UMA VISÃO SOBRE SOA. O que é, que cuidados a ter na sua implementação e qual a abordagem Indra na implementação de projectos deste tipo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA VISÃO SOBRE SOA. O que é, que cuidados a ter na sua implementação e qual a abordagem Indra na implementação de projectos deste tipo"

Transcrição

1 Cnsultria Tecnlógica UMA VISÃO SOBRE SOA O que é, que cuidads a ter na sua implementaçã e qual a abrdagem Indra na implementaçã de prjects deste tip RUI PEDRO SARAIVA Respnsável Cnsultria Tecnlógica IDC Virtualizaçã e SOA/ Centr Cultural de Belém/ 01 de Julh de 2008

2 INDICE 01 Apresentaçã Crprativa Indra 02 Entendiment d Mdel SOA 03 Factres de Sucess 04 Abrdagem Indra 2

3 INDICE 01 Apresentaçã Crprativa Indra 02 Entendiment d Mdel SOA 03 Factres de Sucess 04 Abrdagem Indra 3

4 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA INDRA QUEM SOMOS Multinacinal de TI númer um em Espanha e uma das principais na Eurpa M em vendas 1/3 em mercads internacinais prfissinais Mdel de negóci diferencial 4

5 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA INDRA FORTE PRESENÇA INTERNACIONAL DIRECCIONADA PARA OS MERCADOS GEOGRÁFICOS COM ELEVADO POTENCIAL DE CRESCIMENTO Mais de 30 filiais REFERÊNCIAS EM MAIS DE 90 PAÍSES EUROPA AMÉRICA LATINA E.U. RESTO 51% 28% 8% 13% Alemanha Angla Andrra Arábia Saudita Argélia Argentina Arménia Austrália Áustria Bahrein Belize Bélgica Blívia Bósnia Herzegvina Btswana Brasil Bulgária Cab Verde Camarões Canadá Chile China Clômbia Cng Creia d Sul Csta Rica Crácia Equadr E.U. Egipt El Salvadr Emirats Árabes Unids Eslváquia Espanha Etiópia Filipinas Finlândia França Grécia Guatemala Hnduras Hlanda Hungria Irlanda Itália Índia Indnésia Israel Jrdânia Cazaquistã Quénia Letónia Líbia Lituânia Luxemburg Macedónia Malta Marrcs Méxic Mldávia Mónac Mçambique Nicarágua Nigéria Nruega Nva Zelândia Oman Panamá Paraguai Peru Plónia Prtugal Prt Ric Rein Unid República Checa República Dminicana Ruanda Rménia Rússia Servia e Mntenegr Singapura Síria África d Sul Suíça Tunes Turquia Ucrânia Uganda Uruguai Venezuela Vietname Zâmbia Zimbabwe 5

6 INDICE 01 Apresentaçã Crprativa Indra 02 Entendiment d Mdel SOA 03 Factres de Sucess 04 Abrdagem Indra 6

7 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA SOA PARA QUÊ? SOA ferece respstas a necessidades cmuns d negóci Agilidade de negóci Cntrl d negóci Pupança de custs Limitada TI atrasa negóci Timetmarket elevad Redundância Vams lançar de funções nvas fertas cmerciais Risc baseadas Tecnlógic na (pr idade ds alterações nsss ns clientes sistemas de prduçã) CEO Será necessáricriar ái i nvas funcinalidades que dêem suprte a essas fertas tems de alterar CRM, sistema de facturaçã, CIO 7

8 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA SOA PARA QUÊ? SOA ferece respstas a necessidades cmuns d negóci Agilidade de negóci Cntrl d negóci Pupança de custs Limitada Restringid TI atrasa negóci Sils de Infrmaçã Timetmarket elevad Redundância Alguns de Clientes funções ainda nã receberam s seus Risc pedids Tecnlógic (pr alterações O que ns se sistemas passa? de prduçã) CEO Prcesss de negóci tems de ir buscar s pedids desses fragmentads entre Clientes várias a CRM, depis cmprvar aplicações estad ds pedids n Sistema de Gestã Integraçã B2B de difícil Pedids prvavelmente tems de chamar a empresa de transprtes para averiguar se huve prblemas CIO 8

9 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA SOA PARA QUÊ? SOA ferece respstas a necessidades cmuns d negóci Agilidade de negóci Cntrl d negóci Pupança de custs Limitada Restringid Cndicinad TI atrasa negóci Timetmarket elevad Redundância de funções O rçament para este Risc an Tecnlógic é... (pr alterações ns sistemas de prduçã) CEO Sils de Infrmaçã Custs de manutençã necessitams elevads migrar Sistema de Prcesss de negóci Gestã de Pedids, está basead em fragmentads entre várias tecnlgia bsleta Frte dependência especialista das d aplicações sistema saiu da tecnlgias empresa... Tems instaladas de Integraçã B2B difícil cntratar um freelancer. Nã vai haver rçament para nv Prtal de Clientes CIO 9

10 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA SOA PARA QUÊ? SOA ferece respstas a necessidades cmuns d negóci Agilidade de negóci Cntrl d negóci Pupança de custs Limitada Restringid Cndicinad TI atrasa negóci Timetmarket elevad Redundância de funções Tds estes Risc Tecnlógic (pr prblemas afectam alterações ns sistemas de prduçã) negóci CEO Sils de Infrmaçã Custs de manutençã Prcesss de negóci elevads fragmentads entre várias Frte dependência das aplicações tecnlgias instaladas Integraçã B2B difícil SOA é a sluçã que precisams CIO 10

11 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA SOA PARA QUÊ? SOA ferece respstas a necessidades cmuns d negóci Agilidade de negóci Cntrl d negóci Pupança de custs Slucinad Limitada cm SOA Slucinad Restringid cm SOA Slucinad Cndicinad cm SOA CEO TI atrasa negóci Timetmarket elevad Redundância de funções Risc Tecnlógic (pr alterações ns sistemas de prduçã) SOA Sils de Infrmaçã Prcesss de negóci fragmentads entre várias aplicações Integraçã B2B difícil Prprcina melhr alinhament entre TI e s bjectivs de negóci Melhra timetmarket Prmve reutilizaçã para evitar redundância e riscs tecnlógics. Facilita desenvlviment Oferece visã endtend d negóci Está baseada em serviçs e prcesss, nã em aplicações Pssibilita a interperabilidade entre platafrmas tecnlógicas distintas (fundamentase em standards) + + Custs de manutençã elevads Frte dependência das tecnlgias instaladas CIO 11

12 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA SOA» SERVICE ORIENTED ARCHITECTURE Estil de arquitectura que suprta serviçs débilmente acplads para facilitar a flexibilidade d negóci de frma interperavel e independente da tecnlgía. Cnsiste num cnjunt de serviçs alinhads cm negóci que dã suprte a prcesss de negóci implementads de frma flexivel e dinamicamente recnfiguráveis utilizand descrições de serviçs baseadas em interfaces. 12

13 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA EVOLUÇÃO ATÉ AO MODELO SOA Exempl de Tramitaçã de Sinistr Cm SOA criams SERVIÇOS: Os SERVIÇOS sã ISOLADOS e REUTILIZAVEIS As APLICAÇÕES cnstremse pr COMPOSIÇÃO DE SERVIÇOS A CADEIA DE VALOR das rganizações dirige as APLICAÇÕES Antes de SOA Cmpartimentad, Departamental, Fechad, Mnlític Funções de Negóci dependentes de Aplicações Depis de SOA Serviçs Partilhads, Clabrativ, Integrad Aplicações Cmpstas Gestã de Prfissinais Assignaçã Prfissinais Incrpraçã Prfissinais Seguiment e Cntrl Cntrataçã/ Carteira Cntrataçã Pagaments Suplements Tarifaçã Marketing CRM Vendas Finanças Catálg Sinistrs Abertura de Expediente Suplements Assignaçã Prfissinais Pagaments Partner Funçã de Negci Prcess Negci Serviç Serviç 1. Abertura de Expediente Cntrataçã. Serviç Tramitaçã de Sinistrs (aplicaçã hrizntal a rganizaçã Pagamen ts Abert. Expedien te 2. Sumplement Apólice 3. Assignaçã Prfissinais Bus Assig. Prfissi. Segui. Cntrl Supleme nts Serviç Marketing CRM Vendas Finanças Catálg 5. Seguiment Prfissinais Serviçs de Negci Reutilizaveis 4. Pagaments Serviç Serviç Partner 13

14 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA MODELO CONCEPTUAL DE ARQUITECTURA SOA Negóci 1 Identificaçã e Especificaçã de Serviçs Uma vez definid mdel de negóci, s serviçs necessáris para implementar s prcesss de negóci devem ser identificads e especificads. Este é um prcess cmpletamente analític. Prcesss e Infrmaçã Aplicações Infraestrutura Arquitectura SOA Arquitectura Lógica (Serviçs) Arquitectura Tecnlógica 2 Arquitectura Técnica As Aplicações devem ter infraestrutura tecnlógica que permita a implementaçã ds prcesss de negóci a partir da cmpsiçã de serviçs 14

15 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA MODELO ARQUITECTURA TECNOLÓGICA SOA BAM (Business Activity Mnitring) Infraestrutura para a mnitrizaçã d rendiment ds prcesss de negóci BPM ESB (Enterprise (Business Prcess Service Bus) Management) Ferramenta Infraestrutura que de permite mdelar, cnectividade autmatizar que gerir dispnibiliza prcesss s de negóci serviçs a a aplicações lng de e td prcesss. seu cicl Permite de vida, reduzir cm númer estratégia e para cmplexidade alcançar a das eficiência cnexões perativa entre sistemas Vista de Negci Regist e repsitóri de Prtal serviçs Prcess 1 Prcess 2 Prcess 3 Prcess 4 Prcesss Serviç 1 Serviç 2 Serviç 3 ESB Serviç 4 Serviç 5 Serviç 6 Mainframes App Servers Databases Packaged Apps Custm Apps Partners Infraestrutura de Negci de acess Infraestrutura para lcalizaçã, integrad (BPM) e persnalizad a classificaçã e gestã d cicl de infrmaçã, aplicações e vida de serviçs prcesss de negóci Cmpnentes Serviçs de serviç Implementa a Regist e Serviç funcinalidade Repsitri d Tarefa Serviç. de de Negóci Serviçs Elements que repetivel, pssibilitam Cmpnentes atómica acess e à islada. infrmaçã É de Serviç interface da infraestrutura de Pde TI ser d cmpnente. alterad cmpnente Infraestrutura sem mudar serviç 15

16 ENTENDIMENTO DO MODELO SOA BPM» Business Prcess Mnitring Cicl de vida de um prcess inserid num sistema BPM BAM Business Activity Mnitring Quadr de Cmand Business Intelligence BPMS (Mnitrizaçã Prcesss) ptimizar analisar mnitrizar executar Prcess definir mdelar simular desenvlver BPM Suite Mtr de Regras de Negóci ESB (Enterprise Service Bus) BPA Business Prcess Analysis Arquitectura Empresarial Mdelaçã e Simulaçã Nrmalizaçã Cumpriment de Nrmativa 16

17 INDICE 01 Apresentaçã Crprativa Indra 02 Entendiment d Mdel SOA 03 Factres de Sucess 04 Abrdagem Indra 17

18 FACTORES DE SUCESSO SEM UMA GESTÃO ADEQUADA DAS PLATAFORMAS SOA Ist pde cnverterse nist A PROMESSA SOA Um mnte de SERVIÇOS INCONTROLADOS perdendse assim desta frma s benefícis prvidenciads pel SOA 18

19 FACTORES DE SUCESSO OS QUATRO PILARES SOA A implementaçã de SOA em qualquer Organizaçã deve basearse em 4 cnceits fundamentais: Estabeleciment da Metdlgia Implementaçã da Tecnlgia Implementaçã SOA Gestã da SOA Mudança Gvernance En 2010, a falta de SOA Gvernance será a razã mais cmum para fracass de uma implementaçã SOA (Prbabilidade de 0.8) 19

20 FACTORES DE SUCESSO ROADMAP SOA PARA UMA EMPRESA O PONTO DE PARTIDA DEPENDE DO GRAU DE MATURIDADE Iniciativa e Estrategia Objectivs Estratégics Plans Téctics Exempls Implementaçã SOA Estabelecer s fundaments de SOA Assentar negci sbre s beneficis de SOA Fixar: Metdlgía Arquitectura Tecnlgía Integraçã de Sistemas Expsiçã de Serviçs Serviçs de Framewrk Padrões de Desenvlviment Serviçs de Negci Reutilizáveis Nivel 3 Nivel 5 SOA industrializad Orquestaçã de Serviçs Extensã de SOA à Cmpanhia Orquestaçã de Serviçs (BPA) Gestã de Prcesss de Negci (BPM) Abrir SOA a exterir da cmpanhía Geraçã de Serviçs Cmpsts Desenvlver e Mnitrizar Prcesss de Negci Esenciais Serviçs B2B & B2C Prcesss Autmatizads Desenh de Prcesss de Negci, BAM B2C DACPD6 Subscriçã deactpd5 Serviçs B2B Prvisã de Serviçs GOVERNANCE Nivel 1 Nivel 2 Nivel 4 20

21 INDICE 01 Apresentaçã Crprativa Indra 02 Entendiment d Mdel SOA 03 Factres de Sucess 04 Abrdagem Indra 21

22 ABORDAGEM INDRA EVOLUÇÃO SOA NA INDRA Enquant s fabricantes de platafrmas rientam seu discurs para SOA para justificar e prmver a venda ds seus prduts, a INDRA ferece uma abrdagem SOA própria que cnsiste em: Metdlgía de Implementaçã SOA. Abrdagem de desenvlviment de aplicações Service Oriented Business Applicatins (SOBA) Enfque de Implementaçã» Identificaçã de Serviçs: TpDwn (nvs) e BttmUp (existentes). Aliança cm tds s frnecedres de Infraestrutrura. Tems cmpetência em tdas as sluções Desenvlver aplicações cm paradigma SOA utilizand ibuilder, abrangend s seguintes aspects: Metdlgía de Desenvlviment. Arquitectura referência SOA. Framewrks. Ambiente de desenvlviment MDA. 22

23 ABORDAGEM INDRA METODOLOGÍA DE IMPLEMENTAÇÃO SOA emind4ea Preassessment Análise Situaçã Actual Definiçã Mdel Futur Estratégia SOA Prtótip Determinaçã Nível de Maturidade SOA Divulgaçã Reclha de Expectativas e requisits Caracterizaçã ds SI Mapa Organizaçã vs. SI Identificaçã ds Prcesss crss Mapa Urbanístic (Serviçs abstrats) Arquitectura Lógica e Técnica bjetiv Plan Directr de Implementaçã SOA (radmap) Recmendações e guías técnicas Plan de Gestã da Mudança Plan de Gvern SOA Prpsta Oficina AE Validaçã técnica da Arquitectura prpsta Criaçã de activs reutilizáveis 23

24 ABORDAGEM INDRA O QUE É O ibuilder? Metdlgia É metdlgía que hmgeniza cicl de vida É baseada n paradigma RUP (Ratinal Unified Prcess) UML (Unified Mdel Language) cm padrã de mdelaçã Orientada a Objects, para fases de Análise e Desenh Cicl de Vida Iterativ e nã waterfall analisar emind4ibuilder ptimizar mnitrizar executar Prcess definir mdelar simular desenvlver Ambiente de desenv. É ambiente dev. de alta prdutividade basead em Mdels UML e Geraçã Autmatica de Códig Prcess de Engenharia de Sftware Qualificad» Trabalh de Dev. Prfissinalizad Mair nível abstracçã Prgramadr nã tem de dminar s framewrks Open Surce PIM PSM Ferramenta de mdelaçã UML <xmi/> Templates Ferramentas MDA Códig Mdel Driven Architecture Framewrk É uma Arquitectura J2EE baseada em cmpnentes pensurce, BPM e BRS Open Surce, J2EE, BPM, BRS (*) PIM: Platfrm Independent Mdel (** )PSM: Platfrm Specific Mdel 24

25 ABORDAGEM INDRA O QUE É O ibuilder? Benefícis Melhra Timetmarket em desenvlviment de prjects Facilita a rientaçã d desenvlviment a negóci e a Cliente Favrece a cncretizaçã d âmbit funcinal d prject Hmgeniza a realizaçã d prcess de análise Diminui risc na fase de cnstruçã Aumenta a qualidade d sftware a reduzir drasticamente númer de errs na fase de cnstruçã Facilita a integraçã ds cmpnentes desenvlvids 25

26 ABORDAGEM INDRA CAAT» CENTRO AVANÇADO DE ARQUITECTURAS TECNOLÓGICAS ALIANÇAS E PARCEIROS A partir das alianças cm s principais frnecedres de sluções de integraçã/soa, a Indra está a criar seu própri labratóri SOA, que cbre s seguintes bjectivs: Ajudar s Clientes Indra a entender e adptar um discurs SOA cerente e cmplet Mntar prttips SOA cm s principais frnecedres de tecnlgía SOA: IBM, BEA, Oracle, TIBCO, SwAG Mstrar situações reais as clientes, cm base ns prttips de Arquitectura Empresarial e aplicações SOA. Evluir as versões BETA ds frnecedres para estar na vanguarda. Realizar estuds e cmparações entre as diferentes sluções, de frma a pder indicar a melhr sluçã para cada cliente. Dar cerência e hmgenidade à visã SOA da Indra, e das capacidades das sluções, evitand dar juizs de valr cntraditóris entre s prjects e pessas envlvidas em temas SOA. Utilizaçã d labratri cm centr de frmaçã para nvs técnics (junirs) u actualizaçã tecnlógica, em Infraestruturas SOA. 26

27 Rui Pedr Saraiva Cnsultria Tecnlógica Alfrapark Edifíci C Pis 2 Estrada d Seminári, Amadra Prtugal T F

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Semanalmente em mais de 175 países. Onde quer que esteja, nós chegamos lá. O Semanári. Para além das notícias, somos um mundo de Comunicação.

Semanalmente em mais de 175 países. Onde quer que esteja, nós chegamos lá. O Semanári. Para além das notícias, somos um mundo de Comunicação. Semanalmente em mais de 175 países. Onde quer que esteja, nós chegams lá.. d n u m n ã ç a l u c r i c r i a m e d s ê u g u t r P O Semanári Para além das ntícias, sms um mund de Cmunicaçã. Já sms mais

Leia mais

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2

QUEM SOMOS. projectos. processos. gestão. produtividade. l 2 Acreditads pr Partners 1. QUEM SOMOS l 2 A g3p cnsulting apsta na prmçã da excelência peracinal, através da realizaçã de prjects de cnsultria e frmaçã, que ptenciam ganhs a nível da melhria da prdutividade

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Global Knowledge Portugal

Global Knowledge Portugal Glbal Knwledge Prtugal Quem é a Glbal Knwledge? A Glbal Knwledge é a empresa líder a nível mundial em frmaçã IT & Business Skills Adaptam-ns às necessidades ds nsss clientes ministrams curriculum cmplet

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos

As ferramentas SIG na análise e planeamento da inclusão. João Pereira Santos As ferramentas SIG na análise e planeament da inclusã Jã Pereira Sants 1 Agenda Apresentaçã Intergraph Evluçã SIGs Prjects SIGs Exempls Questões 2 Apresentaçã Intergraph Fundada em 1969, cm nme de M&S

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado

Políticas de Cobertura para Mercados de Destino das Exportações Portuguesas Seguro de Créditos à Exportação com garantia do Estado No âmbito de apólices individuais África do Sul 1 Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Barein Benim Brasil 1 Cabo Verde Camarões Chile China 2 Garantia bancária (decisão casuística). Caso a caso. Garantia

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010

Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010 Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010 Institucional \ Quem Somos A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo disponibilizar

Leia mais

Apresentação das secções. Secção de Sistemas Digitais e Percepcionais (SSDP)

Apresentação das secções. Secção de Sistemas Digitais e Percepcionais (SSDP) Apresentaçã das secções Secçã de Sistemas Digitais e Percepcinais (SSDP) Linha A Frmaçã em Sistemas Digitais e Sensriais Linha B Frmaçã Prcessament e Integraçã de Infrmaçã Departament de Engenharia Electrtécnica

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico As sluções em Mbilidade Urbana da Fundatec têm cm fc sistemas inteligentes que agregam cnceits e métds através de atuaçã multidisciplinar e trazem knw hw internacinal para aplicar em melhrias das infraestruturas

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral

Modelo de Comunicação. Programa Nacional para a Promoção da Saúde Oral Mdel de Cmunicaçã Prgrama Nacinal para a Prmçã da Saúde Oral Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e utilizadres d Sistema de Infrmaçã para a Saúde Oral

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU. Curso de Pós-Graduação. Gerenciamento de Projetos com Ênfase nas Práticas do PMI 1 UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU Curs de Pós-Graduaçã Gerenciament de Prjets cm Ênfase nas Práticas d PMI Shirlei Sares Medeirs Braghett Gerenciand escp em Prjet utilizand RUP e PMI Sã Paul 2010 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

ESTUDO CONCEPTUAL E PARA DESENVOLVIMENTO DA PLATAFORMA EMARKETPLACE ACIST

ESTUDO CONCEPTUAL E PARA DESENVOLVIMENTO DA PLATAFORMA EMARKETPLACE ACIST Via Oceânica, Marketing e Infrmática Lda. Rua Dr. Alfred da Silva Sampai, 38 r/c Dt. - S. Bent 9700-013 Angra d Herísm E-Mail: webmaster@viaceanica.cm Prtal: www.viaceanica.cm ESTUDO CONCEPTUAL E PARA

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO PP. Desenvolvimento PJe Versão 2.0

PROPOSTA DE PROJETO PP. Desenvolvimento PJe Versão 2.0 PROPOSTA DE PROJETO PP Desenvlviment PJe Versã 2.0 1. NECESSIDADE E/OU OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Atualmente PJe está instalad,smente n segment da Justiça d Trabalh, em 581Varas d Trabalh, além ds 24 Tribunais

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

CENTROS DE ALTO RENDIMENTO DESPORTIVO ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO 29 Maio 2012

CENTROS DE ALTO RENDIMENTO DESPORTIVO ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO 29 Maio 2012 CENTROS DE ALTO RENDIMENTO DESPORTIVO ABORDAGEM ESTRATÉGICA DE PROMOÇÃO 29 Mai 2012 CENTRO DE ALTO RENDIMENTO (CAR) DESPORTIVO Unidade perativa que cnjuga um cnjunt específic e diversificad de instalações

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Como participar em feiras nos mercados

Como participar em feiras nos mercados Câmara d Cmérci de Angra d Herísm Assciaçã Empresarial das ilhas Terceira, Gracisa e Sã Jrge Cm participar em feiras ns mercads Feiras e glbalizaçã Cm a liberalizaçã d cmérci internacinal e à luz d fenómen

Leia mais

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões:

1.a. Atividades principais concepção, produção, desenvolvimento e distribuição de bens duráveis e produtos profissionais. São três as suas divisões: Electrolux AB 1. Principais Características Matriz: Electrolux AB Localização: Estocolmo, Suécia Ano de fundação: 1901 Internet: www.electrolux.com Faturamento (2000): US$ 11.537 mi Empregados (2000):

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS

SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS PROJETO DE REFORÇO DAS CAPACIDADES E COMPETÊNCIAS RELATIVAS A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS ILHAS Crdenadr: Parceirs: SEMINÁRIO PARTICIPATIVO DE REUTILIZAÇÃO DAS ÁGUAS RESIDUAIS TRATADAS Intercâmbi

Leia mais