CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESCAVAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESCAVAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO"

Transcrição

1 CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CAPÍTULO I MOVIMENTO DE TERRAS ARTº 1.1 I ESCAVAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição do movimento de terras será em metros cúbicos (m3), considerando-se o volume do sólido geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto e integral conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do processo de execução do movimento de terras de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) A escavação de terras necessária à abertura da caixa para a implantação do edifício e formação do patamar de trabalho (pavimento térreo). IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) As escavações serão executados com todos os cuidados técnicos necessários, cumprindo as NP s sobre o assunto, e as CTG s na parte

2 aplicável; b) O modo de execução das escavações é da livre escolha do Empreiteiro, devendo porém permitir o bom andamento dos trabalhos e satisfazer as condições de segurança do pessoal e de eventuais existências vizinhas; c) O modo de execução das escavações deverá ser submetido, nas suas fases principais à aprovação da Fiscalização; d) Devem ser tomadas as devidas precauções no sentido de se evitar o remeximento ou decomposição do terreno em que se apoiam as estruturas. Para tal e sempre que as características do terreno o aconselhem, procurar-se-à reduzir ao mínimo o intervalo de tempo entre a escavação e a betonagem, utilizar entivações de rigidez suficiente e conduzir-se os trabalhos de drenagem de modo a impedir-se o acesso do fluxo de águas às paredes das escavações; e) Consideram-se da responsabilidade do Empreiteiro todos os eventuais danos nos pavimentos, canalizações e outros derivados do assentamento das respectivas escavações.

3 ARTº 1.2 I ESCAVAÇÃO PARA ABERTURA DE SAPATAS CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição do movimento de terras será em metros cúbicos (m3), considerando-se o volume do sólido geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto e integral conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do processo de execução do movimento de terras de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) A escavação de terras necessária à abertura dos caboucos das sapatas dos pilares e das de vigas de fundação. IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) As escavações serão executados com todos os cuidados técnicos necessários, cumprindo as NP s sobre o assunto, e as CTG s na parte aplicável; b) O modo de execução das escavações é da livre escolha do Empreiteiro, devendo porém permitir o bom andamento dos trabalhos e satisfazer as condições de segurança do pessoal e de eventuais existências vizinhas; c) O modo de execução das escavações deverá ser submetido, nas suas

4 fases principais à aprovação da Fiscalização; d) Devem ser tomadas as devidas precauções no sentido de se evitar o remeximento ou decomposição do terreno em que se apoiam as estruturas. Para tal e sempre que as características do terreno o aconselhem, procurar-se-à reduzir ao mínimo o intervalo de tempo entre a escavação e a betonagem, utilizar entivações de rigidez suficiente e conduzir-se os trabalhos de drenagem de modo a impedir-se o acesso do fluxo de águas às paredes das escavaçõe; e) Consideram-se da responsabilidade do Empreiteiro todos os eventuais danos nos pavimentos, canalizações e outros derivados do assentamento das respectivas escavações.

5 ARTº 1.3 I ATERRO PARA IMPLANTAÇÃO DO EDIFÍCIO CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição do movimento de terras será em metros cúbicos (m3), considerando-se o volume do sólido geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto e integral conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do processo de execução do movimento de terras de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) Os aterros necessários à formação da caixa para a implantação do edifício e formação do patamar de trabalho (pavimento térreo). IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) Os aterros serão executados com todos os cuidados técnicos necessários, cumprindo as NP s sobre o assunto, e as CTG s na parte aplicável; b) O modo de execução dos aterros é da livre escolha do Empreiteiro, devendo porém permitir o bom andamento dos trabalhos e satisfazer as condições de segurança do pessoal e de eventuais existências vizinhas;

6 c) O modo de execução dos aterros deverá ser submetido, nas suas fases principais à aprovação da Fiscalização; d) Devem ser tomadas as devidas precauções no sentido de se evitar o remeximento ou decomposição do terreno em que se apoiam as estruturas. Para tal e sempre que as características do terreno o aconselhem, procurar-se-à reduzir ao mínimo o intervalo de tempo entre a escavação e a betonagem, utilizar entivações de rigidez suficiente e conduzir-se os trabalhos de drenagem de modo a impedir-se o acesso do fluxo de águas às paredes dos aterros; e) Consideram-se da responsabilidade do Empreiteiro todos os eventuais danos nos pavimentos, canalizações e outros derivados do assentamento dos respectivos aterros; f) Quando tal se revelar necessário, poder-se-à recorrer a terras de empréstimo. Tais terras, que deverão ser pêviamente analisadas pelo Empreiteiro, serão contudo, objecto de aprovação da Fiscalização; g) Os aterros serão devidamente regados e compactados por camadas com 0,20m.

7 ARTº 1.4 I REMOÇÃO, CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA A VAZADOURO CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição das remoções será em metros cúbicos (m3), considerando-se o volume do sólido geométrico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA A FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas, e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do processo de execução das demolições de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) A remoção, carga, transporte e descarga dos materiais sobrantes a vazadouro a indicar pela Fiscalização. O preço a apresentar deverá ter em conta a distância a que o referido vazadouro se encontrará da obra. IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) O modo de execução dos trabalhos descritos neste artigo deverão satisfazer as condições de segurança do pessoal e de eventuais existências vizinhas; b) O modo de execução dos referidos trabalhos deverá ser submetido, nas suas fases principais à aprovação da Fiscalização.

8 CAPÍTULO I I PAVIMENTO TÉRREO ARTº 2.1 PAVIMENTO TÉRREO I CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição do pavimento térreo será em metros quadrados (m2), considerando-se a área do polígono geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas, isto é, a largura e o comprimento reais entre septos e ou muros de suporte que o confinam. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto e integral conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do processo de execução do movimento de terras de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) A camada de betão (C16/20) com 0,15m de espessura, armado com A500ER (CQ38); b) O enrocamento com 0,15m de espessura; térreo. c) A compactação do terreno sobre o qual vai ser executado o pavimento IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo

9 mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) A camada de betão (C16/20) será executado com juntas de esquartejamento afastadas no máximo 5,00m; b) O enrocamento será em pedra sã não alterada e obtida por britagem mecânica com a dimensão máxima de 40mm; c) O solo será compactado por camadas mínimas de 0,20m a 95% da baridade máxima do ensaio proctor modificado; d) O pavimento térreo será executado com todos os cuidados técnicos necessários, cumprindo as NP s sobre o assunto, e as CTG s na parte aplicável.

10 CAPITULO III ARTº 3.1 BETÃO DE LIMPEZA BETÃO DE LIMPEZA EM SAPATAS I CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição do betão de limpeza será em metros cúbicos(m3), considerando-se o volume do sólido geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA A FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto e integral conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do modo de aplicação do betão de limpeza de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) A limpeza do fundo do cabouco; b) O fornecimento do betão da classe C16/20; c) A colocação e o espalhamento uniforme em toda a superfície do cabouco de uma camada de betão C16/20 com a espessura indicada no projecto, ou seja 0,10m, imediatamente a seguir à limpeza daquele. IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) A colocação do betão de limpeza (regularização) será executada com todos os técnicos necessários, cumprindo as NP s sobre o assunto, e as CTG s na parte aplicável; b) O betão de limpeza será executado com um betão C16/20.

11 CAPITULO IV ARTº 4.1 BETÃO ARMADO BETÃO C20/25.1, ARMADO COM AÇO A400NR INCLUINDO COFRAGEM E DESCOFRAGEM BETÃO NORMAL BETÃO DESMOLDADO - BETÃO À VISTA I CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição do betão será em metros cúbicos (m3), considerando-se o volume do sólido geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas.. No caso de situações especificas, nomeadamente degraus térreos e reforços de aberturas de courettes, as mesmas serão comensuradas por metros quadrados (m2) e unidades (und.) respectivamente. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA A FORMULAÇÃO DE PREÇOS O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto e integral conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do modo de aplicação do betão de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) O fornecimento e colocação de Betão Normal C20/25.1 em sapatas de pilares; b) O fornecimento e colocação de Betão Normal C20/25.1 em vigas de fundação; c) O fornecimento e colocação de Betão Normal C20/25.1 em pilares; d) O fornecimento e colocação de Betão Normal C20/25.1 em vigas; e) O fornecimento e colocação de Betão Desmoldado - Betão à Vista

12 C20/25.1 em lajes maciças; f) O fornecimento e colocação de Betão Branco Desmoldado - Betão à Vista C20/25.1 em testas pendentes (secção 4:4); g) A compactação, vibração e cura do betão. As protecções provisória e final dos elementos descofrados; h) A execução de protótipos em obra, com materiais e condicões disponíveis no estaleiro, como forma de validar toda a actuação e preparar as equipas de execução do betão desmoldado - betão à vista. IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) O betão a utilizar será da classe C20/25 e qualidade 1 - definido no R.E.B.A.P. ( betão portland normal ) e obedecerá às CTG s na parte aplicável.; b) A relação A/C (água/cimento) não deverá ultrapassar os 0,42, para o betão de face à vista; c) Todo o betão a aplicar deverá ser objecto de estudo, devendo ser proposto para aprovação da Fiscalização e dos Projectistas, um plano de betonagem, onde se prevejam a ordem, o faseamento das peças a betonar e respectivas juntas; d) O cimento (ligante) a utilizar em betão cinzento deverá estar de acordo com a legislação em vigor (NP 2064); e) Para a confecção do betão, será necessária a utilização de um filler de granito, com granulometria inferior a 120 micron, com uma dosagem superior a 70 Kg/m3. Em alternativa, poderá ser usada uma areia britada de granito, cujo teor de partículas finas (inferiores a 75 micron) garanta a quantidade de filler especificado. Trata-se de garantir uma correcta compacidade, homogeneidade e bom acabamento superficial às peças de betão arquitectónico; f) Os restantes inertes (areias e britas) deverão estar de acordo com os requesitos da legislação em vigor (Especificação L.N.E.C. E 373 e L.N.E.C. E 454/99); g) Para garantir uma correcta homogeneidade da cor, as exigências de limpeza dos inertes são, neste caso, muito mais pertinentes, devendo as areias e as britas estar isentas de argilas e outros materiais contaminantes;

13 h) Os adjuvantes deverão estar em conformidade com a Especificação L.N.E.C. E 374. Devendo, preferencialmente, serem incolores ou de cores claras, de modo a não causarem contaminação da cor e em dosagem suficiente para fazer face aos requesitos exigidos em c); i) No tocante a fundações e genericamente, importa salientar: l.1) As fundações devem ser executadas, no mínimo, às profundidades indicadas, mesmo que a menor profundidade se encontre terreno que possa satisfazer às tensões de contacto admitidas nos cálculos. Pretende-se que, dentro de cada nível de fundação, todas as sapatas tenham a sua base sensivelmente à mesma cota. l.2) Todos os elementos de fundação serão executados com betão hidrofugado, por junção de um aditivo do tipo Melitol. l.3) O empreiteiro deverá inteirar-se no local, das condições do terreno, porquanto não serão aceites quaisquer reclamações ou pedidos de rectificação de preços ou quantidades de trabalho, com base nas características do terreno, no aparecimento de água de qualquer origem ou natureza e a qualquer profundidade, na necessidade de se proceder a entivações, ou a qualquer outra decorrente das condições locais do terreno; j) O betão deverá deslizar para o interior da cofragem com o auxílio de mangas de descarga (evitar a queda do betão de grandes alturas), para evitar a segregação e um deficiente efeito de parede, por fixação de resíduos de betão seco junto às paredes do painel/molde; k) A aplicação do betão deverá ter uma cadência contínua, devendo o período de tempo decorrido entre aplicação de camadas de espessura inferior a 50 cm (com o fim de evitar o mais possível o aparecimento de bolhas de ar na pele do betão), ser controlado, em função da reologia do betão, de modo a evitar juntas; l) A vibração deverá ser feita por camadas, penetrando as agulhas dos vibradores 10 a 15 cm na camada subjacente, de modo a homogeneizar toda a massa por camadas sucessivas; m)não se deve revibrar as camadas colocadas muito anteriormente, nem deixar os vibradores contactarem a parede do painel/molde e as armaduras, evitando assim, danificar a pele do betão, produzindo-lhe um aspecto final degradado; n) Deverá existir uma protecção provisória das peças betonadas (betão desmoldado - à vista) contra deposição de sujidades e contra os riscos de agressão mecânica aquelas, no decorrer dos trabalhos; o) Deverá existir uma protecção das superfícies no final da obra, após uma limpeza geral com água e/ou produto de limpeza adequado.

14 4.1.2 ARMADURAS I CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo mençao expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição das armaduras será em kilogramas(kg), considerado-se os pesos resultantes da consideração dos traçados teóricos mencionados nas Peças Desenhadas, não se incluindo, a menos de menção expressa em contrário, quaisquer valores para sobreposições, empalmes, acessórios,etc. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sóbre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA A FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas, e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do modo de colocação das armaduras de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) O fornecimento e colocação de Armaduras em sapatas de pilares; b) O fornecimento e colocação de Armaduras em vigas de fundação; c) O fornecimento e colocação de Armaduras em pilares; c) O fornecimento e colocação de Armaduras em vigas; f) O fornecimento e colocação de Armaduras em lajes maciças; g) O fornecimento e colocação de Armaduras em testas pendentes (secção4:4).

15 IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) O aço a utilizar em fundações, em pilares, em vigas, em lajes maciças, em escadas e nos restantes elementos descritos neste artigo obedecerá às CTG s na parte aplicável; b) Para que as armaduras estejam correctamente posicionadas e com os devidos afastamentos, dever-se-à, para além de cumprir os recobrimentos previstos nas peças desenhadas, utilizar espaçadores poliméricos ou, preferencialmente, de betão branco com forma apropriada, do tipo Laroche ou similar; c) É rigorosamente proibida a colocação de varões com películas consideráveis de calamina ou outras sujidades que, durante a aplicação do betão, o possam rapidamente contaminar; d) Dever-se-à proceder à escovagem e limpeza, a ar comprimido, dos varões antes da montagem. Como alternativa, poder-se-à tratar previamente da armadura, antes da oxidação, com pinturas à base de hidroepoxy ou poliuretano; e) Caso não se optar pelo tratamento integral das armaduras, dever-se-ão pintar as armaduras de espera, pois no intervalo entre betonagens, as humidades podem oxidar as armaduras e provocar escorrências sobre o betão; f) O recobrimento das armaduras é o constante nas peças desenhadas, ou seja, 20mm em lajes e vigas, 30mm em pilares e 50mm nas fundações e peças em contacto com o terreno.

16 4.1.3 COFRAGENS PARA BETÃO PORTLAND NORMAL COFRAGENS ESPECIAIS PARA BETÃO DESMOLDADO - BETÃO À VISTA DESCOFRAGEM I CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Salvo menção expressa em contrário, todas as medições deverão ser consideradas de acordo com as unidades teóricas em causa. Assim, a medição da cofragem e descofragem será em metros quadrados(m2), considerado-se a área do polígono geométrico teórico resultante da consideração das superfícies e dimensões teóricas. Em caso de dúvida serão consideradas as NP s sobre a matéria, prevalecendo, em caso de dúvida ainda, as prescrições do L.N.E.C.. II CRITÉRIO PARA A FORMULAÇÃO DE PREÇO O preço unitário ou global que instrui a proposta, deve ser formulado, no pressuposto de um correcto conhecimento do Local da Obra, do Programa de Concurso, do Caderno de Encargos, das Peças Escritas e Desenhadas, e de todas as demais indicações da consulta. Assim, esse preço incluirá todos e quaisquer encargos resultantes de qualquer condicionalismo de obra, das quantidades em jogo, do modo de execução da cofragem, descofragem e descimbramento de facto na obra e de todas e quaisquer condicionantes. Em qualquer caso, não se admitirão correcções a esses preços com base em qualquer alegação de desconhecimento da situação de facto, da obra. III DESCRIÇÃO DO ARTIGO Encontram-se compreendidos no preço deste artigo todos os trabalhos e fornecimentos necessários à sua boa execução e aplicação, salientando-se os seguintes: a) O fornecimento e colocação de Cofragem para betão Portland normal em sapatas de pilares; b) O fornecimento e colocação de Cofragem para betão Portland normal em vigas de fundação; c) O fornecimento e colocação de Cofragem Cofragem para betão Portland normal em pilares; d) O fornecimento e colocação de Cofragem Cofragem para betão Portland normal em vigas;

17 e) O fornecimento e colocação de Cofragem Especial para betão desmoldado - betão à vista em lajes maciças; f) O fornecimento e colocação de Cofragem Especial para betão desmoldado - betão à vista em testas pendentes (secção 4:4); g) A descofragem dos elementos de betão Portland normal e betão desmoldado - betão à vista citados nos itens a) a f); IV CONDIÇÕES TÉCNICAS De entre as várias condições a que deve obedecer o trabalho indicado neste artigo mencionam-se, como merecendo referência especial, as seguintes: a) A madeira/aço a utilizar nas cofragens, deverá ser de boa qualidade e obedecerá às CTG s na parte aplicável; b) Serão utilizados para fazer as faces de betão branco desmoldado betão à vista contraplacados marítimos novos ou em muito bom estado de conservação, ao entrarem em obra,, cuja estereotomia será definida no respectivo projecto de arquitectura. Não poderão ser aplicados paineis com defeitos ou empenos e o número de utilizações possíveis depende da qualidade da sua manutenção, sob pena de danificarem, irreversivelmente, os paramentos de betão; c) Só serão admitidos, em alternativa, moldes metálicos, caso os mesmos sejam revestidos a aço inox, com o fim de evitar, por oxidação das chapas de aço normal, a contaminação das superfícies e a consequente deficiente aparência das mesmas; c) Em qualquer dos sistemas é obrigatória a limpeza da superfície do painel/molde, de modo a que o mesmo esteja isento de resíduos de óleos usados, ferrugem, poeiras ou outras impurezas que fiquem marcadas permanentemente na superfície de betão branco desmoldado betão à vista ; e) Para evitar a perda de leitada, e consequente aspecto desagradável na superfície do betão branco aparente, ter-se-á que assegurar uma perfeita estanquicidade do molde, à custa da selagem das juntas entre paineis/moldes, com silicones ou mástiques e a colocação de fitas de borracha em cantos, bases, esquinas e juntas de betonagem; f) É proibido utilizar nas peças de betão aparente óleos habituais de descofragem. Só serão admitidos produtos à base de parafinas incolores, aplicadas com pistola de pintura, de modo a formar uma película muito fina e contínua, completamente imperceptível na superfície do molde; g) O período que medeia entre a montagem da cofragem e a aplicação do betão branco desmoldado betão à vista deverá ser o mais curto possível, de modo a que as águas da chuva ou/e as poeiras não

18 contaminem o betão. Em casos de peças de grande dimensão, e quando esse intervalo de tempo for superior ao desejável, deverão prever-se protecções com coberturas provisórias ou filmes plásticos; h) O tempo de cofragem deverá ser rigorosamente controlado, em função da maturidade do betão aplicado. Não deve existir nem descofragem antecipada nem prolongada. No primeiro caso, para evitar problemas de fissuração por retracção e quebra de arestas e cantos. No segundo caso, para evitar manchas devido a alterações do fenol na presença de condensações (paineis de contraplacado marítimo) e oxidações (moldes metálicos); i) As tolerâncias máximas admissíveis nas cofragens, o nível da implementação dos moldes, serão as seguintes: - 20mm, em valor absoluto, medidos em relacção à piquetagem final; - 5mm, em valor relativo, medidos entre dois pontos quaisquer da cofragem das diferentes partes do mesmo apoio; - 10mm, em valor relativo, medidos entre dois pontos quaisquer das cofragens de apoios diferentes. J) Os moldes deverão estar nivelados em todos os pontos, com uma tolerância de +30mm e as espessuras entre paredes contíguas do molde, não deverão apresentar afastamentos superiores a 3mm. l) Os cimbres não deverão sofrer deformações superiores a 2mm, em qualquer ponto.

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 19DV.11.--.--.

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 19DV.11.--.--. CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 19DV.11.-- TÍTULO19DV DIVERSOS CAPÍTULO.1-. TRABALHOS DE APOIO SUB.CAPº.11. CONSTRUÇÃO CIVIL / BETÃO ARMADO I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por unidade de peça,

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

Anexo: Plano de Controlo de Qualidade. Projecto: Edifício Multifamiliar Isolado Local: Rua Miguel João Amaral / Braga Promotor: Sá Imobiliária, Lda

Anexo: Plano de Controlo de Qualidade. Projecto: Edifício Multifamiliar Isolado Local: Rua Miguel João Amaral / Braga Promotor: Sá Imobiliária, Lda Anexo: Plano de Controlo de Qualidade Projecto: Edifício Multifamiliar Isolado ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 4 2.- CONTROLO DA RECEPÇÃO EM OBRA: ESPECIFICAÇÕES SOBRE OS MATERIAIS... 6 3.- CONTROLO DE QUALIDADE

Leia mais

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS

14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS 14.02 - DRENAGEM CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS Aplicam-se a todos os materiais as disposições constantes do capítulo 14.00 deste caderno de encargos, nomeadamente 14.00.1, 14.00.2, 14.00.3 e 14.00.4 e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN.

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1- GENERALIDADES 1.1- Trata a presente Licitação na execução

Leia mais

Mobiliário urbano... 35 Espelho de Água... 36 Características dos materiais e elementos de construção... 36 Estaleiro... 36 Depósito de entulhos...

Mobiliário urbano... 35 Espelho de Água... 36 Características dos materiais e elementos de construção... 36 Estaleiro... 36 Depósito de entulhos... Caderno de Encargos Índice Cláusulas técnicas gerais... 4 Definição da empreitada... 4 Características dos materiais e elementos de construção... 6 Depósito e armazenamento de materiais ou elementos de

Leia mais

16.08 - Obras de Arte

16.08 - Obras de Arte 16.08 - Obras de Arte Especiais DICIONÁRIO DE RUBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.08 DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO O presente capítulo integra as denominadas OBRAS de ARTE ESPECIAIS considerando-se,

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P23-REPARAÇÃO DE PAVIMENTOS DANIFICADOS POR ABERTURA DE VALAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES 1.1. OBJECTO Os adjuvantes para as argamassas ou betões devem obedecer às condições técnicas gerais relativas a materiais e elementos de construção e ainda aos vários documentos que lhe são aplicáveis.

Leia mais

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS

CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS CAPÍTULO XX APLICAÇÃO DE TINTAS E VERNIZES SOBRE MADEIRAS 20.1 INTRODUÇÃO A madeira, devido à sua natureza, é um material muito sujeito a ataques de agentes exteriores, o que a torna pouco durável. Os

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS. Sistemas de enchimento leve Leca CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÃO PARA CADERNO DE ENCARGOS Sistemas de enchimento leve Leca 1. Sistemas de enchimento leve Leca...2 1.1. Coberturas...2 1.1.1. Coberturas acessíveis...2 1.1.2.

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 07AV.11.--.--. SUB.CAPº.11. ALVENARIA DE TIJOLO EM PAREDES SIMPLES

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 07AV.11.--.--. SUB.CAPº.11. ALVENARIA DE TIJOLO EM PAREDES SIMPLES 07AV.11.-- TÍTULO07AV ALVENARIAS CAPÍTULO.1-. TIJOLO CERÂMICO SUB.CAPº.11. ALVENARIA DE TIJOLO EM PAREDES SIMPLES I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado. II. DESCRIÇÃO DO TRABALHO

Leia mais

16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.04 - OBRAS ACESSÓRIAS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo incluem-se os trabalhos que embora não fazendo parte do conjunto tradicionalmente considerado como trabalhos rodoviários,

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA PRAÇA XV DE NOVEMBRO

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA PRAÇA XV DE NOVEMBRO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE SUPERVISÃO DE PARQUES PRAÇAS E JARDINS DIVISÃO DE PROJETOS E CONSTRUÇÃO ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA REMODELAÇÃO DA

Leia mais

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA

BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA BETUMINOSOS NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO 3.1 MEMÓRIA DESCRITIVA 3.1.1 INTRODUÇÃO A Câmara Municipal de Viana do Alentejo pretende, com este projecto, proceder à construção/reparação/reforço do pavimento

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço

Construction. Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem de varões de aço Ficha de Produto Edição de julho de 2014 Nº de identificação: 02.007 Versão nº 1 Sika Grout-312 RFA Argamassa cimentosa fluída SCC reforçada com fibras para reparação de betão armado, pavimentação e ancoragem

Leia mais

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas

PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 1 de 7 PLANO DE TRABALHOS COM RISCOS ESPECIAIS Execução de pinturas Página 2 de 7 PROCESSO CONSTRUTIVO 1. EECUÇÃO DE PINTURAS Esta actividade consiste nos trabalhos de pinturas nas paredes simples

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 02ET.11.--.--.

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 02ET.11.--.--. 02ET.11.-- TÍTULO02ET ESTALEIRO CAPÍTULO.1-. VEDAÇÕES E DISPOSITIVOS DE ACESSO SUB.CAPº.11. VEDAÇÕES - MUROS /REDES /TAPUMES I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Atender-se-á ao desenvolvimento linear de vedação,

Leia mais

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO

ANIPB ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO SUMÁRIO ENSAIOS DE TIPO INICIAIS E CONCEPÇÃO DOS PAVIMENTOS DE VIGOTAS. DOCUMENTOS DE APLICAÇÃO Manuel Baião ANIPB Seminário sobre Marcação CE das vigotas Coimbra, CTCV, 9 de Dezembro de 2010 ENSAIOS DE TIPO INICIAIS

Leia mais

Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS

Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS Acórdão nº205 /05-6.Dez-1ªS/SS Proc. nº 2 496/05 1. A Câmara Municipal de Lisboa remeteu para fiscalização prévia deste Tribunal o Adicional ao contrato da empreitada de Recuperação e Reabilitação da Fonte

Leia mais

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker Projeto para Pavimentação de Calçamento de Pedra Irregular da Rua Cândida Correa Becker dos Trechos Esquina Modesto Vargas até Manoel Schumacker MONTE CARLO SC Janeiro de 2014 Proprietário: PREFEITURA

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica

Plano da Qualidade. Obra: Decathlon - Matosinhos. Cliente: Omnitrade / Maia & Maia. Centro de Custo: 09845. Empreitada de Estrutura Metálica Plano da Qualidade Empreitada de Estrutura Metálica Obra: Decathlon - Matosinhos Centro de Custo: 09845 Cliente: Omnitrade / Maia & Maia Edição: 01 Data:14-04-2009 Elaborado: Aprovado: pág.. 1/15 ÍNDICE

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 33

MÉTODO EXECUTIVO ME 33 Objetivo: FOLHA 1 de 8 O objetivo do MÉTODO EXECUTIVO ME 33 é detalhar o Processo Membrana Acrílica Estruturada Impermeável (MAI), de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência garantir

Leia mais

TUBOS DE BETÃO ARMADO COM ALMA DE AÇO

TUBOS DE BETÃO ARMADO COM ALMA DE AÇO TUBOS DE BETÃO ARMADO COM ALMA DE AÇO 1. Materiais: 1.1. Cimento O tipo de cimento utilizado é o denominado de Portland, do tipo CEM II/A-L 42,5R GR. Nos casos em que a percentagem de sulfatos, expresso

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S SUBGRUPO: 180100 PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIOS FOLHA: SUMÁRIO 1. PASSEIO EM PEDRA PORTUGUESA...1 1.1 OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.2 MATERIAIS...1 1.3 EQUIPAMENTOS...1 1.4 EXECUÇÃO...1 1.5 CONTROLE...2 2. PASSEIO

Leia mais

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura P812 BAVIERA EXPO Projecto de Execução da Reparação da Abril 2014 MEMÓRIA DESCRITIVA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEDIÇÕES ANEXOS ÍNDICE DE PEÇAS DESENHADAS ÍNDICE Memória Descritiva... 6 1 Introdução...

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO CÂMPUS RESTINGA

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO CÂMPUS RESTINGA MEC/SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E DE PLANEJAMENTO DPO - REITORIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO

Leia mais

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção

Gestão da Construção. Especificações, medições e regras de medição. Gestão da Construção Especificações, medições e regras de medição 2006/2007 PEÇAS DE PROJECTO PEÇAS ESCRITAS Na prática corrente, os elementos de um projecto classificam-se da seguinte forma: Peças escritas; Peças desenhadas.

Leia mais

Concurso Público Construção do Quartel/Sede da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Bombarral. Concurso Público CADERNO DE ENCARGOS

Concurso Público Construção do Quartel/Sede da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Bombarral. Concurso Público CADERNO DE ENCARGOS Concurso Público CADERNO DE ENCARGOS Cláusulas Técnicas Especiais Caderno de Encargos - Cláusulas Técnicas Especiais Página 1 INDICE CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS TÉCNICAS ESPECIAIS 1. Regras Gerais...

Leia mais

Lajes Protendidas Aplicações

Lajes Protendidas Aplicações N O R D I M P I A N T I P R O D U C T S A P P L I C A T I O N S T U R N K E Y S E R V I C E G L O B A L Lajes Protendidas Aplicações Lajes Nervuradas Lajes com treliça Lajes Maciças Tecnologia para a indústria

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos.

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos. MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Irai OBRA : Construção de ponte em concreto armado de 4,50m de largura x 25,00m de vão total e 5,33m de altura total. LOCAL : Linha Corticeira

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Execução da Pavimentação com Blocos de Concreto intertravado

MEMORIAL DESCRITIVO Execução da Pavimentação com Blocos de Concreto intertravado MEMORIAL DESCRITIVO Execução da Pavimentação com Blocos de Concreto intertravado OBJETIVO Contratação de serviços de empresa do ramo da construção civil, em regime de empreitada global (material e mão-de-obra),

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE ENGENHARIA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES A. Serra Neves NOTA TÉCNICA NOVA GEOMETRIA DE BLOCOS DE ALIGEIRAMENTO EM LAJES FUNGIFORMES Por:

Leia mais

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização...

Descrição Geral...2. Aplicação em Obra...2. Pontos Singulares... 3. Manutenção... 4. Ambiente... 4. Segurança... 4. Sistemas de Impermeabilização... ÍNDICE Descrição Geral...2 Aplicação em Obra...2 Pontos Singulares... 3 Manutenção... 4 Ambiente... 4 Segurança... 4 Sistemas de Impermeabilização... 5 Coberturas Acessíveis... 5 Coberturas de Acessibilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida. Faro, 2007

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida. Faro, 2007 UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Betão Auto-Compact Compactável (BAC) Miguel Oliveira / Elson Almeida Faro, 2007 Conceito de Betão Auto-Compact Compactável O seu conceito deve-se ás

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ESCORAMENTO DE LAJES 2 DESCRIÇÃO Os elementos horizontais são executados com recurso a cofragem apoiada em suportes verticais destinados a sustentá-la,

Leia mais

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ESPECIFICAÇÕES DE MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA E ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL,

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca floor OUT Pág. 2 incolor ou

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROPONENTE: Prefeitura Municipal de Chapada OBRA: Cobertura de Quadra de Esportes e Equipamentos ÁREA: 640,00m² LOCAL: Tesouras Chapada RS O Memorial Descritivo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO NORMAS GERAIS:

MEMORIAL DESCRITIVO NORMAS GERAIS: MEMORIAL DESCRITIVO INFORMAÇÕES GERAIS: OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO DE P.S.F. CIDADE/UF: GOIATUBA / GO DATA: ABRIL DE 2013. UNIDADE: RECREIO DOS BANDEIRANTES (307) NORMAS GERAIS: 1. Os materiais e serviços

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DE PREÇOS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO DE PREÇOS E SUBGRUPO: 48.01.00 SERVIÇOS PRELIMINARES 48.01.01 Andaimes tubulares m 3 x mes Fornecimento, montagem e desmontagem de andaime tubular de base quadrada, como também a plataforma de serviços

Leia mais

Memória Descritiva e Justificativa

Memória Descritiva e Justificativa Memória Descritiva e Justificativa 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente projecto diz respeito à pavimentação de arruamentos na freguesia de Santa Joana. Os arruamentos a pavimentar são os seguintes: Rua

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

- Cobertura Equipamento Polivalente VILA NOVA DE S. BENTO

- Cobertura Equipamento Polivalente VILA NOVA DE S. BENTO CONDIÇÕES TÉCNCIAS ESPECIAIS - Cobertura Equipamento Polivalente VILA NOVA DE S. BENTO PROJETO DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES INDÍCE 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS...2 1.1 INTRODUÇÃO E DISPOSIÇÕES GLOBAIS...2 1.2 MATERIAIS

Leia mais

RISCOS ESPECIAIS. Obra:" Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra

RISCOS ESPECIAIS. Obra: Infraestruturas da AUGI 42 Casal do Sapo Sesimbra Escavação/Abertura de valas Factores de risco - Invasão do espaço do estaleiro por veículos rodoviários - Danificação das paredes da vala devido às cargas exercidas pela passagem dos veículos rodoviários

Leia mais

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra

- - primeira qualidade de primeira 1.8 - Execução dos Serviços e Acesso à Obra MEMORIAL DESCRITIVO OBRA : AMPLIAÇÃO DE ESCOLA EM ALVENARIA PROPRIETÁRO: PREFEITURA MUNICIPAL DE ERECHIM - ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL CARAS PINTADAS ENDEREÇO: PARTE DA CHÁCARA NUMERO 19 LOTE

Leia mais

Os principais produtos que a Artiportela comercializa, com uma vasta gama de modelos e cores, são:

Os principais produtos que a Artiportela comercializa, com uma vasta gama de modelos e cores, são: Empresa. A Artiportela Artefactos de Cimento, S.A., constituída em Agosto de 2001, sediada em Atouguia, Fátima, com escritórios e instalações fabris na Portela, beneficia da proximidade de boas vias de

Leia mais

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 07.502 Versão nº 1 Sikagard 186 Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P10 BASE DE SOLO CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...4 2. DESCRIÇÃO...4 3. MATERIAIS...5 3.1 CIMENTO...5 3.2 SOLO...5 3.3 ÁGUA...6

Leia mais

BASES PARA CADERNO DE ENCARGOS TIPIFICADO CONDIÇÕES TÉCNICAS DE EXECUÇÃO DOS TRABALHOS TRABALHOS DE EDIFICAÇÃO ÍNDICE GERAL

BASES PARA CADERNO DE ENCARGOS TIPIFICADO CONDIÇÕES TÉCNICAS DE EXECUÇÃO DOS TRABALHOS TRABALHOS DE EDIFICAÇÃO ÍNDICE GERAL AAP+AECOPS BASES PARA CADERNO DE ENCARGOS TIPIFICADO CONDIÇÕES TÉCNICAS DE EXECUÇÃO DOS TRABALHOS TRABALHOS DE EDIFICAÇÃO ÍNDICE GERAL (CE) (CTET) ORDEM DESIGNAÇÃO E CÓDIGO PROVISÓRIO TÍTULO 01TP. - TRABALHOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais.

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais. Parabond Zinco Produto elástico para todo tipo de metais. Produto: Parabond Zinco é um elastómero de alta qualidade, de rápido endurecimento, permanentemente elástico, à base de MS polímero com elevada

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação

Leia mais

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130

Leia mais

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA

ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA ANEXO I IMPLANTAÇÃO DA ERM MACAÉ - RJ CADERNO DE ENCARGOS INFRA-ESTRUTURA 1 1. Introdução O presente caderno de encargos tem como objetivo orientar e subsidiar a contratação de empresa para a execução

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PARANÁ, LOCALIZADA

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 192 /06-14 JUN.2006-1ª S/SS

ACÓRDÃO Nº 192 /06-14 JUN.2006-1ª S/SS Transitou em julgado em 04/07/06 ACÓRDÃO Nº 192 /06-14 JUN.2006-1ª S/SS P. nº 371/06 1. A Câmara Municipal de Silves remeteu para efeitos de fiscalização prévia o segundo adicional ao contrato da empreitada

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA 09IS.11.-- TÍTULO 09IS IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS CAPÍTULO.1-. IMPERMEABILIZAÇÕES SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado de superfície

Leia mais

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos

Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Recuperação do Património Edificado com Argamassas Industriais de Ligantes Hidráulicos Foto autor 2 José Costa CIARGA Argamassas Secas Portugal jdcosta@cimpor.pt Catarina Coelho CIMPOR Indústria de Cimentos

Leia mais

kit imperband standard

kit imperband standard Ficha técnica kit imperband standard O kit imperband standard é um sistema de impermeabilização de interiores formado por um ralo de ABS termossoldado a uma membrana impermeável de 150 x 225 cm. Especialmente

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO

TRANSPORTE COLETIVO URBANO TRANSPORTE COLETIVO URBANO ABRIGOS PARA PONTOS DE PARADA PROJETO ARQUITETÔNICO Julho 2007 PARADAS DE ÔNIBUS Memorial Justificativo A proposta é a construção de mobiliário urbano para abrigo da população

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ESTABILIDADE E CONTENÇÃO PERIFÉRICA Requerente: Local da obra: 1 - MEMÓRIA DESCRITIVA Dadas as características desta obra, considerou-se o emprego do betão da classe

Leia mais

BENEFICIAÇÃO MUROS VEDAÇÃO EB PRAIA DA VIEIRA VIEIRA DE LEIRIA 04 CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

BENEFICIAÇÃO MUROS VEDAÇÃO EB PRAIA DA VIEIRA VIEIRA DE LEIRIA 04 CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS BENEFICIAÇÃO MUROS VEDAÇÃO EB PRAIA DA VIEIRA VIEIRA DE LEIRIA 04 CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS ESPECIFICAÇÕES DE TRABALHOS E MATERIAIS I.1. I.1.1. I.1.2. TRANSPORTES As terras provenientes das escavações,

Leia mais

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br

Manual do Montadora. Edmundo Doubrawa Joinville SC. www.expogestao.com.br Manual do Montadora Edmundo Doubrawa Joinville SC www.expogestao.com.br 5 NORMAS DE MONTAGEM CHECK LIST MONTAGEM 1- Entregar Termo de Responsabilidade ORIGINAL assinado pelo expositor e pelo responsável

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ARMADURA PARA CONCRETO PROTENDIDO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-18/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a

Leia mais

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS

PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS PATOLOGIAS EM PAVIMENTOS E COBERTURA DE EDIFÍCIOS Hélder Maurício Antunes Cruz * a40472@alunos.uminho.pt José Barroso de Aguiar aguiar@civil.uminho.pt Resumo A presente comunicação reflecte um estudo na

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

Plano de Monitorização e Medição

Plano de Monitorização e Medição Plano Página 1 11 Material/Activida a Fase Critérios Fichas 1. Topografia Trabalhos preparatórios Reconhecer e assinalar no terreno os marcos topográficos ( 15 em 15 dias) De acordo com carno encargos

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

PROPRIETÁRIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUÇÃO DE REFORMAS NO PAVILHÃO 01

PROPRIETÁRIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUÇÃO DE REFORMAS NO PAVILHÃO 01 MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBRA...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA EXECUÇÃO DE REFORMAS NO PAVILHÃO 01 LOCALIZAÇÃO CENTRO DE EXPOSIÇÕES E CONGRESSOS

Leia mais

A n e x o I I F U N D A Ç Ã O S E R R A L V E S

A n e x o I I F U N D A Ç Ã O S E R R A L V E S A n e x o I I F U N D A Ç Ã O S E R R A L V E S J O G O S D E Á G U A D O P A R T E R R E C E N T R A L D O P A R Q U E D E S E R R A L V E S, P O R T O P R O J E C T O D E R E A B I L I T A Ç Ã O C O

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador

Anexo I. Caderno de Especificações Técnicas. Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Anexo I Caderno de Especificações Técnicas Execução de Adaptações, Obras Civis e Instalações para Implantação de Grupo Motor Gerador Porto Alegre/RS 1. Considerações Gerais Antes do início de quaisquer

Leia mais

Construction. Argamassa de impermeabilização à base de cimento. Descrição do produto

Construction. Argamassa de impermeabilização à base de cimento. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de dezembro de 2013 Nº de identificação: 07.008 Versão nº 2 SikaTop Seal-107 Argamassa de impermeabilização à base de cimento Descrição do produto SikaTop Seal-107 é uma argamassa

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 03DM.11.- -.--. Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un).

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 03DM.11.- -.--. Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un). 03DM.11.- TÍTULO03DM.--. DEMOLIÇÕES CAPÍTULO.1-. DEMOLIÇÕES TOTAIS SUB.CAPº.11. SIMPLES I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Entende-se a demolição como um todo, elegendo-se a unidade (Un). II. DESCRIÇÃO DO

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP LAJE As lajes são estruturas destinadas a servirem de cobertura, forro ou piso para uma edificação.

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045

Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Norma Técnica Interna Sabesp NTS 045 Tubo de Concreto Armado para Esgoto Sanitário Especificação São Paulo Maio - 1999 NTS 045 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇOS DE RECONSTRUÇÃO DE BUEIROS DANIFICADOS POR ENXURRADAS NO MUNICÍPIO DE QUINZE DE NOVEMBRO

MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇOS DE RECONSTRUÇÃO DE BUEIROS DANIFICADOS POR ENXURRADAS NO MUNICÍPIO DE QUINZE DE NOVEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO SERVIÇOS DE RECONSTRUÇÃO DE BUEIROS DANIFICADOS POR ENXURRADAS NO MUNICÍPIO DE QUINZE DE NOVEMBRO Este memorial destina-se e descrever os serviços e materiais a serem utilizados na

Leia mais