MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA RODRIGO BARÇANTE BORGO MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 CAMPINAS 2007

2 RODRIGO BARÇANTE BORGO MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 Monografia apresentada à disciplina de Pesquisa em Educação Física, Treinamento e Lazer III, como requisito parcial para obtenção do grau de licenciado em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, sob orientação da prof(a) Dra. Regina Simões PUC- CAMPINAS 2007

3 DEDICATÓRIA Aos meus pais Antonio Carlos e Maria de Fátima, que me incentivaram em todos os momentos da minha vida, dando apoio, comemorando as conquistas, chorando as derrotas, mas sempre torcendo pra mim.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço à todos que contribuíram de alguma maneira para a realização deste estudo, especialmente: Primeiramente a Deus pelas oportunidades. Aos meus amados pais Antonio Carlos e Maria de Fátima, que sempre fizeram tudo por mim, sem jamais medir esforços para a minha formação. Às professoras doutoras Regina Simões e Roberta Gaio por terem colaborado na orientação deste estudo. Ao professor mestre Jefferson Eduardo Hespanhol, um agradecimento especial pelas colaborações ao meu estudo e minha formação acadêmica, dando apoio fundamental, oportunidade, incentivo e confiança. Ao professor mestre Roberto Silva Jr. pela oportunidade de entrar em contato com a pesquisa científica. Aos docentes do curso de graduação em Educação Física (FaEFi) da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, pelos conhecimentos transmitidos. Aos funcionários da Faculdade de Educação Física (FaEFi) da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP), por todos os serviços prestados, especialmente à bibliotecária Penha, aos funcionários do P.A. Clodoaldo e Jimmy e ao Rafael do laboratório de informática, obrigado pela paciência e pelas colaborações durante este período. acadêmica. A Pontifícia Universidade Católica de Campinas, pela minha formação Aos colegas Diego, Fábio, Joel e Rafael pela colaboração e participação efetiva para o desenvolvimento da coleta de dados. Aos colegas da graduação da FaEFi, Faculdade de Educação Física da PUCCAMP, pelas reflexões e conversas esclarecedoras e incentivadoras.

5 Aos amigos que compartilharam os problemas, souberam ouvir minhas reclamações e lamentações, e me incentivaram a prosseguir. Especialmente à Gabi por toda atenção e colaboração dada neste estudo e aos amigos: Carol, Lú, Della Gracia, Rodrigo Rodrigues...pela amizade conquistada ao longo do curso. Aos futebolistas participantes deste estudo, pela colaboração e paciência. Suas contribuições foram decisivas para a conclusão deste trabalho. Ao Guarani Futebol Clube (GFC), por abrir as portas do clube para a realização da coleta de dados e pelo total apoio durante a realização de toda a pesquisa. A TODOS MUITO OBRIGADO...

6 QUE DEUS ME DÊ FORÇAS PARA MUDAR AS COISAS QUE PODEM SER MUDADAS; SERENIDADE PARA ACEITAR AS COISAS QUE NÃO PODEM SER MUDADAS, E SABEDORIA PARA SABER A DIFERENÇA ENTRE ELAS (CHESTER W. NIMITZ)

7 RESUMO Introdução: O futebol é uma modalidade esportiva com características intermitentes, isto implica que a capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas é fator determinante para o desempenho dos atletas, porém informações sobre aspectos dos programas de treinamento dessa capacidade de trabalho em futebolistas jovens são limitadas. Objetivo: Verificar se existem mudanças no desempenho intermitente em futebolistas sub-18 submetidos a um programa de treinamento de apenas duas semanas. Metodologia: Participaram deste estudo 16 futebolistas pertencentes a uma equipe de futebol da região de Campinas SP, participantes da Taça São Paulo de Futebol Juniores do ano de As medidas do desempenho intermitente foram realizadas antes e depois de duas semanas do programa de treinamento. O teste utilizado foi o Yo-Yo Intermitent Recovery nível 2 (IR2) de acordo com os procedimentos descritos por Bangsbo (1996). O programa de treinamento foi organizado com cinco sessões de treinamentos contendo prescrições de treino que constituíam com carga progressiva para estímulos anaeróbios (2 a 4 séries, repetições de 3 a 5; duração dos exercícios de 10 a 15 segundos com 90 a 95%; pausas de 30 a 10 segundos, intervalos entre as séries de 3 a 4 minutos) e aeróbios (duração de exercício de 3 a 4 minutos com intensidade de 60% a 70% da freqüência cardíaca máxima). Para a análise estatística foi utilizado o Teste-T para amostras dependentes com significância de p<0,05. Resultados: Aumentos significantes foram observados no desempenho da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18 após duas semanas de treinamento, demonstrando mudanças de 44,25±13,22% (p<0,05)). Houve mudanças na distância percorrida no IR2 com valores de 457,50±72,98metros para 657,50 ± 102,21metros, respectivamente para antes e após o programa de treinamento. Conclusão: Os resultados deste estudo indicam efetividade do programa de treinamento para o desenvolvimento do desempenho intermitente em futebolistas sub-18. Palavras chave: Futebol; Treinamento; Teste de Yo-Yo intermitente de recuperação

8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS cm Centímetro Unidade de Comprimento DCPM - Dobra Cutânea Panturrilha Medial DCSB - Dobra Cutânea Subescapular DCSIO - Dobra Cutânea Supra-íliaca Oblíqua DCTR - Dobra Cutânea Tricipital DP Desvio Padrão EST Estatura ID Idade Kg Quilôgramas Unidade de Peso Km Quilômetros Unidade de Comprimento Km/h Quilômetros por Hora LAN Limiar anaeróbio m Metros MC Massa Corporal MCG Massa Corporal Gorda MCM Massa Corporal Magra Máx - Máximo Mín Mínimo %G Percentual de Gordura Corporal SJT Sargent Jump Test Teste de Salto Vertical Sub 18 Categoria no futebol onde jogam os atletas até 18 anos Sub 19 - Categoria no futebol onde jogam os atletas até 19 anos Yo-YoIR Teste de Yo-Yo Intermitente de Recuperação VO 2máx Consumo máximo de oxigênio % - Delta Percentual r Coeficiente de Correlação R² - Coeficiente de Determinação p Nível de Significância > - Maior < - Menor ± - Mais ou Menos

9 LISTA DE FIGURAS Página Figura 01. Perfil de exigência da preparação física aplicada ao futebol Figura 02. Capacidades parciais da velocidade e sua importância para a performance do jogador de futebol Figura 03. Ilustração do teste físico (Yo-YoIR)... 47

10 LISTA DE TABELAS Página Tabela 01. Programa de estímulo anaeróbio Tabela 02. Programa de estímulo aeróbio Tabela 03. Demonstrativo das características antropométricas dos futebolistas sub Tabela 04. Demonstrativo das mudanças na capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub Tabela 05. Demonstrativo das amplitudes de mudanças na capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub Tabela 06. Demonstrativo das mudanças da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18 nas diferentes funções táticas Tabela 07. Demonstrativo das amplitudes de mudanças na capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18 nas diferentes funções táticas Tabela 08. Demonstrativo da estabilidade das mudanças da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Justificativa do estudo Objetivos do estudo Objetivo geral Objetivos específicos REVISÃO DE LITERATURA Perfil fisiológico da partida de futebol Distância percorrida Ações ou atividades realizadas em uma partida Densidade das ações/atividades da partida Treinamento em futebol Capacidades condicionantes Treinamento intermitente Organização e planejamento METODOLOGIA Tipo de estudo Universo da pesquisa Instrumento de pesquisa Procedimentos metodológicos Tratamento estatístico Descrição do programa de treino RESULTADOS Caracterização dos sujeitos participantes Mudanças da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação Mudanças da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação de diferentes funções táticas em futebolistas sub

12 4.4 Estabilidade das mudanças da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub DISCUSSÃO Características antropométricas Desempenho do teste físico (Yo-YoIR) CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS APÊNDICES... 74

13 1 INTRODUÇÃO

14 13 O futebol é uma modalidade esportiva caracterizada pela prática de exercícios intermitentes, isto é, exercícios de alta intensidade realizados de forma não contínua (EKBLOM, 1986). Uma partida de futebol envolve aproximadamente 88% de atividades aeróbias baixa intensidade - e 12% de atividades anaeróbias - alta intensidade (SHEPARD & LEATT, 1987). Sendo consideradas atividades de baixa intensidade os momentos em que os jogadores estão parados, andando ou trotando e atividades de alta intensidade os deslocamentos de curta duração, dribles, saltos, mudanças de direção, confrontos e disputas com e sem a posse de bola (CARZOLA & FARHI, 1998; BANGSBO, 1994a). De acordo com Ekblom apud Hespanhol (2006, p.83), o principal fator na caracterização de esforço durante o jogo é a intensidade, a qual pode ser caracterizada pela distância percorrida em alta intensidade. Assim, segundo Stolen et al (2005), a intensidade do jogo é a principal diferença encontrada entre as equipes de qualidade, ou seja, a distância total percorrida numa partida de futebol não faz diferença, mas o percentual dessa distância realizado em alta intensidade segundo Campeiz & Oliveira (2006) é determinante para o desempenho de futebolistas de diferentes categorias. Desta forma, se faz necessário que os futebolistas de elite e também de outras categorias como a sub-18 tenham bons níveis de aptidão física nos diferentes sistemas energéticos (anaeróbio alático, anaeróbio lático e aeróbio), seja para realizar o maior número de ações intensas durante o jogo ou para aumentar a velocidade de recuperação após ações realizadas em alta intensidade (BARROS & GUERRA, 2004). O futebol, entretanto, não se restringe apenas aos aspectos inerentes aos sistemas energéticos, ou seja, de acordo com estudos realizados por Barros & Guerra (2004, p.36) o envolvimento físico do atleta na partida exige dele demandas fisiológicas múltiplas que necessitam apresentar-se em ótimas condições, como velocidade, força, flexibilidade e resistência entre outras.

15 14 No entanto, diante das inúmeras possibilidades de treinamento, está cada vez mais difícil preparar bem uma equipe de futebol, devido ao pouco tempo disponível para preparação, o elevado número de jogos e o compromisso com o desempenho (ALVES, 2006, p.01). Contudo, baseado nos fatos apresentados até aqui, e principalmente na importância que os períodos de recuperação entre ações intensas têm numa partida de futebol surgiu a seguinte dúvida: existem mudanças no desempenho intermitente em futebolistas sub-18 submetidos a um programa de treinamento de apenas duas semanas? 1.1 Justificativa do estudo O desempenho dos futebolistas é dependente de inúmeros fatores, entre eles podemos destacar as capacidades físicas. No estudo sobre o desempenho físico no futebol, o conhecimento do perfil físico e fisiológico do jogador, e da evolução do conhecimento do condicionamento físico específico tem sido tratado com informações importantes para um melhor desempenho (NUNES, 2004, p.3). Todavia, poucos estudos são realizados na área da aptidão física e do treinamento, ou seja, pouco se sabe a respeito das mudanças ocorridas na capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18 submetidos a um programa de treinamento. Acredita-se também que os resultados apresentados neste trabalho podem auxiliar na realização de futuros estudos sobre a capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18 e também na área de treinamento em futebol. Logo, no que diz respeito ao desempenho físico dos futebolistas, este estudo procurou caracterizar o futebol quanto ao volume, a intensidade e a densidade da partida, bem como suas capacidades condicionantes e capacidade de

16 15 trabalho que foi expressa pela capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação, que é entendida pela quantidade de trabalhos intensos executados em períodos de curta duração com períodos de 10 segundos de recuperação (Bangsbo, 1996) até o momento da exaustão. Além disso, procurou-se retratar a importância do treinamento intermitente para os futebolistas e, também, sugerir um modelo de treinamento não linear de apenas duas semanas capaz de contemplar as necessidades físicas e fisiológicas dos atletas, uma vez que o calendário de competições não favorece a utilização de modelos lineares de treinamento. 1.2 Objetivos do estudo Objetivo geral Verificar se existem mudanças no desempenho intermitente em futebolistas sub-18 submetidos a um programa de treinamento de apenas duas semanas Objetivos específicos Comparar a grandeza das diferenças nas mudanças da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18; Verificar se existem mudanças na capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18 nas diferentes funções táticas; Verificar a estabilidade das médias do desempenho da capacidade de executar ações intensas após períodos de recuperação em futebolistas sub-18;

17 2 REVISÃO DE LITERATURA

18 Perfil fisiológico da partida de futebol O futebol é uma modalidade esportiva intermitente que intercala períodos de alta intensidade com períodos de baixa intensidade (SVENSSON & DRUST, 2005). Partindo desse conceito, este item tem como propósito caracterizar os indicadores externos de uma partida de futebol de acordo com as variáveis mais estudadas atualmente: distância percorrida, duração, freqüência, intensidade das ações realizadas e a relação entre o tempo de atividade e de pausa (CAIXINHA, SAMPAIO & MIL-HOMENS, 2004). O perfil fisiológico dos atletas numa partida de futebol tem sido há anos o objeto de estudo de muitos pesquisadores. Autores como Bangsbo, Ekblom, Reilly, Rienzi entre outros, têm como um dos propósitos em seus estudos quantificar e qualificar as distâncias cobertas pelos futebolistas durante as partidas, bem como as ações/atividades realizadas e as pausas entre uma ação/atividade e outra, classificando-as conforme o volume, a intensidade e a densidade. Pode-se definir os termos em destaque relacionando-os com o futebol da seguinte forma: Volume de jogo: a média da distância total percorrida pelos futebolistas da equipe (SILVA, 2006). Capacidade de trabalho: número e freqüências de ações realizadas durante uma partida de futebol e/ou a distância percorrida (STOLEN et al, 2005; BANGSBO, 1994b; EKBLOM, 1986). Intensidade do jogo/partida: o percentual da distância total percorrida em alta intensidade (SILVA, 2006). Densidade do jogo: espaço de tempo entre uma ação e outra (WEINECK, 2000).

19 18 Assim, neste item são abordados tópicos como a distância percorrida (2.1.1), as ações ou atividades realizadas em uma partida (2.1.2) e a densidade das ações/atividades da partida (2.1.3) Distância percorrida Um dos indicativos para se determinar a intensidade do jogo é a distância total percorrida (REILLY, 1997). Desde a década de 60, muitas análises foram feitas a respeito do volume de jogo em partidas competitivas (BANGSBO, MOHR & KRUSTRUP, 2006). Estudos com diferentes metodologias foram utilizadas nos últimos 20 anos para determinar a distância média percorrida em um jogo (CAIXINHA, SAMPAIO & MIL-HOMENS, 2004). No entanto, esses estudos sugerem que a distância percorrida em média por jogadores de futebol profissional e juniores de elite tem se mantido entre 8km e 14km por partida. Como exemplo, relatou-se que jogadores masculinos cobrem uma distância média de 8.638m (jogadores sul-americanos; Rienzi et al, 2000), m (Van Gool, Van Gerven & Boutmans, 1988), 9.845m (Ohashi et al, 1988), m (jogadores de elite dinamarqueses; Bangsbo, 1992), m (Bangsbo, 1994a), m (jogadores de elite australianos; Withers et al, 1982), m (jogadores de elite; Di Salvo et al, 2007), m (jogadores de elite brasileiros; Ananias et al, 1998), m (jogadores juniores de elite; Helgerud et al, 2001), 10-12km para jogadores de linha segundo Stolen et al (2005), m (jogadores ingleses sub-19; Thatcher & Batterham, 2004), 10-14km para futebolistas de elite do sexo masculino de acordo com as análises realizadas por Balsom (2001). Já para Tumilty (1993) os valores encontrados para a distância total percorrida em um jogo é de aproximadamente 10km. Para os goleiros, a distância média percorrida em uma partida de futebol é de 3.972m de acordo com Reilly & Thomas apud Misuta (2004) e 4.000m segundo Reilly apud Barros & Guerra (2004); STOLEN et al (2005).

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO Marcelo Ribeiro Ramos, Faculdade de Minas FAMINAS,

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

LEANDRO ALVES DA CUNHA VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS DE FUTEBOLISTAS EM DIFERENTES NÍVEIS COMPETITIVOS

LEANDRO ALVES DA CUNHA VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS DE FUTEBOLISTAS EM DIFERENTES NÍVEIS COMPETITIVOS LEANDRO ALVES DA CUNHA VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS DE FUTEBOLISTAS EM DIFERENTES NÍVEIS COMPETITIVOS Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo para obtenção do título de Mestre Profissional

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal:

Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: Fernandinho, jogador do Shakhtar Donetsk da Ucrânia, de férias em Londrina, concede entrevista exclusiva, em sua visita a Arena Futsal: 1) Arena Futsal: Conte um pouco da sua trajetória no futebol, desde

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: METODOLOGIA DO ENSINO DOS ESPORTES INDIVIDUAIS E COLETIVOS O ensino de esportes coletivos na Educação Física escolar deve ser balizado em princípios pedagógicos importantes como a diversidade,

Leia mais

CRISTOVÃO PEDRO MAIA

CRISTOVÃO PEDRO MAIA CRISTOVÃO PEDRO MAIA COMPARAÇÃO A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA ESPORTIVA ETRE DUAS EQUIPES PROFISSIOAIS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização

Leia mais

VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL

VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE MATHEUS HENRIQUE DOS SANTOS VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP 2009 9 INTRODUÇÃO Segundo (Tubino apud Alves

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Andrés, Leandro Rubio Manual de jogos e exercícios para escolas de futebol / Leandro Rubio Andrés; coordenação

Leia mais

DISCIPLINA. Regulamento Geral

DISCIPLINA. Regulamento Geral REGULAMENTO GERAL ENSINA-ME A SER OBEDIENTE ÀS REGRAS DO JOGO ENSINA-ME A NÃO PROFERIR NEM RECEBER ELOGIO IMERECIDO ENSINA-ME A GANHAR, SE ME FOR POSSÍVEL MAS, SE EU PERDER, ACIMA DE TUDO ENSINA-ME A PERDER

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Rev Andal Med Deporte. 2014;7(3):122-31. www.elsevier.es/ramd

Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Rev Andal Med Deporte. 2014;7(3):122-31. www.elsevier.es/ramd C e n t r o A n d A l u z d e M e d i C i n A d e l d e p o r t e Volumen. 7 Número. 3 Septiembre 2014 Incluida en: Originales 95 Efectos de una dieta hipocalórica y de un programa de ejercicio físico

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 Recentemente, escrevi uma crônica cujo texto apresentava algumas possíveis causas para que o processo de formação

Leia mais

FATORES RELEVANTES DO ÊXITO INTERNACIONAL DO VOLEIBOL BRASILEIRO MADE JÚNIOR MIRANDA UEG-ESEFFEGO/PUC-GO/FAPEG/Goiânia, Goiás, Brasil madejr@ig.com.

FATORES RELEVANTES DO ÊXITO INTERNACIONAL DO VOLEIBOL BRASILEIRO MADE JÚNIOR MIRANDA UEG-ESEFFEGO/PUC-GO/FAPEG/Goiânia, Goiás, Brasil madejr@ig.com. 1 FATORES RELEVANTES DO ÊXITO INTERNACIONAL DO VOLEIBOL BRASILEIRO MADE JÚNIOR MIRANDA UEG-ESEFFEGO/PUC-GO/FAPEG/Goiânia, Goiás, Brasil madejr@ig.com.br O êxito do voleibol brasileiro pode ser analisado

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

Considerando o funcionário como participante

Considerando o funcionário como participante Integração e bem-estar dos funcionários na empresa: Esporte como caminho RENATO FRANCISCO RODRIGUES MARQUES RESUMO Considerando o funcionário como participante fundamental na produtividade da empresa,

Leia mais

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal

Núcleo de Desporto Escolar. Futsal Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico 2012/2013 Escola Básica 2,3 de Alfornelos - Núcleo

Leia mais

Educação Física Inclusiva

Educação Física Inclusiva LUIZ HENRIQUE DE PAULA CONCEIÇÃO 1 RODRIGO HÜBNER MENDES 2 Educação Física Inclusiva O esporte para pessoas com deficiência teve seu início após a Primeira Guerra Mundial, como forma de tratamento de soldados

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Aluna: Juliana Mayumi Aoki Orientador: Laércio Luis Vendite Identificação do trabalho Título Abordagens Matemáticas

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Temas orientadores: 1) O conceito de talento esportivo 2) Procedimentos de detecção do talento esportivo 3) Aspectos

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil POTTES MACIEL, WAGNER; LUCIA CAPUTO, EDUARDO; COZZENSA DA SILVA, MARCELO

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

PROJETO DE PARCERIA AMIGOS DO DESPORTO PARAOLÍMPICO (A.D.P.) ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ESPORTE E LAZER (A.M.E.L.) PATROCINADOR / APOIADOR

PROJETO DE PARCERIA AMIGOS DO DESPORTO PARAOLÍMPICO (A.D.P.) ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ESPORTE E LAZER (A.M.E.L.) PATROCINADOR / APOIADOR PROJETO DE PARCERIA AMIGOS DO DESPORTO PARAOLÍMPICO (A.D.P.) ASSOCIAÇÃO MATONENSE DE ESPORTE E LAZER (A.M.E.L.) X PATROCINADOR / APOIADOR WAGNER AUGUSTO FERREIRA CREF 6037. T SP COORDENADOR DA NATAÇÃO

Leia mais

X SEMANA ACADÊMICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARTICIPAÇÃO DE ESCOLAS DE FLORIANÓPOLIS EM COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS.

X SEMANA ACADÊMICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARTICIPAÇÃO DE ESCOLAS DE FLORIANÓPOLIS EM COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. PARTICIPAÇÃO DE ESCOLAS DE FLORIANÓPOLIS EM COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS. Tiago Soares Gaspar Resumo: O projeto EIC no EUA 2009 nasceu de uma parceria estabelecida no ano de 1996 entre um professor de educação

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA CRUZ, CASCAVEL - PR.

ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA CRUZ, CASCAVEL - PR. FACULDADE ASSIS GURGACZ ATENÇÃO FARMACÊUTICA PARA PACIENTES PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA CRUZ, CASCAVEL - PR. Cascavel 2013 ANA PAULA MACHADO ATENÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições.

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições. DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL DE CAMPO E A ESPECIFICIDADE DA PREPARAÇÃO FÍSICA Jaemyeong Shin Sônia Beatriz da Silva Gomes RESUMO A preparação física no futebol é implantada em qualquer atividade referente

Leia mais

AUTOR: Jansen Ramos Campos SESI/DR/PB

AUTOR: Jansen Ramos Campos SESI/DR/PB PROGRAMA DE INCENTIVO AO ESTILO DE VIDA ATIVO E SAUDÁVEL PARA COLABORADORES DA EMPRESA ALPARGATAS, ATRAVÉS DA PRÁTICA DA CAMINHADA E DA CORRIDA SUPERVISIONADA AUTOR: Jansen Ramos Campos SESI/DR/PB Campina

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

Projeto Voleibol Valinhos

Projeto Voleibol Valinhos Projeto Voleibol Valinhos Atualmente o Country Club Valinhos em parceria com a Prefeitura Municipal de Valinhos e apoiado pela Lei Paulista de Incentivo ao Esporte possui 4 categorias de Voleibol Feminino,

Leia mais

Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos

Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos ISSN: 1983-7194 Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos Study of aerobic power of different positions in under-15 soccer

Leia mais

O que é o Padel: História do Padel:

O que é o Padel: História do Padel: O que é o Padel: O jogo é disputado sempre em duplas. A bola é igual à de tênis mas o campo tem algumas diferenças em relação a este desporto, pois tem 20 m de comprimento por 10 m de largura, com paredes

Leia mais

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL

LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS NO FUTEBOL JUVENIL Janair Honorato Alves (jhalves1@bol.com.br) UNIFAN Mosiah Araújo Silva (mosiaharaujo@hotmail.com) CAMBURY PALAVRAS-CHAVE: Lesões musculoesqueléticas; Futebol

Leia mais

CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CONCEITOS CINÉTICOS PARA O MOVIMENTO HUMANO Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Lei da Inércia: todo corpo tende a permanecer no seu estado (repouso ou movimento) a menos que uma força externa resultante

Leia mais

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões.

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões. Análise do Valor de Mercado Neymar - Barcelona PLURI Consultoria - O Esporte levado a Sério www.pluriconsultoria.com.br DISCLOSURE: Esta é uma avaliação estritamente técnica e baseada em modelo metodológico

Leia mais

FUTEBOL NO PROJETO ESCOLA DA BOLA

FUTEBOL NO PROJETO ESCOLA DA BOLA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1:

O momento do gol. Parece muito fácil marcar um gol de pênalti, mas na verdade o espaço que a bola tem para entrar é pequeno. Observe na Figura 1: O momento do gol A UU L AL A Falta 1 minuto para terminar o jogo. Final de campeonato! O jogador entra na área adversária driblando, e fica de frente para o gol. A torcida entra em delírio gritando Chuta!

Leia mais

Copa Diarinho tem craques para mostrar

Copa Diarinho tem craques para mostrar DIÁRIO DO VALE 1 Sul-Fluminense, Terça-feira, 4 de agosto de 2015 - Suplemento especial do Diário do Vale - Não pode ser vendido separadamente Copa Diarinho tem craques para mostrar Do goleiro ao atacante,

Leia mais

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla.

Este documento vai ser divulgado na escola-sede do Agrupamento e na página eletrónica: www.aepjm.pt/joomla. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga a informação relativa

Leia mais

REGULAMENTO GERAL QUANDO PENSO QUE CHEGUEI AO MEU LIMITE, DESCUBRO QUE TENHO FORÇAS PARA IR ALEM

REGULAMENTO GERAL QUANDO PENSO QUE CHEGUEI AO MEU LIMITE, DESCUBRO QUE TENHO FORÇAS PARA IR ALEM REGULAMENTO GERAL QUANDO PENSO QUE CHEGUEI AO MEU LIMITE, DESCUBRO QUE TENHO FORÇAS PARA IR ALEM AYRTON SENNA DISCIPLINA 1. Os jogos e atividades começarão rigorosamente no horário previsto; não haverá

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento Medicina Esportiva da reabilitação ao alto rendimento K4b 2 - Ergoespirômetro Portátil Precisão e confiança em qualquer lugar O K4b 2 é o pioneiro e ainda líder de mercado como sistema portátil para análise

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROJETO DE AÇÃO SOCIAL REALIZADO PELOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS DE MECÂNICA E PROJETOS MECÂNICOS

UMA ANÁLISE DO PROJETO DE AÇÃO SOCIAL REALIZADO PELOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS DE MECÂNICA E PROJETOS MECÂNICOS FÁBIO PERUCH UMA ANÁLISE DO PROJETO DE AÇÃO SOCIAL REALIZADO PELOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS DE MECÂNICA E PROJETOS MECÂNICOS Criciúma (SC), Outubro de 2004 FÁBIO PERUCH UMA ANÁLISE DO PROJETO DE AÇÃO

Leia mais

ESCOLINHA DE FUTEBOL 2015

ESCOLINHA DE FUTEBOL 2015 ESCOLINHA DE FUTEBOL 2015 Sumário Apresentação Ø Considerada como uma alternativa educacional que incentiva a cidadania, a escolinha de futebol de campo encontra-se em processo de pleno crescimento estrutural

Leia mais

INTERAÇÃO ANTROPOMÉTRICA, DAS VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS E DA FLEXIBILIDADE EM FUTEBOLISTA INFANTO JUVENIL

INTERAÇÃO ANTROPOMÉTRICA, DAS VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS E DA FLEXIBILIDADE EM FUTEBOLISTA INFANTO JUVENIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 10 INTERAÇÃO ANTROPOMÉTRICA, DAS VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS E DA FLEXIBILIDADE EM FUTEBOLISTA INFANTO JUVENIL

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE 2013 Temos lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o processo de formação de Atletas no Brasil, emitidas

Leia mais

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro FERNANDO PAIVA CORRÊA

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

Análise comparativa de variáveis antropometricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis.

Análise comparativa de variáveis antropometricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. 58 ARTIGO Análise comparativa de variáveis antropometricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. José Mário Campeiz Mestre em Ciências do desporto, Preparador Físico Mogi Mirim

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Sobre a MLG Educação pág 04. Metodologia pág 06. Formato e Prazo pág 09. Programa fidelidade pág 11. Player de Video pág 13

Sobre a MLG Educação pág 04. Metodologia pág 06. Formato e Prazo pág 09. Programa fidelidade pág 11. Player de Video pág 13 P á g i n a 1 P á g i n a 2 P á g i n a 3 Indice Sobre a MLG Educação pág 04 Metodologia pág 06 Formato e Prazo pág 09 Programa fidelidade pág 11 Player de Video pág 13 Módulos dos cursos e Forum pág 16

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa

3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa 3 Metodologia 3.1. Design da pesquisa O objetivo do presente estudo é o de avaliar um processo de comunicação oficial na organização STAR, uma organização do segmento de educação, sem fins lucrativos,

Leia mais

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Pedro F. Caixinha 1 Jaime Sampaio 2 Pedro V. Mil-Homens 3 RESUMO

Leia mais

Curso de Árbitros inicia a 13 de fevereiro

Curso de Árbitros inicia a 13 de fevereiro Newsletter da Associação de Futebol de Leiria Ano VI n.º73 10-02-2016 Curso de Árbitros inicia a 13 de fevereiro pág.6 pág.2 Site da A.F. Leiria com nova imagem A.F. Leiria já disponibiliza os resultados

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

TREINAMENTO MENTAL. Segundo Samulski (2002): "é"

TREINAMENTO MENTAL. Segundo Samulski (2002): é TREINAMENTO MENTAL Segundo Samulski (2002): "é" a imaginação de forma planejada, repetida e consciente de habilidades motoras, técnicas t esportivas e estratégias táticas". t ticas". CONSTITUÍDO Técnicas

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

Eugénia Andrade Lopes A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO ISE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

Eugénia Andrade Lopes A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO ISE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO Eugénia Andrade Lopes A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO ISE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO Praia, Outubro 2007 A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

Leia mais

entre as crianças Ciate: sucesso absoluto Conheça o Iate

entre as crianças Ciate: sucesso absoluto Conheça o Iate Ciate: sucesso absoluto entre as crianças Em 2008, o Iate Clube de Brasília comemora o sucesso do Centro Infanto Juvenil - Ciate. Depois de 12 anos de fundação, o espaço é muito procurado pelos sócios,

Leia mais

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata https://wwwscnpqbr/curriculoweb/pkg_impcvtrata Page 1 of 8 Paulo Cesar do Nascimento Formado em Educação Física na Universidade Federal de Santa Catarina Suas preferências dentro de sua área de atuação

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO. Alessandra Balbi Rita Puga. Livro: Terceira Idade & Atividade Física

4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO. Alessandra Balbi Rita Puga. Livro: Terceira Idade & Atividade Física Boletim Informativo Unimotrisaúde em Sociogerontologia 55 4 - SESSÃO RESENHA DE LIVRO Livro: Terceira Idade & Atividade Física Alessandra Balbi Rita Puga Maria Alice Corazza, em sua literatura sempre enfatiza

Leia mais

Instituto Esporte & Educação

Instituto Esporte & Educação Instituto Esporte & Educação O IEE foi criado em 2001 pela medalhista olímpica Ana Moser. A missão do Instituto é contribuir com a formação de cidadãos críticos, participativos e transformadores das suas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO DESENVOLVIMENTO E SUCESSO Janeiro de 2014 número 1 DISBEME COMEMORA UM ANO DO SEU PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Neste mês, a Disbeme Distribuidora de Tanhaçú/BA, comemorou um ano do lançamento do seu planejamento

Leia mais

guia Metalcamp Divirta-se no DO SÓCIO DeSCOntOS 27 Sócios do Sindicato pagam menos em restaurantes, cinemas

guia Metalcamp Divirta-se no DO SÓCIO DeSCOntOS 27 Sócios do Sindicato pagam menos em restaurantes, cinemas guia DO SÓCIO ABRIL/2013 Edição nº 3 Divirta-se no Metalcamp Compromisso com o trabalhador metalclube 5 A melhor academia da região está no clube dos metalúrgicos CreDmetAl 11 Várias facilidades para o

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Habilidades: Compreender as diferenças entre os esportes: educacional, de rendimento e de participação As dimensões sociais do esporte: Forma

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Jornal Informativo - Edição Agosto 2014. Acima, foto da equipe Sub 17 Educando/Dois toques e abaixo, foto da equipe feminina do XV de Piracicaba

Jornal Informativo - Edição Agosto 2014. Acima, foto da equipe Sub 17 Educando/Dois toques e abaixo, foto da equipe feminina do XV de Piracicaba Jornal Informativo - Edição Agosto 2014 PRINCIPAL: Amistoso Projeto Dois Toques x Feminino do XV Cerimônia de Abertura Copa Rocha Netto Premiação Copa do Mundo do Brasil 2º Curso de Capacitação Copa Rocha

Leia mais

Criando uma equipe vencedora

Criando uma equipe vencedora Criando uma equipe vencedora Como montar uma equipe vencedora? Hoje em dia, empresas de todos os tamanhos têm um objetivo em comum: fazer mais com menos. Desde a crise financeira global, alcançar novos

Leia mais

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade

Física 1 ano Prof. Miranda. Lista de Exercícios II Unidade Física 1 ano Prof. Miranda Lista de Exercícios II Unidade mirandawelber@gmail.com 01. O que é necessário para determinar (caracterizar) uma: a) grandeza escalar? b) grandeza vetorial? 02. Classifique os

Leia mais

CAMPEONATO METROPOLITANO DE BASQUETEBOL SUB 12 INFORMATIVO. 1º Festival: 31 de Março de 2012 COLÉGIO RIO BRANCO EQUIPES PARTICIPANTES

CAMPEONATO METROPOLITANO DE BASQUETEBOL SUB 12 INFORMATIVO. 1º Festival: 31 de Março de 2012 COLÉGIO RIO BRANCO EQUIPES PARTICIPANTES CAMPEONATO METROPOLITANO DE BASQUETEBOL SUB 12 INFORMATIVO 1º Festival: 31 de Março de 2012 COLÉGIO RIO BRANCO EQUIPES PARTICIPANTES CIRCULO MILITAR DE CAMPINAS COLÉGIO RIO BRANCO CLUBE ATLÉTICO VALINHENSE

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

PROGRAMAÇÃO. Dia 23 de junho quinta-feira

PROGRAMAÇÃO. Dia 23 de junho quinta-feira Dia 23 de junho quinta-feira PROGRAMAÇÃO DE ABERTURA A partir das 8h Credenciamento e Entrega de materiais 10h 10h30 Solenidade de Abertura Representantes do Sesc e FCA Unicamp. Ginásio 10h30 11h30 PROGRAMAÇÃO

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO

CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE DESPORTO CORPO, JOVENS E PRÁTICA DE MUSCULAÇÃO Um estudo em freqüentadores de academia na região do Grande Porto Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau

Leia mais

JOGOS REDUZIDOS EM FUTEBOL

JOGOS REDUZIDOS EM FUTEBOL UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO JOGOS REDUZIDOS EM FUTEBOL Comportamento Técnico-Táctico e Variabilidade da Frequência Cardíaca em Jogos de 3x3 e 6x6 com Jogadores Sub-13 DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

PROJETO E REGULAMENTO GERAL

PROJETO E REGULAMENTO GERAL OLIMPÍADAS DO INSTITUTO EDUCACIONAL NOVOS TEMPOS PROJETO E REGULAMENTO GERAL Ensino Fundamental II e Médio OUTUBRO DE 2015 APRESENTAÇÃO: As Olimpíadas do Instituto Educacional Novos Tempos (OLIENT), visam

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

www.emagrecerdevez.com

www.emagrecerdevez.com www.emagrecerdevez.com page 1 / 5 Caso de Sucesso - Fernando by rpolesso - segunda-feira, maio 21, 2012 http://emagrecerdevez.com/caso-de-sucesso-fernando Bom dia! Tudo tranquilíssimo? Oh yeah! Como sei

Leia mais

Informações gerais Colégio Decisão

Informações gerais Colégio Decisão 1 Informações gerais Colégio Decisão 2 Carta da Diretora Colégio Decisão Venha, que estamos de portas abertas para você. Carta da Direção Prezados país e responsáveis, A Organização de uma escola pede

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700

FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700 FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700 QUALIDADES FÍSICAS DO ESPORTE ORIENTAÇÃO POTÊNCIA Santa Maria 2004 1 JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais