Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Principais Resultados das Ações do.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Ação 2007 2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Principais Resultados das Ações do."

Transcrição

1 Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Principais Resultados das Ações do Plano de C,T&I Apresentação para a Comissão de C&T do Senado Federal Brasília, 11 de março de 2009

2 2 Plano de Ação Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/MP Política Econômica Plano de Desenvolvimento da Educação - PDE Plano de Aceleração do Crescimento Infraestrutura PAC Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação - Plano CTI Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE Plano de Desenvolvimento da Saúde Plano de Desenvolvimento da Agropecuária

3 Política de Estado Plano de Ação Principais Atores do Governo Federal CCT MCT MEC MAPA MDIC MS CNPq FINEP CGEE AEB CNEN Unidades de Pesquisa CAPES Universidades EMBRAPA INMET Escolas Técnicas CEPLAC MME MD BNDES ABDI INMETRO INPI MC SCTIE FIOCRUZ MRE CENPES CEPEL ITA CTA IME CETEX CPqD

4 Conselho Nacional de C&T-CCT Administração Central 22 institutos de pesquisa

5 Política de Estado Plano de Ação Principais atores institucionais Governo Política Financiamento Pesquisa & Serviço $ $ Formação de RH Pesquisa básica e aplicada Institutos Tecnológicos Centros de P&D Inovação P&D Universidades Empresas publicações conhecimento $ produtos novos, patentes

6 PACTI Prioridades Estratégicas 1. Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I 2. Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas 3. P,D&I em Áreas Estratégicas 4. C,T&I para o Desenvolvimento Social Estas prioridades são expressas em 21 Linhas de Ação e 87 Programas ou Iniciativas 6

7 PACTI : principais resultados I. Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Articulação com os estados, cooperação internacional Bolsas CNPq e CAPES, Institutos Nacionais, Pronex, Proinfra, RNP II. Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Leis de inovação estaduais, Lei do Bem: incentivos fiscais, Lei de Inovação: subvenção econômica para P, D e I Operações de crédito da FINEP, projetos cooperativos SIBRATEC III. P,D&I em Áreas Estratégicas Biotecnologia, Nanotecnologia Tecnologias da Informação e de Comunicação, Biodiversidade e Recursos Naturais, Amazônia Meteorologia e Mudanças Climáticas Programa Nuclear, Defesa IV. C,T&I para o Desenvolvimento Social Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 7

8 PACTI : principais resultados I. Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I 1. Consolidação Institucional do Sistema Nacional de C,T&I 2. Formação de Recursos Humanos para C,T&I 3. Infraestrutura e Fomento da Pesquisa Científica e Tecnológica 8

9 1. Consolidação Institucional do Sistema Nacional de C,T&I Governo Federal MCT Maior Interlocução Comitê Executivo MCT FINEP CONSECTI CNPq CONFAP Governo Estadual Secretarias p/ C,T&I e FAP $ $ Institutos Tecnológicos Centros de P&D Universidades Empresas $ 9

10 Recursos Humanos em C,T&I ,1 milhão pesquisadores (equivalência tempo integral) em 2006, dos quais: doutores mestres doutorandos e mestrandos em 2007 doutores e mestres titulados em 2007 CVs na Plataforma Lattes 10

11 Mestres e doutores titulados anualmente Mestrado Doutorado 32,9 mil mestres formados em ,9 mil doutores formados em fonte: Capes/MEC

12 Artigos científicos do Brasil, indexados no ISI (Institute for Scientific Information) O Brasil responde, atualmente, por 2% da produção científica mundial ,5 número de artigos ,5 1 0,5 % em relação à produção mundial O número de publicações aumentou 103% entre 2000 e 2007

13 $ Institutos Nacionais de C&T Sistema de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Instrumentos de Financiamento Redes de Pesquisa $ $ Proinfra Inovação Universidades e Centros de P&D Editais para Projetos $ $ $ $ Serviços Tecnológicos SIBRATEC Extensionismo Empresas $ Crédito Subvenção Econômica Incentivos Fiscais Compras Governamentais $ $ $ 1

14 2. Formação, capacitação e fixação de recursos humanos Número de bolsas de todas as modalidades implementadas Nº bolsas Meta 2010 para bolsas: CNPq e CAPES em 2010 bolsas-ano implementadas CNPq CAPES : previsão 14

15 2. Formação, capacitação e fixação de recursos humanos Recursos investidos em bolsas de todas modalidades (R$ milhões) proposta de recomposição do orçamento do CNPq para bolsas CAPES CNPq Total projetado em

16 3. Infra-estrutura e Fomento da Pesquisa Científica e Tecnológica Aperfeiçoamento e ampliação do fomento à pesquisa científica e tecnológica Edital Universal, Jovens Pesquisadores, Primeiros Projetos Pronex Programa de Apoio a Núcleos de Excelência INCT Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Edital para apoio a pesquisa nos Novos Campi Proinfra Programa de Apoio a Infraestrutura de Pesquisa RNP Rede Nacional de Ensino e Pesquisa 16

17 Sistema Nacional de CT&I - Executores Instit. Fed. de C&T SIBRATEC aplicado - estruturado IPTs Empresas Institutos do MCT Entidades Assoc. Núcleos de P,D&I Redes Institutos Nacionais de C&T Núcleos de Excelência-PRONEX (Programa c/ Estados) $ $ $ $ Agências de Fomento FINEP CNPq BNDES CAPES MS Petrobras FAPs acadêmico - independente Redes Temáticas Grupos de Pesquisa Universidades $ Laboratório ou grupo de pesquisas Organização ou Instituição 17

18 Apoio à pesquisa em todas as áreas do conhecimento Editais (recursos em R$ milhões) 225 R$ milhões Jovens Pesquisadores 200 Casadinho Primeiros Projetos Universal - FNDCT Universal - CNPq nº de projetos Edital Universal

19 INCT Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Apoio a instituições-âncora de pesquisa científica, tecnológica e de inovação e a suas associadas em rede temática Atividades Pesquisa em temas de fronteira e/ou estratégicos Formação de recursos humanos Transferência de tecnologia Educação e divulgação de ciência Parceria Financiamento Academia Órgãos públicos R$ 2,1 a 7,2 milhões em 3 anos por INCT Ministério de Minas e Energia Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Ministério da Saúde Ministério da Educação Ministério da Ciência e Tecnologia 19

20 INCT Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia Distribuição por fonte de recursos (total de Investimentos: R$ 605 milhões) FAPs R$ 212 milhões CNPq R$ 110 milhões FNDCT R$ 190 milhões CAPES R$ 30 milhões MS R$ 19 milhões BNDES R$ 24 milhões Petrobras R$ 21 milh Demanda bruta: R$ 1,5 bilhões envolvendo 261 projetos e pesquisadores 20

21 INCT Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

22 Áreas do Conhecimento ou de Tecnologia Nuclear 2 Outras 7 Antártica e Mar 3 Energia 7 Biodiversidade Meio Ambiente 7 Agronegócio 9 Saúde Amazônia 7 TICs 7 Ciências Sociais 10 Biotecnologia/ Nanotecnologia 11 Engenharias, Física Matemática 14 22

23 Exemplo Instituto Nacional de C&T de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (CENBAM) Universidade Federal de Roraima/ UFRR SEDE Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá/IEPA Universidade Federal do Acre/ UFAC Universidade Federal de Rondônia/ UNIR Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) Universidade Federal do Mato Grosso/ UFMT, campus Sinop 23

24 Exemplo Instituto Nacional de C&T de Células-Tronco e Terapia Celular (INCTC) Centro de Primatologia do Instituto Evandro Chagas de Belém Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto SEDE Universidade Federal do RJ Universidade de São Paulo 24

25 Exemplo Instituto Nacional de C&T da Criosfera 19 Instituições internacionais U. Milão NOC U. Mayor LSCE AWI U. Freiburg U. Cambridge U. Wisconsin U. E. Anglia U. Havai JPL NASA BAS U. Bremen U. Maine U. Queensland INACh U. T. Goteborg ARSC NOC Universidade Federal de Viçosa Instituto de Botânica de São Paulo Universidade Federal de Ouro Preto Universidade Estadual Paulista UFRJ Universidade Federal de São Carlos INPE FIOCRUZ Universidade do Estado do Rio de Janeiro Universidade Federal de Santa Maria USP - Universidade de São Paulo Universidade de Caxias do Sul Universidade Federal do Paraná Fundação Universidade Federal Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande SEDE Universidade Federal do Rio Grande do Sul 25

26 Exemplo Instituto Nacional de C&T para Mudanças Climáticas Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia Acre Rondônia Mato Grosso Mato Grosso do Sul Pará Goiás SEDE INPE Paraná UNB Minas Gerais Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Universidade Federal de Pernambuco Sergipe Universidade Federal de Viçosa Espírito Santo USP Diretoria de Hidrografia e Navegação UFRJ CTAFIOCRUZ UNICAMP Laboratório Nacional de Computação Científica Santa Catarina Fundação Universidade Federal do Rio Grande do Sul 26

27 Exemplo Instituto Nacional de C&T para Inovação Farmacêutica (INCT_if) SP USP / UNIFESP / SUPERA UNESP / FIPASE / UNIMEP UNIBAN / UNICAMP / UNISO UNINOVE / UFSCAR/ GO UEG / UFG / UCG RN UFRN / UFRB MS UNIGRAN / ALPHARD / UFMS DF Min.Saúde / UNB PE UFPE / UFRPE / CPQAM-FIOCRUZ Universidade Federal de Pernambuco SEDE mais... 27

28 Pronex Programa de Apoio a Núcleos de Excelência Programa em parceria com estados para apoio a núcleos de pesquisa, sediados nesses estados e formados por grupos de reconhecida excelência articulados em redes Valores (R$ milhões) Pronex CNPq Estados FNDCT 28

29 Pronex 2008 Valores em R$ milhões Plano de Ação Pronex Programa de Apoio a Núcleos de Excelência FAPs: 80,88 CNPq: 149,64 Total: 230,52 F 2,0 C 4,0 F 0,24 C 0,74 F 3,0 C 6,0 F 3,5 C 7,0 F 1,5 C 4,5 F 0,3 C 0,9 F 0,5 C 1,5 F 5,0 C 10,0 F 3,5 C 7,0 F 0,8 C 2,4 F 1,5 C 3,0 F 5,0 C 10,0 F 0,54 C 1,62 S 22,1% N 10,2% 25,4% SE NE 24,1% 18,1% CO F 10,0 C 20,0 F 1,0 C 2,0 F 2,0 C 4,0 F 5,0 C 10,0 F 12,0 C 18,0 F 5,0 C 7,5 F 2,0 C 4,0 F 16,0 C 24,0 F 0,5 C 1,5 F: FAP C: CNPq 29

30 Programas de Apoio à Implantação de Infraestrutura de Pesquisa Total investido pelo CT-Infra em : R$ 728,2 milhões Total para editais em 2008: R$ 420 milhões 30

31 Programas de Apoio à Implantação de Infraestrutura de Pesquisa Total investido pelo CT-Infra em : R$ 728,2 milhões Distribuição Regional 34% S 18% N 6% NE 20% Norte Nordeste Centro-Oeste 48% 8% CO Sudeste Sul SE 31

32 RNP Internet avançada para educação e pesquisa integradas: 36 EAF (Escolas Agrotécnicas Federais), 21 IFES e 21 Cefets sendo conectadas agora: 55 novas UNED (Unidades de Ensino Descentralizadas)

33 PACTI : principais resultados II. Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas 4. Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas 5. Tecnologia para a Inovação nas Empresas 6. Incentivos à Criação e Consolidação de Empresas Intensivas em Tecnologia 33

34 4. Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas AM lei estadual PA minuta de lei MA CE minuta de lei lei estadual Leis Estaduais de Inovação 7 estados já promulgaram 8 estados elaboraram minuta de lei MT lei estadual SP lei estadual PR minuta de lei minuta de lei SC lei estadual RS minuta de lei BA PE minuta de lei SE lei estadual minuta de lei DF minuta de lei MG lei estadual RJ 34

35 4. Apoio à Inovação Tecnológica nas Empresas Lei do Bem: incentivos fiscais à inovação 449 empresas beneficiadas em 2006 e : 130 empresas 2007: 319 empresas R$ 4,85 bilhões aplicados em P&D em 2007 R$ 0,52 bilhão com investimentos em bens de capital; e R$ 4,33 bilhões com despesas operacionais de custeio. 0,3% 0,3% 2,5% 12% 290 Empresas R$ 4,85 Bilhões 35

36 Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Chamada Pública MCT/FINEP 2006 Distribuição percentual de recursos por temas Resultado 2006 biotecnologia 4,5% nanotecnologia 4,4% energias alternativas 2,7% bens de capital 2,5% 5,9% aplicações mobilizadoras estratégicas 8,7% fármacos e medicamentos 10,5% TV digital 11,9% aeroespacial temas gerais 49,1% Valor do Edital: R$ 300 milhões Demanda: projetos, R$ 1,9 bilhão Resultado: 145 propostas aprovadas, R$ 272,5 milhões 36

37 Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Chamada Pública MCT/FINEP 2007 Distribuição percentual de recursos por temas Resultado 2007 biotecnologia e saúde 8,1% 11,0% desenvolvimento social 16,1% energia temas estratégicos 37,5% 31,0% TICs e nanotecnologia Valor do Edital: R$ 450 milhões Demanda: projetos, R$ 4,9 bilhões Resultado: 174 propostas aprovadas, R$ 313,8 milhões 37

38 Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Chamada Pública MCT/FINEP 2008 Distribuição percentual de recursos por temas Resultado 2008 desenvolvimento social 12,8% 20,1% TICs energia 15,0% 19,8% biotecnologia temas estratégicos 19,8% 12,4% saúde Valor do Edital: R$ 450 milhões Demanda: projetos, R$ 6,1 bilhões Resultado: 209 propostas aprovadas, R$ 450,0 milhões 38

39 Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica Distribuição percentual de recursos por porte de empresa 32,1 % micro 18,1 % pequenas 28,1 % micro 17,1 % pequenas grandes 30,6 % 2006 médias 19,2 % grandes 35,7 % 2007 médias 19,1 % 41,4 % micro Participação de micro e pequenas empresas ,2% ,2% ,4% grandes 16,1 % médias 13,5 % ,0 % pequenas 39

40 BNDES: apoio à inovação no Plano CTI e na PDP Aprofundamento da articulação com instituições que compõem o Sistema Nacional de Inovação, sobretudo MCT/FINEP Criação de Grupo de Trabalho permanente para coordenação de ações: MCT, FINEP e BNDES FINEP é membro do Comitê do FUNTEC no BNDES e BNDES é membro do Comitê Consultivo da FINEP financiamento conjunto BNDES/FINEP ao edital da Rede de Tecnologia Celular financiamento de R$ 24 milhões do BNDES a edital do CNPq/MCT: Institutos Nacionais de C&T Meta da PDP recursos disponíveis para projetos de inovação entre 2008 e 2010 R$ 6 bilhões

41 Organizado em 3 tipos de redes: Plano de Ação Tecnologia para a Inovação nas Empresas SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia Objetivo apoiar o desenvolvimento tecnológico da empresa brasileira, por meio da articulação em rede de centros para atividades: PD&I de processos e produtos; serviços tecnológicos; e extensão e assistência tecnológica Centros de Inovação Gerar e transformar conhecimentos científicos e tecnológicos em produtos, processos e protótipos com viabilidade comercial Serviços Tecnológicos Implantar e consolidar serviços de metrologia (calibração, ensaios e análises), normalização e avaliação da conformidade Extensão Tecnológica Promover extensão e assistência tecnológicas ao processo de inovação das MPME 41

42 SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia Extensão Tecnológica (8 redes estaduais) NUTEC; UESC; FCPC; UFC; CENTEC; INDI/CE; CEFET/CE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE IEL; UESC; CEPED; INT/NE; SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA DF CETEC; RMI; SEBRAE/MG; IEL/MG; FAPEMIG; SEDE/MG; SECTES/MG TECPAR; FIEP; SEBRAE/PR; SETI/PR SOCIESC; SEBRAE/SC; FUNCITEC SCT; IEL; CIENTEC; IBTEC; CEFET/Pelotas; PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS INT; REDETEC; SEBRAE/RJ; FAPERJ IPT; FIPT; CTI; CEETEPS; FDTE; SD/SP 42

43 SIBRATEC Sistema Brasileiro de Tecnologia Serviços Tecnológicos (18 redes temáticas) sangue e hemoderivados 9 insumos farmacêuticos, medicamentos e cosméticos 16 produtos para a saúde 60 gravimetria, orientação magnética, compatibilidade eletromagnética 16 transformados plásticos 34 monitoramento ambiental 15 instalações prediais e iluminação pública 28 segurança sanitária e fitossanitária de produtos para alimentação 76 produtos de setores tradicionais: têxtil, couro, calçados, madeira e móveis 35 saneamento e abastecimento de água 40 radioproteção e dosimetria 24 equipamentos de proteção individual 15 produtos e dispositivos eletrônicos 24 TIC aplicáveis às novas mídias 11 geração, transmissão e distribuição de energia 36 componentes/produtos da área de defesa e de segurança 12 biocombustíveis 27 produtos de manufatura mecânica 49 n - número de participações laboratoriais 43

44 SIBRATEC Centros de Inovação (8 redes de competências temáticas) DF Equipamentos e componentes eletrônicos Microeletrônica Visualização (RBV) Tecnologias digitais para informação e comunicação (CTIC: 6 sub-redes temáticas) Manufatura mecânica e bens de capital Energia solar fotovoltaica Equipamentos medico-odontológicos Plástico e borracha 44

45 6. Incentivos à Empresas Intensivas em Tecnologia PRIME Programa Primeira Empresa Inovadora Programa em parceria com entidades locais Apoio a empresas inovadoras nascentes, por meio de incubadoras-âncora, responsáveis pela seleção dos empreendimentos e repasse dos recursos. Objetivo do PRIME Apoiar a estruturação de planos de negócio e o desenvolvimento de novos produtos e serviços de empresas nascentes (até 2 anos de vida). 17 editais regionais lançados em 05/03/ empresas serão selecionadas para receber R$ 120 mil cada na forma de subvenção econômica incubadora-âncora 45

46 PACTI : principais resultados III. P,D&I em Áreas Estratégicas 7. Áreas portadoras de futuro: Biotecnologia e Nanotecnologia 8. Tecnologias da Informação e Comunicação 9. Insumos para a Saúde 10. Biocombustíveis 11. Energia elétrica, hidrogênio e energias renováveis 12. Petróleo, gás e carvão mineral 13. Agronegócio 14. Biodiversidade e recursos naturais 15. Amazônia e Semi-Árido 16. Meteorologia e mudanças climáticas 17. Programa Espacial 18. Programa Nuclear 19. Defesa Nacional e Segurança Pública 46

47 8. Tecnologias da Informação e de Comunicação Formação e capacitação de recursos humanos Centros de Treinamento em Projetos de CIs investidos R$ 20 milhões Formação & Capacitação de RH em Software investidos R$ 7,6 milhões Promoção de melhores práticas em empresas do setor de SW investidos R$ 3,7 milhões CTIC Centro de P&D em Tecnologias Digitais para Informação e Comunicação investidos R$ 12 milhões 47

48 PNM Programa Nacional de Microeletrônica CT-PIM CI Brasil: Centros de Projetos de Circuitos Integrados (design houses comerciais) investidos R$ 6 milhões 150 engenheiros de projetos de CI em atividade CETENE/MCT CESAR LSI-TEC/BA Projeto Brazil IP investidos R$ 2 milhões 21 universidades participantes, em 15 estados mais de 300 estudantes de graduação e pós-graduação 16 projetos de CI em andamento PNM 2007 Brazil-IP 2002 Brazil-IP 2008 CEITEC CTI/MCT Centro Von Braun LSI-TEC/USP 48

49 8. Tecnologias da Informação e de Comunicação CEITEC S.A. Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada Empresa pública, especializada no desenvolvimento e produção de circuitos integrados de aplicação específica (ASICs), com vistas a atender necessidades de mercado com alto padrão de qualidade, m m 2 Vista das instalações em Porto Alegre 49

50 Investimentos do Governo Federal no CEITEC R$ 300 milhões para edificações e equipamentos dezembro empresa criada fevereiro diretoria nomeada Chip para rastreabilidade de animais: (1,89 mm x 1,21 mm) 25 de março 2009 Inauguração do Centro de Pesquisa e Projetos julho 2009 Inauguração da fábrica de CI 50

51 12. Petróleo, Gás e Carvão Mineral Ações de C,T&I da Petrobras no âmbito do Plano CTI Programa Petrobras de P&D Total Programa de pesquisa e desenvolvimento tecnológico para as atividades de: refino 167,0 200,2 367,2 exploração de petróleo e gás natural 118,6 138,3 256,9 produção de petróleo e gás natural 404,9 611, ,6 transporte de petróleo e gás natural 38,3 43,8 82,1 gás natural 30,5 24,8 55,3 desenvolvimento sustentável para a área de petróleo e gás natural 99,0 180,1 279,1 Expansão, modernização, manutenção e infraestrutura para pesquisa e desenvolvimento tecnológico nas áreas de petróleo, gás natural e biocombustíveis Subtotal P&D 858, , ,2 111,3 260,2 371,5 Total 969, , ,7 Estão incluídos nas ações acima (12.3 a 12.8 do Plano CTI) os investimentos direcionados à ampliação da infraestrutura nas instituições de ensino e pesquisa nacionais (ação 12.1): R$ 387 milhões em 2007 e R$ 439 milhões em

52 14. Recursos do Mar e Antártica Navio Hidroceanográfico Cruzeiro do Sul destinado ao Laboratório Nacional Embarcado (LNE) incorporado à Marinha do Brasil em realizará pesquisas em meteorologia, batimetria e oceanografia física, química e biológica proporcionará 80 dias de mar por ano à comunidade acadêmico-científica, para atividades e projetos de pesquisa afins 65,7 m de comprimento 16 pesquisadores FNDCT contribuiu com R$ 95 milhões para aquisição e adaptação dos navios 93,4 m de comprimento 35 pesquisadores 5 laboratórios Navio Polar Almirante Maximiano adquirido em 2008 incorporado à Marinha do Brasil em passou por alterações estruturais foi adaptado e equipado para apoiar o Programa Antártico Brasileiro - PROANTAR 52

53 15. Programa integrado de C,T&I para a conservação e desenvolvimento sustentável da Região Amazônica Investimento (R$ milhões) na Amazônia Legal Principais instrumentos de financiamento do MCT Total Bolsas e fomento à pesquisa 20,6 36,5 33,9 50,4 68,9 61,6 272,0 Fundos setoriais 15,7 34,2 39,0 66,8 85,2 97,4 338,3 Inclusão social 1,1 4,9 21,9 7,3 3,0 25,2 63,5 Subvenção econômica 0,0 0,0 0,0 0,0 9,9 5,9 15,7 Unidades de Pesquisa do MCT* 89,1 84,4 96,1 106,5 116,7 124,9 617,4 Total 126,5 160,1 190,9 231,0 283,8 315, ,2 * INPA, IDSM e MPEG R$ milhões investidos pelo MCT

54 Pesquisadores na Amazônia Legal total pesquisadores Censo CNPq pesquisadores doutores R$ milhões investidos em bolsas MT (17,1%) TO 519 (7,6%) RR 210 (3,1%) RO 276 (4,0%) AC 277 (4,0%) MA 680 (9,9%) AP 145 (2,1%) AM (26,9%) 2006 PA (25,4%) O investimento constante em bolsas e fomento para P,D&I tem contribuído para o aumento do número de pesquisadores distribuição dos pesquisadores por estado da Amazônia Legal 54

55 15. Programa integrado de C,T&I para a conservação e desenvolvimento sustentável da Região Amazônica Principais resultados 10 Institutos Nacionais (cerca de R$ 50 milhões) institucionalizada a Rede de Biodiversidade e Biotecnologia (BIONORTE) concluída a proposta do Centro Franco Brasileiro de Biodiversidade (CFBB) virtual início da implantação do Laboratório de Monitoramento Global de Florestas Tropicais (INPE), no âmbito do PRODES iniciado Projeto Cenários para a Amazônia: uso da terra, biodiversidade e clima, o qual visa integrar os três grandes projetos de pesquisa do MCT na Amazônia LBA, GEOMA e PPBio 55

56 16. Mudanças Climáticas Rede Clima: Rede Brasileira de Pesquisas sobre Mudanças Climáticas Globais 2007: instituída a Rede CLIMA pelo MCT R$ 10 milhões sendo investidos para a formação de sub-redes temáticas R$ 35 milhões (MCT) + R$ 17 milhões (FAPESP) para adquirir supercomputador aprovados R$ 7,2 milhões para INCT para Mudanças Climáticas: 400 pesquisadores, estudantes e técnicos 76 grupos de pesquisa brasileiros 16 grupos de pesquisa estrangeiros 56

57 PACTI : principais resultados IV. C,T&I para o Desenvolvimento Social Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) Semana Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 20- Popularização da C&T e Melhoria do Ensino de Ciências 21- Tecnologias para o Desenvolvimento Social 57

58 Objetivos Plano de Ação Popularização de C,T&I e Melhoria do Ensino de Ciências Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas Estimular o estudo da matemática entre alunos das escolas públicas Incentivar jovens talentos e fornecer oportunidades para o seu ingresso nas áreas científicas Ano Evolução das inscrições nas OBMEPs Escolas Inscritas % Municípios Inscritos 93,5 94,6 97,9 98,7 Total de Alunos

59 Semana Nacional de Ciência e Tecnologia SNCT Evolução da SNCT de 2004 a 2008 Instituições mobilizadas Municípios envolvidos Número de atividades : : 100 anos da descoberta da doença a de Chagas 100 anos do início do ensino tecnológico no Brasil

60 Macrometas Expansão e Consolidação do Sistema Nacional de C,T&I Investimento em P&D 1,5 % do PIB em P&D (1,02% em 2006) 0,64% governo federal 0,21% governos estaduais Formação de recursos humanos Bolsas: CNPq e CAPES (2006: CNPq e CAPES) 60

61 Macrometas Promoção da Inovação Tecnológica nas Empresas Inovação nas empresas 0,65 % PIB investimentos em P&D pelo setor privado (0,51% em 2006) 4. C,T&I para o Desenvolvimento Social Popularização da ciência e tecnologias sociais OBMEP: 21 milhões de alunos e bolsas 400 Centros Vocacionais Tecnológicos 600 novos telecentros 61

62 Dispêndio nacional em P&D como razão do PIB (%) 0,64% PIB e 0,21% PIB dos governos federal e estaduais em

63 Dispêndio nacional em P&D como razão do PIB (%) 0,65 % PIB em P&D pelo setor empresarial em ,20 Total % PIB 1,00 1,10 1,12 1,08 1,04 0,97 0,97 1,00 1,12 0,80 Público 0,60 0,40 0,55 0,55 0,57 0,55 0,53 0,55 0,52 0,52 0,48 0,49 0,48 0,49 0,50 0,50 0,59 0,53 Empresarial 0,20 0,

64 Dispêndio nacional em P&D como razão do PIB (%) 1,5 % do PIB em P&D em 2010 Brasil estimativa 64

65 Evolução do orçamento de custeio e capital do MCT, por instrumento (R$ bilhões) 7,0 Outras Ações do MCT Institutos do MCT Programa Nuclear Programa Espacial CNPq FNDCT (*) 6,0 5,0 proposta de recomposição do orçamento 4,0 3,0 2,0 1,0 0, (*) não inclui recursos sob a supervisão do FNDCT LOA + Crédito Previsão PPA

66 A versão completa do PACTI está em

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI

Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ciência e Tecnologia no Brasil no Século XXI Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) Encontro das Sociedades e Associações de Física da América Latina (25/02/2010) C,T&I

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Plano de Ação 2007-2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Recursos Humanos em C,T&I 118.000 34.000 41.000 50.000

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

Informação e da economia de

Informação e da economia de 25º Congresso Brasileiro de Microbiologia Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Infraestrutura para a Inovação na era da Sociedade da Informação e da economia de base biológica

Leia mais

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010

Ronaldo Mota. ABMES Seminários Dezembro Brasília DF, 07 de dezembro 2010 Conferência: Olhando para o futuro: visões da educação brasileira para os próximos dez anos Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) ABMES Seminários Dezembro Brasília DF,

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal (17-19 de setembro de 2009)

II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal (17-19 de setembro de 2009) II Simpósio de Ciência e Tecnologia de Natal (17-19 de setembro de 2009) Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento:Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação 2007-2010 Ivon Fittipaldi Coordenador-Geral

Leia mais

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT)

Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento. Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação / MCT) 01 de março de 2010 I N O ABSORÇÃO DA CULTURA DA INOVAÇÃO EI V A Ç Ã

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional XIX Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e de Governo Políticas públicas para incentivar a inovação no setor privado: uma agenda prioritária Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais

SETORIAIS VISÃO GERAL

SETORIAIS VISÃO GERAL MCT FUNDOS SETORIAIS VISÃO GERAL Financiamento de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil RECURSOS GOVERNAMENTAIS IMPOSTOS e TAXAÇÃO SISTEMA DE CT&I Universidades Centros de Pesquisas Empresas do Governo

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

Sumário. Contextualização histórica C&T - Até 2003 C&T&I - Depois de 2003 Necessidade de capacitação: NIT. Atuação do INPI. Considerações Finais

Sumário. Contextualização histórica C&T - Até 2003 C&T&I - Depois de 2003 Necessidade de capacitação: NIT. Atuação do INPI. Considerações Finais Sumário Contextualização histórica C&T - Até 2003 C&T&I - Depois de 2003 Necessidade de capacitação: NIT Atuação do INPI Considerações Finais Promoção de C&T até 2003 1985 MCT criado 1990 MCT extinto 1992

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas ESTUDOS E PESQUISAS Nº 236 A FINEP e a Inovação nas Empresas Luis Manuel Rebelo Fernandes * XX Fórum Nacional BRASIL - Um Novo Mundo nos Trópicos 200 Anos de Independência Econômica e 20 Anos de Fórum

Leia mais

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação -

Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) - instrumento de incentivo à inovação - Cristina Akemi Shimoda Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - SETEC Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

XXVII Reunião Anual da FeSBE Raquel Coêlho Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Saúde

XXVII Reunião Anual da FeSBE Raquel Coêlho Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Saúde Fomento à ciência, tecnologia e inovação na saúde e ciências biomédicas. XXVII Reunião Anual da FeSBE Raquel Coêlho Coordenação Geral do Programa de Pesquisa em Saúde Visão de Futuro do CNPq Ser uma instituição

Leia mais

Audiência Pública. Senado Federal

Audiência Pública. Senado Federal Ministério da Ciência e Tecnologia Audiência Pública Senado Federal Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 4 de maio de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova Parceiros do Programa MCT, FINEP, CNPq, CGEE, MDIC, INPI, INMETRO, ABDI, BNDES, SEBRAE, CNI, IEL, ANPEI, ANPROTEC, MBC, PROTEC, CONFAP, ABIPTI Articulação e

Leia mais

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas 1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo, 10 de abril de 2012 Ranking Produção científica & Inovação Produção Científica

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS NANOTECNOLOGIA Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO 1 Sumário OPORTUNIDADE PARA UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO SÍNTESE DA PROPOSTA NÍVEL SISTÊMICO: PROJETOS E INICIATIVAS NÍVEL ESTRUTURAL: PROJETOS

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

O Plano de Ação em C,T&I

O Plano de Ação em C,T&I Plano de Ação 2007 2010 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional O Plano de Ação em C,T&I Principais Resultados Parciais Comemoração dos 50 anos do Instituto de Física da UFRGS Porto

Leia mais

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde

FINEP. Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação. Seminário Complexo Industrial da Saúde FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Seminário Complexo Industrial da Saúde Painel 3: Estímulo à Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento São Paulo SP 01.03.2010 Sobre a

Leia mais

SENAI. Foi dado o sinal verde para o futuro da indústria.

SENAI. Foi dado o sinal verde para o futuro da indústria. SENAI. Foi dado o sinal verde para o futuro da indústria. Instituto SENAI de Inovação Química Verde e Instituto SENAI de Tecnologia Ambiental. As soluções inovadoras agora têm endereço certo. O Instituto

Leia mais

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação São Paulo, Junho de 2009 FINEP Agência Brasileira da Inovação Empresa pública vinculada ao

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia LIDE - GRUPO DE LIDERES EMPRESARIAS São Paulo, 27 de junho de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil

Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil Ciência, Tecnologia e Inovação Estratégia para o desenvolvimento do Brasil José Antônio Silvério Coordenador de Capacitação Tecnológica Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação 1 Plano Brasil

Leia mais

DESEN- VOLVI- MENTO. CONHECIMENTO: Formação e Capacitação de RH Inovação Tecnológica. POLÍTICAS PÚBLICAS: Educação C&T PITCE

DESEN- VOLVI- MENTO. CONHECIMENTO: Formação e Capacitação de RH Inovação Tecnológica. POLÍTICAS PÚBLICAS: Educação C&T PITCE CONHECIMENTO: Formação e Capacitação de RH Inovação Tecnológica POLÍTICAS PÚBLICAS: Educação C&T PITCE DESEN- VOLVI- MENTO SETOR PRODUTIVO: Agropecuária Indústria Serviços MCT MEC SNPG [ FINEP, CNPq &

Leia mais

Programa Antártico Brasileiro

Programa Antártico Brasileiro Audiência Pública Programa Antártico Brasileiro Luiz Antonio Elias Secretário Executivo Brasília, 06.03.2012 1 Sumário 1. PACTI 2007-2010 2. ENCTI 2012-2015 3. Recomendações oriundas de Reunião do Grupo

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP

Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Reunião do Conselho das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa CONFAP Manoel Cardoso Assessoria de Planejamento e Estudos Brasília,

Leia mais

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento

Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Inovação, Competitividade e Desenvolvimento Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) XV MET e II Simpósio sobre Metodologias Lab. de Pesquisa Agropecuária Embrapa/Pelotas-RS,

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS BIOTECNOLOGIA Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Francisco Silveira Chefe de Divisão/CGTE/SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Lei de Informática Lei 7.232 29.out.1984 Lei 8.248 23.out.1991 Lei 10.176

Leia mais

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea

Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Papel da Inovação na Educação e na Sociedade Contemporânea Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/MCT) FOPROEXT -Fórum de Pró-Reitores de Extensão, São Carlos-SP, 10/05/2010

Leia mais

para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação Componentes Eletrônicos Augusto Gadelha Secretário

para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação Componentes Eletrônicos Augusto Gadelha Secretário Políticas e Estratégias para o Desenvolvimento da Tecnologia da Informação ão, Comunicação e Componentes Eletrônicos Augusto Gadelha Secretário rio de Política de Informática Política do MCT em Tecnologia

Leia mais

1 Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: breve panorama e possíveis áreas de colaboração com

1 Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil: breve panorama e possíveis áreas de colaboração com CT&I no Brasil: breve panorama e possíveis áreas de colaboração com Cuba 179 Blucher Proceedings Cuba e Brasil no Século XXI (CBS21) Desafíos Estratégicos e Institucionais da Inovação Ciência, Tecnologia

Leia mais

Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil

Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil 1 REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, NÚMERO 1, OUTUBRO 2011 Desafios para Ciência e Tecnologia no Brasil Sergio Machado Rezende Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE rezende@df.ufpe.br

Leia mais

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal

Universidade Federal. do Acre. Universidade Federal. do Amazonas. Universidade Federal. do Amapá. Universidade Federal. do Pará. Universidade Federal UF CATEGORIA ADMINISTRATIVA SIGLA IES AC FEDERAL UFAC AM FEDERAL UFAM AP FEDERAL UNIFAP PA FEDERAL UFPA PA FEDERAL UFRA RO FEDERAL UNIR RR FEDERAL UFRR TO FEDERAL UFT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Resumo

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Resumo Ministério da Ciência e Tecnologia Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Resumo Investir e inovar para crescer Sumário Apresentação...5 Prioridades Estratégicas

Leia mais

Construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação (SNCI)

Construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação (SNCI) Construção de um Sistema Nacional de Conhecimento e Inovação (SNCI) A VISÃO DA INDÚSTRIA AUDIÊNCIA PÚBLICA SENADO FEDERAL Rafael Lucchesi Diretor de Educação e Tecnologia da CNI Diretor Geral do SENAI/DN

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país

Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país Ciência, Tecnologia e Inovação: Estratégia para o país Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasília, 14 de dezembro de 2011 Baixo Crescimento das Economias Maduras Dívida

Leia mais

O HUWC e a pesquisa em saúde

O HUWC e a pesquisa em saúde UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Hospital Universitário Walter Cantídio O HUWC e a pesquisa em saúde Dr. Marcelo Alcantara Holanda Diretoria de Ensino e Pesquisa-HUWC Maio-2006 PESQUISA PRÁTICA VS. PESQUISA

Leia mais

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC:

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: Boletim 03/2011 I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: http://www.uesc.br/nucleos/nit/index.php?item=conteudo_projetos.php Visite nosso blog: / Editais / FAPESB Edital 022/2010 Apoio a Pesquisa

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

Incubadoras de Empresas

Incubadoras de Empresas Incubadoras de Empresas Guilherme Ary Plonski Diretor Superintendente IPT Vice-Presidente Anprotec Caminhos profissionais para estudantes de engenharia mecânica Emprego tradicional em empresa existente

Leia mais

Painel B3: Transferência de Tecnologia

Painel B3: Transferência de Tecnologia Painel B3: Transferência de Tecnologia fatores de risco e de sucesso Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Pró-Inova

Leia mais

Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento. Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil

Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento. Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil Programa Nacional de Plataformas do Conhecimento Elevar o patamar e o impacto da CT&I no Brasil Políticas de educação, ciência, tecnologia e inovação no Brasil na última década Ampliação e aperfeiçoamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET 7 INSTITUIÇÕES 370 GRUPOS REGIÃO NORTE - 8 INSTITUIÇÕES

Leia mais

Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento da Amazônia PCTI/Amazônia. Apresentação na Reunião do Confap

Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento da Amazônia PCTI/Amazônia. Apresentação na Reunião do Confap Desenvolvimento da Amazônia PCTI/Amazônia Apresentação na Reunião do Confap Brasília/DF, 13 de Maio de 2014 Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Amazônia Brasileira

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Propostas de Cursos Novos 149 a Reunião CTC/ES 9 a 13 de setembro de 2013

Propostas de Cursos Novos 149 a Reunião CTC/ES 9 a 13 de setembro de 2013 Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes Diretoria de Avaliação - DAV Coordenação Geral de Avaliação e Acompanhamento - CGAA Propostas de

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia

Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Aloizio Mercadante. Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Seminário: Brasil do Diálogo, da Produção e do Emprego São Paulo, 26 de maio de 2011 O Desenvolvimento

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

RELATÓRIO ANALÍTICO PROGRAMA DE C,T&I PARA NANOTECNOLOGIA

RELATÓRIO ANALÍTICO PROGRAMA DE C,T&I PARA NANOTECNOLOGIA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Departamento de Políticas e Programas Temáticos Coordenação-Geral de Micro e s RELATÓRIO ANALÍTICO PROGRAMA

Leia mais

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil

ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil ESPORTE E UNIVERSIDADE: a reestruturação do esporte universitário no Brasil Wadson Ribeiro Secretário Nacional de Esporte Educacional Ministério do Esporte A DÉCADA DO ESPORTE BRASILEIRO Criação do Ministério

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO

Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO Os NITs e a efetividade do Programa RENORBIO O Nordeste e as Redes de PI FORTEC NE Cristina M Quintella NIT/UFBA, Rede NIT-NE, Regional NE do FORTEC Fortaleza, 10 de abril de 2007 Brasil no Planeta [2005]

Leia mais

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040

Goiânia, 16 de Setembro de 2013. Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Goiânia, 16 de Setembro de 2013 Sérgio Knorr Velho sergio.velho@mct.gov.br (61) 2033 7040 Eixo de Sustentação da ENCTI Redes SIBRATEC-ST na ENCTI 2012-2015 C,T&I como eixo estruturante do desenvolvimento

Leia mais

Reações do Brasil: A Ação das Outras Agências do Governo - Finep

Reações do Brasil: A Ação das Outras Agências do Governo - Finep ESTUDOS E PESQUISAS Nº 301 Reações do Brasil: A Ação das Outras Agências do Governo - Finep Luis Manuel Rebelo Fernandes* XXI Fórum Nacional - Na Crise Global, o Novo Papel Mundial dos BRICs (BRIMCs?)

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM BIOSINTÉTICOS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM BIOSINTÉTICOS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM BIOSINTÉTICOS Inovação Soluções em Tecnologia Sustentabilidade Prover Soluções de Tecnologia e Inovação para aumentar a competitividade da indústria. 300 projetos de inovação

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Projeto VoIP4ALL. Iara Machado

Projeto VoIP4ALL. Iara Machado Projeto VoIP4ALL Iara Machado Objetivo do Projeto Visa criar os meios para que 82 instituições federais,,q que incluem universidades, centros de educação tecnológica e unidades de pesquisa, possam implantar

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

3º ENCONTRO DE LACEN VISA ANVISA

3º ENCONTRO DE LACEN VISA ANVISA 3º ENCONTRO DE LACEN VISA ANVISA EXPERIÊNCIAS BEM SUCEDIDAS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DE FONTES DIVERSAS PARA INVESTIMENTO NO INSTITUTO ADOLFO LUTZ São Paulo, 10 a 12/12/2012 Alice M. Sakuma Adriana

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos 1 FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Simpósio Materiais Automotivos e Nanotecnologia São Paulo, 7 de junho de 2010 Resumo Marcos legais regulatórios Nanotecnologia

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Estudos Diagnósticos Carências e pontos de estrangulamento da infra-estrutura de pesquisa do Brasil

Estudos Diagnósticos Carências e pontos de estrangulamento da infra-estrutura de pesquisa do Brasil CTInfra Secretaria Técnica do Fundo de Infra-estrutura Estu Diagnósticos Carências e pontos de estrangulamento da infra-estrutura de pesquisa do Brasil Centro de Gestão e Estu Estratégicos Ciência, Tecnologia

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

El proceso de Evaluación de Investigadores en el CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Brasil

El proceso de Evaluación de Investigadores en el CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Brasil El proceso de Evaluación de Investigadores en el CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Brasil Ana Lúcia Delgado Assad Política de Estado Plano de Ação 2007-2010 Ciência,

Leia mais

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

Brasil Economia e Educação. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Brasil Economia e Educação Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Gini e PIB Per Capita 380 Gini e Pib Per Capita (1960 - base =100) 120 PIB Per Capita 330 280 230 180 1995 111,42 108,07 1992

Leia mais

Promover o crescimento sustentável da indústria brasileira, em médio e longo prazo, na área de química verde para a geração de inovações tecnológicas

Promover o crescimento sustentável da indústria brasileira, em médio e longo prazo, na área de química verde para a geração de inovações tecnológicas Promover o crescimento sustentável da indústria brasileira, em médio e longo prazo, na área de química verde para a geração de inovações tecnológicas e a transferência de conhecimento através de pesquisa,

Leia mais

Painel: Reestruturação do Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Painel: Reestruturação do Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Painel: Reestruturação do Marco Legal da Inovação Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Rio de Janeiro, 1 e 2 de setembro de 2010 Marco Legal da Inovação PODER DE COMPRA DO ESTADO E MARCO

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil

Fórum Nacional do CONFAP. Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil Fórum Nacional do CONFAP Avaliação do Cenário de C, T & I no Brasil São Paulo, 27 de agosto de 2015 Alavancar os investimentos empresariais em P&D para alcançar o total de 1,5% do PIB em P&D. Em 10

Leia mais

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012

Pesquisa da 10ª Semana. Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Pesquisa da 10ª Semana de Museus Coordenação de Estudos Sócioeconômicos CESES Departamento de Difusão Fomento e Economia de Museus DDFEM Ibram, 2012 Panorama geral - Pesquisa da 10ª Semana Nº entradas

Leia mais

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES

INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES INFORMATIVO DO PESQUISADOR BOLETIM SEMANAL INFORMATIVO PRPPG/UFPI - 10/12/2009 CAPES 1. Programa CAPES/MES-Cuba PRAZO DE INSCRIÇÃO: 30 de março de 2010 OBJETIVOS: O Programa CAPES/MES-Cuba visa apoiar

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

A relação dos projetos aprovados, indeferidos e não pré-qualificados é a seguinte:

A relação dos projetos aprovados, indeferidos e não pré-qualificados é a seguinte: CT-INFRA - Fundo de Infra-Estrutura Resultado do Edital CT-INFRA/INSTITUCIONAL FINEP 01/2001 O Comitê Gestor do CT-INFRA, em reunião realizada em 21 de agosto, tomando como base a avaliação de mérito do

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 08 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital convida os pesquisadores a apresentarem projetos de pesquisa da área de saúde e em conformidade com os temas, no âmbito do Programa Pesquisa para

Leia mais

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE Maria Rita de Morais Chaves Santos (UFPI) Coordenação Regional FORTEC NE Coordenação NIT UFPI REDE NIT - NE Mrita/ufpi/2008 PERFIL Maria

Leia mais

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5 MCTI - Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Incentivos Fiscais Prof. Dr. Aristeu Gomes Tininis Cuiabá, 15 de dezembro de 2015 MCTI SETEC. AGENDA Programa Inovar Auto. Lei do Bem. Possibilidades

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 12 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GPD

Leia mais

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia 1950 1960 1951 Criação do Conselho Nacional de Pesquisas e da CAPES CNPq e CAPES apóiam estudantes e pesquisadores individuais (bolsas e

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 560, DE 2015 Dispõe sobre critério para a concessão de bolsas pelas agências federais de fomento à pesquisa. Autor: Deputado

Leia mais

SECRETARIA DE CIDADANIA E

SECRETARIA DE CIDADANIA E SECRETARIA DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL 2012 O Programa Arte, Cultura e Cidadania - Cultura Viva, iniciado em 2004 pelo Ministério da Cultura, objetiva reconhecer e potencializar iniciativas culturais

Leia mais