Ensino religioso História Geografia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensino religioso História Geografia"

Transcrição

1 TEMA As diferenças podem incomodar AUTOR Loridane Gondim de Souza SÉRIE II etapa do 1º ciclo, 2ª série EIXOS Ensino religioso História Geografia Alteridade História local e do cotidiano O lugar e a paisagem OBJETIVOS Conhecer e respeitar o outro com suas diferenças; Perceber que o espaço geográfico é ocupado por diferentes pessoas vindas de diferentes lugares; Reconhecer o outro, refletindo e vivenciando o diálogo e o respeito às diferentes religiões; Reconhecer as diferentes manifestações culturais conhecendo os diferentes grupos étnicos; FUNDAMENTAÇÃO PEDAGÓGICA

2 O presente projeto objetiva promover uma proposta de trabalho, para crianças de sete e oito anos, que abordará o tema as diferenças podem incomodar, esclarecendo como trabalhar com as diferenças dentro da escola. A criança de sete anos se encontra no estágio das operações concretas segundo Piaget, estas operações definem o desenvolvimento cognitivo. Para manipular objetos concretos ela utiliza de certa lógica e raciocínio. Porém neste estágio a criança não reflete em termo abstrato completamente, muito menos raciocina sobre propostas hipotéticas. No desenvolvimento físico-motor esta criança se encontra num período de crescimento rápido; controla melhor o corpo; se torna mais independente; possui maior desenvolvimento da musculatura fina, já pega corretamente o lápis, pincéis finos e pequenos objetos; aplica algumas técnicas mais sofisticadas em recortes e colagens, dando complexidade às cenas montadas. No desenvolvimento psico sexual, segundo Freud a criança desta idade se encontra no período da latência. Neste período a criança encontra-se adquirindo habilidades, valores e papéis culturalmente aceitos. O período da latência é assim chamado porque os impulsos são impedidos de se manifestarem, pois surgem na criança barreiras mentais que Freud identificou como vergonha, repugnância e moralidade. A LDB 9394/96 afirma no artigo 32 que o ensino fundamental na escola pública é gratuito e obrigatório, tem duração mínima de nove anos e possui como objetivo a formação básica do cidadão. No ensino fundamental a criança amplia sua capacidade de aprender, ou seja, ela mostra domínio pela escrita, leitura e cálculo. O ensino fundamental deve ter em vista também a aquisição de conhecimentos e habilidades e a formação de atitudes e valores. As diretrizes curriculares colocam que o profissional da educação deve construir um projeto educativo para promover a relação entre pessoas de culturas diferentes, enquanto membros de sociedades históricas. Por isso implica em mudanças profundas na prática pedagógica, de modo particular na escola, que deve oferecer oportunidades educativas a todos, respeitando e integrando a diversidade de sujeitos. Para tanto, é preciso desenvolver processos educativos, metodologias e instrumentos pedagógicos que dêem sustentação à complexidade das relações humanas entre indivíduos e culturas diferentes. Sendo assim a escola deve propiciar aos alunos atividades que os

3 preparem para refletir sobre a própria sociedade e as diferenças existentes para que assim possam agir de forma autônoma com responsabilidade e respeito. Segundo os parâmetros curriculares, com isso, o estudante deve ser capaz de conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais. A partir do trabalho com este tema a criança desenvolverá valores como respeito, justiça e solidariedade aprendendo assim a conviver com as diferenças existentes na sociedade e na escola, propiciando então um ambiente acolhedor, o que é fundamental para garantir uma aprendizagem de qualidade à todos. O respeito à diversidade efetiva-se no respeito às diferenças, que impulsiona as ações de cidadania. Essas ações de cidadania nada mais são do que o respeito à diversidade, voltadas para a construção de contextos sociais inclusivos. Esta proposta de trabalho pretende preparar os alunos para lidar com as questões da diversidade cultural e os problemas de discriminações e preconceitos a ela associados, aprendendo assim a exercer a cidadania em uma sociedade mista superando toda forma de exclusão. Isso será possível no decorrer do trabalho quando as crianças forem conhecendo as diferentes culturas que formam a nossa sociedade e como aconteceu esta formação, percebendo sua origem e a origem dos colegas. Assim ela conhecerá sua própria identidade e aprenderá a respeitar o outro em suas diferenças. Neste trabalho com as diferenças inclui também trabalhar com a inclusão, onde garantem os direitos aos excluídos (deficientes, negros, indígenas, distúrbios de comportamento, entre outros). Incluir significa olhar o diferente com respeito. Não significa fingir que as diferenças não existem, mas compreendê-las e aceitá-las como inerentes às dinâmicas sócio ambientais. A inclusão de estudantes de qualquer raça, religião, nacionalidade, classe socioeconômica, cultura ou capacidade em ambientes escolares de aprendizagem desenvolve o respeito mútuo e o aproveitamento das diferenças para melhorar as relações na nossa sociedade, em seus diferentes subsistemas.

4 A criança faz parte de uma história e está construindo sua história e está inserida num contexto social. Por isso a história não pode ser entendida a partir de um individual mas de um coletivo que inclui toda a sociedade. Por isso é importante conhecer através desta disciplina as formações sociais que se construiu historicamente, assim como as relações sociais, que inclui as diferenças impostas por tal formação social, para que assim as crianças entendam porque as pessoas não são todas iguais e aprendam a respeitar as diferenças. Com este trabalho pode-se entender se eu vejo o outro como diferente ele pode estar me vendo da mesma maneira porque somos diferentes, e aqui entra outro principio básico, assim como eu não gostaria que o outro me tratasse mal, também não devo tratar ninguém mal, não faça ao outro o que você não gostaria que fizesse a você. A Geografia estuda a dinâmica da sociedade, esta dinâmica consiste em compreender as relações econômicas, políticas, e culturais estabelecidas entre os seres humanos. É na Geografia que a criança irá perceber que o espaço onde ela vive é formado por diferentes pessoas vindas de diferentes lugares. Também aprenderá que as conseqüências das relações de hoje influenciarão na construção do espaço de amanhã. No ensino religioso a criança irá perceber que também existem diferenças entre religiões que precisam ser respeitadas, este trabalho possibilitará a reflexão, a vivencia do diálogo e o respeito às diferentes religiões. Este trabalho com as diferenças diminuirá a tensão do ambiente de sala de aula, além de melhorar a convivência dos alunos, essas mudanças também poderão ser vistas no rendimento da turma, porque todos sabem que é muito melhor aprender em um ambiente agradável. PLANO DE TRABALHO ATIVIDADE 1 - Assistir o filme do Smilinguido: a moda amarela - Entregar as seguintes perguntas para que as crianças façam uma reflexão em grupos de quatro integrantes:

5 1) Porque as formigas queriam ser iguais ao Sminlinguido? 2) O que vocês acharam da atitude delas? 3) Qual foi a conseqüência da atitude delas? 4) Como seria o mundo se todas as pessoas fossem iguais? 5) Porque as pessoas são diferentes? - depois da conversa em grupo fazer uma grande roda para discussão destas questões. ATIVIDADE 2 -Contar a história do livro: Menina bonita do laço de fita - Conversa sobre o livro: refletir com as crianças que todas as nossas características vem da junção de nosso pai com a nossa mãe, por isso um dos motivos das pessoas serem diferentes é a origem dos pais e avós. - Pedir como tarefa de casa o preenchimento do seguinte esquema, preencher com a origem e se tiver colar uma foto. bisavô bisavó bisavô bisavó bisavô bisavó bisavô bisavó Avô Avó Avô Avó

6 Pai Mãe Eu e irmãos Atividade 3 - Dividir a turma em seis grupos e dividir os temas: Grupos 1 e 2- cultura indígena no Brasil Grupos 3 e 4- cultura negra no Brasil Grupos 5 e 6- A cultura européia e a cultura de outros povos - Levar a turma para a biblioteca para pesquisarem em livros já pré determinados. - Preparar cartaz para apresentar aos colegas - Apresentação da pesquisa em grupo - Depois da apresentação de todos os grupos a professora fará uma aula expositiva sobre os mesmos assuntos para fixar bem o que foi apresentado. Explicar às crianças que oficialmente as terras brasileiras começaram a serem povoadas com a chegada dos portugueses em Mas que aqui já existiam habitantes há milhares de anos. Eram os indígenas que dominavam o litoral da Bahia até Cananéia em São Paulo. Os indígenas se dividiam em diversas tribos e realizavam atividades como caça e pesca. Refletir com eles como está a situação do indígena hoje, se ele é respeitado, se existem muitos ou poucos, em que situações eles vivem e se eles conhecem alguém que tem origem indígena. Mostrar alguns hábitos e costumes indígenas que permanecem até hoje em nossas vidas como brincadeiras comidas nomes e outros. Explicar que os negros vieram para o Brasil trazidos da África pelos portugueses, para trabalhar como escravos nas lavouras de cana-de-açúcar. Os negros e descendentes de negros, constituem 47% da população brasileira atual. Os negros deixaram marcas em nossa cultura até hoje, como a religião, a música, a culinária, a dança e muitas outras. Conversar sobre o preconceito

7 existente hoje, qual a opinião deles sobre o assunto, se já vivenciaram alguma situação entre outras coisas. A cultura européia e a de outros povos chegaram ao Brasil em diferentes épocas, estimulados pela propaganda do governo brasileiro. Entre esses povos, estavam portugueses, italianos, japoneses, poloneses, alemães, árabes, judeus, turcos e outros. O povoamento e a mistura de culturas entre os que já moravam aqui e os que chegavam provocaram alguns conflitos que, aos poucos, foram sendo amenizados. Essa mistura de povos formou a nossa sociedade de hoje com várias diferenças de culturas, religiões etc. -como atividade para casa eles deverão responder o seguinte questionário com ajuda dos pais ou responsáveis. 1) De que povo a sua família é descendente? 2) sua família sempre morou nesse estado ou veio de outro lugar? Por que veio? 3) De onde vieram seus avós e bisavós? Porque vieram? 4) Porque escolheram este estado? 5) Você gosta de morar nesse estado? Porquê? ATIVIDADE 4 - Conversa sobre o questionário da tarefa de casa. - Pedir que escrevam um pequeno texto contando a história de sua família. - pedir que escolham um colega para fazer trocar de textos. Solicitar que leiam o texto de seu colega e procure diferenças e semelhanças entre sua história e a dele. -conversar com a turma dando oportunidade para as duplas se expressarem. -fazer junto com a turma um quadro com a ascendência de cada aluno para ver quantos tem descendência de europeus, africanos asiáticos ou indígenas na sala. ASCENDÊNCIA NÚMERO DE ALUNOS Europeus Africanos

8 Asiáticos Indígenas -após o quadro elaborar um gráfico com a turma representando a ascendência dos alunos. -Depois do gráfico analisar com eles: A maior parte dos alunos é descendente de pessoas que nasceram em que lugares? Qual a ascendência que apareceu menos? -pedir para casa a seguinte pesquisa: No seu estado, de quais povos a população é descendente? -Ver o resultado da pesquisa; ATIVIDADE 5 -conversar com a turma se essas pessoas incluindo elas mesmas que vieram de diferentes lugares tem as mesmas características físicas e os mesmos costumes que as outras pessoas que também podem ter vindo de outro lugar. -refletir com eles que, assim como os outros parecem diferentes para nós, nós podemos parecer diferentes para eles, e que se não gostamos de ser maltratados devemos tratar bem as pessoas também. -Ler com eles o livro Você é especial de Max Lucado depois refletir sobre a atitude dos personagens da história, sobre os sentimentos do Marcelino quando todos zombavam dele, trazendo a história para o contexto das crianças. -Desenhar como devemos tratar as pessoas, depois colar as produções em um mural na sala. ATIVIDADE 6 -Refletir com a turma que além das diferenças dos diferentes povos, também existem diferenças de religião e físicas que também precisam ser respeitadas como as outras. -Fazer um levantamento na sala das diferentes igrejas que as crianças freqüentam, vendo quantas tem mais, as diferenças existentes em cada uma e comentar com eles que existe uma lei que fala sobre o respeito às diferentes religiões e também às diferenças raciais, deficiências entre outras. Todos nós merecemos respeito e devemos respeitar.

9 ATIVIDADE 7 -contar a história da Ruth Rocha do livro Romeu e Julieta, através de desenhos em cartolinas. -refletir com eles através dos questionamentos: 1)Você sabe que não existe ninguém no mundo igual a você. somos todos diferentes! Isso significa que é possível as pessoas viverem sozinhas, sem a ajuda de ninguém? 2) Romeu e Julieta eram felizes cada qual em seu canteiro? Por quê? 3) Que descobertas eles fizeram quando voaram para longe de seus canteiros? 4) Se seus pais não tivessem saído de seus canteiros para procurar juntos eles os encontrariam? 5)Qual a lição podemos tirar desta história para a nossa vida? 6) Na nossa vida, algumas vezes agimos como as borboletas que não queriam sair de seus canteiros. Aquilo que é diferente, às vezes nos assusta. Você conhece outra história parecida com a da Ruth Rocha? Pode ser real ou que você tenha imaginado. Refletir com eles que as diferenças muitas vezes enriquece a nossa vida e as nossas descobertas, mas para isso é preciso respeitá-la e aceitá-la para assim tirar o melhor proveito de tudo. ATIVIDADE 8 -Fazer um mural com as diferentes culturas e raças e outro com outras diferenças como religião, sexo, físicas e fazer uma ligação dos dois com frases de respeito e solidariedade às diferenças. - fazer esboço em sala junto com todos os alunos. -pedir que eles pesquisem em revistas, jornais ou outros meios, figuras interessantes sobre o tema, ou outro material que possamos usar. RECURSOS DIDÁTICOS -Quadro de Giz -cartolina -livros de literatura -livros para pesquisa -DVD do Smilinguido -cartaz REFERENCIAIS

10 BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. v. 3. Brasília, GIL, Ana Helena C. de Freitas. Geografia, espaço e representações: base editora, Curitiba PR LUCADO, Max. Você é especial: Ed. United press Campinas-SP. ROCHA, Ruth. Romeu e Julieta: ed Ática. WALNY, T. de Marino Viana. Refletindo sobre o mundo:sistema educacional expoente Curitiba PR APROFUNDAMENTO DO CONTEÚDO AS DIFERENÇAS PODEM INCOMODAR A reflexão sobre educação e diversidade cultural não diz respeito apenas ao reconhecimento do outro como diferente. Significa pensar a relação entre o eu e o outro. A escola é um espaço sociocultural em que as diferentes presenças se encontram. As crianças precisam aprender a respeitar essas diferenças e o mediador desta aprendizagem deve ser o professor que deverá estar atento a estas questões. A escola é o meio mais eficiente de se lutar pela igualdade e cidadania para todos, onde pode e deve ser trabalhada a diversidade cultural. A escola cumpre a sua função social e política não somente na escolha da metodologia eficaz para a transmissão dos conhecimentos historicamente acumulados ou no preparo das novas gerações para serem inseridas no mercado de trabalho e/ou serem aprovadas no vestibular, mas também quando forma o cidadão para ser humano. Nesse sentido, a educação escolar, embora não possa resolver sozinha todas essas questões, ocupa um lugar de destaque.

11 Falar sobre a diversidade cultural não diz respeito apenas ao reconhecimento do outro. Significa pensar a relação entre o eu e o outro. Aí está o encantamento da discussão sobre a diversidade. Ao considerarmos o outro, o diferente, não deixamos de focar a atenção sobre o nosso grupo, a nossa história, o nosso povo. Ou seja, falamos o tempo inteiro em semelhanças e diferenças. Isso nos leva a pensar que ao considerarmos alguém ou alguma coisa diferente, estamos sempre partindo de uma comparação. E não é qualquer comparação. Geralmente, comparamos esse outro com algum tipo de padrão ou de norma vigente no nosso grupo cultural ou que esteja próximo da nossa visão de mundo. Esse padrão pode ser de comportamento, de inteligência, de esperteza, de beleza, de cultura, de linguagem, de classe social, de raça, de gênero, de idade. Nesse sentido, a discussão a respeito da diversidade cultural não pode ficar restrita à análise de um determinado comportamento ou de uma resposta individual. Ela precisa incluir e abranger uma discussão política, por que ela diz respeito às relações estabelecidas entre os grupos humanos e por isso mesmo não está fora das relações de poder. Ela diz respeito aos padrões e aos valores que regulam essas relações. A diversidade cultural não é apenas um tema transversal, muito mais do que um tema, a diversidade cultural é um componente do humano. Ela é constituinte da nossa formação humana. Somos sujeitos sociais, históricos, culturais e por isso mesmo diferentes. A diversidade está colocada para a educação como um dado social ao longo de nossa história. Entendê-la é dialogar com outros tempos e com múltiplos espaços em que nos humanizamos: a família, o trabalho, a escola, o lazer, os círculos de amizade, a história de vida de cada um. Refletir sobre a escola e a diversidade cultural significa reconhecer as diferenças, respeitá-las, aceitá-las e colocá-las na pauta das nossas reivindicações, no centro do processo educativo. E o reconhecimento das diferenças não é algo fácil e romântico. Nem sempre o diferente nos encanta. Muitas vezes ele nos assusta, nos desafia, nos faz olhar para a nossa própria história, nos leva a passar em revista as nossas ações, opções políticas e individuais e os nossos valores. Reconhecer as diferenças implica em romper

12 com preconceitos, em superar as velhas opiniões formadas sem reflexão, sem o menor contato com a realidade do outro. O ESPAÇO DA CULTURA INDÍGENA Oficialmente as terras brasileiras começaram a serem povoadas com a chegada dos portugueses em Mas que aqui já existiam habitantes há milhares de anos. Eram os indígenas que dominavam o litoral da Bahia até Cananéia em São Paulo. Esse espaço fazia parte das terras ocupadas pelos portugueses conforme o tratado de Tordesilhas e constituía o território até então conhecido. Os indígenas se dividiam em diversas tribos e realizavam atividades como caça e pesca. Nessa época e espaço, já existiam milhões de indígenas, que ocupavam terras brasileiras além dos limites estabelecidos. Hoje, isso mudou, as tribos que ocupavam o território brasileiro estão em menor número e tentam assegurar o direito de permanecer nas terras que antes eram suas. A Constituição da República Federativa do Brasil assegura o direito de posse de terras aos indígenas, no artigo 231: são reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, crenças e tradições e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo a União demarcá-las, proteger e fazer respeitar o seus bens. Isso quer dizer que os indígenas têm garantido o direito de usufruto das terras em suas reservas nas letras da lei. Mas, a luta pela garantia de seus direitos continua. Em 1973, foi criado o Estatuto do Índio, no qual constam os direitos dos indígenas sobre as terras que ocupam. Atualmente, existem cerca de 275 áreas demarcadas e mais de 270 ainda não demarcadas. O ESPAÇO DA CULTURA NEGRA

13 Os negros vieram para o Brasil trazidos da África pelos portugueses, para trabalhar como escravos nas lavouras de cana-de-açúcar, principalmente na região Nordeste. Os negros e descendentes de negros, constituem 47% da população brasileira atual. Os negros deixaram marcas em nossa cultura até hoje, como a religião, a música, a culinária, a dança e muitas outras. A CULTURA EUROPÉIA E A CULTURA DE OUTROS POVOS Alguns povos, estimulados por propaganda do governo brasileiro em diferentes épocas, migraram para o Brasil. Entre esses povos, estavam portugueses, italianos, japoneses, poloneses, alemães, árabes, judeus, turcos e outros. O povoamento e a mistura de culturas entre os que já moravam aqui e os que chegavam provocaram alguns conflitos que, aos poucos, foram sendo amenizados. No último século, devido à crise na economia brasileira, esse processo mudou. O Brasil, considerado um país para imigração, passou a ser de emigração. Brasileiros emigraram principalmente para os Estados Unidos, o Japão e a Austrália em busca de trabalho e melhores condições de vida. Essa mistura de povos formou a nossa sociedade de hoje com várias diferenças de culturas, religiões etc.

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES

PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES EMEF ANTÔNIO ANDRADE GUIMARÃES PROJETO CONSCIÊNCIA NEGRA: EDUCAÇÃO NÃO TEM COR. PROFESSORA: GISELE GELMI. LOCAL: SÍTIO BANDEIRANTES Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando

Leia mais

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro.

Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um. referencial de entendimento das diferenças e respeito ao outro. TEMA: Preconceito religioso SÉRIE 2ª. Série Andressa Priscila Chiquiti - chiqt@bol.com.br 4. OBJETIVO /s Possibilitar o conhecimento dos diferentes grupos religiosos construindo um referencial de entendimento

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas.

PALAVRAS-CHAVE: Lei 10.639/2003. Diversidade Etnicorracial. Práticas Pedagógicas. REVELANDO SENTIDOS E DESPERTANDO PERTENÇAS: O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 EM UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE ENSINO DE CAMPINA GRANDE-PB Acacia Silva Alcantara Graduanda Pedagogia UEPB/PROPESQ/PIBIC-Af

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional SEMINÁRIO DE FORMAÇÃO DE GESTORES E EDUCADORES DO PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE Palmas-Tocantins-2012 DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: a Práxis Educacional Aida Monteiro trevoam@terra.com.br

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RELATO DE EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo MATUCHESKI, Franciele Luci PUCPR francielematucheski@yahoo.com.br Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

Educação em Direitos Humanos Extensão

Educação em Direitos Humanos Extensão Código / Área Temática Direitos Humanos Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação em Direitos Humanos Extensão QUALQUER ETAPA DE ENSINO Nível do Curso Extensão Objetivo O objetivo

Leia mais

Diversidade cultural. Projetos temáticos

Diversidade cultural. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Educação infantil Publicado em 2012 Projetos temáticos Educação Infantil Data: / / Nível: Escola: Nome: Diversidade cultural Monkey Business Images/Shutterstock

Leia mais

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade

Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Relatório Final do Projeto Institucional de Apoio à Diversidade Veja o exemplo de relatório do processo de ensino-aprendizagem apresentado pela professora de uma das turmas da CMEB Mário Leal Silva CMEB

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância

em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância 1 editorial Por Beto Vieira, do Sarte Fique Ligado Assistência técnica aos agricultores Por Jesaias de França, Diretor Executivo Coobtec mata

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA 1º PERÍODO 1º PERÍODO Prezados pais, Encaminhamos a Programação da 3ª Etapa de 2015, material que serve de apoio para o acompanhamento das habilidades que serão desenvolvidas. Lembramos que este planejamento é flexível

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

Manual do universitário

Manual do universitário Manual do universitário 1 SOBRE O NAPp Olá querido (a) estudante! Inicialmente parabenizamos por sua conquista! Estamos felizes por recebê-lo (a)! Todavia o desafio não está apenas em ser aprovado (a)

Leia mais

PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS

PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS PLURALIDADE CULTURAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: A CONTRIBUIÇÃO DE DIFERENTES POVOS BENTO *, Clovis Claudino NEFEF/UFSCar SPQMH bentocc@bol.com.br GONÇALVES JUNIOR **, Luiz PPGE NEFEF/DEFMH/UFSCar

Leia mais

BRASIL AFROATITUDE. Programa Integrado de Ações Afirmativas para Negros

BRASIL AFROATITUDE. Programa Integrado de Ações Afirmativas para Negros Presidência da República Secretaria Especial dos Direitos Humanos Conselho Nacional de Combate à Discriminação BRASIL AFROATITUDE Programa Integrado de Ações Afirmativas para Negros Ministério da Saúde

Leia mais

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA.

ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. ESTUDOS CULTURAIS E ENSINO DA ARTE: RELAÇÕES PEDAGÓGICAS ENTRE UMA PROCISSÃO RELIGIOSA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUMA PERSPECTIVA CONTEMPORÂNEA. SOUZA 1, Carla Farias UFSM carla_fs111@yahoo.com.br NUNES

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais.

A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS. Palavras-chave: ensino-aprendizagem; Matemática; Anos Iniciais. 1 A IMPORTÂNCIA ATRIBUÍDA PELO PEDAGOGO AO ENSINO DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS Janaina de Carvalho Vieira da Silva, Faculdade Jesus Maria José, janainacarvieira@gmail.com Daniela Souza Lima, Faculdade

Leia mais

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira

3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira 3ª FASE Prof.a Carolina Oliveira CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 4º Bimestre Atividade Avaliativa de Ens. Religioso Aula 172 Conteúdo Contar histórias

Leia mais

4h diárias - 16 meses

4h diárias - 16 meses 4h diárias - 16 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM RECEPCIONISTA ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral: 4 -

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS.

CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. CADERNO DE ATIVIDADES PARA O PRIMEIRO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: FERRAMENTA DE APOIO AO PROFESSOR DA CRIANÇA DE 6 ANOS. Elaine Cristina Rodrigues Gomes Vidal. Gruhbas Projetos Educacionais

Leia mais

Aula RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA

Aula RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA RELAÇÕES DE DISCIPLINARIDADE. TEMAS TRANSVERSAIS. CONTEXTUALIZAÇÃO NO ENSINO DE MATEMÁTICA META Promover a preparação do estagiário para a elaboração de seu Projeto de Estágio. Estabelecer conceitos e

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS

SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS Plataforma dos Centros Urbanos SÍNTESE DOS RESULTADOS DAS CONSULTAS PARTICIPATIVAS DE SÃO PAULO INTRODUÇÃO Este relatório sintetiza os dados consolidados do processo de consulta participativa, realizado

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO 0 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Pedagogia Trabalho de Conclusão de Curso INDISCIPLINA ESCOLAR SUAS CAUSAS E ALTERNATIVAS DE SOLUÇÃO Margarida Fernandes de Sousa Graciano Autora: Cristiane Pereira

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FORMAÇÃO INICIAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA EM UM PROGRAMA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Resumo Juliana Silva Cristina 1 - UFU Maria Clara Elias Polo 2 - UFU Grupo de Trabalho - Formação

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória

Preconceito juízo pré-concebido atitude discriminatória PRECONCEITO RACIAL O QUE É PRECONCEITO? Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. O preconceito

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 34, Toledo PR Fone: 377-850 PLANEJAMENTO ANUAL DE VALORES E ENSINO RELIGIOSO SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA.

DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR: QUANDO A RELIGIOSIDADE ATRAVESSA A PRÁTICA. Amanda Pathiely Serrânia Faria UFG/FEFD 1 Orientador e Coautor: Prof. Dr. Alexandre Ferreira UFG/FEFD 2 Graduanda do curso de Licenciatura

Leia mais

COMO O PROFESSOR VÊ A EDUCAÇÃO

COMO O PROFESSOR VÊ A EDUCAÇÃO COMO O PROFESSOR VÊ A EDUCAÇÃO 2007 Pesquisa realizada pela Fundação Carlos Chagas sob encomenda da Fundação Victor Civita. 2007 Fundação Victor Civita. Todos os direitos reservados. 1 A Fundação Victor

Leia mais

A FORMULAÇÃO E A CIRCULAÇÃO DOS SENTIDOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, NO PROCESSO ELEITORAL AO CARGO DE REITOR DA UNEMAT.

A FORMULAÇÃO E A CIRCULAÇÃO DOS SENTIDOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, NO PROCESSO ELEITORAL AO CARGO DE REITOR DA UNEMAT. A FORMULAÇÃO E A CIRCULAÇÃO DOS SENTIDOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, NO PROCESSO ELEITORAL AO CARGO DE REITOR DA UNEMAT. Patrícia Aparecida da Silva 1 Olimpia Maluf-Souza 2 Antes de iniciarmos propriamente

Leia mais

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida *

Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Formação Continuada de Professores de Matemática: Uma Extensão Válida * Mariene Helena Duarte¹, Maria da Gloria Bastos de Freitas Mesquita² marieneduarte@hotmail.com ¹ Graduanda em Química Bolsista Iniciação

Leia mais

Orientações 2012 1. HORÁRIO DE INÍCIO E TÉRMINO DAS AULAS

Orientações 2012 1. HORÁRIO DE INÍCIO E TÉRMINO DAS AULAS COLÉGIO CAETANO CAPRÍCIO Rua Manoel Valim, 639 - Vila Aparecida CEP 14401-255 Franca /SP Telefone: (16) 3724-2999 www.caetanocapricio.com.br caetanocapricio@caetanocapricio.com.br Orientações 2012 Nossa

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

PAINEL TEATRO-INFÂNCIA: EXPERIMENTOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Orientador: Prof. MS. Ricardo Carvalho de Figueiredo Doutorando em Artes

PAINEL TEATRO-INFÂNCIA: EXPERIMENTOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Orientador: Prof. MS. Ricardo Carvalho de Figueiredo Doutorando em Artes PAINEL TEATRO-INFÂNCIA: EXPERIMENTOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Orientador: Prof. MS. Ricardo Carvalho de Figueiredo Doutorando em Artes Autor: Charles Valadares Tomaz de Araújo Universidade Federal de Minas

Leia mais

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL.

IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. IDOSOS E A LEITURA DE JORNAL. Adriana Pastorello. Programa de Pós-Graduação Universidade Estadual Paulista Câmpus de Marília SP. Grupo de pesquisa: Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação.

Leia mais

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i

HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i HISTORIANDO GUARIBAS: UMA EXPERIÊNCIA DE ESCOLARIZAÇÃO DO SESC LER i Rozenilda Maria de Castro Silva ii O trabalho que pretendemos socializar é o Projeto Pedagógico Historiando Guaribas, de alfabetização

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO Resumo Jaderson Felisberto Valério 1 - PUCPR Reginaldo Rodrigues da Costa 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1 EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Tendo em vista a construção do PNE e do SNE como política de Estado, são apresentadas, a seguir, proposições e estratégias, indicando

Leia mais

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja

Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja 1 Entre a elevação da escolaridade e a qualificação profissional: Uma experiência com os RESUMO: Jovens e adultos IFFarroupilha- Câmpus São Borja KAEFER, Verle. Maria Teresinha 1 DUTRA, Paim. Isolete 2

Leia mais

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe

O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Anais do XV Encontro de Iniciação Científica da PUC-Campinas - 26 e 27 de outubro de 2010 ISSN 1982-0178 O estado da arte nas pesquisas sobre as relações famíliaescola nos anais da Anppep e Conpe Leandro

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 Mantena-MG INTRODUÇÃO A Faculdade de Mantena FAMA - é um estabelecimento particular de ensino superior, que visa a atender

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS Adriana Teixeira Gomes Jediã Ferreira Lima Rosana Marques de Souza Secretaria

Leia mais

Palavra da Direção INFORMATIVO DO COLÉGIO APOIO

Palavra da Direção INFORMATIVO DO COLÉGIO APOIO MAIO D S T Q Q S S 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 INFORMATIVO DO COLÉGIO APOIO Palavra da Direção Todas as nossas homenagens àquelas que merecem o maior

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 4 o ano (3 a série) Período: MANHÃ AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 2/9/2009 Valor da prova: 6,0 Nota: Eixo temático

Leia mais

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade.

A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Ministério da Educação Início do Conteúdo A Ética e o Idoso: Comemorando o Dia Internacional da Terceira Idade. Autor e Co-autor(es) Autor Fátima Rezende Naves Dias UBERLANDIA - MG ESC DE EDUCACAO BASICA

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA

A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA A CONSTITUIÇÃO DO SER PROFESSOR NA EDUCAÇÃO INFANTIL PELO PIBID DE PEDAGOGIA Resumo Gisele Brandelero Camargo 1 - UEPG Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

Grupo de pesquisa:as Redes de conhecimentos em comunicação e educação: questão de cidadania. http://www.lab-eduimagem.pro.br.

Grupo de pesquisa:as Redes de conhecimentos em comunicação e educação: questão de cidadania. http://www.lab-eduimagem.pro.br. PROCUREI E ENCONTREI:OS POSSÍVEIS ÁLBUNS DE MULHERES NEGRAS CHAGAS, Cláudia Regina Ribeiro Pinheiro das UERJ GT-23: Gênero, Sexualidade e Educação Agência Financiadora: FAPERJ Fotografia é Memória e com

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO 5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade - Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sesi-PR e com o apoio de diversas instituições

Leia mais

Formulário para Diagnóstico da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Espírito Santo Levantamento do perfil dos Sujeitos da EJA

Formulário para Diagnóstico da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Espírito Santo Levantamento do perfil dos Sujeitos da EJA Pesquisa do Programa Observatório da Educação OBEDUC/UFES Formulário para Diagnóstico da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Espírito Santo Levantamento do perfil dos Sujeitos da EJA Caros educandos

Leia mais

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL.

A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. A ESCOLA FREINET E A AGRESSIVIDADE: UM ESTUDO COM ALUNOS DE 1ª A 4ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL. Resumo: MIGUEL, Rebeca Signorelli UNICAMP rebs.rebequinha@gmail.com PRODÓCIMO, Elaine UNICAMP elaine@fef.unicamp.br

Leia mais

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano

Um introdução. Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO. O Processo de Design. O Curso para o Design Centrado no Ser Humano Guia do Workshop INSPIRAÇÃO IDEAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO O Processo de Design Vamos começar! Nós sabemos por experiência que o único jeito de aprender o design centrado no ser humano é aplicando-o. Por isso,

Leia mais

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa:

Palavras Soltas. Projeto Pedagógico 2014/2015. Equipa Educativa: Palavras Soltas Equipa Educativa: Ana Maria Lopes; Ana Paula Neves; Daniela Bonito; Sandra Silva; Tathiana Germano; Teresa Ouro Índice Palavras Soltas 2 14 pág. Introdução... 5 I. Justificativa/ Tema...

Leia mais

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas

Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Avaliação na Educação Infantil Legislação e Pesquisas Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto Diversos pesquisadores têm

Leia mais

Discutindo Tendências no Ensino da Matemática

Discutindo Tendências no Ensino da Matemática Discutindo Tendências no Ensino da Matemática Dione Lucchesi de Carvalho Faculdade de Educação - Unicamp Prática Pedagógica em Matemática Prapem Grupo de Sábado - GdS dione_paulo@uol.com.br 1 Maio de 2010

Leia mais

A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO A AMOROSIDADE NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UMA PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Camila Ely 1 Mateus Lorenzon 2 Resumo: Neste artigo, decorrente da disciplina de Estágio Supervisionado em

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 88-GR/UNICENTRO, DE 12 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Educação e Formação Empreendedora, modalidade de educação a distância, aprovado pela

Leia mais

alfabetizaçãocomoliberdade

alfabetizaçãocomoliberdade alfabetizaçãocomoliberdade 53 A DÉCADA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ALFABETIZAÇÃO: EDUCAÇÃO PARA TODOS Plano de Ação Internacional; Implementação da Resolução nº 56/116, da Assembléia Geral.Relatório do Secretário-Geral

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F.

Escola em que trabalha e na qual será desenvolvido o Plano de Ação: Escola Estadual Santos Dumont E. F. CURSO GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLA PROJETO GDE APLICADO NA ESCOLA SANTOS DUMONT- PARANACITY- PR NÚCLEO PARANAVAI PROFESSORA: MARIA HILDA LIMA / DISCIPLINA: MATEMÁTICA Diagnóstico da Realidade: * Sabemos

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Elane Porto Campos-UESB Graduanda em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Bolsista do subprojeto de Pedagogia PIBID/UESB-CAPES

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA

O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA O ENSINO DE MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE- INDUSTRIAL NA VOZ DO JORNAL O ETV : ECOS DA REFORMA CAPANEMA Antonio Henrique Pinto ahenriq@unicamp.br Introdução O ensino de matemática passou por

Leia mais

1 Concurso Cartão de Natal - IMEPAC

1 Concurso Cartão de Natal - IMEPAC CONCURSO FOTOGRÁFICO CARTÃO DE NATAL IMEPAC O INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS, situado na Avenida Minas Gerais, 1889, Centro, na cidade de Araguari/MG, inscrita no CNPJ sob o n.º 11.010.877/0001-80,

Leia mais

O USO DO TANGRAM EM SALA DE AULA: DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO

O USO DO TANGRAM EM SALA DE AULA: DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO O USO DO TANGRAM EM SALA DE AULA: DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO Ana Paula Alves Baleeiro Orientadora, profª Ms. da Faculdade Alfredo Nasser apbaleeiro@yahoo.com.br Jonatas do Nascimento Sousa Graduando

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE: A BUSCA PELA CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE: A BUSCA PELA CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE: A BUSCA PELA CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL Introdução Dirce Shizuko Fujisawa Departamento de Fisioterapia UEL 1 Maria Cristina Marquezine Departamento de Educação UEL

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR INCLUSIVA: UMA REFLEXÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO

A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR INCLUSIVA: UMA REFLEXÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR INCLUSIVA: UMA REFLEXÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA MARIA JULIANA DE SOUSA CUNHA¹ LAYANE COSTA SARAIVA² RESUMO O presente artigo teve por objetivo analisar e refletir as adaptações

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO Na EEMASA - Escola Estadual Maria Augusta Silva Araújo, antes do início do ano letivo, professores, coordenação pedagógica e direção da escola definem coletivamente, em

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PRODUÇÃO DE TEXTO COM O GÊNERO RELATO DE MEMÓRIAS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA José Carlos Lourenço da Silva Universidade Estadual da Paraíba-UEPB Adriano.exatas@hotmail.com Eduardo da Silva Andrade

Leia mais

Orientação ao(à) Cursista

Orientação ao(à) Cursista Prezados (as) Colegas, Com o objetivo de propiciar a todos(as) os participantes do Programa de Prevenção a Dependência Química, elaboramos um cuidado roteiro de estudos e orientações, incluindo questões

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO NO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS UTILIZANDO FERRAMENTAS DA EAD 04/2005 029-TC-C4 LANE PRIMO SENAC/CE laneprimo@aol.com C MÉTODOS E TECNOLOGIAS 4 EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI A POSTURA DO PROFESSOR DA EDUCAÇÃO INFANTIL DIANTE DOS NOVOS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Resumo ATAÍDE, Sandra Terezinha Guimarães 1 - UNIPLAC Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização

Leia mais

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Tecnologia, Educação e Inclusão TECNOLOGIAS, EDUCAÇÃO E A CRITICIDADE DIANTE DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Ângela Maria Oliveira da Cruz Silva Antonilma S. de Almeida Castro (orientadora, Mestre em Educação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA: DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO À PROPOSTA DE UM PROJETO COM FOCO NA MULTIMODALIDADE INTRODUÇÃO Patrícia Aparecida Mendes * Thiago Henrique da Silva ** A Geografia

Leia mais

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária

LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO. Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO Concepções acerca de uma nova ordem societária LEONARDO KOURY MARTINS ENSAIO DISCURSIVO CONCEPÇÕES ACERCA DE UMA NOVA ORDEM SOCIETÁRIA O passado não se pode ser

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

2º ENCONTRO GRUPO DE ESTUDOS CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM/ PARA OS DIREITOS HUMANOS. Bom dia, Profissionais da Educação

2º ENCONTRO GRUPO DE ESTUDOS CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM/ PARA OS DIREITOS HUMANOS. Bom dia, Profissionais da Educação 2º ENCONTRO GRUPO DE ESTUDOS CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM/ PARA OS DIREITOS HUMANOS Bom dia, Profissionais da Educação Hoje daremos continuidade aos estudos sobre os fundamentos necessários para a compreensão

Leia mais

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL

20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ 20/01/2016 Quarta-feira MATERNAL I EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I MANHÃ - Antes de executar suas tarefas, revise a parte teórica 2ª E 3ª AULA CONHECENDO AS VOGAIS- JOGOS

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2015

CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2015 CONCURSO PÚBLICO Nº 002/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE SARAPUÍ - SP PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA II- EDUCAÇÃO FÍSICA Nome do (a) Candidato (a) Número de Inscrição Este caderno de questões está assim constituído:

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL Nome Completo Cargo/Função Turno 1º 2º Integral

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1

CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 CONCEPÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA MANTIDAS POR ESTUDANTES DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS DA UNESP DE MARÍLIA 1 Carla Cristina MARINHO 2. Sadao OMOTE 3. Faculdade de Filosofia e Ciências,

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES

UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA DOCENTE ATRAVÉS DAS NARRATIVAS DISCENTES Luciana Bessa Silva (bessaluciana@hotmail.com) RESUMO Como humanos, narramos nossos sentimentos, nossos desejos, nossas emoções, nossas

Leia mais

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATITUDES INOCENTES QUE REFORÇAM ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marcela da Fonseca Lemos Grupo de Pesquisa Linguagem desenhadas e educação ProPEd/UERJ celalora_rj@hotmail.com INTRODUÇÃO O texto

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais