CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA VEICULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA VEICULAR"

Transcrição

1 CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA VEICULAR NORMA Nº: NIT-DIOIS-002 APROVADA EM JUL/2011 Nº 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Siglas 6 Documentos Complementares 7 Definições 8 Condições Gerais 9 Requisitos Específicos Anexo A Requisitos Específicos Anexo B Escopo de Acreditação Anexo C Lista de Equipamentos por RTQ Anexo D Periodicidade de calibração/verificação metrológica de equipamentos Anexo E Certificado de Inspeção CI 1 OBJETIVO Esta Norma estabelece os critérios específicos que um organismo de inspeção na área de segurança veicular deve atender para fins de obtenção e manutenção da acreditação na Cgcre. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Esta norma aplica-se à Diois. 3 RESPONSABILIDADE A responsabilidade pela revisão e cancelamento desta Norma é da Diois. 4 HISTÓRICO DA REVISÃO Revisão geral da norma, sendo que foi criado um anexo com todos os critérios específicos diretamente relacionados aos itens da ABNT NBR ISO/IEC 17020: SIGLAS ABNT Cgcre CI CNH CNPJ Conama Confea Conmetro Contran CREA Associação Brasileira de Normas Técnicas Coordenação-Geral de Acreditação Certificado de Inspeção Carteira Nacional de Habilitação Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica Conselho Nacional do Meio Ambiente Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Conselho Nacional de Trânsito Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia

2 02/13 CRV/CRLV CSV CTB Denatran Diois ESV GNV Ibama Inmetro ISV ITL OIA -SV OI-SV PBT RAC Renavam RTQ SBAC TCA Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo Certificado de Segurança Veicular Código de Trânsito Brasileiro Departamento Nacional de Trânsito Divisão de Acreditação de Organismos de Inspeção Estação de Inspeção de Segurança Veicular Gás Natural Veicular Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inspeção de Segurança Veicular Instituição Técnica Licenciada Organismo de Inspeção de Segurança Veicular Acreditado Organismo Solicitante de Acreditação em Inspeção de Segurança Veicular Peso Bruto Total Regulamento de Avaliação da Conformidade Registro Nacional de Veículos Automotores Regulamento Técnico da Qualidade Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Termo de Compromisso de Acreditação 6 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES NIT-Diois-001 Regulamento para a Acreditação de Organismos de Inspeção NIT-Diois-008 Diretriz do IAF para aplicação da ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 ABNT NBR-ISO/IEC 17000:20 Avaliação de conformidade-vocabulário e Princípios Gerais ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 Avaliação de Conformidade-Critérios Gerais para o Funcionamento de Diferentes Tipos de Organismos que Executam Inspeção Lei n.º 9.503/1997 Código de Trânsito Brasileiro-CTB NBR 12897:1993 Emprego do Opacímetro para Medição do Teor de Fuligem de Motor Diesel-Método de Absorção de Luz NBR 13037:2001 Veículos Rodoviários Automotores-Gás de Escapamento Emitido por Motor Diesel em Aceleração Livre- Determinação da Opacidade NBR 13539:1995 Analisador Infravermelho de Monóxido de Carbono (CO), Hidrocarbonetos (HC) e Dióxido de Carbono (CO2) Contidos no Gás de Escapamento de Veículos Rodoviários Automotores Leves NBR 13540:1995 Analisador Infravermelho de Monóxido de Carbono (CO), Hidrocarbonetos (HC) e Dióxido de Carbono (CO2) Contidos no Gás de Escapamento de Veículos Rodoviários Automotores Leves-Ensaios NBR 14040:1998 Inspeção de Segurança Veicular-Veículos Leves e Pesados NBR 14180:1998 Inspeção de Segurança Veicular-Motocicletas e Assemelhados

3 03/13 Resolução Contran nº 232/2007 Procedimento para a Prestação de Serviços por Instituição Técnica Licenciada-ITL, e por Entidade Técnica Pública ou Paraestatal, para Emissão do Certificado de Segurança Veicular-CSV, de que Trata o Art. 106 do Código de Trânsito Brasileiro-CTB (Lei n.º 9.503/1997). Portaria Denatran nº 27/2007 Instruções para a instalação e funcionamento das Instituições Técnicas Licenciadas - ITL e Entidades Técnicas Públicas ou Paraestatais - ETP Portaria Inmetro nº 30/2004 Aprova RTQ para ISV em Veículos Rodoviários Automotores Portaria Inmetro n 31/2004 Aprova RTQ para Inspeção da Capacidade Técnico- Operacional de Empresa Portaria Inmetro nº 32/2004 Aprova RTQ para ISV de Veículos Recuperados de Sinistro Portaria Inmetro nº 49/2010 Aprova RTQ para ISV de Veículos Rodoviários Automotores com Sistemas de GNV Portaria Inmetro nº 168/2008 Aprova RTQ para Inspeção da Adaptação da Acessibilidade em Veículos de Características Rodoviárias para o Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 260/2007 Aprova RTQ para Inspeção da Adaptação da Acessibilidade em Veículos de Características Urbanas para o Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 152/2009 Aprova RTQ para Inspeção da Fabricação de Veículos Acessíveis de Características Rodoviárias para Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 153/2007 Aprova RTQ para Inspeção da Fabricação de Veículos Acessíveis de Características Urbanas para Transporte Coletivo de Passageiros Resolução Confea nº 458/2001 Regulamenta a Habilitação Necessária para a Realização de Inspeção Veicular Nota: Para a aplicação desta norma, devem ser consideradas as últimas revisões dos documentos citados neste item. 7 DEFINIÇÕES Para os fins desta Norma são adotadas as definições contidas na ABNT NBR ISO/IEC 17000, na ABNT NBR ISO/IEC 17020, no Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9503) e nas estabelecidas nos itens 7.1 a 7.11 desta Norma. 7.1 Organismo de Inspeção de Segurança Veicular Acreditado Pessoa jurídica, de direito público ou privado, que obteve o reconhecimento formal da Cgcre, quanto a sua competência para realizar os serviços de inspeção de segurança veicular, conforme regulamentações pertinentes do Conmetro, do Inmetro, do Conama/ Ibama, do Contran e do Denatran. Nota: Nesta norma o termo Organismo será aplicado tanto para OIA-SV quanto para OI-SV. 7.2 Inspeção de Segurança Veicular Processo de avaliação de um veículo rodoviário automotor ou rebocado por meio de inspeção visual, de inspeção mecanizada e automatizada, e/ou de ensaios dinâmicos, visando comprovar o atendimento aos requisitos de segurança e ambientais estabelecidos pelo Conmetro, Inmetro, Contran, Conama/ Ibama e Denatran.

4 04/ Instituição Técnica Licenciada Pessoa jurídica, de direito público ou privado, autorizada pelo Denatran, mediante licenciamento, para prestar serviço de ISV e para emitir CSV, de acordo com a Resolução Contran nº 232/ Estação de Inspeção de Segurança Veicular Instalação física fixa do organismo, dotada de equipamentos, instrumentos de medição e dispositivos definidos na NBR 14040, na NBR e nas regulamentações pertinentes do Conmetro, do Inmetro, do Conama/ Ibama, do Contran e do Denatran, para a realização da ISV. 7.5 Escopo de Acreditação Reconhecimento, pela Cgcre, da competência técnica e da capacitação operacional do Organismo em executar ISV, vinculada a espécie do veículo definida no artigo 96 da Lei nº Responsável Técnico Engenheiro, registrado no CREA como responsável técnico do Organismo, habilitado para responder tecnicamente pelas ISV realizadas. 7.7 Inspetor de Segurança Veicular Profissional qualificado e habilitado para realizar as ISV. 7.8 Ordem de Serviço Documento utilizado pelo Organismo para cadastrar e registrar os dados e as condições dos veículos a serem inspecionados, indicar o regulamento técnico aplicável e informar as condições comerciais inerentes aos serviços que serão prestados. 7.9 Certificado de Segurança Veicular Documento emitido pelo organismo de inspeção licenciado pelo Denatran, nos termos da Resolução Contran n 232/2007, com a finalidade de permitir o registro e licenciamento dos veículos que tiveram alteração em suas características originais ou foram fabricados artesanalmente Certificado de Inspeção Documento emitido pelo OIA-SV, com a finalidade de registrar os dados da ISV por ele realizado Subcontratação Ato do Organismo de transferir, parcialmente ou totalmente, para terceiros a execução de serviços mantendo sua responsabilidade civil, técnica e administrativa. 8 CONDIÇÕES GERAIS 8.1 Os critérios adotados pela Cgcre para a acreditação de Organismo são os estabelecidos na ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006, NIT-Diois-001, NIT-Diois-008 e nesta Norma. 8.2 Para obter e manter os escopos acreditados (Anexo B), o Organismo deve atender aos requisitos desta Norma e da ABNT NBR ISO/IEC 17020, assim como observar as regulamentações do Contran, do Conama/ Ibama, do Conmetro, do Inmetro (RTQs), do Denatran e demais legislações pertinentes em vigor.

5 /13 9 REQUISITOS ESPECÍFICOS Os requisitos específicos encontram-se no Anexo A. Esses requisitos definem mecanismos específicos pelos quais os requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 devem ser aplicados pelos organismos de inspeção na área de segurança veicular. Para facilitar a referência, cada requisito é identificado pelo número do item relevante da ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 com um sufixo apropriado. Por exemplo, 12.2a seria o critério específico sobre os requisitos do item 12.2 da Norma. Os requisitos desta norma e da ABNT NBR ISO/IEC 17020:2006 são complementares e não excludentes. /ANEXOS

6 06/13 ANEXO A - REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ADMINISTRATIVOS 3.1a O Organismo deve dispor e manter atualizada a seguinte documentação legal: a) Ato constitutivo, estatuto, contrato social em vigor ou documento comprobatório de empresa individual, registrado em Cartório ou na Junta Comercial. No caso de órgãos governamentais deverá ser apresentado o instrumento legal de criação da instituição; b) CNPJ com escopo de atividade não conflitante com os serviços de inspeção de segurança veicular; c) Certidão de Registro e Quitação de Pessoa Jurídica emitida pelo Conselho Regional de Classe do Estado da Federação onde o Organismo está instalado. Nesta Certidão deve constar o nome do Responsável Técnico, sendo que este deve ter atribuições compatíveis com as atividades de inspeção veicular. INDEPENDÊNCIA, IMPARCIALIDADE E INTEGRIDADE 4.2a Para a acreditação de OI-SV se adota o tipo A, conforme o estabelecido no Anexo A da ABNT NBR ISO/IEC b O organismo, seu proprietário, seus sócios e o pessoal técnico/administrativo que atuam no mesmo, não devem projetar, fabricar, fornecer, instalar, comercializar, ou reparar veículos ou seus componentes, nem serem representantes autorizados, associados ou conveniados de qualquer tipo de empresa que execute quaisquer destas atividades. Nota: Atividades como comércio de autopeças e de veículos, serviços de manutenção, recuperação, transformação e instalação de sistema de GNV, reparo de tacógrafo, requalificação de cilindros, serviços de despachantes, serviços de transporte e locação de veículos são atividades conflitantes com a de ISV. ORGANIZAÇÃO E GESTÃO 6.4a O responsável técnico do Organismo deve supervisionar e aprovar efetivamente os serviços dos inspetores e analisar criticamente todas as ISV executadas, atestando que todos os requisitos das normas e regulamentos técnicos foram atendidos. A aprovação se dará pela assinatura dos relatórios e certificados de inspeção depois de preenchidos e assinados pelo inspetor que realizou a ISV. 6.4b O Organismo deve estabelecer um procedimento documentado para periodicamente avaliar o desempenho dos inspetores. Esta avaliação deve ser feita pelo responsável técnico ou seu substituto. SISTEMA DA QUALIDADE 7.4a A pessoa formalmente designada pela administração do Organismo com autoridade e responsabilidade para assegurar a manutenção do seu sistema de gestão da qualidade deve ter participado de curso(s) sobre gestão da qualidade, fornecido por organização especializada no assunto, com no mínimo 16 (dezesseis) horas de treinamento teórico.

7 07/13 7.7a Os auditores (qualidade e área técnica) utilizados nas auditorias internas do Organismo devem ter curso de auditoria interna de sistema de gestão, fornecido por organização especializada no assunto, com no mínimo 16 (dezesseis) horas de treinamento teórico. 7.7b Os auditores da área técnica utilizados nas auditorias internas devem possuir, no mínimo, treinamento em todos os requisitos e normas técnicas aplicáveis à inspeção ou possuirem formação similar à dos inspetores ou dos responsáveis técnicos. PESSOAL 8.1a O corpo técnico do Organismo deve ser composto por, no mínimo, um responsável técnico, que responde tecnicamente pelas atividades de inspeção veicular, um responsável técnico substituto e dois inspetores responsáveis pela execução das ISV. 8.1b O responsável técnico de um Organismo não pode ser responsável técnico substituto de outro Organismo. 8.1c O corpo técnico deve manter vínculo empregatício permanente com o Organismo. O responsável técnico substituto pode manter vínculo empregatício temporário com o Organismo. 8.1d Quando o responsável técnico substituto manter vínculo empregatício permanente com o Organismo, este pode ser contabilizado como inspetor caso atue nesta função. 8.2a O responsável técnico e o responsável técnico substituto do Organismo devem ser engenheiros habilitados, conforme Resolução Confea nº 458/2001, e estarem devidamente registrados no CREA. 8.2b O responsável técnico e o responsável técnico substituto do Organismo cujas formações não atendam à Resolução Confea nº 458/2001, somente serão aceitos se devidamente autorizados pelo CREA local a responder tecnicamente pela atividade de inspeção veicular. 8.2c Os inspetores devem ser técnicos habilitados, com qualificação coerente ao escopo de segurança veicular de atuação e devidamente registrados no CREA. 8.2d Pelo menos uma pessoa do corpo técnico do Organismo, podendo ser inclusive auxiliar de inspeção, deve possuir CNH compatível com a espécie de veículo a ser inspecionado, devendo conduzí-lo durante a inspeção. Na inspeção de motocicletas e assemelhados os ensaios devem ser conduzidos somente pelos inspetores ou responsáveis técnicos com CNH compatível. 8.4a O Organismo deve possuir e disponibilizar, quando solicitado, um registro atualizado de cada um dos componentes da sua equipe técnica, contendo o nome, a função, o registro profissional e a relação dos escopos acreditados para os quais possui competência técnica e condições legais para atuar nas ISV. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS 9.1a O Organismo deve possuir equipamentos, instrumentos e dispositivos para execução da ISV, referente ao escopo de sua acreditação, conforme estabelecidos no Anexo C desta Norma. 9.1b As instalações e equipamentos do Organismo devem atender o disposto na NBR 14040: 1998 e na Portaria Denatran 27/ c O analisador de gases (medidor de gases de exaustão veicular) deve ter características construtivas compatíveis com aquelas estabelecidas nas NBR e NBR

8 08/13 9.1d O opacímetro deve ter características construtivas compatíveis com aquelas estabelecidas nas NBR e NBR e A imagem digitalizada dos veículos, obtida na linha de ISV, deve ser feita por equipamento com resolução adequada que permita a visualização do veículo e sua placa. 9.6a Os equipamentos que compõem a ESV devem atender a regulamentação metrológica em vigor, cumprindo com o estabelecido no Anexo D desta Norma. 9.13a Os programas de computador do analisador de gases, do medidor de nível sonoro e do opacímetro devem atender à regulamentação Conama/ Ibama em vigor. 9.13b Os programas de computador da ESV devem estar adequados aos critérios estabelecidos pelos RTQ anexos às Portarias Inmetro n 30/2004 e n 32/2004, indicando a aprovação ou a reprovação do veículo nos relatórios emitidos. Esses valores devem ser observados, também, nas inspeções de veículos com instalação de GNV (Portaria Inmetro nº 49/2010). 9.13c O Organismo deve ter um procedimento para validar todo e qualquer software que utiliza para a realização das inspeções, quando os resultados obtidos dependerem de cálculos efetuados por este software. MÉTODOS DE INSPEÇÃO E PROCEDIMENTOS 10.6a Os dados obtidos durante a ISV, com a utilização dos equipamentos da linha de inspeção (placa de alinhamento das rodas, banco de suspensão e frenômetro), do analisador de gases, do opacímetro e do medidor de nível sonoro devem ser registrados e armazenados em tempo real no sistema informatizado da ESV. REGISTROS 12.1a O Organismo deve possuir um sistema informatizado que permita a adequada rastreabilidade dos registros e dados armazenados de todas as inspeções realizadas. 12.1b O Organismo deve manter em arquivo os registros abaixo descritos dos resultados de todas as inspeções realizadas: a) ordem de serviço assinada pelo condutor; b) relatório de inspeção contendo a lista de verificação dos itens inspecionados; c) relatório automatizado emitido pelo programa gerenciador da ESV; d) relatórios automatizados emitidos pelos programas dos equipamentos de análise de emissão de gases, do opacímetro e do medidor de nível sonoro, quando aplicável; e) cópia do CRLV/CRV ou nota fiscal de aquisição; f) cópia de notas fiscais de equipamentos, componentes / declarações, quando aplicável; g) Certificado de Segurança Veicular - CSV; h) Certificado Inspeção - CI; e i) Selo GNV, quando aplicável. 12.1c O OIA-SV deve manter o decalque ou o registro fotográfico do número do chassi de todos os veículos inspecionados. 12.1d O OIA-SV deve possuir e disponibilizar, quando solicitado, um quadro informativo mensal com o número de inspeções realizadas, indicando o número de veículos aprovados e reprovados, por escopo.

9 09/ a O registro fotográfico do veículo deve ser realizado no dia da inspeção em que houve a aprovação e a emissão do CI, bem como possuir dados que permitam sua rastreabilidade. 12.3a O OIA-SV deve manter arquivado, fisicamente, os registros dos resultados de todas as inspeções realizadas, independente de aprovação ou reprovação, por um período mínimo de 5 (cinco) anos. 12.3b Os CIs emitidos devem ser armazenados em ordem numérica sequencial. RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO E CERTIFICADOS DE INSPEÇÃO 13.1a O OIA-SV deve emitir o CI, em duas vias, após a aprovação do veículo na ISV. Uma via para arquivo e outra para o contratante da ISV. O resultado da ISV deve constar de um CI contendo as informações discriminadas no anexo E desta Norma. 13.1b Os relatórios de inspeção devem permitir rastreabilidade à ordem de serviço, ao CI e ao CSV emitidos. 13.4a O CI não pode ser corrigido ou emendado. Os relatórios de inspeção ou listas de verificação podem ser corrigidos de acordo com procedimento documentado do organismo. SUBCONTRATAÇÃO 14.1a O OIA-SV não pode subcontratar as atividades de inspeção. RECLAMAÇÕES E APELAÇÕES 15.1a O Organismo deve disponibilizar aos seus clientes canais de fácil acesso e entendimento para o registro de reclamações e apelações. A Cgcre deve ter acesso irrestrito a esses registros e suas respectivas ações de tratamento. 15.1b O Organismo deve orientar seu cliente a se dirigir à Cgcre quando este julgar insatisfatório o tratamento de sua reclamação ou apelação.

10 10/13 ANEXO B ESCOPO DE ACREDITAÇÃO DOCUMENTO LEGAL/REGULAMENTOS TÉCNICOS Portaria Inmetro nº 30/2004 / RTQ-24 - Inspeção de veículos rodoviários automotores - modificação ou fabricação artesanal. Portaria Inmetro nº 260/ Inspeção da Adaptação de Acessibilidade em Veículos de Características Urbanas para o Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 168/ Inspeção da Adaptação de Acessibilidade em Veículos de Características Rodoviárias para o Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 152/ Inspeção da Fabricação de Veículos Acessíveis de Características Rodoviárias para Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 153/ Inspeção da Fabricação de Veículos Acessíveis de Características Urbanas para Transporte Coletivo de Passageiros Portaria Inmetro nº 30/2004 / RTQ-25 - Inspeção de veículos rodoviários rebocados com PBT até N - modificação ou fabricação artesanal Portaria Inmetro nº 32/2004 / RTQ - Inspeção de Veículos Rodoviários Automotores - Recuperados de Sinistro. Portaria Inmetro nº 32/2004 / RTQ - Inspeção de Veículos Rodoviários Rebocados Recuperados de Sinistro Portaria Inmetro nº 32/2004 / RTQ - Inspeção de Motocicletas e Assemelhados - Modificação ou Fabricação Artesanal e Recuperadas de Sinistro. Portaria Inmetro nº 32/2004 / RTQ - Inspeção de Veículos Rodoviários Rebocados com PBT acima de N - Modificação ou Fabricação Artesanal Portaria Inmetro nº 32/2004 / RTQ - Inspeção de Veículos Rodoviários Rebocados Recuperados de Sinistro Portaria Inmetro nº 31/2004 / RTQ-28 Portaria Inmetro nº 49/2010 / RTQ-37 - Inspeção de Veículos Rodoviários Automotores com Sistemas de Gás Natural Veicular. CORRELAÇÃO COM ESPÉCIE/TIPO DE VEÍCULO Automóvel Modificado ou Fabricado Artesanalmente Caminhão Modificado Caminhonete Modificada ou Fabricada Artesanalmente Camioneta Modificada ou Fabricada Artesanalmente Microônibus Modificado Ônibus Modificado Veículos Urbanos e/ou Rodoviários para o Transporte Coletivo de Passageiros com Adaptação de Acessibilidade Veículos Acessíveis de Características Urbanas e/ou Rodoviáriaspara Transporte Coletivo de Passageiros Utilitário Modificado ou Fabricado Artesanalmente Rebocados até 7500 N Modificação ou Fabricação Artesanal Automóvel Recuperado de Sinistro Caminhão Recuperado de Sinistro Caminhonete Recuperada de Sinistro Camioneta Recuperada de Sinistro Microônibus Recuperado de Sinistro Ônibus Recuperado de Sinistro Utilitário Recuperado de Sinistro Rebocados até 7500 N Recuperados de Sinistro Ciclomotor Modificação ou Fabricação Artesanal Motocicleta Modificação ou Fabricação Artesanal Motoneta Modificação ou Fabricação Artesanal Quadriciclo Modificação ou Fabricação Artesanal Triciclo Modificação ou Fabricação Artesanal Ciclomotor Recuperado de Sinistro Motocicleta Recuperada de Sinistro Motoneta Recuperada de Sinistro Quadriciclo Recuperado de Sinistro Triciclo Recuperado de Sinistro Rebocados acima de 7500 N Modificação ou Fabricação Artesanal Rebocados acima de 7500 N Recuperados de Sinistro Inspeção da Capacidade Técnico-Operacional de Empresa Automóvel com Sistema de GNV Instalado Caminhão com Sistema de GNV Instalado Caminhonete com Sistema de GNV instalado Camioneta com Sistema de GNV Instalado Microônibus com Sistema de GNV Instalado Ônibus com Sistema de GNV Instalado Utilitário com Sistema de GNV Instalado

11 Equipamentos necessários e suficientes para a verificação de todos os requisitos das normas NBR aplicáveis conforme o RAC específico RTQ 24 - Automotor modificação ou fabricação artesanal RTQ Rebocado com PBT acima de 7500N- modificação ou fabricação artesanal RTQ - Rebocado recuperação de sinistro RTQ 25- Rebocado com PBT até 7500 N - modificação ou fabricação artesanal RTQ 37 Automotor - sistema de GNV RTQ Automotor - recuperação de sinistro RTQ Motocicletas e assemelhados modificação ou fabricação artesanal RTQ Motocicleta e assemelhados recuperação de sinistro RTQ Adaptação de Acessibilidade em Veículos de Características Urbanas e/ou Rodoviárias para o Transporte Coletivo de Passageiros RAC Fabricação de Veículos Acessíveis de Características Urbanas e/ou Rodoviárias para Transporte Coletivo de Passageiros NIT-DIOIS /13 ANEXO C LISTA DE EQUIPAMENTOS POR RTQ EQUIPAMENTOS Linha de Inspeção Veicular Mecanizada e 1 Automatizada 2 Frenômetro X X X X X X * Banco de suspensão X X X X * Verificador de alinhamento X X X X X X * Placa de verificação de folgas X X X X X X * 2 Opacímetro X X X X * 3 Analisador de emissão de gases poluentes (Medidor de Gases de Exaustão Veicular) X X X X X X * 4 Paquímetro escala de 150 mm (mínimo) X X X X X X X X X 5 Trena metálica de 2 m (mínimo) X X X X X X X X X 6 Trena de 50 m (mínimo) X X X X X X X X X Dinamômetro de N ou balança de X N (mínimo) 8 Cronômetro X X X 9 Nível X X X X X X X 10 Prumo de centro X X X X X X X 11 Esquadros X X X X X X X 12 Transferidor ou goniômetro X X X X X X X X 13 Escala Metálica de 1 m (mínimo) X X X X X X X X 14 Macaco hidráulico de 10 kn (mínimo) X X X X 15 Macaco hidráulico de 60 kn (mínimo) X X X X 16 Cones de sinalização - 6 (seis) X X X X X X X 17 Dispositivo para ensaio de torção (rampas e elevador) X X 18 Fosso, dique ou valeta X X X X X X 19 Regloscópio com medidor de intensidade luminosa X X X X X 20 Lastros (total mínimo de kg) X* X 21 Lastros (total mínimo de 500 kg) X X X 22 Ajustador de pressão de pneus (calibrador) X X X X X X X X 23 Sistema de ar comprimido X X X X X X X X 24 Anemômetro X X X X X 25 Luxímetro (medidor de intensidade luminosa) X 26 Dinamômetro (2000 N mínimo) X 27 Medidor de Nível Sonoro (decibelímetro) X X X X X X 28 Equipamento detector de vazamento de GNV X 29 Lanterna X X X X X X X X X 30 Lupa X X X X X X X X 31 Sistema ou equipamento de captura de imagem X X X X X X X X 32 Profundímetro (opcional) X X X X X X X X 33 Equipamentos de Proteção Individual (EPI) X X X X X X X X 34 Dispositivo de travamento do pedal de freio X X X 35 Dispositivo de alívio de carga X * X * X* Legenda: * Quando aplicável.

12 12/13 ANEXO D PERIODICIDADE DE CALIBRAÇÃO/VERIFICAÇÃO METROLÓGICA DE EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTO TIPO PERIODICIDADE 1 Banco de teste de suspensão (linha de inspeção veicular automatizada e mecanizada) Calibração Anual 2 Balança (linha de inspeção veicular automatizada e mecanizada) Calibração Anual 3 Frenômetro (linha de inspeção veicular automatizada e mecanizada) Calibração Anual 4 Verificador de alinhamento (linha de inspeção veicular automatizada e mecanizada) Calibração Anual 5 Opacímetro Verificação Anual 6 Analisador de emissão de gases poluentes Verificação Semestral 7 Paquímetro Calibração Bienal 8 Trenas Calibração Bienal 9 Dinamômetro ou balança Calibração Bienal 10 Cronômetro Calibração Bienal 11 Regloscópio com medidor de intensidade luminosa Calibração Bienal 12 Medidor de Nível Sonoro Calibração Anual 13 Ajustador de pressão de pneus (calibrador) Calibração Anual 14 Luxímetro (medidor de intensidade luminosa) Calibração Bienal 15 Profundímetro (Opcional) Calibração Bienal 16 Dinamômetro Calibração Bienal 17 Anemômetro Calibração Bienal Observação: Todos os equipamentos sujeitos a verificação metrológica devem atender a regulamentação do Inmetro.

13 13/13 O CI deve conter as seguintes informações: ANEXO E CERTIFICADO DE INSPEÇÃO CI a) Razão Social, o CNPJ, a identificação da acreditação e o endereço do Organismo de Inspeção; b) indicação de todas as características registradas no CRLV ou na Nota Fiscal do veículo, nos casos de veículos sem registro. A indicação da classificação, da marca/modelo/versão e da espécie/tipo do veículo devem obedecer as tabelas do Renavam; c) data da ISV que aprovou o veículo e a data da emissão do certificado; d) o número do documento fiscal referente ao valor cobrado pela ISV (OIA-SV sem TCA); e) indicação da ISV realizada e a Portaria Inmetro que aprovou o RTQ aplicável; f) registro fotográfico colorido e digitalizado do veículo, de forma que permita sua visualização na linha de inspeção, durante a realização da ISV, permitindo a identificação da placa do veículo, a data e a hora da inspeção; g) valor da capacidade de carga; h) no caso de ISV realizada em veículo com sistema GNV: - número do Selo GNV; - número da identificação da certificação dos componentes do sistema GNV certificados compulsoriamente no âmbito do SBAC; - marca do fabricante do redutor de pressão de GNV; - número de série do redutor de pressão de GNV; - marca do fabricante do cilindro de GNV; - número de série e data de fabricação do cilindro de GNV; - data limite para as requalificações do cilindro de GNV; - capacidade volumétrica, em litros hidráulicos, do cilindro de GNV; - os valores encontrados quando da inspeção das emissões de gases poluentes combustível líquido e GNV; - identificação do Instalador registrado no Inmetro, indicando o número do Atestado da Qualidade; e - identificação do tipo de inspeção: inicial ou periódica i) no caso de ISV realizada em veículo automotor deve ser inserida a expressão: O sistema de freios deste veículo foram inspecionados considerando sua massa em ordem de marcha ; j) referência que permita rastreabilidade ao CSV emitido pelo organismo; k) nome, número de registro no CREA e assinatura manual do inspetor que realizou a ISV; l) nome, número de registro no CREA e a assinatura manual do responsável técnico do organismo.

ALFREDO CARLOS ORPHÃO LOBO Presidente do Inmetro em Exercício

ALFREDO CARLOS ORPHÃO LOBO Presidente do Inmetro em Exercício MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 31, de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR

Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÕES PARA A VALIDAÇÃO DE SOFTWARES E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS EM INSPEÇÃO DE SEGURANÇA VEICULAR Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-025 Revisão 01 DEZ/2012

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

Resolução CONAMA nº 18, de 06/05/86 - Institui em caráter nacional o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE.

Resolução CONAMA nº 18, de 06/05/86 - Institui em caráter nacional o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE. 1 OBJETIVO Estabelecer as diretrizes do Programa de Autocontrole de Emissão de Fumaça Preta por Veículos Automotores do Ciclo Diesel PROCON FUMAÇA PRETA, no qual os responsáveis pelas empresas vinculadas

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

DECRETO N.º 5.432, DE 16 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA, RS, no uso das atribuições que lhe confere a Lei, e

DECRETO N.º 5.432, DE 16 DE JULHO DE 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA, RS, no uso das atribuições que lhe confere a Lei, e Dispõe sobre a prestação dos serviços de vistorias e inspeções técnicas em veículos destinados aos serviços de transportes, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA, RS, no uso das

Leia mais

ACESSIBILIDADE DOS VEÍCULOS DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR ÔNIBUS

ACESSIBILIDADE DOS VEÍCULOS DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR ÔNIBUS ACESSIBILIDADE DOS VEÍCULOS DE TRANSPORTE PÚBLICO URBANO POR ÔNIBUS 1. Introdução Diante da importância do tema Acessibilidade dos veículos de transporte público urbano por ônibus e da necessidade de reestabelecer

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras

Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras Regulamento de Avaliação da Conformidade das Unidades Armazenadoras SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Documentos Complementares 3 Siglas e Definições 4 Condições Gerais 5 Mecanismo de Avaliação da Conformidade 6 Alterações

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO DE AVALIADORES E ESPECIALISTAS UTILIZADOS NAS AVALIAÇÕES DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº NIE-CGCRE-017 APROVADA EM JUN/2011 REV Nº 01/10

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Resolução CONAMA nº 252, de 01 de fevereiro de 1999

Resolução CONAMA nº 252, de 01 de fevereiro de 1999 Resolução CONAMA nº 252, de 01 de fevereiro de 1999 Estabelece limites máximos de ruídos de poluentes e ruídos emitidos por veículos automotores. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das

Leia mais

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC

OBJETO: Regulamento de Avaliação da Conformidade para tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis em posto revendedor. ORIGEM: Inmetro/MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 130, de 31 de julho de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Considerando a necessidade de implementação de medidas para a efetiva redução das emissões de poluentes por veículos automotores;

Considerando a necessidade de implementação de medidas para a efetiva redução das emissões de poluentes por veículos automotores; Page 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO N o 256, de 30 de junho DE 1999 O Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

2º Para os veículos leves do ciclo Otto ficam estabelecidos os limites máximos de Co, HC, diluição e velocidade angular do motor do Anexo I.

2º Para os veículos leves do ciclo Otto ficam estabelecidos os limites máximos de Co, HC, diluição e velocidade angular do motor do Anexo I. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 007, de 31 de agosto de 1993 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições previstas na Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, alterada pelas Leis nº 7.804,

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 201/06 LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO

RESOLUÇÃO Nº 201/06 LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO RESOLUÇÃO Nº 201/06 Dispõe sobre modificações de veículos previstas nos arts. 98 e 106 do Código de Trânsito Brasileiro e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE ÔNIBUS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE ÔNIBUS ACESSIBILIDADE MANUAL DE ÔNIBUS Índice 1. Apresentação 2. Legislação aplicável 08 12 2.1. Constituição Federal de 1988 2.2. Lei federal nº 7.853, de 24/10/1989 2.3. Decreto federal nº 3.298, de 20/12/1999

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PORTARIA N. 2, DE 08 DE MAIO DE 1984 O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INSPEÇÃO, MANUTENÇÃO, RECARGA E TESTE HIDROSTÁTICO EM EXTITORES DE INCÊNDIO DO SESC/AR/DF CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Este documento

Leia mais

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014.

Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 466, de 16 de outubro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais

ISO/IEC 17050-1. Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais QSP Informe Reservado Nº 42 Janeiro/2005 ISO/IEC 17050-1 Avaliação da conformidade Declaração de conformidade do fornecedor Parte 1: Requisitos gerais Tradução livre especialmente preparada para os Associados

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2016. O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e

RESOLUÇÃO Nº 027/2016. O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e RESOLUÇÃO Nº 027/2016 O Secretário Municipal de Transportes, no uso das suas atribuições legais, e CONSIDERANDO os dispositivos da Resolução nº 028/2016, de 21 de janeiro de 2016; CONSIDERANDO o Convênio

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

Resolução CONAMA nº 07, de 31 de agosto de 1993. (Publicação - Diário Oficial da União 31/12/1993)

Resolução CONAMA nº 07, de 31 de agosto de 1993. (Publicação - Diário Oficial da União 31/12/1993) Resolução CONAMA nº 07, de 31 de agosto de 1993. (Publicação - Diário Oficial da União 31/12/1993) O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições previstas na Lei nº 6.938, de 31

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO PORTARIA No- 431, DE 21 DE JULHO DE 2010 Estabelece procedimentos para a prestação de serviços

SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO PORTARIA No- 431, DE 21 DE JULHO DE 2010 Estabelece procedimentos para a prestação de serviços SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO PORTARIA No- 431, DE 21 DE JULHO DE 2010 Estabelece procedimentos para a prestação de serviços por Empresas Credenciadas para Vistoria - ECV, para

Leia mais

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO

BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO BUREAU VERITAS CERTIFICATION MANUAL DE UTILIZAÇÃO DAS MARCAS DE CONFORMIDADE DE PRODUTO Versão 5 Outubro de 2015 INDICE 1 Introdução 2 Utilização das Marcas de Conformidade no Produto 3 Utilização das

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ANEXO I RENAVAM - VEÍCULOS IMPORTADOS

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ANEXO I RENAVAM - VEÍCULOS IMPORTADOS MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ANEXO I RENAVAM - VEÍCULOS IMPORTADOS 1 Campo: CÓDIGO ATUAL: Preenchido com as LETRAS: I, A ou E. Identifica a finalidade do formulário. Exemplo: I = Para Inclusão

Leia mais

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 656, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Conselho Nacional do Meio Ambiente Conama ANEXO XIV PROPOSTA PRÉ-LIMPA 48 CTCQA Determinações a serem observadas para a realização do monitoramento das emissões atmosféricas

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS

ACESSIBILIDADE EM VEÍCULOS PARA O TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 255, de 03 de julho de 2007.

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 Institui o Código de Trânsito Brasileiro. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO XI DO REGISTRO

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de 2007. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 040, de 29 de janeiro de

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO

RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO RTQ 32 - PÁRA-CHOQUE TRASEIRO DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS - CONSTRUÇÃO, ENSAIO E INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas e Abreviaturas

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PREÇOS DAS ATIVIDADES DE ACREDITAÇÃO DE LABORATÓRIOS, PRODUTORES DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA E PROVEDORES DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA NORMA Nº NIT-DICLA-011 APROVADA EM JUL/2014 Nº 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. Mensagem de veto Vide texto compilado Institui o Código de Trânsito Brasileiro. O PRESIDENTE

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES

QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Norma CNEN NE 1.28 Resolução CNEN 15/99 Setembro / 1999 QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO DE ÓRGÃOS DE SUPERVISÃO TÉCNICA INDEPENDENTE EM USINAS NUCLEOELÉTRICAS E OUTRAS INSTALAÇÕES Resolução CNEN 15/99 Publicação:

Leia mais

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015.

Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 510, de 13 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO ASSOCIADAS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DESTINADO AO USO DO PÚBLICO EM GERAL - STFC

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA

VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA VERIFICAÇÃO INICIAL DE MEDIDORES DE VOLUME DE GÁS TIPO DIAFRAGMA NORMA N o NIE-DIMEL-073 APROVADA EM DEZ/05 N o /06 SUMÁRIO 1. Objetivo 2. Campo de Aplicação 3. Responsabilidades 4. Documentos de Referência

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para outros veículos automotores, exceto caminhões e ônibus

RESPOSTA TÉCNICA. Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para outros veículos automotores, exceto caminhões e ônibus RESPOSTA TÉCNICA Título Reboques Resumo Informações sobre reboques (carretas) e normas para fabricação. Palavras-chave Carreta; legislação; lei; reboque; semi-reboque Assunto Fabricação de cabines, carrocerias

Leia mais

Procedimento. Qualificação de Soldas, Soldadores e Inspetores JANEIRO 2016 ABPE P009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOSE SISTEMAS

Procedimento. Qualificação de Soldas, Soldadores e Inspetores JANEIRO 2016 ABPE P009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOSE SISTEMAS JANEIRO 2016 ABPE P009 Qualificação de Soldas, Soldadores e Inspetores Procedimento Origem abpe - Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas CN - Comissão de Normalização ABPE P009 Polyethylene

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos

Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Elisa Rosa dos Santos Assessora Técnica na Divisão de Acreditação de Laboratórios Divisão de Acreditação de Laboratórios DICLA/Cgcre Encontro da Qualidade em Laboratórios Científicos Acreditação de Laboratórios

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

C Â M A R A D O S D E P U T A D O S

C Â M A R A D O S D E P U T A D O S REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 518-A DE 2010 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 12 DE 2011 Disciplina a formação e consulta a bancos de dados com informações de adimplemento, de pessoas naturais ou de

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS

TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES, APELAÇÕES, DISPUTAS E DENÚNCIAS PROCEDIMENTO INDUSTRIAL OI-L3-704-SAM-BR(IND)-1764 Revisão: 10 Data de publicação: 17/09/2014 Data

Leia mais

Portaria n.º 450, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 450, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 450, de 03 de outubro de 2014. CONSULTA

Leia mais

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO

1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4.DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5.TERMINOLOGIA 6.DESCRIÇÃO DO PROCESSO Aprovado ' Elaborado por Fernando Cianci/BRA/VERITAS em 28/11/2014 Verificado por Jose Eduardo em 28/11/2014 Aprovado por Sandro de Luca/BRA/VERITAS em 04/12/2014 ÁREA GFI Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

PORTARIA DETRAN-459, DE 05-11-2015

PORTARIA DETRAN-459, DE 05-11-2015 PORTARIA DETRAN-459, DE 05-11-2015 Trata da nova carga horária, estrutura curricular do processo de aprendizagem para a obtenção e adição de habilitação na categoria B e dos requisitos de integração de

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE AUDITORIA APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 3 II OBJETO

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. INTRODUÇÃO Em virtude da intelectualidade manifesta dos serviços a serem licitados será adotado o tipo de licitação

Leia mais

Portaria nº 091, de 12 de março de 2007.

Portaria nº 091, de 12 de março de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 091, de 12 de março de 2007.

Leia mais

PORTARIA N º 190, DE 29 DE JUNHO DE 2009.

PORTARIA N º 190, DE 29 DE JUNHO DE 2009. PORTARIA N º 190, DE 29 DE JUNHO DE 2009. Estabelece o procedimento para a concessão do código de marca/modelo/versão de veículos do Registro Nacional de Veículos Automotores RENAVAM. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq

Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Rastreabilidade dos Padrões Iris Trindade Chacon Chefe da Difiq Aspectos associados Calibração Padrões Cadeia de rastreabilidade Processo produtivo Sistema da qualidade Certificado de calibração AcreditaçãoA

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006

DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006 DIRETRIZ DO IAF PARA APLICAÇÃO DA ABNT NBR ISO/IEC 17020: 2006 NORMA Nº: NIT-DIOIS-008 APROVADA EM MAI/2012 Nº 01/18 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas 5 Histórico da Revisão

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO- OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNISC CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo atender as Resoluções CONAMA Nº 237/1997, 273/2000 e 319/2002, Norma Técnica da ABNT NBR 14973:2004, bem como outras normas da Associação Brasileira

Leia mais

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 385, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 385, de 23 de outubro de

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA - LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III-A JUSTIFICATIVA

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA - LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III-A JUSTIFICATIVA ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA - LOCAÇÃO DE VEÍCULOS BLINDADOS NÍVEL III-A JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo, estabelecer as especificações técnicas para a contratação de empresa

Leia mais

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 O Ministro da Previdência Social, no uso de sua competência estabelecida no art. 87 da Constituição Federal e considerando o disposto no art. 23 da Lei nº 8.159,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 50, 22 de novembro de 200. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos.

Fatec de São Carlos. A Faculdade de Tecnologia de São Carlos será a última parte envolvida a assinar o termo de compromisso e demais documentos. Memo 04/15 Coordenação São Carlos, 26 de Fevereiro de 2015. Orientações Gerais aos Discentes Assunto: Estágio obrigatório e não obrigatório O estágio é regulamentado pela legislação através da LEI DO ESTÁGIO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ATENDIMENTO IT. 14 13 1 / 20 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para o atendimento realizado pelo Crea GO ao profissional, empresa e público em geral. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 5.194 24 de dezembro

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES

QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Norma CNEN NN 1.17 Resolução CNEN 118/11 Setembro / 2011 QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL E CERTIFICAÇÃO PARA ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM ITENS DE INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN 02/96 Publicação: DOU 19.04.1996

Leia mais

Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009

Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009 Ponto Eletrônico - PORTARIA Nº 1.510, DE 21/08/2009 O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.414, DE 9 DE JUNHO DE 2011. Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 518, de 2010. Regulamento Disciplina a formação

Leia mais

Portaria n.º 44, de 27 de janeiro de 2014.

Portaria n.º 44, de 27 de janeiro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 44, de 27 de janeiro de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102 1.0 Finalidade 1.1 A CommScope, Inc. e suas empresas afiliadas ( CommScope ) podem, a qualquer tempo, contratar consultores, agentes de vendas, conselheiros e outros representantes e, frequentemente, estabelecer

Leia mais