente). 1. Energia solar direta (chuva, vento e irradiação derivada da luz do Sol); 2. Marés (a força gravitacional da Lua atua nos sistemas à beira mar); 3. Soerguimento geológico (produzido pela energia interna da Terra); 4. Produtos dos ecossistemas naturais que contribuem para o bem-estar da população local e a produção rural, se consumidos a taxas abaixo da velocidade de reposição. N: Fluxo do estoque de recursos naturais não renováveis (desgaste do ambiente). 5. Solo, depósitos de água, biomassa vegetal e animal de ecossistemas naturais consumidos pelo homem a taxas acima da velocidade de reposição. 1

2 F: Contribuição da economia, que retroalimenta materiais (M) e serviços (S). M: Fluxo de materiais, combustíveis e bens provenientes da atual economia. 6. Insumos agrícolas (fertilizantes, pesticidas, calcário); 7. Ãgua para irrigação (em dutos, canais e sulcos); 8. Energéticos (combustíveis e eletricidade); 9. Máquinas para a produção agrícola e agro-industrial (bens de capital); 10. Animais de lavoura; S: Fluxo de serviços e mão-de-obra. 11. Trabalho humano direto e indireto (administração, informação); 12. Ações governamentais (controle de preços, educação, saúde, comunicações, impostos, infra-estrutura); 13. Subsídios diretos ou compensações econômicas do governo; 14. Recursos financeiros (projeto, capital inicial, capital de giro); 15. Impacto econômico das leis e normas reguladoras (meio ambiente, trabalho, etc.); 16. Determinação de preço pelas forças do mercado: organização dos países (mercados regionais), dos intermediários (mercado da bolsa de futuros), dos produtores de alimentos (cooperativas, sociedades, etc.), organização dos consumidores de alimentos; 17. Cultura (imagem da qualidade e valor dos alimentos). Y: Produção desejada e não desejada do sistema: 1. Produto principal e produtos secundários (subprodutos); 2. Resíduos da lavoura e do beneficiamento agro-industrial e do tratamento de resíduos (se não forem reciclados); 3. Lixiviação (desperdício de fertilizantes, pesticida); 4. Pessoas; 5. Biodiversidade; 6. Gases; 7. Solo perdido; Observações: Esta listagem é o resultado de diversas experiências de análise emergética de sistemas agrícolas e agro-industriais realizadas no Brasil (Comar, 1990; Lanzotti e Ortega, 1998; Ortega, Comar e Safonov, 1999; Ortega e Polidoro, 1998, Ortega, 1998; Ortega, 1999). Esta lista de fatores ainda pode ser melhorada, como mostram Ortega e Miller (2000). Aproveitamento de dados para projetos e planejamento regional no Brasil Os dados do Censo Agropecuário poderiam ser mais bem aproveitados em estudos sobre sustentabilidade ecológica e desempenho econômico e social de projetos e programas agrícolas e agro-industriais, caso estivessem organizados da seguinte forma: 2

3 Contribuição ambiental Chuva mm / ano ha Vento m/s Radiação solar J/ ano m 2 Água de rios Sedimentos na água dos rios Sólidos solúveis na água dos rios Características do agro-ecossistema Solo - matéria orgânica kg/ ha Solo - matéria inorgânica ativa kg/ ha Solo - matéria inorgânica inerte kg/ ha Cobertura - proteção m 2 Cobertura - perenes m 2 Cobertura - anuais m 2 Cobertura - ciclo curto m 2 Cobertura - adubo verde m 2 Insumos para produção (inclui beneficiamento, tratamento, reutilização) Água - de obras de irrigação externas - taxa renovável Água - de obras de irrigação externas - taxa não renovável Água - de obras de irrigação internas - taxa renovável Água - de obras de irrigação internas - taxa não renovável Nutrientes naturais externos - esterco Nutrientes naturais externos - adubo verde Nutrientes naturais externos - resíduos para reciclagem Nutrientes naturais externos - materiais para compostagem Nutrientes naturais externos - fertilizantes minerais Nutrientes naturais externos - aditivos para compostagem Nutrientes naturais internos - esterco Nutrientes naturais internos - adubo verde Nutrientes naturais internos - resíduos reciclados Produtos químicos - Calcário Produtos químicos - Sulfato de cobre Produtos químicos - Cloreto de sódio Produtos químicos - Outros Fertilizantes químicos - fosfatados Fertilizantes químicos - nitrogenados Fertilizantes químicos - potássicos Fertilizantes químicos - oligoelementos Fertilizantes químicos - outros Agrotóxicos - inseticidas Agrotóxicos - fungicidas Agrotóxicos - bactericidas Agrotóxicos - herbicidas Agrotóxicos - outros 3

4 Combustível - óleo diesel Combustível - gasolina Combustível - outro Óleo lubrificante Eletricidade Infra-estrutura da unidade produtiva Cercas $ / ano ha anos kg Caminhos $ / ano ha anos kg Postes $ / ano ha anos kg Nivelamento do terreno $ / ano ha anos kg Galpão $ / ano ha anos kg Silos $ / ano ha anos kg Poços e bombas $ / ano ha anos kg Tratores $ / ano ha anos kg Reboques, grades, etc. $ / ano ha anos kg Carros $ / ano ha anos kg Caminhões $ / ano ha anos kg Carretas $ / ano ha anos kg Tração animal $ / ano ha anos kg Rede elétrica $ / ano ha anos kg Gerador $ / ano ha anos kg Caixa de força $ / ano ha anos kg Equipamento - produção $ / ano ha anos kg Equipamento - colheita $ / ano ha anos kg Equipamento - benefício $ / ano ha anos kg Equipamento - reciclagem $ / ano ha anos kg Equipamento - tratamento $ / ano ha anos kg Equipamento - outros $ / ano ha anos kg Instrumentos de medição $ / ano ha anos kg Serviços externos Mão-de-obra externa horas Mão-de-obra administrativa externa horas Assessoria horas Participação em Sociedades horas Impostos e multas Seguros Despesas financeiras Outros Serviços internos ( trabalho familiar não remunerado) Pessoas sexo, idade horas/ano ha Nível educacional sexo, idade grau Bens - Casa $ anos Bens- Móveis, utilitários domésticos $ anos Bens- Meio de transporte $ anos 4

5 Consumo - Comida $/ano $/ano ha Consumo - Roupa $/ano $/ano ha Consumo - Saúde $/ano $/ano ha Consumo - Lazer, cultura, educação $/ano $/ano ha Consumo - Outros $/ano $/ano ha Produção Produtos kg/ano ha J/ano ha Preços sexo, idade grau Renda bruta $ anos Custo de produção $ anos Renda Líquida $ anos Rentabilidade anual $/ano $/ano ha Perdas Estoques naturais kg/ano ha J/ano ha Pessoas sexo, idade grau escolar Insumos comprados kg/ano ha $/ano ha Efluentes kg/ano ha $/ano ha Índices ou indicadores de sustentabilidade emergética Rentabilidade anual Produtividade (biomassa total) Produtividade agrícola Eficiência energética Transformidade Renovabilidade (sustentabilidade) Rendimento emergético Impacto ambiental emergético Troca emergética Custo ambiental Biodiversidade emergética $/ano ha kg/ano ha kg/ano ha J/J sej/j $/kg Outros indicadores: Capacidade de carga do ecossistema; Aptidão agrícola Geração de emprego Investimento necessário Autonomia de insumos Autonomia econômica e política pessoas/ha kg/ano ha pessoas/ha $/ano ha Conclusões: Esta área de estudos é bastante dinâmica. Nossa proposta atual sobre indicadores de sustentabilidade dos agroecossistemas é esta, porém, se os conhecimentos e os fatos mudarem, nossa proposta poderá sofrer alterações. É necessário investir tempo para aprofundar-se nestes estudos, procurar oportunidades de interação e aprender com as experiências concretas. Assim como rever, a partir do ponto 5

6 de vista da metodologia emergética, sistemas estudados com outras técnicas. Assim como os pesquisadores do sistema agropecuário brasileiro, a opinião pública também deve ser esclarecida sobre as questões do Desenvolvimento Sustentável, trata-se de assuntos da maior importância que devem passar a ser discutidos em nosso dia-a-dia. Bibliografia: BRANDT-WILLIAMS, S., ODUM, H.T., 1998: "Procedure for Agricultural Emergy Evaluation, illustrated with analysis of tomato production in Florida". Capítulo do livro "Engenharia Ecológica e Planejamento Regional, introdução à metodologia emergética usando estudos de caso brasileiros", Ortega, E.; Safonov, P. e Comar, V. Organizadores, Annablume, SP. COMAR, V. 1994: "Uma avaliação emergética da Cidade de Itaquatiara Na Amazônia Central, sua indústria de compensado e laminado, e a Várzea da Bacia do Rio Madeira". Tese de mestrado, INPA, Manaus, AM. LANZOTTI, C.R., ORTEGA, E., 1998: "Evolução da metodologia do balanço de emergia. Estudo de caso: produção de milho". Capítulo do livro "Engenharia Ecológica e Planejamento Regional, introdução à metodologia emergética usando estudos de caso brasileiros", Ortega, E.; Safonov, P. e Comar, V. Organizadores. Annablume, SP. MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL, 1999: Agenda 21 da Agricultura Brasileira Projeto PNUD - BRA/94/016, 139/98; Área Temática: Agricultura Sustentável; SP; (19/02/99). ODUM, H.T. 1996: "Environmental Accounting. Emergy and Environmental Decision Making". John Wiley & Sons, Inc., New York, USA. Páginas: 368. ORTEGA, E., 1998a. "Contabilidade Ambiental e Econômica de Projetos Agroindustriais", Conference at XVI Brazilian Food Science and Technology Congress, Rio de Janeiro, RJ, July 16, 98. ORTEGA, E. & POLIDORO, H., 1998b. "Factors to consider in Emergy Analysis of Agroecological projects", Reunion for XXV Anniversary of Center for Wetlands, University of Florida, Gainesville, Florida, EUA, November 6-8, In printing. ORTEGA, E., COMAR, V. SAFONOV, P., 1999a. Some results of Emergy Analysis of Brazilian Agricultural and Agro-Industrial Systems, in "Advances in Energy Studies: Energy Flows in Ecology and Economy", Proceedings of International Workshop held at Porto Venere, Italy, May 26-30, 98, ed. by Ulgiati, S.; Brown, M. T., Giampietro, M.; Mayumi, K. & Henderson, R. Ed. MUSIS, Rome, Italy, pages ORTEGA, E., 1999b. "Emergia: uma medida do trabalho envolvido na produção dos ecossistemas", Workshop NIPE-FEM, Unicamp, Campinas, SP, 17 de julho de ORTEGA, E., MILLER, M "Comparison of ecological and agro-chemical soybean cultivars using emergy analysis. Hypothesis and first results", II International Workshop " Advances in Energy Studies", Porto Venere, Itália, de maio de

O Conceito de Emergia e a Certificação Agroecológica com Visão Sistêmica

O Conceito de Emergia e a Certificação Agroecológica com Visão Sistêmica Capítulo 12 O Conceito de Emergia e a Certificação Agroecológica com Visão Sistêmica Enrique Ortega Agroecologia: Princípios e Técnicas para uma Agricultura Orgânica Sustentável 258 O Conceito de Emergia

Leia mais

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE 1 VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE FERNANDES, E. N 1 ; NOGUEIRA, A. C. S 2 RESUMO: O presente trabalho discute o uso da Análise Emergética (AE) para avaliar a sustentabilidade de dois

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA ATRAVÉS DA ANÁLISE EMERGÉTICA

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA ATRAVÉS DA ANÁLISE EMERGÉTICA AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA ATRAVÉS DA ANÁLISE EMERGÉTICA AGOSTINHO 1, F.D.R.; ORTEGA 2 E. Palavras Chave: Agroecologia, Desenvolvimento Sustentável, Economia Ecológica,

Leia mais

Resumos do V CBA - Outras temáticas

Resumos do V CBA - Outras temáticas Cálculo da área de floresta necessária para mitigar o impacto ambiental de uma indústria gráfica: comparação entre a metodologia emergética e a análise de energia bruta Forest area calculation to mitigate

Leia mais

Índices emergéticos para avaliação da sustentabilidade sistemas de produção de leite

Índices emergéticos para avaliação da sustentabilidade sistemas de produção de leite Índices emergéticos para avaliação da sustentabilidade sistemas de produção de leite Emergy indexes to sustainability evaluation of milk production systems Fernandes, E. N 1 ; Müller, M. D. 1 ; Carvalho,

Leia mais

+ Exemplo de aplicação da análise emergética on-line: a produção de maça

+ Exemplo de aplicação da análise emergética on-line: a produção de maça DESAFIOS GLOBAIS PARA A AGRICULTURA + Exemplo de aplicação da análise emergética on-line: a produção de maça Enrique Ortega, Fabio Takahashi. Laboratório de Engenharia Ecológica Faculdade de Engenharia

Leia mais

INDICADORES EMERGÉTICOS PARA VALORAÇÃO ECONÔMICO-ECOLÓGICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE: estudo de caso. RESUMO

INDICADORES EMERGÉTICOS PARA VALORAÇÃO ECONÔMICO-ECOLÓGICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE: estudo de caso. RESUMO 55 INDICADORES EMERGÉTICOS PARA VALORAÇÃO ECONÔMICO-ECOLÓGICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE: estudo de caso. Ana Caroline Silva Nogueira Débora Costa Valentim Elizabeth Nogueira Fernandes RESUMO O presente

Leia mais

TABELA DE TRANSFORMIDADES - (emergia / Joule, emergia / kg, emergia / US$) de recursos naturais, insumos industriais e produtos de ecossistemas.

TABELA DE TRANSFORMIDADES - (emergia / Joule, emergia / kg, emergia / US$) de recursos naturais, insumos industriais e produtos de ecossistemas. Tabela de s TABELA DE TRANSFORMIDADES (emergia / Joule, emergia / kg, emergia / US$) de recursos naturais, insumos industriais e produtos de ecossistemas. Compilação do LEIA/DEA/FEA/Unicamp (12 de maio

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA DOS ÍNDICES EMERGÉTICOS DE UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA

ESTUDO DA DINÂMICA DOS ÍNDICES EMERGÉTICOS DE UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA ESTUDO DA DNÂCA DOS ÍNDCES EEGÉTCOS DE UA UNDADE DE PODUÇÃO AGOECOLÓGCA Agostinho 1,.D..; Ortega 2 E. Palavras Chave: Agroecologia, Desenvolvimento Sustentável, Economia Ecológica, Emergia, eio Ambiente.

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA CONVENCIONAL E DA ORGÂNICA À LUZ DA TEORIA DA EMERGIA: A PRODUÇÃO DE MANGA NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA CONVENCIONAL E DA ORGÂNICA À LUZ DA TEORIA DA EMERGIA: A PRODUÇÃO DE MANGA NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA CONVENCIONAL E DA ORGÂNICA À LUZ DA TEORIA DA EMERGIA: A PRODUÇÃO DE MANGA NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL José Paulo Fagundes UFSM Conforme o Instituto de Biodinâmica (IBD,

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Carlos C. Silva, Humberto A. P. Silva, José Aquiles B. Grimoni O século passado

Leia mais

Avaliação Ambiental em Empresas de Transporte Rodoviário: Reuso de Água

Avaliação Ambiental em Empresas de Transporte Rodoviário: Reuso de Água Avaliação Ambiental em Empresas de Transporte Rodoviário: Reuso de Água Devanil Borges Junior, B. F. Giannetti e C. M. V. B. Almeida Universidade Paulista Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Análise crítica da Sustentabilidade e da Pegada Ecológica

Análise crítica da Sustentabilidade e da Pegada Ecológica Q 2 Consumidores Decom- positores 3 Análise crítica da Sustentabilidade e da Pegada Ecológica III Workshop Internacional de Produção Mais Limpa UNIP, SP, 19 de maio de 2011 Conteúdo desta apresentação

Leia mais

Análise, em Emergia, do Comportamento das Reservas de Argila, Gipsita e Calcário sob o Ponto de Vista do Déficit Populacional Brasileiro

Análise, em Emergia, do Comportamento das Reservas de Argila, Gipsita e Calcário sob o Ponto de Vista do Déficit Populacional Brasileiro Análise, em Emergia, do Comportamento das Reservas de Argila, Gipsita e Calcário sob o Ponto de Vista do Déficit Populacional Brasileiro J. G. A. Carvalho a, S. H. Bonilla b a. Universidade Paulista, São

Leia mais

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas;

I - Energia - indústria de energia, indústria de manufatura, transportes, comércio, setor público, residências, agropecuária e emissões fugitivas; Decreto Nº 43216 DE 30/09/2011 (Estadual - Rio de Janeiro) Data D.O.: 03/10/2011 Regulamenta a Lei nº 5.690, de 14 de abril de 2010, que dispõe sobre a Política Estadual sobre Mudança Global do Clima e

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos

Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Tecnologia 100% Nacional Transformação e Recuperação Energética de Resíduos Orgânicos Pirólise Convencional (400 C x 60 minutos x pressão atmosférica) Quantidade ano 2011 (1.000 t) Motivação (exemplo)

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS LEVANTAMENTO REALIZADO POR FARSUL/CEPEA 19/05/2014 PROPRIEDADE TÍPICA: MUINCÍPIO DE CRUZ ALTA Característica da Propriedade: 44 ha Reserva Legal

Leia mais

Ferramentas para a Gestão do Espaço Rural Gestão Agronómica e Energética em duas espécies distintas Capítulo 1 Introdução

Ferramentas para a Gestão do Espaço Rural Gestão Agronómica e Energética em duas espécies distintas Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 1.1. Introdução Para além de uma agricultura não competitiva, os espaços rurais em Portugal confrontam-se hoje com problemas de despovoamento, processos de desertificação e fogos florestais

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Harry Potter e a Engenharia Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Turmas em conflito num mundo virtual A outra realidade! Aqui também temos turmas em conflito! Como superar isso? A crise

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Recursos Minerais e Energéticos COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Recursos Minerais e Energéticos O que são recursos minerais? Recursos minerais são substâncias naturais inorgânicas que foram descobertas

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Análise da sustentabilidade energética do sistema de uma usina autônoma de álcool através de índices de emergia e pegada ecológica

Análise da sustentabilidade energética do sistema de uma usina autônoma de álcool através de índices de emergia e pegada ecológica MACHADO, E. R.; SILVA, C. C. Análise da sustentabilidade energética do sistema de uma usina autônoma de álcool através de índices de emergia e pegada ecológica. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre,

Leia mais

USO DA METODOLOGIA EMERGETICA NA ANALISE DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO E CONSUMO

USO DA METODOLOGIA EMERGETICA NA ANALISE DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO E CONSUMO VIII ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA ECOLÓGICA 5 a 7 de agosto de 2009 Cuiabá - Mato Grosso - Brasil USO DA METODOLOGIA EMERGETICA NA ANALISE DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO E CONSUMO Enrique Ortega

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

A TEORIA DA EMERGIA E O NOVO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE E RENOVABILIDADE DOS SISTEMAS. RESULTADOS PRELIMINARES DE UMA PESQUISA.

A TEORIA DA EMERGIA E O NOVO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE E RENOVABILIDADE DOS SISTEMAS. RESULTADOS PRELIMINARES DE UMA PESQUISA. Eixo: Inovação e Sustentabilidade em Diferentes Setores A TEORIA DA EMERGIA E O NOVO INDICADOR DE SUSTENTABILIDADE E RENOVABILIDADE DOS SISTEMAS. RESULTADOS PRELIMINARES DE UMA PESQUISA. THE THEORY OF

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.

SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA. Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar. SISTEMA DE PLANTIO DIRETO EM AGRICULTURA ORGÂNICA Moacir Roberto Darolt 1 e Francisco Skora Neto 2 1 Pesquisador Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) Curitiba,PR darolt@iapar.br 2 Pesquisador IAPAR Ponta

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

Contribuições da Contabilidade Ambiental em Emergia para a Compreensão do Sistema de Produção da Soja na Perspectiva da Agricultura Sustentável

Contribuições da Contabilidade Ambiental em Emergia para a Compreensão do Sistema de Produção da Soja na Perspectiva da Agricultura Sustentável Contribuições da Contabilidade Ambiental em Emergia para a Compreensão do Sistema de Produção da Soja na Perspectiva da Agricultura Sustentável L. P. Vendrametto a, S. H. Bonilla b a. Doutoranda em Engenharia

Leia mais

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO

PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO PROJETO MANEJO SUSTENTÁVEL DE VÁRZEAS GEF-PNUMA-OTCA RELATÓRIO CONSULTORIA: OFICINAS DE BASE AGROECOLÓGICA NAS COMUNIDADES DE URUCURITUBA E TAPARÁ GRANDE, Município de Santarém, Pará, Brasil. CONSULTOR:

Leia mais

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL

Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL Ciências do Ambiente- MÓDULO 1 Professora: Andréa Rodrigues ECOLOGIA GERAL O que é Ecologia? Algumas definições: 1.Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e o meio ambiente (Haeckel, 1866).

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha

o hectare Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também O que é o biodigestor? 1 ha o hectare Publicação do Ecocentro IPEC Ano 1, nº 3 Pirenópolis GO Nesta edição, você vai descobrir o que é um biodigestor, como ele funciona e também vai conhecer um pouco mais sobre a suinocultura. Na

Leia mais

Sistema de suporte à decisão para gestão regional dos fluxos de nitrogênio: Modelo Conceitual

Sistema de suporte à decisão para gestão regional dos fluxos de nitrogênio: Modelo Conceitual Sistema de suporte à decisão para gestão regional dos fluxos de nitrogênio: Modelo Conceitual Francisco R. A. do Nascimento, Asher Kiperstok, Juan M. Garcia, Jordi M. Farreras, Eduardo Cohim Rede de Tecnologias

Leia mais

Aplicativo baseado na web para cálculo e análise de sustentabilidade ambiental em emergia

Aplicativo baseado na web para cálculo e análise de sustentabilidade ambiental em emergia Aplicativo baseado na web para cálculo e análise de sustentabilidade ambiental em emergia FRANÇA, W. L. M Ç, DEMETRIO, F. J. C. GIANNETTI, B. F.,b, ALMEIDA, C.M.V. Universidade Estadual do Maranhão, São

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Estudo de Caso de Sistemas de Tratamento de Efluentes Domésticos com o Uso de Indicadores Ambientais

Estudo de Caso de Sistemas de Tratamento de Efluentes Domésticos com o Uso de Indicadores Ambientais Carlos C. Silva Cecília M. V. B. Almeida Silvia H. Bonilla Tópicos abordados nesta apresentação Descrição do sistema de Biodigestão Descrição do sistema de Lodo Ativado Comparação entre os sistemas utilizando

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol

Biodigestão da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Congresso Internacional sobre Geração Distribuída e Energia no Meio Rural da vinhaça: maior sustentabilidade à cadeia produtiva do etanol Priscila Alves Carneiro Heleno Quevedo de Lima Universidade Federal

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) *

Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) * Custo de Produção de Mandioca no Estado de São Paulo: Mandioca industrial (maio/04) e de mesa (junho/04) * Lucilio Rogerio Aparecido Alves ** Fábio Isaias Felipe *** Geraldo Sant Ana de Camargo Barros

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projeto Cursos Profissionalizantes Para atender à demanda de profissionais das indústrias de Nova Alvorada do Sul e região, a Comissão Temática de Educação elaborou o

Leia mais

Agro-Combustíveis e segurança alimentar

Agro-Combustíveis e segurança alimentar Agro-Combustíveis e segurança alimentar Jean Marc von der Weid Novembro/2008 Não há dúvida de que estamos vivendo o início de uma grave crise alimentar mundial. Após décadas de excedentes na produção agrícola

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

Pesquisando os padrões no manejo do nitrogênio na agricultura periurbana de Hanói, Vietnã

Pesquisando os padrões no manejo do nitrogênio na agricultura periurbana de Hanói, Vietnã Pesquisando os padrões no manejo do nitrogênio na agricultura periurbana de Hanói, Vietnã Dionys Forster Research Institute of Organic Agriculture (FiBL), Suiça dionys.forster@fibl.org Harald Menzi Swiss

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO;

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; FCA/UNESP BOTUCATU - SP - BRASIL gloriac@fca.unesp.br APRESENTAÇÃO SEM PRESENÇA

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; AMARAL, A. 3 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; PRASS, M.

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

ESTUDO DA SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DE ÍNDICES EMERGÉTICOS EM DOIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE TRIGO

ESTUDO DA SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DE ÍNDICES EMERGÉTICOS EM DOIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE TRIGO ESTUDO DA SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DE ÍNDICES EMERGÉTICOS EM DOIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE TRIGO 1 WAURECK, A.; 2 EURICH, J.; 3 WEIRICH NETO, P.H.; 3 ROCHA, C.H. lama1@uepg.br INTRODUÇÃO O Brasil, considerado

Leia mais

(Capítulo X - A Missão de Sofia no Planeta Terra, Sophia s Mission on Planet Earth).

(Capítulo X - A Missão de Sofia no Planeta Terra, Sophia s Mission on Planet Earth). Aula 10 - UM FUTURO PARA NÓS Introdução Uma grande reunião mundial está acontecendo para tratar dos problemas do ambiente. Jovens de todo o mundo estão participando e o grupo de Roberto é escolhido para

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14

A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 A inserção do cultivo do arroz irrigado na Agricultura de Baixo Carbono do Plano Agrícola e Pecuário, Safra 2013/14 Eng. Agr. Sérgio Iraçu Gindri Lopes Gerente da Divisão de Pesquisa Estação Experimental

Leia mais

COMPOSTAGEM E FERTILIZANTES ORGÂNICOS: FERRAMENTAS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

COMPOSTAGEM E FERTILIZANTES ORGÂNICOS: FERRAMENTAS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COMPOSTAGEM E FERTILIZANTES ORGÂNICOS: FERRAMENTAS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Eng o Agr o Dr. Gean Carlos Silva Matias Diretor Técnico de Fertilizantes Orgânicos, Condicionadores de solos Substratos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Kuttner do Brasil Patrick Pottie 10-08-2009 Produção de Energia Ecologicamente Limpa pela Biometanização Anaeróbica do Lixo Orgânico e Poda Verde... pela...

Leia mais

AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL

AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL NESTA AULA SERÁ ABORDADO Procedimentos para a certificação orgânica Os passos para a certificação Plano de Manejo

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

A Produtividade e Eco Eficiência Globais na Avaliação de Desempenho das Cadeias Agroindustriais

A Produtividade e Eco Eficiência Globais na Avaliação de Desempenho das Cadeias Agroindustriais A Produtividade e Eco Eficiência Globais na Avaliação de Desempenho das Cadeias Agroindustriais PREVEZ, L. a* ; BONILLA, S. H. a ; GIANNETTI, B. F. a a. Universidade Paulista, São Paulo *Corresponding

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Produção de etanol A partir Do arroz

Produção de etanol A partir Do arroz UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE ÓLEOS VEGETAIS E BIOCOMBUSTÍVEIS Produção de etanol A

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Profª: Sabrine V.Welzel

Profª: Sabrine V.Welzel Geografia 1 ano/ensino Médio Fontes Energéticas 1) Porque o setor energético é considerado estratégico? 2) (FGV) Sobre o consumo de energia no Brasil é correto afirmar que: a) a Região Sudeste não consegue

Leia mais